Processos de trabalho. Vigilância epidemiológica hospitalar do Câncer

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processos de trabalho. Vigilância epidemiológica hospitalar do Câncer"

Transcrição

1 Processos de trabalho Vigilância epidemiológica hospitalar do Câncer Núcleo Hospitalar de Epidemiologia Hospital Nossa Senhora da Conceição Hospital da Criança Conceição Fonte:

2 Processos de Trabalho ÊNFASE EM DETECÇÃO E INVESTIGAÇÃO

3 Processos de trabalho com ênfase em detecção e investigação de agravos Situação do Câncer no mundo, Brasil, RS e no HNSC Ações para o controle do Câncer no Brasil Recursos para o monitoramento do Câncer - SISRHC Projeto implementação do SISRHC gestão NHE Cenário da vigilância epidemiológica hospitalar Objetivos da VE hospitalar do Câncer Logística da VE hospitalar do Câncer Indicadores Roteiro da apresentação

4 Cenário da VE no âmbito hospitalar CARACTERÍSTICAS/ano HNSC HCC TOTAL Nº TOTAL DE LEITOS* Nº DE LEITOS UTI** Nº DE INTERNAÇÕES* Nº DE ATENDIMENTOS AMBULATORIAIS* Nº DE ATENDIMENTOS NA EMERGÊNCIA** Nº DE PARTOS** Nº DE FUNCIONÁRIOS* *Dados referentes ao ano 2013 **Dados referentes ao ano 2014

5

6 Equipe 3 médicas epidemiologistas: 1 pediatra e 2 infectologistas 4 enfermeiros 6 técnicos de enfermagem 1 auxiliar administrativo 2 funcionárias temporárias 4 estagiárias acadêmicas de enfermagem 1 estagiário da saúde coletiva

7 AÇÃO AÇÃO AÇÃO

8 ORGANOGRAMA INTERNO para referência e gerenciamento de tarefas Núcleo Hospitalar de Epidemiologia Hospital Nossa Senhora da Conceição Hospital da Criança Conceição SETEMBRO/2015

9 Vigilância Epidemiológica de ANC Responsável técnico NHE/HNSC-HCC- Ivana Responsável técnico enfermagem - Denise Doenças Transmissíveis (Resp. técnicos Carina e Patrícia) Doenças e agravos não transmissíveis (Resp. técnica Ivana) Agudas (Resp. técnica Carina) Crônicas (Resp. técnica Patricia) Violências Câncer Estatística vital Sentinelas SG (Carina) SRAG UTI (Carina) Rotavírus (Patrícia)

10 Doenças Transmissíveis (Enfermeiro resp. Denise ) Agudas (Enfermeiros resp. Ana) Crônicas (Enfermeiros resp. Fábio/Andréia) HCC-HNSC E. Denise (T) HCC-HNSC E. Ana(M) TB E. Fábio (T) Aids/HIV/ Sífilis E. Andréia (M) Hepatites E. Andréia (M) E. Fábio (T) Téc. Enf. Paulina (T) Téc. Enf. Ilda (M) Téc. Enf. Raquel (T) Téc. Enf. Eydrian (T) Angela Cris (T) Acad. Enf. Patricia (M) Téc. Enf. Silvia (M) Téc. Enf. Angela T. (M)

11 Doenças e agravos não transmissíveis (Enfermeiro resp. Ana-Denise/Fábio) Câncer E. Fábio Violências E. Denise Estatística vital Ivana Aux. Adm. Leilane Téc. Enf Ilma Aux. Adm. Leilane Aux. Enf. Angela T. Acad. Enf. Juliana Acad. Enf. Elisa

12

13 Procedimentos operacionais padronizados

14

15 Detecção de casos suspeitos da VE hospitalar Fontes de Informação: Profissionais (passiva) Censo hospitalar Busca ativa (visita diária) Sistema informatizado Planilha Estatística vital (recados) Registro Geral Farmácia (relatório PPES) Planilhas (base de dados) Radiologia HCC (NI)

16 Monitoramento Estatística Vital Tttttttttttttttt Tttttttttttttttttt ttttttttttt

17

18 Notificação e investigação violências aaaaaaaaaaaaaaaaaa

19

20 Vigilância Hospitalar do Câncer

21 Situação do Câncer no mundo O câncer é uma das principais causas de morte no mundo, (8,2 milhões de mortes em 2012), representando 22% de todas as causas de morte. As causas mais comuns de mortes por câncer são: Pulmão (1,59 milhões de mortes) Fígado ( de mortes) Estômago ( mortes) Colorretal ( mortes) Mama ( mortes) Esôfago ( mortes)

22 Incidência e Mortalidade de câncer em ambos os sexos, todas as idades, segundo localização primária, por habitantes, no mundo, 2012.

23 Incidência e Mortalidade de câncer em homens, todas as idades, segundo localização primária, por habitantes, no mundo, 2012.

24 Incidência e Mortalidade de câncer em mulheres, todas as idades, segundo localização primária, por habitantes, no mundo, 2012.

25 Epidemiologia do Câncer no Brasil No Brasil, em 2010, houve óbitos dos quais 31,1% ocorreram na faixa etária de 20 a 59 anos. As principais causas de óbito, segundo os capítulos da CID-10 foram: (1º) Causas externas (27,6%); (2º) Doenças do aparelho circulatório (20,0%); (3º) Neoplasias (16,4%). Saúde Brasil 2011 : uma análise da situação de saúde e a vigilância da saúde da mulher, MS,SVS, 2012.

26 Situação do Câncer no Brasil Houve aumento da proporção dos óbitos por neoplasias (de 12,1% em 1996 para 16,4% em 2010). Em mulheres, entre 20 e 59 anos, no Brasil: 1ª causa de morte: doenças cerebrovasculares; 2ª causa de morte: doenças isquêmicas do coração; na Região Norte esta posição foi ocupada pela neoplasia maligna do colo do útero; 3ª causa de morte: neoplasia maligna da mama feminina. Saúde Brasil 2011 : uma análise da situação de saúde e a vigilância da saúde da mulher, MS,SVS, 2012.

27 Epidemiologia do Câncer no Brasil Em 2014 estima-se o registro de: casos novos de câncer no Brasil; casos novos no Rio Grande do Sul; casos novos em Porto Alegre entre casos estimados em todas as capitais brasileiras (5,1%); O estado de SP apresenta o maior número de casos novos estimados de câncer ( casos), seguido do RJ ( casos), MG ( casos), RS ( casos), PR (40.010) e SC ( casos). INCA. Estimativa Incidência de Câncer no Brasil.

28 Distribuição proporcional dos dez tipos de câncer mais incidentes estimados para 2014 por sexo, exceto pele não melanoma. Brasil. INCA. Estimativa Incidência de Câncer no Brasil.

29 Representação espacial das taxas brutas de incidência por 100 mil homens, estimadas para o ano de 2014, segundo Unidade de Federação (todas as neoplasias malignas, exceto as de pele não melanoma). Brasil. INCA. Estimativa Incidência de Câncer no Brasil.

30 Representação espacial das taxas brutas de incidência por 100 mil mulheres, estimadas para o ano de 2014, segundo Unidade de Federação (todas as neoplasias malignas, exceto as de pele não melanoma). Brasil. INCA. Estimativa Incidência de Câncer no Brasil.

31 Estimativas para o ano 2014 das taxas brutas de incidência de neoplasias malignas, exceto pele não melanoma, por 100 mil hab, e do nº de casos novos de câncer, segundo sexo e localização primária, RGS e Porto Alegre.

32 Ações para controle do Câncer no Brasil Entre os 16 Objetivos Estratégicos do Ministério da Saúde para o período , foram incluídas as ações de controle de câncer: Ações de redução da prevalência do tabagismo; Ampliação de acesso, diagnóstico e tratamento em tempo oportuno dos cânceres de mama e do colo do útero; Publicação da nova Política Nacional de Prevenção e Controle de Câncer na Rede de Atenção às Pessoas com Doenças Crônicas (PNPCC-RAS), por meio da Portaria nº 874, de 16 de maio de 2013.

33 Ações para controle do Câncer no Brasil Assegurar o acesso e a qualidade da assistência ao paciente com neoplasia maligna: a Lei , decretada em 22 de novembro de 2012, em vigor em 23 de maio de 2013 dispõe sobre o primeiro tratamento (cirurgia, radioterapia, quimioterapia) de paciente com neoplasia maligna comprovada e estabelece prazo para seu início 60 dias contados a partir da confirmação diagnóstica em laudo patológico, ou menor, conforme a necessidade terapêutica do caso.

34 Recursos para o monitoramento do câncer em serviços de saúde Otimizar as ferramentas de monitoramento e avaliação do perfil epidemiológico do câncer em serviços de saúde e destacam-se: Registro Hospitalar do Câncer (RHC) Sistema de Informação de Câncer (SISCAN).

35 Projeto de Vigilância Epidemiológica do Câncer no GHC

36

37 Diagnóstico da situação no GHC 1º estudo Objetivo: identificar causas de hospitalizações conforme CID-10 principal na alta e tendências. Estudo comparou nº hospitalizações no HNSC conforme CID-10 no 1º sem X 1º sem. 2013; Amostra: hospitalizações no HNSC no primeiro semestre de 2012, e no mesmo período em 2013 (total=23.483); subtraindo as hospitalizações com perda de informação do CID principal, nos dois períodos (2,5%) a amostra foi de hospitalizações.

38 Distribuição das causas de hospitalizações no HNSC conforme CID-10, no primeiro semestre de 2012 e de n= Proporção Nº (%) 2013 n= Proporção Nº (%) HNSC Dif (%) P GRAVIDEZ, PARTO E PUERPÉRIO , ,3 0,5 0,39 NEOPLASIAS , ,8 0,9 0,07 DOENÇAS DO APARELHO DIGESTIVO , ,8 0,3 0,49 DOENÇAS DO APARELHO CIRCULATÓRIO , ,0 0,3 0,46 DOENÇAS DO APARELHO GENITOURINÁRIO , ,7-0,5 0,19 DOENÇAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO 740 6, ,4-0,7 0,02 DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS 635 5, ,1-0,2 0,51 SINTOMAS, SINAIS E ACHADOS ANORMAIS DE EXAMES CLÍNICOS E LABORATORIAIS CLASSIFICADOS 613 5, ,7-0,4 0,17 EM OUTRA PARTE DOENÇAS ENDÓCRINAS, NUTRICIONAIS E METABÓLICAS 372 3, ,1 0 1,00 TRANSTORNOS MENTAIS 146 1,2 99 0,9-0,3 0,03 DOENÇAS DO SISTEMA NERVOSO 121 1, ,0 0 1,00 FATORES QUE INFLUENCIAM O ESTADO DE SAÚDE , ,3-0,1 0,55 DEMAIS DOENÇAS** 448 3, ,8 0,1 0,71

39 Diferenças nas proporções de hospitalizações conforme CID-10 informado na alta hospitalar: 1º semestre 2012 X 1º semestre 2013 P=0,02 P=0,03

40 Diagnóstico da situação no GHC Objetivo: 2º estudo Avaliar o perfil de hospitalizações ocorridas nos hospitais do GHC, em 2013, utilizando o CID-10 do relatório de hospitalizações por período disponível no prontuário eletrônico do GHC. Identificar as topologias de neoplasias mais frequentes, por faixa etária e sexo entre as hospitalizações do GHC.

41 Diagnóstico da situação no HNSC 2º estudo Em 2013 houve hospitalizações no HNSC, e foram de pacientes do sexo feminino (63,0%). Observamos predomínio da faixa etária de 50 a 59 anos e 60 anos ou mais acumulando 48,2% do total de hospitalizações. Houve hospitalizações por neoplasias (16,3%).

42 Diagnóstico da situação no HNSC 2º estudo ,0 35,0 30, ,0 Nº ,7 16,2 15,0 13,3 16,2 20,0 15,0 10,0 5,0 % 0 0,0 0,6 0,0 5 a 9 10 a a a a a a ou mais Faixa etária F M % Número de hospitalizações por sexo e faixa etária e distribuição das hospitalizações por faixa etária (%), HNSC, 2013.

43 XV II XI IX XIV I X XVIII IV VI XXI XII V XIII III XIX e XX XVIII VIII Outros VII XVI Diagnóstico da situação no HNSC 2º estudo ,1 16,3 25,0 20,0 Nº ,6 13,0 8,0 7,7 6,3 5,3 15,0 10,0 % ,2 1,5 1,2 1,1 0,9 0,8 0,6 0,6 0,3 0,2 0,1 0,1 0,1 5,0 0 0,0 Nº % Número e distribuição (%) de hospitalizações conforme CID-10 principal. HNSC, 2013.

44 CAPÍTULO I Algumas Doenças Infecciosas e Parasitárias (A00-B99) CAPÍTULO II Neoplasias (C00-D48) CAPÍTULO III Doenças do Sangue e dos Órgãos Hematopoiéticos e Alguns (D50-D89) Transtornos Imunitários CAPÍTULO IV Doenças Endócrinas, Nutricionais e Metabólicas (E00-E88) CAPÍTULO V Transtornos Mentais e Comportamentais (F01-F99) CAPÍTULO VI Doenças do Sistema Nervoso (G00-G98) CAPÍTULO VII Doenças do Olho e Anexos (H00-H57) CAPÍTULO VIII Doenças do Ouvido e Apófise Mastóide (H60-H93) CAPÍTULO IX Doenças do Aparelho Circulatório (I00-I99) CAPÍTULO X Doenças do Aparelho Respiratório (J00-J98 E U04=SARS) CAPÍTULO XI Doenças do Aparelho Digestivo (K00-K92) CAPÍTULO XII Doenças da Pele e do Tecido Subcutâneo (L00-L98) CAPÍTULO XIII Doenças do Sistema Osteomuscular e do tecido Conjuntivo (M00-M99) CAPÍTULO XIV Doenças do Aparelho Geniturinário (N00-N98) CAPÍTULO XV Gravidez, Parto e Puerpério (O00-O99) CAPÍTULO XVI Algumas Afecções Originadas no Período Perinatal (P00-P96) CAPÍTULO XVII Malformações congênitas, deformidades e anomalias (Q00-Q99) cromossômicas CAPÍTULO XVIII Sintomas, Sinais e Achados Anormais de Exame Clínico e de (R00-R99) Laboratório classif em Outra parte CAPÍTULO XIX E XX Lesões, envenenamentos E Causas Externas de Morbidade e de Mortalidade (S00-T98 E V01-Y89) CAPÍTULO XXI Fatores que influenciam o estado de saúde (Z00-Z99)

45 Diagnóstico da situação no GHC 2º estudo Entre as hospitalizações por neoplasias: 288 hospitalizações por neoplasias benignas (8,7%) 388 hospitalizações por neoplasias de comportamento incerto ou desconhecido (11,7%), 78 hospitalizações por neoplasia in situ (2,4%) hospitalizações por neoplasias malignas (77,2%).

46 Diagnóstico da situação no GHC 2º estudo As cinco topologias de neoplasias malignas mais frequentes entre as hospitalizações foram: Cólon e reto (15,5%), Tecido linfático, hematopoiético e correlatos (12,9%), Mama (12,4%), Pulmões e brônquios (8,1%) e Lábio, cavidade oral e faringe (5,7%).

47 Número de hospitalizações por neoplasias malignas principais, conforme faixa etária. HNSC, Nº Cólon e reto Tec. linfático, hematopoiético Mama Pulmões e brônquios Lábio, cavidade oral e faringe 60 ou mais

48 Distribuição das hospitalizações por neoplasias malignas, conforme sexo. HNSC, ,0 15,0 10,0 5,0 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 % C ólo n e ret o T ec. linf át ico, hemat o p o iét ico Lábio, cavidade oral e f aringe Pulmões e brônquios Esôf ago Trat o U rinário Próst at a Est ômago Localizações mal def inidas A p. resp., excet o pulmões Out ro s órg ão s g enit ais F íg ad o Pele Pâncreas Tireóide e out ras glândulas T ec. M eso t elial e t ec. M o les V esicula biliar ou vias biliares Int est ino delgado Out ros órgãos digest ivos Sist ema N ervo so M ama C olo do út ero Ovário C orpo do út ero V ulva o u vag ina Ossos e cart ilagens art iculares 14,9 13,8 10,3 9,0 7,3 6,8 6,6 5,5 5,3 5,2 4,1 3,0 2,2 1,9 1,5 1,1 0,5 0,4 0,1 0,1 0,5 1,4 1,7 3,3 0,0 2,0 0,8 1,1 2,4 1,2 2,8 1,4 1,2 0,2 0,2 0,3 3,3 2,7 1,3 1,2 0,2 6,0 6,1 7,3 12,0 16,1 23,6 Hom ens Mulheres

49 Objetivos da VE hospitalar do Câncer Geral Implementar sistema de informações com inclusão de variáveis que permitam a análise periódica do perfil epidemiológico, da magnitude e transcendência dos casos de neoplasias malignas nos hospitais do Grupo Hospitalar Conceição.

50 Objetivos da VE hospitalar do Câncer Específicos Monitorar o número de casos novos e número de óbitos por câncer no GHC, por Unidade Hospitalar do GHC e por serviços; Monitorar o estadiamento dos casos de câncer atendidos no GHC no momento do diagnóstico e da admissão; Identificar a letalidade, conforme topologia do câncer, gênero, faixa etária, estadiamento no momento do diagnóstico e Unidade Hospitalar (acesso ao SIM);

51 Objetivos da VE hospitalar do Câncer Específicos Realizar análise descritiva da proporção de pacientes com câncer anualmente identificados com indicação de primeiro tratamento com quimioterapia, cirurgia, indicação de radioterapia e sem indicação de tratamento.

52 Objetivos da VE hospitalar do Câncer Específicos Monitorar com periodicidade bimensal os indicadores relacionados à qualidade da assistência ao paciente com neoplasia maligna: tempo entre diagnóstico e início do tratamento Auxiliar no estabelecimento de prioridades das ações em saúde;

53 Objetivos da VE hospitalar do Câncer Específicos Monitorar as tendências de proporção de hospitalizações por CID-10 e letalidade ao longo do tempo; Monitorar as tendências das características epidemiológicas dos pacientes com câncer ao longo do tempo; Prover informações para a qualificação no diagnóstico e tratamento.

54 Detecção de casos suspeitos da VE hospitalar do Câncer (programa BI)

55 Monitoramento Diagnóstico Neoplasia Identifica todos os exames anátomo-patológicos (AP) realizados de pacientes atendidos em ambulatórios ou hospitalizados no HNSC, HCC, HCR e HF. Em 2013, no HNSC, houve exames AP realizados de pacientes (28,5% duplicidades do sistema de vigilância);

56 Monitoramento Diagnóstico Neoplasia frequência de materiais enviados para AP (n=3.827 exames)

57 Detecção de casos suspeitos da VE hospitalar do Câncer (exporta para excel)

58 Logística da VE Câncer Detecção: banco excel materiais de AP anual que agrega dados cadastrais do prontuário eletrônico; Investigação: preenchimento da ficha de registro de tumor conforme prontuário eletrônico de cada paciente; Consolidação: revisão de TNM por oncologista Digitação no SISRHC Envio ou exportação anual da base de dados

59 Funcionalidades implementadas na VE Câncer Abrir banco em access que importou as informações cadastrais do BI e imprimir as fichas simplificadas por material Investigação com preenchimento manual da ficha Digitação no SISRHC automática dos dados cadastrais. Digitação dos demais dados

60 Funcionalidades implementadas na VE Câncer BI capta dados cadastrais do PE Exportação dados cadastrais para banco ACCESS Impressão ficha simplificada SISRHC com preenchimento automático de dados cadastrais Digitação automática dos dados cadastrais no SISRHC

61

62

63

64 Monitoramento da Morbimortalidade

65 Monitoramento de Indicadores Nº casos novos de câncer por Unidade Hospitalar do GHC, por mês e ano do diagnóstico; Nº de óbitos por câncer por Unidade Hospitalar do GHC, por mês e ano do óbito; Nº de casos de câncer por serviços das Unidades Hospitalares do GHC, específicos por topologia do câncer, sexo, faixa etária e procedência;

66 Monitoramento de Indicadores Taxa de letalidade por neoplasia maligna por Unidade Hospitalar do GHC; Taxa de letalidade por neoplasia maligna por Unidade Hospitalar do GHC estratificados por topologia do câncer, gênero, faixa etária e estadiamento no momento do diagnóstico e da admissão;

67 Monitoramento de Indicadores Proporção de pacientes com câncer anualmente identificados com indicação de primeiro tratamento com quimioterapia, cirurgia, indicação de radioterapia e sem indicação de tratamento em relação ao total de casos registrados no período.

68 Qualificação da assistência ao paciente Detecção diária dos casos novos de câncer diagnosticados; Envio da informação para a coordenação da Linha de Cuidado Oncologia Referência para atendimento Objetivo: redução do tempo entre o diagnóstico e tratamento Relatório mensal Boletim anual

69

70 Aqueles que passam por nós, não vão sós, Não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, Levam um pouco de nós Antoine de Saint-Exupéry Obrigada

ANO VII NÚMERO 20 Dezembro 2014 Monitoramento do Câncer no Grupo Hospitalar Conceição

ANO VII NÚMERO 20 Dezembro 2014 Monitoramento do Câncer no Grupo Hospitalar Conceição Boletim Epidemiológico Núcleo Hospitalar de Epidemiologia HNSC ANO VII NÚMERO 2 Dezembro 214 Monitoramento do Câncer no Grupo Hospitalar Conceição Ivana R. Santos Varella, Pediatra, Doutora em Epidemiologia

Leia mais

Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha

Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha Coordenação Geral de Ações Estratégicas - CGAE Instituto Nacional de Câncer - INCA Cenário do Câncer no Mundo: perspectiva de crescimento

Leia mais

ULS Alto Minho. Perfil Local de Saúde 2009. Aspectos a destacar

ULS Alto Minho. Perfil Local de Saúde 2009. Aspectos a destacar Perfil Local de Saúde 2009 Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência da

Leia mais

Óbitos de menores de um ano 2000 2003 Porto Alegre

Óbitos de menores de um ano 2000 2003 Porto Alegre Óbitos de menores de um ano 2000 2003 Porto Alegre Tabela 1 - Distribuição dos óbitos infantis, segundo a classificação de evitabilidade, Porto Alegre, 1996/1999 ANOS ÓBITOS EVITÁVEIS 1996 1997 1998 1999

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico ISSN 1806-0463 Secretaria da Saúde v. 14 Suplemento 1 12 Boletim Epidemiológico Análise da Mortalidade por Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Rio Grande Luciana Sehn 1 1 Estatística do Centro Estadual

Leia mais

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Maio de 2013 Magnitude do Câncer no Brasil 518 mil novos casos em 2013 Câncer de pele não melanoma deve responder

Leia mais

Encontro internacional sobre rastreamento de câncer de mama

Encontro internacional sobre rastreamento de câncer de mama Encontro internacional sobre rastreamento de câncer de mama O Câncer de Mama no Brasil Situação epidemiológica e rastreamento 17/04/2009 CÂNCER DE MAMA NO BRASIL MORBIMORTALIDADE NÚMERO TAXA (*) NOVOS

Leia mais

A situação do câncer no Brasil 1

A situação do câncer no Brasil 1 A situação do câncer no Brasil 1 Fisiopatologia do câncer 23 Introdução O câncer é responsável por cerca de 13% de todas as causas de óbito no mundo: mais de 7 milhões de pessoas morrem anualmente da

Leia mais

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 288,39 Urbana 309,57 Rural 167,10

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 288,39 Urbana 309,57 Rural 167,10 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Jacundá DEMOGRAFIA População Total 51.360 População por Gênero Masculino 25.769 Participação % 50,17 Feminino 25.591

Leia mais

EDUCAÇÃO Total de Escolas no Município Ensino Fundamental Ensino Médio Número de Matrículas Educação Infantil Creche 237

EDUCAÇÃO Total de Escolas no Município Ensino Fundamental Ensino Médio Número de Matrículas Educação Infantil Creche 237 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Água Azul do Norte DEMOGRAFIA População Total 25.057 População por Gênero Masculino 13.618 Participação % 54,35 Feminino

Leia mais

4 Indicadores Sociais

4 Indicadores Sociais 4 Indicadores Sociais 4.1 Indicadores de Saúde 4.1.1 Taxa mortalidade infantil (por mil nascidos vivos) e mortalidade por ano (por mil habitantes) - 1997 a 2013 Ano Mortalidade infantil Mortalidade por

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471.

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471.980 População por Gênero Masculino 226.635 Participação % 48,02 Feminino 245.345

Leia mais

2000 2003 Porto Alegre

2000 2003 Porto Alegre 2000 2003 Porto Alegre 1 Tabela 1- Série histórica do número de óbitos e Coeficientes de Mortalidade Geral (CMG) no Brasil, Rio Grande do Sul e Porto Alegre, 1980-2003 Brasil RS Porto Alegre Ano óbitos

Leia mais

1ª Oficina Nacional do QUALIDIA

1ª Oficina Nacional do QUALIDIA 1ª Oficina Nacional do QUALIDIA LINHAS DE CUIDADO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES EXPERIÊNCIA DE DIADEMA SP Dra Lidia Tobias Silveira Assistente Gbi Gabinete SMS Diadema Linhas de cuidado de HA e DM

Leia mais

TEXTO 2 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO CÂNCER DE MAMA. Tânia Aparecida Correia Furquim 1

TEXTO 2 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO CÂNCER DE MAMA. Tânia Aparecida Correia Furquim 1 TEXTO 2 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO CÂNCER DE MAMA Tânia Aparecida Correia Furquim 1 A prevenção, a detecção e o tratamento do câncer de mama (CM) formam hoje o grande objetivo para a melhoria da saúde

Leia mais

Audiência Pública Senado

Audiência Pública Senado Audiência Pública Senado Tema "políticas públicas de prevenção do câncer de intestino, bem como instruir a elaboração de projeto de lei com o propósito de instituir o Dia Nacional de Prevenção do Câncer

Leia mais

CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU

CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU Berenice Navarro Antoniazzi Epidemiologista Coordenadora

Leia mais

Indicadores hospitalares

Indicadores hospitalares Indicadores hospitalares Núcleo de Informação em Saúde de- NIS Hospital das Clínicas - FMUSP Departamento de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina USP Hospital das Clinicas - FMUSP Complexo hospitalar

Leia mais

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde/SMS Coordenadoria Geral de Vigilância da Saúde/CGVS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis PORTO

Leia mais

Registo Oncológico Nacional 2008

Registo Oncológico Nacional 2008 Registo Oncológico Nacional 2008 Elaborado pelo Registo Oncológico Regional do Centro Editado pelo Instituto Português de Oncologia de Coimbra Francisco Gentil EPE 2 Registo Oncológico Nacional 2008 Elaborado

Leia mais

RRAS 11 DRS Presidente Prudente (Regiões de Saúde: Alta Paulista, Alta Sorocabana, Alto Capivari, Extremo Oeste Paulista e Pontal Paranapanema)

RRAS 11 DRS Presidente Prudente (Regiões de Saúde: Alta Paulista, Alta Sorocabana, Alto Capivari, Extremo Oeste Paulista e Pontal Paranapanema) Caracterização da assistência oncológica nas Redes Regionais de Atenção à Saúde no estado de São Paulo RRAS 11 DRS Presidente Prudente (Regiões de Saúde: Alta Paulista, Alta Sorocabana, Alto Capivari,

Leia mais

Rede de Teleassistência de Minas Gerais. Antonio Ribeiro Hospital das Clínicas da UFMG

Rede de Teleassistência de Minas Gerais. Antonio Ribeiro Hospital das Clínicas da UFMG Rede de Teleassistência de Minas Gerais Antonio Ribeiro Hospital das Clínicas da UFMG Outubro de 2014 até Setembro/2014 Número de akvidades 50.000 45.000 ECGs (821 pontos) e Teleconsultorias online e

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 Renata Loretti Ribeiro 2 Introdução O câncer representa uma causa importante de morbidez e mortalidade, gerador de efeitos que

Leia mais

Introdução. Métodos Resultados

Introdução. Métodos Resultados GASTO MÉDIO PER CAPITA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE COM MEDICAMENTOS EXCEPCIONAIS Cristina Mariano Ruas Brandão Iola Gurgel Andrade, Mariângela Leal Cherchiglia, Grazielle Dias da Silva, Augusto Afonso Guerra

Leia mais

COBERTURA DE MAMOGRAFIAS REALIZADAS NO MUNICÍPIO DE SOUSA PARAÍBA COM REGISTRO NO SISMAMA

COBERTURA DE MAMOGRAFIAS REALIZADAS NO MUNICÍPIO DE SOUSA PARAÍBA COM REGISTRO NO SISMAMA COBERTURA DE MAMOGRAFIAS REALIZADAS NO MUNICÍPIO DE SOUSA PARAÍBA COM REGISTRO NO SISMAMA 1 Introdução/ Desenvolvimento Alinne Vieira Alves 1 Ana Claudia Moreira Santaba 2 Ana Janielli de Souza 3 Juliana

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 4º TRIMESTRE

RELATÓRIO DE GESTÃO 4º TRIMESTRE RELATÓRIO DE GESTÃO 4º TRIMESTRE 2010 Secretaria Municipal de Saúde ÍNDICE APRESENTAÇÃO 1 1 IDENTIFICAÇÃO MUNICIPAL 2 2 BASES LEGAIS 2 3 DADOS DEMOGRÁFICOS 2 4 CONTROLE SOCIAL E PARTICIPAÇÃO POPULAR 3

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS

CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS Scaleti Vanessa Brisch 1 Beatriz Rosana Gonçalves de Oliveira Toso RESUMO: Estudo sobre as causas de internações

Leia mais

Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias

Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias Felipe Sodré felipe.b4rros@gmail.com ( PUC-Rio) Felipe Fraifeld felipefrai@gmail.com (PUC-Rio) Leonardo Novaes - Objetivo geral: O

Leia mais

Cenário da Saúde da Criança e da Oncologia Pediátrica: avanços e desafios para a organização da rede assistencial

Cenário da Saúde da Criança e da Oncologia Pediátrica: avanços e desafios para a organização da rede assistencial Cenário da Saúde da Criança e da Oncologia Pediátrica: avanços e desafios para a organização da rede assistencial José Eduardo Castro jose.castro@cancer.org.br Alguns conceitos no estudo da rede assitêncial

Leia mais

Prefeitura Municipal de Venda Nova do Imigrante

Prefeitura Municipal de Venda Nova do Imigrante INTRODUÇÃO II - DO OBJETO E DESCRIÇÃO DOS PRODUTOS III - DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA IV - DAS CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO V - DO RECEBIMENTO DA DOCUMENTAÇÃO E DA PROPOST VI - ABERTURA DOS ENVELOPES VII - DA DOCUMENTAÇÃO

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS Estado do Paraná

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS Estado do Paraná SECRETARIA EXECUTIVA LEI Nº 3.336, DE 30 DE AGOSTO DE 2006 Dispõe sobre a criação de empregos públicos para a execução dos Programas de Saúde da Família e Agentes Comunitários de Saúde. A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo DEMOGRAFIA População Total 15.690 População por Gênero Masculino 8.314 Participação % 52,99 Feminino 7.376

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves DEMOGRAFIA População Total 92.860 População por Gênero Masculino 47.788 Participação % 51,46 Feminino 45.072 Participação

Leia mais

RELATO DA IMPLANTAÇÃO DO REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER NO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ.

RELATO DA IMPLANTAÇÃO DO REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER NO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. RELATO DA IMPLANTAÇÃO DO REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER NO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. COORDENADOR Prof a. Dr a. Denise Siqueira de Carvalho AUTOR

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará DEMOGRAFIA População Total 7.475 População por Gênero Masculino 3.879 Participação % 51,89 Feminino

Leia mais

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra DEMOGRAFIA População Total 20.183 População por Gênero Masculino 10.292 Participação % 50,99 Feminino 9.891

Leia mais

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Marabá DEMOGRAFIA População Total 233.669 População por Gênero Masculino 118.196 Participação % 50,58 Feminino 115.473

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba DEMOGRAFIA População Total 97.493 População por Gênero Masculino 49.681 Participação % 50,96 Feminino 47.812

Leia mais

5.º Ano 2014 Campanha de Prevenção do Câncer de Intestino Grosso 2016 O que é o intestino grosso? 1,5 m de comprimento 6,5 cm de diâmetro COLON SIGMÓIDE CECO ÂNUS Câncer de Intestino Grosso Surge, em 90%

Leia mais

10,00 9,00 8,00 7,00 6,00 5,00 4,00 3,00 2,00 1,00 0,00

10,00 9,00 8,00 7,00 6,00 5,00 4,00 3,00 2,00 1,00 0,00 SÉRIE TEMPORAL DAS TAXAS DE MORTALIDADE, BRUTAS E AJUSTADAS POR IDADE PELAS POPULAÇÕES MUNDIAL E BRASILEIRA, PARA TOPOGRAFIAS SELECIONADAS, ENTRE E SANTA CATARINA Taxas de mortalidade por câncer do estômago,

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

ALAGOAS ATLAS DE MORTALIDADE POR CÂNCER NO BRASIL 1979-1999

ALAGOAS ATLAS DE MORTALIDADE POR CÂNCER NO BRASIL 1979-1999 SÉRIE TEMPORAL DAS TAXAS DE MORTALIDADE, BRUTAS E AJUSTADAS POR IDADE PELAS POPULAÇÕES MUNDIAL E BRASILEIRA, PARA TOPOGRAFIAS SELECIONADAS, ENTRE E ALAGOAS Taxas de mortalidade por câncer do estômago,

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 04-Abr-2016 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 04/04/2016 Que tal aproveitar o Dia Mundial do Câncer

Leia mais

Capacitação de Profissionais em Prevenção, Controle e Assistência Oncológica

Capacitação de Profissionais em Prevenção, Controle e Assistência Oncológica Programa 0011 PREVENÇÃO E CONTROLE DO CÂNCER E ASSISTÊNCIA ONCOLÓGICA Objetivo Indicador(es) Promover a prevenção, a detecção precoce dos tipos de câncer prevalentes e a assistência à população para reduzir

Leia mais

Câncer no Brasil - Dados dos Registros de Base Populacional Volume IV. Novembro/2010

Câncer no Brasil - Dados dos Registros de Base Populacional Volume IV. Novembro/2010 Câncer no Brasil - Dados dos Registros de Base Populacional Volume IV Novembro/2010 O QUE É? Registro de Câncer de Base Populacional RCBP: são centros sistematizados de coleta, armazenamento, processamento

Leia mais

Causas de morte 2013

Causas de morte 2013 Causas de morte 2013 26 de maio de 2015 Causas de morte 2013 Os tumores malignos e as doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de mais de metade dos óbitos ocorridos no país em 2013, representando

Leia mais

IV Seminário de Promoçã e Prevençã. ção à Saúde. ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar. I Seminário de Atençã. Suplementar.

IV Seminário de Promoçã e Prevençã. ção à Saúde. ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar. I Seminário de Atençã. Suplementar. IV Seminário de Promoçã ção o da Saúde e Prevençã ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar I Seminário de Atençã ção à Saúde Suplementar Dezembro 2007 Área de Atençã ção à Saúde da Mulher Marco Regulatório

Leia mais

SISMAMA INDICADORES DE QUALIDADE

SISMAMA INDICADORES DE QUALIDADE SISMAMA INDICADORES DE QUALIDADE Encontro Nacional de Coordenadores Maio/2011 SISMAMA Portaria SAS 779/08 Subsistema do sistema de faturamento ambulatorial do (SIA-SUS) Faturamento dos serviços de mamografia,

Leia mais

ACES Vale Sousa Sul. Perfil Local de Saúde 2009. Aspectos a destacar

ACES Vale Sousa Sul. Perfil Local de Saúde 2009. Aspectos a destacar Perfil Local de Saúde 2009 Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência do

Leia mais

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Memorias Convención Internacional de Salud. Cuba Salud 15 ISBN 78-5-1-63-4 ID:177 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Andrade Rios, Marcela; Rodrigues

Leia mais

ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DO CÂNCER NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO FATORES DE RISCO

ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DO CÂNCER NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO FATORES DE RISCO MINISTÉRIO DA SAÚDE INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER/CONPREV SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE / FUNDAÇÃO ONCOCENTRO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE / PRO-AIM FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer: Conceitos, rotinas e instruções de preenchimento

Registro Hospitalar de Câncer: Conceitos, rotinas e instruções de preenchimento Fundação Oncocentro de São Paulo Registro Hospitalar de Câncer: Conceitos, rotinas e instruções de preenchimento 2013 2º edição ÍNDICE APRESENTAÇÃO p. 03 1 ROTINAS E CONCEITOS p. 05 1.1 REGISTRO HOSPITALAR

Leia mais

BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE. Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003

BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE. Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003 BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003 Percentual de NV filhos de mães adolescentes. Belo Horizonte, 1996-2002.

Leia mais

Circular 0078/2000 São Paulo, 21 de Fevereiro de 2000.

Circular 0078/2000 São Paulo, 21 de Fevereiro de 2000. Circular 0078/2000 São Paulo, 21 de Fevereiro de 2000. IX Encontro de Provedores, Diretores e Administradores Hospitalares de Santas Casas e Entidades Filantrópicas do Estado de São Paulo De: 13 a 15 de

Leia mais

ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PROMOÇÃO À SAÚDE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS

ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PROMOÇÃO À SAÚDE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PROMOÇÃO À SAÚDE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS I. IDENTIFICAÇÃO DA OPERADORA Nº de registro da operadora: II. CARACTERIZAÇÃO DA OPERADORA (Aspectos Epidemiológicos)

Leia mais

Produção de mamografias no SUS do Estado de São Paulo Production of mammographies by SUS from the state of São Paulo

Produção de mamografias no SUS do Estado de São Paulo Production of mammographies by SUS from the state of São Paulo Nesta edição Nº 16 Produção de mamografias no SUS do Estado de São Paulo Production of mammographies by SUS from the state of São Paulo José Dínio Vaz Mendes I ; Mônica Aparecida Marcondes Cecilio II ;

Leia mais

FARINGE. Rinofaringe. Orofaringe. Hipofaringe. Esôfago. Laringe. Traquéia

FARINGE. Rinofaringe. Orofaringe. Hipofaringe. Esôfago. Laringe. Traquéia OROFARINGE Os tumores de cabeça e de pescoço totalizam 4,5% dos casos de diagnósticos de câncer. Uma importante fração dos tumores malignos da região da cabeça e pescoço se localiza primeiramente na orofaringe.

Leia mais

2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS

2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS 2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS José Iran Costa Júnior Secretário Estadual de Saúde 24/03/2015 Faixa Etária (anos) CARACTERIZAÇÃO SÓCIODEMOGRÁFICA DE PERNAMBUCO

Leia mais

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 *

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Maria Elizete Gonçalves Alexandar de Brito Barbosa Palavras-chave: mortalidade;

Leia mais

Projeto Indicadores Assistenciais e de Produção

Projeto Indicadores Assistenciais e de Produção Projeto Indicadores Assistenciais e de Produção FICHAS TÉCNICA DOS INDICADORES DE CLINICA MÉDICA VERSÃO PRELIMINAR Aprovada pelo Comitê de Clínica Médica em 11 de Março e 08 de Abril e de 2015 (: as inclusões

Leia mais

Letícia Casado Serviço de Edição e Informação Técnico Cientifica CGPV-Coordenação Geral de Prevenção e Vigilância

Letícia Casado Serviço de Edição e Informação Técnico Cientifica CGPV-Coordenação Geral de Prevenção e Vigilância Letícia Casado Serviço de Edição e Informação Técnico Cientifica CGPV-Coordenação Geral de Prevenção e Vigilância O que é uma Biblioteca Virtual? É um tipo de biblioteca que compila e organiza informações

Leia mais

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Governo de Alagoas Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de Análise da Situação de Saúde Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Maceió AL 2014

Leia mais

PANORAMA DA ONCOLOGIA PEDIÁTRICA. Boletim ano 1, nº 1 Novembro 2014

PANORAMA DA ONCOLOGIA PEDIÁTRICA. Boletim ano 1, nº 1 Novembro 2014 PANORAMA DA ONCOLOGIA PEDIÁTRICA Boletim ano 1, nº 1 Novembro 2014 Esta publicação tem por objetivo apresentar um panorama da oncologia pediátrica no estado do Rio de Janeiro. Ao propor este boletim, o

Leia mais

Aspectos Atuais das Doenças Cardiovasculares da População Masculina Brasileira

Aspectos Atuais das Doenças Cardiovasculares da População Masculina Brasileira VIII Fórum de Políticas Públicas e Saúde do Homem Brasília, 17 de novembro de 2015 Aspectos Atuais das Doenças Cardiovasculares da População Masculina Brasileira Prof. Dr. Luiz César Nazário Scala Diretor

Leia mais

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP 2 ª Reunião do GT de Indicadores Hospitalares 09/04/2012 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Comparação

Leia mais

EVOLUÇÃO & PROGNÓSTICOS

EVOLUÇÃO & PROGNÓSTICOS APRESENTAÇÃO POPULAÇÃO CARCERÁRIA BRASILEIRA O objetivo deste trabalho, elaborado pela Comissão de Monitoramento e Avaliação do DEPEN, é realizar um levantamento, de forma sucinta, sobre o quadro evolutivo

Leia mais

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Elaboração: Dr Luis Fernando Pracchia Área Técnica da Saúde da Pessoa com Doenças Crônicas Não Transmissíveis

Leia mais

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO Linha de Cuidado e Rede de Atenção ao Câncer do Colo do Útero

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO Linha de Cuidado e Rede de Atenção ao Câncer do Colo do Útero Boletim ano 6, nº 2, maio/agosto 2015 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA)/Ministério da Saúde MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO Linha de Cuidado

Leia mais

Estimativa 2014. Incidência de Câncer no Brasil

Estimativa 2014. Incidência de Câncer no Brasil Estimativa 2014 Incidência de Câncer no Brasil Para que servem as Estimativas? Conhecer a magnitude dos principais tipos de câncer; Planejamento de ações e programas de controle; Definição de políticas

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO

1. IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO Nome Secretaria Municipal de Saúde - VOLTA REDONDA CNPJ: 36.504.470/0001-30 Rua: 566, N 31 Bairro: Nossa Senhora das Graças Telefone: 2433399635 - E-mail: gs.sms@epdvr.com.br 27295-390 - VOLTA REDONDA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Saúde Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Enfermagem

Leia mais

Câncer Colorretal Hereditário

Câncer Colorretal Hereditário Câncer Colorretal Hereditário Critérios Diagnósticos João Gomes Netinho jgnetinho@riopreto.com.br Câncer Colorretal Incidência no mundo - 3ª causa mais comum em ambos os sexos - 2ª nos paises desenvolvidos

Leia mais

Conselhos de Esculápio... XXV. Abreviaturas... XXIX. 2. O surgimento da responsabilidade médica. Responsabilidade contratual e extracontratual...

Conselhos de Esculápio... XXV. Abreviaturas... XXIX. 2. O surgimento da responsabilidade médica. Responsabilidade contratual e extracontratual... SuMÁRIo Nota à 3 a edição... XIX Nota à 2 a edição... XXI Introdução à la edição... XXIII Conselhos de Esculápio... XXV breviaturas... XXIX Erro Médico e Suas Consequências Jurídicas 1. Erro médico...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Diretoria de Gestão da Tecnologia da Informação

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Diretoria de Gestão da Tecnologia da Informação PROCESSO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS A Coordenadoria de Segurança da Informação da Diretoria de Gestão de Tecnologia da Informação DGTI, em conformidade com a Norma Complementar nº 04, da Instrução Normativa

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO ATA DE REUNIÃO DA COMISSÃO DE MEDICAMENTOS. ATA Nº 02/2012 DATA: 10/02/2012 LOCAL: Sala 01 GEP- HNSC. Dra Imarilde Giusti

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO ATA DE REUNIÃO DA COMISSÃO DE MEDICAMENTOS. ATA Nº 02/2012 DATA: 10/02/2012 LOCAL: Sala 01 GEP- HNSC. Dra Imarilde Giusti GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO ATA DE REUNIÃO DA COMISSÃO DE MEDICAMENTOS ATA Nº 02/2012 DATA: 10/02/2012 LOCAL: Sala 01 GEP- HNSC Dr. Mário Tavares Farm. Marlene Loebens Ausências Justificadas: Farm Cátia

Leia mais

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil As taxas médias de incidência de câncer por 1.000.000 de crianças e adolescentes (0 a 18 anos), segundo sexo, faixa etária e período disponível das informações para os 20 RCBP brasileiros, são apresentadas

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

MANUAL DA COMISSÃO DE ONCOLOGIA

MANUAL DA COMISSÃO DE ONCOLOGIA MANUAL DA COMISSÃO DE ONCOLOGIA CENTRAL MUNICIPAL DE REGULAÇÃO Secretaria Municipal de Saúde 2014 SUMÁRIO PÁGINA 1. COMISSÃO ONCOLOGIA 03 2. CONSULTA COM ONCOLOGISTA (Criança) 03 3. CONSULTA COM ONCOLOGISTA

Leia mais

A notificação da violência doméstica e sexual na Bahia

A notificação da violência doméstica e sexual na Bahia Secretaria da Saúde do Estado da Bahia- SESAB Diretoria de Vigilância Epidemiológica- DIVEP Coordenação de Doenças e Agravos Não Transmissíveis- DANT A notificação da violência doméstica e sexual na Bahia

Leia mais

Comitê Gestor dos Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços COGEP

Comitê Gestor dos Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços COGEP Comitê Gestor dos Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços COGEP GT Indicadores de SADT 1ª Reunião Subgrupo Oncologia 22 de janeiro de 2013 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Regras Gerais de Adesão

Leia mais

O e-sus AB no Ceará. COSEMS - Fortaleza 08 de maio de 2015

O e-sus AB no Ceará. COSEMS - Fortaleza 08 de maio de 2015 O e-sus AB no Ceará COSEMS - Fortaleza 08 de maio de 2015 e-saúde e o SUS Reestruturação dos sistemas de informação em saúde do MS em busca de um SUS eletrônico: Cartão Nacional de Saúde e-sus Hospitalar

Leia mais

Tipos de tumores cerebrais

Tipos de tumores cerebrais Tumores Cerebrais: entenda mais sobre os sintomas e tratamentos Os doutores Calil Darzé Neto e Rodrigo Adry explicam sobre os tipos de tumores cerebrais. CONTEÚDO HOMOLOGADO "Os tumores cerebrais, originados

Leia mais

CAPÍTULO I O Sistema Estadual de Vigilância Sanitária SEVISA e o Sistema de Informações em Vigilância Sanitária - SIVISA

CAPÍTULO I O Sistema Estadual de Vigilância Sanitária SEVISA e o Sistema de Informações em Vigilância Sanitária - SIVISA PORTARIA CVS Nº 01, de 22 de janeiro 2007 Dispõe sobre o Sistema Estadual de Vigilância Sanitária (SEVISA), define o Cadastro Estadual de Vigilância Sanitária (CEVS) e os procedimentos administrativos

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE ATENÇÃO AO CÂNCER

PLANO ESTADUAL DE ATENÇÃO AO CÂNCER PLANO ESTADUAL DE ATENÇÃO AO CÂNCER Arcabouço Legal Portaria GM/MS Nº. 4.279 de 30/10/ /2010 que Estabelece Diretrizes para a Organização da Rede de Atenção à Saúde, no âmbito do SUS. Portaria GM/MS Nº.874

Leia mais

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil As taxas médias de incidência de câncer por 1.000.000 de crianças e adolescentes (0 a 18 anos), segundo sexo, faixa etária e período disponível das informações para os 20 RCBP brasileiros, são apresentadas

Leia mais

Avaliação da Mortalidade por Hepatite C no Brasil, 2002-2004: Utilização do Método de Captura-Recaptura

Avaliação da Mortalidade por Hepatite C no Brasil, 2002-2004: Utilização do Método de Captura-Recaptura Secretaria Avaliação de Vigilância da Mortalidade em Saúde por Hepatite C no Brasil, 2002-2004: Método de Captura-recaptura Departamento de Vigilância Epidemiológica Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis

Leia mais