4 Indicadores Sociais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4 Indicadores Sociais"

Transcrição

1 4 Indicadores Sociais 4.1 Indicadores de Saúde Taxa mortalidade infantil (por mil nascidos vivos) e mortalidade por ano (por mil habitantes) a 2013 Ano Mortalidade infantil Mortalidade por ano ,9 5, ,8 4, ,9 4, ,0 4, ,0 4, ,6 4, ,6 4, ,6 5, ,9 5, ,8 5, ,8 5, ,9 5, ,0 5, ,1 5, ,4 5, ,8 5, ,9 4,91 Fonte: Ministério da Saúde - SIH/SUS, SIA/SUS e Fundo Nacional de Saúde Nascidos Vivos por residência da mãe, por ano do nascimento segundo o sexo a 2013 Ano Masculino Feminino TOTAL Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos - SINASC. Sigad Indicadores Sociais Página 45

2 4.1.3 Nascidos Vivos por ano do nascimento segundo o Tipo de Parto a 2013 Ano Tipo de Parto Normal Cesáreo Ignorado TOTAL Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos - SINASC Informações sobre Nascimentos - Nascidos vivos, taxa natalidade e condições Ano Número de nascidos vivos Taxa Bruta de Natalidade - por 1000 habitantes % com prematuridade Condições % de partos cesáreos % de mães de anos % de mães de anos ,1 5,7 42,1 14,07 0, ,0 5,1 43,0 16,02 0, ,9 4,9 43,4 14,79 0, ,2 7,4 44,1 14,68 0, ,3 6,0 43,9 14,87 0, ,2 6,4 43,5 15,90 0, ,3 6,5 48,1 14,83 0, ,5 6,0 53,7 12,81 0, ,7 8,0 56,7 12,10 0, ,9 6,6 54,2 12,92 0, ,7 7,4 56,3 11,36 0, ,2 8,2 57,9 13,96 0, ,0 9,0 58,9 14,03 0, ,1 10,5 61,0 13,35 0, ,4 9,4 63,6 13,45 0, ,2 10,9 64,9 14,14 0, ,5 10,4 63,5 12,63 0, ,9 11,4 62,3 12,57 0, ,9 11,4 64,1 12,16 0,33 Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos - SINASC. Sigad Indicadores Sociais Página 46

3 4.1.5 Informações sobre Nascimentos Indicadores Sociais Ano % com baixo peso ao nascer Geral Cesáreos Normais ,2 7,5 6, ,8 6,7 6, ,9 7,8 6, ,4 9,7 7, ,2 8,5 6, ,5 7,3 5, ,9 8,9 6, ,3 8,2 6, ,3 10,5 7, ,0 9,6 6, ,1 9,4 6, ,6 10,2 6, ,7 8,9 6, ,6 10,9 7, ,6 8,0 6, ,3 9,2 6, ,9 9,2 6, ,1 9,4 6, ,4 9,5 6,5 Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos - SINASC a Nascimento por residência da mãe, por idade da mãe, segundo ano do nascimento 1994 a 2013 Continua Ano nascimento 10 a 14 anos 15 a 19 anos 20 a 24 anos 25 a 29 anos 30 a 34 anos 35 a 39 anos 40 a 44 anos Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos - SINASC b Nascimento por residência da mãe, por idade da mãe, segundo ano do nascimento 1994 a 2013 Sigad Indicadores Sociais Página 47

4 Ano nascimento 45 a 49 anos Idade ignorada Indicadores Sociais Total Final Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos - SINASC a Nascimento por residência da mãe, por Instrução da mãe, segundo ano do nascimento 2000 a 2013 Ano nascimento Nenhuma 1 a 3 anos 4 a 7 anos 8 a 11 anos 12 anos e mais Ignorado Total Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos - SINASC b Nascimento por residência da mãe, por Instrução da mãe, segundo ano do nascimento (mães de 10 a 19 anos) de 2000 a 2013 Sigad Indicadores Sociais Página 48

5 Ano nascimento mais 12 anos e Nenhuma 1 a 3 anos 4 a 7 anos 8 a 11 anos Ignorado Total Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos - SINASC Nascimento por residência da mãe, por estado civil, segundo ano do nascimento 2000 a 2013 Ano nascimento Solteira Casada Viúva Separada União judicialment consensual e Ignorado Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos - SINASC. Total Nascimento por residência da mãe, por duração da gestação, segundo ano do nascimento a 2013 Sigad Indicadores Sociais Página 49

6 Ano do nascim-ento Menos de 27 semanas De 28 a 31 semanas De 32 a 36 semanas De 37 a 41 semanas 42 semanas ou mais Ignorados Total Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos - SINASC Nascimento por residência da mãe, por tipo de gravidez, segundo ano do nascimento 1994 a 2013 Ano nascimento Única Dupla Tripla e mais Ignorada Total Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos - SINASC a Óbitos por ano do óbito segundo as causas (Capítulo CID-10) a 2013 Continua Sigad Indicadores Sociais Página 50

7 Causas Capítulos - CID-10 Anos Doenças do aparelho circulatório Neoplasias (tumores) Causas externas de morbidade e mortalidade Sint sinais e achad anorm ex clín e laborat Doenças do aparelho respiratório Algumas afec originadas no período perinatal Doenças do aparelho digestivo Algumas doenças infecciosas e parasitárias Doenças endócrinas nutricionais e metabólicas Doenças do aparelho geniturinário Doenças do sistema nervoso Malf cong deformid e anomalias cromossômicas Gravidez parto e puerpério Transtornos mentais e comportamentais Doenças sangue órgãos hemat e transt imunitár Doenças sist osteomuscular e tec conjuntivo Doenças da pele e do tecido subcutâneo Doenças do ouvido e da apófise mastóide TOTAL Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM b Óbitos por ano do óbito segundo as causas (Capítulo CID-10) a 2013 Continua Causas Capítulos - CID-10 Anos Doenças do aparelho circulatório Neoplasias (tumores) Causas externas de morbidade e mortalidade Sint sinais e achad anorm ex clín e laborat Doenças do aparelho respiratório Algumas afec originadas no período perinatal Doenças do aparelho digestivo Algumas doenças infecciosas e parasitárias Doenças endócrinas nutricionais e metabólicas Doenças do aparelho geniturinário Doenças do sistema nervoso Malf cong deformid e anomalias cromossômicas Gravidez parto e puerpério Transtornos mentais e comportamentais Doenças sangue órgãos hemat e transt imunitár Doenças sist osteomuscular e tec conjuntivo Doenças da pele e do tecido subcutâneo Doenças do ouvido e da apófise mastóide TOTAL Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM c Óbitos por ano do óbito segundo as causas (Capítulo CID-10) a 2013 Continua Sigad Indicadores Sociais Página 51

8 Causas Capítulos - CID-10 Anos Doenças do aparelho circulatório Neoplasias (tumores) Causas externas de morbidade e mortalidade Sint sinais e achad anorm ex clín e laborat Doenças do aparelho respiratório Algumas afec originadas no período perinatal Doenças do aparelho digestivo Algumas doenças infecciosas e parasitárias Doenças endócrinas nutricionais e metabólicas Doenças do aparelho geniturinário Doenças do sistema nervoso Malf cong deformid e anomalias cromossômicas Gravidez parto e puerpério Transtornos mentais e comportamentais Doenças sangue órgãos hemat e transt imunitár Doenças sist osteomuscular e tec conjuntivo Doenças da pele e do tecido subcutâneo Doenças do ouvido e da apófise mastóide TOTAL Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM d Óbitos por ano do óbito segundo as causas (Capítulo CID-10) a 2013 Final Causas Capítulos - CID-10 Anos Doenças do aparelho circulatório Neoplasias (tumores) Causas externas de morbidade e mortalidade Sint sinais e achad anorm ex clín e laborat Doenças do aparelho respiratório Algumas afec originadas no período perinatal Doenças do aparelho digestivo Algumas doenças infecciosas e parasitárias Doenças endócrinas nutricionais e metabólicas Doenças do aparelho geniturinário Doenças do sistema nervoso Malf cong deformid e anomalias cromossômicas Gravidez parto e puerpério Transtornos mentais e comportamentais Doenças sangue órgãos hemat e transt imunitár Doenças sist osteomuscular e tec conjuntivo Doenças da pele e do tecido subcutâneo Doenças do ouvido e da apófise mastóide TOTAL Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM Óbito por ano do óbito segundo Causas Externas (Grande Grupo CID10) a 2013 Sigad Indicadores Sociais Página 52

9 Ano Acidentes de Transporte Outras causas externas de lesões acidentais Indicadores Sociais Lesões autoprovocad. Voluntariamen. (suicídio) Agressões (homicídios) Eventos cuja intenção é indeterminada Outros Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM Causas Grande Grupo - CID10 Total Percentual de óbitos por causa, por Idade (5 Faixas), segundo Causas Capítulos CID Causas Capítulos < 10 Anos Anos Anos Anos > 70 Anos Total Doenças do aparel. circulatório 0,00 0,23 6,53 29,14 64,10 100,00 Neoplasias (tumores) 0,24 0,48 12,47 45,08 41,73 100,00 Causas externas 3,14 7,33 47,64 24,08 17,80 100,00 Doenças do aparel. respiratório 0,00 0,00 4,38 20,63 75,00 100,00 Doenças endóc. Nutri. e metab. 0,00 0,00 8,64 32,10 59,26 100,00 Doenças do aparelho digestivo 1,25 0,00 12,50 33,75 52,50 100,00 Alg dças infecciosas e parasitár. 3,39 1,69 38,98 35,59 20,34 100,00 Doenças do sistema nervoso 1,82 1,82 3,64 12,73 80,00 100,00 Algumas afec origin. per. Perinat. 100,00 0,00 0,00 0,00 0,00 100,00 Dças do aparelho geniturinário 0,00 2,22 8,89 17,78 71,11 100,00 Anomalias congênitas 76,19 4,76 14,29 4,76 0,00 100,00 Transtornos mentais e comport. 0,00 0,00 22,22 61,11 16,67 100,00 Dças. da pele e tecido subcutân. 0,00 0,00 0,00 0,00 100,00 100,00 Dças Sang Órg hemat transt imu 0,00 0,00 25,00 25,00 50,00 100,00 Dças sist osteomusc. e tec conj. 0,00 9,09 27,27 18,18 45,45 100,00 Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM Sigad Indicadores Sociais Página 53

10 a Percentual de óbitos por causa, por Ano do Óbito, segundo Causas Capítulos a 2013 Continua Causas Capítulos Doenças do aparel. circulatório 28,35 26,77 25,21 25,60 26,67 27,21 Neoplasias (tumores) 21,82 22,34 23,62 22,91 21,56 21,91 Causas ext. de morb. e mortal. 11,52 11,30 11,90 13,40 12,81 11,81 Sint sinais e achad anorm ex clín e laborat 4,85 5,62 3,50 2,87 3,35 2,98 Doenças do aparelho resp. 10,17 8,86 10,44 9,45 10,28 10,83 Algs afec origin. no per. Perinat 1,75 2,31 1,59 1,32 1,47 1,89 Doenças do aparelho digestivo 4,85 4,36 4,90 5,62 3,88 4,63 Algs dças infecciosas e parasit. 4,04 4,03 3,76 4,37 3,82 2,98 Dças endóc nutri e metab 4,38 5,75 5,60 5,38 6,76 5,54 Dças do aparelho geniturinário 2,02 1,78 1,72 2,69 2,94 2,56 Doenças do sistema nervoso 3,16 3,50 3,12 3,17 2,82 3,83 Malf cong deformid e anom cromossômicas 1,21 1,52 1,27 1,02 1,47 1,40 Gravidez parto e puerpério 0, ,06 0,18 0,06 Transtornos mentais e comport. 0,94 0,86 2,04 1,26 1,29 1,46 Dças sang órg hemat e transt imunitár 0,40 0,33 0,57 0,48 0,24 0,37 Dças sist osteomuscular e tec conjuntivo 0,27 0,26 0,45 0,30 0,12 0,37 Dças da pele e do tecido subcutâneo 0,13 0,40 0,32 0,12 0,35 0,18 Dças do ouvido e da apófise mastóide 0, Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM b Percentual de óbitos por causa, por Ano do Óbito, segundo Causas Capítulos a 2013 Causas Capítulos 2013 Doenças do aparel. circulatório 26,34 Neoplasias (tumores) 25,60 Causas ext. de morb. e mortal. 11,72 Sint sinais e achad anorm ex clín e laborat 2,09 Doenças do aparelho resp. 9,82 Algs afec origin. no per. Perinat 1,35 Doenças do aparelho digestivo 4,91 Algs dças infecciosas e parasit. 3,62 Dças endóc nutri e metab 4,97 Dças do aparelho geniturinário 2,76 Doenças do sistema nervoso 3,38 Malf cong deformid e anom cromossômicas 1,29 Gravidez parto e puerpério 0,06 Transtornos mentais e comport. 1,10 Dças sang órg hemat e transt imunitár 0,25 Dças sist osteomuscular e tec conjuntivo 0,68 Dças da pele e do tecido subcutâneo 0,06 Dças do ouvido e da apófise mastóide - Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM Sigad Indicadores Sociais Página 54

11 Coeficiente de Mortalidade para algumas causas selecionadas (por habitantes) a 2014 Ano Aids Neoplasia maligna da mama ( mulheres) Neoplasia maligna do Colo Infarto Agudo do do Útero Miocardio ( mulheres) Doenças Cerebrovasculares ,3 0,8 0,4 5,3 2, ,5 0,8 1,2 6,7 0, ,1 1,1 1,9 4,2 1, ,9 1,5 0,8 6,0 0, ,1 1,1 1,1 7,8 0, ,4 1,1 1,1 2,2 1, ,3 0,7 1,8 4,3 1, ,9 2,5 0,4 5,6 1, ,4 3,8 1,7 4,1 1, ,4 2,0 1,0 1,7 0, ,0 1,7 1,0 3,3 0, ,3 0,3 0,0 3,6 0, ,9 1,0 0,0 4,9 1, ,2 1,6 1,0 5,8 1, ,6 1,3 1,3 4,7 4, ,5 2,7 0,9 6,1 1, ,7 1,8 0,0 7,8 1,5 Fonte: Ministério da Saúde - SIM. Causa do Óbito Coeficiente de Mortalidade para algumas causas selecionadas (por habitantes) a 2011 Causa do Óbito Ano Diabetes Melitus Acidentes de Transporte Agressões Suicídios ,2 76,5 13,2 12, ,9 77,2 16,1 14, ,1 44,0 10,2 17, ,5 59,0 4,6 10, ,7 49,4 4,5 13, ,2 43,5 13,3 19, ,5 45,7 8,7 20, ,4 55,6 17,1 16, ,2 58,9 4,9 16, ,2 69,0 11,7 21, ,9 59,0 10,9 9, ,0 64,7 16,7 10, ,5 53,8 18,4 13, ,2 63,9 16,1 16, ,7 76,6 21,6 14, ,1 68,1 18,7 16,9 Fonte: Ministério da Saúde - SIM. Sigad Indicadores Sociais Página 55

12 Outros indicadores de mortalidade Ano Total de óbitos Indicadores Sociais Outros Indicadores de Mortalidade Nº de óbitos % óbitos por por causas mal habitantes definidas Total de óbitos infantis ,14 7, ,99 8, ,96 9, ,48 7, ,53 12, ,73 7, ,99 3, ,27 3, ,14 4, ,07 4, ,07 5, ,11 6, ,16 3, ,41 3, ,44 3, ,20 3, ,91 2,1 38 Fonte: Ministério da Saúde - SIM/SINASC Internações por Grupo procedimento a 2013 Internações por Grupo procedimento Procedimentos com finalidade diagnóstica Procedimentos clínicos Procedimentos cirúrgicos Transplantes de orgãos, tecidos e células TOTAL Fonte: SIH/SUS Valor total (R$ 1,00) por Grupo procedimento a 2013 Valor (R$) por Grupo procedimento Procedimentos com finalidade diagnóstica Procedimentos clínicos Procedimentos cirúrgicos Transplantes de orgãos, tecidos e células TOTAL Fonte: SIH/SUS Número de Internações, Valor Total, Valor Médio, Média de Permanência, Número de Óbitos e Taxa de Mortalidade por Especialidade (por local de internação) INDICADORES Clínica Clínica Obstetrícia cirúrgica médica Psiquiatria Pediatria TOTAL Número de Internações , , , ,00 % 54,6 11,7 29,6-4,3 100,0 Valor Total R$ % 97,1 4,2 18,0-6,8 100,0 Valor Médio R$ 4.068,85 821, , , ,29 Média de Permanência (dias) Número de Óbitos Mortalidade Hospitalar (%) 2,6-9,5-3,7 4,4 Fonte: SIH/SUS Sigad Indicadores Sociais Página 56

13 Outros indicadores de mortalidade Indicadores Sociais Ano % de óbitos infantis no total de óbitos * Mortalidade infantil por nascidos-vivos ** ,0 15, ,6 17, ,4 11, ,8 10, ,1 12, ,0 9, ,2 11, ,8 10, ,6 5, ,1 8, ,1 12, ,7 13, ,9 11, ,5 10, ,6 10, ,2 11, ,3 8,9 * Coeficiente de mortalidade infantil proporcional ao total de óbitos. **Considerando apenas os óbitos e nascimentos coletados pelo SIM/SINASC. Até 1 ano de idade. Fonte: SIM/SINASC. Outros Indicadores de Mortalidade Cobertura Vacinal (%) por Tipo de Imunobiológico - menores de 1 ano a 2012 Ano BCG (BCG) Contra Febre Amarela (FA) Contra Haemophilus influenzae tipo b (Hib) Contra Hepatite B (HB) Contra Influenza (Campanha) (INF) Contra Sarampo Oral Contra Poliomielite (VOP) ,6-9,4 97,3-105,0 98, ,5 0,5 3,7 19,2-101,0 84, ,4 0,0-45,6-63,7 52, ,3-31,2 57,0 85,5 58,7 62, ,3-109,9 87,2 51,1 105,6 90, ,9 0,4 97,9 94,9 53,5 93,1 97, ,3 0,1 39,2 90,6 51,8 92,6 94, ,1 0,0 8,1 93,0 64,3-92, ,1 0,0 2,3 94,7 68,0-95, ,7 0,1 0,6 89,5 70,1-91, ,8-0,5 90,3 73,2-92, ,0 0,1 0,2 87,6 73,0-90, ,1 0,3 29,5 70,2-75, ,2 0,3 85,7 69,6-76, ,3 0,4 90,6 61,5-75, ,9 0, ,8 0,2 Fonte: Ministério da Saúde - SI/PNI. Imunobiológicos Sigad Indicadores Sociais Página 57

14 Cobertura Vacinal (%) por Tipo de Imunobiológico - menores de 1 ano a 2010 Imunobiológicos Ano Oral Contra Poliomielite (Campanha 1ª etapa) (VOP) Oral Contra Poliomielite (Campanha 2ª etapa) (VOP) Tetravalente (DTP/Hib) (TETRA) Tríplice Bacteriana (DTP) Tríplice Viral (SCR) , ,6 119,8-72, ,3 93,7-53, ,4 79,0-62, ,6 96,3-90,7 83, ,5 97,3-93,7 90, ,9 95,2 56,0 39,6 95, ,6 93,2 90,7-110, ,0 90,7 97,3-80, ,3 86,1 94,9-93, ,2 84,6 95,3-96, ,3 82,0 91,8-93, , , ,9 - Fonte: Ministério da Saúde - SIAB Indicadores da Atenção Básica - PSF (Programa de Saúde da Família) a 2014 Ano População coberta (1) % população coberta pelo programa Média mensal de visitas por família (2) % de crianças c/ esq.vacinal básico em dia (2) % de crianças c/aleit. materno exclusivo (2) % de cobertura de consultas de pré-natal (2) Taxa mortalidade infantil por diarréia (3) ,2% 0,0 85,6 73,3 90,4 2, ,1% 0,0 89,0 78,3 87, ,8% 0,1 86,7 68,5 92,9 7, ,3% 0,1 96,2 74,0 95,2 12, ,5% 0,1 97,0 74,2 95,7 9, ,0% 0,1 96,8 76,7 97,3 1, ,7% 0,1 97,3 75,0 97,5 0, ,1% 0,1 97,1 78,6 97,6 0, ,5% 0,1 98,7 80,6 98,0 1, ,9% 0,5 98,4 79,2 99,7 0, ,6% 0,3 99,0 84,3 99,5 0, ,3% 0,4 98,8 82,3 99,0 0, ,7% 0,4 98,5 86,9 95,6 0, ,5% 0,3 99,1 85,2 95,9 0, ,9% 0,3 98,4 84,3 93,8 0, ,4% 0,3 98,5 83,8 95,9 - Fonte: Ministério da Saúde - SIAB Notas: (1): Situação no final do ano. (2): Como numeradores e denominadores, foi utilizada a média mensal. (3): por nascidos vivos. Sigad Indicadores Sociais Página 58

15 Indicadores da Atenção Básica - PSF (Programa de Saúde da Família) a ,0 9,6 1, ,1 12,0 0, ,8 5,5 0, ,4 11,9 2, ,4 71,4 54, ,7 19,7 2, ,2 24,9 2, ,8 27,5 4, ,7 15,9 1, ,9 16,6 1, ,4 14,5 0, ,7 23,9 1, ,5 14,2 0, ,0 21,1 0, ,1 3,7 0, ,3 3,7 0,5 Fonte: Ministério da Saúde - SIAB Notas: Ano (4): em menores de 2 anos, por (5) em menores de 5 anos, por 1000; menores de 5 anos na situação do final do ano a Distribuição Percentual das Internações por Grupo de Causas e Faixa Etária - CID (por local de residência) Capítulo CID-10 Faixa Etária Menor 1 1 a 4 5 a 9 10 a a 19 I. Algumas doenças infecciosas e parasitárias 13,39 14,50 12,14 3,50 3,94 II. Neoplasias (tumores) 0,73 1,67 9,42 5,55 6,44 III. Doenças sangue órgãos hemat e transt imunitár 0,70 0,63 0,57 0,40 0,36 IV. Doenças endócrinas nutricionais e metabólicas 0,43 0,00 1,10 0,62 1,03 V. Transtornos mentais e comportamentais 0,00 0,00 0,06 0,29 0,14 VI. Doenças do sistema nervoso 0,66 3,06 1,89 1,35 1,30 VII. Doenças do olho e anexos 0,00 0,28 0,00 0,03 0,05 VIII.Doenças do ouvido e da apófise mastóide 0,14 5,42 8,78 0,19 0,06 IX. Doenças do aparelho circulatório 1,29 1,77 2,57 2,18 5,40 X. Doenças do aparelho respiratório 24,98 32,52 13,66 3,60 3,64 XI. Doenças do aparelho digestivo 9,28 16,82 13,74 4,62 6,73 XII. Doenças da pele e do tecido subcutâneo 0,60 2,02 3,36 0,99 1,10 XIII.Doenças sist osteomuscular e tec conjuntivo 0,09 2,16 3,57 4,08 4,23 XIV. Doenças do aparelho geniturinário 1,90 6,95 7,42 6,24 5,29 XV. Gravidez parto e puerpério 0,00 0,12 2,46 48,80 41,91 XVI. Algumas afec originadas no período perinat. 37,62 0,16 0,14 4,38 3,63 XVII.Malf cong deformid e anomalias cromossômicas 6,42 4,55 2,79 0,62 0,53 XVIII.Sint sinais e achad anorm ex clín e laborat 0,62 0,11 0,59 0,46 0,57 XIX. Lesões enven e alg out conseq causas externas 0,89 6,79 13,79 9,81 8,73 XXI. Contatos com serviços de saúde 0,23 0,48 2,04 2,14 4,65 TOTAL 100,00 100,00 100,00 100,00 100,00 Fonte: SIH/SUS Prevalência de desnutrição (4) Taxa hospitalização por pneumonia (5) Taxa hospitalização por desidratação (5) Sigad Indicadores Sociais Página 59

16 b Distribuição Percentual das Internações por Grupo de Causas e Faixa Etária - CID (por local de residência) Capítulo CID-10 Faixa Etária 20 a a e mais 60 e mais TOTAL I. Algumas doenças infecciosas e parasitárias 6,03 7,02 8,94 7,36 6,97 II. Neoplasias (tumores) 10,48 12,37 8,56 6,58 7,70 III. Doenças sangue órgãos hemat e transt imunitár 0,55 0,44 0,26 0,48 0,45 IV. Doenças endócrinas nutricionais e metabólicas 1,92 1,34 1,10 1,40 1,15 V. Transtornos mentais e comportamentais 0,73 0,94 0,61 0,22 0,40 VI. Doenças do sistema nervoso 3,36 3,53 2,98 3,85 2,51 VII. Doenças do olho e anexos 0,03 0,00 0,04 0,05 0,04 VIII.Doenças do ouvido e da apófise mastóide 0,06 0,06 0,08 0,06 0,84 IX. Doenças do aparelho circulatório 13,96 26,61 33,53 36,95 16,76 X. Doenças do aparelho respiratório 4,97 7,33 10,53 14,79 9,51 XI. Doenças do aparelho digestivo 11,44 13,89 12,56 10,81 10,18 XII. Doenças da pele e do tecido subcutâneo 1,90 2,03 2,11 1,38 1,62 XIII.Doenças sist osteomuscular e tec conjuntivo 5,06 4,60 3,37 3,08 3,79 XIV. Doenças do aparelho geniturinário 5,37 4,67 4,41 5,37 5,30 XV. Gravidez parto e puerpério 16,40 0,71 0,43 0,36 16,93 XVI. Algumas afec originadas no período perinatal 1,11 0,00 0,04 0,06 2,98 XVII.Malf cong deformid e anomalias cromossômicas 1,05 0,58 1,04 0,56 1,21 XVIII.Sint sinais e achad anorm ex clín e laborat 1,46 2,32 1,42 1,24 1,09 XIX. Lesões enven e alg out conseq causas externas 8,52 7,07 4,80 4,54 7,43 XXI. Contatos com serviços de saúde 5,26 3,89 3,19 0,81 2,94 TOTAL 100,00 100,00 100,00 100,00 100,00 Fonte: SIH/SUS a Assistência Ambulatorial - Quantidade aprovada de procedimentos e valor dos procedimentos ambulatoriais a 2013 Continua Categoria de procedimentos Qtd. Procedim. Aprovados Procedimentos de Atenção Básica Ações Enfermagem/Outros Saúde Nível Médio Ações Médicas Básicas Ações Básicas Em Odontologia Ações Executadas P/Outros Prof. Nível Superior Procedimentos Especializados Procedim. Assistenciais Alta Complexidade TOTAL Fonte: SIA/SUS b Assistência Ambulatorial - Quantidade aprovada de procedimentos e valor dos procedimentos ambulatoriais a 2013 Categoria de procedimentos 2014 Procedimentos de Atenção Básica Ações Enfermagem/Outros Saúde Nível Médio Ações Médicas Básicas Ações Básicas Em Odontologia Ações Executadas P/Outros Prof. Nível Superior Procedimentos Especializados Procedim. Assistenciais Alta Complexidade TOTAL Fonte: SIA/SUS Sigad Indicadores Sociais Página 60

17 Indicadores da assistência ambulatorial - Valores Médios Anuais e 2013 Indicador ANO Nº de Procedimentos Valor Procedimentos Valor Procedimentos Alta básicos por habitante Especializados/habitante Complexidade/habitante ,59 R$ 36,65 R$ 31, ,95 R$ 49,35 R$ 17, ,35 R$ 58,74 R$ 18, ,73 R$ 52, ,89 56,68 51, ,11 53, ,11 53,55 55,22 Fonte: SIA/SUS a Orçamentos públicos em Saúde 2000 a 2013 Continua Dados e Indicadores Despesa total com saúde por habitante (R$) 136,73 167,26 183,08 205,17 245,59 Despesa com recursos próprios por habitante 50,21 81,39 93,89 94,33 107,19 Transferências SUS por habitante 86,52 85,87 89,19 110,84 140,27 % despesa com pessoal/despesa total 31,1 29,6 36,1 37,04 32,50 % despesa com investimentos/despesa total 0,8 0,9 1,7 1,97 2,40 % transferências SUS/despesa total com saúde 63,3 51,3 48,7 54,02 57,12 % de recursos próprios aplicados em saúde (EC 29) 12,0 18,4 18,3 15,85 17,31 % despesa com serv. terceiros - pessoa jurídica /despesa total 44,0 46,3 45,3 45,48 47,92 Despesa total com saúde R$ Despesa com recursos próprios R$ Transferências SUS R$ Despesa com pessoal R$ Receita impostos e transf. constitucionais legais R$ Fonte: Ministério da Saúde - Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIOPS) b Orçamentos públicos em Saúde 2000 a 2013 Dados e Indicadores Continua Despesa total com saúde por habitante (R$) 270,31 320,40 366,84 402,38 501,97 Despesa com recursos próprios por habitante 131,79 149,24 165,45 177,84 204,76 Transferências SUS por habitante 145,78 172,90 208,64 245,79 338,88 % despesa com pessoal/despesa total 31,34 31,86 30,78 34,4 33,8 % despesa com investimentos/despesa total 3,05 5,65 4,78 2,1 0,8 % transferências SUS/despesa total com saúde 53,93 53,96 56,87 61,1 67,5 % de recursos próprios aplicados em saúde (EC 29) 19,98 21,21 21,12 19,0 20,1 % despesa com serv. terceiros - pessoa jurídica /despesa total 47,01 47,94 48,49 51,5 53,1 Despesa total com saúde R$ Despesa com recursos próprios R$ Transferências SUS R$ Despesa com pessoal R$ Receita impostos e transf. constitucionais legais R$ Fonte: Ministério da Saúde - Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIOPS). Sigad Indicadores Sociais Página 61

18 c Orçamentos públicos em Saúde 2000 a 2013 Dados e Indicadores Despesa total com saúde por habitante (R$) Despesa com recursos próprios por habitante Transferências SUS por habitante % despesa com pessoal/despesa total % despesa com investimentos/despesa total % transferências SUS/despesa total com saúde % de recursos próprios aplicados em saúde (EC 29) % despesa com serv. terceiros - pessoa jurídica /despesa total Despesa total com saúde R$ Despesa com recursos próprios R$ Transferências SUS R$ Despesa com pessoal R$ Receita impostos e transf. constitucionais legais R$ Fonte: Ministério da Saúde - Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIOPS) ,16 629,95 689,72 764,20 215,12 284,27 334,64 375,82 332,67 352,51 366,80 405,85 36,8 40,11 42,58 42,3 1,68 0,98 0,6 1,5 60,47 55,96 53,18 53,1 19,43 22,84 24,26 25,5 49,27 48,18 45,43 44, Infraestrutura de Saúde Quantidade de estabelecimentos de saúde por Tipo de Prestador segundo Tipo de Estabelecimento - mar/ 2015 Tipo de Estabelecimento Público Filantropico Privado Sindicato Total Central de Regulação Médicas Urgencia 1 1 Centro de Atenção Psicossocial Centro de Saude/Unid. Básica de Saúde Clinica Espec./Ambulatório Espec Consultório Isolado Hospital Dia Hospital Geral Policlínica Pronto Socorro Geral Secretaria de Saúde Unid. de Serv. Apoio Diagnose e Terapia Unid. Móv. Pré Hosp. - Urgência/Emerg Unidade Móvel Terrestre TOTAL Fonte: Ministério da Saúde - Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde do Brasil - CNES Sigad Indicadores Sociais Página 62

19 4.2.2 Recursos Físicos - Hospitalar - Leitos de internação - Quantidade existente por especialidade detalhada e Tipo de Prestador - mar/2015 Especialidade detalhada Filantrópico Privado Total CIRÚRGICOS Cirurgia geral Oftalmologia Ortopedia/traumatologia Otorrinolaringologia Transplante CLÍNICOS Clínica geral Oncologia Pneumologia OBSTÉTRICOS Obstetrícia Cirúrgica Obstetrícia Clínica PEDIÁTRICOS Pediatria Cirúrgica OUTRAS ESPECIALIDADES Crônicos Psiquiatria HOSPITAL/DIA Cirurgicos TOTAL Fonte: Ministério da Saúde - Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde do Brasil - CNES *Buco maxilo facial, Endocrinologia, Gastroenterologia, Nefrologia/urologia, Oftalmologia, Otorrinolaringologia, Plástica, Toráxica, Transplante, Queimado Adulto. **AIDS, Dermatologia, Geriatria, Hansenologia, Hematologia, Nefro/urologia, Neonatologia, Neurologia, Pneumologia, Saude Mental, Queimado Pediátrico. 4.3 Educação Estabelecimentos de Ensino Número de Instituições de Curso Superior Abrangência Geográfica Brasil Sul Santa Catarina BLUMENAU Privados Públicos Anos Variações Absoluta Relativa % 120,2% 176,4% 209,4% 250,0% 400,0% 100,0% Média anual % 6,8% 8,8% 9,9% 11,0% 14,4% 5,9% Fonte: INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Sigad Indicadores Sociais Página 63

20 Estabelecimentos com Ensino Médio Indicadores Sociais Abrangência Geográfica Brasil Sul Santa Catarina BLUMENAU Privados Públicos Anos * Absoluta Variações Relativa % 47,6% 46,7% 22,3% 8,3% -14,3% 17,6% Média anual % 2,8% 2,8% 1,5% 0,6% -1,1% 1,2% Fonte: INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. * Fonte: IBGE - Cidades Estabelecimentos com Ensino Fundamental Abrangência Geográfica Brasil Santa Catarina BLUMENAU Privados Públicos Anos * Absoluta Variações Relativa % -23,0% -34,2% 3,6% 0,0% 4,1% Média anual % -1,8% -2,9% 0,3% 0,0% 0,3% Fonte: INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. * Fonte: IBGE - Cidades Sigad Indicadores Sociais Página 64

21 Estabelecimentos com Educação Infantil - Pré-escola Abrangência Geográfica Anos Variações Brasil Santa Catarina BLUMENAU Privados Públicos Absoluta Relativa % 33,3% -4,0% 33,3% 48,1% 24,7% Média anual % 2,2% -0,3% 2,2% 3,1% 1,7% Fonte: INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Estabelecimentos com Educação Infantil - Creches Abrangência Geográfica Brasil Santa Catarina BLUMENAU Privados Públicos Anos Absoluta Variações Relativa % 183,1% 132,5% 83,6% 131,3% 66,7% Média anual % 8,3% 6,7% 4,8% 6,7% 4,0% Fonte: INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Sigad Indicadores Sociais Página 65

22 4.3.2 Matrículas Matrículas no Ensino Superior - Brasil, Sul, SC, Blumenau (pública e privada) a 2012 Abrangência Geográfica Anos Variações Brasil Sul Santa Catarina BLUMENAU Privada Pública Absoluta Relativa % 149,96% 145,95% 187,96% 112,92% 11900,00% 8,83% Média anual % 7,30% 7,17% 8,48% 5,99% 44,52% 0,65% Fonte: INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Matrículas no Ensino Médio /2013 Abrangência Geográfica Anos Variações Brasil Sul Santa Catarina BLUMENAU Privada Pública * * Absoluta Relativa % 7,0% -4,9% 15,4% -10,1% -28,8% -5,9% Média anual % 0,5% -0,4% 1,0% -0,8% -2,4% -0,4% Fonte: INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. *Fonte: IBGE Cidades Sigad Indicadores Sociais Página 66

23 Matrículas no Ensino Fundamental a 2013 Abrangência Geográfica Brasil Sul Santa Catarina BLUMENAU Privada Pública Anos * Variações Absoluta Relativa % -17,7% -16,3% -16,6% -20,2% 22,6% -24,5% Média anual % -1,4% -1,3% -1,3% -1,6% 1,5% -2,0% Fonte: INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. *Fonte: IBGE Cidades Matrículas no Ensino Infantil - Pré-Escola a 2013 Em atualização Abrangência Geográfica Brasil Sul Santa Catarina BLUMENAU Privada Pública Anos Variações Absoluta Relativa % 14,8% 3,8% 0,4% 26,8% -8,2% 41,7% Média anual % 1,0% 0,3% 0,0% 1,7% -0,6% 2,5% Fonte: INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Sigad Indicadores Sociais Página 67

24 Matrículas no Ensino Infantil - Creche a 2013 Abrangência Geográfica Brasil Sul Santa Catarina BLUMENAU Privada Pública Anos Variações Absoluta Relativa % 228,1% 219,9% 208,8% 110,2% 147,4% 63,1% Média anual % 11,4% 11,2% 10,8% 7,0% 10,6% 5,6% Fonte: INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Matrículas - Educação de Jovens e Adultos presencial - fundamental e médio Abrangência Geográfica Anos Variações Brasil Santa Catarina BLUMENAU Fundamental Médio Absoluta Relativa % 22,8% -40,2% -81,7% -85,5% -69,2% Média anual % 1,5% -3,6% -11,4% -14,9% -9,3% Fonte: INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Sigad Indicadores Sociais Página 68

25 4.3.3 Indicadores de Educação Indice de Desenvolvimento da Educação Básica - IDEB Ano Anos Iniciais Anos Finais ,5 3, ,8 4, ,2 4, ,1 4, ,3 4,6 Fonte: INEP Nota Prova Brasil - Rede Pública Ano Anos Iniciais Anos Finais ,02 4, ,12 4, ,51 5, ,33 5, ,59 4,99 Fonte: INEP 2013**: Prova Brasil 2013, Inep. Organizado por Meritt. Classificação não oficial. 4.4 Indicadores de Renda e Desenvolvimento Renda Indicadores de Renda (R$) e Blumenau INDICADOR Anos Evolução A preços de 1991* 2000* ptos percentuais dez/2008** % da renda apropriada pelos 10% mais ricos da população 38,43 40,83 2,4 - % da renda apropriada pelos 20% mais pobres da população 4,87 4,25-0,6 - % da renda proveniente de rendimentos do trabalho 87,49 75,38-12,1 - % da renda proveniente de transferências governamentais 8,5 13,35 4,9 - % de pes. C/ + de 50% da renda proven. transferências govern. 5,2 10,07 4,9 - % crianças em domicílios c/ renda per capita menor que R$75,50 8,99 10,54 1,6 - % crianças em domicílios c/ renda per capita menor que R$37,75 1,86 2,93 1,1 - % de pessoas com renda per capita abaixo de R$37,75 (1/4 sm) 1,3 1,78 0,5 - % de pessoas com renda per capita abaixo de R$75,50 (1/2 sm) 6,1 5,87-0,2 - Razão entre a renda média dos 10% + ricos e a dos 40% + pobres 10,98 12,95 2,0 - Renda per Capita média* 375,75 462,28 23,0% 872,08 Renda per capita média do 1º quinto mais pobre* 91,40 98,23 7,5% 185,31 Renda per capita média do quinto mais rico* 1.005, ,42 29,4% 2.455,11 Índice de Gini 0,47 0,51 8,5% - * A preços de dez/2000. ** Deflator: IVGP/FURB (1, ). Índice de Gini: O índice mede a concentração de renda, quanto mais próximo de um mais concentrada a renda. Fonte: * A mortalidade Atlas do Desenvolvimento até um ano Humano de idade no Brasil. (por 1000 nascidos vivos) em 1970 era de 60,44; em 1980 era de 29,56. ** A esperança de vida ao nascer em 1970 era de 59,55 anos; em 1980 era de 66,34 anos. *** Taxa de fecundidade = número médio de filhos que uma mulher teria ao terminar o período reprodutivo Indicador de Renda em Salários Mínimos , 1980, 1991, 2000 e 2010 Sigad Indicadores Sociais Página 69

26 Renda familiar percapita média ANO Em salarios mínimos R$ correntes , , , ,06 462, , ,95 Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. IBGE, Censo Indicadores de Desenvolvimento Humano Indicadores de Desenvolvimento Humano , 1980, 1991, 2000, 2010 e 2015 Ano IDH-M* Longevidade Educação Renda ,674 0,576 0,700 0, ,797 0,689 0,741 0, * 0,611 0,772 0,407 0, * 0,722 0,826 0,611 0, * 0,806 0,894 0,722 0, ** 0,850 0,906 0,785 0,839 * Nova Metodologia. ** Projeção Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. Sigad Indicadores Sociais Página 70

27 Indicadores de Desenvolvimento Humano Indicador Indice Classificação No Estado No País IDH-M 0,674 1º 12º Longevidade 0,576 43º 94º Educação 0,700 6º 19º Renda 0,746 1º 56º Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil Indicadores de Desenvolvimento Humano Indicador Indice Classificação No Estado No País IDH-M 0,797 1º 1º Longevidade 0,689 3º 4º Educação 0,741 2º 8º Renda 0,962 3º 26º Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil Indicadores de Desenvolvimento Humano Indicador Indice Classificação No Estado No País IDH-M 0,611 5º 25º Longevidade 0,772 39º 87º Educação 0,407 6º 52º Renda 0,726 3º 34º Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil Indicadores de Desenvolvimento Humano Indicador Indice Classificação No Estado No País IDH-M 0,855 5º 38º Longevidade 0,826 42º 187º Educação 0,611 5º 72º Renda 0,761 4º 45º Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil Indicadores de Desenvolvimento Humano Indicador Indice Classificação Defasagem em relação ao No Estado No País melhor valor País IDH-M 0,806 6º 25º 6,9% 0,862 Longevidade 0,894 1º 1º 0,0% 0,894 Educação 0,722 22º 162º 14,3% 0,825 Renda 0,812 7º 37º 9,7% 0,891 Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. Sigad Indicadores Sociais Página 71

BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE. Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003

BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE. Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003 BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003 Percentual de NV filhos de mães adolescentes. Belo Horizonte, 1996-2002.

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 4º TRIMESTRE

RELATÓRIO DE GESTÃO 4º TRIMESTRE RELATÓRIO DE GESTÃO 4º TRIMESTRE 2010 Secretaria Municipal de Saúde ÍNDICE APRESENTAÇÃO 1 1 IDENTIFICAÇÃO MUNICIPAL 2 2 BASES LEGAIS 2 3 DADOS DEMOGRÁFICOS 2 4 CONTROLE SOCIAL E PARTICIPAÇÃO POPULAR 3

Leia mais

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 288,39 Urbana 309,57 Rural 167,10

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 288,39 Urbana 309,57 Rural 167,10 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Jacundá DEMOGRAFIA População Total 51.360 População por Gênero Masculino 25.769 Participação % 50,17 Feminino 25.591

Leia mais

EDUCAÇÃO Total de Escolas no Município Ensino Fundamental Ensino Médio Número de Matrículas Educação Infantil Creche 237

EDUCAÇÃO Total de Escolas no Município Ensino Fundamental Ensino Médio Número de Matrículas Educação Infantil Creche 237 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Água Azul do Norte DEMOGRAFIA População Total 25.057 População por Gênero Masculino 13.618 Participação % 54,35 Feminino

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471.

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471.980 População por Gênero Masculino 226.635 Participação % 48,02 Feminino 245.345

Leia mais

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina Secretaria da Saúde do Estado de Santa Catarina Diretoria de Planejamento e Coordenação Gerência de Estatística e Informática Setor de Mortalidadade Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Leia mais

INFORMAÇÕES REGIONAIS DE SAÚDE ERS DE SINOP MT, 2010

INFORMAÇÕES REGIONAIS DE SAÚDE ERS DE SINOP MT, 2010 Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso Secretaria Adjunta de Gestão Estratégica Superintendência de Políticas de Saúde INFORMAÇÕES REGIONAIS DE SAÚDE ERS DE SINOP MT, 2010 Coordenadoria de Gestão

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico ISSN 1806-0463 Secretaria da Saúde v. 14 Suplemento 1 12 Boletim Epidemiológico Análise da Mortalidade por Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Rio Grande Luciana Sehn 1 1 Estatística do Centro Estadual

Leia mais

Caderno de Informações para a Gestão Estadual do SUS - 2011

Caderno de Informações para a Gestão Estadual do SUS - 2011 AL Caderno de Informações para a Gestão Estadual do SUS - 2011 ALAGOAS 1 Copyright 2011-1ª Edição Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS Tiragem: 100 Impresso no Brasil Brasil. Conselho Nacional

Leia mais

Caderno de Informações para a Gestão Estadual do SUS - 2011

Caderno de Informações para a Gestão Estadual do SUS - 2011 AM Caderno de Informações para a Gestão Estadual do SUS - 2011 AMAZONAS 1 Copyright 2011-1ª Edição Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS Tiragem: 100 Impresso no Brasil Brasil. Conselho Nacional

Leia mais

1ª Oficina Nacional do QUALIDIA

1ª Oficina Nacional do QUALIDIA 1ª Oficina Nacional do QUALIDIA LINHAS DE CUIDADO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES EXPERIÊNCIA DE DIADEMA SP Dra Lidia Tobias Silveira Assistente Gbi Gabinete SMS Diadema Linhas de cuidado de HA e DM

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

2000 2003 Porto Alegre

2000 2003 Porto Alegre 2000 2003 Porto Alegre 1 Tabela 1- Série histórica do número de óbitos e Coeficientes de Mortalidade Geral (CMG) no Brasil, Rio Grande do Sul e Porto Alegre, 1980-2003 Brasil RS Porto Alegre Ano óbitos

Leia mais

Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias

Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias Felipe Sodré felipe.b4rros@gmail.com ( PUC-Rio) Felipe Fraifeld felipefrai@gmail.com (PUC-Rio) Leonardo Novaes - Objetivo geral: O

Leia mais

RELATÓRIO LOCAL JUAZEIRO / REGIÃO DO MÉDIO SÃO FRANCISCO - BAHIA

RELATÓRIO LOCAL JUAZEIRO / REGIÃO DO MÉDIO SÃO FRANCISCO - BAHIA Centro de Referência em Segurança Alimentar e Nutricional CPDA/UFRRJ Centre for Studies in Food Security Ryerson University Apoio: CIDA (Canadian International Development Agency ) 2004-2010 Projeto Construindo

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2010

RELATÓRIO DE GESTÃO 2010 RELATÓRIO DE GESTÃO 2010 SECRETARIA MUNICIPAL DE GUARULHOS PERÍODO DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 2010 SARGSUS Identificação do Município Demografia e dados de Morbi-Mortalidade Rede física de saúde,pública

Leia mais

Priorização em Saúde. Novembro/2015. Prof.ª Lívia Souza UFPE CAV Disciplina: Epidemiologia e Gestão

Priorização em Saúde. Novembro/2015. Prof.ª Lívia Souza UFPE CAV Disciplina: Epidemiologia e Gestão Priorização em Saúde Novembro/2015 Prof.ª Lívia Souza UFPE CAV Disciplina: Epidemiologia e Gestão liviasouza.cav@gmail.com O que é prioridade? É possível definir prioridade em saúde? Por que definir prioridades

Leia mais

II. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS (AM)

II. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS (AM) MANAUS (AM) CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO 1 II. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS (AM) 1. CARACTERÍSTICAS GEOGRÁFICAS E DEMOGRÁFICAS Manaus era conhecida como Cidade da Barra do Rio Negro até 1856 quando

Leia mais

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 XV 55 Novembro de 2014 Especial Vigilância Ambiental da Dengue em Porto Alegre XV 54 Fevereiro de 2014 Atual Cenário Epidemiológica da

Leia mais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar 1. Informações Gerais A partir de setembro de 2008 o cenário econômico mundial e o brasileiro mudaram e com eles se reverteu a tendência

Leia mais

MATRIZ DOS INDICADORES

MATRIZ DOS INDICADORES MATRIZ DOS INDICADORES 1. DEMOGRAFIA Indicador: População infantojuvenil, de 0 a 19 anos, por sexo e cor/raça, residente nos setores urbano e rural. Definição: apresenta o número total de crianças e adolescentes,

Leia mais

Prefeitura de Joinville Secretaria Municipal da Saúde Sistema Único de Saúde PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE 2014-2017

Prefeitura de Joinville Secretaria Municipal da Saúde Sistema Único de Saúde PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE 2014-2017 Prefeitura de Joinville Secretaria Municipal da Saúde Sistema Único de Saúde PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE 2014-2017 Elaboração e Informações: Secretaria Municipal da Saúde Gabinete Setor de Planejamento Tel:

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo DEMOGRAFIA População Total 15.690 População por Gênero Masculino 8.314 Participação % 52,99 Feminino 7.376

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves DEMOGRAFIA População Total 92.860 População por Gênero Masculino 47.788 Participação % 51,46 Feminino 45.072 Participação

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará DEMOGRAFIA População Total 7.475 População por Gênero Masculino 3.879 Participação % 51,89 Feminino

Leia mais

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra DEMOGRAFIA População Total 20.183 População por Gênero Masculino 10.292 Participação % 50,99 Feminino 9.891

Leia mais

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Marabá DEMOGRAFIA População Total 233.669 População por Gênero Masculino 118.196 Participação % 50,58 Feminino 115.473

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba DEMOGRAFIA População Total 97.493 População por Gênero Masculino 49.681 Participação % 50,96 Feminino 47.812

Leia mais

ULS Alto Minho. Perfil Local de Saúde 2009. Aspectos a destacar

ULS Alto Minho. Perfil Local de Saúde 2009. Aspectos a destacar Perfil Local de Saúde 2009 Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência da

Leia mais

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Estão disponíveis, nestas páginas, os indicadores do Pacto de Atenção Básica 2002, estabelecidos a partir da portaria 1.121, de 17 de junho de 2002, calculados

Leia mais

Processos de trabalho. Vigilância epidemiológica hospitalar do Câncer

Processos de trabalho. Vigilância epidemiológica hospitalar do Câncer Processos de trabalho Vigilância epidemiológica hospitalar do Câncer Núcleo Hospitalar de Epidemiologia Hospital Nossa Senhora da Conceição Hospital da Criança Conceição Fonte:www.einstein.br Processos

Leia mais

Secretário Municipal da Saúde Abril de 2008

Secretário Municipal da Saúde Abril de 2008 A SAÚDE PÚBLICA NA CIDADE DE SÃO PAULO 1º Fórum Nossa São Paulo Propostas para uma Cidade Justa e Sustentável Januario Montone Secretário Municipal da Saúde Abril de 2008 Visão Geral de São Paulo Área:

Leia mais

Bases de Dados em Saúde

Bases de Dados em Saúde Pesquisas e Fontes de Dados Administrativos para o Ciclo de políticas públicas ANIPES Dezembro - 2010 Bases de Dados em Saúde Denise Porto SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE Transição

Leia mais

NÚMERO DE CONSULTAS MÉDICAS (SUS) POR HABITANTE

NÚMERO DE CONSULTAS MÉDICAS (SUS) POR HABITANTE Indicadores de cobertura NÚMERO DE CONSULTAS MÉDICAS (SUS) POR HABITANTE 1. Conceituação x Número médio de consultas médicas apresentadas no Sistema Único de Saúde (SUS) por habitante, em determinado espaço

Leia mais

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Fontes de informação: A. População Todos os dados de população foram obtidos a partir do existente no site do Datasus www.datasus.gov.br/cgi/ibge/popmap.htm.

Leia mais

ROTEIRO ESTRUTURADO PARA PESQUISA DO TRABALHO PRÁTICO

ROTEIRO ESTRUTURADO PARA PESQUISA DO TRABALHO PRÁTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA PREVENTIVA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA ROTEIRO ESTRUTURADO PARA PESQUISA DO TRABALHO PRÁTICO

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE GESTÃO MUNICIPAL

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE GESTÃO MUNICIPAL ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE GESTÃO MUNICIPAL Termo de Compromisso de Gestão que firma a Secretaria Municipal de Saúde de XX, representada pelo seu Secretário Municipal de Saúde, com o objetivo de pactuar

Leia mais

Mortalidade por transtornos mentais e comportamentais e a reforma psiquiátrica no Brasil contemporâneo

Mortalidade por transtornos mentais e comportamentais e a reforma psiquiátrica no Brasil contemporâneo R E V I S T A LATINOAMERICANA DE PSICOPATOLOGIA F U N D A M E N T A L Mortalidade por transtornos mentais e comportamentais e a reforma psiquiátrica no Brasil contemporâneo Fernando Portela Câmara 278

Leia mais

As tendências do Sistema Único de Saúde FGV 2009 1693 A Cidade de Curitiba 1916 2009 316 anos Missão da SMS Planejar e executar a política de saúde para o Município de Curitiba, responsabilizando- se pela

Leia mais

PRINCIPAIS RESULTADOS DA PNAD 2009:

PRINCIPAIS RESULTADOS DA PNAD 2009: PRINCIPAIS RESULTADOS DA PNAD 2009: TENDÊNCIAS E DESAFIOS Escritório da OIT no Brasil José Ribeiro 3ª Reunião Ordinária do FNPETI Brasília-DF, 27 de outubro de 2010 A PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICÍLIOS

Leia mais

Avaliação setorial do Plano Diretor de Curitiba

Avaliação setorial do Plano Diretor de Curitiba Setembro, 2013 Avaliação setorial do Plano Diretor de Curitiba Autores: Maria Teresa Bonatto de Castro; Marília Isfer Ravanello; Mônica Máximo da Silva; Nelson Yukio Nakata. IPPUC: Instituto de Pesquisa

Leia mais

Perfil Municipal - Florianópolis (SC)

Perfil Municipal - Florianópolis (SC) Caracterização do Território Área: 436,5 km² Densidade Demográfica: 760,1 hab/km² Altitude da Sede: 3 m Ano de Instalação: 1.726 Distância à Capital: 0,0 km Microrregião: Florianópolis Mesorregião: Grande

Leia mais

A notificação da violência doméstica e sexual na Bahia

A notificação da violência doméstica e sexual na Bahia Secretaria da Saúde do Estado da Bahia- SESAB Diretoria de Vigilância Epidemiológica- DIVEP Coordenação de Doenças e Agravos Não Transmissíveis- DANT A notificação da violência doméstica e sexual na Bahia

Leia mais

Região Centro Oeste DISTRITO FEDERAL Total

Região Centro Oeste DISTRITO FEDERAL Total Dimensão Demografia Cidadania Saúde Região Centro Oeste DISTRITO FEDERAL Diferença CADÊ Posição Nacional Estadual 2010 para 2011 Nacional 45.886.531-711.009 - - 19º População Infanto Juvenil por Faixa

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

ANEXO. Relatório de Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde

ANEXO. Relatório de Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde ANEXO Relatório de Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde PACTO PELA VIDA 2008. PRIORIDADE OBJETIVO META FÓRMULA DE CÁLCULO FONTE I. Atenção à Saúde do Idoso. i. Identificar pessoas

Leia mais

Óbitos de menores de um ano 2000 2003 Porto Alegre

Óbitos de menores de um ano 2000 2003 Porto Alegre Óbitos de menores de um ano 2000 2003 Porto Alegre Tabela 1 - Distribuição dos óbitos infantis, segundo a classificação de evitabilidade, Porto Alegre, 1996/1999 ANOS ÓBITOS EVITÁVEIS 1996 1997 1998 1999

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO. Catálogo 2015 do Curso de Medicina

FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO. Catálogo 2015 do Curso de Medicina III MATRIZ CURRICULAR Matriz Curricular I (MC I), em atendimento às Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de Graduação em Medicina, aprovadas no Parecer CNE/CES nº 1133/2001, de 7/8/2001. Aprovada

Leia mais

Perfil Municipal - Natal (RN)

Perfil Municipal - Natal (RN) Caracterização do Território Área: 169,9 km² Densidade Demográfica: 4.175,5 hab/km² Altitude da Sede: 30 m Ano de Instalação: 1.599 Distância à Capital: 0,0 km Microrregião: Natal Mesorregião: Leste Potiguar

Leia mais

Perfil Municipal - Queimada Nova (PI)

Perfil Municipal - Queimada Nova (PI) Caracterização do Território Área: 1.438,4 km² Densidade Demográfica: 5,8 hab/km² Altitude da Sede: 410 m Ano de Instalação: 1.993 Distância à Capital: 416,7 km Microrregião: Alto Médio Canindé Mesorregião:

Leia mais

Aspectos Atuais das Doenças Cardiovasculares da População Masculina Brasileira

Aspectos Atuais das Doenças Cardiovasculares da População Masculina Brasileira VIII Fórum de Políticas Públicas e Saúde do Homem Brasília, 17 de novembro de 2015 Aspectos Atuais das Doenças Cardiovasculares da População Masculina Brasileira Prof. Dr. Luiz César Nazário Scala Diretor

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Secretaria de Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de I nformação em Saúde. outubro/2007

Secretaria de Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de I nformação em Saúde. outubro/2007 Secretaria de Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de I nformação em Saúde Monitoramento dos dados do Sistema de I nformações sobre N ascidos Vivos outubro/2007 Histórico

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA Projeto Avaliação das Organizações Sociais de Saúde OSS/São Paulo (Convênio SES SP/USP-FSP) ANÁLISE DA DEMANDA

FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA Projeto Avaliação das Organizações Sociais de Saúde OSS/São Paulo (Convênio SES SP/USP-FSP) ANÁLISE DA DEMANDA 1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA Projeto Avaliação das Organizações Sociais de Saúde OSS/São Paulo (Convênio SES SP/USP-FSP) SUBPROJETO ANÁLISE DA DEMANDA RELATÓRIO ESTUDO DO PERFIL

Leia mais

Sistema Informações em Mortalidade - SIM Funcionamento. Joaquim Valente

Sistema Informações em Mortalidade - SIM Funcionamento. Joaquim Valente Sistema Informações em Mortalidade - SIM Funcionamento Joaquim Valente jvalente@ensp.fiocruz.br Organização Geral Nível Local Nível Regional Nível Central Estadual Nível Central Federal Fluxo da Informação

Leia mais

2.291 12,97 0,694 0,746 87.535 R$ 18.640,25 R$ 620,10

2.291 12,97 0,694 0,746 87.535 R$ 18.640,25 R$ 620,10 Mapa Social São João da Urtiga Documento gerado em 04/04/206 às 5:37:37 População Censitária (200) 4.726 População Residente Urbana (200) 2.29 População Residente Rural (200) 2.435 Quantidade de Eleitores

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha

Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha Coordenação Geral de Ações Estratégicas - CGAE Instituto Nacional de Câncer - INCA Cenário do Câncer no Mundo: perspectiva de crescimento

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais

Introdução. Métodos Resultados

Introdução. Métodos Resultados GASTO MÉDIO PER CAPITA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE COM MEDICAMENTOS EXCEPCIONAIS Cristina Mariano Ruas Brandão Iola Gurgel Andrade, Mariângela Leal Cherchiglia, Grazielle Dias da Silva, Augusto Afonso Guerra

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde/SMS Coordenadoria Geral de Vigilância da Saúde/CGVS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis PORTO

Leia mais

Apresentação. Flávio Ataliba Flexa Daltro Barreto. Diretor Geral

Apresentação. Flávio Ataliba Flexa Daltro Barreto. Diretor Geral Apresentação O Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) disponibiliza para o Governo e a sociedade o Perfil Básico Municipal 2011. As informações contidas no Perfil Básico Municipal,

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO

1. IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO Nome Secretaria Municipal de Saúde - VOLTA REDONDA CNPJ: 36.504.470/0001-30 Rua: 566, N 31 Bairro: Nossa Senhora das Graças Telefone: 2433399635 - E-mail: gs.sms@epdvr.com.br 27295-390 - VOLTA REDONDA

Leia mais

COLIDER INFORMAÇÕES REGIONAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE MATO GROSSO 2011-2012

COLIDER INFORMAÇÕES REGIONAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE MATO GROSSO 2011-2012 2011-2012 GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE SAÚDE COORDENADORIA DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO EM SAÚDE INFORMAÇÕES REGIONAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE

Leia mais

V Relatório Nacional de Acompanhamento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Marcelo Neri SAE/PR

V Relatório Nacional de Acompanhamento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Marcelo Neri SAE/PR V Relatório Nacional de Acompanhamento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Marcelo Neri SAE/PR Objetivos do Milênio 1. Acabar com a fome e a miséria ODM 1 META A Global: Até 2015, reduzir a pobreza

Leia mais

CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS

CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS Scaleti Vanessa Brisch 1 Beatriz Rosana Gonçalves de Oliveira Toso RESUMO: Estudo sobre as causas de internações

Leia mais

Comitê de Estatísticas Sociais. Estágio Atual e Desdobramentos

Comitê de Estatísticas Sociais. Estágio Atual e Desdobramentos Comitê de Estatísticas Sociais Estágio Atual e Desdobramentos 09/07/2010 O Comitê de Estatísticas Sociais CES, e sua Composição O Comitê de Estatísticas Sociais - CES, criado através da Portaria Interministerial

Leia mais

Fed Estado DF O cálculo da União não X possui percentual de aplicada em saúde

Fed Estado DF O cálculo da União não X possui percentual de aplicada em saúde Anexo RELATÓRIO DE INDICADORES DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DO PACTO PELA SAÚDE - 2007 A. INDICADORES PRINCIPAIS Denominação Método de Cálculo Fonte Parâmetro/Meta Nacional/ Referência Situação Local Meta

Leia mais

VAGAS e INSCRITOS por GRUPO 39 85

VAGAS e INSCRITOS por GRUPO 39 85 01 - ÁREAS BÁSICAS COM ACESSO DIRETO 1 ANESTESIOLOGIA - 3 ANOS 15 165 11,0 2 CIRURGIA GERAL - 2 ANOS 46 211 4,6 3 CLÍNICA MÉDICA - 2 ANOS 54 275 5,1 4 DERMATOLOGIA - 3 ANOS 5 88 17,6 5 INFECTOLOGIA - 3

Leia mais

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 *

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Maria Elizete Gonçalves Alexandar de Brito Barbosa Palavras-chave: mortalidade;

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM Plano Municipal de Saúde 2014 2014-2017 Pág.: 2 de 95 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE 2014-2017 Cachoeiro de Itapemirim-ES Abril/2014

Leia mais

PERFIL BÁSICO MUNICIPAL

PERFIL BÁSICO MUNICIPAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) PERFIL BÁSICO MUNICIPAL Fortaleza-CE 2009 Apresentação O Instituto

Leia mais

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Memorias Convención Internacional de Salud. Cuba Salud 15 ISBN 78-5-1-63-4 ID:177 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Andrade Rios, Marcela; Rodrigues

Leia mais

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Ortografia (escrita correta das palavras). Divisão silábica. Pontuação. Acentuação Gráfica. Flexão do substantivo

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Ortografia (escrita correta das palavras). Divisão silábica. Pontuação. Acentuação Gráfica. Flexão do substantivo ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO EMPREGO: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE Ortografia (escrita correta das palavras). Divisão silábica. Pontuação. Acentuação Gráfica. Flexão do substantivo (gênero masculino e

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE (PQA-VS) FICHAS DE QUALIFICAÇÃO DOS INDICADORES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE (PQA-VS) FICHAS DE QUALIFICAÇÃO DOS INDICADORES PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE (PQA-VS) FICHAS DE QUALIFICAÇÃO DOS INDICADORES Setembro de 2013 Brasília - DF 2 Sumário Apresentação...3 Rol de Indicadores do Programa de Qualificação

Leia mais

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA OBJETIVO: MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA REDE CEGONHA NOME DO INDICADOR DEFINIÇÃO INTERPRETAÇÃO MÉTODO DE CÁLCULO cadastradas

Leia mais

O ESTADO DO PARÁ 8 m acrorregiões macrorregiões d e de saúde 23 regiões de saúde

O ESTADO DO PARÁ 8 m acrorregiões macrorregiões d e de saúde 23 regiões de saúde Governo do Estado do Pará Secretaria de Estado de Saúde Pública Diretoria de Políticas de Atenção Integral a Saúde Oficina de Trabalho "Troca de Experiências em Carreiras, Remuneração por Desempenho e

Leia mais

Região Metropolitana Oeste de São Paulo

Região Metropolitana Oeste de São Paulo Região Metropolitana Oeste de São Paulo Sub-Região Oeste Fonte: Secretaria dos Transportes Metropolitanos de São Paulo No Estado de São Paulo, 14,5% da população vive com renda familiar menor que ½ salário

Leia mais

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE IDOSO DOENÇAS MAIS COMUNS Com a chegada da terceira idade, alguns problemas de saúde começam a aparecer, conheça alguns dos mais comuns e saiba como se prevenir: 1 2 DIABETES

Leia mais

SANTA CATARINA EM NÚMEROS

SANTA CATARINA EM NÚMEROS MODELO SANTA CATARINA EM NÚMEROS Modelo SEBRAE 2010 2010 SEBRAE/SC Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina. Todos os direitos reservados e protegidos por lei de 19/02/1998. Nenhuma

Leia mais

II SEMINÁRIO SOBRE COMPLEXO INDUSTRIAL DA SAÚDE

II SEMINÁRIO SOBRE COMPLEXO INDUSTRIAL DA SAÚDE II SEMINÁRIO SOBRE COMPLEXO INDUSTRIAL DA SAÚDE ASSISTÊNCIA OBSTETRÍCA: ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL E AO PARTO ULTRA-SONOGRAFIA E O MONITORAMENTO DO PARTO JACOB ARKADER EXPECTATIVA DE VIDA Mulheres 71,97 64,33

Leia mais

INDICADORES BÁSICOS PARA A SAÚDE NO BRASIL:

INDICADORES BÁSICOS PARA A SAÚDE NO BRASIL: INDICADORES BÁSICOS PARA A SAÚDE NO BRASIL: CONCEITOS E APLICAÇÕES Brasilia, 2008 2008 Organização Pan-Americana da Saúde Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra,

Leia mais

Usando dados do mundo real para sustentabilidade econômica do SUS

Usando dados do mundo real para sustentabilidade econômica do SUS Usando dados do mundo real para sustentabilidade econômica do SUS PAULO VAZ - DIRETOR GERAL NEWBD Conflito de interesse: Diretor Geral da NewBD, empresa especializada na produção de estudos com uso de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO O presente instrumento estabelece as normatizações técnicas do Programa Nacional de Imunizações referentes ao Calendário Nacional de Vacinação,

Leia mais

PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 Institui em todo o território nacional, o Calendário Básico de Vacinação da Criança, o Calendário do Adolescente e o Calendário do Adulto e Idoso. O MINISTRO

Leia mais

Saúde Naval CARTILHA DA CRIANÇA

Saúde Naval CARTILHA DA CRIANÇA Saúde Naval CARTILHA DA CRIANÇA (0-12 ANOS) DICAS DE VACINAÇÃO O calendário vacinal é uma sequência cronológica de vacinas que se administram sistematicamente às crianças de determinada área ou região.

Leia mais