FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS: A EXPERIÊNCIA DAS ORGANIZAÇÕES NÃO-GOVERNAMENTAIS NA GESTÃO DAS ÁGUAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO GUARAPIRANGA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS: A EXPERIÊNCIA DAS ORGANIZAÇÕES NÃO-GOVERNAMENTAIS NA GESTÃO DAS ÁGUAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO GUARAPIRANGA."

Transcrição

1 EPEA de 15 FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS: A EXPERIÊNCIA DAS ORGANIZAÇÕES NÃO-GOVERNAMENTAIS NA GESTÃO DAS ÁGUAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO GUARAPIRANGA. REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. Virgínia Baglini Chiaravalloti PUC Campus de São Paulo palavras-chave: Redes sociais; ONGs; Bacia hidrográfica do Guapiran Resumo: Este artigo apresenta os principais resultados de uma pesquisa sobre a atuação de uma rede de ONGs na região da bacia hidrográfica do Guarapiranga, no período entre , quando foram constituídas parcerias com o Programa de Saneamento Ambiental e, posteriormente, com a cooperação italiana para o desenvolvimento de ações em educação ambiental com a comunidade local. Para compreender o processo de interlocução entre os diferentes atores envolvidos, recuperamos os antecedentes das práticas associativistas e aspectos recorrentes desde a sua emergência, e que, ainda hoje, estão na pauta de discussão das ONGs, como a formação de parcerias, financiamento, a capacidade de inserção nas esferas de decisão e a constituição de um projeto político no interior do movimento. CREATION OF SOCIAL NETWORKS: THE EXPERIENCE OF NON- GOVERNMENTAL ORGANISATIONS IN THE MANAGEMENT OF WATER IN THE GUARAPIRANGA DRAINAGE BASIN, IN THE CITY OF SÃO PAULO. keywords: social networks; NGOs; Guarapiranga drainage basin Abstract: This article presents the main results of a survey on the performance of a network of non-governmental organisations (NGOs) in the region of the Guarapiranga drainage basin. The survey was conducted in the period from 1994 to 1998, when partnerships with the Environmental Sanitation Program, and subsequently with the Italian Co-operation, were constituted with the purpose of developing environmental education in the local community. To properly understand the dialogue between the parties involved, the authors researched background pertaining to the related associative practices, as well as the recurrent aspects of this dialogue, which to this day are part of the NGOs agendas. The consummation of partnerships, financing, the ability of insertion into the spheres of decision, and the implementation of a political project inside the movement are all examples of the aforementioned aspects. Referencial Teórico Ao discutirmos as práticas associativas, permanece como eixo central a participação da sociedade civil nas esferas de decisão na implementação de políticas sociais. Trata-se do desafio de constituir formas autônomas de participação que ampliem as possibilidades da democracia representativa e de alcance da cidadania, especialmente por parte dos setores

2 EPEA de 15 populares da sociedade (Jacobi, 1996). Assim, enfocamos nessa análise as discussões sobre cidadania no que diz respeito ao papel do Estado como prestador de serviços e na implementação de políticas sociais voltadas à reprodução a força de trabalho(1). Mas ao que se sabe, no Brasil os investimentos públicos sempre foram orientados de forma majoritária e sem controle social à implementação de infra-estrutura industrial em detrimento das políticas sociais. Diante da crescente desresponsabilização social do Estado, o desafio por parte dos setores populares está na busca de soluções para os seus interesses por meio da mobilização e participação social, e nesse campo se pode afirmar que as Ong s vêm assumindo um importante papel. Entretanto, mantêm-se no âmbito das práticas participativas aspectos há muito discutidos desde a emergência dos movimentos sociais, dentre os quais, a ausência de um projeto político germinado no interior do próprio movimento social, além do acesso ao fundo público como a via de realização de seus projetos(2). Buscamos, então, delinear os antecedentes do movimento associativista para compreender tanto os aspectos recorrentes e diferenciais na atuação das Ong s. A esse respeito, Avritzer ( : ) identifica a partir da década de 1970 aspectos específicos em relação ao padrão de ação coletiva e aponta quatro importantes fatores nesse cenário. Primeiro, específico ao caso brasileiro, ocorre uma "( ) renovação significativa das práticas do movimento sindical [mas, com] influência reduzida nas questões ligadas à cidadania". Segundo, a constituição de solidariedades locais. Explica o autor que o fato de os regimes autoritários latino-americanos terem se desresponsabilizado de suas funções sociais, ao diminuírem os direitos e os serviços básicos à população, fomentou a organização de 'práticas de auto-ajuda' próprias dos movimentos sociais e de associações civis, pautadas na idéia de comunidade autônoma e solidária. Terceiro aspecto, a participação da classe média em movimentos de ação coletiva, especialmente os de cultura, corporativos e de associações comunitárias locais. Por fim, o surgimento de associações temáticas, que mais recentemente iriam se conjugar às ações desenvolvidas pelas Ong s. Tratando da trajetória dos movimentos sociais, Cardoso (1994:82) discute a existência de duas fases: a primeira diz respeito ao caráter espontaneísta e autônomo, próprio do movimento na década de 1970 e início da década de 1980; a segunda fase caracteriza-se pela ausência de um projeto político e institui a polêmica sobre a institucionalização aliada ao tema da cooptação e da representação. Sobre a primeira fase, os movimentos sociais

3 EPEA de 15 despontam como portadores do sentido de cidadania, da idéia de sociedade nova, como criadores de uma nova mentalidade e de uma nova cultura política de base. Os movimentos representavam a possibilidade de "quebrar com as relações clientelísticas, com o modo de atuação do sistema político tradicional"(3). De fato, o período entre 1970/80 foi marcado por algumas conquistas, tais como a crescente consciência sobre os direitos do cidadão e da cidadania, além da imposição "( ) ao Estado, ou a alguns de seus segmentos e agentes, [da] necessidade do diálogo e até mesmo o reconhecimento de sua legitimidade e da necessidade do atendimento de suas reivindicações"(4). Importa dizer também que o contexto político e social em que emergem os movimentos sociais foi marcado pela ditadura, com a ausência de espaços institucionais de participação, e daí surge a idéia de sociedade nova e um auto-reconhecimento dos movimentos sociais como sujeitos novos da vida social. Entretanto, o caráter reivindicativo da ação dos movimentos sociais frente o Estado sugere um grau de dependência na mesma medida do atendimento das suas demandas. Vigevani (1989:100) chama a atenção para o fato de que os "(...) movimentos sociais urbanos caracterizam-se em sua emergência particularmente em razão de reivindicações frente a alguém: este alguém foi sobretudo o Estado, em seus diferentes segmentos e agências. Conclui-se então, que há, em certa medida, mesmo quando o antagonismo com o Estado é agudo, algum grau de dependência. Claro que se entende esta dependência ( ) no sentido de que um grande número de movimentos sociais tem um horizonte não plenamente desvinculado da perspectiva de atendimento de seus objetivos pelo Estado, ainda que este atendimento seja compreendido como direito ou dever e não outorga, concessão". Instaura-se o impasse entre a autonomia dos movimentos sociais frente o poder público no sentido da construção de propostas generalizadas e não apenas circunscritas à conquista, ou não, das suas reivindicações. O caráter espontaneísta e alternativo que constituiu a identidade dos movimentos sociais ainda na 'primeira fase', portanto, não redundou na formulação de um projeto social e político que permitisse uma ação continuada dos movimentos. Sobre isso Vigevani (1989:101) questiona: (...) deve-se concluir (...) que não há nesses movimentos proposta de democracia ao menos como identidade restrita, ou não constróem base para uma vida mais democrática e mais socializada?. Esse impasse irá acompanhar a segunda fase dos movimentos sociais, e o contexto social e político da década de 1980, marcado pela abertura de canais institucionais

4 EPEA de 15 de participação, irá contribuiu para a formação de um novo contorno dos movimentos sociais. Cardoso (1994:83) chama a atenção para a criação de (...) uma nova maneira de abrir espaços e um novo modo de gerenciar as políticas públicas. Um modo mais moderno, mais adequado e que começou a ser implementado aqui pela pressão dos movimentos e também pela necessidade de mudança dessa forma de gerenciamento. Ao mesmo tempo em que são criados conselhos de participação e o Estado passa a responder algumas demandas não se verifica na prática uma política nesse sentido. O obstáculo residia em conjugar o caráter espontaneísta dos movimentos com a abertura de canais institucionais de participação a via de diálogo com o poder público. Nesse processo pode ser introduzida a questão da representação, pois dado o caráter fragmentário do movimento e sua postura refratária à institucionalização, instaurou-se o debate sobre quem deveria representar quem junto às formas institucionalizadas de participação, próprias do poder público. O financiamento surge como um condicionante nesse sentido, pois no Brasil o fundo público financia a reprodução do capital e a infra-estrutura industrial sem existir a mesma contrapartida de financiamento para a reprodução da força de trabalho, na forma de equipamentos de consumo coletivo. E sendo a via primordial para o atendimento das demandas colocava-se o seguinte imperativo: quem se organiza mais e faz mais pressão é quem leva as fatias do fundo público (Doimo, 1995: 60). O dilema entre fundo público versus institucionalidade contribuiu para a formação de uma natureza competitiva no interior dos movimentos sociais, na busca de fontes de financiamento aspecto recorrente entre as organizações não-governamentais e que foi verificado nessa pesquisa. Outro aspecto próprio desse período foi a transferência de funções e papéis entre as esferas pública e privada, o que implicou no chamamento do cidadão para atuar como (...) coresponsável pelas decisões políticas correspondentes; o Estado induz o indivíduo tanto a reivindicar aquilo que a ele foi posto como um direito, quanto a torná-lo um ator social diretamente relacionado às coisas da política (5). A lógica de distribuição do fundo público instaurou ainda o fenômeno da 'socialização da política' ou 'politização do social' que consiste em transportar para a esfera pública problemas do 'mundo doméstico' com o propósito de serem regulamentadas, além de introduzir no cotidiano do cidadão questões relativas às 'políticas estratégicas' ou econômicas. Ao tratar da relação Estado/sociedade e a capacidade de influência de setores interessados na definição de políticas sociais,

5 EPEA de 15 especialmente os mais excluídos, Jacobi (1996,18) observa que esse processo ocorre, de qualquer forma, dentro dos marcos institucionais. Para o autor, (...) essa perspectiva abre a possibilidade de pensar a articulação entre a implantação de práticas descentralizadoras e uma engenharia institucional que concilia participação com heterogeneidade, formas mais ativas de representatividade que reforçam a reciprocidade face à dimensão de organização molecular da sociedade. Trata-se da constituição de uma arena de discussão com a participação de vários atores cada qual com interesses políticos distintos, aptos a decidirem sobre modelos e formas de intervenção. Essa mesma engenharia pode ser pensada para o caso das Ong s, quando da sua organização no formato de redes sociais ao atuarem no controle ou em conjunto com o poder público na implementação de políticas setoriais. Entretanto, essas organizações não escapam de uma série de condicionantes há muito conhecidos dos movimentos populares. Estar apto a decidir sobre modelos e formas de intervenção exige das entidades o desenvolvimento de uma organização interna, de sua capacidade de proposição e de inserção na arena de definição de políticas sociais e, especialmente, as coloca diretamente na concorrência com práticas tradicionais de gestão da coisa pública. Podemos afirmar que esse impasse permeou toda década de 1990, e foi um aspecto que se destacou em nossa pesquisa. Objetivos Diante desse cenário, há que se reconhecer o potencial participativo das Ong s como uma experiência recente na formação de redes sociais. Assim, o objetivo da pesquisa foi identificar a presença de novas perspectivas de atuação em que se conjugam ações do Estado e da sociedade civil pela via da participação social. Procedimentos Adotados Optamos por uma abordagem qualitativa que, por meio de entrevistas, nos permitiu apreender as diferentes perspectivas dos atores envolvidos. O período entre foi definido pelo interesse em investigar a atuação das Ong s na região do Guarapiranga em dois momentos distintos. O primeiro trata-se da Rede de Ong s constituída em meados de 1993/1994 cujo objetivo era atuar no âmbito do Programa de Saneamento em razão de sua diretriz participativa, formalizada no sub-programa de Gestão Ambiental para o desenvolvimento de ações em Educação Ambiental (6). O segundo momento recupera a

6 EPEA de 15 formação, em meados de 1997/1988, do Núcleo Pró-Guarapiranga que atuou no âmbito do Projeto Ecoscambio com financiamento da Cooperação Italiana (7). Resultados Alcançados e Análise No contexto da Região Metropolitana de São Paulo RMSP, a bacia do Guarapiranga destaca-se por sua riqueza hídrica e por encerrar disparidades ocasionadas pelo processo desordenado de ocupação do solo, de fragmentação social e de empobrecimento da população que ali vive em condições precárias, além das conseqüências de uma política de águas que tem aprofundado a deterioração dos seus recursos hídricos. Esses problemas trouxeram à tona o debate sobre a necessária e emergente recuperação desse território de águas, sem a qual a RMSP ficaria comprometida já que atualmente é responsável por 20% do abastecimento de água, envolvendo cerca de 3,4 milhões de pessoas. Nesse cenário, a atuação das Ong s, especialmente no desenvolvimento de ações em Educação Ambiental, tem contribuído na construção de concepções mais inovadoras na gestão dos recursos hídricos, como também na ampliação das formas de participação social. A proposta de documentar a experiência de formação de parcerias visava apreender as alterações no processo de interlocução interno às próprias Ong s e destas face ao poder público e outros agentes. A questão principal que marcou esse processo foi a revisão de um modelo largamente utilizado em áreas de importância ambiental pautado na intervenção sem qualquer contrapartida das comunidades afetadas. Por se tratar de um aspecto que compõe uma das bandeiras de luta das Ong s e, uma vez, discutido no interior da administração pública acreditava-se que esse debate poderia constituir-se num projeto mais abrangente, no âmbito de uma metrópole. O Programa de Saneamento Ambiental do Guarapiranga pode ter sido um exemplo nesse sentido, mas a pesquisa demonstrou que os princípios e diretrizes voltados à participação não foram alcançados, e este foi o principal foco de dissensão. Contribuiu para o distanciamento entre ideário e prática do Programa a inexistência de uma prática interinstitucional que compreendesse uma articulação entre organizações não burocratizadas e pouco institucionalizadas como é o caso da maioria das Ong s, e estruturas administrativas mais fechadas, como a própria administração pública. Outro aspecto foi a ocorrência de uma diretriz participativa importada e condicionada pela lógica do financiador, já que o Banco Mundial estabelecia a participação das Ong s e

7 EPEA de 15 mesmo da comunidade, especialmente no desenvolvimento de ações em Educação Ambiental. O fato desta diretriz não ser construída pelos agentes locais (poder público e sociedade civil) justifica o mal êxito na condução da proposta. Esse aspecto leva a questionar em que medida as Ong s da região foram reconhecidas enquanto atores relevantes no âmbito do Programa. Assim, persistiram instrumentos no sentido de inviabilizar a participação da comunidade. Se o caráter participativo do Programa pode ser qualificado como inédito, a ausência de instrumentos que pudessem fortalecer esse aspecto denuncia a fragilidade de sua concepção. Para as entidades locais a experiência da Rede de Ong's do Guarapiranga no âmbito do Programa fomentou, de fato, um processo de aglutinação entre as entidades. Entretanto, logo a seguir foi caracterizada como uma experiência frustada que desmotivou o movimento. Esse quadro é um reflexo da relação pouco permeável entre poder público e sociedade civil, ratificada pela pouca confiança demonstrada por algumas entidades diante das estratégias de intervenção apresentadas pela administração, ou mesmo quanto à alocação dos recursos financeiros. Em síntese, pode-se apontar alguns condicionantes nesse processo. Primeiro, o próprio Programa face à presença do Banco Mundial como principal agente financiador e, portanto, com destacado poder de intervenção. Ao estabelecer diretrizes participativas como pressuposto de intervenção em áreas de importância ambiental, o Banco Mundial promoveu uma relação de dependência entre os agentes e setores envolvidos em razão do financiamento. Segundo, a ausência no Programa de um suporte para implementar a proposta prejudicou a interlocução entre o setor público e as entidades locais, e, por fim, o fato da proposta ser importada e não germinada no interior do próprio movimento de Ong's. Não obstante, o tripé estabelecido entre Banco Mundial, poder público e Ong's apresentou um aspecto positivo. O mérito define-se pela aproximação entre setores que só mais recentemente passaram a estabelecer um diálogo. Mas, os aspectos negativos se destacam. A forma centralizada pela qual o Banco Mundial estabelece historicamente suas diretrizes acaba por impedir a adaptação dos projetos aos contextos de intervenção, ou mesmo às prioridades dos agentes locais, o que restringe assim a interlocução entre eles. Nessa experiência, acredita-se que a ausência de uma demanda organizada ou de elaboração de um projeto no interior do próprio movimento de Ong s contribuiu para a não consecução da proposta. Diante dos fatores identificados, foi inevitável a desmobilização

8 EPEA de 15 do movimento após a fase de implantação do Programa, agravada pela persistência de práticas tradicionais na administração pública face à participação social. Já a constituição do Núcleo Pró-Guarapiranga segundo momento na formação de parcerias na região deve ser analisada noutra perspectiva, qual seja: a formação de redes sociais fundada numa base cooperativa, como um mecanismo de fortalecimento que privilegia a capacitação técnica para os seus componentes, a busca por fontes seguras de financiamento e que sinalizam para um processo de institucionalização do movimento. Também nessa experiência o financiamento surgiu como um ponto de inflexão. Constatouse que o Núcleo atuou de forma autônoma em relação ao Programa, mas teve na figura do Projeto Ecoscambio o seu principal suporte financeiro e orientador na sua constituição, além da presença de Ong s italianas, que já vinham atuando nos distritos de saúde na região sul de São Paulo com a administração municipal (gestão ). Vale dizer que esse arranjo contribuiu para estreitar um canal de comunicação com as entidades que também atuavam na região do Guarapiranga. Apesar do trabalho desenvolvido pelas Ong s na bacia do Guarapiranga apresentar consonância com os princípios orientadores do Projeto Ecoscambio, a presença de um agente externo suscitou uma série de embates e representou para algumas entidades a ausência de autonomia do movimento. Essa dissensão foi confirmada quando da formação do Núcleo Pró-Gguarapiranga, visto que algumas das entidades que haviam se disponibilizado a participar num primeiro momento, afastaram-se posteriormente ou construíram críticas a respeito do tipo de intervenção proposto pelo projeto. Por outro lado, o Projeto Ecoscambio surgiu com um conteúdo propositivo idealizado pelas entidades italianas, o que lhe valeu um papel aglutinador diante das Ong s, dada a ausência de um projeto que pudesse congregar essas entidades em torno de objetivos e estratégias de ação comuns. O desenvolvimento do Projeto se valeu da atuação de um quadro de militância como também de especialistas atuantes na região da bacia. Dessa forma, o Projeto Ecoscambio conseguiu capitalizar recursos humanos para o desenvolvimento de sua proposta de trabalho, ao mesmo tempo em que ampliou a visibilidade das entidades que até então atuavam de forma dispersa. Alguns aspectos nesse Projeto merecem destaque, tais como a preocupação com a capacitação técnica; a fundamentação científica das ações; a necessidade da circulação das

9 EPEA de 15 informações e da criação de núcleos que envolvam os atores locais. A informação, neste caso, constitui a via para uma atuação integrada do grupo, de articulação com seus pares e interlocutores, especialmente as agências de financiamento e de cooperação, além da administração pública. Trata-se de um pressuposto para a formação de parcerias, dado que a entidade alcança maior visibilidade pelo reconhecimento técnico junto aos seus parceiros mais imediatos. Pode-se afirmar que, em relação ao poder público, será maior o reconhecimento e visibilidade quanto mais o movimento puder fazer frente às políticas municiado pelo apoio técnico e científico, o que permite às entidades interferirem nas definições das ações para a bacia. O trabalho realizado por essa parceria, e que culminou na elaboração do Diagnóstico Socioambiental, revelou essa preocupação ao se tratar de um instrumento técnico com validade científica e com poder de contestação face as informações dos órgãos governamentais. Conclusão A definição de novas diretrizes no âmbito da participação social, apontados anteriormente, vem reafirmar o processo de institucionalização do movimento de Ong s, mas que concorre ainda com a principal marca do movimento associativista, especialmente, sua forma compartimentada e espontaneísta de organização. Diante da população que vive e sofre as conseqüências da política de águas para o Guarapiranga, a repercussão que resulta desse processo é a existência de um conhecimento difuso sobre a problemática da água. Mesmo incipiente, esse aspecto deve ser considerado uma vitória do próprio movimento ao revelar que as pessoas não sabem qual o significado de um manancial, mas já existe a consciência sobre o fato de se morar nessa área e o aspecto diferencial que isso representa. Também, a questão dos recursos hídricos passou a fazer parte da pauta de discussão do movimento por moradia, além de ser visto como de igual grandeza diante dos problemas sociais. Se o Programa não apresentou êxito em sua proposta participativa, guarda o mérito de colocar em pauta conceitos que hoje estão em construção no âmbito das políticas de água, como gerenciamento integrado dos recursos hídricos. Assim, tanto o Programa como a formação de redes sociais surgiram da necessidade de discutir o modelo de intervenção, a escolha da modalidade tecnológica além do sistema de eleição de prioridades. A atual perspectiva sobre meio ambiente rompe cada vez mais

10 EPEA de 15 com a visão dicotômica na relação desenvolvimento e recursos naturais, em que o ambientalismo era visto como uma coisa menor. A questão do desenvolvimento é requalificada a partir de uma abordagem integrada em que os recursos naturais ganham a perspectiva de finitude, o que define por si só uma visão determinada da sociedade. De qualquer forma, o caráter ainda compartimentado das agências financiadoras na área de desenvolvimento e meio ambiente, reclamado por vários entrevistados, surge como uma das dificuldades ao colocar esse enfoque em prática. Entretanto, no cenário brasileiro, tratase, de uma experiência inovadora. O fato de a perspectiva dos atores locais estar em pauta, seja em uma intervenção por parte do governo ou como critério para captação de recursos, sinaliza a constituição de um arranjo institucional no âmbito da participação movimentalista que, nas palavras de DOIMO (1995: 60), [coloca] o desafio de se construírem novas formas de participação política, de sorte a compatibilizar as lógicas consensual-solidarística e racional-competitiva. Trata-se, pois, de alterar o sistema de representação de interesses, de modo a garantir a participação das diferenças através de alguma medida de eqüalização desses interesses junto à esfera decisional. No caso da gestão das águas do Guarapiranga o próprio estudo comprovou a ausência de homogeneidade entre as entidades acerca dos princípios, abordagens e práticas de intervenção. O fato é que o tema dos recursos hídricos coloca o imperativo de ser pensado cada vez mais por toda a sociedade, dado os problemas de abastecimento e escassez (e para a RMSP o problema alcança contornos alarmantes). Portanto, se só mais recentemente uma perspectiva inovadora nesse campo passou a fazer parte da agenda política do governo, e a exemplo do Programa com relativo sucesso, cumpre às organizações ambientalistas, mas não apenas, inscrevê-lo como prioritário na agenda das políticas para as cidades. Também, o processo recente de constituição dos comitês de bacias e a criação dos conselhos e secretarias ligados ao meio ambiente enquanto instrumentos de gestão indica sua proximidade com a agenda política de governo. O que não implica em dizer que sejam efetivos. Ao contrário, ainda se trata de instrumentos incipientes de participação social. Por fim, acredita-se que o movimento de Ong s ao capitalizar o tema dos recursos hídricos para o interior de sua agenda, dada a visibilidade que a problemática alcança, poderá reverter no fortalecimento do próprio movimento.

11 EPEA de 15 Notas (1) Para uma reflexão mais aprofundada sobre cidadania ver os seguintes trabalhos: Benevides, o livro Cidadania Ativa de 1991 e o artigo publicado no nº. 33 da Revista Lua Nova: Cidadania e Democracia, de Nestes trabalhos a autora discute a noção de cidadania ativa, ao identificar a democracia com soberania popular, e esta a via para ampliar e fortalecer os marcos institucionais da democracia participativa. (2) AVRITZER, Leonardo (1993,1995,1997); CARDOSO, Ruth (1983); DAGNINO, Evelina (1994); DOIMO, Ana Maria (1995); DURHAM, Eunice Ribeiro (1984); FERNANDES, Rubem César (1994); GOHN, Maria da Glória (1995); JACOBI, Pedro (1989a, 1989b,1995,1996); VIGEVANI, Tullo (1989). (3) Ver também: CARDOSO, Ruth (1983); DAGNINO, Evelina (1994); DOIMO, Ana Maria; JACOBI (1989a; 1996); VIGEVANI, Tullo (1989). (4) SCHERER-WARREN, Ilse. "O caráter dos novos movimentos sociais". in: SCHERER- WARREN, Ilse e KRISCHKE, Paulo. (org.). Uma Revolução no Cotidiano. Editora Brasiliense. São Paulo (Cf. VIGEVANI.1989:95). (5) CARDOSO, Ruth (1983). Movimentos sociais: balanço crítico. In: SORJ, Bernardo, ALMEIDA, Maria Hermínia T. (orgs.) Sociedade e política no Brasil pós-64. São Paulo: Brasiliense. (Cf. DOIMO. 1995: 55). (6) O Programa de Saneamento Ambiental começou a ser esboçado em Foi apresentado em 1991 ao Banco Mundial, principal financiador, quando obteve sua aprovação, e no ano seguinte obteve a aprovação do RIMA pelo Consema. Entretanto, até meados de 1993 as medidas propostas não estavam discriminadas em detalhes suficientes para implantação, encontrando-se ainda em estágio de reconhecimento da região. Sua implementação inicia-se no final daquele ano, sob a coordenação da Secretaria Estadual de Energia e Saneamento. Previsto para ser concluído em 1997, foi prorrogado primeiro até final de 1998 e mais recentemente até Dezembro de (7) O Projeto Ecoscambio foi financiado pela Cooperação Italiana, representada por uma Ong Legambiente que destinou recursos para a elaboração do Diagnóstico Socioambiental Participativo Preliminar da Bacia do Guarapiranga (1998), e fomentou a constituição do Núcleo Pró Guarapiranga. Bibliografia AVRITZER, L. Cohen, Arato e Habermas: além da dicotomia Estado/mercado. Revista Novos Estudos Cebrap. São Paulo, vol. 36, p.: Cultura política, atores sociais e democratização uma crítica às teorias da transição para a democracia. Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo, ano 10, nº.28, p.: , jun., Um desenho institucional para o novo associativismo. Revista Lua Nova. São Paulo, Editora Marco Zero Cedec, nº.39, pp.: BENEVIDES, M. V. Cidadania Ativa. São Paulo: Editora Ática, p. Cidadania e democracia. Revista Lua Nova. São Paulo, Cedec, vol.: 33, p

12 EPEA de 15 BÓGUS, L. M. M.; VÉRAS, M. P. B. A reorganização metropolitana de São Paulo: espaços sociais no contexto da globalização. Caxambu Minas Gerais. ANPOCS Associação Nacional de Pós Graduação em Ciências Sociais, p. BRODHEAD, T. Cooperação e divergência sobre a colaboração entre ONG s, doadores de ajuda e governos do Terceiro Mundo. In: Desenvolvimento, cooperação internacional e as ONG'S. Livro do Encontro. PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Rio de Janeiro: IBASE Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas, P CAMPOS, F. C. M. Cidades Brasileiras: seu controle ou o caos o que os cidadãos devem fazer para a humanização das cidades no Brasil. São Paulo: Nobel, CHIARAVALLOTI, V. B. A experiência das organizações não governamentais na gestão das águas metropolitanas. Estudo da participação das Ong s na gestão da bacia Hidrográfica do Guarapiranga, Região Metropolitana de São Paulo ( ) Dissertação (Mestrado) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo. CUNHA, J. M. P. Os movimentos intrarregionais no contexto do processo de expansão da área metropolitana de São Paulo: notas para discurso. São Paulo. VIII Encontro Nacional de Estudos Populacionais: meio ambiente, migração e emprego. vol. 3. p , DAGNINO, E. Os movimentos sociais e a emergência de uma nova noção de cidadania. (pp.: ). In: DAGNINO, E. (org.). Anos 90 Política e Sociedade no Brasil. São Paulo: Editora Brasiliense, DIAGNÓSTICO Socioambiental Participativo Preliminar da Bacia Hidrográfica do Guarapiranga. Núcleo Pró-Guarapiranga. Projeto Ecoscambio. São Paulo: Instituto Socioambiental, mar. p. 85. DOIMO, A. M. A Vez e a Voz do Popular. Rio de Janeiro: ANPOCS/ Relume-Dumará, DURHAM, E. R. Movimentos Sociais a construção da cidadania. Novos Estudos São Paulo, nº. 10, p.: 24-30, out EVERS, T. A face oculta dos novos movimentos sociais. Novos Estudos Cebrap. São Paulo, vol. 2, nº. 4, abr., FERNANDES, R. C. Elos de uma Cidadania Planetária. Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo. ANPCS, ano 10, nº. 28, jun. p.: 15-34, 1995 Privado, Porém Público: o terceiro setor na América Latina. São Paulo: Relume- Dumará, p.

(anexo 1) SEMINÁRIO: EDUCAÇÃO POPULAR HOJE

(anexo 1) SEMINÁRIO: EDUCAÇÃO POPULAR HOJE (anexo 1) SEMINÁRIO: EDUCAÇÃO POPULAR HOJE Dia 22 de maio de 2014 Local: Auditório da Biblioteca Mário de Andrade São Paulo Marcos de Referência O seminário é parte de um projeto de pesquisa coordenado

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA *

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA * EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA * Ana Rosa Salvalagio 1 Clarice Ana Ruedieger Marise Waslawosky Christmann Neida Maria Chassot INTRODUÇÃO: A educação ambiental se constitui numa forma abrangente de educação,

Leia mais

"Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento. Maria da Glória Gohn UNICAMP/CNPq

Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento. Maria da Glória Gohn UNICAMP/CNPq "Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento UNICAMP/CNPq AGENDA Redes- Conceitos e Tipos Pressupostos Formas de Organização da Ação Coletiva na Sociedade Brasileira

Leia mais

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada 1 O Projeto Litoral Sustentável 1ª Fase (2011/2012): Diagnósticos municipais (13 municípios) Diagnóstico regional (Já integralmente

Leia mais

III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTOR DO TEXTO: Fernanda de Lazari Cardoso; Marisa Alves Lacerda; Luciana da Silva Oliveira

III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTOR DO TEXTO: Fernanda de Lazari Cardoso; Marisa Alves Lacerda; Luciana da Silva Oliveira III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTOR DO TEXTO: Fernanda de Lazari Cardoso; Marisa Alves Lacerda; Luciana da Silva Oliveira Fortalecendo as escolas na rede de proteção à criança e ao adolescente

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político

ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político Silvio Caccia Bava Silvio Caccia Bava é sociólogo, coordenador executivo do Instituto Pólis e membro do Conselho Nacional de Segurança Alimentar

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

Articulação entre os conselhos de políticas públicas uma pauta a ser enfrentada pela sociedade civil

Articulação entre os conselhos de políticas públicas uma pauta a ser enfrentada pela sociedade civil Articulação entre os conselhos de políticas públicas uma pauta a ser enfrentada pela sociedade civil Raquel Raichelis 1 O real não está na saída nem na chegada; ele se dispõe para a gente é no meio da

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA http:///br/resenhas.asp?ed=8&cod_artigo=136 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA João Sotero do Vale Júnior ¹ a) apresentação do tema/problema: A questão ambiental está cada vez mais presente no cotidiano da população das nossas cidades, principalmente

Leia mais

ESTADO, SOCIEDADE E MOVIMENTOS SOCIAIS: REFLEXÕES CRÍTICAS À LUZ DA QUESTÃO SOCIOAMBIENTAL

ESTADO, SOCIEDADE E MOVIMENTOS SOCIAIS: REFLEXÕES CRÍTICAS À LUZ DA QUESTÃO SOCIOAMBIENTAL DELOS Revista Desarrollo Local Sostenible DELOS Desarrollo Local Sostenible Revista Desarrollo Local Sostenible Grupo Eumed.net y Red Académica Iberoamericana Local Global Vol 5. Nº 14 Junio 2012 www.eumed.net/rev/delos/14

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais 14º Encontro Nacional do Congemas CRAS como unidade de gestão local do SUAS 14º Encontro Nacional do Congemas

Leia mais

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Art. 1 - A Política Estadual

Leia mais

HELENA NAVARRO GIMENEZ

HELENA NAVARRO GIMENEZ HELENA NAVARRO GIMENEZ O ASSISTENTE SOCIAL NA GESTÃO ESTADUAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL NESSE ESPAÇO DE ATUAÇÃO O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

Nas revistas nas quais as publicações são distribuídas em sessões (informes, entrevistas, etc.) foi pesquisada somente a sessão artigos.

Nas revistas nas quais as publicações são distribuídas em sessões (informes, entrevistas, etc.) foi pesquisada somente a sessão artigos. PESQUISA SOBRE ARTIGOS ACERCA DA TEMÁTICA MOVIMENTOS SOCIAIS, MOBILIZAÇÃO SOCIAL E/OU PARTICIPAÇÃO POLÍTICA PUBLICADOS NA REVISTA SERVIÇO SOCIAL E SOCIEDADE ENTRE 1994 E 2011 (EDIÇÕES 45 A 108) Autor:

Leia mais

Por que Projetos Sociais?

Por que Projetos Sociais? PROJETOS SOCIAIS Por que Projetos Sociais? Projetos são resultado de uma nova relação entre Estado e Sociedade Civil; Mudanças no que se relaciona à implantação de políticas sociais; Projetos se constroem

Leia mais

Documento referencial: uma contribuição para o debate

Documento referencial: uma contribuição para o debate Documento referencial: uma contribuição para o debate desenvolvimento integração sustentável participação fronteiriça cidadã 1. Propósito do documento O presente documento busca estabelecer as bases para

Leia mais

Page 1 of 6. Capítulo III Educação e Sustentabilidade MEIO AMBIENTE, EDUCAÇÃO E CIDADANIA: DESAFIOS DA MUDANÇA. Pedro Jacobi\USP 1

Page 1 of 6. Capítulo III Educação e Sustentabilidade MEIO AMBIENTE, EDUCAÇÃO E CIDADANIA: DESAFIOS DA MUDANÇA. Pedro Jacobi\USP 1 Page 1 of 6 Capítulo III Educação e Sustentabilidade Para ler o PDF instale o programa leitor, clique aqui. Versão para Impressão em PDF, clique aqui. MEIO AMBIENTE, EDUCAÇÃO E CIDADANIA: DESAFIOS DA MUDANÇA

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Santa Cruz do Sul RS Maio/2013 LANZARINI, Joice Nunes - UNISC - joice@unisc.br OLIVEIRA, Cláudio J.

Leia mais

Agenda 21 e a Pedagogia da Terra

Agenda 21 e a Pedagogia da Terra Agenda 21 e a Pedagogia da Terra A Carta da Terra como marco ético e conceito de sustentabilidade no século XXI Valéria Viana - NAIA O que está no início, o jardim ou o jardineiro? É o segundo. Havendo

Leia mais

Gestão Participativa e os Comitês de Bacias

Gestão Participativa e os Comitês de Bacias Novembro de 2009. Gestão Participativa e os Comitês de Bacias Suraya Modaelli DAEE 1,2 bilhão de pessoas sem acesso a água potável no mundo 2 bilhões sem infra-estrutura de saneamento milhões de crianças

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

Câmara Municipal de. Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental

Câmara Municipal de. Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental Câmara Municipal de Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental PROJETO DE LEI Nº /2008 Dispõe sobre a Política Municipal de Educação Ambiental e dá outras providências.

Leia mais

Gestão Ambiental Compartilhada

Gestão Ambiental Compartilhada Ministério do Meio Ambiente Secretaria Executiva Departamento de Articulação Institucional Gestão Ambiental Compartilhada Discussão: Licenciamento Ambiental de empreendimentos e atividades com características

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Arquitetura da participação no Brasil: avanços e desafios da democracia participativa. Renovando Utopias

Arquitetura da participação no Brasil: avanços e desafios da democracia participativa. Renovando Utopias Arquitetura da participação no Brasil: avanços e desafios da democracia participativa. Renovando Utopias IPEA: Governança Democrática no Brasil Contemporâneo: Estado e Sociedade na Construção de Políticas

Leia mais

LEI Nº 9.265 CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS DA POLÍTICA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

LEI Nº 9.265 CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS DA POLÍTICA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL LEI Nº 9.265 Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. Lei: O GOVERNADOR DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte Art.

Leia mais

POLÍTICAS EDUCACIONAIS E O PROTAGONISMO DO PLANEJAMENTO NA GESTÃO MUNICIPAL Roberta Freire Bastos PPGE/UFES/CAPES

POLÍTICAS EDUCACIONAIS E O PROTAGONISMO DO PLANEJAMENTO NA GESTÃO MUNICIPAL Roberta Freire Bastos PPGE/UFES/CAPES POLÍTICAS EDUCACIONAIS E O PROTAGONISMO DO PLANEJAMENTO NA GESTÃO MUNICIPAL Roberta Freire Bastos PPGE/UFES/CAPES Resumo Este texto tem por objetivo discutir as novas formas de gestão da educação no sentido

Leia mais

Projeto. Indicadores da Ação para a Cidadania e a Democracia

Projeto. Indicadores da Ação para a Cidadania e a Democracia Projeto Indicadores da Ação para a Cidadania e a Democracia Metodologia de Construção de Sistemas de Indicadores Grupo de Trabalho Sobre Indicadores Plataforma Novib Apresentação O GT-Indicadores foi criado

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA Módulo 3 - Direitos Humanos e o Projeto Político Pedagógico da escola Objetivos: Nesta unidade vamos discutir

Leia mais

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 (Projeto de lei nº 749/2007, da Deputada Rita Passos - PV) Institui a Política Estadual de Educação Ambiental O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Palavras-chave: Recursos hídricos; participação comunitária.

Palavras-chave: Recursos hídricos; participação comunitária. Título: Recursos Hídricos: a participação social como requisito para o financiamento de projetos Tema: Recursos Hídricos Autora: Luciana Cibelle Araujo dos Santos Co-autoras: Marize Castro e Isabela dos

Leia mais

TERCEIRO SETOR E EDUCAÇÃO NA PRODUÇÃO ACADÊMICA DA REGIÃO SUDESTE, ENTRE 1995 E 2004

TERCEIRO SETOR E EDUCAÇÃO NA PRODUÇÃO ACADÊMICA DA REGIÃO SUDESTE, ENTRE 1995 E 2004 TERCEIRO SETOR E EDUCAÇÃO NA PRODUÇÃO ACADÊMICA DA REGIÃO SUDESTE, ENTRE 1995 E 2004 Ana de Godoy Weisz 1 O trabalho se propôs a pesquisar a tendência da produção acadêmica quanto à inserção do Terceiro

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

A experiência do Escritório de Direitos Humanos Advocacia Universitária (EDH)

A experiência do Escritório de Direitos Humanos Advocacia Universitária (EDH) A experiência do Escritório de Direitos Humanos Advocacia Universitária (EDH) Joana Zylbersztajn 1 Introdução O Centro de Direitos Humanos surgiu em 1998, por iniciativa de professores e estudantes da

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ.

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. WALDELI ROZANE SILVA DE MESQUITA Secretaria Executiva de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente, Núcleo de Hidrometeorologia

Leia mais

LEI Nº 9.265. Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências.

LEI Nº 9.265. Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. LEI Nº 9.265 Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte Lei: Art.

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1

O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 AVILA, Lisélen 2 ; AVILA, Evelisen 3 ; AGUINSKY, Beatriz 4 1 Trabalho do tipo bibliográfico 2 Assistente Social, Mestranda em Serviço Social

Leia mais

CONTROLE SOCIAL: ESTUDOS E VIVÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA - PR. PALAVRAS-CHAVE Democracia. Controle Social. Observatório Social.

CONTROLE SOCIAL: ESTUDOS E VIVÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA - PR. PALAVRAS-CHAVE Democracia. Controle Social. Observatório Social. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONTROLE

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

anped 25ª reunião anual

anped 25ª reunião anual A PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL NOS CONSELHOS DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Isis Sousa Longo - FEUSP A definição conceitual de movimentos sociais é bastante ampla, a autora que utilizaremos

Leia mais

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO INTEGRAL Retirado e adaptado de: LEITE, L. H. A., MIRANDA, S. A. e CARVALHO, L. D. Educação Integral e Integrada: Módulo

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal

ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal de Uberlândia A discussão sobre a importância da participação

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DO FÓRUM METROPOLITANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DO FÓRUM METROPOLITANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DO FÓRUM METROPOLITANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE A QUESTÃO METROPOLITANA: problemas comuns, soluções compartilhadas INTRODUÇÃO A QUESTÃO METROPOLITANA: um desafio

Leia mais

Organizações formadas pela sociedade civil, sem fins lucrativos, constituído formal e autonomamente; Caracterizam-se por ações de solidariedade no

Organizações formadas pela sociedade civil, sem fins lucrativos, constituído formal e autonomamente; Caracterizam-se por ações de solidariedade no Organizações formadas pela sociedade civil, sem fins lucrativos, constituído formal e autonomamente; Caracterizam-se por ações de solidariedade no campo das políticas públicas e pelo legítimo exercício

Leia mais

Seminário Nacional sobre Políticas Públicas e Financiamento para o Desenvolvimento Agroflorestal no Brasil

Seminário Nacional sobre Políticas Públicas e Financiamento para o Desenvolvimento Agroflorestal no Brasil Seminário Nacional sobre Políticas Públicas e Financiamento para o Desenvolvimento Agroflorestal no Brasil Brasília, 18 a 20 de agosto de 2004 Mesa I - PARCERIAS ENTRE GOVERNO, ONGs e PRODUTORES RURAIS

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ATORES SOCIAIS ENVOLVIDOS EM MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE RIOS DA REGIÃO OESTE DO PARANÁ.

CARACTERIZAÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ATORES SOCIAIS ENVOLVIDOS EM MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE RIOS DA REGIÃO OESTE DO PARANÁ. CARACTERIZAÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ATORES SOCIAIS ENVOLVIDOS EM MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE RIOS DA REGIÃO OESTE DO PARANÁ. Caroline Cichoski, Carlos Alberto Mucelin, Daniel Forsin Buss, email: capopck@hotmail.com

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais Este pesquisa objetivou investigar como vem se caracterizando o processo de reforma psiquiátrica em Juiz de Fora e suas repercussões no trabalho dos assistentes sociais no campo

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

FEC 25 anos: Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Iremos lembrar 2015 como um ano chave no setor do desenvolvimento?

FEC 25 anos: Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Iremos lembrar 2015 como um ano chave no setor do desenvolvimento? SEMINÁRIO INTERNACIONAL REPENSAR O DESENVOLVIMENTO REINVENTAR A COOPERAÇÃO ENQUADRAMENTO : Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Lisboa, 19 de novembro de 2015 Iremos lembrar

Leia mais

AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO

AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO Aristides Pereira Lima Green 1 Frederico Cavadas Barcellos 2 Deborah Moreira Pinto 3 I. Introdução As regiões semi-áridas se

Leia mais

Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR

Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR Porto Alegre, RS Brasil 25, 26 e 27 de outubro de 2007 SISTEMATIZAÇÃO DAS MESAS TEMÁTICAS Objetivos

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

PEDAGOGIA DA TERRA: diálogos entre MST e universidade FOERSTE, GT: Agência Financiadora: 1. Tema 2. Problema e metodologia 3.

PEDAGOGIA DA TERRA: diálogos entre MST e universidade FOERSTE, GT: Agência Financiadora: 1. Tema 2. Problema e metodologia 3. PEDAGOGIA DA TERRA: diálogos entre MST e universidade FOERSTE, Erineu - UFES GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: PRONERA/Ação Educativa 1. Tema O curso Pedagogia da Terra/ES

Leia mais

A EI no conjunto das políticas públicas sociais em tempos de um discurso de resgate dos direitos sociais

A EI no conjunto das políticas públicas sociais em tempos de um discurso de resgate dos direitos sociais A EDUCAÇÃO INFANTIL NO ESPÍRITO SANTO: PRIMEIRAS APROXIMAÇÕES CÔCO, Valdete UFES valdetecoco@ce.ufes.bol SILLER, Rosali Rauta FSG / PMSMJ rauta13@bol.com.br GT: Educação de Crianças de 0 a 6 anos / n.07

Leia mais

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

A EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE E A EDUCAÇÃO POPULAR: UMA REVISÃO DA LITERATURA

A EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE E A EDUCAÇÃO POPULAR: UMA REVISÃO DA LITERATURA A EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE E A EDUCAÇÃO POPULAR: UMA REVISÃO DA LITERATURA Érica Fernanda Nascimento de Souza 1 Renilda Rosa Dias 2 RESUMO O estudo objetivou evidenciar a importância da Educação Popular

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS Estratégia de parceria global da IBIS Aprovada pelo conselho da IBIS, Agosto de 2008 1 Introdução A Visão da IBIS 2012 realça a importância de estabelecer parcerias com diferentes tipos de organizações

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE

PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE 1 PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE Resumo O presente trabalho procura vincular a Educação formal aos princípios da Educação Ambiental

Leia mais

O TERCEIRO SETOR NO LITORAL NORTE DO ESTADO DE SÃO PAULO E A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO-FORMAL: LIMITES E POSSIBILIDADES

O TERCEIRO SETOR NO LITORAL NORTE DO ESTADO DE SÃO PAULO E A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO-FORMAL: LIMITES E POSSIBILIDADES O TERCEIRO SETOR NO LITORAL NORTE DO ESTADO DE SÃO PAULO E A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO-FORMAL: LIMITES E POSSIBILIDADES ARAÚJO. Inaê Adorno de. UNIMEP/ inaearaujo@hotmail.com TOMAZELLO, Maria Guiomar C. UNIMEP

Leia mais

1.As ONGs no Brasil, da Década de 60 aos Anos 90: Uma Leitura

1.As ONGs no Brasil, da Década de 60 aos Anos 90: Uma Leitura 1 AS ONGS E O ESPAÇO PÚBLICO NO BRASIL Paulo Cesar Pontes Fraga 1.As ONGs no Brasil, da Década de 60 aos Anos 90: Uma Leitura Refletir sobre o papel das Organizações Não Governamentais (ONGs) na sociedade

Leia mais

DOSSIÊ AGENDA DE PESQUISA EM POLÍTICAS PÚBLICAS*

DOSSIÊ AGENDA DE PESQUISA EM POLÍTICAS PÚBLICAS* DOSSIÊ AGENDA DE PESQUISA EM POLÍTICAS PÚBLICAS* Apresentação É inegável o recente crescimento dos estudos na área de políticas públicas no Brasil. Multiplicaram-se as dissertações e teses sobre temas

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social PAPER DA CARTILHA DO FÓRUM INTERSETORIAL DE CONSELHOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

Resenha Internet e Participação Política no Brasil

Resenha Internet e Participação Política no Brasil Resenha Internet e Participação Política no Brasil (Orgs. MAIA, Rousiley Celi Moreira; GOMES, Wilson; MARQUES, Paulo Jamil Almeida. Porto Alegre: Ed. Sulina, 2011.) Átila Andrade de CARVALHO 1 A democracia

Leia mais

III CONGRESSO DE DIREITO URBANÍSTICO email: aramalho@hotlink.com.br Grupo 03 - Gestão Urbana - Democratização, integração de agendas e parcerias.

III CONGRESSO DE DIREITO URBANÍSTICO email: aramalho@hotlink.com.br Grupo 03 - Gestão Urbana - Democratização, integração de agendas e parcerias. III CONGRESSO DE DIREITO URBANÍSTICO email: aramalho@hotlink.com.br Grupo 03 - Gestão Urbana - Democratização, integração de agendas e parcerias. A PROBLEMÁTICA DA GESTÃO METROPOLITANA Ana Maria Filgueira

Leia mais

Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria.

Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria. Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria. Edson José Duarte 1 Universidade Federal de Goiás/Campos catalão Email: edsonduartte@hotmail.com

Leia mais

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 Juliano Varela de Oliveira 2 Cada cidade possui suas peculiaridades referentes às condições de sobrevivência

Leia mais

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL OBJETIVO DO CURSO Capacitar trabalhadores da assistência social para a utilização dos instrumentos técnico-operativos trabalho

Leia mais

Escola de Cidadania: a Construção do Espaço Público para a Consolidação da Cultura Cívico-Democrática

Escola de Cidadania: a Construção do Espaço Público para a Consolidação da Cultura Cívico-Democrática Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Escola de Cidadania: a Construção do Espaço Público para a Consolidação da Cultura Cívico-Democrática

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIENAL DA ABONG 2010 A 2013

PLANEJAMENTO TRIENAL DA ABONG 2010 A 2013 Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais Rua General Jardim, 660 7º andar Vila Buarque - São Paulo. CEP 01223-010 FoneFax (11) 3237-2122 E.mail: abong@abong.org.br PLANEJAMENTO TRIENAL

Leia mais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais 1 POLÍTICA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais Versão para Discussão do GT Interministerial

Leia mais

Se Ligue na Rede: um Caminho para a Sustentabilidade

Se Ligue na Rede: um Caminho para a Sustentabilidade SANEPAR Curitiba (PR) Se Ligue na Rede: um Caminho para a Sustentabilidade Categoria Controle da Poluição 1. Sobre a organização participante: Razão social: - 76484013000145 Nome fantasia: - SANEPAR Setor

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE CONVÊNIO PUC - NIMA/ PETROBRAS / PMR PROJETO EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de Valores Ético-Ambientais para o exercício da

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ESCOLA NAS ESCOLAS PÚBLICAS ESTADUAIS PAULISTAS: ANÁLISE CRÍTICO PROPOSITIVA

A IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ESCOLA NAS ESCOLAS PÚBLICAS ESTADUAIS PAULISTAS: ANÁLISE CRÍTICO PROPOSITIVA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 568 A IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ESCOLA NAS ESCOLAS PÚBLICAS ESTADUAIS PAULISTAS: ANÁLISE CRÍTICO

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais