DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2014"

Transcrição

1 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2014 LUPATECH S.A. CNPJ/MF nº / NIRE Companhia Aberta de Capital Autorizado Novo Mercado

2 Relatório da Administração Mensagem da Administração Senhores (as) Acionistas: A Administração da Lupatech S.A. submete para apreciação de V.Sas. o Relatório da Administração e as Demonstrações Financeiras relativas ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014, acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes. As Demonstrações Financeiras são apresentadas de acordo com as políticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS International Financial Reporting Standards, estabelecido pelo IASB - International Accounting Standards Board. Concluímos o terceiro trimestre de 2014 com um grande passo em direção ao que talvez venha a ser o mais importante momento da nova história da Lupatech. Encerramos com pleno sucesso o processo que converteu em capital social mais de R$ 1,1 bilhão de dívida da Companhia e homologamos o aumento de capital estabelecido pelo Plano de Reestruturação. Na primeira semana de outubro de 2014, finalizamos a emissão das novas notas representativas da dívida denominada em dólares norte-americanos e os novos ADRs (American Depositary Receipts), os quais foram entregues aos credores que optaram pelo recebimento de tais valores mobiliários no âmbito do Plano. A conclusão dessa etapa da reestruturação foi fundamental para que o Plano pudesse ter continuidade, que atualmente segue com a priorização do reforço da posição de caixa da Companhia. O reperfilamento da dívida da Lupatech foi fundamental para que as ações geradoras de liquidez pudessem ser adotadas e representa uma das conquistas mais importantes dos últimos períodos da Companhia. O primeiro movimento relevante para reforço de caixa teve sequencia no final de mês de outubro de 2014, com a assinatura do contrato de venda de um grupo relevante de unidades na Argentina, conforme divulgado em Fato Relevante de 28 de outubro de 2014, gerando a entrada de US$ 22,0 milhões em novembro de Dando continuidade ao processo de desinvestimentos de ativos non-core, em janeiro de 2015 concluímos a venda das operações remanescentes na Argentina, operações da Jefferson, no montante total de US$ 5,7 milhões, gerando a entrada de US$ 4,3 milhões, sendo que US$ 1,3 milhão serão pagos em até 03 anos, de acordo com as condições estabelecidas no contrato. Outras ações serão necessárias para completar a posição de caixa de forma a permitir a retomada plena das operações da Companhia, especialmente para o foco na execução dos investimentos necessários em Capex e normalização do capital de giro. No quarto trimestre de 2014 houve uma significativa alteração do cenário do segmento de Óleo e Gás, resultado da drástica queda do preço do barril de petróleo e da crise pela qual o principal cliente da Lupatech, a Petrobras, atravessa. É importante ressaltar que a Companhia não possui qualquer relação com as correntes denúncias que envolvem os fornecedores e a própria empresa Petrobras, mas, ainda assim, a instabilidade gerada a partir dessa situação vem gerando efeito negativo sobre toda a cadeia de suprimentos. Tal mudança de cenário fez com que potenciais desmobilizações planejadas de ativos non-core, fosse dificultada, além de a obtenção de

3 linhas de crédito junto às instituições financeiras e a atração de investidores para a Companhia ficasse significativamente mais desafiadora. Entendemos que a Lupatech possui um posicionamento diferenciado que representa importante base para atravessar esse momento conturbado pelo qual passa tanto a economia quanto o segmento de Óleo e Gás. Tal posicionamento envolve, principalmente, os seguintes fatores: i) ter executado a reestruturação de seu endividamento financeiro, com significativa redução do montante, tendo o seu saldo de endividamento financeiro reperfilado em grande proporção no longo prazo, com os custos financeiros bastante adequados, ii) ter realizado ao longo do ano de 2013 e 2014 um forte processo de reestruturação e adequação operacional para a redução de seus custos e despesas, iii) ser uma empresa não arrolada na atual crise pela qual passa seu principal cliente e outros diversos fornecedores do segmento e iv) possuir a estrutura física, com o bom posicionamento em termos de oferta de produtos e serviços, o que mantém a Lupatech em posição diferenciada para suprir as demandas de seus clientes. Sem poupar esforços, continuamos comprometidos em concluir a reestruturação da Lupatech, perseguindo incansavelmente o equilíbrio financeiro, em especial no que se refere ao capital de giro da Companhia. A Companhia conta ainda com alternativas de concluir determinadas desmobilizações de ativos non-core, bem como a possibilidade de atrair novos investidores para seus ativos. Quanto aos resultados apurados no 4º trimestre de 2014, as operações foram bastante afetadas pelo cenário de crise do segmento de Óleo e Gás e, consequentemente, pelas restrições de caixa da Companhia, atingindo EBITDA ajustado no 4T14 de R$ 8,9 milhões que consumiu o EBITDA positivo acumulado nos trimestres anteriores, finalizando o exercício de 2014 com R$ 6,9 milhões de EBITDA ajustado negativo. Agradecemos a todos os nossos acionistas, fornecedores, credores, clientes e colaboradores pela parceria e apoio dado à Companhia durante esses tempos desafiadores. Nova Odessa, 27 de março de 2015 A Administração

4 Desempenho Econômico-Financeiro Receita Líquida Receita Líquida (R$ mil) 1T14 2T14 3T14 4T14 Var. % Var. % Produtos ,4% ,2% Válvulas Oil&Gas ,3% ,0% Válvulas Industriais ,3% ,2% Cabos de Ancoragem ,4% ,3% Outros Produtos ,9% ,8% Serviços ,0% ,9% Oilfield Services Brasil ,0% ,4% Oilfield Services Colômbia ,9% ,8% Tubular Services & Coating ,3% ,3% Total ,6% ,7% A Receita Líquida Consolidada no exercício de 2014 atingiu R$ 384,3 milhões, versus R$ 440,3 milhões apurados no exercício de 2013, uma redução de 12,7%. O Segmento de Produtos apresentou redução de 28,2% na Receita Líquida do exercício de 2014 comparativamente a 2013, consequência especialmente do desempenho das divisões de Válvulas Industriais e Válvulas Oil&Gas afetadas fortemente pela não ocupação da capacidade fabril em razão de restrições financeiras para aquisição de matéria-prima. A divisão de Cabos de Ancoragem apresentou crescimento de 12,3% na Receita Líquida de 2014 em comparação com o exercício anterior devido principalmente ao faturamento gerado para o mercado externo no último trimestre do ano, beneficiado pela variação cambial, bem como pela recuperação de parte de sua capacidade produtiva pela aplicação de recursos provenientes da venda das Operações da Argentina. No Segmento de Serviços, as operações na Colômbia tiveram crescimento importante de 47,8% na performance dos contratos, além de ter seu faturamento beneficiado pela variação cambial, enquanto que as divisões de Oilfield Services Brasil e Tubular Services & Coating apresentaram quedas de 19,4% e 27,3%, respectivamente, na Receita Líquida do exercício de 2014 devido especialmente a falta de caixa e consequentemente de manutenção dos equipamentos impedindo-os de operarem em sua plena capacidade e afetando a execução dos projetos. Receita Operacional Líquida (R$ mil) A Receita Líquida Consolidada no 4T14 apresentou aumento de 3,6% em comparação com o 3T14, atingindo R$ 93,9 milhões versus R$ 90,7 milhões. Tal crescimento foi impactado em

5 especial pelo desempenho do Segmento de Produtos na divisão de Cabos de Ancoragem devido principalmente ao faturamento gerado para o mercado externo, beneficiado pela variação cambial, bem como pela recuperação de parte de sua capacidade produtiva pela aplicação de recursos provenientes da venda das Operações da Argentina, conforme mencionado acima. A Receita Líquida do segmento de Serviços no 4T14 manteve-se em linha com a do 3T14, visto que a queda de 11,0% e 65,3%, respectivamente, na receita das divisões de Oilfield Services Brasil e Tubular Services & Coating foi compensada pelo aumento de 39,9% nas receitas da divisão de Oilfield Services Colômbia. Distribuição da Receita 2014 Produtos Serviços Por Região Por Setor Industrial A dificuldade em obter maior disponibilidade de recursos para execução dos investimentos contratados e a aquisição de insumos limitou de forma importante a potencialidade de utilização da capacidade produtiva das plantas e da prestação de serviços, o que gerou maior prazo de entrega do Backlog, impactando negativamente a geração da Receita Líquida do Grupo. Com isso, a carteira de pedidos Backlog em 31 de dezembro de 2014 somou R$ 0,7 bilhão. A realização deste Backlog está concentrada no longo prazo (acima de 1 ano) e está condicionada

6 à concretização de investimentos no Segmento de Serviços. Este montante representa o saldo previsto nos contratos firmados, mesmo que sem garantia de consumo, descontados dos valores já faturados e não considera as operações das unidades da Argentina. Custo dos Produtos Vendidos CPV CPV (R$ mil) 1T14 2T14 3T14 4T14 Var. % Var. % Produtos ,1% ,2% Serviços ,2% ,1% Total ,5% ,2% O Custo dos Produtos Vendidos (CPV) no exercício de 2014 apresentou redução de 14,2% em comparação com o exercício de 2013, atingindo R$ 347,7 milhões ante R$ 405,3 milhões. Tal decréscimo foi levemente maior do que a redução de 12,7% registrada na Receita Líquida Consolidada devido especialmente à diminuição dos custos com transporte e manutenções dos equipamentos e custos com pessoal com impacto relativo principalmente no Segmento de Serviços. No 4T14, o CPV atingiu o montante de R$ 90,1 milhões, versus R$ 79,3 milhões no 3T14. Tal aumento de 13,5% foi impactado em especial pelo efeito da variação cambial sobre os custos de matéria-prima e efeito de horas extras na mão-de-obra da divisão de Cabos de Ancoragem, bem como devido aos custos de dissídio e de importação e armazenagem incorridos na divisão de Oilfield Services Brasil. CPV (R$ mil) ,2% % % % % Serviços Produtos Lucro Bruto e Margem Bruta

7 Lucro Bruto (R$ mil) 1T14 2T14 3T14 4T14 Var. % Var. % Produtos ,2% ,0% Margem Bruta - Produtos 15,1% 9,0% 9,6% -8,4% -18,0 p.p. # 13,6% 7,6% -6,0 p.p. Serviços ,9% ,5% Margem Bruta - Serviços 12,4% 7,6% 13,2% 7,8% -5,4 p.p. # 5,1% 10,3% 5,2 p.p. Total ,7% ,6% Margem Bruta Total 13,3% 8,0% 12,5% 4,1% -8,4 p.p. # 8,0% 9,5% 1,5 p.p. O Lucro Bruto no exercício de 2014 atingiu R$ 36,6 milhões em comparação com R$ 35,0 milhões no exercício de 2013, com aumento de 4,6% no período, em decorrência principalmente da performance das operações de Well Testing e Wireline na Colômbia. Tal fator foi também o principal responsável pelo ganho de 5,2 pontos percentuais na Margem Bruta do Segmento de Serviços no mesmo período. Adicionalmente, a divisão de Oilfield Services registrou crescimento de R$ 4,4 milhões no Lucro Bruto do Segmento de Serviços no exercício de 2014 comparativamente a 2013, devido especialmente ao desempenho das operações de Well Services. Já no Segmento de Produtos, houve redução de 60% no Lucro Bruto do exercício de 2014 em comparação ao mesmo período de 2013, consequência principalmente do desempenho da divisão de Válvulas Industriais e Oil&Gas devido às restrições de caixa que limitaram de forma significativa a utilização da capacidade produtiva das unidades industriais. Lucro Bruto (R$ mil) e Margem Bruta (%) ,0% ,0% ,5% 20,0% 15,0% 10,0% ,0% 0,0% Serviços Produtos Margem Bruta -5,0% -10,0% -15,0% -20,0% Em comparação com o 3T14, o Lucro Bruto apresentou redução de 65,7%, atingindo R$ 3,9 milhões no 4T14 versus R$ 11,4 milhões no 3T14. A Margem Bruta Consolidada passou de 12,5% no 3T14 para 4,1% no 4T14, com perda de 8,4 pontos percentuais no período. A significativa diminuição na Receita Líquida da divisão de Válvulas Oil&Gas pela indisponibilidade de caixa foi o principal fator responsável pelo desempenho do Lucro Bruto do Segmento de Produtos no 4T14 em comparação com o 3T14. No Segmento de Serviços, também afetada pela restrição de caixa, a redução de 5,4 pontos percentuais na Margem Bruta do 4T14 em comparação com o 3T14 foi resultado em especial da queda de receita de Tubular Services & Coating e das operações de Lifting Frames, UGN e Chave Hidráulica na divisão de Oilfield Services Brasil.

8 Despesas Despesas (R$ mil) 1T14 2T14 3T14 4T14 Var. % Var. % Total de Despesas com Vendas ,4% ,6% Total de Despesas Administrativas ,7% ,1% Produtos ,1% ,4% Despesas com Vendas - Produtos ,8% ,2% Despesas Administrativas - Produtos ,2% ,3% Serviços ,1% ,6% Despesas com Vendas - Serviços ,1% ,8% Despesas Administrativas - Serviços ,0% ,8% Total de Vendas e Administrativas ,7% ,6% Honorários dos Administradores ,7% ,8% Total de Despesas Vendas, Administrativas e Honorários ,1% ,4% Resultado do processo de reestruturação iniciado em 2013, as Despesas com Vendas, Administrativas e Honorários dos Administradores apresentaram redução de 22,4% no exercício de 2014 atingindo R$ 87,5 milhões versus R$ 112,8 milhões no exercício de Em comparação com o 3T14, as Despesas com Vendas, Administrativas e Honorários dos Administradores aumentaram 31,1%, atingindo R$ 23,6 milhões no 4T14 ante R$ 18,0 milhões no 3T14, em função principalmente da provisão de multas de R$ 3,4. As Despesas com Vendas tiveram alta de 2,6% no ano, passando de R$ 23,9 milhões no exercício de 2013 para R$ 24,5 milhões em As Despesas com Vendas do Segmento de Produtos apresentaram redução de 27,2% no acumulado de 2014 comparativamente a 2013 devido principalmente à queda nas despesas com pessoal, fretes e multas com clientes; enquanto que no Segmento de Serviços houve um aumento de 161,8%, em especial devido ao aumento da provisão para crédito de liquidação duvidosa e às multas de clientes. No 4T14 em comparação com o 3T14, o aumento nas Despesas com Vendas foi resultado principalmente do registro de multas com clientes no Segmento de Produtos e provisão para perdas com recebimento de crédito no Segmento de Serviços. As despesas com multas de clientes registradas no exercício de 2014 totalizaram R$ 9,8 milhões versus R$ 5,0 milhões registradas no exercício anterior. Despesas Operacionais (R$ mil)

9 As Despesas Administrativas apresentaram redução de 31,1% em 2014 comparativamente a 2013, passando de R$ 82,6 milhões para R$ 56,9 milhões. O principal impacto dessa queda ocorreu no Segmento de Serviços, especificamente na divisão de Oilfield Sevices Brasil, com redução significativa dos gastos com pessoal (decréscimo de R$ 18,9 milhões no comparativo do exercício de 2014 com 2013), e das despesas de alugueis, serviços, comunicações e viagens, como parte do processo de reestruturação da Companhia ocorrido a partir do segundo semestre do exercício de Na comparação do 4T14 com o trimestre imediatamente anterior, as despesas administrativas mantiveram-se praticamente estáveis, passando de R$ 13,9 milhões no 3T14 para R$ 14,0 milhões no 4T14. Os Honorários dos Administradores apresentaram redução de 3,8% no comparativo do exercício de 2014 com o de 2013, passando de R$ 6,3 milhões no ano de 2013 para R$ 6,1 milhões em Já no comparativo do 4T14 com o trimestre anterior, os Honorários dos Administradores aumentaram 12,7%, passando de R$ 1,5 milhões no 3T14 para R$ 1,6 milhões no 4T14. Outras (Receitas) e Despesas Operacionais Outras Despesas (Receitas) (R$ mil) 1T14 2T14 3T14 4T14 Var. % Var. % Produtos ,5% ,1% Serviços ,6% ,5% Total ,0% ,4% As Outras Despesas Operacionais aumentaram de R$ 59,8 milhões no exercício de 2013 para R$ 156,8 milhões no exercício de 2014 e estão relacionadas principalmente aos seguintes fatores: (i) reconhecimento de provisão de multas com clientes de R$ 95,6 milhões (R$ 7,5 milhões em 2013); (ii) perdas na baixa e alienação de ativo imobilizado de R$ 31,7 milhões (R$ 2,5 milhões em 2013); (iii) custo de ociosidade de produção de R$ 13,2 milhões (R$ 6,1 milhões em 2013); e (iv) provisão para perdas com processos judiciais de R$ 13,2 milhões (R$ 12,1 milhões em 2013). Outras Despesas Operacionais (R$ mil)

10 No 4T14, as Outras Despesas Operacionais apresentaram redução de 52,0%, passando de R$ 53,8 milhões no 3T14 para R$ 25,8 milhões no 4T14. Tal desempenho resulta, principalmente, dos seguintes fatores: (i) reconhecimento das perdas na baixa e alienação de ativo imobilizado de R$ 10,5 milhões (R$ 10,0 milhões no 3T14); (ii) custo de ociosidade de produção de R$ 6,0 milhões (R$ 5,4 milhões no 3T14); (iii) provisão para perdas com processos judiciais de R$ 10,0 milhões (R$ 4,9 milhões no 3T14); (iv) reconhecimento de provisão de multas com clientes de R$ 37,4 milhões no 3T14, mas não recorrentes no 4T14 e (v) reversão de despesas com o processo de reestruturação societária de R$ 3,1 milhões registrada no 3T14, mas não recorrente no 4T14. Resultado Financeiro Resultado Financeiro (R$ mil) 1T14 2T14 3T14 4T14 Var. % Var. % Rendas de Aplicações Financeiras ,0% ,1% Derivativo Embutido - Debêntures n/a ,0% Reversão de Prêmio sobre não Conversão de Debêntures n/a n/a Ganho pela Não Conversão de Parte dos Bonds n/a n/a Outros ,2% ,6% Receita Financeira* ,9% ,9% Despesa com Juros ,5% ,0% Derivativo Embutido - Debêntures n/a ,1% Perdas com Valor Justo ,5% ,6% Provisão de Juros sobre Fornecedores n/a ,1% Despesas Bancarias, Impostos e Outros ,0% ,9% Despesa Financeira* ,0% ,7% Resultado Financeiro Líquido* ,1% ,2% Receita de Variação Cambial ,3% ,8% Despesa de Variação Cambial ,5% ,8% Variação Cambial Líquida ,1% n/a Resultado Financeiro Líquido Total ,0% ,5% * Excluindo Variação Cambial A Receita Financeira Total (excluindo Variação Cambial) no exercício de 2014 atingiu R$ 93,6 milhões versus R$ 23,3 milhões em 2013 devido principalmente ao reconhecimento de ganho pela não conversão de parte dos Bonds em Capital Social no montante de R$ 36,2 milhões e reversão de prêmio sobre não conversão das Debêntures no montante de R$ 41,5 milhões, sendo os dois eventos relacionados ao processo de reestruturação da Companhia concluído no 3T14. No 4T14, a Receita Financeira Total (excluindo Variação Cambial) atingiu R$ 2,7 milhões ante R$ 88,2 milhões no 3T14. A significativa redução se deu em decorrência de eventos extraordinários ocorridos no 3T14, representados pelo reconhecimento do ganho pela não conversão dos Bonds e reversão de prêmio sobre não conversão das Debêntures mencionados anteriormente, bem como pelo resultado positivo com derivativo embutido das Debêntures no montante de R$ 9,4 milhões. A Despesa Financeira Total (excluindo Variação Cambial) aumentou 102,7%, passando de R$ 170,2 milhões no exercício de 2013 para R$ 345,0 milhões no de O desempenho resulta, principalmente, do reconhecimento de perda com valor justo no montante de R$ 136,2 milhões registrado no Resultado Financeiro da Companhia, em função da diferença entre o valor da ação fixado no âmbito de aumento de capital de R$ 0,25 e o valor de mercado de R$ 0,28 na data da homologação do aumento de capital (30 de setembro de 2014). Adicionalmente, houve aumento de R$ 3,3 milhões nas perdas com derivativo embutido das Debêntures e de R$ 37,2 milhões nos juros e encargos moratórios sobre as Debêntures no ano de 2014 comparativamente a No 4T14, a Despesa Financeira Total (excluindo Variação Cambial) apresentou queda de 84,0%, passando de R$ 160,2 milhões no 3T14 para R$ 25,6 milhões no 4T14. Essa redução foi

11 decorrente principalmente do reconhecimento de perda com valor justo no montante de R$ 136,2 milhões no 3T14 mencionado anteriormente. A Variação Cambial Líquida no exercício de 2014 resultou em receita de R$ 18,6 milhões versus despesa de R$ 91,8 milhões no exercício de O principal fator que permitiu tal desempenho foi a redução da parcela da dívida exposta à moeda estrangeira, a partir da troca de significativa parcela dos antigos Bonds por capital, dentro do processo de Reestruturação da Companhia concluído ao final do 3T14. Também contribuiu para a mudança no resultado da conta de variação cambial líquida a menor valorização da moeda norte-americana frente ao Real no ano de 2014 (de 13,4%), ante a valorização em 2013 (14,6%). No 4T14, devido à valorização de 8,4% da moeda norte-americana frente ao Real versus a valorização de 11,3% no 3T14, a Variação Cambial Líquida resultou em despesa de R$ 6,6 milhões no 4T14 ante despesa de R$ 17,4 milhões no 3T14. A conclusão do Plano de Reestruturação Financeira ao final do 3T14 já mostrou seus efeitos positivos no Resultado Financeiro Líquido da Companhia. No 4T14, com a nova estrutura de capital já estruturada, o saldo financeiro líquido registrado na conta foi de despesa de R$ 29,5 milhões, ante despesa líquida de R$ 89,4 milhões no 3T14, o que representa redução de R$ 59,9 milhões, ou 67,0%. Considerando o resultado acumulado do exercício, ainda que os efeitos positivos tenham sido registrados apenas no último trimestre do ano, a despesa financeira líquida registrada em 2014 teve redução de 2,5%, passando de R$ 238,7 milhões em 2013, para R$ 232,8 milhões em Composição do Resultado Financeiro (R$ mil) * Excluindo Variação Cambial EBITDA Ajustado das Atividades Continuadas 1 1 Ebitda das atividades continuadas é calculado como o lucro (prejuízo) líquido das atividades continuadas, antes do imposto de renda e da contribuição social, das receitas (despesas) financeiras, do resultado de equivalência patrimonial em coligadas e da depreciação e amortização. O Ebitda Ajustado das atividades continuadas reflete o Ebitda das atividades continuadas, ajustado para excluir as despesas com participação dos empregados e administradores nos lucros e resultados, provisões para perdas em estoques, resultado líquido na alienação de ativos, provisões de contingências, provisão de multas com clientes e despesas relacionadas ao processo de reestruturação da Companhia. O Ebitda não é uma medida utilizada nas práticas contábeis adotadas no Brasil, não representando o fluxo de caixa para os períodos apresentados e não deve ser considerado como sendo uma alternativa ao lucro líquido na qualidade de indicador do desempenho operacional ou como uma alternativa ao fluxo de caixa na qualidade de indicador de liquidez. O Ebitda não tem um significado padronizado e a definição de Ebitda da Companhia pode não ser comparável ao Ebitda ou Ebitda ajustado conforme definido por outras Companhias. Ainda que o Ebitda não forneça, de acordo com as práticas contábeis utilizadas no Brasil uma medida do fluxo de caixa operacional, a Administração o utiliza para mensurar seu desempenho operacional. Adicionalmente, a Companhia entende que determinados investidores e analistas financeiros utilizam o Ebitda como

12 O EBITDA Ajustado das Atividades Continuadas foi negativo em R$ 6,9 milhões em 2014, ante resultado negativo de R$ 11,8 milhões em A Margem EBITDA do exercício de 2014 foi de -1,8% com aumento de 0,9 pontos percentuais em comparação com a apresentada no exercício anterior. EBITDA Ajustado (R$ mil) 1T14 2T14 3T14 4T14 Var. R$ Var. % Var. R$ Var. % Produtos ,6% ,1% Margem -1,8% -9,7% -42,1% -61,8% -19,7 p.p. -9,0% -23,1% - -14,1 p.p. Serviços ,5% ,0% Margem 8,9% -2,6% 12,4% 5,9% -6,5p.p. 0,5% 6,3% - 5,8 p.p. Total n/a ,2% Margem 5,3% -4,9% 1,6% -9,4% -11,0 p.p. -2,7% -1,8% - 0,9 p.p. % Produtos -12% 65% -526% 148% 114% 354% % Serviços 112% 35% 626% -48% -14% -254% O aumento de R$ 4,9 milhões no EBITDA Ajustado do exercício de 2014, comparativamente ao exercício de 2013, foi consequência principalmente da redução das Despesas com Pessoal, comunicação, aluguéis e viagens especialmente nas unidades do Segmento de Serviços, bem como pelo aumento no Lucro Bruto da Companhia e ganho de Margem Bruta em decorrência principalmente da performance das operações de Well Testing e Wireline na Colômbia no Segmento de Serviços conforme já mencionados anteriormente. Tais fatores também contribuíram para o aumento de 5,8 pontos percentuais na Margem EBITDA do Segmento de Serviços no exercício de 2014, comparativamente ao exercício de Já o Segmento de Produtos apresentou queda de 14,1 pontos percentuais na Margem EBITDA de 2014 em comparação com o mesmo período de 2013 especialmente em consequência da significativa redução das receitas devido às restrições de caixa, aliadas aos maiores custos com ociosidade nas unidades. Reconciliação do Ebitda Ajustado (R$ mil) 1T14 2T14 3T14 4T Lucro Bruto Despesas c/ Vendas, Gerais e Administrativas Honorários dos Administradores Depreciação e Amortização Outras Despesas Operacionais Ebitda das Atividades Continuadas Provisão para Renumeração Variável Provisões para Perdas, Impairment e Resultado Líquido na Alienação de Ativos Multas com Clientes Processo de Integração de Investimento Adquirido e Reestruturações Ebitda Ajustado das Atividades Continuadas No 4T14, a Margem EBITDA Ajustada apresentou redução de 11,0 pontos percentuais em comparação ao 3T14 em decorrência da queda na Margem Bruta do Segmento de Serviços, bem como da significativa redução na Receita Líquida da divisão de Válvulas Oil&Gas no Segmento de Produtos pela indisponibilidade de caixa e aumento das despesas com multas em ambos os Segmentos. indicador do desempenho operacional de uma Companhia e/ou de seu fluxo de caixa. A reconciliação do Ebitda conforme calculado pela Companhia pode ser encontrado no Anexo II deste relatório.

13 EBITDA Ajustado (R$ mil) As restrições de caixa continuam impactando o EBITDA da Companhia, assim como as despesas extraordinárias realizadas em função do processo de reestruturação. A seguir, a reconciliação do EBITDA Ajustado das Atividades Continuadas do exercício de 2014, por Segmento: 2014 Reconciliação do Ebitda Ajustado (R$ mil) Produtos Serviços Total Lucro Bruto Despesas c/ Vendas, Gerais e Administrativas Honorários dos Administradores Depreciação e Amortização Outras Despesas Operacionais Ebitda das Atividades Continuadas Provisão para Renumeração Variável Provisões para Perdas, Impairment e Resultado Líquido na Alienação de Ativos Multas com Clientes Processo de Integração de Investimento Adquirido e Reestruturações Ebitda Ajustado das Atividades Continuadas As despesas não recorrentes que totalizam R$ 46,4 milhões no exercício de 2014 referem-se principalmente a: (i) perdas na baixa e alienação de ativo imobilizado de R$ 31,7 milhões; e (ii) provisão para perdas com processos judiciais de R$ 13,2 milhões.

14 Resultado Líquido Resultado Líquido (R$ mil) 1T14 2T14 3T14 4T14 Var. % Var. % Resultado Antes de IR e CSL ,6% ,3% Imposto de Renda e Contribuição Social - Corrente ,9% n/a Imposto de Renda e Contribuição Social - Diferido n/a n/a Resultado de Operações Descontinuadas ,1% ,7% Resultado Líquido do Período ,7% ,6% Prejuízo por 1000 Ações -0,60-0,77-0,05-1, ,2% -0,49-0,13-72,5% O Resultado Líquido apurado no exercício de 2014 foi prejuízo de R$ 631,0 milhões, comparado com prejuízo de R$ 378,8 milhões em Diversos eventos extraordinários contribuíram para tal desempenho, a saber: (i) R$ 136,2 milhões de reconhecimento de perda com valor justo das novas ações; (ii) R$ 121,4 milhões de perda pela não recuperabilidade do ágio constituído na aquisição das unidades da Argentina; (iii) R$ 36,2 milhões de ganho pela não conversão de parte dos Bonds em Capital Social; (iv) R$ 41,5 milhões de reversão de prêmio sobre não conversão das Debêntures; (v) R$ 95,6 milhões de despesas com provisões de multas com clientes; (vi) R$ 73,5 milhões de despesas com a baixa do investimento na Argentina e (vii) R$ 31,7 milhões de perdas na baixa e alienação de ativo imobilizado. Não fossem esses eventos extraordinários, o resultado acumulado do exercício seria prejuízo de R$ 250,3 milhões, inferior ao apurado no exercício anterior. No 4T14, o Resultado Líquido resultou em prejuízo de R$ 172,4 milhões versus prejuízo de R$ 241,8 milhões no 3T14, redução de 28,7%. O resultado do último trimestre de 2014 também foi negativamente influenciado pelos seguintes eventos não recorrentes: (i) R$ 23,3 milhões de perda pela não recuperabilidade do ágio constituído na aquisição das unidades da Argentina; (ii) R$ 73,4 milhões de despesas com a baixa do investimento na Argentina e (iii) R$ 10,5 milhões de perdas nas operações de venda de ativo imobilizado. Desconsiderando tais eventos extraordinários, o prejuízo do 4T14 seria de R$ 65,2 milhões. Capital de Giro Operacional Capital de Giro (R$ mil) Var. % Var. R$ Contas a Receber ,3% Estoques ,9% Fornecedores ,4% Adiantamentos a Clientes ,3% Capital de Giro Aplicado ,1% Variação do Capital de Giro Aplicado % Capital de Giro/Receita Líquida* 29,3% 21,8% *LTM: últimos 12 meses

15 Capital de Giro (R$ mil) Receita Líquida x Capital de Giro (R$ mil) O índice de necessidade de Capital de Giro sobre a Receita Liquida acumulada (12 meses) no exercício de 2014 atingiu 21,8%, redução de 7,5 pontos percentuais quando comparado ao indicador do exercício de A redução de R$ 45,3 milhões no Capital de Giro Aplicado no ano de 2014 em comparação com 2013 é resultado principalmente do desinvestimento das operações da Argentina no exercício de 2013 cujo capital de giro aplicado no período foi de R$ 54,8 milhões. Assim, desconsiderando o efeito do desinvestimento das operações da Argentina, a variação positiva de R$ 9,5 milhões no Capital de Giro Aplicado no exercício de 2014 foi principalmente impactada pela redução dos adiantamentos de clientes nas operações de Válvulas Oil&Gas e Cabos de Ancoragem e nas contas a pagar para fornecedores nas operações de Oilfield Services Brasil. Caixa e Equivalentes de Caixa A posição consolidada de Caixa e Equivalentes de Caixa da Companhia no exercício de 2014 atingiu R$ 4,3 milhões, redução de 81,2% em comparação com o exercício de 2013, afetada principalmente pelo desinvestimento das operações da Argentina, cujo saldo de caixa e equivalentes de caixa no ano de 2013 era de R$ 10,4 milhões. Saldos de Caixa e Equivalentes de Caixa (R$ mil)

16 Adicionalmente, as atividades de financiamento consumiram caixa de R$ 33,2 milhões no exercício de 2014 pelo pagamento de juros e principal de empréstimos e financiamentos, ao passo que as atividades de investimento geraram caixa de R$ 65,6 milhões principalmente devido aos recursos provenientes da venda de ativo imobilizado e da alienação das operações na Argentina. A dificuldade em obter maior disponibilidade de recursos para aplicação nos investimentos e aquisição de insumos limita de forma importante a potencialidade de geração de caixa operacional da Lupatech, gerando menor utilização da capacidade produtiva das unidades industriais e menor capacidade de prestação de serviços, tendo como consequência o maior prazo de entrega do Backlog. Endividamento A Dívida Bruta da Lupatech encerrou o exercício de 2014 em R$ 401,3 milhões, R$ 1.095,8 milhões ou 73,2% inferior ao apurado ao final do ano de Tal redução é consequência do processo de reestruturação da Companhia que possibilitou a conversão de parte substancial da dívida em Capital Social. A Reestruturação permitiu a redução de R$ 928,3 milhões de endividamento com Debêntures e Bonds e a redução líquida de R$ 167,5 milhões em empréstimos e financiamentos mantidos com instituições financeiras. Adicionalmente, a parcela remanescente dos Bonds e novas Debêntures emitidas no montante de R$ 199,7 milhões estão classificadas como obrigações no longo prazo, o que contribui para alongar o perfil do endividamento da Companhia. Endividamento (R$ mil) Var. % Var. R$ Curto Prazo ,1% Linhas de Financiamentos ,9% Debêntures n/a Bonds n/a Longo Prazo ,4% Linhas de Financiamentos ,3% Debêntures n/a Bonds n/a Dívida Bruta ,2% Caixa e Equivalentes de Caixa ,2% Dívida Líquida ,1% Considerando as Disponibilidades de Caixa, a Dívida Líquida da Companhia encerrou o exercício em R$ 397,0 milhões, com redução de R$ 1.077,2 milhões ou 73,1% frente ao valor registrado em 31 de dezembro de 2013.

17 Composição da Dívida (R$ milhões) Saldos de Investimentos Os Saldos de Investimentos da Lupatech ao final de 2014 somaram R$ 645,6 milhões, o que representa redução de 28,9% em relação aos R$ 908,1 milhões apresentados no encerramento do exercício de Investimentos (R$ mil) Var. % Var. (R$) Controladas, Coligadas e JVs ,0% Imobilizado ,2% Intangível ,8% Total ,9% A redução de R$ 120,8 milhões de Imobilizado é consequência principalmente da venda de ativos da Argentina e do reconhecimento da depreciação no período. O Intangível apresentou redução de R$ 129,2 milhões no mesmo período devido principalmente ao registro da perda pela não recuperabilidade dos ágios constituídos na aquisição das unidades da Argentina.

18 Saldos de Investimentos (R$ mil) O Capex foi de R$ 3,9 milhões no 4T14, somando R$ 14,8 milhões no exercício de 2014, direcionado principalmente para as unidades do Segmento Serviços. O Capex tem sido aplicado em busca da execução de investimentos necessários para a melhoria da eficiência produtiva e avanço na mobilização dos contratos do Backlog, no entanto o montante aplicado ainda é significativamente menor do que o necessário.

19 Anexos Anexo I Demonstrações de Resultados (R$ Mil) Variação % Receita Líquida de Vendas de Bens e Serviços % Custo de Bens e Serviços Vendidos ( ) ( ) -14% Resultado Bruto % Receitas/Despesas Operacionais ( ) ( ) 40% Com Vendas (23.856) (24.482) 3% Gerais e Administrativas (82.645) (56.934) -31% Remuneração dos Administradores (6.318) (6.081) -4% Resultado da Equivalência Patrimonial (13.751) (17.119) 24% Outras Receitas (Despesas) Operacionais (59.760) ( ) 162% Resultado Financeiro Líquido ( ) ( ) -2% Receitas Financeiras % Despesas Financeiras ( ) ( ) 103% Variação Cambial Líquida (91.840) n/a Resultados Antes do Imposto de Renda e Contribuição ( ) ( ) 17% Imposto de Renda e Contribuição Social - Corrente 345 (2.264) n/a Imposto de Renda e Contribuição Social - Diferido (1.044) n/a Prejuízo das Operações Descontinuadas (2.190) ( ) 7668% Prejuízo Líquido do Período ( ) ( ) 67%

20 Anexo II Reconciliação do EBITDA Ajustado das Operações Continuadas (R$ Mil) Variação % EBITDA Ajustado das Operações Continuadas (11.790) (6.933) -41% Provisão para Remuneração Variável (60) (1.275) 2013% Processo de Reestruturações (19.566) (3.948) -80% Provisões para Perdas, Impairment e Resultado Líquido na Alienação de Ativos (40.139) (46.362) 16% Multas com Clientes (15.564) (99.084) 537% EBITDA das Operações Continuadas (87.120) ( ) 81% Depreciação e Amortização (50.439) (50.061) -1% Equivalência Patrimonial (13.751) (17.119) 24% Resultado Financeiro Líquido ( ) ( ) -2% Imposto de Renda e Contribuição Social - Corrente e Diferido (3.308) n/a Resultado Operações Descontinuadas (2.190) ( ) 7668% Prejuízo Líquido das Operações Continuadas e Descontinuadas ( ) ( ) 67%

21 Anexo III Balanços Patrimoniais s (R$ Mil) Variação % Ativo Total % Ativo Circulante % Caixa e Equivalentes de Caixa % Títulos e Valores Mobiliários % Contas a Receber de Clientes % Estoques % Impostos a Recuperar % Outras Contas a Receber % Despesas Antecipadas % Adiantamento a Fornecedores % Ativos Classificados como Mantidos para Venda % Ativo Não Circulante % Títulos e Valores Mobiliários % Depósitos Judiciais % Impostos a Recuperar % Imposto de Renda e Contribuição Social Diferidos n/a Outras Contas a Receber % Investimentos % Imobilizado % Intangível % Passivo Total % Passivo Circulante % Fornecedores % Empréstimos e Financiamentos % Debêntures n/a Bonds n/a Salários, Provisões e Contribuição Social % Comissões a Pagar % Impostos a Recolher % Adiantamento de Clientes % Participação no Resultado % Outras Obrigações % Provisão Multas Contratuais % Contas a Pagar por Aquisição de Investimentos n/a Passivos Classificados como Mantidos para Venda n/a Passivo Não Circulante % Empréstimos e Financiamentos % Debêntures n/a Bonds n/a Impostos a Recolher % Imposto de Renda e Contribuição Social Diferidos % Provisão para Riscos Tributários, Trabalhistas e Cíveis % Outras Obrigações % Provisão Multas Contratuais n/a Provisão para Passivo a Descoberto em Controladas n/a Patrimônio Líquido ( ) % Capital Social % Reserva de Transação de Capital n/a Opções Outorgadas % Ajustes de Avaliação Patrimonial (50.547) (8.119) -84% Prejuízos Acumulados ( ) ( ) 50%

22 Anexo IV Demonstrações dos Fluxos de Caixa s (R$ Mil) Variação % Fluxo de Caixa das Atividades Operacionais Resultado Líquido do Período ( ) ( ) 67% Ajustes: Depreciação e amortização % Equivalência patrimonial % Resultado na venda de ativo imobilizado % Perda (Ganho) na alienação de investimento (11.049) n/a Despesas financerias, líquidas % Provisão para perda pela não recuperabilidade de ativos % Despesa com opções outorgadas 62 - n/a Imposto de renda e contribuição social diferido (13.170) 274 n/a Perdas com obsolescência de estoques (69) n/a Provisão de multas contratuais % Provisão para devedores duvidosos 516 (585) n/a Variações nos Ativos e Passivos: (Aumento) Redução em contas a receber (32.938) n/a (Aumento) Redução em rstoques % (Aumento) Redução em impostos a recuperar (1.723) n/a (Aumento) Redução em outros ativos (17.864) (2.410) n/a Aumento (Redução) em fornecedores (13.636) n/a Aumento (Redução) em impostos a recolher (1.217) 540 n/a Aumento (Redução) em outras contas a pagar (55.848) (48.571) -13% Disponibilidades Líquidas Geradas (Aplicadas) nas Atividades Operacionais (54.969) n/a Fluxos de Caixa das Atividades de Investimentos Pagamento por aquisição de investimentos - (200) n/a Títulos e valores mobiliários - conta restrita % Alienação de operações descontinuadas % Recursos provenientes de venda de imobilizado n/a Aquisição de Imobilizado (35.413) (14.741) -58% Aquisição de Intangível (2.101) (3.265) 55% Disponibilidades Líquidas Geradas (Aplicadas) nas Atividades de Investimento % Fluxos de Caixa das Atividades de Financiamento Captação de empréstimos e financiamentos % Pagamento de juros de bônus perpétuos (13.873) - n/a Pagamento de juros de debêntures (674) - n/a Aumento (Redução) de capital (197) % Pagamento de empréstimos e financiamentos ( ) ( ) 6% Pagamento de juros sobre empréstimos e financiamentos (18.481) (11.759) -36% Disponibilidades Líquidas Geradas (Aplicadas) nas Atividades de Financiamento (68.881) (32.075) -53% Efeitos das Oscilações de Câmbio sobre o Caixa e Equivalentes de Caixa % de Controladas no Exterior Aumento (Redução) Líquido nas Disponibilidades (11.176) (19.137) 71% No Início do Período % No Final do Período %

23 Sobre a Lupatech A Lupatech S.A. é um dos maiores fornecedores brasileiros de produtos e serviços de alto valor agregado com foco no setor de petróleo e gás. Nossos negócios estão organizados em dois Segmentos: Produtos e Serviços. O Segmento de Produtos oferece, principalmente para o setor de petróleo e gás, cabos para ancoragem de plataformas de produção, válvulas e equipamentos para completação de poços, além de participação relevante em empresa do segmento de compressores para gás natural veicular. O Segmento de Serviços oferece serviços de perfuração, workover, intervenção em poços, revestimento e inspeção de tubulações. Nós fazemos declarações sobre eventos futuros que estão sujeitas a riscos e incertezas. Tais declarações têm como base estimativas e suposições de nossa Administração e informações a que a Companhia atualmente tem acesso. Declarações sobre eventos futuros incluem informações sobre nossas intenções, estimativas ou expectativas atuais, assim como aquelas dos membros do Conselho de Administração e Diretores da Companhia. As ressalvas com relação a declarações e informações acerca do futuro também incluem informações sobre resultados operacionais possíveis ou presumidos, bem como declarações que são precedidas, seguidas ou que incluem as palavras "acredita", "poderá", "irá", "continua", "espera", "prevê", "pretende", "planeja", "estima" ou expressões semelhantes. As declarações e informações sobre o futuro não são garantias de desempenho. Elas envolvem riscos, incertezas e suposições porque se referem a eventos futuros, dependendo, portanto, de circunstâncias que poderão ocorrer ou não. Os resultados futuros e a criação de valor para os Acionistas poderão diferir de maneira significativa daqueles expressos ou estimados pelas declarações com relação ao futuro. Muitos dos fatores que irão determinar estes resultados e valores estão além da capacidade de controle ou previsão da Lupatech.

24 LUPATECH S.A. BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 31 DE DEZEMBRO DE 2013 (Em milhares de Reais) ATIVO Controladora Controladora Nota PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Nota explicativa 31/12/ /12/ /12/ /12/2013 explicativa 31/12/ /12/ /12/ /12/2013 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa Fornecedores Títulos e valores mobiliários Empréstimos e financiamentos 12A Contas a receber de clientes Debêntures Estoques Bônus perpétuos Impostos a recuperar Salários, provisões e contribuições sociais Adiantamento a fornecedores Comissões a pagar Outras contas a receber Impostos a recolher Despesas antecipadas Adiantamento de clientes Empresas ligadas Participações no resultado Ativos classificados como mantidos para venda Provisão de multas contratuais Outras contas a pagar Contas a pagar por aquisição de investimentos Empresas ligadas Passivos classificados como mantidos para venda Total do ativo circulante Total do passivo circulante NÃO CIRCULANTE NÃO CIRCULANTE Depósitos Judiciais Empréstimos e financiamentos 12A Títulos e valores mobiliários Debêntures Impostos a recuperar Bonds Imposto de renda e contribuição social diferidos Imposto de renda e contribuição social diferidos Empresas ligadas Impostos a recolher Outras contas a receber Provisão para riscos tributarios, trabalhistas e cíveis Provisão de multas contratuais Investimentos Outras contas a pagar Investimentos em controladas e coligadas Empresas ligadas Investimentos em controladas em conjunto (joint venture) Provisão para passivo a descoberto em controladas Outros investimentos Imobilizado Intangível Ágio na aquisição de investimentos Outros intangíveis Total do ativo não circulante Total do passivo não circulante PATRIMÔNIO LÍQUIDO 21 Capital social Reserva de transação de capital Opções outorgadas Ajustes de avaliação patrimonial (8.119) (50.547) (8.119) (50.547) Prejuízos acumulados ( ) ( ) ( ) ( ) Atribuído a participação dos acionistas controladores ( ) ( ) TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras.

25 LUPATECH S.A. E EMPRESAS CONTROLADAS DEMONSTRAÇÕES DO RESULTADO PARA OS PERÍODOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 (Em milhares de Reais exceto Prejuízo por ação, ou quando indicado) Controladora Nota explicativa 31/12/ /12/ /12/ /12/2013 RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA CUSTO DOS PRODUTOS VENDIDOS (89.913) ( ) ( ) ( ) LUCRO BRUTO DESPESAS OPERACIONAIS Com vendas (13.222) (16.094) (24.482) (23.856) Gerais e administrativas (17.332) (21.360) (56.934) (82.645) Remuneração dos administradores 15.2 (6.081) (6.318) (6.081) (6.318) Resultado de equivalência patrimonial 9.1 ( ) ( ) (17.119) (13.751) Outras despesas operacionais líquidas 29 (17.702) (23.399) ( ) (59.760) PREJUÍZO OPERACIONAL ANTES DO RESULTADO FINANCEIRO ( ) ( ) ( ) ( ) RESULTADO FINANCEIRO Receitas financeiras Despesas financeiras 28 ( ) ( ) ( ) ( ) Variação cambial, líquida (83.105) (91.840) PREJUÍZO ANTES DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL ( ) ( ) ( ) ( ) IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL Correntes (2.264) 345 Diferidos (1.044) PREJUÍZO DAS OPERAÇÕES CONTINUADAS ( ) ( ) ( ) ( ) PREJUÍZO DAS OPERAÇÕES DESCONTINUADAS 33.2 ( ) (6.039) ( ) (2.190) PREJUÍZO DO EXERCÍCIO DAS OPERAÇÕES CONTINUADAS E DESCONTINUADAS ( ) ( ) ( ) ( ) PREJUÍZO ATRIBUÍVEL A: Proprietários da controladora ( ) ( ) ( ) ( ) PREJUÍZO LÍQUIDO POR AÇÃO Procedentes das operações continuadas e descontinuadas Básico por ação 27 (0,48) (2,41) (0,48) (2,41) Diluído por ação 27 (0,48) (2,41) (0,48) (2,41) Procedentes das operações continuadas Básico por ação 27 (0,35) (2,37) (0,35) (2,39) Diluído por ação 27 (0,35) (2,37) (0,35) (2,39) As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras.

Desempenho Econômico- Financeiro 1T15

Desempenho Econômico- Financeiro 1T15 Desempenho Econômico- Financeiro 1T15 Mensagem da Administração Senhores (as) Acionistas: Conforme mencionado no final do exercício de 2014, concluímos com pleno sucesso o processo que converteu em capital

Leia mais

GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09

GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09 Visão Ser uma empresa siderúrgica global, entre as mais rentáveis do setor. Missão A Gerdau é uma empresa com foco em siderurgia, que busca satisfazer as necessidades dos clientes e criar valor para os

Leia mais

Resultados 3T06 8 de novembro de 2006

Resultados 3T06 8 de novembro de 2006 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 49% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 35% MARGEM DE EBITDA ATINGIU 29% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 3T06. As demonstrações financeiras

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Fluxo de Caixa 5 Demonstração das Mutações

Leia mais

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos.

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos. São Paulo, 13 de maio de 2013 - A Unidas S.A. ( Companhia ou Unidas ) anuncia os seus resultados do primeiro trimestre de 2012 (). As informações financeiras são apresentadas em milhões de Reais, exceto

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Pro Forma em 31 de dezembro de 2011

Abril Educação S.A. Informações Pro Forma em 31 de dezembro de 2011 Informações Pro Forma em 31 de dezembro de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 31 de dezembro de

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T05 e 2005

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T05 e 2005 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T05 e 2005 Americana SP, 23 de março de 2005 A VIVAX S.A. (Bovespa: VVAX11), ou Companhia, segunda maior operadora de TV a Cabo do Brasil, em número de assinantes, e uma das principais

Leia mais

DESTAQUES NO PERÍODO. Dados Financeiros (R$ x 1.000)

DESTAQUES NO PERÍODO. Dados Financeiros (R$ x 1.000) Blumenau SC, 27 de julho de 2007 A Cremer S.A. (Bovespa: CREM3), distribuidora de produtos para a saúde e também líder na fabricação de produtos têxteis e adesivos cirúrgicos, anuncia hoje seus resultados

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Reapresentação Espontânea O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A. INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO

SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A. INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO 1 Informar o lucro líquido do exercício - O montante do lucro líquido do exercício é de R$ 8.511.185,59 (oito

Leia mais

Destaques do 3º trimestre de 2015

Destaques do 3º trimestre de 2015 Destaques do 3º trimestre Principais Destaques Manutenção dos níveis de EBITDA consolidado e de margem EBITDA, apesar da sobreoferta de aço mundial e das adversidades econômicas no Brasil. Redução de 5,9%

Leia mais

PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária de 30 de abril de 2014

PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária de 30 de abril de 2014 PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária de 30 de abril de 2014 COMENTÁRIOS DOS ADMINISTRADORES SOBRE A SITUAÇÃO FINANCEIRA DA COMPANHIA (conforme item 10 do Formulário de

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

AUMENTO DE 17,9% NO VOLUME FINANCEIRO E LUCRO LÍQUIDO DE R$797 MILHÕES NO 2T14

AUMENTO DE 17,9% NO VOLUME FINANCEIRO E LUCRO LÍQUIDO DE R$797 MILHÕES NO 2T14 AUMENTO DE 17,9% NO VOLUME FINANCEIRO E LUCRO LÍQUIDO DE R$797 MILHÕES NO 2T14 Barueri, 29 de Julho de 2014 A Cielo S.A. (BM&FBOVESPA: CIEL3 / OTCQX: CIOXY) anuncia hoje seus resultados do segundo trimestre

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2015 - DOMMO EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2015 - DOMMO EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstração do resultado Exercício/período findo em 31 de dezembro Receita líquida (Nota 14) 13.913 Custo

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

IESA ÓLEO & GÁS S.A. Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008

IESA ÓLEO & GÁS S.A. Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Conteúdo Balanços Patrimoniais

Leia mais

Resultados 1T07 10 de maio de 2007

Resultados 1T07 10 de maio de 2007 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 102% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 32% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 1T07. As demonstrações financeiras da Companhia são elaboradas

Leia mais

COMENTÁRIO DE DESEMPENHO

COMENTÁRIO DE DESEMPENHO 1. DESTAQUES O ano de 2016 começou com o cenário macroeconômico muito parecido de 2015, uma vez que o mercado continua com tendências negativas em relação a PIB, inflação e taxa de juros. Novamente a Ouro

Leia mais

DESTAQUES DO ANO. Receita Líquida de R$ 662,5 milhões, 15,9% acima de 2013. Geração de caixa operacional de R$ 95,5 milhões e CAPEX de R$ 12,5 milhões

DESTAQUES DO ANO. Receita Líquida de R$ 662,5 milhões, 15,9% acima de 2013. Geração de caixa operacional de R$ 95,5 milhões e CAPEX de R$ 12,5 milhões Blumenau SC, 11 de fevereiro de 2015 A Cremer S.A. (BM&FBovespa: CREM3), fornecedora de produtos para cuidados com a saúde nas áreas de primeiros socorros, cirurgia, tratamento e higiene, anuncia seus

Leia mais

Relatório da Administração - IFRS

Relatório da Administração - IFRS Relatório da Administração - IFRS 1 - Conjuntura O desempenho geral da economia brasileira, no primeiro trimestre de 2008, como vem acontecendo desde 2007, mostrou-se favorável, com crescimento real nos

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012, de 2011 e de 2010

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012, de 2011 e de 2010 ABCD Gonçalves & Tortola S.A. Demonstrações financeiras em Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de resultados 7 Demonstrações

Leia mais

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014 Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014 2 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Acionistas e Administradores do Banco Daycoval S.A. São Paulo - SP Examinamos as demonstrações

Leia mais

Abril S.A. e empresas controladas

Abril S.A. e empresas controladas Abril S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2010 e Relatório dos Auditores Independentes 1 Abril S.A. e empresas controladas

Leia mais

Divulgação de Resultados 3T15

Divulgação de Resultados 3T15 São Paulo - SP, 4 de Novembro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - BRASIL BROKERS PARTICIPAÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - BRASIL BROKERS PARTICIPAÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Proposta da Administração. Indústrias Romi S.A. CNPJ/MF 56.720.428/0001-63

Proposta da Administração. Indústrias Romi S.A. CNPJ/MF 56.720.428/0001-63 Proposta da Administração Indústrias Romi S.A. CNPJ/MF 56.720.428/0001-63 Informações requeridas pela Instrução CVM n o 481/09, em atendimento ao Edital de Convocação das Assembleias Gerais Ordinária e

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2012 - TECNISA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2012 - TECNISA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A.

Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. Relatório de revisão dos auditores independentes sobre as Informações Trimestrais (ITRs) trimestre findo em 30 de junho de 2015 1. INFORMAÇÕES GERAIS A Dommo Empreendimentos

Leia mais

Data-Base - 31/03/1999 01763-9 TELE CELULAR SUL PARTICIPAÇÕES S.A. 02.558.115/0001-21

Data-Base - 31/03/1999 01763-9 TELE CELULAR SUL PARTICIPAÇÕES S.A. 02.558.115/0001-21 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Data-Base - 31/3/1999 Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA,

Leia mais

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Aos Srs. Acionistas Investco S.A. Anexo I - Comentários dos Diretores da Companhia Contas dos Administradores referentes ao exercício social encerrado em 31.12.2012.

Leia mais

RELATÓRIO DE ADMINISTRAÇÃO. Exercício de 2009. Exercício de 2010

RELATÓRIO DE ADMINISTRAÇÃO. Exercício de 2009. Exercício de 2010 1 - Mensagem da Administração Senhores Acionistas, A administração da Concessão Metroviária do Rio de Janeiro tem o prazer de encaminhar para apreciação de V.Sas. o Relatório de Administração e as Demonstrações

Leia mais

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 1º Trimestre de 2013

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 1º Trimestre de 2013 . São Paulo, 13 de maio de 2013 - Magazine Luiza S.A. (BM&FBOVESPA: MGLU3), uma das maiores redes varejistas com foco em bens duráveis e com grande presença nas classes populares do Brasil, divulga seus

Leia mais

Demonstrações Financeiras Yuny Incorporadora S.A. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Yuny Incorporadora S.A. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Yuny Incorporadora S.A. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes Yuny Incorporadora S.A. Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 e 2012

Leia mais

Informações Trimestrais 4º trimestre e exercício de 2015 (4T15 e 2015) Relatório da Administração

Informações Trimestrais 4º trimestre e exercício de 2015 (4T15 e 2015) Relatório da Administração Informações Trimestrais 4º trimestre e exercício de 2015 (4T15 e 2015) Relatório da Administração Prezados acionistas A administração da WLM Indústria e Comércio S.A. (WLM), em conformidade com as disposições

Leia mais

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A Resultados do 3º trimestre de 2015

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A Resultados do 3º trimestre de 2015 Resultados do 3º trimestre de 2015 São Paulo, 13 de novembro de 2015 A Administração da Empresa de Distribuição de Energia do Vale Paranapanema ( EDEVP ou Companhia ) apresenta os resultados do terceiro

Leia mais

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 4 o Trimestre de 2011

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 4 o Trimestre de 2011 Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 4 o Trimestre de 2011 São Paulo, 22 de março de 2012 - Magazine Luiza S.A. (BM&FBOVESPA: MGLU3), uma das maiores redes varejistas com foco em bens duráveis

Leia mais

Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL

Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01047-2 SARAIVA S.A. LIVREIROS EDITORES 60.500.139/0001-26 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01047-2 SARAIVA S.A. LIVREIROS EDITORES 60.500.139/0001-26 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

DIRECIONAL ANUNCIA RECORDE HISTÓRICO DE VENDAS NO 3T09

DIRECIONAL ANUNCIA RECORDE HISTÓRICO DE VENDAS NO 3T09 Divulgação de Resultados 3T09 DIRECIONAL ANUNCIA RECORDE HISTÓRICO DE VENDAS NO 3T09 - VENDAS CONTRATADAS DE R$242,7 MILHÕES NO 3T09, COM VSO 45% - - EBITDA DE R$35,0 MILHÕES, COM 31,1% DE MARGEM EBITDA

Leia mais

Relatório dos Auditores Independentes... 3. Relatório do Comitê de Auditoria... 4. Demonstração Consolidada do Resultado... 5

Relatório dos Auditores Independentes... 3. Relatório do Comitê de Auditoria... 4. Demonstração Consolidada do Resultado... 5 Demonstrações Contábeis Consolidadas de acordo com as Normas internacionais de relatório financeiro (IFRS) emitidas pelo International Accounting Standards Board - IASB 2014 Bradesco 1 Sumário oação de

Leia mais

Release de Resultados 3T13. 23 de outubro de 2013

Release de Resultados 3T13. 23 de outubro de 2013 Release de Resultados 3T13 23 de outubro de 2013 Ressalvas As informações e declarações sobre eventos futuros estão sujeitas a riscos e incertezas, as quais têm como base estimativas e suposições da Administração

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras demonstrações financeiras 1 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Ao Conselho de Administração e aos Acionistas da Ultrapar Participações S.A. São Paulo SP Examinamos

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2014 - CAMBUCI SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2014 - CAMBUCI SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 80 Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 Parecer dos Auditores Independentes 81 Aos Acionistas da Inepar Telecomunicações S.A Curitiba - PR 1. Examinamos

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

LOJAS RENNER S.A. RESULTADOS DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2015 (2T15 ) LOJAS RENNER S.A.

LOJAS RENNER S.A. RESULTADOS DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2015 (2T15 ) LOJAS RENNER S.A. Resultados 2T15 LOJAS RENNER S.A. Companhia constituída em 1965 e de capital aberto desde 1967. Capital totalmente pulverizado desde 2005, com 100% de free float, sendo considerada a primeira corporação

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - MANGELS INDUSTRIAL SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - MANGELS INDUSTRIAL SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente 8 Demonstração

Leia mais

Receita Operacional Líquida alcança R$ 20,9 milhões, aumento de 9,7% ante o trimestre anterior

Receita Operacional Líquida alcança R$ 20,9 milhões, aumento de 9,7% ante o trimestre anterior Última Cotação em 30/09/2014 FBMC4 - R$ 20,60 por ação Total de Ações: 726.514 FBMC3: 265.160 FBMC4: 461.354 Valor de Mercado (30/09/2014): R$ 20.269,7 mil US$ 9.234,5 mil São Bernardo do Campo, 12 de

Leia mais

VITAL ENGENHARIA AMBIENTAL S.A.

VITAL ENGENHARIA AMBIENTAL S.A. VITAL ENGENHARIA AMBIENTAL S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 VITAL ENGENHARIA AMBIENTAL S.A. Demonstrações Contábeis 31 de Dezembro de 2014 e 2013 Conteúdo Relatório dos Auditores

Leia mais

Release de Resultados do 4T13

Release de Resultados do 4T13 São Paulo, 19 de fevereiro de 2014 A Eucatex (BM&FBovespa: EUCA3 e EUCA4), uma das maiores produtoras de painéis de madeira do Brasil, que atua também nos segmentos de tintas e vernizes, pisos laminados,

Leia mais

Dados da Empresa / Composição do Capital

Dados da Empresa / Composição do Capital Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Companhia de Marcas e Controladas

Companhia de Marcas e Controladas Companhia de Marcas e Controladas Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Deloitte Touche

Leia mais

(Os números financeiros estão em Reais e baseados nas demonstrações financeiras consolidadas da Embrapar) EBITDA 464,6 354,2 527,7 13,6% 49,0%

(Os números financeiros estão em Reais e baseados nas demonstrações financeiras consolidadas da Embrapar) EBITDA 464,6 354,2 527,7 13,6% 49,0% Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 26 de abril de 2006 Embratel Participações S.A. (Embratel Participações ou Embrapar ) (NYSE:EMT;BOVESPA:EBTP4, EBTP3) detém 99,0 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações

Leia mais

ITAUTEC S.A. - GRUPO ITAUTEC CNPJ nº 54.526.082/0001-31 Companhia Aberta www.itautec.com.br

ITAUTEC S.A. - GRUPO ITAUTEC CNPJ nº 54.526.082/0001-31 Companhia Aberta www.itautec.com.br ITAUTEC S.A. GRUPO ITAUTEC CNPJ nº 54.526.082/000131 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 30 DE SETEMBRO DE 2013 A Itautec S.A., companhia brasileira de capital aberto atuante no setor de tecnologia em soluções

Leia mais

DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 1º TRIMESTRE DE 2010

DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 1º TRIMESTRE DE 2010 DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 1º TRIMESTRE DE 2010 1. Mercado de Capitais Cotações: (14/05/2010) ALPA3 R$ 6,10 ALPA4 R$ 5,95 Valore de Mercado: R$ 2,1 bilhões 2. Teleconferência Data: 18/05/2010 às 16h00

Leia mais

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014 Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas Demonstrações financeiras em IFRS e baseadas nos Pronunciamentos Técnicos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC em

Leia mais

AUMENTO DE 13,8% NO VOLUME FINANCEIRO E LUCRO LÍQUIDO DE R$817 MILHÕES NO 3T14

AUMENTO DE 13,8% NO VOLUME FINANCEIRO E LUCRO LÍQUIDO DE R$817 MILHÕES NO 3T14 AUMENTO DE 13,8% NO VOLUME FINANCEIRO E LUCRO LÍQUIDO DE R$817 MILHÕES NO 3T14 Barueri, 28 de Outubro de 2014 A Cielo S.A. (BM&FBOVESPA: CIEL3 / OTCQX: CIOXY) anuncia hoje seus resultados do terceiro trimestre

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

Companhia Industrial Cataguases e Controlada. Relatório de Administração e Demonstrações Financeiras de 2010. Objeto de Publicação

Companhia Industrial Cataguases e Controlada. Relatório de Administração e Demonstrações Financeiras de 2010. Objeto de Publicação Companhia Industrial Cataguases e Controlada Relatório de Administração e Demonstrações Financeiras de 2010 Objeto de Publicação 31/03/2011 1 Relatório da Administração Senhores Acionistas, A Administração

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - MANGELS INDUSTRIAL SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - MANGELS INDUSTRIAL SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Fluxo de Caixa 5 Demonstração das Mutações

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01907-0 CALAIS PARTICIPAÇÕES S.A. 04.034.792/0001-76 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01907-0 CALAIS PARTICIPAÇÕES S.A. 04.034.792/0001-76 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/28 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

TAM S.A. TAM S.A e suas controladas Demonstrações Financeiras individuais e consolidadas em 31 de março de 2014 e relatório dos auditores

TAM S.A. TAM S.A e suas controladas Demonstrações Financeiras individuais e consolidadas em 31 de março de 2014 e relatório dos auditores TAM S.A e suas controladas Demonstrações Financeiras individuais e consolidadas em 31 de março de 2014 e relatório dos auditores independentes Índice das Demonstrações Financeiras Balanços patrimoniais

Leia mais

METALÚRGICA RIOSULENSE S.A. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Em 31 de dezembro de 2013

METALÚRGICA RIOSULENSE S.A. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Em 31 de dezembro de 2013 METALÚRGICA RIOSULENSE S.A. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Em 31 de dezembro de 2013 Senhores Acionistas, A Administração da Metalúrgica Riosulense S.A. apresenta para apreciação e análise, as informações

Leia mais

Fundação Amazonas Sustentável Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2008 e parecer dos auditores independentes

Fundação Amazonas Sustentável Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2008 e parecer dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2008 Em milhares de reais Ativo Passivo e patrimônio social Circulante

Leia mais

BR INSURANCE CORRETORA DE SEGUROS S.A. ANUNCIA OS RESULTADOS DO 1 TRIMESTRE DE 2016.

BR INSURANCE CORRETORA DE SEGUROS S.A. ANUNCIA OS RESULTADOS DO 1 TRIMESTRE DE 2016. RELEASE DE RESULTADOS Relações com Investidores Marcelo Moojen Epperlein Diretor-Presidente e de Relações com Investidores (55 11) 3175-2900 ri@brinsurance.com.br Ana Carolina Pires Bastos Relações com

Leia mais

1T05. Celesc apresenta lucro líquido de R$ 23 milhões no 1 o trimestre de 2005. Resultado do 1 o trimestre de 2005. Principais Destaques

1T05. Celesc apresenta lucro líquido de R$ 23 milhões no 1 o trimestre de 2005. Resultado do 1 o trimestre de 2005. Principais Destaques Celesc apresenta lucro líquido de R$ 23 milhões no 1 o trimestre de 2005 Divulgação Imediata Cot. da Ação PNB CLSC6) em 31/03/05: R$ 0,90/ação Valoriz. No 1T05: -16% Valor de Mercado R$ : 694 milhões US$

Leia mais

TELECONFERÊNCIA DE RESULTADOS 3T14

TELECONFERÊNCIA DE RESULTADOS 3T14 TELECONFERÊNCIA DE RESULTADOS 3T14 RESULTADOS FINANCEIROS CONSOLIDADOS (R$ MILHÕES) 3T13 3T14 Var.% 9M13 9M14 Var.% RECEITA LÍQUIDA 315,8 342,8 8,5% 858,4 937,5 9,2% EBITDA AJUSTADO¹ 67,1 78,3 16,7% 157,5

Leia mais

VALID SOLUÇÕES E SERVIÇOS DE SEGURANÇA EM MEIOS DE PAGAMENTO E IDENTIFICAÇÃO S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures

VALID SOLUÇÕES E SERVIÇOS DE SEGURANÇA EM MEIOS DE PAGAMENTO E IDENTIFICAÇÃO S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures VALID SOLUÇÕES E SERVIÇOS DE SEGURANÇA EM MEIOS DE PAGAMENTO E IDENTIFICAÇÃO S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2011 VALID SOLUÇÕES E SERVIÇOS DE SEGURANÇA

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo 12. Demonstração do Fluxo de Caixa 2 12.1. Introdução 2 12.2. Conceitos Importantes 2 12.3. Atividades Operacionais 5 12.4. Atividades de Investimento 7

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2015 - ÁPICE SECURITIZADORA S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2015 - ÁPICE SECURITIZADORA S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 Desempenho Em ambiente de queda da atividade na indústria automobilística, a Iochpe-Maxion apresentou um crescimento de 8,4% nas vendas no terceiro

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2011 - MARCOPOLO SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2011 - MARCOPOLO SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 7 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - ESTACIO PARTICIPAÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - ESTACIO PARTICIPAÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Banco Fator S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS

Banco Fator S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS Banco Fator S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS 31 de dezembro 2013 e 2012 BANCO FATOR S.A. BALANÇOS PATRIMONIAIS CONSOLIDADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 (Valores expressos em

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00839-7 MANGELS INDUSTRIAL S.A. 61.065.298/0001-02 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00839-7 MANGELS INDUSTRIAL S.A. 61.065.298/0001-02 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS

Leia mais

LOJAS RENNER DIVULGA R$ 511,4 MILHÕES DE RECEITA LÍQUIDA TOTAL NO 3T08

LOJAS RENNER DIVULGA R$ 511,4 MILHÕES DE RECEITA LÍQUIDA TOTAL NO 3T08 LOJAS RENNER DIVULGA R$ 511,4 MILHÕES DE RECEITA LÍQUIDA TOTAL NO 3T08 Porto Alegre, 30 de outubro de 2008 LOJAS RENNER S.A. (Bovespa: LREN3), segunda maior rede de lojas de departamentos de vestuário

Leia mais

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aos Diretores e Mantenedores da FUNDAÇÃO PRÓ RIM JOINVILLE SC Examinamos as demonstrações financeiras da Fundação Pró Rim, que compreendem

Leia mais

A TELE NORTE CELULAR PARTICIPAÇÕES S.A. DIVULGA O RESULTADO DO QUARTO TRIMESTRE DE 2000 E DO ANO DE 2000

A TELE NORTE CELULAR PARTICIPAÇÕES S.A. DIVULGA O RESULTADO DO QUARTO TRIMESTRE DE 2000 E DO ANO DE 2000 TELE NORTE CELULAR PARTICIPAÇÕES S.A. João Cox Vice Presidente de Finanças e Diretor de Relações com Investidores jcox@telepart.com.br 0XX61-429-5600 Leonardo Dias Gerente de Relações com Investidores

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

Press Release 2T15 12/08/2015

Press Release 2T15 12/08/2015 Press Release 2T15 12/08/2015 Sumário 1. Destaques do período... 4 2. Sumário de resultados... 5 3. Receita bruta... 6 3.1 Produtos de bancassurance... 6 3.1.1 Vida... 7 3.1.2 Habitacional... 7 3.1.3 Prestamista...

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02101-6 ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. 08.807.432/0001-10 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02101-6 ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. 08.807.432/0001-10 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Reapresentação Espontânea O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2013 e 2012 Demonstrações Financeiras com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras... 1 Demonstrações financeiras

Leia mais

Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08)

Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08) Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08) Aprova a Orientação OCPC - 01 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata de Entidades de Incorporação Imobiliária. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

MAHLE REPORTA EBITDA DE R$ 104,6 MILHÕES NO 2T14; MARGEM DE 17,7%

MAHLE REPORTA EBITDA DE R$ 104,6 MILHÕES NO 2T14; MARGEM DE 17,7% MAHLE REPORTA EBITDA DE R$ 104,6 MILHÕES NO 2T14; MARGEM DE 17,7% Mogi Guaçu (SP), 11 de agosto de 2014 - A MAHLE Metal Leve S.A. (BM&FBOVESPA: LEVE3), Companhia líder na fabricação e comercialização de

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade II CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Conhecer a estrutura do balanço patrimonial: ativo; passivo. Conhecer a estrutura do DRE. Conhecer a estrutura do DFC: direto; indireto. Balanço patrimonial

Leia mais

4. O balancete de verificação de uma certa empresa apresentava os seguintes saldos em 31.12.x1: $ 4.500 $ 2.750 $ 800 $ 4.250

4. O balancete de verificação de uma certa empresa apresentava os seguintes saldos em 31.12.x1: $ 4.500 $ 2.750 $ 800 $ 4.250 MÚLTIPLA ESCOLHA 1 Não integra o Ativo: a contas representativas de origem dos recursos b contas com saldo devedor c contas representativas de bens d contas representativas de direitos e capital fixo e

Leia mais

RECEITA LÍQUIDA ALCANÇA R$ 374,7 MILHÕES NO 1T15

RECEITA LÍQUIDA ALCANÇA R$ 374,7 MILHÕES NO 1T15 RECEITA LÍQUIDA ALCANÇA R$ 374,7 MILHÕES NO 1T15 São Paulo, 11 de maio de 2015 - A Abril Educação S.A. (BM&FBOVESPA: ABRE3) divulga seus resultados do 1º trimestre de 2015 (1T15). Os comentários aqui incluídos

Leia mais

Demonstrações Financeiras Magazine Luiza S.A.

Demonstrações Financeiras Magazine Luiza S.A. Demonstrações Financeiras Magazine Luiza S.A. e 2013 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras...

Leia mais

Divulgação de Resultados 3T05

Divulgação de Resultados 3T05 Localiza Anuncia EBITDA de R$70,8 milhões no 3T05 Receita Líquida cresce 49,1% e EBITDA cresce 31,1% Belo Horizonte, 8 de novembro de 2005 - A Localiza Rent A Car S.A. (Bovespa: RENT3), a maior rede de

Leia mais

RESULTADOS 1T15 Teleconferência 8 de maio de 2015

RESULTADOS 1T15 Teleconferência 8 de maio de 2015 RESULTADOS 1T15 Teleconferência 8 de maio de 2015 Aviso Nesta apresentação nós fazemos declarações prospectivas que estão sujeitas a riscos e incertezas. Tais declarações têm como base crenças e suposições

Leia mais

FUNDAÇÃO DAS ESCOLAS UNIDAS DO PLANALTO CATARINENSE LAGES - SC BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE. Valores expressos em Reais ATIVO

FUNDAÇÃO DAS ESCOLAS UNIDAS DO PLANALTO CATARINENSE LAGES - SC BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE. Valores expressos em Reais ATIVO BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE ATIVO CIRCULANTE Notas 6.637.617 7.393.842 Disponibilidades 1.048.777 742.707 Créditos a receber de clientes 4.1 1.832.535 2.646.556 Créditos a receber - outros

Leia mais

Análise Setorial. Sabesp // Minerva // Suzano //CPFL // CESP SABESP (SBSP3)

Análise Setorial. Sabesp // Minerva // Suzano //CPFL // CESP SABESP (SBSP3) Análise Setorial Sabesp // Minerva // Suzano //CPFL // CESP SABESP (SBSP3) A Sabesp divulgou ontem (09/05/2013, após o encerramento do mercado, seus números referentes ao primeiro trimestre de 2013. O

Leia mais

Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT Relatório de orientação técnica para o encerramento do exercício de 2012

Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT Relatório de orientação técnica para o encerramento do exercício de 2012 Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT Relatório de orientação técnica para o encerramento do exercício de 2012 Prefácio Com a convergência das normas brasileiras de contabilidade para as normas

Leia mais

Banco BMG S.A Demonstrações financeiras consolidadas de acordo com as normas internacionais de relatórios financeiros (IFRS) em 31 de dezembro de

Banco BMG S.A Demonstrações financeiras consolidadas de acordo com as normas internacionais de relatórios financeiros (IFRS) em 31 de dezembro de Banco BMG S.A Demonstrações financeiras consolidadas de acordo com as normas internacionais de relatórios financeiros (IFRS) em de 2010 Relatório dos auditores independentes Aos Administradores e Acionistas

Leia mais