RELATÓRIO DE GESTÃO 4º TRIMESTRE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE GESTÃO 4º TRIMESTRE"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE GESTÃO 4º TRIMESTRE 2010 Secretaria Municipal de Saúde

2 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 1 1 IDENTIFICAÇÃO MUNICIPAL 2 2 BASES LEGAIS 2 3 DADOS DEMOGRÁFICOS 2 4 CONTROLE SOCIAL E PARTICIPAÇÃO POPULAR 3 5 REDE DE SERVIÇOS DE SAÚDE 4 6 PACTO PELA VIDA: PRIORIDADES E OBJETIVOS 6 7 PACTO DE GESTÃO: RESPOSABILIDADES E OBJETIVOS 10 8 AVALIAÇÃO DOS INDICADORES MUNICIPAIS/ SISPACTO 11 9 INDICADORES MUNICIPAIS SELECIONADOS MORTALIDADE POR GRUPO DE CAUSAS MORBIDADES - AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO CONFIRMADOS PRODUÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DA ATENÇÃO BÁSICA PRODUÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DE MÉDIA E ALTA COMPLEXIDADE AMBULATORIAL E HOSPITALAR GESTÃO DE CONTRATOS GESTÃO DE CONVÊNIOS DEMONSTRATIVO DA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO DA TRANSFERÊNCIA FUNDO A FUNDO - FEDERAL DEMONSTRATIVO DA TRANSFERÊNCIA FUNDO A FUNDO - ESTADUAL DEMONSTRATIVO DA TRANSFERÊNCIA FUNDO A FUNDO - MUNICIPAL DEMONSTRATIVO DO SALDO BANCÁRIO - FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE AVALIAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE PRINCIPAIS AVANÇOS, PROBLEMAS E RECOMENDAÇÕES 86 CEP Manaus - Am

3 APRESENTAÇÃO Este relatório apresenta o desempenho da execução das ações e serviços de saúde em Manaus, correspondendo ao período de outubro a dezembro de 2010 da Secretaria Municipal de Saúde SEMSA. Mantendo a estrutura dos relatórios dos trimestres anteriores, contém dados quantitativos, qualitativos e análises dos técnicos responsáveis pelas áreas de Gestão, Assistência e Vigilância em Saúde. Em relação a produção dos serviços optou-se por demonstrar o acumulado do ano, bem como a produção estratificada por trimestre desde o 1º. A produção hospitalar restou prejudicada, uma vez que até o fechameto deste relatório o DATASUS ainda não havia disponibilizado os dados do mês de setembro. Contempla os resultados do desempenho dos indicadores informados pelo Sistema do Pacto pela Saúde-SISPACTO, da execução orçamentária e da Programação Anual de Saúde-PAS, bem como os principais avanços, problemas e recomendações no trimestre. As informações ora apresentadas revestem-se de importância na medida em que contribuem para avaliar a eficácia das ações executadas e subsidiam os processos de planejamento de ações em saúde, que estão sob a responsabilidade das equipes técnicas e do gestor municipal. No 4º trimestre a Secretaria alcançou o percentual de 88 no desempenho das ações de saúde em Manaus. CEP Manaus - Am 1

4 1. IDENTIFICAÇÃO MUNICIPAL IDENTIFICAÇÃO ADMINISTRATIVA Município: MANAUS Cod. IBGE: Estado: AMAZONAS Prefeito: AMAZONINO ARMANDO MENDES Vice-prefeito: CARLOS EDUARDO C. DE SOUSA Endereço da Prefeitura: AV. BRASIL, COMPENSA CEP: Secretário da Saúde: FRANCISCO DEODATO GUIMARÃES Dec. Nomeação: 01/01/2009 Subsecretário Executivo: ORESTES GUIMARÃES DE MELO FILHO Subsecretária de Gestão da Saúde: DENISE MACHADO DOS SANTOS Gestor do Fundo Municipal de Saúde: CNPJ da Sec. Municipal de Saúde: FRANCISCO DEODATO GUIMARÃES / CNPJ do FMS: / Endereço da Sec. Mun. Saúde: RUA MÁRIO YPIRANGA, ADRIANÓPOLIS CEP: Telefone: Fax: BASES LEGAIS Secretaria Municipal de Saúde Lei Municipal nº: 1.240/1975 Data da publicação: 01/12/1975 Regimento Interno Decreto Municipal nº: 89/2009 Data da publicação: 04/05/2009 Fundo Municipal de Saúde Lei de Criação nº 66/1991, alterado p/ 1.094/2007 Data da publicação: 10/01/2007 Plano de Cargos, Carreiras e Subsídios Leis Municipais nºs: e 1.223/2008 Data da publicação: 26/03/2008 Conselho Municipal de Saúde Lei de Criação nº 66/1991, alterado p/ 1.094/2007 Data da publicação: 09/01/2007 Conferência Municipal de Saúde Último ano da realização: jul/2007 Plano Municipal de Saúde Resolução CMS nº: 55/2006 Data da publicação: 21/12/2006 Pacto pela Saúde - TCGM Portaria GM nº: 1.929/2008 Data da publicação: 17/09/2008 Certificação nas Ações de Vigilância em Saúde Portaria GM nº: 148/2009 Data da publicação: 29/01/2009 Vigilância Sanitária Lei Municipal nº: 1.246/1975 Data da publicação: 16/12/1975 Auditoria, Controle e Avaliação Decreto Municipal nº: 6.008/2001 Data da publicação: 27/12/ DADOS DEMOGRÁFICOS População IBGE Resolução nº 07, de 11/08/2009: habitantes Área da unidade territorial (Km²): População Residente por Faixa Etária e Sexo, 2009 Faixa Etária Masculino Feminino Total Manor 1 1 a 4 5 a 9 10 a a a a a a a a e + Ignorada Total Fonte: IBGE, Censos e Estimativas População Residente por ano Ano População Método Estimativa Estimativa Estimativa Estimativa Estimativa Estimativa Estimativa Estimativa Estimativa Censo Fonte: IBGE, Censos e Estimativas Taxa de crescimento anual estimada () ( ) Mulheres em idade fértil (10-49 anos), 2009 Proporção da população feminina em idade fértil, 2009 () Fonte: IBGE, Censos e Estimativas 1, ,1 Proporção da População Residente Alfabetizada por Faixa Etária Faixa Etária a 9 10 a a a e + Total 40,2 89,0 95,8 93,2 74,6 83,4 52,1 95,7 97,9 95,7 80,4 88,9 Fonte: IBGE / Censos Proporção de Moradores por Tipo de Abastecimento de Água Abastecimento Água Rede geral Poço ou nascente (na Propriedade) Outra forma Fonte: IBGE / Censos Demográficos 86,1 10,6 3,3 75,5 13,6 10,8 Proporção de Moradores por tipo de Instalação Sanitária 1991 Rede geral de esgoto ou pluvial Fossa séptica Fossa rudimendar Vala Rio, lago ou mar Outro escoadouro Não sabe o tipo de Fonte: IBGE / Censos Demográficos 2,0 47,2 28,4 8,3-7,4 0,5 6,3 Proporção de Moradores por tipo de Coleta de lixo 1991 Coletado Queimado (na propriedade) Enterrado (na propriedade) Jogado Outro destino Fonte: IBGE / Censos Demográficos 77,8 9,7 0,4 11,6 0,5 32,2 36,5 14,4 3,6 7,2 1,7-4,4 90,8 6,0 0,3 2,4 0,4 CEP Manaus - Am 2

5 4. CONTROLE SOCIAL E PARTICIPAÇÃO POPULAR CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE - CMS PRESIDENTE FRANCISCO DEODATO GUIMARÃES GESTOR/ MEMBRO NATO Decreto de Nomeação dos Membros do CMS nº: 30/2009 Data da Publicação: 12/02/2009 Conferência Municipal de Saúde Realizada em : jul/2007 Telefone: / (92) / REPRESENTAÇÕES SOCIAIS NO CMS Sindicato dos Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Amazonas Sindicato dos Cirurgiões- Dentistas do Amazonas Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Superior do Estado do Amazonas Sindicato dos Trabalhadores da Saúde Sindicato dos Profissionais de Enfermagem do Amazonas Sindicato dos Trabalhadores Urbanos Sindicato dos Trabalhadores Rurais do Careiro, Manaus e Iranduba Sindicato dos Médicos do Estado do Amazonas Sindicato dos Agentes Comunitários de Saúde do Estado do Amazonas Sindicato dos Farmacêuticos/Bioquímicos Sindicato dos Psicólogos Associação Comunitária Rural Boa Vida Conselhos Locais de Saúde (37) Associação dos Moradores da Com. Nossa Sra. do Livramento Ass. dos Diabéticos e Hipertensos do Amazonas Ass. dos Agricultores da Com. e São Sebastião do Cueiras Associação dos Deficientes Visuais do Amazonas Associação dos Deficientes Físicos do Amazonas Associação de Moradores do Bairro de Redenção Associação de Moradores da Compensa II Conselho Regional de Serviço Social Cáritas Arquidiocesana de Manaus Centro de Vida Independente do Amazonas Fórum Amazonense de OSC/AIDS Federações Comunitárias do Amazonas Coordenação das Org. Indígenas da Am. Brasileira União Brasileira de Mulheres TIPO DE REUNIÃO OUT NOV DEZ DIA (ORDINÁRIA) TOTAL ORDINÁRIA EXTRAORDINÁRIA TOTAL REUNIÕES E RESOLUÇÕES DO CMS RESOLUÇÕES OUT NOV DEZ TOTAL APROVAÇÃO HOMOLOGAÇÃO TOTAL PRINCIPAIS TEMAS DE APRECIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE DE MANAUS Aprovação Data Nº Res. Data Nº Res. Aprovação OUTUBRO 53 - HOMOLOGAR, INDICAÇÕES DE CONSELHEIROS PARA REPRESENTAREM O CMS EM EVENTOS 54 - APROVAR, A CRIAÇÃO DA COMISSÃO PARA A COORDENAÇÃO DO PROCESSO ELEITORAL PARA AS ELEIÇÕES DOS CONSELHEIROS LOCAIS DE SAÚDE-2010 DESCRIÇÕES DE RESOLUÇÕES IMPORTANTES OUTUBRO 56 - INDICAR, HERCULANO RODRIGUES DE MOURA, JOSÉ NILTON PEREIRA DA SILVA, MARIA CELESTE MONTEIRO FERREIRA E ROBERTO SOARES DE ARAGÃO PARA PARTICIPAREM DA CAPACITAÇÃO EM INFORMÁTICA BÁSICA, A SER REALIZADO NO PERÍODO DE 25 A 29 DE OUTUBRO DE 2010, NO CETAM. DEZEMBRO 57 - APROVAR, O CALENDÁRIO DAS ASSEMBLÉIAS GERAIS ORDINÁRIAS DO CMS E DAS REUNIÕES ORDINÁRIAS DA DIRETORIA EXECUTIVA PARA O ANO2011. DEZEMBRO 59 - APROVAR, O REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE DE MANAUS E AS COMISSÕES PERMANENTES APROVAR, O ATO DECLARATÓRIO DE RECOMPOSIÇÕES DOS CLS COM O RESULTADO FINAL DAS ELEIÇÕES E INDICAÇÕES DOS CONSELHEIROS PARA OS CONSELHOS LOCAIS DE SAÚDE INDICAR, OS CONSELHEIROS ISAAC GOMÊS BENAYON, COMO TITULAR E JOSÉ NILTON PEREIRA DA SILVA, COMO SUPLENTE, PARA REPRESENTAREM O CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE NA COMISSÃO DE ÉTICA EM PESQUISA DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SEMSA APROVAR, O ENCAMINHAMENTO DOS PROJETOS DE ACOLHIMENTO DAS COMUNIDADES TERAPÊUTICAS "DESAFIO JOVEM DE MANAUS" E "INSTITUTO NOVO MUNDO" APROVAR, A CRIAÇÃO DA COMISSÃO DE COORDENAÇÃO DO PROCESSO ELEITORAL PARA AS ELEIÇÕES DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE DE MANAUS. CEP Manaus - Am 3

6 5. REDE DE SERVIÇOS DE SAÚDE ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE / RECURSOS TIPO DE UNIDADE DE SAÚDE CENTRAL DE REGULAÇÃO DE SER. DE SAÚDE CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL CENTRO DE SAÚDE/UNIDADE BÁSICA CL. ESPECIALIZ/AMB. DE ESPECIALIDADE CONSULTÓRIO ISOLADO COOPERATIVA FARMÁCIA MEDIC. EXECEPCIONAL E PROG HOSPITAL ESPECIALIZADO HOSPITAL GERAL LABORATÓRIO CENTRAL DE SAÚDE PUBLICA POLICLÍNICA POSTO DE SAÚDE TIPO DE LEITO Qtde. Exist. Qtde. SUS TOTAL DUPLA ESTADUAL MUNICIPAL CIRURGIA GERAL CLÍNICA GERAL OBSTÉTRICO PEDIÁTRICO OUTRAS ESPECIALIDADES HOSPITAL DIA COMPLEMENTARES TOTAL LEITOS POR HAB (PORT. MS 1101/GM 06/2002) 2,50 1,92 POSTO ATENDIMENTO EQUIPAMENTO Qtde. Exist. Qtde. SUS PRONTO SOCORRO ESPECIALIZADO PRONTO SOCORRO GERAL SECRETARIA DE SAÚDE UNIDADE DE APOIO DIAGNOSE E TERAPIA UNIDADE DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE UNIDADE MÓVEL FLUVIAL UNIDADE MÓVEL TERRESTRE TOTAL Fonte: Ministério da Saúde /CNES - Dados de Dezembro/2010 TIPO DE GESTÃO Fonte: Ministério da Saúde /CNES - Dados de Dezembro/ DIAGNÓSTICO POR IMAGEM INFRAESTRUTURA ODONTOLOGIA MANUTENÇÃO DA VIDA MÉTODOS GRÁFICOS MÉTODOS ÓPTICOS OUTROS EQUIPAMENTOS TOTAL Fonte: Ministério da Saúde /CNES - Dados de Dezembro/2010 FEDERAL ESTADUAL MUNICIPAL PRIVADA ESFERA ADMINISTRATIVA TOTAL Fonte: Ministério da Saúde /CNES - Dados de Dezembro/2010 TIPO DE GESTÃO TOTAL DUPLA ESTADUAL MUNICIPAL SERVIDORES DA SEMSA POR REGIME JURÍDICO ESTATUTÁRIO REGIME DE DIREITO ADMINISTRATIVO CLT CARGO COMISSIONADO TOTAL QTDE 2009 Fonte: PRODAM / Am - Dados de Dezembro de 2009 e 2010 QTDE 2010 ALGUNS PROFISSIONAIS DE SAÚDE DO MUNICÍPIO MÉDICO ENFERMEIRO CIRURGIÃO-DENTISTA FARMACÊUTICO / FARM-BIOQUÍMICO ASSISTENTE SOCIAL TOTAL Fonte: Ministério da Saúde /CNES - Dados de Dezembro/2010 ATENDE SUS TOTAL SIM NÃO ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA QTDE 2009 QTDE EQUIPE DE AGENTES COM. DE SAÚDE EQUIPE DE SAÚDE DA FAMÍLIA EQUIPE DE SAÚDE BUCAL PSF / PROG. SAÚDE NA ESCOLA ACS ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA ACS PACS Fonte: MS /CNES - Dados de Dezembro de 2009 e 2010 CEP Manaus - Am 4

7 AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE GESTÃO 7. PACTO PELA VIDA: PRIORIDADES E OBJETIVOS Os resultados dos indicadores do Pacto pela Vida e de Gestão para o biênio neste 4 trimestre estão sujeitos a alterações. Os dados do SIH e SIA do mês de dezembro ainda não foram disponibilizados na página do DATASUS, bem como de outros sistemas de informação, o que compromete a avaliação do indicador. I - ATENÇÃO À SAÚDE DO IDOSO 1 PROMOVER A FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE DO SUS NA ÁREA DE SAÚDE DA PESSOA IDOSA. PERCENTUAL DO DAS S DA PRIORIDADE: 157,83 Nº DO INDICADOR DA PRIORIDADE NO SISPACTO: 1 A taxa de internação hospitalar em pessoas idosas por fratura do fêmur registrada nos meses de outubro e novembro foi de 2,17 internações por idosos com 60 anos ou mais. O acumulado anual de 16,14 ultrapassa em 17,8 a taxa pactuada pelo município que é de atingir o máximo de 13,7. No 4º trimestre, as ações de prevenção aos riscos de quedas para idosos implementadas pelo Setor de Saúde do Idoso foram as seguintes: realização de palestras educativas sobre instabilidade postural e queda para idosos e familiares; implementação do uso da Caderneta do Idoso com a distribuição de 600 unidades; capacitação de 207 comunitários como Cuidador de Idoso; realização de Campanha de Prevenção a Osteoporose em parceria com o Conselho Estadual do Idoso, onde 740 idosos foram atendidos com o exame de Densitometria Óssea. II - CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E DE MAMA 1 AMPLIAR A OFERTA DO EXAME PREVENTIVO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO VISANDO ALCANÇAR UMA COBERTURA DE 80 DA POPULAÇÃO ALVO. 2 TRATAR/SEGUIR AS LESÕES PRECURSORAS DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO NO NÍVEL AMBULATORIAL. 3 AMPLIAR A OFERTA DE MAMOGRAFIA VISANDO ALCANÇAR UMA COBERTURA DE 60 DA POPULAÇÃO ALVO. PERCENTUAL DO DAS S DA PRIORIDADE: 74,81 NºS DOS INDICADORES DA PRIORIDADE NO SISPACTO: 2, 3 e 4 No SISCOLO não há qualquer informação do número de exames citopatológicosões em mulheres na faixa etária de 25 a 59 anos relativo ao 4º trimestre. Considerando a informação dos meses de outubro e novembro do SIASUS, o resultado da razão de exames citopatológicos em mulheres na faixa etária de 25 a 59 anos foi de 0,02. A razão acumulada até novembro é de 0,13 e representa o alcance de 72,22 da meta anual. No 4 trimestre o percentual de seguimento/tratamento informado de mulheres diagnosticadas em 2009 com lesões intraepiteliais de alto grau do colo do útero foi de 20. O percentual acumulado anual 60,98 e representa o alcance de 60,98 da meta pactuada. O resultado da razão entre mamografias nos meses de outubro e novembro foi de 0,02. O acumulado anual da razão é de 0,14 e ultrapassa a meta pactuada em 40. III - REDUCÃO DA MORTALIDADE INFANTIL E MATERNA 1 REDUZIR A MORTALIDADE INFANTIL. 2 REDUZIR A MORTALIDADE MATERNA. PERCENTUAL DO DAS S DA PRIORIDADE: 137,69 NºS DOS INDICADORES DA PRIORIDADE NO SISPACTO: 5, 5.a, 5.b, 6 e 7 No 4 trimestre a taxa de mortalidade infantil registrada foi de 11,79 óbitos de menores de 1 ano/1.000 nascidos vivos, ficando abaixo da taxa máxima pactuada pelo município que é de 14,26. A taxa acumulada anual de 13,77 ultrapassa a meta pactuada em 3,56. A taxa de mortalidade neonatal registrada neste 4 trimestre foi de 7,47 óbitos de menores de 28 dias/1.000 nascidos vivos. A taxa acumulada anual de 8,63 manteve-se abaixo da meta de 10,38 pactuada, ultrapassando-a em 20,28. No 4 trimestre a taxa de mortalidade pós-neonatal registrada foi de 4,32 óbitos de crianças de 28 a 364 dias/1.000 nascidos vivos. A taxa de mortalidade pós-neonatal acumulada anual de 5,68 representa o alcance de 68,13 da meta anual. O município pactuou investigar 50 dos óbitos de mulheres de 10 a 49 anos de idade e óbitos maternos fora da faixa etária de 10 a 49 anos no ano de No 4 trimestre, foram investigados 42,31 do total de 208 óbitos notificados. O percentual acumulado anual de 66,76 ultrapassa a meta anual em 33,52. No 4º trimestre foram notificados e registrados como casos confirmados no SINAN 8 casos de sífilis congênita. O acumulado anual de 63 casos está abaixo de 93 casos anuais pactuado e representa o alcance de 147,62 da meta. CEP Manaus - Am 5

8 AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE GESTÃO 7. PACTO PELA VIDA: PRIORIDADES E OBJETIVOS IV - FORTALECIMENTO DA CAPACIDADE DE RESPOSTAS ÀS DOENÇAS EMERGENTES E ENDEMIAS, COM ÊNFASE NA DENGUE, HANSENÍASE, TUBERCULOSE, MALÁRIA, INFLUENZA, HEPATITE E AIDS 1 REDUZIR A LETALIDADE DOS CASOS GRAVES DE DENGUE. 2 AUMENTAR O PERCENTUAL DE CURA NOS COORTES DE CASOS NOVOS DE HANSENÍASE A CADA ANO PARA ATINGIR 90 DE CURA EM AMPLIAR A CURA DE CASOS NOVOS DE TUBERCULOSE PULMONAR BACILÍFERA DIAGNOSTICADOS A CADA ANO. 4 REDUZIR A INCIDÊNCIA DE MALÁRIA NA REGIÃO DA AMAZÔNIA LEGAL. 5 AUMENTAR A PROPORÇÃO DE COLETA DE AMOSTRAS CLÍNICAS PARA O DIAGNÓSTICO DO VÍRUS INFLUENZA DE ACORDO COM O PRECONIZADO. FORTALECER A VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA DOENÇA PARA AMPLIAR A DETECÇÃO DE CASOS DE HEPATITE B, E A QUALIDADE DO ENCERRAMENTO 6 DOS CASOS POR CRITÉRIO LABORATORIAL. 7 REDUZIR A TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV. PERCENTUAL DO DAS S DA PRIORIDADE: 136,56 NºS DOS INDICADORES DA PRIORIDADE NO SISPACTO: 8, 9, 10, 11, 12, 13 e 14 No 4 trimestre, a taxa de letalidade das formas graves de dengue registrada foi 0 (zero). A taxa de letalidade acumulada anual de 1,9 está 90 acima da taxa pactuada (1). No 4 trimestre, 67,14 dos casos novos de hanseníase diagnosticados nos anos das coortes foram curados. O percentual de cura acumulado anual é de 75,34 e representa o alcance de 94,18 da meta (80). No 4 trimestre, 73,11 dos casos novos de tuberculose pulmonar bacilífera registrados foram curados. A proporção de cura acumulada é de 75,22 e representa o alcance de 88,42 da meta pactuada (85,07). O período de análise do indicador de cura de TB Bacilífera refere-se aos casos diagnosticados em Logo, aqueles do período de outubro a dezembro do referido ano (que corresponde ao 4º trimestre do ano de avaliação 2010) tiveram o tratamento acompanhado até o mês de junho de 2010, considerando a duração de seis meses. Foi justamente no primeiro semestre de 2010 que foram intensificadas as atividades para expansão da Estratégia de Tratamento Diretamente Observado da Tuberculose na rede básica de saúde, como a capacitação de profissionais, monitoramento das ações e ampliação da oferta de incentivos adicionais ao tratamento, adquiridos pelo Projeto Fundo Global tais como cestas-básicas e vale-transporte. O impacto dessas ações no percentual de cura é esperado para o ano de avaliação Com isso, o abandono de tratamento se constitui como o principal problema a ser enfrentado, pois foi de 17,5 neste trimestre. A manutenção da parceria com a Agência Americana de Desenvolvimento Internacional/USAID através da Organização Pan-Americana da Saúde permitiu a ampliação da Equipe Técnica do Programa do Distrito Oeste e do Nível Central. Registre-se a iniciativa do Distrito Rural para implantação das Ações de TB, inclusive com tratamento supervisionado de caso de TB multiresistente compartilhado com a Referência Estadual. O município pacutou manter o Índice Parasitário Anual (IPA) de malária menor ou igual a 6,6 lâminas positivas por mil habitantes. No 4 trimestre o IP registrado foi de 1,42 lâminas positivas por mil habitantes. O acumulado anual de 8,67 representa o alcance de 76,12 da meta. Apesar de o indicador estar acima da meta, merece destaque a redução alcançada no último trimestre, chegando a 1,42. No início do ano de 2010, devido uma situação climática atípica (veranico), houve aumento do número de casos, levando o indicador a um aumento. Tal evento desencadeou a operação de intensificação do controle de malária, que perdurou até outubro deste ano, resultando na observada redução do final do ano. A propoção de amostras clínicas coletadas para diagnóstico do Vírus Influenza no 4 trimestre, em relação ao preconizado, foi de 14,17. A proporção anual acumulada é de 31,46 e representa o alcance de 39,33 da meta de 80 pactuada. No 4 trimestre, 100 dos casos de Hepatite B foram confirmados por sorologia. A proporção acumulada anual de 94,74 representa o alcance de 98,13 da meta de 96,55 pactuada. No 4 trimestre, a taxa de incidência de Aids em menores de 5 anos foi 0 (zero). A taxa acumulada de 4,59 está 185,09 acima da meta de 1,61 casos por menores de 5 anos pactuada. V- PROMOÇÃO DA SAÚDE 1 REDUZIR OS NÍVEIS DE SEDENTARISMO NA POPULAÇÃO. 2 REDUZIR A PREVALÊNCIA DO TABAGISMO NO PAÍS. PERCENTUAL DO DAS S DA PRIORIDADE: SEM INFORMAÇÃO NºS DOS INDICADORES DA PRIORIDADE: 15 e 16 O resultado da prevalência de atividade física suficiente no tempo livre e da prevalência de tabagismo em adultos referentes ao ano de 2010 ainda não foram divulgadas pelo VIGITEL. CEP Manaus - Am 6

9 AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE GESTÃO VI - FORTALECIMENTO DA ATENÇÃO BÁSICA 7. PACTO PELA VIDA: PRIORIDADES E OBJETIVOS 1 AMPLIAR A COBERTURA POPULACIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA POR MEIO DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA 2 AMPLIAR O ACESSO À CONSULTA PRÉ-NATAL. 3 REDUZIR A INTERNAÇÃO HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS NO ÂMBITO DO SUS. 4 REDUZIR A INTERNAÇÃO HOSPITALAR POR ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL (AVC) NO ÂMBITO DO SUS. 5 REDUZIR E MONITORAR A PREVALÊNCIA DE BAIXO PESO EM CRIANÇAS MENORES DE 5 ANOS. PERCENTUAL DO DAS S DA PRIORIDADE: 114,76 NºS DOS INDICADORES DA PRIORIDADE NO SISPACTO: 17, 18, 19, 20, 21 e 22 No mês de dezembro, 36,42 da população estimada de Manaus estava cadastrada na Estratégia Saúde da Família. Esse resultado representa o alcance de 75,88 da meta pactuada (48). O município pactuou atingir a proporção de 40 de nascidos vivos de mães com 7 ou mais consultas de pré-natal em Do total de nascidos vivos no 4 trimestre, 35,94 nasceram de mães com 7 ou mais consultas de pré-natal. A proporção acumulada de 35,49 representa o alcance de 88,73 da meta. Considerando os meses de outubro e novembro, a taxa de internação hospitalar por Diabetes Mellitus e suas complicações na população de 30 anos e mais registrada foi de 0,58 internações/ pessoas na faixa etária considerada. Considerando a meta pactuada de 4,5, a taxa acumulada até o mês de novembro é de 3,97 e representa o alcance de 113,35 da meta. A taxa de internação hospitalar por AVC na população de 30 anos e mais registrada nos meses de outubro e novembro foi de 0,93 internações/ pessoas na faixa etária considerada. A taxa acumulada até o mês de novembro é de 3,96 e representa apenas 151,52 da meta pactuada. Na 2ª vigência do Programa Bolsa Família, 7,69 das crianças menores de 5 anos do total de acompanhadas pelo SISVAN apresentaram peso baixo ou muito baixo para a idade. Considerando que o município pactuou o máximo de 4,47 de crianças com baixo peso, esse resultado representa o alcance de 58,13 da meta e está 72,04 acima da meta pactuada. Na 2ª vigência do PBF, 71,14 das famílias com perfil saúde beneficiárias do Programa Bolsa Família foram acompanhadas pela Atenção Básica. Como o município pactuou acompanhar 65 das famílias, esse resultado ultrapassa a meta pactuada em 9,45. 1 Para o alcance da meta dos indicadores 21 e 22 a Equipe Técnica de Alimentação e Nutrição intensificou nos Distritos de Saúde do acompanhamento das Famílias cadastradas no PBF; realizou 12 mutirões de intensificação e acompanhamento das ações de alimentação e nutrição nos distritos de saúde; e realizou panfletagem nos principais terminais da cidade de Manaus. VII - SAÚDE DO TRABALHADOR AUMENTAR A IDENTIFICAÇÃO E A NOTIFICAÇÃO DOS AGRAVOS À SAÚDE DO TRABALHADOR A PARTIR DA REDE DE SERVIÇOS SENTINELA EM SAÚDE DO TRABALHADOR, BUSCANDO ATINGIR TODA A REDE DE SERVIÇOS DO SUS. PERCENTUAL DO DAS S DA PRIORIDADE: 147,92 Nº DO INDICADOR DA PRIORIDADE NO SISPACTO: 23 No 4º trimestre foram realizadas 71 notificações de agravos à saúde do trabalhador. O acumulado anual é de 173 notificações e representa 91,05 da meta pactuada (190). VIII - SAÚDE MENTAL 1 AMPLIAR O ACESSO AO TRATAMENTO AMBULATORIAL EM SAÚDE MENTAL. PERCENTUAL DO DAS S DA PRIORIDADE: 100 Nº DO INDICADOR DA PRIORIDADE NO SISPACTO: 24 No 4º trimestre não houve amplicação de cobertura municipal da rede CAPS que é de 0,14 (considerando o CAPS estadual). No próximo ano será inaugurado o Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Outras Drogas - CAPS ad, no Distrito Leste. IX - FORTALECIMENTO DA CAPACIDADE DE RESPOSTA DO SISTEMA DE SAÚDE ÀS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA (RESP. ESTADUAL) 1 AMPLIAR AS REDES ESTADUAIS DE SERVIÇOS DE REABILITAÇÃO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA. PERCENTUAL DO DAS S DA PRIORIDADE: SEM INDICADOR SEM INFORMAÇÃO DA ÁREA TÉCNICA PARA ESTE TRIMESTRE. CEP Manaus - Am 7

10 AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE GESTÃO 7. PACTO PELA VIDA: PRIORIDADES E OBJETIVOS X - ATENÇÃO INTEGRAL ÀS PESSOAS EM SITUAÇÃO OU RISCO DE VIOLÊNCIA 1 AMPLIAR A REDE DE PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE NOS ESTADOS E MUNICÍPIOS. 2 AMPLIAR A COBERTURA DA FICHA DE NOTIFICAÇÃO / INVESTIGAÇÃO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA, SEXUAL E/OU OUTRAS VIOLÊNCIAS. PERCENTUAL DO DAS S DA PRIORIDADE: SEM INDICADOR Sem informação da área técnica para este trimestre. XI - SAÚDE DO HOMEM 1 INSERIR ESTRATÉGIAS E AÇÕES VOLTADAS PARA A SAÚDE DO HOMEM NOS PLANOS DE SAÚDE ESTADUAIS E MUNICIPAIS 2 AMPLIAR O ACESSO A CIRURGIAS DE PATOLOGIAS E CÂNCERES DO TRATO GENITAL MASCULINO. PERCENTUAL DO DAS S DA PRIORIDADE: 79,76 NºS DOS INDICADORES DA PRIORIDADE NO SISPACTO: 28 e 29 Nos meses de outubro e novembro foram realizadas 25 cirurgias de prostatectomia suprapúbica. O total de cirurgias acumulado até o mês de novembro é de 144 e representa o alcance de 86,75 da meta pactuada (166 cirurgias). PRIORIDADES COMPLEMENTARES I - FORTALECIMENTO DA ATENÇÃO BÁSICA DESENVOLVER AÇÕES DE PROMOÇÃO, PREVENÇÃO E ASSISTÊNCIA, CONTEMPLANDO, PRIORITARIAMENTE, AS ÁREAS PROGRAMÁTICAS E 1 TRANSVERSAIS PERCENTUAL DO DAS S DA PRIORIDADE: 24,67 NºS DOS INDICADORES DA PRIORIDADE NO SISPACTO: 41 e 42 Nos meses de outubro e novembro, em média, 0,69 da população participou da ação coletiva escovação dental supervisionada. A média acumulada até novembro é de 0,55 e representa o alcance de 18,33 da meta pactuada. Também nos meses de outubro e novembro o município atingiu a cobertura de 0,85 da população com a primeira consulta odontológica programática. A cobertura acumulada até novembro é de 4,83 e representa o alcance de 48,3 da meta pactuada (10). II - FORTALECER A VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA RAIVA HUMANA E ANIMAL COM AÇÕES DE PREVENÇÃO DA URBANIZAÇÃO DO CICLO 1 AMPLIAR A COBERTURA DA POPULAÇÃO CANINA COM AÇÕES DE VIGILÂNCIA, PREVENÇÃO E CONTROLE DA RAIVA PERCENTUAL DO DAS S DA PRIORIDADE: 0,05 Nº DO INDICADOR DA PRIORIDADE NO SISPACTO: 43 No 4 trimestre, a cobertura vacinal anti-rábica canina registrada foi de 0,01. A cobertura vacinal acumulada de 107,89 ultrapassa a meta pactuada (80) em 34,86. III - MANTER A COBERTURA VACINAL ADEQUADA NOS SERVIÇOS DE IMUNIZAÇÕES NOS MUNICÍPIOS E ESTADOS 1 AMPLIAR A COBERTURA DA POPULAÇÃO BRASILEIRA COM AÇÕES DE VIGILÂNCIA, PREVENÇÃO E CONTROLE DAS HEPATITES VIRAIS PERCENTUAL DO DAS S DA PRIORIDADE: 92,81 Nº DO INDICADOR DA PRIORIDADE NO SISPACTO: 44 A meta de cobertura vacinal por Hepatite B em crianças menores de um ano pactuada pelo município para 2010 foi de 95. No 4 trimestre, o município alcançou a cobertura de 88,17. A cobertura acumulada anual é de 94,79 e representa o alcance de 99,78 da meta pactuda. IV - FORTALECER A VIGILÂNCIA EM SAÚDE PARA O CONTROLE DE DOENÇAS E AGRAVOS TRANSMISSÍVEIS PRIORITÁRIOS 1 REDUZIR A MORBIMORTALIDADE POR DOENÇAS IMUNOPREVENÍVEIS PERCENTUAL DO DAS S DA PRIORIDADE: 69,27 Nº DO INDICADOR DA PRIORIDADE NO SISPACTO: 45 No 4 trimestre, 57,58 dos casos de doenças exantemáticas foram investigados oportunamente. A proporção acumulada anual é de 80,0 e representa o alcance de 96,25 da meta pactuada (83,12). CEP Manaus - Am 8

11 AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE GESTÃO 8. PACTO DE GESTÃO: RESPONSABILIDADES E OBJETIVOS I - RESPONSABILIDADES GERAIS DA GESTÃO DO SUS 1 ENCERRAR OPORTUNAMENTE AS INVESTIGAÇÕES DAS NOTIFICAÇÕES DE AGRAVOS COMPULSÓRIOS REGISTRADAS NO SINAN. 2 AMPLIAR A CLASSIFICAÇÃO DA CAUSA BÁSICA DE ÓBITO NÃO FETAL. 3 MANTER A COBERTURA VACINAL ADEQUADA NOS SERVIÇOS DE IMUNIZAÇÕES NOS MUNICÍPIOS E ESTADOS. REDUZIR OS RISCOS A SAÚDE HUMANA DECORRENTE DO CONSUMO DE ÁGUA COM QUALIDADE MICROBIOLÓGICA FORA DO PADRÃO DE 4 POTABILIDADE. PERCENTUAL DO DAS S DA PRIORIDADE: 133,23 NºS DOS INDICADORES DA PRIORIDADE NO SISPACTO: 30, 31,32, 33 e 34 No 4 trimestre, 98,95 dos casos de doenças de notificação compulsória (DNC) foram encerrados oportunamente após notificação. A proporção acumulada anual de casos encerrados é de 81,52 e representa o alcance de 95,91 da meta pactuada (85). No 4 trimestre, 89,90 dos óbitos não fetais com causa básica definida foram informados ao SIM. A proporção anual acumulada de 90,44 ultrapassa a meta pactuada (90) em 0,49. No 4 trimestre de 2010, 86,24 das crianças menores de 1 ano foram vacinadas com a terceira dose da tetravalente. A cobertura anual de 93,30 representa o alcance de 98,21 da meta pactuada (95). No 4 trimestre, o município registrou o percentual de 225,83 de realização das análises de vigilância da qualidade da água, referente ao parâmetro coliformes totais. O percentual anual de realizações é de 300,63 e ultrapassa em 200,63 a meta pactuada (100). IV - REGULAÇÃO, CONTROLE, AVALIAÇÃO E AUDITORIA FORTALECER O CADASTRO NACIONAL DE ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE (CNES) COM DADOS ATUALIZADOS SISTEMATICAMENTE, VISANDO MELHORAR 1 A QUALIDADE DA INFORMAÇÃO. PERCENTUAL DO DAS S DA PRIORIDADE: 100 Nº DO INDICADOR DA PRIORIDADE NO SISPACTO: 37 A atualização mensal do cadastro dos estabelecimentos de saúde mantém a qualidade das informações no CNES/DATASUS, demonstrando a capacidade instalada da rede de serviços de saúde e colaborando para o monitoramento e avaliação das atividades desenvolvidas. VI - PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL 1 IMPLANTAR OUVIDORIA EM ESTADOS E MUNICÍPIOS COM VISTAS AO FORTALECIMENTO DA GESTÃO ESTRATÉGICA DO SUS. 2 FORTALECER O CONTROLE SOCIAL NO SUS. PERCENTUAL DO DAS S DA PRIORIDADE: 268 NºS DOS INDICADORES DA PRIORIDADE NO SISPACTO: 39 e 40 Dentro do objetivo de fortalecer o controle social do SUS o CMS/MAO tem procurado avançar qualificando os conselheiros municipais e os conselheiros locais de saúde. O avanço, na efetivação do SUS, é lento na medida em que o exercício do controle social da saúde carece do empoderamento das políticas públicas e do exercício da cidadania por parte de todos. As unidades de saúde, os distritos de saúde e o próprio Conselho Municipal de Xaúde precisam conhecer e trabalhar mais com a realidade local, reconhecer a contribuição de seus usuários no desenvolvimento da política de saúde. Por outro lado, os movimentos sociais existentes precisam entender, aprender e exercer o trabalho em prol do coletivo. O trabalho é de construção e de novas conquistas, por esse motivo, o cms realizou no mês de outubro oficinas de estudo e capacitação para a implantação de conselhos distritais de saúde cujo processo se dará ano que vem. CEP Manaus - Am 9

12 Esperado RELATÓRIO DE GESTÃO Nº 9. AVALIAÇÃO DOS INDICADORES MUNICIPAIS / SISPACTO Município: MANAUS / 2010 RESULTADO PACTO PELA SAÚDE: AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS ALCANÇADOS 4º Trimestre 2010 Acumulado Taxa de internação hospitalar em pessoas idosas por fratura do fêmur. 2,17 16,14 13,7 3, ,83 84,88 < 2 Razão de exames citopatológico cérvico-vaginais na faixa etária de 25 a 59 anos em relação à população-alvo, em 0,02 0,13 0,18 0,045 44,44 72,22 > determinado local, por ano. 3 Percentual de seguimento/tratamento informado de mulheres com diagnóstico de lesões intraepiteliais de alto 20 60, ,00 60,98 > grau do colo do útero. 4 Razão entre mamografias realizadas nas mulheres de 50 a 69 anos e a população feminina nesta faixa etária, em 0,04 0,142 0,1 0, ,00 142,00 > detrminado local e ano. 5 Taxa de Mortalidade Infantil. 14,4 13,77 14,26 14,26 99,03 103,56 < 5.a Taxa de Mortalidade Neonatal. 7,47 8,63 10,38 10,38 138,96 120,28 < 5.b Taxa de mortalidade Pós-Neonatal. 4,94 5,14 3,87 3,87 78,34 75,29 < 6 Proporção de óbitos de mulheres em idade fértil investigados. 42,31 66, ,62 133,52 > 7 Incidência de Sífilis Congênita ,50 147,62 < ANUAL TRIMESTRAL ALCANÇADO NO TRIMESTRE ALCANÇADO NO ANO 8 Taxa de letalidade das formas graves de dengue (Febre Hemorrágica da Dengue - FHD /Síndrome do Choque da Dengue - SCD /Dengue Com Complicações - DCC). 0 1, ,00 52,63 < 9 10 Proporção de cura dos casos novos de hanseníase diagnosticados nos anos das coortes. Proporção de cura de casos novos de tuberculose pulmonar bacilífera. 67,14 75, ,93 94,18 > 73,11 75,22 85,07 85,07 85,94 88,42 > 11 Índice Parasitário Anual (IPA) de Malária. 1,42 8,67 6,6 6,6 464,79 76,12 < Proporção de amostras clínicas coletadas para diagnóstico do vírus influenza em relação ao preconizado. Proporção de casos de hepatites B confirmados por sorologia. 14,17 31, ,71 39,33 > ,74 96,55 96,55 103,57 98,13 > 14 Taxa de incidência de aids em menores de 5 anos de idade. 0 4,59 1,61 0, ,00 35,08 < 15 Prevalência de atividade física suficiente no tempo livre em adultos. (*) ANUAL 15,2 ANUAL ANUAL ANUAL > 16 Prevalência de tabagismo em adultos. (*) ANUAL 15,8 ANUAL ANUAL ANUAL < Proporção da população cadastrada pela Estratégia Saúde da Família. Proporção de nascidos vivos de mães com 7 ou mais consultas de pré-natal. Taxa de internação por diabetes mellitus e suas complicações na população de 30 anos e mais. 36,42 36, ,88 75,88 > 35,94 35, ,85 88,73 > 0,58 3,97 4,5 1, ,97 113,35 < 20 Taxa de internações por Acidente Vascular Cerebral. 0,93 3,96 6,0 1,5 161,29 151,52 < Percentual de crianças menores de cinco anos com baixo peso para idade. Percentual de famílias com perfil saúde beneficiárias do Programa Bolsa Família acompanhadas pela atenção básica. 7,69 7,69 4,47 4,47 58,13 58,13 < 71,14 71, ,45 109,45 > 23 Número de notificações dos agravos à saúde do trabalhador constantes da Portaria GM/MS Nº 777 de 28 de abril de ,92 91,05 > 24 Taxa de cobertura CAPS por 100 mil habitantes. 0 0,14 0,31 0,31 100,00 45,16 > Número de estados e municípios selecionados com estratégias e ações voltadas para a saúde do homem inseridas nos planos de saúde estaduais e municipais. Número de cirurgias de Prostatectomia Suprapúbica por local de residência ,00 100,00 > ,52 86,75 > CEP Manaus - Am 10

13 Esperado RELATÓRIO DE GESTÃO 9. AVALIAÇÃO DOS INDICADORES MUNICIPAIS / SISPACTO Nº Município: MANAUS / 2010 RESULTADO PACTO PELA SAÚDE: AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS ALCANÇADOS 4º Trimestre 2010 Acumulado 2010 ANUAL TRIMESTRAL ALCANÇADO NO TRIMESTRE ALCANÇADO NO ANO Proporção de casos de doenças de notificação compulsória (DNC) encerrados oportunamente após notificação. Proporção de óbitos não fetais informados ao SIM com causa básica definida. Cobertura vacinal por tetravalente (DTP+Hib) em menores de um ano de idade. Percentual de realização das análises de vigilância da qualidade da água, referente ao parâmetro coliformes totais. 98,95 81, ,41 95,91 > 89,9 90, ,89 100,49 > 86,24 93, ,78 98,21 > 225,83 300, ,83 300,63 > 37 Índice de alimentação regular da base de dados do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES) ,00 100,00 > 39 Implantação de Ouvidorias do SUS nos estados e capitais ,00 100,00 > 40 Capacitação de conselheiros estaduais e municipais dos municípios prioritários ,00 25,00 > 41 Média anual da ação coletiva escovação supervisionada. 0,46 0, ,33 16,67 > 42 Cobertura de primeira consulta odontológica programática. 0,85 4, ,5 34,00 48,30 > 43 Cobertura vacinal anti-rábica canina. 0,01 107, ,05 134,86 > 44 Cobertura vacinal por Hepatite B em crianças menores de 1 ano. 88,17 94, ,81 99,78 > 45 Proporção de doenças exantemáticas investigadas oportunamente. 57, ,12 83,12 69,27 96,25 > (*) SEM INFORMAÇÃO PELA ÁREA TÉCNICA. Fonte: SEMSA/SUBGS/DAB DVEAM CEP Manaus - Am 11

14 Nº INDICADORES Óbitos em menores de 7 dias segundo ano do óbito Óbitos de 7 a 27 dias segundo ano do óbito Óbitos Neonatais segundo ano do óbito Óbitos de 28 a 365 dias segundo ano do óbito Óbitos em menores de 1 ano segundo ano do óbito Óbitos por diarréia em menores de 1 ano segundo ano do óbito Óbitos por pneumonia em menores de 1 ano segundo ano do óbito Nascidos Vivos segundo ano do nascimento Nascidos Vivos com baixo peso segundo ano do nascimento Coeficiente de mortalidade neonatal precoce. 7,47 8,68 7,99 7,40 7,92 8,20 6,19 5,31 6,48 6,64 6,37 11 Coeficiente de mortalidade neonatal tardia. 2,49 2,45 2,64 2,80 2,41 2,68 2,44 2,16 2,98 2,04 2,59 12 Coeficiente de mortalidade pós neonatal (28 a 365 dias). 7,03 6,60 6,31 5,61 5,65 4,10 5,14 4,32 4,94 6,21 5,18 13 Coeficiente de mortalidade neonatal. 9,95 11,13 10,62 10,20 10,33 10,88 8,63 7,47 9,46 8,68 8,96 14 Coeficiente de mortalidade infantil. 16,99 17,73 16,93 15,81 15,98 14,98 13,77 11,79 14,40 14,89 14,13 15 Coeficiente de mortalidade infantil por pneumonia. 1,00 0,39 0,72 0,37 0,42 0,30 0,41 0,20 0,10 1,07 0,30 16 Coeficiente de mortalidade infantil por diarréia. 0,62 0,50 0,26 0,19 0,31 0,10 0,15 0,00 0,10 0,21 0,30 17 Proporção de nascidos vivos com baixo peso. 8,13 7,72 8,16 7,96 7,99 8,03 8,15 8,40 8,41 7,53 8,21 18 Nascidos Vivos por cesária segundo ano do nascimento (4ºT) 2010 (3ºT) 2010 (2ºT) 2010 (1ºT) Proporção de nascidos vivos por parto cesário. 40,11 42,19 44,39 47,19 48,54 47,38 50,35 51,55 52,37 49,00 48,42 20 Nascidos Vivos de mães que realizaram 4 consultas de pré-natal. 21 Nascidos Vivos de mães que realizaram 7 consultas de pré-natal. 22 Proporção de Nascidos Vivos de mães que realizaram 4 consultas de pré-natal. 23 Proporção de Nascidos Vivos de mães que realizaram 7 consultas de pré-natal ,48 79,88 79,66 80,34 78,31 79,28 76,91 80,44 79,42 78,27 78,84 35,47 36,44 36,80 39,81 37,26 36,41 35,49 35,66 36,19 36,83 37,10 24 Óbitos maternos em menores de 20 anos notificados Óbitos maternos notificados Mortalidade Materna por 100 mil nascidos vivos. 67,63 49,97 46,52 72,09 46,68 98,67 73,83 39,32 92,54 64,28 99,53 27 Óbitos em mulheres em idade fertil notificados Óbitos em mulheres em idade fertil investigados Proporção de óbitos em mulheres em idade fertil investigados. 9. INDICADORES MUNICIPAIS SELECIONADOS SÉRIE HISTÓRICA 11,00 0,81 29,42 66,80 42,30 64,30 78,90 85,50 30 Óbitos por causas externas em menores de 20 anos Óbitos em < 1 ano investigados Proporção de óbitos em < 1 ano investigados. 6,22 20,78 43,07 18,33 50,00 44,60 55, Número de óbitos não fetais por causas básicas definidas segundo ano do óbito. Total de óbitos não fetais informados no SIM segundo ano óbito. Proporção de óbitos não fetais informa-dos ao SIM com causas básicas definidas. Fonte: SIM/SINASC GEIAS/DVEAM/SEMSA ,34 84,04 85,40 87,30 87,80 87,40 89,10 89,90 89,60 88,10 88,70 Dados sujeitos à revisão. Atualizado em 09/02/2011. CEP Manaus - Am 12

15 10. MORTALIDADE POR GRUPO DE CAUSA Nº CAPÍTULO DO CID 10 < e+ Ign TOTAL I ALGUMAS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS II NEOPLASIAS (TUMORES) III IV V DOENÇAS SANGUE ÓRGÃOS HEMAT E TRANST IMUNITÁR DOENÇAS ENDÓCRINAS NUTRICIONAIS E BÓLICAS TRANSTORNOS MENTAIS E COMPORTAMENTAIS VI DOENÇAS DO SISTEMA NERVOSO VII DOENÇAS DO OLHO E ANEXOS VIII DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE IX DOENÇAS DO APARELHO CIRCULATÓRIO X DOENÇAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO XI DOENÇAS DO APARELHO DIGESTIVO XII XIII DOENÇAS DA PELE E DO TECIDO SUBCUTÂNEO DOENÇAS SIST OSTEOMUSCULAR E TEC CONJUNTIVO XIV DOENÇAS DO APARELHO GENITURINÁRIO XV GRAVIDEZ PARTO E PUERPÉRIO XVI XVII XVIII XIX XX JANEIRO A DEZEMBRO DE 2010 ÓBITOS POR GRUPO DE CAUSA (CID - 10) E FAIXA ETÁRIA, Manaus - Janeiro a Dezembro de 2010 ALGUMAS AFEC ORIGINADAS NO PERÍODO PERINATAL MALF CONG DEFORMID E ANOMALIAS CROMOSSÔMICAS SINT SINAIS E ACHAD ANORM EX CLÍN E LABORAT LESÕES ENVEN E ALG OUT CONSEQ CAUSAS EXTERNAS CAUSAS EXTERNAS DE MORBIDADE E MORTALIDADE XXI CONTATOS COM SERVIÇOS DE SAÚDE TOTAL Fonte: SIM/GEIAS/DVEAM/SEMSA. Dados atualizados em 09/02/2011, sujeitos à revisão. CEP Manaus - Am 13

16 10. MORTALIDADE POR GRUPO DE CAUSA Nº CAPÍTULO DO CID 10 < e+ Ign TOTAL I ALGUMAS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS II NEOPLASIAS (TUMORES) III IV V DOENÇAS SANGUE ÓRGÃOS HEMAT E TRANST IMUNITÁR DOENÇAS ENDÓCRINAS NUTRICIONAIS E BÓLICAS TRANSTORNOS MENTAIS E COMPORTAMENTAIS VI DOENÇAS DO SISTEMA NERVOSO VII DOENÇAS DO OLHO E ANEXOS VIII DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE IX DOENÇAS DO APARELHO CIRCULATÓRIO X DOENÇAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO XI DOENÇAS DO APARELHO DIGESTIVO XII XIII ÓBITOS POR GRUPO DE CAUSA (CID - 10) E FAIXA ETÁRIA, Manaus - 4º Trimestre de 2010 DOENÇAS DA PELE E DO TECIDO SUBCUTÂNEO DOENÇAS SIST OSTEOMUSCULAR E TEC CONJUNTIVO XIV DOENÇAS DO APARELHO GENITURINÁRIO XV GRAVIDEZ PARTO E PUERPÉRIO ALGUMAS AFEC ORIGINADAS NO PERÍODO XVI PERINATAL MALF CONG DEFORMID E ANOMALIAS XVII CROMOSSÔMICAS SINT SINAIS E ACHAD ANORM EX CLÍN E XVIII LABORAT LESÕES ENVEN E ALG OUT CONSEQ CAUSAS XIX EXTERNAS CAUSAS EXTERNAS DE MORBIDADE E XX MORTALIDADE XXI CONTATOS COM SERVIÇOS DE SAÚDE TOTAL Fonte: SIM/GEIAS/DVEAM/SEMSA. Dados atualizados em 09/02/2011, sujeitos à revisão. CEP Manaus - Am 14

17 10. MORTALIDADE POR GRUPO DE CAUSA Nº CAPÍTULO DO CID 10 < e+ Ign TOTAL I ALGUMAS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS II NEOPLASIAS (TUMORES) III IV V DOENÇAS SANGUE ÓRGÃOS HEMAT E TRANST IMUNITÁR DOENÇAS ENDÓCRINAS NUTRICIONAIS E BÓLICAS TRANSTORNOS MENTAIS E COMPORTAMENTAIS VI DOENÇAS DO SISTEMA NERVOSO VII DOENÇAS DO OLHO E ANEXOS VIII DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE IX DOENÇAS DO APARELHO CIRCULATÓRIO X DOENÇAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO XI DOENÇAS DO APARELHO DIGESTIVO XII XIII 3º TRIMESTRE 2010 ÓBITOS POR GRUPO DE CAUSA (CID - 10) E FAIXA ETÁRIA, Manaus - 3º Trimestre de 2010 DOENÇAS DA PELE E DO TECIDO SUBCUTÂNEO DOENÇAS SIST OSTEOMUSCULAR E TEC CONJUNTIVO XIV DOENÇAS DO APARELHO GENITURINÁRIO XV GRAVIDEZ PARTO E PUERPÉRIO ALGUMAS AFEC ORIGINADAS NO PERÍODO XVI PERINATAL MALF CONG DEFORMID E ANOMALIAS XVII CROMOSSÔMICAS SINT SINAIS E ACHAD ANORM EX CLÍN E XVIII LABORAT LESÕES ENVEN E ALG OUT CONSEQ CAUSAS XIX EXTERNAS CAUSAS EXTERNAS DE MORBIDADE E XX MORTALIDADE XXI CONTATOS COM SERVIÇOS DE SAÚDE TOTAL Fonte: SIM/GEIAS/DVEAM/SEMSA. Dados atualizados em 09/02/2011, sujeitos à revisão. CEP Manaus - Am 15

18 10. MORTALIDADE POR GRUPO DE CAUSA Nº CAPÍTULO DO CID 10 < e+ Ign TOTAL I ALGUMAS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS II NEOPLASIAS (TUMORES) III IV V DOENÇAS SANGUE ÓRGÃOS HEMAT E TRANST IMUNITÁR DOENÇAS ENDÓCRINAS NUTRICIONAIS E BÓLICAS TRANSTORNOS MENTAIS E COMPORTAMENTAIS VI DOENÇAS DO SISTEMA NERVOSO VII DOENÇAS DO OLHO E ANEXOS VIII DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE IX DOENÇAS DO APARELHO CIRCULATÓRIO X DOENÇAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO XI DOENÇAS DO APARELHO DIGESTIVO XII XIII 2º TRIMESTRE 2010 ÓBITOS POR GRUPO DE CAUSA (CID - 10) E FAIXA ETÁRIA, Manaus - 2º Trimestre de 2010 DOENÇAS DA PELE E DO TECIDO SUBCUTÂNEO DOENÇAS SIST OSTEOMUSCULAR E TEC CONJUNTIVO XIV DOENÇAS DO APARELHO GENITURINÁRIO XV GRAVIDEZ PARTO E PUERPÉRIO ALGUMAS AFEC ORIGINADAS NO PERÍODO XVI PERINATAL MALF CONG DEFORMID E ANOMALIAS XVII CROMOSSÔMICAS SINT SINAIS E ACHAD ANORM EX CLÍN E XVIII LABORAT LESÕES ENVEN E ALG OUT CONSEQ CAUSAS XIX EXTERNAS CAUSAS EXTERNAS DE MORBIDADE E XX MORTALIDADE XXI CONTATOS COM SERVIÇOS DE SAÚDE TOTAL Fonte: SIM/GEIAS/DVEAM/SEMSA. Dados atualizados em 09/02/2011, sujeitos à revisão. CEP Manaus - Am 16

19 10. MORTALIDADE POR GRUPO DE CAUSA Nº CAPÍTULO DO CID 10 < e+ Ign TOTAL I ALGUMAS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS II NEOPLASIAS (TUMORES) III IV V DOENÇAS SANGUE ÓRGÃOS HEMAT E TRANST IMUNITÁR DOENÇAS ENDÓCRINAS NUTRICIONAIS E BÓLICAS TRANSTORNOS MENTAIS E COMPORTAMENTAIS VI DOENÇAS DO SISTEMA NERVOSO VII DOENÇAS DO OLHO E ANEXOS VIII DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE IX DOENÇAS DO APARELHO CIRCULATÓRIO X DOENÇAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO XI DOENÇAS DO APARELHO DIGESTIVO XII XIII 1º TRIMESTRE 2010 ÓBITOS POR GRUPO DE CAUSA (CID - 10) E FAIXA ETÁRIA, Manaus - 1º Trimestre de 2010 DOENÇAS DA PELE E DO TECIDO SUBCUTÂNEO DOENÇAS SIST OSTEOMUSCULAR E TEC CONJUNTIVO XIV DOENÇAS DO APARELHO GENITURINÁRIO XV GRAVIDEZ PARTO E PUERPÉRIO ALGUMAS AFEC ORIGINADAS NO PERÍODO XVI PERINATAL MALF CONG DEFORMID E ANOMALIAS XVII CROMOSSÔMICAS SINT SINAIS E ACHAD ANORM EX CLÍN E XVIII LABORAT LESÕES ENVEN E ALG OUT CONSEQ CAUSAS XIX EXTERNAS CAUSAS EXTERNAS DE MORBIDADE E XX MORTALIDADE XXI CONTATOS COM SERVIÇOS DE SAÚDE TOTAL Fonte: SIM/GEIAS/DVEAM/SEMSA. Dados atualizados em 09/02/2011, sujeitos à revisão. CEP Manaus - Am 17

ANEXO. Relatório de Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde

ANEXO. Relatório de Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde ANEXO Relatório de Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde PACTO PELA VIDA 2008. PRIORIDADE OBJETIVO META FÓRMULA DE CÁLCULO FONTE I. Atenção à Saúde do Idoso. i. Identificar pessoas

Leia mais

Aplicativo SISPACTO DIPRO/SUREGS

Aplicativo SISPACTO DIPRO/SUREGS Aplicativo SISPACTO DIPRO/SUREGS Secretaria da Saúde do Estado da Bahia SESAB Superintendência de Gestão dos Sistemas de Regulação da Atenção à Saúde SUREGS Diretoria de Programação e Desenvolvimento de

Leia mais

1ª Oficina Nacional do QUALIDIA

1ª Oficina Nacional do QUALIDIA 1ª Oficina Nacional do QUALIDIA LINHAS DE CUIDADO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES EXPERIÊNCIA DE DIADEMA SP Dra Lidia Tobias Silveira Assistente Gbi Gabinete SMS Diadema Linhas de cuidado de HA e DM

Leia mais

4 Indicadores Sociais

4 Indicadores Sociais 4 Indicadores Sociais 4.1 Indicadores de Saúde 4.1.1 Taxa mortalidade infantil (por mil nascidos vivos) e mortalidade por ano (por mil habitantes) - 1997 a 2013 Ano Mortalidade infantil Mortalidade por

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE GESTÃO MUNICIPAL

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE GESTÃO MUNICIPAL ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE GESTÃO MUNICIPAL Termo de Compromisso de Gestão que firma a Secretaria Municipal de Saúde de XX, representada pelo seu Secretário Municipal de Saúde, com o objetivo de pactuar

Leia mais

Panoramas e Desafios da Vigilância em Saúde

Panoramas e Desafios da Vigilância em Saúde Panoramas e Desafios da Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Cheila Marina de

Leia mais

INFORMAÇÕES REGIONAIS DE SAÚDE ERS DE SINOP MT, 2010

INFORMAÇÕES REGIONAIS DE SAÚDE ERS DE SINOP MT, 2010 Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso Secretaria Adjunta de Gestão Estratégica Superintendência de Políticas de Saúde INFORMAÇÕES REGIONAIS DE SAÚDE ERS DE SINOP MT, 2010 Coordenadoria de Gestão

Leia mais

O ESTADO DO PARÁ 8 m acrorregiões macrorregiões d e de saúde 23 regiões de saúde

O ESTADO DO PARÁ 8 m acrorregiões macrorregiões d e de saúde 23 regiões de saúde Governo do Estado do Pará Secretaria de Estado de Saúde Pública Diretoria de Políticas de Atenção Integral a Saúde Oficina de Trabalho "Troca de Experiências em Carreiras, Remuneração por Desempenho e

Leia mais

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 288,39 Urbana 309,57 Rural 167,10

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 288,39 Urbana 309,57 Rural 167,10 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Jacundá DEMOGRAFIA População Total 51.360 População por Gênero Masculino 25.769 Participação % 50,17 Feminino 25.591

Leia mais

EDUCAÇÃO Total de Escolas no Município Ensino Fundamental Ensino Médio Número de Matrículas Educação Infantil Creche 237

EDUCAÇÃO Total de Escolas no Município Ensino Fundamental Ensino Médio Número de Matrículas Educação Infantil Creche 237 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Água Azul do Norte DEMOGRAFIA População Total 25.057 População por Gênero Masculino 13.618 Participação % 54,35 Feminino

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471.

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471.980 População por Gênero Masculino 226.635 Participação % 48,02 Feminino 245.345

Leia mais

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Fontes de informação: A. População Todos os dados de população foram obtidos a partir do existente no site do Datasus www.datasus.gov.br/cgi/ibge/popmap.htm.

Leia mais

As tendências do Sistema Único de Saúde FGV 2009 1693 A Cidade de Curitiba 1916 2009 316 anos Missão da SMS Planejar e executar a política de saúde para o Município de Curitiba, responsabilizando- se pela

Leia mais

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO Ministério da Saúde TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO Brasília - DF 2014 Ministério da Saúde TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO)

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) Mês e Ano de elaboração MODELO PARA ELABORAÇÃO DA PAS 2014: Gerência de Programação em Saúde- DEPLAN/SUSAM 1 SUMÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO...3 ELABORAÇÃO...4

Leia mais

Modelos de Vigilância em Saúde no SUS: Perspectivas da Política Nacional. Porto Alegre, 24 de setembro de 2008

Modelos de Vigilância em Saúde no SUS: Perspectivas da Política Nacional. Porto Alegre, 24 de setembro de 2008 Modelos de Vigilância em Saúde no SUS: Perspectivas da Política Nacional Porto Alegre, 24 de setembro de 2008 Desafios para o Sistema de Vigilância / Sistema de Atenção a Saúde Queda da Taxa de Fecundidade

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS Estado do Paraná

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS Estado do Paraná SECRETARIA EXECUTIVA LEI Nº 3.336, DE 30 DE AGOSTO DE 2006 Dispõe sobre a criação de empregos públicos para a execução dos Programas de Saúde da Família e Agentes Comunitários de Saúde. A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

Fed Estado DF O cálculo da União não X possui percentual de aplicada em saúde

Fed Estado DF O cálculo da União não X possui percentual de aplicada em saúde Anexo RELATÓRIO DE INDICADORES DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DO PACTO PELA SAÚDE - 2007 A. INDICADORES PRINCIPAIS Denominação Método de Cálculo Fonte Parâmetro/Meta Nacional/ Referência Situação Local Meta

Leia mais

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Estão disponíveis, nestas páginas, os indicadores do Pacto de Atenção Básica 2002, estabelecidos a partir da portaria 1.121, de 17 de junho de 2002, calculados

Leia mais

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA Elsa Giugliani elsa.giugliani@saude.gov.br POLÍTICAS DE SAÚDE PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA 3º FÓRUM DEBATE BRASIL POLÍTICAS PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA: QUEBRANDO A CADEIA DA VIOLÊNCIA 28-29 Novembro 2007 Área

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE 2014 a 2017 DIRETRIZES, OBJETIVOS E METAS PLURIANUAIS

PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE 2014 a 2017 DIRETRIZES, OBJETIVOS E METAS PLURIANUAIS PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE 2014 a 2017 DIRETRIZES, OBJETIVOS E METAS PLURIANUAIS IDENTIFICAÇÃO MUNICIPAL Município: Prefeito: Endereço da Prefeitura: São José do Rio Preto Valdomiro Lopes da Silva Junior

Leia mais

Indicadores de Transição Pacto pela Saúde Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde - COAP 2012 Rio de Janeiro

Indicadores de Transição Pacto pela Saúde Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde - COAP 2012 Rio de Janeiro Indicadores de Transição Pacto pela Saúde Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde - COAP 2012 Rio de Janeiro Contém os resultados, desde 2008, dos indicadores pactuados em 2012 pelos municípios

Leia mais

Proposta de Plano Nacional de Saúde - PNS 2008/2009-2011

Proposta de Plano Nacional de Saúde - PNS 2008/2009-2011 Proposta de Plano Nacional de Saúde - PNS 2008/2009-2011 ELABORAÇÃO MS/SE/SPO/ PLANEJASUS EQUIPE PLANO NACIONAL DE SAÚDE cgpl@saude.gov.br - (61) 3315-2677 - www.saude.gov.br/planejasus Início do processo:

Leia mais

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 XV 55 Novembro de 2014 Especial Vigilância Ambiental da Dengue em Porto Alegre XV 54 Fevereiro de 2014 Atual Cenário Epidemiológica da

Leia mais

BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE. Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003

BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE. Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003 BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003 Percentual de NV filhos de mães adolescentes. Belo Horizonte, 1996-2002.

Leia mais

PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE

PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE 2014 2 PREFEITURA MUNICIPAL DE VALENÇA-RJ Endereço: Rua Dr. Figueiredo nº 320 Centro Valença-RJ - CEP: 27.600-000

Leia mais

PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE

PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE 2015 2 PREFEITURA MUNICIPAL DE VALENÇA-RJ Endereço: Rua Dr. Figueiredo nº 320 Centro Valença-RJ - CEP: 27.600-000

Leia mais

PERFIL BÁSICO MUNICIPAL

PERFIL BÁSICO MUNICIPAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) PERFIL BÁSICO MUNICIPAL Fortaleza-CE 2009 Apresentação O Instituto

Leia mais

Agenda de Compromissos dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Governo Federal e Municípios

Agenda de Compromissos dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Governo Federal e Municípios Agenda de Compromissos dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Governo Federal e Municípios 2013-2016 Apresentação Uma agenda de compromissos serve para registrar o que deve ser feito e estipular prazos

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SANTA CATARINA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO DO SUS GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE Baseado no Livro 2 dos Cadernos de Planejamento do PLANEJASUS Elaborado

Leia mais

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Ortografia (escrita correta das palavras). Divisão silábica. Pontuação. Acentuação Gráfica. Flexão do substantivo

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Ortografia (escrita correta das palavras). Divisão silábica. Pontuação. Acentuação Gráfica. Flexão do substantivo ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO EMPREGO: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE Ortografia (escrita correta das palavras). Divisão silábica. Pontuação. Acentuação Gráfica. Flexão do substantivo (gênero masculino e

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE 9ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL

CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE 9ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL 9ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL RELATÓRIO FINAL TEMA CENTRAL Saúde e Qualidade de Vida: Política de Estado e Desenvolvimento DIRETRIZES PROPOSTAS PELAS OFICINAS TEMÁTICAS PARA COLOMBO, BIÊNIO 2007-2009, APROVADAS

Leia mais

NOTA TÉCNICA 42 /2012

NOTA TÉCNICA 42 /2012 NOTA TÉCNICA 42 /2012 Atualiza as diretrizes para organização da prevenção e do tratamento do sobrepeso e obesidade como linha de cuidado prioritária da Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico ISSN 1806-0463 Secretaria da Saúde v. 14 Suplemento 1 12 Boletim Epidemiológico Análise da Mortalidade por Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Rio Grande Luciana Sehn 1 1 Estatística do Centro Estadual

Leia mais

2000 2003 Porto Alegre

2000 2003 Porto Alegre 2000 2003 Porto Alegre 1 Tabela 1- Série histórica do número de óbitos e Coeficientes de Mortalidade Geral (CMG) no Brasil, Rio Grande do Sul e Porto Alegre, 1980-2003 Brasil RS Porto Alegre Ano óbitos

Leia mais

Nota Técnica dos valores absolutos utilizados na construção dos indicadores do rol de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores 2014-2015

Nota Técnica dos valores absolutos utilizados na construção dos indicadores do rol de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores 2014-2015 Nota Técnica dos valores absolutos utilizados na construção dos indicadores do rol de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores 2014-2015 Contém os valores absolutos numeradores e denominadores utilizados

Leia mais

Apresentação. Flávio Ataliba Flexa Daltro Barreto. Diretor Geral

Apresentação. Flávio Ataliba Flexa Daltro Barreto. Diretor Geral Apresentação O Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) disponibiliza para o Governo e a sociedade o Perfil Básico Municipal 2011. As informações contidas no Perfil Básico Municipal,

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Palestrante: Carolina Ferri Programa de Saúde da Família Estratégia de reorientação do modelo assistencial, operacionalizada mediante a implantação de equipes

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO

1. IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO Nome Secretaria Municipal de Saúde - VOLTA REDONDA CNPJ: 36.504.470/0001-30 Rua: 566, N 31 Bairro: Nossa Senhora das Graças Telefone: 2433399635 - E-mail: gs.sms@epdvr.com.br 27295-390 - VOLTA REDONDA

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE UBERLÂNDIA MG 25 de Abril de 2012 MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA ESTADO DE MINAS GERAIS PREFEITO MUNICIPAL Odelmo Leão SECRETÁRIO DE SAÚDE Gladstone R. Cunha Filho ENDEREÇO Av. Anselmo

Leia mais

O BRASIL E OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO

O BRASIL E OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO O BRASIL E OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO SECRETARIA NACIONAL DE RELAÇÕES POLÍTICO-SOCIAIS SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA APRESENTAÇÃO Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo DEMOGRAFIA População Total 15.690 População por Gênero Masculino 8.314 Participação % 52,99 Feminino 7.376

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves DEMOGRAFIA População Total 92.860 População por Gênero Masculino 47.788 Participação % 51,46 Feminino 45.072 Participação

Leia mais

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina Secretaria da Saúde do Estado de Santa Catarina Diretoria de Planejamento e Coordenação Gerência de Estatística e Informática Setor de Mortalidadade Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará DEMOGRAFIA População Total 7.475 População por Gênero Masculino 3.879 Participação % 51,89 Feminino

Leia mais

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra DEMOGRAFIA População Total 20.183 População por Gênero Masculino 10.292 Participação % 50,99 Feminino 9.891

Leia mais

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Marabá DEMOGRAFIA População Total 233.669 População por Gênero Masculino 118.196 Participação % 50,58 Feminino 115.473

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba DEMOGRAFIA População Total 97.493 População por Gênero Masculino 49.681 Participação % 50,96 Feminino 47.812

Leia mais

Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha

Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha Coordenação Geral de Ações Estratégicas - CGAE Instituto Nacional de Câncer - INCA Cenário do Câncer no Mundo: perspectiva de crescimento

Leia mais

Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS)

Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) PORTARIA Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

Caderno de Informações para a Gestão Estadual do SUS - 2011

Caderno de Informações para a Gestão Estadual do SUS - 2011 AL Caderno de Informações para a Gestão Estadual do SUS - 2011 ALAGOAS 1 Copyright 2011-1ª Edição Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS Tiragem: 100 Impresso no Brasil Brasil. Conselho Nacional

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO DAET- Departamento de Atenção Especializada e Temática POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM Diretriz Promover ações de saúde que contribuam

Leia mais

SAÚDE DA MULHER, MORTALIDADE MATERNA E REDUÇÃO DE DANOS. Novembro de 2008

SAÚDE DA MULHER, MORTALIDADE MATERNA E REDUÇÃO DE DANOS. Novembro de 2008 PARAÍBA NEGO SAÚDE DA MULHER, MORTALIDADE MATERNA E REDUÇÃO DE DANOS Novembro de 2008 Atenção Básica Conjunto de ações de saúde, no âmbito individual e coletivo, que abrangem a promoção e a proteção da

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS MACROPROCESSOS BÁSICOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE

ORGANIZAÇÃO DOS MACROPROCESSOS BÁSICOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Fortaleza Maio, 2013 SAÚDE 1 ORGANIZAÇÃO DOS MACROPROCESSOS BÁSICOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE OFICINA 3 CADASTRO FAMILIAR E DIAGNÓSTICO LOCAL MANAUS - Julho, 2013 1 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE Secretário

Leia mais

LEI Nº 2.143, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013.

LEI Nº 2.143, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. LEI Nº 2.143, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. Estabelece princípios e diretrizes para a Política Municipal de Incentivo ao Desenvolvimento na Primeira Infância, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

Elementos para suporte na Decisão Clínica e organização da atenção na Área de Saúde da Mulher

Elementos para suporte na Decisão Clínica e organização da atenção na Área de Saúde da Mulher PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE 1 Identificação Título Implantação da linha de cuidado em Saúde da Mulher na USF Hidrolândia Área temática Elementos para suporte na Decisão Clínica e organização da atenção

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS ACRE

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS ACRE PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS ACRE OBJETIVOS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS E PARCERIAS CRONOGRAMA (PRAZO) Realizar reuniões com Conselhos de Saúde,

Leia mais

IV Seminário de Promoçã e Prevençã. ção à Saúde. ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar. I Seminário de Atençã. Suplementar.

IV Seminário de Promoçã e Prevençã. ção à Saúde. ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar. I Seminário de Atençã. Suplementar. IV Seminário de Promoçã ção o da Saúde e Prevençã ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar I Seminário de Atençã ção à Saúde Suplementar Dezembro 2007 Área de Atençã ção à Saúde da Mulher Marco Regulatório

Leia mais

NOTA TÉCNICA 55 2011

NOTA TÉCNICA 55 2011 Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com transtornos mentais e com necessidades decorrentes do uso prejudicial de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do SUS. Minuta de portaria: Institui a Rede

Leia mais

Caderno de Informações para a Gestão Estadual do SUS - 2011

Caderno de Informações para a Gestão Estadual do SUS - 2011 AM Caderno de Informações para a Gestão Estadual do SUS - 2011 AMAZONAS 1 Copyright 2011-1ª Edição Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS Tiragem: 100 Impresso no Brasil Brasil. Conselho Nacional

Leia mais

Curso Introdutório em Gerenciamento da Estratégia Saúde da Família

Curso Introdutório em Gerenciamento da Estratégia Saúde da Família Curso Introdutório em Gerenciamento da Estratégia Saúde da Família Leni Nobre Doutora em Saúde Pública-USP Membro do Centro de Investigação Científica da ESP-CE. Compreender os instrumentos de gestão e

Leia mais

Plano de Governo 2013/2016 Secretaria Municipal de Saúde

Plano de Governo 2013/2016 Secretaria Municipal de Saúde Secretaria Municipal de Saúde Garantir o bom funcionamento e reais condições de atendimento a população em toda Rede de Serviços de Saúde, de forma eficiente; Fortalecer o Conselho Municipal de Saúde,

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA À SAÚDE TEMAS DESTE INFORME Entendendo um pouco mais

Leia mais

Integrando as Ações de Monitoramento e Avaliação com Avaliação para Melhoria da Qualidade da Saúde da Família no Estado do Amazonas

Integrando as Ações de Monitoramento e Avaliação com Avaliação para Melhoria da Qualidade da Saúde da Família no Estado do Amazonas Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas Integrando as Ações de Monitoramento e Avaliação com Avaliação para Melhoria da Qualidade da Saúde da Família no Estado do Amazonas Autores: Edylene Maria dos

Leia mais

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA outubro a dezembro / 2010 / n 4 MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA Apresentação Este quarto boletim de 2010 apresenta os dados parciais para acompanhamento dos

Leia mais

II. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS (AM)

II. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS (AM) MANAUS (AM) CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO 1 II. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS (AM) 1. CARACTERÍSTICAS GEOGRÁFICAS E DEMOGRÁFICAS Manaus era conhecida como Cidade da Barra do Rio Negro até 1856 quando

Leia mais

Prefeitura Municipal de Resende Secretaria Municipal de Fazenda Plano Plurianual 2014-2017

Prefeitura Municipal de Resende Secretaria Municipal de Fazenda Plano Plurianual 2014-2017 Linha de Atuação: Universalização e Humanização do Atendimento Básico e Secundário CÓDIGO DO PROGRAMA: 119 PROGRAMA DE ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE VALOR DO PROGRAMA NO PERÍODO FONTES 2014 2015 2016 2017 Tesouro

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 424, DE 19 DE MARÇO DE 2013(*)

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 424, DE 19 DE MARÇO DE 2013(*) ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 424, DE 19 DE MARÇO DE 2013(*) Redefine as diretrizes para a organização

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos Agenda de Compromissos Governo Federal e Municípios 1. Erradicar a extrema pobreza e a fome 2. Educação básica de qualidade para todos 3. Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Leia mais

OF/AMUCC-043/2013 - ADV Florianópolis, 02 de maio de 2013.

OF/AMUCC-043/2013 - ADV Florianópolis, 02 de maio de 2013. OF/AMUCC-043/2013 - ADV Florianópolis, 02 de maio de 2013. Exmo Sr. Dr. Maurício Pessutto MD Procurador da República Procuradoria da República em Santa Catarina Rua Pascoal Apóstolo Pitsica, nº 4876, torre

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem FERNANDA ARAUJO RODRIGUES

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem FERNANDA ARAUJO RODRIGUES 0 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem FERNANDA ARAUJO RODRIGUES Vivenciando a Saúde Comunitária na Unidade Básica de Saúde Glória Porto Alegre 2011 1 FERNANDA ARAUJO RODRIGUES

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR 2005

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR 2005 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR 2005 LONDRINA PR 2005 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Nedson Luiz Micheleti - Prefeito AUTARQUIA

Leia mais

Sistema de Monitoramento e avaliação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio em Belo Horizonte

Sistema de Monitoramento e avaliação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio em Belo Horizonte Sistema de Monitoramento e avaliação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio em Belo Horizonte O Observatório do Milênio de Belo Horizonte é um espaço de produção, análise e disponibilização de informações

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA HOSPITAL DR. JOÃO MACHADO

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA HOSPITAL DR. JOÃO MACHADO GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA HOSPITAL DR. JOÃO MACHADO NÚCLEO HOSPITALAR DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA - NHVE E-mail: nhehjm@hotmail.com Fone: (84) 3232-0857

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE (PQA-VS) FICHAS DE QUALIFICAÇÃO DOS INDICADORES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE (PQA-VS) FICHAS DE QUALIFICAÇÃO DOS INDICADORES PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE (PQA-VS) FICHAS DE QUALIFICAÇÃO DOS INDICADORES Setembro de 2013 Brasília - DF 2 Sumário Apresentação...3 Rol de Indicadores do Programa de Qualificação

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE (PAS) 2016

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE (PAS) 2016 PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE (PAS) 2016 PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE 2014-2017 INSTRUMENTOS DE GESTÃO - 2013 2014 2015-2016 PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE PAS 2014 E 2015 PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DE 2014-2017 PAS

Leia mais

BLOCO 13 VIGILÂNCIA SANITÁRIA (Continua)

BLOCO 13 VIGILÂNCIA SANITÁRIA (Continua) 1 - O órgão responsável pela Vigilância Sanitária no município caracteriza-se como: Setor é a parte organizacional da prefeitura sem status de secretaria. 1 Setor da secretaria municipal de saúde Setor

Leia mais

Princípios e proposições gerais para a Saúde no Governo Wagner:

Princípios e proposições gerais para a Saúde no Governo Wagner: Princípios e proposições gerais para a Saúde no Governo Wagner: 1) defesa do Sistema Único de Saúde (SUS) universal, humanizado e de qualidade; 2) compromisso do governo com a geração de emprego, distribuição

Leia mais

PROJETO DE LEI 01-00453/2014 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB), Andrea Matarazzo (PSDB), José Américo (PT) e Marta Costa (PSD)

PROJETO DE LEI 01-00453/2014 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB), Andrea Matarazzo (PSDB), José Américo (PT) e Marta Costa (PSD) Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo PROJETO DE LEI 01-00453/2014 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB), Andrea Matarazzo (PSDB), José Américo (PT) e Marta Costa (PSD) Autores

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA MUNICIPAL

AUDIÊNCIA PÚBLICA MUNICIPAL PREFEITURA MUNICIPAL DE OCARA CE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE AUDIÊNCIA PÚBLICA MUNICIPAL RELATÓRIO QUADRIMESTRAL DA SAÚDE JAN ABR DE 2015 RUA JOSÉ CORREIA SN CEP 62 755-000 CENTRO OCARA - CEARÁ. FONE

Leia mais

PERFIL DA POPULAÇÃO DE MICRO-ÁREAS DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO BAIRRO SANTA FELICIDADE DO MUNICÍPIO DE CASCAVEL PR

PERFIL DA POPULAÇÃO DE MICRO-ÁREAS DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO BAIRRO SANTA FELICIDADE DO MUNICÍPIO DE CASCAVEL PR PERFIL DA POPULAÇÃO DE MICRO-ÁREAS DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO BAIRRO SANTA FELICIDADE DO MUNICÍPIO DE CASCAVEL PR Ângela Gonçalves da Silva 1 Aline Reche Mendonça 2 Samuel Leandro Santos 3 Adeline Furutani

Leia mais

Avaliação setorial do Plano Diretor de Curitiba

Avaliação setorial do Plano Diretor de Curitiba Setembro, 2013 Avaliação setorial do Plano Diretor de Curitiba Autores: Maria Teresa Bonatto de Castro; Marília Isfer Ravanello; Mônica Máximo da Silva; Nelson Yukio Nakata. IPPUC: Instituto de Pesquisa

Leia mais

GLOSSÁRIO DO PORTAL SAÚDE TRANSPARENTE

GLOSSÁRIO DO PORTAL SAÚDE TRANSPARENTE GLOSSÁRIO DO PORTAL SAÚDE TRANSPARENTE Blocos de financiamento: Com a implementação do Pacto pela Saúde, os recursos federais, destinados ao custeio de ações e serviços da saúde, passaram a ser divididos

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 885, DE 2015

PROJETO DE LEI N.º 885, DE 2015 COMISSÃO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE LEI N.º 885, DE 2015 Dispõe sobre a obrigatoriedade da concessão de Kit básico de Higiene pessoal nas escolas públicas e dá outras. Autor: Deputado MÁRIO HERINGER Relator:

Leia mais

PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006.

PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006. PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família

Leia mais

Capacitação de Profissionais em Prevenção, Controle e Assistência Oncológica

Capacitação de Profissionais em Prevenção, Controle e Assistência Oncológica Programa 0011 PREVENÇÃO E CONTROLE DO CÂNCER E ASSISTÊNCIA ONCOLÓGICA Objetivo Indicador(es) Promover a prevenção, a detecção precoce dos tipos de câncer prevalentes e a assistência à população para reduzir

Leia mais

Processo de integração com os territórios de saúde Relato de Experiência do município de Vitória/ES.

Processo de integração com os territórios de saúde Relato de Experiência do município de Vitória/ES. PREFEITURA MUNICIPAL DE VITÓRIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GERÊNCIA DE ATENÇÃO À SAÚDE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA: Processo de integração com os territórios de saúde Relato de Experiência

Leia mais