PROVA PARA O CARGO DE ENFERMEIRO DO SAMU

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROVA PARA O CARGO DE ENFERMEIRO DO SAMU"

Transcrição

1 Empresa Organizadora do Concurso Público da Prefeitura Municipal de Rio Tinto/PB PROVA PARA O CARGO DE ENFERMEIRO DO SAMU PORTUGUÊS Leia o texto adiante transcrito e, em seguida, responda às questões a ele referentes: O sino de ouro (Rubem Braga) Contaram-me que, no fundo do sertão de Goiás, numa localidade de cujo nome não estou certo, mas acho que é Porangatu, que fica perto do rio de Ouro e da serra de Santa Luzia, ao sul da serra Azul mas também pode ser Uruaçu, junto do rio das Almas e da serra do Passa Três (minha memória é traiçoeira e fraca; eu esqueço os nomes das vilas e a fisionomia dos irmãos; esqueço os mandamentos e as cartas e até a amada que amei com paixão) mas me contaram em Goiás, nessa povoação de poucas almas, as casas são pobres e os homens pobres, e muitos são parados e doente e indolentes, e mesmo a igreja pequena, me contaram que ali tem coisa bela e espantosa um grande sino de outro. Lembrança de antigo esplendor, gesto de gratidão, dádiva ao Senhor de um grã-senhor nem Chartres, nem Colônia, nem S. Pedro ou Ruão, nenhuma catedral imensa com seus enormes carrilhões tem nada capaz de um som tão lindo e puro como esse sino de ouro, de ouro catado e fundido na própria terra goiana dos tempos de antigamente. É apenas um sino, mas é de ouro. De tarde seu som vai voando em ondas mansas sobre as matas e os serrados, e as veredas de buritis, e a melancolia do chapadão, e chega ao distante e deserto carrascal, e avança em ondas mansas sobre os campos imensos, o som do sino de ouro. E a cada um daqueles homens pobres ele dá cada dia sua ração de alegria. Eles sabem que de todos os ruídos e sons que fogem do mundo em procura de Deus gemidos, gritos, blasfêmias, batuques, sinos, orações, e o murmúrio temeroso e agônico das grandes cidades que espera a explosão atômica e no seu próprio ventre negro parecem conter o germe de todas as explosões eles sabem que Deus com especial delícia e alegria ouve o som alegre do sino de ouro perdido no fundo do sertão. E então é como se cada homem, o mais pobre, o mais doente e humilde, o mais mesquinho e triste, tivesse dentro da alma um pequeno sino de ouro. Quando vem o forasteiro de olhar aceso de ambição e propõe negócios, fala em estradas, bancos, dinheiro, obras, progresso, corrução dizem que esses goianos olham o forasteiro com um olhar lento e indefinível sorriso e guardam um modesto silêncio. O forasteiro de voz alta e fácil não compreende; fica, diante daquele silêncio, sem saber que o goiano está quieto, ouvindo bater dentro de si, com um som de extrema pureza e alegria, seu particular sino de ouro. E o forasteiro parte, e a povoação continua pequena, humilde e mansa, mas louvando a Deus com sino de ouro. Ouro que não serve para perverter, nem o homem nem a mulher, mas para louvar a Deus. E se Deus não existe não faz mal. O ouro do sino de ouro é neste mundo o único ouro de alma pura, o ouro no ar, o ouro da alegria. Não sei se isso acontece em Porangatu, Uruaçu ou outra cidade do sertão. Mas quem me contou foi um homem velho que esteve lá; contou dizendo: eles têm um sino de ouro e acham que vivem disso, não se importam com mais nada, nem querem mais trabalhar; fazem apenas o essencial para comer e continuar a viver, pois acham maravilhoso ter um sino de ouro. O homem velho me contou isso com espanto e desprezo. Mas eu contei a uma criança e nos seus olhos se lia seu pensamento: que a coisa mais bonita do mundo dever ser ouvir um sino de ouro. Com certeza é esta mesma a opinião de Deus, pois ainda que Deus não exista ele só pode ter a mesma opinião de uma criança. Pois cada um de nós quando criança tem dentro da alma seu sino de ouro que depois, por nossa culpa e miséria e pecado e corrução, vai virando ferro e chumbo, vai virando pedra e terra, e lama e podridão. BRAGA, Rubem. 200 crônicas escolhidas / Rubem Braga. 31aed. Rio de Janeiro: Record, Qual é o foco narrativo do texto? a) terceira pessoa do singular b) primeira pessoa do plural c) primeira pessoa do singular d) terceira pessoa do plural e) segunda pessoa do singular

2 2. Assinale a opção CORRETA, de acordo com o texto: a) O sino se fazia atrativo aos visitantes turísticos. b) O sino de ouro representa uma espécie de símbolo de identidade do povo da região. c) O sino de ouro tocava quando os forasteiros se aproximavam do lugarejo. d) O sino de ouro entoava cânticos melódicos de louvação a Deus. e) O sino de ouro tocava quando as pessoas se sentiam felizes. 3. Assinale a opção que contém o sentimento que o sino de ouro provocou no narrador do texto: a) cólera b) amargura c) receio d) medo e) beleza e espanto 4. Assinale a opção CORRETA, de acordo com o texto: a) O sino de ouro se constitui em objeto de atração e de sedução turística, desde os tempos imperiais. b) A depender da vontade e do interesse dos moradores do lugarejo, é muito provável que o sino de ouro já tivesse sido objeto de transação comercial. c) O sino de ouro, proposto para negociação pelos habitantes do lugarejo, foi adquirido por um forasteiro abastado. d) O sino de ouro foi objeto de transação comercial bem-sucedida. e) Os habitantes do lugarejo recusam ofertas capitalistas oferecidas por forasteiros. 5. Qual é a linguagem predominante no texto? a) científica b) técnica c) literária d) metafórica e) coloquial 6. Aponte a qualidade do sino que, segundo o narrador, chama mais atenção das pessoas: a) o diâmetro b) o formato c) o som d) a altura e) o aspecto 7. Em relação ao título do texto, assinale a alternativa CORRETA: a) Os elementos coesivos do título estão incompatíveis com a argumentação textual. b) Há forte coerência estabelecida entre o título e a estrutura narrativa. c) A base argumentativa do texto está destoante da coerência do título. d) Há notória incompatibilidade de ligação coesiva entre título e texto. e) Tanto coesão quanto coerência estão prejudicadas, no enlace do texto com o seu respectivo título. 8. De acordo com o narrador, o que determinou o surgimento do sino de ouro? a) A diocese do lugar fizera ma campanha para introduzir um sino na igreja local, resultando no advento do sino de ouro. b) O sino de ouro foi uma doação feita por um homem rico, para pagar uma promessa a Deus, por uma graça alcançada. c) O sino de ouro foi um presente dado por um forasteiro que se embevecera com a beleza de seu badalar. d) O sino de ouro era um legado deixado pelos padres jesuítas. e) O sino de ouro foi dado à igreja, como presente a Deus, por um devoto abastado do passado. 9. Aponte a catedral que, de acordo com o narrador, tem algo que possa ser comparado com o som do sino de ouro: a) Colônia b) São Pedro c) Ruão d) nenhuma e) Chartres 10. Aponte a avaliação que o narrador dedica ao sino de ouro: a) valorativa b) depreciativa c) irônica d) indiferente e) negativa 11. Aponte a opção CORRETA, de acordo com o texto: a) O forasteiro considera desprezível e espantoso o b) O narrador considera desprezível e espantoso o c) O velho considera desprezível e espantoso o d) Deus considera desprezível e espantoso o e) A criança considera desprezível e espantoso o

3 12. Qual foi o personagem que contou ao narrador o fenômeno gerado pelo sino de ouro? a) Alguém não determinado pela narrativa. b) Um velho c) Uma criança d) Um forasteiro e) Um senhor abastado A passagem a seguir servirá de base para as próximas questões 13, 14 e 15: E então é como se cada homem, o mais pobre, o mais doente e humilde, o mais mesquinho e triste, tivesse dentro da alma um pequeno sino de ouro. 13. Essa construção estabelece com o sentido expresso pela construção antecedente uma relação de: a) tempo b) concessão c) finalidade d) causa e) consequência 14. Releia:..., o mais pobre, o mais doente e humilde, o mais mesquinho e triste,... Esse fragmento da construção contém um efeito de: a) gradação b) intensificação c) negação d) subjetivação e) objetivação 15. O vocábulo mesquinho, destacada nessa passagem, de acordo com as regras vigentes, no sistema ortográfico da língua portuguesa, contém: a) um ditongo b) um hiato c) um dígrafo d) dois dígrafos e) mais de quatro sílabas ESPECÍFICA 16. A exsanguinitransfusão é um tipo de tratamento adotado nos rec-em-nascidos com hiperbilirrubinemia para: a) Aumentar a taxa de hemácias. b) Facilitar a troca gasosa. c) Remover mecanicamente a taxa de colesterol. d) Diminuir a intensidade da reação imunológica na doença hemolítica, remover a bilirrubina indireta e corrigir a anemia. e) Corrigir a acidose metabólica. 17. Queimaduras são lesões teciduais causadas pela ação do calor, produtos químicos, eletricidade ou irradiação. Com relação às unidades de superfície corporal queimada (Regra dos 9), marque a alternativa incorreta: a) MMSS: face anterior (9%), face posterior (9%) em cada braço. b) MMII: face anterior (9%), face posterior (9%) em cada perna. c) Tronco: face anterior (18%), face posterior (18%). d) Cabeça e pescoço: face anterior (4,5%), face posterior (4,5%).] e) Genitália: 1%. 18. Na terapia de choque hemorrágico, o melhor parâmetro de resposta à reposição volêmica é: a) Frequência cardíaca. b) Débito urinário. c) Pressão de pulso. d) Pressão arterial. e) Frequência respiratória. 19. O tratamento inicial do paciente com hipertensão intracraniana, cujo estado neurológico está se deteriorando, inclui, dentre outras medidas: a) Realizar punção lombar. b) Administração de manitol por via endovenosa, conforme prescrição médica. c) Posicionamento inadequado do paciente. d) Realizar estímulos dolorosos. e) Manter temperatura corporal maior que 37,5 graus. 20. Pacientes graves, quando transportados, apresentam maior morbidade e mortalidade, que podem ser minimizadas se o transporte for bem planejado e for realizado por uma equipe bem preparada. Com relação as atribuições do enfermeiro para o transporte, é incorreto afirmar: a) Verifica equipamentos quanto a carga, bateria e volume de gases. b) Avalia juntamente com o médico e outros profissionais a classificação do paciente, definindo o grau de monitoração do transporte. c) Verifica infusões e drogas que o paciente recebe, garantindo volume suficiente até o seu retorno. d) Solicita para a equipe providenciar os materiais, medicamentos e equipamentos que irão acompanhar o paciente. e) Garante o registro em prontuário de todas as informações referente ao transporte do paciente, intercorrências e condutas estabelecidas.

4 21. O traumatismo é um termo clínico que traduz o conjunto de alterações causadas por um agente físico. O enfermeiro deve realizar procedimentos para prevenção de complicações do trauma, exceto: a) Garantir adequado suporte ventilatório. b) Promover adequada reposição volêmica, conforme prescrição médica. c) Reduzir os riscos associados à politransfusão de hemocomponentes: esfriar o sangue antes de administrá-lo. d) Administrar nutrição parenteral para promover o repouso do sistema digestivo, conforme prescrição médica. e) Avaliação e controle da dor. 22. Em um atendimento domiciliar, o enfermeiro encontra um paciente que só abre os olhos através de estímulos dolorosos, que responde palavras incompreensivas e localiza a dor. Para o enfermeiro avaliar o nível de consciência deste paciente, ele utilizou a Escala de Coma de Glasgow e obteve a seguinte pontuação: a) 7. b) 8. c) 9. d) 10. e) De acordo com a nova diretriz da American Heart Association 2010, o suporte básico de vida para os profissionais de saúde, sofreu algumas alterações, exceto: a) A frequência de compressão torácica foi modificada para um mínimo de 100 por minuto. b) A profundidade da compressão em adultos foi ligeiramente alterada para, no mínimo, 2 polegadas (cerca de 5 cm). c) Iniciar as compressões torácicas antes de aplicar ventilações. d) C-A-B em vez de A-B-C. e) Retorno parcial do tórax após cada compressão. 24. Com relação à nova diretriz da American Heart Association 2010, é incorreto afirmar: a) Relação compressão-ventilação: 15:2 (1 ou 2 socorristas) em adulto. b) Sequência da PCR: C-A-B. c) Ventilação com via aérea avançada (profissionais de saúde): 8 a 10 ventilações/min. d) Minimizar interrupções nas compressões torácicas. e) Relação compressão-ventilação (crianças e bebês): 30:2 (1 socorrista) e 15:2 (2 socorristas profissionais de saúde). 25. O Sr. F.C.D. dá entrada no setor de emergência com suspeita de hemorragia digestiva (HD). Quais são os sinais e sintomas da HD que deverão ser observados nesse paciente, exceto: a) Hematêmese. b) Epistaxe. c) Melena. d) Choque hipovolêmico. e) Mucosas descoradas. 26. A desfibrilação cardíaca é indicada nas arritmias: a) FV e TV com pulso. b) FV e FA com pulso. c) FV e TV sem pulso. d) FA e TV sem pulso. e) FA e TA com pulso. 27. Uma criança de 10 anos deu entrada no setor de emergência vítina de queimadura por leite quente. Apresentando eritema, edema e flictemas na região do braço, essas características classificam a queimadura dessa criança como sendo de: a) 1 grau. b) 2 grau. c) 3 grau. d) 4 grau. e) 5 grau. 28. A Portaria Normatiza e estabelece diretrizes dos Sistemas Estaduais de Urgência e Emergência, define tipos de veículos destinados ao APH-móvel, estabelecendo estruturas mínimas para cada tipo, sendo os seguintes tipos previstos, exceto: a) Ambulância tipo A: destinada ao transporte de pacientes sem risco de vida, remoções simples e caráter eletivo. Tripulação mínima: 01 motorista e 01 Técnico/Auxiliar de Enfermagem. b) Ambulância Tipo B: destinada ao suporte básico, transporte inter-hospitalar de pacientes com risco de vida, sem necessidade de intervenção médica local. Tripulação mínima: 01 motorista e 01 Técnico/Auxiliar de Enfermagem. c) Ambulância Tipo C: destinada ao Resgate, atendimento de vítimas de acidentes, com equipamentos de salvamento onde for necessário. Tripulação mínima: 01 motorista, 01 médico e 02 militares com capacitação para salvamento e suporte básico de vida. d) Ambulância Tipo D: destinada ao suporte avançado, atendimento e transporte de pacientes de alto risco de vida (tipo UTI). Tripulação mínima: 01 motorista, 01 Médico e 01 Enfermeiro. e) Aeronave de Transporte Médico: destinada ao transporte inter-hospitalar de pacientes e atendimento de resgate. Tripulação mínima: piloto, Médico e Enfermeiro.

5 29. O afogamento constitui uma causa comum de morte inadvertida. Qual o principal problema apresentado por uma vítima de afogamento: a) Hipoglicemia. b) Trauma musculoesquelético. c) Hipertermia. d) Taquipnéia. e) Hipóxia. 30. O enfermeiro ao atender uma emergência psiquiátrica, que é um distúrbio que torna o paciente incapaz de lidar com as situações da vida e com os relacionamentos interpessoais. Nessas situações é correto afirmar que: a) Deve-se obter prontamente o controle da situação. b) O paciente deve ficar sozinho em alguns momentos, até que torne a consciência do que está ocorrendo. c) Deve-se evitar chamá-lo pelo nome ou qualquer frase que contenha dados verdadeiros. d) Em qualquer situação, o paciente sempre deverá ser contido. e) Nunca ouvir o paciente e nem os seus delírios. 31. As reações anafiláticas que são provenientes de picadas de insetos ou de medicamentos apresentam uma variedade de manifestações clínicas, que algumas necessitam de intervenção imediata. Assinale a alternativa que contém essa manifestação: a) Digestivas. b) Reações sistêmicas. c) Cutâneas. d) Respiratórias. e) Cardiovasculares. 32. Qual das alternativas representa uma intervenção de enfermagem a um paciente com assistência ventilatória mecânica na sala de emergência: a) Manter capnógrafo ligado a rede de vácuo e aspirar secreções pulmonares com o objetivo de ventilar melhor o paciente. b) Monitorar traçado eletrocardiográfico, verificar sinais vitais, avaliar coloração de pele e mucosas, com o intuito de detectar arritmias cardíacas, alterações hemodinâmicas e sinais de hipóxia. c) Monitorar frequência respiratória e nunca realizar aspiração endotraqueal, pois esse procedimento será realizado na unidade de terapia intensiva. d) Manter água nas extensões com o intuito de umidificar o oxigênio inalado. e) Sempre aspirar o paciente, mesmo que não necessite, com o objetivo de ventilá-lo melhor. 33. Pacientes politraumatizados podem evoluir para o estado do choque. Qual a causa mais frequente de choque nesses pacientes: a) Infarto agudo do miocárdio. b) Pneumotórax hiperdinâmico. c) Hipovolemia. d) Síndrome comportamental difusa. e) Hipoxemia. 34. Em uma drenagem torácica na sala de emergência, o enfermeiro deverá tomar alguns cuidados, exceto: a) Elevar o frasco do dreno acima do nível do pulmão, sempre que necessitar transportar esse paciente. b) Trocar diariamente o frasco coletor evitando possíveis infecções do sistema e da água. c) Nunca pinçar o sistema de drenagem durante a locomoção do paciente. d) Não trocar o nível de água (selo d água), durante as primeiras 48 horas de drenagem. e) Observar e registrar o aspecto e volume da drenagem, a oscilação do nível de água do frasco coletor, o orifício de inserção do dreno torácico e a presença de edema subcutâneo próximo ao local de inserção do dreno. 35. Ao prestar um atendimento a uma criança com quadro de desidratação e que a mãe relata que o mesmo apresenta diarreia há mais de uma semana. A intervenção de enfermagem mais indicada neste caso é: a) Punção de veia calibrosa. b) Verificação dos sinais vitais. c) Hidratação da pele e mucosas. d) Cateterismo vesical de alívio. e) Passar sonda nasoenteral. 36. Com relação a ventilação por via aérea avançada para os profissionais de saúde, que relata a nova diretriz da American Heart Association Marque a alternativa incorreta: a) Deverá ser realizada 1 ventilação a cada 6 a 8 segundos. b) Realizar de 8 a 10 ventilações/minuto. c) Cerca de 1 segundo por ventilação. d) Elevação visível do tórax. e) A ventilação deverá ser sincrônica com as compressões torácicas.

6 37. Quando um enfermeiro executa um procedimento sem conhecimento técnico científico, está expondo o paciente a danos decorrentes de: a) Omissão. b) Imperícia. c) Dolo. d) Imprudência. e) Indisciplina. c) Extensão dos membros e pronação lateral dos punhos e das mãos. d) Flexão dos MMSS, bradicardia e bradipnéia. e) Extensão dos membros, bradicardia e vômito em jato. 38. De acordo com as penalidades impostas pelos Conselhos Federal e Regional de Enfermagem, é correto afirmar: a) A advertência verbal consiste na admoestação ao infrator, de forma reservada, que será registrada no Prontuário do mesmo, na presença de duas testemunhas. b) A multa consiste na obrigatoriedade de pagamento de 01 (um) a 15 (quinze) vezes o valor da anuidade da categoria profissional à qual pertence o infrator, em vigor no ato do pagamento. c) A censura consiste em repreensão que será divulgada nas publicações não oficiais dos Conselhos Federal e Regional de Enfermagem e em jornais de pequena circulação. d) A suspensão consiste na proibição do exercício profissional da Enfermagem por um período não superior a 30 (trinta) dias e serão divulgados nas publicações oficiais dos Conselhos Federal e Regional de Enfermagem, jornais de grande circulação e comunicada aos órgãos empregadores. e) A cassação consiste na perda do direito ao exercício temporário da Enfermagem e será divulgada nas publicações dos Conselhos Federal e Regional de Enfermagem e em jornais de pequena circulação. 39. Antes de introduzir a agulha no frasco-ampola, a tampa de borracha deve ser limpa com o seguinte produto: a) Álcool-iodado. b) Éter. c) PVPI. d) Água destilada. e) Álcool a 70%. 40. A descerebração é um sinal encontrado em pacientes com lesões neurológicas, caracterizada por: a) Flexão dos MMSS, hipertensão, bradicardia e vômito em jato. b) Flexão dos MMSS e extensão e rotação interna dos MMII.

Empresa Organizadora do Concurso Público da Prefeitura Municipal de Rio Tinto/PB PROVA PARA O CARGO DE AGENTE ADMINISTRATIVO

Empresa Organizadora do Concurso Público da Prefeitura Municipal de Rio Tinto/PB PROVA PARA O CARGO DE AGENTE ADMINISTRATIVO Empresa Organizadora do Concurso Público da Prefeitura Municipal de Rio Tinto/PB PROVA PARA O CARGO DE AGENTE ADMINISTRATIVO PORTUGUÊS Leia o texto adiante transcrito e, em seguida, responda às questões

Leia mais

PROVA PARA O CARGO DE ASSISTENTE SOCIAL

PROVA PARA O CARGO DE ASSISTENTE SOCIAL Empresa Organizadora do Concurso Público da Prefeitura Municipal de Rio Tinto/PB PROVA PARA O CARGO DE ASSISTENTE SOCIAL PORTUGUÊS Leia o texto adiante transcrito e, em seguida, responda às questões a

Leia mais

Empresa Organizadora do Concurso Público da Prefeitura Municipal de Rio Tinto/PB PROVA PARA O CARGO DE FISIOTERAPEUTA

Empresa Organizadora do Concurso Público da Prefeitura Municipal de Rio Tinto/PB PROVA PARA O CARGO DE FISIOTERAPEUTA Empresa Organizadora do Concurso Público da Prefeitura Municipal de Rio Tinto/PB PROVA PARA O CARGO DE FISIOTERAPEUTA PORTUGUÊS Leia o texto adiante transcrito e, em seguida, responda às questões a ele

Leia mais

Empresa Organizadora do Concurso Público da Prefeitura Municipal de Rio Tinto/PB PROVA PARA O CARGO DE NUTRICIONISTA

Empresa Organizadora do Concurso Público da Prefeitura Municipal de Rio Tinto/PB PROVA PARA O CARGO DE NUTRICIONISTA Empresa Organizadora do Concurso Público da Prefeitura Municipal de Rio Tinto/PB PROVA PARA O CARGO DE NUTRICIONISTA PORTUGUÊS Leia o texto adiante transcrito e, em seguida, responda às questões a ele

Leia mais

Empresa Organizadora do Concurso Público da Prefeitura Municipal de Rio Tinto/PB PROVA PARA O CARGO DE PSICÓLOGO

Empresa Organizadora do Concurso Público da Prefeitura Municipal de Rio Tinto/PB PROVA PARA O CARGO DE PSICÓLOGO Empresa Organizadora do Concurso Público da Prefeitura Municipal de Rio Tinto/PB PROVA PARA O CARGO DE PSICÓLOGO PORTUGUÊS Leia o texto adiante transcrito e, em seguida, responda às questões a ele referentes:

Leia mais

PROVA PARA O CARGO DE MÉDICO PLANTONISTA

PROVA PARA O CARGO DE MÉDICO PLANTONISTA Empresa Organizadora do Concurso Público da Prefeitura Municipal de Rio Tinto/PB PROVA PARA O CARGO DE MÉDICO PLANTONISTA PORTUGUÊS Leia o texto adiante transcrito e, em seguida, responda às questões a

Leia mais

Empresa Organizadora do Concurso Público da Prefeitura Municipal de Rio Tinto/PB PROVA PARA O CARGO DE ADVOGADO

Empresa Organizadora do Concurso Público da Prefeitura Municipal de Rio Tinto/PB PROVA PARA O CARGO DE ADVOGADO Empresa Organizadora do Concurso Público da Prefeitura Municipal de Rio Tinto/PB PROVA PARA O CARGO DE ADVOGADO PORTUGUÊS Leia o texto adiante transcrito e, em seguida, responda às questões a ele referentes:

Leia mais

PROVA PARA O CARGO DE ENFERMEIRO DO HOSPITAL

PROVA PARA O CARGO DE ENFERMEIRO DO HOSPITAL Empresa Organizadora do Concurso Público da Prefeitura Municipal de Rio Tinto/PB PROVA PARA O CARGO DE ENFERMEIRO DO HOSPITAL PORTUGUÊS Leia o texto adiante transcrito e, em seguida, responda às questões

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Especialização Profissional Técnica

Leia mais

PROVA PARA O CARGO DE ODONTÓLOGO

PROVA PARA O CARGO DE ODONTÓLOGO Empresa Organizadora do Concurso Público da Prefeitura Municipal de Rio Tinto/PB PROVA PARA O CARGO DE ODONTÓLOGO PORTUGUÊS Leia o texto adiante transcrito e, em seguida, responda às questões a ele referentes:

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM HOSPITALAR Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM Chefia do Serviço de Enfermagem Supervisor de Enfermagem Enfermeiro Encarregado de Unidade/Setor Enfermeiros em Unidade de Terapia Intensiva

Leia mais

ELABORADORES. Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral. Robson Batista Coordenação Administrativa

ELABORADORES. Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral. Robson Batista Coordenação Administrativa ELABORADORES Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral Robson Batista Coordenação Administrativa Fabrícia Passos Pinto Coordenação de Enfermagem José Luiz Oliveira Araújo Júnior Coordenador Médico

Leia mais

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP)

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) É parada súbita e inesperada da atividade mecânica ventricular útil e suficiente

Leia mais

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA Policial BM Espínola LEMBRE-SE Antes de administrar cuidados de emergência, é preciso garantir condições de SEGURANÇA primeiramente

Leia mais

Hugo Fragoso Estevam

Hugo Fragoso Estevam Hugo Fragoso Estevam PALS Suporte Avançado de Vida Pediátrico Objetivos 1. Entender as diferenças de manifestação das causas de parada cardiorrespiratória nas crianças em relação aos adultos. 2. Compreender

Leia mais

Aspectos Legais em APH

Aspectos Legais em APH Aspectos Legais em APH Aspectos Legais em APH Resolução COFEN 375/2011 Dispõe sobre a presença do Enfermeiro no Atendimento Pré-Hospitalar e Inter- Hospitalar, em situações de risco conhecido ou desconhecido.

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA Curso de Extensão ASSISTÊNCIA AO PACIENTE GRAVE PARA TÉCNICOS EM ENFERMAGEM PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA Docentes: Thiago Christel Truppel, Adriano Yoshio Shimbo, Giulianno Tkaczuk de Souza, Cleberson Ribeiro

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Gestos que Salvam Vidas..

Gestos que Salvam Vidas.. Gestos que Salvam Vidas.. O que é o SBV (suporte básico de vida)? Conjunto de medidas utilizadas para restabelecer a vida de uma vitima em paragem cardio-respiratória. Com o objectivo de recuperar a vitima

Leia mais

VIAS AÉREAS. Obstrução por corpo estranho SIATE - SERVIÇO INTEGRADO DE ATENDIMENTO AO TRAUMA EM EMERGÊNCIA

VIAS AÉREAS. Obstrução por corpo estranho SIATE - SERVIÇO INTEGRADO DE ATENDIMENTO AO TRAUMA EM EMERGÊNCIA VIAS AÉREAS Obstrução por corpo estranho SIATE - SERVIÇO INTEGRADO DE ATENDIMENTO AO TRAUMA EM EMERGÊNCIA OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS POR CORPO ESTRANHO PERDA DE CONSCIÊNCIA PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA RECONHECIMENTO

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA Autarquia Federal criada pela Lei Nº 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA Autarquia Federal criada pela Lei Nº 5.905/73 PARECER COREN/SC Nº 015/CT/2013 Assunto: Solicitação de Parecer Técnico acerca da realização de punção intraóssea por Enfermeiro. I - Do Fato Solicitado Parecer Técnico sobre a Câmara Técnica do Coren/SC,

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 88 Município: Garça Eixo Tecnológico: Segurança Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho Qualificação:

Leia mais

Recebimento de pacientes na SRPA

Recebimento de pacientes na SRPA CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E Recebimento de pacientes na SRPA O circulante do CC conduz o paciente para a SRPA; 1.Após a chegada do paciente

Leia mais

Sonhar. ...Desistir dos sonhos é abrir mão da felicidade porque quem não persegue seus objetivos está condenado a fracassar 100% das vezes...

Sonhar. ...Desistir dos sonhos é abrir mão da felicidade porque quem não persegue seus objetivos está condenado a fracassar 100% das vezes... Enfa. Adriana Monteiro 10/09/2015 Sonhar...Desistir dos sonhos é abrir mão da felicidade porque quem não persegue seus objetivos está condenado a fracassar 100% das vezes... Augusto Cury O Resgate Aquático

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: : PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional:Técnico em enfermagem Qualificação:

Leia mais

Informações sobre anestesia

Informações sobre anestesia Informações sobre anestesia Estamos fornecendo este documento para ajudar os pacientes que serão submetidos a anestesia, para melhor entendimento do processo. Leia-o cuidadosamente e entenda o conteúdo.

Leia mais

Diretrizes de reanimação cardiopulmonar

Diretrizes de reanimação cardiopulmonar Enf: Karin Scheffel Diretrizes de reanimação cardiopulmonar Atendimento inicial suporte básico (BLS) ou suporte primário Atendimento avançado ACLS (Circulation. 2010;122[suppl 3]:S787 S817.) http://circ.ahajournals.org/content/122/18_suppl_3/s787.full

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Necessidades humanas básicas: oxigenação Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Revisão Revisão O Fatores que afetam a oxigenação Fisiológicos; Desenvolvimento; Estilo de vida; Ambiental. Fisiológicos

Leia mais

APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA

APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA Dra. Maria Beatriz Silveira Schmitt Silva Coordenadora do SAMU do Vale do Itajaí Coordenadora Médica do SOS Unimed Blumenau Setembro/2010 Revisado em Fevereiro

Leia mais

PLANO INSTRUCIONAL. Carga Horária 1:00

PLANO INSTRUCIONAL. Carga Horária 1:00 PLANO INSTRUCIONAL Ação/Atividade: PROMOÇÃO SOCIAL/ PRIMEIROS SOCORROS Carga Horária: 20 HORAS Nº MÍNIMO DE PESSOAS: 12 PESSOAS Nº MÁXIMO: 15 PESSOAS IDADE MINIMA: 16 ANOS Objetivo Geral: PROPORCIONAR

Leia mais

Grupamento de Socorro de Emergência Dr Sidney Franklin

Grupamento de Socorro de Emergência Dr Sidney Franklin Grupamento de Socorro de Emergência Dr Sidney Franklin Conceito Básico do Pré-Hospitalar O tratamento definitivo é hospitalar Redução do tempo na cena < 10 m. Estabilização do quadro clínico Redução da

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 QUESTÃO 31 Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, obedecendo ao Quadro II da NR- 4, subitem 4.4, com redação dada pela Portaria nº

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Saúde Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Enfermagem

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 44

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 44 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 44 QUESTÃO 17 O SUS institui uma política pública de saúde que visa à integralidade, à universalidade, ao aumento da eqüidade e à incorporação de novas tecnologias

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Saúde e segurança do trabalho. Componente Curricular: Suporte Emergencial

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

ENFERMAGEM. Assinale a alternativa correta: a) V, F, V, V b) F, V, V, F c) F, F, F, V d) V, V, F, F

ENFERMAGEM. Assinale a alternativa correta: a) V, F, V, V b) F, V, V, F c) F, F, F, V d) V, V, F, F ENFERMAGEM 01. URCA/2011.2 Sobre, Florence Nightingale a qual exerceu papel fundamental na História da Enfermagem, marque a alternativa correta. a) Nasceu no dia 12 de maio de 1820 na Inglaterra, onde

Leia mais

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA PARECER COREN/SC Nº 026/CT/2015/PT Assunto: Atendimento pré-hospitalar de provável óbito pelo técnico de enfermagem orientador pelo médico regulador. I - Do Fato Trata-se de expediente encaminhado ao Coren/SC,

Leia mais

maleato de timolol Solução oftálmica 0,5% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

maleato de timolol Solução oftálmica 0,5% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE maleato de timolol Solução oftálmica 0,5% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO maleato de timolol 0,5% Medicamento genérico Lei nº 9.787 de 1999

Leia mais

[208] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO

[208] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO [208] p r o t o c o l o s d a s u n i d a d e s d e p r o n t o a t e n d i m e n t o 2 4 h o r a s Imobilizar manualmente a cabeça e pescoço até a vítima estar fixada em dispositivo imobilizador. Estar

Leia mais

- CURSO PRIMEIROS SOCORROS -

- CURSO PRIMEIROS SOCORROS - - CURSO PRIMEIROS SOCORROS - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). FRATURAS

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Inicie a disciplina apresentando o objetivo geral e os específicos para esta aula que estão no Plano de Aula Teórica da disciplina de Primeiros

Inicie a disciplina apresentando o objetivo geral e os específicos para esta aula que estão no Plano de Aula Teórica da disciplina de Primeiros Inicie a disciplina apresentando o objetivo geral e os específicos para esta aula que estão no Plano de Aula Teórica da disciplina de Primeiros Socorros 1, neste material. 93 Para iniciar uma discussão

Leia mais

Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005

Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005 Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005 Atividades Administrativas 1. Consultoria I 2. Assessoria I 3. Auditoria I 4. Planejamento I 5. Supervisão I Livre negociação entre as partes a partir de 72,31

Leia mais

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL As doenças do coração são muito freqüentes em pacientes com insuficiência renal. Assim, um cuidado especial deve ser tomado, principalmente, na prevenção e no controle

Leia mais

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc 1 TRM Traumatismo Raqui- Medular Lesão Traumática da raqui(coluna) e medula espinal resultando algum grau de comprometimento temporário ou

Leia mais

As cirurgias cardíacas são acontecimentos recentes;

As cirurgias cardíacas são acontecimentos recentes; CIRURGIAS CARDÍACAS CIRURGIA CARDÍACA As cirurgias cardíacas são acontecimentos recentes; Na Europa e Brasil, até fins do século XIX não eram realizados procedimentos cirúrgicos na cardiologia; Com o avanço

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 02

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 02 Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU Nota Técnica nº 02 CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS E ROTINAS PARA TRANSPORTE DE PACIENTES DE ALTO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS EMERGÊNCIAS MÉDICAS E REMOÇÃO

CONDIÇÕES GERAIS EMERGÊNCIAS MÉDICAS E REMOÇÃO CONDIÇÕES GERAIS EMERGÊNCIAS MÉDICAS E REMOÇÃO Através do presente instrumento ficam estabelecidas as condições gerais do regulamento SOS emergências médicas, serviço disponibilizado pela CASUFES e que

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO 98 IABAS Relatório de Gestão Rio de Janeiro 2010/2011/2012 PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO 1 Curso de educação continuada em odontologia Abordagem terapêutica dos pacientes com traumatismo

Leia mais

Pronto Atendimento no Esporte

Pronto Atendimento no Esporte Centro de Treinamento Autorizado Pronto Atendimento no Esporte Artur Padão Gosling Obter ajuda qualificada Preservar a vida PRIMEIRO ATENDIMENTO Funções do Socorrista Minimizar a dor e o agravamento das

Leia mais

Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S).

Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S). Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho Público-Alvo Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S). OBJECTIVOS Formação direccionada para cumprimento da legislação em matéria de higiene,

Leia mais

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO Protocolo: Nº 46 Elaborado por: Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Última revisão: 03//2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Samantha Vieira Eduardo Gonçalves PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA

Leia mais

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA Yuri Andrade Souza Serviço de Neurocirurgia Hospital São Rafael Hospital Português INTRODUÇÃO Lesão primária x lesão secundária Atendimento inicial Quando

Leia mais

CONTRATO OPCIONAL DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO AEROMÉDICO DO OBJETO

CONTRATO OPCIONAL DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO AEROMÉDICO DO OBJETO CONTRATO OPCIONAL DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO AEROMÉDICO DO OBJETO CLÁUSULA PRIMEIRA 1.1. O objeto do presente contrato é a prestação de serviços de transporte aeromédico aos beneficiários do Contrato de Plano

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS Acionamento do serviço de emergência Antes de iniciar qualquer procedimento, garanta sua segurança e acione o serviço de emergência. 193 192 Fonte:

Leia mais

Punção Venosa Periférica CONCEITO

Punção Venosa Periférica CONCEITO Punção Venosa Periférica CONCEITO É a criação de um acesso venoso periférico a fim de administrar soluções ou drogas diretamente na corrente sanguínea, para se obter uma ação imediata do medicamento. Preparar

Leia mais

CONCEITO. É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão

CONCEITO. É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão DRENOS CONCEITO É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão ou podem estar ali presentes. OBJETIVOS DOS DRENOS Permitem

Leia mais

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso Dr. José Luiz Cardoso CARACTERÍSTICAS DA CRIANÇA A CRIANÇA NÃO É UM ADULTO EM MINIATURA O nariz é responsável por 50 % da resistência das vias aéreas Obstrução nasal conduz a insuficiência respiratória

Leia mais

Oxigenoterapia Não invasiva

Oxigenoterapia Não invasiva Oxigenoterapia Não invasiva Definição Consiste na administração de oxigênio numa concentração de pressão superior à encontrada na atmosfera ambiental para corrigir e atenuar deficiência de oxigênio ou

Leia mais

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE 1 de 6 335547222 5 RESULTADO ESPERADO: 335547222 Ajudar a garantir que as equipes cirúrgicas sigam de forma consistente algumas medidas de segurança críticas. Espera-se que dessa forma os riscos mais comuns

Leia mais

Primeiros Socorros Volume III

Primeiros Socorros Volume III Manual Primeiros Socorros Volume III um Manual de Agosto de 2008 Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright, todos os direitos reservados. Este Manualnão pode

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

PROGRAMAS DAS PROVAS NÍVEL E

PROGRAMAS DAS PROVAS NÍVEL E PARA TODOS OS CARGOS: PORTUGUÊS: 1. Compreensão de textos informativos e argumentativos e de textos de ordem prática (ordens de serviço, instruções, cartas e ofícios). 2. Domínio da norma do português

Leia mais

Código: ENFDIG Disciplina: DIDÁTICA GERAL Fase: 5ª Grade curricular: 2000 Pré-requisitos: Psicologia da Educação DESCRIÇÃO DO PROGRAMA:

Código: ENFDIG Disciplina: DIDÁTICA GERAL Fase: 5ª Grade curricular: 2000 Pré-requisitos: Psicologia da Educação DESCRIÇÃO DO PROGRAMA: 21cir FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecimento: Portaria nº 604, de 31 de maio de 1995 E-mail: denf@unir.br Campus Porto Velho/RO. BR 364,

Leia mais

Administração de Medicamentos. Professora Daniele Domingues dani.dominguess@gmail.com

Administração de Medicamentos. Professora Daniele Domingues dani.dominguess@gmail.com Professora Daniele Domingues dani.dominguess@gmail.com FATORES QUE DETERMINAM A ESCOLHA VIA Tipo de ação desejada Rapidez de ação desejada Natureza do medicamento CLASSIFICAÇÃO Enterais Parenterais Tópica

Leia mais

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias O que é hemoglobina É a proteína do sangue responsável em carregar o oxigênio para os tecidos Qual é a hemoglobina normal? FA recém-nascido AA

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA REANIMAÇÃO CÁRDIO RESPIRATÓRIA NO ADULTO Enf. KEYLA CRISTIANE DO NASCIMENTO Dr. MARIO COUTINHO GRAU DE URGÊNCIA A Parada Cárdio-Respiratória (PCR) é uma urgência

Leia mais

O que Fazer em Uma Emergência

O que Fazer em Uma Emergência O que Fazer em Uma Emergência Primeiros Socorros e Emergências Aquáticas Dr David Szpilman Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro Maj BM QOS David Szpilman Em qualquer emergência procure

Leia mais

CURSO DE HABILIDADES PRÁTICAS EM MEDICINA INTENSIVA 8 e 9 de agosto de 2014 03 e 04 de outubro de 2014

CURSO DE HABILIDADES PRÁTICAS EM MEDICINA INTENSIVA 8 e 9 de agosto de 2014 03 e 04 de outubro de 2014 CURSO DE HABILIDADES PRÁTICAS EM MEDICINA INTENSIVA 8 e 9 de agosto de 2014 03 e 04 de outubro de 2014 Coordenação Dr. Luciano Cesar Pontes Azevedo Doutor em medicina pela Universidade de São Paulo - USP

Leia mais

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Situação Epidemiológica O Brasil é responsável por 75% dos casos de dengue na América Latina A partir de 2002, houve grande aumento de casos de dengue e das

Leia mais

Introdução SUCESSO vs. TEMPO

Introdução SUCESSO vs. TEMPO Pedro Bettencourt Formador de Socorrismo; Formação em Gestão de Catástrofes; Membro E.E.R.T. (Equipa de resposta e Intervenção de Urgência da CEDEAO); Formação em Sistemas de Comunicação ( Utilização do

Leia mais

O que fazemos com o que ouvimos? Danos auditivos para uma sociedade contemporânea

O que fazemos com o que ouvimos? Danos auditivos para uma sociedade contemporânea O que fazemos com o que ouvimos? Danos auditivos para uma sociedade contemporânea Ms Andréa Carla Lima Coelho Fgª Coordenadora do Núcleo de Acessibilidade e Profª nos Cursos da Escola de Saúde e Educação

Leia mais

Maria da Conceição M. Ribeiro

Maria da Conceição M. Ribeiro Maria da Conceição M. Ribeiro Segundo dados do IBGE, a hérnia de disco atinge 5,4 milhões de brasileiros. O problema é consequência do desgaste da estrutura entre as vértebras que, na prática, funcionam

Leia mais

CAPÍTULO 28 CATÁSTROFES OU ACIDENTES COM MULTIPLAS VÍTIMAS

CAPÍTULO 28 CATÁSTROFES OU ACIDENTES COM MULTIPLAS VÍTIMAS CAPÍTULO 28 CATÁSTROFES OU ACIDENTES COM MULTIPLAS VÍTIMAS 1. Introdução Pela Organização Mundial de Saúde, catástrofe é um fenômeno ecológico súbito de magnitude suficiente para necessitar de ajuda externa.

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS. Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS. Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian SISTEMA HEMATOLÓGICO ATUAÇÃO DE ENFERMAGEM NO PROCESSO DE DOAÇÃO E TRANSFUSÃO SANGUÍNEA SEMINÁRIO ALUNOS DO 4º SEMESTRE

Leia mais

A ser preenchido pelo Passageiro ou Responsável Legal. Responder TODAS as questões Preencher com LETRA DE FORMA LEGÍVEL ou DIGITAÇÃO.

A ser preenchido pelo Passageiro ou Responsável Legal. Responder TODAS as questões Preencher com LETRA DE FORMA LEGÍVEL ou DIGITAÇÃO. FORMULÁRIO - Cuidados com Passageiros MEDIF- Formulário de Informações Médicas para viagens aéreas Folha de informações para passageiros que requeiram Assistência Especial Por favor, envie este formulário

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DE ENFERMAGEM 08 DE NOVEMBRO DE 2009... (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES

Leia mais

Protocolo de Monitorização Neurológica

Protocolo de Monitorização Neurológica Cuidados Intensivos de Enfermagem no Paciente Vítima de Trauma Elaine Morais Gerente de Unidades de Terapia Intensiva Unidade São Joaquim Protocolo de Monitorização Neurológica Investigação neurológica:

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. RECURSOS HUMANOS - PH/PHA Data: 28/03/2000 PESSOAS: NOSSA MELHOR ENERGIA

PRIMEIROS SOCORROS. RECURSOS HUMANOS - PH/PHA Data: 28/03/2000 PESSOAS: NOSSA MELHOR ENERGIA PRIMEIROS SOCORROS CONCEITO TRATAMENTO IMEDIATO E PROVISÓRIO CARACTERÍSTICAS DO SOCORRISTA CONHECIMENTO INICATIVA CONFIANÇA CRIATIVIDADE CALMA SOLIDARIEDADE ESTADO DE CHOQUE HIPOTENSÃO COM ACENTUADA BAIXA

Leia mais

ROTINAS E TÉCNICAS DE ENFERMAGEM Relação de POPs

ROTINAS E TÉCNICAS DE ENFERMAGEM Relação de POPs ROTINAS E TÉCNICAS DE ENFERMAGEM Relação de POPs AFERIÇÕES 21.001 Aferição da Altura Corporal Pacientes acima de 2 anos 21.002 da Frequência Respiratória 21.003 de Peso Corporal Pacientes acima de 2 anos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: Rodrigues de Abreu Código: 135 Município: Bauru Eixo Tecnológico: Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM SEGURNAÇA

Leia mais

Tabela de Honorários para Prestação de Serviços de Enfermagem ATIVIDADES AÇÕES DESENVOLVIDAS QUADRO VALOR ATUAL

Tabela de Honorários para Prestação de Serviços de Enfermagem ATIVIDADES AÇÕES DESENVOLVIDAS QUADRO VALOR ATUAL Tabela de Honorários para Prestação de Serviços de Enfermagem ATIVIDADES AÇÕES DESENVOLVIDAS QUADRO VALOR ATUAL 1. Consultoria I 2. Assessoria I Livre ADMINISTRATIVAS 3. Auditoria I manifestação 4. Planejamento

Leia mais

USO INTRATRAQUEAL OU INTRABRONQUIAL EM AMBIENTE HOSPITALAR

USO INTRATRAQUEAL OU INTRABRONQUIAL EM AMBIENTE HOSPITALAR IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Curosurf alfaporactanto (fração fosfolipídica de pulmão porcino) Surfactante de origem porcina. APRESENTAÇÕES Suspensão estéril disponibilizada em frasco-ampola de dose unitária.

Leia mais

QUEIMADURAS. Profª Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com

QUEIMADURAS. Profª Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com QUEIMADURAS Profª Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Problemática da queimadura no Brasil São lesões frequentes em acidentes de trabalho. Considera-se a quarta causa de óbitos

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO RETIFICAÇÃO AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 01/2014

CONCURSO PÚBLICO RETIFICAÇÃO AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 01/2014 CONCURSO PÚBLICO RETIFICAÇÃO AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 01/2014 Dispõe sobre a retificação do edital de abertura de inscrições para o provimento de cargo público do Quadro Permanente de Pessoal do

Leia mais

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando:

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando: PORTARIA Nº 3.432/MS/GM, DE 12 DE AGOSTO DE 1998 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando: a importância na assistência das unidades que realizam tratamento intensivo

Leia mais

COMA. Recuperação da Consciência. Morte Encefálica

COMA. Recuperação da Consciência. Morte Encefálica Avaliação do Paciente Neurológico Dra. Viviane Cordeiro Veiga Unidades de Terapia Intensiva Neurológica Hospital Beneficência Portuguesa Alterações do nível de consciência Sonolência: indivíduos que despertam

Leia mais

Doenças do Sistema Circulatório

Doenças do Sistema Circulatório Doenças do Sistema Circulatório Dados Mundiais: Mortes por grupos de causas - 2000 Total de Mortes: 55.694.000 Causas Externas ( 9.1%) Doenças Não Transmissíveis (59.0%) Doenças transmissíveis, mortalidade

Leia mais

ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS

ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS Protocolo: Nº 81 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 06/09/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS DEFINIÇÃO: Animais peçonhentos são animais que

Leia mais

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano.

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano. Introdução O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e constituem necessidades básicas do ser humano. Movimentação do paciente Para que o paciente se sinta confortável

Leia mais