EXPERIÊNCIA DE ASSESSORIA TÉCNICA A COOPERATIVA AGRÍCOLA MISTA DOS PRODUTORES RURAIS DO ASSENTAMENTO NOVA VIDA LTDA (COOPERVIDA), ATRAVES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXPERIÊNCIA DE ASSESSORIA TÉCNICA A COOPERATIVA AGRÍCOLA MISTA DOS PRODUTORES RURAIS DO ASSENTAMENTO NOVA VIDA LTDA (COOPERVIDA), ATRAVES"

Transcrição

1 EXPERIÊNCIA DE ASSESSORIA TÉCNICA A COOPERATIVA AGRÍCOLA MISTA DOS PRODUTORES RURAIS DO ASSENTAMENTO NOVA VIDA LTDA (COOPERVIDA), ATRAVES DO PROGRAMA MAIS GESTÃO. Instituto de Assessoria a Cidadania e ao Desenvolvimento Sustentável - IDS João Pessoa, PB. Outubro de 2015

2 1. INTRODUÇÃO Este documento tem por objetivo registrar a trajetória exitosa da Cooperativa Agrícola Mista dos Produtores Rurais do Assentamento Nova Vida Ltda. (COOPERVIDA) a partir da sistematização da experiência de acesso a ATER políticas públicas Políticas Públicas. A Cooperativa fundada em 1995, com 128 cooperados, com o apoio do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), nasce junto com a luta pela terra na formação do Assentamento Nova Vida, situado as margens da rodovia estadual - PB - 057, no município de Pitimbu/PB. Na fase inicial seus cooperados buscaram desenvolver a cultura do Inhame com pequenas irrigações e para isto foi feito financiamento pelo programa PROCERA, em nome dos cooperados, avalizados pela cooperativa. Está ação levou a COOPERVIDA a inadimplência junto ao banco financiador levando a mesma ficar sem atividades administrativas por aproximadamente 12 anos, de 1997 a 2009, quando novamente um grupo de cooperados, com o apoio do SESCOOP retoma as atividades do empreendimento, negociando algumas dívidas existentes da mesma, com fornecedores e com os órgãos de controle governamental nas três esferas de poder. Com a retomada das atividades, a cooperativa passou a desenvolver algumas ações de comercialização, que vem dando suporte às atividades da cooperativa e reestabelecendo a confiança da mesma, as vendas que tem sido feita para o mercado institucional, a partir do final de 2011 e início de 2012, especificamente para o PAA Doação Simultânea. A COOPERVIDA, através de seus cooperados, tem atuado no cultivo de lavouras para produção de culturas in natura, onde podemos destacar o cultivo da macaxeira, Inhame e batata doce, abrangendo uma diversificação de produtos da agricultura familiar como o abacaxi, acerola, jerimum leite, banana, coco seco, coentro, feijão verde, graviola, mamão Havaí, manga, maracujá, maxixe, melancia, milho verde, pimentão, quiabo, tomate. Em menor escala, a produção inclui ovos de galinhas. A COOPERVIDA, apesar de estar numa situação regular atualmente, passou por situação muito difícil, com a parada de 12 anos, e as diretorias anteriores não terem feito as atualizações e as declarações das informações

3 necessárias aos órgãos de controle, como fisco estadual, INSS, Receita Federal, Junta Comercial, entre outros, deixando o empreendimento inadimplente, no período de 1997 à 2009, gerando uma dívida de milhares de reais junto a estes órgãos. Com a dívida de seis milhões de reais, a COOPERVIDA chegou muito perto de perder qualquer possibilidade de comercialização através dos programas de governo e de ter suspenso o acesso a créditos e financiamentos. O enfoque dado ao pagamento da dívida aconteceu por entender que, caso não fosse quitada, comprometeria não apenas as situações de crédito e mercado institucional, mas colocaria em risco algo muito caro aos agricultores do Assentamento Nova Vida: as terras. As terras conquistadas com luta e longo processo de negociação poderiam ser leiloadas, ou tomarem rumo semelhante, já que dadas como garantia de quitação de empréstimo. 2. OBJETIVO DA PRÁTICA Buscar uma organização produtiva, a partir de um planejamento que perceba os mercados institucional e comum. Nesta perspectiva deseja manter e aprimorar a comercialização dos produtos da COOPERVIDA com os programas PNAE e PAA Doação Simultânea e implantar mecanismos de beneficiamento da produção, visando agregar valor aos produtos dos cooperados. 3. DESCRIÇÃO DA EXPERIÊNCIA A partir de sua criação, a Coopervida passou a desempenhar as atividades de gestão de equipamentos e materiais advindos da desapropriação da área do Nova Vida, bem como a servir de instrumento de captação de recursos, tanto para os assentados, de forma individual, como para a própria cooperativa, como o plantio de lavouras irrigadas e aquisição de máquinas e equipamentos. Como as pessoas que estavam à frente do empreendimento não se sentiam preparadas para gerir os processos que foram iniciados, a cooperativa passou a sofrer dificuldades administrativas, financeiras e contábeis, criando empecilhos para continuar suas atividades, tanto do ponto de vista social, como

4 financeiro, levando o empreendimento a ficar desacreditado por parte de seus cooperados e dos agentes financiadores. A consequência disto foi uma situação de inadimplência e inação. O período entre a criação e a suspenção das atividades foi muito curto, levando aproximadamente dois anos (1995 a 1997). A falta de experiência, capacitação e assessoria que atingiu a cooperativa, fez com que o empreendimento ficasse esquecido, não existindo a preocupação de legalizá-lo junto aos órgãos de controle e fiscalização, como junta comercial, Receita Federal e Fisco estadual. Esse período de inatividade gerou vários processos, multas e outras obrigações para a cooperativa, acarretando em dívidas muito elevadas, comprometendo a sua continuidade. Porém, a partir de 2010, motivado pela perspectiva de comercialização dos produtos de seus cooperados, especificamente para o PAA Doação Simultânea e para o Programa de Aquisição de Alimentação Escolar (PNAE), um grupo de famílias resolveu reativar a cooperativa. O soerguimento do empreendimento foi iniciado pelos próprios cooperados, com o apoio de outras entidades, como o SESCOOP e fortalecido com a chegada da assessoria contábil e técnica do Mais Gestão/IDS, que apoiou o processo de levantamento da situação financeira e documental da Coopervida, realizando negociações e parcelamento de dívidas, permitindo assim, que a cooperativa mantivesse o acesso às certidões negativas exigidas por lei, para acessar os referidos programas. 4. RESULTADOS Com a Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER), do Programa Mais Gestão, a Coopervida conseguiu não só quitar a dívida com a União, como também esboçar atividades dando enfoque no eixo das políticas públicas, que incluem ações voltadas para crédito, seguro e mercado institucional, que elevarão a qualidade de vida de mais de uma centena de famílias de agricultores associados. Atualmente a cooperativa vem conseguindo manter suas atividades, melhorando as relações com os cooperados e resgatando sua credibilidade junto à comunidade do assentamento. Além disso, a Coopervida tem apoiado

5 seus cooperados com a compra de insumos para o plantio, trator e implementos para o corte de terra e caminhão para transporte de produtos dentro do assentamento. Atualmente são comercializados através dos programas de governo cerca de um milhão e cem mil reais por ano, rendendo para o agricultor cooperado cerca de nove mil reais no período de doze meses. A Coopervida não calcula o montante comercializado em feiras públicas, mas estima que só na feira da CECAF sejam vendidos anualmente doze mil quilos de produtos entre raízes, tubérculos, hortaliças e verduras. A Coopervida conta com cerca de 160 sócios, sendo que 120 deles comercializam através da cooperativa. A inserção do empreendimento no mercado institucional melhorou a relação dos cooperados com e cooperativa, agregando valor produção e conservando certa estabilidade nos preços dos produtos, salientado que os mesmos não sofrem muitas oscilações ou variações, o que contribui para o fortalecimento da Coopervida. Além do mais, as vendas para o mercado institucional, tem permitido a geração de fluxo de capital na comunidade e na cooperativa, sendo muito importante para manutenção da mesma. 5. POTENCIALIDADES E LIMITES Com a história da Coopervida e a intervenção do Programa Mais Gestão as potencialidades são: 1. Organização dos cooperados para atingimento de escala de produção à altura das demandas dos mercados institucionais e privados em potencial, sobretudo na sua recente inserção na Central Estadual de Comercialização da Agricultura Familiar (CECAF); 2. Recuperação da capacidade de crédito após saneamento de dívidas com o apoio do Programa Mais Gestão, advindas do Procera, para ampliação do investimento produtivo; 3. Acesso a outros mercados estaduais, a saber, do recente Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) institucional para aquisição de produtos para alimentação dos apenados do sistema prisional;

6 4. Maior integração entre as Cooperativas do Litoral Sul e Norte paraibano beneficiárias do Programa Mais Gestão, a fim de agregar valor a produtos primários com vistas ao acesso de mercados institucionais; 5. Situação geográfica privilegiada do Litoral Sul para provável abertura de novos mercados do intenso turismo e dos consumidores em trânsito na rota para Recife/PE; 6. Liderança feminina da Cooperativa com ação proativa na condução dos processos internos e externos da entidade; 7. Parcerias estabelecidas pelo IDS por meio do Programa Mais Gestão com instâncias do Governo do Estado. Em tempo alguns limites se constituem verdadeiros motivos da continuação da Boa Prática, tais como: 1. Desorganização da produção para alcance de escala de produção adequada as demandas dos mercados; 2. Dificuldades surgidas no processo de reestruturação do quadro de cooperados e da mudança de diretoria, com base nos conflitos vindos com o saneamento das dívidas; 3. Pouca estrutura de beneficiamento da produção para maior agregação de valor da produção dos hortifrutigranjeiros da base cooperada da Coopervida; 4. Fragilidade de controles dos dados de produção dos cooperados para planejamento em médio e longo prazo; 5. Descontinuidade de apoios técnicos por meio de ATER estatal. 6. REPLICABILIDADE A experiência de gestão realizada na COOPERVIDA é passível de se aplicar às realidades de quaisquer cooperativas, com um papel de assessoria pedagógica, seja em um enfoque sistêmico ou pontual (específico), haja vista que o objeto em questão é a qualidade.

7 7. DEPOIMENTOS 7.1. Depoimento de SUELES TARGINO DA SILVA FIDELES, agricultora e Presidente da COOPERVIDA. Sueles Targino enfatiza o papel do Mais Gestão nas alternativas para a quitação da dívida com a União. A Coopervida ficou inadimplente por pouco mais de uma década, o que impedia a comercialização em programas do governo. Havia o risco de a cooperativa fechar e futuramente, como temia os agricultores, as terras poderiam ser leiloadas ou embargadas. Por outro lado, os agricultores do assentamento tinham uma boa produção, embora não houvesse uma organização sobre esta produção. Neste momento a cooperativa passou a receber o apoio do Programa Mais Gestão, que com a ajuda do IDS, passou a fazer um trabalho de organização interna, do ponto de vista administrativo e contábil, mas também externa, já que os profissionais do Programa Mais Gestão (IDS) foram os responsáveis pela tomada de consciência dos cooperados, sobre a responsabilidade no pagamento da dívida. Os cooperados acreditavam que a dívida era da COOPERVIDA, mas não percebiam que também era deles. Foi realmente um trabalho de convencimento tanto para que entendessem a quem pertencia a dívida, quanto para a importância de quitá-la. Durante este período de esclarecimento, a cooperativa realizou diversas assembleias, sempre contando com o apoio de

8 advogado, administrador e de outros profissionais do Programa Mais Gestão, que colaboraram com a superação do problema. A dívida original seria de quarenta e seis mil para cada cooperado, no entanto houve um abatimento e cada um pagou exatos dois mil duzentos e quarenta e seis reais. Finalmente o grupo percebeu que o não pagamento acarretaria em prejuízos na comercialização e beneficiamento dos produtos do Assentamento Nova Vida. Hoje a Coopervida tem como principal preocupação a organização da produção através de planejamento. Busca-se implantar mecanismos de beneficiamento de produtos, visando o mercado da agroindústria. Para que a cooperativa consiga vencer as etapas iniciais os cooperados contam com a permanência da assistência dada pelo Programa Mais Gestão. Até o momento a macaxeira, o inhame e demais produtos são comercializados in natura, o que dificulta a manipulação e o armazenamento. Se a cooperativa tivesse, por exemplo, uma embaladora a vácuo, certamente os perecíveis, como no caso das raízes, estariam disponíveis o ano inteiro. A macaxeira descascada, embalada a vácuo e congelada tem a validade de um ano, ou seja, a oferta do produto não dependeria das safras. Atualmente as vendas pelo Programa Nacional da Alimentação Escolar (PNAE) têm um grande peso para a cooperativa, porém as escolas deixam de colocar a macaxeira como item nas chamadas públicas em função de sua perecividade. Além disso, se a Coopervida beneficiasse seus produtos, teria meios para comercializá-los, tendo em vista que o entorno do assentamento constitui um importante mercado, formado por redes de hotéis, supermercados e restaurantes. 8. AUTORES E COLABORADORES 8.1 Autores: José Gil Peres Filho; José Vanildo do Nascimento Silva; Maria Betânia Monteiro.

9 8.2 Colaboradores: Clara Cistina Pitanga Izidro Silva; Franciclaudio de Paula; José de Arimateia Silva; Claudia Medeiros Suassuna; Valdivan Ferreira de Almeida. 9. ANEXO 9.1 Logotipo da Coopervida:

ATUAÇÃO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NO FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR NO ENTORNO DO CAMPUS - V

ATUAÇÃO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NO FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR NO ENTORNO DO CAMPUS - V 1 ATUAÇÃO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NO FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR NO ENTORNO DO CAMPUS - V RESUMO NASCIMENTO¹, Malanna Kauanne Gomes SOARES¹, Sisleudo Cândido SOARES¹, Rosália Maria Costa SOUZA

Leia mais

Roça agroecológica das mulheres do Assentamento Dandara dos Palmares, Camamu (BA)

Roça agroecológica das mulheres do Assentamento Dandara dos Palmares, Camamu (BA) Produção de alimentos agroecológicos da roça das mulheres Roça agroecológica das mulheres do Assentamento Dandara dos Palmares, Camamu (BA) Ana Celsa Sousa, Carlos Eduardo de Souza Leite e Luciana Rios

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SOLÂNEA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SOLÂNEA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE SOLÂNEA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA N.º 01/2011 PARA AQUISIÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS DA AGRICULTURA FAMILIAR PARA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR COM DISPENSA

Leia mais

DADOS DE INSCRIÇÃO. ENDEREÇO: Rua José de Alencar, 445, Bairro Pereiros - Telefax: (084) 3314-7328, CEP 59600-000- Mossoró-RN

DADOS DE INSCRIÇÃO. ENDEREÇO: Rua José de Alencar, 445, Bairro Pereiros - Telefax: (084) 3314-7328, CEP 59600-000- Mossoró-RN DADOS DE INSCRIÇÃO DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome: COOPERATIVA DE ASSESSORIA TÉCNICA E GERENCIAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR TERRA LIVRE - CNPJ: 04.023.765/0001-06 ENDEREÇO: Rua

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

Anexo 1 Inscrição. Ana Ligia de Lima - Lote 114- projeto de assentamento Dois Irmãos - município de Murutinga do Sul. Tel: (018) 99701-4337

Anexo 1 Inscrição. Ana Ligia de Lima - Lote 114- projeto de assentamento Dois Irmãos - município de Murutinga do Sul. Tel: (018) 99701-4337 Anexo 1 Inscrição DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome: Cooperativa de Trabalho de Assessoria Técnica e Extensão Rural COATER Endereço: Rua Floriano Peixoto,1291 Centro Andradina-SP Executora de Chamada pública de

Leia mais

CONVOCAÇÃO PÚBLICA N 008/2013 PROCESSO Nº 0380-002695/2013 PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DA PRODUÇÃO DA AGRICULTURA PAPA/DF

CONVOCAÇÃO PÚBLICA N 008/2013 PROCESSO Nº 0380-002695/2013 PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DA PRODUÇÃO DA AGRICULTURA PAPA/DF 1 CONVOCAÇÃO PÚBLICA N 008/2013 PROCESSO Nº 0380-002695/2013 PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DA PRODUÇÃO DA AGRICULTURA PAPA/DF A DO DISTRITO FEDERAL SEAGRI/DF, entidade responsável pela operacionalização do PROGRAMA

Leia mais

SUMÁRIO DA APRESENTAÇÃO

SUMÁRIO DA APRESENTAÇÃO Agricultura Familiar na Alimentação Escolar SUMÁRIO DA APRESENTAÇÃO Lei 11.947/09 Visão de Futuro, Oportunidades e Desafios PAA e Programa Nacional de Alimentação Escolar Necessidades Alimentação Escolar

Leia mais

ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO

ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO Introdução O modelo de desenvolvimento rural nos últimos tempos, baseado na modernização agrícola conservou muitas das características históricas

Leia mais

COMÉRCIO JUSTO COMO GERAÇÃO DE RENDA PARA ASSENTADOS DA REFORMA AGRÁRIA: FEIRA PERMANENTE DE PRODUTOS DA AGRICULTURA FAMILIAR.

COMÉRCIO JUSTO COMO GERAÇÃO DE RENDA PARA ASSENTADOS DA REFORMA AGRÁRIA: FEIRA PERMANENTE DE PRODUTOS DA AGRICULTURA FAMILIAR. COMÉRCIO JUSTO COMO GERAÇÃO DE RENDA PARA ASSENTADOS DA REFORMA AGRÁRIA: FEIRA PERMANENTE DE PRODUTOS DA AGRICULTURA FAMILIAR. Área Temática: Trabalho Maria Nezilda Culti (Coordenador da Ação de Extensão),

Leia mais

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Agricultura Familiar no Mundo São 500 milhões de estabelecimentos da agricultura familiar

Leia mais

Seminário: As Compras Institucionais a Serviço dos Agricultores Familiares. CSA, Bruxelas 23 de Abril de 2014.

Seminário: As Compras Institucionais a Serviço dos Agricultores Familiares. CSA, Bruxelas 23 de Abril de 2014. Seminário: As Compras Institucionais a Serviço dos Agricultores Familiares CSA, Bruxelas 23 de Abril de 2014. ESTRATÉGIA: SEGURANÇA E SOBERANIA ALIMENTAR X FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR Fortalecimento

Leia mais

CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA

CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA FAMÍLIA SERRATALHADENSE. Serra Talhada, 2014 CRIAÇÃO

Leia mais

CRÉDITO RURAL: DESAFIANDO UM PARADIGMA SOCIAL, ECONOMICO E AMBIENTAL PARA SUSTENTABILIDADE

CRÉDITO RURAL: DESAFIANDO UM PARADIGMA SOCIAL, ECONOMICO E AMBIENTAL PARA SUSTENTABILIDADE CRÉDITO RURAL: DESAFIANDO UM PARADIGMA SOCIAL, ECONOMICO E AMBIENTAL PARA SUSTENTABILIDADE INTRODUÇÃO O crédito rural é um importante instrumento para fomentar atividades e proporcionar a realização de

Leia mais

PRONAF. Financiamento do Desenvolvimento Rural pelo Fortalecimento da Agricultura Familiar a experiência brasileira do Pronaf.

PRONAF. Financiamento do Desenvolvimento Rural pelo Fortalecimento da Agricultura Familiar a experiência brasileira do Pronaf. PRONAF Financiamento do Desenvolvimento Rural pelo Fortalecimento da Agricultura Familiar a experiência brasileira do Pronaf. A diversidade da Agricultura familiar B: 0.4 C: 0.7 D: 0.4 E: 0.1 Cobertura

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA Nº001/2010

CHAMADA PÚBLICA Nº001/2010 CHAMADA PÚBLICA Nº001/2010 A PREFEITURA MUNICIPAL DE PETROLINA-PE, pessoa jurídica de direito público com sede na Av. Guararapes, nº 2.114 - Centro - Petrolina-PE, inscrita no CNPJ nº. 10.358.190/0001-77,

Leia mais

COOPERATIVISMO - ORGANIZAÇÃO SOCIAL COMO BASE DO DESNVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR Osvaldir Dalbello e Diane Franz EPAGRI, Paraná.

COOPERATIVISMO - ORGANIZAÇÃO SOCIAL COMO BASE DO DESNVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR Osvaldir Dalbello e Diane Franz EPAGRI, Paraná. COOPERATIVISMO - ORGANIZAÇÃO SOCIAL COMO BASE DO DESNVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR Osvaldir Dalbello e Diane Franz EPAGRI, Paraná. 1.Introdução A cooperação sempre existiu na história

Leia mais

8ª Edição do Prêmio Prefeito Empreendedor

8ª Edição do Prêmio Prefeito Empreendedor 8ª Edição do Prêmio Prefeito Empreendedor Projeto nº: 2. 250650/2013 Município: UF: Prefeito: Gurjão PB RONALDO RAMOS DE QUEIROZ Orçamento total da Prefeitura: R$ 10.386.175,36 Qtd. Emp. Form.ME, EPP.

Leia mais

I - despesas de soca e ressoca de cana-de-açúcar, abrangendo os tratos culturais, a colheita e os replantios parciais;

I - despesas de soca e ressoca de cana-de-açúcar, abrangendo os tratos culturais, a colheita e os replantios parciais; RESOLUÇÃO Nº 4.226, DE 18 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre ajustes nas normas de financiamento de custeio, de investimento e de comercialização com recursos do crédito rural, a partir de 1º de julho de 2013.

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável nas Terras

Desenvolvimento Sustentável nas Terras Seminário Internacional Promovendo o Desenvolvimento Sustentável nas Terras Secas Africanas 2/11/2011 1 Desenvolvimento Sustentável Individuais Autonomia Atendimento das necessidades sociais da gerações

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR Foi realizado no dia 12 de julho de 2012 em Londrina (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

LINHA DE PESQUISA: DINÂMICAS AGRÁRIAS, POLÍTICAS PÚBLICAS E DESENVOLVIMENTO REGIONAL

LINHA DE PESQUISA: DINÂMICAS AGRÁRIAS, POLÍTICAS PÚBLICAS E DESENVOLVIMENTO REGIONAL Descentralização de políticas públicas, participação social e desenvolvimento regional Rosangela Ap. de Medeiros Hespanhol O projeto tem como objetivo analisar o processo de descentralização das políticas

Leia mais

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N 037/2014 Regulamenta aplicação das Instruções Normativas SDE Nº 01/2014 a 02/2014, que dispõem sobre as Rotinas e Procedimentos do Sistema de Desenvolvimento Econômico a serem observados no âmbito

Leia mais

Governo Federal investe R$ 13,3 bilhões no combate à pobreza em 2007

Governo Federal investe R$ 13,3 bilhões no combate à pobreza em 2007 Governo Federal investe R$ 13,3 bilhões no combate à pobreza em 2007 O Governo Federal está investindo R$ 13,3 bilhões, em 2007, no combate à pobreza, integrando mais de 30 programas e ações que visam

Leia mais

PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS - PAA

PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS - PAA PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS - PAA AÇÕES DA CONAB EM 2003 1. BREVE HISTÓRICO O Programa de Aquisição de Alimentos foi instituído pelo Art. 19 da Lei nº 10.696 e regulamentado pelo Decreto 4.772,

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

ESTADO DO PIAUI SEMED SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

ESTADO DO PIAUI SEMED SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CHAMADA PÚBLICA Nº. 001/2015, PARA AQUISIÇÃODE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS DA AGRICULTURA FAMILIAR PARA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR, COM DISPENSAS DE LICITAÇÃO, LEI Nº. 11.947, DE 16/07/2009, RESOLUÇÃO/CD/FNDE Nº. 26,

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS Página: 240 de 2619 ESPELHO DE S DE ACRÉSCIMO DE META 1 DESAFIO 7 Reduzir as desigualdades regionais e intra-regionais com integração das múltiplas escalas

Leia mais

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Prezado(a)s, Gostaríamos de agradecer por sua participação e pelas contribuições recebidas no âmbito da consulta

Leia mais

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ESCADA, 2014 EXTENSÃO RURAL CONSTRUIR UM SONHO E LUTAR POR ELE Regional : Palmares PE Municipio: Escada Comunidades: Sitio

Leia mais

OS DEZ ANOS DO PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR: UM CONVITE À REFLEXÃO

OS DEZ ANOS DO PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR: UM CONVITE À REFLEXÃO Observatório de Políticas Públicas para a Agricultura nº42 - julho 2012 OS DEZ ANOS DO PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR: UM CONVITE À REFLEXÃO Valdemar J. Wesz Junior* Catia Grisa** Na primeira semana

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações e normas

Leia mais

Compra e Venda da Produção da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar

Compra e Venda da Produção da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar Compra e Venda da Produção da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar Hilda Lorena Freitas Agente PNAE/REBRAE Cecane/UNB A partir da Lei n. 11.947/2009 Art. 14. Do total dos recursos financeiros

Leia mais

PROGRAMA DE FOMENTO DE OPORTUNIDADES COMERCIAIS PARA PEQUENOS PRODUTORES RURAIS TERMO DE REFERÊNCIA

PROGRAMA DE FOMENTO DE OPORTUNIDADES COMERCIAIS PARA PEQUENOS PRODUTORES RURAIS TERMO DE REFERÊNCIA IICA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA BID BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO FLS FUNDAÇÃO LYNDOLPHO SILVA SEBRAE SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PROGRAMA

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome O Brasil assume o desafio de acabar com a miséria O Brasil assume o desafio de acabar com a

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE EDUCAÇÃO PARA O CONSUMO CONSCIENTE: Fortalecendo a relação entre consumidores e produtores agroecológicos 1

EXPERIÊNCIAS DE EDUCAÇÃO PARA O CONSUMO CONSCIENTE: Fortalecendo a relação entre consumidores e produtores agroecológicos 1 EXPERIÊNCIAS DE EDUCAÇÃO PARA O CONSUMO CONSCIENTE: Fortalecendo a relação entre consumidores e produtores agroecológicos 1 Moacir R. Darolt 2 O objetivo deste relato é apresentar algumas estratégias de

Leia mais

5ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

5ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL 5ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL COMIDA DE VERDADE NO CAMPO E NA CIDADE: POR DIREITOS E SOBERANIA ALIMENTAR Os Conselhos Federal e Regionais de Nutricionistas (CFN/CRN), atendendo

Leia mais

Resumos do V CBA - Palestras. A experiência da REDE ECOVIDA DE AGROECOLOGIA no sul do Brasil

Resumos do V CBA - Palestras. A experiência da REDE ECOVIDA DE AGROECOLOGIA no sul do Brasil A experiência da REDE ECOVIDA DE AGROECOLOGIA no sul do Brasil SANTOS, Luiz Carlos Rebelatto dos. Coordenador do projeto: Certificação Participativa em Rede Um Processo de Certificação Adequado à Agricultura

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário FNO-ITINERANTE 2012. São Gabriel da Cachoeira (AM). 24/04/2012

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário FNO-ITINERANTE 2012. São Gabriel da Cachoeira (AM). 24/04/2012 BANCO DA AMAZÔNIA Seminário FNO-ITINERANTE 2012 São Gabriel da Cachoeira (AM). 24/04/2012 Município de São Gabriel da Cachoeira - AM Principais Destaques. Considerado um ponto estratégico pelo país e,

Leia mais

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Denise Deckers do Amaral 1 - Economista - Assessora Técnica - Empresa de Planejamento e Logística - EPL, Vice Presidente da Associação

Leia mais

2013/2014 mda.gov.br incra.gov.br

2013/2014 mda.gov.br incra.gov.br 2013/2014 2013/2014 Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro de Estado do Desenvolvimento Agrário Pepe Vargas Secretário Executivo do Ministério do Desenvolvimento Agrário Laudemir Müller Secretário

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS GEO 01 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS GEO 01 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS GEO 01 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para apoiar as ações do Programa Nacional de Crédito Fundiário

Leia mais

Planejamento Estratégico COLETIVO AGROECOLÓGICO DE PARATY. Foco no Mercado

Planejamento Estratégico COLETIVO AGROECOLÓGICO DE PARATY. Foco no Mercado Planejamento Estratégico COLETIVO AGROECOLÓGICO DE PARATY Foco no Mercado Paraty, 26 de julho 2012 Consultora: Marlize Porto Apresentação A Gastronomia Sustentável de Paraty se pauta pelo compromisso de

Leia mais

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe.

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe. O Brasil Melhorou 36 milhões de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos 42 milhões de brasileiros ascenderam de classe Fonte: SAE/PR O Brasil Melhorou O salário mínimo teve um aumento real de 70% Em 2003,

Leia mais

Como negociar e assegurar as garantias que serão dadas ao banco quando se necessita de um financiamento rural do Pronaf

Como negociar e assegurar as garantias que serão dadas ao banco quando se necessita de um financiamento rural do Pronaf Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria da Agricultura Familiar Como negociar e assegurar as garantias que serão dadas ao banco quando se necessita de um financiamento rural do Pronaf 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Propostas do Sistema Cooperativista para o Plano Safra da Agricultura Familiar 2015/2016

Propostas do Sistema Cooperativista para o Plano Safra da Agricultura Familiar 2015/2016 Propostas do Sistema Cooperativista para o Plano Safra da Agricultura Familiar 2015/2016 Introdução...4 O cooperativismo e a agricultura familiar... 5 Crédito Rural...8 Sugestões para aprimoramento das

Leia mais

PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome apresentação do programa Brasília, maio 2007 PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome ONAUR RUANO Secretário Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional CRISPIM

Leia mais

FICHA DE INSCRIÇÃO DADOS DA INSTITUIÇÃO

FICHA DE INSCRIÇÃO DADOS DA INSTITUIÇÃO FICHA DE INSCRIÇÃO DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome: Emater-MG. Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais. Endereço: Av. Raja Gabaglia, 1626 - B. Gutierrez / Belo Horizonte - MG

Leia mais

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário MARIA FERNANDA RAMOS COELHO Secretária Executiva do Ministério do Desenvolvimento Agrário MARIA LÚCIA DE OLIVEIRA

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

AGRICULTURA FAMILIAR NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR AGRICULTURA FAMILIAR NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR P N A E 250 mil famílias poderão ser beneficiadas (estimativa) Cerca de R$1 bilhão 47 milhões de alunos da educação básica da rede pública GRANDE DESAFIO: AS

Leia mais

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório:

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório: Guia de sustentabilidade na produção de soja na Agricultura Familiar Relatório individual NOME: Prezado senhor (a), Em primeiro lugar, no nome dacoopafi, da Gebana e da Fundação Solidaridad,gostaríamos

Leia mais

Linhas de Financiamento

Linhas de Financiamento A história do cooperativismo no País está relacionada ao crescimento da agricultura brasileira. E o Banco do Brasil, como principal responsável pelo impulso do nosso agronegócio, é também o banco do cooperativismo.

Leia mais

Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental

Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental Considerando a Diretriz 2 do Plano Nacional de Segurança Alimentar: Promoção do abastecimento e estruturação de sistemas descentralizados,

Leia mais

ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR

ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR I - OBJETIVO GERAL Realização de Módulos do programa de capacitação

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão

Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão ISSN 1678-9644 Dezembro, 2004 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Arroz e Feijão Ministério

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO DESEJÁVEL ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES AÇÕES

AGENDA 21 COMPERJ DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO DESEJÁVEL ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES AÇÕES DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES ESTÁGIO DESEJÁVEL AÇÕES Capítulo 1: Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e 3 O Conselho está inativo Pouca participação e articulação

Leia mais

Termo de Referência PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA, INTEGRADA E SUSTENTÁVEL PAIS 2012 TERMO DE REFERÊNCIA TECNOLOGIA PAIS

Termo de Referência PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA, INTEGRADA E SUSTENTÁVEL PAIS 2012 TERMO DE REFERÊNCIA TECNOLOGIA PAIS TERMO DE REFERÊNCIA TECNOLOGIA PAIS PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA INTEGRADA E SUSTENTÁVEL PLANEJAMENTO 2012 2015 UAGRO/Na UNIDADE DE AGRONEGÓCIOS SEBRAE NACIONAL Página 1 1. INTRODUÇÃO Este Termo de Referência

Leia mais

olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita

olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita Indução de reflorestamento no Rio de Janeiro: Das compensações ambientais ao desafio olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita Seminário Reflorestamento da Mata Atlântica no Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DA AGROINDÚSTRIA DE BASE FAMILIAR NOS MERCADOS INSTITUCIONAIS

A PARTICIPAÇÃO DA AGROINDÚSTRIA DE BASE FAMILIAR NOS MERCADOS INSTITUCIONAIS A PARTICIPAÇÃO DA AGROINDÚSTRIA DE BASE FAMILIAR NOS MERCADOS INSTITUCIONAIS Departamento de Geração de Renda Agregação de Valor Setembro de 2014 LEI Nº 11.326, DE 24 DE JULHO DE 2006 Art. 3º considera-se

Leia mais

TÍTULO 30 COMPRA COM DOAÇÃO SIMULTÂNEA CDS

TÍTULO 30 COMPRA COM DOAÇÃO SIMULTÂNEA CDS (*) 1) FINALIDADE: Aquisição de alimentos de organizações fornecedoras constituídas por público descrito no parágrafo 2º, item 4, Art. 3º da Lei Nº 11.326/2006, com vistas à doação para organizações constituídas

Leia mais

Entenda o Programa Fome Zero

Entenda o Programa Fome Zero Entenda o Programa Fome Zero 1. O que é o Programa Fome Zero? O Programa Fome Zero é um conjunto de ações que estão sendo implantadas gradativamente pelo Governo Federal. O objetivo é promover ações para

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Local de residência do candidato selecionado, com disponibilidade para viagens em todo o território nacional.

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Local de residência do candidato selecionado, com disponibilidade para viagens em todo o território nacional. TERMO DE REFERÊNCIA Denominação: Consultor(a) especializado(a) na área de suporte técnico para levantar e sistematizar as informações sobre os investimentos estrangeiros diretos e suas relações com os

Leia mais

2.1- Identificação dos Programas

2.1- Identificação dos Programas O Plano Plurianual 2004-2007 foi aprovado pelo Congresso Nacional e recebeu sanção presidencial em 06 de outubro de 2004 (Decreto 5.233). Ele está estruturado em Programas e Ações, visando proporcionar

Leia mais

Projeto. Das Roças e Florestas dos Povos e Comunidades Tradicionais e da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar

Projeto. Das Roças e Florestas dos Povos e Comunidades Tradicionais e da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar Projeto Das Roças e Florestas dos Povos e Comunidades Tradicionais e da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar Nutritivo para alimentação escolar Nutrição como Sustento e Sustentabilidade Nutrimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL O presente documento tem por objetivo

Leia mais

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa PMS-MT Cartilha Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes Fortalecimento da gestão ambiental municipal Contexto e benefícios Tarefas Regularização ambiental e fundiária

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO NÚCLEO DE ESTUDOS AGRÁRIOS E DESENVOLVIMENTO RURAL PCT FAO UTF/BRA/083/BRA

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO NÚCLEO DE ESTUDOS AGRÁRIOS E DESENVOLVIMENTO RURAL PCT FAO UTF/BRA/083/BRA TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS NÃO CONTINUADOS TR Nº MODALIDADE PROCESSO SELETIVO CONS NEAD 024/2013 Consultoria por produto FUNDAMENTO LEGAL Decreto nº 5.151/2004; Portaria MRE Nº 717/2006 e Portaria MDA

Leia mais

A balança comercial do agronegócio brasileiro

A balança comercial do agronegócio brasileiro A balança comercial do agronegócio brasileiro Antonio Carlos Lima Nogueira 1 Qual é a contribuição atual dos produtos do agronegócio para o comércio exterior, tendo em vista o processo atual de deterioração

Leia mais

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA POR QUE O PROJETO Decisão Estratégica do Governo do Estado da Bahia Necessidade de avançar na erradicação da pobreza rural Existência de

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE PRODUÇÃO Todo o sucesso da fumicultura brasileira está alicerçado no Sistema Integrado de Produção. Implantado em 1918 no Rio

SISTEMA INTEGRADO DE PRODUÇÃO Todo o sucesso da fumicultura brasileira está alicerçado no Sistema Integrado de Produção. Implantado em 1918 no Rio SISTEMA INTEGRADO DE PRODUÇÃO Todo o sucesso da fumicultura brasileira está alicerçado no Sistema Integrado de Produção. Implantado em 1918 no Rio Grande do Sul, de forma pioneira na fumicultura brasileira

Leia mais

PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A SUSTENTABILIDADE DA AGRICULTURA FAMILIAR IAR. Airton Spies,, PhD. Seminário Regional do PAA Lages,, 21/05/2008.

PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A SUSTENTABILIDADE DA AGRICULTURA FAMILIAR IAR. Airton Spies,, PhD. Seminário Regional do PAA Lages,, 21/05/2008. /Cepa PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A SUSTENTABILIDADE DA AGRICULTURA FAMILIAR IAR Airton Spies,, PhD Eng. Agrônomo, Administrador de Empresas Seminário Regional do PAA Lages,, 21/05/2008 Estrutura da palestra

Leia mais

Dispõe sobre a concessão de crédito - implantação aos beneficiários dos projetos de reforma agrária criados pelo INCRA. 1.

Dispõe sobre a concessão de crédito - implantação aos beneficiários dos projetos de reforma agrária criados pelo INCRA. 1. INSTRUÇÃO NORMATIVA/INCRA/Nº19, DE 10 DE SETEMBRO DE 1.997 Publicada no Boletim de Serviço nº 37, de 15/09/97. Revogada pela IN/INCRA/Nº 29 de 12/04/99. Dispõe sobre a concessão de crédito - implantação

Leia mais

A REALIDADE DAS AGROINDÚSTRIAS DOS MUNICÍPIOS DE BARRACÃO E BOM JESUS DO SUL, PR. Ivanira Correia de Oliveira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão)

A REALIDADE DAS AGROINDÚSTRIAS DOS MUNICÍPIOS DE BARRACÃO E BOM JESUS DO SUL, PR. Ivanira Correia de Oliveira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) A REALIDADE DAS AGROINDÚSTRIAS DOS MUNICÍPIOS DE BARRACÃO E BOM JESUS DO SUL, PR. Área Temática 07: Tecnologia e Produção Ivanira Correia de Oliveira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Kérley Braga Pereira

Leia mais

Dispõe sobre a Política Estadual de Agricultura Irrigada e dá outras providências.

Dispõe sobre a Política Estadual de Agricultura Irrigada e dá outras providências. Lei nº 18995 DE 03/09/2015 Norma Estadual - Goiás Publicado no DOE em 08 set 2015 Dispõe sobre a Política Estadual de Agricultura Irrigada e dá outras providências. A Assembleia Legislativa do Estado de

Leia mais

ESTÁGIO DE VIVÊNCIA- RESIDÊNCIA AGRÁRIA

ESTÁGIO DE VIVÊNCIA- RESIDÊNCIA AGRÁRIA ESTÁGIO DE VIVÊNCIA- RESIDÊNCIA AGRÁRIA BARROS (1), Adamastor Pereira; LIMA (1),Andréia Santos de; MEDEIROS (2), Marcos Barros de, OLIVEIRA (1), Maria Eduarda Benjamim; SOUZA (1), Walter Ubiratan Pinheiro

Leia mais

Avanços e Desafios da Certificação Orgânica

Avanços e Desafios da Certificação Orgânica AVANÇOS E EXPERIÊNCIAS DA CERTIFICAÇÃO E DA INDICAÇÃO GEOGRÁFICA NA AGRICULTURA Avanços e Desafios da Certificação Orgânica Agricultura Orgânica e Agroecologia Conjunto de conhecimento (Teórico e prático)

Leia mais

Combate à pobreza rural e sustentabilidade no semiárido nordestino: a experiência do

Combate à pobreza rural e sustentabilidade no semiárido nordestino: a experiência do Combate à pobreza rural e sustentabilidade no semiárido nordestino: a experiência do projeto Dom Helder Camara 1 Pablo Sidersky, Felipe Jalfim e Espedito Rufino O período colonial deu início às políticas

Leia mais

21. Em 7 anos, mais famílias assentadas do que em 3 décadas

21. Em 7 anos, mais famílias assentadas do que em 3 décadas 21. Em 7 anos, mais famílias assentadas do que em 3 décadas O Brasil está realizando a maior reforma agrária do mundo. A pesada herança de séculos de um Brasil latifundiário passou a mudar, em 1995, a

Leia mais

Foto: Jan de Jong. Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica. Construindo. Sonia Irene Cárdenas Solís

Foto: Jan de Jong. Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica. Construindo. Sonia Irene Cárdenas Solís autonomia, território e paz Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica Foto: Jan de Jong Construindo autonomia, território e paz Sonia Irene Cárdenas Solís 15 Agriculturas v. 12 -

Leia mais

Certificação da Produção de Orgânicos. Seminário Agrotóxicos: Perigo à mesa Rastreabilidade dos alimentos no RS

Certificação da Produção de Orgânicos. Seminário Agrotóxicos: Perigo à mesa Rastreabilidade dos alimentos no RS Certificação da Produção de Orgânicos Seminário Agrotóxicos: Perigo à mesa Rastreabilidade dos alimentos no RS Mas afinal, o que são produtos orgânicos? São aqueles produzidos de forma orgânica ou extrativista

Leia mais

Informativo SPA/CONTAG Nº 001/2013

Informativo SPA/CONTAG Nº 001/2013 Anexos I, II e III Ofício Circular n o. 0001/2013/SPA/CONTAG Pág. 1 Informativo SPA/CONTAG Nº 001/2013 I. RESOLUÇÃO 4.164, DE 20/12/2012: A medida promove ajustes nos normativos do Pronaf Crédito: 1. Altera

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - GEO 02. 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - GEO 02. 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - GEO 02 01 Vaga 1 - IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para apoiar as ações do Programa Nacional de Crédito Fundiário

Leia mais

Maria Luiza da Silva MEC/FNDE/PNAE

Maria Luiza da Silva MEC/FNDE/PNAE Maria Luiza da Silva MEC/FNDE/PNAE Art. 14. da Art. 14. Do total dos recursos financeiros repassados pelo FNDE, no âmbito do PNAE, no mínimo trinta por cento deverá ser utilizado na aquisição de gêneros

Leia mais

Os impactos sócio-ambientais da agricultura contemporânea

Os impactos sócio-ambientais da agricultura contemporânea Os impactos sócio-ambientais da agricultura contemporânea A questão central da sociedade contemporânea diz respeito à consecução de modos de produção agrícola sustentáveis, em suas dimensões agronômico-produtiva,

Leia mais

ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR

ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR A experiência do município de Pomerode/SC. PREFEITURA MUNICIPAL DE POMERODE SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO EMPREENDEDORA Governo do Estado de Santa Catarina

Leia mais

TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO [27] TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO 1. Nos últimos anos a maioria dos países enfrentou grave crise econômica, que gerou um grande

Leia mais

Relatório de Gestão 30 dias 2015

Relatório de Gestão 30 dias 2015 COMPANHIA RIO-GRANDENSE DE ARTES GRÁFICAS CORAG Relatório de Gestão 30 dias 2015 O mês de março marca um novo ciclo de transformação na Corag, com a verificação de que temos potencial para ampliar nosso

Leia mais

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006.

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. Institui a Política Estadual de fomento à Economia Popular Solidária no Estado do Rio Grande do Norte e estabelece outras disposições. O PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA

Leia mais

SECRETARIA DA AGRICULTURA FAMILIAR Mudanças trazidas para a. Manuel Bonduki

SECRETARIA DA AGRICULTURA FAMILIAR Mudanças trazidas para a. Manuel Bonduki SECRETARIA DA AGRICULTURA FAMILIAR Mudanças trazidas para a agricultura familiar pela lei 11.947/09 Manuel Bonduki AGRICULTURA FAMILIAR NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar

Leia mais

PGPM A. EGF B. AGF C. CONTRATO DE OPÇÃO SOV COV. Aquisições via Preços Mínimos. Via Leilões

PGPM A. EGF B. AGF C. CONTRATO DE OPÇÃO SOV COV. Aquisições via Preços Mínimos. Via Leilões PGPM A. EGF SOV COV B. AGF C. CONTRATO DE OPÇÃO Aquisições via Preços Mínimos Via Leilões Estados e Municípios Leite Compra Local Compra Direta Compra Especial Formação de Estoque Doação Simultânea EMPODER

Leia mais

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Conceito de Tecnologia Social aplicada a Municípios Sustentáveis: "Compreende técnicas, metodologias e experiências

Leia mais

Mão de obra rural. Procura-se peão capacitado

Mão de obra rural. Procura-se peão capacitado Mão de obra rural Procura-se peão capacitado Escassez de trabalhador rural capacitado já prejudica a produtividade. Maioria foi para a construção Lídia Borges 12 de fevereiro de 2012 (domingo) Falar em

Leia mais

A Cooperativa dos Aquicultores de Águas Continentais (Coopecon), foi criada em 14 de outubro de 2010, quando 22 sócios se reuniram para a formalização da cooperativa. Com forte atuação em planejamento

Leia mais

TÍTULO: ARRANJO PRODUTIVO LOCAL PROPORCIONANDO INOVAÇÃO E ALTERNATIVAS AGRÍCOLAS

TÍTULO: ARRANJO PRODUTIVO LOCAL PROPORCIONANDO INOVAÇÃO E ALTERNATIVAS AGRÍCOLAS TÍTULO: ARRANJO PRODUTIVO LOCAL PROPORCIONANDO INOVAÇÃO E ALTERNATIVAS AGRÍCOLAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO PLANALTO

Leia mais

Uma Experiência Exitosa da Parceria CAR/COOPERSUBA: O PROJETO GENTE DE VALOR

Uma Experiência Exitosa da Parceria CAR/COOPERSUBA: O PROJETO GENTE DE VALOR Uma Experiência Exitosa da Parceria CAR/COOPERSUBA: O PROJETO GENTE DE VALOR O que é o Gente de Valor O Projeto Gente de Valor é resultado de uma parceria entre o Governo do Estado da Bahia/ CAR e o FIDA

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Por: Maria Silvia C. Digiovani, engenheira agrônoma do DTE/FAEP,Tânia Moreira, economista do DTR/FAEP e Pedro Loyola, economista e Coordenador

Leia mais

ALTERNATIVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

ALTERNATIVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ALTERNATIVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL IMPLANTAÇÃO DE PROJETO DE CASA DE FARINHA COMO OPÇÃO DE RENDA PARA OS REASSENTADOS DO REASSENTAMENTO RURAL COLETIVO Abril de 2013 1 SUMÁRIO execução: INTRODUÇÃO

Leia mais

Etapas do PLHIS PROPOSTAS

Etapas do PLHIS PROPOSTAS Plano Local de Habitação de Interesse Social de Boituva Seminário de Homologação do PLHIS de Boituva 25 de Fevereiro de 2010 Etapas do PLHIS etapa 1 etapa 2 etapa 3 METODOLOGIA DIAGNÓSTICO PROPOSTAS Princípios

Leia mais