Boas Práticas de Automação para a Indústria Farmacêutica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Boas Práticas de Automação para a Indústria Farmacêutica"

Transcrição

1 Boas Práticas de Automação para a Indústria Farmacêutica Eng. Rafael Pezzella Chiea, Eng. Eric Vinicius Vieira Neves,

2 Sobre a SOLUTION PARTNER Desde 1990 Experiência Internacional Foco em Life Sciences, Química, Alimentos e Bebidas ISO 9001:2008 Sistema de Gestão de Projetos

3 Sobre a SOLUTION PARTNER Global Market is the first Brazilian company listed in the System Integrators Giants from ControlEngineering. We are the number58, the firstoflatinamerica. The CE System Integrator Giants list shows the 100 biggest system integrators companies in the world considering 2,387 companies.

4 Agenda

5 Visão do Mercado Farmacêutico Quando falamos em Automação dentro da chamada Indústria das Ciências da Vida (do Inglês Life Sciences ), o controle de qualidade do projeto deve ser bem mais rigoroso, pois neste segmento tratamos diretamente com vidas e um sistema ruim pode comprometer todo um processo, acarretando danos que em alguns casos podem ser irreparáveis. Entretanto, as empresas querem: Reduzir custos e prazos Garantir desempenho e lucratividade em seus projetos Diminuiro Time- to- Market (TTM) Sem comprometer a qualidade do produto

6 Visão do Mercado Farmacêutico Desafios crescentes da indústria Lucro Potencial Competição global Pressão sobre preços Investimentos limitados Vazamentos Redução de margem e aumento de volume Inventário Qualidade Paradas Falta Integração Sistemas

7 Visão do Mercado Farmacêutico PIB do Brasil Fonte: Banco Central do Brasil

8 Visão do Mercado Farmacêutico Mercado Farmacêutico Brasileiro O Setor deve-se manter em crescimento até 2025 O Brasil passou da 10 para a 6 posição e estima-se que até 2016 o Brasil alcance a 4 posição, ficando atrás apenas de EUA, China e Japão Números PWC O SETOR FARMACÊUTICO NO BRASIL atividade/assets/saude/pharma- 13.pdf IMS Helth e OMS Organização Mundial da Saúde Fonte: Valor Econômico

9 Visão do Mercado Farmacêutico Mercado Farmacêutico Mundial 2015 Fonte IMS Health e OMS Organização Mundial da Saúde

10 Visão do Mercado Farmacêutico Mercado "Pharmerging" até 2018 Fonte: IMS Helth e OMS Organização Mundial da Saúde

11 Visão do Mercado Farmacêutico Crescimento do Mercado Fonte: IMS Helth e OMS Organização Mundial da Saúde

12 Visão do Mercado Farmacêutico Investimentos em Tecnologia As maiores industrias farmacêuticas mundias terão que reduzir seus custos operacionais em aproximadamente $35B até 2017 para conseguir manter suas margens e o alto nível de inversitmentos necessários em infra-estrutura e pesquisa A indústria vê que investir em tecnologias como cloud e podeajudar a atingir este resultado. integração de sistemas Fonte: IMS Helth e OMS Organização Mundial da Saúde

13 Agenda

14 Qualidade da Automação Boas Práticas de Fabricação (cgmp). Minimizando os esforços regulatórios. Utilizando a Metodologia GAMP. Aumentando a eficiência dos Sistemas de Automação. Reduzindo riscos associados ao uso de Sistemas.

15 Qualidade da Automação Boas Práticas de Fabricação (cgmp) cgmp current Good Manufacturing Practices, do Inglês Regulamentações publicadas pelo FDA para fornecer os critérios de conformidade com a Ata Federal sobre alimentos, bebidas, remédios e cosméticos, exigindo que todos os insumos para uso humano estejam livres de qualquer adulteração.

16 Qualidade da Automação Minimizando os esforços regulatórios FDA Food and Drugs Administration - USA ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária EMEA Agência Européia de Medicamentos

17 No Brasil Qual é a posição da Anvisa sobre Serialização e Rastreabilidade de Medicamentos? RDC 54 Serialização e Rastreabilidade de Medicamentos A RDC n. 54/2013 dispõe sobre a implantação do sistema nacional de controle de medicamentos e os mecanismos e procedimentos para rastreamento de medicamentos em toda a cadeia dos produtos farmacêuticos. Quais são os requisitos mínimos para um Sistema de Serialização e Rastreabilidade de Medicamentos? IUM: Identificador Único de Medicamento; Módulo de Impressão do IUM em formato2d Data Matrix; Módulodeinspeção e rejeito decódigos ilegíveis; Módulo deagregação queagrupa ao IDda caixa os IUM squea compõe. Módulo de Rastreabilidade software e banco de dados que armazena e monitora em tempo real toda a cadeia, da embalagem até o cliente final/paciente; Quais são os benefícios que um Sistema de Serialização e Rastreabilidade de Medicamentos proporciona? Segurança para os pacientes; Inibir roubode cargas; Inibir a comercialização de medicamentos falsificados ;

18 Agenda

19 Validação de Sistemas Questões Práticas 1. Um processo que funciona por 10 anos está validado? 2. Todo equipamento é qualificável? 3. Toda planta pode ser qualificada? 4. Qualquer sistema é validável? 5. Ser 21- CFR- Part 11 compliance garante a Validação?

20 Validação de Sistemas Definição Validação é a evidência documentada de que um sistema se encontra em grau de fazer aquilo que se propõem de forma consistente e dentro das especificações e atributos de qualidade pre- estabelecidos. O que é um Sistema 21 CFR Part 11 compliance? CFR: Code of Federal Regulations 21: Title of CFR that contains the Food and Drugs regulations Part 11: 21 title part that make the standards to Electronic records and Electronic signatures

21 Validação Requisitos 1. Análise de Riscos 2. Verificar a adequação da área Fabril ao projeto e às BPF 3. Qualificação de fornecedores 4. Definição da Metodologia 5. Preparação do PMV

22 Projetos na Indústria Farmacêutica Guia para Validação de Sistemas Automatizados Good Automated Manufacturing Practice G A M P

23 No Brasil Qual é a posição da Anvisa sobre Validação de Sistemas? Guia de Validação de Sistemas publicado pela ANVISA _2010.pdf?MOD=AJPERES Elaborado para auxiliar no gerenciamento e validação de sistemas computadorizados que tem impacto em BPx; O objetivo prático é garantir a exatidão e a integridade de dados essenciais para o ciclo de vida do medicamento; A ANVISA não exigirá o cumprimento do conteúdo do guia pelas empresas; Principais tópicos do guia Avaliação de criticidade dos sistemas computadorizados; Sistema validável; Ciclo de vida; Plano de validação; Gerenciamento de riscos; Metodologia para analise de riscos; Especificação de requisitos do usuário (ERU); Especificação funcional; Desenho de software; Testes de qualificação; Relatório final de validação; Tratamento de registros eletrônicos, assinaturas eletrônicas e controle de acesso

24 Projetos na Indústria Farmacêutica

25 GAMP Ciclo de vida de um Sistema Planejamento e Especificação Design Construção Testes Operação Testes de Aceitação Instalação

26 Atividades de Validação Diagrama em V Planejamento e Construção X Testes Planejamento Requerimento de Processo Operação e Manutenção Qualificação de Desempenho URS Equipamento URS Sistema Automação Qualificação de Operação Revisão de Segurança e GxP Qualificação de Instalação FS Equipamento FS Sistema Automação Comissionamento Operação Projeto Elétrico e Mecânico Projeto Interface Operacional Projeto Sistema Automação Comissionamento Instalação FAT / SAT Revisão do Projeto e Aprovação Testes de Desenvolvimento Construção Elétrica e Mecânica Construção Interface Operacional Construção Sistema Automação

27 Atividades de Validação Planejamento VMP = Validation Master Plan Atividades Como executá-las Responsáveis Critérios de aceite Como manter o sistema Validado

28 Atividades de Validação Especificação URS = User Requirement Specification O que? e não Como Por que? necessidade Responsabilidades Ampla divulgação Fácil Compreensão Diagramas What I want! URS Why I want it!

29 Atividades de Validação Especificação FS = Functional Specification Como? Objetivos Principais Funcionalidades Normas Seguidas Descrição do Sistema Interfaces FS

30 Atividades de Validação Testes Testes IQ, OQ e PQ IQ Verifica se a Instalação está de acordo com os esquemas da engenharia e fabricante OQ - Demonstra que cada unidade e ponto crítico funciona como especificado e atendendo aos requisitos de projeto PQ: Verifica se o sistema produz a quantidade desejada independente de perturbações, dentro do especificado

31 Atividades de Validação Resultados VR = Validation Report Sumário da Validação Evidências de conformidade Aprovações Normas Seguidas Rastreabilidade

32 Detalhamento do Projeto de Automação URS FS HDS MIT FAT SAT NDS SDS Operation SDS Control SMDS VMP SQ D&R IQ OQ PQ VR CONTROLE DE MUDANÇAS ATIVIDADES DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS Plano de Projeto Escopo, Cronograma, Custos, Integração, HR, Contratações, etc

33 Agenda

34 Exigências da Indústria Farmacêutica Fazer um projeto para a indústria farmacêutica significa: v Fornecedores que tenham padrões de qualidade ISO9000 v Executar um projeto validável: conforme metodologia v Realizar a Validação do Sistemas: execução dos testes v Controle de Mudança e Alteração 21 CFR PART 11

35 Agenda

36 Conclusão Benefícios da Metodologia Sistema bem planejado e desenvolvido Custo de validação reduzido Tempo de validação reduzido Modelo de estruturas para aceitação internacional & harmonização do acesso Bom entendimento da importância do assunto Linguagem comum e responsabilidades claras Entendimento dos benefícios da validação

37 Conclusão De que adianta conduzir um projeto para automação de um sistema, que seja barato e rápido, mas que não atende as necessidades a que foi proposto, que não é seguro ou que tem que ser abandonado? O Sucesso do projeto requer Cooperação e parceria Clareza ao definir responsabilidades Clareza ao definir requerimentos Clareza ao definir critérios de aceitação

38 Automação de Sistemas Ltda. Rua Sansão Alves dos Santos, 76-4 andar Brooklin Novo, São Paulo, SP Rafael Pezzella Chiea Eric Vinicius Vieira Neves (+55 11) (+55 11) (fax)

Boas Práticas de Automação para a Indústria Farmacêutica

Boas Práticas de Automação para a Indústria Farmacêutica Boas Práticas de Automação para a Indústria Farmacêutica Eng. Rafael Pezzella Chiea, Eng. Eric Vinicius Vieira Neves, Sobre a SOLUTION PARTNER Desde 1990 Experiência Internacional Foco em Life Sciences,

Leia mais

Automação de Sistemas Industrias. Automação com Qualidade

Automação de Sistemas Industrias. Automação com Qualidade Automação de Sistemas Industrias Automação com Qualidade Por que investir em QUALIDADE? Os crescentes números da Balança Comercial, apontam para uma nova e interessante tendência: a EXPORTAÇÃO de produtos.

Leia mais

Sharing experiences on GxP Computer Systems Validation

Sharing experiences on GxP Computer Systems Validation Sharing experiences on GxP Computer Systems Validation Alfonso Izarra Presidente ISPE Afiliada Brasil /2014 "Vaccine Quality Management Systems: Approaches to Risk assessment. Agenda Cenário 2016 Regulamentação

Leia mais

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS 2012 Relevância: Impacta diretamente na saúde do paciente, na qualidade do produto e na integridade dos dados que devem provar que o sistema

Leia mais

Boas Práticas aliam Medicamentos e Tecnologia

Boas Práticas aliam Medicamentos e Tecnologia Boas Práticas aliam Medicamentos e Tecnologia As Boas Práticas de Fabricação para Medicamentos estão sendo atualizadas para acompanhar a aplicação de novas tecnologias e agora incluem até a Validação de

Leia mais

VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS EM BIO-MANGUINHOS: UMA PROPOSTA DE MODELO DE INVENTÁRIO E PRIORIZAÇÃO DOS SISTEMAS COMPUTADORIZADOS

VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS EM BIO-MANGUINHOS: UMA PROPOSTA DE MODELO DE INVENTÁRIO E PRIORIZAÇÃO DOS SISTEMAS COMPUTADORIZADOS VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS EM BIO-MANGUINHOS: UMA PROPOSTA DE MODELO DE INVENTÁRIO E PRIORIZAÇÃO DOS SISTEMAS COMPUTADORIZADOS Débora Michele Morone D Aiuto MONOGRAFIA SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANVISA CONSULTA PÚBLICA Nº 03/2009 Gerência de Inspeção e Certificação de Insumos, Medicamentos e Produtos (GIMEP) Novembro de 2009 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA REVISÃO DA RDC Nº 210/03 JUSTIFICATIVA

Leia mais

Farm. Denise de S. G. Silveira

Farm. Denise de S. G. Silveira Farm. Denise de S. G. Silveira Programa Introdução a Validação Regulamentação Metodologia Tipos de validação Plano Mestre de Validação Planos de Qualificação Bolo da Vó O que é preciso fazer para que o

Leia mais

Análise de Risco na Validação de Sistemas Computadorizados

Análise de Risco na Validação de Sistemas Computadorizados Análise de Risco na Validação de Sistemas Computadorizados Meg Lima Andrade Agenda Objetivos; Conceito de Sistemas Computadorizados; Conceito de Risco; Identificação de Riscos; Avaliação de Riscos; Classificação;

Leia mais

A Unidade HOSPITAL UNIMED-RIO

A Unidade HOSPITAL UNIMED-RIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS A Unidade HOSPITAL UNIMED-RIO Projeto Hospital UNIMED - RIO Construído em uma área de 30 mil m² o Hospital UNIMED RIO foi inaugurado em Dez / 2012 O Hospital tem como seus principais

Leia mais

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO Grande parte das indústrias farmacêuticas, cosméticos e de veterinários, utilizam processos de terceirização, para otimizar suas produções, para casos

Leia mais

RASTREABILIDADE - RDC 59/2009 e IN 01/2010

RASTREABILIDADE - RDC 59/2009 e IN 01/2010 RASTREABILIDADE - RDC 59/2009 e IN 01/2010 Logística Curso Formação de Auditores para a Cadeia Industrial Farmacêutica 2 Sobre o Docente Programação SONJA HELENA MADEIRA MACEDO Graduada em Farmácia-Bioquímica

Leia mais

Utilização da Planilha de Análise de Decisão

Utilização da Planilha de Análise de Decisão Utilização da Planilha de Análise de Decisão METODOLOGIA E CRITÉRIOS DE SELEÇÃO - VERSÃO 1. A planilha apresentada está pronta e formatada para ser utilizada no processo de Análise de Decisão envolvendo

Leia mais

Validação de Sistemas Computadorizados

Validação de Sistemas Computadorizados Validação de Sistemas Computadorizados Valéria dos S. Cozzolino Yugue Yugue Assessores 2009-2015 - Yugue Assessores Todos os direitos reservados Objetivos Apresentar os conceitos e necessidades de Validação

Leia mais

Rastreabilidade e Autenticidade de Medicamentos

Rastreabilidade e Autenticidade de Medicamentos AUDIÊNCIA PÚBLICA CCT - SENADO FEDERAL Assunto: Instruir o PLS 521/2007 Sen. Valdir Raupp Rastreabilidade e Autenticidade de Medicamentos Consulta Pública nº 08, de 04/03/2008 DOU de 05/03/08 Histórico

Leia mais

VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS E ANÁLISE DE RISCOS PROGRAMA:

VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS E ANÁLISE DE RISCOS PROGRAMA: VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS E ANÁLISE DE RISCOS PROGRAMA: Apresentação dos conceitos que determinarão a metodologia de validação; Enfoque dos elementos que compõe a metodologia de validação;

Leia mais

Rastreabilidade de medicamentos - dentro e fora do hospital - Nilson Gonçalves Malta

Rastreabilidade de medicamentos - dentro e fora do hospital - Nilson Gonçalves Malta Rastreabilidade de medicamentos - dentro e fora do hospital - Nilson Gonçalves Malta Hospital Israelita Albert Einstein Abril 2015 Requisitos para rastreabilidade Códigos de barras em todos os produtos

Leia mais

Audiência Pública PLS 521 de 04/09/2007. Brasília, 11 de junho de 2008 Lauro D. Moretto

Audiência Pública PLS 521 de 04/09/2007. Brasília, 11 de junho de 2008 Lauro D. Moretto Brasília, 11 de junho de 2008 Lauro D. Moretto 1 1. Objeto da Audiência Pública Instruir o PLS 521 de 2007 de autoria do Senador Valdir Raupp, que altera a Lei nº 6360 de 23.09.1976, que dispõe sobre a

Leia mais

MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS

MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 Agência Nacional de Vigilância Sanitária GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIGENTE A PARTIR DE 09/10/2015

Leia mais

22/08/2007 DEFINIÇÃO PORQUE VALIDAR? Gerson R. Luqueta. Gerson R. Luqueta

22/08/2007 DEFINIÇÃO PORQUE VALIDAR? Gerson R. Luqueta. Gerson R. Luqueta VALIDAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CONFORME NORMATIZAÇÃO (ênfase em processos de esterilização) VALIDAÇÃO DO PROCESSO DEFINIÇÃO Procedimento documentado para obtenção, registro e interpretação de resultados desejados

Leia mais

21 CFR Part11. Introdução. O que quer dizer. Glossário. Roney Rietschel

21 CFR Part11. Introdução. O que quer dizer. Glossário. Roney Rietschel 21 CFR Part11 Autor: Eng. Roney Ritschel, diretor técnico da Microblau Contato: roney.rts@microblau.com.br Roney Rietschel Introdução Recentemente entrou em vigor a nova RDC 17/2010 da ANVISA que substitui

Leia mais

Curso Intensivo. Qualificação e Validação na Indústria Farmacêutica

Curso Intensivo. Qualificação e Validação na Indústria Farmacêutica Curso Intensivo Qualificação e Validação na Indústria Farmacêutica O EaDPLUS é um dos melhores portais de cursos à distância do Brasil e conta com um ambiente virtual de aprendizagem que visa a capacitação

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA

Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Coordenação do Comitê Gestor da Implantação do Sistema Nacional de Controle de Medicamentos SNCM Portaria nº 176, de 10/02/2014 NOTA TÉCNICA Nº 01/2015 Considerando

Leia mais

Sistemas Informatizados. Alfonso Izarra

Sistemas Informatizados. Alfonso Izarra Sistemas Informatizados Alfonso Izarra Objetivo Salientar da importância de utilizar Sistemas Informatizados que atendam os Requisitos do Negócio e das Partes Impactadas Sistemas de Informação Por que?

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais

Inspeção através de sistema de visão industrial Ergon

Inspeção através de sistema de visão industrial Ergon Inspeção através de sistema de visão industrial Ergon Introdução A Ergon Sistemas de Visão Industrial, parceira das empresas Industrial Vision Systems e Neurocheck, juntas formam importantes fornecedores

Leia mais

Brasil. Alfonso Izarra. "Vaccine Quality Management Systems: Approaches to Risk assessment. Presidente ISPE Afiliada Brasil 2013/2014

Brasil. Alfonso Izarra. Vaccine Quality Management Systems: Approaches to Risk assessment. Presidente ISPE Afiliada Brasil 2013/2014 "Vaccine Quality Management Systems: Approaches to Risk assessment. Brasil Alfonso Izarra Presidente ISPE Afiliada Brasil /2014 Uma Organização sem fins lucrativos Somos Voluntários Educação Conhecimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MOIRA CAROLINE COSTA ROSA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MOIRA CAROLINE COSTA ROSA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MOIRA CAROLINE COSTA ROSA COMPARATIVO ENTRE OS REQUISITOS DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO E AS NORMAS ISO :2008 E ISO :2004, APLICADO À INDÚSTRIA DE PRODUTOS PARA A SAÚDE

Leia mais

GERENCIAMENTO DA GARANTIA DA QUALIDADE UTILIZAÇÃO PRÁTICA NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

GERENCIAMENTO DA GARANTIA DA QUALIDADE UTILIZAÇÃO PRÁTICA NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA GERENCIAMENTO DA GARANTIA DA QUALIDADE UTILIZAÇÃO PRÁTICA NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA Antecedentes que geraram a origem do conceito da Qualidade 1957 Alemanha - Deformação em bebês cujas mães tomaram o medicamento

Leia mais

Curso Intensivo. Logística Farmacêutica

Curso Intensivo. Logística Farmacêutica Curso Intensivo Logística Farmacêutica O EaDPLUS é um dos melhores portais de cursos à distância do Brasil e conta com um ambiente virtual de aprendizagem que visa a capacitação profissional objetivando

Leia mais

Utilização da Gestão eletrônica de Documentos na Indústria

Utilização da Gestão eletrônica de Documentos na Indústria 1 Resumo Utilização da Gestão eletrônica de Documentos na Indústria Farmacêutica. Sarah Caroline Oliveira Maciel Firmino sha.firmino@gmail.com Gestão da Qualidade e Engenharia de Produção Instituto de

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Gerência-Geral de Tecnologia de Produtos para a Saúde - GGTPS

Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Gerência-Geral de Tecnologia de Produtos para a Saúde - GGTPS Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Gerência-Geral de Tecnologia de Produtos para a Saúde - GGTPS NOTA TÉCNICA N 002/2009/GGTPS/ANVISA 1. Objeto: Orientações para o Peticionamento de Certificado

Leia mais

Papel e importância dos sistemas LIMS na indústria moderna

Papel e importância dos sistemas LIMS na indústria moderna Papel e importância dos sistemas LIMS na indústria moderna Georgio Raphaelli Labsoft Tecnologia E-mail: georgior@gmail.com Resumo: Um bom sistema de uso diário, produzido especificamente para laboratórios

Leia mais

Serialização e Rastreabilidade

Serialização e Rastreabilidade Serialização e Rastreabilidade Uma Visão de Valor kpmg.com/br ALÉM DE COMBATER AS Seguindo uma tendência mundial, o Brasil está regulamentando ações de controle e rastreabilidade dos medicamentos através

Leia mais

GUIA QUALIFICAÇÃO / VALIDAÇÃO APLICADO A SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA

GUIA QUALIFICAÇÃO / VALIDAÇÃO APLICADO A SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA GUIA QUALIFICAÇÃO / VALIDAÇÃO APLICADO A SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA 2012 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa guia_fotos.indd 1 01/11/2012 10:45:47 guia_fotos.indd 2 01/11/2012 10:45:47 GUIA QUALIFICAÇÃO

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PROGRAMA:

QUALIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PROGRAMA: QUALIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PROGRAMA: Bases de Validação Ciclo de Vida; Apresentação do projeto a ser utilizado durante o treinamento; Apresentação de procedimentos; Elaboração de documentos Requerimento

Leia mais

Objetivos desta Aula. Introdução a Engenharia de Software Capítulo 1. Sumário. Engenharia de Software. Custos do Software. Custos do Software

Objetivos desta Aula. Introdução a Engenharia de Software Capítulo 1. Sumário. Engenharia de Software. Custos do Software. Custos do Software Objetivos desta Aula Introdução a Engenharia de Software Capítulo 1 Introduzir a engenharia de e explicar a sua importância Responder uma série de perguntas sobre engenharia de Introduzir questões éticas

Leia mais

sustentável um programa de auditoria única com o foco na supervisão dos fabricantes de produtos para a saúde. Os objetivos do MDSAP são:

sustentável um programa de auditoria única com o foco na supervisão dos fabricantes de produtos para a saúde. Os objetivos do MDSAP são: Fórum Internacional de Reguladores de Produtos para a Saúde Programa de Auditoria Única em Produtos para a Saúde Programa Piloto da Coalizão Internacional Janeiro de 2014 I. Contextualização O Fórum Internacional

Leia mais

PAINEL SETORIAL INMETRO/ANVISA/BNDES FÁRMACOS E MEDICAMENTOS: ASPECTOS METROLÓGICOS

PAINEL SETORIAL INMETRO/ANVISA/BNDES FÁRMACOS E MEDICAMENTOS: ASPECTOS METROLÓGICOS PAINEL SETORIAL INMETRO/ANVISA/BNDES FÁRMACOS E MEDICAMENTOS: ASPECTOS METROLÓGICOS Lauro D. Moretto 23 de agosto de 2004 2 INMETRO Situação atual As atividades estabelecidas e exercidas As necessidades

Leia mais

RASTREABILIDADE. * Lei nº. 11.903 14 / 01 / 2009. *Instrução Normativa nº11, 29/ 10 / 2010. * NF-e versão 2.0, a partir de 31 / 03 / 2011

RASTREABILIDADE. * Lei nº. 11.903 14 / 01 / 2009. *Instrução Normativa nº11, 29/ 10 / 2010. * NF-e versão 2.0, a partir de 31 / 03 / 2011 RASTREABILIDADE. * Lei nº. 11.903 14 / 01 / 2009 *Instrução Normativa nº11, 29/ 10 / 2010 * NF-e versão 2.0, a partir de 31 / 03 / 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, 29 DE OUTUBRO DE 2010 Dispõe sobre a tecnologia,

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Sanitária PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: POP-O-SNVS-014

Sistema Nacional de Vigilância Sanitária PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: POP-O-SNVS-014 1/13 1. INTRODUÇÃO A garantia da segurança, eficácia e qualidade de produtos sujeitos a controle sanitário é uma preocupação constante dos serviços de vigilância sanitária. De forma a aperfeiçoar o monitoramento

Leia mais

ISO/IEC 17799. Informação

ISO/IEC 17799. Informação ISO/IEC 17799 Norma de Segurança da Norma de Segurança da Informação Segurança da Informação Segundo a norma ISO/IEC 17799, é a proteção contra um grande número de ameaças às informações, de forma a assegurar

Leia mais

Perguntas e respostas sobre Rastreabilidade

Perguntas e respostas sobre Rastreabilidade Perguntas e respostas sobre Rastreabilidade Qual o benefício que a etiqueta trará para o cidadão? A etiqueta de segurança lançada pela Anvisa trará duas grandes novidades: garantir que o medicamento é

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Cosméticos, Produtos de Higiene e Saneantes COORDENAÇÃO DE INSUMOS FARMACÊUTICOS, SANEANTES E COSMÉTICOS GERÊNCIA GERAL DE INSPEÇÃO

Leia mais

Curso Intensivo. Qualificação e Validação na Indústria Farmacêutica

Curso Intensivo. Qualificação e Validação na Indústria Farmacêutica Curso Intensivo Qualificação e Validação na Indústria Farmacêutica O EaDPLUS é um dos melhores portais de cursos à distância do Brasil e conta com um ambiente virtual de aprendizagem que visa a capacitação

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

Leia mais

Unique Device Identification - UDI. UDI - (ABIMO/ABIMED) e ANVISA

Unique Device Identification - UDI. UDI - (ABIMO/ABIMED) e ANVISA Unique Device Identification - UDI UDI - (ABIMO/ABIMED) e ANVISA Desafios para implementação 24/11/2014 Lílian Garcia Orofino Nancy Mesas do Rio Objetivo do grupo 1. Leitura e análise crítica da 1ª experiência

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO NA PESQUISA CLÍNICA

ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO NA PESQUISA CLÍNICA 2ª Jornada de Ciências Farmacêuticas Centro Universitário Estadual da Zona Oeste UEZO - 2012 ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO NA PESQUISA CLÍNICA Robson Leite de Souza Cruz Instituto de tecnologia em Imunobiológicos

Leia mais

Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso

Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso Diagramas que descrevem o contexto, objetivos e participantes dos projetos 1 Tecnólogo em Manutenção Industrial Missão: Formar tecnólogos de nível superior

Leia mais

SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL SOLUÇÕES INDUSTRIAIS. A EMPRESA Para a SAFE, a tecnologia é somente um dos elementos de qualquer solução industrial. Suporte e serviços técnicos de alto nível são ingredientes

Leia mais

Fábrica de Software Fatores motivadores, restrições e tendências

Fábrica de Software Fatores motivadores, restrições e tendências Fábrica de Software Fatores motivadores, restrições e tendências Aguinaldo Aragon Fernandes Agenda Revisitando o conceito e escopo da fábrica de software Implicações do uso do conceito de Fábrica de Software

Leia mais

Boas Práticas de Fabricação

Boas Práticas de Fabricação Embrapa Hortaliças II Encontro Nacional do Agronegócio Pimentas (Capsicum spp.) Boas Práticas de Fabricação Fernando Teixeira Silva Embrapa Agroindústria de Alimentos I- Introdução As Boas Práticas de

Leia mais

Curso Intensivo. Logística Farmacêutica

Curso Intensivo. Logística Farmacêutica Curso Intensivo Logística Farmacêutica O EaDPLUS é um dos melhores portais de cursos à distância do Brasil e conta com um ambiente virtual de aprendizagem que visa a capacitação profissional objetivando

Leia mais

Enterprise Content Management [ECM] Impulsionando o Poder da Informação

Enterprise Content Management [ECM] Impulsionando o Poder da Informação Enterprise Content Management [ECM] Impulsionando o Poder da Informação O SoftExpert ECM Suite provê as tecnologias utilizadas para criar, capturar, gerenciar, armazenar, preservar e distribuir todos os

Leia mais

Rastreabilidade de Medicamentos. Paulo Machado

Rastreabilidade de Medicamentos. Paulo Machado Rastreabilidade de Medicamentos Paulo Machado 1 Conteúdo A Videojet A Parceria com Systech Solução Videojet / Systech 2 Conteúdo A Videojet A Parceria com Systech Solução Videojet / Systech 3 Líder em

Leia mais

CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company)

CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company) 1 CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company) BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO, LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Sistema de Rastreamento e Autenticidade 11 junho 2008

Sistema de Rastreamento e Autenticidade 11 junho 2008 Sistema de Rastreamento e Autenticidade 11 junho 2008 Quem Somos Fundado em 2003, o Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial - ETCO é uma organização sem fins lucrativos que congrega entidades empresariais

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Acreditar, investir, inovar e continuar acreditando e investindo: essa é a ethik

Acreditar, investir, inovar e continuar acreditando e investindo: essa é a ethik Acreditar, investir, inovar e continuar acreditando e investindo: essa é a ethik Veja aqui nossa linha de produtos líder no mercado nacional Representate: Alfa Mare Instrumentos Científicos e Médicos LTDA

Leia mais

Desafios Motivadores do Investimento

Desafios Motivadores do Investimento Desafios Motivadores do Investimento Governança Corporativa Auditoria Aumentar as Receitas Reports para Acionistas Prevenção Compliance Mitigar Riscos Reduzir Custos Diminuir a carga Operacional Eliminar

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

Validação do sistema de água purificada, para uso na indústria de produtos para a saúde humana.

Validação do sistema de água purificada, para uso na indústria de produtos para a saúde humana. Validação do sistema de água purificada, para uso na indústria de produtos para a saúde humana. Validation of purified water system, for use in the human health products industry. Diego Vieira de Souza

Leia mais

GUIA DE VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS

GUIA DE VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS Agência Nacional de Vigilância Sanitária GUIA DE VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS Brasília, Abril de 2010 Colaboradores Alessandra Tomazzini Bastos Andre Tagliari Camilo Mussi Carlos César dos Santos

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PRODUTOS PARA SAÚDE. Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PRODUTOS PARA SAÚDE. Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PRODUTOS PARA SAÚDE Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD CONTEÚDO 1. Organograma 2. Quadro de pessoal 3. Atividades de rotina 4. Atividades no âmbito nacional 5. Atividades

Leia mais

FACULDADE DE COMPUTAÇÃO DE MONTES CLAROS CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE DE COMPUTAÇÃO DE MONTES CLAROS CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE DE COMPUTAÇÃO DE MONTES CLAROS CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Helberth Oliveira Silva REGISTROS E ASSINATURAS ELETRÔNICAS NOS SISTEMAS COMPUTADORIZADOS VALIDADOS DAS INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS

Leia mais

SEGURANÇA DO PACIENTE E QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE

SEGURANÇA DO PACIENTE E QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE Congresso Internacional de Qualidade em Serviços e Sistemas de Saúde Qualihosp -2013 SEGURANÇA DO PACIENTE E QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE Maria Angela da Paz Gerente de Regulação e Controle Sanitário

Leia mais

Curso Intensivo. Qualificação e Validação na Indústria Farmacêutica

Curso Intensivo. Qualificação e Validação na Indústria Farmacêutica Curso Intensivo Qualificação e Validação na Indústria Farmacêutica O EaDPLUS é um dos melhores portais de cursos à distância do Brasil e conta com um ambiente virtual de aprendizagem que visa a capacitação

Leia mais

Seminário Valor Econômico Complexo Industrial da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Regulação em Saúde

Seminário Valor Econômico Complexo Industrial da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Regulação em Saúde Seminário Valor Econômico Complexo Industrial da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Regulação em Saúde Dirceu Raposo de Mello Diretor-Presidente São Paulo, 1º de março de 2010 Vigilância Sanitária

Leia mais

Módulos QM de sistemas ERP ou MES x Sistemas LIMS

Módulos QM de sistemas ERP ou MES x Sistemas LIMS Módulos QM de sistemas ERP ou MES x Sistemas LIMS Módulos de controle ou gestão da qualidade de sistemas ERP ou MES X sistemas para automação e gestão de laboratórios LIMS e suas diferenças conceituais

Leia mais

Fábrica de Software 29/04/2015

Fábrica de Software 29/04/2015 Fábrica de Software 29/04/2015 Crise do Software Fábrica de Software Analogias costumam ser usadas para tentar entender melhor algo ou alguma coisa. A idéia é simples: compara-se o conceito que não se

Leia mais

Gnatus inova e simplifica gestão com SAP Business Suite powered by SAP HANA

Gnatus inova e simplifica gestão com SAP Business Suite powered by SAP HANA Gnatus inova e simplifica gestão com SAP Business Suite powered by SAP HANA A Gnatus é uma importante fabricante de equipamentos odontológicos e precisava sustentar seu crescimento em um ambiente de alta

Leia mais

Identificação Única de Dispositivos Médicos. (Unique Device Identification UDI) Rafael Gomes Fernandes

Identificação Única de Dispositivos Médicos. (Unique Device Identification UDI) Rafael Gomes Fernandes Identificação Única de Dispositivos Médicos (Unique Device Identification UDI) Rafael Gomes Fernandes Apresentação e atualização - UDI System (ANVISA) Rafael Gomes Fernandes Agenda 1. Introdução 2. Construção

Leia mais

Estudo. Hospitais Emergência (1984)

Estudo. Hospitais Emergência (1984) 1. Introdução A partir da segunda metade do século XX é possível constatarmos um acentuado desenvolvimento tecnológico na área médica, sobretudo no que diz respeito ao diagnóstico e à terapia. Além disso,

Leia mais

SERVIÇOS DE ADEQUAÇÃO CONFIGURAÇÃO E INSTALAÇÃO DE REDES ADEQUAÇÃO DE PAINÉIS

SERVIÇOS DE ADEQUAÇÃO CONFIGURAÇÃO E INSTALAÇÃO DE REDES ADEQUAÇÃO DE PAINÉIS SERVIÇOS DE ADEQUAÇÃO SERVIÇOS DE ADEQUAÇÃO ENGENHARIA MONTAGEM DE PAINÉIS AUTOMAÇÃO CONFIGURAÇÃO E INSTALAÇÃO DE REDES A EMPRESA A Altercon Engenharia em Automação e Sistemas Industriais Ltda., foi constituída

Leia mais

MBA: Master in Project Management

MBA: Master in Project Management Desde 1968 MBA: Master in Project Management Projetos e Tecnologia da Informação FMU Professor: Marcos A.Cabral Projetos e Tecnologia da Informação Professor Marcos A. Cabral 2 Conceito É um conjunto de

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária

Legislação em Vigilância Sanitária Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 59, DE 27 DE JUNHO DE 2000 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso

Leia mais

Como o Sistema de Monitoramento Contínuo da Vaisala Ajuda na Conformidade com o CFR Parte 11 do Título 21 e Anexo 11 do EU GMP

Como o Sistema de Monitoramento Contínuo da Vaisala Ajuda na Conformidade com o CFR Parte 11 do Título 21 e Anexo 11 do EU GMP / WHITE PAPER Como o Sistema de Monitoramento Contínuo da Vaisala Ajuda na Conformidade com o CFR Parte 11 do Título 21 e Anexo 11 do EU GMP Introdução As duas principais diretrizes regulamentares que

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

SOBRE A POLLUX AUTOMATION

SOBRE A POLLUX AUTOMATION SOBRE A POLLUX AUTOMATION 15 anos de sólida experiência em engenharia de automação Fornecimento da solução completa turn-key Mais de 700 sistemas instalados com sucesso para mais de 200 clientes 80 profissionais

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12

MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12 MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12 PROCEDIMENTOS COMUNS E CONTEÚDO MÍNIMO DE RELATÓRIOS DE INSPEÇÃO NOS ESTABELECIMENTOS FARMACÊUTICOS NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DA RES. GMC Nº 16/09)

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA REUNIÃO COM ASSOCIAÇÕES DE PRODUTOS PARA SAÚDE Gerência-Geral de Inspeção Sanitária GGINP Brasília, 27 de maio de 2015 TÓPICOS A SEREM ABORDADOS POP-SNVS-017 sobre

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum. MERCOSUL/XXXVI SGT Nº11/P. RES. N /11 PROCEDIMENTOS COMUNS PARA AS INSPEÇÕES NOS FABRICANTES DE PRODUTOS MÉDICOS E PRODUTOS PARA DIAGNÓSTICO DE USO IN VITRO NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DAS RES. GMC Nº

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 11 de dezembro de 2013 [Páginas 76-77]

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 11 de dezembro de 2013 [Páginas 76-77] *Este texto não substitui o publicado do Diário Oficial da União* Diário Oficial da União Seção 1 DOU 11 de dezembro de 2013 [Páginas 76-77] RESOLUÇÃO - RDC Nº 54, DE10 DE DEZEMBRO DE 2013 Dispõe sobre

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO - BPM

BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO - BPM Conteúdo BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO - BPM Prof. Dr. Humberto G. Ferraz sferraz@usp.br 1. Introdução 2. A RDC 67/2007 e seus anexos 3. Classificação das farmácias de acordo com a RDC 67/2007 4. Alguns

Leia mais

FAZER O CERTO DA PRIMEIRA VEZ

FAZER O CERTO DA PRIMEIRA VEZ FAZER O CERTO DA PRIMEIRA VEZ Boas Práticas de Fabricação APLICAÇÃO NA PRÁTICA Linha do Tempo nas BoasPráticas Criação Pela pelo constatação FDA do primeiro de problemas guia referentes de GMP; OMS à contaminações

Leia mais

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES Somos uma empresa brasileira, especializada em soluções de automação de máquinas e processos industriais, instalação, comissionamento e segurança de infraestrutura elétrica e de máquinas, microgeração

Leia mais

VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS: UMA PROPOSTA DE MODELO DE INVENTÁRIO

VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS: UMA PROPOSTA DE MODELO DE INVENTÁRIO VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS: UMA PROPOSTA DE MODELO DE INVENTÁRIO Debora Michele Morone D Aiuto (Fiocruz) debora@bio.fiocruz.br Priscila Ferraz Soares (Fiocruz) priscilaferraz@gmail.com Marilia

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

Food Safety System Certification 22000. fssc 22000

Food Safety System Certification 22000. fssc 22000 Food Safety System Certification 22000 fssc 22000 CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE SEGURANÇA DOS ALIMENTOS 22000 O esquema de certificação de sistema de gestão da segurança dos alimentos - FSSC 22000

Leia mais

Office São Paulo Rua Caçapava, 49 Jardim Paulista São Paulo SP Brasil CEP 01408-010 +55 (11)3061.5994 Fax +55 (11)3061.9796 www.bcmautomacao.com.

Office São Paulo Rua Caçapava, 49 Jardim Paulista São Paulo SP Brasil CEP 01408-010 +55 (11)3061.5994 Fax +55 (11)3061.9796 www.bcmautomacao.com. Este Treinamento abrange a configuração e programação da linha de Controladores Programáveis fabricados e comercializados pela e o Software de Programação PROCP. Indústria Porto Alegre Av. Ernesto Neugebauer,

Leia mais

Rafael Latorre Antares Vision Brasil

Rafael Latorre Antares Vision Brasil Rafael Latorre Antares Vision Brasil YOUR INSPECTION AND TRACEABILITY PARTNER Antares Vision do BRASIL Rua Guaratiba 132 Santo Amaro São Paulo Brasil Tel. (+55) 11 2364-7512 / Fax (+55) 112364-7526 www.antaresvision.com

Leia mais

QUALIFICAÇÃO INSTALLATION QUALIFICATION (QUALIFICAÇÃO DE INSTALAÇÃO)

QUALIFICAÇÃO INSTALLATION QUALIFICATION (QUALIFICAÇÃO DE INSTALAÇÃO) QUALIFICAÇÃO DEFINIÇÃO: PROVA DOCUMENTADA QUE UM EQUIPAMENTO, MATERIAL OU SERVIÇO FUNCIONA DE MANEIRA REPRODUTÍVEL E ATENDE ÀS ESPECIFICAÇÕES PRÉ- ESTABELECIDAS. PODE SER SUBDIVIDIDA EM: DQ: IQ: OQ: PQ:

Leia mais