UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO INSTITUTO BRASILEIRO DE PÓS GRADUAÇÃO - QUALITTAS CURSO DE CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO INSTITUTO BRASILEIRO DE PÓS GRADUAÇÃO - QUALITTAS CURSO DE CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO INSTITUTO BRASILEIRO DE PÓS GRADUAÇÃO - QUALITTAS CURSO DE CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS AVALIAÇÃO IMUNO-HISTOQUÍMICA DO GENE SUPRESSOR DE TUMOR P53 E DA MOLÉCULA DE ADESÃO E-CADERINA NAS NEOPLASIAS MAMÁRIAS EM CADELAS. Marcilia Viana Pavam Gonçalves Goiânia, 2012

2 MARCILIA VIANA PAVAM GONÇALVES Aluna do Curso de Clínica Médica e Cirúrgica de Pequenos Animais AVALIAÇÃO IMUNO-HISTOQUÍMICA DO GENE SUPRESSOR DE TUMOR P53 E DA MOLÉCULA DE ADESÃO E-CADERINA NAS NEOPLASIAS MAMÁRIAS EM CADELAS. Trabalho monográfico de conclusão do curso de Clínica Médica e Cirúrgica de Pequenos Animais (TCC), apresentado à UCB como requisito parcial para a obtenção do título de Especialista em Clínica Médica e Cirúrgica de Pequenos Animais, sob orientação da Profa. Dra. Debora A. P. C. Zuccari Goiânia, 2012 ii

3 AVALIAÇÃO IMUNO-HISTOQUÍMICA DO GENE SUPRESSOR DE TUMOR P53 E DA MOLÉCULA DE ADESÃO E-CADERINA NAS NEOPLASIAS MAMÁRIAS EM CADELAS. Elaborado por Marcilia Viana Pavam Gonçalves Aluna do Curso de Clínica Médica e Cirúrgica de Pequenos Animais Foi analisado e aprovado com grau: Goiânia, de de Membro Membro Professor Orientador Presidente Goiânia, 2012 iii

4 Dedico aos meus amores. iv

5 Agradeço à minha família por me permitir voltar aos estudos, aos amigos e colegas de trabalho e à Dra. Debora pelos eternos ensinamentos. v

6 RESUMO O estudo dos tumores mamários em cadelas revela-se como um excelente modelo para a investigação clínico-patológica, diagnóstica e prognóstica de neoplasias mamárias que acometem a espécie humana. O presente trabalho foi proposto visando a utilização do gene supressor de tumor p53 e da molécula de adesão E-caderina na determinação de um prognóstico para o paciente com câncer utilizando a análise conjunta de fatores epidemiológicos, análise histopatológica, imuno-histoquímica desta classe tumoral e sua associação com fatores prognósticos relacionados com a evolução clínica do paciente com câncer. Foram analisados 73 tumores e foi observada uma associação da expressão do P53 com o tempo de vida, já que cadelas jovens que desenvolvem neoplasia mamária tiveram a maior expressão deste marcador, evidenciando o seu acúmulo na célula, o que ocorre como resultado de sua mutação, deixando a fêmea susceptível ao crescimento neoplásico. Em relação à E-caderina, foi observada uma associação da baixa expressão da E-caderina com o diagnóstico de Carcinoma e com alterações do estado corpóreo (caquexia e obesidade) e pseudociese. A marcação imuno-histoquímica nas células neoplásicas pode contribuir muito mais para um prognóstico tumoral criterioso do que a utilização de uma classificação tumoral complexa e inconclusiva na busca de uma melhor e maior sobrevida do paciente portador de câncer mamário. vi

7 ABSTRACT The study of the mammary tumors in female dogs turns out to be an excellent model for the clinical-pathological diagnostical and prognostical inquiry of mammary neoplasias that human beings have. The present work aims to use the p53 tumor suppressor gene and the E-cadherin molecule adhesion in the determination of a prognostic for the patient with cancer using the analysis of epidemiological, histopatological factors, immunohistochemistry analysis of this tumor type and its association with prognostical factors related to the clinical evolution of the patient with cancer. 73 tumors have been analyzed and it was also observed association of the expression of the p53 with the life time, since young dogs that develop mammary neoplasia had the biggest expression of this marker, evidencing its accumulation in the cell, what occurs as a result of its mutation, leaving the susceptible female to the neoplasic growth. In relation to the E-cadherin, it was observed an association of low expression of the E-cadherin with the diagnosis of carcinoma and with alterations of the corporeal state and canine pseudopregnancy. The immunohistochemistry marking in the neoplasic cells can contribute for a criterious tumoral prognostic of the use of a complex and inconclusive tumoral classification in the search of one and greater better outcome of the patient with mammary cancer. vii

8 SUMÁRIO Resumo... vi Abstract... vii 1. INTRODUÇÃO MATERIAIS E MÉTODOS Estudo Epidemiológico Diagnóstico Histopatológico do Tumor Avaliação Clínica do Tumor Classificação TNM Positividade ao Exame Imuno-Histoquímico para p53 e c-myc RESULTADOS Idade Raça Estado Corpóreo e Tipo de Alimentação Cruzamento, Pseudociese e Uso de Anticoncepcional Características clínicas do tumor Metástase Pulmonar e Envolvimento de Linfonodos Avaliação Histopatológica Arranjo Tubular Mitoses Grau Citológico Grau Histológico Necrose Infiltração Linfocítica Diagnóstico Histopatológico e Expressão dos Marcadores P53 e C-myc P E-caderina Evolução da Doença DISCUSSÃO E CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 39

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Idade das cadelas acometidas por neoplasia mamária atendidas no H.V. Dr. Halim Atique UNIRP no período de Dezembro de 2002 a Dezembro de Figura 2- Raça das cadelas acometidas por neoplasia mamária atendidas no H.V. Dr. Halim Atique UNIRP no período de Dezembro de 2002 a Dezembro de Figura 3 - Variações na apresentação macroscópica e envolvimento de linfonodos e metástase nas cadelas acometidas por neoplasia mamária atendidas no no H.V. Dr. Halim Atique UNIRP no período de Dezembro de 2002 a Dezembro de A.Nódulo único de aspecto granular e plano entre as mamas torácica caudal e abdominal cranial. B.Notar ulcerações múltiplas. C.Envolvimento de linfonodo axilar D. Presença de metástase pulmonar... Figura 4 - Classificação histopatológica das neoplasias mamárias de cadelas atendidas no H.V. Dr. Halim Atique UNIRP, no período de Dezembro de 2002 a Dezembro de Figura 5 - Diferenciação histopatológica dos carcinomas de cadelas atendidas no H.V. Dr. Halim Atique UNIRP, no período de Dezembro de 2002 a Dezembro de Figura 6 - Diferenciação histopatológica com relação à presença de metaplasia nos tumores mistos malignos das cadelas atendidas no H.V. Dr. Halim Atique UNIRP, no período de Dezembro de 2002 a Dezembro de Figura 7 - Diferenciação histopatológica com relação aos tumores benignos das cadelas atendidas no H.V. Dr. Halim Atique UNIRP, no período de Dezembro de 2002 a Dezembro de Figura 8 Expressão do P53 nas neoplasias mamárias em cadelas atendidas no H.V. Dr. Halim Atique UNIRP, no período de Dezembro de 2002 a Dezembro de Figura 9 - Fotomicrografia mostrando a expressão do P53 nas neoplasias mamárias em cadelas. Notar a coloração marrom-dourado dos núcleos (A e B no aumento de 10X, C e D no aumento de 40X)

10 Figura 10 - Expressão da E-caderina nas neoplasias mamárias em cadelas atendidas no H.V. Dr. Halim Atique UNIRP, no período de Dezembro de 2002 a Dezembro de Figura 11 - Fotomicrografia mostrando a expressão da E-caderina nas neoplasias mamárias em cadelas. Notar a coloração marrom-dourado do citoplasma (A e B no aumento de 10X, C e D no aumento de 40X)... Figura 12 - Prognóstico das cadelas acometidas por neoplasia mamária atendidas no H.V. Dr. Halim Atique UNIRP, no período de Dezembro de 2002 a Dezembro de

11 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Avaliação epidemiológica de idade, raça, hábitos alimentares e reprodutivos em cadelas atendidas no H.V. Dr. Halim Atique UNIRP, no período de Dezembro de 2002 a Dezembro de Tabela 2 - Avaliação epidemiológica das características clínicas e da ocorrência de metástases em neoplasias de cadelas atendidas no H.V. Dr. Halim Atique UNIRP, no período de Dezembro de 2002 a Dezembro de Tabela 3 - Avaliação epidemiológica histopatológica das neoplasias de cadelas atendidas no H.V. Dr. Halim Atique UNIRP, no período de Dezembro de 2002 a Dezembro de Tabela 4 - Expressão do P53 em relação ao diagnóstico nas neoplasias de cadelas atendidas no H.V. Dr. Halim Atique UNIRP, no período de Dezembro de 2002 a Dezembro de Tabela 5 - Expressão da E-caderina em relação ao diagnóstico nas neoplasias de cadelas atendidas no H.V. Dr. Halim Atique UNIRP, no período de Dezembro de 2002 a Dezembro de

12 1. INTRODUÇÃO As neoplasias mamárias são os tumores mais comuns na fêmea canina, sendo responsáveis por aproximadamente 52% de todas as neoplasias nesta população animal (MACEWEN, 1990; SØRENMO, 1998). A espécie canina, de fato, é a que apresenta espontaneamente, a maior incidência de neoplasias mamárias dentre todos os mamíferos e, quando comparada à fêmea humana, apresenta três vezes mais tumores mamários que a mulher (BRODEY et al., 1983). O intervalo livre da doença também é menor, pois, após a retirada cirúrgica do tumor, a recidiva e/ou metástase pode ocorrer em até um ano, tempo verdadeiramente menor se comparado ao intervalo estabelecido na mulher de cinco anos. Os tumores mamários em cães prestam-se como modelos apropriados, e válidos, ao estudo da biologia do câncer (SCHNEIDER et al., 1970; MOTTOLLESE et al., 1994), assim como para testes de agentes terapêuticos, já que animais de estimação têm tumores com apresentação histopatológica e comportamento biológico similares àqueles que acometem os seres humanos (MACEWEN, 1990; PELETEIRO, 1994). Além disso, os tumores de mama em cadelas constituem um desafio para clínicos e, principalmente, para patologistas, já que a nomenclatura e classificação desses tumores têm se revelado muito difícil e controversas impossibilitando, há muito tempo, estudos comparativos entre os resultados de investigação reportados por diferentes pesquisadores (BRODEY et al., 1983). O estudo da patogenia e histogênese destas neoplasias, envolvendo marcadores de receptores hormonais e de filamentos intermediários, é o que tem alcançado maior progresso nos últimos anos (PELETEIRO, 1994). Os tumores de mama mistos são o tipo mais comum em cadelas e a observação frequente de cartilagem e osso nesses tumores tem causado grande controvérsia em relação 12

13 ao tipo celular que dá origem a essa lesão (PULLEY, 1973; NERURKAR et al., 1989). O tecido ósseo formado na glândula mamária é tão autêntico que muitas vezes observamos a presença de medula óssea típica e ativa. Quando há a presença de cartilagem, essa assume seu aspecto morfológico característico e demonstra íntima associação com o tecido epitelial adjacente (WITHROW & MACEWEN, 1996). Os tumores mistos são formados por células epiteliais e mioepiteliais e manifestam-se, histologicamente, de forma muito variada. O comportamento de cada tumor varia de acordo com a sua origem e seu arranjo histológico (MOULTON, 1990). A grande incidência de tumores mistos em Beagles jovens, tratados com doses altas de progestágenos, por dois anos, sugere que tais tumores podem estar relacionados à alta concentração hormonal sendo considerados, portanto, tumores progesterona dependentes (BRODEY et al., 1983). O mioepitélio da glândula mamária da cadela parece ser peculiarmente sensível ao estímulo de crescimento por progesterona e, desta forma, há indicações claras de que a utilização de compostos contraceptivos não é apropriada para a espécie canina (COTCHIN, 1984). De acordo com estudo desenvolvido por Zuccari e colaboradores (2001), os resultados obtidos demonstram que não houve concordância entre o diagnóstico do estado neoplásico da glândula mamária e o prognóstico das cadelas que compuseram o grupo experimental. Segundo o autor, para determinação do grau de malignidade em relação ao prognóstico do tumor, devem ser consideradas as alterações celulares de malignidade, a identificação de marcadores de prognóstico, bem como a proliferação celular, e não apenas o aspecto histopatológico tumoral, que pode redundar em um resultado falso positivo. Além disso, considera-se como fator de prognóstico o fato de que os tumores mistos dificilmente levam à formação de metástases e respondem ao estímulo hormonal sendo considerados tumores hormônio-dependentes. 13

14 Sabe-se que um grande número de fatores é indicador do prognóstico do câncer de mama, incluindo tipo tumoral, tamanho e classificação, além de comprometimento ou não do tecido linfóide adjacente. Esses fatores podem ser utilizados sozinhos ou em combinação para o estabelecimento do prognóstico e evolução do caso. Os maiores fatores preditivos para metástase, como comprometimento de linfonodo ou grau histológico do tumor, falharam em classificar os tumores mamários de acordo com seu comportamento clínico. Dessa forma, embora se trate de um procedimento mais complexo, a avaliação da expressão de um ou mais imunomarcadores de prognóstico apresenta-se como uma ferramenta mais útil e conclusiva (THOMAS & BERNER, 2000). As informações como expressão de receptores hormonais ou mesmo características proliferativas do tumor são, sem dúvida, definitivas na escolha de um esquema terapêutico correto (CASSALI, 2000). Os fatores prognósticos mais utilizados para o carcinoma mamário humano são principalmente os linfonodo-negativos, além do tamanho do tumor, o grau histológico, o estadiamento e o status hormonal. Dentre os marcadores biológicos, a expressão do p53 e c-erb-b2 está relacionada com tumores de alto risco, enquanto que a expressão de receptores hormonais está relacionada com tumores de baixo risco, baseados em parâmetros clinico-patológicos (GUSTERSON, 1992). Enquanto alguns trabalhos concluem que nenhum desses marcadores biológicos aparentemente tem um valor prognóstico independente (KATO et al., 1999; MITSUYAMA et al., 1999; JAKIC- RAZUMOVIC et al., 2000), outros demonstram que a positividade para receptores de estrógeno, junto com outros fatores clínicos como tamanho do tumor e status menopausal têm valor em mulheres (VOLPI et al., 2000). Em relação à expressão de p53 e C-erb-B2, Takikawa e colaboradores (1994) demonstraram a presença de valor prognóstico principalmente quando o status nodal foi excluído do modelo. 14

15 Em um trabalho em humanos (REED et al., 2000) foram avaliados os marcadores biológicos mais comumente utilizados na literatura, ou seja, P53, C-erb-B2, receptores de estrógeno e progesterona, e comparados com os critérios clássicos de prognóstico estabelecidos pelo grupo de Nottinghan (GALEA et al., 1992). Este utiliza como parâmetros o tamanho do tumor, o estadio e o grau histológico. Reed chegou à conclusão em seu estudo que, embora os marcadores biológicos tivessem tido correlação com os fatores clínico-patológicos como o grau histológico, eles não tiveram valor prognóstico independente em relação à sobrevida das pacientes linfonodo-negativas. Em cadelas, entretanto, Sartin e colaboradores (1992) chegaram à conclusão que nem a presença de metástases linfonodais seria um fator prognóstico dos tumores de mama canino. Como já citado, poucos trabalhos encontrados na literatura avaliaram esses e outros marcadores em tumores caninos. O gene p53 está localizado no cromossomo humano na região 17p13.1 e atua como supressor tumoral (LEVINE et al., 1991). A proteína do gene p53 participa da regulação do ciclo celular, e sua inativação funcional, seja por mutação ou deleção, representa uma das anormalidades genéticas mais frequentes encontradas em neoplasia humanas (MONTENARH, 1992; BARNES et al., 1993). Isto ocorre porque nas células normais a proteína P53 não se acumula em níveis detectáveis devido à sua pequena meia vida. Presente nas células normais na forma "wild" ou não-mutante, tem a função de bloquear a divisão celular através de uma proteína por ele produzida, atuando como mediador da apoptose quando da ocorrência de alterações no genoma (MONTENARH, 1992). Quando esse gene torna-se mutante, ocorre perda do controle do ciclo celular (LOWE et al., 1994) e, como consequência, podem sobreviver células com alto grau de mutações (VAN KALKEN et al., 1991). Nas células normais a concentração da proteína 15

16 p53 é geralmente muito baixa, não sendo possível sua detecção pelos métodos imunohistoquímicos. Entretanto, os tumores com formas mutantes do gene p53 expressam altos níveis da proteína, de maior vida-média, sendo, portanto passíveis de detecção imunohistoquímica (LANE, 1992; BARNES et al., 1993). Um estudo realizado por Bosari e colaboradores (1993) sugeriu que a imunoreatividade do p53 pode preceder o desenvolvimento de neoplasias com características malignas e invasivas (BERNSTEIN et al., 1999). A interacção célula-célula está alterada em várias situações patológicas incluindo as neoplasias e mais de 100 moléculas de adesão intercelular foram identificadas (PIGNATELLI, 1993), entre elas as caderinas. As caderinas são uma família de moléculas de adesão celular dependentes do cálcio, essenciais para a manutenção da coesão entre as células, nas quais se destaca a subclasse E- caderina como importante mediador da adesão das células epiteliais (TAKEISHI, 1991; BERX et al., 2001; OESTERREICH et al., 2003). Dados sugerem que a E-caderina é um potente supressor de invasão nos tumores mamários e a perda da sua expressão tem relação com um prognóstico ruim (BERX et al., 2001; OESTERREICH et al., 2003). A perda ou diminuição da expressão da E-caderina tem sido associada a pior diferenciação de vários tumores, nomeadamente cólon, pâncreas bexiga e mama (PIGNATELLI et al. 1992; PIGNATELLI, 1993; GLUKCHOVA et al., 1995). Segundo um estudo realizado por Pedersen e colaboradores (2002), a perda da expressão da E-caderina, associada com alterações na adesão entre as células, tem associação significantemente alta com a sobrevivência do paciente (P=0,020) e o período livre de metástases (P=0,0052), sendo assim, a E-caderina tem alta significância como fator prognóstico. O gene E-caderina está localizado no cromossomo humano na região 16

17 16q22.1, região frequentemente afetada por baixa heterozigose em neoplasias mamárias esporádicas (BERX et al., 2001; OESTERREICH et al., 2003). A alta expressão da E- caderina nos indica que a adesão entre as células está preservada e, deste modo, o risco de metástases à distância é consideravelmente baixo já que a possibilidade de células neoplásicas atingirem a corrente circulatória é quase que nula. Ao contrário do câncer de mama em mulher, não existem relativamente muitos estudos de fatores prognósticos no câncer de mama canino. Um dos problemas enfrentados é o sacrifício da cadela quando do diagnóstico, ao invés de se investir em um tratamento, que, geralmente, é considerado oneroso por parte do proprietário do animal. Conforme literatura consultada, observa-se que a classificação das neoplasias mamárias, tanto em cadelas como em mulheres, é complexa e detalhada, mas não consegue prever a evolução da doença e o tempo de sobrevida do paciente com câncer, nem tampouco a resposta ao tratamento quimioterápico e/ou hormonal. Atualmente, com a possibilidade do diagnóstico imuno-histoquímico dos tumores, por meio da utilização destes marcadores, o prognóstico pode ser melhor avaliado e o valor preditivo deste diagnóstico pode também direcionar o tratamento genético dos tumores. Além disso, os marcadores biológicos que aparentemente não têm um valor prognóstico independente, em conjunto com os parâmetros clinico-patológicos, podem desvendar o prognóstico e a evolução clínica do paciente. Assim, a presente proposta de trabalho teve como objetivo identificar os fatores de risco e comprovar a viabilidade da utilização de marcadores imuno-histoquímicos como fatores preditivos e prognósticos para o câncer de mama em cadelas. Os resultados serão analisados conjuntamente com o diagnóstico histopatológico, e assim poderão determinar a 17

18 correlação desta classificação histopatológica com a marcação imuno-histoquímica do gene supressor p53 e da molécula de adesão E-caderina na neoplasia mamária em cadelas. 2. MATERIAIS E MÉTODOS No presente protocolo experimental foram utilizadas 85 (oitenta e cinco) fêmeas caninas, portadoras de neoplasias mamárias, atendidas junto ao Hospital Veterinário Dr. Halim Atique, da UNIRP câmpus de São José do Rio Preto, no período de Dezembro de 2002 a Dezembro de Conforme será descrito em Resultados Diagnóstico Histopatológico, das cadelas selecionadas apresentando tumores na região das glândulas mamárias, 12 (doze) foram excluídas do grupo após diagnóstico histopatológico por serem portadoras de neoplasias não mamárias como Mastocitomas, Carcinoma Espinocelular e outros, sendo o estudo realizado com um n de 73 cadelas Estudo Epidemiológico Os proprietários das cadelas atendidas junto ao HV foram submetidos a um questionário onde foram feitas perguntas referentes aos hábitos do animal, história reprodutiva e ao tumor propriamente dito Diagnóstico Histopatológico do Tumor Para o diagnóstico histopatológico do tumor, de acordo com a classificação de Hampe e Misdorp (1974) aceita pela OMS, na sua última versão que foi recentemente substituída por Misdorp e colaboradores (1999), foram avaliados determinados parâmetros. 18

19 2.3. Avaliação Clínica do Tumor A avaliação clínica do tumor foi realizada verificando o tempo de evolução, a localização, dimensão, forma, consistência, superfície e ulceração do tumor Classificação TNM Os tumores foram classificados segundo a classificação TNM proposta por MacEwen & Withow (1996); TNM (1998) e Hegg (2000) e modificada por Hataka em Positividade ao Exame Imuno-Histoquímico para p53 e c-myc O procedimento imuno-histoquímico iniciou-se com a desparafinização dos cortes em xilol, à temperatura ambiente. Em seguida foi feita a hidratação dos cortes com álcoois em concentrações decrescentes, seguida de lavagem em água corrente e em água destilada. O bloqueio da peroxidase endógena foi realizado com água oxigenada (10 V), durante 15 minutos e consecutiva lavagem com água destilada (3 banhos). Em panela a vapor, entre 95 e 98ºC, foi feita a recuperação antigênica com uma solução de tampão citrato (ph 7,0), durante 35 minutos. Após a estabilização da temperatura das lâminas foram realizados banhos em água corrente, destilada e com solução de PBS, sucessivamente. A seguir foi feita a incubação com o anticorpo primário, em câmara úmida ( over night, por 18 horas), a -4 C, com o P-53 (clone CM1, Novocastra), na diluição 1:100 e com o C-MYC (clone 9E11, Novocastra), na diluição 1:100. Após a estabilização das lâminas e banhos com solução de PBS, foi feita a incubação com o anticorpo secundário (Solução A -kit Dako LSAB+, Peroxidase- 19

20 Universal) e após uma hora, seguido de um banho com solução de PBS, incubou-se os cortes com o complexo Strepto-avidina/Peroxidase (Solução B-kit Dako LSAB+, Peroxidase-Universal), por 30 minutos. Após banhos em solução de PBS, foi feita a revelação com substrato cromogênico DAB (20mμ de cromogen + 1ml de Buffered, Dako ), contracoloração com Hematoxilina de Harris, banhos em série crescente de concentração de álcoois e xilol e finalizando com montagem em meio de Ver Mount. Todas as baterias de lâminas eram sempre acompanhadas de um controle positivo para o anticorpo testado e um controle negativo (sem anticorpo primário). A expressão do marcador foi verificada de acordo com a graduação de expressão proposta por Allred et al. (1998) no sistema de cruzes. Negativo Focal até 25% % mais de 50% Fonte: Allred et. al., RESULTADOS 3.1. Idade A variação de idade das cadelas estudadas neste ensaio e acometidas por tumores mamários (Figura 1), situou-se em torno de 2 e 17 anos, sendo a grande maioria (60%) com idade entre 5 e 10 anos, 33% com idade superior a 10 anos e apenas 7 % com idade inferior a 5 anos. 20

21 Frequência Frequência Idade Figura 1 - Idade das cadelas acometidas por neoplasia mamária atendidas no H.V. Dr. Halim Atique UNIRP no período de Dezembro de 2002 a Dezembro de Raça No que se refere à Predisposição Racial (Figura 2), foi observado que a grande maioria das cadelas (45%) eram sem raça definida (SRD). Dentre as raças, as que tiveram maior ocorrência foram as raças Teckel (11%), Poodle (10%) e Pinscher (8%) Raças 1 SRD Teckel Poodle Pinscher Outros Figura 2- Raça das cadelas acometidas por neoplasia mamária atendidas no H.V. Dr. Halim Atique UNIRP no período de Dezembro de 2002 a Dezembro de

22 3.3. Estado Corpóreo e Tipo de Alimentação Quanto ao estado corpóreo das cadelas estudadas, 73% não apresentavam nenhuma alteração enquanto que 15% se apresentavam obesas e 12% caquéticas (Figura 4). Quanto ao tipo de alimentação, 62% das cadelas eram alimentadas com comida caseira e esporadicamente com ração, 22% exclusivamente de ração e 16% apenas com comida caseira Cruzamento, Pseudociese e Uso de Anticoncepcional Das cadelas estudadas, 49% cruzaram ao menos uma vez e 38% apresentaram pseudociese sendo 7% recorrente. De todo o grupo, 36% das cadelas receberam tratamento anticoncepcional oral ou injetável Características clínicas do tumor Quanto à localização do tumor, 45% das cadelas estudadas apresentavam acometimento das mamas inguinais, 27% de toda cadeia mamária, 16% das mamas abdominais e 12% das mamas torácicas. Quanto à dimensão destes tumores, 48% eram maiores de 5cm, 34% mediam entre 3 e 5cm e 18% eram menores de 3cm, sendo que 34% do total estavam ulcerados (Figura 3B). 22

23 Tabela 1 - Avaliação epidemiológica de idade, raça, hábitos alimentares e reprodutivos em cadelas atendidas no H.V. Dr. Halim Atique UNIRP, no período de Dezembro de 2002 a Dezembro de Categoria Valor Frequência Freq.% Total (n) 5 5 7% Idade 5 e % % SRD 33 45% Teckel 8 11% Raça Poodle 7 10% 73 Pinscher 6 8% Outros 19 26% Caquético 9 12% Estado Corpóreo Normal 53 73% 73 Obeso 11 15% Comida Caseira 12 16% Alimentação Ração 16 22% 73 Comida+Ração 45 62% Cruzamento Sim 36 49% 73 Não 37 51% Pseudociese Sim 28 38% 73 Não 45 62% Anticoncepcional Sim 26 36% 73 Não 47 64% 23

24 3.6. Metástase Pulmonar e Envolvimento de Linfonodos Das cadelas acometidas por neoplasia mamaria estudadas neste grupo, apenas 10% apresentavam metástase pulmonar (Figura 3D). Quanto ao envolvimento de linfonodos, 16% das cadelas apresentaram alteração em pelo menos um linfonodo (Figura 3C). A B C D Figura 3 - Variações na apresentação macroscópica e envolvimento de linfonodos e metástase nas cadelas acometidas por neoplasia mamária atendidas no no H.V. Dr. Halim Atique UNIRP no período de Dezembro de 2002 a Dezembro de A. Nódulo único de aspecto granular e plano entre as mamas torácica caudal e abdominal cranial. B. Notar ulcerações múltiplas. C. Envolvimento de linfonodo axilar (seta). D. Presença de metástase pulmonar (seta). 24

25 Tabela 2 - Avaliação epidemiológica das características clínicas e da ocorrência de metástases em neoplasias de cadelas atendidas no H.V. Dr. Halim Atique UNIRP, no período de Dezembro de 2002 a Dezembro de Categoria Valor Frequência Freq.% Total (n) Localização Torácica 9 12% Abdominal 12 16% Inguinal 32 45% Cadeia toda 20 27% 73 = 3cm 13 18% Dimensão Entre 3 e 5cm 25 34% 73 = 5cm 35 48% Ulceração Sim 25 34% 73 Não 48 66% Metástase Pulmonar Sim 7 10% 73 Não 66 90% Envolvimento linfonodos Sim 12 16% Não 61 84% Avaliação Histopatológica Arranjo Tubular O arranjo tubular dos cortes histológicos das neoplasias mamárias estudadas estava preservado em 30% dos casos. O restante apresentava alteração morfológica no seu arranjo. 25

26 3.7.2.Mitoses Quanto a presença de mitoses, 81% dos cortes apresentaram baixo número de figuras mitóticas e 19% apresentaram mitoses em grau moderado Grau Citológico As células foram avaliadas quanto as características cariocitoplasmáticas de malignidade como pleomorfismo, anisocitose, anisocariose, presença de nucléolos, etc. Deste modo observou-se moderada alteração celular em 47% dos cortes, pequena alteração em 32% e em 21% observou-se intensa alteração celular, traduzida na presença de caracteres de malignidade Grau Histológico Quanto à avaliação histológica dos cortes, observou-se que 30% dos cortes apresentaram aspecto histológico característico, traduzido pela preservação da arquitetura tecidual; 56% apresentaram preservação moderada e 14% não havia diferenciação tecidual Necrose Dos cortes analisados, 59% apresentaram ausência de áreas necróticas, 23% apresentaram necrose discreta e 18% moderadas áreas de necrose Infiltração Linfocítica A infiltração linfocítica esteve ausente em 66% dos cortes, discreta em 26% e moderada em 8% dos cortes histológicos de neoplasias mamárias estudadas. 26

27 Tabela 3 - Avaliação epidemiológica histopatológica das neoplasias de cadelas atendidas no H.V. Dr. Halim Atique UNIRP, no período de Dezembro de 2002 a Dezembro de Categoria Valor Frequência Freq.% Total (n) menos 25% 23 32% Arranjo Tubular entre 25 e 75% 28 38% 73 mais 75% 22 30% Mitoses baixo 59 81% moderado 14 19% 73 bom 22 32% Grau Citológico moderado 41 46% 73 pobre 10 22% bom 22 30% Grau histológico moderado 41 60% 73 pobre 10 14% ausente 43 59% Necrose discreta 17 23% 73 moderada 13 18% Infiltração Linfocítica ausente 48 66% discreta 19 26% 73 moderada 6 8% 3.8. Diagnóstico Histopatológico e Expressão dos Marcadores P53 e C-myc O exame histopatológico demonstrou que os tumores de maior ocorrência (Figura 4) foram os Carcinomas, com 65% dos casos. Destes, 41% eram Tubulopapilíferos, 36% Complexos, 17% Sólidos e 6 % Anaplásicos, Esquirrosos ou Escamosos (Figura 5). Os Tumores Mistos Malignos somaram 21% do total e foram agrupados conforme o tipo de metaplasia. Destes, 54% apresentavam metaplasia cartilaginosa, 13% metaplasia óssea e 33% apresentavam os dois tipos de metaplasia, tanto a óssea quanto a cartilaginosa (Figura 27

28 6). As neoplasias benignas totalizaram 14% dos casos, e foram representadas pelas Hiperplasias Ductais (60%) e pelos Tumores Mistos Benignos (40%) (Figura 7). 50 misto maligno 40 carcinomas benignos Figura 4 - Classificação histopatológica das neoplasias mamárias de cadelas atendidas no H.V. Dr. Halim Atique UNIRP, no período de Dezembro de 2002 a Dezembro de tubulopapilífer o complexo sólido anaplásico escamoso esquirroso Figura 5 - Diferenciação histopatológica dos carcinomas de cadelas atendidas no H.V. Dr. Halim Atique UNIRP, no período de Dezembro de 2002 a Dezembro de Cartilaginosa Óssea e cartilaginosa Óssea 2 0 Figura 6 - Diferenciação histopatológica com relação à presença de metaplasia nos tumores mistos malignos das cadelas atendidas no H.V. Dr. Halim Atique UNIRP, no período de Dezembro de 2002 a Dezembro de

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007.

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DAS NEOPLASIAS CANINAS DIAGNOSTICADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO PERÍODO DE 2009 A 2010

ESTUDO RETROSPECTIVO DAS NEOPLASIAS CANINAS DIAGNOSTICADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO PERÍODO DE 2009 A 2010 1 ESTUDO RETROSPECTIVO DAS NEOPLASIAS CANINAS DIAGNOSTICADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO PERÍODO DE 2009 A 2010 CAIO FERNANDO GIMENEZ 1, TATIANE MORENO FERRARIAS 1, EDUARDO FERNANDES BONDAN 1 1 Universidade

Leia mais

Tumores mamários em cadelas

Tumores mamários em cadelas Novos Exames Estamos colocando a disposição de todos o Teste de Estimulação ao ACTH que é usado para identificar e acompanhar o tratamento do hipoadenocorticismo e hiperadrenocorticismo em cães e gatos.

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães Ciro José Sousa de Carvalho 1, Sâmmya Roberta Barbosa 2, Francisco Assis Lima Costa 3, Silvana Maria Medeiros

Leia mais

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Patologia Cirúrgica macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Exame Histopatológico Exame anatomopatológico é ATO MÉDICO! lâminas microscopia laudo

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 MARCELA BENEVENTE [1], LUCIANA MOURA CAMPOS PARDINI [2], ADRIANA CAMARGO FERRASI [1,3], MARIA INES DE MOURA CAMPOS PARDINI [3], ALINE FARIA GALVANI [3], JOSE JOAQUIM TITTON RANZANI [2] 1. Instituto de

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

INCIDÊNCIA DE NEOPLASIA MAMÁRIA EM FÊMEAS CANINAS ATENDIDAS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - CURITIBA

INCIDÊNCIA DE NEOPLASIA MAMÁRIA EM FÊMEAS CANINAS ATENDIDAS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - CURITIBA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 INCIDÊNCIA DE NEOPLASIA MAMÁRIA EM FÊMEAS CANINAS ATENDIDAS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

FIBROLEIOMIOMA EM UMA CADELA DA RAÇA PASTOR ALEMÃO - RELATO DE CASO FIBROLEIOMYOMAS IN ONE BITCH OF GERMAN SHEPHERD BREED CASE REPORT

FIBROLEIOMIOMA EM UMA CADELA DA RAÇA PASTOR ALEMÃO - RELATO DE CASO FIBROLEIOMYOMAS IN ONE BITCH OF GERMAN SHEPHERD BREED CASE REPORT 1 FIBROLEIOMIOMA EM UMA CADELA DA RAÇA PASTOR ALEMÃO - RELATO DE CASO FIBROLEIOMYOMAS IN ONE BITCH OF GERMAN SHEPHERD BREED CASE REPORT ¹JÉSSICA DO ROCIO RIBAS MACHADO, ¹KELLI CRISTINA GRACIANO, ¹CAROLINA

Leia mais

INFLUÊNCIA HORMONAL NA CARCINOGÊNESE MAMÁRIA EM CADELAS

INFLUÊNCIA HORMONAL NA CARCINOGÊNESE MAMÁRIA EM CADELAS INFLUÊNCIA HORMONAL NA CARCINOGÊNESE MAMÁRIA EM CADELAS BOCARDO, Marcelo DABUS, Daniela Marques Marciel TENTRIN, Thais de Campos LIMA, Gabriela da Silva Acadêmicos da Associação Cultural e Educacional

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

A imuno-expressão das citoqueratinas como marcadores diagnósticos e prognósticos nas neoplasias mamárias caninas

A imuno-expressão das citoqueratinas como marcadores diagnósticos e prognósticos nas neoplasias mamárias caninas A imuno-expressão das citoqueratinas como marcadores diagnósticos e prognósticos nas neoplasias mamárias caninas Cytokeratin immunoexpression as diagnostic and prognostic markers in canine mammary neoplasias

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Utilização da Punção Aspirativa com Agulha Fina (PAAF) na diferenciação entre nódulos mamários benignos e malignos em cadela Revisão Gustavo Wilson

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA

ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA Pinheiro, A.C ¹, Aquino, R. G. F. ¹, Pinheiro, L.G.P. ¹, Oliveira, A. L. de S. ¹, Feitosa,

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação dos marcadores de prognóstico Ki-67, p53 no tumor mamário maligno de cadelas

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação dos marcadores de prognóstico Ki-67, p53 no tumor mamário maligno de cadelas PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação dos marcadores de prognóstico Ki-67, p53 no tumor mamário maligno de cadelas Ana Carolina Trompieri-Silveira 1,Geórgia Modé Magalhães

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

AVALIAÇÃO COMPARATIVA ENTRE OS SISTEMAS HISTOLÓGICO DESCRITIVO E DE GRADUAÇÃO HISTOLÓGICA PARA NEOPLASMAS MAMÁRIOS EM FELINOS

AVALIAÇÃO COMPARATIVA ENTRE OS SISTEMAS HISTOLÓGICO DESCRITIVO E DE GRADUAÇÃO HISTOLÓGICA PARA NEOPLASMAS MAMÁRIOS EM FELINOS AVALIAÇÃO COMPARATIVA ENTRE OS SISTEMAS HISTOLÓGICO DESCRITIVO E DE GRADUAÇÃO HISTOLÓGICA PARA NEOPLASMAS MAMÁRIOS EM FELINOS Melissa Spader 1, Josiane Bonel-Raposo *2, Cristina Gevehr Fernandes 2, Michele

Leia mais

ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A

ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A IMUNOEXPRESSÃO DO PCNA, KI-67 E CICLINA B1 SPÍNDULA FILHO, José Vieira de ;

Leia mais

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Sigmund Freud ( 1856-1939, 83 anos ) durante 59 anos, mais de 20 charutos/dia

Leia mais

INCIDÊNCIA DE METÁSTASE PULMONAR EM CADELAS DIAGNOSTICADAS COM TUMORES DE GLÂNDULA MAMÁRIA

INCIDÊNCIA DE METÁSTASE PULMONAR EM CADELAS DIAGNOSTICADAS COM TUMORES DE GLÂNDULA MAMÁRIA V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INCIDÊNCIA DE METÁSTASE PULMONAR EM CADELAS DIAGNOSTICADAS COM TUMORES DE GLÂNDULA MAMÁRIA Marcela Nunes Liberati

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

Tumores mamários caninos Novas perspectivas [Canine mammary tumors- New perspectives]

Tumores mamários caninos Novas perspectivas [Canine mammary tumors- New perspectives] Animais de Companhia Tumores mamários caninos Novas perspectivas [Canine mammary tumors- New perspectives] Felisbina Queiroga* & Carlos Lopes** * Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro ** Instituto

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 ESTUDO RETROSPECTIVO DE NEOPLASIAS DE PELE EM CÃES, NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM-PA, NO PERÍODO DE 2013 A 2014. RENZO BRITO LOBATO¹, ADRIANA MACIEL DE CASTRO CARDOSO¹, BRENO COSTA DE MACEDO¹, KARINA

Leia mais

Recebido em: 12/04/2014 Aprovado em: 27/05/2014 Publicado em: 01/07/2014

Recebido em: 12/04/2014 Aprovado em: 27/05/2014 Publicado em: 01/07/2014 RECLASSIFICAÇÃO E DETERMINAÇÃO DO TIPO HISTOLÓGICO PREDOMINANTE EM NEOPLASIAS MAMÁRIAS CANINAS DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVERSIDADE DE FRANCA NOS ANOS DE 00 a 0 Priscila Pavini Cintra ; César Augusto

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

Agentes... Célula Normal. Causa... Divisão Celular. Célula Neoplásica. Divisão Celular. Físicos Químicos Biológicos. Fatores Reguladores.

Agentes... Célula Normal. Causa... Divisão Celular. Célula Neoplásica. Divisão Celular. Físicos Químicos Biológicos. Fatores Reguladores. Célula Normal Ciclo Celular G 0 /G 1 /S/G 2 /M Divisão Celular Neoplasias Fatores Reguladores Controlada Estimuladores Inibidores Homeostase Célula Neoplásica Divisão Celular Ciclo Celular G 0 /G 1 /S/G

Leia mais

Neoplasias dos epitélios glandulares II

Neoplasias dos epitélios glandulares II Neoplasias dos epitélios glandulares II PATOLOGIA II Aula Prática nº4 MAMA: Correlação estrutura/lesão Cél. Basais/mioepiteliais Cél. Basais/mioepiteliais (actina) Cél. luminais Cél. luminais MAMA: Estrutura

Leia mais

Marília Ávila Acioly 1 ; Maria do Carmo Carvalho de Abreu e Lima 2

Marília Ávila Acioly 1 ; Maria do Carmo Carvalho de Abreu e Lima 2 ESTUDO CLÍNICO-PATOLÓGICO E IMUNOHISTOQUÍMICO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES JOVENS DIAGNOSTICADAS E TRATADAS NO HOSPITAL DE CÂNCER DE PERNAMBUCO NO PERÍODO DE 1996 A 2006. Marília Ávila Acioly 1 ; Maria

Leia mais

AVALIAÇÃO DA INTENSIDADE DE IMUNOMARCAÇÃO DE VEGF (VASCULAR ENDOTHELIAL GROWTH FACTOR) EM NEOPLASIAS MAMÁRIAS CANINAS

AVALIAÇÃO DA INTENSIDADE DE IMUNOMARCAÇÃO DE VEGF (VASCULAR ENDOTHELIAL GROWTH FACTOR) EM NEOPLASIAS MAMÁRIAS CANINAS AVALIAÇÃO DA INTENSIDADE DE IMUNOMARCAÇÃO DE VEGF (VASCULAR ENDOTHELIAL GROWTH FACTOR) EM NEOPLASIAS MAMÁRIAS CANINAS Caio Livonesi Dias de Moraes 1 ; Priscila Pavini Cintra 2 ; Sabryna Gouveia Calazans

Leia mais

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 38/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 22/02/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

História natural de carcinoma lobular x ductal

História natural de carcinoma lobular x ductal Filomena Marino Carvalho filomena@usp.br História natural de carcinoma lobular x ductal 1 Classificaçãohistológicados tumores de mama Carcinoma invasivo de tipo não especial (ductal invasivo) Subtipos

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de tratamento adjuvante e neoadjuvante do câncer de mama Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Tratamento sistêmico adjuvante A seleção de tratamento sistêmico

Leia mais

MELANOMA AMELANÓTICO COMPLEXO EM CÃO: RELATO DE CASO

MELANOMA AMELANÓTICO COMPLEXO EM CÃO: RELATO DE CASO MELANOMA AMELANÓTICO COMPLEXO EM CÃO: RELATO DE CASO JULIANA BRONDINO 1, LUCIANE DOS REIS MESQUITA 2, LUIS GUILHERME DE FARIA 3, GUILHERME COUTINHO VIEIRA 4, PHILIPI DE SOUZA COUTINHO 5 RESUMO: O melanoma

Leia mais

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO HOFFMANN, Martina L. 1 ; MARTINS, Danieli B. 2 ; FETT, Rochana R. 3 Palavras-chave: Carcinoma. Felino. Quimioterápico. Introdução O tumor

Leia mais

Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 209/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 01/11/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA PARECER Nº 2422/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 11/2013 PROTOCOLO N. º 10115/2013 ASSUNTO: CRITÉRIOS DE ALTA DE SERVIÇOS DE CANCEROLOGIA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Câncer urológico

Leia mais

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA Carcinomas Profª. Dra. Maria do Carmo Assunção Carcinoma tipo basal Grau 3 CK14 & CK5 = Positivo P63 pode ser positivo (mioepitelial) Triplo negativo

Leia mais

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952.

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952. 1 SPCC - Hospital São Marcos Clínica de Ginecologia e Mastologia UICC União Internacional Contra o Câncer - TNM 6ª edição ESTADIAMENTO DOS TUMORES DE MAMA HISTÓRIA DO TNM O sistema TNM para a classificação

Leia mais

Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço

Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço A P R E S E N T A D O R : S E L I N A L D O A M O R I M R E S I D E N T E D E C I R U R G I A D E C A B E Ç A E P E S

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ESPECIALIZAÇÃO EM BIOLOGIA MOLECULAR E CITOGENÉTICA HUMANA JOANA MARIA SANTANA SANTOS

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ESPECIALIZAÇÃO EM BIOLOGIA MOLECULAR E CITOGENÉTICA HUMANA JOANA MARIA SANTANA SANTOS UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ESPECIALIZAÇÃO EM BIOLOGIA MOLECULAR E CITOGENÉTICA HUMANA JOANA MARIA SANTANA SANTOS CITOGENÉTICA NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA LEUCEMIA MIELÓIDE

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

CÂNCER DE MAMA NA SENILIDADE

CÂNCER DE MAMA NA SENILIDADE CÂNCER DE MAMA NA SENILIDADE ANTOMIA PATOLÓGICA SENILIDADE aos 65? Diminuição da filtração glomerular Aumento de sensibilidade a mielotoxicidade Mucosite Neurotoxicidade Toxicidade cardíaca IDADE COMO

Leia mais

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV Aspectos Morfológicos das Neoplasias DEFINIÇÕES Neoplasia Tumor Câncer Inflamação/Neoplasia Termo comum a todos tumores malignos. Derivado do grego Karkinos

Leia mais

André Salazar e Marcelo Mamede CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY. Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil.

André Salazar e Marcelo Mamede CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY. Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil. F-FDG PET/CT AS A PREDICTOR OF INVASIVENESS IN PENILE CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY André Salazar e Marcelo Mamede Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil. 2014 CÂNCER

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÉCNICAS Citologia Histologia Imunohistoquímica Citometria Biologia molecular

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 MELANOMA MALIGNO AMELANÓTICO OSTEOCARTILAGINOSO NA CAVIDADE ORAL COM METÁSTASE PULMONAR EM UM CÃO: RELATO DE CASO. MALIGNANT AMELANOTIC OSTEOCARTILAGINOUS MELANOMA IN THE ORAL CAVITY WITH PULMONARY METASTASIS

Leia mais

Perfil epidemiológico da neoplasia mamária canina em Araçatuba: uma abordagem estatística

Perfil epidemiológico da neoplasia mamária canina em Araçatuba: uma abordagem estatística Perfil epidemiológico da neoplasia mamária canina em Araçatuba: uma abordagem estatística Walter Bertequini Nagata 1 Sílvia Helena Venturoli Perri 2 Flávia de Rezende Eugênio 3 Maria Gisela Laranjeira

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. CARDOSO, Michel¹; DELFINO, Gabriel Felipe Lima¹; NEGRETTI, Fábio² ¹Acadêmico do curso de Medicina da Unioeste ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da

Leia mais

Fundamentos de oncologia. Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo?

Fundamentos de oncologia. Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo? BIOLOGIA Cláudio Góes Fundamentos de oncologia 1. Introdução Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo? Nesta unidade, você verá que o termo câncer refere-se a uma variedade de

Leia mais

QUANDO PEDIR SEGUNDA OPINIÃO OU REPETIR IHQ? QUAL O MÍNIMO DE INFORMAÇÕES QUE O ONCOLOGISTA DEVE DEMANDAR? Dr. Carlos E. Bacchi Patologia 1

QUANDO PEDIR SEGUNDA OPINIÃO OU REPETIR IHQ? QUAL O MÍNIMO DE INFORMAÇÕES QUE O ONCOLOGISTA DEVE DEMANDAR? Dr. Carlos E. Bacchi Patologia 1 QUANDO PEDIR SEGUNDA OPINIÃO OU REPETIR IHQ? QUAL O MÍNIMO DE INFORMAÇÕES QUE O ONCOLOGISTA DEVE DEMANDAR? Dr. Carlos E. Bacchi Patologia 1 QUANDO PEDIR SEGUNDA Dr. Ira Bleiweiss of Mount Sinai OPINIÃO

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Educação e Artes Ciências Biológicas

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Educação e Artes Ciências Biológicas Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Educação e Artes Ciências Biológicas Aluna: Carolina Genúncio da Cunha Menezes Costa Orientadora: Prof.ª Dr.ª Renata de Azevedo Canevari Co-orientador: Prof.

Leia mais

Prof a Dr a Camila Souza Lemos IMUNOLOGIA. Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos. camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4

Prof a Dr a Camila Souza Lemos IMUNOLOGIA. Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos. camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4 IMUNOLOGIA Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4 Imunidade contra tumores Linfócitos T-CD8 (azul) atacando uma célula tumoral (amarela) A imunologia tumoral é o estudo

Leia mais

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Oncologia Aula 2: Conceitos gerais Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Classificação da Quimioterapia Em relação ao número de medicamentos usados; Em relação ao objetivo; Em relação à via de administração;

Leia mais

Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07

Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07 Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07 Tema: Linfonodo sentinela no câncer de mama I Data: 27/09/2007 II Grupo de Estudo: Izabel Cristina Alves Mendonça; Célia Maria da Silva;

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1) INTRODUÇÃO Neoplasia significa crescimento novo. O termo tumor é usado como sinônimo e foi originalmente usado para os aumentos de volume causados pela inflamação.

Leia mais

Alterações citogenéticas na leucemia linfocítica crônica

Alterações citogenéticas na leucemia linfocítica crônica 132_Newslab_Informe Científico Alterações citogenéticas na leucemia linfocítica crônica *Monika Conchon médica onco-hematologista Nos últimos anos, vários marcadores de prognóstico foram identificados

Leia mais

Perda da uniformidade nas células e desarranjo estrutural tecidual

Perda da uniformidade nas células e desarranjo estrutural tecidual .Leucoplasia: (grego: leuco = branco - plasis = formação) Transformação metaplásica do epitélio escamoso estratificado não ceratinizado consistindo em aumento das camadas de ceratina. Exemplos: mucosa

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

Câncer de Mama IZABELLA SERAPHIM PITANGA. Princípios Básicos História Natural Epidemiologia. Mastologista do Núcleo da Mama

Câncer de Mama IZABELLA SERAPHIM PITANGA. Princípios Básicos História Natural Epidemiologia. Mastologista do Núcleo da Mama Câncer de Mama Princípios Básicos História Natural Epidemiologia IZABELLA SERAPHIM PITANGA Mastologista do Núcleo da Mama O QUE É CÂNCER? Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DE 1.647 TUMORES MAMÁRIOS EM CÃES

ESTUDO RETROSPECTIVO DE 1.647 TUMORES MAMÁRIOS EM CÃES 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA ESTUDO RETROSPECTIVO DE 1.647 TUMORES MAMÁRIOS EM CÃES DISSERTAÇÃO DE MESTRADO José Carlos

Leia mais

O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO

O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Introdução Objetivo: Definir a extensão da doença: Estadiamento TNM (American Joint Committee on Cancer ). 1- Avaliação

Leia mais

GUSTAVO MEIRELLES RIBEIRO CARCINOMA EM TUMOR MISTO DA MAMA DA CADELA: AVALIAÇÃO DE ASPECTOS MORFOLÓGICOS E PERFIL IMUNOFENOTÍPICO.

GUSTAVO MEIRELLES RIBEIRO CARCINOMA EM TUMOR MISTO DA MAMA DA CADELA: AVALIAÇÃO DE ASPECTOS MORFOLÓGICOS E PERFIL IMUNOFENOTÍPICO. GUSTAVO MEIRELLES RIBEIRO CARCINOMA EM TUMOR MISTO DA MAMA DA CADELA: AVALIAÇÃO DE ASPECTOS MORFOLÓGICOS E PERFIL IMUNOFENOTÍPICO. Belo Horizonte 2010 GUSTAVO MEIRELLES RIBEIRO CARCINOMA EM TUMOR MISTO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-Graduação em Veterinária Tese DETERMINAÇÃO DE FATORES PROGNÓSTICOS PARA TUMORES MAMÁRIOS CANINOS Thomas Normanton Guim Pelotas, 2011 THOMAS NORMANTON GUIM

Leia mais

Iniciação. Angiogênese. Metástase

Iniciação. Angiogênese. Metástase Imunidade contra tumores Câncer Cancro, tumor, neoplasia, carcinoma Características: Capacidade de proliferação Capacidade de invasão dos tecidos Capacidade de evasão da resposta imune Câncer Transformação

Leia mais

APESP 246 Caso Botucatu. Dra. Viviane Hellmeister Camolese Martins - R2

APESP 246 Caso Botucatu. Dra. Viviane Hellmeister Camolese Martins - R2 APESP 246 Caso Botucatu Dra. Viviane Hellmeister Camolese Martins - R2 História Clínica LP, 55 anos, homem, branco, pedreiro, hipertenso Massa palpável em flanco E TC = massa de 8 cm no pólo superior renal

Leia mais

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER CITOLOGIA ONCÓTICA Neoplasia: crescimento desordenado de células, originando um tumor (massa de células) Tumor benigno: massa localizada de células que se multiplicam vagarosamente e se assemelham ao seu

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 HIPERPLASIA MAMÁRIA FELINA: CASOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DE UBERABA DE 2005 A 1015 DEBORAH VIEIRA DE SOUSA ROSIM 1, ENDRIGO GABELLINI LEONEL ALVES 1, IAN MARTIN 1 ; LARYSSA COSTA REZENDE 1

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ENTRE FATORES EPIDEMIOLÓGICOS E NEOPLASIAS MAMÁRIAS EM CADELAS

ASSOCIAÇÃO ENTRE FATORES EPIDEMIOLÓGICOS E NEOPLASIAS MAMÁRIAS EM CADELAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS CÂMPUS DE JABOTICABAL ASSOCIAÇÃO ENTRE FATORES EPIDEMIOLÓGICOS E NEOPLASIAS MAMÁRIAS EM CADELAS Carolina Silva Ramos Médica

Leia mais

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013 LINFOMAS GASTROINTESTINAIS Maria Otávia da Costa Negro Xavier Maio -2013 1 INTRODUÇÃO Cerca de 1 a 4% de todas as malignidades gastrointestinais são linfomas. Por definição os linfomas gastrointestinais

Leia mais

CHRISTINE HAUER PIEKARZ EXPRESSÃO DA E-CADERINA NO PROGNÓSTICO DE NEOPLASIAS MAMÁRIAS EM CADELAS

CHRISTINE HAUER PIEKARZ EXPRESSÃO DA E-CADERINA NO PROGNÓSTICO DE NEOPLASIAS MAMÁRIAS EM CADELAS CHRISTINE HAUER PIEKARZ EXPRESSÃO DA E-CADERINA NO PROGNÓSTICO DE NEOPLASIAS MAMÁRIAS EM CADELAS CURITIBA 2007 CHRISTINE HAUER PIEKARZ EXPRESSÃO DA E-CADERINA NO PROGNÓSTICO DE NEOPLASIAS MAMÁRIAS EM CADELAS

Leia mais

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante.

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante. Estudo de sobrevida de mulheres com câncer de mama não metastático tico submetidas à quimioterapia adjuvante Maximiliano Ribeiro Guerra Jane Rocha Duarte Cintra Maria Teresa Bustamante Teixeira Vírgilio

Leia mais

FATORES PROGNÓSTICOS NO CÂNCER DE MAMA

FATORES PROGNÓSTICOS NO CÂNCER DE MAMA REVIEW ARTICLE FATORES PROGNÓSTICOS NO CÂNCER DE MAMA PROGNOSTIC FACTORS IN BREAST CANCER Inês Stafin, Ludimilla Gracielly Ferreira Caponi, Thais Paiva Torres, Julliana Negreiros de Araujo e Virgílio Ribeiro

Leia mais

LIPOPEROXIDAÇÃO EM CADELAS COM CARCINOMA MAMÁRIO

LIPOPEROXIDAÇÃO EM CADELAS COM CARCINOMA MAMÁRIO 1 LIPOPEROXIDAÇÃO EM CADELAS COM CARCINOMA MAMÁRIO IVAN BRAGA RODRIGUES DE SOUZA 1, EDUARDO FERNANDES BONDAN 1,2, SANDRA CASTRO POPPE 1,2 1 Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo (SP), Brasil; 2 Universidade

Leia mais

Estudo clínico, histopatológico e imunoistoquímico de neoplasias mamárias em cadelas

Estudo clínico, histopatológico e imunoistoquímico de neoplasias mamárias em cadelas Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.64,n.5, p.1094-1100, 2012 Estudo clínico, histopatológico e imunoistoquímico de neoplasias mamárias em cadelas [Clinical, histopathological and immunohistochemical study

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

16/03/12 TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES

16/03/12 TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES Universidade Federal de Goiás Faculdade de Odontologia Programa de Pós-Graduação Disciplina de Biologia Oral Conhecimento da Anatomia das Glândulas Salivares MESTRANDOS ÉRIKA MARIA CARVALHO BITENCOURT

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

Key Words: câncer de mama, quimioterapia neoadjuvante, quimioterapia, resposta patológica, carbopaltina.

Key Words: câncer de mama, quimioterapia neoadjuvante, quimioterapia, resposta patológica, carbopaltina. Alta taxa de resposta completa patológica (prc) em câncer de mama triplo negativo após quimioterapia neoadjuvante sequencial Augusto Ribeiro GABRIEL, MD* Ruffo de FREITAS JÚNIOR, MD, PhD* * Programa de

Leia mais

ADENOCARCINOMA MAMÁRIO METASTÁTICO EM FELINO DOMÉSTICO: RELATO DE UM CASO RESUMO

ADENOCARCINOMA MAMÁRIO METASTÁTICO EM FELINO DOMÉSTICO: RELATO DE UM CASO RESUMO ADENOCARCINOMA MAMÁRIO METASTÁTICO EM FELINO DOMÉSTICO: RELATO DE UM CASO (Metastatic mammary adenocarcinoma in domestic felines: a case report) Kilder Dantas FILGUEIRA 1*, Nikolay Kiev Saraiva de ARAÚJO

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

4 Encontro de Enfermagem Ginecológica do Estado do Rio de Janeiro

4 Encontro de Enfermagem Ginecológica do Estado do Rio de Janeiro 4 Encontro de Enfermagem Ginecológica do Estado do Rio de Janeiro Afecções Oncológicas nas Mamas Enfª Giselle G. Borges Epidemiologia (BRASIL, 2012) Anatomia da mama (estruturas) Linfonodos Fisiologia

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

Disciplina: Patologia Bucal 5º período CÂNCER ORAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Disciplina: Patologia Bucal 5º período CÂNCER ORAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira Disciplina: Patologia Bucal 5º período CÂNCER ORAL http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Sigmund Freud ( 1856-1939, 83 anos ) durante 59 anos, mais de 20 charutos/dia

Leia mais

Paulo César Jark Serviço de Oncologia Veterinária Unesp - Jaboticabal

Paulo César Jark Serviço de Oncologia Veterinária Unesp - Jaboticabal Paulo César Jark Serviço de Oncologia Veterinária Unesp - Jaboticabal Metastatis (grego) Transferência, mudança de lugar Disseminação da doença Sinal de doença avançada Qual a via preferencial de metástase

Leia mais

Materiais e Métodos. 3. MATERIAL E MÉTODOS 3.1. Casuística

Materiais e Métodos. 3. MATERIAL E MÉTODOS 3.1. Casuística 3. MATERIAL E MÉTODOS 3.1. Casuística Foram selecionadas dos arquivos da Seção de Anatomia Patológica do Instituto Lauro de Souza Lima, pertencente à Coordenadoria dos Institutos de Pesquisa da Secretaria

Leia mais

Revista Ceres ISSN: 0034-737X ceresonline@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil

Revista Ceres ISSN: 0034-737X ceresonline@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Revista Ceres ISSN: 0034-737X ceresonline@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil de Miranda Leão Toríbio, Julia Morena; Lima, Alessandra Estrela; Ferreira Martins Filho, Emanoel; Rocha Ribeiro, Lorena

Leia mais

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação: Bioestatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2010 Organização Pesquisa Médica Variabilidade Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Leia mais

AVALIAÇÃO HISTOPATOLÓGICA DOS LINFONODOS AXILARES E INGUINAIS SUPERFICIAIS EM CADELAS

AVALIAÇÃO HISTOPATOLÓGICA DOS LINFONODOS AXILARES E INGUINAIS SUPERFICIAIS EM CADELAS 0 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE FACULDADE DE VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA E CLÍNICA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CLÍNICA E REPRODUÇÃO ANIMAL TÁBATA MAUÉS AVALIAÇÃO HISTOPATOLÓGICA

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO IMUNO-HISTOQUÍMICA DE INFILTRADO INFLAMATÓRIO EM TUMORES MAMÁRIOS ESPONTÂNEOS CANINOS

CARACTERIZAÇÃO IMUNO-HISTOQUÍMICA DE INFILTRADO INFLAMATÓRIO EM TUMORES MAMÁRIOS ESPONTÂNEOS CANINOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS CARACTERIZAÇÃO IMUNO-HISTOQUÍMICA DE INFILTRADO INFLAMATÓRIO EM TUMORES MAMÁRIOS

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

TUMOR VENÉREO TRANSMISSÍVEL (TVT) - REVISÃO DE LITERATURA TRANSMISSIBLE VENERAL TUMOR (TVT) REVIEW

TUMOR VENÉREO TRANSMISSÍVEL (TVT) - REVISÃO DE LITERATURA TRANSMISSIBLE VENERAL TUMOR (TVT) REVIEW TUMOR VENÉREO TRANSMISSÍVEL (TVT) - REVISÃO DE LITERATURA TRANSMISSIBLE VENERAL TUMOR (TVT) REVIEW SANTOS, Mariana Soares Pereira dos Acadêmica do curso de Medicina Veterinária da Faculdade de Medicina

Leia mais

ESTADIAMENTO. 1. Histórico

ESTADIAMENTO. 1. Histórico Curso de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família 68 ESTADIAMENTO O estadiamento tem como objetivo agrupar pacientes segundo a extensão anatômica da doença. Essa normatização tem grande valia

Leia mais