MUTUALISMO, SEGURANÇA SOCIAL, SEGUROS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MUTUALISMO, SEGURANÇA SOCIAL, SEGUROS"

Transcrição

1 Forum Abel Varzim Desenvolvimento e Solidariedade Rua Damasceno Monteiro, n.º 1 r/t LISBOA Colóquio MUTUALISMO, SEGURANÇA SOCIAL, SEGUROS 14 de Outubro de 2006 Culturgest - Lisboa Intervenções PROGRAMA Sessão III Seguros e Fundos de Pensões - Moderador: Dr. Luís Barbosa - Dr. Eugénio Ramos Seguros e Protecção Social - Dr. José Santos Teixeira Os Fundos de Pensões: A participação nos lucros das empresas Debate Patrocínios:

2 Dr. Eugénio Manuel dos Santos Ramos 1 Seguros e Protecção Social 1 [.] o tema que me propuseram no âmbito deste Colóquio, foi o de falar um pouco sobre a ligação entre os seguros e a Segurança Social, na medida em que a minha experiência profissional mais recente tem a ver com a actividade seguradora. Mas, ao longo dos tempos, também tenho tido oportunidade de fazer alguns estudos (até também por razões profissionais) e acompanhar alguns aspectos dos mecanismos de protecção social que fomos construindo ao longo dos tempos no nosso país. Em termos de índice [2], proponho-me fazer uma introdução muito rápida e passar também muito rapidamente a caracterização, para relembrar dois ou três aspectos da nossa protecção social global. Hoje de manhã, já falámos um pouco sobre esse assunto; da parte da tarde, depois deste painel, vamos ouvir algum debate sobre a valorização política desta questão, mas acho que vale a pena, muito rapidamente, passarmos um pouco as questões relacionadas com a protecção social em si, só para vermos, um pouco, sobre o que é que estamos a falar; não é uma síntese recordativa (não na perspectiva jurídico-histórica, que já ouvimos hoje de manhã), ou de sustentabilidade, embora tenhamos de dar uma palavra ou duas, muito simples, sobre esta questão. Não deixarei também de referir dois ou três pontos (como ponto de partida para abordar exactamente a questão que me foi proposta) dos seguros e do papel dos seguros no âmbito da nossa protecção social, no âmbito da sociedade portuguesa; não deixarei de tomar como ponto de partida aquilo que se desenha como sendo a reforma da Segurança Social neste momento; e finalmente abordar aquele que parece que pode ser o papel dos seguros no âmbito desta questão e tirar, porventura, algumas conclusões. 1 Texto retirado de gravação. Editado.

3 Em primeiro lugar, como introdução, gostaria de agradecer a oportunidade que me foi dada. Quando me falaram no Forum Abel Varzim, devo confessar-lhes que tocou uma campainha muito longínqua; a única vez que tinha ouvido falar do Pe. Abel Varzim, foi uma referência do meu pai ou várias referências do meu pai. O meu pai estudou no Seminário, fez todos os seus estudos no Seminário; resolveu depois passar à vida laica, se não fora assim eu não estava aqui, digamos, a falar convosco, mas sempre ouvi o meu pai falar do Pe. Abel Varzim, como uma referência, nos anos da minha meninice. Portanto digamos que houve um reencontro e, desse ponto de vista, um segundo agradecimento que eu gostava de fazer, não só por me terem convidado, mas por esta recordatória que, doutra forma, não teria acontecido. Em termos de objectivo, eu apenas lhes quero tentar passar uma palavra muito simples sobre aquilo que, dentro deste espectro de preocupação do Colóquio, pode ser a contribuição da actividade seguradora, no âmbito de uma solução que é complexa, que não tem soluções únicas e que tem que ter soluções de variadíssimos vectores: públicas, privadas, cooperativas/mutualistas, etc.. E, finalmente, que apesar de ser um crítico da forma como as coisas têm sido conduzidas, estou, ao nível macro, no nosso país, nestas matérias, optimista. Basicamente, estou optimista porque penso que há uma característica da nossa sociedade: nós só respondemos bem sob stress, precisamos de stress senão, relaxamos e fazemos muito pouco; quando os problemas surgirem logo pensamos neles. Mas os tempos que aí vêm, com toda a abertura, com todas as obrigações que têm (a maior parte delas impostas de fora; algumas internas, mas a maior parte delas impostas de fora), são tempos de stress e, portanto, eu estou convencido que nós vamos responder bem. E daí, o meu razoável optimismo, apesar da minha crítica em relação à forma como estes assuntos têm vindo a ser pouco considerados ao longo das últimas décadas. Em termos de Segurança Social [4], eu recordar-lhes-ia que, basicamente, nós, na sequência daquilo que foi hoje já dito, estamos protegidos contra dois tipos de eventualidades. Uma delas tem a ver com algo 2

4 que nos acontece ao longo da nossa vida activa (e depois dela) e que implica perdas de remuneração, relativamente às quais convém estarmos precavidos (numa situação de doença, numa situação de desemprego, numa situação de reforma); e, não direi perdas de remuneração, mas necessidade de remuneração adicional numa situação de sobrecustos familiares; e também, não como resposta a perdas de remuneração, mas de resposta a necessidade de outros cuidados, muitas vezes em espécie ou que também são objecto de resposta via financiamento público, mas com prestação em espécie através de entidades específicas, com quem os poderes públicos subcontratam. Em particular em situações de doença e temos o caso do Serviço Nacional de Saúde, que podemos considerar, numa concepção alargada de protecção social, em caso de invalidez ou em caso de dependência, que é algo que, como o Dr. Luís Barbosa já referiu, que vai sendo a crescente longevidade de uma boa parte dos elementos da sociedade, se vai pondo ao longo dos tempos. O financiamento destas respostas (já hoje foi referido também de manhã), regra geral tem sido obtido via repartição, o que significa que tem sido obtido a partir de mecanismos contributivos e fiscais que levam a que uma parte da riqueza gerada, em cada momento, pelos activos dum determinado país seja transferida para responder às necessidades dos não activos. Eu faria aqui um pequeno acrescento a isto que aqui está [5], na medida em que hoje de manhã foi referida, pela Dr.ª Isabel Saldida, a questão da Acção Social. Nós, para além dos mecanismos que aqui estão [indicados] e que têm que ver com uma concepção mais contributiva da protecção social que é a contributiva através dos regimes de Segurança Social, quer contributiva através do sistema fiscal (no que respeita ao Serviço Nacional de Saúde), temos também um apoio a quem não pode contribuir, não tem condições para contribuir. Portanto há aqui uma função duplamente ou acrescentadamente, ou adicionalmente redistributiva do Estado que é muito importante e que se consubstancia no conceito de Acção Social, que no nosso país tem, porventura até, uma tradição maior do que noutros, o que faz com que nós tenhamos uma rede de protecção que tem vindo a diminuir, com o urbanismo e com a diminuição do peso de conceito alargado da instituição familiar e com a 3

5 diminuição do peso da nossa ruralidade, digamos assim, mas que apesar de tudo, penso eu, é ainda uma rede de segurança que não tem, talvez, paralelo em muitos outros países Europeus. Em termos de evolução da protecção social [5], o que nós podemos dizer é que as duas condicionantes da evolução são a Demografia e a Economia. Já hoje foram aqui referidas: por um lado as pessoas vivem mais e, sobretudo, sobrevivem mais para além [da reforma]. Agora concentro-me um pouco (como foi dito pelo Prof. Ribeiro Mendes hoje de manhã) no principal problema do financiamento destes esquemas, que é a questão das pensões, que é a grande fatia de despesa da protecção social, excluindo a parte da saúde e que vai para a questão das Pensões de Reforma, de Invalidez e de Sobrevivência, mas sobretudo de Reforma. De facto, a demografia faz com que cada vez haja mais pessoas numa situação de beneficiárias de pensões, vivendo durante mais tempo, portanto recebendo pensões também durante mais tempo. A Economia é importante porquê? porque, como disse há pouco, num sistema destes, financiado basicamente em repartição, o que importa é o montante de riqueza criado pela comunidade dos activos de uma determinada sociedade, a parte dessa riqueza que é repartida pelos não activos e a forma como ela acaba por ser repartida. De uma maneira ou de outra, através dum sistema contributivo e dum sistema fiscal, de um sistema de prestações directas (mas esta questão é a questão que se põe). Gostava de referir apenas duas tendências, para nós percebermos um pouco. O Dr. Luís Barbosa já fez uma abordagem desta questão, eu gostaria de reforçar um ou dois pontos. Ao longo dos últimos vinte ou trinta anos, criou-se um pouco na nossa sociedade (mais do que porventura noutras sociedades Europeias), a ideia de que estávamos seguros contra tudo ou deveríamos estar seguros contra tudo; em primeiro lugar e em segundo lugar, [a ideia] de que isso era uma tarefa do Estado, ou seja, o Estado tinha que andar connosco ao colo. A primeira questão de que é preciso nós termos consciência é de que não há segurança total, nem há possibilidade de qualquer entidade pública prover e financiar todos os mecanismos que pudessem, eventualmente e se isso fosse possível, garantir a nossa segurança total. Há limites pessoais, pois nós podemos estar de boa saúde ou podemos ter uma 4

6 boa reforma, mas ao atravessar a estrada podemos ter um azar, portanto há limites pessoais; e há limites públicos, também na medida em que estas coisas custam dinheiro. Eu, há pouco, quando comecei a fazer a minha apresentação, esqueci-me de lhes dizer uma coisa de que os devia avisar: é de que, em primeiro lugar, eu sou economista; queria relembrar-lhes (o Dr. Luís Barbosa já o disse), que tenho a mania de trabalhar números e as pessoas costumam não gostar disso; tenho a mania de fazer projecções, portanto tudo aquilo que eu disser e que tenha algum pessimismo, a partir desta questão, por favor concedam-me a vossa indulgência e dêem algum relativismo. Mas eu vou tentar não falar muito de números. Em segundo lugar, trabalho em seguros, que é uma coisa muito aborrecida e que a maior parte das pessoas não gosta muito, mas também veremos isso mais à frente. É uma segunda razão para, porventura, relativizar aquilo que eu estou a dizer ou para, pelo menos, levarem na devida conta. Porque às vezes a fita do tempo corre tão depressa, que nós nos esquecemos. Gostava apenas de lhes falar de duas questões muito pequenas. Há cinco, seis anos, uma empresa que fechasse e que pusesse no desemprego dez trabalhadores era abertura de telejornal; não estávamos habituados a isso, era uma coisa que nunca tinha acontecido ao longo dos últimos anos no nosso país, achávamos que as empresas não tinham o direito de o fazer e, mesmo que tivessem absoluta necessidade de o fazer, a legislação não o permitia; por isso (nós tínhamos uma legislação rígida) não tínhamos desemprego, mas tínhamos, por exemplo, salários em atraso, porque uma empresa com trezentos empregados que só subsistia em termos de viabilidade com duzentos e cinquenta, não podia arranjar mecanismos para reduzir de trezentos para duzentos e cinquenta e tinha que ficar com os trezentos. Portanto, a prazo, tínhamos trezentos desempregados, porventura, em vez de cinquenta. De imediato, tínhamos salários em atraso, que era uma coisa que nenhum estrangeiro que vinha ao nosso país percebia o que é que isso era, porque nos outros países era uma coisa que não existia; a empresa ou paga ou não paga, e se não paga é porque não tem condições, abre um processo de falência e é substituída por outras, mais viáveis, que imediatamente regeneram, ajudam a regenerar o tecido produtivo. Mas isso era uma coisa a que nós não 5

7 estávamos habituados. Durante muitos anos, os sucessivos governos foram fechando os olhos à fuga das empresas à Segurança Social e ao Fisco, porque não queriam problemas de desemprego; nós, durante décadas (duas décadas pelo menos que eu me recorde), dissemos que tínhamos 4%, 5% de desemprego que era a taxa mais baixa da Europa (à excepção do Luxemburgo, porventura), só que nos esquecíamos de uma coisa: é que isso acontecia porque, sobretudo ao nível das pequenas e médias empresas, que empregam três a quatro milhões de trabalhadores, o trabalho de casa não estava feito, a reorganização das empresas não estava feita e, portanto, havia muitas pessoas que estavam a receber ordenado (aparentemente era um ordenado), mas era um subsídio de desemprego sob a forma de ordenado. Na nosso vizinha Espanha, que chegou a 24% de taxa de desemprego, este trabalho foi feito ao longo de muito tempo, as empresas estão muito mais preparadas do que as nossas, a taxa de desemprego veio descendo de 24 e, dentro de um ano ou dois (se não está já), vai ficar inferior à nossa, precisamente porquê, porque esta questão foi vista a tempo. Resultado: nós, só sob stress é que nos reorganizámos. Quando apareceu o Euro, as empresas deixaram de poder exportar em escudos, o Estado Português deixou de poder ajudar as empresas com a desvalorização competitiva, porque agora recebemos em euros (e euros revalorizados) e, portanto, a desvalorização deixou de poder ajudar as empresas; no plano exterior as empresas deixaram de poder exportar. Tiveram que começar a ser competitivas ao nível de custos, a nível de qualidade, e ao nível doutros aspectos e a pensar de facto que não estávamos, como hoje também já se referiu aqui, num circuito fechado, ou num circuito aberto, mas cujas torneiras nós, em certa medida, regulávamos. Não foi só a questão do Euro, foi a questão da liberalização do comércio, nós já há doze anos que sabíamos que a Índia e a China nos têxteis, no calçado, etc., e as empresas pouco fizeram nesse sentido. Começaram com dores de barriga, na véspera, e a pedir para fecharem fronteiras. Ora, nós tínhamos combinado, há dez ou doze anos, que íamos abrir as fronteiras, fizemos foi pouco. Outros deslocaram-se na fieira do valor acrescentado, começaram a não ficar dependentes de contratos de outros, os italianos, por exemplo, começaram a arranjar soluções 6

8 alternativas que lhes permitissem, um pouco, evitar aquilo que iria inevitavelmente acontecer. E porquê? porque nós esquecemos uma coisa, há quem diga (os mais pessimistas e os mais cínicos, digamos assim) que no próprio momento em que nós começámos a construir o Estado Social, foi o momento em que se começaram a desenhar as evoluções a nível planetário que punham em causa esse próprio Estado Social. A seguir aos grandes nascimentos e aos baby boomers a seguir a segunda Guerra Mundial, a evolução demográfica começou a ser negativa, deste ponto de vista. Os mercados exclusivos para onde os Europeus e os ocidentais em geral vendiam, desapareceram com a descolonização e, sobretudo, numa fase mais final, aquilo que era a grande vantagem, que era a vantagem tecnológica e o gap de produtividade, desapareceu também. Hoje, na Índia ou na China, há mão-de-obra tão qualificada que domina uma tecnologia tão sofisticada como a nossa, que trabalha muito mais barato Portanto nós temos um Estado Social que nos exige um conjunto de contribuições dos activos, mas aquilo que nós fomos conseguindo fazer ao longo de alguns anos (que foi, com os referenciais de produtividade, responder a esta questão), veio gradativamente a desaparecer e, portanto, hoje em dia nós estamos de facto confrontados com uma situação que é razoavelmente delicada nesta matéria. Ao mesmo tempo que surgem dificuldades acrescidas para os estados e para o financiamento da protecção social na maior parte dos estados ocidentais e mais desenvolvidos, surgem, por uma questão natural e evolutiva, tendências no sentido de nos comprometermos, de nos responsabilizarmos em responder de novas formas a novas questões que nos vão surgindo. Eu, um pouco mais à frente, vou dar um exemplo ou dois sobre esta matéria, no que respeita a seguros; elenquei aqui os casos dos doentes com doenças como o SIDA ou como a Hepatite C, que são doenças terminais; os casos da dependência, que não é doença, que é uma coisa diferente, que afecta sobretudo as populações mais idosas e é um problema que vai ser cada vez mais recorrente nas nossas sociedades não é um problema de doença é um problema de, com a idade, algumas pessoas deixarem de ser capazes de ser autónomas no dia a dia, para desenvolverem as chamadas actividades da 7

9 vida diária, vestirem-se, lavarem-se, confeccionarem a comida, e portanto bastarem-se a si próprias; é um problema de quem acaba por precisar de apoios duma terceira pessoa e é, de facto, uma das questões que vai tomando cada vez mais peso nas nossas sociedades. E, a propósito de uma Lei que saiu recentemente, no dia 28 de Agosto e que entrou em vigor no dia seguinte, os problemas das pessoas com risco agravado de saúde, portadores de deficiências e que precisam de ter determinados tipos de apoios da sociedade, ao mesmo tempo que os recursos vão escasseando, a nossa evolução social vai sendo no sentido de prover respostas, ou querer prover respostas de uma forma cada vez mais abrangente para as novas necessidades que vão surgindo. Eu vou passar um pouco por cima das grandes linhas que estão em debate para a resolução destes assuntos. Hoje de manhã também já vimos isso com o Prof. Ribeiro Mendes, [6] a dicotomia entre soluções públicas e soluções privadas, entre soluções em repartição e capitalização. Muitas vezes associamse as soluções públicas a soluções em repartição (existe uma certa convergência, não é absolutamente assim), as soluções privadas a soluções em capitalização, ou a ideia de que temos que optar: ou há aqui uma exclusividade do Estado ou há uma complementaridade ou então há mais do que uma complementaridade, uma solução alternativa, ou é Estado ou é Privado, ponto final! Eu queria deixar apenas aqui uma ideia que foi abordada de manhã, e que penso que, provavelmente, no painel seguinte vai ser aflorada e eu gostava de me antecipar um bocadinho. Eu não concordo com a ideia, muito difundida nalguns quadrantes políticos e muito veiculada na comunicação social, de que repartição é sinónimo de solidariedade. Os sistemas em repartição não são necessariamente sistemas solidários, por vezes são mesmo muito pouco solidários, tudo depende da forma como eles estão considerados e, sobretudo, nem são solidários entre gerações, porque por vezes, estamos a criar um fardo demasiado pesado para as gerações que aí vêm (podemos estar a correr esse risco). Por outro lado, nem mesmo dentro da mesma geração: hoje no nosso país o peso das corporações é muito grande, provavelmente nunca o peso das corporações foi tão grande como, ironicamente, quando nós acabamos por 8

10 desmantelar o Estado Corporativo. E, portanto, sendo tão grande o peso das corporações hoje, as solidariedades são solidariedades sectoriais, os egoísmos são egoísmos sectoriais e nós não podemos ter a certeza de que mecanismos de repartição significam mecanismos de solidariedade. Em conclusão, em termos de perspectivas [7], diria mais uma vez, que não é possível nós cobrirmos todas as eventualidades, estarmos cobertos de todos os riscos com que nos defrontamos todos os dias; não é possível financiarmos de forma adequada permanente sistemática a cobertura da generalidade das eventualidades através de soluções públicas. E a razão porquê (voltaria apenas a ela), muito basicamente, [é que], mesmo que nós, como hoje também aqui foi referido, recuperássemos taxas de natalidade que nos permitissem a substituição de gerações (portanto 2,1 filhos por mulher durante o seu período fértil hoje estamos à volta de 1,4 ou 1,5), o que é que isso significava? Significava que tínhamos jovens a entrar no mercado de trabalho daqui a 25 anos, mas que, até lá, só significavam despesa. Que é um investimento, naturalmente, mas que é despesa do ponto de vista da Segurança Social. Portanto, nós temos que resolver, no mínimo, o problema dos próximos 25 anos; se resolvermos o problema da natalidade entretanto senão, a questão estende-se no tempo, provavelmente mais, dentro da lógica dos sistemas que hoje temos. Quanto à questão da produtividade, também já hoje aqui falada e que, de facto, é o problema básico da nossa economia, nas contas que tive a oportunidade de fazer sobre projecção da Segurança Social há dez anos, cheguei à conclusão de que para mantermos as taxas de substituição que temos e os níveis de contribuição que temos (que também, como já hoje vimos, são muito generosas no nosso país são um suicídio financeiro), com a demografia a actuar como tem vindo a actuar, precisávamos de acréscimos permanentes de produtividade; dos que ficam e continuam a trabalhar (cada vez menos face ao número daqueles que passam à situação de reforma), precisávamos de acréscimos de produtividade permanentes de 5% ao ano. Podemos perguntar o que é que isto significa. É muito? É pouco? Eu apenas direi que não encontrei registo histórico nenhum, nenhum período de 10, 15, 9

11 20 anos em que isto acontecesse, em nenhum país do mundo. Portanto acho que temos, de facto, que concluir que as coisas não são tão cor-de-rosa quanto às vezes nos querem fazer crer; também já vimos hoje de manhã essa questão. Eu gostava de referir, e como ponto de partida, a questão da [8] reforma da Segurança Social para colocar a questão, para situar o problema dos seguros. Esta é a terceira Lei em cinco anos: nós tivemos uma Lei durante dezasseis anos, vigorou até 2000, salvo erro desde 1984, tivemos uma Lei que durou mais de uma década e meia e esse Lei continha em si mesma tudo aquilo que era necessário para se fazer qualquer tipo de ajustamento; continha dois princípios básicos, que eram o da Convergência entre as Pensões e o Regime do Sector Público e o do Sector Privado, por um lado, e um dispositivo que dizia que o Governo pode adequar as formas de financiamento à evolução económica e social portanto estava lá tudo. Mas, durante o ano 2000, houve um grande debate que teve a grande virtude de permitir trazer para a opinião pública esta questão, que estava adormecida e sobre a qual ninguém queria falar; tínhamos eleições no fim do ano 2000 e esse debate saldou-se, de facto, por um fracasso. Ainda bem! Ainda bem, porque, naquela altura, perante problemas agravados e a necessidade de controlar a despesa e de, eventualmente, reforçar a receita, todos os partidos políticos o que propuseram foi exactamente o contrário: aumentar a despesa; e falar na receita, ninguém falou. Mais do que uma Lei de Bases, era um leilão, como eu costumava dizer na altura, porque era ver quem dava mais; ainda bem que não foi aprovada, porque teria sido um desastre, ainda maior do que a situação que nós temos hoje. E depois tivemos, em 2001, uma Lei que não tendo podido ser negociada pelo Governo minoritário socialista na altura, à direita (portanto dentro do arco do poder), foi negociada, à esquerda, com soluções ao arrepio de tudo aquilo que se estava a fazer na Europa e com a recuperação de terminologia revolucionária dos anos 1974; se quiseram passar uma vista de olhos por essa Lei, não deixa de ser curioso. Finalmente, e como não podia deixar de ser, esta Lei não só agravava as questões como era absolutamente inexequível; um Governo com outra orientação política revogou-a e tivemos uma Lei, salvo erro em 2002 entre 2002 e 2003, que não foi regulamentada e que previa um 10

12 sistema misto, com plafonamento, que acabou por não ser regulamentada. Chegados a este momento político, naturalmente, também como a orientação ideológica do actual Governo é diferente, a Lei foi posta em causa, mas foi posta em causa numa perspectiva diferente. De qualquer das maneiras enfrentou-se o problema e há, sobretudo, um significado de nós termos uma terceira Lei; uma terceira Lei ainda não temos, mas temos um acordo para aprovar uma Lei. E o significado é basicamente o seguinte: é que nós finalmente reconhecemos que o modelo não é sustentável; é isso o que significa a Lei actual, embora não se mexa no essencial do seu funcionamento, o que significa que é o reconhecimento de que o modelo não é sustentável. Não fora isso, não se teria mexido, tal como não se teria começado a mexer em Eu, pessoalmente, não acompanho as ideias de que haja uma grande coragem nas medidas que estão a ser tomadas; o problema é completamente diferente. Acabou-se-nos o dinheiro e acabou-se-nos o crédito; aliás, nós duplicamos o crédito que tínhamos: o deficit do Estado passou de 3% para 6%, chegou a 6% em vez de ser 3%; como podem imaginar, isto significa que nós até usámos o dobro do crédito que tínhamos disponível. Como se acabou o dinheiro e como se nos acabou o crédito, começámos a ter que resolver este assunto. Eu penso que, por aquilo que eu conheço do acordo, esta reforma significará uma meia reforma. É uma meia reforma porquê? Porque, através de um conjunto de medidas que vão ao encontro do essencial (podem ser criticadas dum lado e doutro) se faz um controlo da despesa através de mecanismos que reduzem o valor das pensões, quer das novas, quer das que já estão em pagamento através da actualização. É insuficiente porquê? Porque, tal como hoje de manhã foi dito, ao determinar-se uma redução no valor das pensões, devia criar-se um sistema eficaz de complementaridade que desse a oportunidade às pessoas de se precaverem contra essa perda e de, efectivamente, prepararem o seu futuro em termos complementares. Isso não acontece, apesar de no acordo estarem lá um conjunto de medidas, que são medidas que não vão, em meu entender, funcionar. Nem o segundo pilar, nem o terceiro pilar vão ser dinamizados por esta reforma. O que é que eu quero dizer com isto? Os Fundos de Pensões que se pretende apoiar, sem a 11

13 introdução do plafonamento, são inviáveis. O que nós estamos a dizer às pessoas, é que vocês sobre o vosso salário continuam a descontar e vai tudo para a Segurança Social, mas no entanto, se quiserem pôr mais alguma coisa, ponham e constituem fundos. E até não percebemos por que é que isso não acontece, porque até há incentivos fiscais; eu já ouvi os actuais responsáveis políticos da área da Segurança Social (qualquer deles) dizer rigorosamente isto: eu não tenho solução, mas estou aberto a propostas ; tenho muita dificuldade em perceber um responsável político que diz que não tem soluções e que fica onde está, mas isso é outra questão que tem a ver com a minha dificuldade em entender estas coisas. Portanto, a questão à volta dos Fundos de Pensões e do desenvolvimento do segundo Pilar é simples: sem plafonamento, com o grau de endividamento que as famílias e que as empresas têm neste momento em Portugal, nos próximos anos não há capacidade para poupança complementar, portanto os Fundos de Pensões, por muitos incentivos fiscais que existam, vão ter um desenvolvimento extraordinariamente limitado. Quanto ao terceiro Pilar, os P.P.R., as poupanças individuais, etc., aí sim; mas aí serão as pessoas com mais rendimentos que poderão ter acesso a eles e pouco mais. Penso que uma questão bizarra, a conta de uma conta individual pública, mesmo que seja entregue à gestão de privados, porque o que está por detrás disto é um conceito ideológico; aquilo que é privado é de desconfiar e aquilo que é público é de confiar. Ora, na minha opinião, neste momento, se há um problema de credibilidade, não é em relação aos privados, é em relação aos públicos. As pessoas andaram a ouvir dos responsáveis políticos, durante vinte anos, que não havia problema nenhum na Segurança Social, que as suas Pensões estavam garantidas e agora dizem-nos que afinal não estão: a taxa de substituição vai diminuir ao longo dos próximos tempos, as vossas Pensões vão reduzir, mas se quiserem, temos aqui um produto e vocês continuam a entregar-nos o vosso dinheiro adicional. Não estou a ver qual vai ser o português que vai entregar mais dinheiro a fundos públicos, quando, de facto, o problema da credibilidade, não é privado, é público. E portanto esta reforma é uma meia reforma, [ ] ela é importante mas é insuficiente. 12

14 Nós temos tido uma profusão legislativa numa área que devia estar estável por gerações, tivemos (como ouvimos aqui hoje de manhã) uma Lei [durante] mais de quinze anos, que não era necessário ser mudada, mas que acabou por ser objecto de duas alterações e uma terceira alteração, em cinco anos; estamos a caminho da terceira alteração e não vamos ficar por aqui, porque ela é manifestamente insuficiente. Nós só teremos estabilidade nesta matéria, quando os partidos políticos do arco do poder se entenderem sobre esta matéria. Ainda não foi o caso, infelizmente; é uma oportunidade perdida, portanto, dentro de dois anos ou dentro de seis anos; quando tivermos alternância governamental, vamos ter nova Lei de Bases da Segurança Social. Vou passar muito rapidamente [9] pela natureza da actividade seguradora. Todos vocês sabem que a sua natureza essencial é assumir riscos e receber riscos de terceiros. Funciona no mercado e em concorrência, no nosso enquadramento institucional e, em toda a Europa, não vamos esconder, tem por objectivo ganhar dinheiro. Portanto, não é assistência social, é uma actividade negocial; desempenha todavia uma função social importante, garante uma mutualização, parcial, dos riscos e portanto garante uma certa cobertura às pessoas numa situação em que o careçam. É objecto normalmente de uma percepção negativa. E porquê? Porque, por responsabilidades próprias, é muito hermética, tem conceitos que não consegue passar para fora, fecha-se demasiado, porventura, e depois, tem aquilo que eu costumo designar por um ciclo invertido. Nós, normalmente, nos outros serviços todos que nos são prestados, prestam-nos o serviço e nós pagamos depois. Mas nós, na actividade seguradora, temos o ciclo invertido: normalmente as pessoas pagam primeiro e depois talvez venham a receber. O depois, naturalmente, tem a ver com a situação que existe no sinistro, em que têm ou não têm condições para receber, mas isso cria sempre um contencioso entre as pessoas e a seguradora e, daí, esta percepção negativa que existe e que, em parte, tem a ver com a natureza da actividade e em parte tem a ver com o facto de nós, seguradores, não nos conseguirmos adaptar tão rapidamente quanto a evolução social o exigiria. Nós, no âmbito destas crescentes necessidades de protecção social, [10] quer no passado quer projectando-as para o futuro, podemos, ao longo da 13

15 vida de uma pessoa, ver quais são as principais necessidades de protecção que uma pessoa tem. Os jovens têm necessidade de protecção nas suas preocupações, designadamente com a educação; se os seus pais lhes faltam por algum motivo, há algum determinado tipo de apoio que os poderes públicos dão e que as seguradoras complementam, com produtos específicos que têm. Os adultos, sobretudo os jovens adultos, que podem ficar inválidos, têm pequenos apoios da Segurança Social; têm retribuições ainda porventura baixas no inicio da sua vida profissional e carreiras contributivas baixas aqui é outro ponto onde a Protecção Social pode e, porventura, deve ser complementada; em situação de doença e desemprego, a mesma coisa e, naturalmente, para os idosos, as situações de complemento de reforma e de financiamento da tal terceira pessoa nas situações de dependência, como referi, vão estar cada vez mais na ordem do dia. Portugal, a par talvez com a Bélgica e com a Finlândia, na Europa, é um país que tem uma situação específica em que, total ou parcialmente, a questão da gestão dos acidentes de trabalho foi entregue à actividade seguradora; já há várias décadas que isso acontece no nosso país e eu penso que tem sido um caso, não só um caso singular, como um caso em que o sector segurador tem respondido com razoável eficácia e com bom nível de qualidade de serviço, àquilo que, em muitos outros países é mais uma eventualidade coberta pela Segurança Social, a par do desemprego ou da doença, por exemplo. As seguradoras têm, de facto, alguma dificuldade de relacionamento com os seus segurados, com os seus clientes [11]; uma das questões está ao nível da transparência e só tem evoluído nesse sentido, quase sempre, por imposição do legislador. Ainda bem que essas imposições existem, na medida em que as pessoas têm que ser informadas, naturalmente, e têm que perceber aquilo que está em causa em cada uma das formas de contratualização que fazem. As seguradoras são muitas vezes tidas como empresas que procuram lucro, que têm grandes capitais, que são grandes investidores institucionais. E fala-se muito nos chorudos lucros das seguradoras. As seguradoras, para poderem garantir o essencial das responsabilidades que assumem com os seus segurados (e às vezes são responsabilidade a trinta e a quarenta anos), têm que constituir provisões, têm que constituir grandes 14

16 capacidades de capital. São os seus accionistas que as constituem de inicio e, para isso, têm que ser remunerados e uma parte dos lucros naturalmente tem que ir para aí, sob pena de não haver accionistas e não haver seguradora. Mas uma boa parte dos proveitos das seguradoras vai, em termos das regras de solvabilidade das empresas, que cada vez são mais rígidas (e estamos neste momento num processo até de uma muito maior exigência junto das seguradoras a nível internacional), para constituir provisões para responder às rendas [vendas] dos acidentes de trabalho, às pensões complementares de reforma e a muitos outros riscos que vão assumindo e para serem capazes de, em qualquer momento prover às necessidades dos seus segurados. Têm um papel, do meu ponto de vista, que será sempre de complementaridade em relação à protecção social. Continuo a pensar que a protecção social deve continuar a ser, no seu essencial e nos aspectos básicos, uma responsabilidade dos estados, mas os estados têm que recuar, por incapacidade financeira e por insuficiência de mecanismos de gestão, naqueles aspectos onde são financiadores e mesmo nalguns aspectos onde são prestadores. Tem vindo a haver e vai continuar a haver, um inevitável recuo dos estados, há aspectos de complementaridade em que, a par de outros, o sector segurador pode actuar. Tem que ser pró-activo não tem sido, no nosso país não tem sido e tem que voltar a ser. E eu, antes de terminar, gostava apenas de lhes referir um pouco um aspecto muito específico que tem a ver com a Lei recentemente aprovada pelo Parlamento, a Lei do apoio às pessoas com deficiência. No aspecto que tem a ver com os seguros, é uma Lei Geral, para apoiar os deficientes em muitos aspectos. No aspecto das barreiras arquitectónicas, do acesso ao emprego, às carreiras. Quanto à não discriminação, nesse aspecto, aquilo que foi mediatizado foi a contratualização do seguro. Tem, de facto, algumas medidas sobre essa matéria, redigidas de uma forma que, na sua leitura mais radical, naturalmente inviabilizavam a actuação da actividade seguradora, mas tem sobretudo esta curiosidade: o Governo não foi ouvido, o Ministério das Finanças não foi ouvido, o Instituto de Seguros de Portugal não foi ouvido, sobre esta matéria. Foi preparada no Parlamento e vem no sentido de, como referi há pouco, consagrar alguns direitos sociais um pouco mais além 15

17 do que está hoje, mas vem no sentido de que, na sua leitura mais radical, pode levar a dizer assim: as seguradoras têm de aceitar todos os seguros de toda a gente, incluindo seguros de vida que cubram caso de morte de doentes terminais, que se sabe que têm um, dois meses de vida e que não pode de maneira nenhuma ser rejeitado. Naturalmente que isto impediria a actividade das seguradoras; há riscos que são riscos que têm que ser resolvidos no âmbito da função redistributiva do Estado e não ser passados para outras [entidades]. Mas há muitas soluções que hoje estão em evolução por essa Europa fora, há mecanismos de mutualização de alguns destes aspectos, entre seguradores; o próprio Estado, onde se vão criando fundos para responder a casos de necessidades adequadas de doentes terminais, doentes com SIDA, portadores de Hepatite C, que nós hoje, em conjunto, vamos vendo ser objecto de legislação específica. E penso que também aqui, em conjunto com os poderes públicos, a actividade seguradora pode dar uma achega importante. Já vimos quais são os principais desafios, [12/13] quer em termos de risco, quer em termos de quebra de rendimentos, mas já vimos também, e eu antecipei-me um pouco quando queria dizer há limites! Há limites e estes têm que ser entendidos: o Estado Social está sem dinheiro, tem vindo a ensaiar [acordos??] para os hospitais, para construção de auto-estradas; o problema não está nos acordos, está no cumprimento desses acordos a prazo, porque os privados para desonerarem o Estado de despesas de investimento que o Estado não pode ou não tem capacidade neste momento para suportar, precisam de ter garantias de retorno a prazo, no âmbito da exploração dessas infraestruturas, de que aquilo que vão investir acabam por recuperar, com uma margem e não é liquido que isso aconteça no futuro, pelo que há aqui riscos que se estão a correr, sobretudo se estas parcerias forem encaradas, não como uma forma de reconversão ideológica e dissermos assim a actividade privada interessa, tem interesse social, é relevante e vamos basear-nos nela, se for assim, pode ser que tenhamos um caminho para trilhar em conjunto, mas se não for assim, se for apenas eu não tenho dinheiro vou buscá-lo aos privados e depois volto a recuperar o controlo destas situações, porque o Estado é que 16

18 tem de prover a tudo, estamos a entrar por um mau caminho, que dará certamente maus resultados. As seguradoras por vezes respondem, por vezes têm dificuldades em responder. Na última década e meia houve tendências, por exemplo, para exagerar nos seguros obrigatórios de responsabilidade civil, que eram necessários para tudo e mais alguma coisa e que se impunham às seguradoras sem qualquer consideração por aquilo que é a natureza da actividade seguradora. Só para lhes dar um último exemplo: em 1993 houve uma intenção de criar um seguro de saúde; só que o seguro de saúde era alternativo; o que é que significa isso? alternativo por oposição ao complementar: quando nós queremos um seguro de saúde para apoiar as pessoas num conjunto de coberturas, mas há outras que não podemos cobrir, são aquelas que, de facto, de acordo com a nossa actividade, não eram até há pouco tempo susceptíveis de cobertura, como um doente com SIDA ou um doente com Hepatite C ou um doente com uma doença qualquer terminal e que compete bastante mais aos estados do que às actividades privadas, através da função distributiva, fazê-lo. Em 1993, tentou-se um seguro alternativo, que era: as pessoas fazem aquilo que se designa por opting out, ou seja, deixam de estar no sistema geral de saúde, passam para um seguro de uma seguradora qualquer, mas a seguradora tem de assegurar tudo, todos os riscos de doença, sem qualquer excepção. Resultado: em 1993, não houve uma única, das mais de cem seguradoras a operar no mercado português, que pegasse numa coisa que era, na altura, pelo menos manifestamente inseguro. Portanto, há limites, embora se possa ir mais longe do que nós temos ido até agora e com alguma responsabilidade nossa. Simplesmente, se as seguradoras forem obrigadas a assumir determinados riscos (que não são riscos, são certezas), o que vai acontecer é que os prémios dos seguros para aquelas pessoas que têm riscos médios, digamos assim, vão ser agravados, para as seguradoras poderem suportar os outros riscos adicionais. E aqui estaríamos a fazer, mais uma vez, uma operação pouco adequada, que era a de estarmos a transferir, da responsabilidade do Estado, para as casas seguradoras ou para outra entidade qualquer, um aspecto essencial da sua função redistributiva. Nós, ao 17

19 aumentarmos um prémio, não estávamos a aumentar o prémio, estávamos, em colaboração com o Estado, a impor um imposto escondido, para suportar algo que devia ser da responsabilidade do próprio Estado. Apenas meio minuto mais para terminar. A actividade seguradora tem, de facto, uma responsabilidade social, tem objectivos lucrativos, sem dúvida, [14] mas desempenha, tem desempenhado e pode continuar a desempenhar, uma actividade com muito interesse social e vai fazê-lo certamente de forma acrescida nos próximos anos, face a todo o enquadramento do Estado Social que nós conhecemos; ao mesmo tempo que há um conjunto de desafios, há um conjunto de oportunidades, oxalá que nós, em conjunto, as consigamos desenvolver. Através de um diálogo construtivo, estou convencido de que sim; tal como vos tinha dito no inicio, eu sou muito crítico da forma como muitas decisões foram sendo tomadas ou adiadas ao longo dos últimos vinte anos, mas sou optimista na medida em nós funcionamos bem sob stress e vamos estar sob stress durante muitos dos próximos anos, felizmente para nós. 18 Muito obrigado pela vossa atenção

20 Dr. José Santos Teixeira 2 Os Fundos de Pensões: A participação nos lucros das 19 empresas [Agradecimentos ] Tenho um certo direito a estar aqui num encontro mutualista, porque a minha empresa é a única (julgo) gestora de Fundos de Pensões que tem no Capital Social dois sindicatos: o Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil e o Sindicato dos Quadros e Técnicos Bancários. Portanto, em certa medida somos uma instituição mutualista. Portanto, vou falar sobre os Fundos de Pensões, [01] tentando introduzir uma inovação, que é o seu financiamento através dos lucros das empresas. Ouvi dizer, já depois de ter feito a minha apresentação, que o Dr. Francisco Louçã falou em qualquer coisa deste tipo (não sei, não ouvi), mas na realidade esta é uma ideia perfeitamente normal: não se pode ir buscar dinheiro onde não há, mas aos lucros das empresas, [onde] ainda há algum e talvez as empresas estejam interessadas em motivar os seus colaboradores através, exactamente, da criação de fundos de pensões a partir dos lucros das empresas. Isto nem é nada de novo, porque em França (onde eu vivi trinta anos, aproximadamente), desde o General De Gaule que há participation, antérressement, participation benefice há três esquemas, há falta de um, há três esquemas de participação nos resultados das empresas, sem fundos de pensões. Para começar eu fiz apelo ao Gandhi, [02] que não falava nisto a propósito da segurança social, mas efectivamente penso que se apresenta também ao tema que estamos a abordar. Também não vou dizer-vos que a 2 Transcrição a partir de gravação. Texto editado. Esta comunicação foi apoiada pela projecção de imagens em power point. Incluímos no texto indicação das imagens relativas a algumas das afirmações produzidas.

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Seminário. Orçamento do Estado 2016. 3 de Dezembro de 2015. Auditório da AESE. Discurso de abertura

Seminário. Orçamento do Estado 2016. 3 de Dezembro de 2015. Auditório da AESE. Discurso de abertura Seminário Orçamento do Estado 2016 3 de Dezembro de 2015 Auditório da AESE Discurso de abertura 1. Gostaria de dar as boas vindas a todos os presentes e de agradecer à AESE, na pessoa do seu Presidente,

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

Várias Publicações. LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado

Várias Publicações. LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado 17-03-2006 13:11:00. Fonte LUSA. Notícia SIR-7829164 Temas: economia portugal finanças sociedade LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado DATA:. ASSUNTO: Conferência

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012 NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Nome da Equipa GMR2012 Alexandre Sousa Diogo Vicente José Silva Diana Almeida Dezembro de 2011 1 A crise vista pelos nossos avós

Leia mais

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica.

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «O QUE FAZER POR PORTUGAL? MEDIDAS PARA ULTRAPASSAR A CRISE», SOB O TEMA «AS PESSOAS E AS EMPRESAS

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

O pacote de austeridade que Paulo Portas e Maria Luísa Albuquerque esconderam aos portugueses

O pacote de austeridade que Paulo Portas e Maria Luísa Albuquerque esconderam aos portugueses Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt O pacote de austeridade que Paulo Portas e Maria Luísa Albuquerque esconderam aos portugueses A conferência de imprensa realizada por Paulo Portas e pela

Leia mais

Entrevista com Tetrafarma. Nelson Henriques. Director Gerente. Luísa Teixeira. Directora. Com quality media press para Expresso & El Economista

Entrevista com Tetrafarma. Nelson Henriques. Director Gerente. Luísa Teixeira. Directora. Com quality media press para Expresso & El Economista Entrevista com Tetrafarma Nelson Henriques Director Gerente Luísa Teixeira Directora Com quality media press para Expresso & El Economista Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As

Leia mais

NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS DE RESPONDER A UMA SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA. A UM PROGRAMA DE EMERGÊNCIA FINANCEIRA, SOUBEMOS RESPONDER COM A CRIAÇÃO DE UM

NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS DE RESPONDER A UMA SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA. A UM PROGRAMA DE EMERGÊNCIA FINANCEIRA, SOUBEMOS RESPONDER COM A CRIAÇÃO DE UM DISCURSO PROGRAMA DE GOVERNO 9.11.2015 MSESS PEDRO MOTA SOARES - SÓ FAZ FÉ VERSÃO EFECTIVAMENTE LIDA - SENHOR PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA SENHORAS E SENHORES DEPUTADOS NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto.

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. <Os Inovadores> <Escola Profissional Atlântico> NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Dezembro de 2011 1 A

Leia mais

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal José Luís Albuquerque Subdirector-Geral do Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social (MTSS) VIII

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas.

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas. Senhor Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Dr. José Azevedo Rodrigues; Senhor Vice-Presidente do Conselho Diretivo da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas e Presidente da Comissão Organizadora

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Entrevista com Clínica Maló. Paulo Maló CEO. www.clinicamalo.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA

Entrevista com Clínica Maló. Paulo Maló CEO. www.clinicamalo.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA Entrevista com Clínica Maló Paulo Maló CEO www.clinicamalo.pt Com quality media press para LA VANGUARDIA Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As respostas que aqui figuram em linguagem

Leia mais

A Sustentabilidade do Sistema de Segurança Social Português

A Sustentabilidade do Sistema de Segurança Social Português UNIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE ECONOMIA A Sustentabilidade do Sistema de Segurança Social Português Carlos M. Pereira da Silva Catedrático do ISEG 26 de Maio de 2006 1. Do Livro Branco da Segurança

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

Declaração ao país. António José Seguro. 19 de Julho de 2013. Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que:

Declaração ao país. António José Seguro. 19 de Julho de 2013. Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que: Declaração ao país António José Seguro 19 de Julho de 2013 Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que: Não houvesse mais cortes nas reformas e nas pensões Não houvesse mais despedimentos na função

Leia mais

A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR. Palestrante: Manuel Moreira

A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR. Palestrante: Manuel Moreira A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR Palestrante: Manuel Moreira OBJECTIVOS DA SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem o fim primordial de libertar os membros da sociedade das preocupações

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 MENSAGEM DE ANO NOVO Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 Portugueses No primeiro dia deste Novo Ano, quero dirigir a todos uma saudação amiga e votos de boa saúde e prosperidade. Penso especialmente

Leia mais

José Epifânio da Franca (entrevista)

José Epifânio da Franca (entrevista) (entrevista) Podemos alargar a questão até ao ensino secundário Eu diria: até à chegada à universidade. No fundo, em que os jovens já são maiores, têm 18 anos, estarão em condições de entrar de uma maneira,

Leia mais

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO MARKETING SOCIAL DESENVOLVIDO PELA CÁRITAS EM PARCERIA COM A IPI CONSULTING NETWORK PORTUGAL As virtualidades da interação entre a economia social e o empreendedorismo

Leia mais

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO J. Silva Lopes IDEFF, 31 de Janeiro de 2011 1 O ENDIVIDAMENTO PERANTE O EXTERIOR Posições financeiras perante o

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. 2+2 Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. 2+2 Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto 2+2 Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas Anita Santos Diogo Gautier Helena Santos Eurico Alves Dezembro de 2011 1 A Crise Atual:

Leia mais

A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1

A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1 A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1 A BANCA PAGA METADE DA TAXA DE IRC, AS REMUNERAÇÕES DOS TRABALHADORES REPRESENTAM APENAS

Leia mais

Como trazer um Business Angel para seu parceiro de negócio

Como trazer um Business Angel para seu parceiro de negócio INTRODUÇÃO Como trazer um Business Angel para seu parceiro de negócio Actuando na maioria das vezes na fase inicial de um projecto, a aproximação e a negociação com os B.A assumem por vezes contornos que

Leia mais

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS QUE OPORTUNIDADES PÓS-LICENCIATURA ESPERAM? EXPECTATIVAS QUE INQUIETAÇÕES TÊM OS ALUNOS DE DC? MADALENA : M QUAL É A TUA PERSPECTIVA DO MERCADO

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL Gabinete do Presidente

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL Gabinete do Presidente Diário da Sessão n.º 070 de 18/03/03 Presidente: Passamos ao ponto seguinte da nossa ordem de trabalhos Proposta de Decreto Legislativo Regional que aplica à Região Autónoma dos Açores o Decreto-Lei nº

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES SESSÃO PLENÁRIA DE 11 a 13 NOVEMBRO DE 2002 Intervenção do Deputado Cabral Vieira

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES SESSÃO PLENÁRIA DE 11 a 13 NOVEMBRO DE 2002 Intervenção do Deputado Cabral Vieira ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES SESSÃO PLENÁRIA DE 11 a 13 NOVEMBRO DE 2002 Intervenção do Deputado Cabral Vieira O Plano e o Orçamento constituem documentos de grande importância para a economia

Leia mais

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS Há um ano, o XIX Governo constitucional iniciou funções com o País submetido a um Programa de Ajustamento Financeiro e Económico (PAEF) tornado inevitável perante a iminência

Leia mais

Quais as principais diferenças entre um seguro de vida individual e um seguro de vida de grupo?

Quais as principais diferenças entre um seguro de vida individual e um seguro de vida de grupo? SEGURO VIDA Que tipo de seguros são explorados no ramo vida? A actividade do ramo Vida consiste na exploração dos seguintes seguros e operações: Seguro de Vida, Seguro de Nupcialidade /Natalidade, Seguro

Leia mais

A ALTA VELOCIDADE EM PORTUGAL::- sem viabilidade económica e financeira

A ALTA VELOCIDADE EM PORTUGAL::- sem viabilidade económica e financeira A Alta Velocidade em Portugal Pág. 1 A ALTA VELOCIDADE EM PORTUGAL::- sem viabilidade económica e financeira RESUMO DESTE ESTUDO No dia 15.6.2009 realizou-se na Assembleia da República um colóquio parlamentar

Leia mais

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer?

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? 15º Congresso Português De Gerontologia Social Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? Dia: 28/11/13 Envelhecimento em Portugal Portugal, de acordo com os Censos 2011, apresenta um quadro

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal

Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal 1. Fundamento A reforma na Suíça apoia se em três pilares, a saber a AHV ("Eidgenössische Invaliden und Hinterlassenenverswicherung"

Leia mais

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt)

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt) Esterofoto Geoengenharia SA Álvaro Pombo Administrtador (www.estereofoto.pt) Q. Conte-nos um pouco da historia da empresa, que já tem mais de 30 anos. R. A Esterofoto é uma empresa de raiz, a base da empresa

Leia mais

Transcrição da Teleconferência de Resultados do 2T14 Q&A SULAMÉRICA

Transcrição da Teleconferência de Resultados do 2T14 Q&A SULAMÉRICA Transcrição da Teleconferência de Resultados do 2T14 Q&A SULAMÉRICA Vamos agora iniciar a sessão de perguntas e repostas. Nossa primeira pergunta vem do Senhor do Bradesco. Por favor, você pode ir em frente.,

Leia mais

INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por ser filho de pais portugueses?

INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por ser filho de pais portugueses? Transcrição da entrevista: Informante: nº15 Célula: 5 Data da gravação: Agosto de 2009 Geração: 2ª Idade: 35 Sexo: Masculino Tempo de gravação: 10.24 minutos INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por

Leia mais

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Meio século pode ser um tempo relativamente curto em termos históricos, mas é um tempo suficiente para provocar

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00 HORAS DE 01.01.13 --- Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2013 --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00

Leia mais

A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009

A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009 STPT Sindicato dos Trabalhadores 1 do Grupo Portugal Telecom Fundamentação Económica A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009 A proposta de revisão do AE/PT-C que para efeitos de negociação

Leia mais

Um poderoso instrumento de mudança

Um poderoso instrumento de mudança Um poderoso instrumento de mudança José Tribolet Professor Catedrático de Sistemas de Informação do Instituto Superior Técnico Presidente do INESC, Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores Há

Leia mais

O Papel Central das Reformas Estruturais no Programa Economico do Portugal. por Hossein Samiei. Conselheiro, Departamento Europeu do FMI

O Papel Central das Reformas Estruturais no Programa Economico do Portugal. por Hossein Samiei. Conselheiro, Departamento Europeu do FMI O Papel Central das Reformas Estruturais no Programa Economico do Portugal por Hossein Samiei Conselheiro, Departamento Europeu do FMI Conferência Sobre Reformas Estruturais no Contexto do Programa de

Leia mais

RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS. Série Estudos nº10

RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS. Série Estudos nº10 RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS Luís Portugal Série Estudos nº10 2 de Março de 2010 Actuarial - Consultadoria 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. EVOLUÇÃO DOS ÍNDICES... 3 3. RENTABILIDADE E

Leia mais

Dicas. para Sair. das Dívidas DEFINITIVAMENTE. Elton Parente. Com Estratégias de Kim e Robert Kyosaki

Dicas. para Sair. das Dívidas DEFINITIVAMENTE. Elton Parente. Com Estratégias de Kim e Robert Kyosaki 10 Dicas para Sair DEFINITIVAMENTE das Dívidas Com Estratégias de Kim e Robert Kyosaki Elton Parente Lições de Kim e Robert Kyosaki sobre Como Sair das Dívidas A seguir estão os 10 passos que Kim e Robert

Leia mais

Algumas Noções sobre Desconto e Capitalização

Algumas Noções sobre Desconto e Capitalização Algumas Noções sobre Desconto e Capitalização Introdução O desconto é um dos mais importantes, e também dos mais difíceis, conceitos em economia. Através das taxas de juro, as questões do desconto atravessam

Leia mais

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO 13.3.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 68/3 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 11 de Março de 2009 que altera a Directiva 94/19/CE relativa aos sistemas de garantia

Leia mais

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 A Dívida Paga-se Sempre Teodora Cardoso A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 Teodora Cardoso As Duas Faces da Dívida Usada com moderação e sentido do risco, a dívida é um factor de desenvolvimento e promove o bem-estar.

Leia mais

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos?

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa 18 de Novembro Maria Margarida Corrêa de Aguiar margaridacorreadeaguiar@gmail.com TÓPICOS DEFINIÇÕES

Leia mais

Nota Técnica. Sobre a sustentabilidade dos sistemas de proteção social

Nota Técnica. Sobre a sustentabilidade dos sistemas de proteção social Nota Técnica Sobre a sustentabilidade dos sistemas de proteção social Tal como sucedeu com a maior parte dos regimes de proteção social da Europa, também o sistema português evoluiu de um regime de seguros

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 4

Transcrição de Entrevista nº 4 Transcrição de Entrevista nº 4 E Entrevistador E4 Entrevistado 4 Sexo Masculino Idade 43 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante o

Leia mais

Orçamento do Estado 2016 Uma Perspectiva Pessoal

Orçamento do Estado 2016 Uma Perspectiva Pessoal Aese Orçamento do Estado 2016 Uma Perspectiva Pessoal Quando o Fórum para a Competitividade me convidou para esta intervenção, na qualidade de empresário, já se sabia que não haveria Orçamento de Estado

Leia mais

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia Mário Pinto Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia 1. O funcionamento da organização sindical portuguesa é muito frequentemente qualificado de deficiente. Excluindo afirmações de circunstância,

Leia mais

A CRISE FINANCEIRA E AS GRANDES OBRAS PÚBLICAS

A CRISE FINANCEIRA E AS GRANDES OBRAS PÚBLICAS A CRISE FINANCEIRA E AS GRANDES OBRAS PÚBLICAS Eduardo Catroga 0. INTRODUÇÃO Vou analisar as questões principais seguintes: 1. QUAIS AS QUESTÕES ESTRATÉGICAS CHAVE DA ECONOMIA PORTUGUESA? 2. O QUE É QUE

Leia mais

2 1,2 1,3 2,5 2 3,2 3 0,5-4,2 1,8 1,3% 1,9 0,9 0,8 2,2 1,7 3,1 2,9 0,4-4,1 1,8 1,16%

2 1,2 1,3 2,5 2 3,2 3 0,5-4,2 1,8 1,3% 1,9 0,9 0,8 2,2 1,7 3,1 2,9 0,4-4,1 1,8 1,16% A SITUAÇÃO ACTUAL É MAIS GRAVE DO QUE EM 1977/78 E EM 1983/84 POR PORTUGAL PERTENCER À ZONA EURO E NESTA DOMINAR UMA POLITICA NEOLIBERAL DE SUBMISSÃO AOS MERCADOS. Um erro grave é confundir a situação

Leia mais

Semelhanças entre os Hospitais SA e os Hospitais EPE Pág. 1

Semelhanças entre os Hospitais SA e os Hospitais EPE Pág. 1 Semelhanças entre os Hospitais SA e os Hospitais EPE Pág. 1 A TRANSFORMAÇÃO DOS HOSPITAIS SA EM HOSPITAIS EPE, A PRIVATIZAÇÃO DA SAÚDE EM PORTUGAL E O PROGRAMA DO GOVERNO PS PARA A ÁREA DA SAÚDE RESUMO

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22 MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA 1/22 INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE DA ACTIVIDADE DA EMPRESA... 4 ESTRUTURA DE CUSTOS... 7 VALOR ACRESCENTADO BRUTO... 7 ANÁLISE DOS FLUXOS DE TESOURARIA... 9 ANÁLISE DOS

Leia mais

NOS@EUROPE. Anexo I. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Gestoras Escola Secundária com 3º CEB do Fundão

NOS@EUROPE. Anexo I. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Gestoras Escola Secundária com 3º CEB do Fundão Anexo I NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Gestoras Escola Secundária com 3º CEB do Fundão Ana Maria Ribeiro da Cruz Diana Patrícia Henriques Fernandes Joana Catarina

Leia mais

COMO GERIR A OFICINA EM TEMPOS DE CRISE? e as oficinas têm de se adaptar às novas

COMO GERIR A OFICINA EM TEMPOS DE CRISE? e as oficinas têm de se adaptar às novas COMO GERIR A OFICINA EM TEMPOS DE CRISE? 1 1 Com esta crise, já não há filas à porta das oficinas, nem listas de marcações com vários dias de espera. Era bom, era, mas já foi! Os tempos são de mudança

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI)

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) II 1 Indicadores Desqualificação Não poder fazer nada do que preciso, quero fazer as coisas e não posso ; eu senti-me velho com 80 anos. Aí é que eu já

Leia mais

Transcrição da entrevista aos Stakeholders realizada no dia 16 de junho de 2014 no âmbito do Mestrado em Educação e Comunicação Multimédia.

Transcrição da entrevista aos Stakeholders realizada no dia 16 de junho de 2014 no âmbito do Mestrado em Educação e Comunicação Multimédia. Transcrição da entrevista aos Stakeholders realizada no dia 16 de junho de 2014 no âmbito do Mestrado em Educação e Comunicação Multimédia. Q1. Na sua opinião, quais são as principais motivações que podem

Leia mais

Terça-feira, 5 de Maio de 2015 I Série A Número 2. da Assembleia Nacional REUNIÃO DA 3.ª COMISSÃO ESPECIALIZADA PERMANENTE DE 4 DE MAIO DE 2015

Terça-feira, 5 de Maio de 2015 I Série A Número 2. da Assembleia Nacional REUNIÃO DA 3.ª COMISSÃO ESPECIALIZADA PERMANENTE DE 4 DE MAIO DE 2015 Terça-feira, 5 de Maio de 2015 I Série A Número 2 DIÁRIO da Assembleia Nacional X LEGISLATURA (2014-2018) 2.ª SESSÃO LEGISLATIVA REUNIÃO DA 3.ª COMISSÃO ESPECIALIZADA PERMANENTE DE 4 DE MAIO DE 2015 Presidente:

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO SOBRE REGIME DE CAPITALIZAÇÃO PÚBLICA PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS (REPORTADO A 25 DE MAIO DE 2012) O presente Relatório

Leia mais

Comemorações do 35º Aniversário do Banco de Cabo Verde. Conferência internacional sobre A mobilização de oportunidades no pós-crise

Comemorações do 35º Aniversário do Banco de Cabo Verde. Conferência internacional sobre A mobilização de oportunidades no pós-crise Comemorações do 35º Aniversário do Banco de Cabo Verde Conferência internacional sobre A mobilização de oportunidades no pós-crise Senhora Ministra das Finanças, Senhores Representantes Diplomáticos, Senhores

Leia mais

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo A mulher e o trabalho nos Piedade Lalanda Grupo Parlamentar do Partido Socialista A data de 8 de Março é sempre uma oportunidade para reflectir a realidade da mulher na sociedade, apesar de estes dias

Leia mais

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas?

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas? Que Private Label na Era das Marcas? Vila Nova de Famalicão, 26 de Novembro de 2008 Manuel Sousa Lopes Teixeira 1 2 INTELIGÊNCIA TÊXTIL O Sector Têxtil e Vestuário Português e o seu enquadramento na Economia

Leia mais

Quero, também, que os Estaleiros Navais de Viana do Castelo sejam capazes de colocar no exterior noutros mercados, projectos

Quero, também, que os Estaleiros Navais de Viana do Castelo sejam capazes de colocar no exterior noutros mercados, projectos DECLARAÇÕES AOS JORNALISTAS DO MINISTRO PAULO PORTAS, EM VIANA DO CASTELO, APÓS REUNIÕES DE TRABALHO COM O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E COM A COMISSÃO DE TRABALHADORES DOS ESTALEIROS NAVAIS DE VIANA DO

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO FISCAL N.º 1/2009 JAN/FEV 2009 INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO Nuno Sampayo Ribeiro No Conselho de Ministros de 13 de Dezembro de 2008 foi aprovado um reforço do investimento público. O qual será

Leia mais

Requisitos para um bom Testamento vital *

Requisitos para um bom Testamento vital * Requisitos para um bom Testamento vital * DANIEL SERRÃO Professor Convidado do Instituto de Bioética da UCP 1. Sem qualquer fundamento, sou considerado como um opositor a que haja uma lei que regule as

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente

Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente Lisboa, 10 de Outubro de 2015 Na sequência da reunião mantida no dia 9 de Outubro de 2015, e com vista a permitir a avaliação

Leia mais

INTRODUÇÃO. Fui o organizador desse livro, que contém 9 capítulos além de uma introdução que foi escrita por mim.

INTRODUÇÃO. Fui o organizador desse livro, que contém 9 capítulos além de uma introdução que foi escrita por mim. INTRODUÇÃO LIVRO: ECONOMIA E SOCIEDADE DIEGO FIGUEIREDO DIAS Olá, meu caro acadêmico! Bem- vindo ao livro de Economia e Sociedade. Esse livro foi organizado especialmente para você e é por isso que eu

Leia mais

Recupere a saúde financeira e. garanta um futuro tranquilo Reitoria da UNESP, 13/05/2015

Recupere a saúde financeira e. garanta um futuro tranquilo Reitoria da UNESP, 13/05/2015 Recupere a saúde financeira e garanta um futuro tranquilo Reitoria da UNESP, 13/05/2015 Objetivo geral Disseminar conhecimento financeiro e previdenciário dentro e fora da SP-PREVCOM buscando contribuir

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

A acção executiva e o utente da justiça

A acção executiva e o utente da justiça A acção executiva e o utente da justiça A morosidade dos tribunais tornou-se num lugar-comum que, como tal, desculpa muitas das deficiências do sistema judicial. A morosidade passou, assim, a ser tomada

Leia mais

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE V EUROSAI/OLACEFS CONFERENCE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A V Conferência EUROSAI/OLACEFS reuniu, em Lisboa, nos dias 10 e 11 de Maio de

Leia mais

Valor: Qual a fatia de investidores da América Latina no ESM?

Valor: Qual a fatia de investidores da América Latina no ESM? Entrevista com Klaus Regling, Diretor Executivo do Mecanismo Europeu de Estabilidade (ESM) Valor Econômico, 16 de julho de 2013 Valor: Por que buscar investidores no Brasil agora? Klaus Regling: Visitamos

Leia mais

A visão Social da Previdência Complementar. Palestrante: Henda Mondlane F. da Silva

A visão Social da Previdência Complementar. Palestrante: Henda Mondlane F. da Silva A visão Social da Previdência Complementar Palestrante: Henda Mondlane F. da Silva Protecção Social Obrigatória vs Protecção Social Complementar As alterações efectuadas nos últimos anos ao Regime da Segurança

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1

As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1 As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1 AS DIVIDAS DAS EMPRESAS À SEGURANÇA SOCIAL DISPARAM COM O GOVERNO DE SÓCRATES: - só em 2006 a Segurança Social perdeu

Leia mais

Sérgio Carvalho Matemática Financeira Simulado 02 Questões FGV

Sérgio Carvalho Matemática Financeira Simulado 02 Questões FGV Sérgio Carvalho Matemática Financeira Simulado 02 Questões FGV Simulado 02 de Matemática Financeira Questões FGV 01. Determine o valor atual de um título descontado (desconto simples por fora) dois meses

Leia mais

Segurar a Segurança Social - Soluções para uma sociedade em envelhecimento

Segurar a Segurança Social - Soluções para uma sociedade em envelhecimento Segurar a Segurança Social - Soluções para uma sociedade em envelhecimento I - INTRODUÇÃO Um dos principais desafios que se colocam para o futuro da sociedade europeia, assim como da portuguesa, é encontrar

Leia mais

Dicas para investir em Imóveis

Dicas para investir em Imóveis Dicas para investir em Imóveis Aqui exploraremos dicas de como investir quando investir e porque investir em imóveis. Hoje estamos vivendo numa crise política, alta taxa de desemprego, dólar nas alturas,

Leia mais

EM PORTUGAL REFORMAS E PENSÕES. PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo

EM PORTUGAL REFORMAS E PENSÕES. PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo REFORMAS E PENSÕES EM PORTUGAL PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo 20 de Fevereiro de 2014 Quem Somos > Os Nossos Valores > Ativos Sob Gestão

Leia mais

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS Planificação Anual Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência Direcção Regional de Educação do Centro Equipa de Apoio às Escolas - Leiria ANO LECTIVO - 2010/ 2011 ÁREA DISCIPLINAR DE ECONOMIA E

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, 2011-16. J. Silva Lopes

PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, 2011-16. J. Silva Lopes PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, 2011-16 J. Silva Lopes IDEFF, 4 de Julho de 2011 1 Título do Painel: Que futuro para Portugal Esta apresentação: Perspectivas para a economia portuguesa 2011-16

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

Conferência o OE para 2016 CIDEEFF Faculdade de Direito de Lisboa 25 de fevereiro de 2016

Conferência o OE para 2016 CIDEEFF Faculdade de Direito de Lisboa 25 de fevereiro de 2016 Conferência o OE para 2016 CIDEEFF Faculdade de Direito de Lisboa 25 de fevereiro de 2016 Nazaré da Costa Cabral Professora Associada da Faculdade de Direito de Lisboa Boa tarde, antes de mais nada, os

Leia mais

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores.

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. Aqui, a gente tem uma apresentação muito importante, e

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013/2014 ECONOMIA A (10º ANO) Página 1 de 10 Finalidades da disciplina de Economia A, no conjunto dos dois anos da sua leccionação: Perspectivar a Economia

Leia mais

Financiando as empresas Resolvendo problemas de tesouraria Salvando empresas em dificuldades financeiras, mas economicamente viáveis.

Financiando as empresas Resolvendo problemas de tesouraria Salvando empresas em dificuldades financeiras, mas economicamente viáveis. Exma Sra Presidente, Exmos Srs membros do Governo Sras e Senhores Deputados Reunimo-nos hoje para debatermos 10 propostas do PS para ajudarmos as empresas a criarem novos postos de trabalho e a preservarem

Leia mais