CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU"

Transcrição

1 Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU Berenice Navarro Antoniazzi Epidemiologista Coordenadora do Programa de Avaliação e Vigilância do Câncer e seus fatores de risco de Minas Gerais Poços de Caldas, 19 de Maio de 2014

2

3 INDICE DESENVOLVIMENTO HUMANO IDH 2012 Muito alto IDHM 0,800 1,00 Alto IDHM 0,700 0,799 Médio IDHM 0,600 0,699 Baixo IDHM 0,500 0,599 Sem dados

4 PAÍSES NO RANKING GLOBAL IDH 2012 Muito Alto Alto Médio Baixo Muito Baixo

5 BRASIL QUEM SOMOS

6 TERRITÓRIO BRASILEIRO 5 REGIÕES DO BRASIL E Nº DE HABITANTES km² NORTE NORDESTE CENTRO OESTE SUDESTE SUL ESTADOS MUNICÍPIOS HABITANTES

7 ESTADOS DO BRASIL IDH 2012 IDHM IDH RENDA ESPERANÇA DE VIDA

8 CIDADES DO BRASIL VARIAÇÃO IDH IDH MAIS ALTO MELGAÇO (PA) IDH MAIS BAIXO IDHM 0,86 IDH RENDA 0,89 IDH LONGEVIDADE 0,89 REGIÃO ARAPONGA BLUMENAU (SC) IDHM 0,42 IDH EDUCAÇÃO 0,21 IDH RENDA 0,40

9 PRINCIPAIS CAUSAS DE MORTE MELGAÇO (PA) Principais causas de morte 20% SEM ASSISTÊNCIA 11% INDETERMINADAS 7% PNEUMONIA 2% DIARRÉIA LEPTOSPIROSE HEPATITE VIRAL MALÁRIA ETC

10 PRINCIPAIS CAUSAS DE MORTE BLUMENAU (SC) Principais causas de morte 7% INFARTO AGUDO 5 % DIABETES 4 % PNEUMONIA CA DE PULMÃO 3% AVC 2% CA DE MAMA ETC

11 SAÚDE PÚBLICA P NO BRASIL MINISTÉRIO DA SAÚDE ESTADOS MUNICÍPIOS SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL ASPECTOS IMPORTANTES SUS SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE PSF PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ACS SAÚDE AMBIENTAL AGENTES DE ENDEMIAS PNI PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DE MORTALIDADE E MORBIDADE POLÍTICA NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLE DO CÂNCER

12 ESTADO DE MINAS GERAIS QUEM SOMOS

13 TERRITÓRIO RIO E POPULAÇÃO km² (14% DO BRASIL) 7 X ÁUSTRIA OU REPÚBLICA TCHECA 1.6 X ALEMANHA HABITANTES (10% BRASL) 853 CIDADES VARIAÇÃO IDHM 0,53 0,81

14 VARIAÇÃO DO PERFIL ETÁRIO MG 22% > 50 ANOS 80 anos + 75 a a a a a a a a a a a a a a a 09 <1 a 04 Estrutura etária populacional da Macrorregião Jequitinhonha Feminino Masculino 80 anos + 75 a a a a a a a a a a a a a a a 09 <1 a 04 Estrutura etária populacional da Macrorregião Sul Feminino Masculino

15 CIDADES MINAS GERAIS VARIAÇÃO IDH IDH MAIS ALTO IDHM 0,81 IDH RENDA 0,86 REGIÃO NOVA LIMA IDH MAIS BAIXO IDHM 0,53 IDH RENDA 0,50 IDH LONGEVIDADE 0,89 REGIÃO ARAPONGA IDH EDUCAÇÃO 0,34

16 PRINCIPAIS CAUSAS DE MORTE SÃO JOÃO DAS MISSÕES (MG) Principais causas de morte 28% SEM ASSISTÊNCIA 34% INDETERMINADAS 15% CAUSAS EXTERNAS AVC PNEUMONIA CHAGAS ETC

17 PRINCIPAIS CAUSAS DE MORTE NOVA LIMA (MG) Principais causas de morte 26% CIRCULATÓRIAS 17% NEOPLASIAS 11% CAUSAS EXTERNAS ETC

18 MINAS GERAIS SOMOS DIFERENTES

19

20 marco conceitual O TERMO CÂNCER REPRESENTA MAIS DE CEM DOENÇAS DIFERENTES. É UM PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA P MUNDIAL FATORES DE RISCO NÃO EVITÁVEIS VEIS: IDADE,, GÊNERO, CONGÊNITOS, dentre outros. 75% SÃO FATORES DE RISCO EVITÁVEIS VEIS MULTIFATORIEDADE (sinergismo)

21 INFORMAÇÃO NO BRASIL SISTEMA NACIONAL DE MORTALIDADE REGISTROS DE CÂNCER DE BASE POPULACIONAL (INCIDÊNCIA) HOSPITALARES (PERFIL DA ASSISTÊNCIA)

22 ANÁLISE DE SITUAÇÃO PERFIL DA MORTALIDADE

23 MORTALIDADE PROPORCIONAL, 2010 NEOPLASIAS Minas Gerais 2ª CAUSA BÁSICA (15%) óbitos 85% dos óbitos a partir dos 50 anos de idade 46% (8.630) desses óbitos por neoplasias foram nas macros Centro e Sul (mais populosas)

24 MORTALIDADE POR NEOPLASIAS PASSÍVEIS DE AÇÕES A DE PREVENÇÃO OU CONTROLE MINAS GERAIS MG: 43% MG: 43% Variação nas macros 37% JEQUITINHONHA 48% TRIÂNGULO DO SUL

25 TAXAS BRUTAS DE MORTALIDADE POR NEOPLASIAS SIM 2010 MG (100 mil) Ambos os sexos, MG: (Norte e Sudeste) HOMENS, MG: 106 óbitos (Noroeste e Sudeste) MULHERES, MG: 84 óbitos (Nordeste e Sudeste) Maior risco de morte por neoplasias Macro Sudeste (maior % de hab. com mais de 50 anos: 26%) Sexo masculino

26 TAXA BRUTA DE MORTALIDADE POR TIPO DE NEOPLASIAS E SEXO MG, mil homens ou mulheres

27 ANÁLISE DE SITUAÇÃO ESTIMATIVAS

28 ESTIMATIVAS PARA 2013, válidas para 2014 Minas Gerais, ambos os sexos INCIDÊNCIA casos novos Taxa Bruta: 257 casos novos/100 mil habitantes Variação: (Jequitinhonha Sudeste)

29 ESTIMATIVAS DE INCIDÊNCIA DE CÂNCER NAS MACRORREGIÕES DE MINAS GERAIS 2013 REPRESENTAÇÃO ESPACIAL TAXAS BRUTAS DE INCIDÊNCIA ESTIMADA PARA 2013 Fontes: Registros de Câncer de Base Populacional (RCBP) Belo Horizonte e Poços de Caldas, dados atualizados em setembro de DATASUS/Sistema de Informação sobre Mortalidade; Censo 2010 e Projeção Populacional Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

30 TAXAS BRUTAS DE INCIDÊNCIA ESTIMADAS PARA MINAS GERAIS, POR LOCALIZAÇÃO PRIMÁRIA RIA E SEXO MINAS GERAIS

31 CORAGEM PARA OS DESAFIOS PROJETO PLANALTO POÇOS OS DE CALDAS CÂNCER E RADIAÇÃO Poços de Caldas Caldas Andradas PERCEPÇÃO DE POPULARES SOBRE ALTA INCIDÊNCIA DE CÂNCER

32 PROJETO PLANALTO POÇOS OS DE CALDAS FÓRUM PROFISSIONAIS E POPULAÇÃO MINISTÉRIOS SAÚDE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PROJETO INICIAL DADOS DE CÂNCER DADOS REPRESENTATIVOS DA RADIAÇÃO FORUM COM A POPULAÇÃO E PROFISSIONAIS DE SAÚDE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO

33 PROJETO RADIAÇÃO NATURAL E CÂNCER Fonte: Fonte: SES MG, Projeto Planalto Poços de Caldas, 2004 a 2009, v.1 DEFINIÇÃO DA EQUIPE COORDENADORA INTER SETORIAL (INCA MS, SES MG, LAPOC CNEN CNEN E MS / CEGEVAM) 33

34 1ª ETAPA RADIAÇÃO NATURAL MEDIÇÃO DE DOSE GAMA TERRESTRE (AO AR LIVRE) MALHA VIÁRIA DE 5 CIDADES DA REGIÃO ÁREA TERRITORIAL: KM² PERCORRIDOS: KM² 700 MIL PONTOS MEDIDOS APÓS TRATAMENTO DOS DADOS PONTOS DE MEDIÇÃO 34

35 2ª ETAPA RADIAÇÃO NATURAL MEDIÇÕES INDOOR AÇÕES INTEGRADAS COM A SAÚDE PÚBLICA AGENTES COMUNITÁRIOS DE 3 CIDADES CAPACITADOS APLICAR QUESTIONÁRIO INSTALAR OS MEDIDORES COBERTURA ALCANÇADA ADA DO PLANO AMOSTRAL ANDRADAS (171 CASAS) = 97% CALDAS (143) = 91% POÇOS DE CALDAS (318) = 93% MEDIÇÕES LONGO PRAZO (6 MESES) ANALISADAS

36 MEDIÇÕES INDOOR VALOR MÁXIMO ENCONTRADO EM CALDAS (ÁREA( RURAL): 1642 Bq/m³ Média Aritmética (MA>100 Bq/m³) Projeto Planalto Poços de Caldas, Brasil Estudos em outros países

37

38 MAIS ELEVADOS IDHM 2012 CIDADES MG

39 POÇOS DE CALDAS (MG) 2007 Indicadores Valores Estrutura etária populacional de Poços de Caldas 2007 Estimativa População População Masculina População Feminina IDHM 0,841 IDHM Renda 0,787 IDHM Longevidade 0,85 IDHM Educação 0,886 Esperança de Vida ao Nascer 75,98 80 anos + 75 a a a a a a a a a a a a a a a 09 <1 a 04 15,0 10,0 5,0 0,0 5,0 10,0 15,0 Feminino Masculino 2007: MAIOR IDHM DO ESTADO DE MINAS GERAIS (0,84) 2007: MAIOR IDHM DO ESTADO DE MINAS GERAIS (0,84) 2010: IDHM 0,779 PASSANDO (6ª POSIÇÃO NO ESTADO)

40 INFORMAÇÃO NACIONAL DE INCIDÊNCIA 28 RCBP DO BRASIL 20% DA POPULAÇÃO BRASILEIRA ÉMONITORADA POR RCBP PARA AS ESTIMATIVAS DO BRASIL DO INCA/MS 2 RCBP DE MG BELO HORIZONTE (CAPITAL MG) POÇOS OS DE CALDAS (PRODUTO DO PROJETO)

41 REGISTRO DE CÂNCER DE BASE POPULACIONAL (RCBP) DE POÇOS OS DE CALDAS Coleta do RCBP EM 21 fontes (HOSPITAIS, LABORATÓRIOS, CLÍNICAS) SÉRIE HISTÓRICA DE 5 ANOS DE INCIDÊNCIA ( ) CASOS NOVOS DE CÂNCER MONITORAMENTO PERMANENTE DA POPULAÇÃO 41

42 INCIDÊNCIA DE CÂNCER EM POÇOS OS DE CALDAS, MULHERES Distribuição das principais localizações primárias de câncer em Poços de Caldas, casos novos no sexo feminino, entre os anos de CID-10 Localização primária ria Casos Novos % Taxa bruta* Taxa padrão** C50 C34 C16 C18 C54 C43 C53 C73 C19 C56 Mama Brônquios e pulmões Estômago Cólon Corpo do útero Melanoma maligno da pele Colo do útero Glândula tireoide Junção retossigmóide ide Ovário Outras localizações Todas, exceto pele não melanoma e tumores in situ C Outras neopl. malignas da Pele Tumores in situ Todas as neoplasias CASOS NOVOS CA PULMÃO E BRÔNQUIOS TAXA: 10,5 CASOS NOVOS/100 MIL

43 INCIDÊNCIA DE CÂNCER EM POÇOS OS DE CALDAS, HOMENS CID-10 Localização Primária ria C61 C16 C67 C34 C18 C15 C43 C19 C20 C62 Distribuição das principais localizações primárias de câncer em Poços de Caldas, casos novos no sexo masculino, entre os anos de Casos Novos % Taxa bruta* Taxa padrão** Próstata Estômago Bexiga Brônquios e pulmões Cólon Esôfago Melanoma maligno da pele Junção retossigmóide ide Reto Testículos Outras localizações Todas, exceto pele Não Melanoma e tumores in situ C44 Outras neopl. malignas da Pele Tumores in situ Todas as neoplasias CASOS NOVOS CA PULMÃO E BRÔNQUIOS TAXA: 13,9 CASOS NOVOS/100 MIL

44 TAXAS PADRONIZADAS DE INCIDÊNCIA DOS RCBP BRASILEIROS (100 MIL) Sexo Masculino Sexo Feminino TAXAS DE INCIDÊNCIA 261 CASOS NOVOS /100 MIL TAXAS DE INCIDÊNCIA 174 CASOS NOVOS /100 MIL 44

45 EVOLUÇÃO DA INCIDÊNCIA DO CÂNCER DE PULMÃO E BRÔNQUIOS PERÍODO:

46 PUBLICAÇÕES DO PROJETO 46

47 CIDADE ADMINISTRATIVA MG Cidade Administrativa de Minas Gerais BELO HORIZONTE

48 VERIFICAR SE IRA INCLUIR OS SLIDESSEGUINTES

49 ANÁLISE DE SITUAÇÃO 33 RHC MG, HOSPITAIS PÚBLICOS E PRIVADOS ASSISTÊNCIA NA ALTA COMPLEXIDADE SUS E NÃO SUS

50 ASSISTÊNCIA DE CÂNCER MG 21 MUNICÍPIOS 33 HOSPITAIS PÚBLICOS E PRIVADOS COM RHC MG MACRO NOROESTE

51 ESTADIO CLÍNICO DO TUMOR NA 1ª CONSULTA NO HOSPITAL, 33 RHC MINAS GERAIS EXEMPLOS DAS VARIAÇÕES NAS MACROS MACRO TRIÂNGULO DO NORTE MACRO LESTE ORDEM BOCA C.ÚTERO COLORRETAL ESTÔMAGO MAMA PRÓSTATA PULMÃO AGRUPADOS E TOTAL

52 MINAS GERAIS, casos hospitalares na alta complexidade EXEMPLOS DA VARIAÇÃO ENTRE OS MUNICÍPIOS DA MACRO MACRO SUL

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Governo de Alagoas Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de Análise da Situação de Saúde Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Maceió AL 2014

Leia mais

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Maio de 2013 Magnitude do Câncer no Brasil 518 mil novos casos em 2013 Câncer de pele não melanoma deve responder

Leia mais

A situação do câncer no Brasil. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

A situação do câncer no Brasil. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva A situação do câncer no Brasil Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva O Brasil no Cenário do Câncer no Mundo Principais fatores determinantes Situação do Câncer no Brasil 1 Urbanização

Leia mais

Encontro internacional sobre rastreamento de câncer de mama

Encontro internacional sobre rastreamento de câncer de mama Encontro internacional sobre rastreamento de câncer de mama O Câncer de Mama no Brasil Situação epidemiológica e rastreamento 17/04/2009 CÂNCER DE MAMA NO BRASIL MORBIMORTALIDADE NÚMERO TAXA (*) NOVOS

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 Renata Loretti Ribeiro 2 Introdução O câncer representa uma causa importante de morbidez e mortalidade, gerador de efeitos que

Leia mais

SEGALLA 1, José G M, CAPRA 1, Rute M M, VENEZIANO 1, Claúdia L A, VENEZIANO 1, Donaldo B, ZULIANI 1, Selma A R, MAUAD 2, Lenira M Q

SEGALLA 1, José G M, CAPRA 1, Rute M M, VENEZIANO 1, Claúdia L A, VENEZIANO 1, Donaldo B, ZULIANI 1, Selma A R, MAUAD 2, Lenira M Q DISTRIBUIÇÃO DOS TUMORES DE COLO DE ÚTERO NAS MICRO- REGIÕES DA DRS-VI (BAURU) E CORRELAÇÃO COM O PROGRAMA DE PREVENÇÃO DO HOSPITAL AMARAL CARVALHO (HAC) SEGALLA 1, José G M, CAPRA 1, Rute M M, VENEZIANO

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

TEXTO 2 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO CÂNCER DE MAMA. Tânia Aparecida Correia Furquim 1

TEXTO 2 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO CÂNCER DE MAMA. Tânia Aparecida Correia Furquim 1 TEXTO 2 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO CÂNCER DE MAMA Tânia Aparecida Correia Furquim 1 A prevenção, a detecção e o tratamento do câncer de mama (CM) formam hoje o grande objetivo para a melhoria da saúde

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

Risco de Morrer em 2012

Risco de Morrer em 2012 Risco de morrer 2012 23 de maio de 2014 Risco de Morrer em 2012 As duas principais causas de morte em 2012 foram as doenças do aparelho circulatório, com 30,4% dos óbitos registados no país, e os tumores

Leia mais

A situação do câncer no Brasil 1

A situação do câncer no Brasil 1 A situação do câncer no Brasil 1 Fisiopatologia do câncer 23 Introdução O câncer é responsável por cerca de 13% de todas as causas de óbito no mundo: mais de 7 milhões de pessoas morrem anualmente da

Leia mais

Situação do câncer em Minas Gerais e suas macrorregiões de saúde

Situação do câncer em Minas Gerais e suas macrorregiões de saúde Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais Programa de Avaliação e Vigilância do Câncer e seus fatores de risco de Minas Gerais Situação do câncer em Minas Gerais e suas macrorregiões de saúde Estimativas

Leia mais

Incidência das doenças oncohematológicas. destaque para os dados do Registro de Câncer de Base Populacional de São Paulo (RCBP-SP)

Incidência das doenças oncohematológicas. destaque para os dados do Registro de Câncer de Base Populacional de São Paulo (RCBP-SP) Incidência das doenças oncohematológicas no Brasil, com destaque para os dados do Registro de Câncer de Base Populacional de São Paulo (RCBP-SP) Maria do Rosario Dias de Oliveira Latorre Professora Titular

Leia mais

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO Edmilson Cursino dos Santos Junior (1); Renato Filipe de Andrade (2); Bianca Alves Vieira Bianco (3). 1Fisioterapeuta. Residente em Saúde

Leia mais

Causas de morte 2013

Causas de morte 2013 Causas de morte 2013 26 de maio de 2015 Causas de morte 2013 Os tumores malignos e as doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de mais de metade dos óbitos ocorridos no país em 2013, representando

Leia mais

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Fontes de informação: A. População Todos os dados de população foram obtidos a partir do existente no site do Datasus www.datasus.gov.br/cgi/ibge/popmap.htm.

Leia mais

Vigilância do câncer no Canadá

Vigilância do câncer no Canadá 1 Vigilância do câncer no Canadá Apresentado por Howard Morrison, PhD Centro de Prevenção e Controle de Doenças Crônicas Agência de Saúde Pública do Canadá O contexto canadense 2 Indivíduos 4% das mulheres

Leia mais

Estimativa 2014. Incidência de Câncer no Brasil

Estimativa 2014. Incidência de Câncer no Brasil Estimativa 2014 Incidência de Câncer no Brasil Para que servem as Estimativas? Conhecer a magnitude dos principais tipos de câncer; Planejamento de ações e programas de controle; Definição de políticas

Leia mais

Estatísticas do Melanoma no Brasil

Estatísticas do Melanoma no Brasil Estatísticas do Melanoma no Brasil Dr Elimar Gomes Núcleo de Câncer de Pele AC Camargo Cancer Center São Paulo/SP Melanoma no mundo Tendência de aumento global da doença Incidência Prevalência OS 20 PAÍSES

Leia mais

20 e 21 de outubro de 2005 Gulnar Azevedo S. Mendonça. Coordenação de Prevenção e Vigilância

20 e 21 de outubro de 2005 Gulnar Azevedo S. Mendonça. Coordenação de Prevenção e Vigilância Seminário de 20 e 21 de outubro de 2005 Gulnar Azevedo S. Mendonça Coordenação de Prevenção e Vigilância Magnitude do problema Câncer é a segunda causa de morte no Brasil. Mortalidade por câncer vem aumentando,

Leia mais

MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS

MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 7 nº 1 Março 2006 MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS Com o aumento da expectativa de vida,

Leia mais

VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006

VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006 VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006 BETIM/MG Márcia Dayrell Secretaria Municipal de Saúde de Betim (MG) Serviço de Vigilância

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH Brasília, outubro de 2015 População Masculina 99 milhões (48.7%) População alvo: 20 a 59 anos População Total do Brasil 202,7 milhões de

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL BRASÍLIA, 16 DE MAIO DE 2013 Criação de um novo departamento dentro da SAS: DAET- Departamento de Atenção

Leia mais

Dra Adriana de Freitas Torres

Dra Adriana de Freitas Torres Dra Adriana de Freitas Torres 2020 15 milhões de novos casos 12 milhões de mortes 2002 10 milhões de casos novos 6 milhões de mortes Mundo cerca 1 milhão de novos casos de CM Fonte: União Internacional

Leia mais

Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública P e Meio Ambiente Área de concentração: Epidemiologia Ambiental

Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública P e Meio Ambiente Área de concentração: Epidemiologia Ambiental Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública P Sérgio S Arouca Mestrado em Saúde Pública P e Meio Ambiente Área de concentração: Epidemiologia Ambiental malignas entre beneficiários da Previdência

Leia mais

Câncer no Brasil - Dados dos Registros de Base Populacional Volume IV. Novembro/2010

Câncer no Brasil - Dados dos Registros de Base Populacional Volume IV. Novembro/2010 Câncer no Brasil - Dados dos Registros de Base Populacional Volume IV Novembro/2010 O QUE É? Registro de Câncer de Base Populacional RCBP: são centros sistematizados de coleta, armazenamento, processamento

Leia mais

Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade

Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade Seminário: Estudos e Pesquisas em DST/HIV/Aids determinantes epidemiológicos e sóciocomportamentais Porto Alegre 14-16/12/09 Ângela Tayra Divisão de Vigilância

Leia mais

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década 1 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO PROFESSOR BAHIA TEXTO DE CULTURA GERAL FONTE: UOL COTIDIANO 24/09/2008 Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década Fabiana Uchinaka Do UOL Notícias

Leia mais

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil As taxas médias de incidência de câncer por 1.000.000 de crianças e adolescentes (0 a 18 anos), segundo sexo, faixa etária e período disponível das informações para os 20 RCBP brasileiros, são apresentadas

Leia mais

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Estão disponíveis, nestas páginas, os indicadores do Pacto de Atenção Básica 2002, estabelecidos a partir da portaria 1.121, de 17 de junho de 2002, calculados

Leia mais

Relatório Metodológico da Tipologia dos Colegiados de Gestão Regional CGR. O presente relatório tem por objetivo apresentar uma tipologia dos CGR

Relatório Metodológico da Tipologia dos Colegiados de Gestão Regional CGR. O presente relatório tem por objetivo apresentar uma tipologia dos CGR Relatório Metodológico da Tipologia dos Colegiados de Gestão Regional CGR Apresentação O presente relatório tem por objetivo apresentar uma tipologia dos CGR Colegiados de Gestão Regional do Brasil segundo

Leia mais

Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha

Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha Coordenação Geral de Ações Estratégicas - CGAE Instituto Nacional de Câncer - INCA Cenário do Câncer no Mundo: perspectiva de crescimento

Leia mais

PERFIL BÁSICO MUNICIPAL

PERFIL BÁSICO MUNICIPAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) PERFIL BÁSICO MUNICIPAL Fortaleza-CE 2009 Apresentação O Instituto

Leia mais

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO Morrem mais brancos por causa naturais e negros por motivos externos. A s estatísticas de morbidade e mortalidade têm sido utilizadas por epidemiologistas, demógrafos

Leia mais

Magnitude do problema

Magnitude do problema Magnitude do problema CÂNCER NO MUNDO Ano No. de casos mortes vivos 2014 14 milhões 8,2 milhões 2030 27 milhões 17 milhões 75 milhões CÂNCER NO BRASIL Ano No. de casos mortes 2013 518 mil 184.073 2014

Leia mais

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil As taxas médias de incidência de câncer por 1.000.000 de crianças e adolescentes (0 a 18 anos), segundo sexo, faixa etária e período disponível das informações para os 20 RCBP brasileiros, são apresentadas

Leia mais

Prevenção em dobro. Eixo de Prevenção do Câncer ganha segunda Unidade Móvel CAPA

Prevenção em dobro. Eixo de Prevenção do Câncer ganha segunda Unidade Móvel CAPA Prevenção em dobro Eixo de Prevenção do Câncer ganha segunda Unidade Móvel O eixo de Prevenção do Câncer do Programa Cuide-se+ acaba de ganhar um importante reforço no atendimento aos trabalhadores das

Leia mais

Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas

Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas Resenha de Estatísticas Vitais do Ano 8 nº 3 Novembro 2007 Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas O século XX se caracterizou, sob o ponto de vista da saúde, pela transição

Leia mais

Vigilância em saúde para prevenção de surtos de doenças de transmissão hídrica decorrentes dos eventos climáticos extremos

Vigilância em saúde para prevenção de surtos de doenças de transmissão hídrica decorrentes dos eventos climáticos extremos Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis Unidade de Vigilância das Doenças de Transmissão

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

COMPARAÇÃO DAS ESTIMATIVAS DE CÂNCER SNC NAS REGIÕES DO BRASIL. Av. Prof. Luís Freire, 1000, Recife/PE, 50740-540, 2

COMPARAÇÃO DAS ESTIMATIVAS DE CÂNCER SNC NAS REGIÕES DO BRASIL. Av. Prof. Luís Freire, 1000, Recife/PE, 50740-540, 2 X Congreso Regional Latinoamericano IRPA de Protección y Seguridad Radiológica Radioprotección: Nuevos Desafíos para un Mundo en Evolución Buenos Aires, 12 al 17 de abril, 2015 SOCIEDAD ARGENTINA DE RADIOPROTECCIÓN

Leia mais

HIV/aids no Brasil - 2012

HIV/aids no Brasil - 2012 HIV/aids no Brasil - 2012 Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Novembro de 2012 HIV Dados gerais Prevalência do HIV maior entre homens (15

Leia mais

4. Câncer no Estado do Paraná

4. Câncer no Estado do Paraná 4. Câncer no Estado do Paraná Situação Epidemiológica do Câncer Doenças e Agravos Não Transmissíveis no Estado do Paraná Uma das principais causas de morte nos dias atuais, o câncer é um nome genérico

Leia mais

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO MORTALIDADE POR NEOPLASIAS SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE MORTALIDADE - SIM 8ª REVISÃO

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO MORTALIDADE POR NEOPLASIAS SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE MORTALIDADE - SIM 8ª REVISÃO 2 BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO MORTALIDADE POR NEOPLASIAS SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE MORTALIDADE - SIM 8ª REVISÃO 1990 a 2012 Rio Grande do Sul Bento Gonçalves Secretaria Municipal da Saúde

Leia mais

2005, Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte.

2005, Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. 2005, Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Ministério da Saúde José Saraiva Felipe Secretaria de Atenção à Saúde José Gomes Temporão Instituto

Leia mais

reduzir a mortalidade infantil

reduzir a mortalidade infantil objetivo 4. reduzir a mortalidade infantil A mortalidade infantil reflete as condições socioeconômicas e ambientais de uma região assim como a condição de acesso a um sistema de saúde de qualidade. Além

Leia mais

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ O que é um registro de câncer? -Centro de coleta, armazenamento, processamento e análise - de forma sistemática e contínua - de informações (dados) sobre pacientes

Leia mais

Saúde Brasil 2007. Uma Análise da Situação de Saúde. Perfil de Mortalidade do Brasileiro

Saúde Brasil 2007. Uma Análise da Situação de Saúde. Perfil de Mortalidade do Brasileiro Saúde Brasil 2007 Uma Análise da Situação de Saúde Perfil de Mortalidade do Brasileiro Brasília, 6 de novembro de 2008 Editor-Geral Gerson Oliveira Penna Secretário de Vigilância em Saúde/MS Editor-Executivo

Leia mais

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1 Resumo do Perfil epidemiológico por regiões HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 Resumo do perfil epidemiológico por regiões SAÚDE 1 HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 APRESENTAçÃO Hoje, no

Leia mais

Doenças Crônicas. uma nova transição. Paulo A. Lotufo. FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP

Doenças Crônicas. uma nova transição. Paulo A. Lotufo. FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP Doenças Crônicas uma nova transição Paulo A. Lotufo Professor Titular de Clínica Médica FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP esclarecimentos O termo doença crônica pode

Leia mais

Estatísticas do Registro Civil 2013

Estatísticas do Registro Civil 2013 Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Estatísticas Vitais e Estimativas Populacionais Estatísticas do Registro Civil 2013 Dezembro de 2014 Estatísticas do Registro

Leia mais

5.º Ano 2014 Campanha de Prevenção do Câncer de Intestino Grosso 2016 O que é o intestino grosso? 1,5 m de comprimento 6,5 cm de diâmetro COLON SIGMÓIDE CECO ÂNUS Câncer de Intestino Grosso Surge, em 90%

Leia mais

Apresentação. Flávio Ataliba Flexa Daltro Barreto. Diretor Geral

Apresentação. Flávio Ataliba Flexa Daltro Barreto. Diretor Geral Apresentação O Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) disponibiliza para o Governo e a sociedade o Perfil Básico Municipal 2011. As informações contidas no Perfil Básico Municipal,

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: A EFICÁCIA DA COMUNICAÇÃO "INVASIVA"

CÂNCER DE MAMA: A EFICÁCIA DA COMUNICAÇÃO INVASIVA 1 CÂNCER DE MAMA: A EFICÁCIA DA COMUNICAÇÃO "INVASIVA" RESUMO: NESTE ESTUDO VISA-SE ANALISAR E DISCUTIR DOIS ASPECTOS RELACIONADOS À COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO DA SAÚDE DA MULHER, EM ESPECIAL O CÂNCER DE

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) Estimativa 2012. Incidência de Câncer no Brasil

MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) Estimativa 2012. Incidência de Câncer no Brasil MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) Estimativa 2012 Incidência de Câncer no Brasil Rio de Janeiro, RJ 2011 2011 Instituto Nacional de Câncer José Alencar

Leia mais

Produção de mamografias no SUS do Estado de São Paulo Production of mammographies by SUS from the state of São Paulo

Produção de mamografias no SUS do Estado de São Paulo Production of mammographies by SUS from the state of São Paulo Nesta edição Nº 16 Produção de mamografias no SUS do Estado de São Paulo Production of mammographies by SUS from the state of São Paulo José Dínio Vaz Mendes I ; Mônica Aparecida Marcondes Cecilio II ;

Leia mais

IV. Resultados e Comentários

IV. Resultados e Comentários IV. Resultados e Comentários IV.1 Informações sobre a Incidência dos RCBP Brasileiros A seguir serão descritas informações sobre os 20 RCBP analisados, como área de cobertura equipe responsável e infra-estrutura,

Leia mais

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 *

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Maria Elizete Gonçalves Alexandar de Brito Barbosa Palavras-chave: mortalidade;

Leia mais

PERFIL DOS PRINCIPAIS CÂNCERES EM IDOSOS NO BRASIL

PERFIL DOS PRINCIPAIS CÂNCERES EM IDOSOS NO BRASIL PERFIL DOS PRINCIPAIS CÂNCERES EM IDOSOS NO BRASIL Rosimery Cruz de Oliveira Dantas¹- rmeryco_dantas@hotmail.com Jéssica Barreto Pereira²- jessicajesse@hotmail.com Layz Dantas de Alencar³-layzalencar@gmail.com

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 09 /2014 - CESAU Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Índice de seguimento / levantamento de doenças intra-epiteliais previsto para 2013 no município de Salvador e ações

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

O desafio feminino do câncer

O desafio feminino do câncer Tumores de mama e colo de útero contam com a oportunidade de rastreamento e têm altas chances de sucesso no tratamento O desafio feminino do câncer O controle dos cânceres de mama e de colo do útero é

Leia mais

RRAS 15 DRS Campinas e São João da Boa Vista (Regiões de Saúde: Campinas, Oeste VII, Baixa Mogiana, Mantiqueira e Rio Pardo)

RRAS 15 DRS Campinas e São João da Boa Vista (Regiões de Saúde: Campinas, Oeste VII, Baixa Mogiana, Mantiqueira e Rio Pardo) Caracterização da assistência oncológica nas Redes Regionais de Atenção à Saúde no estado de São Paulo RRAS 15 DRS Campinas e São João da Boa Vista (Regiões de Saúde: Campinas, Oeste VII, Baixa Mogiana,

Leia mais

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE GAI informa junho/2009 ano 1 nº2 BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE Editorial Neste segundo número do Boletim Gais Informa apresenta-se um resumo das principais discussões

Leia mais

2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS

2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS 2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS José Iran Costa Júnior Secretário Estadual de Saúde 24/03/2015 Faixa Etária (anos) CARACTERIZAÇÃO SÓCIODEMOGRÁFICA DE PERNAMBUCO

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva Vigilância Epidemiológica Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva EPIDEMIOLOGIA Epidemiologia é o estudo da frequência, da distribuição e dos condicionantes e determinantes dos estados ou eventos

Leia mais

Sistema Público de Saúde em Curitiba - 2011

Sistema Público de Saúde em Curitiba - 2011 Sistema Público de Saúde em Curitiba - 2011 09 Distritos Sanitários 109 US (55 ESF) - informatizada 8 CMUMs 10 CAPS 1 Laboratório Municipal 1 Hospital Municipal 1.851.213 habitantes 223.000 mulheres acima

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

IncidênciadeCâncernoBrasil

IncidênciadeCâncernoBrasil ESTIMATIVA 2014 IncidênciadeCâncernoBrasil MinistériodaSaúde InstitutoNacionaldeCâncer JoséAlencarGomesdaSilva MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) Estimativa

Leia mais

A Enfermagem no Atendimento das Feridas Oncológicas.

A Enfermagem no Atendimento das Feridas Oncológicas. A Enfermagem no Atendimento das Feridas Oncológicas. Tereza Giannini giannini.tereza@gmail.com sobenfee@sobenfee.org.br LESÕES NEOPLÁSICAS Lesões resistentes que se propagam no tecido epitelial devido

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE PLANO ESTADUAL DE SAÚDE 2012-2015 VERSÃO PRELIMINAR

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE PLANO ESTADUAL DE SAÚDE 2012-2015 VERSÃO PRELIMINAR ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE PLANO ESTADUAL DE SAÚDE 2012-2015 VERSÃO PRELIMINAR FLORIANÓPOLIS SC 2011 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA GOVERNADOR JOÃO RAIMUNDO COLOMBO VICE

Leia mais

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS ESTUDOS & pesquisas INFORMAÇÃO DEMOGRÁFICA E SOCIoeconômica 5 SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2000 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Fernando Henrique Cardoso

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 288,39 Urbana 309,57 Rural 167,10

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 288,39 Urbana 309,57 Rural 167,10 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Jacundá DEMOGRAFIA População Total 51.360 População por Gênero Masculino 25.769 Participação % 50,17 Feminino 25.591

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

Fed Estado DF O cálculo da União não X possui percentual de aplicada em saúde

Fed Estado DF O cálculo da União não X possui percentual de aplicada em saúde Anexo RELATÓRIO DE INDICADORES DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DO PACTO PELA SAÚDE - 2007 A. INDICADORES PRINCIPAIS Denominação Método de Cálculo Fonte Parâmetro/Meta Nacional/ Referência Situação Local Meta

Leia mais

EDUCAÇÃO Total de Escolas no Município Ensino Fundamental Ensino Médio Número de Matrículas Educação Infantil Creche 237

EDUCAÇÃO Total de Escolas no Município Ensino Fundamental Ensino Médio Número de Matrículas Educação Infantil Creche 237 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Água Azul do Norte DEMOGRAFIA População Total 25.057 População por Gênero Masculino 13.618 Participação % 54,35 Feminino

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO Marlúcio Alves UFU Bolsista programa CAPES/FCT Jul/dez 2011 A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA - ESF

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471.

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471.980 População por Gênero Masculino 226.635 Participação % 48,02 Feminino 245.345

Leia mais

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Dia Mundial da diabetes 14 de novembro 1983-2013 EMBARGO ATTÉ 13 DE NOVEMBRO DE 2014,, ÀS 11 HORAS Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Em 2013, as doenças endócrinas,

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PNAISH

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PNAISH CONSIDERAÇÕES SOBRE A PNAISH Criada para facilitar e ampliar o acesso da população masculina aos serviços de saúde. Enfatiza a necessidade de mudanças de paradigmas no que se refere à percepção dos homens

Leia mais

RRAS 11 DRS Presidente Prudente (Regiões de Saúde: Alta Paulista, Alta Sorocabana, Alto Capivari, Extremo Oeste Paulista e Pontal Paranapanema)

RRAS 11 DRS Presidente Prudente (Regiões de Saúde: Alta Paulista, Alta Sorocabana, Alto Capivari, Extremo Oeste Paulista e Pontal Paranapanema) Caracterização da assistência oncológica nas Redes Regionais de Atenção à Saúde no estado de São Paulo RRAS 11 DRS Presidente Prudente (Regiões de Saúde: Alta Paulista, Alta Sorocabana, Alto Capivari,

Leia mais

CÂNCER DE MAMA Complementar ao documento já disponibilizado em 2007: NEOPLASIAS 2006

CÂNCER DE MAMA Complementar ao documento já disponibilizado em 2007: NEOPLASIAS 2006 Comentários sobre a mortalidade por CÂNCER DE MAMA Complementar ao documento já disponibilizado em 2007: NEOPLASIAS 2006 Porto Alegre 2007 1 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria

Leia mais

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014.

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Ministério da Saúde / Secretaria-Executiva Departamento de Monitoramento

Leia mais

Situação do Câncer de Mama na Região de Campinas. Dr. Carlos Alberto Menossi

Situação do Câncer de Mama na Região de Campinas. Dr. Carlos Alberto Menossi Situação do Câncer de Mama na Região de Campinas Dr. Carlos Alberto Menossi Câncer de Mama É o que mais causa morte entre as mulheres Estima-se em torno de 52 casos para 100.000 mulheres para 2012 (INCA/MS)

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo DEMOGRAFIA População Total 15.690 População por Gênero Masculino 8.314 Participação % 52,99 Feminino 7.376

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves DEMOGRAFIA População Total 92.860 População por Gênero Masculino 47.788 Participação % 51,46 Feminino 45.072 Participação

Leia mais

ANEXO I. Tabelas com indicadores de saúde para países da América do Sul. Tabela 1. Indicadores socio-econômicos de países da América do Sul

ANEXO I. Tabelas com indicadores de saúde para países da América do Sul. Tabela 1. Indicadores socio-econômicos de países da América do Sul ANEXO I. Tabelas com indicadores de saúde para países da América do Sul. Tabela 1. Indicadores socio-econômicos de países da América do Sul Taxa de alfabetização 97,2 86,7 88,6 95,7 92,8 91,0 93,2 87,9

Leia mais

Indicadores hospitalares

Indicadores hospitalares Indicadores hospitalares Núcleo de Informação em Saúde de- NIS Hospital das Clínicas - FMUSP Departamento de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina USP Hospital das Clinicas - FMUSP Complexo hospitalar

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará DEMOGRAFIA População Total 7.475 População por Gênero Masculino 3.879 Participação % 51,89 Feminino

Leia mais

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra DEMOGRAFIA População Total 20.183 População por Gênero Masculino 10.292 Participação % 50,99 Feminino 9.891

Leia mais

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Marabá DEMOGRAFIA População Total 233.669 População por Gênero Masculino 118.196 Participação % 50,58 Feminino 115.473

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba DEMOGRAFIA População Total 97.493 População por Gênero Masculino 49.681 Participação % 50,96 Feminino 47.812

Leia mais