COMPOSIÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NA MACRORREGIÃO OESTE DO PARANÁ, 2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPOSIÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NA MACRORREGIÃO OESTE DO PARANÁ, 2014"

Transcrição

1 COMPOSIÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NA MACRORREGIÃO OESTE DO PARANÁ, 2014 Gabriela Souza Alves 1 Manoela de Carvalho Maria Lúcia Frizon Rizzotto Neide Tiemi Murofuse RESUMO: Trata-se de um estudo descritivo de caráter quantitativo, realizado na Universidade Estadual do Oeste do Paraná que tem por objetivo apresentar a composição e distribuição da equipe de enfermagem na Macrorregião Oeste do estado do Paraná de acordo com o número de habitantes, tipos de serviços, vínculo e carga horária. O estudo é relevante pela falta de informações disponíveis sobre essa categoria na região e por julgar importante o conhecimento destes dados para o planejamento visando garantir serviços de qualidade para a população com base nos preceitos do SUS (Sistema Único de Saúde). Dos resultados observa-se que a equipe de enfermagem é composta em sua maioria por profissionais de nível técnico (81,92%), quanto ao vínculo (85,75%) são protegidos; os profissionais enfermeiros, técnicos auxiliares e atendentes de enfermagem estão mais concentrados no nível hospitalar e os Agentes Comunitários de Saúde na atenção básica. Quanto a jornada de trabalho os profissionais realizam mais horas do que se o estabelecido por lei. Diante deste perfil, pode-se concluir que a macrorregião oeste oferece condições relativamente adequadas aos profissionais e garantia dos seus serviços, porém, deixa a desejar quanto a jornada de trabalho, o que acarreta um mau funcionamento dos serviços, pelo desgaste dos profissionais. PALAVRAS-CHAVE: Enfermagem; Trabalho em saúde; Saúde-Paraná INTRODUÇÃO Segundo Médici apud Girardi (2011), força de trabalho é definida como um conjunto de pessoas que estão ligadas direta ou indiretamente a atividades econômicas em um determinado período. Então, a força de trabalho em saúde é composta por todas as pessoas ligadas direta ou indiretamente na prestação de serviços de saúde, compondo uma equipe vasta com várias categorias profissionais e trabalhadores em geral. O macrossetor saúde é uma denominação que abrange todos os serviços de saúde bem como os trabalhadores que de alguma forma contribuem para a assistência à saúde. De forma direta tem-se os profissionais e estabelecimentos de saúde. Além destes, o setor saúde abrange outros trabalhadores tais como os que (1) prestam serviços de saúde em estabelecimentos cuja atividade econômica não está vinculada com a saúde, por exemplo, 1 Universidade Estadual do Oeste do Paraná 1

2 médicos e pessoal de enfermagem dos serviços próprios de empresas, indústrias e serviços de medicina do trabalho; (2) exercem atividades não caracterizadas como prestação de serviços pessoais, mas que estão especificamente voltadas para a saúde, por exemplo, atividades de saneamento, saúde animal, ensino de saúde ou de administração da saúde pública); (3) e dedicam-se a atividades de produção e venda de bens relacionados com a saúde, por exemplo, fabricação e venda de medicamentos e equipamentos médicos e odontológicos e comercialização de seguros e planos de saúde (GIRARDI, 2011). Este trabalho está vinculado ao desenvolvimento do projeto de pesquisa denominado Força de Trabalho em Saúde: estrutura, dinâmica e tendência na macrorregião oeste do Paraná, com objetivo de identificar o perfil da força de trabalho em saúde quanto à composição e distribuição destes trabalhadores e profissionais na macrorregião oeste do estado do Paraná. O presente artigo apresenta os resultados preliminares desta pesquisa com recorte nos trabalhadores da equipe de enfermagem. A equipe de enfermagem é formada por profissionais enfermeiros, técnicos de enfermagem, auxiliares de enfermagem, atendente de enfermagem e agente comunitário de saúde (ACS). A inclusão do ACS na equipe de enfermagem ocorreu em 1997, quando o Ministério da saúde atribuiu oficialmente a função de supervisão dos ACS ao enfermeiro (COSTA, 2011). Os atendentes de enfermagem foram os primeiros componentes da equipe e eram aquelas pessoas que prestavam serviços de saúde sem formação regulamentada por lei. A Lei Federal nº 7.498/86 estabeleceu um prazo de dez anos para que estes trabalhadores obtivessem a formação específica para o trabalho em enfermagem (GÖTTEMS, 2007). Por conta disso é possível observar nos resultados da pesquisa que os atendentes de enfermagem representam, atualmente, um número reduzido. Os dados apresentados, em 2010, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), indicam que a equipe de enfermagem contava com profissionais em todo o Brasil (IBGE, 2010). Girardi (2011), citando dados apresentados pelo Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), indica que a relação de profissionais da equipe de enfermagem por mil habitantes no país é heterogênea nas regiões: enquanto no Nordeste, Norte e Centro-Oeste a razão é de 5,4; 6,1; e 6,5 profissionais por 1000 habitantes, respectivamente, nas regiões Sul e Sudeste esta relação é de 9,0 e 9,4 por mil habitantes, respectivamente. 2

3 A questão central que motivou este trabalho é qual a realidade da equipe de enfermagem na macrorregião oeste do Paraná em relação aos campos de atuação no setor saúde? A importância e a relevância residem na obtenção de dados que possam contribuir com um panorama da situação do mercado de trabalho destes trabalhadores nesta região, que apresentou, nas últimas décadas, um aumento expressivo na oferta de cursos de formação, tanto na graduação quanto os de nível técnico. OBJETIVOS Apresentar a composição e distribuição da equipe de enfermagem na macrorregião oeste do Estado do Paraná de acordo com o número de habitantes, tipos de serviços, vínculo e carga horária. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Trata-se de um estudo descritivo de caráter quantitativo, realizado na Universidade Estadual do Oeste do Paraná, onde foram coletados dados da Macrorregião Oeste, que compreende quatro regionais de saúde (8º RS de Francisco Beltrão, 9º RS de Foz do Iguaçu, 10º RS de Cascavel e 20º RS de Toledo), contabilizando 79 municípios. Os dados foram coletados do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (Cnes), base de dados que disponibiliza informações atuais sobre a realidade das condições de infraestrutura dos estabelecimentos de saúde nos três níveis de gestão: Federal, Estadual e Municipal. A coleta de dados foi realizada em março de Os dados foram organizados e sistematizados em um banco de dados no programa Excel composto por 31 variáveis que totalizou vínculos de trabalho. A amostra do estudo foram os profissionais que compõem a equipe de enfermagem que compreende vínculos de trabalho relativos aos ACS, atendente de enfermagem, auxiliar de enfermagem, técnicos de enfermagem e enfermeiros. O projeto de pesquisa foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos, da Universidade Estadual do Oeste do Paraná campus de Cascavel, com o parecer nº de fevereiro de

4 RESULTADOS Do total de vínculos de trabalho identificados na macrorregião oeste do Paraná, eram técnicos de enfermagem, eram auxiliares de enfermagem, e ACS, perfazendo 81,92% da equipe de enfermagem. Os vínculos de enfermeiros somaram (17,77%) e, os atendentes de enfermagem, 28 registros (0,31%) (tabela 1). Tal disparidade nos dados pode ser justificada pelo fato de os profissionais enfermeiros no setor saúde representarem um custo maior que os profissionais técnicos e auxiliares, para os serviços contratantes. TABELA 1 - Composição da equipe de enfermagem de acordo com a formação profissional e a quantidade de trabalhadores Macrorregião Oeste, 2014 Fonte: Elaboração própria a partir dos dados do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde - CNES (2014). Estima-se que, nos municípios, o gasto médio com o setor saúde representa 18% das receitas orçamentárias, e destes, 40% são destinados ao pagamento de despesas com o pessoal e com encargos, acarretando então em maiores contratações dos serviços técnicos e auxiliares, deixando em segundo plano as contratações de pessoal de nível superior (NEGRI; FARIA; VIANA, 2002). Por meio da tabela 2, é possível perceber que a maioria (85,75%) dos trabalhadores da equipe de enfermagem estão vinculados aos locais de trabalho pelos regimes estatutário (43,07%), celetista (25,50%) e emprego público (17,18%). Segundo Nogueira citado em CONASS, (2007) os vínculos estatutários são aqueles administrados pelo Estado, tem remuneração, vantagens e condições previdenciárias estabelecidas num estatuto. Trata-se do Regime Jurídico Único (RJU). Os celetistas ocupem empregos públicos, subordinados às normas da Consolidação das Leis de Trabalho (CLT). São contratados por prazo 4

5 indeterminado para exercício de funções na administração direta, autárquica e fundacional. Por fim, o emprego público não tem estatuto próprio, sendo regulado por lei específica, tal como a Lei n /2000, é uma figura jurídica que ainda não se transformou em realidade administrativa na medida em que não foi regulamentado na esfera federal. Tabela 2 - Distribuição do tipo de vínculo de acordo com os serviços de atenção Macrorregião Oeste, 2014 Fonte: Elaboração própria a partir dos dados do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde - CNES (2014). Nota: Cont.: contrato ; SI (Sem intermediação); ACS (agente comunitário de saúde); Aten. enf. (atendente de enfermagem); Aux. enf. (auxiliar de enfermagem); Enf. (enfermeiro); Téc. enf. (técnico em enfermagem). Segundo o estudo realizado por Girardi et al. (2010), em alguns municípios do Brasil que adotaram a ESF (Estratégia da Saúde da Família), 54,5% dos enfermeiros, 68,3% dos atendentes e técnicos de enfermagem e 73,6% dos ACS estão contratados por vínculos protegidos. Assim, pode-se concluir que a maioria dos trabalhadores da equipe de enfermagem, da região pesquisada, está segurada por vínculos protegidos que, segundo Girardi et al. (2010), estes vínculos garantem proteção social, plenitude dos direitos trabalhistas e previdenciários. Mas, ainda encontram-se alguns profissionais com vínculos precários (14,20%), como, (4,75%) sem intermediação, (4,49%) contrato por prazo determinado, (4,06%) autônomo (0,69%) cargo comissionado, (0,17%) contrato verbal/informal, (0,03%) estágio e residência (0,01%). Os 5

6 vínculos precários caracterizam-se por uma situação de déficit ou ausência de direitos de proteção social e instabilidade do vínculo. (NOGUEIRA; BARALDI; RODRIGUES, 2004). O vínculo proprietário presente na tabela 2, não foi utilizado para o estudo, embora o CNES, mostre-o como um vínculo de trabalho o estudo não o considerou, pois estamos avaliando somente as condições dos trabalhadores que vendem sua força de trabalho e o vínculo proprietário é aquele que compra a força de trabalho. Em relação à distribuição dos profissionais da equipe de enfermagem de acordo com os serviços de atenção, foi possível perceber que 2297 dos ACS encontram-se em sua maioria no Serviço de Atenção Básica (SAB), representando 97,5%. O Serviço Administrativo (SADM) tem 8,2% da participação dos enfermeiros e sua maioria, 40,9% está nos Serviços Hospitalares (SH). Pode-se perceber que a maioria dos técnicos de enfermagem também encontra-se nos serviços hospitalares, correspondendo a 60,7% e estes são mais que os profissionais enfermeiros. Dos 2576 técnicos de enfermagem 16,4 % estão dispostos nos serviços intermediários. TABELA 3 - Distribuição da equipe de enfermagem de acordo com o tipo de serviço Macrorregião Oeste, 2014 Fonte: Elaboração própria a partir dos dados do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde - CNES (2014). Nota: SAB:Serviço de atenção básica; SADM:Serviço administrativo; SH:Serviço hospitalar; SI:Serviço intermediário. Quanto à distribuição dos profissionais de acordo com o número de habitantes dos municípios foi possível perceber que nos municípios com porte de habitantes até menos de habitantes tem-se 5 técnicos de enfermagem para cada habitantes, dado que não se compara a distribuição dos enfermeiros por habitantes, pois, dos 6

7 municípios com menor de habitantes até os com habitantes tem-se menos de 1 enfermeiro por 1000 habitantes (tabela 4), tal fato é observado em todo Brasil. Tabela 4 - Distribuição de profissionais da equipe de enfermagem por habitantes dos municípios segundo porte populacional Macrorregião Oeste, 2014 Fonte: Elaboração própria a partir dos dados do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde - CNES (2014); IBGE Nota: ACS: Agente comunitário de saúde; Aux. enf.: auxiliar de enfermagem; Enf.: enfermeiro; Téc. enf.:técnico em enfermagem. R:razão; N:número. Comparando a distribuição de enfermeiros por 1000 habitantes no Brasil com a região sul e o Estado do Paraná, foi observado que no ano de 2009, em todo o Brasil, só havia 0,9 enfermeiros por mil habitantes, já técnico e auxiliares eram 4,6. Na região sul eram 0,8 enfermeiros e 4,9 auxiliares e técnicos e no Estado do Paraná eram 0,8 enfermeiros por 1000 habitantes e 4,2 auxiliares e técnicos (Gráfico 1) (IBGE, 2009). Gráfico 1 Número de enfermeiro por 1000 habitantes no Brasil, região sul e estado do Paraná no ano de 2009 e na macrorregião oeste no ano de 2014 Fonte: Assistência Médico Sanitárias (AMS); IBGE, 2009; Cadastro Nacional de Estabelecimentos da Saúde CNES (2014) 7

8 Segundo Oliveira (2011), jornada de trabalho é o tempo em que o empregado permanece à disposição do empregador sendo estabelecido por lei. A jornada de trabalho dos enfermeiros, auxiliares e técnicos de enfermagem varia de trinta a quarenta horas semanais. Já a carga horária dos ACS que exercem suas atividades na atenção básica compete às Secretarias Municipais de Saúde e ao Distrito Federal assegurar o cumprimento de horário integral com jornada de 40 horas semanais (BRASIL, 2006). No presente estudo a jornada de trabalho apresentada na Tabela 5 refere-se a carga horária exercida tanto no setor ambulatorial quanto no hospitalar, e foi possível observar que a maioria dos trabalhadores da equipe de enfermagem trabalham de 25 a 44 horas, sendo 92,82% dos atendentes de enfermagem; 95,56% dos auxiliares de enfermagem; 96,32% dos técnicos de enfermagem e 86,64% dos enfermeiros. Salvo os ACS (99,92%) que trabalham de 37 a 44 horas. Também foi possível observar que 30 trabalhadores da equipe de enfermagem estão trabalhando de 45 a 80 horas, são estes: 1 (0,04%) de ACS; 10 enfermeiros (0,62%); e 19 técnicos de enfermagem (0,74%). Quando analisado somente o serviço ambulatorial percebe-se que os enfermeiros e técnicos de enfermagem, estão mais distribuídos entre as cargas horárias com um percentual maior de trabalhadores no período de 37 à 44 horas, sendo respectivamente, 14,05% e 10,13% de 1 à 12 horas; 15,35% e 21,70% de 13 à 24 horas; 17,38% e 33,27% de 25 à 36 horas; 52,80% e 34,09% de 37 à 44 horas e 0,41% e 0,82% de 45 a 60 horas. No serviço hospitalar, 44,44% dos atendentes de enfermagem possuem uma jornada de trabalho de 25 a 36 horas e também de 37 a 44 horas; a maioria dos auxiliares de enfermagem (75,05%) trabalham de 25 a 36 horas; quanto aos enfermeiros, 53,48% trabalham de 25 a 36 horas; 25,64% 13 a 24 horas e 12,27% de 37 a 44 horas; já os técnicos de enfermagem 70,66% realizam de 25 a 35 horas de trabalho. 8

9 Tabela 5 Distribuição da equipe de enfermagem nos serviços de atenção, segundo a carga horária total macrorregião oeste, 2014 Fonte: Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde - CNES (2014); Nota: Equipe de enf.:equipe de enfermagem; ACS: Agente comunitário de saúde; Aten. Enf.: Atendente de enfermagem; Aux. Enf.:Auxiliar de enfermagem; Enf.:Enfermeiro; Téc. Enf.:Técnico em enfermagem; SAB:Serviço de atenção básica; SADM:Serviço administrativo; SH:Serviço hospitalar; SI:Serviço intermediário. 9

10 CONCLUSÃO Estudar o perfil dos trabalhadores da equipe de enfermagem é importante para o conhecimento da distribuição destes a fim de garantir um acesso de qualidade para a população, com base nos princípios do SUS de integralidade e universalidade da atenção. Além de que o setor saúde é um setor que contribui para a economia, sendo um setor que absorve grande contingente de trabalhadores. Segundo (MACHADO, 2012) 4,9% dos 90,9 milhões de empregos são do setor saúde. Diante disso é possível concluir que a macrorregião oeste não encontra-se devidamente suprida com profissionais da equipe de enfermagem, especialmente profissionais enfermeiros para atender a população existente. Visto que a enfermagem é uma profissão essencial no sistema de saúde e que está intimamente ligada a qualidade de vida da população. A distribuição destes profissionais não é hegemônica entre os serviços ficando mais concentrada nos serviços hospitalares. Ao traçar o perfil dessa população, observa-se que a maioria destes encontra-se com vínculos protegidos garantindo assim a qualidade para os trabalhadores, porém, quanto a jornada de trabalho exercida por estes profissionais é sobrecarregada, prejudicando a qualidade de vida destes profissionais e diminuindo o rendimento dos mesmo, podendo resultar na prestação de serviço deficitários. REFERÊNCIAS BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE SECRETÁRIOS DE SAÚDE. Gestão do Trabalho na Saúde / Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Brasília: CONASS, COSTA, M.A.O. A supervisão do enfermeiro no trabalho do agente comunitário de saúde: Uma revisão bibliográfica. Belo Horizonte, GIRARDI, S.N. et al. O trabalho precário em saúde: Tendências e perspectivas na Estratégia da Saúde da Família. Divulgação em Saúde para Debate, Rio de Janeiro, n. 45, p , maio de GIRARDI, S.N; MAAS, L.W.D. Informações sobre mercado de trabalho em saúde: Conceitos e base de dados. Núcleo de educação em saúde coletiva NESCON. Belo Horizonte,

11 GÖTTEMS, L.B.D; ALVES, E.D; SENA, R.R. A enfermagem brasileira e a profissionalização de nível técnico: Analise em retrospectiva. Revista Latino- americana de Enfermagem, INSTITUTO DE MEDICINA SOCIAL. Empregabilidade e trabalho dos enfermeiros no Brasil. UERJ. Rio de Janeiro. nov MACHADO, M.H; VIEIRA. A.L.S; Enfermagem em foco OLIVEIRA.E. Construindo o perfil da enfermagem. NEGRI, B; FARIA, R; VIANA, A. L. A. Recurso Humanos em Saúde: Politica, Desenvolvimento e Mercado de Trabalho. Campinas, SP: Unicamp, IE, NOGUEIRA, R.P; BARALDI, S; RODRIGUES, V. A. Limites Críticos das Noções de Precariedade e Desprecarização do Trabalho na Administração Pública. Brasília, OLIVEIRA, M.L.C. Nº 005/2011 Carga Horária permitida para o Profissional de Enfermagem (Enfermeiro, Técnico e Auxiliar de Enfermagem) permanecer assistindo o cliente/paciente no serviço de Home Care (Assistência domiciliar). COREN. Maio, Disponível em: < df.org.br/portal/index.php/pareceres/parecer-coren/1155-no >. Acesso em Jun

POLITICAS PÚBLICAS PARA A ENFERMAGEM BRASILEIRA. Manoel Carlos Neri da Silva Leocarlos Cartaxo Moreira

POLITICAS PÚBLICAS PARA A ENFERMAGEM BRASILEIRA. Manoel Carlos Neri da Silva Leocarlos Cartaxo Moreira POLITICAS PÚBLICAS PARA A ENFERMAGEM BRASILEIRA Manoel Carlos Neri da Silva Leocarlos Cartaxo Moreira Brasília, 10 de dezembro de 2015 RESGATE DOS PRINCIPAIS RESULTADOS DA PESQUISA PERFIL DA ENFERMAGEM

Leia mais

Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e

Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e ERRATA A página 19 foi substituída pela página abaixo: Quadro de servidores públicos municipais 1999-2002 Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e passando por uma redistribuição de poderes

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PIRACICABA Estado de São Paulo Procuradoria Geral

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PIRACICABA Estado de São Paulo Procuradoria Geral PROJETO DE LEI No. 104/08 Dispõe sobre a criação de empregos de Agente Comunitário de Saúde, junto ao Quadro de Pessoal da Prefeitura do Município de Piracicaba, nos termos da Lei Federal nº 11.350/06

Leia mais

PORTARIA Nº 750, DE 10 DE OUTUBRO DE 2006.

PORTARIA Nº 750, DE 10 DE OUTUBRO DE 2006. PORTARIA Nº 750, DE 10 DE OUTUBRO DE 2006. O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a competência da Secretaria para o estabelecimento de normas de cadastramento das equipes

Leia mais

PARECER COREN-SP 007/2014 CT PRCI nº 099.152/2012 Tickets nº 277.202, 277.242, 281.850, 284.033, 290.514 e 302.667

PARECER COREN-SP 007/2014 CT PRCI nº 099.152/2012 Tickets nº 277.202, 277.242, 281.850, 284.033, 290.514 e 302.667 PARECER COREN-SP 007/2014 CT PRCI nº 099.152/2012 Tickets nº 277.202, 277.242, 281.850, 284.033, 290.514 e 302.667 Ementa: Solicitação de exames por Enfermeiro e avaliação de resultado. 1. Do fato Enfermeiras

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA Diário Oficial da União Nº 219, Seção 1, quarta-feira 16 de novembro de 2011

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA Diário Oficial da União Nº 219, Seção 1, quarta-feira 16 de novembro de 2011 Circular 372/2011 São Paulo, 16 de Novembro de 2011. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA Diário Oficial da União Nº 219, Seção 1, quarta-feira

Leia mais

1ª Adequação do Regimento do Serviço de Enfermagem do Consórcio Intermunicipal de Saúde Centro Oeste do Paraná INTRODUÇÃO

1ª Adequação do Regimento do Serviço de Enfermagem do Consórcio Intermunicipal de Saúde Centro Oeste do Paraná INTRODUÇÃO 1ª Adequação do Regimento do Serviço de Enfermagem do Consórcio Intermunicipal de Saúde Centro Oeste do Paraná INTRODUÇÃO A assistência de enfermagem com qualidade está diretamente ligada à organização

Leia mais

LEI Nº 1.729/2008. I - Equipe PSF e PACS:

LEI Nº 1.729/2008. I - Equipe PSF e PACS: LEI Nº 1.729/2008 EMENTA: Dispõe sobre a contratação temporária de pessoal para o PSF Programa de Saúde da Família e o PACS Programa de Agentes Comunitários de Saúde, nos termos do art. 37, IX da Constituição

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA PARECER COREN/SC Nº 020/CT/2013 Assunto: Solicitação de parecer técnico sobre a solicitação de mamografia de rastreamento por Enfermeiro nas instituições de saúde. I - Do Fato Trata-se de expediente encaminhado

Leia mais

ANÁLISE DOS CONTROLES DOS REPASSES FUNDO A FUNDO NA SAÚDE

ANÁLISE DOS CONTROLES DOS REPASSES FUNDO A FUNDO NA SAÚDE EDUARDO FAVERO ANÁLISE DOS CONTROLES DOS REPASSES FUNDO A FUNDO NA SAÚDE Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização em Auditoria

Leia mais

BLOCO 13 VIGILÂNCIA SANITÁRIA (Continua)

BLOCO 13 VIGILÂNCIA SANITÁRIA (Continua) 1 - O órgão responsável pela Vigilância Sanitária no município caracteriza-se como: Setor é a parte organizacional da prefeitura sem status de secretaria. 1 Setor da secretaria municipal de saúde Setor

Leia mais

ESTUDOS DA COMPETITIVIDADE DO TURISMO BRASILEIRO

ESTUDOS DA COMPETITIVIDADE DO TURISMO BRASILEIRO ESTUDOS DA COMPETITIVIDADE DO TURISMO BRASILEIRO TURISMO E A DIMENSÃO SOCIAL PRESIDENTE DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Luiz Inácio Lula da Silva MINISTRO DO TURISMO Walfrido dos Mares Guia SECRETÁRIO

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS DO DISTRITO INDUSTRIAL DO CHÁCARAS REUNIDAS

INDUSTRIALIZAÇÃO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS DO DISTRITO INDUSTRIAL DO CHÁCARAS REUNIDAS INDUSTRIALIZAÇÃO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS DO DISTRITO INDUSTRIAL DO CHÁCARAS REUNIDAS Gustavo Andreiev Nunes Serra 1, Adriane Aparecida Moreira de Souza 2 Universidade

Leia mais

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores Capítulo 3 Fichas de Qualificação de Indicadores A Demográficos População total A.1................................... 58 Razão de sexos A.2................................... 60 Taxa de crescimento da

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO LEI Nº 1151 DE 17 DE JANEIRO DE 1994 Dispõe sobre a criação do Grupo Ocupacional Profissionais da Saúde- PSAU, no Plano de Cargos e Vencimentos da Prefeitura do Município de Porto Velho e dá outras providências.

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Assunto: O perfil da Extrema Pobreza no Brasil com base nos dados preliminares do universo do Censo 2010. 1. INTRODUÇÃO O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

DECRETO Nº 17.033, DE 11 DE MARÇO DE 1996

DECRETO Nº 17.033, DE 11 DE MARÇO DE 1996 DECRETO Nº 17.033, DE 11 DE MARÇO DE 1996 Dispõe sobre a Instituição da Autarquia Estadual, Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas - IPAAM, aprova seu Regimento interno e dá outras providências. O

Leia mais

LEI 10.073. Parágrafo único - São consideradas atividades do Agente Comunitário

LEI 10.073. Parágrafo único - São consideradas atividades do Agente Comunitário LEI 10.073 Regulamenta o exercício das atividades de Agente Comunitário de Saúde e de Agente de Combate às Endemias no âmbito do Município e dá outras providências. O Povo do Município de Uberaba, Estado

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Palestrante: Carolina Ferri Programa de Saúde da Família Estratégia de reorientação do modelo assistencial, operacionalizada mediante a implantação de equipes

Leia mais

O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições,

O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, PORTARIA Nº 160, DE 1º DE MARÇO DE 2012 Legislações - SAS Sex, 02 de Março de 2012 00:00 PORTARIA Nº 160, DE 1º DE MARÇO DE 2012 Estabelece normas para o cadastramento, no SCNES, das equipes que farão

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL NOVA SANTA BÁRBARA

PREFEITURA MUNICIPAL NOVA SANTA BÁRBARA PREFEITURA MUNICIPAL NOVA SANTA BÁRBARA EDITAL N.º 002/ 2010. ANEXO III DESCRIÇÃO DOS CARGOS CARGO: 012- Ajudante Geral Requisitos: Conhecimentos gerais na área Atribuições do cargo: Proceder a limpeza

Leia mais

Ao município participante do PROGRAMA MAIS MÉDICOS PARA O BRASIL

Ao município participante do PROGRAMA MAIS MÉDICOS PARA O BRASIL Ao município participante do PROGRAMA MAIS MÉDICOS PARA O BRASIL O seu município aderiu ao Programa Mais Médicos do Governo Federal e receberá profissionais para melhorar e expandir o atendimento na atenção

Leia mais

PROGRAMA DE APREDIZAGEM NO IFRN

PROGRAMA DE APREDIZAGEM NO IFRN MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APREDIZAGEM NO IFRN

Leia mais

LEI Nº 7.498, DE 25 DE JUNHO DE 1986

LEI Nº 7.498, DE 25 DE JUNHO DE 1986 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação LEI Nº 7.498, DE 25 DE JUNHO DE 1986 Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

Legislação da Enfermagem

Legislação da Enfermagem Legislação da Enfermagem Lei 5093/73 Implanta o Conselho Federal de Enfermagem e os Conselhos Regionais de Enfermagem. Lei 7498/96 de 25 de junho de 1986 Regulamenta o Exercício da Enfermagem, com o papel

Leia mais

XVII Congresso Brasileiro de Direito do Trabalho Rural O TRABALHO INFANTIL NO MEIO RURAL

XVII Congresso Brasileiro de Direito do Trabalho Rural O TRABALHO INFANTIL NO MEIO RURAL XVII Congresso Brasileiro de Direito do Trabalho Rural O TRABALHO INFANTIL NO MEIO RURAL LEGISLAÇÃO A Constituição Federal de 1988, em seu artigo 7º, inciso XXXIII, veda qualquer tipo de trabalho a menores

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013)

PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013) PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013) EXPEDIENTE CONSULTA Nº 011.881/13 ASSUNTO: Relação de proporcionalidade: Número de profissionais médicos e número de atendimentos. RELATORA:

Leia mais

NOTA CONASEMS Regras para utilização dos recursos transferidos fundo a fundo

NOTA CONASEMS Regras para utilização dos recursos transferidos fundo a fundo NOTA CONASEMS Regras para utilização dos recursos transferidos fundo a fundo O Financiamento da Saúde, de acordo com a Constituição Federal de 1988, é responsabilidade das três esferas de Governo, com

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA (Lato sensu) ORIENTAÇÕES AO PÓS-GRADUANDO CASCAVEL PARANÁ 2008/2009 Reitor da

Leia mais

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense Nº 23 Março 2012 Perfil da Raça da População Cearense Análise a partir dos dados do Censo Demográfico 2010 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CHOÇA ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CHOÇA ESTADO DA BAHIA LEI Nº 278, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014. Altera e insere dispositivos na Lei Municipal nº 016, de 20 de janeiro de 2004, a qual dispõe sobre o Plano de Carreira e Remuneração dos Servidores do Magistério

Leia mais

O Art. 5º, Inciso II da Constituição Federal da República Federativa do Brasil:

O Art. 5º, Inciso II da Constituição Federal da República Federativa do Brasil: PARECER SETOR FISCAL Nº 38/2015 Assunto: Solicitação de parecer sobre as atribuições do Enfermeiro em ambulatório de farmácia particular. 1. Do fato: Gostaria de obter informações quanto às atribuições

Leia mais

A REGULAMENTAÇÃO DA EAD E O REFLEXO NA OFERTA DE CURSOS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A REGULAMENTAÇÃO DA EAD E O REFLEXO NA OFERTA DE CURSOS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A REGULAMENTAÇÃO DA EAD E O REFLEXO NA OFERTA DE CURSOS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Autor(a): Alessandra Barbara Santos de Almeida Coautor(es): Alessandra Barbara Santos de Almeida, Gliner Dias Alencar,

Leia mais

A nova visão da. Contabilidade Aplicada ao Setor Público

A nova visão da. Contabilidade Aplicada ao Setor Público A nova visão da Contabilidade Aplicada ao Setor Público Constituição Federal Lei de Responsabilidade Fiscal 101/2000 Lei 4.320/64 Finanças Públicas Lei 12.249/2010 Conselho Federal de Contabilidade Lei

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 385 VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 329/09 CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 329/09 CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 329/09 CIB/RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: a Portaria GM/MS 399/06, que estabelece as Diretrizes Operacionais do Pacto pela Saúde;

Leia mais

ACOMPANHAMENTO E APOIO TÉCNICO À GESTÃO DESCENTRALIZADA DO SUAS

ACOMPANHAMENTO E APOIO TÉCNICO À GESTÃO DESCENTRALIZADA DO SUAS ACOMPANHAMENTO E APOIO TÉCNICO À GESTÃO DESCENTRALIZADA DO SUAS O ACOMPANHAMENTO E APOIO NO ÂMBITO DO SUAS LINHA DO TEMPO Acompanhamento e Apoio Técnico no SUAS 2005 2007 2008 NOB-SUAS Prevê a habilitação

Leia mais

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE APRESENTAÇÃO Caro Residente, Este manual tem o objetivo informá-lo sobre a dinâmica do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde (RMS) nas áreas de concentração: Saúde Cardiovascular e Saúde Indígena

Leia mais

GILBERTO KASSAB, Prefeito do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei,

GILBERTO KASSAB, Prefeito do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, DOC 05/09/07 (p. 01) DECRETO Nº 48.686, DE 4 DE SETEMBRO DE 2007 Dispõe sobre a convocação e inclusão dos Profissionais da Saúde, lotados na Secretaria Municipal da Saúde, nas Jornadas Especiais de Trabalho

Leia mais

Panorama da Educação em Enfermagem no Brasil

Panorama da Educação em Enfermagem no Brasil Panorama da Educação em Enfermagem no Brasil Rede ABEn de Pesquisa em Educação em Enfermagem GT EDUCAÇÃO 2012 Portaria Nº 17/2012 Realizar a Pesquisa Panorama da Formação em Enfermagem no Brasil no período

Leia mais

Caracterização da coleta seletiva de resíduos sólidos no Brasil: avanços e dificuldades

Caracterização da coleta seletiva de resíduos sólidos no Brasil: avanços e dificuldades Revista Economia & Tecnologia (RET) Volume 9, Número 4, p. 129-136, Out/Dez 2013 Seção: Tecnologia & Inovação Caracterização da coleta seletiva de resíduos sólidos no Brasil: avanços e dificuldades Alessandra

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL Janeiro a Dezembro/2014

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL Janeiro a Dezembro/2014 RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL Janeiro a Dezembro/2014 Brasília 2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 03 METODOLOGIA... 07 CANAIS DE COMUNICAÇÃO COM O CIDADÃO...

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS LEI Nº 6.170, DE 06 DE JANEIRO DE 1993 - D.O. 06.01.93.

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS LEI Nº 6.170, DE 06 DE JANEIRO DE 1993 - D.O. 06.01.93. Autor: Poder Executivo LEI Nº 6.170, DE 06 DE JANEIRO DE 1993 - D.O. 06.01.93. * Dispõe sobre o Plano de Cargos, Carreiras e Salários do Sistema Único de Saúde do Estado de Mato Grosso, e dá outras providências.

Leia mais

Estatísticas dos Professores no Brasil

Estatísticas dos Professores no Brasil EDUCAÇÃO E Estatísticas dos Professores no Brasil Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira República Federativa do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2007

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2007 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2007 Extingue a obrigatoriedade do registro das admissões e dispensas de empregados regidos pela legislação celetista e determina a disponibilização ao público de todas

Leia mais

O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Lei 7238 de 30 de Dezembro de 1996 DISPÕE SOBRE O QUADRO ESPECIAL DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE, INSTITUI O PLANO DE CARREIRA DOS SERVIDORES DA SAÚDE DA PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE, ESTABELECE

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão e da Regulação do Trabalho em Saúde

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão e da Regulação do Trabalho em Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão e da Regulação do Trabalho em Saúde INDICADORES DE GESTÃO DO TRABALHO EM SAÚDE Material de apoio para

Leia mais

O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL

O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL 08 de Novembro de 2012 O que é o Brasil Rural? O Brasil Rural Diversidade: raças, origens étnicas, povos, religiões, culturas Conflitos: concentração de terra, trabalho

Leia mais

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL Priscila da Silva Batista Instituto Tecnológico, Universidade

Leia mais

Educação Infantil em São Carlos: diagnóstico e pesquisa

Educação Infantil em São Carlos: diagnóstico e pesquisa Educação Infantil em São Carlos: diagnóstico e pesquisa Afonso Canella Henriques 1 Profa. Dra. Anete Abramowicz 2 PPGE UFSCar/CAPES Eixo 4: Pesquisa, Políticas Públicas e Direito à Educação Categoria:

Leia mais

Fabiola Sulpino Vieira Diretora do Departamento de Economia da Saúde, Investimentos e Desenvolvimento Março de 2014

Fabiola Sulpino Vieira Diretora do Departamento de Economia da Saúde, Investimentos e Desenvolvimento Março de 2014 Fabiola Sulpino Vieira Diretora do Departamento de Economia da Saúde, Investimentos e Desenvolvimento Março de 2014 Ministério da Saúde Secretária Executiva Departamento de Economia da Saúde, Investimentos

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO NA AREA DA SAÚDE

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO NA AREA DA SAÚDE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO NA AREA DA SAÚDE Porto Alegre, 01 de julho de 2011 EDUCAÇÃO PROFISSIONAL LDB Nº 9394/96 É uma modalidade de ensino integrada às diferentes formas de educação,

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

O GEOPROCESSAMENTO E O PLANEJAMENTO TERRITORIAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS ESCOLAS ESTADUAIS EM CAMPINA GRANDE-PB

O GEOPROCESSAMENTO E O PLANEJAMENTO TERRITORIAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS ESCOLAS ESTADUAIS EM CAMPINA GRANDE-PB O GEOPROCESSAMENTO E O PLANEJAMENTO TERRITORIAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS ESCOLAS ESTADUAIS EM CAMPINA GRANDE-PB Erbeth Yuri dos Santos Nascimento¹, Antônio Pereira

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. OTAVIO LEITE) Regulamenta a Profissão de Cuidador de Pessoa, delimita o âmbito de atuação, fixa remuneração mínima e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

Monitoramento da Qualidade do Emprego na Estratégia Saúde da Família - 2009. (Relatório preliminar)

Monitoramento da Qualidade do Emprego na Estratégia Saúde da Família - 2009. (Relatório preliminar) Monitoramento da Qualidade do Emprego na Estratégia Saúde da Família - 2009 (Relatório preliminar) ÍNDICE APRESENTAÇÃO 4 INTRODUÇÃO 6 OBJETIVOS 9 METODOLOGIA 10 DESCRIÇÃO DAS VARIÁVEIS DEPENDENTES 15 PARTE

Leia mais

Dimensionamento de Pessoal de Enfermagem. Profa Karina Gomes Lourenço

Dimensionamento de Pessoal de Enfermagem. Profa Karina Gomes Lourenço Dimensionamento de Pessoal de Enfermagem Profa Karina Gomes Lourenço Dimensionamento Recrutamento Seleção Avaliação de Desempenho Treinamento e Desenvolvimento Instituições de Saúde Instituições hospitalares

Leia mais

PARECER COREN-SP 004/2015 CT PRCI n 2339/2015

PARECER COREN-SP 004/2015 CT PRCI n 2339/2015 1 PARECER COREN-SP 004/2015 CT PRCI n 2339/2015 Ementa: Atuação de Enfermeiro na função de assessor/consultor em empresa de produtos médico-hospitalares. 1. Do fato Solicita-se esclarecimento se o enfermeiro

Leia mais

1. O Novo Plano Nacional de Educação (2011 2020) O antigo Plano Nacional de Educação terminou sua vigência em 2010 e o Novo Plano encontra-se em

1. O Novo Plano Nacional de Educação (2011 2020) O antigo Plano Nacional de Educação terminou sua vigência em 2010 e o Novo Plano encontra-se em 1. O Novo Plano Nacional de Educação (2011 2020) O antigo Plano Nacional de Educação terminou sua vigência em 2010 e o Novo Plano encontra-se em discussão na Câmara dos Deputados (PL 8.035/2010). Até o

Leia mais

Tabela das Despesas Contabilizáveis para as Ações e Serviços Públicos de Saúde - ASPS. Assist. Social

Tabela das Despesas Contabilizáveis para as Ações e Serviços Públicos de Saúde - ASPS. Assist. Social Descrição da Despesa ASPS Assist. Social Outros Base Legal Subsídio do Secretário da Saúde, Assistência e Meio Ambiente. X 1 1 Casos em que a Secretaria da Saúde abranja outras áreas de atuação, deverá

Leia mais

Demografia Médica no Brasil. Vol 2

Demografia Médica no Brasil. Vol 2 Demografia Médica no Brasil. Vol 2 Mário Scheffer Conselho Federal de Medicina, 6 de fevereiro 2013 Equipe da pesquisa Mário Scheffer (coordenador) Alex Cassenote Aureliano Biancarelli Cooperação acadêmica

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N.

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N. PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2011 O SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO DO MUNICÍPIO

Leia mais

FISCALIZAÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE DO TRABALHADOR MARCOS RUBIO ENFERMEIRO DO TRABALHO E FISCAL DO COREN-MG

FISCALIZAÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE DO TRABALHADOR MARCOS RUBIO ENFERMEIRO DO TRABALHO E FISCAL DO COREN-MG FISCALIZAÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE DO TRABALHADOR MARCOS RUBIO ENFERMEIRO DO TRABALHO E FISCAL DO COREN-MG SAÚDE DO TRABALHADOR E O HISTÓRICO: SESMT - Decreto Lei 5452/43 CLT - Art. 62 SHMT. -Portaria 3.237/72

Leia mais

11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL A educação profissional no Brasil já assumiu diferentes funções no decorrer de toda a história educacional brasileira. Até a promulgação da atual LDBEN, a educação profissional

Leia mais

Rosália Bardaro Núcleo de Assuntos Jurídicos Secretaria de Estado da Saúde

Rosália Bardaro Núcleo de Assuntos Jurídicos Secretaria de Estado da Saúde Rosália Bardaro Núcleo de Assuntos Jurídicos Secretaria de Estado da Saúde A Regulamentação 9 anos de tramitação no Congresso Nacional A Lei foi editada com a seguinte estrutura: - Disposições preliminares;

Leia mais

www.concursovirual.com.br

www.concursovirual.com.br DIREITO ADMINISTRATIVO TEMA: CONHECIMENTOS GERAIS CORREIOS/2015 CONHECIMENTOS GERAIS ESTADO UNITÁRIO - PODER CENTRAL (França) ESTADO COMPOSTO ESTADO UNITÁRIO (Formação histórica) ESTADO REGIONAL MENOS

Leia mais

NOTA TÉCNICA 06 /2014

NOTA TÉCNICA 06 /2014 NOTA TÉCNICA 06 /2014 Redefinição do arranjo organizacional da(s) Equipe(s) de Saúde da Família Ribeirinha (ESFR) e Equipes de Saúde da Família Fluviais (ESFF) para os municípios da Amazônia Legal e Pantanal

Leia mais

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem.

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem. ANOTE Informativo Eletrônico do DIEESE Ano 4, N.º. 38 Maio de 2.003 1 CONJUNTURA Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história Calculada diariamente desde março de 1990, ou seja, a mais

Leia mais

Fóruns Regionais de VISA: Política e práticas em vigilância sanitária

Fóruns Regionais de VISA: Política e práticas em vigilância sanitária Fóruns Regionais de VISA: Política e práticas em vigilância sanitária Brasília, 2010. Presidente da República Luís Inácio Lula da Silva Ministro da Saúde José Gomes Temporão Diretor Presidente da Anvisa

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 78/2012. Acordo de Empréstimo LN 7513 BR COMPONENTE SAÚDE CONSULTORIA PESSOA FÍSICA

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 78/2012. Acordo de Empréstimo LN 7513 BR COMPONENTE SAÚDE CONSULTORIA PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 78/0 Acordo de Empréstimo LN 753 BR COMPONENTE SAÚDE CONSULTORIA PESSOA FÍSICA OBJETIVO: Prestação de Serviços Técnicos especializados de Consultoria para Assessoria Jurídica de

Leia mais

Estado de Mato Grosso Município de Tangará da Serra Assessoria Jurídica www.tangaradaserra.mt.gov.br. - Fone (0xx65) 3311 4801

Estado de Mato Grosso Município de Tangará da Serra Assessoria Jurídica www.tangaradaserra.mt.gov.br. - Fone (0xx65) 3311 4801 LEI N.º 3808, DE 04 DE MAIO DE 2012. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DE CARGOS DE PROVIMENTO EFETIVO, ABERTURA DE VAGAS E ALTERAÇÃO NO ANEXO I D, DAS LEIS MUNICIPAIS Nº 2.099/2003 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2003 E 2875,

Leia mais

PNE: análise crítica das metas

PNE: análise crítica das metas PNE: análise crítica das metas Profa. Dra. Gilda Cardoso de Araujo Universidade Federal do Espírito Santo Ciclo de Palestras do Centro de Educação 2015 Metas do PNE Contexto Foram 1.288 dias de tramitação,

Leia mais

O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal de Macuco aprovou e ele sanciona a seguinte,

O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal de Macuco aprovou e ele sanciona a seguinte, LEI Nº 302/05 "DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS" O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO

PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO 1322 PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO Janyelle Silva Mendes¹;Juliana Alves Leite Leal² 1. Graduanda do Curso de Enfermagem,

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA (CSSF) (VOTO EM SEPARADO DA BANCADA DO PT) PROJETO DE LEI Nº 522, DE 2003

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA (CSSF) (VOTO EM SEPARADO DA BANCADA DO PT) PROJETO DE LEI Nº 522, DE 2003 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA (CSSF) (VOTO EM SEPARADO DA BANCADA DO PT) PROJETO DE LEI Nº 522, DE 2003 Altera a Lei nº 9.311, de 1996, determinando percentual de arrecadação da CPMF para aplicação

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana. Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana. Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno PARECER Nº 141/05 ENTIDADE SOLICITANTE: Procuradoria Jurídica ASSUNTO:

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM REGISTRO E INFORMAÇÕES EM SAÚDE

CURSO TÉCNICO EM REGISTRO E INFORMAÇÕES EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE/MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA E PESQUISA EM SAÚDE ESCOLA GHC INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO

Leia mais

O Congresso Nacional decreta:

O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, do Sr. Roberto Gouveia Dispõe sobre a garantia dos trabalhadores à prevenção dos riscos decorrentes do trabalho e à promoção, proteção, recuperação e reabilitação da saúde, no âmbito

Leia mais

Regulamentação do financiamento do SUS

Regulamentação do financiamento do SUS Regulamentação do financiamento do SUS Área Técnica em Saúde Área de Estudos Técnicos Brasília/DF Julho/2009 Estudo técnico sobre a proposta de regulamentação do financiamento do Sistema Único de Saúde

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 32, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 32, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS (Texto compilado) AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 32, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. Estabelece a Política de Capacitação e Desenvolvimento dos Servidores da Agência Nacional de Aviação

Leia mais

1800 VINDA DA FAMÍLIA REAL. 1889- PROCLAMACAO DA REPUBLICA.

1800 VINDA DA FAMÍLIA REAL. 1889- PROCLAMACAO DA REPUBLICA. O que se exigia do sistema de saúde, do final do século XIX até metade do século passado, era uma política de controle de portos e espaços de circulação de mercadorias, com a finalidade de erradicação

Leia mais

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 1.749-C DE 2011

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 1.749-C DE 2011 REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 1.749-C DE 2011 Autoriza o Poder Executivo a criar a empresa pública denominada Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares EBSERH; acrescenta dispositivos ao Decreto-Lei

Leia mais

PARECER COREN-SP 001 /2014 - CT PRCI n 102.739/2012 Tickets nº 306.528, 308.503.

PARECER COREN-SP 001 /2014 - CT PRCI n 102.739/2012 Tickets nº 306.528, 308.503. PARECER COREN-SP 001 /2014 - CT PRCI n 102.739/2012 Tickets nº 306.528, 308.503. Ementa: Possibilidade de recusa na administração de um medicamento (preparado/diluído) por outro profissional. Administração

Leia mais

Caminhos na estratégia. de saúde da família: capacitação de cuidadores de idosos

Caminhos na estratégia. de saúde da família: capacitação de cuidadores de idosos Caminhos na estratégia de saúde da família: capacitação de cuidadores de idosos Erica Rosalba Mallmann: Escola de Enfermagem - UFRGS Lenice Ines Koltermann: Enfermeira Supervisora da Saúde da Família da

Leia mais

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO O ITEM COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO O ITEM COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA CENSO ESCOLAR

Leia mais

AS PROFISSÕES DE CONTADOR, ECONOMISTA E ADMINISTRADOR: O QUE FAZEM E ONDE TRABALHAM

AS PROFISSÕES DE CONTADOR, ECONOMISTA E ADMINISTRADOR: O QUE FAZEM E ONDE TRABALHAM 1 AS PROFISSÕES DE CONTADOR, ECONOMISTA E ADMINISTRADOR: O QUE FAZEM E ONDE TRABALHAM De acordo com uma pesquisa realizada em Brasília, conforme consta em reportagem publicada pelo jornalista Luis Bissigo,

Leia mais

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9.1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO INDÍGENA 9.1.1 Objetivos gerais A Constituição Federal assegura às comunidades indígenas o direito de uma educação escolar diferenciada e a utilização

Leia mais

Este trabalho apresenta alguns resultados investigados

Este trabalho apresenta alguns resultados investigados 12 Radar Compras Federais de Medicamentos da Assistência Farmacêutica: evidências recentes Introdução Este trabalho apresenta alguns resultados investigados no âmbito do projeto O uso do poder de compra

Leia mais

O papel do controle social nas políticas públicas para idosos no Brasil

O papel do controle social nas políticas públicas para idosos no Brasil 15 O papel do controle social nas políticas públicas para idosos no Brasil Amarilis Maria Muscari Riani Costa Magali das Graças Machado Rafael de Oliveira Tavares Ruth Gelehrter da Costa Lopes Introdução

Leia mais

Contexto. Educação para o mundo do trabalho. Por Mozart Neves Ramos - Todos Pela Educação em 01/03/2013

Contexto. Educação para o mundo do trabalho. Por Mozart Neves Ramos - Todos Pela Educação em 01/03/2013 META NACIONAL 11 - Educação Profissional- Triplicar as matrículas da Educação Profissional Técnica de nível médio, assegurando a qualidade da oferta e pelo menos 50% da expansão no segmento público. Contexto

Leia mais

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SESI DR/ES N 023/2014 11/05/2014

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SESI DR/ES N 023/2014 11/05/2014 COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SESI DR/ES N 023/2014 11/05/2014 O SESI Serviço Social da Indústria torna pública a realização de processo seletivo para provimento de vagas, observados os requisitos mínimos

Leia mais

RÔMULO FEITOSA NAVARRO Presidente

RÔMULO FEITOSA NAVARRO Presidente SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 16/2010 Aprova o II Curso de Especialização em Economia: Economia Política

Leia mais

CAMINHOS DA HUMANIZAÇÃO EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

CAMINHOS DA HUMANIZAÇÃO EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CAMINHOS DA HUMANIZAÇÃO EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO Dalas Cristina Miglioranza 1 Maria Lucia Frizon Rizzotto Manoela de Carvalho RESUMO: O hospital, caracteriza-se como uma instituição complexa que participa

Leia mais

O e-sus AB no Ceará. COSEMS - Fortaleza 08 de maio de 2015

O e-sus AB no Ceará. COSEMS - Fortaleza 08 de maio de 2015 O e-sus AB no Ceará COSEMS - Fortaleza 08 de maio de 2015 e-saúde e o SUS Reestruturação dos sistemas de informação em saúde do MS em busca de um SUS eletrônico: Cartão Nacional de Saúde e-sus Hospitalar

Leia mais

PORTARIA Nº 121, DE 11 DE FEVEREIRO DE 2015. Estabelece os vínculos de profissionais do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde.

PORTARIA Nº 121, DE 11 DE FEVEREIRO DE 2015. Estabelece os vínculos de profissionais do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde. PORTARIA Nº 121, DE 11 DE FEVEREIRO DE 2015. Estabelece os vínculos de profissionais do Cadastro Nacional de s de Saúde. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos

Leia mais

PROCESSO Nº 864/13 PROTOCOLO Nº 11.648.606-5 PARECER CEE/CEMEP Nº 284/13 APROVADO EM 05/08/13

PROCESSO Nº 864/13 PROTOCOLO Nº 11.648.606-5 PARECER CEE/CEMEP Nº 284/13 APROVADO EM 05/08/13 PROTOCOLO Nº 11.648.606-5 PARECER CEE/CEMEP Nº 284/13 APROVADO EM 05/08/13 CÂMARA DO ENSINO MÉDIO E DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO INTERESSADO: CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL MENNA BARRETO

Leia mais

2.291 12,97 0,694 0,746 87.535 R$ 18.640,25 R$ 620,10

2.291 12,97 0,694 0,746 87.535 R$ 18.640,25 R$ 620,10 Mapa Social São João da Urtiga Documento gerado em 04/04/206 às 5:37:37 População Censitária (200) 4.726 População Residente Urbana (200) 2.29 População Residente Rural (200) 2.435 Quantidade de Eleitores

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73 PARECER DEFISC Nº 10/2012 Porto Alegre, 11 de maio de 2012. Competência Legal do Enfermeiro nas Terapias Complementares. I - Relatório A preocupação do homem com o processo saúde-doença não é fato recente.

Leia mais