Plano da Qualidade. Obra: Decathlon - Matosinhos. Cliente: Omnitrade / Maia & Maia. Centro de Custo: Empreitada de Estrutura Metálica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano da Qualidade. Obra: Decathlon - Matosinhos. Cliente: Omnitrade / Maia & Maia. Centro de Custo: 09845. Empreitada de Estrutura Metálica"

Transcrição

1 Plano da Qualidade Empreitada de Estrutura Metálica Obra: Decathlon - Matosinhos Centro de Custo: Cliente: Omnitrade / Maia & Maia Edição: 01 Data: Elaborado: Aprovado: pág.. 1/15

2 ÍNDICE Plano da Qualidade OBRA CC: OBJECTIVO CAMPO DE APLICAÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÃO PLANEAMENTO DA QUALIDADE ANÁLISE DO CONTRATO PREPARAÇÃO APROVISIONAMENTO RECEPÇÃO DE MATERIAIS ARMAZENAMENTO / MANUSEAMENTO FABRICAÇÃO CORTE E FURACÃO DE PERFIS E CHAPA PRÉ-MONTAGEM SOLDADURA DECAPAGEM E PINTURA INSPECÇÃO FINAL MONTAGEM LIGAÇÕES APARAFUSADAS CORRENTES E PRÉ ESFORÇADAS SOLDADURAS EM OBRA RETOQUES DE PINTURA EM OBRA DOSSIER DA QUALIDADE EXCLUSÕES PROCESSOS DE SUPORTE CONTROLO DE DOCUMENTOS E REGISTOS RASTREABILIDADE TRATAMENTO DE RESÍDUOS ANEXOS ANEXO 1: Plano de Inspecção e Ensaio em Fábrica ANEXO 2: Plano de Inspecção e Ensaio de Montagem Edição: 02 Data: Pág. 2/15

3 1. OBJECTIVO Plano da Qualidade OBRA CC: Este Plano refere os meios adoptados para assegurar a Qualidade dos produtos e serviços, caracterizando assim o conjunto de funções do Sistema de Qualidade da CMB e suas implicações em todas as actividades inerentes à obra Decathlon - Matosinhos, visando garantir a S a t i s f a ç ã o d o C l i e n t e. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO Pretende-se acompanhar a actividade da CMB desde a Análise do Contrato até à Entrega da obra. Este Plano foi elaborado pelo da Qualidade e aprovado pelo Director de Obra, sendo revisto sempre que se justifique, de modo a reflectir a actualização e a evolução. Este documento encontra-se na obra sob responsabilidade do Director de Obra. 3. LISTA DE VERIFICAÇÃO Encontram-se cópias controladas deste plano nos seguintes locais: Local CMB (DQ) N.º de Cópias 1 (Original) CLIENTE 1 Obra (D O) 1 Edição: 02 Data: Pág. 3/15

4 4. PLANEAMENTO DA QUALIDADE Plano da Qualidade OBRA CC: O Planeamento da Qualidade da Obra consiste na identificação de cada fase do ciclo de prestação do serviço e na respectiva ligação aos requisitos da Qualidade. No esquema identificam-se as principais fases do serviço, os documentos de referência e a identificação dos responsáveis. Doc Referência Processo Registo Contrato Análise do Contrato Assinatura do Contrato Director Comercial (1) Desenhos Cliente Caderno Encargos (2) Preparação Desenhos Fabrico Desenhos Montagem Especificações Preparação Fichas Arovisionamento Especificações Aprovisionamento Notas Encomenda Compras (3) Notas Encomenda Instruções Trabalho Recepção Materiais Guias de Transporte / Remessa Armazém (4) Especificações Fabricante Instruções Trabalho Armazenamento Manuseamento (5) Armazém Procedimentos Instruções de Trabalho Fabrico e Pintura (6) PIE Registos Qualidade Desenhos Produção Qualidade Processo Montagem Montagem PIE Registos Montagem Montagem (7) Contrato / Desenhos Entrega Obra Auto de Recepção Director Obra Director Comercial (8) Edição: 02 Data: Pág. 4/15

5 4.1 ANÁLISE DO CONTRATO O Contrato é analisado pelo Director Comercial para verificar se o mesmo traduz o descrito na proposta realizada. Todas as dúvidas existentes, ou esclarecimentos adicionais, são realizados antes da formalização do mesmo. 4.2 PREPARAÇÃO O Processo inicia-se com a análise dos elementos (desenhos) recebidos, sendo solicitados mais elementos se necessário. A Preparação da obra, consiste na especificação dimensional dos materiais a aprovisionar, de acordo com o definido contratualmente em caderno de encargos, na elaboração de elementos de execução (Processos de Montagem), constituído por desenhos gerais e pormenores de execução (desenhos de fabrico e montagem). Todos os desenhos elaborados são enviados para o Cliente, para aprovação. 4.3 APROVISIONAMENTO É efectuado um levantamento de materiais necessários à execução da obra e elaborado um planeamento de aprovisionamento, os materiais são definidos em função dos desenhos, caderno de encargos e especificações técnicas. Cada plano de aprovisionamento origina uma Nota de Encomenda que é efectuada em software próprio. A nota de encomenda é entregue ao armazém, para efectuar a recepção dos materiais. 4.4 RECEPÇÃO DE MATERIAIS As matérias-primas são alvo de recepção administrativa e recepção técnica, de acordo com as especificações pré - definidas no projecto e respectivo caderno de encargos. A frequência e os critérios de inspeção estão descritos no PIE da obra e procedimentos associados. As matérias-primas são aprovisionadas com certificado de qualidade de acordo com a norma EN ou equivalente. O registo da recepção é realizado na guia de remessa ou transporte que acompanha o material e registos da qualidade. Edição: 02 Data: Pág. 5/15

6 4.5 ARMAZENAMENTO / MANUSEAMENTO Plano da Qualidade OBRA CC: Durante o processo produtivo os materiais são armazenados e manuseados de acordo com o local/processo em que se encontram. Nos armazéns de matérias prima seguem quadro seguinte: ARMAZENAMENTO MANUSEAMENTO Chapas e Perfis Em atados sobre barrotes ou em prateleiras adequadas. Ponte Rolante com correntes e garras Empilhador com garfos Tintas Armazém de tintas em paletes Porta paletes ou empilhador Componentes e Consumíveis Armazém de componentes em prateleiras ou paletes Porta paletes, empilhador ou manual. Em curso de produção os materiais/produtos são armazenados temporariamente enquanto esperam as operações seguintes. São colocados junto ao posto de trabalho onde foram processados, empilhados ou sobre o chão separadamente. O seu manuseamento é feito com pontes rolantes com acessórios ( correntes e garras ) ou em carrinhos/porta paletes no caso de peças de pequenas dimensões. Na fase final da pintura, expedição e cargas são armazenados sobre cavaletes separados com ripas/barrotes de madeira e manuseados com ponte rolante e acessórios (cintas ) adequados. Nas cargas os produtos são amarrados de forma a reduzir a sua deterioração ou extravio. Eventuais danos ocorridos na película de pintura durante expedição e transporte serão reparados em obra com a aplicação do esquema de re-pintura definido. 4.6 FABRICAÇÃO A inspecção dos produtos fabricados assenta nos seguintes pressupostos: 1- Cada operador é responsável pela auto - avaliação do trabalho realizado; 2- Cada operador tem autonomia para realizar as correcções que se enquadrem nas instruções de trabalho, nas práticas habituais de correcção e nas regras de boa arte; 3- Cada responsável de fabrico é responsável pelos trabalhos dos seus subordinados; 4- A inspecção dos produtos tem em conta as exigências ligadas à sua utilização, nomeadamente: - Questões de segurança; - Questões técnicas; Edição: 02 Data: Pág. 6/15

7 - Regulamentos em vigor; - Exigências dos clientes; - Outras. A inspecção da qualidade efectua controlo ao longo do processo de fabrico. Os subconjuntos são controlados cumprindo como estipulado no PIE da obra e registado na ficha de inspecção. Após execução dos moldes/gabarit utilizados durante o processo de fabrico, a produção informa a inspecção da qualidade para que esta proceda à sua inspecção. O molde /gabarit só é considerado aprovado após inspecção da 1.ª peça. A aprovação é evidenciada com rubrica e data inscrita no desenho do molde/gabarit CORTE E FURACÃO DE PERFIS E CHAPA O controlo nestas operações é baseado no auto controlo. As instruções de trabalho e controlo para cada máquina/operação definem a sequência de operações bem como o controlo a efectuar e os critérios de aceitação. Os desenhos são as especificações de fabrico PRÉ-MONTAGEM Nesta fase da produção as especificações de fabrico são também os desenhos. O controlo nesta operação é baseado no auto controlo. Os gabaris /moldes de pré montagem são inspeccionados e aprovados pela inspecção da qualidade e preparador de modo a garantir a perfeita coincidência dos elementos que têm de ser unidos mas também a exacta configuração geométrica da estrutura SOLDADURA A C.M.B tem procedimentos de soldadura que abrangem o âmbito dos trabalhos. Neste processo o controlo efectua-se antes, durante e no fim do processo de soldadura, isto é: 1- Antes da soldadura, ou seja na escolha correcta do material de adição, do processo de soldadura a utilizar e da correcta preparação de juntas a soldar. a) Procedimento de soldadura certificado segundo a norma EN ISO b) Os soldadores são qualificados, isto é, têm formação específica e exame de qualificação com certificados de soldador segundo a norma EN c) A preparação das juntas é controlada visualmente por auto controlo e pela inspecção da qualidade. Edição: 02 Data: Pág. 7/15

8 2-Durante o processo de soldadura o controlo baseia-se no auto controlo, efectuado pelo operador sendo este um controlo dimensional e visual realizados também pelo encarregado de soldadura e pela inspecção da qualidade. 3-Controlos finais das soldaduras serão efectuados exames visuais e dimensionais pela inspecção da qualidade e os ensaios não destrutivos preconizados no PIE. Os critérios de aceitação serão de acordo com a NP EN ISO DECAPAGEM E PINTURA O processo de decapagem é um processo automático de decapagem por granalha de aço angular. Os componentes são decapados ao Grau de metal quase branco Sa 2½ (segundo a norma ISO ). Por este processo remove-se toda a carepa; oxidação; incrustações e demais impurezas, deixando o material limpo e com uma rugosidade na peça para melhorar a aderência. As peças são inspeccionadas visualmente pelo operador em auto controlo e pela inspecção da qualidade. A seguir à decapagem as peças são sopradas com ar limpo e seco à pressão, até eliminar os restos de granalha, pó e outros resíduos. No processo de pintura depois de assegurada uma boa preparação da superfície são aplicados os produtos segundo as especificações técnicas de pintura e de modo a garantir a espessura definida no esquema de pintura. São medidas diariamente a temperaturas de suporte, temperatura ambiente e humidade relativa para garantir a aplicação em condições adequadas. Os critérios de aceitação para as espessuras de película seca são as especificadas na norma NP EN ISO Além da verificação de espessuras efectuadas pelo responsável da pintura, em auto controlo, a inspecção da qualidade efectua controlo por amostragem, de acordo com o PIE. Nas ligações aparafusadas, as superfícies de contacto dos elementos a serem ligados por parafusos de alta resistência em ligações por atrito, só serão pintadas com uma demão de primário na ordem dos 30um, protegendo-se das restantes demãos. As zonas que vão ser soldadas em obra são protegidas com uma fita adesiva, de modo a garantir que não há contaminação de tintas no material a soldar INSPECÇÃO FINAL Dos produtos que dão entrada na área de produtos acabados a inspecção da qualidade realiza inspecção por amostragem ao produto final, de modo a confirmar todas as inspecções havidas e garantir a conformidade do produto. Edição: 02 Data: Pág. 8/15

9 4.7 MONTAGEM A montagem de cada um dos elementos da obra é realizada de acordo com o Processo de Montagem e Procedimento de Montagem das estruturas. Durante a montagem das estruturas metálicas são realizadas as verificações de modo a cumprir o estipulado no projecto (desenhos de montagem) bem como o estipulado no procedimento de montagem LIGAÇÕES APARAFUSADAS CORRENTES E PRÉ ESFORÇADAS As ligações aparafusadas correntes e pré esforçadas serão executadas tendo em conta a especificação técnica interna, bem como o especificado no caderno de encargos e desenhos de projecto SOLDADURAS EM OBRA. As soldaduras serão executadas por soldadores Qualificados de acordo com a NP EN As regras de execução além do já descrito devem ter em conta com: - Preparação das juntas a soldar; - A preparação da superfície, em que a junta deve estar isenta de óleos, ferrugens, tintas, etc. O controlo das soldaduras assenta basicamente no auto controlo por inspecção visual e ensaios não destrutivos, a frequência de inspecção é a definida no caderno de encargos, estando esta frequência indicada no PIE. Os critérios de aceitação serão de acordo com a NP EN ISO RETOQUES DE PINTURA EM OBRA. O esquema de correção de danos, nas zonas da superfície da estrutura metálica, danificados pelo transporte, manuseamento, montagem e soldaduras em obra será: a) Zonas com o aço à vista. 1. Limpeza mecânica no mínimo ao grau St2 das zonas danificadas onde é visível o aço, seguida da remoção de poeiras e outros contaminantes. 2. Retoque à trincha nas zonas onde é visível o aço com um primário tolerante de superfície, do tipo Hempadur Mastic alumínio. 3. Após a secagem da camada de primário, aplicação de uma camada de tinta de acabamento na cor definida para a estrutura. Edição: 02 Data: Pág. 9/15

10 b) Zonas com defeitos superficiais sem atingir o primário. 1. Correcção das zonas danificadas através de raspagem e alisamento da superfície pelo processo de lixagem até se conseguir ter uma superfície regularizada e uniforme. 2. Limpeza da superfície e remoção de poeiras e outros contaminantes. 3. Aplicação de uma camada de tinta de acabamento na cor definida para a estrutura. 5- DOSSIER DA QUALIDADE No final da obra será entregue um dossier que compila toda a documentação inerente ao controlo da qualidade da obra. Deste dossier faz parte os seguintes elementos: PIE plano de inspecção e ensaio Certificados dos materiais. Procedimentos de soldadura. Certificados dos soldadores. Relatórios de CND s (controlo não destrutivo) efectuados nos processos produtivos e de acordo com o definido no PIE. 6- EXCLUSÕES Registo de auto controlo. Documentos referentes ao sistema da Qualidade. Rastreabilidade total. Edição: 02 Data: Pág. 10/15

11 7. PROCESSOS DE SUPORTE 7.1 CONTROLO DE DOCUMENTOS E REGISTOS Os documentos da obra são elaborados e aprovados de acordo com o indicado. Documento Elabora Aprova Contrato Cliente Director Comercial Projecto de estruturas Técnico Cliente Desenhos de fabrico Desenhos de Montagem Preparadores Director Industrial Procedimentos de fabrico da Qualidade Director Industrial Procedimentos de Montagem Direcção de Obra Director Industrial Plano da Qualidade da Qualidade Director Obra Planos de Inspecção e Ensaios da Qualidade Director Obra Plano de Segurança e Saúde Técnico de Segurança Director Obra Na Sede encontra-se as pastas de obra, onde está centralizada toda documentação referente à obra em curso (Contrato, Projecto, Desenhos, Procedimentos, Planos, Registos). Por outro lado, na obra é garantida a existência da documentação de obra actualizada, em cópia ou original. A responsabilidade do cumprimento deste ponto é do Director de Obra conjuntamente com o Chefe de Equipa. A documentação Externa que entra na sede é dada a conhecer ao Director Obra e arquivada na Pasta de Obra. São mantidos registos das alterações, sendo estes identificáveis pelo número de revisão. Os documentos alterados (revistos), tais como Processos de Montagem, Desenhos, Planos de Inspecção são enviados para a obra sob a responsabilidade de quem os aprovou (de acordo com a Tabela). O Director de Obra é responsável pela destruição ou identificação dos documentos obsoletos. Edição: 02 Data: Pág. 11/15

12 7.2 RASTREABILIDADE Cada obra possui uma identificação que corresponde ao Centro de Custo (N.º de Obra) que consiste no elo de ligação em todas a documentação e materiais que venham a ser utilizados, não sendo garantida a rastreabilidade total dos materiais usados na obra. Matérias primas: É efectuada a identificação com Nº de Obra, dos materiais, documento do fornecedor e certificados de conformidade dos materiais. Soldaduras: A rastreabilidade destas será garantida pela marca do soldador (lista de soldadores), colocada junta a cada soldadura ou peça. Pintura: A rastreabilidade destas será garantida através dos registos de inspecção por peça. 7.3 TRATAMENTO DE RESÍDUOS Todos os resíduos provenientes de obra, bem como os produzidos nas instalações fabris inerentes ao processo são tratados por empresa autorizadas à gestão, recolha e tratamento de resíduos industriais. 8. ANEXOS ANEXO 1: Plano de Inspecção e Ensaio em Fábrica ANEXO 2: Plano de Inspecção e Ensaio de Montagem Edição: 02 Data: Pág. 12/15

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12 1. Objectivo o Estabelecer normas para o processamento dos dispositivos médicos, baseadas em padrões de qualidade. o Estabelecer condições de

Leia mais

14.02 - DRENAGEM CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS

14.02 - DRENAGEM CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS 14.02 - DRENAGEM CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS Aplicam-se a todos os materiais as disposições constantes do capítulo 14.00 deste caderno de encargos, nomeadamente 14.00.1, 14.00.2, 14.00.3 e 14.00.4 e

Leia mais

PROTECÇÃO ANTICORROSIVA DE ESTRUTURAS DE AÇO

PROTECÇÃO ANTICORROSIVA DE ESTRUTURAS DE AÇO PROTECÇÃO ANTICORROSIVA DE ESTRUTURAS DE AÇO 1. Introdução A parte 5 da norma EN ISO 12944 descreve os diferentes tipos de pintura, esquemas mais utilizados na protecção anticorrosiva de estruturas de

Leia mais

Marcação CE Estruturas Metálicas. Qualificação de Soldadores Apresentação da Norma EN ISO 9606-1:2013

Marcação CE Estruturas Metálicas. Qualificação de Soldadores Apresentação da Norma EN ISO 9606-1:2013 Marcação CE Estruturas Metálicas Qualificação de Soldadores Apresentação da Norma EN ISO 9606-1:2013 Objectivos Apresentação da EN ISO 9606-1:2013; Definição das variáveis essenciais na certificação dos

Leia mais

BIBLIOTECA CENTRAL DE MARINHA BI PLANEAMENTO DA DE DESINFESTAÇÃO ACÇÕES DE - DESINFESTAÇÃO BIBLIOTECA BCM E ARQUIVO HISTÓRICO

BIBLIOTECA CENTRAL DE MARINHA BI PLANEAMENTO DA DE DESINFESTAÇÃO ACÇÕES DE - DESINFESTAÇÃO BIBLIOTECA BCM E ARQUIVO HISTÓRICO BIBLIOTECA CENTRAL I - OBJECTIVO A presente norma técnica tem por objectivo estabelecer o desenvolvimento das normas arquivistas e documentais do ARQUIVO HISTÓRICO (AH) decorrentes do REGULAMENTO INTERNO

Leia mais

PROCEDIMENTO. Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho

PROCEDIMENTO. Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho PÁG. 1 DE 5 1. - OBJECTIVO Pretende-se definir: princípios básicos de adequados às actividades desenvolvidas pelas empresas do Grupo Santos e Vale visando prevenir os riscos profissionais e promover a

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade. Documentação e Controlo da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade. Documentação e Controlo da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade. Documentação e Controlo da Qualidade João Seabra e Barros INETI - Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação, Departamento de Engenharia Energética e Controlo

Leia mais

Gestão da Qualidade NP EN ISO 9001:2008

Gestão da Qualidade NP EN ISO 9001:2008 Gestão da Qualidade A norma NP EN ISO 9001:2008 O que é a norma? É um conjunto de requisitos que uma organização tem de respeitar para implementar e manter eficazmente um Sistema de Gestão da Qualidade.

Leia mais

CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS

CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS 20.1 INTRODUÇÃO A madeira, devido à sua natureza, é um material muito sujeito a ataques de agentes exteriores, o que a torna pouco durável. Os

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

DOMÓTICA, VIDEOPORTEIRO E SISTEMAS DE SEGURANÇA

DOMÓTICA, VIDEOPORTEIRO E SISTEMAS DE SEGURANÇA 17 DOMÓTICA, VIDEOPORTEIRO E SISTEMAS DE SEGURANÇA 207 17. DOMÓTICA, VIDEOPORTEIRO E SISTEMAS DE SEGURANÇA 17.1 INTRODUÇÃO Para que os investidores, operadores e ocupantes possam usufruir dos edifícios

Leia mais

[SELO ALIMENTO SEGURO] 08 de Maio de 2009

[SELO ALIMENTO SEGURO] 08 de Maio de 2009 2 Lista de Verificação Geral Selo Alimento Seguro Lista de Verificação Geral com a finalidade de examinar todos os aspectos relacionados com as instalações, equipamentos, ferramentas, instrumentos utilizados

Leia mais

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 MANUAL DE FUNÇÕES NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE XZ Consultores Direção INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 ÍNDICE CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 Mapa de Controlo das Alterações

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO DISTRIBUIDOR DAS FARMÁCIA COMUNITÁRIAS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO DISTRIBUIDOR DAS FARMÁCIA COMUNITÁRIAS Luis Figueiredo 2016.01.19 12:27:21 Z PROCEDIMENTO 1. OBJECTIVO Definição de procedimentos nos distribuidores das farmácias comunitárias aderentes à VALORMED. 2. ÂMBITO A VALORMED tem por objectivo a implementação

Leia mais

Construction. Sikagard -550 W Elastic. Revestimento elástico com capacidade de ponte de fissuração para protecção de betão. Descrição do produto

Construction. Sikagard -550 W Elastic. Revestimento elástico com capacidade de ponte de fissuração para protecção de betão. Descrição do produto Ficha de Produto Edição de Abril de 2011 Nº de identificação:03.205 Versão nº 1 Sikagard -550 W Elastic Revestimento elástico com capacidade de ponte de fissuração para protecção de betão Construction

Leia mais

Guia Técnico de Pintura

Guia Técnico de Pintura Guia Técnico de Pintura X - Pavimentos Interiores X.1 PAVIMENTOS DE MADEIRA Em termos habitacionais, os pavimentos de madeira (parquet, soalho, tacos) dominam nas áreas habitacionais em Portugal. A sensação

Leia mais

CAPÍTULO 16 ORGANIZAÇÃO DO DOSSIER DE PROJETO OBJECTIVOS. No final deste capítulo o leitor deverá estar apto a:

CAPÍTULO 16 ORGANIZAÇÃO DO DOSSIER DE PROJETO OBJECTIVOS. No final deste capítulo o leitor deverá estar apto a: CAPÍTULO 16 ORGANIZAÇÃO DO DOSSIER DE PROJETO OBJECTIVOS No final deste capítulo o leitor deverá estar apto a: Organizar um dossier de projeto nas suas diversas partes Compreender e elaborar o conteúdo

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES...

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES... PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 3.1. FASE DE PLANEAMENTO (PRÉ-OBRA)...5 3.2. FASE DE CONSTRUÇÃO...5 3.2.1. Deposição

Leia mais

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE GOUVEIA. Capítulo 1. Constituição e Funções do Arquivo Municipal. Artigo 1º. Artigo 2º. Capítulo II Da Recolha

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE GOUVEIA. Capítulo 1. Constituição e Funções do Arquivo Municipal. Artigo 1º. Artigo 2º. Capítulo II Da Recolha 1 REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE GOUVEIA Capítulo 1 Constituição e Funções do Arquivo Municipal. Artigo 1º O Arquivo Municipal da Câmara Municipal de Gouveia (C.M.G.) compreende o âmbito, funções

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DENTÁRIA CONCURSO PÚBLICO N.º 3.09 CADERNO DE ENCARGOS

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DENTÁRIA CONCURSO PÚBLICO N.º 3.09 CADERNO DE ENCARGOS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DENTÁRIA CONCURSO PÚBLICO N.º 3.09 CADERNO DE ENCARGOS (Conforme art.42º do Decreto Leinº18/2008 de 29 de Janeiro de 2008) Cláusula 1.ª Objecto 1. O presente

Leia mais

ES-05. Estante para exposição. Mobiliário. Atenção 3 08/03/13. Revisão Data Página 1/6 VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA LATERAL ESC.

ES-05. Estante para exposição. Mobiliário. Atenção 3 08/03/13. Revisão Data Página 1/6 VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA LATERAL ESC. Mobiliário 2000 1/6 VISTA LATERAL 0 VISTA FRONTAL 0 900 0 VISTA SUPERIOR 0 A A Mobiliário 900 PAINEL DE FUNDO CHAPA 24 (0,6mm) PAINEL LATERAL CHAPA 24 (0,6mm) 0 40 COLUNA CHAPA 1 (2,25mm) VISTA SUPERIOR

Leia mais

ES-01. Estante simples. Mobiliário. Atenção. Revisão Data Página 1/6 5 08/03/13 VISTA LATERAL VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA SUPERIOR

ES-01. Estante simples. Mobiliário. Atenção. Revisão Data Página 1/6 5 08/03/13 VISTA LATERAL VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA SUPERIOR 2000 1/6 VISTA LATERAL ESC. 1:20 VISTA FRONTAL ESC. 1:20 900 0 VISTA SUPERIOR ESC. 1:20 900 PAINEL DE FUNDO CHAPA 24 (0,6mm) PAINEL LATERAL CHAPA 24 (0,6mm) 0 2/6 2000 13 400 400 1 13 0 0 40 VISTA SUPERIOR

Leia mais

OFERTAS DE EMPREGO PROFISSÃO EMPREGADO DE ESCRITÓRIO EM GERAL. Unidade Emissora: Data de Emissão N.º de Folhas GONDOMAR GONDOMAR

OFERTAS DE EMPREGO PROFISSÃO EMPREGADO DE ESCRITÓRIO EM GERAL. Unidade Emissora: Data de Emissão N.º de Folhas GONDOMAR GONDOMAR 1 / 6 588572517 588577333 588577680 588581128 588586474 588588394 EMPREGADO DE ESCRITÓRIO EM GERAL CONTABILISTA, AUDITOR, REVISOR OFICIAL DE CONTAS E SIMILARES SOLDADOR PINTOR À PISTOLA DE SUPERFÍCIES

Leia mais

NAUTILUS, S.A., possuidora do Cartão de Identificação de Pessoa Coletiva Nº.503 653 179, declara:

NAUTILUS, S.A., possuidora do Cartão de Identificação de Pessoa Coletiva Nº.503 653 179, declara: CONCURSO PÚBLICO Nº 04/2015 AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTO INFORMÁTICO, MATERIAL DIDÁTICO, EQUIPAMENTO AUDIOVISUAL E MOBILIÁRIO, PARA APETRECHAMENTO DO CENTRO ESCOLAR DE BARREIRA LOTE 4 - MOBILIÁRIO NAUTILUS,

Leia mais

8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 282 6 de Dezembro de 2003

8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 282 6 de Dezembro de 2003 8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIEB N. o 282 6 de Dezembro de 2003 Portaria n. o 13/2003 de 6 de Dezembro Considerando que o DecretoLei n. o 205/96, de 25 de Outubro, vem alterar a disciplina jurídica da

Leia mais

Plataforma móvel de trabalho em altura Manual de Instruções

Plataforma móvel de trabalho em altura Manual de Instruções Spot Picker V 0.1 Plataforma móvel de trabalho em altura Manual de Instruções SPOT JET Serviços de Manutenção Industrial, Lda Rua D. Luís de Noronha n.º 22, 4 Dto. 1050-072 Lisboa Portugal Tel. (+351)

Leia mais

ÍNDICE 1. OBJECTIVO...2 2. INTRODUÇÃO...2 4. ÂMBITO DE APLICAÇÃO...4 5. ACÇÕES DE MANUTENÇÃO...5 7. RECOMENDAÇÕES DE EXPLORAÇÃO...

ÍNDICE 1. OBJECTIVO...2 2. INTRODUÇÃO...2 4. ÂMBITO DE APLICAÇÃO...4 5. ACÇÕES DE MANUTENÇÃO...5 7. RECOMENDAÇÕES DE EXPLORAÇÃO... ÍNDICE 1. OBJECTIVO...2 2. INTRODUÇÃO...2 3. DISPOSIÇÕES LEGAIS APLICÁVEIS...3 3.1. Inspecções de Instalações Eléctricas...3 3.2. Verificação dos eléctrodos de terra...3 3.3. Limpeza, conservação e reparação

Leia mais

2010 Gestão da Colecção - Critérios

2010 Gestão da Colecção - Critérios 2010 Gestão da Colecção - Critérios Este documento, articulado com o Manual de procedimentos da Rede de bibliotecas de Santa Comba Dão foi elaborado pelos elementos que constituem o Grupo de Trabalho,

Leia mais

Regulamento do ARQUIVO MUNICIPAL. de Terras de Bouro

Regulamento do ARQUIVO MUNICIPAL. de Terras de Bouro Regulamento do ARQUIVO MUNICIPAL de Terras de Bouro PREÂMBULO Tendo em vista a melhoria dos serviços municipais e no caso particular do arquivo do Município de Terras de Bouro, pretende-se com este Regulamento

Leia mais

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projetos e Despesas TIC FAQ

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projetos e Despesas TIC FAQ Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projetos e Despesas TIC FAQ Folha de Controlo Nome do Documento: FAQs Evolução do Documento Versão Autor Data Comentários

Leia mais

REGULAMENTO DA BOLSA DE AUDITORES

REGULAMENTO DA BOLSA DE AUDITORES Preâmbulo Tendo por objecto a salvaguarda da qualidade das auditorias executadas sobre actividades ou exercício farmacêuticos, a Ordem dos Farmacêuticos veio criar o presente regulamento da Bolsa de Auditores.

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ARMAZENISTA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ARMAZENISTA Luis Figueiredo 2014.02.06 16:35:35 Z PROCEDIMENTO 1. OBJECTIVO Definição de Procedimentos nos Armazenistas que aderiram à VALORMED. 2. ÂMBITO A VALORMED tem por objectivo a implementação e gestão de um

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito de aplicação do regulamento O presente regulamento estabelece as condições de acesso e as regras gerais de atribuição de co-financiamento comunitário do Fundo

Leia mais

amianto Riscos Associados à Remoção do Vanda Gatinho Graça Divisão de Prevenção e Segurança 23/24-Abril-2012 Auditório Eng.º Victor Matos - Aveiro

amianto Riscos Associados à Remoção do Vanda Gatinho Graça Divisão de Prevenção e Segurança 23/24-Abril-2012 Auditório Eng.º Victor Matos - Aveiro Riscos Associados à Remoção do amianto Divisão de Prevenção e Segurança Telm.: 961748337 Email: vanda.graca@soaresdacosta.pt São nossos objectivos Demonstrar as boas práticas em matéria de prevenção e

Leia mais

ES-01. Estante simples. Mobiliário. Atenção

ES-01. Estante simples. Mobiliário. Atenção Mobiliário Esta imagem tem caráter apenas ilustrativo. As informações relativas às especificações devem ser obtidas nas fichas técnicas correspodentes 2000 1/5 VISTA LATERAL ESC. 1:20 VISTA FRONTAL ESC.

Leia mais

Condições de Garantia Iluminação pública e viária Luminárias LED do Schréder Group a partir de 20 de Junho de 2013

Condições de Garantia Iluminação pública e viária Luminárias LED do Schréder Group a partir de 20 de Junho de 2013 Condições de Garantia Iluminação pública e viária Luminárias LED do Schréder Group a partir de 20 de Junho de 2013 1. CONDIÇÕES GERAIS A. Âmbito A Garantia abaixo apresentada é dada pela SCHREDER ILUMINAÇÃO

Leia mais

Documentação Processo de Aprovação de Peças de Produção (Aprovação de Amostras Iniciais)

Documentação Processo de Aprovação de Peças de Produção (Aprovação de Amostras Iniciais) Documentação Processo de Aprovação de Peças de Produção (Aprovação de Amostras Iniciais) Normas de Trabalho Confidencial, todos os direitos reservados. Observar ISO 16016 Novembro de 2005 VN 3205 ICS 01.

Leia mais

ERS 3002 A NOSSA EXPERIÊNCIA

ERS 3002 A NOSSA EXPERIÊNCIA ERS 3002 A NOSSA EXPERIÊNCIA Qualidade e Segurança Alimentar na Restauração: Nova especificação ERS 3002 15 de Novembro de 2006 Faro - Universidade do Algarve Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo

Leia mais

Portaria n.º 348/98, de 15 de Junho Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários

Portaria n.º 348/98, de 15 de Junho Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários O sistema de garantia da qualidade dos medicamentos, quer sejam de uso humano, quer sejam veterinários, abarca não

Leia mais

Fachadas Fichas de Aplicação

Fachadas Fichas de Aplicação Fichas de Aplicação Ventiladas - Sistema de s Ventiladas - Viroclin Ventiladas - Virocnail Ventiladas - Sistema Misto Consulte o Dossier Técnico Viroc disponível em www.viroc.pt, na página de Downloads.

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

Política de Subcontratação

Política de Subcontratação 1. Introdução O presente documento define a Política de Subcontratação adoptada pelo Banco Espírito Santo de Investimento, S.A. ( BES Investimento ou Banco ). A Política de Subcontratação baseia-se na

Leia mais

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1.º (Objecto)

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1.º (Objecto) DATA : Segunda-feira, 16 de Julho de 1990 NÚMERO : 162/90 SÉRIE I EMISSOR : Ministério da Indústria e Energia DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 232/90 SUMÁRIO: Estabelece os princípios a que deve obedecer

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas Indice 1. Enquadramento... 3 2. Objectivos... 4 3. Âmbito do Plano... 4 4. Missão da Entidade... 4 5. Áreas avaliadas, Principais Riscos e

Leia mais

Portaria 560/2004, de 26 de Maio

Portaria 560/2004, de 26 de Maio Portaria 560/2004, de 26 de Maio Aprova o Regulamento Específico da Medida «Apoio à Internacionalização da Economia A Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 17 de Junho, publicada em 26 de

Leia mais

GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE

GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE 1/17 Índice 1. Introdução... 3 2. Formação... 4 2.1 Objectivos gerais do curso... 4 2.2. Conteúdos programáticos... 4 2.3. Equipa formativa...

Leia mais

tesa ACX plus o mundo das aplicações estruturais adesivas

tesa ACX plus o mundo das aplicações estruturais adesivas o mundo das aplicações estruturais adesivas Baseado em 75 anos de experiência na produção de fitas e soluções adesivas, a tesa tornou-se num dos fornecedores líderes mundiais em muitos campos de aplicação

Leia mais

INSTITUTO GEOGRÁFICO PORTUGUÊS

INSTITUTO GEOGRÁFICO PORTUGUÊS MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL INSTITUTO GEOGRÁFICO PORTUGUÊS CONDIÇÕES E DOCUMENTAÇÃO PARA REQUERER CONCESSÃO / RENOVAÇÃO DE ALVARÁ PARA O EXERCÍCIO

Leia mais

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO DOS LENÇOS DE NAMORADOS DO MINHO

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO DOS LENÇOS DE NAMORADOS DO MINHO MANUAL DE CERTIFICAÇÃO DOS LENÇOS DE ADERE-MINHO Edição 1, Revisão 0, de 18 de Dezembro de 2012 Elaborado por: Verificado por: Aprovado por: [Lisa Ramos]/[Técnica de Qualidade] [Teresa Costa]/[Directora

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010. Departamento Comercial. Trabalho realizado por: Filipe Cabral n.º8. Tânia Leão n.

Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010. Departamento Comercial. Trabalho realizado por: Filipe Cabral n.º8. Tânia Leão n. Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010 Departamento Comercial Trabalho realizado por: Filipe Cabral n.º8 Tânia Leão n.º19 Diferença de Aprovisionamento e Compra O aprovisionamento é um conjunto

Leia mais

RECEBIMENTO, ARMAZENAMENTO, E PRESERVAÇÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS NOS CANTEIROS DE OBRA.

RECEBIMENTO, ARMAZENAMENTO, E PRESERVAÇÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS NOS CANTEIROS DE OBRA. Elaborado por Aline Duarte Visto Aprovado por Márcio Flávio Visto CONTROLE DE REVISÃO Revisão Data Item Natureza das alterações 0 09/04/005 - Emissão inicial 1 1/09/005 6/06/006 3 19/01/010 4 09/01/01

Leia mais

Ministério da Justiça

Ministério da Justiça Ministério da Justiça Lei n.º 5/06 de 8 de Abril A Lei n. º 3/9, de 6 de Setembro Lei de Revisão Constitucional, consagra no seu artigo 9. º o princípio segundo o qual enquanto não for designado o Provedor

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 MANUAL DA QUALIDADE FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Promulgação... 4 1.2 Âmbito e campo de aplicação do SGQ...

Leia mais

Revestimento de protecção à base de resinas epoxi

Revestimento de protecção à base de resinas epoxi Ficha de Produto Edição de Abril de 2011 Nº de identificação: 06.202 Versão nº 2 Sikagard -63N PT Revestimento de protecção à base de resinas epoxi Descrição do produto Sikagard -63N PT é um revestimento

Leia mais

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1 Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção José M. Cardoso Teixeira 1 Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil Azurém, P 4800-058 Guimarães, Portugal RESUMO De uma forma geral,

Leia mais

Manual da Qualidade. Rodrigo Barata Mediação de Seguros. Revisão n. 01 Data de Publicação: 2009-04-2408 Elaborado por: RodrigoBarata Estado:

Manual da Qualidade. Rodrigo Barata Mediação de Seguros. Revisão n. 01 Data de Publicação: 2009-04-2408 Elaborado por: RodrigoBarata Estado: Rodrigo Barata Página 2 de 14 Indice 1. Promulgação 3 2. Politica da Qualidade 3 3. Missão da Empresa 4 4. Campo de aplicação 4 4.1 Referências 4 5. Apresentação da Empresa Rodrigo Barata Unipessoal 5

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/13/2010. 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos;

DESPACHO ISEP/P/13/2010. 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos; DESPACHO ISEP/P/13/2010 Considerando: 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos; 2. A necessidade de garantir a prevenção e detecção de situações

Leia mais

Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos.

Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos. egurança Segurança Segurança A segurança deve ser uma preocupação comum a todos os membros da comunidade educativa pessoal docente e não docente, alunos, pais, encarregados de educação e representantes

Leia mais

WORKSHOP SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SUA CERTIFICAÇÃO. Onde estão os Riscos?

WORKSHOP SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SUA CERTIFICAÇÃO. Onde estão os Riscos? WORKSHOP SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SUA CERTIFICAÇÃO Onde estão os Riscos? No Futuro... que pode ser duvidoso e nos forçar a mudanças... Nas Mudanças... que podem ser inúmeras e nos forçam a decisões...

Leia mais

M U N I C Í P I O D E B R A G A

M U N I C Í P I O D E B R A G A REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO E FUNÇÕES DO ARQUIVO MUNICIPAL Artigo 1º O Arquivo Municipal da Câmara Municipal de Braga (C.M.B.) compreende e unifica numa só estrutura o âmbito,

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS CANOAS - RS

ESTRUTURAS METÁLICAS CANOAS - RS ESTRUTURAS METÁLICAS CANOAS - RS 2 INDICE 1. ESTRUTURAS METÁLICAS... 3 1.1. Estruturas Metálicas Diversas... 3 1.1.1. Qualidade do Material a Ser Empregado... 4 1.1.2. Critérios Gerais para Aceitação do

Leia mais

CONVERSORES DE VOLUME: TIPO PTZ

CONVERSORES DE VOLUME: TIPO PTZ ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 440 5 de maio de 2015 Página 2 de 17 ÍNDICE Registo das revisões... 4 1. Objectivo... 5 2. Âmbito... 5 3. Referências... 5 4. Definições / Siglas... 6 5. Cumprimento normativo...

Leia mais

CAPÍTULO I. Objectivos e Definição. Artigo 1º. Objectivos

CAPÍTULO I. Objectivos e Definição. Artigo 1º. Objectivos REGULAMENTO DA DISCIPLINA DE ESTÁGIO INTEGRADO EM CONTABILIDADE LICENCIATURA EM GESTÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR CAPÍTULO I Objectivos e Definição Artigo 1º

Leia mais

Ficha Técnica de Fiscalização

Ficha Técnica de Fiscalização FTF: 64//07 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome/Designação Social: Morada: IDENTIFICAÇÃO DA BRIGADA Brigada: Direcção Regional: Data de Controlo: / / Hora: h m LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Licenciamento: o

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA, QUALIDADE E CADEIA DE CUSTÓDIA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA, QUALIDADE E CADEIA DE CUSTÓDIA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA, QUALIDADE E CADEIA DE CUSTÓDIA ÍNDICE 1 - PROMULGAÇÃO... 4 2- GESTÃO DO MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA, QUALIDADE E CADEIA DE CUSTÓDIA... 5 2.1 Objectivo...

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA O principal objectivo deste Regulamento é salvaguardar o interesse comum de todos os utentes e permitir que a Biblioteca execute as suas funções de forma eficiente e eficaz. Desta

Leia mais

SPOT BATTERY EXCHANGER

SPOT BATTERY EXCHANGER SPOT BATTERY ECHANGER SBE PICKER V1.0 V1.0 Manual de Instruções SPOT JET Serviços de Manutenção Industrial, Sociedade Unipessoal, Lda. Rua D. Luís de Noronha 22, 4 Dto. 1050-072 Lisboa Portugal Tel / Fax.

Leia mais

Regulamento de admissão de Resíduos Não Perigosos (RNP) no Aterro de Sermonde

Regulamento de admissão de Resíduos Não Perigosos (RNP) no Aterro de Sermonde o Regulamento o Anexos: I. Inquérito para Pedido de Autorização para Deposição no Aterro de Sermonde II. III. IV. Descrição da Atividade da Empresa Produtora Declaração de Responsabilidade do Produtor

Leia mais

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 Capítulo I CONCEITOS GERAIS SOBRE EMBALAGEM 1. Introdução 2 2. As funções da embalagem 2 3. Classificação das embalagens 5 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 5. O ambiente e a embalagem

Leia mais

FR413-00 (REV. 00) TECHZINC 0130 SHOP PRIMER

FR413-00 (REV. 00) TECHZINC 0130 SHOP PRIMER TECHZINC 0130 SHOP PRIMER Techzinc 0130 Shop Primer é um etil silicato de zinco, de dois componentes: base e pó de zinco que devem ser misturados na hora do uso. Oferece proteção catódica ao aço carbono,

Leia mais

Encontro Certificação de Sistemas de Informação para a Saúde

Encontro Certificação de Sistemas de Informação para a Saúde Encontro Certificação de Sistemas de Informação para a Saúde Roteiro da Certificação Fernando Mota José Luís Graça Organigrama funcional UONCSTI UONCSTI - Missão Apoiar o cumprimento da missão da ACSS,

Leia mais

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro O artigo 4.º do Decreto-Lei n.º 410/98, de 23 de Dezembro, que aprovou o Regulamento de Segurança contra Incêndio em Edifícios de Tipo Administrativo, determina

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO GERAL DAS EMPRESAS E DA ÍNDUSTRIA. EudraLex Normas que regulam os Medicamentos na União Europeia.

COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO GERAL DAS EMPRESAS E DA ÍNDUSTRIA. EudraLex Normas que regulam os Medicamentos na União Europeia. COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO GERAL DAS EMPRESAS E DA ÍNDUSTRIA Bens de consumo Produtos farmacêuticos Bruxelas, 03 de Fevereiro de 2010 ENTR/F/2/AM/an D(2010) 3374 EudraLex Normas que regulam os Medicamentos

Leia mais

FICHA DE BOAS PRÁTICAS

FICHA DE BOAS PRÁTICAS Página: 1 10 ENQUADRAMENTO A instalação de redes em polietileno de alta densidade (PE) é uma das formas mais seguras de conseguir assegurar com eficiência, e de forma económica a distribuição domiciliária

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno Página 2 de 14 ORIGINAL Emissão Aprovação Data Data / / (Orgânica Responsável) / / (Presidente da Câmara) REVISÕES REVISÃO N.º PROPOSTO APROVAÇÃO

Leia mais

TERMO DE ACEITAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO

TERMO DE ACEITAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO Entidade Beneficiária Principal: Acrónimo e Designação do Projecto: Referência PAD 2003-2006: Considerando que, por despacho do Ministro Adjunto do Primeiro-Ministro, foi aprovada

Leia mais

ÍNDICE ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA. 3.1 História. 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação

ÍNDICE ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA. 3.1 História. 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação ÍNDICE 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA 3.1 História 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 4.1 Processos 4.2 Requisitos da Documentação 4.3 Controlo dos

Leia mais

Índice. Página 1 de 7

Índice. Página 1 de 7 Índice 1 - Objectivos...2 2 - Legislação aplicável...2 3 - Enquadramento legal...2 3.1 - Limites de fornecimento...2 3.2 - Descrição de encargos...2 3.2.1 - Encargos do adjudicatário...2 3.3 - Encargos

Leia mais

Organizações de Manutenção Aprovadas

Organizações de Manutenção Aprovadas Normativo Técnico 5 Organizações de Manutenção Aprovadas PARTE A: GENERALIDADES... 3 5.001 APLICABILIDADE... 3 5.003 DEFINIÇÕES... 3 5.005 SIGLAS/ACRÓNIMOS... 5 PARTE B: CERTIFICADO AMO... 5 5.010 APLICABILIDADE...

Leia mais

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006)

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) PREÂMBULO O presente regulamento define as normas relacionadas com a actividade financeira a observar

Leia mais

S1 Seiri Separar o desnecessário. Resultado esperado Um local de trabalho desimpedido. Definição Remover objectos não essenciais do local de trabalho

S1 Seiri Separar o desnecessário. Resultado esperado Um local de trabalho desimpedido. Definição Remover objectos não essenciais do local de trabalho S1 Seiri Separar o desnecessário Remover objectos não essenciais do local de trabalho 1. Tirar fotografias à área onde se inicia o projecto 5S; 2. Rever os critérios para separar os objectos desnecessários;

Leia mais

Avaliação de Risco e Pontos de Controlo Críticos (ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS de CONTROLO CRÍTICOS - HACCP)

Avaliação de Risco e Pontos de Controlo Críticos (ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS de CONTROLO CRÍTICOS - HACCP) Avaliação de Risco e Pontos de Controlo Críticos (ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS de CONTROLO CRÍTICOS - HACCP) A partir de 1 de Janeiro de 2009, as novas Normas de Higiene da Comunidade Europeia substituíram

Leia mais

Lâminas em PVC-p para selagem de juntas. Isento de chumbo. Isento de plastificantes DOP.

Lâminas em PVC-p para selagem de juntas. Isento de chumbo. Isento de plastificantes DOP. Ficha de Produto Edição de janeiro de 2015 Nº de identificação: 07.201 Versão nº 3 Lâminas em PVC-p para selagem de juntas Descrição do produto Lâminas flexíveis em PVC-p, produzidas em perfis específicos

Leia mais

Produtos Devcon. Guia do Usuário. Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo

Produtos Devcon. Guia do Usuário. Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo 1 Produtos Devcon Guia do Usuário Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo 2 Guia do Usuário Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo Prefácio 3 Preparação da

Leia mais

GESTÃO DE EQUIPAMENTOS COM ODS E FGHG

GESTÃO DE EQUIPAMENTOS COM ODS E FGHG Página 1 de 16 0 CONTROLO DE REVISÕES... 2 1 OBJECTIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 2 REFERÊNCIAS... 2 3 DEFINIÇÕES... 2 4 ABREVIATURAS... 3 5 PROCEDIMENTO... 4 5.1 ENQUADRAMENTO... 4 5.2 OBRIGAÇÕES DA EDPR-PT...

Leia mais

Primário de base epoxi e ligante para argamassas de reparação

Primário de base epoxi e ligante para argamassas de reparação Ficha de Produto Edição de Abril de 2011 Nº de identificação: 07.502 Versão nº 1 Sikagard 186 Primário de base epoxi e ligante para argamassas de reparação Construction Descrição do produto Utilizações

Leia mais

MINISTÉRIO DAS PESCAS E AMBIENTE. Decreto Executivo n," 8/02 de 15 de Fevereiro. ARTIGO 1.0 (Objecto)

MINISTÉRIO DAS PESCAS E AMBIENTE. Decreto Executivo n, 8/02 de 15 de Fevereiro. ARTIGO 1.0 (Objecto) MINISTÉRIO DAS PESCAS E AMBIENTE Decreto Executivo n," 8/02 de 15 de Fevereiro As políticas de conservação e auto-renovação sustentável dos recursos exigem uma conduta de pesca responsável por parte dos

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: nº 14 do art. 29º; 36º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: nº 14 do art. 29º; 36º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA nº 14 do art. 29º; 36º Auto Facturação - Facturas elaboradas pelo adquirente dos bens e/ou serviços, em nome e por conta do fornecedor. Processo: nº 2791,

Leia mais

NORMA DE CONTROLO INTERNO (NCI)

NORMA DE CONTROLO INTERNO (NCI) NORMA DE CONTROLO INTERNO (NCI) Freguesia de Almagreira PREÂMBULO Tendo em conta o estipulado na Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro (que estabelece o quadro de competências, assim como o regimento jurídico

Leia mais

ANTES DE UTILIZAR A PLACA EM VIDRO CERÂMICO

ANTES DE UTILIZAR A PLACA EM VIDRO CERÂMICO MANUAL DE UTILIZAÇÃO ANTES DE UTILIZAR A PLACA EM VIDRO CERÂMICO INSTALAÇÃO LIGAÇÃO ELÉCTRICA SUGESTÕES PARA POUPANÇA DE ENERGIA SUGESTÕES PARA A PROTECÇÃO DO AMBIENTE PRECAUÇÕES E RECOMENDAÇÕES GERAIS

Leia mais

Construction. Argamassa de impermeabilização à base de cimento. Descrição do produto

Construction. Argamassa de impermeabilização à base de cimento. Descrição do produto Ficha de Produto Edição de dezembro de 2013 Nº de identificação: 07.008 Versão nº 2 SikaTop Seal-107 Argamassa de impermeabilização à base de cimento Descrição do produto SikaTop Seal-107 é uma argamassa

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007 Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 2/2007 O Aviso do Banco de Portugal nº 11/2005, de 13 de Julho, procedeu à alteração e sistematização dos requisitos necessários à abertura de contas de depósito bancário,

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Projecto de

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Projecto de PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 27.6.2008 SEC(2008) 2109 final Projecto de DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU, DO CONSELHO, DA COMISSÃO, DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA, DO TRIBUNAL DE CONTAS,

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO DE QUADRA ESPORTIVA CAMPUS RIO DO SUL

SUBSTITUIÇÃO DE QUADRA ESPORTIVA CAMPUS RIO DO SUL SUBSTITUIÇÃO DE QUADRA ESPORTIVA CAMPUS RIO DO SUL MEMORIAL DESCRITIVO 1 INTRUDOUÇÃO 1.1. OBJETO O presente memorial descritivo faz parte do processo para a manutenção da quadra esportiva do ginásio do

Leia mais

Soluções Recomendadas

Soluções Recomendadas Cement Wood Board Soluções Recomendadas Fachadas Fichas de Aplicação Fachadas Ventiladas Sistema de s Fachadas Aplicação: Exterior Estrutura de suporte: Madeira ou metal Fixação: s de cabeça externa Espessura:

Leia mais

Equipamentos de teste e inspeção para a Indústria

Equipamentos de teste e inspeção para a Indústria Equipamentos de teste e inspeção para a Indústria Condições Climáticas Limpeza da Superficie Perfil da Superficie Espessura do Revestimento Aderência Inspecção Indice Pag. 1 Introdução Pag. 2 e 3 Condições

Leia mais

REGULAMENTO DO ARQUIVO HISTÓRICO DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS

REGULAMENTO DO ARQUIVO HISTÓRICO DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS REGULAMENTO DO ARQUIVO HISTÓRICO DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS O presente regulamento estabelece os princípios e as normas aplicáveis ao Arquivo Histórico da Caixa Geral de

Leia mais

PROPOSTA. 1. Introdução. Com base nos textos legais:

PROPOSTA. 1. Introdução. Com base nos textos legais: RESPONSABILIDADES DOS PROJECTISTAS DE INSTALAÇÕES, EQUIPAMENTOS E SISTEMAS DE AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO VERSUS RESPONSABILIDADES DOS PERITOS QUALIFICADOS NO ÂMBITO DO SCE (SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO

Leia mais