OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL"

Transcrição

1 APRESENTAÇÃO OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL AGROICONE JULHO 2015 TEMA CÓDIGO FLORESTAL PROJETO OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE BIOENERGIA O projeto Iniciativa para o Uso da Terra (INPUT) é composto por uma equipe de especialistas que trazem ideias inovadoras para conciliar a produção de alimentos com a proteção ambiental. O INPUT visa avaliar e influenciar a criação de uma nova geração de políticas voltadas para uma economia de baixo carbono no Brasil. O trabalho produzido pelo INPUT é financiado pela Children s Investment Fund Foundation (CIFF), através do Climate Policy Initiative.

2 OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL RELATÓRIO FINAL 05ACN0115R00 CURITIBA JULHO,

3 1 - INTRODUÇÃO OBJETIVOS Geral: Subsidiar à AGROICONE com informações no sentido de ampliar seu entendimento sobre as oportunidades de investimento em florestas plantadas no Brasil, voltadas a geração de energia Específico: Apoiar na geração de conhecimento sobre fatores de competitividade e potencial das florestas plantadas na geração de energia no Brasil 2

4 2 - METODOLOGIA ABRANGÊNCIA GEOGRÁFICA Este projeto abrange o Brasil como um todo, com informações desagregadas por estados e/ou nas grandes regiões brasileiras. ABRANGÊNCIA DO ESCOPO Fontes Energéticas: foco em biomassa/lenha (madeira); Espécies: oriundas de florestas plantadas (eucalipto e pinus); Principais atividades: Caracterização do perfil de florestas plantadas e segmentos consumidores no Brasil (ênfase em florestas energéticas); e Análise do potencial de florestas na geração de energia. 3

5 3 CARACTERIZAÇÃO DE FLORESTAS PLANTADAS E SEGMENTOS CONSUMIDORES NO BRASIL CARACTERIZAÇÃO DE FLORESTAS PLANTADAS Cadeia Produtiva: TORA GROSSA > 18 cm PRODUTOS MADEIRA SÓLIDA SERRADO LAMINADO MERCADO COMPENSADO PMVA FLORESTAS PLANTADAS RESÍDUO 1 NDUSTRIAL TORA FINA 8 18 cm PROCESSO PAINEL RECONSTITUÍDO MERCADO CELULOSE & PAPEL MADEIRA P/ ENERGIA LENHA / > 8 cm BIOMASSA FLORESTAL BIOCOMBUSTÍVEIS FLORESTAIS 3 MERCADO RESÍDUO 2 FLORESTAL PRODUTOS QUE GERAM A BIOMASSA FLORESTAL 1 Resíduo industrial (casca, costaneira, refilos, destopos, serragem, maravalhas, outros) 2 Resíduo florestal (ponteiras, galhos, casca, ramos, outros) 3 Biocombustíveis florestais (carvão, briquete, pellet, etanol celulósico, licor negro, outros) Fonte: Elaborado por STCP. 4

6 MM de ha 3 CARACTERIZAÇÃO DE FLORESTAS PLANTADAS E SEGMENTOS CONSUMIDORES NO BRASIL PERFIL DE FLORESTAS PLANTADAS E PRODUÇÃO DE MADEIRA NO BRASIL Evolução da Área de Florestas Plantadas com Eucalipto e Pinus no Brasil ,8 1,8 1,8 1,6 1,6 1,6 1,6 1,9 1,9 3,9 4,1 4,5 4,7 4,9 5,0 5,3 5,5 5, Eucalipto Pinus 2006: 5,7 milhões de ha Eucalyptus 67% e Pinus 33% 2014: 7,1 milhões de ha Eucalyptus 78% e Pinus 22% Razões: Rápido crescimento da indústria de celulose (base Eucalyptus) e menor ciclo de corte do Eucalyptus em relação ao Pinus Fonte: IBÁ (2015), compilado por STCP. 5

7 3 CARACTERIZAÇÃO DE FLORESTAS PLANTADAS E SEGMENTOS CONSUMIDORES NO BRASIL PERFIL DE FLORESTAS PLANTADAS E PRODUÇÃO DE MADEIRA NO BRASIL Distribuição da Área Plantada de Eucalipto e Pinus por Estado (2014) Eucalipto = 5,6 MM de ha Pinus = 1,6 MM de ha Outros 31% Minas Gerais 25% São Paulo 8% Outros 4% Rio Grande do Sul 12% Paraná 42% Bahia 11% Mato Grosso do Sul 15% São Paulo 18% Santa Catarina 34% Fonte: IBÁ (2015), compilado por STCP. 6

8 CARACTERIZAÇÃO DE FLORESTAS PLANTADAS E SEGMENTOS CONSUMIDORES NO BRASIL MERCADO CONSUMIDOR DE BIOMASSA FLORESTAL Consumo de Energia no Brasil Evolução Histórica do Consumo de Energia (MM tep) Distribuição do Consumo de Energia, Gás Natural 7% Eletricidade 17% por Tipo (2014) Outros 5% Derivado Petróleo 45% 50 0 Biomassa¹ 26% ¹ Inclui lenha, bagaço de cana, álcool, carvão vegetal e outras fontes renováveis. Fonte: BEN ( base 2014), adaptado por STCP. 7

9 3 CARACTERIZAÇÃO DE FLORESTAS PLANTADAS E SEGMENTOS CONSUMIDORES NO BRASIL MERCADO CONSUMIDOR DE BIOMASSA FLORESTAL Consumo de Biomassa no Brasil Distribuição do Consumo de Biomassa por Setor da Economia (2014) Distribuição do Consumo de Biomassa por Subsetor da Indústria (2014) Residencial 10% Transportes 19% Agropecuário 4% Comercial e Público 0% Cerâmica 8% Ferro Gusa e Aço 8% Outros 6% Alimentos e Bebidas 54% Energético 18% Industrial 49% Papel e Celulose 24% Fonte: BEN ( base 2014), adaptado por STCP. 8

10 Mil ton Milhões USD 3 CARACTERIZAÇÃO DE FLORESTAS PLANTADAS E SEGMENTOS CONSUMIDORES NO BRASIL MERCADO CONSUMIDOR DE BIOMASSA FLORESTAL Exportação de Cavacos para Celulose Exportações Brasileiras Principais Destinos (2014) Espanha 6% Portugal 7% China 7% Turquia 4% Outros 0% Japão 76% Fonte: MDIC (2015), compilado por STCP 9

11 3 CARACTERIZAÇÃO DE FLORESTAS PLANTADAS E SEGMENTOS CONSUMIDORES NO BRASIL MERCADO CONSUMIDOR DE BIOMASSA FLORESTAL Tendências e Perspectivas Localização de Produtores de Pellets no Brasil Reaproveitamento de Resíduos Produção de Pellets Geração de Energia a partir de Biomassa de Madeira 507 usinas no Brasil abastecidas com biomassa (bagaço de cana, resíduos de madeira, licor negro, carvão vegetal, biogás, gás de alto forno e casca de arroz) Potência instalada de 12,7 milhões kw (9% da potência total) 54 UTEs abastecidas com carvão vegetal e resíduos de madeira totalizam com potência instalada de 411,7 mil kw. Fonte: ABIPEL (2014), adaptado por STCP. 10

12 4 COMPETITIVIDADE DE FLORESTAS PLANTADAS PARA FINS ENERGÉTICOS VANTAGENS COMPARATIVAS E COMPETITIVAS Principais Vantagens Comparativas e Competitivas do Setor Florestal Brasileiro VANTAGEM COMPARATIVA Condições Existentes: - condições edafoclimáticas favoráveis ao cultivo florestal vis-à-vis outros países, resultando naturalmente em altas produtividades nas plantações; - grande extensão de áreas degradadas no País com vocação para projetos de reflorestamento, o que não ocorre em outros países grandes produtores; - grande extensão de áreas com florestas nativas, passíveis de serem exploradas mediante planos de manejo sustentável; - ciclos de rotação curtos (principalmente para madeira de biomassa) para as principais espécies, em torno de sete anos, favorecendo o fluxo de caixa dos projetos de reflorestamento no Brasil. INTERELACIONADAS VANTAGEM COMPETITIVA Condições Construídas: - existência de estoque florestal plantado com diferentes idades, espécies e localizações; - oferta de madeira fina em polos florestais (Sul); - custos relativamente baixos, tanto de formação florestal, quanto de operações florestais; - regimes de manejo criados p/ potencialização da produtividade, considerando localidade, espécies, condições edafoclimáticas, entre outros; - custo de mão de obra baixo se comparado ao de outros países produtores florestais (exceto China); - preços de terra para produção florestal mais barata que para a produção agrícola; - vários polos florestais já estabelecidos, incluindo indústrias de base florestal e mercados regionais de madeira organizados; - gestão profissional do negócio de base florestal: capacidade técnica; - mercado consumidor interno em processo de expansão e diversificação (maior potencial de uso de biomassa florestal para a geração de energia). Fonte: Elaborado por STCP. 11

13 5 POTENCIAL PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NO BRASIL ATRIBUTOS E GARGALOS P/ DESENVOLVIMENTO DE FLORESTA ENERGÉTICA Região Atributos Gargalos Condições edafoclimáticas compatíveis Sudeste IMAs de até 50 m³/ha.ano (eucalipto) Preço de terra não competitivo Alta demanda das UTEs a biomassa em SP Alto custo da mão de obra em São Paulo IDH, MO qualificada e infraest. de qualidade Condições edafoclimáticas compatíveis Alto preço de terra Região propícia p/ o desenv. de plantios de pinus Sobre oferta de tora fina de pinus no PR e SC pressão Sul IMAs de até 45 m³/ha.ano (pinus) nos preços Alta demanda por biomassa das UTEs (PR e SC) RS: dificuldade de implantar maciços florestais em larga Médio a Alto IDH, mão de obra qualificada e escala devido ao zoneamento do Estado infraest. adequada Ocorrência de geadas Condições edafoclimáticas compatíveis Baixo a médio IDH, mão de obra com pouca qualificação Centro- Consumo de tora fina no MS e expectativa de e infraestrutura precária a mediana Oeste nos próximos anos (expansão de fábricas) Alguns municípios do norte do MT com precipitação Preço de terra competitivo superior a mm/ano Regiões específicas do PI e BA como novas Estimativas baixas de IMA p/ eucalipto e c/ grande fronteiras, c/ condições edafoclimáticas mínimas p/ variabilidade no PI (16-25 m³/ha.ano) Nordeste eucalipto Algumas regiões com períodos longos de déficit hídrico Preço de terra competitivo Baixo a médio IDH, MO c/ pouca qualificação e Grande consumo de tora fina na BA (C&P) infraestrutura precária a mediana Alguns municípios com precipitação > a mm/ano Preço de terra competitivo Baixo IDH, mão de obra com pouca qualificação e Possibilidade de substituir áreas infraestrutura precária desmatadas/pecuária por plantios de eucalipto Norte Alto consumo de madeira nativa ilegal (desmatamento) Geração de energia elétrica em regiões onde a Percentual de reserva legal de 80% em propriedades oferta da rede da concessionária é limitada e inseridas na Amazônia Legal, sendo necessária a Fonte: Diversas, consequente elaborado por desenvolvimento STCP. regional aquisição de mais áreas para o projeto florestal 12

14 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS Brasil c/ grande dependência energética por fontes não renováveis (petróleo e gás natural) e energia hidráulica (vinculado a período regulares de chuva) Diversificação da matriz energética - garantir abastecimento nacional. Imprescindível incentivo, busca e aprimoramento na pesquisa e utilização de fontes energéticas renováveis no país. Região Sul e Sudeste - níveis de utilização de biomassa elevados c/ concentração do maior número de fábricas de pellets e UTEs Brasil - compromisso de expandir as energias renováveis na matriz energética do país até oportunidades de investimentos (Fundo de Energia do Nordeste) Grandes oportunidades para florestas energéticas (biomassa florestal) e resíduos p/ fins de geração de energia no Brasil Utilização da biomassa florestal como fonte de energia renovável tem sido o foco das políticas em países desenvolvidos e em desenvolvimento A importância dessas políticas é crescente, visto que o setor energético depende, e muito, de investimentos privados. 13

15 14

POLÍTICAS PÚBLICAS E PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS PARA A PROMOÇÃO

POLÍTICAS PÚBLICAS E PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS PARA A PROMOÇÃO POLÍTICAS PÚBLICAS E PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS PARA A PROMOÇÃO DO SETOR BIOMASSA SÓLIDA - MESA REDONDA - Joésio Siqueira joesio@stcp.com.br Florianópolis, SC 12 / Novembro / 2015 1 2 1 ÁREAS DE ATUAÇÃO

Leia mais

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade Artigo por: Suani T Coelho, Javier Escobar Como implementar a Biomassa na Matriz Energética Brasileira? 1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade O tema das energias renováveis na matriz

Leia mais

MARCOS REGULATÓRIOS DE FLORESTAS PLANTADAS. Seminário PDFS/MT 2015

MARCOS REGULATÓRIOS DE FLORESTAS PLANTADAS. Seminário PDFS/MT 2015 MARCOS REGULATÓRIOS DE FLORESTAS PLANTADAS Seminário PDFS/MT 2015 É referência em questões e atividades que interferem na cadeia de florestas plantadas, sugerindo e opinando em políticas públicas de pesquisa,

Leia mais

PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS)

PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS) PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS) * Rubens C. Garlipp São Paulo - SP 07 de junho de 2001 Mudanças Climáticas: Uma Abordagem Estrutural 3ª Semana FIESP / CIESP de Meio Ambiente

Leia mais

Visão Geral do Potencial do Mercado Florestal para a Região do MATOPIBA Tocantins Florestal Nov/2013

Visão Geral do Potencial do Mercado Florestal para a Região do MATOPIBA Tocantins Florestal Nov/2013 Visão Geral do Potencial do Mercado Florestal para a Região do MATOPIBA Tocantins Florestal Nov/2013 www.consufor.com A EMPRESA A Consufor é uma empresa de consultoria em NEGÓCIOS e ESTRATÉGIAS, especializada

Leia mais

Carvão vegetal Aspectos Sociais e Econômicos. 1º SEMINÁRIO MADEIRA ENERGÉTICA INEE 2-3 Setembro 2008

Carvão vegetal Aspectos Sociais e Econômicos. 1º SEMINÁRIO MADEIRA ENERGÉTICA INEE 2-3 Setembro 2008 Carvão vegetal Aspectos Sociais e Econômicos 1º SEMINÁRIO MADEIRA ENERGÉTICA INEE 2-3 Setembro 2008 APRESENTAÇÃO Apresentação preparada por: Ronaldo Sampaio PhD. - Diretor da RSConsultants Paulo César

Leia mais

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Apesar de pouco explorada, a biomassa florestal pode ser uma das alternativas para a diversificação da matriz energética Por

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA BIOCOMBUSTÍVEIS: ATRAÇÃO DE INVESIMENTOS PARA O ESTADO DO PARÁ CONTEXTO: A Agência de Desenvolvimento da Amazônia, deseja

Leia mais

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas?

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? 13-05-2015 Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? Através de florestas plantadas de Eucalipto e Pinus. Cada 1ha destas preservam 10ha de nativas. EUCALIPTO O plantio de Eucalipto

Leia mais

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3 CONTEÚDO. YPIRA: Integração dos setores de energia e florestal. A Planta Piloto da Bio-refinaria Jirau

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3 CONTEÚDO. YPIRA: Integração dos setores de energia e florestal. A Planta Piloto da Bio-refinaria Jirau Proposta de investimento em Inovação e Sustentabilidade: Planta Piloto de Bio-refinaria Jirau Soluções para uso de madeira de SVA 8 de junho de 2016 CONTEÚDO Capítulo 1 YPIRA: Integração dos setores de

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

ELOBiomass.com. Como Comprar a Energia da Biomassa Lignocelulósica!

ELOBiomass.com. Como Comprar a Energia da Biomassa Lignocelulósica! ELOBiomass.com Como Comprar a Energia da Biomassa Lignocelulósica! ÍNDICE Introdução... I Biomassa Lignocelulósica Energética... 1 Energia de Fonte Renovável... 2 Nova Matriz Energética Mundial... 3 Geração

Leia mais

BIOMASSA & SUSTENTABILIDADE DA INDÚSTRIA CERÂMICA DESAFIOS E OPORTUNIDADES

BIOMASSA & SUSTENTABILIDADE DA INDÚSTRIA CERÂMICA DESAFIOS E OPORTUNIDADES BIOMASSA & SUSTENTABILIDADE DA INDÚSTRIA CERÂMICA DESAFIOS E OPORTUNIDADES Dr. J. V. Emiliano Consultor UCS 1 Aproximadamente 6.903 cerâmicas e olarias (Fonte: IBGE 2008 para Seção C, Divisão 23, Grupo

Leia mais

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás O Estado de Goiás está situado na Região Centro-Oeste do Brasil e, segundo dados oficiais, ocupa área territorial de 340.111,783

Leia mais

Florestas plantadas como mecanismo de proteção das florestas nativas

Florestas plantadas como mecanismo de proteção das florestas nativas IV Semana de Engenharia Florestal e I Mostra de Pós-Graduação em Ciências Florestas plantadas como mecanismo de proteção das florestas nativas Wellington Blunck Rezende 03.03.2016 Graduação em Ciências

Leia mais

ESTRUTURA. Matriz ESCRITÓRIO SEDE CURITIBA, PR. www.stcp.com.br

ESTRUTURA. Matriz ESCRITÓRIO SEDE CURITIBA, PR. www.stcp.com.br ESTRUTURA ESCRITÓRIO SEDE CURITIBA, PR. Matriz ATUAÇÃO GLOBAL REINO UNIDO CANADÁ ESTADOS UNIDOS HONDURAS PANAMÁ COLÔMBIA EQUADOR PERÚ BOLÍVIA CHILE EL SALVADOR CONGO ARGENTINA URUGUAI PARAGUAI BRASIL GUIANA

Leia mais

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE BASE FLORESTAL PARA O ESTADO DE SANTA CATARINA 2014 LAGES/SC 27 DE FEVEREIRO DE 2014

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE BASE FLORESTAL PARA O ESTADO DE SANTA CATARINA 2014 LAGES/SC 27 DE FEVEREIRO DE 2014 ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE BASE FLORESTAL PARA O ESTADO DE SANTA CATARINA 214 LAGES/SC 27 DE FEVEREIRO DE 214 CONTEÚDO 1. APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ACR 2. BASE FLORESTAL PLANTADA 3. MERCADO DE PRODUTOS FLORESTAIS

Leia mais

A Ibá e o Setor de Florestas Plantadas

A Ibá e o Setor de Florestas Plantadas A Ibá e o Setor de Florestas Plantadas Beatriz P. Milliet Câmara Temática de Infraestrutura e Logística do Agronegócio Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 30 de setembro- 2015 1 1 A Ibá

Leia mais

WOOD BRIQUETE BIOBRIQUETE BAGAÇO CANA BIOBRIQUETE CASCA CAFÉ

WOOD BRIQUETE BIOBRIQUETE BAGAÇO CANA BIOBRIQUETE CASCA CAFÉ WOOD BRIQUETE BIOBRIQUETE BAGAÇO CANA BIOBRIQUETE CASCA CAFÉ A solução para a questão vai incluir uma mudança substancial em relação ao modelo de produção, consumo e desenvolvimento. Para isso, será necessário

Leia mais

O SETOR FLORESTAL SÉCULO XXI

O SETOR FLORESTAL SÉCULO XXI O SETOR FLORESTAL SÉCULO XXI PONTOS FORTES AMBIENTAIS Maior área florestal do mundo com 477 milhões de ha Estoque de carbono nas florestas da ordem de 50 bilhões de t C 150 milhões de ha com terras indígenas

Leia mais

Perspectivas da Indústria Nacional de Celulose e Papel

Perspectivas da Indústria Nacional de Celulose e Papel 35º. Fórum ANAVE Perspectivas da Indústria Nacional de Celulose e Papel Simone Nagai 9 de novembro, 2010 Temas: O Setor Base Florestal Contribuição Social e Ambiental Investimentos e Perspectivas 2 Desempenho

Leia mais

Medidas para superação de obstáculos para redução de emissões

Medidas para superação de obstáculos para redução de emissões MODERNIZAÇÃO DA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL Medidas para superação de obstáculos para redução de emissões Túlio Jardim Raad e Vamberto de Melo Seminário CGEE & DECOI da SDP/MDIC - Brasília, 20.05.2014 OBJETIVO

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1 CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL Sebastião Renato Valverde 1 A economia do setor florestal brasileiro até o ano de 1965 era pouco expressiva, tanto que as atividades de

Leia mais

Panorama do Mercado Brasileiro. Richard Nicolas De Jardin

Panorama do Mercado Brasileiro. Richard Nicolas De Jardin Panorama do Mercado Brasileiro Richard Nicolas De Jardin Linha do Tempo Falta de Infraestrutura Poucos Postos Segmento de Taxi Privatizações Crescimento da Infraestrutura Novos mercados Aumento das Vendas

Leia mais

41º CAFÉ COM SUSTENTABILIDADE 2015

41º CAFÉ COM SUSTENTABILIDADE 2015 41º CAFÉ COM SUSTENTABILIDADE 2015 CENÁRIO MUNDIAL SETOR FLORESTAL PRESSÃO PARA PRESERVAÇÃO DAS FLORESTAS PRESSÃO PARA ABERTURA DE NOVAS FRONTEIRAS FLORESTA RISCO DE ESCASSEZ VALORIZAÇÃO 2 O BRASIL FLORESTAL

Leia mais

PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC

PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC 19 de Maio de 2009 National Climate Change Policy National Plan on Climate Change Climate Fund Amazon Fund Política Nacional sobre Mudança Climática 2 objetivos

Leia mais

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Necessidade de projetos

Leia mais

Bases Para Uma Indústria Florestal Competitiva no Mato Grosso

Bases Para Uma Indústria Florestal Competitiva no Mato Grosso Bases Para Uma Indústria Florestal Competitiva no Mato Grosso Histórico O Grupo Floresteca foi fundada em 1994 tendo como objetivo o desenvolvimento de plantações de teca no Brasil de maneira sustentável

Leia mais

Silvicultura & Meio Ambiente Celso Foelkel

Silvicultura & Meio Ambiente Celso Foelkel Silvicultura & Meio Ambiente Celso Foelkel www.celso-foelkel.com.br www.eucalyptus.com.br Porquê precisamos plantar florestas? O ser humano sempre amou as coisas de madeira e as florestas Afinal, a floresta

Leia mais

VI SIMPÓSIO BRASILEIRO sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétricas

VI SIMPÓSIO BRASILEIRO sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétricas VI SIMPÓSIO BRASILEIRO sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétricas Mesa Redonda: O Papel das PCH e Fontes Alternativas de Energia na Matriz Energética Brasileira Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos

Leia mais

Teste de Uso Múltiplo Eucalyptus TUME. ESALQ Estações Experimentais IPEF Setor de Sementes Grupo Florestal Monte Olimpo

Teste de Uso Múltiplo Eucalyptus TUME. ESALQ Estações Experimentais IPEF Setor de Sementes Grupo Florestal Monte Olimpo Teste de Uso Múltiplo Eucalyptus TUME ESALQ Estações Experimentais IPEF Setor de Sementes Grupo Florestal Monte Olimpo Roteiro da Apresentação Histórico do TUME - as primeiras demandas Objetivos do TUME

Leia mais

Visões Ambientais para o Financiamento de Biocombustíveis no Brasil

Visões Ambientais para o Financiamento de Biocombustíveis no Brasil A expansão da agroenergia e seus impactos sobre os ecossistemas brasileiros Rio de Janeiro, 26-27 março 2007 Visões Ambientais para o Financiamento de Biocombustíveis no Brasil Eduardo Bandeira de Mello

Leia mais

Obtenção e Uso do Carvão Vegetal

Obtenção e Uso do Carvão Vegetal UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA DISCIPLINA: SEMINÁRIO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA Obtenção e Uso do Carvão Vegetal Doutoranda: Teresa Raquel Lima

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

Oportunidades e Restrições ao uso da Energia Eólica no Brasil

Oportunidades e Restrições ao uso da Energia Eólica no Brasil Oportunidades e Restrições ao uso da Energia Eólica no Brasil Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Fundação Instituto de Administração, como requisito parcial para a conclusão do curso MBA Executivo

Leia mais

27 de abril de 2016. Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017

27 de abril de 2016. Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017 27 de abril de 2016 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017 ROTEIRO I. Considerações sobre a atual situação do setor sucroenergético II. Bioeletricidade III. Condições climáticas e agronômicas

Leia mais

Vendas e MercadosProdutos. serviços adequados às necessidades de cada cliente

Vendas e MercadosProdutos. serviços adequados às necessidades de cada cliente Vendas e MercadosProdutos e serviços adequados às necessidades de cada cliente A estrutura do Grupo Gerdau, segmentada em cinco operações siderúrgicas, agrega importantes vantagens competitivas na área

Leia mais

Seminário Internacional sobre. Estatísticas Ambientais e Contas Econômicoambientais

Seminário Internacional sobre. Estatísticas Ambientais e Contas Econômicoambientais Seminário Internacional sobre Estatísticas Ambientais e Contas Econômicoambientais Tatiana Mahalem do Amaral 21 a 25 de setembro de 2009 RJ MISSÃO Conciliar uso e conservação das florestas, valorizando-as

Leia mais

DESINFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL

DESINFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL DESINFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL Antonio José Migliorini * 1. INTRODUÇÃO Todas as industrias que utilizam a madeira como matéria-prima, têm ao final do processamento uma grande quantidade de resíduos,

Leia mais

Oportunidades no Mercado de Biocombustíveis

Oportunidades no Mercado de Biocombustíveis 4 e 5 de junho de 2007 World Trade Center São Paulo, Brasil SÃO PAULO ETHANOL SUMMIT Novas Fronteiras do Etanol: Desafios da Energia no Século 21 Oportunidades no Mercado de Biocombustíveis Arnaldo Walter

Leia mais

Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja.

Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja. Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja. Maria Helena M. Rocha Lima Nilo da Silva Teixeira Introdução Quais os fatores

Leia mais

DINHEIRO DÁ EM ÁRVORE SIM!

DINHEIRO DÁ EM ÁRVORE SIM! ESPECIAL DINHEIRO DÁ EM ÁRVORE SIM! INVESTIMENTOS EM EMPREENDIMENTOS FLORESTAIS SÃO SEGUROS E COM BOA RENTABILIDADE, MAS É PRECISO SABER O QUE ESTÁ FAZENDO 58 www.referenciaflorestal.com.br C olocar dinheiro

Leia mais

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA Safra 2013/2014 Segundo Levantamento Agosto/2013 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia SPAE Departamento de CanadeAçúcar e Agroenergia DCAA Companhia

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

IMÓVEIS FLORESTAIS: AVALIAÇÃO PELA ABNT NBR 14.653 X APPRAISAL PELA USPAP

IMÓVEIS FLORESTAIS: AVALIAÇÃO PELA ABNT NBR 14.653 X APPRAISAL PELA USPAP IMÓVEIS FLORESTAIS: AVALIAÇÃO PELA ABNT NBR 14.653 X APPRAISAL PELA USPAP Tania Matsuno Ramos tania@confal.com.br Outubro / 2013 Avaliação de imóveis: finalidade Estimar o valor de mercado de imóveis como

Leia mais

ECOGERMA 2013 ENERGIAS RENOVÁVEIS COMPLEMENTAM A MATRIZ ENERGÉTICA... MAS PODEM NÃO SUPRIR A DEMANDA

ECOGERMA 2013 ENERGIAS RENOVÁVEIS COMPLEMENTAM A MATRIZ ENERGÉTICA... MAS PODEM NÃO SUPRIR A DEMANDA ECOGERMA 2013 ENERGIAS RENOVÁVEIS COMPLEMENTAM A MATRIZ ENERGÉTICA... MAS PODEM NÃO SUPRIR A DEMANDA Lineu Belico dos Reis 27 de junho de 2013 MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL Perspectivas e Estratégias Estudos

Leia mais

Oportunidades da Agropecuária Brasileira

Oportunidades da Agropecuária Brasileira Oportunidades da Agropecuária Brasileira Carne sustentável para o mundo Buenos Aires, 28 de setembro de 2010 SANIDADE ANIMAL BEM ESTAR ANIMAL PRESERVAÇÃO AMBIENTAL RASTREABILIDADE 1 O governo brasileiro

Leia mais

Informativo CEPEA Setor Florestal Preços da Celulose se elevam pelo segundo mês consecutivo

Informativo CEPEA Setor Florestal Preços da Celulose se elevam pelo segundo mês consecutivo Informativo CEPEA Setor Florestal Preços da Celulose se elevam pelo segundo mês consecutivo Número 155 Novembro de 2014 Realização: Apoio: Elaboração Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (CEPEA-

Leia mais

SEBRAE. Reunião da Câmara Técnica T. da Silvicultura MAPA 20/08/2013

SEBRAE. Reunião da Câmara Técnica T. da Silvicultura MAPA 20/08/2013 SEBRAE Reunião da Câmara Técnica T da Silvicultura MAPA 20/08/2013 SEBRAE Análise do Ambiente Externo Demanda crises econômicas sucessivas; Legislação ambiental necessidade do CV ser proveniente de floresta

Leia mais

Energia em busca de alternativas renováveis 1

Energia em busca de alternativas renováveis 1 Energia em busca de alternativas renováveis 1 Nivalde José de Castro Roberto Brandão Guilherme de A. Dantas Pergunta: É possível haver equilíbrio em um quadro de alta do petróleo, custos pouco atrativos

Leia mais

Brasília, 28 de novembro de 2011. O que é o PPCerrado:

Brasília, 28 de novembro de 2011. O que é o PPCerrado: PPCerrado Brasília, 28 de novembro de 2011. 1 O que é o PPCerrado: É um Plano de Ação (tático-operacional) que reúne ações para a redução do desmatamento no Cerrado e a viabilização de alternativas de

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO CARVÃO VEGETAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA. Alessandro Albino Fontes

IMPORTÂNCIA DO CARVÃO VEGETAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA. Alessandro Albino Fontes Universidade Federal de Viçosa Departamento de Engenharia Florestal IMPORTÂNCIA DO CARVÃO VEGETAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA Alessandro Albino Fontes 1. INTRODUÇÃO Definição O carvão vegetal é um subproduto

Leia mais

Utilização da Técnica de Análise de Tendências Impactadas para Projeção do Cultivo de Eucalipto no Brasil. Samir Lotfi Silvia Pela

Utilização da Técnica de Análise de Tendências Impactadas para Projeção do Cultivo de Eucalipto no Brasil. Samir Lotfi Silvia Pela Utilização da Técnica de Análise de Tendências Impactadas para Projeção do Cultivo de Eucalipto no Brasil Samir Lotfi Silvia Pela Objetivos Como eventos presentes e/ou futuros irão influenciar a taxa de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SETOR AGROINDUSTRIAL SUCROALCOOLEIRO NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

A IMPORTÂNCIA DO SETOR AGROINDUSTRIAL SUCROALCOOLEIRO NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL A IMPORTÂNCIA DO SETOR AGROINDUSTRIAL SUCROALCOOLEIRO NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL Alexandre de Souza Correa¹; Jaylton Bonacina de Araujo² UFGD/FACE Caixa Postal 364, 79.804-970

Leia mais

Relatório Final. Reflorestamento da Mata Atlântica através de Mecanismos Financeiros de Projetos de Carbono Florestal

Relatório Final. Reflorestamento da Mata Atlântica através de Mecanismos Financeiros de Projetos de Carbono Florestal Relatório Final Reflorestamento da Mata Atlântica através de Mecanismos Financeiros de Projetos de Carbono Florestal Maio 2010 FBDS-Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável Rua Eng. Álvaro

Leia mais

Critérios Socioambientais para Concessão de Crédito na CAIXA Ação Madeira Legal. Juan Carlo Silva Abad GN Meio Ambiente SUDES / VIGOV

Critérios Socioambientais para Concessão de Crédito na CAIXA Ação Madeira Legal. Juan Carlo Silva Abad GN Meio Ambiente SUDES / VIGOV Critérios Socioambientais para Concessão de Crédito na CAIXA Ação Madeira Legal Juan Carlo Silva Abad GN Meio Ambiente SUDES / VIGOV ESTRATÉGIA AMBIENTAL CAIXA Portifólio de Produtos Socioambientais Risco

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas Trabalho final: Projeto de adequação

Leia mais

Energias Renováveis (ER) Sustentabilidade Económica e Ambiental

Energias Renováveis (ER) Sustentabilidade Económica e Ambiental Seminário de Boa Governação das Energias Renováveis Energias Renováveis (ER) Sustentabilidade Económica e Ambiental Madival Alva das Neves Meteorologista (Direção Geral do Ambiente) São Tomé, 30 de junho,

Leia mais

A Suzano e o Fomento na Bahia

A Suzano e o Fomento na Bahia A Suzano e o Fomento na Bahia Como é a atuação da Suzano na região? Fundada há 85 anos, a Suzano começou a produzir papel em 1940 e celulose em 1950 sempre abastecendo o mercado brasileiro e os de diversos

Leia mais

Diretrizes da Agenda Setorial do Setor de Energias Renováveis: Biocombustíveis

Diretrizes da Agenda Setorial do Setor de Energias Renováveis: Biocombustíveis SENADO FEDERAL Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Diretrizes da Agenda Setorial do Setor de Energias Renováveis: Bioetanol Biodiesel Biocombustíveis Brasília, 28 de novembro de 2012 Foco e Prioridades

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria

Confederação Nacional da Indústria Confederação Nacional da Indústria Brasília, novembro de 2010 mudança do clima COP 16: A Contribuição da Indústria Brasileira As Principais Mensagens Os esforços da indústria brasileira são uma importante

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Melhoramento Vegetal

VI Congresso Brasileiro de Melhoramento Vegetal VI Congresso Brasileiro de Melhoramento Vegetal Biocombustíveis e o Melhoramento de Plantas Zoneamento Agroecológico de Espécies Vegetais Importantes para a Agroenergia AGOSTO de 2011 Celso Vainer Manzatto

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Workshop Adaptação às mudanças climáticas e os desafios da gestão ambiental integrada no Brasil O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Diretoria de Recursos Hídricos Ministério

Leia mais

Florestas Energéticas: realidade, visão estratégica e demanda de ações

Florestas Energéticas: realidade, visão estratégica e demanda de ações 4º Congresso Internacional de Bioenergia Florestas Energéticas: realidade, visão estratégica e demanda de ações Curitiba, 20 de agosto de 2009 Alexandre Uhlig, PhD. uhlig@uol.com.br Roteiro 2 Introdução

Leia mais

Receita Operacional Líquida (ROL) no 1T09 atingiu R$ 118,7 milhões, praticamente repetindo a cifra apresentada em igual período de 2008

Receita Operacional Líquida (ROL) no 1T09 atingiu R$ 118,7 milhões, praticamente repetindo a cifra apresentada em igual período de 2008 RESULTADOS 1T09 Destaques Destaques Receita Operacional Líquida (ROL) no 1T09 atingiu R$ 118,7 milhões, praticamente repetindo a cifra apresentada em igual período de 2008 Lucro Bruto de R$ 38,1 milhões

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Departamento da Cana-de-açúcar e Agroenergia MARÇO 2007 www.agricultura.gov.br daa@agricultura.gov.br

Leia mais

A MAIOR EMPRESA DE BIODIESEL DO BRASIL

A MAIOR EMPRESA DE BIODIESEL DO BRASIL A MAIOR EMPRESA DE BIODIESEL DO BRASIL BIODIESEL O que é? O biodiesel pode ser produzido a partir de qualquer óleo vegetal - tal como soja, girassol, canola, palma ou mamona -, assim como a partir de gordura

Leia mais

NERGIA LIMPA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA: O Sol promovendo sustentabilidade e segurança energética para o Brasil

NERGIA LIMPA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA: O Sol promovendo sustentabilidade e segurança energética para o Brasil ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA: O Sol promovendo sustentabilidade e segurança energética para o Brasil Geração distribuída e centralizada, leilões e incentivos fiscais contribuem para geração de energia solar

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E A SUSTENTABILIDADE DA SIDERURGIA EM MS MS FLORESTAL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

FLORESTAS PLANTADAS E A SUSTENTABILIDADE DA SIDERURGIA EM MS MS FLORESTAL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL FLORESTAS PLANTADAS E A SUSTENTABILIDADE DA SIDERURGIA EM MS MS FLORESTAL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Junho de 2010 PANORAMA DA SIDERURGIA MUNDIAL - Oferta A indústria siderúrgica movimentou US$600 bilhões

Leia mais

Visão Geral do Programa de Biodiesel

Visão Geral do Programa de Biodiesel 16ªReunião Ordinária da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Oleaginosas e Biodiesel Visão Geral do Programa de Biodiesel Ricardo de Gusmão Dornelles Diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC

PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC 14 de Maio de 2009 Politica Nacional sobre Mudança do Clima Plano Nacional Mudança do Clima Fundo de Mudança Climática (funded by a share of oil royalties)? Fundo

Leia mais

ZONCACAU: COMO SUGESTÃO PARA A CAMARA SETORIAL DO CACAU. Alfredo Homma - Embrapa Amazônia Oriental. Brasília, 12 novembro de 2013

ZONCACAU: COMO SUGESTÃO PARA A CAMARA SETORIAL DO CACAU. Alfredo Homma - Embrapa Amazônia Oriental. Brasília, 12 novembro de 2013 ZONCACAU: COMO SUGESTÃO PARA A CAMARA SETORIAL DO CACAU Alfredo Homma - Embrapa Amazônia Oriental. Brasília, 12 novembro de 2013 Disciplinar a expansão da produção de cacau no Brasil e ofertar instrumentos

Leia mais

VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO

VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO Honorino Roque Rodigheri * Este estudo tem o objetivo de comparar os indicadores ecológicos (uso de

Leia mais

Características da Expansão Hidroelétrica e a Necessidade de Implementação de Geração Complementar

Características da Expansão Hidroelétrica e a Necessidade de Implementação de Geração Complementar Conselho de Altos Estudos e Avaliação Tecnológica da Câmara dos Deputados Características da Expansão Hidroelétrica e a Necessidade de Implementação de Geração Complementar Prof. Nivalde J. de Castro Pesquisador

Leia mais

blico-privada ( PPP ): Sinergia de sucesso no Fomento Florestal em Minas Gerais.

blico-privada ( PPP ): Sinergia de sucesso no Fomento Florestal em Minas Gerais. Parceria PúblicoP blico-privada ( PPP ): Sinergia de sucesso no Fomento Florestal em Minas Gerais. João Cancio de Andrade Araújo Superintendente Florestal ASIFLOR BRASÍLIA MARÇO/2010 ASSOCIAÇÃO DAS SIDERÚRGICAS

Leia mais

Planejamento Estratégico do Setor de Florestas Plantadas -2012

Planejamento Estratégico do Setor de Florestas Plantadas -2012 CONTEXTO O setor de florestas plantadas no Brasil éum dos mais competitivos a nível mundial e vem desempenhando um importante papel no cenário socioeconômico do País, contribuindo com a produção de bens

Leia mais

SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL

SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL II ENCONTRO BRASILEIRO DE SILVICULTURA Campinas, Abril 2011 SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL JOSÉ OTÁVIO BRITO Professor Titular jobrito@usp.br CONJUNTURA MUNDIAL CONSUMO MUNDIAL

Leia mais

Cooperativas do Agronegócio

Cooperativas do Agronegócio Cooperativas do Agronegócio Brasília (DF), Novembro de 2009 Diretoria de Agronegócios Posicionamento Estratégico BB Atuar em cadeias de valor, apoiar o cooperativismo e o associativismo Diversificar a

Leia mais

AQUECIMENTO GLOBAL. Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas CAPA

AQUECIMENTO GLOBAL. Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas CAPA CAPA AQUECIMENTO GLOBAL Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas Por Mônica Georgino Um dos maiores desafios da humanidade no século 21 é aprender a lidar

Leia mais

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Perfil - 2-1. Fatos sobre Brasil 2. Contexto Florestal 3. Estratégias para

Leia mais

cio-econômicos e ambientais dos SISTEMAS AGROSSILVIPASTORIS: Helton Damin da Silva Chefe Geral da Embrapa Florestas Chgeral@cnpf.embrapa.

cio-econômicos e ambientais dos SISTEMAS AGROSSILVIPASTORIS: Helton Damin da Silva Chefe Geral da Embrapa Florestas Chgeral@cnpf.embrapa. Benefícios sócios cio-econômicos e ambientais dos SISTEMAS AGRSSILVIPASTRIS: Helton Damin da Silva Chefe Geral da Embrapa Florestas Chgeral@cnpf.embrapa.br PREMISSAS DE MANEJ DE FLRESTAS, APPS E RL Reflorestamentos

Leia mais

Nordeste atrai novos investimentos em celulose

Nordeste atrai novos investimentos em celulose Reportagem de Capa Agência Vale Nordeste atrai novos investimentos em celulose O PAPEL - Março 2010 O sul da Bahia já tem exemplos de sucesso, como as fábricas da Veracel e da Suzano. Agora, os Estados

Leia mais

1. INFORMAÇÕES SOBRE FLORESTAS PRODUÇÃO DA EXTRAÇÃO VEGETAL E DA SILVICULTURA CENSO AGROPECUÁRIO, FLORESTAL E/OU AQÜÍCOLA

1. INFORMAÇÕES SOBRE FLORESTAS PRODUÇÃO DA EXTRAÇÃO VEGETAL E DA SILVICULTURA CENSO AGROPECUÁRIO, FLORESTAL E/OU AQÜÍCOLA 1. INFORMAÇÕES SOBRE FLORESTAS PRODUÇÃO DA EXTRAÇÃO VEGETAL E DA SILVICULTURA CENSO AGROPECUÁRIO, FLORESTAL E/OU AQÜÍCOLA 1. INFORMAÇÕES SOBRE FLORESTAS PRODUÇÃO DA EXTRAÇÃO VEGETAL E DA SILVICULTURA OBJETIVO

Leia mais

Tendencias do setor de painéis e madeira sólida no MS- junho 2010

Tendencias do setor de painéis e madeira sólida no MS- junho 2010 Tendencias do setor de painéis e madeira sólida no MS- junho 2010 Área de efetivo plantio - ha 99.589 ha MASISA Área total = 242.400 ha 12.286 ha 89.294 ha 41.231 ha O setor de painéis reconstituidos

Leia mais

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Ethanol Summit Painel: Biocombustíveis e a Mitigação das Mudanças Climáticas Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Géraldine Kutas International Advisor, Brazilian Sugarcane

Leia mais

PLANTIOS FLORESTAIS E SISTEMAS AGROFLORESTAIS: ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO O DE EMPREGO E RENDA NA PROPRIEDADE RURAL RESUMO

PLANTIOS FLORESTAIS E SISTEMAS AGROFLORESTAIS: ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO O DE EMPREGO E RENDA NA PROPRIEDADE RURAL RESUMO PLANTIOS FLORESTAIS E SISTEMAS AGROFLORESTAIS: ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO O DE EMPREGO E RENDA NA PROPRIEDADE RURAL RESUMO Honorino Roque Rodigheri * Este trabalho tem por objetivo apresentar indicadores

Leia mais

EUCALIPTO COMO FORMA DE COMPLEMENTAÇÃO DE RENDA AO PRODUTOR RURAL

EUCALIPTO COMO FORMA DE COMPLEMENTAÇÃO DE RENDA AO PRODUTOR RURAL EUCALIPTO COMO FORMA DE COMPLEMENTAÇÃO DE RENDA AO PRODUTOR RURAL COLOMBINI, Alexandre Beckedorff Acadêmico Eng. Florestal FAIT/AGEG OLIVEIRA JUNIOR, Ezer Dias Docente FAIT/AGEG RESUMO O objetivo desse

Leia mais

IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL

IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL Brasília, Novembro/ 2013 Unidade de Políticas Públicas NOTA TÉCNICA IMPACTOS DAS DISTORÇOES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL Este estudo

Leia mais

AÇÃO MADEIRA LEGAL Informativo às construtoras - Internet

AÇÃO MADEIRA LEGAL Informativo às construtoras - Internet AÇÃO MADEIRA LEGAL Informativo às construtoras - Internet A Ação Madeira Legal está vigorando, desde 02 de Janeiro de 2009. O procedimento implantado pela CAIXA é simples e consiste na apresentação do

Leia mais

COMPLEXOS REGIONAIS A AMAZÔNIA

COMPLEXOS REGIONAIS A AMAZÔNIA COMPLEXOS REGIONAIS A AMAZÔNIA Ocupa mais de 5 milhões de km ²; Abrange quase toda a região Norte, centro-norte do Mato Grosso e oeste do Maranhão; É marcada pela presença da Floresta Amazônica; A Floresta

Leia mais

POWER FUTURE PROINFA: POLÍTICA PÚBLICA DE ENERGIA RENOVÁVEL LAURA PORTO

POWER FUTURE PROINFA: POLÍTICA PÚBLICA DE ENERGIA RENOVÁVEL LAURA PORTO POWER FUTURE PROINFA: POLÍTICA PÚBLICA DE ENERGIA RENOVÁVEL LAURA PORTO Diretora do Departamento de Desenvolvimento Energético Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Fortaleza, 18 de setembro

Leia mais

Sustentabilidade no Setor Sucroenergético Brasileiro

Sustentabilidade no Setor Sucroenergético Brasileiro Sylvio Nóbrega Coutinho Sustentabilidade no Setor Sylvio Nóbrega Coutinho Energia Elemento propulsor de desenvolvimento da sociedade A humanidade depende cada vez mais de um elevado consumo energético

Leia mais

11. ESTIMATIVA DE VALOR DO PORTFÓLIO DE OPORTU- NIDADES DE INVESTIMENTO NO RN - QUANTIFICAÇÃO IN- DICATIVA 2016-2035

11. ESTIMATIVA DE VALOR DO PORTFÓLIO DE OPORTU- NIDADES DE INVESTIMENTO NO RN - QUANTIFICAÇÃO IN- DICATIVA 2016-2035 11. ESTIMATIVA DE VALOR DO PORTFÓLIO DE OPORTU- NIDADES DE INVESTIMENTO NO RN - QUANTIFICAÇÃO IN- DICATIVA 2016-2035 217 218 A partir da escolha do melhor cenário Um Pacto pelo Mais RN o Mais RN definiu

Leia mais

INDÚSTRIA DE MADEIRA QUE SE ABASTEÇA DE FLORESTA PLANTADA

INDÚSTRIA DE MADEIRA QUE SE ABASTEÇA DE FLORESTA PLANTADA Perguntas e Respostas 1 - O que é a Reposição Florestal? A Reposição Florestal caracteriza-se pelo plantio obrigatório de árvores de espécies adequadas ou compatíveis, exigido de pessoas físicas ou jurídicas

Leia mais

Elaboração: Apoio Técnico:

Elaboração: Apoio Técnico: DIRETORIA DE PLANEJAMENTO SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE PROGRAMAS E ORÇAMENTO FLORESTAMENTO NA REGIÃO SUL DO BRASIL - UMA ANÁLISE ECONÔMICA - SETEMBRO/2003 Banco Regional de Desenvolvimento

Leia mais

ZONEAMENTO AGROCLIMÁTICO PARA A ARAUCÁRIA (Araucaria angustifolia) NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

ZONEAMENTO AGROCLIMÁTICO PARA A ARAUCÁRIA (Araucaria angustifolia) NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO ZONEAMENTO AGROCLIMÁTICO PARA A ARAUCÁRIA (Araucaria angustifolia) NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Klippel, V.H., Toledo, J.V., Costa, J., Pimenta, L.R., Pezzopane, J.E.M. Universidade Federal do Espírito

Leia mais

OPORTUNIDADES DO SETOR FLORESTAL BRASILEIRO

OPORTUNIDADES DO SETOR FLORESTAL BRASILEIRO OPORTUNIDADES DO SETOR FLORESTAL BRASILEIRO Eny Duboc Embrapa Cerrados, BR 020, Km 18, Caixa Postal 08223, 73010-970 Planaltina, DF. E-mail: enyduboc@cpac.embrapa.br RESUMO Com 477 milhões de hectares,

Leia mais

Desafios das Novas Fronteiras Florestais do Brasil

Desafios das Novas Fronteiras Florestais do Brasil M A N O E L D E F R E I T A S C O N S U L T O R I A F L O R E S T A L Desafios das Novas Fronteiras Florestais do Brasil 1º Congresso Florestal do Tocantins Novembro 2010 Situação florestal do Brasil IBGE

Leia mais