ANO VII NÚMERO 20 Dezembro 2014 Monitoramento do Câncer no Grupo Hospitalar Conceição

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANO VII NÚMERO 20 Dezembro 2014 Monitoramento do Câncer no Grupo Hospitalar Conceição"

Transcrição

1 Boletim Epidemiológico Núcleo Hospitalar de Epidemiologia HNSC ANO VII NÚMERO 2 Dezembro 214 Monitoramento do Câncer no Grupo Hospitalar Conceição Ivana R. Santos Varella, Pediatra, Doutora em Epidemiologia Patricia Fisch, Infectologista, Doutoranda em Epidemiologia EDITORIAL N o Brasil, em 21, as neoplasias ocuparam a terceira posição entre as principais causas de óbito, conforme os capítulos da CID-1 e foi observado um aumento da proporção dos óbitos por neoplasias. Diante deste cenário epidemiológico uma das ações estabelecidas para assegurar o acesso e a qualidade da assistência ao paciente com neoplasia maligna foi o decreto da Lei , em 22 de Novembro de 212, que dispõe sobre o primeiro tratamento de paciente com neoplasia maligna comprovada e estabelece prazo de 6 dias para seu início. Para a implementação das ações de prevenção e controle do Câncer tornase necessária a existência de ferramentas de monitoramento da situação epidemiológica do Câncer em Serviços de Saúde. O Registro Hospitalar do Câncer desenvolvido pelo INCA tem sido fundamental nesta política. Entretanto, os hospitais devem qualificar as ferramentas para o monitoramento de indicadores e avaliação do seu desempenho. Assim, O NHE/HNSC-HCC foi responsável pelo projeto da Vigilância Epidemiológica do Câncer entre as ações do Planejamento Estratégico do GHC, deste ano. Portanto, realizamos uma análise da situação das hospitalizações, segundo capítulos da CID-1, ocorridas em hospitais do GHC. Apresentamos a seguir os resultados desta análise com o objetivo de conhecermos um pouco mais a realidade destes hospitais com ênfase nos diagnósticos de neoplasias. Ivana Varella, Responsável técnica Núcleo Hospitalar de Epidemiologia/HNSC-HCC INTRODUÇÃO No Brasil, em 21, houve óbitos dos quais as principais causas, segundo os capítulos da CID-1, foram causas externas (27,6%), doenças do aparelho circulatório (2%) e neoplasias (16,4%). Paralelamente a isso ocorreu um aumento da proporção dos óbitos por neoplasias (de 12,1% em 1996 para 16,4% em 21). Em mulheres, entre 2 e 59 anos, as 1

2 doenças cerebrovasculares, as doenças isquêmicas do coração e a neoplasia maligna da mama feminina, em ordem de freqüência, foram as principais causas de morte (1). Com base nesta tendência, o Ministério da Saúde incluiu as ações de controle do agravo entre os 16 Objetivos Estratégicos para o período Entre elas destacam-se as ações de redução da prevalência do tabagismo e de ampliação de acesso, diagnóstico e tratamento em tempo oportuno dos cânceres de mama e do colo do útero, assim como a publicação da nova Política Nacional de Prevenção e Controle de Câncer na Rede de Atenção às Pessoas com Doenças Crônicas (PNPCC-RAS) (2,3). Uma das ações que visam assegurar o acesso e a qualidade da assistência ao paciente com neoplasia maligna está a Lei , decretada em 22 de Novembro de 212, que entrou em vigor em 23 de maio de 213. A lei dispõe que o paciente com neoplasia maligna tem direito de se submeter ao primeiro tratamento no Sistema Único de Saúde (SUS), no prazo de até 6 (sessenta) dias contados a partir do dia em que for firmado o diagnóstico em laudo patológico ou em prazo menor, conforme a necessidade terapêutica do caso, registrada em prontuário único. Consta que, para efeito do cumprimento do prazo estipulado, considerar-se-á efetivamente iniciado o primeiro tratamento da neoplasia maligna, com a realização de terapia cirúrgica ou com o início de radioterapia ou de quimioterapia, conforme a necessidade terapêutica do caso (4). Para o monitoramento destas estratégias, destaca-se entre os sistemas de informações relacionados aos casos de câncer no país o Registro Hospitalar do Câncer (RHC) e o Sistema de Informação de Câncer (SISCAN) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). O Registro Hospitalar do Câncer e Sistema de Informações do Câncer (Siscan) Desde 1993, o funcionamento dos RHC no Brasil é amparado por consistente base legal, inicialmente com base na Portaria nº 171 do Ministério da Saúde, que classificou os hospitais de atendimento oncológico do SUS no Sistema de Informação de Procedimentos de Alta Complexidade (SIPAC), considerando imperativa a existência de RHC para melhorar a qualidade da informação hospitalar (2). Posteriormente novas portarias reforçaram o seu papel, reafirmando que as Unidades e Centros devem dispor e manter em funcionamento o RHC informatizado, segundo os critérios técnicooperacionais estabelecidos pelo INCA (2,5). O propósito de um Registro Hospitalar é o de atender às necessidades da administração do hospital, do programa de controle do câncer nele desenvolvido e, sobretudo, do paciente em particular. Sua principal função é clínica, sendo valioso recurso para acompanhar e avaliar a qualidade do trabalho realizado nesses hospitais, com um importante papel a cumprir, na monitoração e avaliação dos cuidados prestados aos pacientes com câncer (5). A Portaria Nº 3.394, de 3 de Dezembro de 213 institui o Sistema de Informação de Câncer (SICAN) no âmbito do SUS (6). O SISCAN tem por finalidade permitir o monitoramento das ações relacionadas à detecção precoce, à confirmação diagnóstica e ao início do tratamento de neoplasias malignas. O SISCAN deve ser obrigatoriamente implantado em estabelecimentos de saúde, públicos ou privados que atuam de forma complementar ao SUS (7). 2

3 Situação epidemiológica de casos de câncer registrados no mundo O câncer é uma das principais causas de morte no mundo, atingindo 8,2 milhões de mortes em 212, representando 22% de todas as causas de morte neste ano (8). A ocorrência de óbito é mais comum nas seguintes topologias de câncer: pulmão (1,59 milhões de mortes), fígado (745. de mortes), estômago (723. mortes), colorretal (694. mortes), mama (521. mortes) e esôfago (4. mortes) (9). Os cinco tipos de câncer mais comuns que causam óbito em homens por ordem de freqüência são pulmão, estômago, fígado, colorretal e esôfago. Em mulheres esta ordem é câncer de mama, pulmão, estômago, colorretal e cervical (8). Mais de 3% das mortes por câncer são preveníveis modificando ou evitando cinco principais fatores de risco incluindo o tabaco, obesidade ou sobrepeso, dieta com baixa ingestão de frutas e vegetais, falta de atividade física e uso de álcool. O fator de risco isolado mais importante é o tabaco causando mais de 2% das mortes por câncer e cerca de 7% das mortes por câncer de pulmão no mundo. Mais de 6% do total anual de novos casos ocorrem na África, Ásia, América Central e América do Sul, responsáveis por 7% dos casos de mortes por câncer no mundo (9). No mundo a localização mais freqüente de câncer é no pulmão, seguido da mama, cólon e reto, próstata, estômago e fígado (figura 1). Em homens as localizações mais comuns são pulmão, próstata, cólon e reto, estômago e fígado (figura 2). Enquanto em mulheres a ordem de frequência é mama, cólon e reto, pulmão, cérvice uterina, estômago e corpo uterino (figura 3) (1). Figura 1. Incidência e Mortalidade de câncer em ambos os sexos, todas as idades, segundo localização primária, por 1. habitantes, no mundo,

4 Figura 2. Incidência e Mortalidade de câncer em homens, todas as idades, segundo localização primária, por 1. habitantes, no mundo, 212. Figura 3. Incidência e Mortalidade de câncer em mulheres, todas as idades, segundo localização primária, por 1. habitantes, h no mundo,

5 Situação epidemiológica de casos de câncer registrados no Brasil Em 214 estima-se o registro de casos novos de câncer no Brasil, casos novos no Rio Grande do Sul e 7.71 casos novos em Porto Alegre. O estado de São Paulo apresenta o maior número de casos novos estimados de câncer (152.2 casos), seguido do Rio de Janeiro (73.68 casos), Minas Gerais (61.53 casos) e Rio Grande do Sul (51.41 casos) (2). A região Sul apresenta a maior incidência estimada de casos novos de câncer, exceto pele não melanoma, por 1 mil habitantes, em 214, para homens (313,63) e mulheres (254,94), seguida da região Sudeste. A distribuição proporcional dos casos estimados no Brasil está na figura 4 (2). Na região Sul, o Rio Grande do Sul apresenta a maior incidência estimada tanto para homens como para mulheres (figura 5). A distribuição dos casos novos estimados para este estado e capital, por localização primária, está na tabela 1. Figura 4. Distribuição proporcional dos dez tipos t de câncer mais incidentes estimados para 214 por sexo, exceto pele não melanoma. Brasil. Figura 5. Taxas brutas de incidência estimadas para 214 por sexo, Rio Grande do Sul e Porto Alegre. 5

6 Tabela 1 - Estimativas para o ano 214 das taxas brutas de d incidência de neoplasias malignas, exceto pele não melanoma, por 1 mil habitantes, e do número de casos novos de câncer, segundo sexo e localização primária, Rio Grande do Sul e Porto Alegre. SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DAS HOSPITALIZAÇÕES POR CÂNCER NO GHC Metodologia Foi realizado um estudo descritivo das características das hospitalizações ocorridas no Hospital Nossa Senhora da Conceição, Hospital da Criança Conceição e Hospital Femina, entre 1 de janeiro e 31 de dezembro de 213. Para avaliarmos o perfil de hospitalizações ocorridas nos hospitais do GHC, em 213, utilizamos o relatório de hospitalizações por período disponível no prontuário eletrônico do GHC e obtido em 4/11/214. A Classificação Internacional de Doenças CID-1, foi utilizada para agruparmos as patologias informadas no momento da alta hospitalar, por capítulos de I a XXI (Quadro 1). No banco de dados do HNSC foram excluídas as hospitalizações nos serviços Programa de Atenção Domiciliar (441 hospitalizações) e Odontologia Programada (1 hospitalização). A análise dos dados foi realizada no programa Statistical Package for the Social Sciences versão 15. (SPSS v15.). Quadro 1 Descrição das patologias conforme capítulos da CID-1. CAPÍTULO I Algumas Doenças Infecciosas e Parasitárias (A-B99) CAPÍTULO II Neoplasias (C-D48) CAPÍTULO III Doenças do Sangue e dos Órgãos Hematopoiéticos e Alguns Transtornos Imunitários (D5-D89) CAPÍTULO IV Doenças Endócrinas, Nutricionais e Metabólicas (E-E88) 6

7 Continuação quadro 1. CAPÍTULO V Transtornos Mentais e Comportamentais (F1-F99) CAPÍTULO VI Doenças do Sistema Nervoso (G-G98) CAPÍTULO VII Doenças do Olho e Anexos (H-H57) CAPÍTULO VIII Doenças do Ouvido e Apófise Mastóide (H6-H93) CAPÍTULO IX Doenças do Aparelho Circulatório (I-I99) CAPÍTULO X Doenças do Aparelho Respiratório (J-J98 E U4=SARS) CAPÍTULO XI Doenças do Aparelho Digestivo (K-K92) CAPÍTULO XII Doenças da Pele e do Tecido Subcutâneo (L-L98) CAPÍTULO XIII Doenças do Sistema Osteomuscular e do tecido Conjuntivo (M-M99) CAPÍTULO XIV Doenças do Aparelho Geniturinário (N-N98) CAPÍTULO XV Gravidez, Parto e Puerpério (O-O99) CAPÍTULO XVI Algumas Afecções Originadas no Período Perinatal (P-P96) CAPÍTULO XVII Malformações congênitas, deformidades e anomalias cromossômicas (Q-Q99) CAPÍTULO XVIII Sintomas, Sinais e Achados Anormais de Exame Clínico e de Laboratório classificados (R-R99) em outra parte CAPÍTULO XIX E Lesões, envenenamentos E Causas Externas de Morbidade e de Mortalidade (S-T98 E V1-Y89) XX CAPÍTULO XXI Fatores que influenciam o estado de saúde (Z-Z99) HOSPITAL FEMINA Em 213 houve hospitalizações no Hospital Femina, e foram de pacientes do sexo feminino (96,6%). Entre o total de hospitalizações houve predomínio da faixa etária entre 2 e 29 anos (31,1%), seguida da faixa entre 3 e 39 anos (22,5%) (figura 6). Nº ,1 22,5 11,9 12,3 5,8 7,4 8,5,6 < 1 1 a a 19 2 a 29 3 a 39 4 a 49 5 a 59 6 ou mais Faixa etária % F M % Figura 6. Número de hospitalizações por sexo e faixa etária e distribuição das hospitalizações por faixa etária (%). Hospital Femina, 213. Os três principais motivos de hospitalização foram gravidez, parto e puerpério (52,1%), neoplasias (18,6%) e doenças do aparelho genitourinário (14,3%) (figura 7). Não houve descrição do CID principal em 319 hospitalizações (2,4%), e foram excluídas do cálculo da distribuição das doenças. 7

8 Nº ,1 18,6 14,3 4,8 3,9 1,7 1,1,9,9,5,3 2,3,2,2,1,1,1 XV II XIV XVI XXI XVIII I XI IX XII XVII XIX e XX Capítulos de CID-1 IV X XIII III VI V % 2 1 Nº % Figura 7. Número e distribuição (%) de hospitalizações por CID-1 principal. Hospital Femina, 213. Entre as 2.39 hospitalizações por neoplasias, conforme a CID-1 dos agrupamentos amplos C a D48, houve 579 hospitalizações por neoplasias benignas (D1-D36) (24,2%), 376 por neoplasias de comportamento incerto (D37-D48) (15,7%) 28 por neoplasia in situ (D-D9) (8,7%) e hospitalizações por neoplasias malignas (51,3%). As cinco topologias de neoplasias malignas mais frequentes foram mama (62,9%), colo do útero (24,2%), corpo do útero (5,5%), vulva ou vagina (5,3%) e ovário (4,9%). As demais foram classificadas como localização mal definida (16 hospitalizações), de outros órgãos genitais femininos ou placenta (9 hospitalizações), do tecido linfático (1), da pele (1), estômago (1) e fígado (1). Identificamos uma maior frequência de hospitalizações com o aumento da idade, observada em todos os principais tipos de neoplasias malignas (figura 8). Nº Mama Colo do útero Corpo do útero Vulva ou vagina Ovário 6 ou mais Figura 8. Número de hospitalizações por neoplasias malignas principais, por faixa etária, Hospital Femina,

9 HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO Entre 21.4 hospitalizações, foram de pacientes do sexo feminino (63,%). Observamos predomínio da faixa etária de 5 a 59 anos e 6 anos ou mais acumulando 48,2% do total de hospitalizações (figura 9). Os três principais motivos identificados foram gravidez, parto e puerpério (19,1%), neoplasias (16,3%) e doenças do aparelho digestivo (13,6%) e sem descrição em 71 hospitalizações (3,3%) (figura 11) Nº , 16,2 15, 16,2 13,3 6,7,6 5 a 9 1 a a 19 2 a 29 3 a 39 4 a 49 5 a 59 6 ou mais Faixa etária 35, 3 25, 2 % 15, 1 5, F M % Figura 9. Número de hospitalizações por sexo e faixa etária e distribuição das hospitalizações por faixa etária (%). Hospital Nossa Senhora da Conceição, ,1 16, Nº ,6 13, 8, 7,7 6,3 5, ,2 1,5 1,2 1,1,9,8,6,6,3,2,1,1,1 XV II XI IX XIV I 25, 2 15, % 1 5, X XVIII IV VI XXI XII V XIII III XIX e XX XVIII VIII Outros VII XVI Nº % Figura 1. Número e distribuição (%) de hospitalizações por CID-1 principal. Hospital Nossa Senhora da Conceição, 213. Ao selecionarmos apenas as hospitalizações por neoplasias, conforme a CID-1 dos agrupamentos amplos C a D48, houve 288 hospitalizações por neoplasias benignas (D1-D36) (8,7%), 388 hospitalizações por neoplasias de comportamento incerto ou desconhecido (D37-D48) (11,7%), 78 9

10 hospitalizações por neoplasia in situ (D-D9) (2,4%) e 2.56 hospitalizações por neoplasias malignas (77,2%). As cinco topologias de neoplasias malignas mais freqüentes, foram cólon e reto (15,5%), tecido linfático, hematopoiético e correlatos (12,9%), mama (12,4%), pulmões e brônquios (8,1%) e lábio, cavidade oral e faringe (5,7%). As demais foram do trato urinário (5,%), do esôfago (4,4%), da tireóide e outras glândulas (3,9%), do estômago (3,7%), da próstata (3,2%), do aparelho respiratório, exceto pulmão (3,%), do fígado (2,7%), do pâncreas (2,3%), de outros órgãos genitais masculinos (2,%), do colo do útero (1,7%), da pele (1,7%), do ovário (1,4%), tecido mesotelial e tecidos moles (1,3%), vesícula biliar (,9%), do corpo do útero (,7%), vulva ou vagina (,6%), outros órgãos genitais femininos (,6%) e outros (,7%). Na avaliação de hospitalizações pelas principais neoplasias malignas identificadas no HNSC, em 213, conforme as faixas etárias, houve maior freqüência de hospitalizações com o aumento da idade. Porém, este achado não foi tão marcado como observado no Hospital Femina onde houve uma proporção bem maior de neoplasia maligna de mama. Além disso, a segunda topologia mais freqüente de neoplasia maligna no HNSC foi de tecido linfático, hematopoiético e correlatos, onde houve predomínio de hospitalizações na faixa etária abaixo de 5 anos (figura 11). Entretanto, não foi possível avaliarmos a faixa etária da detecção do diagnóstico, nem incidência da doença com esta ferramenta (CID-1 da causa principal de hospitalização). Entre os homens houve proporção maior de hospitalizações, por neoplasia maligna de cólon e reto, de tecido linfático, hematopoiético e correlatos, de lábio, cavidade oral e faringe, e de pulmões e brônquios. Entre as mulheres foram mais freqüentes as hospitalizações por neoplasia maligna de mama, de cólon e reto, de tecido linfático, hematopoiético e correlatos e de pulmões e brônquios (figura 12). Nº Cólon e reto Tec. linfático, hematopoiético Mama Pulmões e brônquios Lábio, cavidade oral e faringe 6 ou mais Figura 11. Número de hospitalizações por neoplasias malignas s principais, conforme faixa etária. Hospital Nossa Senhora da Conceição,

11 2 15, 1 5, 5, 1 15, 2 25, 3 % C ól on e r e t o Te c. l i nf át i c o, he ma t opoi ét i c o Lábio, cavidade oral e f aringe P ul mões e br ônqui os Esôf a go Tr a t o U r i nár i o P r óst a t a Est ôma go Localiz ações mal def inidas Ap. resp., excet o pulmões Out r os ór gãos ge ni t a i s Fí ga do P e l e P ânc r e a s Tireóide e out ras glândulas Tec. Mesot elial e t ec. Moles Vesi cul a bi li ar ou vi as bi li ar e s I nt e st i no de l ga do Out r os ór gãos di ge st i v os S ist ema Nervoso M a ma Colo do út ero Ov ár i o Corpo do út ero Vulva ou vagina Ossos e cart ilagens art iculares 14,9 13,8 1,3 9, 7,3 6,8 6,6 5,5 5,3 5,2 4,1 3, 2,2 1,9 1,5 1,1,5,4,1,1,5 1,4 1,7 3,3 2,,8 1,1 2,4 1,2 2,8 1,4 1,2,2,2,3 1,3 1,2,2 3,3 2,7 6, 6,1 7,3 12, 16,1 23,6 Homens Mulheres Figura 12. Distribuição das hospitalizações por neoplasias malignas por sexo. HNSC, 213. HOSPITAL DA CRIANÇA CONCEIÇÃO Em 213 houve hospitalizações no HCC, e 6.5 foram de pacientes do sexo masculino (56,3%). Observamos predomínio da faixa etária abaixo de 5 anos (66,6%), sendo que 37,5% foram de menores de um ano de idade (mediana = 2,2 anos; amplitude = 15 anos) (figura 13). Os três principais motivos de hospitalizações foram as doenças do aparelho respiratório (35,1%), as doenças infecciosas e parasitárias (11,4%) e do aparelho digestivo (11,2%). Estas foram seguidas por afeccções originadas no período perinatal (9,6%), sinais e sintomas classificados em outra parte (6,6%), neoplasias (4,2%), malformações congênitas (3,3%), doenças do sistema nervoso (3,1%), doenças da pele e subcutâneo (2,9%), doenças do aparelho genitourinário (2,9%), doenças do sangue e dos órgãos hematopoiéticos (2,6%), doenças endócrinas (2,1%), lesões, envenenamentos e causas externas (1,8%), doenças do ouvido (1,2%) e outras classificadas em outra parte (,7%) e em 49 hospitalizações (,4%) não houve descrição do motivo da hospitalização (figura 16). 11

12 Nº < 1 1 a 4 5 a 9 1 a a 19 F M % 37,5 29,1 2,1 13,2 4 35, 3 25, 2 % 15, 1 5, Figura 13. Número de hospitalizações por sexo e faixa etária e distribuição das hospitalizações por faixa etária (%) (n=11.546). Hospital da Criança Conceição, 213. Nº X 35,1 11,411,2 9,6 6,6 4,2 3,3 3,1 2,9 2,9 2,6 2,1 1,8 1,2,6,5,5,3,1,1 I XI XVI XVIII II XVII VI XII XIV III IV XIX e XX VIII XXI XIII IX V VII XV Outro 4 35, 3 25, 2 15, 1 5, Nº % Figura 14. Número e distribuição (%) de hospitalizações por CID-1 principal (n=11.497). Hospital da Criança Conceição, 213. Ao selecionarmos apenas as 487 hospitalizações por neoplasias, conforme a CID-1 dos agrupamentos amplos C a D48, houve 44 hospitalizações por neoplasias benignas (D1-D36) (9,%), 35 hospitalizações por neoplasias de comportamento incerto ou desconhecido (D37-D48) (7,2%), 14 hospitalizações por neoplasia in situ (D-D9) (2,9%) e 394 hospitalizações por neoplasias malignas (8,9%). As cinco topologias de neoplasias malignas mais frequentes, foram de tecido linfático, hematopoiético e correlatos (4,7%), neoplasia maligna de tecido mesotelial e tecidos moles (1,8%), neoplasia maligna da tireóide e outras glândulas (9,1%), neoplasia maligna do trato urinário (8,8%) e de outros órgãos genitais masculinos (7,8%). As demais foram do sistema nervoso (4,4%), do fígado (3,9%), dos ossos e cartilagens articulares (2,2%), de localizações mal definidas (2,2%), do ovário (1,5%), do cólon 12

13 e reto (1,2%), do lábio, cavidade oral ou faringe (1,%), do estômago (,7%), do intestino delgado (,7%), do esôfago (,5%), dos pulmões e brônquios (,5%) e do aparelho respiratório e outros órgãos intratorácicos, exceto pulmões e outros (,5%). Houve predomínio de hospitalizações por neoplasias malignas nas faixas etárias entre 5 a 9 anos (35,8%) e entre 1 a 4 anos (34,8%), seguidas de 1 a 14 anos (23,1%) e de menores de 1 ano de idade (6,3%). Na avaliação de hospitalizações conforme as principais neoplasias malignas identificadas no HCC, identificamos que a maioria das hospitalizações de neoplasias do tecido linfático, hematopoiético e correlatos, do sistema nervoso, do trato urinário e de órgãos genitais masculinos ocorreram em hospitalizações da faixa etária entre 5 e 9 anos. Enquanto que a maioria das hospitalizações por neoplasia maligna de tireóide e outras glândulas e de tecido mesotelial e tecidos moles ocorreram entre 1 e 4 anos de idade (figura 17). Entretanto, não é possível avaliarmos a faixa etária da detecção do diagnóstico com esta ferramenta (CID-1 da causa principal de hospitalização), nem incidência da doença Nº 1 5 Tec. linfático, hematopoiético Tec. mesotelial e moles Tireóide e outras glândulas Trato urinário Órgãos genitais masculinos Sistema nervoso 1 a a a < Figura 15. Número de hospitalizações por neoplasias malignas principais, conforme faixa etária. Hospital da Criança Conceição, 213. Entre as hospitalizações do sexo masculino houve predomínio das neoplasias malignas de tecido linfático, hematopoiético e correlatos, de outros órgãos genitais masculinos, trato urinário e fígado. No sexo feminino houve predomínio das neoplasias malignas de tecido linfático, hematopoiético e correlatos, de tecido mesotelial e tecidos moles, de tireóide e outras glândulas e do trato urinário (figura 16). 13

14 T ec. linf át ico, hemat o p o iét ico 43,9 39,8 T ec. M eso t elial e t ec. M o les 1,8 24,1 Tireóide e out ras glândulas 6,6 13,3 Trat o urinário 9,2 9, Out ro s órg ão s g enit ais 13,6,6 Sist ema nervoso 5,3 3,6 F íg ad o 7, Ossos e cart ilagens art iculares 3,1 1,2 % Localizações mal def inidas 3,1 1,2 Ovário 3,6 C ólo n e ret o,9 1,8 Láb io, cav. o ral e f aring e 1,3,6 Est ômago,9,6 Int est ino delgado,9,6 Pulmões e brônquios,9 Ap. resp. excet o pulmão,9 Esôf ago,9 Masculino Feminino Figura 16. Distribuição das hospitalizações por neoplasias malignas, conforme sexo. Hospital da Criança Conceição, 213. DISCUSSÃO E CONCLUSÃO Estima-se que o número anual de casos de câncer no mundo aumente de 14 milhões em 212 para 22 milhões nas próximas duas décadas (9). No GHC, a partir da avaliação de número de hospitalizações por neoplasias malignas conforme a CID principal estimamos elevada frequência de neoplasias malignas no HNSC (2.56 hospitalizações/ano),no Femina (1.227 hospitalizações/ano), no HCC (394 hospitalizações/ano) atingindo hospitalizações pela doença nestes hospitais do GHC. É imperativo que os serviços de saúde monitorem o desempenho da assistência aos pacientes com câncer, para viabilizar as ações para a prevenção, da detecção precoce do agravo e tratamento em tempo oportuno, respeitando as especificidades de cada tipo de neoplasia maligna. A análise das hospitalizações no GHC permite conhecer o perfil das hospitalizações por neoplasias malignas, mas não possibilita avaliarmos a taxa de detecção do diagnóstico. O Registro Hospitalar do Câncer (RHC) é uma das principais ferramentas para avaliar a situação epidemiológica dos casos de câncer atendidos no Grupo 14

15 Hospitalar Conceição, entretanto é necessário qualificar o monitoramento dos casos incidentes e, a consequente avaliação das estratégias no âmbito hospitalar. Para otimizar a sistematização dos dados de câncer no GHC outras ferramentas foram desenvolvidas pela Gerência de Informática do GHC o Monitoramento Diagnóstico Neoplasia que identifica todos os exames anátomo-patológicos (AP) realizados de pacientes atendidos em ambulatórios ou hospitalizados no GHC. Este instrumento é de extrema importância para a detecção dos casos novos a partir do laudo dos exames AP. Uma das suas limitações é a impossibilidade de identificar toda a população de pacientes atendidos por neoplasia maligna no GHC, uma vez que identifica apenas aqueles com realização de AP na instituição. Assim, para o monitoramento do Câncer no GHC é necessário aplicar os processos da vigilância epidemiológica incluindo a detecção, investigação, consolidação, análise e divulgação dos resultados, bem como a recomendação de estratégias para prevenção e controle utilizando os sistemas existentes e agregar outras ferramentas. E esta é uma das competências dos Núcleos Hospitalares de Epidemiologia, subsistemas de vigilância epidemiológica instituídos pelo Ministério da Saúde. Tanto a equipe de saúde que participa diretamente da atenção aos pacientes quanto os gestores do GHC necessitam de informações sobre os casos novos diagnosticados de câncer entre os hospitais do GHC (incidência) e sobre as mortes atribuídas ao câncer (letalidade e mortalidade), periodicamente, para compreender e abordar a carga do câncer nas instituições e acompanhar as tendências do perfil epidemiológico dos pacientes atendidos por esta doença. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Saúde Brasil 211 : uma análise da situação de saúde e a vigilância da saúde da mulher / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise de Situação de Saúde. Brasília : Editora do Ministério da Saúde, p. 2. Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Estimativa 214. Incidência de Câncer no Brasil. Rio de Janeiro. Disponível em Acesso em 29 Out Ministério da Saúde. Portaria Nº 874, de 16 de Maio de 213. Disponível em: Acesso em 29 Out Brasil. Brasília. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para assuntos jurídicos. Lei Disponível em: Acesso em 21 de Outubro Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer (INCA). Registros Hospitalares de Câncer. Planejamento e Gestão. 2ª edição revisada e atualizada. Rio de Janeiro, Ministério da Saúde. Portaria Nº 3.394, de 3 de Dezembro de 213. Disponível em: Acesso em 21 Outubro Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Sistema de Informação do Câncer. Manual Preliminar de Apoio à Implantação. Rio de Janeiro, p. 8. World Health Organization. Ten Facts on cancer. Disponível em: Acesso em 21 Outubro World Health Organization. Fact sheet N 297. Updated February 214. Disponível em Acesso em 29 Outubro World Health Organization. International Agency for Research on Cancer. Globocan 212: Estimated Cancer Incidence, Mortality and Prevalence Worldwide in 212. Incidence/Mortality > Multi-bar chart: Cancers by population. Disponível em: Acesso em 29 Outubro

16 Diretoria do GHC Diretor-Superintendente Carlos Eduardo Nery Paes Diretor Administrativo e Financeiro - Gilberto Barichello Diretor Técnico - Paulo Ricardo Bobek Gerência de Internação do HNSC Elisabete Storck Duarte Equipe do NHE/HNSC N HE/HNSC-HCC HCC Ivana R. S. Varella (Pediatra e Epidemiologista), responsável técnica Patricia Fisch (Médica Infectologista, Mestre em Epidemiologia) Carina Guedes Ramos (Médica Infectologista, Mestre em Epidemiologia) Ângela Piccoli Ziegler (Médica Infectologista) Maria da Glória Accioly Sirena (Médica de Família e Comunidade) Andréia Rejane Stippe da Rosa (Enfermeira) Ângela dos Santos Trindade (Auxiliar de Enfermagem) Angela Cristina Amaral dos Santos (Técnica de Enfermagem) Eidryan Denisieski Vieira (Técnico de Enfermagem); Fábio Dias Misturini (Enfermeiro) Ilda Maria Germano Martins (Técnica de Enfermagem) Eder Junior Silva dos Santos (Auxiliar Administrativo) Paulina Rosa de Marco Crestani (Técnica de Enfermagem); Raquel Carara (Técnica de Enfermagem) Estagiárias do Curso de Bacharelado em Saúde Coletiva, Análise de Políticas em Sistemas de Saúde, UFRGS Ingrit Medeiros Seehaber Marcela Silvestre Para obter fichas de notificação no prontuário eletrônico repositório de documentos do GHC vigilância epidemiológica Núcleo Hospitalar de Epidemiologia fichas de notificação Núcleo Hospitalar de Epidemiologia HNSC-HCC: Fones: ou

Processos de trabalho. Vigilância epidemiológica hospitalar do Câncer

Processos de trabalho. Vigilância epidemiológica hospitalar do Câncer Processos de trabalho Vigilância epidemiológica hospitalar do Câncer Núcleo Hospitalar de Epidemiologia Hospital Nossa Senhora da Conceição Hospital da Criança Conceição Fonte:www.einstein.br Processos

Leia mais

CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS

CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS Scaleti Vanessa Brisch 1 Beatriz Rosana Gonçalves de Oliveira Toso RESUMO: Estudo sobre as causas de internações

Leia mais

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde/SMS Coordenadoria Geral de Vigilância da Saúde/CGVS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis PORTO

Leia mais

2000 2003 Porto Alegre

2000 2003 Porto Alegre 2000 2003 Porto Alegre 1 Tabela 1- Série histórica do número de óbitos e Coeficientes de Mortalidade Geral (CMG) no Brasil, Rio Grande do Sul e Porto Alegre, 1980-2003 Brasil RS Porto Alegre Ano óbitos

Leia mais

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Maio de 2013 Magnitude do Câncer no Brasil 518 mil novos casos em 2013 Câncer de pele não melanoma deve responder

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 Renata Loretti Ribeiro 2 Introdução O câncer representa uma causa importante de morbidez e mortalidade, gerador de efeitos que

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

Introdução. Métodos Resultados

Introdução. Métodos Resultados GASTO MÉDIO PER CAPITA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE COM MEDICAMENTOS EXCEPCIONAIS Cristina Mariano Ruas Brandão Iola Gurgel Andrade, Mariângela Leal Cherchiglia, Grazielle Dias da Silva, Augusto Afonso Guerra

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU

CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU Berenice Navarro Antoniazzi Epidemiologista Coordenadora

Leia mais

Indicadores hospitalares

Indicadores hospitalares Indicadores hospitalares Núcleo de Informação em Saúde de- NIS Hospital das Clínicas - FMUSP Departamento de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina USP Hospital das Clinicas - FMUSP Complexo hospitalar

Leia mais

4. Câncer no Estado do Paraná

4. Câncer no Estado do Paraná 4. Câncer no Estado do Paraná Situação Epidemiológica do Câncer Doenças e Agravos Não Transmissíveis no Estado do Paraná Uma das principais causas de morte nos dias atuais, o câncer é um nome genérico

Leia mais

A situação do câncer no Brasil. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

A situação do câncer no Brasil. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva A situação do câncer no Brasil Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva O Brasil no Cenário do Câncer no Mundo Principais fatores determinantes Situação do Câncer no Brasil 1 Urbanização

Leia mais

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO Edmilson Cursino dos Santos Junior (1); Renato Filipe de Andrade (2); Bianca Alves Vieira Bianco (3). 1Fisioterapeuta. Residente em Saúde

Leia mais

ACES Vale Sousa Sul. Perfil Local de Saúde 2009. Aspectos a destacar

ACES Vale Sousa Sul. Perfil Local de Saúde 2009. Aspectos a destacar Perfil Local de Saúde 2009 Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência do

Leia mais

RELATO DA IMPLANTAÇÃO DO REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER NO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ.

RELATO DA IMPLANTAÇÃO DO REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER NO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. RELATO DA IMPLANTAÇÃO DO REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER NO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. COORDENADOR Prof a. Dr a. Denise Siqueira de Carvalho AUTOR

Leia mais

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013 p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 12.732, de 22 de novembro de 2012, que versa a respeito do primeiro tratamento do

Leia mais

Causas de morte 2013

Causas de morte 2013 Causas de morte 2013 26 de maio de 2015 Causas de morte 2013 Os tumores malignos e as doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de mais de metade dos óbitos ocorridos no país em 2013, representando

Leia mais

Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas

Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas Resenha de Estatísticas Vitais do Ano 8 nº 3 Novembro 2007 Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas O século XX se caracterizou, sob o ponto de vista da saúde, pela transição

Leia mais

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Governo de Alagoas Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de Análise da Situação de Saúde Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Maceió AL 2014

Leia mais

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Memorias Convención Internacional de Salud. Cuba Salud 15 ISBN 78-5-1-63-4 ID:177 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Andrade Rios, Marcela; Rodrigues

Leia mais

Rede de Teleassistência de Minas Gerais. Antonio Ribeiro Hospital das Clínicas da UFMG

Rede de Teleassistência de Minas Gerais. Antonio Ribeiro Hospital das Clínicas da UFMG Rede de Teleassistência de Minas Gerais Antonio Ribeiro Hospital das Clínicas da UFMG Outubro de 2014 até Setembro/2014 Número de akvidades 50.000 45.000 ECGs (821 pontos) e Teleconsultorias online e

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO MORTALIDADE POR NEOPLASIAS SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE MORTALIDADE - SIM 8ª REVISÃO

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO MORTALIDADE POR NEOPLASIAS SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE MORTALIDADE - SIM 8ª REVISÃO 2 BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO MORTALIDADE POR NEOPLASIAS SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE MORTALIDADE - SIM 8ª REVISÃO 1990 a 2012 Rio Grande do Sul Bento Gonçalves Secretaria Municipal da Saúde

Leia mais

SIM Sistema de Informação sobre Mortalidade

SIM Sistema de Informação sobre Mortalidade SIM Sistema de Informação sobre Mortalidade Porto Alegre RELATÓRIO 2006 1 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria

Leia mais

Risco de Morrer em 2012

Risco de Morrer em 2012 Risco de morrer 2012 23 de maio de 2014 Risco de Morrer em 2012 As duas principais causas de morte em 2012 foram as doenças do aparelho circulatório, com 30,4% dos óbitos registados no país, e os tumores

Leia mais

2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS

2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS 2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS José Iran Costa Júnior Secretário Estadual de Saúde 24/03/2015 Faixa Etária (anos) CARACTERIZAÇÃO SÓCIODEMOGRÁFICA DE PERNAMBUCO

Leia mais

SIM - Sistema de Informação sobre Mortalidade. PORTO ALEGRE - Relatório 2007

SIM - Sistema de Informação sobre Mortalidade. PORTO ALEGRE - Relatório 2007 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde/SMS Coordenadoria Geral de Vigilância da Saúde/CGVS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis SIM -

Leia mais

NOTA TÉCNICA 03 2013

NOTA TÉCNICA 03 2013 NOTA TÉCNICA 03 2013 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 12.732, de 22 de novembro de 2012, que versa a respeito do primeiro tratamento do paciente com neoplasia maligna comprovada, no âmbito do Sistema

Leia mais

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil As taxas médias de incidência de câncer por 1.000.000 de crianças e adolescentes (0 a 18 anos), segundo sexo, faixa etária e período disponível das informações para os 20 RCBP brasileiros, são apresentadas

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL BRASÍLIA, 16 DE MAIO DE 2013 Criação de um novo departamento dentro da SAS: DAET- Departamento de Atenção

Leia mais

Vigilância do câncer no Canadá

Vigilância do câncer no Canadá 1 Vigilância do câncer no Canadá Apresentado por Howard Morrison, PhD Centro de Prevenção e Controle de Doenças Crônicas Agência de Saúde Pública do Canadá O contexto canadense 2 Indivíduos 4% das mulheres

Leia mais

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Linha de Cuidado da Obesidade Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Evolução do excesso de peso e obesidade em adultos 0,8% (1.550.993) da população apresenta obesidade grave 1,14% das

Leia mais

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 *

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Maria Elizete Gonçalves Alexandar de Brito Barbosa Palavras-chave: mortalidade;

Leia mais

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis Perfil epidemiológico de mortalidade por

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis Perfil epidemiológico de mortalidade por Perfil epidemiológico de mortalidade por NEOPLASIAS Porto Alegre 1996-2006 1 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria

Leia mais

Dra Adriana de Freitas Torres

Dra Adriana de Freitas Torres Dra Adriana de Freitas Torres 2020 15 milhões de novos casos 12 milhões de mortes 2002 10 milhões de casos novos 6 milhões de mortes Mundo cerca 1 milhão de novos casos de CM Fonte: União Internacional

Leia mais

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil As taxas médias de incidência de câncer por 1.000.000 de crianças e adolescentes (0 a 18 anos), segundo sexo, faixa etária e período disponível das informações para os 20 RCBP brasileiros, são apresentadas

Leia mais

Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias

Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias Felipe Sodré felipe.b4rros@gmail.com ( PUC-Rio) Felipe Fraifeld felipefrai@gmail.com (PUC-Rio) Leonardo Novaes - Objetivo geral: O

Leia mais

Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade

Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade Seminário: Estudos e Pesquisas em DST/HIV/Aids determinantes epidemiológicos e sóciocomportamentais Porto Alegre 14-16/12/09 Ângela Tayra Divisão de Vigilância

Leia mais

VII REUNIÃO. Data: 28/08/2015 COGESP/SEPOG/PMF

VII REUNIÃO. Data: 28/08/2015 COGESP/SEPOG/PMF VII REUNIÃO Data: 28/08/2015 COGESP/SEPOG/PMF Organograma SEPOG COGESP/SEPOG/PMF Organograma COGESP Ângela Márcia e Noeme Milfont Samarkandra Bandeira Lena Neiva Tania Beserra Izabel Sizina Fabricio Torres

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo DEMOGRAFIA População Total 15.690 População por Gênero Masculino 8.314 Participação % 52,99 Feminino 7.376

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves DEMOGRAFIA População Total 92.860 População por Gênero Masculino 47.788 Participação % 51,46 Feminino 45.072 Participação

Leia mais

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Dia Mundial da diabetes 14 de novembro 1983-2013 EMBARGO ATTÉ 13 DE NOVEMBRO DE 2014,, ÀS 11 HORAS Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Em 2013, as doenças endócrinas,

Leia mais

Mortalidade em idosos: desenvolvimento e aplicação de uma metodologia para a recuperação da informação sobre a causa básica* 1

Mortalidade em idosos: desenvolvimento e aplicação de uma metodologia para a recuperação da informação sobre a causa básica* 1 Mortalidade em idosos: desenvolvimento e aplicação de uma metodologia para a recuperação da informação sobre a causa básica* 1 Angela Maria Cascão (1 ) e Pauline Lorena Kale (2) RESUMO Introdução: Os idosos

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará DEMOGRAFIA População Total 7.475 População por Gênero Masculino 3.879 Participação % 51,89 Feminino

Leia mais

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra DEMOGRAFIA População Total 20.183 População por Gênero Masculino 10.292 Participação % 50,99 Feminino 9.891

Leia mais

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Marabá DEMOGRAFIA População Total 233.669 População por Gênero Masculino 118.196 Participação % 50,58 Feminino 115.473

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba DEMOGRAFIA População Total 97.493 População por Gênero Masculino 49.681 Participação % 50,96 Feminino 47.812

Leia mais

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO Morrem mais brancos por causa naturais e negros por motivos externos. A s estatísticas de morbidade e mortalidade têm sido utilizadas por epidemiologistas, demógrafos

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

H Convencionados. Operados e vale cirurgia emitidos por grupo extracção a 30-09-2010. 11 de Fevereiro de 2011

H Convencionados. Operados e vale cirurgia emitidos por grupo extracção a 30-09-2010. 11 de Fevereiro de 2011 H Convencionados Operados e vale cirurgia emitidos por grupo extracção a 30-09-2010 7 11 de Fevereiro de 2011 Título Actividade cirúrgica dos Convencionados Versão V1 Autores Unidade Central de Gestão

Leia mais

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA Eulina Helena Ramalho de Souza 1 Telma Ribeiro Garcia 2 INTRODUÇÃO O câncer de mama é uma neoplasia

Leia mais

Evolução da Mortalidade no Rio Grande do Sul *

Evolução da Mortalidade no Rio Grande do Sul * Evolução da Mortalidade no Rio Grande do Sul * Marilene Dias Bandeira UFRGS - Fundação de Economia e Estatística Palavras-chave: mortalidade; causas de morte; tendências da mortalidade. O objetivo deste

Leia mais

Saúde Informa Nº 02 Distrito Sanitário Centro DSCe

Saúde Informa Nº 02 Distrito Sanitário Centro DSCe Saúde Informa Nº 2 Distrito Sanitário Centro DSCe Agosto/211 Apresentação Esta é a segunda edição do informativo do DSCe e o dedicamos a discussão das atividades de educação permanente, ao monitoramento

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico ISSN 1806-0463 Secretaria da Saúde v. 14 Suplemento 1 12 Boletim Epidemiológico Análise da Mortalidade por Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Rio Grande Luciana Sehn 1 1 Estatística do Centro Estadual

Leia mais

BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE. Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003

BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE. Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003 BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003 Percentual de NV filhos de mães adolescentes. Belo Horizonte, 1996-2002.

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 1 Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Nome fantasia: Projeto de volta prá casa Instituições: Núcleo de Epidemiologia do Serviço de Saúde Comunitária da Gerência de saúde Comunitária

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL Roberto Passos Nogueira 1 Introdução Os estudos sobre mortalidade comumente têm por base a Classificação Internacional das Doenças (CID), que é elaborada

Leia mais

Encontro internacional sobre rastreamento de câncer de mama

Encontro internacional sobre rastreamento de câncer de mama Encontro internacional sobre rastreamento de câncer de mama O Câncer de Mama no Brasil Situação epidemiológica e rastreamento 17/04/2009 CÂNCER DE MAMA NO BRASIL MORBIMORTALIDADE NÚMERO TAXA (*) NOVOS

Leia mais

PANORAMA DO CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO AVANÇOS E DIFICULDADES TROCANDO IDEIAS XVII 30/08/2013

PANORAMA DO CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO AVANÇOS E DIFICULDADES TROCANDO IDEIAS XVII 30/08/2013 PANORAMA DO CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO AVANÇOS E DIFICULDADES TROCANDO IDEIAS XVII 30/08/2013 Vânia Stiepanowez de Oliveira Rocha Dados epidemiológicos Incidência

Leia mais

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva Vigilância Epidemiológica Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva EPIDEMIOLOGIA Epidemiologia é o estudo da frequência, da distribuição e dos condicionantes e determinantes dos estados ou eventos

Leia mais

As principais causas de morte em Portugal de 1990-1999

As principais causas de morte em Portugal de 1990-1999 As principais causas de morte em Portugal de 199-1999 Observatório Nacional de Saúde. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge Lisboa 3 1 Ficha Técnica Portugal. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo

Leia mais

Saúde Brasil 2007. Uma Análise da Situação de Saúde. Perfil de Mortalidade do Brasileiro

Saúde Brasil 2007. Uma Análise da Situação de Saúde. Perfil de Mortalidade do Brasileiro Saúde Brasil 2007 Uma Análise da Situação de Saúde Perfil de Mortalidade do Brasileiro Brasília, 6 de novembro de 2008 Editor-Geral Gerson Oliveira Penna Secretário de Vigilância em Saúde/MS Editor-Executivo

Leia mais

A situação do câncer no Brasil 1

A situação do câncer no Brasil 1 A situação do câncer no Brasil 1 Fisiopatologia do câncer 23 Introdução O câncer é responsável por cerca de 13% de todas as causas de óbito no mundo: mais de 7 milhões de pessoas morrem anualmente da

Leia mais

VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006

VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006 VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006 BETIM/MG Márcia Dayrell Secretaria Municipal de Saúde de Betim (MG) Serviço de Vigilância

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL Seção II Da Saúde Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante

Leia mais

Descobrindo o valor da

Descobrindo o valor da Descobrindo o valor da Ocâncer de mama, segundo em maior ocorrência no mundo, é um tumor maligno que se desenvolve devido a alterações genéticas nas células mamárias, que sofrem um crescimento anormal.

Leia mais

SEGALLA 1, José G M, CAPRA 1, Rute M M, VENEZIANO 1, Claúdia L A, VENEZIANO 1, Donaldo B, ZULIANI 1, Selma A R, MAUAD 2, Lenira M Q

SEGALLA 1, José G M, CAPRA 1, Rute M M, VENEZIANO 1, Claúdia L A, VENEZIANO 1, Donaldo B, ZULIANI 1, Selma A R, MAUAD 2, Lenira M Q DISTRIBUIÇÃO DOS TUMORES DE COLO DE ÚTERO NAS MICRO- REGIÕES DA DRS-VI (BAURU) E CORRELAÇÃO COM O PROGRAMA DE PREVENÇÃO DO HOSPITAL AMARAL CARVALHO (HAC) SEGALLA 1, José G M, CAPRA 1, Rute M M, VENEZIANO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2007 (Do Sr. José Eduardo Cardozo)

PROJETO DE LEI Nº DE 2007 (Do Sr. José Eduardo Cardozo) PROJETO DE LEI Nº DE 2007 (Do Sr. José Eduardo Cardozo) Institui a Semana Nacional de Educação, Conscientização e Orientação sobre a Fissura Lábio- Palatina, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

ACeS Aveiro Norte. Índice. Perfil Local de Saúde 2012 QUEM SOMOS? COMO VIVEMOS? QUE ESCOLHAS FAZEMOS? QUE SAÚDE TEMOS?

ACeS Aveiro Norte. Índice. Perfil Local de Saúde 2012 QUEM SOMOS? COMO VIVEMOS? QUE ESCOLHAS FAZEMOS? QUE SAÚDE TEMOS? Perfil Local de Saúde 1 ACeS Aveiro Índice Aspetos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência

Leia mais

Óbitos de menores de um ano 2000 2003 Porto Alegre

Óbitos de menores de um ano 2000 2003 Porto Alegre Óbitos de menores de um ano 2000 2003 Porto Alegre Tabela 1 - Distribuição dos óbitos infantis, segundo a classificação de evitabilidade, Porto Alegre, 1996/1999 ANOS ÓBITOS EVITÁVEIS 1996 1997 1998 1999

Leia mais

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ O que é um registro de câncer? -Centro de coleta, armazenamento, processamento e análise - de forma sistemática e contínua - de informações (dados) sobre pacientes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Cargo: ENFERMEIRO/ÁREA 1. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Prestar assistência ao paciente e/ou usuário em clínicas, hospitais, ambulatórios, navios, postos de saúde e em domicílio, realizar consultas e procedimentos

Leia mais

Resumo. Olga M. P. Silva. Maria Lúcia Lebrão

Resumo. Olga M. P. Silva. Maria Lúcia Lebrão Comparando a Classificação Internacional de Doenças em Odontologia e Estomatologia (CID- OE) com a Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID-10) Comparing

Leia mais

Atuação do TCU Marcelo Chaves Secretário da Secex Saúde

Atuação do TCU Marcelo Chaves Secretário da Secex Saúde Apresentação para a Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal Primeiro ano da implementação da Lei 12.732/2012 Atuação do TCU Marcelo Chaves Secretário da Secex Saúde Brasília 22/5/2014 Auditoria

Leia mais

MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS

MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 7 nº 1 Março 2006 MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS Com o aumento da expectativa de vida,

Leia mais

REGISTO ONCOLÓGICO REGIONAL REGIÃO CENTRO. PORTARIA Nº. 35/88 de 16 de Janeiro.

REGISTO ONCOLÓGICO REGIONAL REGIÃO CENTRO. PORTARIA Nº. 35/88 de 16 de Janeiro. REGISTO ONCOLÓGICO REGIONAL REGIÃO CENTRO PORTARIA Nº. 35/88 de 16 de Janeiro. ANO DE 2009 REGISTO ONCOLÓGICO REGIONAL REGIÃO CENTRO endereço: www.croc.min-saude.pt email: ror@ipocoimbra.min-saude.pt RESPONSÁVEIS

Leia mais

A notificação da violência doméstica e sexual na Bahia

A notificação da violência doméstica e sexual na Bahia Secretaria da Saúde do Estado da Bahia- SESAB Diretoria de Vigilância Epidemiológica- DIVEP Coordenação de Doenças e Agravos Não Transmissíveis- DANT A notificação da violência doméstica e sexual na Bahia

Leia mais

Bases de Dados em Saúde

Bases de Dados em Saúde Pesquisas e Fontes de Dados Administrativos para o Ciclo de políticas públicas ANIPES Dezembro - 2010 Bases de Dados em Saúde Denise Porto SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE Transição

Leia mais

Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha

Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha Coordenação Geral de Ações Estratégicas - CGAE Instituto Nacional de Câncer - INCA Cenário do Câncer no Mundo: perspectiva de crescimento

Leia mais

Mortalidade por transtornos mentais e comportamentais e a reforma psiquiátrica no Brasil contemporâneo

Mortalidade por transtornos mentais e comportamentais e a reforma psiquiátrica no Brasil contemporâneo R E V I S T A LATINOAMERICANA DE PSICOPATOLOGIA F U N D A M E N T A L Mortalidade por transtornos mentais e comportamentais e a reforma psiquiátrica no Brasil contemporâneo Fernando Portela Câmara 278

Leia mais

UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO. Fabio Garani 17 Regional de Saude

UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO. Fabio Garani 17 Regional de Saude UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO Fabio Garani 17 Regional de Saude 1 ESPERANÇA DE VIDA AO NASCER : 7,4anos

Leia mais

EVENTO: 10ª EDIÇÃO DO CÂNCER DE MAMA GRAMADO RS. 2015. Deputada Federal Carmen Zanotto Enfermeira

EVENTO: 10ª EDIÇÃO DO CÂNCER DE MAMA GRAMADO RS. 2015. Deputada Federal Carmen Zanotto Enfermeira EVENTO: 10ª EDIÇÃO DO CÂNCER DE MAMA GRAMADO RS. 2015 Deputada Federal Carmen Zanotto Enfermeira Constituição Federal 1988 Art.:196 A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas

Leia mais

Histórico. O Outubro Rosaéum movimento popular dedicado a alertar as mulheres para a importância da prevenção e da detecção precoce do câncer de mama.

Histórico. O Outubro Rosaéum movimento popular dedicado a alertar as mulheres para a importância da prevenção e da detecção precoce do câncer de mama. Histórico O Outubro Rosaéum movimento popular dedicado a alertar as mulheres para a importância da prevenção e da detecção precoce do câncer de mama. Iniciado na década de 90 nos EUA, a campanha derrubou

Leia mais

Registo Oncológico Nacional 2008

Registo Oncológico Nacional 2008 Registo Oncológico Nacional 2008 Elaborado pelo Registo Oncológico Regional do Centro Editado pelo Instituto Português de Oncologia de Coimbra Francisco Gentil EPE 2 Registo Oncológico Nacional 2008 Elaborado

Leia mais

COMPARAÇÃO DAS ESTIMATIVAS DE CÂNCER SNC NAS REGIÕES DO BRASIL. Av. Prof. Luís Freire, 1000, Recife/PE, 50740-540, 2

COMPARAÇÃO DAS ESTIMATIVAS DE CÂNCER SNC NAS REGIÕES DO BRASIL. Av. Prof. Luís Freire, 1000, Recife/PE, 50740-540, 2 X Congreso Regional Latinoamericano IRPA de Protección y Seguridad Radiológica Radioprotección: Nuevos Desafíos para un Mundo en Evolución Buenos Aires, 12 al 17 de abril, 2015 SOCIEDAD ARGENTINA DE RADIOPROTECCIÓN

Leia mais

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA.

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. OUTUBRO ROSA ^ um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA ~ prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. ~ ^ O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete

Leia mais