DESTAQUES NO PERÍODO. Dados Financeiros (R$ x 1.000)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESTAQUES NO PERÍODO. Dados Financeiros (R$ x 1.000)"

Transcrição

1 Blumenau SC, 27 de julho de 2007 A Cremer S.A. (Bovespa: CREM3), distribuidora de produtos para a saúde e também líder na fabricação de produtos têxteis e adesivos cirúrgicos, anuncia hoje seus resultados do segundo trimestre do ano de 2007 (2T07). As demonstrações financeiras consolidadas da Companhia são elaboradas de acordo com práticas contábeis adotadas no Brasil, baseadas na Lei das Sociedades por Ações e nas regulamentações da CVM ( BR GAAP ), exceto quando assim explicitado. Contato RI Bernard Hubenet CFO / Diretor de RI / Diretor de Novos Negócios Daniel Gushi Gerente de RI Tel: Teleconferência de Resultados 2T07 Data: 30 de julho de 2007 Horários: -Português 14h (horário Brasília) 13h (horário Nova Iorque) Tel: Replay: Código: Cremer -Inglês 15h30 (horário Brasília) 14h30 (horário Nova Iorque) Tel: Replay: Código: Cotação Fechamento em 27/7/2007 CREM3: R$21,78 por ação Valor de Mercado: R$733,5 milhões DESTAQUES NO PERÍODO Crescimento do Lucro Líquido Ajustado: 139,1%, atingindo R$9,5 milhões no 2T07 x R$4,0 milhões no 2T06. Aceleração do crescimento do EBITDA Ajustado, crescendo 11,5% no 2T07 em relação ao 2T06, contra uma média de 5,0% no ano de Aceleração do crescimento do Lucro Bruto, adicionado à depreciação e descontos obtidos: o 16,7% no 2T07 em relação ao 2T06, contra uma média de 1,3% no ano de 2006; o Crescimento mantendo margens atraentes, especialmente nos canais privados. Sólido Crescimento da Receita Bruta, de 19,7% no 2T07 em comparação ao 2T06: o Produtos fabricados cresceram 15,2%; o Produtos de terceiros cresceram 34,6% clientes únicos servidos no 1S07, contra no 1S06, um crescimento de 15,6%, com 741 (+217%) clientes adicionais no segmento laboratórios, e (+35%) clientes adicionais no segmento odontológico. Dados Financeiros (R$ x 1.000) 2T06 2T07 2T06 x 2T07 1S06 1S07 1S06 x 1S07 Receita Bruta de Terceiros ,6% ,0% Receita Bruta de Produtos Fabricados ,2% ,1% Receita Bruta Total ,7% ,5% Lucro Bruto+Depreciação+Descontos ,7% ,9% Margem 34,6% 33,8% -0,8p.p. 35,5% 34,3% -1,2p.p. Ebitda Ajustado ,5% ,3% Margem 17,3% 16,2% -1,1p.p. 18,1% 17,2% -0,9p.p. Lucro Líquido Ajustado ,1% ,9% Margem 6,9% 13,8% +6,9p.p. 7,9% 11,9% +4,0p.p. Página 1 de 14

2 Destaques Operacionais No 2T07, continuamos a execução de nossa estratégia, baseada em: ampliar nossa oferta de produtos de terceiros aos nossos clientes, realizar vendas cruzadas, aumentar nossa base de clientes, especialmente em canais pouco explorados (p.ex., odonto), e explorar novos canais de venda sempre precificando de forma a otimizar nossa rentabilidade. Como conseqüência da implantação da estratégia acima descrita, nossa receita bruta consolidada no 2T07 cresceu para R$91,7 milhões, ou 19,7% acima do 2T06. Houve uma aceleração do crescimento dos produtos fabricados enquanto continuamos mantendo altas taxas de crescimento de produtos de terceiros para revenda. No 2T07, a receita bruta dos produtos fabricados e de terceiros cresceram 15,2% e 34,6%, respectivamente, quando comparados com 2T06. A taxa de crescimento de produtos fabricados se compara favoravelmente com a taxa de crescimento do 1T07 que foi de 8,9% em relação ao 1T06. No 1S07 nossa receita bruta atingiu R$177,4 milhões, o que resultou em um crescimento de 17,5% em relação ao 1S06. Também tivemos sucesso no crescimento de nossa lucratividade. Em termos de lucro bruto adicionado à depreciação fabril e descontos obtidos com certos fornecedores, atingimos R$23,4 milhões no 2T07, um crescimento de 16,7% em relação ao 2T06. Esta taxa de crescimento se compara favoravelmente com a taxa de crescimento do 1T07 que foi de 9,1% em relação ao 1T06. No 1S07, nosso lucro bruto adicionado à depreciação fabril e descontos obtidos atingiu R$45,9 milhões, um crescimento de 12,9% em relação ao 1S06. Como conseqüência dos pontos previamente mencionados, o crescimento do EBITDA Ajustado acelerou para 11,5% no 2T07 em relação ao 2T06, atingindo R$11,2 milhões e uma margem de 16,2%. No 1S07, o EBITDA Ajustado foi de R$23,0 milhões, 11,3% acima do 1S06, e com a margem de 17,2%. A aceleração do crescimento do EBITDA Ajustado no 2T07 teria sido ainda maior não fosse, principalmente, a combinação do aumento do número de colaboradores para futura expansão de vendas, despesas maiores com fretes advindas de aumentos ocorridos ao longo do segundo semestre de 2006 e alguns incrementos nas nossas despesas administrativas após o IPO. Esperamos que, à medida que nossas receitas cresçam, estas despesas venham a ser diluídas como um percentual da receita da Companhia. Os fatores acima mencionados contribuíram para uma expansão do Lucro Líquido Ajustado para R$9,5 milhões no 2T07, comparados a R$4,0 milhões no 2T06, atingindo, no 2T07, uma margem de 13,8%, e um crescimento de 139,1%. No 1S07, nosso Lucro Líquido Ajustado está acumulado em R$15,9 milhões, um crescimento de 75,9% em relação ao 1S06. O aumento do Lucro Líquido Ajustado é devido, principalmente, ao aumento de nossos resultados operacionais combinado com o pré-pagamento da dívida financeira junto ao ABN Amro e às receitas financeiras advindas da aplicação do caixa gerado pelas nossas operações bem como o caixa levantado na porção primária da oferta pública ocorrida no final de Abril de Também podemos verificar a bem sucedida implementação de nossa estratégia através do aumento do número de clientes atendidos. Durante o 1S07 atendemos 39,5 mil clientes únicos, número 15,6% superior aos 34,1 mil clientes únicos atendidos no 1S06. O segmento Dentista e Clínicas Dentárias foi o que mais cresceu em número absoluto entre os dois semestres, passando para clientes atendidos no 1S07 comparados a no 1S06, um incremento de 35,2%. Cabe destacar também o expressivo crescimento obtido nos segmentos de Laboratórios com 741 clientes únicos adicionais e de Farmácias, com 236 clientes adicionais. O ramo de Adesivos Industriais também obteve um crescimento expressivo, de clientes novos no 1S07, totalizando 49,2% de crescimento entre semestres. Como conseqüência do maior número de clientes atendidos, o número de pedidos por dia útil realizados pelo Call Center cresceu 16,5%, passando para pedidos por dia útil no segundo trimestre de 2007, comparado a 985 pedidos por dia útil no mesmo período de O incremento do número de clientes únicos atendidos e do número de pedidos realizados se deve, principalmente, ao ganho de produtividade obtido no Call Center e à sua expansão, tanto em instalações físicas quanto em número de operadores. Aumentamos nossa capacidade em 20 estações de trabalho e contamos hoje com mais de 340 colaboradores no call center e back-office. Página 2 de 14

3 Seguindo a estratégia de explorar novos canais de venda, em 17 de abril lançamos o web site para compras no canal odontológico (www.dentalcremer.com.br), que nos dois primeiros meses já conta com mais de 35 mil acessos. Em Junho de 2006 a receita líquida gerada através de nosso web site dental foi de aproximadamente R$95 mil. Esperamos que esta receita cresça à medida que o site fique mais conhecido pelos nossos clientes atuais e potenciais. Para tanto, estamos realizando investimentos em marketing direcionado para divulgá-lo. O último pilar de nossa estratégia de crescimento é a adição de novos produtos ao nosso portfolio. Durante o 1S07 foram adicionados 330 novos produtos e 9 fornecedores novos para distribuição, ampliando nossa oferta de produtos para nossos clientes. Página 3 de 14

4 Resultados do Trimestre Receita Nossa receita bruta de vendas cresceu 19,7%, atingindo R$91,7 milhões no 2T07, comparada com R$76,6 milhões no 2T06. No 1S07, acumulamos uma receita de R$177,4 milhões, 17,5% acima do 1S06. Mantivemos nosso crescimento acelerado em produtos de terceiros, registrando 34,6% de crescimento entre 2T07 e 2T06 e 36,0% entre 1S07 e 1S06. Aceleramos o crescimento de nossa receita de produtos fabricados, atingindo 15,2% de crescimento entre 2T07 e 2T06 e 12,1% entre 1S07 e 1S06. O quadro a seguir demonstra a abertura de nossa receita bruta de vendas por segmento: Receita Bruta de Vendas (R$ x 1.000) 2T06 2T07 2T06 x 2T07 1S06 1S07 1S06 x 1S07 Produtos de Terceiros ,6% ,0% Produtos Fabricados para Saúde (1) ,5% ,0% Total Produtos Descartáveis para a Saúde ,8% ,2% Adesivos Industriais (2) ,4% ,9% Plásticos (3) ,0% ,4% Total Adesivos + Plásticos ,3% ,6% Total Receita Produtos Fabricados (1+2+3) ,2% ,1% Total Receita Bruta de Vendas ,7% ,5% Produtos de terceiros A venda de produtos de terceiros cresceu 34,6%, atingindo R$23,7 milhões de receita bruta no 2T07, comparada com R$17,6 milhões no 2T06. No 1S07, crescemos 36,0%, acumulando uma receita bruta de R$46,5 milhões. A venda cruzada e a introdução de novos produtos de terceiros em nossa carteira ao longo de 2006 e 2007, permitiu-nos aumentar a receita da nossa base de clientes. Continuamos tomando ações para aumentar as vendas cruzadas, adicionar mais itens ao nosso portfólio de produtos e conquistar novos clientes. No primeiro semestre de 2007 foram realizadas novas parcerias com 9 novos fornecedores. Produtos fabricados para a saúde A receita bruta de produtos fabricados para a saúde acelerou o crescimento, atingindo R$49,8 milhões, 12,5% maior se comparado com 2T06. No 1S07 o crescimento foi de 10,0%, atingindo uma receita de R$96,8 milhões. O crescimento da nossa receita bruta de produtos fabricados para a saúde resultou de uma combinação de receitas para clientes atuais e novos clientes e da estabilização dos preços para o setor público, o qual sofreu fortes pressões, especialmente a partir do segundo trimestre de Adesivos Industriais A receita bruta de adesivos industriais aumentou 25,4%, atingindo R$14,8 milhões no 2T07, comparado com R$11,8 milhões no 2T06. No 1S07 o crescimento foi de 21,9% quando comparado ao 1S06. Esse crescimento deve-se principalmente à introdução de novos itens ao longo de 2006 e 2007 e à nossa agressiva política de comercialização de fitas crepe e BOPP (fitas de embalagem) que complementam nosso mix. Estas fitas são produtos de baixo valor agregado, com um preço por metro quadrado relativamente baixo. Mesmo com preços menores, esses produtos possuem uma margem de contribuição importante na medida em que ajudam a diluir custos fixos. Outro fator que contribuiu para o resultado mencionado foi o crescimento de nossas receitas em aproximadamente 17,9% para o setor calçadista durante o 1S07 em relação ao 1S06. Página 4 de 14

5 Receita operacional líquida A receita operacional líquida cresceu em 19,2%, atingindo R$69,3 milhões no 2T07, comparada com R$58,1 no mesmo período de No 1S07, a receita líquida foi de R$133,8 milhões, 16,8% maior que no 1S06. Custos dos produtos vendidos O custo dos produtos vendidos aumentou 18,9% atingindo R$51,5 milhões no 2T07, comparados com R$43,3 milhões no mesmo período em Como percentual da receita líquida, os custos dos produtos vendidos passaram de 74,6% no 2T06 para 74,4% no 2T07. No 1S07, a participação do CPV na Receita Líquida é 0,7 p.p. maior que no 1S06, com 74,2% de participação. As tabelas abaixo apresentam os componentes dos nossos custos dos produtos vendidos para os períodos indicados, bem como as variações de cada componente e sua participação percentual na receita líquida total: Custo dos Produtos Vendidos (R$ x 1.000) 2T06 2T07 2T06 x 2T07 1S06 1S07 1S06 x 1S07 Custo de produtos de terceiros ,9% ,4% Total dos custos de produtos próprios ,0% ,4% Pessoal ,2% ,7% Outras matérias-primas ,8% ,3% Serviços de terceiros e embalagem ,4% ,4% Algodão ,2% ,7% Outros ,4% ,5% Energia elétrica ,8% ,0% Depreciação ,4% ,1% Total ,9% ,9% CPV / Receita Líquida (% da Receita Líquida) 2T06 2T07 2T06 x 2T07 1S06 1S07 1S06 x 1S07 Custo de produtos de terceiros 26,1% 28,4% +2,3p.p. 25,0% 28,8% +3,8p.p. Total dos custos de produtos próprios 48,5% 46,0% -2,5p.p. 48,5% 45,4% +3,1p.p. Pessoal 11,7% 11,3% -0,5p.p. 11,5% 11,1% -0,4p.p. Outras matérias-primas 11,6% 12,5% +0,9p.p. 11,4% 12,1% +0,7p.p. Serviços de terceiros e embalagem 6,5% 6,4% -0,1p.p. 6,5% 6,4% -0,1p.p. Algodão 6,2% 6,3% +0,1p.p. 6,0% 6,3% +0,3p.p. Outros 4,7% 4,4% -0,3p.p. 4,7% 4,3% -0,4p.p. Energia elétrica 4,4% 3,7% -0,7p.p. 4,5% 3,5% -1,0p.p. Depreciação 3,4% 1,5% -1,9p.p. 3,8% 1,7% -2,1p.p. Total 74,6% 74,4% -0,2p.p. 73,5% 74,2% +0,7p.p. O custo dos produtos de terceiros aumentou 29,9%, atingindo R$19,7 milhões no 2T07, comparados com R$15,1 milhões no mesmo período em No 1S07 o aumento foi de 34,4% em relação ao 1S06, resultando em um custo de R$38,6 milhões. Esse crescimento deveu-se principalmente à nossa maior participação no mercado de distribuição de produtos para saúde e à introdução de novos produtos na nossa carteira. Como percentual da receita líquida total, os custos com produtos de terceiros aumentaram para 28,4% no 2T07 de 26,1% no 2T06. Como medida gerencial, incluímos os descontos obtidos com o pagamento antecipado de duplicatas na compra Página 5 de 14

6 de mercadorias de certos fornecedores (contabilmente incluídos em receita financeira), fazendo com que os custos, deduzidos dos descontos de produtos de terceiros no 2T07 fossem de R$ mil, ou 21,6% da nossa receita líquida total, comparados a R$ mil ou 20,3% da nossa receita líquida total no 2T06. No 1S07, o custo de produtos de terceiros menos os descontos citados foi de R$ mil, ou 21,9% da receita líquida, enquanto que no 1S06 este custo foi de R$ mil, ou 19,8% da receita líquida total daquele período. Nossos custos com pessoal aumentaram 15,2%, atingindo R$7,9 milhões no 2T07, comparados com R$6,8 milhões no mesmo período de No 1S07 o custo foi de R$14,9 milhões, 12,7% maior que no 1S06. Esse incremento deveu-se ao aumento salarial de 4,0% concedido no acordo coletivo realizado em setembro de 2006 e ao aumento do quadro de funcionários. Como percentual da receita líquida total, os custos de pessoal caíram para 11,3% no 2T07, e 11,1% no 1S07, uma redução de 0,5 p.p. e 0,4 p.p. em relação aos mesmos períodos de Os custos das outras matérias-primas aumentaram 28,8%, atingindo R$8,6 milhões no 2T07, comparados com R$6,7 milhões no mesmo período do ano anterior. No 1S07 o custo foi de R$16,1 milhões, 23,3% maior que no 1S06. Esse incremento ocorreu por conta do aumento do volume das vendas e conseqüentemente da produção. Como percentual da receita líquida, os custos de outras matérias primas passaram para 12,5% no 2T07, de 11,6% no 2T06. No semestre, o percentual foi de 12,1%, 0,7 p.p. acima do 1S06. Os custos com serviços de terceiros e embalagens aumentaram 17,4%, atingindo R$4,4 milhões no 2T07, comparados com R$3,8 milhões no mesmo período do ano anterior. No 1S07 o custo foi de R$8,6 milhões, 16,4% maior que no 1S06. Como percentual da receita líquida, os custos com serviços de terceiros e embalagens passaram para 6,4% no 2T07, de 6,5% no 2T06. No 1S07, o percentual foi de 6,4%, praticamente estável em relação aos 6,5% registrados no 1S06. No 2T07, os custos com algodão totalizaram R$4,3 milhões, 20,2% acima do mesmo período de 2006 quando estes totalizaram R$3,6 milhões. Esse crescimento deve-se ao aumento no volume vendido de produtos fabricados. No 1S07 o custo foi de R$8,4 milhões, 21,7% maior que no 1S06. Como percentual da receita líquida total, os custos com algodão subiram ligeiramente, de 6,2% no 2T06 para 6,3% no 2T07. No 1S07, esse percentual subiu 0,3 p.p., para 6,3%. Os custos com energia caíram 0,8%, atingindo R$2,5 milhões no 2T07, comparados com R$2,6 milhões no 2T06. No 1S07 o custo foi de R$4,7 milhões, 9,0% menor que no 1S06. Essa queda deveu-se a migração das plantas têxtil e adesivos para o mercado livre, o que possibilitou a compra de energia a preços significativamente mais baixos do que os pagos no mesmo semestre do ano anterior. Como percentual da receita líquida total, os custos com energia passaram para 3,7% no 2T07, de 4,4% no 2T06. No 1S07, o percentual foi de 3,5%, 1,0 p.p. abaixo de 1S06. A despesa com depreciação caiu 48,4%, atingindo R$1,0 milhão no 2T07, comparado com R$2,0 milhões no 2T06. No 1S07, a depreciação foi de R$2,2 milhões, 48,1% abaixo do mesmo período de Isso ocorreu devido ao término da depreciação de alguns de nossos equipamentos fabrís. Como percentual da receita líquida total, a depreciação passou para 1,5% no 2T07, de 3,4% no 2T06. No semestre a depreciação representou 1,7% da receita líquida total, 2,1 p.p. a menos do que no 1S06. Lucro bruto Em decorrência do exposto acima, o lucro bruto cresceu 20,3% atingindo R$17,7 milhões no 2T07, comparado com R$14,7 milhões no mesmo período de No 1S07, o lucro bruto foi de R$ 34,5 milhões, ou 13,6% maior do que o mesmo período de Para efeitos gerenciais, também medimos o lucro bruto eliminando o efeito não caixa da depreciação e somando os descontos financeiros obtidos com o pagamento antecipado de duplicatas na compra de mercadorias de certos fornecedores, os quais são considerados contabilmente como receita financeira. No 2T07 esse valor atingiu R$23,4 milhões, um crescimento de 16,7% em relação aos R$20,1 milhões alcançados no 2T06, representando 33,8% e 34,6% da receita líquida da Companhia em 2007 e 2006, respectivamente. No 1S07, o lucro ajustado à depreciação e descontos foi de R$ 45,9 milhões, 12,9% acima dos R$ 40,7 milhões no 1S06 Isto resultou em uma margem de receita líquida de 34,3% no 1S07, contra 35,5% no 1S06. A queda na margem de lucro bruto adicionado aos descontos e à depreciação deveu-se principalmente a maior participação de produtos de terceiros Página 6 de 14

7 no mix de vendas. As margens do 2T07 e do 1S07 vieram acima do esperado graças à combinação da recente expansão de margens de produtos de terceiros em relação a 2006 e a manutenção de margens atraentes nos produtos próprios. Lucro Bruto + Descontos Financeiros + Depreciação 2T06 2T07 1S06 1S07 2T06 x 2T07 1S06 x 1S07 Lucro Bruto ,3% ,6% (+) Descontos Financeiros ,7% ,0% (+) Depreciação ,4% ,1% LUCRO BRUTO + DESCONTOS FINANCEIROS + DEPRECIAÇÃO ,7% ,9% % Receita Líquida 34,6% 33,8% -0,8p.p. 35,5% 34,3% -1,2p.p. Para efeitos gerenciais, também medimos a rentabilidade da venda de nossos produtos eliminando o efeito não caixa da depreciação sobre o lucro bruto e somando descontos financeiros obtidos com o pagamento antecipado de mercadorias, os quais são considerados receita financeira para efeito de elaboração das demonstrações financeiras, segundo as Práticas Contábeis Adotadas no Brasil. A inclusão desta receita reflete melhor o lucro bruto por entendermos que tais receitas estão vinculadas ao ciclo de negócio da companhia e são recorrentes na medida em que fornecedores continuem oferecendo descontos significativos vinculados a pagamentos antecipados. O Lucro bruto + Depreciação + Descontos obtidos não é medida de desempenho financeiro segundo as Práticas Contábeis Adotadas no Brasil, tampouco deve ser considerada isoladamente, ou como uma alternativa ao lucro líquido, como medida de desempenho operacional, ou alternativa aos fluxos de caixa operacionais, ou como medida de liquidez. Receitas (despesas) operacionais As despesas operacionais atingiram R$43,1 milhões no 2T07, e R$57,0 milhões no 1S07 contra R$15,9 e R$29,9 milhões nos mesmos períodos de 2006, respectivamente, aumento principalmente gerado pelas despesas de natureza não recorrentes relativas à abertura de capital no montante de R$23,5 milhões. Em relação à receita líquida, no 2T07 a despesa operacional representou 62,3% e 42,6% no 1S07. Despesas com vendas As despesas com vendas aumentaram 25,2%, atingindo R$9,9 milhões no 2T07, comparadas com R$7,9 milhões no 2T06. As principais fontes deste aumento foram adições de pessoal na área de vendas, aumentos de fretes que ocorreram, principalmente, ao longo do segundo semestre de 2006 e recentes aumentos de despesas de marketing para promover nossa entrada mais agressiva em canais sub-penetrados (p.ex, odonto). No semestre, a despesa com vendas aumentou 17,1%, para R$18,5 milhões. Como percentual da receita líquida, as despesas com vendas representam 14,3% no 2T07 e 13,8% no 1S07, face a 13,6% e 13,8% nos mesmos períodos de 2006, respectivamente. Esperamos que, à medida que nossos novos membros da força de venda sejam treinados e gerem mais receitas, que estas despesas caiam como percentual de nossas receitas. Despesas administrativas As despesas administrativas aumentaram 1,8%, atingindo R$6,8 milhões no 2T07, comparadas com R$6,7 milhões no mesmo período de No semestre, as despesas administrativas ficaram praticamente estáveis, totalizando R$13,4 milhões. Como percentual da receita líquida, as despesas administrativas no 1S07 foram de 10,1%, enquanto que no 1S06 foram de 11,7%. Outras receitas (despesas) operacionais No 2T07, a Companhia teve despesas de natureza não recorrente de R$23,5 milhões relacionadas com a abertura de capital e mais (R$0,4) milhão de outras receitas operacionais, totalizando R$23,9 milhões de outras despesas operacionais no trimestre. Página 7 de 14

8 Resultado Financeiro As receitas financeiras cresceram 79,3%, atingindo R$7,9 milhões no 2T07, comparado com R$4,4 milhões no 2T06, devido, principalmente, ao aumento dos descontos financeiros obtidos junto a fornecedores e às receitas advindas da aplicação do caixa levantado na oferta pública e gerado nas operações. As despesas financeiras somaram R$10,3 milhões no 2T07, devido, principalmente, às taxas não recorrentes no valor de R$7,1 milhões relativas ao pré-pagamento da dívida financeira junto ao ABN Amro. Lucro operacional O prejuízo operacional ficou em R$25,4 milhões no 2T07 e R$22,5 milhões no 1S07 devido às razões expostas acima. Imposto sobre a renda e contribuição social sobre o lucro O Imposto de Renda e Contribuição Social diferidos no 2T07 foram de R$8,5 milhões, e no 1S07 foram de R$7,5 milhões. Lucro líquido do período O Prejuízo Líquido do 2T07 foi de R$16,8 milhões e R$14,9 milhões no 1S07. Lucro Líquido Ajustado do período O Lucro Líquido Ajustado advém do Lucro Líquido adicionado à amortização do ágio decorrente da aquisição da Cremer em abril de 2004, e excluindo as despesas não recorrentes relacionadas à abertura de capital e as despesas financeiras não recorrentes relacionadas ao pré-pagamento da dívida do ABN Amro e o IR Diferido. O Lucro Líquido Ajustado resultou em R$9,5 milhões no 2T07, 139,1% maior do que o 2T06 e R$15,9 milhões no 1S07, 75,9% maior do que no 1S06. Lucro Líquido Ajustado (R$ x 1.000) 2T06 2T07 2T06 x 2T07 1S06 1S07 1S06 x 1S07 Lucro (Prejuízo) Líquido (871) (16.786) 1.827,2% 51 (14.858) ,3% Amortização do Ágio ,0% ,0% Despesas Abertura Capital ,0% ,0% Taxas de pré-pagamento do ABN IR Diferido 0 (8.320) - 0 (8.320) - LUCRO LIQUIDO AJUSTADO ,1% ,9% % Receita líquidas 6,9% 13,8% +6,9p.p. 7,9% 11,9% +4,0p.p. Para calcular o lucro líquido ajustado, somamos a amortização do ágio ao nosso lucro ou prejuízo líquido a fim de eliminar o efeito da amortização do ágio sobre o lucro da Companhia e somamos as despesas não recorrentes relacionadas à abertura de capital e as despesas de juros com o pré-pagamento da dívida do ABN Amro. Acreditamos que este lucro líquido ajustado melhor representa o nosso resultado recorrente, uma vez que o ágio não está relacionado às atividades da Companhia, e sim à incorporação da CremerPar e à mudança de controle acionário ocorrida em abril de 2004, enquanto que as despesas não recorrentes, devido a sua natureza, não deverão voltar a ocorrer. Nosso Lucro Líquido Ajustado trimestral exclui provisões para o programa de participação em resultados anual. O lucro líquido ajustado não é medida de desempenho financeiro segundo as Práticas Contábeis Adotadas no Brasil, tampouco deve ser considerada isoladamente, ou como uma alternativa ao lucro líquido, como medida de desempenho operacional, ou alternativa aos fluxos de caixa operacionais, ou como medida de liquidez. Página 8 de 14

9 EBITDA Ajustado O EBITDA Ajustado acelerou o seu crescimento de 11,0% (1T07 versus 1T06) para 11,5% (2T07 versus 2T06), atingindo R$11,2 milhões no 2T07, comparado com R$10,0 milhões no mesmo período em No 1S07, o EBITDA Ajustado foi de R$23,0 milhões, 11,3% acima do 1S06, principalmente devido ao crescimento das vendas e da lucratividade de produtos para saúde, tanto fabricados como de terceiros. No 2T07, o EBITDA Ajustado também foi beneficiado pelo aumento das margens dos produtos de terceiros e pela redução do custo com energia elétrica. A margem de EBITDA Ajustado em relação à receita operacional líquida foi de 16,2% no 2T07, comparado com 17,3% no 2T06. No 1S07 a margem foi de 17,2%, ou 0,9p.p. abaixo do 1S06. A queda de margem em relação ao 1S06 se deve, principalmente, à maior participação de produtos de terceiros no mix de vendas, e ao aumento nas despesas de vendas, principalmente frete e pessoal. A tabela seguinte mostra nosso EBITDA Ajustado para os períodos indicados. EBITDA Ajustado (R$ x 1.000) 2T06 2T07 1S06 1S07 2T06 x 2T07 1S06 x 1S07 Lucro líquido do período ,2% ,3% (+) Imposto de renda e contribuição social ,8% ,7% (+) Despesa financeira líquida ,1% ,6% (+) Depreciação e amortização ,0% ,8% (+) Desconto obtido com pagamentos antecipados ,7% ,1% EBITDA ,5% ,7% (+) Receitas não operacionais ,6% ,1% (+) Outras despesas (receitas) operacionais ,2% ,4% EBITDA Ajustado ,5% ,3% % Receita líquidas 17,3% 16,2% -1,1p.p. 18,1% 17,2% -0,9p.p. A inclusão de informações sobre o EBITDA e EBITDA Ajustado visa apresentar uma medida do nosso desempenho econômico operacional. O nosso EBITDA é igual aos lucros antes de juros, impostos sobre a renda e contribuições sociais, depreciação e amortização e inclui descontos financeiros obtidos com os pagamentos antecipados de duplicatas na compra de determinadas mercadorias, os quais são considerados receita financeira para efeito de elaboração das demonstrações financeiras, segundo as Práticas Contábeis Adotadas no Brasil. A inclusão desta receita reflete melhor o EBITDA por entendermos que tais receitas estão vinculadas ao ciclo de negócio da companhia e são recorrentes na medida em que fornecedores continuem oferecendo descontos significativos vinculados a pagamentos antecipados. O EBITDA Ajustado exclui despesas e receitas não-recorrentes e itens fora da atividade principal da Companhia. O EBITDA e EBITDA Ajustado trimestrais não incluem provisões para programa de participação no resultado anual. O EBITDA e o EBITDA Ajustado não são medidas de desempenho financeiro segundo as Práticas Contábeis Adotadas no Brasil, tampouco devem ser consideradas isoladamente, ou como uma alternativa ao lucro líquido, como medida de desempenho operacional, ou alternativa aos fluxos de caixa operacionais, ou como medida de liquidez. Endividamento A companhia não possuía dívida líquida em 30 de junho de Houve o pré-pagamento da dívida financeira do ABN Amro, em um total de R$58,3 milhões, onde R$51,2 milhões foram o principal mais os juros pagos até a data da liquidação e R$7,1 milhões foi o valor pago para a liquidação antecipada. A entrada de caixa relativa à abertura de capital, combinada com o pré-pagamento desta dívida, gerou um superávit líquido de R$140,9 milhões, levando-se em conta os endividamentos bancários e impostos de curto e longo prazos. Não há exposição cambial significativa no balanço da Companhia. Investimentos A Companhia investiu R$1,6 milhão em ativo imobilizado no 2T07, representando um incremento de 15,5% sobre o 2T06, quando foi investido R$1,4 milhão. Os investimentos no 2T07 foram destinados principalmente à modernização e ampliação de nossos equipamentos de informática, ampliação do Call Center e compra e reforma de máquinas nas unidades de produção. Os investimentos realizados no 2T07 foram feitos com recursos próprios da Companhia. Página 9 de 14

10 Fluxo de Caixa A Companhia obteve um fluxo de caixa operacional negativo no 2T07, de R$14,2 milhões. Este valor foi fortemente impactado pela despesa não recorrente de abertura de capital, no valor de R$23,5 milhões. Com isso, no 1S07, o fluxo de caixa negativo totalizou em R$6,6 milhões. Excluindo-se as despesas não recorrentes relacionadas ao IPO, o fluxo de caixa operacional teria sido de R$9,3 milhões e R$16,9 milhões no 2T07 e 1S07, comparados a R$2,8 milhões e R$7,6 milhões nos mesmos períodos em 2006, respectivamente. Ciclos Financeiros e Operacionais Prazo Médio de Giro dos Estoques Observamos que o prazo médio de rotação dos estoques está caindo, se compararmos com os mesmos períodos do ano passado, e com o valor observado no final de No final de 2006, nosso prazo médio de rotação foi de 53,7 dias, caindo para 43,5 dias no 2T07 (45,5 dias no 2T06) No semestre o prazo ficou em 44,8 dias, ou 1,7 dias menor que no 1S06. O aumento das vendas de produtos de terceiros contribuiu para a melhora da performance deste indicador T06 2T07 1S06 1S07 Estoques (R$ x 1.000) CPV (R$ x 1.000) Nr. Dias Prazo Médio de Giro dos Estoques (dias) 53,7 45,5 43,5 46,5 44,8 Prazo Médio de Recebimento das Vendas O prazo médio de recebimento das vendas está praticamente estável. No 2T07, tivemos 48,5 dias contra 49,0 obtidos no 2T06, no 1S07 obtivemos 49,9 dias versus 49,5 dias no 1S T06 2T07 1S06 1S07 Clientes (R$ x 1.000) Vendas Brutas (R$ x 1.000) Nr. Dias Prazo Médio de Recebimento de Vendas (dias) 46,7 49,0 48,5 49,5 49,9 Prazo Médio de Pagamento das Compras O prazo médio de pagamento das compras teve uma pequena queda no 2T07 (29,6 dias), se comparado ao 2T06 (30,1 dias), mas se manteve aproximadamente estável no 1S07 (29,6 dias) versus o 1S06 (30,8 dias) T06 2T07 1S06 1S07 Fornecedores (R$ x 1.000) CPV (R$ x 1.000) Nr. Dias Prazo Médio de Pagamento das Compras (dias) 30,9 30,1 29,6 30,8 30,6 Página 10 de 14

11 PRÓXIMOS EVENTOS Teleconferência Resultados do 2º Trimestre de 2007 Data: 30 de julho de 2007 Português: 14h00 (horário de Brasília) Telefone: +55 (11) Replay: +55 (11) Código: Cremer Inglês: 15h30 (horário de Brasília) Telefone: +1 (973) Replay: +1 (973) Código: Contato Bernard Jacques B Hubenet Diretor Relações com Investidores, Diretor de Novos Negócios e Diretor Financeiro Daniel Gushi Gerente Relações com Investidores Tel: Website RI: SOBRE A CREMER A Companhia explora a indústria e comércio de produtos médico-hospitalares ( produtos para a saúde ), cosméticos, produtos de uso odontológico e de uso veterinário, adesivos industriais e, por meio da subsidiária integral Plásticos Cremer, de peças plásticas. O principal setor de atuação da Companhia é o mercado de produtos para a saúde, no qual figura como uma das maiores distribuidoras do País e líder na fabricação de produtos têxteis cirúrgicos. No mercado de adesivos industriais a Companhia é a líder na produção de fitas adesivas para o segmento calçadista. O Grupo, Cremer S.A. e Plásticos Cremer S.A., conta com três unidades fabris em Blumenau (uma de produtos têxteis,uma de adesivos e uma de plásticos), e 13 Centros de Distribuição, dos quais 11 voltados para o setor de saúde, em diferentes estados do Brasil. Aviso Legal As afirmações contidas neste documento relacionadas a perspectivas sobre os negócios, projeções sobre resultados operacionais e financeiros e aquelas relacionadas a perspectivas de crescimento da Cremer S.A. a são meramente projeções e, como tal, são baseadas exclusivamente nas expectativas da diretoria sobre o futuro dos negócios. Essas expectativas dependem, substancialmente, de condições de mercado, do desempenho da economia brasileira, do setor e dos mercados internacionais e, são sujeitas a mudanças sem aviso prévio. Página 11 de 14

12 Demonstração do Resultado consolidado ( R$ x 1.000) 2T06 2T07 1S06 1S07 Receita Bruta de Vendas ,7% ,5% Vendas de Produtos ou Serviços ,7% ,5% Deduções da Receita Bruta (18.513) (22.423) 21,1% (36.366) (43.543) 19,7% Impostos / deduções sobre vendas (18.513) (22.423) 21,1% (36.366) (43.543) 19,7% Receita Líquida de Vendas ,2% ,8% Custo dos Produtos Vendidos (43.339) (51.520) 18,9% (84.232) (99.351) 17,9% Resultado Bruto ,3% ,6% Despesas/Receitas Operacionais (15.948) (43.144) 170,5% (29.925) (56.986) 90,4% Com Vendas (7.886) (9.874) 25,2% (15.774) (18.465) 17,1% Gerais e Administrativas (6.725) (6.849) 1,8% (13.442) (13.454) 0,1% Financeiras (192) (2.477) 1.190,1% (466) (1.354) 190,6% Receitas Financeiras ,3% ,1% Juros ,9% ,3% Variações Cambiais 49 (149) -404,1% (78) (203) 160,3% Descontos obtidos ,1% ,1% Outras ,8% ,5% Despesas financeiras (4.578) (10.341) 125,9% (8.476) (13.940) 64,5% Juros (2.827) (8.395) 197,0% (5.958) (11.177) 87,6% Variações Monetárias/cambiais (1.065) (457) -57,1% (1.191) (442) -62,9% Impostos (300) (1.069) 256,3% (592) (1.431) 141,7% Outras (386) (420) 8,8% (735) (890) 21,1% Outras Receitas Operacionais (781) (359) -54,0% ,1% Outras Despesas Operacionais (364) (23.585) 6.379,4% (662) (24.031) 3.530,1% Resultado Operacional (1.201) (25.410) 2.015,7% 441 (22.505) ,2% Resultado Não Operacional (124) ,6% (121) ,1% Resultado Antes Tributação/Participações (1.325) (25.284) 1.808,2% 320 (22.373) ,6% Provisão para IR e Contribuição Social (87) ,3% (185) (199) 7,6% IR Diferido ,0% (84) ,3% Lucro/Prejuízo do Período (871) (16.786) 1.827,2% 51 (14.858) ,3% Página 12 de 14

13 Balanco Patrimonial (R$ x 1.000) 30/6/ /6/ /6/2007 x 30/6/ /3/ /6/2007 x 31/3/2007 ATIVO Circulante ,1% ,9% Disponibilidades ,5% ,0% Caixa e Bancos ,7% ,9% Aplicações Financeiras ,7% ,1% Clientes ,2% ,4% Impostos a recuperar ,2% ,9% Tributos Diferidos ,2% ,8% Creditos Diversos ,4% ,7% Estoques ,7% ,7% Outros ,0% ,1% Despesas Antecipadas ,0% ,1% Realizável a Longo Prazo ,1% ,7% Tributos Diferidos ,0% ,7% Impostos a Recuperar ,7% 522 5,7% Precatórios a Receber ,8% Outras ,3% 969-2,5% Permanente ,3% ,8% Imobilizado ,7% ,4% Intangível Diferido ,1% ,0% Ativo Total ,1% ,8% PASSIVO Circulante ,8% ,7% Empréstimos e Financiamentos ,9% ,6% Fornecedores ,9% ,1% Impostos, Taxas e Contribuições ,7% ,4% Provisões ,3% ,9% Provisões Férias e 13. salário ,5% ,5% Comissões ,1% 233-9,4% Outras ,4% ,3% Outros ,7% ,7% Exigível a Longo Prazo ,4% ,5% Empréstimos e Financiamentos ,3% ,8% Provisão para contingencias ,2% ,1% Parcelamento de Impostos ,2% ,3% Outros ,8% ,1% Patrimônio Líquido ,9% ,1% Capital Social Realizado ,3% ,3% Reservas de Capital ,6% ,6% Lucros/Prejuízos Acumulados (1.261) (14.858) 1.078,3% Passivo Total ,1% ,8% Página 13 de 14

14 Demonstrativo do Fluxo de Caixa (R$ x 1.000) 2T06 2T07 1S06 1S07 Lucro líquido do trimestre (871) (16.786) 1.827,2% 51 (14.858) ,3% Ajustes para conciliar o lucro líquido ao caixa Oriundo das atividades operacionais: Depreciação e amortização ,4% ,1% Custo da venda do permanente 50 (117) -334,0% 76 (103) -235,5% Provisão para créditos de liquidação duvidosa ,6% ,0% Encargos financeiros e variações monetárias ,4% ,5% Provisões para contingências ,6% 679 (898) -232,3% Imposto de renda e contribuição social diferidos (533) (8.315) 1.460,0% 92 (7.714) ,8% Aumento de clientes (1.051) (2.259) 114,9% (4.250) (7.759) 82,6% (Aumento) Redução de estoques (3.713) (1.752) -52,8% (5.856) ,8% (Aumento) Redução de outros créditos do ativo circulante (198) (1.352) 582,8% (1.679) (1.904) 13,4% (Aumento) Redução do realizável a longo prazo 153 (24) -115,7% (18) (33) 83,3% Aumento (Redução) de fornecedores ,8% ,5% Aumento (Redução) de obrigações fiscais (2.473) (1.907) -22,9% (2.853) (540) -81,1% Aumento (Redução) de obrigações trabalhistas ,1% ,2% Pagamento de participação nos resultados (2.385) ,0% (2.385) ,0% Aumento (Redução) de outras contas a pagar / provisões ,6% 722 (668) -192,5% Caixa líquido obtido das atividades operacionais (14.168) -613,9% (6.565) -186,1% FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO Aumento de Capital Novos Empréstimos Pagamento de empréstimos e juros (1.555) (58.629) 3.670,4% (8.838) (66.572) 653,2% Pagamento de Dividendos (2.870) Caixa líquido aplicado nas atividades de financiamento (1.555) ,8% (8.838) ,8% FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO Aquisição de ativo imobilizado (1.371) (1.584) 15,5% (2.561) (2.810) 9,7% Aquisição do diferido (49) (27) -44,9% (49) (53) 8,2% Valor da venda de ativo imobilizado ,2% ,3% Caixa líquido aplicado nas atividades de investimento (1.130) (1.484) 31,3% (2.310) (2.729) 18,1% AUMENTO (REDUÇÃO) NO SALDO DE DISPONIBILIDADES ,9% (3.520) ,8% VARIAÇÕES NO SALDO DE DISPONIBILIDADES Saldo inicial das disponibilidades ,6% ,6% Saldo final das disponibilidades ,5% ,5% AUMENTO (REDUÇÃO) NAS DISPONIBILIDADES ,9% (3.520) ,8% Página 14 de 14

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 3T06

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 3T06 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 3T06 Eusébio CE, 09 de novembro de 2006 A M. Dias Branco S.A. (Bovespa: MDIA3), empresa líder nos mercados de biscoitos e de massas no Brasil, anuncia hoje seus resultados do terceiro

Leia mais

DESTAQUES DO ANO. Receita Líquida de R$ 662,5 milhões, 15,9% acima de 2013. Geração de caixa operacional de R$ 95,5 milhões e CAPEX de R$ 12,5 milhões

DESTAQUES DO ANO. Receita Líquida de R$ 662,5 milhões, 15,9% acima de 2013. Geração de caixa operacional de R$ 95,5 milhões e CAPEX de R$ 12,5 milhões Blumenau SC, 11 de fevereiro de 2015 A Cremer S.A. (BM&FBovespa: CREM3), fornecedora de produtos para cuidados com a saúde nas áreas de primeiros socorros, cirurgia, tratamento e higiene, anuncia seus

Leia mais

LOJAS RENNER S.A. RESULTADOS DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2015 (2T15 ) LOJAS RENNER S.A.

LOJAS RENNER S.A. RESULTADOS DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2015 (2T15 ) LOJAS RENNER S.A. Resultados 2T15 LOJAS RENNER S.A. Companhia constituída em 1965 e de capital aberto desde 1967. Capital totalmente pulverizado desde 2005, com 100% de free float, sendo considerada a primeira corporação

Leia mais

DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 1º TRIMESTRE DE 2010

DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 1º TRIMESTRE DE 2010 DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 1º TRIMESTRE DE 2010 1. Mercado de Capitais Cotações: (14/05/2010) ALPA3 R$ 6,10 ALPA4 R$ 5,95 Valore de Mercado: R$ 2,1 bilhões 2. Teleconferência Data: 18/05/2010 às 16h00

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T05 e 2005

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T05 e 2005 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T05 e 2005 Americana SP, 23 de março de 2005 A VIVAX S.A. (Bovespa: VVAX11), ou Companhia, segunda maior operadora de TV a Cabo do Brasil, em número de assinantes, e uma das principais

Leia mais

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 1º Trimestre de 2013

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 1º Trimestre de 2013 . São Paulo, 13 de maio de 2013 - Magazine Luiza S.A. (BM&FBOVESPA: MGLU3), uma das maiores redes varejistas com foco em bens duráveis e com grande presença nas classes populares do Brasil, divulga seus

Leia mais

Resultados 3T06 8 de novembro de 2006

Resultados 3T06 8 de novembro de 2006 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 49% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 35% MARGEM DE EBITDA ATINGIU 29% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 3T06. As demonstrações financeiras

Leia mais

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 São Paulo, 25 de fevereiro de 2005 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia hoje seus

Leia mais

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 4 o Trimestre de 2011

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 4 o Trimestre de 2011 Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 4 o Trimestre de 2011 São Paulo, 22 de março de 2012 - Magazine Luiza S.A. (BM&FBOVESPA: MGLU3), uma das maiores redes varejistas com foco em bens duráveis

Leia mais

A BM&FBOVESPA S.A. anuncia os resultados do primeiro trimestre de 2009. O lucro líquido atingiu R$ 227 milhões com lucro por ação de R$ 0,11.

A BM&FBOVESPA S.A. anuncia os resultados do primeiro trimestre de 2009. O lucro líquido atingiu R$ 227 milhões com lucro por ação de R$ 0,11. A BM&FBOVESPA S.A. anuncia os resultados do primeiro trimestre de 2009. O lucro líquido atingiu R$ 227 milhões com lucro por ação de R$ 0,11. O Lucro Líquido do 1T09 (sem ajustes) apresentou queda de 1,4%

Leia mais

LOJAS RENNER DIVULGA R$ 511,4 MILHÕES DE RECEITA LÍQUIDA TOTAL NO 3T08

LOJAS RENNER DIVULGA R$ 511,4 MILHÕES DE RECEITA LÍQUIDA TOTAL NO 3T08 LOJAS RENNER DIVULGA R$ 511,4 MILHÕES DE RECEITA LÍQUIDA TOTAL NO 3T08 Porto Alegre, 30 de outubro de 2008 LOJAS RENNER S.A. (Bovespa: LREN3), segunda maior rede de lojas de departamentos de vestuário

Leia mais

Hering inicia o ano com crescimento de 41% do EBITDA e salto de 35% em vendas

Hering inicia o ano com crescimento de 41% do EBITDA e salto de 35% em vendas Blumenau, 07 de maio de 2008 Cia. Hering (Bovespa: HGTX3), uma das maiores empresas de varejo e design de vestuário do Brasil, divulga os resultados do 1º trimestre de 2008 (1T08). As informações operacionais

Leia mais

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos.

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos. São Paulo, 13 de maio de 2013 - A Unidas S.A. ( Companhia ou Unidas ) anuncia os seus resultados do primeiro trimestre de 2012 (). As informações financeiras são apresentadas em milhões de Reais, exceto

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Pro Forma em 31 de dezembro de 2011

Abril Educação S.A. Informações Pro Forma em 31 de dezembro de 2011 Informações Pro Forma em 31 de dezembro de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 31 de dezembro de

Leia mais

Destaques do Resultado

Destaques do Resultado RESULTADOS DO 4T09 E 2009 RECEITA LÍQUIDA de R$1 bilhão; EBITDA de R$119 milhões; MARGEM EBITDA de 12%, aumento de 2 p.p.; LUCRO LÍQUIDO ajustado de R$78 milhões em 2009 Rio de Janeiro, 17 de Março de

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Dados da Empresa / Composição do Capital

Dados da Empresa / Composição do Capital Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

4 T 10 RESULTADOS DO 4T10. Dados em 31/12/2010. Grazziotin PN (CGRA4) R$ 16,00. Valor de Mercado R$ 338,0 milhões

4 T 10 RESULTADOS DO 4T10. Dados em 31/12/2010. Grazziotin PN (CGRA4) R$ 16,00. Valor de Mercado R$ 338,0 milhões 4 T 10 Passo Fundo, 14 de março de 2011 A Grazziotin (BM&FBOVESPA: CGRA3 e CGRA4), empresa de comércio varejista do segmento de vestuário e utilidades domésticas, localizada na região sul do país, divulga

Leia mais

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO PLANO DE CONTAS O plano de Contas normalmente é composto de cinco grupos. ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

Leia mais

Estácio Registra Crescimento de 166% no Lucro Líquido Ajustado EBITDA ajustado aos impostos cresceu R$ 17,2 milhões

Estácio Registra Crescimento de 166% no Lucro Líquido Ajustado EBITDA ajustado aos impostos cresceu R$ 17,2 milhões 2T07 Estácio Registra Crescimento de 166% no Lucro Líquido Ajustado EBITDA ajustado aos impostos cresceu R$ 17,2 milhões Rio de Janeiro, de 2007 A Estácio Participações (BOVESPA: ESTC11), maior organização

Leia mais

Receita Operacional Líquida alcança R$ 20,9 milhões, aumento de 9,7% ante o trimestre anterior

Receita Operacional Líquida alcança R$ 20,9 milhões, aumento de 9,7% ante o trimestre anterior Última Cotação em 30/09/2014 FBMC4 - R$ 20,60 por ação Total de Ações: 726.514 FBMC3: 265.160 FBMC4: 461.354 Valor de Mercado (30/09/2014): R$ 20.269,7 mil US$ 9.234,5 mil São Bernardo do Campo, 12 de

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2012 - TECNISA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2012 - TECNISA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A Resultados do 3º trimestre de 2015

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A Resultados do 3º trimestre de 2015 Resultados do 3º trimestre de 2015 São Paulo, 13 de novembro de 2015 A Administração da Empresa de Distribuição de Energia do Vale Paranapanema ( EDEVP ou Companhia ) apresenta os resultados do terceiro

Leia mais

Resultados 1T07 10 de maio de 2007

Resultados 1T07 10 de maio de 2007 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 102% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 32% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 1T07. As demonstrações financeiras da Companhia são elaboradas

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2014

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2014 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2014 LUPATECH S.A. CNPJ/MF nº 89.463.822/0001-12 NIRE 43300028534 Companhia Aberta de Capital Autorizado Novo Mercado Relatório da Administração Mensagem da Administração Senhores

Leia mais

Divulgação de Resultados 3T05

Divulgação de Resultados 3T05 Localiza Anuncia EBITDA de R$70,8 milhões no 3T05 Receita Líquida cresce 49,1% e EBITDA cresce 31,1% Belo Horizonte, 8 de novembro de 2005 - A Localiza Rent A Car S.A. (Bovespa: RENT3), a maior rede de

Leia mais

Informações Trimestrais 4º trimestre e exercício de 2015 (4T15 e 2015) Relatório da Administração

Informações Trimestrais 4º trimestre e exercício de 2015 (4T15 e 2015) Relatório da Administração Informações Trimestrais 4º trimestre e exercício de 2015 (4T15 e 2015) Relatório da Administração Prezados acionistas A administração da WLM Indústria e Comércio S.A. (WLM), em conformidade com as disposições

Leia mais

TELECONFERÊNCIA DE RESULTADOS 3T14

TELECONFERÊNCIA DE RESULTADOS 3T14 TELECONFERÊNCIA DE RESULTADOS 3T14 RESULTADOS FINANCEIROS CONSOLIDADOS (R$ MILHÕES) 3T13 3T14 Var.% 9M13 9M14 Var.% RECEITA LÍQUIDA 315,8 342,8 8,5% 858,4 937,5 9,2% EBITDA AJUSTADO¹ 67,1 78,3 16,7% 157,5

Leia mais

Lucro líquido atinge R$7,0 milhões, crescimento de 41,7% versus o 1T14, com consistente e importante melhora nas margens operacionais

Lucro líquido atinge R$7,0 milhões, crescimento de 41,7% versus o 1T14, com consistente e importante melhora nas margens operacionais Resultados 2T14 e 1S14 Lucro líquido atinge R$7,0 milhões, crescimento de 41,7% versus o 1T14, com consistente e importante melhora nas margens operacionais Belo Horizonte, 5 de agosto de 2014 - A Companhia

Leia mais

Release de Resultados do 4T13

Release de Resultados do 4T13 São Paulo, 19 de fevereiro de 2014 A Eucatex (BM&FBovespa: EUCA3 e EUCA4), uma das maiores produtoras de painéis de madeira do Brasil, que atua também nos segmentos de tintas e vernizes, pisos laminados,

Leia mais

(Os números financeiros estão em Reais e baseados nas demonstrações financeiras consolidadas da Embrapar) EBITDA 464,6 354,2 527,7 13,6% 49,0%

(Os números financeiros estão em Reais e baseados nas demonstrações financeiras consolidadas da Embrapar) EBITDA 464,6 354,2 527,7 13,6% 49,0% Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 26 de abril de 2006 Embratel Participações S.A. (Embratel Participações ou Embrapar ) (NYSE:EMT;BOVESPA:EBTP4, EBTP3) detém 99,0 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações

Leia mais

1T05. Celesc apresenta lucro líquido de R$ 23 milhões no 1 o trimestre de 2005. Resultado do 1 o trimestre de 2005. Principais Destaques

1T05. Celesc apresenta lucro líquido de R$ 23 milhões no 1 o trimestre de 2005. Resultado do 1 o trimestre de 2005. Principais Destaques Celesc apresenta lucro líquido de R$ 23 milhões no 1 o trimestre de 2005 Divulgação Imediata Cot. da Ação PNB CLSC6) em 31/03/05: R$ 0,90/ação Valoriz. No 1T05: -16% Valor de Mercado R$ : 694 milhões US$

Leia mais

Prolagos S.A. Companhia Aberta CNPJ nº 02.382.073/0001-10 NIRE: 33.300.167.285 Código CVM 2346-9. Destaques

Prolagos S.A. Companhia Aberta CNPJ nº 02.382.073/0001-10 NIRE: 33.300.167.285 Código CVM 2346-9. Destaques Prolagos S.A. Companhia Aberta CNPJ nº 02.382.073/0001-10 NIRE: 33.300.167.285 Código CVM 2346-9 Receita Líquida¹ no 1T16 atinge R$69,6 milhões, alta de 24,8% em comparação ao mesmo período do ano anterior

Leia mais

Evolução do PIB Brasileiro x PIB da Construção Civil (%)

Evolução do PIB Brasileiro x PIB da Construção Civil (%) o Margem Bruta atinge 42% no 3T07 e distribuição de proventos chega a R$ 40 milhões nos 9M07. 3T07 Cotação (31/10/07) ETER3 R$/ação 8,46 US$/ação 4,83 Base Acionária (31/10/07) Total 72.555.934 Free Float

Leia mais

DESTAQUES DO PERÍODO. A Companhia encerrou o 2T09 com um saldo de caixa de R$ 273,2 milhões e dívida líquida de R$ 182,0 milhões.

DESTAQUES DO PERÍODO. A Companhia encerrou o 2T09 com um saldo de caixa de R$ 273,2 milhões e dívida líquida de R$ 182,0 milhões. SANTOS BRASIL PARTICIPAÇÕES ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$ 12,9 MILHÕES NO 2T09. São Paulo, 29 de julho de 2009 A Santos Brasil Participações S.A. (Bovespa: STBP11), maior operadora portuária de contêineres

Leia mais

BR INSURANCE CORRETORA DE SEGUROS S.A. ANUNCIA OS RESULTADOS DO 1 TRIMESTRE DE 2016.

BR INSURANCE CORRETORA DE SEGUROS S.A. ANUNCIA OS RESULTADOS DO 1 TRIMESTRE DE 2016. RELEASE DE RESULTADOS Relações com Investidores Marcelo Moojen Epperlein Diretor-Presidente e de Relações com Investidores (55 11) 3175-2900 ri@brinsurance.com.br Ana Carolina Pires Bastos Relações com

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil)

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil) CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 1.829 Fornecedores 58.422 Contas a Receber 238.880

Leia mais

Anexo 12 - Balanço Orçamentário

Anexo 12 - Balanço Orçamentário Anexo 12 - Balanço Orçamentário BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EXERCÍCIO: PERÍODO: MÊS DATA DE EMISSÃO: PÁGINA: PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS SALDO RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS INICIAL ATUALIZADA REALIZADAS (a) (b) c = (a-b)

Leia mais

Teleconferência de Resultados 3T15. 29 de outubro de 2015

Teleconferência de Resultados 3T15. 29 de outubro de 2015 Teleconferência de Resultados 3T15 Exoneração de Responsabilidade As eventuais declarações que possam ser feitas durante essa teleconferência relativas à perspectiva dos negócios, às projeções e metas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

A TELE NORTE CELULAR PARTICIPAÇÕES S.A. DIVULGA O RESULTADO DO QUARTO TRIMESTRE DE 2000 E DO ANO DE 2000

A TELE NORTE CELULAR PARTICIPAÇÕES S.A. DIVULGA O RESULTADO DO QUARTO TRIMESTRE DE 2000 E DO ANO DE 2000 TELE NORTE CELULAR PARTICIPAÇÕES S.A. João Cox Vice Presidente de Finanças e Diretor de Relações com Investidores jcox@telepart.com.br 0XX61-429-5600 Leonardo Dias Gerente de Relações com Investidores

Leia mais

Apresentação de Resultados 2T11

Apresentação de Resultados 2T11 Apresentação de Resultados 2T11 Aviso Legal Aviso Legal Encontra-se em curso a distribuição pública inicial primária e secundária de certificados de depósitos de ações ( Units ) de emissão da Abril Educação

Leia mais

BRASIL INSURANCE ANUNCIA OS RESULTADOS DO 4 TRIMESTRE E ANO DE 2015.

BRASIL INSURANCE ANUNCIA OS RESULTADOS DO 4 TRIMESTRE E ANO DE 2015. RELEASE DE RESULTADOS Relações com Investidores Bruno Carobrez Diretor de Relações com Investidores (55 11) 3175-2900 ri@brinsurance.com.br Ana Carolina Pires Bastos Relações com Investidores (55 11) 3175-2920

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - SUL AMERICA S/A Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - SUL AMERICA S/A Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Divulgação de resultados 3T13

Divulgação de resultados 3T13 Brasil Brokers divulga seus resultados do 3º Trimestre do ano de 2013 Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2013. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no

Leia mais

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 1) Considere os demonstrativos a seguir: Balanço Patrimonial em 31.12.2011 Ativo Passivo Ativo Circulante R$ 252.000,00 Passivo Circulante R$ 168.000,00 Ativo Imobilizado R$ 348.000,00

Leia mais

ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2)

ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Deliberação CVM nº 640, de 7 de outubro de 2010 (Pág. 57) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02(R2) do Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC sobre efeitos das mudanças

Leia mais

VIDEOLAR S/A CNPJ Nº04.229.761/0001-70

VIDEOLAR S/A CNPJ Nº04.229.761/0001-70 VIDEOLAR S/A CNPJ Nº04.229.761/000170 Relatório da Administração Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações financeiras do ano de 2003 bem como os aspectos relevantes que impactaram

Leia mais

Earnings Release 1T15

Earnings Release 1T15 Santo André, 05 de maio de 2015: A CVC Brasil Operadora e Agência de Viagens S.A. (BM&FBOVESPA: CVCB3), maior operadora de turismo das Américas, informa aos seus acionistas e demais participantes do mercado

Leia mais

Release de Resultados do 1T14

Release de Resultados do 1T14 São Paulo, 07 de maio de 2014 A Eucatex (BM&FBovespa: EUCA3 e EUCA4), uma das maiores produtoras de painéis de madeira do Brasil, que atua também nos segmentos de tintas e vernizes, pisos laminados, divisórias

Leia mais

TELECONFERÊNCIA 4T08

TELECONFERÊNCIA 4T08 TELECONFERÊNCIA 4T08 5 de agosto de 2008 1 08/07 09/07 10/07 11/07 12/07 01/08 02/08 03/08 Cenário Preço de Commodities 04/08 05/08 06/08 07/08 08/08 Preço das Commodities 220.0 200.0 180.0 160.0 140.0

Leia mais

Lucro Líquido de R$ 239 milhões no 1T15, crescimento de 34%; Margem EBITDA de 9,6%, com aumento de 0,7 p.p.

Lucro Líquido de R$ 239 milhões no 1T15, crescimento de 34%; Margem EBITDA de 9,6%, com aumento de 0,7 p.p. Lucro Líquido de R$ 239 milhões no 1T15, crescimento de 34%; Margem EBITDA de 9,6%, com aumento de 0,7 p.p. No 1T15, a receita líquida totalizou R$ 5,388 bilhões, estável em relação ao 1T14 excluindo-se

Leia mais

Divulgação de Resultados 1º Trimestre de 2009

Divulgação de Resultados 1º Trimestre de 2009 GVT (Holding) S.A. Divulgação de Resultados 1º Trimestre de 2009 Curitiba, 22 de Abril de 2009 Curitiba, 22 de abril de 2009: A GVT (Holding) S.A. (Bovespa: GVTT3, Reuters: GVTT3.SA e Bloomberg GVTT3:BZ),

Leia mais

Resultados do 2T08. Destaques. Relações com Investidores

Resultados do 2T08. Destaques. Relações com Investidores Resultados do 2T08 Uberlândia MG, Agosto de 2008 A CTBC Companhia de Telecomunicações do Brasil Central S.A, empresa integrada de telecomunicações com um portfólio completo de serviços, divulga seus resultados

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal após a Lei 11638/07 Quando informado o registro: as instituições sujeitas

Leia mais

Data-Base - 31/03/1999 01763-9 TELE CELULAR SUL PARTICIPAÇÕES S.A. 02.558.115/0001-21

Data-Base - 31/03/1999 01763-9 TELE CELULAR SUL PARTICIPAÇÕES S.A. 02.558.115/0001-21 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Data-Base - 31/3/1999 Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA,

Leia mais

MAHLE REPORTA EBITDA DE R$ 104,6 MILHÕES NO 2T14; MARGEM DE 17,7%

MAHLE REPORTA EBITDA DE R$ 104,6 MILHÕES NO 2T14; MARGEM DE 17,7% MAHLE REPORTA EBITDA DE R$ 104,6 MILHÕES NO 2T14; MARGEM DE 17,7% Mogi Guaçu (SP), 11 de agosto de 2014 - A MAHLE Metal Leve S.A. (BM&FBOVESPA: LEVE3), Companhia líder na fabricação e comercialização de

Leia mais

Transcrição da Teleconferência Resultados do 3T09 - Inpar 18 de novembro de 2009

Transcrição da Teleconferência Resultados do 3T09 - Inpar 18 de novembro de 2009 Transcrição da Teleconferência Resultados do 3T09 - Inpar 18 de novembro de 2009 Bom dia, e obrigada por aguardarem. Sejam bem-vindos à teleconferência da Inpar para discussão dos resultados referentes

Leia mais

GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09

GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09 Visão Ser uma empresa siderúrgica global, entre as mais rentáveis do setor. Missão A Gerdau é uma empresa com foco em siderurgia, que busca satisfazer as necessidades dos clientes e criar valor para os

Leia mais

ATIVO Notas 2009 2008

ATIVO Notas 2009 2008 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE ATIVO Notas 2009 2008 CIRCULANTE Caixa e bancos 20.723 188.196 Contas a receber 4 903.098 806.697 Outras contas a receber 5 121.908 115.578 Estoques 11.805 7.673

Leia mais

Valid apresenta EBITDA recorde de R$ 78,3 milhões no 3T14

Valid apresenta EBITDA recorde de R$ 78,3 milhões no 3T14 Valid apresenta EBITDA recorde de R$ 78,3 milhões no 3T14 Cotação de Fechamento VLID3 R$ 38,80 Valor de Mercado R$ 2,16 bilhões Rio de Janeiro, 10 de novembro de 2014 A Valid (BM&FBovespa: VLID3 - ON)

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

Relatório da Administração - IFRS

Relatório da Administração - IFRS Relatório da Administração - IFRS 1 - Conjuntura O desempenho geral da economia brasileira, no primeiro trimestre de 2008, como vem acontecendo desde 2007, mostrou-se favorável, com crescimento real nos

Leia mais

Destaques do Período. Crescimento de dois dígitos em Reservas Confirmadas e Embarcadas, EBITDA e Lucro Líquido Ajustado no 2T15

Destaques do Período. Crescimento de dois dígitos em Reservas Confirmadas e Embarcadas, EBITDA e Lucro Líquido Ajustado no 2T15 Santo André, 05 de Agosto de 2015: CVC Brasil Operadora e Agência de Viagens S.A. (BM&FBOVESPA: CVCB3), maior operadora de turismo das Américas, informa aos seus acionistas e demais participantes do mercado

Leia mais

EARNINGS RELEASE 2T12 e 1S12

EARNINGS RELEASE 2T12 e 1S12 São Paulo, 15 de agosto de 2012 - A Inbrands S.A. ( Inbrands ou Companhia ), uma empresa de consolidação e gestão de marcas de lifestyle e moda premium do Brasil, anuncia hoje os resultados do segundo

Leia mais

COMENTÁRIO DE DESEMPENHO

COMENTÁRIO DE DESEMPENHO 1. DESTAQUES O ano de 2016 começou com o cenário macroeconômico muito parecido de 2015, uma vez que o mercado continua com tendências negativas em relação a PIB, inflação e taxa de juros. Novamente a Ouro

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2013(1T13)

RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2013(1T13) LOJAS RENNER S.A. Companhia constituída em 1965 e de capital aberto desde 1967. Capital totalmente pulverizado desde 2005, com 100% de free float, sendo considerada a primeira corporação brasileira. Negociada

Leia mais

LUCRO DO SUBMARINO SOBE 316% NO TERCEIRO TRIMESTRE 2005

LUCRO DO SUBMARINO SOBE 316% NO TERCEIRO TRIMESTRE 2005 LUCRO DO SUBMARINO SOBE 316% NO TERCEIRO TRIMESTRE 2005 São Paulo, 07 de Novembro de 2005 - O Submarino S.A. (Bovespa: SUBA3), empresa líder dentre aquelas que operam exclusivamente no varejo eletrônico

Leia mais

Expansão de receita da marca Hering atinge 43,5% EBITDA cresce 82,6% e margem EBITDA alcança 21,9% R$ mil 3T09 3T08 Var. 9M09 9M08 Var.

Expansão de receita da marca Hering atinge 43,5% EBITDA cresce 82,6% e margem EBITDA alcança 21,9% R$ mil 3T09 3T08 Var. 9M09 9M08 Var. 3T09 Dados 30/09/2009 HGTX3 R$ 20,45 por ação Valor de Mercado R$ 1,1 bilhão US$ 620,2 milhões Blumenau, 03 de novembro de 2009 Cia. Hering (BM&FBOVESPA: HGTX3), uma das maiores empresas de varejo e design

Leia mais

Resumo da Demonstração de Resultados (em R$ milhões) Variação

Resumo da Demonstração de Resultados (em R$ milhões) Variação BM&FBOVESPA ANUNCIA OS RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2015 Derivativos e outras receitas não ligadas a volumes direcionaram o crescimento na receita total Crescimento do lucro líquido ajustado 1 resultou,

Leia mais

TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo

TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo Elaboração do Trabalho: valor 3,0 Apresentação : Valor 3,0 (Impressa/escrita e Slides)

Leia mais

Electro Aço Altona S/A

Electro Aço Altona S/A Electro Aço Altona S/A Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ n.º 82.643.537/0001-34 IE n.º 250.043.106 Rua Eng.º Paul Werner, 925 CEP 89030-900 Blumenau SC Data base: 30 de Junho de 2011 1 Destaques

Leia mais

DIRECIONAL ANUNCIA RECORDE HISTÓRICO DE VENDAS NO 3T09

DIRECIONAL ANUNCIA RECORDE HISTÓRICO DE VENDAS NO 3T09 Divulgação de Resultados 3T09 DIRECIONAL ANUNCIA RECORDE HISTÓRICO DE VENDAS NO 3T09 - VENDAS CONTRATADAS DE R$242,7 MILHÕES NO 3T09, COM VSO 45% - - EBITDA DE R$35,0 MILHÕES, COM 31,1% DE MARGEM EBITDA

Leia mais

Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14. 27 de fevereiro de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14. 27 de fevereiro de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14 27 de fevereiro de 2015 Magazine Luiza Destaques 2014 Vendas E-commerce Despesas Operacionais EBITDA Ajustado Luizacred Lucro Líquido Ajustado Crescimento da receita

Leia mais

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Aos Srs. Acionistas Investco S.A. Anexo I - Comentários dos Diretores da Companhia Contas dos Administradores referentes ao exercício social encerrado em 31.12.2012.

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2014 - Inbrands S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2014 - Inbrands S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente 6 Demonstração

Leia mais

Bovespa: BBDC3, BBDC4 Latibex: XBBDC NYSE: BBD

Bovespa: BBDC3, BBDC4 Latibex: XBBDC NYSE: BBD PRESS RELEASE Bovespa: BBDC3, BBDC4 Latibex: XBBDC NYSE: BBD Segunda-feira, 3/5/2004 Divulgação dos Resultados do 1 º trimestre 2004 O Banco Bradesco apresentou Lucro Líquido de R$ 608,7 milhões no 1 º

Leia mais

Divulgação de Resultados de 2007

Divulgação de Resultados de 2007 Divulgação de Resultados de 2007 Lançamentos totais de R$ 773,5 milhões em 2007 Rio de Janeiro, 12 de março de 2008 A CR2 Empreendimentos Imobiliários S.A. (Bovespa: CRDE3), anuncia os resultados do quarto

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02014-1 CREMER S.A. 82.641.325/0001-18 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02014-1 CREMER S.A. 82.641.325/0001-18 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF DFP - DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PADRONIZADAS EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Data-Base - 31/12/27 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

Operadora: Alexandre Dias:

Operadora: Alexandre Dias: Operadora: Boa tarde, senhoras e senhores. Sejam bem-vindos à teleconferência de resultados do 3T da Anhanguera Educacional. Hoje nós temos a presença do Sr. Alexandre Dias, CEO da Companhia, Sr. Ricardo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA APOSTILA DE ESTUDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Marcelo Cauduro de Castro - Mestre mccastro@terra.com.br MINI CURRÍCULO: Marcelo Cauduro de Castro é Mestre em Administração de Empresas pela Universidade Federal

Leia mais

Obrigado. Octavio Pereira Lopes

Obrigado. Octavio Pereira Lopes Mensagem do CEO Apesar de um contexto macroeconômico longe do ideal, continuamos avançando na execução do nosso plano estratégico de longo prazo. Novamente, nossa performance foi acima do crescimento de

Leia mais

Teleconferência de Resultados 2T15. 31 de julho de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 2T15. 31 de julho de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 2T15 31 de julho de 2015 Magazine Luiza Destaques do 2T15 Vendas E-commerce Ganho consistente de participação de mercado Redução na receita líquida de 10,1% para R$2,1 bilhões

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

Marisa Lojas S.A. e Controladas

Marisa Lojas S.A. e Controladas Marisa Lojas S.A. e Controladas Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações

Leia mais

Resultados do 2T10 28 de julho de 2010

Resultados do 2T10 28 de julho de 2010 Resultados do 2T10 28 de julho de 2010 Aviso Os comentários apresentados a seguir sobre o desempenho operacional e financeiro do Grupo Pão de Açúcar (GPA) referem-se aos seguintes números: (i) consolidados

Leia mais

Apresentação de Resultados 1T08. 19 de Maio de 2008

Apresentação de Resultados 1T08. 19 de Maio de 2008 Apresentação de Resultados 1T08 19 de Maio de 2008 Agenda A Companhia Resultados Operacionais Resultados Financeiros 2 Operação Virtual Canal Lojas A Companhia Globex S.A. Globex Utilidades S.A.: operadora

Leia mais

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012.

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012. Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Positivo Informática registra EBITDA de R$ 142,0 milhões nos 9M10, crescimento de 27,7%

Positivo Informática registra EBITDA de R$ 142,0 milhões nos 9M10, crescimento de 27,7% Positivo Informática registra EBITDA de R$ 142,0 milhões nos, crescimento de 27,7% Curitiba, 11 de novembro de 2010 A Positivo Informática S.A. (BM&FBovespa: POSI3), maior fabricante de computadores do

Leia mais

Resultados 1º Trimestre de 2008

Resultados 1º Trimestre de 2008 O BANCO CRUZEIRO DO SUL ANUNCIA SEUS DO 1T08 São Paulo, 12 de Maio de 2008 O Banco Cruzeiro do Sul (Bovespa - CZRS4), banco múltiplo privado operando principalmente no mercado de crédito pessoal com desconto

Leia mais

Proposta de Administração

Proposta de Administração Proposta de Administração São Paulo, 19 de março de 2010. A BM&FBOVESPA S.A. Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros vem, por meio deste, submeter às Assembleias Gerais Ordinária e Extraordinária, a serem

Leia mais

LOJAS RENNER S.A. RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2015 (1T15 ) Resultados 1T15. www.lojasrenner.com.br/ri Página 0 de 9

LOJAS RENNER S.A. RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2015 (1T15 ) Resultados 1T15. www.lojasrenner.com.br/ri Página 0 de 9 Resultados 1T15 www.lojasrenner.com.br/ri Página 0 de 9 LOJAS RENNER S.A. Companhia constituída em 1965 e de capital aberto desde 1967. Capital totalmente pulverizado desde 2005, com 100% de free float,

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - MANGELS INDUSTRIAL SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - MANGELS INDUSTRIAL SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente 8 Demonstração

Leia mais

Evolução do lucro líquido (em milhões de reais) - jan fev mar abr mai jun jul ago set

Evolução do lucro líquido (em milhões de reais) - jan fev mar abr mai jun jul ago set DISCUSSÃO E ANÁLISE PELA ADMINISTRAÇÃO DO RESULTADO NÃO CONSOLIDADO DAS OPERACÕES: PERÍODO DE JANEIRO A SETEMBRO DE 2001 COMPARATIVO AO PERÍODO DE JANEIRO A SETEMBRO DE 2000 (em milhões de reais, exceto

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

Reestruturação operacional reduz os custos e as despesas operacionais, proporcionando Ebitda de R$ 2,4 milhões.

Reestruturação operacional reduz os custos e as despesas operacionais, proporcionando Ebitda de R$ 2,4 milhões. Última Cotação em 30/09/2013 FBMC4 - R$ 43,90 por ação Total de Ações: 726.514 FBMC3: 265.160 FBMC4: 461.354 Valor de Mercado (30/09/2013): R$ 31.893,9 milhões US$ 14.431,7 milhões São Bernardo do Campo,

Leia mais

Teleconferência de Resultados 1T14 8 de maio de 2014

Teleconferência de Resultados 1T14 8 de maio de 2014 Teleconferência de Resultados 8 de maio de 2014 Destaques do Expressivo crescimento em vendas mesmas lojas (25,4%) com rentabilidade Crescimento da receita líquida total: 28,5% versus 1T13 R$2,3 bilhões

Leia mais

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 Desempenho Em ambiente de queda da atividade na indústria automobilística, a Iochpe-Maxion apresentou um crescimento de 8,4% nas vendas no terceiro

Leia mais