PLANO PREVENTIVO DE DEFESA CIVIL (PPDC) PARA DESLIZAMENTOS, ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO PREVENTIVO DE DEFESA CIVIL (PPDC) PARA DESLIZAMENTOS, ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL"

Transcrição

1 PLANO PRVNTIVO D DFSA CIVIL (PPDC) PARA DSLIZAMNTOS, STADO D SÃO PAULO, BRASIL duardo Soares de Macedo Instituto de Pesquisas Tecnológicas do stado de São Paulo IPT Jair Santoro ologico.sp.gov.br Institu to Ge ológico IG Re gina ls a Araújo re arau jo.re d e sp.com.br Coord e nad oria Re gional d e De fe sa Civil d a Baix ad a Santista RSUMO ste artigo ap re se nta o Plano Pre ve ntivo d e De fe sa Civil - PPDC e sp e cífico p ara e scorre gam e ntos; ope rad o e m 51 cid ad e s d o e stad o d e São Pau lo (Baix ad a Santista, Litoral Norte, Vale d o Paraíba, S e rra d a Mantiq u e ira e re giõe s d e Cam p inas, S orocaba e ABCD). O siste m a te m com o p re ssu p osto a chu va com o p rincip al age nte d e flagrad or. A p artir d aí, as corre laçõe s chu va x e scorre gam e ntos foram m ontad as obte nd o-se valores acumulados em 3 dias que variam entre 80 e 120mm dependendo da região. A partir do acompanhamento desse parâmetro, as equipes realizam vistorias nas áreas de risco à procura de indícios de instabilidade das encostas e taludes. A ocorrência d e sse s ind ícios d e flagra a re m oção pre ve ntiva e te m porária d a popu lação afe tad a. O siste m a te m ap re se ntad o bons re su ltad os, d e sd e a su a im p lantação e m Palav ras -Chav e : PPDC, e s corre gam e ntos, ris co ABSTRACT This paper presents the Civil Defense Preventive Plan for landslides. The Plan is operated in 51 municipalities in São Paulo State (Baixada Santista, Litoral Norte, Vale do Paraíba, Serra da Mantiqueira and Campinas, Sorocaba and ABCD regions). The warning system monitores the rainfalls as the triggering agent of the landslide process. Triggering values of 80mm to 120mm of accumulated rainfalls for 3 days were achieved after studies of correlation between rainfalls and landslides. During the operation of the plan in every summer season, local civil defense staffs are sent to the risk areas looking for evidences of slope instability. Depending on the results of the field investigation, emergency achieves consisted of temporary relocation of the people living in the areas are undertaken. This plan has been successfully operated since Key-Words: PPDC, landslides, risk

2 INTRODUÇÃO O intenso processo de urbanização vivido no País nas últimas duas décadas, a falta de recursos e de políticas habitacionais permanentes e uma crise econômica duradoura, têm le vad o à ocu pação d e áre as ge ologicam e nte d e sfavoráve is, principalm e nte pe las populações mais empobrecidas, resultando em graves situações de risco. As favelas constituem-se exemplos drásticos dessa realidade. Apenas na cidade de São Pau lo e x is te m m ais d e 2000 fav e las, s e gu nd o le v antam e nto re ce nte. m bora não e x is tam d ad os oficiais q u e p os s ibilite m u m a anális e q u antitativ a m ais acu rad a d as conse qüências d os acid e nte s am bie ntais no Brasil, e e m p articu lar, os d e o rig e m g e o lóg ica, a a n ális e d e in fo rm a çõe s e x tra íd a s d o s n o ticiário s, p e rm ite a firm ar que os acidentes em áreas urbanas associados a enchentes/inundações são os mais freqüentes e, possivelmente os que acarretam maiores prejuízos econômicos, assim com o, os e scorre gam e ntos são os qu e têm provocad o o m aior núm e ro d e vítim as fatais. Le vantam e nto re alizad o p e lo IPT a p artir d e notícias d e jornal, u m total d e 1534 p e s s oas m orre ram e m cons e q üência d e e s corre gam e ntos no Bras il, e ntre 1988 e ju nho d e 2004 (Figu ra 1) MORTS ANO Figura 1. Gráfico com o número de mortos no Brasil vítimas de escorregamentos (deslizamentos), a p artir d e notícias d e jornal. (Fonte : IPT, 2004) m p rincíp io d e 1988, d iv e rs os e v e ntos d e e s corre gam e ntos (d e s lizam e ntos ) ocorre ram no Bras il, s e nd o os m ais grav e s o d e Pe tróp olis, com 171 m orte s, Rio d e Jane iro (53 m orte s ) e litoral d e São Pau lo, com 17 v ítim as fatais (Cu batão, Santos e

3 Ubatu ba). O gove rno d e São Pau lo, p re ocu p ad o com as situ açõe s d e risco d e e ncostas no litoral do stado, ordenou ao Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), Instituto Ge ológico (IG), Institu to Flore stal e Institu to d e Botânica, qu e re alizasse m e stu d os qu e levaram ao mapeamento dos problemas e propostas de soluções, dentre as quais e s tav a u m Plano Pre v e ntiv o d e De fe s a Civ il - PPDC (MACDO e t al. 1998). A p artir d o s e gu nd o s e m e s tre d e 1988 a Coord e nad oria s tad u al d e De fe s a Civ il CDC, o IPT e o IG iniciaram a m ontage m d o PPDC. Du rante os m e s e s d e nov e m bro e dezembro de 1988, as prefeituras municipais da região da Baixada Santista (Santos, Cubatão, Guarujá e São Vicente) e Litoral Norte (Caraguatatuba, São Sebastião, Ilhabela e Ubatuba) foram contactadas e concordaram em se engajar no esforço de d im inu ir o núm e ro d e v ítim as fatais cau s ad as p or e s corre g am e ntos no litoral p au lis ta. Atualmente, o número de áreas de risco em municípios do estado de São Paulo vem crescendo e com ele a probabilidade de mortes por escorregamentos. A experiência e x itosa d o litoral d e São Pau lo, foi le vad a a ou tras re giõe s, com intu ito d e re d u zir ao m ínim o as m orte s. Foram incorp orad as ao siste m a PPDC: no ano d e 2000, 16 cid ad e s d a re gião d o Vale d o Paraíba; no ano d e 2001, 13 cid ad e s d a re gião d e Cam p inas ; e m cid ad e s d a re gião d e Sorocaba e m ais 7 cid ad e s d a re gião d o ABCD (Re gião Metropolitana de São Paulo), totalizando assim 51 cidades monitoradas pelo sistema PPDC. Objetivo O Plano Pre v e ntiv o d e De fe s a Civ il - PPDC te m p or obje tiv o p rincip al d otar as e q u ip e s técnicas municipais de instrumentos de ação, de modo a, em situações de risco im ine nte, re d u z ir a p os s ibilid ad e d e re gis tro d e p e rd as d e v id as hu m anas d e corre nte s de escorregamentos. O PPDC é, assim, um instrumento de defesa civil importante dos p od e re s p úblicos e s tad u al e m u nicip ais, p ara garantir m aior s e gu rança aos m orad ore s instalados nas áreas de risco de escorregamentos. A op e ração d o PPDC corre sp ond e a u m a ação d e convivência com os riscos presentes nas áreas de ocupação de encostas, em razão da gravidade do problema e a impossibilidade de eliminação, no curto prazo, dos riscos identificados. Assim, o PPDC pod e ser considerado u m a eficiente m edida não-estru tu ral de gerenciam ento d e riscos geológicos associados a escorregamentos de encostas, ressaltando-se o p ione irism o d e su a im p le m e ntação no Brasil, e stand o consonante com a m e tod ologia e técnicas ad otad as p e los m ais ad iantad os siste m as d e De fe sa Civil inte rnacionais e re com e nd ad as p e la ONU.

4 MÉTODO PROCDIMNTOS TÉCNICOS A concepção do PPDC baseia-se na possibilidade de serem tomadas medidas ante riorm e nte à d e flagração d e e s corre gam e ntos, a p artir d a p re v is ão d e cond içõe s p ote ncialm e nte fav oráv e is à s u a ocorrência, p or m e io d o acom p anham e nto d os seguintes parâmetros: precipitação pluviométrica (chuvas), previsão meteorológica e observações a partir de vistorias de campo. A m e tod ologia ad otad a p ara o d e se nvolvim e nto d os trabalhos no PPDC, consiste e m manter as áreas de risco atualizadas, os critérios e parâmetros técnicos do Plano adequados às especificidades de cada município e mantendo a capacitação das e qu ip e s técnicas m u nicip ais p or m e io d e cu rsos e sp e cíficos. De sta form a, trata-se d e ativid ad e s qu e p rocu ram, sim u ltane am e nte, cap acitar os e fe tivos u su ários d os instru m e ntos técnicos prod u zid os, be m com o te star e ste s instru m entos na prática. Os trabalhos envolvem o governo do stado de São Paulo, por meio da Coordenadoria stadual de Defesa Civil (CDC), que coordena os trabalhos e fornece previsões m e te orológicas, as Re gionais d e De fe sa Civil (RDC) qu e coord e nam os trabalhos em suas regiões de atuação, e os Institutos de Pesquisas (IPT e IG), que são responsáveis pela base técnica do Plano. Nas cidades estão envolvidas as Defesas Civ is Mu nicip ais (COMDC), as p op u laçõe s q u e habitam as áre as d e ris co e a sociedade organizada. As Defesas Civis dos municípios são responsáveis pelo acompanhamento das chuvas, vistorias das áreas de risco e remoção de moradores. m situações de emergência, os órgãos estaduais se deslocam para as cidades e au x iliam no q u e for ne ce s s ário. A Figu ra 2 ap re s e nta o flu x o d e inform açõe s e ntre as institu içõe s participante s, te nd o com o e x e m plo o Plano ope rad o na Baix ad a Santista e no Litoral Norte.

5 Leitura dos índices p lu v io m étrico s COMDC Índices pluviométricos Valore s d e CCM e Acu m. d e 3 dias Valore s d e CPC (som e nte para Cubatão) Previsão Meteorológica Níve l Vige nte Previsão Meteorológica RDC Índices pluviométricos Valore s d e CCM e Acu m. d e 3 dias Valore s d e CPC (som e nte para Cubatão) Previsão Meteorológica Níve l Vige nte Previsão Meteorológica CDC Pre v isão Me te orológica Valore s d e CCM >= 1.2 Valore s d e Acu m.d e 3 d ias >= 120m m (Litoral Norte ) Valore s d e Acu m. d e 3 d ias >= 100m m (Baix ad a Santista) Valore s d e re fe rência d e CPC ef e CPC pot : 0.5, 1.0, 1.4 e 2.1 IPT / IG Fig u ra 2. Flu x o d e in fo rm a çõe s e n tre a s in s titu içõe s q u e p artic ip a m d o PPDC. x e m p lo d a Ba ix a d a S antis ta e Litoral Norte. RSULTADOS DISCUSSÕS O PPDC é um sistema estruturado em 4 níveis (Observação, Atenção, Alerta e Alerta Máximo), cada qual com procedimentos diferenciados (Quadros 1, 2, 3, 4 e 5). Para a deflagração dos níveis são simultaneamente considerados os seguintes indicadores: índices pluviométricos registrados, previsão meteorológica e manifestações das e ncostas (trincas no solo e m orad ias, d e grau s d e abatim e nto, e stru tu ras rígid as inclinad as, e s corre gam e ntos, d e ntre ou tras ). Aind a p ara e fe ito d a d e flagração d os níveis previstos no PPDC, os índices pluviométricos registrados são expressos na form a d e valore s acu m u lad os d e chu va e m três d ias e ou tros p arâm e tros. ste s

6 ind icad ore s trad u ze m, associad os à p re visão m e te orológica, a m aior ou m e nor possibilidade de ocorrência de escorregamentos. O PPDC é im p lantad o ao longo d e tod o o p e ríod o chu v os o (d e s d e 1988/89) e, d e s ta form a, no início d a op e ração d o Plano a cad a ano e ntra-se no níve l d e Obse rvação. Neste nível acom panha-se o com portam ento da plu viosid ade e d a previsão m e te orológica. A plu viosid ad e foi e scolhid a com o o prim e iro d os parâm e tros a se re m m onitorad os tanto p or corre s p ond e r ao age nte d e flagrad or d os p roce s s os, com o p e la facilidade de sua medição. A passagem para o nível de Atenção foi definida a partir do registro de índices pluviométricos críticos associados à previsão de continuidade de chuvas, dada pela m e te orologia. Para a d e finição d os índ ice s críticos d e chu va foi u tilizad o o m od e lo d e correlação entre chuvas e escorregamentos, desenvolvido pelo IPT (TATIZANA et al., 1987 a,b). A p artir d e s te m od e lo, foram analis ad os os e v e ntos p lu v iom étricos q u e acarretaram acidentes no passado recente nas áreas de interesse e, com a análise destes eventos pluviométricos considerando o papel do histórico de chuva e da pluviosidade horária que efetivamente deflagra os escorregamentos, estabeleceram-se os índ ice s p lu v iom étricos críticos q u e v ariam d e 80 a 120 m m d e chu v as acu m u lad as em 3 dias, dependendo das condições naturais e de ocupação de cada cidade. Atingidos estes índices, e com a indicação da meteorologia quanto à continuidade de chu vas, caracte riza-se a e ntrad a no níve l d e Ate nção, qu e re m e te às vistorias d as áre as d e ris co ante riorm e nte id e ntificad as, p ara v e rificação d a ocorrência d e nov as m anifestações das encostas conform e já m encionad o. Se constatadas tais situ ações passa-se ao nível de Alerta e procede-se à remoção preventiva e temporária da população em risco iminente. No cas o d e re gis tro d e e s corre gam e ntos, as s ociad os à p re v is ão d e ocorrência d e novas chuvas, entra-se no nível de Alerta Máximo e procede-se à remoção de toda a população instalada nas áreas de risco. Qu and o se inicia a op e ração d o Plano (m ês d e d e ze m bro) as e qu ip e s técnicas d o IPT, IG e das Defesas Civis permanecem em plantão 24 horas, acompanhando os índices plu viom étricos, m e te orologia e os re su ltad os d as vistorias d e cam po, re alizad as pe las equipes das Defesas Civis municipais. A partir da identificação de situações de risco iminente, já no nível de Alerta, as equipes do IPT, IG e da Defesa Civil estadual d e slocam -se para os m u nicípios, ond e au x iliam e d ão asse ssoria às e qu ipe s municipais.

7 Tod os os anos, d e s d e 1990, as e q u ip e s m u nicip ais re ce be m cu rs o d e tre inam e nto p ara op e rar o s is te m a. Até 2003 foram m ais d e 90 cu rs os com p e lo m e nos 3000 p e s s oas, entre técnicos municipais, população de áreas de risco e outros interessados. O conteúdo dos cursos inclui temas sobre Defesa Civil, deslizamentos em solo e rocha, técnicas e x p e d itas d e avaliação d e risco, u tilizad as nas vistorias d e cam p o. Os cu rsos são ministrados para os técnicos da Defesa Civil Municipal, moradores de áreas de risco, bombeiros, policiais, políticos e outros interessados da comunidade (Foto 1). Foto 1. Cu rs o d e tre inam e nto d o Plano Pre v e ntiv o d e De fe s a Civ il. NÍVL OBSRVAÇÃO ATNÇÃO ALRTA ALRTA MÁXIMO CRITÉRIO D NTRADA DOS NÍVIS Início d o PPDC 1 o de dezembro Acumulado de chuva em 3 dias pre visão m e te orológica Registro de feições de instabilidade nas áreas de risco ou suas p ro x im id a d e s Re gis tro d e e s corre gam e ntos nas áreas de risco ou em suas p ro x im id a d e s Pre visão m e te orológica AÇÕS SPCÍFICAS Acom p anham e nto d os ín d ice s p lu v io m étrico s Vistorias de campo nas áreas de risco Remoção preventiva dos moradores das áreas de ris co im ine nte Re m oção d os habitante s d e todas as áreas de risco Qu a d ro 1. Nív e is d o PPDC, c ritério s d e e n tra d a n o s n ív e is e a çõe s co rre s p o n d e n te s.

8 NÍVL CRITÉRIOS D NTRADA CRITÉRIOS D SAÍDA COMDC RDC CDC IPT/IG OBSRVAÇÃO INÍCIO DO PRÍODO D VIGÊ NCIA TÉRMINO DO PRÍODO D VIGÊ NCIA -laboração d e p lano d e ação e s p e cífico p ara o m u nicíp io; -Dimensionamento dos recursos humanos e materiais para a efetivação d o PLANO; -Conscientização da população das áreas de risco; -Obtenção do dado pluviométrico; -Cálcu lo d o acu m u lad o d e chu vas e m 3 d ias; -Cálcu lo d o v alor d o CCM; -Transmissão a RDC do dado pluviométrico, CCM, acumulado de chuva em 3 dias e nível vigente; -Av aliação d a ne ce s s id ad e d e MUDANÇA D NÍVL. -Recepção do dado pluviométrico, CCM, acumulado de chuvas 3 dias, nível vigente e previsão meteorológica; -Transmissão à CDC do dado pluviométrico, CCM, acumulado de chuvas em 3 dias e nível vigente; -Transm issão à COMDC d a pre visão m e te orológica. -Trans m is s ão à RDC, IPT e IG d a pre visão m e te orológica; -Transmissão ao IPT e IG dos valores de CCM >= 1,2 ou acumulado de chu v a >= 100m m e m 3 d ias ; -Convocar re u nião d a Com issão x e cu tiva d o PPDC. -Mante r técnicos e m p lantão p ara acom p anham e nto e análise d a situação; -Ate nd e r convocação d a CDC para re u nião d a Com issão x e cu tiva d o PPDC. Quadro 2. Responsabilidades e ações de cada uma das instituições no nível de Observação.

9 NÍVL CRITÉRIOS D NTRADA CRITÉRIOS D SAÍDA COMDC RDC CDC IPT/IG ATNÇÃO Acu m u lad o d e chu v as >= 100m m e m 3 d ias e p re v is ão d e chu v as com te nd ência d e LONGA DURAÇÃO d e QUALQUR inte ns id ad e OU CCM>=1,2 e p re v is ão d e chu v as com te nd ência d e LONGA DURAÇÃO e p re cip itação a p artir d e MODRADA A FORT. Previsão d e não ocorrência de chu vas com tendência d e LONGA DURAÇÃO d e QUALQUR inte ns id ad e Acu m u lad o d e chu v as < 100m m e m 3 d ias e CCM< 1,2 Cons u ltar IPT e IG atrav és d a RDC, cas o a COMDC ju lgu e necessário -De clarar MUDANÇA D NÍVL; -Com u nicar RDC s obre MUDANÇA D NÍVL; -Re alizar VISTORIAS d e cam po visand o ve rificar a ocorrência d e escorregamentos e feições de instabilização. Devem ser iniciadas pelas áreas de risco; -Trans m is s ão a RDC d o d ad o p lu v iom étrico, CCM, acu m u lad o d e chuva em 3 dias e nível vigente; -Av aliação d a ne ce s s id ad e d e MUDANÇA D NÍVL. -Recepção do comunicado de MUDANÇA D NÍVL; -Com u nicar à CDC s obre MUDANÇA D NÍVL; -Recepção do dado pluviométrico, CCM, acumulado de chuvas 3 dias, nível vigente e previsão meteorológica; -Transmissão à CDC do dado pluviométrico, CCM, acumulado de chuvas em 3 dias e nível vigente; -Transm issão à COMDC d a pre visão m e te orológica. -Trans m is s ão à RDC, IPT e IG d a pre visão m e te orológica; -Trans m is s ão ao IPT e IG d a MUDANÇA D NÍVL; -Convocar re u nião d a Com issão x e cu tiva d o PPDC. -Mante r técnicos e m p lantão p ara acom p anham e nto e análise d a situação; -Ate nd e r conv ocação d a CDC p ara re u nião d a Com is s ão x e cu tiv a d o PPDC. Quadro 3. Responsabilidades e ações de cada uma das instituições no nível de Atenção.

10 NÍVL CRITÉRIOS D NTRADA CRITÉRIOS D SAÍDA COMDC RDC CDC IPT/IG ALRTA Re gistro d e trincas, d e grau s ou qu alqu e r ou tra fe ição d e instabilid ad e qu e indique a possibilidade de escorregamentos observada através de vistoria de campo, tanto nas áreas de risco quanto fora delas. Previsão d e não ocorrência de chu vas com tendência d e LONGA DURAÇÃO d e QUALQUR inte ns id ad e Restauração dos sistemas de drenagem e recuperação das vias de ace sso e circu lação Parecer favorável do IPT e IG, inclusive quanto à necessidade de execução do conjunto de medidas previstas neste nível. -De clarar MUDANÇA D NÍVL; -Com u nicar RDC s obre MUDANÇA D NÍVL; -Realizar VISTORIAS de campo; -RTIRADA d a p op u lação d as áre as d e ris co im ine nte ; -Trans m is s ão a RDC d o d ad o p lu v iom étrico, CCM, acu m u lad o d e chuva em 3 dias e nível vigente; -Agiliz ar os m e ios ne ce s s ários p ara POS S ÍVL re tirad a d a p op u lação d as demais áreas de risco; -Av aliação d a ne ce s s id ad e d e MUDANÇA D NÍVL. -Recepção do comunicado de MUDANÇA D NÍVL; -Com u nicar à CDC s obre MUDANÇA D NÍVL; -Recepção do dado pluviométrico, CCM, acumulado de chuvas 3 dias, nível vigente e previsão meteorológica; -Transmissão à CDC do dado pluviométrico, CCM, acumulado de chuvas em 3 dias e nível vigente; -Transm issão à COMDC d a pre visão m e te orológica. -Trans m is s ão à RDC, IPT e IG d a pre visão m e te orológica; -Acionar técnicos d o IPT e IG p ara d e s locam e nto; -De slocam e nto d e técnicos para acom panham e nto d a situ ação e avaliação da necessidade de medidas complementares; -Su ple m e ntar os m e ios logísticos e ope racionais para d e slocam e nto d os técnicos d o IPT e IG; -Agilizar os m e ios logísticos e ope racionais com ple m e ntare s para as COMDCs quando solicitados; -Convocar re u nião d a Com issão x e cu tiva d o PPDC. -De slocar técnicos p ara acom p anham e nto d a situ ação e avaliação d a necessidade de medidas complementares; -Ate nd e r conv ocação d a CDC p ara re u nião d a Com is s ão x e cu tiv a d o PPDC. Quadro 4. Responsabilidades e ações de cada uma das instituições no nível de Alerta.

11 NÍVL CRITÉRIOS D NTRADA CRITÉRIOS D SAÍDA COMDC RDC CDC IPT/IG ALRTA MÁXIMO Re gis tro d e ocorrência d e q u alq u e r e s corre gam e nto nas áre as d e ris co ou e m s u a s p ro x im id a d e s Pre v is ão d e ocorrência d e chu v as com te nd ência d e LONGA DURAÇÃO d e QUALQUR inte ns id ad e. Previsão d e não ocorrência de chu vas com tendência d e LONGA DURAÇÃO d e QUALQUR inte ns id ad e Restauração dos sistemas de drenagem e recuperação das vias de ace sso e circu lação Pare ce r fav oráv e l d o IPT e IG, inclu s iv e q u anto a u m a ne ce s s id ad e d e execução do conjunto de medidas previstas neste nível. -De clarar MUDANÇA D NÍVL; -Com u nicar RDC s obre MUDANÇA D NÍVL; -Proceder a retirada da população das áreas de risco e demais áreas necessárias; -Trans m is s ão a RDC d o d ad o p lu v iom étrico, CCM, acu m u lad o d e chuva em 3 dias e nível vigente; -Av aliação d a ne ce s s id ad e d e MUDANÇA D NÍVL. -Recepção do comunicado de MUDANÇA D NÍVL; -Com u nicar à CDC s obre MUDANÇA D NÍVL; -Recepção do dado pluviométrico, CCM, acumulado de chuvas 3 dias, nível vigente e previsão meteorológica; -Trans m is s ão à CDC d o d ad o p lu v iom étrico, CCM, acu m u lad o d e chuvas em 3 dias e nível vigente; -Transm issão à COMDC d a pre visão m e te orológica. -Trans m is s ão à RDC, IPT e IG d a pre visão m e te orológica; -Acionar técnicos d o IPT e IG p ara d e s locam e nto; -De slocam e nto d e técnicos para acom panham e nto d a situ ação e avaliação da necessidade de medidas complementares; -Su ple m e ntar os m e ios logísticos e ope racionais para d e slocam e nto d os técnicos d o IPT e IG; -Ap o io log ís tico e o p e ra cio n a l p a ra a s COMDCs ; -Convocar re u nião d a Com issão x e cu tiva d o PPDC. -De slocar técnicos p ara acom p anham e nto d a situ ação e avaliação d a necessidade de medidas complementares; -Ate nd e r conv ocação d a CDC p ara re u nião d a Com is s ão x e cu tiv a d o PPDC. Quadro 5. Responsabilidades e ações de cada uma das instituições no nível de Alerta Máximo. CONSIDRAÇÕS FINAIS Para as De fe sas Civis m u nicipais o PPDC proporcionou cond içõe s para o se u e fetivo fu ncionam e nto, che gand o e m algu m as cid ad e s a p rom ove r a p róp ria criação d a

12 COMDC. Aind a p ara os m u nicíp ios a form ação d e e qu ip e s técnicas, o início d e trabalhos d e p lane jam e nto u rbano, fiscalização e controle d a ocu p ação. Para a De fe sa Civil stad u al - CDC iniciou -se u m a nova fase com a im p lantação d e s is te m as p re v e ntiv os, ao contrário d a d ou trina e ntão v ige nte, d e s ocorre r v ítim as. Para os Institu tos d e Pe squ isa proporcionou a form ação d e e qu ipe s técnicas e o desenvolvimento de pesquisas pioneiras no país. Os bons re su ltad os alcançad os proporcionaram o m aior d e se nvolvim e nto d os m ape am e ntos d e riscos, tanto d e e scorre gam e ntos com o d e ou tros proce ssos, com o por exemplo inundações. A repercussão junto à comunidade em geral tem sido excelente, visto os vários cursos e palestras ministradas e as dezenas de reportagens em televisão, rádio, jornais e revistas. O número de vítimas fatais diminui drasticamente desde a implantação do PPDC, de tal form a qu e se p lane ja a su a e x p ansão p ara tod as as áre as d e risco d e São Pau lo, nos próx im os anos. RFRÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS IPT INS T ITUTO D PS Q UIS A S TC NO L Ó G ICAS. Ba n c o d e Da d o s d e M o rte s p o r e s corre gam e ntos. Form ato Digital MACDO,.S.; OGURA, A.T.; SANTORO, J. Land s lid e s w arning s y s te m in Se rra d o Mar s lop e s, São Pau lo, Brazil. In: INTRNATIONAL IAG CONGRSS, 8, 1998, Vancou ve r (Canad á). Proceedings...Rotte rd am : A.A. Balk e m a, P TATIZANA, C. et al. Análise da correlação entre chuvas e escorregamentos na Serra d o Mar, m u nicíp io d e Cu batão. In: CONGRSSO BRASILIRO D GOLOGIA D NGNHARIA, 5, São Pau lo,sp. Anais...São Pau lo: ABG, 1987a, v.2, p TATIZANA, C. et al. Modelamento numérico da análise de correlação entre chuvas e e s corre gam e ntos na S e rra d o Mar, m u nicíp io d e Cu batão. In: CONGRS S O BRASILIRO D GOLOGIA D NGNHARIA, 5, São Pau lo,sp. Anais...São Pau lo: ABG, 1987b, v.2, p

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2 His tó ric o O de s e nvolvime nto do S is te ma Voto E le trônico do Ministé rio P úblico do E stado de S ão P aulo te ve s e u início e m 2009 com a fina lidade de automatiza r os proce ssos e le itorais

Leia mais

A tecnologia a serviço da Gestão de Riscos: a experiência do Instituto de Pesquisas Tecnológicas IPT, em São Paulo

A tecnologia a serviço da Gestão de Riscos: a experiência do Instituto de Pesquisas Tecnológicas IPT, em São Paulo A tecnologia a serviço da Gestão de Riscos: a experiência do Instituto de Pesquisas Tecnológicas IPT, em São Paulo 1. Introdução O intenso processo de urbanização vivido no País desde os anos 80, a falta

Leia mais

www.investorbrasil.com

www.investorbrasil.com Proposta curso preparatório para CPA 20 - ANBIMA www.investorbrasil.com Apresentação INVESTOR APRESENTAÇÃO A INVESTOR é uma escola que nasceu da necessidade das pessoas aprenderem as ferramentas e instrumentos

Leia mais

Programa Copa do Mundo 2014

Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Gerente do Programa: Mario Queiroz Guimarães Neto Rede do Programa: Rede de Cidades Objetivo do Programa: Organizar com excelência os eventos FIFA

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

PROGRAMA SERRA DO MAR RECUPERAÇÃO SÓCIO AMBIENTAL DAS ÁREAS DE OCUPAÇÃO IRREGULAR NO MUNICÍPIO DE CUBATÃO

PROGRAMA SERRA DO MAR RECUPERAÇÃO SÓCIO AMBIENTAL DAS ÁREAS DE OCUPAÇÃO IRREGULAR NO MUNICÍPIO DE CUBATÃO PROGRAMA SERRA DO MAR RECUPERAÇÃO SÓCIO AMBIENTAL DAS ÁREAS DE OCUPAÇÃO IRREGULAR NO MUNICÍPIO DE CUBATÃO Luis Augusto Bicalho Kehl Arquiteto Projetos Especiais Companhia de Desenvolvimento Habitacional

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde B ra s ília, 26 de s etem bro de 2009 C o ntro le da s P o lític a s de L uiz R ibeiro FU N Ç Ã O D O J O R N A L I S M O J o r n a lis m o é a a tiv id a d e p r o fis s io n a l q u e c o n s is te e

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE AUDITORIA IA CLÍNICA A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE Auditoria é em um exame cuidadoso e sistemático das atividades desenvolvidas em determinada empresa ou setor, cujo objetivo é averiguar

Leia mais

Fabiano Leoni. William Corbo

Fabiano Leoni. William Corbo Fabiano Leoni William Corbo O CURSO Este é um curso pensado especialmente para líderes inquietos e cheios de vontade de mergulhar fundo em PESSOAS. O curso Cultura & Encantamento pretende fornecer importantes

Leia mais

IN S A In s titu t N a tio n a l

IN S A In s titu t N a tio n a l IN S A : U m a re d e d e 5 e s c o la s s u p e rio re s d e e n g e n h a ria O INS A de Rennes existe desde 1966 R ouen O INS A de Rouen existe desde 1985 O INS A de S trasbourg existe desde 2003 R

Leia mais

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS FACULDADES UNIFICADAS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 REGULAMENTO DO NÚ CLEO DE PRÁ TICA JURÍ DICA DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA

AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA Emenda ao 40 CFR Parts 261, 266, 268 e 271 Documento: FERTILIZANTES À BASE DE ZINCO PRODUZIDOS A PARTIR DE MATERIAL SECUNDÁRIO PERIGOSO Julho/2002 S U M Á R

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00004 Sexta-Feira Quit-Feira 08 11 de Março Janeiro de de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Nº

Leia mais

E V O L U Ç Ã O D O S S IS T E M A S D E M O N IT O R A M E N T O N A G E R Ê N C IA D E R IS C O D A N IE L R U S S I F IL H O russi@sascar.com.

E V O L U Ç Ã O D O S S IS T E M A S D E M O N IT O R A M E N T O N A G E R Ê N C IA D E R IS C O D A N IE L R U S S I F IL H O russi@sascar.com. E V O L U Ç Ã O D O S S I S T E M A S D E M O N I T O R A M E N T O N A G E R Ê N C I A D E R I S C O D A N IE L R U S S I F IL H O russi@sascar.com.br HISTÓRICO 1994 - in í c io d o s r a s t r e a d

Leia mais

R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o

R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o C ic lo d e D e b a te s : "1 C liq0 u e Ap a ra n eo d ita s r do eo s tilo Ed o ssta u b tí tu lo to m e s tre d o Id o s o E lia n a M á

Leia mais

E fe itos fina nc e iros do S im ple s N a c iona l: L im ite s de s ua utiliza ç ã o fre nte a o

E fe itos fina nc e iros do S im ple s N a c iona l: L im ite s de s ua utiliza ç ã o fre nte a o E fe itos fina nc e iros do S im ple s N a c iona l: L im ite s de s ua utiliza ç ã o fre nte a o ordeg rana o m a d om, R Se 2nto 6 d e Ju n h jurídic o d e 2 01 0 B ra s il - 4 º ou 5 º P I B? P ré -

Leia mais

Bairros Cota na Serra do

Bairros Cota na Serra do Geotecnia Ambiental Bairros Cota na Serra do Mar em Cubatão riscos em ebulição e planos de ação em andamento Os bairros localizados nas encostas da Serra do Mar, na cidade de Cubatão, passam por um processo

Leia mais

A COMUNICAÇÃO COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL DOS ALUNOS INGRESSANTES NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DA FAZU

A COMUNICAÇÃO COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL DOS ALUNOS INGRESSANTES NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DA FAZU Secretariado Executivo Bilíngüe/Office Administration 127 A COMUNICAÇÃO COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL DOS ALUNOS INGRESSANTES NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DA FAZU INTRODUÇÃO O p re s e n te

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o PORTARIA Nº 1 6 4 -D G P, D E 4 D E NOV E M B RO D E 2 0 1 1. Alte ra a d is trib u iç ã o d e e fe tiv o d e m ilita re s te m p o rá rio s, p a ra o a n o d e 2 0 1 1. O CHEFE DO DEPARTAMENTO-GERAL DO

Leia mais

J u i n 2 0 0 9 L e ttr e d 'i n fo r m a ti o n n 1 9 E d i to r i al E p p u r si m u o ve «E t p o u r ta n t e l l e b o u g e» m u r m u r a G a l l i l é e s u r s o n c h a m p e s t l a r g e.

Leia mais

Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião AESBE 10/02/09

Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião AESBE 10/02/09 Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP Associação das Empresas Estaduais de Saneamento Básico - AESBE Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais

Q UA N TO ELA REALMENTE C U S TA PA RA A SUA EMPRESA?

Q UA N TO ELA REALMENTE C U S TA PA RA A SUA EMPRESA? Q UA N TO ELA REALMENTE C U S TA PA RA A SUA EMPRESA? I n d ú s t ri a, amiga do meio ambiente O uso dos mananciais hídri cos é de impo rtância e s t rat é g i ca para a Indústri a. Além de essencial à

Leia mais

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a E M P R IM E I R A MÃO T h e O i ta v os é o e x c lu s i v o h o te l d e 5 e s tre la s q u e co m p le t a e v a l ori za a ofe rta d a Q u i n ta d a M a ri n h a, co n s olid a n d o -a c om o d e

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

R eg is tro de P rodutos R em edia dores. Cintia M. Araújo Souza CCONP/CGASQ/DIQUA Brasília, 12/03/2013

R eg is tro de P rodutos R em edia dores. Cintia M. Araújo Souza CCONP/CGASQ/DIQUA Brasília, 12/03/2013 R eg is tro de P rodutos R em edia dores Cintia M. Araújo Souza CCONP/CGASQ/DIQUA Brasília, 12/03/2013 Remediadores Ambientais LEGIS LAÇÃO ES PECÍFICA: Res olução CONAMA nº 314, de 29/10/2002 D is põe

Leia mais

Prefeitura Municipal de Gavião-BA

Prefeitura Municipal de Gavião-BA Edição Nº Nº 024/2012 030/2012 Segunda-Feira Quinta-Feira 08 26 de Março Junho de 2012 Rua Irmã Dulce, nº 370 Gavião Bahia CEP: 44650-000. Tel/Fax: 75.3682 2271 CNPJ: 13.233.036/0001-67 www.gaviao.ba.gov.br

Leia mais

Consulta de Atas de Registro de Preços da área da Saúde

Consulta de Atas de Registro de Preços da área da Saúde Consulta de Atas de Registro de Preços da área da Saúde Passo a passo para consulta ao Banco de Dados da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo. W Favoritos I ~ la..q.,ft >> CJJ lij ~ ~ Página Segurança

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Workshop da Micro e Pequena Indústria. Licenciamento Ambiental. CIESP Sorocaba 26/maio/2009

Workshop da Micro e Pequena Indústria. Licenciamento Ambiental. CIESP Sorocaba 26/maio/2009 Workshop da Micro e Pequena Indústria Licenciamento Ambiental CIEP orocaba 26/maio/2009 O CIEP - Regionais Meio Ambiente CIEP 31 grupos MA formados +9500 Empresas e 43 DRMD s ~ 290 profissionais voluntários

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00034 Sexta-Feira Quit-Feira 22 08 de de Fevereiro Março de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PROCESSOS DOS CONVENENTES NO SICONV. Luiz Lustosa Vieira, Dr. Ministério do Planejamento

AVALIAÇÃO DOS PROCESSOS DOS CONVENENTES NO SICONV. Luiz Lustosa Vieira, Dr. Ministério do Planejamento AVALIAÇÃO DOS PROCESSOS DOS CONVENENTES NO SICONV Luiz Lustosa Vieira, Dr Ministério do Planejamento O Ministério do Planejamento visando facilitar o acesso aos recursos disponibilizados pelo Orçamento

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana Mundo Geo Connect Seminário Geotecnologia na Gestão Municipal Sessão Desafios para as Prefeituras: o CTM como instrumento de política fiscal e urbana São Paulo, 16 de junho de 2011 Cadastro Territorial

Leia mais

dos novos d e s e n v o I v i m e n t o s urbanos nas malhas i n f r a - e s t r u t u r a i s

dos novos d e s e n v o I v i m e n t o s urbanos nas malhas i n f r a - e s t r u t u r a i s REPUBLICA DEMOCRÁTICA WÍ DE SÃO TOME E PRÍNCIPE ( U nidade'disciplina-trabalho) GOVE RN O DECRETO-LEl N.' 029/2014 No âmbito do p roje cto de "Ap o io ao Desenvolvimento urbano em São Tomé e Príncìpe",

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

Portal da Justiça A Justiça ao serviço do cidadão e das empresas

Portal da Justiça A Justiça ao serviço do cidadão e das empresas 1 de 7 Portal da Justiça A Justiça ao serviço do cidadão e das empresas Publicação On- Line de Acto Societário e de outras entidades Imprimir Ajuda Fechar Publicação NIF/NIPC 500065268 Entidade Clube de

Leia mais

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M N Ú C L E O D E C O M P R A S E L I C I T A Ç Ã O A U T O R I Z A Ç Ã O P A R A R E A L I Z A Ç Ã O D E C E R T A M E L I C I T A T Ó R I O M O D A L I D A D E P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 027/ 2

Leia mais

Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais

Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais 2012 2014 Novos Investimentos R$ 18,8 bilhões Socorro, assistência e reconstrução Prevenção Obras estruturantes Resposta Mapeamento Monitoramento

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010 da Unicamp 010 ª fase - Física 1.01.010 UNICAMP 010 - FÍSICA Esta prova aborda fenômenos físicos em situações do cotidiano, em experimentos científicos e em avanços tecnológicos da humanidade. Em algumas

Leia mais

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C iclo de vida : Do pneu novo ao pneu us ado FABRICAÇÃO IMPORTAÇÃO MERCADO Pneus Novos EXPORTADOS Pneus novos Fora do

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco Procedimento Preparatório n. º 1.26.000.002835/2013-65 Promoção de Arquivamento nº 617-2013/MPF/PRPE/AT PROMOÇÃO Trata- se de proc edimento pre paratório instaurado nesta Procuradoria da Repúb lic a, com

Leia mais

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011 Oferta Significado 2011 Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão Setembro 2011 Data para submissão das Candidaturas: Até 10 de Outubro 2011 Financiamento Formação Geral Micro

Leia mais

ÍN DICE GERAL. das sociedades (artigo 64.! 1 do CSC)... 19

ÍN DICE GERAL. das sociedades (artigo 64.! 1 do CSC)... 19 ÍN DICE GERAL P ro g ra m a d a s J o rn a d a s so b re a R e fo rm a d o C ó d ig o d a s S o c ie d a d e s C o m e r c ia is... 5 A p re s e n ta ç ã o... 9 D isc u rso d o M in istro d e E sta d o

Leia mais

RESPONSABILIDADES DO GERADOR

RESPONSABILIDADES DO GERADOR RESPONSABILIDADES DO GERADOR RELIZAR O TRANSPORTE DOS RESÍDUOS POR MEIO DE TRANSPORTADORAS IDÔNEAS. OBTER DOS ÓRGÃOS AMBIENTAIS A APROVAÇÃO DO DESTINO DOS RESÍDUOS. EFETUAR O TRATAMENTO E A DISPOSIÇÃO

Leia mais

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de APRESENTAÇÃO O T r i b u n a l d e J u st i ç a d e S ã o P a u l o d e s e n v o l ve, d e s d e 2 0 0 7, o P r o j e to P a t e r n i d a d e R e s p o n s á v e l. S u a d i s c i p l i n a e s t á

Leia mais

CIRCUITO ESTUDANTIL - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO. BÁRBARA REIS; JÚLIO KALÉO; JULLIANY PAULA; RAISSA PINHEIRO; TOBIAS DA SILVA.

CIRCUITO ESTUDANTIL - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO. BÁRBARA REIS; JÚLIO KALÉO; JULLIANY PAULA; RAISSA PINHEIRO; TOBIAS DA SILVA. CIRCUITO ESTUDANTIL - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO. BÁRBARA REIS; JÚLIO KALÉO; JULLIANY PAULA; RAISSA PINHEIRO; TOBIAS DA SILVA. A LINGUAGEM DOS JOVENS E A CONSCIENTIZAÇÃO DO MEIO AMBIENTE ATRAVÉS

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Reconhecido Pela Portaria Nº 1.705 De 18 de Outubro de 2010,

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

Ministério Público Federal, B rasília 8 de junho de 2009. Leonardo C. Fleck, C ons ervação E s tratég ica

Ministério Público Federal, B rasília 8 de junho de 2009. Leonardo C. Fleck, C ons ervação E s tratég ica Ministério Público Federal, B rasília 8 de junho de 2009 Leonardo C. Fleck, C ons ervação E s tratég ica P r e o c u p a ç ã o c o m a q u a lid a d e d o s g a s to s p ú b lic o s e m c e n á r io

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua lida de em D es envo lvim ento de S o ftw a re

A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua lida de em D es envo lvim ento de S o ftw a re Rafael Espinha, Msc rafael.espinha@primeup.com.br +55 21 9470-9289 Maiores informações: http://www.primeup.com.br contato@primeup.com.br +55 21 2512-6005 A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua

Leia mais

UML. Máquina de Estados

UML. Máquina de Estados UML Máquina de Estados Máquina de Estados Máquinas de estado: definição Diagrama de Estados Superestados Estados concorrentes Quando usar um diagrama de estados Máquina de Estados Faz a modelagem do comportamento

Leia mais

O trabalho com textos na alfabetização de crianças do 1º e 2º anos do ensino fundamental

O trabalho com textos na alfabetização de crianças do 1º e 2º anos do ensino fundamental O trabalho com textos na alfabetização de crianças do 1º e 2º anos do ensino fundamental Izac Trindade Coelho 1 1. I n t r o d u ç ão Ai de mim, ai das crianças abandonadas na escuridão! (Graciliano Ramos)

Leia mais

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s.

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s. O r ie n ta ç õ e s In i ci ai s E u, R ic k N e ls o n - P e rs on a l & P rof e s s io n al C o a c h - a c re dito qu e o o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te

Leia mais

Cabo USB. Cabo de re de RJ45. Se m fios

Cabo USB. Cabo de re de RJ45. Se m fios Es col h a a form a com o pre te nde l igar o s e u com putador ao Spe e dtouch 580. Cabo USB Cabo de re de RJ45 Se m fios A ins tal ação e o us o da cone xão USB do Spe e dtouch s ão s uportados pe l

Leia mais

A Gonçalves no México I N F O R M A

A Gonçalves no México I N F O R M A I N F O R M A Novembro de 2007 Depois de atuar por quase três anos no México com um escritório comercial, a Gonçalves investe em uma unidade industrial no país, que entrará em operação no início de 2008.

Leia mais

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO TERMO DE ABERTURA DO PROJETO... 5 P A R T I C I P A N T E S... 5 I D E N T I F I C A Ç Ã O D O P R O J E T O... 5 Nome e Sigla do Projeto... 5 Cliente e Representante...

Leia mais

Câmara Municipal de Retirolândia-BA

Câmara Municipal de Retirolândia-BA Edição Nº 030/2012 007/2012 Terça-Feira Quinta-Feira 3108 de de Julho Março de 2012 de 2012 A CASA DA DEMOCRACIA Rua Joana Angélica, n.º 537 Centro CEP 48.750-000 Retirolândia/BA CNPJ 63.103.808/0001-14

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 016/11.

ORDEM DE SERVIÇO Nº 016/11. ORDEM DE SERVIÇO Nº 016/11. Porto Alegre, 6 de julho de 2011. AOS SENHORES SECRETÁRIOS MUNI- CIPAIS, PROCURADO R-GER AL DO MU- NICÍPIO, D IRETORES-GERAIS DE AU- TARQUIAS, COORDENADORES-GERAIS DE G ABIN

Leia mais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais Datas Comemorativas White Paper Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais As datas comemorativas podem ser exploradas para rentabilizar o seu comércio, seja ele físico ou online. Dedique

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Departamento de Informática Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação Laboratório de Desenvolvimento Distribuído de Software Estágio de Docência http://www.din.uem.br/~pg45640/ Qualidade de Software

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE PREVENÇÃO À CRIMINALIDADE

SUPERINTENDÊNCIA DE PREVENÇÃO À CRIMINALIDADE SUPERINTENDÊNCIA DE PREVENÇÃO À CRIMINALIDADE O que é uma estratégia de prevenção comunitária do crime violência? e d a Um instrumento para evitar o crime e a violência e reduzir o medo da população com

Leia mais

Mapa do Ensino Superior no Brasil

Mapa do Ensino Superior no Brasil Mapa do Ensino Superior no Brasil 2015 Índice Índice Palavra do Presidente...5 Brasil...6 Região Sudeste... 16 Estado de São Paulo...17 Estado de Minas Gerais...24 Estado do Rio de Janeiro...31 Estado

Leia mais

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA Filipe Carreira da Silva Resumo Este artigo tem por objectivo discutir a noção de esfera pública proposta por Jürgen Habermas. Para tanto,

Leia mais

2, N O AR, O JORNAL NACIONAL: A r m a n d o N o g u e i r a C r ia o P r im e ir o T e l e j o r n a l em R e d e 24

2, N O AR, O JORNAL NACIONAL: A r m a n d o N o g u e i r a C r ia o P r im e ir o T e l e j o r n a l em R e d e 24 Sumário Lista de q uadros tem áticos 10 Prefácio: A pura verdade, Jo ã o R o b erto M arinho * 11 N o ta técnica 14 PARTE I [1965-1974] Nasce o JN: o Brasil e o Mundo Unidos pela Notícia 15 1, O j o r

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico Alencar Instalações Resolvo seu problema elétrico T r a b a lh a m o s c o m : Manutenção elétrica predial, residencial, comercial e em condomínios Redes lógicas Venda de material elétrico em geral. Aterramentos

Leia mais

White Paper. Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server. O correio eletrônico é uma das ferramentas de

White Paper. Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server. O correio eletrônico é uma das ferramentas de White Paper Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server Entenda como usar melhor a plataforma de correio eletrônico da Microsoft para ganhar mais eficiência na comunicação da sua empresa O correio

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº XXX, DE 00 DE XXXXX DE 2014

RESOLUÇÃO Nº XXX, DE 00 DE XXXXX DE 2014 RESOLUÇÃO Nº XXX, DE 00 DE XXXXX DE 2014 Dispõe sobre a regulamentação da avaliação e fluxo de procedimentos para a concessão do Reconhecimento de Saberes e Competências aos docentes pertencentes ao Plano

Leia mais

CURSO DE LIDERES CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES - CEPED. Universidade Federal de Santa Catarina UFSC

CURSO DE LIDERES CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES - CEPED. Universidade Federal de Santa Catarina UFSC CURSO DE LIDERES CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES - CEPED Universidade Federal de Santa Catarina UFSC As características do CEPED Visão multidisciplinar; Interação com os problemas

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

Plano de Ação do Governo Federal para o período de chuvas. Sul e Sudeste

Plano de Ação do Governo Federal para o período de chuvas. Sul e Sudeste Plano de Ação do Governo Federal para o período de chuvas Sul e Sudeste Plano de Ação do Governo Federal para o período de chuvas Sul e Sudeste 1. Prognóstico Climático 2. Municípios Monitorados 3. Preparação

Leia mais

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil.

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil. Outubro de 2003 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Sexta-feira 31 34351 ares, me diante a exibição de ofí cio ou mandado em forma regular. 1º So men te se ex pe di rá pre ca tó ria, quando, por essa for ma, for

Leia mais

Incorporação da Gestão de Riscos de Escorregamentos e Inundações no Setor de Transportes

Incorporação da Gestão de Riscos de Escorregamentos e Inundações no Setor de Transportes Incorporação da Gestão de Riscos de Escorregamentos e Inundações no Setor de Transportes Paulo Cesar Fernandes da Silva INSTITUTO GEOLÓGICO Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo Entendendo

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

O b ra s da C o pa 2 0 1 4. P re fe it u ra Mu nic ipa l de P o rt o A le g re

O b ra s da C o pa 2 0 1 4. P re fe it u ra Mu nic ipa l de P o rt o A le g re O b ra s da C o pa 2 0 1 4 P re fe it u ra Mu nic ipa l de P o rt o A le g re RE C URS OS Ma triz de R e s po n s a b ilida de s Ma triz de R e s po n s a b ilida de s Assinada em 13 de janeiro de 2010

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Fundação GEORIO. Marcio Machado Presidente

PLANO DE GESTÃO DE RISCO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Fundação GEORIO. Marcio Machado Presidente Fundação GEORIO Marcio Machado Presidente PROPOSTA DO PLANO Eliminar as áreas de ALTO RISCO nas encostas mapeadas. CIDADE DO 3. Diagnóstico RIO DE JANEIRO 2. Prevenção 4. Intervenção 1.Conhecimento Plano

Leia mais

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Belo Horizonte/MG, 21 de junho de 2010 Segmentação A s eg mentação es tá pres ente em todos os mercados, incluindo o mercado do turis mo;

Leia mais

BOA VISTA SERVIÇOS SCPC INTEGRADO

BOA VISTA SERVIÇOS SCPC INTEGRADO BOA VISTA SERVIÇOS SCPC INTEGRADO Objetivo Permitir ao cliente consultar as informações referentes aos registros de débitos (comprador / avalista), títulos protestados, consultas anteriores (SCPC), central

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro João Ferrão Resumo As visões recentes sobre o mundo rural revelam grande permeabilidade à ideia de património

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O A B O R T O : U M A Q U E S T Ã O M O R A L, L E G A L, C U L T U R A L E E C O N Ô M I C A C U R I T I B A

Leia mais

ESTUDANTES E MÉDICOS FORMADOS EM CUBA PREPARAM A III CARAVANA DA SAÚDE EM SERGIPE

ESTUDANTES E MÉDICOS FORMADOS EM CUBA PREPARAM A III CARAVANA DA SAÚDE EM SERGIPE N 5 / junho/julho - Cuba - Sergipe - 2011 Médicos de ciência e consciência Informativo Eletrônico ESTUDANTES E MÉDICOS FORMADOS EM CUBA PREPARAM A III CARAVANA DA SAÚDE EM SERGIPE Palestra sobre Cuba em

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010 UNICAMP 2010 - GEOGRAFIA 13. Ob serve o gráfico abaixo e responda às questões: a) Indi que a(s) re gião(ões) do glo bo com ta xa de es pe ran ça de vi da ao nas cer in fe ri or à mé dia mun di al, nos

Leia mais

Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos Secretaria Nacional de Programas Urbanos Ministério das Cidades

Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos Secretaria Nacional de Programas Urbanos Ministério das Cidades Gerenciamento de riscos a escorregamentos em encostas Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos Secretaria Nacional de Programas Urbanos Ministério das Cidades Característica estrutural

Leia mais

O USO DAS FÁBULAS NO ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (E/LE) Uma experiência com alunos do 3ª ano do fundamental I.

O USO DAS FÁBULAS NO ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (E/LE) Uma experiência com alunos do 3ª ano do fundamental I. O USO DAS FÁBULAS NO ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (E/LE) Uma experiência com alunos do 3ª ano do fundamental I. DAN TAS 1, Jessica Soares SILVA 2, Mykeline Vieira da CCHLA/ DLEM/ PROBEX RES

Leia mais

IX FÓRUM APCER. EXCELÊNCIA EMPRESARIAL PARA PME s

IX FÓRUM APCER. EXCELÊNCIA EMPRESARIAL PARA PME s IX FÓRUM APCER EXCELÊNCIA EMPRESARIAL PARA PME s AGENDA Breve Apresentação AIP Projecto Excelência Empresarial Modelo EFQM Associação Industrial Portuguesa Criada em 1837 MISSÃO É uma instituição privada

Leia mais