A tecnologia a serviço da Gestão de Riscos: a experiência do Instituto de Pesquisas Tecnológicas IPT, em São Paulo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A tecnologia a serviço da Gestão de Riscos: a experiência do Instituto de Pesquisas Tecnológicas IPT, em São Paulo"

Transcrição

1 A tecnologia a serviço da Gestão de Riscos: a experiência do Instituto de Pesquisas Tecnológicas IPT, em São Paulo 1. Introdução O intenso processo de urbanização vivido no País desde os anos 80, a falta de recursos e de políticas habitacionais permanentes e uma crise econômica duradoura têm levado à ocupação de áreas com características geológico-geomorfológicas desfavoráveis, principalmente pelas populações mais empobrecidas, resultando em graves situações de risco. Embora não existam dados oficiais que possibilitem uma análise quantitativa mais acurada das conseqüências dos acidentes ambientais no Brasil, e em particular, aqueles deflagrados por processos geológico-geomorfológicos e hidrológicos, a análise de informações extraídas dos noticiários permite afirmar que os acidentes em áreas urbanas, associados às enchentes/inundações são os mais freqüentes e, possivelmente, os que acarretam maiores prejuízos econômicos, assim como os escorregamentos são os que têm provocado o maior número de vítimas fatais. Desde 1988, o IPT vem construindo um Banco de Dados com o levantamento do número de vítimas por escorregamentos no Brasil, ao qual já registrou mais de mortes (IPT, 2006). O IPT Instituto de Pesquisas Tecnológicas é um órgão do governo do Estado de São Paulo e vem desenvolvendo trabalhos sobre riscos desde a década de 1950, quando sua equipe técnica atuou nos escorregamentos da cidade de Santos, por meio dos engenheiros Ernesto Pichler e Milton Vargas. Desde então, esses trabalhos foram sendo ampliados e hoje abrangem o estudo dos processos, o mapeamento de áreas, a análise de riscos, o desenvolvimento de projetos de obras de estabilização, os instrumentos de planejamento urbano, os planos preventivos de defesa civil, os atendimentos emergenciais, a capacitação de equipes municipais e a informação pública. Assim, considera-se fundamental o papel dos Institutos de Pesquisa como provedores de tecnologia na formulação e aplicação de políticas públicas, em parceria com outros órgãos do estado, visando cumprir obrigações do Poder Público na melhora da qualidade de vida das populações mais vulneráveis. 2. Os estudos sobre os processos e os mapeamentos Qualquer sistema de gerenciamento de áreas de risco implica, em primeiro lugar, no conhecimento do problema por meio dos estudos dos processos e seu mapeamento, incluindo-se as análises de risco, sendo que essas áreas poderão ser caracterizadas em seus diferentes níveis de risco e hierarquizadas para o estabelecimento de medidas preventivas, corretivas e administradas, por meio de ações para o controle do uso e ocupação do solo. Geralmente, a realização de um mapeamento de áreas de risco é realizada por meio de investigações geológico-geotécnicas de superfície, executadas em trabalhos de campo. Para tanto, devem ser consideradas a possibilidade de ocorrência dos processos adversos às conseqüências sociais e/ou econômicas associadas.

2 Desse modo, o mapeamento de risco avalia a possibilidade da ocorrência de um determinado fenômeno físico que corresponde ao processo adverso em um local e período de tempo definido. Nesse sentido, são analisadas as características dos processos, referentes à sua tipologia, mecanismo, material envolvido, magnitude, velocidade, tempo de duração, trajetória, severidade, poder destrutivo, etc. Por meio das investigações de campo, os condicionantes naturais e induzidos dos processos adversos podem ser identificados e os indícios de seu desenvolvimento podem ser reconhecidos, bem como as feições e evidências de instabilidade. Grau de probabilidade R1 Baixo a Inexistente R2 Médio R3 Alto R4 Muito Alto Descrição Os condicionantes geológico-geotécnicos predisponentes (declividade, tipo de terreno, etc.) e o nível de intervenção no setor são de baixa potencialidade para o desenvolvimento de processos de escorregamentos e solapamentos. Não há indícios de desenvolvimento de processos destrutivos em encostas e em margens de drenagens. É a condição menos crítica. Mantidas as condições existentes, não se espera a ocorrência de eventos destrutivos no período de um ciclo chuvoso. Os condicionantes geológico-geotécnicos predisponentes (declividade, tipo de terreno, etc.) e o nível de intervenção no setor são de baixa potencialidade para o desenvolvimento de processos de escorregamentos e solapamentos. Observa-se a presença de alguma(s) evidência(s) de instabilidade (encostas e margens de drenagens), porém incipiente(s). Mantidas as condições existentes, é reduzida a possibilidade de ocorrência de eventos destrutivos durante episódios de chuvas intensas e prolongadas, no período de um ciclo chuvoso. Os condicionantes geológico-geotécnicos predisponentes (declividade, tipo de terreno, etc.) e o nível de intervenção no setor são de alta potencialidade para o desenvolvimento de processos de escorregamentos e solapamentos. Observa-se a presença de significativa(s) evidência(s) de instabilidade (trincas no solo, degraus de abatimento em taludes, etc.). Mantidas as condições existentes, é perfeitamente possível a ocorrência de eventos destrutivos durante episódios de chuvas intensas e prolongadas, no período de um ciclo chuvoso. Os condicionantes geológico-geotécnicos predisponentes (declividade, tipo de terreno, etc.) e o nível de intervenção no setor são de alta potencialidade para o desenvolvimento de processos de escorregamentos e solapamentos. As evidências de instabilidade (trincas no solo, degraus de abatimento em taludes, trincas em moradias ou em muros de contenção, árvores ou postes inclinados, cicatrizes de escorregamento, feições erosivas, proximidade da moradia em relação ao córrego, etc.) são expressivas e estão presentes em grande número e/ou magnitude. É a condição mais crítica. Mantidas as condições existentes, é muito provável a ocorrência de eventos destrutivos durante episódios de chuvas intensas e prolongadas, no período de um ciclo chuvoso. Tabela 1. Critérios utilizados para o mapeamento de riscos de deslizamentos e solapamento de margens. Mesmo reconhecendo as eventuais limitações, imprecisões e incertezas inerentes à análise qualitativa de riscos, os resultados dessa atividade podem ser decisivos para a eficácia e eficiência de uma política gerenciamento de áreas de risco áreas.

3 O IPT tem executado os mapeamentos de risco de escorregamentos em dois níveis de detalhe: o zoneamento de risco e o cadastramento de risco. O zoneamento é feito pela delimitação de zonas homogêneas em relação ao grau de risco, estabelecendo tantas classes de risco quantas necessárias. Cada setor corresponde a um determinado grau de risco. Isto não significa que todas as moradias se encontram na mesma situação de risco, pois a cartografia do zoneamento reflete a análise da situação global. No cadastramento de risco faz-se o detalhamento das situações de risco caso a caso ou, às vezes, por agrupamentos de mesmo nível de risco. SETOR 4 (R1) SETOR 3 (R2) Av.Eng H. A. Eiras Garcia SETOR 1 (R4) SETOR 2 (R2) R. Hugo Takahashi Figura 1. Exemplo de zoneamento (setorização) de Risco SETOR 4 (R1) SETOR 3 (R2) SETOR 1 (R4) Figura 2. Exemplo de setorização (em escala maior) de risco.

4 Dentre os mais importantes estudos que auxiliam a gestão de riscos estão as correlações entre chuvas e escorregamentos. O IPT realizou em 1957 o primeiro ensaio de correlação entre a precipitação e escorregamentos no Brasil com Pichler (1957). Uma pesquisa mais completa em nove regiões do território brasileiro foi desenvolvida por Guidicini e Iwasa (1977). Tatizana et al. (1987) desenvolveram uma relação numérica entre a chuva acumulada de 84 horas e a intensidade da precipitação, na região da Serra do Mar, que é a base da operação dos Planos Preventivos de Defesa Civil no estado de São Paulo. Em 2005, foram realizados estudos para as regiões de Campinas e Sorocaba (Ide, 2005). 90 Precipitação horária (mm/h) COM REGISTROS DE ESCORREGAMENTOS SEM REGISTROS DE ESCORREGAMENTOS Precipitação total em 84 horas (mm) Gráfico 1. Gráfico da correlação chuva versus deslizamentos elaborado para Cubatão por Tatizana et. al. (1987). 3. Projetos de obras de estabilização Ao lado de medidas não estruturais, o IPT vem já há décadas trabalhando no desenvolvimento de tecnologias mais adequadas para as medidas estruturais, principalmente aquelas representadas pelas obras de engenharia. Essas obras abrangem os mais variados tipos de contenções, proteção de superfícies, drenagens, tanto aplicadas de forma isolada como em projetos de requalificação ou reurbanização de áreas de risco. 4. Instrumentos de Planejamento do uso e ocupação Em 1979, o IPT elaborou a primeira Carta Geotécnica de áreas urbanas do país, a dos Morros de Santos e São Vicente, sob o patrocínio da Defesa Civil Estadual de São Paulo. Já se passaram quase trinta anos e muitas outras cartas foram produzidas e entregues aos municípios dentro e fora do estado de São Paulo.

5 Desde há alguns anos, o IPT vem executando Planos Diretores Municipais, onde as Cartas Geotécnicas e de Risco ganham destaque. Mais de uma dezena de municípios já tiveram seus Planos elaborados por essas equipes. 5. Plano Preventivo de Defesa Civil PPDC O Plano Preventivo de Defesa Civil - PPDC tem por objetivo principal dotar as equipes técnicas municipais de instrumentos de ação, de modo a, em situações de risco iminente, reduzir a possibilidade de registro de perdas de vidas humanas decorrentes de escorregamentos. O PPDC é, assim, um instrumento de defesa civil importante dos poderes públicos estadual e municipais, para garantir maior segurança aos moradores instalados nas áreas de risco de escorregamentos. A operação do PPDC corresponde a uma ação de convivência com os riscos presentes nas áreas de ocupação de encostas, em razão da gravidade do problema e a impossibilidade de eliminação, no curto prazo, dos riscos identificados. Assim, o PPDC pode ser considerado uma eficiente medida não-estrutural de gerenciamento de riscos geológicos associados a escorregamentos de encostas, estando consonante com a metodologia e técnicas adotadas pelos mais adiantados sistemas de Defesa Civil internacionais e recomendadas pela ONU. A concepção do PPDC baseia-se na possibilidade de serem tomadas medidas anteriormente à deflagração de escorregamentos, a partir da previsão de condições potencialmente favoráveis à sua ocorrência, por meio do acompanhamento dos seguintes parâmetros: precipitação pluviométrica (chuvas), previsão meteorológica e observações a partir de vistorias de campo. A metodologia adotada para o desenvolvimento dos trabalhos no PPDC consiste em manter as áreas de risco atualizadas, os critérios e parâmetros técnicos do Plano adequados às especificidades de cada município e mantendo a capacitação das equipes técnicas municipais por meio de cursos específicos. Trata-se de atividades que procuram, simultaneamente, capacitar os efetivos usuários dos instrumentos técnicos produzidos, bem como testar estes instrumentos na prática. Os trabalhos envolvem o governo do Estado de São Paulo, por meio da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (CEDEC), que coordena os trabalhos e fornece previsões meteorológicas, as Regionais de Defesa Civil (REDEC) que coordenam os trabalhos em suas regiões de atuação e os Institutos de Pesquisas (IPT e Instituto Geológico), que são responsáveis pela base técnica do Plano. Nas cidades estão envolvidas as Defesas Civis Municipais (COMDEC), as populações que habitam as áreas de risco e a sociedade organizada. As Defesas Civis dos municípios são responsáveis pelo acompanhamento das chuvas, vistorias das áreas de risco e remoção de moradores. Em situações de emergência, os órgãos estaduais se deslocam para as cidades e auxiliam no que for necessário. O PPDC é um sistema estruturado em 4 níveis (Observação, Atenção, Alerta e Alerta Máximo), cada qual com procedimentos diferenciados. Para a deflagração dos níveis são simultaneamente considerados os seguintes indicadores: índices pluviométricos registrados, previsão meteorológica e manifestações das encostas (trincas no solo e moradias, degraus de abatimento, estruturas rígidas inclinadas, escorregamentos, dentre outras). Ainda para efeito da deflagração dos níveis previstos no PPDC, os índices

6 pluviométricos registrados são expressos na forma de valores acumulados de chuva em três dias e outros parâmetros. Estes indicadores traduzem, associados à previsão meteorológica, a maior ou menor possibilidade de ocorrência de escorregamentos. Aqui são utilizados os estudos de correlação entre chuva e escorregamentos. Quando se inicia a operação do Plano (mês de dezembro), as equipes técnicas da Defesa CiviL estadual e municipais, do IPT e do Instituto Geológico - IG permanecem em plantão 24 horas, acompanhando os índices pluviométricos, meteorologia e os resultados das vistorias de campo, realizadas pelas equipes das Defesas Civis municipais. A partir da identificação de situações de risco iminente, já no nível de Alerta, as equipes do IPT, IG e da Defesa Civil estadual deslocam-se para os municípios, onde auxiliam e dão assessoria às equipes municipais. Os atendimentos envolvem municípios de variados portes e condições de organização de seus sistemas de prevenção e contingência. Os resultados desses trabalhos confirmam que municípios mais bem organizados têm melhores condições de evitar conseqüências desastrosas para sua população, realizando vistorias e remoções de pessoas preventivamente. Aqueles municípios menos organizados só iniciam os trabalhos quando os escorregamentos já ocorreram e os seus efeitos já se instalaram. LIMEIRA CAMPINAS HORTOLÂNDIA AMPARO PEDREIRA SOCORRO BRAGANÇA PAULISTA MG SÃO BENTO DO SAPUCAÍ CAMPOS DO JORDÃO LAVRINHAS CRUZEIRO QUELUZ PIQUETE GUARATINGUETÁ APARECIDA AREIAS RJ BANANAL JUNDIAÍ ATIBAIA SÃO JOSÉ DOS CAMPOS CUNHA CAMPO LIMPO PAULISTA SÃO PAULO JACAREÍ SANTA BRANCA PARAIBUNA SÃO LUÍS DO PARAITINGA UBATUBA CARAGUATATUBA SANTOS CUBATÃO SÃO VICENTE GUARUJÁ SÃO SEBASTIÃO ILHABELA Oceano Atlântico Figura 3. Municípios que possuem plano preventivo de defesa civil PPDC em São Paulo. Alguns artigos já foram publicados sobre estes Planos, sua formatação e resultados parciais. Destacam-se Cerri (1993); Macedo e Santoro (2002), Macedo, Ogura e Santoro (2006). 6. Atendimentos emergenciais

7 A aplicação de medidas estruturais e não estruturais não impedem necessariamente a ocorrência dos processos. Deve-se assim, estar preparado para as contingências ou emergências. Neste momento, a experiência da equipe e o método de trabalho são de fundamental importância. A equipe do IPT já realizou várias dezenas de atendimentos emergenciais, desde os primórdios desses trabalhos na década de Capacitação de equipes municipais e informações públicas A existência das cartas geotécnicas e de risco, dos estudos de correlação chuva e escorregamentos dos Planos Preventivos de Defesa Civil não são suficientes para uma boa gestão de riscos nos municípios. Desde a década de 1980, o IPT tem dispendido esforços no treinamento e capacitação de equipes técnicas municipais, considerando que essas atividades devem ser realizadas por equipes locais, garantindo a continuidade dos trabalhos, maior proximidade com os usuários e compromisso com os resultados. Em 1990, as equipes envolvidas na operação do PPDC em São Paulo (Defesa Civil Estadual, IPT e Instituto Geológico) iniciaram o treinamento das equipes municipais daquelas cidades atendidas pelos Planos. Em 17 anos, mais de 150 cursos já foram ministrados. Posteriormente, iniciaram-se os cursos de mapeamentos de riscos. A estruturação de um curso destinado a esse fim, deve permitir a formação ou atualização do conhecimento de profissionais para que esses possam atuar como multiplicadores dos conhecimentos técnicos e dos métodos empregados. Como parte integrante do desenvolvimento na área de capacitação para o mapeamento de risco geológico, foi elaborado em parceria com o Ministério das Cidades e com recursos do Banco Mundial o Material de Treinamento de Equipes Municipais para o Mapeamento e Gerenciamento de Riscos. Este material foi institucionalizado e adotado como padrão para todos os projetos apoiados pelo Ministério das Cidades, no âmbito da Ação de Apoio à Prevenção de Riscos e se encontra disponível para download no site A experiência-piloto foi aplicada com técnicos municipais da Região Metropolitana de São Paulo, no período de 17 a 21 de maio de 2004, nas dependências do IPT e na área do Jardim Zaíra, município de Mauá. Considerando a experiência positiva, o curso foi então sistematizado na forma de Ensino à Distância, sob a coordenação do Centro de Estudos e Pesquisas em Desastres da Universidade Federal de Santa Catarina - CEPED e aplicado aos técnicos e gestores de todo o país, com o apoio do Ministério das Cidades. Pelo menos técnicos foram treinados. O IPT está organizando também, em parceria com o MCidades, cursos de treinamento com carga horária de 40 horas/aula para 18 equipes municipais no Estado de São Paulo. 8. Contatos Eduardo Soares de Macedo, geólogo, Agostinho Tadashi Ogura, geólogo, Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo IPT

8 Centro de Tecnologias Ambientais e Energéticas - CETAE Laboratório de Riscos Ambientais LARA Fones: (11)

Técnicos municipais envolvidos com o tema

Técnicos municipais envolvidos com o tema Curso de Capacitação de Técnicos Municipais para Prevenção e Gerenciamento de Riscos de Desastres Naturais SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL CPRM PÚBLICO-ALVO Técnicos municipais envolvidos com o tema 1 OBJETIVO

Leia mais

Bairros Cota na Serra do

Bairros Cota na Serra do Geotecnia Ambiental Bairros Cota na Serra do Mar em Cubatão riscos em ebulição e planos de ação em andamento Os bairros localizados nas encostas da Serra do Mar, na cidade de Cubatão, passam por um processo

Leia mais

Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos Secretaria Nacional de Programas Urbanos Ministério das Cidades

Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos Secretaria Nacional de Programas Urbanos Ministério das Cidades Gerenciamento de riscos a escorregamentos em encostas Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos Secretaria Nacional de Programas Urbanos Ministério das Cidades Característica estrutural

Leia mais

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR: Mapeamento de risco de escorregamentos nos Bairros Cota, município de Cubatão, SP.

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR: Mapeamento de risco de escorregamentos nos Bairros Cota, município de Cubatão, SP. PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR: Mapeamento de risco de escorregamentos nos Bairros Cota, município de Cubatão, SP. Ogura, A.T. Instituto de Pesquisas Tecnológicas, IPT, São Paulo,

Leia mais

Delimitação de Áreas em Alto e Muito Alto Risco a Enchentes e Movimentos de Massa no Município de Campinas São Paulo - Maio 2013

Delimitação de Áreas em Alto e Muito Alto Risco a Enchentes e Movimentos de Massa no Município de Campinas São Paulo - Maio 2013 Delimitação de Áreas em Alto e Muito Alto Risco a Enchentes e Movimentos de Massa no Município de Campinas São Paulo - Maio 2013 Introdução e Objetivos Anualmente inúmeros desastres decorrentes de eventos

Leia mais

Gerenciamento de Risco

Gerenciamento de Risco CAPÍTULO 17 Gerenciamento de Risco Organização da Defesa Civil 17. 1 Procedimentos para a gestão do risco 17. 2 Ações permanentes de Defesa Civil em áreas de morros 17. 3 Plano Preventivo de Defesa Civil

Leia mais

Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil

Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil IV SESSÃO DA PLATAFORMA REGIONAL PARA A REDUÇÃO DO RISCO DE DESASTRES NAS AMÉRICAS (PR14) Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil Guayaquil, Maio

Leia mais

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Thiago Galvão Geógrafo Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Celso Carvalho Frederico Seabra Leonardo Ferreira Thiago Galvão A resposta necessária

Leia mais

Ações Ministério da Cidade: PMRR: Planos Municipais De Redução de RISCOS

Ações Ministério da Cidade: PMRR: Planos Municipais De Redução de RISCOS Ações Ministério da Cidade: PMRR: Planos Municipais De Redução de RISCOS OBJETIVOS: Atualização do mapeamento de riscos associados a escorregamentos de encostas; Indicação de tipologias de intervenções

Leia mais

Incorporação da Gestão de Riscos de Escorregamentos e Inundações no Setor de Transportes

Incorporação da Gestão de Riscos de Escorregamentos e Inundações no Setor de Transportes Incorporação da Gestão de Riscos de Escorregamentos e Inundações no Setor de Transportes Paulo Cesar Fernandes da Silva INSTITUTO GEOLÓGICO Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo Entendendo

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO

Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO Caracterização do Município e Descrição do Problema O Município do Rio de Janeiro

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO PERGUNTAS BÁSICAS 1. O QUE E COMO OCORRE: Processos 2. ONDE OCORREM OS PROBLEMAS: Mapeamento 3. QUANDO OCORREM OS PROBLEMAS: Correlação, monitoramento 4.

Leia mais

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Geólogo Agostinho Tadashi Ogura Instituto de Pesquisas Tecnológicas - IPT DESASTRE NATURAL (DN) =

Leia mais

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 Prevenção de Catástrofes...da previsão ao controle Margareth Alheiros UFPE 22/02/2011 O que a sociedade sabe sobre Desastres? O que circula na imprensa: imagens com

Leia mais

CURSO DE LIDERES CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES - CEPED. Universidade Federal de Santa Catarina UFSC

CURSO DE LIDERES CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES - CEPED. Universidade Federal de Santa Catarina UFSC CURSO DE LIDERES CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES - CEPED Universidade Federal de Santa Catarina UFSC As características do CEPED Visão multidisciplinar; Interação com os problemas

Leia mais

Gestão de Riscos no Brasil

Gestão de Riscos no Brasil Gestão de Riscos no Brasil Eduardo Soares de Macedo Géologo PROCESSOS CAUSADORES DE RISCOS NATURAIS Classificação COBRADE SEDEC-MI CATEGORIA GRUPO SUBGRUPO 1. Terremoto 1. GEOLÓGICO 2. Emanação vulcânica

Leia mais

MAPEAMENTO E GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO DE DESLIZAMENTO E SOLAPAMENTO DE MARGEM NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ, SP

MAPEAMENTO E GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO DE DESLIZAMENTO E SOLAPAMENTO DE MARGEM NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ, SP Seminário URBFAVELAS 2014 São Bernardo do Campo - SP - Brasil MAPEAMENTO E GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO DE DESLIZAMENTO E SOLAPAMENTO DE MARGEM NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ, SP Fabricio Araujo Mirandola

Leia mais

Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais

Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais 2012 2014 Novos Investimentos R$ 18,8 bilhões Socorro, assistência e reconstrução Prevenção Obras estruturantes Resposta Mapeamento Monitoramento

Leia mais

ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos

ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos Luiz A. Bressani, PhD Departamento de Engenharia Civil UFRGS bressani@ufrgs.br 18 de março de 2010 Palestra proferida a convite da

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

Experiência do Município de Salvador na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da CARG Coordenadoria das Áreas de Risco Geológico

Experiência do Município de Salvador na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da CARG Coordenadoria das Áreas de Risco Geológico Experiência do Município de Salvador na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da CARG Coordenadoria das Áreas de Risco Geológico Caracterização do Município e Descrição do Problema O Município

Leia mais

Deslizamentos catastróficos no Brasil: eventos geológico-geomorfológicos associados a eventos pluviométricos extremos

Deslizamentos catastróficos no Brasil: eventos geológico-geomorfológicos associados a eventos pluviométricos extremos Deslizamentos catastróficos no Brasil: eventos geológico-geomorfológicos associados a eventos pluviométricos extremos Geóg. Maria Carolina Villaça Gomes Mestranda em Geografia Física - USP Os desastres

Leia mais

MAPEAMENTO DE RISCOS EM ENCOSTAS E MARGENS DE RIOS

MAPEAMENTO DE RISCOS EM ENCOSTAS E MARGENS DE RIOS MAPEAMENTO DE RISCOS EM ENCOSTAS E MARGENS DE RIOS 2 PRESIDENTE DA REPÚBLICA Luís Inácio Lula da Silva MINISTRO DAS CIDADES Marcio Fortes de Almeida SECRETÁRIO NACIONAL DE PROGRAMAS URBANOS SUBSTITUTO

Leia mais

Professor adjunto do Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas UFABC E-mail: fernando.nogueira@ufabc.edu.br

Professor adjunto do Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas UFABC E-mail: fernando.nogueira@ufabc.edu.br ESTUDOS SOBRE RISCOS GEOLÓGICOS E SUA INCORPORAÇÃO NO PLANEJAMENTO TERRITORIAL RELATO DA EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO DE QUADROS TÉCNICOS NO ABC PAULISTA Fernando Rocha Nogueira Professor adjunto do Centro

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

Mapeamentos e dados gerais no Brasil sobre escorregamentos

Mapeamentos e dados gerais no Brasil sobre escorregamentos Mapeamentos e dados gerais no Brasil sobre escorregamentos BOCAINA CURSOS & ESTUDOS AMBIENTAIS-URBANOS Fernando Nogueira Consultor VEYRET, Yvette (org.). Os riscos: o homem como agressor e vítima do meio

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO DE RAPOSOS

PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO DE RAPOSOS PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO DE RAPOSOS Produto 2 Mapeamento de Risco Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional e Política Urbana Belo Horizonte, Setembro de 2009. PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO

Leia mais

Pequenas intervenções para redução dos processos de instabilização de encostas em vilas e favelas do município de Belo Horizonte - MG

Pequenas intervenções para redução dos processos de instabilização de encostas em vilas e favelas do município de Belo Horizonte - MG Pequenas intervenções para redução dos processos de instabilização de encostas em vilas e favelas do município de Belo Horizonte - MG Luciane de Castro Campos Companhia Urbanizadora de Belo Horizonte-

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO N o 97 082-205 ANÁLISE DE RISCOS GEOLÓGICOS E GEOTÉCNICOS DOS BAIRROS COTA 95/100, 200 E 400 NO MUNICÍPIO DE CUBATÃO, SP.

RELATÓRIO TÉCNICO N o 97 082-205 ANÁLISE DE RISCOS GEOLÓGICOS E GEOTÉCNICOS DOS BAIRROS COTA 95/100, 200 E 400 NO MUNICÍPIO DE CUBATÃO, SP. RELATÓRIO TÉCNICO N o 97 082-205 ANÁLISE DE RISCOS GEOLÓGICOS E GEOTÉCNICOS DOS BAIRROS COTA 95/100, 200 E 400 NO MUNICÍPIO DE CUBATÃO, SP. (Relatório de Andamento Bairro-Cota 200) Centro de Tecnologias

Leia mais

Plano de Ação do Governo Federal para o período de chuvas. Sul e Sudeste

Plano de Ação do Governo Federal para o período de chuvas. Sul e Sudeste Plano de Ação do Governo Federal para o período de chuvas Sul e Sudeste Plano de Ação do Governo Federal para o período de chuvas Sul e Sudeste 1. Prognóstico Climático 2. Municípios Monitorados 3. Preparação

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES SISTEMÁTICA 2010 MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS

MINISTÉRIO DAS CIDADES SISTEMÁTICA 2010 MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE PROGRAMAS URBANOS SISTEMÁTICA 2010 MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS Programa 1128 URBANIZAÇÃO, REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E INTEGRAÇÃO DE ASSENTAMENTOS PRECÁRIOS

Leia mais

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE PREFEITURA DE BELO HORIZONTE DADOS DA CIDADE Data de fundação: 12 de dezembro de 1897 Área: 331 km 2 Latitude y Longitude 19 55'S, 43 56'W Minas Gerais BH INDICADORES DEMOGRÁFICOS População: 2.375.151

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DO ENFRENTAMENTO DE DESASTRES NATURAIS EM BELO HORIZONTE: A CONTRIBUIÇÃO DO SETOR SAÚDE

A EXPERIÊNCIA DO ENFRENTAMENTO DE DESASTRES NATURAIS EM BELO HORIZONTE: A CONTRIBUIÇÃO DO SETOR SAÚDE 2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 Minascentro, Belo Horizonte/MG Eixo 3 - Direitos, justiça ambiental e políticas públicas A EXPERIÊNCIA DO ENFRENTAMENTO DE

Leia mais

IPT INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS

IPT INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS IPT INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS Publicação IPT 2815 ACIDENTES ASSOCIADOS A MOVIMENTOS GRAVITACIONAIS DE MASSA OCORRIDOS NO MUNICÍPIO DE CAMPOS DO JORDÃO, SP, EM JANEIRO DO ANO DE 2000: AÇÕES TÉCNICAS

Leia mais

Preparação e Resposta a Desastres no Território Nacional Getúlio Ezequiel da Costa Peixoto Filho Chefe de Divisão Cenad/Sedec/MI

Preparação e Resposta a Desastres no Território Nacional Getúlio Ezequiel da Costa Peixoto Filho Chefe de Divisão Cenad/Sedec/MI Preparação e Resposta a Desastres no Território Nacional Getúlio Ezequiel da Costa Peixoto Filho Chefe de Divisão Cenad/Sedec/MI Seminário Estadual Sobre Emergência Ambiental Belo Horizonte, 02 e 03 de

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO DE VITÓRIA - ES

PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO DE VITÓRIA - ES PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO DE VITÓRIA - ES 1ª ETAPA: DETALHAMENTO DA METODOLOGIA PLANEJAMENTO DAS ATIVIDADES Fundação Espírito-Santense de Tecnologia Dezembro de 2006 Plano Municipal de Redução

Leia mais

PCDC PLANO DE CONTINGÊNCIAMENTO DE DEFESA CIVIL

PCDC PLANO DE CONTINGÊNCIAMENTO DE DEFESA CIVIL PCDC PLANO DE CONTINGÊNCIAMENTO DE DEFESA CIVIL OPERAÇÃO VERÃO 2013/2014 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS CEDEC TESB CGE CONCAMP COMDEC - Amparo CPFL CPRM DMATE DAEE EIRD FIDE GCM IG ONU PCDC PGM REDEC Atibaia

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL CENTRO NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DESASTRES.

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL CENTRO NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DESASTRES. Ao SUMÁRIO MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL CENTRO NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DESASTRES Objeto Levantamento de dados e análise da vulnerabilidade

Leia mais

Universidade Federal do ABC. Graduação em Engenharia Ambiental e Urbana. Fábio De Santis Campos

Universidade Federal do ABC. Graduação em Engenharia Ambiental e Urbana. Fábio De Santis Campos Universidade Federal do ABC Graduação em Engenharia Ambiental e Urbana Fábio De Santis Campos METODOLOGIAS, PROCEDIMENTOS E UTILIZAÇÃO DE CARTAS GEOTÉCNICAS DE RISCOS DE ESCORREGAMENTOS E PROCESSOS CORRELATOS

Leia mais

II Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos

II Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos GABINETE DO GOVERNADOR CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL II Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos Dezembro / 2007 POLÍTICA E PROGRAMAS PARA A DEFESA CIVIL DO ESTADO

Leia mais

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo Análise da Paisagem Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo (análise do meio físico como subsídio para o planejamento territorial) Desastres naturais ocorridos no mundo e seus respectivos

Leia mais

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE DEFESA CIVIL INTRODUÇÃO 1. O presente Termo

Leia mais

GIDES Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada em Desastres Naturais

GIDES Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada em Desastres Naturais SECRETARIA NACIONAL DE ACESSIBILIDADE E PROGRAMAS URBANOS Departamento de Políticas de Acessibilidade e Planejamento Urbano Cooperação Técnica Internacional BRASIL-JAPÃO GIDES Fortalecimento da Estratégia

Leia mais

Plano Municipal de Redução de Risco de Muriaé-MG. 1 a ETAPA - METODOLOGIA Detalhamento da Metodologia e Planejamento das Atividades

Plano Municipal de Redução de Risco de Muriaé-MG. 1 a ETAPA - METODOLOGIA Detalhamento da Metodologia e Planejamento das Atividades Plano Municipal de Redução de Risco de Muriaé-MG 1 a ETAPA - METODOLOGIA Detalhamento da Metodologia e Planejamento das Atividades Vitória, 08 de Dezembro de 2009 Plano Municipal de Redução de Risco de

Leia mais

PROGRAMA SERRA DO MAR RECUPERAÇÃO SÓCIO AMBIENTAL DAS ÁREAS DE OCUPAÇÃO IRREGULAR NO MUNICÍPIO DE CUBATÃO

PROGRAMA SERRA DO MAR RECUPERAÇÃO SÓCIO AMBIENTAL DAS ÁREAS DE OCUPAÇÃO IRREGULAR NO MUNICÍPIO DE CUBATÃO PROGRAMA SERRA DO MAR RECUPERAÇÃO SÓCIO AMBIENTAL DAS ÁREAS DE OCUPAÇÃO IRREGULAR NO MUNICÍPIO DE CUBATÃO Luis Augusto Bicalho Kehl Arquiteto Projetos Especiais Companhia de Desenvolvimento Habitacional

Leia mais

Governo do Estado de Santa Catarina Grupo Reação SANTA CATARINA. O maior desastre de sua história

Governo do Estado de Santa Catarina Grupo Reação SANTA CATARINA. O maior desastre de sua história SANTA CATARINA O maior desastre de sua história As adversidades climáticas têm afetado significativamente o Estado de Santa Catarina ao longo de sua história. Essas adversidades, que podem ocasionar desastres

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D 4.5 Sistema de Planejamento Federal (32h) (Palestra 3: Programa Gestão de Riscos e e Resposta a Desastres - GRRD) Professora: Cristiane

Leia mais

Análise da Aplicação de Geoprocessamento no Gerenciamento de Áreas de Risco de Movimentos de Massa: Estudo de Caso de Santos/SP

Análise da Aplicação de Geoprocessamento no Gerenciamento de Áreas de Risco de Movimentos de Massa: Estudo de Caso de Santos/SP UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Matheus da Silva Oliveira Análise da Aplicação de Geoprocessamento no Gerenciamento de Áreas de Risco

Leia mais

Secretaria de Estado da Defesa Civil

Secretaria de Estado da Defesa Civil HISTÓRICO DOS DESASTRES EM SANTA CATARINA E AÇÕES DA SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA CIVIL Aldo Baptista Neto Major Bombeiro Militar Diretor de Resposta a Desastres Histórico dos Desastres no Estado 1974

Leia mais

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 2. Localização geográfica Toda a área da UGRHI-11 - Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape

Leia mais

RECONHECIMENTO DAS FEIÇÕES DIAGNÓSTICAS EM SETORES DE RISCO DE MOVIMENTO DE MASSA: ESTUDO DE CASO DE ITAMARAJU-BA

RECONHECIMENTO DAS FEIÇÕES DIAGNÓSTICAS EM SETORES DE RISCO DE MOVIMENTO DE MASSA: ESTUDO DE CASO DE ITAMARAJU-BA RECONHECIMENTO DAS FEIÇÕES DIAGNÓSTICAS EM SETORES DE RISCO DE MOVIMENTO DE MASSA: ESTUDO DE CASO DE ITAMARAJU-BA Leandro Galvanese Kuhlmann¹; Victor Augusto Hilquias Silva Alves². Resumo A CPRM Serviço

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL PLANO DE CONTINGÊNCIA DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Dezembro/2014 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. ESTRUTURA...

Leia mais

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM Secretaria de Logística e Transportes Estrutura da Secretaria de Logística e Transportes Pátio 2 Obra Secretaria de Logística e Transportes Porto de São Sebastião Realizações 2011/2012 Descrição Nivelamento

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D.4.6. Gestão, Avaliação e Revisão do PPA (20h) (Caso 3: Gestão de Riscos e Resposta a Desastres) Professora: Cristiane Collet Battiston

Leia mais

Jundiaí (São Paulo), Brazil

Jundiaí (São Paulo), Brazil Jundiaí (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Pedro Bigardi Nome do ponto focal: Eduardo

Leia mais

Seminário Internacional sobre Prevenção de Desastres Naturais Rio de Janeiro, 28 de agosto de 2013.

Seminário Internacional sobre Prevenção de Desastres Naturais Rio de Janeiro, 28 de agosto de 2013. A Atuação Secretaria Nacional de Defesa Civil - SEDEC na Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais e o Projeto Mapeamento de Áreas de Risco Rafael Schadeck Diretor Cenad/Sedec/MI Seminário Internacional

Leia mais

Terças na SAERJ: Ciclo de Palestra - Brasil uma Nação em Movimento

Terças na SAERJ: Ciclo de Palestra - Brasil uma Nação em Movimento Políticas, Programas e Planos de Gestão de Riscos voltadas à prevenção, preparação, resposta, reabilitação e reconstrução de desastres associados a Escorregamentos: resultados alcançados, esperados e pretendidos.

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM LEVANTAMENTO DE ÁREAS DE RISCO ALTO E MUITO ALTO A DESLIZAMENTOS E INUNDAÇÕES NO ESTADO DO PARANÁ Pedro Augusto dos Santos Pfaltzgraff Maria Emilia R. Brenny Obje8vos:

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES. Ministro das Cidades Marcio Fortes de Almeida. Secretária Nacional de Programas Urbanos Raquel Rolnik

MINISTÉRIO DAS CIDADES. Ministro das Cidades Marcio Fortes de Almeida. Secretária Nacional de Programas Urbanos Raquel Rolnik MINISTÉRIO DAS CIDADES Ministro das Cidades Marcio Fortes de Almeida Secretária Nacional de Programas Urbanos Raquel Rolnik Departamento de Assuntos Fundiários Urbanos Celso Santos Carvalho - Diretor de

Leia mais

GESTÃO MUNICIPAL DE RISCOS AMBIENTAIS URBANOS EM SÃO BERNARDO DO CAMPO-SP

GESTÃO MUNICIPAL DE RISCOS AMBIENTAIS URBANOS EM SÃO BERNARDO DO CAMPO-SP GESTÃO MUNICIPAL DE RISCOS AMBIENTAIS URBANOS EM SÃO BERNARDO DO CAMPO-SP Luiz Antonio Bongiovanni 1 ; Luiz Antonio Neves Costa 2 ; Marina Midori Fukumoto 3 RESUMO Este trabalho apresenta a experiência

Leia mais

OPERAÇÃO GUARDA-CHUVA: PREVENÇÃO E RESPOSTA A DESASTRES NATURAIS EM SÃO BERNARDO DO CAMPO-SP

OPERAÇÃO GUARDA-CHUVA: PREVENÇÃO E RESPOSTA A DESASTRES NATURAIS EM SÃO BERNARDO DO CAMPO-SP OPERAÇÃO GUARDA-CHUVA: PREVENÇÃO E RESPOSTA A DESASTRES NATURAIS EM SÃO BERNARDO DO CAMPO-SP Luiz Antonio Bongiovanni 1, Marina Midori Fukumoto 2, Charbel Attala Antonio 3, Felipe Torres Figueiredo 4,

Leia mais

Importante: As inscrições serão abertas conforme o calendário informado às Secretarias de Educação.

Importante: As inscrições serão abertas conforme o calendário informado às Secretarias de Educação. 2013 6 a Edição Objetivo A Rede Vanguarda promove todos os anos, preferencialmente no primeiro semestre de cada ano, um projeto focado na Educação, na Competição e na Responsabilidade Social. "TABUADA

Leia mais

Mapeamento de riscos associados a escorregamento em. encostas nas áreas de assentamento precário do Município de. Eldorado

Mapeamento de riscos associados a escorregamento em. encostas nas áreas de assentamento precário do Município de. Eldorado Mapeamento de riscos associados a escorregamento em encostas nas áreas de assentamento precário do Município de Eldorado EDILSON PISSATO Março/2012 Associação dos Mineradores de Areia do Vale do Ribeira

Leia mais

Vulnerabilidade em área de Risco: O que fazer? - CBCS 08/03/2010. CBCS - Vulnerabilidade em área de risco: O que fazer?

Vulnerabilidade em área de Risco: O que fazer? - CBCS 08/03/2010. CBCS - Vulnerabilidade em área de risco: O que fazer? CBCS - Vulnerabilidade em área de risco: O que fazer? PREFEITO GILBERTO KASSAB SECRETARIA DAS SUBPREFEITURAS 11.500 funcionários zelando pela cidade 31 subprefeituras ATUAÇÃO: Uso e ocupação do solo Obras

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS PLANO PREVENTIVO DE DEFESA CIVIL

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS PLANO PREVENTIVO DE DEFESA CIVIL PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS PLANO PREVENTIVO DE DEFESA CIVIL OPERAÇÃO VERÃO 2012/2013 1 PLANO PREVENTIVO DE DEFESA CIVIL - PPDC OPERAÇÃO VERÃO 2012/2013 1) Introdução... 3 2) Objetivo:... 3 3) Metodologia...

Leia mais

CEMADEN Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais

CEMADEN Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais CEMADEN Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI Workshop Complexo do CEMADEN São José dos Campos, SP, 14 de janeiro de 2014 Decreto

Leia mais

DESASTRE MARÇO/13 DE ESCORREGAMENTOS EM PETRÓPOLIS

DESASTRE MARÇO/13 DE ESCORREGAMENTOS EM PETRÓPOLIS 1 DESASTRE MARÇO/13 DE ESCORREGAMENTOS EM PETRÓPOLIS 1. Introdução Mais de 100 escorregamentos ocorreram nas encostas de Petrópolis na noite do dia 17 para o dia 18 de Março de 2013, provocando 33 mortes.

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL

CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL Vanessa da Silva Brum Bastos vsbrumb@gmail.com Graduanda do 4º ano do bacharelado em Geografia-

Leia mais

Desastre do Vale do Itajaí-Açu: uma visão geotécnica dos acidentes

Desastre do Vale do Itajaí-Açu: uma visão geotécnica dos acidentes Deslizamentos em SC - causas, consequências, medidas emergenciais e ações futuras Joinville SC 12/02/2009 Desastre do Vale do Itajaí-Açu: uma visão geotécnica dos acidentes Luiz A. Bressani, PhD Departamento

Leia mais

Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino

Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino CEX Seca no Semiárido Nordestino CEMADEN-MCTI Brasília, 28 de Maio de 2015 2 Operação do CEMADEN EM FUNCIONAMENTO

Leia mais

Escorregamentos de terra O Evento de SC

Escorregamentos de terra O Evento de SC ISBN 92-5-100276-2 Seminário Deslizamentos em SC: causas, consequências, medidas emergenciais e ações futuras 12/02/2009 Joinville - SC Escorregamentos de terra O Evento de SC Fernando A. M. Marinho Universidade

Leia mais

PORTARIA Nº 610, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2011 (Publicada no D.O.U. de 27 de dezembro de 2011)

PORTARIA Nº 610, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2011 (Publicada no D.O.U. de 27 de dezembro de 2011) PORTARIA Nº 610, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2011 (Publicada no D.O.U. de 27 de dezembro de 2011) Dispõe sobre os parâmetros de priorização e o processo de seleção dos beneficiários do Programa Minha Casa, Minha

Leia mais

Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes. Antonio Liccardo

Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes. Antonio Liccardo Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes Antonio Liccardo Taludes Superfícies inclinadas que delimitam um maciço terroso ou rochoso. Naturais ou Artificiais Taludes naturais ou encostas Taludes

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO COMUNITÁRIA ADAPTAÇÃO AOS RISCOS DE DESASTRES NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

PROGRAMA DE PROTEÇÃO COMUNITÁRIA ADAPTAÇÃO AOS RISCOS DE DESASTRES NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO PROGRAMA DE PROTEÇÃO COMUNITÁRIA ADAPTAÇÃO AOS RISCOS DE DESASTRES NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE CONSERVAÇÃO E SERVIÇOS PÚBLICOS SUBSECRETARIA

Leia mais

Missão CENACID avalia deslizamentos e inundações em SP e RJ Relatório-Resumo (30-01-10)

Missão CENACID avalia deslizamentos e inundações em SP e RJ Relatório-Resumo (30-01-10) Missão CENACID avalia deslizamentos e inundações em SP e RJ Relatório-Resumo (30-01-10) A natureza avisou que desastres poderiam ocorrer (Renato Lima Coordenador do CENACID) Com uma equipe de 10 integrantes

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM UNDERSTANDING RISK SEÇÃO: CRESCIMENTO URBANO SEM RISCOS DE DESLIZAMENTOS Conhecimento, Prevenção, Preparação, Resposta e Mudança de Hábitos Belo Horizonte, novembro de

Leia mais

A TRAGÉDIA DAS CHUVAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, CATASTROFES NA CIDADE COM ENFANSE NOS ANOS DE 1966/67, 1988 E 2010.

A TRAGÉDIA DAS CHUVAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, CATASTROFES NA CIDADE COM ENFANSE NOS ANOS DE 1966/67, 1988 E 2010. A TRAGÉDIA DAS CHUVAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, CATASTROFES NA CIDADE COM ENFANSE NOS ANOS DE 1966/67, 1988 E 2010. E OS RISCOS E DESASTRES QUE PERMANECEM NA ATUALIDADE. Aluno: Sergio Floriano Siqueira

Leia mais

São Vicente (São Paulo), Brazil

São Vicente (São Paulo), Brazil São Vicente (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Luis Cláudio Bili Lins da Silva Nome do ponto focal: Maria Rita Barros

Leia mais

PLANO INTEGRADO. De Prevenção e Mitigação de Desastres Naturais na Bacia Hidrográfica do Rio Itajaí FAPESC

PLANO INTEGRADO. De Prevenção e Mitigação de Desastres Naturais na Bacia Hidrográfica do Rio Itajaí FAPESC Desenvolvimento sustentável e equilibrado em toda Santa Catarina FAPESC FUNDAÇÃO DE APOIO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO ESTADO DE SANTA CATARINA Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econõmico

Leia mais

2. CARACTERÍSTICAS GEOLÓGICO-GEOTÉCNICAS E ANÁLISE DE RISCO

2. CARACTERÍSTICAS GEOLÓGICO-GEOTÉCNICAS E ANÁLISE DE RISCO AVALIAÇÃO DO RISCO GEOLÓGICO-GEOTÉCNICO ASSOCIADO A ESCORREGAMENTOS PARA AS COMUNIDADES ESTRADINHA (A MONTANTE DO CEMITÉRIO SÃO JOÃO BATISTA), MORRO DOS URUBUS, MORRO DOS PRAZERES E ESCONDIDINHO, MORRO

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES. Capacitação em Mapeamento e Gerenciamento de Risco

MINISTÉRIO DAS CIDADES. Capacitação em Mapeamento e Gerenciamento de Risco MINISTÉRIO DAS CIDADES Capacitação em Mapeamento e Gerenciamento de Risco Presidente da República Luís Inácio Lula da Silva Ministro das Cidades Márcio Fortes de Almeida Secretária Nacional de Programas

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM Avaliação dos desastres naturais em Minas Gerais Dezembro 2013 Janeiro 2014 Objetivo O presente relatório tem por finalidade avaliar os desastres naturais ocorridos no

Leia mais

a) Título do Empreendimento Levantamento e monitoramento de áreas de risco na UGRHI-11 e apoio à Defesa Civil

a) Título do Empreendimento Levantamento e monitoramento de áreas de risco na UGRHI-11 e apoio à Defesa Civil a) Título do Empreendimento Levantamento e monitoramento de áreas de risco na UGRHI-11 e apoio à Defesa Civil b) Localização geográfica Toda a área da UGRHI-11 - Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Fundação GEORIO. Marcio Machado Presidente

PLANO DE GESTÃO DE RISCO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Fundação GEORIO. Marcio Machado Presidente Fundação GEORIO Marcio Machado Presidente PROPOSTA DO PLANO Eliminar as áreas de ALTO RISCO nas encostas mapeadas. CIDADE DO 3. Diagnóstico RIO DE JANEIRO 2. Prevenção 4. Intervenção 1.Conhecimento Plano

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DE RISCO COMO FERRAMENTA DE PREVENÇÃO DE DESASTRES

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DE RISCO COMO FERRAMENTA DE PREVENÇÃO DE DESASTRES A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DE RISCO COMO FERRAMENTA DE PREVENÇÃO DE DESASTRES Flaviano de Souza Alves Doutorando em Engenharia Civil COPPE/UFRJ. flavianoeng@hotmail.com Claudio Fernando Mahler Prof. D. Sc.

Leia mais

INFRAESTRUTURA, MEIO FÍSICO E MUDANÇAS CLIMÁTICAS: NOVOS DESAFIOS AO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

INFRAESTRUTURA, MEIO FÍSICO E MUDANÇAS CLIMÁTICAS: NOVOS DESAFIOS AO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO INFRAESTRUTURA, MEIO FÍSICO E MUDANÇAS CLIMÁTICAS: NOVOS DESAFIOS AO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO Omar Yazbek BITAR* As perspectivas associadas à exploração da bacia geológica de Santos (Bacia de Santos),

Leia mais

Riscos e vulnerabilidades às mudanças climáticas e ambientais: análise multiescalar na zona costeira de São Paulo - Brasil

Riscos e vulnerabilidades às mudanças climáticas e ambientais: análise multiescalar na zona costeira de São Paulo - Brasil Riscos e vulnerabilidades às mudanças climáticas e ambientais: análise multiescalar na zona costeira de São Paulo - Brasil Allan Yu Iwama (NEPAM/IFCH-UNICAMP) Orientador: Mateus Batistella (EMBRAPA Monitoramento

Leia mais

Mudando Hábitos e Reduzindo Riscos de Movimentos de Massa e Inundações COMUNIDADE MAIS SEGURA. Mais. Ciências da Terra para a Sociedade

Mudando Hábitos e Reduzindo Riscos de Movimentos de Massa e Inundações COMUNIDADE MAIS SEGURA. Mais. Ciências da Terra para a Sociedade COMUNIDADE Mudando Hábitos e Reduzindo Riscos de Movimentos de Massa e Inundações MAIS SEGURA Mais Ciências da Terra para a Sociedade MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Nelson José Hubner Moreira Ministro Interino

Leia mais

O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL

O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL Autores: Carlos Aparecido de Lima - carlosaparecido@emdec.com.br José Eduardo Vasconcellos - eduardovasconcellos@emdec.com.br Carlos Roberto

Leia mais

SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL SEDEC

SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL SEDEC SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL SEDEC Dezembro/ 2007 + 1º trimestre 2008 ENCHENTES (Inund. Graduais) ENXURRADAS (Inund. Bruscas) ALAGAMENTOS e DESLIZAMENTOS Dez/2007 A atuação em Defesa Civil está

Leia mais

USO E OCUPAÇÃO DESORDENADA DO SOLO URBANO NO BAIRRO MORRO DO CARAPINA EM GOVERNADOR VALADARES MG

USO E OCUPAÇÃO DESORDENADA DO SOLO URBANO NO BAIRRO MORRO DO CARAPINA EM GOVERNADOR VALADARES MG USO E OCUPAÇÃO DESORDENADA DO SOLO URBANO NO BAIRRO MORRO DO CARAPINA EM GOVERNADOR VALADARES MG Jéssica Barbosa Guedes - Aluna do 5º período do Curso de Tecnologia em Gestão Ambiental do IFMG, campus

Leia mais

Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada de Riscos de Desastres Naturais

Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada de Riscos de Desastres Naturais SECRETARIA NACIONAL DE ACESSIBILIDADE E PROGRAMAS URBANOS Departamento de Políticas de Acessibilidade e Planejamento Urbano Cooperação Técnica Internacional BRASIL-JAPÃO Fortalecimento da Estratégia Nacional

Leia mais

DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014

DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014 DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014 Deivana Eloisa Ferreira de ALMEIDA Universidade Estadual do Centro-Oeste UNICENTRO, Guarapuava-PR Leandro Redin

Leia mais

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 1. INTRODUÇÃO A estação do verão inicia-se no dia 21 de dezembro de 2014 às 20h03 e vai até as 19h45 do dia 20 de março de 2015. No Paraná, historicamente, ela é bastante

Leia mais

Elaboração de estratégia para implementação de projeto piloto para pagamento por serviços ambientais (PSA Ribeira)

Elaboração de estratégia para implementação de projeto piloto para pagamento por serviços ambientais (PSA Ribeira) Oficinas regionais temáticas Outubro de 2013 Elaboração de estratégia para implementação de projeto piloto para pagamento por serviços ambientais (PSA Ribeira) Apoio: O PROJETO OBJETIVO Contribuir para

Leia mais

Elaboração de um Banco de Dados para Eventos Severos

Elaboração de um Banco de Dados para Eventos Severos Elaboração de um Banco de Dados para Eventos Severos G. J. Pellegrina 1, M. A. Oliveira 1 e A. S. Peixoto 2 1 Instituto de Pesquisas Meteorológicas (UNESP), Bauru S.P., Brasil 2 Departamento de Engenharia

Leia mais

APP ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE. Feições de Relevo com alta fragilidade, que exercem funções essenciais a vida

APP ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE. Feições de Relevo com alta fragilidade, que exercem funções essenciais a vida APP ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE Feições de Relevo com alta fragilidade, que exercem funções essenciais a vida Dispositivo legal aplicado em distintos ambientes: Urbano, Rural ou Florestal Área de Preservação

Leia mais

ANÁLISE MULTITEMPORAL DO PADRÃO DE CHUVAS DA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO NO ÂMBITO DOS ESTUDOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

ANÁLISE MULTITEMPORAL DO PADRÃO DE CHUVAS DA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO NO ÂMBITO DOS ESTUDOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 168 172 ANÁLISE MULTITEMPORAL DO PADRÃO DE CHUVAS DA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO NO ÂMBITO DOS ESTUDOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS OLIVEIRA, Rafael

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE HABITAÇÃO SÃO PAULO

PLANO ESTADUAL DE HABITAÇÃO SÃO PAULO PLANO ESTADUAL DE HABITAÇÃO SÃO PAULO SUSHI SUSTAINABLE SOCIAL HOUSING INICIATIVE FINAL WORKSHOP USP São Paulo 21 de Junho 2011 O ESTADO DE SÃO PAULO E SEUS DESAFIOS ESTADO DE SÃO PAULO Estado da federação

Leia mais