PLANO DE GESTÃO DE RISCO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Fundação GEORIO. Marcio Machado Presidente

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE GESTÃO DE RISCO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Fundação GEORIO. Marcio Machado Presidente"

Transcrição

1 Fundação GEORIO Marcio Machado Presidente

2 PROPOSTA DO PLANO Eliminar as áreas de ALTO RISCO nas encostas mapeadas.

3 CIDADE DO 3. Diagnóstico RIO DE JANEIRO 2. Prevenção 4. Intervenção 1.Conhecimento Plano de Gestão de Risco 5.Monitoramento Morro dos Prazeres

4 1. Conhecimento

5 Área Contemplada Área do Maciço da Tijuca e adjacências mapeada em escala 1:2000

6 Áreas de Risco Mapeadas A Prefeitura do Rio realizou um mapeamento inédito sobre as encostas da cidade. O levantamento levou em consideração toda a área da cidade, mapeada em escala 1: (1255 km2), com detalhamento para o Maciço da Tijuca e adjacências em escala 1:2000 (280 km2)

7 Mapa de Suscetibilidade a escorregamentos Considerou diversos planos de informação. Uso de novas e sofisticadas tecnologias como levantamento a laser, orto-fotos e fotos oblíquas.

8 Mapeamento de Risco (Inventário) Ao todo foram inspecionadas 196 comunidades ao redor do Maciço da Tijuca e adjacências, com área total de 13,02 km2. 21 mil moradias em áreas de alto risco em 117 comunidades. Atualmente há 18 mil moradias nesta situação, já que, ao longo de 2010, 47 dessas comunidades receberam obras de contenção ou seus moradores foram reassentados, beneficiando 3 mil famílias. Investimento de R$ 1,3 milhão

9 Comunidade da Babilônia Comunidade do Ouro Preto Comunidade do Borel Comunidade do Alemão

10 Aerolevantamento a laser

11 Atualização do Programa GEORISQ Sistema Georeferenciado de Gestão de Risco Geotécnico Acervo digitalizado da Geo-Rio laudos de vistoria (desde 1966) sondagens projetos geotécnicos Aplicativo em base SIG para arquivamento, manipulação e tratamento de dados geotécnicos da Fundação; Compartilhamento entre todas as Diretorias; Atualização constante dos dados;

12 2. Prevenção

13 Sistema Alerta Rio Sistema de Alerta de chuvas intensas e de deslizamentos nas encostas do Município do Rio de Janeiro. Emissão por , telefone, SMS e Twitter de avisos/alertas em caso de possibilidade de chuvas intensas Emissão de alertas de deslizamentos de encostas em função dos acumulados de chuva observados na rede de pluviômetros

14 Radar Meteorológico A mudança do Sistema Alerta Rio para o COR possibilitou maior difusão das informações dentro dos órgãos da Prefeitura e principalmente para a população. Investimento de R$ 2,5 milhões

15 Sistema de Alarme Sonoro pessoas já capacitadas no Sistema de Alerta Comunitário da Defesa Civil, cobrindo 100% das 117 comunidades com áreas de alto risco Capacitados em 2010: Agentes Comunitários de Saúde e Defesa Civil Capacitados em janeiro de 2011: líderes comunitários

16 Sistema de Alarme Sonoro Objetivo é alertar moradores sobre o risco de deslizamento em casos de chuvas intensas, indicando a necessidade de deslocamento para os pontos de apoio, onde a população encontrará abrigo seguro. Comunidades Assistidas 102 Estações Sonoras 171 Pluviômetros 83 Investimento de R$ 7,8 milhão

17 CIDADE DO RIO 3 DE JANEIRO Sistema de Alarme Sonoro - BOREL 2 Sirenes Pontos de apoio 1

18 Centro de Operações - RIO O Centro de Operações do Rio faz o monitoramento permanente da cidade e está sempre pronto para atuar em situações de emergência. Com um sistema de dados integrado e suas 560 câmeras, é o quartel-general onde se coordenam e planejam todas as ações em momentos de crise. Integra 30 órgãos municipais e concessionárias Funciona em tempo integral: 24 horas por dia, 7 dias por semana, com visualização, monitoramento, análise e atuação em tempo real.

19 CENTRO DE OPERAÇÕES RIO (COR)

20 3. Diagnóstico

21 Projetos Executivos de Mitigação de Riscos Foram elaborados os projetos executivos para mitigação de riscos nas 117 comunidades mapeadas como áreas de alto risco. Nesses projetos constam: Definição das soluções que melhor se adaptam ao local; Localização georeferenciada de cada solução; Detalhamento das soluções; Planilha de quantidades para cada solução; Orçamento executivo global

22 Elaboração de Projetos para Mitigação de Risco Ações necessárias para eliminação do alto risco nestas comunidades, através de projetos executivos para as obras a serem realizadas e seus respectivos orçamentos. Com recursos do tesouro, as primeiras intervenções foram executadas nas comunidades da Rocinha, Vidigal e Chácara do Céu. Investimento de R$ 4,8 milhões

23 DIVISÃO DA ÁREA EM SETORES - 10 Setores FAVELA BAIRRO População Domicílios casas em risco ORÇAMENTO Remoção SETOR 1 Morro da Providência GAMBOA R$ , Moreira Pinto SANTO CRISTO R$ , Morro dos Telégrafos MANGUEIRA R$ , Parque Candelária MANGUEIRA R$ , Mangueira MANGUEIRA R$ ,00 0 PORTUÁRIA 6 Tuiuti SÃO CRISTÓVÃO R$ , Vila Miséria SÃO CRISTÓVÃO R$ ,00 0 R$ , Bispo RIO COMPRIDO R$ , Matinha RIO COMPRIDO R$ , Pantanal RIO COMPRIDO R$ , Sumaré RIO COMPRIDO R$ , TURANO 12 Morro da Liberdade TIJUCA R$ , Morro do Chacrinha TIJUCA R$ ,00 0 R$ ,00 683

24 PROGRAMA DE GESTÃO DE RISCO GEOTÉCNICO QUADRO RESUMO Nº SETOR DOMICÍLIOS MORADIAS EM RISCO REMOÇÃO ORÇAMENTO 1 PORTUÁRIA R$ ,00 2 TURANO R$ ,00 3 RIO COMPRIDO R$ ,00 4 ZONA SUL R$ ,00 5 GRANDE TIJUCA R$ ,00 6 LINS R$ ,00 7 ZONA NORTE R$ ,00 8 ALEMÃO R$ ,00 9 PENHA R$ ,00 10 JACAREPAGUÁ R$ ,00 TOTAL R$ ,00

25 4. Intervenção

26 Comunidade da Rocinha Foram mapeadas 117 comunidades e a Prefeitura já realizou intervenções em 5 delas(rocinha, Vidigal, Chácara do Céu, Pedra Lisa e Guararapes), com investimento da ordem de R$ ,00, para mitigação da situação de alto risco. Comunidade do Vidigal Comunidade do Vidigal

27 Av Estado da Guanabara - Prainha

28 Comunidade do Borel

29 Comunidade Santa Maria

30 Contenção de encostas Obras de Contenção de Encostas Foram realizadas mais de 500 frentes de obras, com investimento de R$ 207 milhões no período e estando previstos investimentos da ordem de R$ 112 milhões para 2012 COMPARATIVO DE INVESTIMENTOS : R$ 83 milhões : R$ 320 milhões

31 5. Monitoramento

32 Monitoramento das Áreas de Alto Risco já Tratadas O projeto está sendo elaborado para implantarmos um sistema de controle de ocupação das áreas já beneficiadas com as intervenções propostas, através de equipamentos tipo VANT (veículo aéreo não tripulável) para garantirmos que estas áreas, não sejam mais reocupadas ou invadidas e que as intervenções realizadas permaneçam íntegras e cumprindo com a sua finalidade.

33 Plataformas multi-rotores para obtenção de fotografias (até 18 Mpx) e filmagens aéreas (até Full HD 1080p). Controle de altitude barométrico Controle de orientação por magnetômetro Controle de tracking e posicionamento dinâmico por GPS (Global Position System), podendo ser operada de forma manual ou semi automática (com a inserção de waypoints para as missões) tendo os dados de telemetria do vôo transmitidos para o solo em tempo real e armazenados na aeronave em SD card. Sistemas de transmissão de áudio e vídeo em tempo real, permitindo a visão em FPV (First Person View) para o piloto e equipe de terra, em ambiente imersivo ou aberto.

34 3. Diagnóstico 2. Prevenção 4. Intervenção 1.Conhecimento Plano de Gestão de Risco 5.Monitoramento Morro dos Prazeres

35 Tel Obrigado

PLANO DE GESTÃO DE RISCO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Fundação GEORIO. Marcio Machado Presidente

PLANO DE GESTÃO DE RISCO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Fundação GEORIO. Marcio Machado Presidente Fundação GEORIO Marcio Machado Presidente Histórico de eventos pluviométricos severos Criação do Instituto de Geotécnica - IG Criação da Fundação GEORIO Sistema Alerta Rio Jan/1966 Fev/1988 Abr/2010 1993

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Fundação GEORIO. Ricardo d Orsi

PLANO DE GESTÃO DE RISCO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Fundação GEORIO. Ricardo d Orsi Fundação GEORIO Ricardo d Orsi PLANO DE GESTÃO DE RISCO DA mm/24h mm/h CIDADE DO RIO DE DIA JANEIRO MÊS/ANO ABRIL - 21 35 ABRIL - 211 286 JANEIRO - 1998 282 MARÇO - 2 275 DEZEMBRO - 21 251 JANEIRO - 1966

Leia mais

Lúcio Ma>as Eng. Diretor Lucio.ma>as@novaterrageo.com.br www.novaterrageo.com.br

Lúcio Ma>as Eng. Diretor Lucio.ma>as@novaterrageo.com.br www.novaterrageo.com.br Lúcio Ma>as Eng. Diretor Lucio.ma>as@novaterrageo.com.br www.novaterrageo.com.br Carlos Jamel Biólogo, Diretor cjamel@novaterrageo.com.br www.novaterrageo.com.br Webinar - A Invasão dos VANTs 13/08/2012

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Thiago Galvão Geógrafo Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Celso Carvalho Frederico Seabra Leonardo Ferreira Thiago Galvão A resposta necessária

Leia mais

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE PREFEITURA DE BELO HORIZONTE DADOS DA CIDADE Data de fundação: 12 de dezembro de 1897 Área: 331 km 2 Latitude y Longitude 19 55'S, 43 56'W Minas Gerais BH INDICADORES DEMOGRÁFICOS População: 2.375.151

Leia mais

RIO DE JANEIRO EM BUSCA DA RESILIÊNCIA FRENTE CHUVAS FORTES

RIO DE JANEIRO EM BUSCA DA RESILIÊNCIA FRENTE CHUVAS FORTES RIO DE JANEIRO EM BUSCA DA RESILIÊNCIA FRENTE CHUVAS FORTES CAMPANHA DA UNISDR (ESTRATÉGIA INTERNACIONAL PARA REDUÇÃO DE DESASTRES) EM PARCERIA COM A SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL 1. INTRODUÇÃO A

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO COMUNITÁRIA ADAPTAÇÃO AOS RISCOS DE DESASTRES NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

PROGRAMA DE PROTEÇÃO COMUNITÁRIA ADAPTAÇÃO AOS RISCOS DE DESASTRES NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO PROGRAMA DE PROTEÇÃO COMUNITÁRIA ADAPTAÇÃO AOS RISCOS DE DESASTRES NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE CONSERVAÇÃO E SERVIÇOS PÚBLICOS SUBSECRETARIA

Leia mais

Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO

Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO Caracterização do Município e Descrição do Problema O Município do Rio de Janeiro

Leia mais

Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais

Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais 2012 2014 Novos Investimentos R$ 18,8 bilhões Socorro, assistência e reconstrução Prevenção Obras estruturantes Resposta Mapeamento Monitoramento

Leia mais

Origens e objetivos da Oficina do Imaginário

Origens e objetivos da Oficina do Imaginário Origens e objetivos da Oficina do Imaginário Foi inspirada no trabalho social desenvolvido no Projeto PUI (Programa de Urbanização Integrada) de urbanização das comunas de Medelín, na Colômbia. Busca levantar

Leia mais

Experiência do Município de Salvador na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da CARG Coordenadoria das Áreas de Risco Geológico

Experiência do Município de Salvador na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da CARG Coordenadoria das Áreas de Risco Geológico Experiência do Município de Salvador na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da CARG Coordenadoria das Áreas de Risco Geológico Caracterização do Município e Descrição do Problema O Município

Leia mais

Comité Local de Gestão de Risco de Calamidades CL-GRC

Comité Local de Gestão de Risco de Calamidades CL-GRC Comité Local de Gestão de Risco de Calamidades CL-GRC Comité Local de Gestão de Risco de Calamidades... É um grupo de pessoas voluntárias da mesma comunidade, que pode assumir e desenvolver as acções orientadas

Leia mais

Plano Verão 2014/2015

Plano Verão 2014/2015 Plano Verão 2014/2015 NOVO MODELO DE ESTÁGIOS OPERACIONAIS APLICATIVO OLHOS DA CIDADE AÇÕES PARA PREVENÇÃO DO IMPACTO DAS CHUVAS CENTRO DE OPERAÇÕES RIO Modelo atual com base em informações meteorológicas

Leia mais

Planejamento de cidades inteligentes: ganhando força através da colaboração NITERÓI

Planejamento de cidades inteligentes: ganhando força através da colaboração NITERÓI Planejamento de cidades inteligentes: ganhando força através da colaboração NITERÓI CIDADES INTELIGENTES Conceito ganhou impulso nos últimos 5 anos Uma nova economia: (Fonte: Pyke Research) mercado de

Leia mais

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 Prevenção de Catástrofes...da previsão ao controle Margareth Alheiros UFPE 22/02/2011 O que a sociedade sabe sobre Desastres? O que circula na imprensa: imagens com

Leia mais

PARA QUE SERVE O QUADRICOPTERO SIRIUS SD4:

PARA QUE SERVE O QUADRICOPTERO SIRIUS SD4: Skydrones, nova empresa gaucha de aviônica, que atua no desenvolvimento de microvants veículos aéreos não tripulados, testa seu protótipo SIRIUS SD4, com novo sistema de telemetria. O produto estará pronto

Leia mais

Técnicos municipais envolvidos com o tema

Técnicos municipais envolvidos com o tema Curso de Capacitação de Técnicos Municipais para Prevenção e Gerenciamento de Riscos de Desastres Naturais SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL CPRM PÚBLICO-ALVO Técnicos municipais envolvidos com o tema 1 OBJETIVO

Leia mais

Trabalho Técnico Social na Urbanização de Favelas

Trabalho Técnico Social na Urbanização de Favelas Trabalho Técnico Social na Urbanização de Favelas Introdução: A história das políticas públicas relacionadas à questão urbanística e habitacional implementadas em comunidades de baixa renda tem nos mostrado:

Leia mais

Localização Estratégica

Localização Estratégica PORTO MARAVILHA Localização Estratégica Aeroporto Internacional Tom Jobim 11 km Oceano Atlântico Maracanã 5 km Aeroporto Santos Dumont 2 km Corcovado 7 km Copacabana 8 km Pão de Açúcar 6 km Perímetro Porto

Leia mais

Relatório Anual de Chuva para a cidade do Rio de Janeiro no ano de 2013

Relatório Anual de Chuva para a cidade do Rio de Janeiro no ano de 2013 Relatório GEO-RIO/DEP/GPE - N.º 01/2014 Relatório Anual de Chuva para a cidade do Rio de Janeiro no ano de 2013 Geól. Ricardo Neiva D Orsi Geól. Nelson Martins Paes Eng o Marcelo Aldaher Magalhães Profº

Leia mais

PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL HABITAÇÃO: COMO NECESSIDADE HUMANA ABRIGO As pessoas precisam de proteção para si e suas famílias contra as intempéries da natureza.

Leia mais

Vulnerabilidade em área de Risco: O que fazer? - CBCS 08/03/2010. CBCS - Vulnerabilidade em área de risco: O que fazer?

Vulnerabilidade em área de Risco: O que fazer? - CBCS 08/03/2010. CBCS - Vulnerabilidade em área de risco: O que fazer? CBCS - Vulnerabilidade em área de risco: O que fazer? PREFEITO GILBERTO KASSAB SECRETARIA DAS SUBPREFEITURAS 11.500 funcionários zelando pela cidade 31 subprefeituras ATUAÇÃO: Uso e ocupação do solo Obras

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA DESENVOLVIMENTO DE LAY-OUT DE PROPOSTA ALTERNATIVA PARA O SISTEMA G DE TRANSPORTE PÚBLICO MULTIMODAL PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

Leia mais

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 2. Localização geográfica Toda a área da UGRHI-11 - Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 3.2 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 3.2.1 - Plano de Intervenção

Leia mais

Trabalho Social em Programas de Habitação e Desenvolvimento Urbano: Entre o Ideal e o Concreto

Trabalho Social em Programas de Habitação e Desenvolvimento Urbano: Entre o Ideal e o Concreto Trabalho Social em Programas de Habitação e Desenvolvimento Urbano: Entre o Ideal e o Concreto INÊS MAGALHÃES Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades Seminário Trabalho Social em Programas

Leia mais

POLÍTICA DE TRANSPORTE. Espaço exclusivo Caminhos Desobstruídos. Serviço em Rede. Operação Controlada Regularidade Confiabilidade

POLÍTICA DE TRANSPORTE. Espaço exclusivo Caminhos Desobstruídos. Serviço em Rede. Operação Controlada Regularidade Confiabilidade POLÍTICA DE TRANSPORTE QUALIFICAR O Serviço de Transporte por Ônibus Espaço exclusivo Caminhos Desobstruídos Serviço em Rede Flexibilidade de Trajetos Racionalidade de Caminhos Operação Controlada Regularidade

Leia mais

Mercado do Rio de Janeiro- 2011

Mercado do Rio de Janeiro- 2011 Gávea Green Residencial Parque Cidade Barra Prime Offices Torre IV Mercado do Rio de Janeiro- 2011 1 Mercado Imobiliário 2006, 2007- Rio de Janeiro 2006- Expansão do Financiamento Imobiliário. Abecip-

Leia mais

PNAFM RIO. Reunião Comitê Gestor do PNAFM Fase 2 São Paulo, 09 e 10 de maio de 2013. Prefeitura do Rio de Janeiro Secretaria da Casa Civil

PNAFM RIO. Reunião Comitê Gestor do PNAFM Fase 2 São Paulo, 09 e 10 de maio de 2013. Prefeitura do Rio de Janeiro Secretaria da Casa Civil PNAFM RIO Reunião Comitê Gestor do PNAFM Fase 2 São Paulo, 09 e 10 de maio de 2013 Prefeitura do Rio de Janeiro Secretaria da Casa Civil PAUTA 1. VISÃO GERAL PNAFM-RIO 2. PRODUTOS - RESULTADOS 3. SITUAÇÃO

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D.4.6. Gestão, Avaliação e Revisão do PPA (20h) (Caso 3: Gestão de Riscos e Resposta a Desastres) Professora: Cristiane Collet Battiston

Leia mais

Demanda por um sistema integrado de mobilidade urbana, acessível por órgãos gestores, operadoras de transporte e população!

Demanda por um sistema integrado de mobilidade urbana, acessível por órgãos gestores, operadoras de transporte e população! Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 17 Sistema de Informação de Usuários Michel Costa da Silva (*) No Brasil, o crescimento demográfico das grandes capitais, o apoio governamental

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CONDIÇÕES CLIMÁTICAS

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CONDIÇÕES CLIMÁTICAS SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CONDIÇÕES CLIMÁTICAS SUMÁRIO 1 Introdução...5 2 Sistema de monitoramento climático Ressonare...7 2.1 A rede de monitoramento...8 2.2 A coleta, o armazenamento e o acesso aos

Leia mais

Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais

Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais 1 PROGRAMA CAS: CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL CIRCULAR CAS 01/2015 INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA OBTENÇÃO DO CAS Nível III O CAS Nível III (Certificação da conformidade de equipamentos,

Leia mais

Nº 170908. www.ipt.br

Nº 170908. www.ipt.br COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 170908 MITS: módulo ITS; trabalho IPT/ARTESP; módulo de informações do ITS, sistema de apoio à fiscalização Maria Rosilene Ferreira Trabalho apresentado no Seminário Sistemas Inteligentes

Leia mais

Diagnóstico da gestão das redes semafóricas

Diagnóstico da gestão das redes semafóricas Apóio: Diagnóstico da gestão das redes semafóricas Ausência de uma visão estratégica da importância das redes Semafóricas e os impactos (positivos ou negativos) nas vidas das pessoas e das empresas; Serviços

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

Implantação do Turno Único nas escolas municipais do Rio de Janeiro Autores:

Implantação do Turno Único nas escolas municipais do Rio de Janeiro Autores: Implantação do Turno Único nas escolas municipais do Rio de Janeiro da Silva Introdução O Planejamento Estratégico da Prefeitura prevê que, em 2016, 35% das matrículas estejam em Turno Único. Isto significa

Leia mais

Mobilidade Digital na Cidade de São Paulo

Mobilidade Digital na Cidade de São Paulo Prodam Tecnologia para a cidade de São Paulo Mobilidade Digital na Cidade de São Paulo População Portugal Estado do Rio de Janeiro 10,7 16 milhões de de habitantes Suécia Estado do Rio de Janeiro 9,0 16

Leia mais

Direito à Moradia e a Questão Ambiental. Suyá Quintslr

Direito à Moradia e a Questão Ambiental. Suyá Quintslr Direito à Moradia e a Questão Ambiental Suyá Quintslr Roteiro da aula 1. A questão ambiental : do surgimento do preservacionismo no período moderno à problemática ambiental na atualidade 2. A ambientalização

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICIPIO DE REGENERAÇÃO - (PMSB)

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICIPIO DE REGENERAÇÃO - (PMSB) PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICIPIO DE REGENERAÇÃO - (PMSB) RELATÓRIO DO COMITÊ DE COORDENAÇÃO Aos 05 dias do mês de Julho de 2013, às 09:00h, reuniram-se na sede da Prefeitura Municipal

Leia mais

MESA 4 ALERTA. Mario Thadeu Leme de Barros

MESA 4 ALERTA. Mario Thadeu Leme de Barros MESA 4 MONITORAMENTO E SISTEMA DE ALERTA Mario Thadeu Leme de Barros 1 A QUESTÃO DO CONTROLE DE CHEIAS URBANAS Medidas Estruturais versus Medidas Não Estruturais 2 Medidas não estruturais que se destacam:

Leia mais

Opções de utilização de produtos cartográficos e gerenciamento de bases de dados espaciais na Gestão Municipal, Prefeitura de Joinville/SC.

Opções de utilização de produtos cartográficos e gerenciamento de bases de dados espaciais na Gestão Municipal, Prefeitura de Joinville/SC. Opções de utilização de produtos cartográficos e gerenciamento de bases de dados espaciais na Gestão Municipal, Prefeitura de Joinville/SC. Geógrafo, Msc Celso Voos Vieira Gerente da Unidade de Gestão

Leia mais

Realização. Apoio. Patrocínio

Realização. Apoio. Patrocínio Realização Apoio Patrocínio Ações Indutoras na Área de Defesa MCT/FINEP 4ª CNCTI AÇÕES FINEP NA ÁREA DE VANT Seminário Internacional de Veículos Aéreos Não Tripulados A Missão da FINEP Promover e financiar

Leia mais

Gerenciamento de Risco

Gerenciamento de Risco CAPÍTULO 17 Gerenciamento de Risco Organização da Defesa Civil 17. 1 Procedimentos para a gestão do risco 17. 2 Ações permanentes de Defesa Civil em áreas de morros 17. 3 Plano Preventivo de Defesa Civil

Leia mais

PROJETO MACIÇO DO MORRO DA CRUZ

PROJETO MACIÇO DO MORRO DA CRUZ Objetivos Gerais: PROJETO MACIÇO DO MORRO DA CRUZ Melhorar as condições de vida dos moradores do MACIÇO DO MORRO DA CRUZ, a partir de investimentos em infra-estrutura e serviços sociais. Objetivos Específicos:

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO LICENCIAMENTO AMBIENTAL BAIXADA DE JACAREPAGUÁ O LICENCIAMENTO AMBIENTAL E AS NOVAS INTERVENÇÕES URBANAS NA BAIXADA DE JACAREPAGUÁ PROJETOS - OS GRANDES EVENTOS O LIC ENC IAM ENT O AMB IENT AL E AS NOV

Leia mais

Políticas de moradia: entre o direito e a violação de direitos humanos. Demian Garcia Castro

Políticas de moradia: entre o direito e a violação de direitos humanos. Demian Garcia Castro Políticas de moradia: entre o direito e a violação de direitos humanos Demian Garcia Castro Hipótese central: a nova rodada de mercantilização da cidade vem ampliando os processos de segregação socioespacial

Leia mais

Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR)

Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR) Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR) Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) Ministério dos Transportes (MT) Para cobrir os 55 mil km de rodovias federais eram precisos 18 meses

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL BOQUEIRÃO 18/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração Anexo II a que se refere o artigo 2º da Lei nº xxxxx, de xx de xxxx de 2014 Quadro de Analistas da Administração Pública Municipal Atribuições Específicas DENOMINAÇÃO DO CARGO: DEFINIÇÃO: ABRANGÊNCIA:

Leia mais

São Vicente (São Paulo), Brazil

São Vicente (São Paulo), Brazil São Vicente (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Luis Cláudio Bili Lins da Silva Nome do ponto focal: Maria Rita Barros

Leia mais

Recife (Pernambuco), Brazil

Recife (Pernambuco), Brazil Recife (Pernambuco), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Geraldo Julio de Melo Filho Nome do ponto focal: Adalberto Freitas Ferreira

Leia mais

2. CARACTERÍSTICAS GEOLÓGICO-GEOTÉCNICAS E ANÁLISE DE RISCO

2. CARACTERÍSTICAS GEOLÓGICO-GEOTÉCNICAS E ANÁLISE DE RISCO AVALIAÇÃO DO RISCO GEOLÓGICO-GEOTÉCNICO ASSOCIADO A ESCORREGAMENTOS PARA AS COMUNIDADES ESTRADINHA (A MONTANTE DO CEMITÉRIO SÃO JOÃO BATISTA), MORRO DOS URUBUS, MORRO DOS PRAZERES E ESCONDIDINHO, MORRO

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 717, DE 20 DE AGOSTO DE 2013.

LEI COMPLEMENTAR Nº 717, DE 20 DE AGOSTO DE 2013. LEI COMPLEMENTAR Nº 717, DE 20 DE AGOSTO DE 2013. Institui Área Especial de Interesse Ambiental sobre área do Morro Santa Teresa, com identificação de Área de Proteção do Ambiente Natural, de Área de Interesse

Leia mais

MEETING BRASIL-ALEMANHAALEMANHA

MEETING BRASIL-ALEMANHAALEMANHA PREFEITURA MUNICIPAL DE VITÓRIA PROGRAMA TERRA MAIS IGUAL SECRETARIA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO URBANIZAÇÃO DE FAVELAS - POLIGONAL 1 MEETING BRASIL-ALEMANHAALEMANHA Vitória, 05 de abril de 2014 Programas PMV

Leia mais

População. Cidade de São Paulo. 11 milhões de habitantes. Portugal 10,7 milhões de habitantes. Suécia 9 milhões de habitantes

População. Cidade de São Paulo. 11 milhões de habitantes. Portugal 10,7 milhões de habitantes. Suécia 9 milhões de habitantes População Portugal 10,7 milhões de habitantes Suécia 9 milhões de habitantes Suíça 7,5 milhões de habitantes Cidade de São Paulo 11 milhões de habitantes Dinamarca 5,2 milhões de habitantes Uruguai 3,5

Leia mais

Sumário: 1. Saúde 1.1. Estratégia da Saúde da Família no território 2.1 (Rio de Janeiro);

Sumário: 1. Saúde 1.1. Estratégia da Saúde da Família no território 2.1 (Rio de Janeiro); PLANO DE TRABALHO 2014 Sumário: 1. Saúde 1.1. Estratégia da Saúde da Família no território 2.1 (Rio de Janeiro); 1.2. Estratégia da Saúde da Família no território 3.1 (Rio de Janeiro); 1.3. Estratégia

Leia mais

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Prefeito - Julio Cesar Gomes Nome do ponto focal: Maricleia Leati Organização:

Leia mais

II Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos

II Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos GABINETE DO GOVERNADOR CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL II Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos Dezembro / 2007 POLÍTICA E PROGRAMAS PARA A DEFESA CIVIL DO ESTADO

Leia mais

Jundiaí (São Paulo), Brazil

Jundiaí (São Paulo), Brazil Jundiaí (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Pedro Bigardi Nome do ponto focal: Eduardo

Leia mais

Programa de Capacitação e Treinamento em Defesa Civil e Políticas de Segurança

Programa de Capacitação e Treinamento em Defesa Civil e Políticas de Segurança PREFEITURA DUQUE DE CAXIAS Programa de Capacitação e Treinamento em Defesa Civil e Políticas de Segurança Uma Estratégia de Ação para Capacitar e Treinar Servidores, Líderes Comunitários e Voluntários

Leia mais

CEMADEN Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais

CEMADEN Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais CEMADEN Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI Workshop Complexo do CEMADEN São José dos Campos, SP, 14 de janeiro de 2014 Decreto

Leia mais

Programa Paraisópolis

Programa Paraisópolis Programa Paraisópolis Identificação das Comunidades Cemitério Getsemani Jd. Colombo Paraisópolis Porto Seguro Cemitério do Morumbi Colégio Visconde de Porto Seguro Programa Paraisópolis Caracterização

Leia mais

Pesquisa nas Favelas com Unidades de Polícia Pacificadora. da Cidade do Rio de Janeiro

Pesquisa nas Favelas com Unidades de Polícia Pacificadora. da Cidade do Rio de Janeiro Pesquisa nas Favelas com Unidades de Polícia Pacificadora da Cidade do Rio de Janeiro Dezembro de 2010 1. Argumento Ao longo dos últimos anos, um amplo espectro de políticas públicas foi implantado em

Leia mais

11.253.503. 3.100.000 Contribuintes. São Paulo em Números 60.000 200.000. 70.000 Logradouros Públicos. 2.000.000 Lotes. Quadras.

11.253.503. 3.100.000 Contribuintes. São Paulo em Números 60.000 200.000. 70.000 Logradouros Públicos. 2.000.000 Lotes. Quadras. São Paulo em Números 3.100.000 Contribuintes 2.000.000 Lotes 25 Secretarias 1.530 km 2 Área Municipal 96 Distritos 31 Subprefeituras 34 Autarquias, Empresas e outros 11.253.503 Habitantes 60.000 Quadras

Leia mais

NOÇÕES DE GEOPROCESSAMENTO. Módulo 3

NOÇÕES DE GEOPROCESSAMENTO. Módulo 3 NOÇÕES DE GEOPROCESSAMENTO Módulo 3 Sistema Metropolitano de Informações Georreferenciadas MetroGeo Curso Noções de Geoprocessamento Módulo 3 Oscar Ricardo M. Schmeiske Programação Curso Noções de Geoprocessamento

Leia mais

Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Município de São Paulo

Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Município de São Paulo Estatísticas Cidade de São Paulo: Altamente complexa, com 11,04 milhões de habitantes, (cerca de 6 % da população do Brasil) Ocupa uma área de 1.523 km² Produz cerca de 13% do PIB nacional. Gestão administrativa

Leia mais

NATUREZA DO TRABALHO : PERÍCIA DE ENGENHARIA O USO DE ORTOIMAGENS EM PERÍCIAS DE ENGENHARIA

NATUREZA DO TRABALHO : PERÍCIA DE ENGENHARIA O USO DE ORTOIMAGENS EM PERÍCIAS DE ENGENHARIA NATUREZA DO TRABALHO : PERÍCIA DE ENGENHARIA O USO DE ORTOIMAGENS EM PERÍCIAS DE ENGENHARIA Resumo Em lides que envolvem a apuração de áreas e divisas de imóveis, as atividades de conferência normalmente

Leia mais

a) Título do Empreendimento Levantamento e monitoramento de áreas de risco na UGRHI-11 e apoio à Defesa Civil

a) Título do Empreendimento Levantamento e monitoramento de áreas de risco na UGRHI-11 e apoio à Defesa Civil a) Título do Empreendimento Levantamento e monitoramento de áreas de risco na UGRHI-11 e apoio à Defesa Civil b) Localização geográfica Toda a área da UGRHI-11 - Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape

Leia mais

Diadema (São Paulo), Brazil

Diadema (São Paulo), Brazil Diadema (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Lauro Michels Sobrinho Nome do ponto focal: José Peres dos Santos Organização:

Leia mais

Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Brazil

Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Brazil Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Eduardo da Costa Paes Nome do

Leia mais

TRANSDATA SMART RASTREAMENTO E GESTÃO FROTA

TRANSDATA SMART RASTREAMENTO E GESTÃO FROTA BRASIL ARGENTINA +55 19 3515.1100 www.transdatasmart.com.br SEDE CAMPINAS-SP RUA ANA CUSTÓDIO DA SILVA, 120 JD. NOVA MERCEDES CEP: 13052.502 FILIAIS BRASÍLIA RECIFE CURITIBA comercial@transdatasmart.com.br

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ARTICULAÇÃO URBANA Meeting Brasil Alemanha Atuação em áreas de interesse social

ESTRATÉGIAS DE ARTICULAÇÃO URBANA Meeting Brasil Alemanha Atuação em áreas de interesse social ESTRATÉGIAS DE ARTICULAÇÃO URBANA Meeting Brasil Alemanha Atuação em áreas de interesse social escuta das demandas; associação livre e atenção flutuante desenvolvimento local integrado, geração de trabalho

Leia mais

Mapeamento de Logradouros e Gestão Territorial em Favelas no Rio de Janeiro Resumo

Mapeamento de Logradouros e Gestão Territorial em Favelas no Rio de Janeiro Resumo Mapeamento de Logradouros e Gestão Territorial em Favelas no Rio de Janeiro Resumo O mapa de logradouros é base para o planejamento e execução de políticas públicas, oferecendo a informação de localização

Leia mais

Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Brazil

Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Brazil Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Eduardo da Costa Paes Nome do ponto focal: Márcio Motta Organização:

Leia mais

Programa de Educação Ambiental

Programa de Educação Ambiental Programa de Educação Ambiental Programa Saber Faz Bem Sensibilizar professores e alunos de escolas municipais, estaduais e particulares, e moradores bairros periféricos sobre a necessidade da preservação

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA PARA CHUVAS FORTES DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

PLANO DE EMERGÊNCIA PARA CHUVAS FORTES DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO PLANO DE EMERGÊNCIA PARA CHUVAS FORTES DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Conjunto de ações de adaptação para reduzir os impactos das Chuvas Fortes na Cidade do Rio de Janeiro. Conjunto de ações de adaptação

Leia mais

Da Prancheta ao Computador...

Da Prancheta ao Computador... Da Prancheta ao Computador... Introdução Como necessidade básica de se localizar ou mesmo para detalhar projetos de quaisquer obras, ao longo do tempo inúmeras formas de representar paisagens e idéias

Leia mais

Relatório sobre a visita técnica realizada nas comunidades dos Prazeres e Escondidinho (Santa Teresa) em 13 de Abril de 2010

Relatório sobre a visita técnica realizada nas comunidades dos Prazeres e Escondidinho (Santa Teresa) em 13 de Abril de 2010 Relatório sobre a visita técnica realizada nas comunidades dos Prazeres e Escondidinho (Santa Teresa) em 13 de Abril de 2010 No dia 12/04/2010, realizou-se no Núcleo de Terras e Habitação da Defensoria

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO PERGUNTAS BÁSICAS 1. O QUE E COMO OCORRE: Processos 2. ONDE OCORREM OS PROBLEMAS: Mapeamento 3. QUANDO OCORREM OS PROBLEMAS: Correlação, monitoramento 4.

Leia mais

Boas vindas!!! Webinar 10 Mitos Geo Resultados da Pesquisa 16 de julho de 2014

Boas vindas!!! Webinar 10 Mitos Geo Resultados da Pesquisa 16 de julho de 2014 Boas vindas!!! Webinar 10 Mitos Geo Resultados da Pesquisa 16 de julho de 2014 Dinâmica Webinar 10 Mitos Geo Resultados da Pesquisa 16 de julho de 2014 Arquivos & Certificados Webinar 10 Mitos Geo Resultados

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D 4.5 Sistema de Planejamento Federal (32h) (Palestra 3: Programa Gestão de Riscos e e Resposta a Desastres - GRRD) Professora: Cristiane

Leia mais

Diadema (São Paulo), Brazil

Diadema (São Paulo), Brazil Diadema (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Lauro Michels Sobrinho Nome do ponto focal:

Leia mais

DELIMITAÇÃO Km 15 da Marginal Esquerda da Rodovia Anchieta, sentido São Paulo,em São Bernardo do Campo.

DELIMITAÇÃO Km 15 da Marginal Esquerda da Rodovia Anchieta, sentido São Paulo,em São Bernardo do Campo. ESTUDO DA POLUIÇÃO SONORA NA RODOVIA ANCHIETA Paula Alexandre de Siqueira Orientador: Prof. Dr. Alejandro Jorge Dorado Coordenador geral: Prof. Msc. Fernando Codelo Nascimento Música para uma pessoa, pode

Leia mais

Trabalho Técnico Social Fórum Nacional 20 de Setembro de 2012

Trabalho Técnico Social Fórum Nacional 20 de Setembro de 2012 Trabalho Técnico Social Fórum Nacional 20 de Setembro de 2012 Histórico do PAC Em 2007, o Governo Federal lançou o PAC em todo Brasil. No Estado do Rio de Janeiro foram elencadas 15 cidades, em 12 municípios

Leia mais

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Geólogo Agostinho Tadashi Ogura Instituto de Pesquisas Tecnológicas - IPT DESASTRE NATURAL (DN) =

Leia mais

Novas ferramentas para gestão de riscos ambientais e apoio a tomada de decisão. Nicolas ISNARD, Msc Diretor Acoem - ProAcustica

Novas ferramentas para gestão de riscos ambientais e apoio a tomada de decisão. Nicolas ISNARD, Msc Diretor Acoem - ProAcustica Novas ferramentas para gestão de riscos ambientais e apoio a tomada de decisão Nicolas ISNARD, Msc Diretor Acoem - ProAcustica Ferramentas para Mapas de Ruido Resumo A evolução tecnológica dos equipamentos

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DO RIO DE JANEIRO CARLOS PORTINHO 2 1 D E J A N E I R O A 2 1 D E J U L H O D E 2 0 1 5

SECRETARIA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DO RIO DE JANEIRO CARLOS PORTINHO 2 1 D E J A N E I R O A 2 1 D E J U L H O D E 2 0 1 5 SECRETARIA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DO RIO DE JANEIRO CARLOS PORTINHO BALANÇO 6 MESES DE GESTÃO 2 1 D E J A N E I R O A 2 1 D E J U L H O D E 2 0 1 5 MINHA CASA, MINHA VIDA Sorteios 28 editais publicados.

Leia mais

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras nº 342 outubro 2014 Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras Odebrecht 70 anos: projetos que contribuem para melhorar as opções de mobilidade urbana das comunidades Odebrecht Infraestrutura Brasil

Leia mais

O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL

O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL Autores: Carlos Aparecido de Lima - carlosaparecido@emdec.com.br José Eduardo Vasconcellos - eduardovasconcellos@emdec.com.br Carlos Roberto

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 1 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte tem um longo histórico de gestão democrático-popular; Existe forte determinação política para:

Leia mais

VANT O Uso na Agricultura de Precisão

VANT O Uso na Agricultura de Precisão VANT O Uso na Agricultura de Precisão Conceituação De acordo com acircular de Informações Aeronáuticas AIC N21/10, do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), define que: É um veículo aéreo projetado

Leia mais

Desafios e metas do Estado de São Paulo

Desafios e metas do Estado de São Paulo 1º Seminário Saneamento Básico Universalização do Saneamento: Desafios e Metas para o Setor 07 de novembro de 2011 Desafios e metas do Estado de São Paulo Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos

Leia mais

Gerência de Vigilância em Saúde Ambiental (GVISAM)

Gerência de Vigilância em Saúde Ambiental (GVISAM) Gerência de Vigilância em Saúde Ambiental (GVISAM) 6ª reunião do GT Sustentabilidade e Saúde - SVMA Vigilância em Saúde e Intervenção em Desastres sob a Ótica do SUS Construção do Plano Municipal Integrado

Leia mais

GIDES Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada em Desastres Naturais

GIDES Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada em Desastres Naturais SECRETARIA NACIONAL DE ACESSIBILIDADE E PROGRAMAS URBANOS Departamento de Políticas de Acessibilidade e Planejamento Urbano Cooperação Técnica Internacional BRASIL-JAPÃO GIDES Fortalecimento da Estratégia

Leia mais

Secretaria Municipal de Obras. secretário Alexandre Pinto

Secretaria Municipal de Obras. secretário Alexandre Pinto Secretaria Municipal de Obras secretário Alexandre Pinto Investimentos recordes e precisos Obras em andamento R$ 5,54 bilhões Obras concluídas 3,48 bilhões Obras em licitação 235 milhões R$ 9,25 bilhões

Leia mais

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Seminário de Mobilidade Urbana Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Celio Bouzada 23 de Setembro de 2015 Belo Horizonte População de Belo Horizonte: 2,4 milhões de habitantes População da

Leia mais