Desenvolvimento Sustentável nas Terras

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desenvolvimento Sustentável nas Terras"

Transcrição

1 Seminário Internacional Promovendo o Desenvolvimento Sustentável nas Terras Secas Africanas 2/11/2011 1

2 Desenvolvimento Sustentável Individuais Autonomia Atendimento das necessidades sociais da gerações presentes e futuras Coletivas Necessidades derivadas dos direitos fundamentais e dos Equidade d direitos sociais, econômicos e culturais. Institucionais Transetorialidade Integralidade Democracia Subjetivas Ambientais Sustentabilidade Construção do imaginário social 2/11/2011 2

3 O SISTEMA DE PROTEÇÃO SOCIAL NO BRASIL Proteção Social Seguridade Social Saúde Assistência Social Trabalho (seguro desemprego) Promoção Social Educação Trabalho (Emprego, Salário Mínimo e Economia Solidária) Desenvolvimento Rural Infraestrutura t Social Habitação Saneamento Básico 2/11/2011 3

4 O SISTEMA DE PROTEÇÃO SOCIAL NO BRASIL 34,1% da população, cerca de 65 milhões, acessa algumas dessas políticas/programas. A redução do coeficiente de Gini nos últimos dez anos foi a mais rápida já veriificada no mundo. Entre 2003 e 2008, 32 milhões de pessoas ascenderam para os segmentos ABC de renda e 19,3 milhões de pessoas saíram da pobreza. A taxa de desemprego é quase a de pleno emprego... 2/11/2011 4

5 O SISTEMA DE PROTEÇÃO SOCIAL NO BRASIL 50% da população está coberta pelo programa Família Saudável SUS gera 850 mil empregos diretos O sistema de educação emprega 1,5 milhões de professores e atende 46 milhões de estudantes desde o ensino fundamental até o Superior. A merenda escolar atende 40 milhões de estudantes Entre 1998 e 2008, a expectativa de vida dos recém nascido aumentou 3 anos. 2/11/2011 5

6 O SISTEMA DE PROTEÇÃO SOCIAL NO BRASIL Entre jan/2003 e set de 2008, 11 milhões de empregos formais foram criados no Brasizil. Incremento real do salário mínimo que beneficia 44 milhões de pessoas foi de R$7 bilhões. As transferências realizadas pela Seguridade e pela Assistência social contribuiu para tirar da pobreza 21 milhões de pessoas (8,7% da pop). O Bolsa Família atende 12 milhões de famílias. 2/11/2011 6

7 O DIREITO FUNDAMENTAL A ALIMENTAÇÃO O direitoi à alimentação é parte dos direitosi fundamentais da humanidade, definidos por pacto mundial do qual o Brasil é signatário. A consecução do direito humano à alimentação adequada requer o respeito à soberania, que confere aos países a primazia de suas decisões sobre a produção e o consumo de alimentos. 2/11/2011 7

8 SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL Segurança Alimentar e Nutricional i consiste na realização do direito de todos ao acesso regular e permanente a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente, sem comprometer o acesso a outras necessidades essenciais, tendo como base práticas alimentares promotoras da saúde que respeitem a diversidade cultural e que sejam ambiental, cultural, econômica e socialmente sustentáveis. (Lei n /2006, art.3 ) 2/11/2011 8

9 SOBERANIA ALIMENTAR o direitoi de cada nação definir i políticas específicas que garantam a segurança alimentar e nutricional de sua população, incluindo o direito à preservação de práticas de produção e alimentares tradicionais de sua cultura (ABRANDH, 2010)3. No Brasil, essa referência está sendo utilizada como forma de promover modelos sustentáveis, pautados pela produção familiar, aproximação da oferta e demanda de alimentos e valorização da diversidade de hábitos alimentares. 2/11/2011 9

10 CARACTERÍTICAS DA POLÍTICA DE SEGURANÇA ALIMENTAR NO BRASIL ASecretaria Nacional lde SAN do Ministério i i de Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS)eoCONSEAsignificaramumesforçode racionalização das políticas sociais e foi empreendido a partir do objetivo central de preservar e valorizar as famílias como centro irradiador da cidadania, tecendo ao seu redor umarededeproteçãosocialedesegurança alimentar. 2/11/

11 CARACTERÍTICAS DA POLÍTICA DE SEGURANÇA ALIMENTAR NO BRASIL OGovernoestabeleceu mais de 100 parcerias com organizações não governamentais, nacionais e internacionais, empresas públicas e privadas e associações em diferentes programas, como a construção de mais de 200 mil cisternas no semi árido nordestino, levada acabocomaparceriadecisivaentreomdse a sociedade civil, especialmente por intermédio das 800 entidades que formam a Articulação do Semi Árido (ASA). 2/11/

12 CARACTERÍTICAS DA POLÍTICA DE SEGURANÇA ALIMENTAR NO BRASIL Fome Zero, Cestas de Alimentos, Restaurantes Populares, Combate ao Desperdício: Banco de Alimentos, Educação Alimentar, Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar, Acesso à Água para Consumo Doméstico, Cozinhas Comunitárias, Agricultura Urbana, Programa Bolsa Família, Programa Nacional de Alimentação Escolar, Programa de Alimentação do Trabalhador. 2/11/

13 SOBERANIA ALIMENTAR O direitoi de cada nação definir i políticas específicas que garantam a segurança alimentar e nutricional de sua população, incluindo o direito à preservação de práticas de produção e alimentares tradicionais de sua cultura (ABRANDH, 2010)3. No Brasil, essa referência está sendo utilizada como forma de promover modelos sustentáveis, pautados pela produção familiar, aproximação da oferta e demanda de alimentos e valorização da diversidade de hábitos alimentares. 2/11/

14 INTRUMENTOS ECONÔMICOS PARA INCLUSÃO PRODUTIVA, PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL E O COMBATE À POBREZA: O CASO BRASILEIRO Disponibilizaçãoibili de instrumentos t econômicos como estímulo para conservação, inovação e produção com sustentabilidade; A recuperação e a manutenção das áreas protegidas de Reserva Legal e de Preservação Permanente pela Agricultura Familiar. Incentivo à agricultura familiar que atende a 70% das mesas dos brasileiros o que nos favorece em termos de soberania e segurança alimentar. 2/11/

15 O que é Agricultura Familiar? O CONCEITO DE AGRICULTOR FAMILIAR Lei /2006 Considera-se agricultor familiar e empreendedor familiar rural aquele que pratica atividades no meio rural, atendendo, simultaneamente, aos seguintes requisitos: I - não detenha, a qualquer título, área maior do que 4 (quatro) módulos fiscais; II - utilize predominantemente mão-de-obra da própria família nas atividades econômicas do seu estabelecimento ou empreendimento; III - tenha renda familiar predominantemente originada de atividades econômicas vinculadas ao próprio estabelecimento ou empreendimento; IV - dirija seu estabelecimento ou empreendimento com sua família. 2/11/

16 A AGRICULTURA FAMILIAR RESPONDE POR 10% DO PIB DO PAÍS A AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL 2/11/

17 Políticas Públicas para o Fortalecimento da Agricultura Familiar CRÉDITOS Pronaf: R$ 13 bilhões na safra 2009/2010 Aquisição de insumos, máquinas, equipamentos. Mais Alimentos: - R$ 3,8 bilhões financiados desde mil contratos - 36 mil tratores e 2 mil caminhões adquiridos Com impactos nas contratações t na indústria i de máquinas e geração de empregos DESAFIO: Produção de equipamentos para a Agricultura Familiar que considerem as exigências de sustentabilidade nos sistemas produtivos 2/11/

18 Políticas Públicas (cont) ASSISTÊNCIA TÉCNICA Lei de ATER SEGUROS DA AGRICULTURA FAMILIAR GARANTIA DE PREÇOS MÍNIMOS COMERCIALIZAÇÃO QUALIFICAÇÃO DA ESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA R$ 778 milhões/ano Em Territórios R$ 138 milhões Em Assentamentos R$ 370 milhões Recuperação de estradas vicinais R$ 270 milhões POLÍTICAS PO FORTALECIMENO DA AGRICULTURA FAMILIARP 2/11/

19 Contudo, os impactos ambientais decorrentes da exploração do solo agricultável, l a expansão da produção de agrocombustíveis e as mudanças climáticas em curso, representam uma ameaça a segurança alimentar e nutricional da população. A sustentabilidade econômica, social e ambiental, tornou-se questão chave na discussão da SAN. Esse é o desafio!!! 2/11/

20 O Acordo para o Desenvolvimento Sustentável Rio+20 Construído coletivamente, tem como marco o respeito às diferentes concepções das instituições signatárias e o compromisso de ultrapassar a realização da Conferência Rio+20. 2/11/

21 Objetivos da Rio+20 Firmar um compromisso político irreversível com o desenvolvimento sustentável traduzido em: Agendas Nacionais de Desenvolvimento que a partir de diretrizes pactuadas na sociedade apontem estratégias de desenvolvimento sustentável tá e dfi definam metas e indicadores d para mensurar o processo. Uma governança multilateral t l e participativa i que respeite o princípio das responsabilidades comuns porém diferenciadas. 2/11/

22 O roteiro para a transição: Agendas Nacionais de Desenvolvimento Princípios/pilares da sustentabilidade: As questões ambientais, sociais e econômicas estão articuladas e as dimensões política, ética, cultural e jurídica são fundamentais para o desenvolvimento. A equidade entre pessoas (raças, etnias, gênero e gerações), entre regiões e entre países e as liberdades fundamentais para todos são elementos transversais de políticas e ações. 2/11/

23 O roteiro para a transição: Agendas Nacionais de Desenvolvimento Diretrizes: i 1. Fortalecer o papel dos Estados Nacionais como indutores do desenvolvimento sustentável, restaurando a capacidade d de planejamento, o manejo da política econômica e os sistemas de proteção social e ambiental. 2. Promover o trabalho decente: transição justa requer políticas ativas de mercado de trabalho, proteção social e garantia de educação profissional. 3. Incentivar a transição para uma economia de baixo carbono por meio de financiamento, sistema de crédito e fiscal, ambiente regulatório favorável e compras públicas baseadas em critérios de sustentabilidade. 2/11/

24 O roteiro para a transição: Agendas Nacionais de Desenvolvimento 4. Promover o desenvolvimento local, o empreendedorismo, o cooperativismo, a economia solidária e o extrativismo sustentável. 5. Preservar, recuperar e conservar os recursos naturais. Reduzir o desmatamento. Prever incentivos e retribuições aos serviços ambientais. 6. Reduzir as desigualdades sociais, erradicar a fome e a pobreza. Promover políticas de segurança alimentar e nutricional. 7. Incentivar a agricultura sustentável por meio do acesso ao crédito e a tecnologias sustentáveis desde a produção até a comercialização. 2/11/

25 O roteiro para a transição: estratégias para a sustentabilidade São elementos fundamentais da estratégia: éi 1. Um novo modelo de produção, consumo e distribuição participação social nos processos decisórios, ancorado nos princípios de equidade, baixo impacto ecológico e na recuperação da economia para a sua função social. 2. Cidades e campo sustentáveis: como espaços privilegiados para construção de cultura e tecnologias sociais para a sustentabilidade. 3. A educação como eixo prioritário e estruturante do desenvolvimento, da criatividade, da inovação, da produção e da cultura para um novo padrão de convivência na sociedade e de interaçãocomomeioambiente. 2/11/

26 O Roteiro para a transição: estratégias para a sustentabilidade 4. Participação e controle social como fator fundamental para a qualidade e viabilidade dos processos de desenvolvimento sustentável. 5. Implementar a justiça fiscal. 6. Cooperação para o desenvolvimento sustentável: os desafios são comuns e os países devem compartilhar soluções e promover a cooperação entre governos e sociedades. 7. Novos indicadores de desenvolvimento: avançar em indicadores que integrem desempenho econômico, bem estar social e qualidade ambiental. 2/11/

27 Governança multilateral e participativa Acordar a arquitetura institucional multilateral capaz de coordenar e conferir sinergia i às Agendas Nacionais. i Coordenar e monitorar os compromissos globais e o financiamento para o desenvolvimento sustentável. 2/11/

28 Protagonismo do Brasil e dos emergentes O Brasil deve apresentar propostas ancoradas nas suas políticas econômica, social e ambiental, motivando os demais países a assumirem compromissos ousados e agendas propositivas. O protagonismo dos emergentes tem base nas alianças que foram capazes de construir até aqui e considera que a crise nos países desenvolvidos deve fragilizar o compromisso desses países com a sustentabilidade. 2/11/

Acordo para o Desenvolvimento Sustentável

Acordo para o Desenvolvimento Sustentável Acordo para o Desenvolvimento Sustentável Compromisso do CDES e de 71 Organizações da Sociedade Civil Brasileira 1 Estratégia de Desenvolvimento Sustentável Rio+20 1. Articulação Nacional: Previsão de

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DE

1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DE PROJETO ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SUSTENTÁVEL DO VALE DO RIBEIRA E IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS PRIORITÁRIOS 1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SUSTENTÁVEL

Leia mais

Governo Federal investe R$ 13,3 bilhões no combate à pobreza em 2007

Governo Federal investe R$ 13,3 bilhões no combate à pobreza em 2007 Governo Federal investe R$ 13,3 bilhões no combate à pobreza em 2007 O Governo Federal está investindo R$ 13,3 bilhões, em 2007, no combate à pobreza, integrando mais de 30 programas e ações que visam

Leia mais

Compra Direta Local da Agricultura Familiar do Recife

Compra Direta Local da Agricultura Familiar do Recife Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Desenvolvimento Econômico PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS Compra Direta Local da Agricultura Familiar do Recife Recife, 2004 Preâmbulo O presente projeto

Leia mais

1. Introdução. Igor Arsky 1

1. Introdução. Igor Arsky 1 A sustentabilidade dos programas e políticas públicas de captação e manejo de água de chuva para a garantia da soberania e segurança alimentar no semi-árido brasileiro. Igor Arsky 1 1 Coordenador do Programa

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário -MDA- Secretaria da Agricultura Familiar -SAF- Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural -DATER-

Ministério do Desenvolvimento Agrário -MDA- Secretaria da Agricultura Familiar -SAF- Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural -DATER- Ministério do Desenvolvimento Agrário -MDA- Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural Secretaria da Agricultura Familiar -SAF- -DATER- Lei 12.188 Assistência Técnica e Extensão Rural para a

Leia mais

A experiência do Brasil na promoção do direito humano à alimentação adequada a partir do fortalecimento da agricultura familiar e camponesa

A experiência do Brasil na promoção do direito humano à alimentação adequada a partir do fortalecimento da agricultura familiar e camponesa Seminário Agrícola Internacional Bruxelas, 4 e 5 de maio de 2009 Bélgica A experiência do Brasil na promoção do direito humano à alimentação adequada a partir do fortalecimento da agricultura familiar

Leia mais

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza FOME ZERO O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza Seminário Internacional sobre Seguro de Emergência e Seguro Agrícola Porto Alegre, RS -- Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 Alguns

Leia mais

A ponte que atravessa o rio

A ponte que atravessa o rio A ponte que atravessa o rio Patrus Ananias, ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Falar do combate à fome no Brasil requer falar de combate à desigualdade social. Requer compreender que o

Leia mais

Ações de Educação Alimentar e Nutricional

Ações de Educação Alimentar e Nutricional Ações de Educação Alimentar e Nutricional Marco Aurélio Loureiro Brasília, 17 de outubro de 2006. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Fome Zero: Eixos Articuladores Acesso ao alimento

Leia mais

8 Jeitos de Mudar o Mundo

8 Jeitos de Mudar o Mundo 8 Jeitos de Mudar o Mundo No dia 8 de setembro de 2000, a Organização das Nações Unidas (ONU) sintetizou uma série de acordos internacionais firmados em diversas cúpulas mundiais e desenvolveu a Declaração

Leia mais

Segurança Alimentar e Nutricional

Segurança Alimentar e Nutricional 68 Em 15 de setembro de 2006, foi sancionada a Lei Orgânica de Segurança Alimentar e Nutricional (LOSAN Lei nº 11.346/06), que prevê a criação e a implantação do Sistema Nacional de Segurança Alimentar

Leia mais

Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais

Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais Informe nº 4 Informações sobre a renda familiar do Cadastro Único O que é o Programa de Fomento? O Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais

Leia mais

9 de septiembre de 2008

9 de septiembre de 2008 SEMINARIO REGIONAL LA CONTRIBUCIÓN N DE LOS PROGRAMAS SOCIALES AL LOGRO DE LOS OBJETIVOS DE DESARROLLO DEL MILENIO EXPERIÊNCIA DO GOVERNO BRASILEIRO M. Andréa a Borges David Santiago de Chile, 8-98 9 de

Leia mais

Anexo II - Termo de Referência

Anexo II - Termo de Referência Anexo II - Termo de Referência Pesquisa sobre o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) nos Assentamentos de Reforma Agrária: implantação, impactos e perspectivas I. CONTEXTO O abastecimento alimentar

Leia mais

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO Antônio Fernando Guimarães Pinheiro INTRODUÇÃO O Estado de direito veio consagrar o processo de afirmação dos direitos humanos que constitui um dos

Leia mais

I OFICINA REGIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

I OFICINA REGIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL I OFICINA REGIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE ESTADO DO TRABALHO, EMPREGO E ECONOMIA SOLIDÁRIA DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA ALIMENTAR

Leia mais

5 PLANOS E PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS PARA A REGIÃO

5 PLANOS E PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS PARA A REGIÃO Plano de Manejo da APA de Conceição da Barra - Volume 2 Planos e Programas Pág. 941 / 1008 5 PLANOS E PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS PARA A REGIÃO O item a seguir apresentará de forma integrada as informações

Leia mais

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Apresenta à sociedade brasileira um conjunto de estratégias e ações capazes de contribuir para a afirmação de um novo papel para o rural na estratégia

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL - SDT ACORDO DE EMPRÉSTIMO FIDA Nº

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL - SDT ACORDO DE EMPRÉSTIMO FIDA Nº TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS NÃO CONTINUADOS (não alterar os campos em cinza) TR nº MODALIDADE TEMA PROCESSO SELETIVO TR_16_2015_PDHC Produto Sistematização de Experiências Inovadoras Parecer Nº 00558/2015/CONJUR-MDA/CGU/AGU,

Leia mais

Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Desenvolvimento Econômico. Restaurante-Escola

Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Desenvolvimento Econômico. Restaurante-Escola Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Desenvolvimento Econômico Restaurante-Escola Recife, 2004 Preâmbulo O presente projeto visa definir as diretrizes que nortearão a celebração do Convênio de

Leia mais

PROGRAMA MUNICIPAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR

PROGRAMA MUNICIPAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR PROGRAMA MUNICIPAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL NO CAMPO E NA CIDADE GARANTIA DE QUALIDADE NO SETOR ALIMENTICIO PRÁTICAS ALIMENTARES SAUDÁVEIS I - Introdução A economia local de Caracol

Leia mais

Mulheres por mais segurança e qualidade de vida. Direito à Terra, Moradia Digna e Infraestrutura Social. Eixo 7

Mulheres por mais segurança e qualidade de vida. Direito à Terra, Moradia Digna e Infraestrutura Social. Eixo 7 Nosso Plano em Ação Conhecendo, Divulgando, Aplicando o IIPNPM Eixo 7 Direito à Terra, Moradia Digna e Infraestrutura Social Nos Meios Rural e Urbano, Considerando as Comunidades Tradicionais Mulheres

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

Seminário Nacional. Pacto pela qualidade da Informação e da Comunicação em Saúde

Seminário Nacional. Pacto pela qualidade da Informação e da Comunicação em Saúde Seminário Nacional Comunicação, Informação e Informática em Saúde Pacto pela qualidade da Informação e da Comunicação em Saúde Informação e Comunicação Que Qualidade? Que Pacto? Aurea Maria da Rocha Pitta

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Fórum de debates sobre a pobreza e a segurança alimentar Campinas, 13 de outubro

Leia mais

Governo do Estado do Ceará Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior - SECITECE

Governo do Estado do Ceará Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior - SECITECE Governo do Estado do Ceará Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior - SECITECE TERMO DE REFERÊNCIA Suporte Técnico Especializado em Inovação Sênior- Pessoa Física, visando apoiar a COTEC/SECITECE

Leia mais

Unidade I. Mercado Financeiro e. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade I. Mercado Financeiro e. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade I Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercado Financeiro O mercado financeiro forma o conjunto de instituições que promovem o fluxo de recursos entre os agentes financeiros.

Leia mais

O PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS E O ESTÍMULO À PRODUÇÃO ORGÂNICA

O PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS E O ESTÍMULO À PRODUÇÃO ORGÂNICA O PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS E O ESTÍMULO À PRODUÇÃO ORGÂNICA Carlos Alberto da Rosa Maciel 1 Eduardo Miotto Flech 2 RESUMO O artigo faz uma análise do ponto de vista do desenvolvimento social

Leia mais

Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO

Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO Sumário Contexto Processo de construção Estrutura do Decreto Objetivos e Interfaces Diretrizes Eixos e objetivos Medidas

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Objetivo da Apresentação Possibilitar a compreensão das políticas públicas relacionadas e/ou

Leia mais

POLITICAS DE ERRADICAÇÃO DA FOME E DA MISÉRIA NO MUNICIPIO DE ITATIBA DO SUL-RS

POLITICAS DE ERRADICAÇÃO DA FOME E DA MISÉRIA NO MUNICIPIO DE ITATIBA DO SUL-RS POLITICAS DE ERRADICAÇÃO DA FOME E DA MISÉRIA NO MUNICIPIO DE ITATIBA DO SUL-RS Leonice Alves Pereira Mourad 1 Luís Fernando da Silva Laroque 2 Solange de Moura Trindade 3 Zenicléia Angelita Deggerone

Leia mais

Antonio Carlos Lago Analista Ambiental - IBAMA

Antonio Carlos Lago Analista Ambiental - IBAMA 3º Seminário de Comunicação Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável P A L E S T R A COMUNICAÇÃO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Antonio Carlos Lago Analista Ambiental - IBAMA Relações Públicas P e Jornalista

Leia mais

FLORIANÓPOLIS... um dos melhores destinos turísticos... Audiência Pública Apresentação e discussão da LDO de 2013

FLORIANÓPOLIS... um dos melhores destinos turísticos... Audiência Pública Apresentação e discussão da LDO de 2013 FLORIANÓPOLIS... um dos melhores destinos turísticos... Audiência Pública Apresentação e discussão da LDO de 2013 Apresentação e discussão das metas para elaboração das Diretrizes Orçamentárias para o

Leia mais

PRODUTOS ORGÂNICOS SISTEMAS PARTICIPATIVOS DE GARANTIA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

PRODUTOS ORGÂNICOS SISTEMAS PARTICIPATIVOS DE GARANTIA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento PRODUTOS ORGÂNICOS SISTEMAS PARTICIPATIVOS DE GARANTIA Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 2008 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.Todos os direitos reservados. É permitida

Leia mais

O papel do nutricionista no fortalecimento das Políticas Públicas e Desenvolvimento Local. Novembro de 2015

O papel do nutricionista no fortalecimento das Políticas Públicas e Desenvolvimento Local. Novembro de 2015 O papel do nutricionista no fortalecimento das Políticas Públicas e Desenvolvimento Local Novembro de 2015 1990 Há 1 ano o Brasil comemora a saída do Mapa da Fome UMA GRANDE CONQUISTA TRAZ UM NOVO DESAFIO

Leia mais

Desafios e Oportunidades associados ao Cadastro Ambiental Rural (CAR)

Desafios e Oportunidades associados ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) Desafios e Oportunidades associados ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) Índice Agronegócio Brasileiro Seguro Rural e Evolução do Mercado Programa de Subvenção Visão da Seguradora - Sustentabilidade Conclusão

Leia mais

Rogério Medeiros medeirosrogerio@hotmail.com

Rogério Medeiros medeirosrogerio@hotmail.com Programa Nacional de Capacitação do SUAS - Sistema Único de Assistência Social CAPACITASUAS CURSO 2 Indicadores para diagnóstico e acompanhamento do SUAS e do BSM Ministrado por Rogério de Souza Medeiros

Leia mais

5ª EDIÇÃO DA CERTIFICAÇÃO SELO ODM MOVIMENTO NÓS PODEMOS PARANÁ REGULAMENTO

5ª EDIÇÃO DA CERTIFICAÇÃO SELO ODM MOVIMENTO NÓS PODEMOS PARANÁ REGULAMENTO 5ª EDIÇÃO DA CERTIFICAÇÃO SELO ODM MOVIMENTO NÓS PODEMOS PARANÁ REGULAMENTO O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade - Nós Podemos Paraná, articulado pelo Sesi-PR e com o apoio de diversas instituições

Leia mais

Cozinha Multiuso Comunitário de Produção CMCP denominado DE COZINHA COMUNITÁRIA a ser

Cozinha Multiuso Comunitário de Produção CMCP denominado DE COZINHA COMUNITÁRIA a ser Cozinha Multiuso Comunitário de Produção CMCP denominado DE COZINHA COMUNITÁRIA a ser Mostra Local de: Rio Branco do Sul (Municípios de Rio Branco do Sul, Almirante Tamandaré e Itaperuçu) Categoria do

Leia mais

III JORNADAS DE ADMINISTRACIÓN DEL NEA y I ENCUENTRO INTERNACIONAL de ADMINISTRACION de la REGION JESUITICO GUARANI 1 y 2 de septiembre 2011

III JORNADAS DE ADMINISTRACIÓN DEL NEA y I ENCUENTRO INTERNACIONAL de ADMINISTRACION de la REGION JESUITICO GUARANI 1 y 2 de septiembre 2011 III JORNADAS DE ADMINISTRACIÓN DEL NEA y I ENCUENTRO INTERNACIONAL de ADMINISTRACION de la REGION JESUITICO GUARANI 1 y 2 de septiembre 2011 ÁREA TEMÁTICA: ENTIDADES INTERMEDIAS TÍTULO: Desafios e limitações

Leia mais

Programas e Políticas Públicas de SAN na Bahia

Programas e Políticas Públicas de SAN na Bahia Programas e Políticas Públicas de SAN na Bahia Gestão Equipamentos de SAN Acesso a água Apoio a Agricultura Familiar Inclusão Produtiva Jainei Cardoso Coordenação Rede de San e Cidadania Conselheira CONSEA-BA

Leia mais

GT 10 - Políticas Públicas e Desenvolvimento Rural

GT 10 - Políticas Públicas e Desenvolvimento Rural GT 10 - Políticas Públicas e Desenvolvimento Rural Título: Arranjos institucionais de políticas públicas para o desenvolvimento rural: uma análise a partir da trajetória do Programa de Aquisição de Alimentos

Leia mais

PACTO GLOBAL RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

PACTO GLOBAL RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE PACTO GLOBAL RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE PACTO GLOBAL Lançado em 2000, o Pacto Global das Nações Unidas constitui uma convocação às empresas de todo o mundo para que alinhem suas estratégicas e operações

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA EMPRESA LUZ E FORÇA SANTA MARIA S/A

CÓDIGO DE ÉTICA DA EMPRESA LUZ E FORÇA SANTA MARIA S/A CÓDIGO DE ÉTICA DA EMPRESA LUZ E FORÇA SANTA MARIA S/A O código de ética da Empresa Luz e Força Santa Maria S/A contempla as seguintes partes interessadas: empregados, fornecedores, meio ambiente, consumidores

Leia mais

A Autogestão e o Programa de Aquisição de Alimentos PAA, Compra com Doação Simultânea - CDS: elementos para reflexão.

A Autogestão e o Programa de Aquisição de Alimentos PAA, Compra com Doação Simultânea - CDS: elementos para reflexão. A Autogestão e o Programa de Aquisição de Alimentos PAA, Compra com Doação Simultânea - CDS: elementos para reflexão. André Stecklow Cabral - andrestcabral@gmail.com Guilherme Francisco Silvestre gui.silvestre@live.com

Leia mais

Programa Nacional de Alimentação Escolar. O papel da participação social para o sucesso do programa

Programa Nacional de Alimentação Escolar. O papel da participação social para o sucesso do programa Programa Nacional de Alimentação Escolar O papel da participação social para o sucesso do programa Referências do SISAN Princípios orientadores Direito humano à alimentação adequada Soberania alimentar

Leia mais

ANO INTERNACIONAL DA JUVENTUDE

ANO INTERNACIONAL DA JUVENTUDE Os Jovens merecem um grande compromisso da nossa parte: acesso pleno à educação, atenção adequada na saúde, oportunidades de emprego e participação plena na vida pública. Ban Ki-moon Secretário Geral das

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PARA PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS

PLANO DE AÇÃO PARA PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS PLANO DE AÇÃO PARA PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental (SAIC) Departamento de Produção e Consumo Sustentáveis (DPCS)

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO GABARITO DAS QUESTÕES DE SOCIOLOGIA Estudante: Turma: Data:

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

Redução da Fome, da Pobreza e da Desigualdade. Taquara/RS 16/10/2015

Redução da Fome, da Pobreza e da Desigualdade. Taquara/RS 16/10/2015 Redução da Fome, da Pobreza e da Desigualdade Taquara/RS 16/10/2015 Terceira maior redução do número de pessoas subalimentadas no mundo 2002/2014 % População BRASIL - POPULAÇÃO EM SUBALIMENTAÇÃO (%) 15,0

Leia mais

EDITAL 02/2011 TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO

EDITAL 02/2011 TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO EDITAL 02/2011 TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO ENVIO DA PROPOSTA Caixa Postal nº 8575 CEP:.70.312-970 - Brasília-DF Observação: O CANDIDATO DEVERÁ OBRIGATORIAMENTE INFORMAR NA CAPA DO ENVELOPE

Leia mais

14/12/2005 DECLARAÇÃO CONJUNTA DOS PRESIDENTES DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E DA REPÚBLICA DA COLÔMBIA

14/12/2005 DECLARAÇÃO CONJUNTA DOS PRESIDENTES DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E DA REPÚBLICA DA COLÔMBIA 14/12/2005 DECLARAÇÃO CONJUNTA DOS PRESIDENTES DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E DA REPÚBLICA DA COLÔMBIA (Colômbia, 14 de dezembro de 2005) Atendendo ao convite formulado pelo Senhor Presidente da República

Leia mais

Políticas Públicas para o Desenvolvimento Agropecuário no Brasil

Políticas Públicas para o Desenvolvimento Agropecuário no Brasil Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo - SDC Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA Políticas Públicas para o Desenvolvimento Agropecuário no Brasil Reunião Regional

Leia mais

CARTILHA DE CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS

CARTILHA DE CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS CARTILHA DE CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS GESTÃO 2010-2012 Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional do Ceará (CONSEA Ceará) Presidente Emanuel Barreto de Oliveira Secretária Regina Ângela Sales Praciano

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 54 Discurso na apresentação dos resultados

Leia mais

O Programa Brasil Sem Miséria e a Agricultura Familiar

O Programa Brasil Sem Miséria e a Agricultura Familiar O Programa Brasil Sem Miséria e a Agricultura Familiar Valter Bianchini 1 Com o lançamento do Programa Brasil Sem Miséria volta ao debate a caracterização da tipologia da agricultura familiar situada abaixo

Leia mais

Propostas IPA/FPA para o Plano-Safra 2015/2016

Propostas IPA/FPA para o Plano-Safra 2015/2016 Propostas IPA/FPA para o Plano-Safra 2015/2016 1. Crédito a Juros Controlados Elevar o volume de crédito rural (custeio, comercialização e investimento) para R$ 220 milhões, sendo R$ 190 milhões para a

Leia mais

Art. 3º. O Plano Municipal Decenal de Educação observará os seguintes elementos e princípios: I diagnóstico e realidade sócio-educacional e história;

Art. 3º. O Plano Municipal Decenal de Educação observará os seguintes elementos e princípios: I diagnóstico e realidade sócio-educacional e história; Lei nº 1.315, de 25 de agosto de 2003. Dispõe sobre o Plano Municipal Decenal de Educação e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE CODÓ, ESTADO DO MARANHÃO: Faço saber que a Câmara Municipal de

Leia mais

SUMÁRIO SUMÁRIO EXECUTIVO... 5 1 O PROJETO PROACRE...

SUMÁRIO SUMÁRIO EXECUTIVO... 5 1 O PROJETO PROACRE... SUMÁRIO SUMÁRIO EXECUTIVO... 5 1 O PROJETO PROACRE... 5 1.1 CONTEXTO... 5 1.2 Projeto proacre.....7 1.3 Objetivo e resultados esperados... 9 1.3.1 Objetivo Geral... 9 1.3.2 Objetivos de Desenvolvimento

Leia mais

Pobreza e Exclusão Social

Pobreza e Exclusão Social Pobreza e Exclusão Social Fontes de Informação Sociológica Carlos Ramos Coimbra, 2010 Ficha Técnica Titulo: Pobreza, Exclusão Social e Integração Este trabalho foi elaborado por Carlos Miguel Pereira Ramos,

Leia mais

CARTA DE VITÓRIA PELO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

CARTA DE VITÓRIA PELO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL CARTA DE VITÓRIA PELO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL I. Introdução: Desde a Conferência RIO-92 diversas propostas foram discutidas e formuladas com um crescente conhecimento científico sobre a real condição

Leia mais

Relatórios bimestrais de monitoramento do desmatamento e focos de calor das glebas em fase pré e pós-titulação

Relatórios bimestrais de monitoramento do desmatamento e focos de calor das glebas em fase pré e pós-titulação 1 REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DETALHAMENTO Monitoramento do desmatamento das glebas públicas federais SIPAM PARCEIROS PROCESSOS DA AÇÃO RESULTADO ATUAL DA AÇÃO Relatórios bimestrais de monitoramento do desmatamento

Leia mais

Equitativa, inclusiva e livre: Uma atualização das políticas e sessão de informação sobre a educação de qualidade para além de 2015

Equitativa, inclusiva e livre: Uma atualização das políticas e sessão de informação sobre a educação de qualidade para além de 2015 Equitativa, inclusiva e livre: Uma atualização das políticas e sessão de informação sobre a educação de qualidade para além de 2015 Uma visão coletiva Impulsionados por uma visão comum do direito à educação

Leia mais

GUIA RÁPIDO DO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO

GUIA RÁPIDO DO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI A Universidade Anhembi Morumbi foi criada em 1970 com o intuito de oferecer o primeiro curso superior de Turismo. Na década de 80, amplia sua oferta de cursos em diferentes

Leia mais

Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial. Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011

Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial. Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011 Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011 Apresentação: Território Rural de Identidade; Programa Territórios

Leia mais

PJ 75/14. 1. o setembro 2014 Original: francês. Comitê de Projetos 8. a reunião 22 setembro 2014 Londres, Reino Unido

PJ 75/14. 1. o setembro 2014 Original: francês. Comitê de Projetos 8. a reunião 22 setembro 2014 Londres, Reino Unido PJ 75/14 1. o setembro 2014 Original: francês P Comitê de Projetos 8. a reunião 22 setembro 2014 Londres, Reino Unido Orientação para a apresentação de projetos pleiteando apoio financeiro para atividades

Leia mais

Recebo com emoção o título de doutor Honoris Causa da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira.

Recebo com emoção o título de doutor Honoris Causa da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira. Discurso do Ex-Presidente Lula Outorga do Título de Doutor Honoris Causa da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira 1 de Março de 2013 Recebo com emoção o título de doutor

Leia mais

A SOCIEDADE E O MEIO AMBIENTE

A SOCIEDADE E O MEIO AMBIENTE INTRODUÇÃO A SOCIEDADE E O MEIO AMBIENTE Tomando-se como base o texto de Ferreira (1999) 1, neste material apresentam-se algumas questões que circundam o debate do ambientalismo, especialmente quando pensado

Leia mais

INSTRUMENTOS E INCENTIVOS PARA A PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS ESTRUTURANDO UMA POLÍTICA PÚBLICA

INSTRUMENTOS E INCENTIVOS PARA A PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS ESTRUTURANDO UMA POLÍTICA PÚBLICA INSTRUMENTOS E INCENTIVOS PARA A PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS ESTRUTURANDO UMA POLÍTICA PÚBLICA Brasília, 15 de junho de 2012 Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 28 DE MAIO DE 2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 28 DE MAIO DE 2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 28 DE MAIO DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição,

Leia mais

As Políticas Públicas e a Agricultura Familiar

As Políticas Públicas e a Agricultura Familiar As Políticas Públicas e a Agricultura Familiar Lei da Agricultura Familiar LEI Nº 11.326, DE 24 DE JULHO DE 2006. Art. 3 Para os efeitos desta Lei, considera-se agricultor familiar e empreendedor familiar

Leia mais

Agroenergia e Agricultura Familiar

Agroenergia e Agricultura Familiar Agroenergia e Agricultura Familiar V Congresso Brasileiro de Mamona (CBM) II Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas (SIOE) I Fórum Capixaba de Pinhão-Manso Guarapari - ES Julho/2012 ÍNDICE Agricultura

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL. Semana de Bioenergia Global Bioenergy Partnership - GBEP Brasília-DF Embrapa março de 2013

PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL. Semana de Bioenergia Global Bioenergy Partnership - GBEP Brasília-DF Embrapa março de 2013 PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL Semana de Bioenergia Global Bioenergy Partnership - GBEP Brasília-DF Embrapa março de 2013 INSTRUMENTOS LEGAIS INSTRUMENTOS LEGAIS 1) Lei nº 11.326/2006 Estabelece

Leia mais

Políticas Públicas são um conjunto de ações e decisões do governo, voltadas para facilitar a solução de problemas da sociedade.

Políticas Públicas são um conjunto de ações e decisões do governo, voltadas para facilitar a solução de problemas da sociedade. Políticas Públicas são um conjunto de ações e decisões do governo, voltadas para facilitar a solução de problemas da sociedade. Políticas Públicas são a totalidade de ações, metas e planos que os governos

Leia mais

CARTA EMPRESARIAL PELA CONSERVAÇÃO E USO SUSTENTÁVEL DA BIODIVERSIDADE

CARTA EMPRESARIAL PELA CONSERVAÇÃO E USO SUSTENTÁVEL DA BIODIVERSIDADE CARTA EMPRESARIAL PELA CONSERVAÇÃO E USO SUSTENTÁVEL DA BIODIVERSIDADE A Organização das Nações Unidas declarou 2010 como o Ano Internacional da Biodiversidade, com o objetivo de trazer ao debate público

Leia mais

Presidência da República Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial

Presidência da República Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Presidência da República Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial TERMO DE ADESÃO AO FÓRUM INTERGOVERNAMENTAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL QUE ENTRE SI CELEBRAM A UNIÃO, POR

Leia mais

Calendário 2015 Clima

Calendário 2015 Clima Calendário 2015 Clima 15 a 28 de Setembro - Assembléia Geral da ONU (Nova York) 70º Assembléia Geral Dia 28 de Setembro Relatório do Secretário Geral Ban Ki-Moom Principais temas: Clima e Objetivos do

Leia mais

O Apoio à Investigação e Inovação no Portugal 2020. Diretora da Unidade de Política Regional Conceição Moreno

O Apoio à Investigação e Inovação no Portugal 2020. Diretora da Unidade de Política Regional Conceição Moreno O Apoio à Investigação e Inovação no Portugal 2020 Diretora da Unidade de Política Regional Conceição Moreno Lisboa, 02 de outubro de 2014 Tópicos: 1. Portugal 2020: Objetivos e prioridades 2. Nova Lógica

Leia mais

Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015

Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015 Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015 2014, ano base 2013 Dimensão Estratégica (vol. 1) e Programas Temáticos (vol. 2) Resumo do preenchimento Esther Bemerguy de Albuquerque Secretária de Planejamento

Leia mais

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe.

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe. O Brasil Melhorou 36 milhões de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos 42 milhões de brasileiros ascenderam de classe Fonte: SAE/PR O Brasil Melhorou O salário mínimo teve um aumento real de 70% Em 2003,

Leia mais

Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN. Departamento de Estruturação e Integração de Sistemas Públicos Agroalimentares DEISP

Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN. Departamento de Estruturação e Integração de Sistemas Públicos Agroalimentares DEISP MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Departamento de Estruturação e Integração de Sistemas Públicos Agroalimentares DEISP

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ Área Temática: Tecnologia e Produção Júlio Cesar Damasceno (Coordenador da ação de Extensão) Júlio Cesar

Leia mais

DECRETO Nº 6.323, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2007

DECRETO Nº 6.323, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2007 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação DECRETO Nº 6.323, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2007 Regulamenta a Lei nº 10.831, de 23 de dezembro de 2003, que dispõe sobre a agricultura orgânica, e dá

Leia mais

A Economia Solidária como forma de inclusão e desenvolvimento social¹

A Economia Solidária como forma de inclusão e desenvolvimento social¹ A Economia Solidária como forma de inclusão e desenvolvimento social¹ Guilherme Lopes TEIXEIRA² Laís Alves PRATES Vitor ZANGEROLAMO Débora Aparecida Brombine FREITAS Raquel Schmidt RIBEIRO Taynara Ferrarezi

Leia mais

O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 1 O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR Ana Carolina Corrêa 1 RESUMO O presente artigo pretende refletir sobre a urgente e necessária efetivação da

Leia mais

Cenários Transformadores para a Educação Básica no Brasil

Cenários Transformadores para a Educação Básica no Brasil RELATÓRIO FINAL Cenários Transformadores para a Educação Básica no Brasil Preparado pelo Instituto Reos JUNHO 2015 CONVOCADORES FINANCIADORES Capítulo 2 CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA C2 17 CAPÍTULO 2

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS PARA A DIVERSIDADE SEXUAL: perspectivas e efetivação em tempos de inclusão

POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS PARA A DIVERSIDADE SEXUAL: perspectivas e efetivação em tempos de inclusão POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS PARA A DIVERSIDADE SEXUAL: perspectivas e efetivação em tempos de inclusão Alexandre Martins Joca 1 Resumo: Nas últimas décadas o movimento homossexual brasileiro tem reivindicado

Leia mais

Microcrédito no âmbito das políticas públicas de trabalho e renda

Microcrédito no âmbito das políticas públicas de trabalho e renda OPINIÃO DOS ATORES Microcrédito no âmbito das políticas públicas de trabalho e renda Rogério Nagamine Costanzi* Desde a experiência do Grameen Bank em Bangladesh, o microcrédito passou a se disseminar

Leia mais

PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA

PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA Marco Legal Art 19. da Lei nº10.696/2003 Fica instituído o Programa de Aquisição de Alimentos com a finalidade de incentivar a agricultura familiar, compreendendo

Leia mais

Declaração da Cidade de Quebec

Declaração da Cidade de Quebec Declaração da Cidade de Quebec Nós, os Chefes de Estado e de Governo das Américas, eleitos democraticamente, nos reunimos na Cidade de Quebec, na III Cúpula, para renovar nosso compromisso em favor da

Leia mais

O meio ambiente na Constituição Federal

O meio ambiente na Constituição Federal O meio ambiente na Constituição Federal Art. 225 Seguindo tendências mundiais e fortemente influenciada pelas ideias apresentadas na Conferência Estocolmo-72, a Constituição Federal Brasileira de 1988

Leia mais

Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br

Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br 3º Seminário de Proteção Escolar / Secretaria da Educação 20 e 21 de agosto de 2014 / Serra Negra 1 Diferenças culturais

Leia mais

Prefeitura Municipal de Novo Hamburgo Estado do Rio Grande do Sul Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão - SEPLANG

Prefeitura Municipal de Novo Hamburgo Estado do Rio Grande do Sul Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão - SEPLANG Prefeitura Municipal de Novo Hamburgo LEI MUNICIPAL N 2.246/2010, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2010. o PREFEITO MUNICIPAL Dispõe sobre a Política Municipal de Fomento à Economia Solidária, cria o Conselho Municipal

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Deputado MARCELO NILO Digníssimo Presidente da Assembleia Legislativa do Estado da Bahia Nesta

Excelentíssimo Senhor Deputado MARCELO NILO Digníssimo Presidente da Assembleia Legislativa do Estado da Bahia Nesta Mensagem nº 032/2015. Salvador, 29 de setembro de 2015. Senhor Presidente, Tenho a honra de encaminhar a Vossa Excelência, para a apreciação dessa augusta Assembleia Legislativa, o anexo Projeto de Lei

Leia mais

EMENDAS AO TEXTO - MEGA OBJETIVOS - POR AUTOR

EMENDAS AO TEXTO - MEGA OBJETIVOS - POR AUTOR Com. Seguridade Social e Familia SEGUR/CD Emenda: 50210006 "A qualidade da assistência e a racionalidade nos gastos com incorporação tecnológica são limitados pela inadequação do financiamento e vínculos

Leia mais