ABN AMRO REAL. The Equator Principles and Sustainability in the Financial Sector: Transforming Markets in Latin America. Cris Ronza November 10, 2006

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ABN AMRO REAL. The Equator Principles and Sustainability in the Financial Sector: Transforming Markets in Latin America. Cris Ronza November 10, 2006"

Transcrição

1 ABN AMRO REAL The Equator Principles and Sustainability in the Financial Sector: Transforming Markets in Latin America Cris Ronza November 10, 2006

2 Os Princípios do Equador no ABN AMRO Real O que é, quando e como o ABN AMRO Real aderiu aos Princípios do Equador Engajamento dos Bancos Brasileiros Da Teoria à Prática

3 Os Princípios do Equador Os Princípios do Equador são um instrumento voluntário criado por Instituições Financeiras, que prevêem a adoção de um conjunto de critérios e princípios socioambientais para o financiamento de projetos Baseado nos guidelines socioambientais do IFC International Finance Corporation /Banco Mundial

4 Principais Características Enquadramento: Categorias A, B, C (Alto, Médio e Baixo impacto) Processo de Avaliação de Impacto Ambiental e consultas públicas Conformidade com os Padrões do Banco Mundial/IFC Requerimentos Nacionais, prevalecendo o mais restritivo

5 O ABN AMRO Real Adesão: Lançamento - ABN AMRO é co-autor e signatário Adotado por 41 Bancos em todo o mundo Motivação: Consciência Corporativa e existência de Política de Risco Socioambiental Risco de Crédito Prejuízo de Reputação Envolvimento dos Stakeholders

6 No Mundo Princípios do Equador (EP2) Nova Versão Iniciada em Grupo de trabalho composto por: HSBC, ABN AMRO, HVB, West LB, Citigroup, JP Morgan, ING, IFC Core Banks Março, Consulta pública com ONGs, Clientes (Ex. Petrobras e Cia Vale do rio Doce) e Agências Oficiais

7 Movimento no Brasil Reuniões da Câmara Técnica de Finanças Sustentáveis CTFIN do CEBDS 11 de Abril, 2006 Consultas: ONGs: ISA, AMDA, Rios Vivos, Amigos da Terra Amazônia Brasileira Clientes: Carbocloro e Wheaton do Brasi 16 de Agosto, 2006 Feedback ONGs: Amigos da Terra Amazônia Brasileira, Fábrica Éthica Brasil, Conservação Internacional, ISER

8 Engajamento das ONGs Amigos da Terra Amazônia Brasileira - representante ativo no processo revisão, articulação com ONGs e Bancos Recomendações de Alteração da Proposta de Revisão, com ênfase aos aspectos sociais e consulta pública, incorporação dos critérios além de Project Finance e Relatórios

9 Engajamento dos Bancos Brasileiros Fórum de diálogo, articulação e fortalecimento do papel dos Bancos Brasileiros na revisão e aplicação dos EP 2 Importância dos Bancos Brasileiros no contexto dos EPFIs (40%) Ratificação e apoio aos novos princípios, com ênfase à necessidade do diálogo permanente

10 Principais Mudanças Redução do valor mínimo dos projetos: de US$ 50 para US$ 10 milhões Novos Padrões de Desempenho Ambiental: os Bancos signatários passam a adotar formalmente os novos performance standards do IFC Project Finance : extensão para atividades de assessoramento financeiro e expansões de projetos existentes

11 Principais Mudanças Projetos Categoria A: requerem revisão independente do processo de avaliação de impacto ambiental e da consulta pública e Categoria B quando apropriado Contratos: O enquadramento do projeto aos EPs deve constar dos contratos Relatório de Prestação de Contas: estabelecimento de procedimentos para divulgação da aplicação dos EPs em bases anuais

12 Compromisso Os Bancos signatários não vão conceder financiamento a projetos que não cumpram com os EP Cliente e sociedade melhor informados sobre a importância de adoção dos EP Fortalecimento do diálogo permanente com os públicos de interesse

13 Signatários no Brasil Brasileiros: Unibanco, Banco Itaú, Bradesco, Banco do Brasil Com atuação no Brasil: ABN AMRO Banco Real, Bank Boston, BBVA, Citigroup, HSBC, HVB, ING, JP Morgan Chase, RaboBank, West LB

14 Da Teoria à Prática Os Princípios do Equador são aplicados a: projetos cujo valor do investimento seja igual ou acima de US $10 milhões operações de assessoramento financieiro e/ou de finaciamento de projeto ( Advisory e/ou Project Finance ) projetos novos ( green field ) ou Ampliação de projeto localizado no Brasil e demais países da América Latina

15 Processo de Análise Phase 1 Inicial Engagement Phase 2 Assessment & IFC/World Bank Standards Compliance Phase 3 - Phase 3 EP Reporting and Monitoring

16 Procedimento Área Comercial ou de Project Finance submete Proposta para o Engagement e Capital Allocation Committe Área de Risco Socioambiental faz análise preliminar de enquadramento aos EP (EP Tool Kit) e às políticas globais do ABN AMRO Real e emite opinião positiva ou negativa Cliente fornece documentos do projeto como: EIA/RIMA, Relatórios, licenças e autorizações ambientais e atas das audiência pública Projetos Categoria A - consultoria independente Projetos Categoria B - Due Diligence e consultor independente dependerá da complexidade do projeto

17 Monitoramento Parecer conclusivo e definição, se necessário, de condicionantes prévio ao primeiro desembolso As condicionantes dos projetos Categorias A ou B constam dos contratos de financiamento e/ou de assessoramento financeiro A verificação do cumprimento das condicionantes: tipicamente apresentação de Relatórios de Monitoramento Não conformidade: correção, condicionantes, suspensão, pré-pagamento, estabelecimento de Plano de Ação

18 Reporting Os Relatórios de Sustentabilidade Global e Brasileiro divulgam o balanço dos projetos submetidos aos Princípios do Equador com as seguintes informações: país, categoria, setor, aprovados, aprovados com condicionantes, reprovados e volumes financeiros evolvidos Desde a criação e lançamento em 2003 o ABN AMRO Real já analisou 23 projetos

19 ABN AMRO Real no Relatório Global, 2005 Brasil 12 América Latina 5 Austrália 6 Europa 5 Oriente Médio 5 América do Norte 3 Asia 5 África 2 Total 43

20 Princípios do Equador analisados por categoria de projeto (2005 set. 2006) Categorias Número de Análises Aprovados Aprovados com condicionantes Declinados A B C Total

21 Percentual de Análises por Categoria (2005 set. 2006) C 16% A 11% A B C B 73%

22 Princípios do Equador analisados por setor (2005 set. 2006) Número de Análises Aprovados Aprovados com condicionantes Declinados Oil & Gas Mining & Metals Power & Utilities Construction Total

23 Princípios do Equador analisados por tipo de transação e valor do investimento (2005 set. 2006) Tipo de Transação Número de Análises Custo do Projeto (US$) Número de Análises >1 1 Project Finance 14 > 500 < 1000 milhão 1 Corporativo 2 > 250 < 500 milhões 4 Outros 3 < 50 < 250 milhões 12 < 50 milhões 1 Total 19 19

24 Benefícios A experiência dos últimos 3 anos permitiu aos Bancos: Identificar os riscos socioambientais na fase inicial Avaliar, mitigar e monitorar riscos de crédito e reputação Aplicar critérios e linguagem comuns para a tomada de decisão Estabelecer padrões globais para financiamento de projetos

25 Desafios Engajar e influenciar clientes em relação aos benefícios Engajar competidores não signatários à adesão Compartilhar informações entre EPFIs Criar ferramentas e indicadores de verificação dos resultados da aplicação dos EP

26

GESTÃO DE RISCOS SOCIOAMBIENTAIS

GESTÃO DE RISCOS SOCIOAMBIENTAIS GESTÃO DE RISCOS SOCIOAMBIENTAIS CRITÉRIOS SOCIOAMBIENTAIS PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO O Bradesco faz a análise e a gestão dos riscos socioambientais nas operações de crédito por meio de avaliação de documentos,

Leia mais

Risco Socioambiental. por Christopher Wells. Superintendente Risco Socioambiental

Risco Socioambiental. por Christopher Wells. Superintendente Risco Socioambiental Risco Socioambiental por Christopher Wells Superintendente Risco Socioambiental MARÇO DE 2012 Risco Socioambiental Conceitos Básicos Equator Principles Crédito Corporativo Aceitação de Clientes O que é

Leia mais

Informação para a imprensa não atribuível. As novas exigências ambientais e sociais da International Finance Corporation

Informação para a imprensa não atribuível. As novas exigências ambientais e sociais da International Finance Corporation Março de 2006 Informação para a imprensa não atribuível As novas exigências ambientais e sociais da International Finance Corporation De Políticas de Salvaguarda Ambiental e Social para Política e Normas

Leia mais

(Environmental and Social Assessments and Audits / Due Diligences)

(Environmental and Social Assessments and Audits / Due Diligences) (Environmental and Social Assessments and Audits / Due Diligences) Agências Multilaterais Fundos de governos de países desenvolvidos para financiar projetos públicos e privados visando ao desenvolvimento

Leia mais

Os Princípios do Equador e a Sustentabilidade no Mercado Financeiro. IFC, BOVESPA & FGV Nov, 2006

Os Princípios do Equador e a Sustentabilidade no Mercado Financeiro. IFC, BOVESPA & FGV Nov, 2006 Os Princípios do Equador e a Sustentabilidade no Mercado Financeiro IFC, BOVESPA & FGV Nov, 2006 Febraban Perfil Fundada em 1967 Principal entidade representativa do setor bancário brasileiro 114 associados

Leia mais

Workshop Políticas e Práticas Socioambientais nas Instituições Financeiras. São Paulo, 1º de dezembro de 2011

Workshop Políticas e Práticas Socioambientais nas Instituições Financeiras. São Paulo, 1º de dezembro de 2011 Workshop Políticas e Práticas Socioambientais nas Instituições Financeiras São Paulo, 1º de dezembro de 2011 Sistema Financeiro Nacional Políticas de RSA, Governança, Produtos e Gerenciamento de Risco

Leia mais

Processo 2013. 05 de março de 2013. www.isebvmf.com.br

Processo 2013. 05 de março de 2013. www.isebvmf.com.br Processo 2013 05 de março de 2013 www.isebvmf.com.br Conselho Deliberativo do ISE (CISE) Órgão máximo de governança do índice Tem como missão garantir um processo transparente de construção do índice e

Leia mais

A Resolução nº 4.327, de 2014. Café com Sustentabilidade Febraban 16/07/2014. Banco Central do Brasil

A Resolução nº 4.327, de 2014. Café com Sustentabilidade Febraban 16/07/2014. Banco Central do Brasil A Resolução nº 4.327, de 2014 Café com Sustentabilidade Febraban 16/07/2014 Departamento de Regulação do Sistema Financeiro Denor Banco Central do Brasil Agenda CONTEXTO DA REGULAÇÃO A RESOLUÇÃO Nº 4.327

Leia mais

Itaú BBA Avaliação de Risco Socioambiental

Itaú BBA Avaliação de Risco Socioambiental Itaú BBA Avaliação de Risco Socioambiental 1 Itaú BBA Risco Socioambiental 2014 Incorporação da Variável Ambiental no Processo de Análise de Crédito: PARA QUÊ? Identificar, avaliar, controlar, transferir

Leia mais

Fortalecendo a reputação por meio da performance sustentável. Paulo Marinho Itaú Unibanco Comunicação Corporativa

Fortalecendo a reputação por meio da performance sustentável. Paulo Marinho Itaú Unibanco Comunicação Corporativa Fortalecendo a reputação por meio da performance sustentável Paulo Marinho Itaú Unibanco Comunicação Corporativa Você tem uma boa reputação? Você tem uma boa reputação? E sua empresa? Para um banco tão

Leia mais

Sistemas de Boas Práticas Internacionais

Sistemas de Boas Práticas Internacionais Sistemas de Boas Práticas Internacionais por Christopher Wells Superintendente Risco Socioambiental Santander Brasil Brasília, 21 de agosto, 2014 O que é uma externalidade? 2 Rio limpo Ar limpo Algumas

Leia mais

Itaú BBA Risco Socioambiental no Mercado Financeiro

Itaú BBA Risco Socioambiental no Mercado Financeiro Itaú BBA Risco Socioambiental no Mercado Financeiro Março de 2013 Incorporação da Variável Ambiental no Processo de Análise de Crédito: PARA QUÊ? Identificar, avaliar, controlar, transferir e monitorar

Leia mais

Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro

Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro Avaliação do desempenho socioambiental de projetos com foco nos Princípios do Equador e Parâmetros de Desempenho do IFC Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro São Paulo,

Leia mais

Dimensão Ambiental GRUPO IF

Dimensão Ambiental GRUPO IF Dimensão Ambiental GRUPO IF Serviços Financeiros Instituições Financeiras, Seguradoras Dimensão Ambiental 119 GRUPO IF... 118 CRITÉRIO I - POLÍTICA... 120 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO

Leia mais

Impacto dos projetos de sustentabilidade

Impacto dos projetos de sustentabilidade Impacto dos projetos de sustentabilidade Angelica Blanco 24 de Maio, 2010 0 CONTEÚDO Parte 1: Sustentabilidade Direcionando investimentos Parte 2: Retornos em Sustentabilidade 1 QUEM SOMOS Estudos e rankings

Leia mais

Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009

Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009 Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009 Conteúdo da apresentação Breve contexto Indutores da Gestão da Sustentabilidade Gestão

Leia mais

POLÍTICA A. OBJETIVO... 2 B. ABRANGÊNCIA... 2 C. VIGÊNCIA... 2 D. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 1. DEFINIÇÕES... 2 2. INTRODUÇÃO... 3 3. GOVERNANÇA...

POLÍTICA A. OBJETIVO... 2 B. ABRANGÊNCIA... 2 C. VIGÊNCIA... 2 D. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 1. DEFINIÇÕES... 2 2. INTRODUÇÃO... 3 3. GOVERNANÇA... A. OBJETIVO... 2 B. ABRANGÊNCIA... 2 C. VIGÊNCIA... 2 D. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 1. DEFINIÇÕES... 2 2. INTRODUÇÃO... 3 3. GOVERNANÇA... 4 4. RELACIONAMENTO E ENGAJAMENTO COM PARTES INTERESSADAS... 4 5.

Leia mais

Risco Socioambiental. por Christopher Wells. Superintendente Risco Socioambiental

Risco Socioambiental. por Christopher Wells. Superintendente Risco Socioambiental Risco Socioambiental por Christopher Wells Superintendente Risco Socioambiental MARÇO 2013 Risco Socioambiental Conceitos Básicos Equator Principles Crédito Corporativo Aceitação de Clientes O que é uma

Leia mais

A EFICIÊNCIA DA INSERÇÃO DA VARIÁVEL AMBIENTAL NAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS PÚBLICAS E PRIVADAS PERANTE O PROTOCOLO VERDE E OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR

A EFICIÊNCIA DA INSERÇÃO DA VARIÁVEL AMBIENTAL NAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS PÚBLICAS E PRIVADAS PERANTE O PROTOCOLO VERDE E OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR ISSN 1982-5528 A EFICIÊNCIA DA INSERÇÃO DA VARIÁVEL AMBIENTAL NAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS PÚBLICAS E PRIVADAS PERANTE O PROTOCOLO VERDE E OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR Melca Silva Rabelo Mestre em Desenvolvimento

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCOS COMO FERRAMENTA PARA TOMADA DE DECISÃO EM PROJETOS SUSTENTÁVEIS. Carlos Camargo, M.Sc Gerente Segurança e Saúde Grupo EBX

AVALIAÇÃO DE RISCOS COMO FERRAMENTA PARA TOMADA DE DECISÃO EM PROJETOS SUSTENTÁVEIS. Carlos Camargo, M.Sc Gerente Segurança e Saúde Grupo EBX AVALIAÇÃO DE RISCOS COMO FERRAMENTA PARA TOMADA DE DECISÃO EM PROJETOS SUSTENTÁVEIS Carlos Camargo, M.Sc Gerente Segurança e Saúde Grupo EBX Introdução O que é um projeto sustentável? O que é Avaliação

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR

OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR UMA ABORDAGEM DO SETOR PARA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS SOBRE DETERMINAÇÃO, AVALIAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCO AMBIENTAL E SOCIAL EM FINANCIAMENTO DE PROJETOS Florianópolis Junho/2004

Leia mais

O valor de ser sustentável

O valor de ser sustentável Visão Sustentável O valor de ser sustentável Os investimentos socialmente responsáveis vêm ganhando espaço mundialmente. No Brasil, há fundos de ações com foco em sustentabilidade, além do ISE Criselli

Leia mais

Responsabilidade Socioambiental das IF s Resolução 4327 e Entregas

Responsabilidade Socioambiental das IF s Resolução 4327 e Entregas Responsabilidade Socioambiental das IF s Resolução 4327 e Entregas AGENDA PRSA Governança Gestão e Controles Internos Plano de Ação Santander e Resolução 4327 AGENDA PRSA Governança Gestão e Controles

Leia mais

A ESTRUTURA DE SUSTENTABILIDADE International Finance Corporation (IFC) Gladis Ribeiro

A ESTRUTURA DE SUSTENTABILIDADE International Finance Corporation (IFC) Gladis Ribeiro A ESTRUTURA DE SUSTENTABILIDADE International Finance Corporation (IFC) Gladis Ribeiro INTERNATIONAL FINANCE CORPORATION (IFC), QUEM SOMOS? A IFC, membro do Grupo Banco Mundial, é uma instituição de desenvolvimento

Leia mais

A experiência do Carbon Disclosure Project no Brasil, para a governança climática de companhias de capital aberto

A experiência do Carbon Disclosure Project no Brasil, para a governança climática de companhias de capital aberto A experiência do Carbon Disclosure Project no Brasil, para a governança climática de companhias de capital aberto Contexto empresarial: Impactos financeiros e vantagem competitiva GOVERNANÇA CLIMÁTICA

Leia mais

Maximizando a rentabilidade e a segurança dos investimentos de nossos clientes

Maximizando a rentabilidade e a segurança dos investimentos de nossos clientes APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Maximizando a rentabilidade e a segurança dos investimentos de nossos clientes ÍNDICE Equipe, Posicionamento e Parceiros da Plurimax Filosofia de Investimentos e Controle de

Leia mais

Levantamento do Perfil de Responsabilidade Socioambiental nas Organizações

Levantamento do Perfil de Responsabilidade Socioambiental nas Organizações Levantamento do Perfil de Responsabilidade Socioambiental nas Organizações Brasília, 19 de abril de 2011 BLOCOS TEMÁTICOS COMPROMISSO PLANEJAMENTO E GESTÃO DESEMPENHO SUSTENTÁVEL CONTRIBUIÇÃO COM O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO IBRACON Nº XX/2012. Relatórios de sustentabilidade emitidos por auditores independentes INTRODUÇÃO E OBJETIVOS

COMUNICADO TÉCNICO IBRACON Nº XX/2012. Relatórios de sustentabilidade emitidos por auditores independentes INTRODUÇÃO E OBJETIVOS COMUNICADO TÉCNICO IBRACON Nº XX/2012 Relatórios de sustentabilidade emitidos por auditores independentes INTRODUÇÃO E OBJETIVOS Nos últimos anos tem havido evolução dos conceitos econômicos, sociais e

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DO GRUPO INVEPAR

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DO GRUPO INVEPAR DE DO GRUPO INVEPAR PÁGINA Nº 2/5 1. INTRODUÇÃO Desenvolver a gestão sustentável e responsável nas suas concessões é um componente fundamental da missão Invepar de prover e operar sistemas de mobilidade

Leia mais

Uma Visão Prática dos Fatos: Case Itaú BBA. Outubro 2014

Uma Visão Prática dos Fatos: Case Itaú BBA. Outubro 2014 Uma Visão Prática dos Fatos: Case Itaú BBA Outubro 2014 1 Itaú BBA Risco Socioambiental Outubro 2014 Sistema de Gestão Socioambiental Por quê???? The Banker 2 Itaú BBA Risco Socioambiental Outubro 2014

Leia mais

MINERAÇÃO, COMUNIDADES E GOVERNOS LOCAIS: É POSSÍVEL CONSTRUIR UMA AGENDA COMUM? Cecilia Balby

MINERAÇÃO, COMUNIDADES E GOVERNOS LOCAIS: É POSSÍVEL CONSTRUIR UMA AGENDA COMUM? Cecilia Balby MINERAÇÃO, COMUNIDADES E GOVERNOS LOCAIS: É POSSÍVEL CONSTRUIR UMA AGENDA COMUM? Cecilia Balby 13º Congresso Brasileiro de Mineração - Setembro 2009 Esta apresentação Razões e objetivos Iniciativas (revisão

Leia mais

Prática de Risco Socioambiental Procedimentos Banco Santander Brasil

Prática de Risco Socioambiental Procedimentos Banco Santander Brasil Prática de Risco Socioambiental Procedimentos Banco Santander Brasil Riscos Ambientais e Sociais para Analistas de Crédito Programa Ambiental das Nações Unidas Iniciativa Financeira (UNEP FI) Silvia Chicarino

Leia mais

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS No âmbito da avaliação realizada, a nível internacional, sobre os fundamentos da crise financeira iniciada no Verão

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: aspectos coorporativos e ambientais Fabio Feldmann

Desenvolvimento Sustentável: aspectos coorporativos e ambientais Fabio Feldmann Desenvolvimento Sustentável: aspectos coorporativos e ambientais Fabio Feldmann Desenvolvimento Sustentável - Definição e Evolução O mundo nos últimos 50 anos Encruzilhadas Sustentabilidade Desafios O

Leia mais

O Papel dos Bancos Públicos na Promoção do Desenvolvimento Sustentável

O Papel dos Bancos Públicos na Promoção do Desenvolvimento Sustentável O Papel dos Bancos Públicos na Promoção do Desenvolvimento Sustentável 10 de maio 2006 Rio de Janeiro www.unepfi.org O que é uma externalidade? Ar limpo Photos Externalidades Rio limpo Algumas externalidades

Leia mais

Sustentabilidade como estratégia empresarial

Sustentabilidade como estratégia empresarial Palestra IETEC Outubro de 2012 Sustentabilidade como estratégia empresarial Luiz Augusto Barcellos Almeida Superintendente de Sustentabilidade Empresarial 1/XX Sustentabilidade Fatos que marcaram a trajetória

Leia mais

Disciplina: Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração.

Disciplina: Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração AULA 5 Set/2013 Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração Execução Áreas de conhecimentos de gerenciamento de projetos ESCOPO TEMPO CUSTO QUALIDADE

Leia mais

ÍNDICE DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL (ISE)

ÍNDICE DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL (ISE) ÍNDICE DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL (ISE) Iniciativa pioneira na América Latina, o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) busca criar um ambiente de investimento compatível com as demandas de

Leia mais

A colaboração entre as ONGD e as Empresas na promoção do desenvolvimento Internacional. Possíveis Termos de Engajamento

A colaboração entre as ONGD e as Empresas na promoção do desenvolvimento Internacional. Possíveis Termos de Engajamento A colaboração entre as ONGD e as Empresas na promoção do desenvolvimento Internacional Possíveis Termos de Engajamento Introdução A conjuntura actual Insustentabilidade do sistema de financiamento a projectos

Leia mais

Sustentabilidade Operacional...novos mercados para o setor financeiro

Sustentabilidade Operacional...novos mercados para o setor financeiro www.pwc.com.br Sustentabilidade Operacional...novos mercados para o setor financeiro Junho 2015 Agenda 01 02 Sustentabilidade...olhando para futuro Para ser sustentável é preciso compreender e se adaptar

Leia mais

Marketing/Vendas. Financeiro/Controladoria. Recursos Humanos e área Corporativa (por ex.. estratégia, comunicação) Outros

Marketing/Vendas. Financeiro/Controladoria. Recursos Humanos e área Corporativa (por ex.. estratégia, comunicação) Outros Favor indicar sua função na empresa: 54% N=107 5% 11% 2% 12% 16% P&D Marketing/Vendas Produção Financeiro/Controladoria Recursos Humanos e área Corporativa (por ex.. estratégia, comunicação) Outros Outros:

Leia mais

Nova York, 25 de Novembro de 2008. Sr. Milton Vargas. Diretor Vice Presidente e Diretor de Relações com Investidores

Nova York, 25 de Novembro de 2008. Sr. Milton Vargas. Diretor Vice Presidente e Diretor de Relações com Investidores Bradesco Day 2008 Nova York, 25 de Novembro de 2008 Sr. Milton Vargas Diretor Vice Presidente e Diretor de Relações com Investidores 1 1 Desempenho 2 Foco no Mercado Doméstico 3 5 4 Banco Completo Excelência

Leia mais

Estratégia e inovação. Gestão de Risco. Meio Ambiente, saúde e segurança

Estratégia e inovação. Gestão de Risco. Meio Ambiente, saúde e segurança Favor indicar o departamento no qual opera: 16% 5% Relações externas, Comunicação N=19 79% Estratégia e inovação Gestão de Risco Outros Meio Ambiente, saúde e segurança Outros: Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

Empresas se veem numa nova lógica de mercado...

Empresas se veem numa nova lógica de mercado... Empresas se veem numa nova lógica de mercado... 20/04/2010 Acidente com uma plataforma de petróleo que causou o vazamento de 2,2 milhões de barris no mar. - 53,79% ... mas também enxergam novas oportunidades.

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Versão Julho de 2015 POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (Política e procedimentos relacionados à responsabilidade socioambiental da Gávea DTVM nos termos da Resolução BCB no 4.327, de 25 de abril

Leia mais

MERCADO DE CÂMBIO BRASILEIRO Definições, Funcionamento e Evolução Recente. Brasília, 28/10/2015. Alvir Hoffmann Vice-Presidente

MERCADO DE CÂMBIO BRASILEIRO Definições, Funcionamento e Evolução Recente. Brasília, 28/10/2015. Alvir Hoffmann Vice-Presidente MERCADO DE CÂMBIO BRASILEIRO Definições, Funcionamento e Evolução Recente Brasília, 28/10/2015 Alvir Hoffmann Vice-Presidente Índice Mercado de Cambio Definições e funcionamento Mercado de Câmbio - Evolução

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício n 2584/2006/SDE/GAB de 31 de maio de 2006

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício n 2584/2006/SDE/GAB de 31 de maio de 2006 MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06246/2006/RJ COGAM/SEAE/MF Rio de janeiro, 26 de junho de 2006. Referência: Ofício n 2584/2006/SDE/GAB de 31 de maio de 2006 Assunto:

Leia mais

Programa BRDE Produção e Consumo Sustentáveis BRDE/PCS

Programa BRDE Produção e Consumo Sustentáveis BRDE/PCS Programa BRDE Produção e Consumo Sustentáveis BRDE/PCS AGENDA 1. CONTEXTO ESPECÍFICO E CONTEXTO HISTÓRICO a) Contexto Específico b) Contexto Histórico no Mundo c) Contexto Histórico no Brasil 2. PRODUÇÃO

Leia mais

Gerente de Projeto para Serviços de Assessoria em PPPs. Valores da ONU: Integridade, Profissionalismo, Respeito pela Diversidade

Gerente de Projeto para Serviços de Assessoria em PPPs. Valores da ONU: Integridade, Profissionalismo, Respeito pela Diversidade Gerente de Projeto para Serviços de Assessoria em PPPs Código da vaga: VA/2015/B5414/8606 Cargo: Gerente de Projeto para Serviços de Assessoria em Parcerias Público- Privadas (mais de uma vaga) Departamento/escritório:

Leia mais

Política sobre Sustentabilidade Socioambiental Rev-0.1 14 de abril de 2010

Política sobre Sustentabilidade Socioambiental Rev-0.1 14 de abril de 2010 Primeira Parte: Objetivo desta Política 1. A International Finance Corporation (IFC) busca resultados positivos de desenvolvimento nas atividades do setor privado que apoia em países em desenvolvimento.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PROGRAMA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PROGRAMA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL TERMO DE REFERÊNCIA PARA PROGRAMA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração

Leia mais

Lucro atribuído ORDINÁRIO. Evolução 1S'15 / 1S'14

Lucro atribuído ORDINÁRIO. Evolução 1S'15 / 1S'14 Lucro atribuído ORDINÁRIO. Evolução 1S'15 / 1S'14 21 Aumento generalizado do lucro, especialmente nas grandes unidades Milhões de euros Lucro atribuído ordinário 1S 15 % Var. s/ 1S'14 Em euros constantes

Leia mais

Sustentabilidade Corporativa

Sustentabilidade Corporativa Sustentabilidade Corporativa Painel II: O Mercado e a Sustentabilidade Empresarial O Novo Paradigma de Atuação Empresarial F U N D A Ç Ã O B R A S I L E I R A P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O S

Leia mais

Christopher Wells Member, GRI Stakeholders Council

Christopher Wells Member, GRI Stakeholders Council Christopher Wells Member, GRI Stakeholders Council Global Reporting Initiative Contabilidade financeira: Generally accepted accounting principles (GAAP) Objetivo do GRI: Generally accepted sustainability

Leia mais

TÍTULO: OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR E O SISTEMA FINANCEIRO - FERRAMENTAS PARA A GESTÃO SOCIOAMBIENTAL BRASILEIRA 1

TÍTULO: OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR E O SISTEMA FINANCEIRO - FERRAMENTAS PARA A GESTÃO SOCIOAMBIENTAL BRASILEIRA 1 TÍTULO: OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR E O SISTEMA FINANCEIRO - FERRAMENTAS PARA A GESTÃO SOCIOAMBIENTAL BRASILEIRA 1 Vânia de Lourdes Marques, Sandra Hacon e Valéria da Vinha RESUMO Os Princípios do Equador,

Leia mais

Minando nosso futuro Um estudo dos investimentos dos bancos em um grupo de companhias ativas em combustíveis fósseis e energias renováveis

Minando nosso futuro Um estudo dos investimentos dos bancos em um grupo de companhias ativas em combustíveis fósseis e energias renováveis Minando nosso futuro Um estudo dos investimentos dos bancos em um grupo de companhias ativas em combustíveis fósseis e energias renováveis Um estudo de caso da Fair Finance Guide International 5 de novembro

Leia mais

Credit Suisse (Brasil) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA) Julho de 2015

Credit Suisse (Brasil) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA) Julho de 2015 Credit Suisse (Brasil) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA) Julho de 2015 Sumário 1. Aplicação... 02 2. Definições... 02 2.1 Risco socioambiental... 02 2.2 Partes relacionadas... 02 2.3 Termos...

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO RESPONSÁVEL E DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE INVESTIMENTO RESPONSÁVEL E DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SUL AMÉRICA INVESTIMENTOS DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S.A POLÍTICA DE INVESTIMENTO RESPONSÁVEL E DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Índice: 1 OBJETIVO 2 2 CONCEITOS E DEFINIÇÕES 2 3

Leia mais

Governança Plano de contratação Ranking de fornecedores

Governança Plano de contratação Ranking de fornecedores www.pwc.com.br Governança Plano de contratação Ranking de fornecedores Introdução O mundo mudou!!! No ambiente de projetos atual não basta mais tratarmos apenas de planejamento e controle, precisamos melhorar

Leia mais

Financial Services. Precisão competitiva. Metodologias específicas e profissionais especializados na indústria de seguros

Financial Services. Precisão competitiva. Metodologias específicas e profissionais especializados na indústria de seguros Financial Services Precisão competitiva Metodologias específicas e profissionais especializados na indústria de seguros Nossa experiência na indústria de seguros A indústria de seguros vem enfrentando

Leia mais

GT de Empresas Pioneiras em Relatórios de Sustentabilidade

GT de Empresas Pioneiras em Relatórios de Sustentabilidade GT de Empresas Pioneiras em Relatórios de Sustentabilidade Comissão Brasileira de Acompanhamento do Relato Integrado Tendências e Desafios da Integração de Informações Financeiras e de Sustentabilidade:

Leia mais

Voluntariado Empresarial

Voluntariado Empresarial Voluntariado Empresarial Agenda 09:00-09:10 Abertura e Introdução ao tema Voluntariado Empresarial 09:10 09:30 Jogo de Palavras conceito trabalho em grupos 09:30 10:15 Apresentação dos grupos e síntese

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Local de residência do candidato selecionado, com disponibilidade para viagens em todo o território nacional.

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Local de residência do candidato selecionado, com disponibilidade para viagens em todo o território nacional. TERMO DE REFERÊNCIA Denominação: Consultor(a) especializado(a) na área de suporte técnico para levantar e sistematizar as informações sobre os investimentos estrangeiros diretos e suas relações com os

Leia mais

Política de Responsabilidade Social e Ambiental Agência de Fomento de Goiás S/A - GOIÁSFOMENTO

Política de Responsabilidade Social e Ambiental Agência de Fomento de Goiás S/A - GOIÁSFOMENTO Política de Responsabilidade Social e Ambiental Agência de Fomento de Goiás S/A - GOIÁSFOMENTO I - INTRODUÇÃO A Agência de Fomento de Goiás S/A - GOIÁSFOMENTO, em atendimento a Resolução nº. 4.327 de 25/04/2014

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental e Gestão de Risco Socioambiental na CAIXA

Política de Responsabilidade Socioambiental e Gestão de Risco Socioambiental na CAIXA Política de Responsabilidade Socioambiental e Gestão de Risco Socioambiental na CAIXA Vice Presidência de Operações Corporativas Gerência Nacional Sustentabilidade e Responsabilidade Socioambiental AGO

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

Os efeitos indesejáveis do crescimento econômico têm

Os efeitos indesejáveis do crescimento econômico têm FINANÇAS Finanças sustentáveis Os efeitos indesejáveis do crescimento econômico têm preocupado a sociedade civil e suas instituições há algumas décadas, devido aos impactos socioambientais das atividades

Leia mais

Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização

Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Corporação Financeira Internacional 26 de agosto

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Versão 2015.2 Editada em julho de 2015 SUMÁRIO 1. Objetivo da Política...3 2. Abrangência...3 3. Princípios...3 4. Das Diretrizes Estratégicas...4 5. Da Estrutura

Leia mais

Educação em Contabilidade na América Latina e no Brasil. Taiki Hirashima Abril de 2008

Educação em Contabilidade na América Latina e no Brasil. Taiki Hirashima Abril de 2008 Educação em Contabilidade na América Latina e no Brasil Taiki Hirashima Abril de 2008 1 Agenda CReCER Regional Conference O survey da educação contábil na América Latina (AL) Principais tendências positivas

Leia mais

Países em que a organização opera e em que suas principais operações estão localizadas

Países em que a organização opera e em que suas principais operações estão localizadas ÍNDICE REMISSIVO GRI GRI G434 Opção de acordo Essencial CONTEÚDOS PADRÃO GERAIS Indicador e Descrição Onde encontrar / Resposta ESTRATÉGIA E ANÁLISE G41 Mensagem do Presidente Mensagem do Presidente PERFIL

Leia mais

Respostas Dinâmica CRI Minas 10/05/12. Monitoramento de concorrentes/ fornecedor/ cliente/ internizar tecnologia de outros setores;

Respostas Dinâmica CRI Minas 10/05/12. Monitoramento de concorrentes/ fornecedor/ cliente/ internizar tecnologia de outros setores; Respostas Dinâmica CRI Minas 10/05/12 Abaixo estão as respostas das perguntas postas aos participantes do CRI Minas no dia 10 de maio que tratou do tema Inteligência Tecnológica. Cada mesa possuía uma

Leia mais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa Informações gerais Produzido por BSD Brasil. Pode ser reproduzido desde que citada a fonte. Introdução Lançada em novembro de 1999, em versão

Leia mais

1º Congresso Alianças Sociais Responsabilidade Social Corporativa em prol da Sustentabilidade

1º Congresso Alianças Sociais Responsabilidade Social Corporativa em prol da Sustentabilidade 1º Congresso Alianças Sociais Responsabilidade Social Corporativa em prol da Sustentabilidade Curitiba 30 de outubro de 2012 Agenda Sustentabilidade: Várias Visões do Empresariado Desenvolvimento sustentável;

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

BANCOS E SUSTENTABILIDADE 16 º

BANCOS E SUSTENTABILIDADE 16 º 16 º BANCOS E SUSTENTABILIDADE PRÁTICAS DO SETOR BANCÁRIO RELACIONADAS A ASPECTOS SOCIOAMBIENTAIS E A MUDANÇAS CLIMÁTICAS O 16º Café com Sustentabilidade promoveu uma rica interação entre representantes

Leia mais

Desenvolvimento com Finanças Sustentáveis

Desenvolvimento com Finanças Sustentáveis Desenvolvimento com Finanças Sustentáveis 20 º CAROS (AS) LEITORES (AS), Em junho de 2007, a FEBRABAN - Federação Brasileira de Bancos deu início a uma série de cafés da manhã com o objetivo de discutir

Leia mais

ACT DEVELOPMENT. Ficha de Inscrição para Participante ou Observador

ACT DEVELOPMENT. Ficha de Inscrição para Participante ou Observador ACT DEVELOPMENT Ficha de Inscrição para Participante ou Observador Introdução a ACT Development ACT Development é uma aliança global de igrejas que são membros do Conselho Mundial de Igrejas e as organizações

Leia mais

Objetivos do Pacto Global da ONU

Objetivos do Pacto Global da ONU nossa missão global Objetivos do Pacto Global da ONU A maior iniciativa voluntária do mundo para a responsabilidade corporativa está presente em 145 países com mais de 8 mil participantes corporativos.

Leia mais

PROCEDIMENTOS PRÁTICOS DE PERÍCIA AMBIENTAL

PROCEDIMENTOS PRÁTICOS DE PERÍCIA AMBIENTAL PROCEDIMENTOS PRÁTICOS DE PERÍCIA AMBIENTAL JURISDIÇÃO: HERMENEUTICA Cabe ao Estado decidir sobre conflitos de interesse entre partes (autor e réu); O Juiz é o representante do Estado em tais tarefas;

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.322/11

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.322/11 A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração deste Comunicado de CT 09 para CTA 04 e de outras normas citadas: de NBC T 19.16 para NBC TG 11; de NBC T 19.27 para NBC TG 26; e de CT 07 para

Leia mais

Crescimento com Sustentabilidade

Crescimento com Sustentabilidade Crescimento com Sustentabilidade Luiz Fernando Rolla Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações 1 Termo de Renúncia Algumas declarações constantes nesta apresentação são

Leia mais

Riscos Ambientais e Sociais para Analistas de Crédito

Riscos Ambientais e Sociais para Analistas de Crédito Riscos Ambientais e Sociais para Analistas de Crédito Maria Silvia Chicarino Consultora, Risco Socioambiental Banco Santander - Brasil O que é um ambientalista? Por que estudar meio ambiente? Meio ambiente

Leia mais

Finanças e Negócios Sustentáveis

Finanças e Negócios Sustentáveis Finanças e Negócios Sustentáveis Riscos de governança e sócio-ambientais e seu impacto no rating de crédito Seminário de Meio Ambiente Britcham SP 17 de agosto de 2006 1 Gustavo Pimentel Analista de Governança

Leia mais

Conselho Deliberativo do ISE (CISE)

Conselho Deliberativo do ISE (CISE) 1 Conselho Deliberativo do ISE (CISE) Órgão máximo de governança do índice. Tem como missão garantir um processo transparente de construção do índice e de seleção das empresas. Composto por representantes

Leia mais

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade TERMO DE REFERÊNCIA nº 013/2015 Contratação na Área de Projetos Especiais Responsável: Leonardo Geluda Setor: Área de Projetos Especiais Rio de Janeiro, 2 de junho de 2015 1. Identificação Recrutamento

Leia mais

ABRAPP Relatório Social 2010 PERFIL DO SETOR E TRANSPARÊNCIA

ABRAPP Relatório Social 2010 PERFIL DO SETOR E TRANSPARÊNCIA ABRAPP Relatório Social PERFIL DO SETOR 15 GOVERNANÇA CORPORATIVA E TRANSPARÊNCIA ABRAPP Relatório Social 1 Uma boa governança, além de contemplar a autogestão das organizações, limitando-se à preocupação

Leia mais

Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE)

Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) Já há alguns anos iniciou-se uma tendência mundial dos investidores procurarem empresas socialmente responsáveis, sustentáveis e rentáveis para aplicar seus

Leia mais

Sustentabilidade em seguros: oportunidades e riscos

Sustentabilidade em seguros: oportunidades e riscos Sustentabilidade em seguros: oportunidades e riscos Adriana Boscov Superintendente de Sustentabilidade Empresarial SulAmérica Seguros, Previdência e Investimentos QUAL A RELAÇÃO DE SUSTENTABILIDADE COM

Leia mais

JBS S.A. Políticas de Sustentabilidade da Pecuária 2º Curso ABIOVE para Jornalistas. Márcio Nappo. Diretor de Sustentabilidade JBS Brasil

JBS S.A. Políticas de Sustentabilidade da Pecuária 2º Curso ABIOVE para Jornalistas. Márcio Nappo. Diretor de Sustentabilidade JBS Brasil JBS S.A. Políticas de Sustentabilidade da Pecuária 2º Curso ABIOVE para Jornalistas Márcio Nappo Diretor de Sustentabilidade JBS Brasil AGENDA 1. O Contexto da Pecuária Sustentável no Brasil 2. JBS Case:

Leia mais

Histórico. Riscos e Oportunidades Socioambientais. Lançamento do Princípios do Lançamento do. Equador Primeiro Fundo Responsável do Brasil (Ethical)

Histórico. Riscos e Oportunidades Socioambientais. Lançamento do Princípios do Lançamento do. Equador Primeiro Fundo Responsável do Brasil (Ethical) Histórico Riscos e Oportunidades Socioambientais Criação DJSI 1999 Lançamento do Princípios do Lançamento do Equador Primeiro Fundo Responsável do Brasil (Ethical) 2001 2003 Criação do ISE 2004 2005 Lançamento

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Grupo CM Capital Markets Brasil Aviso Legal: Este documento pode conter informações confidenciais e/ou privilegiadas. Se você não for o destinatário ou a pessoa

Leia mais

Congreso Nacional del Medio Ambiente (Conama 2012) Madrid del 26 al 30 de noviembre de 2012

Congreso Nacional del Medio Ambiente (Conama 2012) Madrid del 26 al 30 de noviembre de 2012 Congreso Nacional del Medio Ambiente (Conama 2012) Madrid del 26 al 30 de noviembre de 2012 Formando LIDERANCAS EM SUSTENTABILIDADE Maria Luiza Pinto Diretora de Desenvolvimento Sustentável SANTANDER NO

Leia mais

Simpósio Internacional de Sustentabilidade

Simpósio Internacional de Sustentabilidade Simpósio Internacional de Sustentabilidade Tema: Case Natura de Sustentabilidade: Incorporando a Dimensão Socioambiental no Modelo de Negócios Renato Abramovich Diretor - Norte e Nordeste Agenda > Visão

Leia mais

UM NOVO DESPERTAR PARA FAIR PLAY?

UM NOVO DESPERTAR PARA FAIR PLAY? UM NOVO DESPERTAR PARA FAIR PLAY? PESQUISA ANUAL COM DIRETORES DE FINANÇAS DE CLUBES DE FUTEBOL DO REINO UNIDO 2013 Introdução Caro leitor Você está recebendo o estudo elaborado pela BDO sobre o Fair

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Análise e Acompanhamento de Projetos. PDF criado com versão de teste do pdffactory. Para comprar, acesse www.divertire.com.

Análise e Acompanhamento de Projetos. PDF criado com versão de teste do pdffactory. Para comprar, acesse www.divertire.com. ASPECTOS AMBIENTAIS PRODETUR/NE-II Análise e Acompanhamento de Projetos ANÁLISE E ACOMPANHAMENTO DE PROJETOS Projetos Investimentos e Obras de Infra-Estrutura Resíduos Sólidos, Conserv./Recup. Ambiental,

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 RELATÓRIO TÉCNICO CONCLUSIVO

Leia mais

TRANSPARÊNCIA E VALOR PARA O INVESTIDOR. ISE 2013 São Paulo, 05 de março de 2013

TRANSPARÊNCIA E VALOR PARA O INVESTIDOR. ISE 2013 São Paulo, 05 de março de 2013 TRANSPARÊNCIA E VALOR PARA O INVESTIDOR ISE 2013 São Paulo, 05 de março de 2013 TRANSPARÊNCIA E VALOR PARA O INVESTIDOR TRANSPARÊNCIA É A BASE PARA NOSSO PROCESSO DECISÓRIO E ESTRUTURA DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais