A INSERÇÃO BRASILEIRA NO MERCADO INTERNACIONAL DE PRODUTOS LÁCTEOS: EVOLUÇÃO E PERSPECTIVAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A INSERÇÃO BRASILEIRA NO MERCADO INTERNACIONAL DE PRODUTOS LÁCTEOS: EVOLUÇÃO E PERSPECTIVAS"

Transcrição

1 POLLYANNA CARDOSO PEREIRA A INSERÇÃO BRASILEIRA NO MERCADO INTERNACIONAL DE PRODUTOS LÁCTEOS: EVOLUÇÃO E PERSPECTIVAS Tese apresentada à Universidade Federal de Viçosa, como parte das exigências do Programa de Pós- Graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentos, para obtenção do título de Doctor Scientiae. VIÇOSA MINAS GERAIS BRASIL 2008

2 POLLYANNA CARDOSO PEREIRA A INSERÇÃO BRASILEIRA NO MERCADO INTERNACIONAL DE PRODUTOS LÁCTEOS: EVOLUÇÃO E PERSPECTIVAS Tese apresentada à Universidade Federal de Viçosa, como parte das exigências do Programa de Pós- Graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentos, para obtenção do título de Doctor Scientiae. APROVADA: 12 de dezembro de Antônio Fernandes de Carvalho Kennya Beatriz Siqueira Orlando Monteiro da Silva Co-orientador Sebastião Teixeira Gomes Co-orientador Cláudio Furtado Soares Orientador

3 A meus pais, Cil Farney e Eliete, A minha irmã Tatiana e ao meu irmão Rômulo, Ao meu esposo Maurício, pelo carinho, companheirismo e amor, A toda a minha família e amigos, pela força e incentivo, A Deus, acima de todas as coisas, dedico o presente trabalho. ii

4 AGRADECIMENTOS Completar mais esta etapa da minha carreira acadêmica foi de fato uma grande conquista. No entanto, hoje vejo mais claramente que o processo de amadurecimento está apenas começando. Ver a vida e os acontecimentos que ela nos traz com uma visão mais distante, menos precipitada e ansiosa, sabendo analisar os fatos e discernir entre as melhores alternativas é uma habilidade que só desenvolvemos com o tempo, a disciplina e a experiência. Muitas pessoas fizeram parte desta conquista. Meus avós, já falecidos, que despertaram em mim desde a infância a busca pelo conhecimento. Meus pais, que me ofereceram tudo para eu chegar até aqui. Meu esposo Maurício, que me acompanhou em todos os momentos com muita paciência e disponibilidade para me auxiliar. Meus tios e tias, primos e primas, que sempre me incentivaram e apoiaram minha iniciativa de estudar em outra cidade, em especial minha tia Ocácia e meu tio Albaney. Ao professor Cláudio Furtado Soares, pela orientação, confiança, sincera amizade e auxílio na realização deste trabalho. Ao professor Orlando Monteiro da Silva, pela co-orientação, ensinamentos e valiosa contribuição na realização deste trabalho. Aos professores Sebastião Teixeira Gomes e Sebastião César Cardoso Brandão, pelas sugestões de trabalho. À direção e aos amigos da Escola Agrotécnica Federal de Santa Teresa-ES, pelo auxílio e incentivo. A todos os companheiros do Departamento de Tecnologia de Alimentos Geralda, Vaninha, João Tomás, Luiz Fernando, Cláudia, Suzana, Elvira, pela amizade. Às empresas que participaram deste trabalho, pela valiosa contribuição e disponibilidade. iii

5 À Universidade Federal de Viçosa e ao Departamento de Tecnologia de Alimentos. À Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Capes, pelo suporte financeiro. A todos aqueles que direta ou indiretamente contribuíram para a realização deste trabalho. iv

6 BIOGRAFIA POLLYANNA CARDOSO PEREIRA, filha de Cil Farney da Conceição Pereira e Eliete Silveira Cardoso Pereira, nasceu em Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais, em 16 de fevereiro de Graduou-se em Ciência e Tecnologia de Laticínios pela Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, Minas Gerais, em setembro de 2002, tendo iniciado, na mesma época, o Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentos, em nível de Mestrado, na Universidade Federal de Viçosa, submetendo-se à defesa de tese em julho de Em agosto de 2004, iniciou o Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentos, em nível de Doutorado, nesta mesma instituição, defendendo tese de doutorado em dezembro de Em julho de 2005, foi aprovada em concurso público para professor efetivo na Escola Agrotécnica Federal de Santa Teresa no Espírito Santo. v

7 ÍNDICE Página LISTA DE FIGURAS x LISTA DE TABELAS... xii RESUMO... xiv ABSTRACT... xvii INTRODUÇÃO GERAL 1 REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 6 Capítulo I: Panorama do Mercado Brasileiro e Mundial de Produtos 7 Lácteos INTRODUÇÃO Considerações iniciais sobre o mercado de lácteos OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos METODOLOGIA Coleta e análises dos dados RESULTADOS E DISCUSSÃO Panorama do setor lácteo brasileiro - aspectos econômicos e 9 institucionais Produção, produtividade e preços domésticos Produção e produtividade regionais Preços Melhoria da qualidade do leite A demanda de leite no Brasil Aspectos econômicos do mercado mundial de produtos lácteos Panorama das exportações e importações de produtos lácteos pelo 18 Brasil... vi

8 Tendências da produção mundial de leite O comércio internacional de lácteos Preços no mercado internacional CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 31 Capítulo II - Competitividade dos Produtos Lácteos Brasileiros no 34 Comércio Internacional ( ) INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos REFERENCIAL TEÓRICO Considerações sobre competitividade no comércio internacional Competitividade revelada METODOLOGIA Referencial analítico Modelo Constant- Market-Share (CMS) Vantagem comparativa revelada Fonte de dados Seleção dos produtos analisados Seleção dos mercados de destino Definição do período de análise RESULTADOS E DISCUSSÃO Fontes de crescimento das exportações do setor lácteo brasileiro Análise market-share e competitividade das exportações 49 brasileiras de produtos lácteos Período de 1996 a Período de 2000 a Período de 2003 a Indicadores de Vantagem Comparativa Revelada CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.. 63 Capítulo III - Avaliação das Barreiras Tarifárias e Não-Tarifárias às 67 Exportações de Produtos Lácteos do Brasil INTRODUÇÃO vii

9 3.2 OBJETIVOS REFERENCIAL TEÓRICO Políticas de proteção ao mercado internacional de lácteos Barreiras tarifárias e não-tarifárias: aspectos gerais Barreiras Técnicas Barreiras Sanitárias Normas de qualidade HACCP Barreiras Tarifárias METODOLOGIA Barreiras Não Tarifárias Dados Método Barreiras Tarifárias Dados Método RESULTADOS E DISCUSSÃO Notificações ao comércio de leite e derivados Análise de Inventário - Índices de Freqüência e Cobertura Barreiras Tarifárias CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Capítulo IV - Tendências e Perspectivas das Exportações Brasileiras de 110 Produtos Lácteos INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos REFERENCIAL TEÓRICO O comércio internacional Barreiras ao comércio protecionismo Considerações sobre a dinâmica do comércio exterior de produtos 115 lácteos do Brasil METODOLOGIA Modelo de pesquisa Fontes de dados e caracterização da amostra viii

10 Fontes de dados Caracterização da amostra Análises dos dados RESULTADOS E DISCUSSÃO Informações gerais das empresas Caracterização das exportações Barreiras técnicas e sanitárias Mudanças realizadas para adequação às exigências externas Levantamento dos eventos e períodos significativos Perspectivas para o setor lácteo brasileiro CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CONCLUSÕES GERAIS ANEXO I ANEXO II ix

11 LISTA DE FIGURAS 1 Produção brasileira de leite entre 1996 e Evolução dos preços pagos ao produtor rural no período de 2004 a 2008 (média de RS, SC, PR, SP, MG, GO e BA) Consumo de leite no Brasil ( ) Evolução da importação e exportação de produtos lácteos pelo Brasil em valores FOB, 1995 a Comércio mundial dos principais produtos lácteos de 1997 a 2006 (em mil toneladas em equivalente leite) Principais exportadores de produtos lácteos de 2004 a Preço dos principais produtos lácteos exportados de 2004 a Funcionamento de uma cota tarifária Evolução das notificações aos produtos do Capítulo 4, leite e derivados, no total mundial de 1995 a Participação dos requerimentos no total de notificações mundiais para os produtos do Capítulo 4, leite e derivados, 1995 a Evolução das notificações do Acordo SPS e do Acordo TBT para os produtos do Capítulo 4, leite e derivados, 1995 a Participação dos países selecionados no total de notificações para os produtos do Capítulo 4, leite e derivados, 1995 a Participação dos produtos lácteos selecionados nas notificações mundiais, 1995 a Objetivos das notificações mundiais ao Acordo SPS para os produtos lácteos selecionados, 1995 a Página 15 Participação de exportações de produtos lácteos no valor total exportado em 2008 (janeiro a julho) x

12 16 Participação dos produtos lácteos exportados no faturamento total das empresas Exigências dos países importadores Evolução da pauta de exportações xi

13 LISTA DE TABELAS Página 1 Evolução da produtividade da pecuária leiteira de Principais estados produtores de leite ( ) Produção de leite por continentes de 2004 a (milhões de toneladas 20 em equivalente leite)... 4 Produção de leite e derivados de 2006 a (milhões de toneladas em 22 equivalente leite)... 5 Importação e exportação de lácteos por continente de 2004 a (milhões de toneladas em equivalente leite)... 6 Principais participantes do comércio internacional de lácteos de 2004 a (milhões de toneladas em equivalente leite)... 7 Produção de leite e balança comercial I Período (1995 a 1999) Fontes de crescimento das exportações brasileiras de produtos lácteos Produção de leite e balança comercial II Período (2000 a 2002) Fontes de crescimento das exportações brasileiras de produtos lácteos de 2000 a Produção de leite e balança comercial III Período (2003 a 2007) Fontes de crescimento das exportações brasileiras de produtos lácteos de 2003 a Indicadores de vantagem comparativa revelada do setor lácteo brasileiro Balança comercial dos produtos lácteos brasileiros selecionados de1996 a 2007 (Valor FOB - US$ milhões) Balança comercial de produtos lácteos brasileiros selecionados de1996 a 2007 (milhões de Ton.) Relação entre os índices de freqüência e de cobertura Classificação da Proteção Tarifária pela Relação entre Média e Mediana Notificações ao Acordo TBT para os produtos lácteos selecionados, de acordo com as posições do SH, 1995 a xii

14 19 Índices de Freqüência e Cobertura apresentados pela África do Sul, Angola e Argélia, aos produtos lácteos exportados pelo Brasil, 1995 a Índices de Freqüência e Cobertura apresentados pelo Canadá, Estados Unidos, e Japão, aos produtos lácteos exportados pelo Brasil, 1995 a Índices de Freqüência e Cobertura apresentados pelos países Argentina, Bolívia, Chile e Cuba, aos produtos lácteos exportados pelo Brasil, 1995 a Índices de Freqüência e Cobertura apresentados pelos países Paraguai, Uruguai e Venezuela, aos produtos lácteos exportados pelo Brasil, 1995 a Tarifas prevalentes para os produtos do setor lácteo Incidência tarifária e principais países importadores de leite e derivados do Brasil (Posições do capítulo 4, seção I do SH) Estatística das tarifas dos países pertencentes à OMC para os produtos lácteos selecionados do Capítulo Dificuldades enfrentadas após iniciada a exportação Fatores estratégicos à competitividade no mercado internacional Fatores determinantes do sucesso nas exportações Fatores que interferem na exportação dos produtos lácteos brasileiros Ações prioritárias das empresas para aumentar a participação no mercado internacional Importância das BNTs na exportação de produtos lácteos Fatores que incidem sobre os produtos lácteos exportados pelas empresas entrevistadas Exigência de normas técnicas e sanitárias Adequações solicitadas pelos importadores Investimentos realizados pelas empresas em atendimento às exigências dos importadores Expectativas mercadológicas para os próximos 5 anos xiii

15 RESUMO PEREIRA, Pollyanna Cardoso, D.Sc., Universidade Federal de Viçosa, dezembro de A inserção brasileira no mercado internacional de produtos lácteos: evolução e perspectivas. Orientador: Cláudio Furtado Soares. Co-orientadores: Orlando Monteiro da Silva e Sebastião Teixeira Gomes. Ao longo das últimas décadas, a cadeia agroindustrial do leite vem sendo considerada uma das mais representativas do agronegócio brasileiro. O processo de abertura econômica iniciado na década de 1990 expôs o setor lácteo brasileiro à competição internacional. Com isso, iniciou-se o processo de reestruturação produtiva, no sentido de estimular a modernização e obter ganhos em competitividade. A produção leiteira nacional alcançou uma expansão de 85,4% entre os anos de 1990 a 2007, o que está proporcionando ao país deixar a posição de tradicional importador de leite e derivados para a posição de exportador de produtos lácteos. O excesso de leite tornou-se uma realidade no mercado brasileiro, mas por não ter desenvolvido o canal de comercialização o setor encontra dificuldades no escoamento dos produtos. As primeiras conseqüências já despontam comprometendo o desenvolvimento alcançado na última década e mostrando sinais de uma possível retração da produção. Outro fator de relevância neste contexto é a peculiaridade de o comércio mundial de lácteos ser concentrado e marcado pelas elevadas barreiras ao comércio, o que o torna ainda mais restrito, sobretudo para os países em desenvolvimento. O Brasil vem sendo apontado como grande fornecedor de leite e derivados para o mercado internacional nos próximos anos, e muitas são as indagações que vêm exigindo dos pesquisadores uma reposta à seguinte questão: a exportação é uma alternativa de comercialização viável para o escoamento do excedente de leite? Considerando a importância da cadeia agroindustrial do leite na economia brasileira, xiv

16 buscou-se inicialmente traçar o panorama do setor lácteo brasileiro e do setor mundial, visto que fatores internos e externos influenciam a competitividade das exportações brasileiras. Posteriormente, analisou-se o comportamento das exportações de produtos lácteos do Brasil em relação a seus principais concorrentes, no período de 1996 a 2007, apresentando a evolução das exportações, buscando compreender se o aumento das exportações de lácteos tem expressado (ou não) uma maior competitividade e com quais efeitos de desempenho ela se relaciona. Nessa análise, adotaram-se como metodologia o modelo de constant market share (CMS) e o indicador de vantagem comparativa revelada (VCR). Em seguida, caracterizaram-se as barreiras tarifárias e as barreiras não-tarifárias que incidem sobre os produtos lácteos, por constituírem o principal mecanismo de restrição ao comércio internacional. Nesta análise, avaliaram-se as notificações ao comércio por produto e mercados de origem e as principais barreiras comerciais impostas aos produtos lácteos pertencentes à pauta de exportações do Brasil, utilizando os coeficientes de freqüência e de cobertura. A seguir, foi analisado se o comércio exterior nas empresas do setor lácteo brasileiro, por meio da exportação, constitui uma alternativa atrativa de escoamento para o excedente de leite previsto, identificando-se as tendências e perspectivas para o setor nos próximos cinco anos. Esse estudo contou com a participação de 14 empresas produtoras e exportadoras de produtos lácteos brasileiros, responsáveis por mais de 85% das exportações brasileiras desses produtos. Os resultados demonstram que o crescimento da produção e da produtividade de leite nas regiões Centro-Oeste e Sul foram acompanhados de um maior nível de investimentos na construção de novas unidades industriais nessas regiões. A nível mundial, os pólos da produção de lácteos tendem a se concentrar nos países da Ásia, Oceania e América do Sul. A avaliação do desempenho do setor no comércio exterior, análise de constant market share, identificou que a competitividade foi fundamental para a expansão da exportação brasileira de produtos lácteos. De acordo com os resultados, houve aumento na concorrência entre o Brasil e seus principais concorrentes, os produtos brasileiros foram destinados a mercados com maior dinamismo, e o incremento da participação brasileira no comércio mundial foi proporcionado pelo aumento da competitividade. Este aumento é explicado por múltiplos fatores, como as novas tecnologias de produção, a melhoria da qualidade do leite, a modernização e a construção de novas unidades industriais, entre outros. A avaliação das notificações emitidas pelos mercados revelou que a maioria das barreiras não-tarifárias impostas às exportações brasileiras de produtos lácteos é de ordem técnica e sanitária e que os Estados Unidos e o Japão foram os principais países notificadores. As barreiras xv

17 tarifárias e não-tarifárias reduzem o valor das exportações dos produtos lácteos brasileiros e incidem principalmente em produtos de maior valor agregado. Na avaliação de tendências e expectativas do setor lácteo brasileiro pelas empresas produtoras e exportadoras, constatou-se que a exportação é uma alternativa de comercialização promissora, com expectativa de ampliação em 40% para os próximos dois anos. Contudo, para alcançar o crescimento projetado e uma maior inserção e competitividade no mercado internacional, o setor terá que desenvolver políticas consistentes de incentivo ao produtor rural e de investimentos para atender às exigências do mercado internacional. xvi

18 ABSTRACT PEREIRA, Pollyanna Cardoso, D.Sc., Universidade Federal de Viçosa, December, The Brazilian insertion in the international market of dairy products: evolution and perspectives. Adviser: Cláudio Furtado Soares. Co-adviseres: Orlando Monteiro da Silva and Sebastião Teixeira Gomes. Throughout the last decades, the agro-industrial milk chain has been considered one of the most representative in the Brazilian agribusiness. The process of economic opening started in the 1990 s exposed the Brazilian dairy industry to the international competition. From then on the productive restructuration process was started, willing to stimulate the modernization and competitiveness. The national dairy production reached an expansion of 85,4% from 1990 to 2007, which is allowing the country to leave the previous position of traditional importer of milk and dairy products, for the position of exporter of dairy products. The surplus milk has become a reality in the Brazilian market, and as it has not developed the marketing channel, the industry finds difficulties in the disposal of the surplus products. The first consequences can already be noticed, compromising the development reached in the last decade and showing signs of a possible slowdown in the production. Another relevant point in this context is the peculiarity of the world trade in dairy, considered concentrated and marked by the high trade barriers, which make it even more restricted, especially in developing countries. Brazil has been considered as a potential major supplier of milk and dairy products to the international market in the next years and many answers are being demanded from the researches, for the following kind of question: is the export marketing a viable solution for the disposal of surplus milk? Considering the importance of the agro-industrial dairy chain in the xvii

19 Brazilian economics, this work aimed on tracing the Picture of the Brazilian dairy industry and also the worldwide industry, as internal and external factors influence the competitiveness of Brazilian exports. Subsequently, the behavior of dairy export products from Brazil in comparison to their major competitors was analyzed, in the period from 1996 to 2007, presenting the evolution in the export trades, trying to understand if the increase on the dairy products exports means (or does not mean) a higher competitiveness and to what performance effects this competitiveness is related. For this analysis the adopted methodology was the constant market share (CMS) model and the revealed comparative advantage method (CAM). After that, tariff barriers and non-tariff barriers which affect dairy products were characterized, as they end up being the major mechanism of restriction to the international trade market. This analysis evaluated the trade notifications, by product and source market, and the major trade barriers imposed to the dairy products belonging to the Brazilian exporting list, using the coefficients of frequency and coverage. The following analysis checked if the foreign trade in the dairy industry companies through the exports is an attractive alternative for the disposal of the expected surplus milk, identifying the tendencies and perspectives for the industry in the next five years. This work addressed 14 companies which produce and export dairy products in Brazil, being responsible for more than 85% of the Brazilian exports of such products. The results show that the growth on production and productivity in the Brazilian regions of Mid-west and South were followed by a higher level of investments on the construction of new industrial units in these regions. Worldwide, the poles of milk production are concentrated in Asia, Oceania and South America. The evaluation on the industry performance in the foreign trade, with constant market share analysis, identified that the competitiveness was crucial to the expansion of Brazilian exports of dairy products. According to the result, there was an increase on the competition among Brazil and its major competitors, the Brazilian products were designated to markets with more dynamism, and the increase of the Brazilian participation in the world trade was provided by the increased competitiveness. This can be explained by multiple factors, such as the new production technologies, the improvement in the milk quality, the modernization and construction of new industrial units, among others. The analysis on the notifications issued by the markets revealed that the majority of non-tariff barriers imposed on Brazilian exports of dairy products are technical and sanitary and that the United States and Japan were the main notifiers. The tariff and non-tariff barriers reduce the value of Brazilian exported dairy products and focus mainly on products with higher added value. Evaluating xviii

20 the trends and expectations of the Brazilian dairy industry by the producing and exporting companies, it was found out that exporting is a promising marketing alternative, expecting to expand by 40% in the next two years. However, to achieve the projected growth and a greater integration and competitiveness in the international market, the industry will have to develop consistent policies to encourage rural producers and investment policies to meet the demands of the international market. xix

21 INTRODUÇÃO GERAL O agronegócio do leite no Brasil tem passado por mudanças importantes e teve sua dinâmica profundamente alterada a partir da década de 1990, quando se iniciaram o processo de desregulamentação do mercado e a abertura comercial. A liberalização dos preços do leite e derivados, a importação desenfreada, a concentração do mercado, o avanço das empresas multinacionais, a ampliação da coleta de leite a granel, a mudança do eixo tradicional da produção para o Centro-Oeste e a redução do número de produtores, o investimento em novas tecnologias de produção e processamento, a existência de excedente de leite no mercado interno e a necessidade de novas alternativas de comercialização, por meio das exportações, transformaram em pouco tempo a dinâmica do setor lácteo brasileiro. Durante muitos anos, o setor foi dependente da importação de lácteos ficando à margem do desenvolvimento tecnológico, o que resultou em baixo investimento na produção, desestímulo e atraso. Em parte, a política para garantir o abastecimento da população e o tabelamento do leite, que durou 46 anos, dificultava a melhoria da produção e elevava as importações. Tal prática mostrou-se predatória, encerrando-se no início da década de 1990 (MDIC, 2008). No entanto, o fim do tabelamento não impediu que ocorresse uma segunda fase de importações. Mudanças importantes após a abertura comercial como a criação do Mercosul, o Plano Real e a melhoria de renda da população estimularam o consumo e a entrada de produtos importados com preços inferiores aos praticados no país de origem, uso de dumping (SOUZA, 1999). Esta crescente oferta de leite no mercado brasileiro, devido aos produtos importados, sobretudo da Argentina, penalizou ainda mais os produtores nacionais que passaram a receber preços extremamente baixos pelo leite no mercado interno. A investigação de dumping feita pelo governo brasileiro contra exportadores da Nova Zelândia, União Européia, Argentina e Uruguai, concluída no final de 2000, resultou na aplicação de tarifas e estabelecimento de acordos de preços às empresas dos países investigados, a partir de A política de defesa comercial brasileira, por meio do acordo antidumping, e a inclusão do leite em pó, dos queijos e do soro de leite na Lista de Exceções à Tarifa Externa Comum (TEC) do Mercosul, com imposto de 27%, proporcionou um novo estímulo à produção de leite no Brasil e possibilitou ganho de 1

22 competitividade dos produtos lácteos brasileiros. Esta medida influenciou ainda o avanço das transações externas de produtos com maior valor agregado e a conquista de novos mercados (SILVA e FURLANETO, 2005; CNA, 2008). O Brasil, que até então disputava com México e Argélia a posição de maior importador de lácteos do mundo, passou por um processo intenso de substituição das importações. As mudanças estruturais que ocorreram no setor leiteiro, com investimentos em pesquisa, alimentação do rebanho, genética, informática e qualidade da matéria-prima possibilitaram o aumento da produção e foram decisivas para a substituição das importações, ampliando as perspectivas das exportações. Em conseqüência da redução das importações, houve crescimento significativo da participação do leite nacional no consumo aparente. Em 1997, os 1,3 bilhões de litros de leite em pó importados corresponderam a 10,3% do consumo. Em 2007, a participação do leite importado foi de apenas 350 milhões de litros, 1,3% do consumo (CNA, 2008). A substituição das importações permitiu ampliar a produção nacional em 4,4% ao ano a partir de Da mesma forma, o Valor Bruto da Produção de Leite (VBP) passou de R$ 9,3 bilhões em 2001 para R$ 17,0 bilhões em 2007, incremento de 82,8% no período (CNA, 2008). Para chegar a esse patamar de crescimento, toda a cadeia do leite passou por profundas transformações. A atividade primária respondeu às condições do mercado, o setor industrial reativou unidades produtivas, expandindo as áreas de fabricação e buscando novas oportunidades de mercado (CAMPOS, 2005). Assim, em 2004, iniciou-se uma trajetória diferente na história, e o país obteve um crescimento das exportações com a abertura de novos mercados, alcançando pela primeira vez superávit com o comércio de produtos lácteos. As vendas brasileiras de produtos lácteos cresceram 2.221% em volume e 819,4% em valor no período de 1995 a 2007, enquanto as importações se reduziram em 82,3% em volume e em 75,9% em valor. Segundo Leite et al (2008), neste período destaca-se a expansão do mercado brasileiro, que em 1996 fornecia produtos para 15 países e em 2006 já perfazia 96 países nos cinco continentes, apresentando acréscimo superior a 540% de novos clientes. O crescimento das exportações de lácteos em 2007 obteve novo recorde, totalizando US$ 299,5 milhões. Além dos compradores tradicionais do produto brasileiro, novos importadores, como a Venezuela, aumentaram a demanda 2

23 principalmente pelo leite em pó e pelo leite condensado/evaporado (MDIC/SECEX, 2008). Apesar de a expectativa para o desempenho do setor ser positiva, o amplo protecionismo internacional e a instabilidade no mercado mundial de lácteos constituem grandes barreiras a serem enfrentadas. De modo geral, as transações comerciais apresentam muitas distorções e barreiras ao livre comércio, resultantes de políticas governamentais complexas aplicadas tanto a nível doméstico como internacional. As conseqüências dessas distorções são a intensa concentração e redução do mercado mundial de lácteos, que equivale a aproximadamente 5,6% da produção mundial, estimada em 676,3 bilhões de litros de leite ao ano (FAO, 2008). Os preços muito voláteis, o consumo per capita abaixo do recomendado por organismos internacionais, como a Organização Mundial da Saúde (OMS), e as crises recorrentes em países que não contam com protecionismo, sobretudo nos países em desenvolvimento, também são reflexos dos impactos negativos gerados pelas políticas protecionistas. O protecionismo, seja na forma de subsídios às exportações ou na forma de barreiras ao acesso aos mercados, deprime os preços internacionais, desestabiliza o mercado e desloca da produção eficientes fornecedores que não utilizam práticas protecionistas. Além das restrições tarifárias, há ainda as barreiras não-tarifárias, que dificultam o acesso aos mercados, principalmente dos países desenvolvidos, e incluem as restrições quantitativas (quotas, proibições, restrições voluntárias) e as barreiras técnicas e sanitárias, que afetam diretamente o segmento de lácteos. Diante deste cenário, fica evidente que a ampliação das exportações brasileiras de lácteos depende, entre outros fatores, da reforma do comércio internacional no setor e do estabelecimento de acordos bilaterais e multilaterais, nas rodadas de negociação, tanto entre os blocos econômicos quanto na OMC. O Brasil vem participando de diferentes negociações internacionais, desde o âmbito de preferências comerciais ao mercado comum (Mercosul), passando por acordos birregionais (UE-Mercosul), hemisféricos (Alca) e multilaterais (OMC). A perspectiva de redução e posterior eliminação dos subsídios à exportação contribuem para que o Brasil aumente suas oportunidades, contudo é necessário desenvolver uma produção de leite de qualidade, a fim de que o produto brasileiro consiga romper as barreiras sanitárias e assim alcançar novos mercados. 3

OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL

OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL 1. Produção de Leite Rodrigo Sant`Anna Alvim 1 O Brasil conta com um setor leiteiro que vem crescendo substancialmente nos últimos anos. Grande importador

Leia mais

O melhoramento animal e a qualidade do leite no Brasil

O melhoramento animal e a qualidade do leite no Brasil O melhoramento animal e a qualidade do leite no Brasil Rodrigo Sant Anna Alvim 1 e Marcelo Costa Martins 2 1 Engenheiro Agrônomo, Presidente da Comissão Nacional de Pecuária da CNA 2 Engenheiro Agrônomo,

Leia mais

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Ézio José Gomes Os dados do último Censo Agropecuário do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, de 2006

Leia mais

MERCADO LÁCTEO. O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente. 2015: Um ano de margens ajustadas

MERCADO LÁCTEO. O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente. 2015: Um ano de margens ajustadas MERCADO LÁCTEO O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente 2015: Um ano de margens ajustadas -1,18 PIB 2015 Previsão de 2,8% em janeiro de 2014 8,26% Previsão Inflação 2015

Leia mais

Conjuntura do Leite Demanda de Importações

Conjuntura do Leite Demanda de Importações ARQ_86.DOC Conjuntura do Leite Demanda de Importações Março/95 ÍNDICE Págin a 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O LEITE E AS POLÍTICAS PÚBLICAS... 3 3. COMPETITIVIDADE INTERNACIONAL DOS DERIVADOS DO LEITE... 5 4.

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS 0,5% Exportação 46% Leite 41% Leite Condensado e Creme de Leite 55% Venezuela 11% Argélia Leite Fluido 34

Leia mais

Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório

Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório Juliano Merlotto Mestre em Administração pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Grupo de pesquisa: 1) Comercialização, Mercados e Preços Agrícolas FORMA DE APRESENTAÇÃO ORAL COM DEBATEDOR

Grupo de pesquisa: 1) Comercialização, Mercados e Preços Agrícolas FORMA DE APRESENTAÇÃO ORAL COM DEBATEDOR Leandro Augusto Ponchio CPF: 283.568.088-80 Pesquisador do CEPEA/ESALQ/USP Rua Pádua Dias, 11 Caixa postal 132 CEP: 13.400-970 Piracicaba-SP. e-mail: laponchi@esalq.usp.br Alexandre Lopes Gomes CPF: 030.071.446-71

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

LEITE E DERIVADOS JULHO / 2013 /2009

LEITE E DERIVADOS JULHO / 2013 /2009 LEITE E DERIVADOS JULHO / 2013 /2009 1. Mercado nacional: preços pagos ao produtor e produção histórica e estimada no Mercosul Os preços nominais médios brutos 1 pagos ao produtor em julho, ponderados

Leia mais

PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR. Eng. Agr. Breno Kirchof

PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR. Eng. Agr. Breno Kirchof PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR Eng. Agr. Breno Kirchof SITUAÇÃO MUNDIAL PRODUÇÃO MUNDIAL LEITE VACA - 599,6 bilhões de litros leite/ano CRESCIMENTO PRODUÇÃO - 1% a 2%

Leia mais

LEITE E DERIVADOS AGOSTO / 2014 /2014/2009

LEITE E DERIVADOS AGOSTO / 2014 /2014/2009 LEITE E DERIVADOS AGOSTO / 2014 /2014/2009 1. Mercado nacional 1.1 Preços pagos ao produtor Os preços nominais médios brutos 1 pagos ao produtor em agosto, ponderados pela produção, dos sete estados pesquisados

Leia mais

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria Médio Integrado em Agroindústria A importância da cadeia do leite A cadeia do leite e de seus derivados desempenha papel relevante no suprimento de alimentos e na geração de emprego e renda, se igualando

Leia mais

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam 3.1 Cosméticos Diagnóstico Os países desenvolvidos dominam o mercado mundial do setor de cosméticos, perfumaria e artigos

Leia mais

BRASIL Perspectivas para o Comércio Exterior

BRASIL Perspectivas para o Comércio Exterior BRASIL Perspectivas para o Comércio Exterior Welber Barral Junho 2012 Brasil: Acordos Internacionais Multilateral Agreements World Trade Organization Agreements. Regional and Bilateral Agreements MERCOSUR

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

1.3 Cítricos. Diagnóstico

1.3 Cítricos. Diagnóstico 1.3 Cítricos Diagnóstico A cadeia de cítricos contempla as frutas in natura, a produção de sucos (concentrados, reconstituídos, pasteurizados e frescos) e de óleos essenciais e pellets de polpa seca os

Leia mais

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior A ALCA E OS INTERESSES BRASILEIROS Thomas Benes Felsberg Agnes Borges O Brasil no Mercado Internacional Respondemos hoje por menos de 1% do comércio mundial. Exportações brasileiras não superam a marca

Leia mais

Agronegócio Internacional

Agronegócio Internacional Boletim do Agronegócio Internacional Agronegócio Internacional Recordistas de vendas no valor total exportado pelo Brasil jan-jul 2014/2013 Edição 03 - Agosto de 2014 O agronegócio representou 44% das

Leia mais

ANAIS ELETRÔNICOS - 1ª JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E EXTENSÃO DO IFTO

ANAIS ELETRÔNICOS - 1ª JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E EXTENSÃO DO IFTO CARACTERIZAÇÃO SÓCIO-ECONÔMICA DOS PRODUTORES DE LEITE DA AGRICULTURA FAMILIAR E ANÁLISE DA INFORMALIDADE NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TO Clauber ROSANOVA (1); Danilo de CASTRO RIBEIRO (2). (1) IFTO Campus Palmas,

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

Atual cenário da produção de leite mundial e nacional. Valter Bertini Galan

Atual cenário da produção de leite mundial e nacional. Valter Bertini Galan Atual cenário da produção de leite mundial e nacional Valter Bertini Galan Meu histórico Engenheiro Agrônomo (ESALQ/USP) Mestre em Administração (FEA/USP) Produtor de leite & pequeno laticinista Cepea:

Leia mais

O Preço do Leite Volta a Subir Sinalizando Boas Perspectivas para 2010

O Preço do Leite Volta a Subir Sinalizando Boas Perspectivas para 2010 O Preço do Leite Volta a Subir Sinalizando Boas Perspectivas para 2010 Ézio José Gomes O preço do litro de leite pago ao produtor vem se recuperando rapidamente nesse início de ano, obtendo uma alta de

Leia mais

Paulo do Carmo Martins Economista (UFJF) Mestre em Economia Aplicada (UFV) Doutor em Economia Aplicada (USP) Pesquisador Embrapa Gado de Leite

Paulo do Carmo Martins Economista (UFJF) Mestre em Economia Aplicada (UFV) Doutor em Economia Aplicada (USP) Pesquisador Embrapa Gado de Leite Tendências para o Setor Lácteo do Brasil e da América Latina Paulo do Carmo Martins Economista (UFJF) Mestre em Economia Aplicada (UFV) Doutor em Economia Aplicada (USP) Pesquisador Embrapa Gado de Leite

Leia mais

DESAFIOS ÀS EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

DESAFIOS ÀS EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Departamento de Promoção Internacional do Agronegócio DESAFIOS ÀS EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

Leia mais

COMPORTAMENTO DA PRODUÇÃO DE LEITE E EXPORTAÇÃO DE LÁCTEOS DO PARANÁ ENTRE 1996 E 2006

COMPORTAMENTO DA PRODUÇÃO DE LEITE E EXPORTAÇÃO DE LÁCTEOS DO PARANÁ ENTRE 1996 E 2006 COMPORTAMENTO DA PRODUÇÃO DE LEITE E EXPORTAÇÃO DE LÁCTEOS DO PARANÁ ENTRE 1996 E 2006 Área: Ciências Econômicas Alessandra Bragantine Tessaro Pesquisadora Sênior do Curso de Economia da UNIOESTE, Rua

Leia mais

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional 3 O Cimento no Brasil 3 Processo produtivo 4 Histórico 5 Indústria 6 Produção 7 Consumo 8 Produção e consumo aparente regional 9 Vendas internas e exportação 10 Características da Indústria Cimenteira

Leia mais

A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE

A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE 25 Roberto H. Jank Jr. 1 A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE SÍNTESE RETROSPECTIVA O Brasil é o sexto maior produtor mundial de leite e deverá ser o terceiro nos próximos 5 anos, mantidas as nossas atuais taxas

Leia mais

Competitividade da bovinocultura de leite

Competitividade da bovinocultura de leite Competitividade da bovinocultura de leite Rodrigo Sant`Anna Alvim Presidente da Comissão Nacional de Pecuária de Leite da CNA Maceió/AL - julho/2008 Um pouco sobre a produção brasileira 29.000 3.200 Produção

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

EMBRAPA GADO DE LEITE NÚCLEO DO CONHECIMENTO DO AGRONEGÓCIO DO LEITE RELAÇÕES DO PREÇO DO LEITE EM PÓ INTEGRAL NO MERCADO INTERNACIONAL

EMBRAPA GADO DE LEITE NÚCLEO DO CONHECIMENTO DO AGRONEGÓCIO DO LEITE RELAÇÕES DO PREÇO DO LEITE EM PÓ INTEGRAL NO MERCADO INTERNACIONAL EMBRAPA GADO DE LEITE NÚCLEO DO CONHECIMENTO DO AGRONEGÓCIO DO LEITE RELAÇÕES DO PREÇO DO LEITE EM PÓ INTEGRAL NO MERCADO INTERNACIONAL Kennya Beatriz Siqueira, Marcos Franca de Almeida, Lorildo Aldo Stock,

Leia mais

América Latina como Novo Pólo de Produção de Leite

América Latina como Novo Pólo de Produção de Leite Workshop Regional sobre Cooperativismo Lácteo América Latina como Novo Pólo de Produção de Leite Vicente Nogueira Netto Fepale OCB/CBCL Cotrial Curitiba, 08 de julho de 2008 Agenda Mudanças recentes no

Leia mais

Courobusiness em Alagoas

Courobusiness em Alagoas Courobusiness em Alagoas Descrição Atração e instalação de empreendimentos de curtumes para o desenvolvimento e consolidação da cadeia produtiva do couro no Estado de Alagoas. Entidades responsáveis Célula

Leia mais

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO WESP-GUTERRES, Caroline 1 ; TEIXEIRA, José Domingos Lemos 1 ; ARALDI,Daniele Furian 2 Palavras-Chave: Brasil. Consumo de carne. Bovinocultura. Introdução

Leia mais

A Cadeia Produtiva do Leite no Contexto Nacional e Internacional

A Cadeia Produtiva do Leite no Contexto Nacional e Internacional SEBRAE-RO / SEAGRI / CONDALRON DIAGNÓSTICO DA CADEIA PRODUTIVA DO LEITE DE RONDÔNIA A Cadeia Produtiva do Leite no Contexto Nacional e Internacional Lorildo STOCK Porto Velho - RO 18.08.2015 Crise internacional,

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

1.2 Papel e Celulose. Diagnóstico

1.2 Papel e Celulose. Diagnóstico 1.2 Papel e Celulose Diagnóstico A indústria de papel e celulose é caracterizada pelo alto grau de investimento e pela longa maturação. A escala de produção das fábricas de pastas celulósicas é, em geral,

Leia mais

2.3 Transformados Plásticos. Diagnóstico

2.3 Transformados Plásticos. Diagnóstico 2.3 Transformados Plásticos Diagnóstico A indústria de plásticos vem movendo-se ao redor do mundo buscando oportunidades nos mercados emergentes de alto crescimento. O setor é dominado por um grande número

Leia mais

ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL. Elmer Ferreira Luiz de Almeida. Introdução

ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL. Elmer Ferreira Luiz de Almeida. Introdução Capítulo 9 - Aspectos sociais da produção de leite no Brasil ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL Elmer Ferreira Luiz de Almeida Introdução O agronegócio Leite no Brasil tem passado por mudanças

Leia mais

EVOLUÇÃO RECENTE E PERSPECTIVA DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL 1

EVOLUÇÃO RECENTE E PERSPECTIVA DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL 1 EVOLUÇÃO RECENTE E PERSPECTIVA DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL 1 1 Introdução Sebastião Teixeira Gomes 2 De todas as cadeias produtivas do setor agropecuário, a que mais se transformou, nos últimos anos,

Leia mais

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009.

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Para os produtores de sorgo o ano de 2008 pode ser considerado como bom. As condições climatológicas foram favoráveis durante todo o ciclo

Leia mais

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo O que esperar Desenvolver do do mercado de de leite no no e fortalecer Brasil e o e no agronegócio no mundo O que esperar do mercado de leite no Rafael Ribeiro de Lima Filho zootecnista Scot Consultoria

Leia mais

Mercado do Boi Gordo

Mercado do Boi Gordo Mercado do Boi Gordo Perspectivas para os próximos anos SIC Esteio - RS Agosto 2006 Fabiano R. Tito Rosa Scot Consultoria Índice 1. Brasil: país pecuário 2. Comportamento dos preços internos 3. Perspectivas

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Esta aula tratará da análise comparativa do processo de desenvolvimento da China e da Índia, países que se tornaram

Leia mais

EVOLUÇÃO RECENTE DOS MECANISMOS DE PROTEÇÃO NA SIDERURGIA MUNDIAL. Germano Mendes de Paula *

EVOLUÇÃO RECENTE DOS MECANISMOS DE PROTEÇÃO NA SIDERURGIA MUNDIAL. Germano Mendes de Paula * EVOLUÇÃO RECENTE DOS MECANISMOS DE PROTEÇÃO NA SIDERURGIA MUNDIAL Germano Mendes de Paula * No dia 5 de março de 2002, o Presidente George W. Bush anunciou a adoção de medidas de salvaguardas, com vistas

Leia mais

Uma Análise das Barreiras Tarifárias no Comércio Internacional de Lácteos

Uma Análise das Barreiras Tarifárias no Comércio Internacional de Lácteos 32 ISSN 0104 1517-1981 -9046 Dezembro, Outubro 2000 2011 Uma Análise das Barreiras Tarifárias no Comércio Internacional de Lácteos ISSN 0104-9046 Dezembro, 2011 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

Financiamento ao Agronegócio. Internacionalização da Agroindústria

Financiamento ao Agronegócio. Internacionalização da Agroindústria Financiamento ao Agronegócio Internacionalização da Agroindústria BRF Visão Geral BRF Principais Key Brands Marcas Dados Financeiros 3 Uma das maiores empresas de alimentos do Brasil e do mundo 7 a maior

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

O mercado lácteo brasileiro no contexto mundial

O mercado lácteo brasileiro no contexto mundial ISSN 1678-07X O mercado lácteo brasileiro no contexto mundial 04 Este estudo tem por objetivo apresentar a posição da cadeia produtiva do leite no Brasil ante aos grandes players do mercado mundial de

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015 JURANDI MACHADO - DIRETOR Cenário Carnes 2014/2015 Oferta e Demanda de Carne Suína CARNE SUÍNA 2014 (a)* no Mundo (Mil toneladas) 2015 (b)* Var % (b/a) PRODUÇÃO 110.606 111.845 1,12 CONSUMO 109.882 111.174

Leia mais

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria VII Seminário ABMR&A da Cadeia Produtiva de Carne Bovina Feicorte 2007 Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria Médica Veterinária Andréa Veríssimo M. Appl. Sc. Farm Management Lincoln

Leia mais

Os Megablocos Comerciais e o Agronegócio Brasileiro

Os Megablocos Comerciais e o Agronegócio Brasileiro Os Megablocos Comerciais e o Agronegócio Brasileiro Marcos Sawaya Jank Diretor Executivo Global de Assuntos Corporativos Inteligência Institucional BRF Abril 2014 INDEX Introdução aos PTAs PTAs hoje -

Leia mais

O BRASIL E O MUNDO NO COMÉRCIO EXTERIOR

O BRASIL E O MUNDO NO COMÉRCIO EXTERIOR São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires O BRASIL E O MUNDO NO COMÉRCIO EXTERIOR Durval de Noronha Goyos Jr. Aula Magna - Universidade de

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

O potencial da carne bovina brasileira nos circuitos não aftósicos

O potencial da carne bovina brasileira nos circuitos não aftósicos O potencial da carne bovina brasileira nos circuitos não aftósicos Professor: Raphael Rocha Formado em Administração, especialista em Marketing, pela UFRJ, com MBA em Gestão de Negócios, Comércio e Operações

Leia mais

PADRÕES TECNOLÓGICOS E DE COMÉRCIO EXTERIOR DAS FIRMAS BRASILEIRAS RESUMO

PADRÕES TECNOLÓGICOS E DE COMÉRCIO EXTERIOR DAS FIRMAS BRASILEIRAS RESUMO PADRÕES TECNOLÓGICOS E DE COMÉRCIO EXTERIOR DAS FIRMAS BRASILEIRAS CLASSIFICAÇÃO JEL: F12 Fernanda De Negri RESUMO Este artigo analisa a relação entre os padrões tecnológicos e o desempenho externo das

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 14 de maio de 2014 Indicador IFO/FGV de Clima Econômico da América Latina¹ O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 O indicador

Leia mais

O COMÉRCIO INTERNACIONAL COMO FONTE GERADORA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DO PAÍS

O COMÉRCIO INTERNACIONAL COMO FONTE GERADORA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DO PAÍS O COMÉRCIO INTERNACIONAL COMO FONTE GERADORA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DO PAÍS RIGHETTI, Renato César. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais -FAEG renato_righetti@hotmail.com

Leia mais

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE IOGURTE NA CIDADE DE ITABUNA NO ESTADO DA BAHIA

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE IOGURTE NA CIDADE DE ITABUNA NO ESTADO DA BAHIA O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE IOGURTE NA CIDADE DE ITABUNA NO ESTADO DA BAHIA Antônio Carlos de Araújo Lúcia Maria Ramos Silva Ahmad Saeed Khan RESUMO: Estudou-se o comportamento do consumidor de iogurte

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

EFEITOS DO LEITE LONGA VIDA NO MERCADO DE SÃO PAULO

EFEITOS DO LEITE LONGA VIDA NO MERCADO DE SÃO PAULO EFEITOS DO LEITE LONGA VIDA NO MERCADO DE SÃO PAULO Sebastião Teixeira Gomes 1 1. INTRODUÇÃO Este documento representa a contribuição da Federação da Agricultura do Estado de São Paulo (FAESP), através

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação Nesta 17ª Carta de Conjuntura da Saúde Suplementar, constam os principais indicadores econômicos de 2011 e uma a n á l i s e d o i m p a c t o d o crescimento da renda e do emprego sobre o

Leia mais

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Cenário Macro Econômico Brasileiro 2015 Economia em forte e crescente desequilibrio Deficit Fiscal 2014

Leia mais

Informe 05/2011 AS RELAÇÕES COMERCIAIS BRASIL- CHINA NO SETOR DE ROCHAS ORNAMENTAIS E DE REVESTIMENTO: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS DE EVOLUÇÃO

Informe 05/2011 AS RELAÇÕES COMERCIAIS BRASIL- CHINA NO SETOR DE ROCHAS ORNAMENTAIS E DE REVESTIMENTO: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS DE EVOLUÇÃO Informe 05/2011 AS RELAÇÕES COMERCIAIS BRASIL- CHINA NO SETOR DE ROCHAS ORNAMENTAIS E DE REVESTIMENTO: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS DE EVOLUÇÃO Associação Brasileira da Indústria de Rochas Ornamentais

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

ANÁLISE DA PARTICIPAÇÃO DOS COMBUSTÍVEIS MINERAIS E SEUS DERIVADOS NAS PAUTAS DE EXPORTAÇÃO BAIANA ENTRE 2000 E 2013

ANÁLISE DA PARTICIPAÇÃO DOS COMBUSTÍVEIS MINERAIS E SEUS DERIVADOS NAS PAUTAS DE EXPORTAÇÃO BAIANA ENTRE 2000 E 2013 ANÁLISE DA PARTICIPAÇÃO DOS COMBUSTÍVEIS MINERAIS E SEUS DERIVADOS NAS PAUTAS DE EXPORTAÇÃO BAIANA ENTRE 2000 E 2013 Jessé Fabiano de Carvalho Santos * Pedro Henrique de Souza Costa** Resumo: O Brasil

Leia mais

Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015

Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015 Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015 Ano 6, n. 47 - Outubro/2015 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 - Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7400 Fax: (32) 3311-7424 www.embrapa.br

Leia mais

Grupo 1 Cadeias que sofreriam menores ameaças com a liberalização

Grupo 1 Cadeias que sofreriam menores ameaças com a liberalização Grupo 1 Cadeias que sofreriam menores ameaças com a liberalização 1.1 Café Diagnóstico Desde meados da década de 90, a produção mundial de café tem apresentado aumentos significativos, mas que não estão

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica e Setorial

Conjuntura Macroeconômica e Setorial Conjuntura Macroeconômica e Setorial O ano de 2012 foi um ano desafiador para a indústria mundial de carnes. Apesar de uma crescente demanda por alimentos impulsionada pela contínua expansão da renda em

Leia mais

O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira

O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira SETOR EXTERNO E ECONOMIA INTERNACIONAL O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira Gilberto Libânio * RESUMO - O presente trabalho busca discutir a importância do setor externo no desempenho

Leia mais

OS BRICS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL DE SERVIÇOS

OS BRICS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL DE SERVIÇOS OS BRICS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL DE SERVIÇOS Ivan Tiago Machado Oliveira* 1 INTRODUÇÃO Abrangendo grupos de empresas que proveem infraestrutura econômica básica, infraestrutura financeira e social e

Leia mais

O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina. Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR

O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina. Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR Aspectos abordados Carne no mundo (Visão Geral) Histórico: ambiente institucional e

Leia mais

Análise de Mercado do Sistema OCB

Análise de Mercado do Sistema OCB Análise de Mercado do Sistema OCB SUMÁRIO EXECUTIVO Mercado de Trigo nº 019 - Abril/2008 Equipe da Gerência de Mercados - GEMERC: Autor: Marcos Antonio Matos - Técnico de Mercado Coordenação: Evandro Scheid

Leia mais

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil Revista Ovinos, Ano 4, N 12, Porto Alegre, Março de 2008. Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil João Garibaldi Almeida Viana 1 Os ovinos foram uma das primeiras espécies de animais domesticadas

Leia mais

&203/(;2$872027,92 EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR DO COMPLEXO AUTOMOTIVO. Angela M. Medeiros M. Santos João Renildo Jornada Gonçalves*

&203/(;2$872027,92 EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR DO COMPLEXO AUTOMOTIVO. Angela M. Medeiros M. Santos João Renildo Jornada Gonçalves* EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR DO COMPLEXO AUTOMOTIVO Angela M. Medeiros M. Santos João Renildo Jornada Gonçalves* * Respectivamente, gerente e economista da Gerência Setorial de Indústria Automobilística

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial BRICS Monitor A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial Outubro de 2011 Núcleo de Desenvolvimento, Comércio, Finanças

Leia mais

DEMANDA AJUDA PRODUTOR A ENFRENTAR ALTA DE INSUMOS

DEMANDA AJUDA PRODUTOR A ENFRENTAR ALTA DE INSUMOS DEMANDA AJUDA PRODUTOR A ENFRENTAR ALTA DE INSUMOS Os preços recebidos pelos produtores de leite em março (referente à produção de fevereiro) seguiram em alta, de acordo com levantamentos do Centro de

Leia mais

1. Histórico. . Iniciativa para as Américas (Miami 94) . 34 paises, menos Cuba. . Cúpulas Presidenciais: - Santiago 1998 - Québec 2001

1. Histórico. . Iniciativa para as Américas (Miami 94) . 34 paises, menos Cuba. . Cúpulas Presidenciais: - Santiago 1998 - Québec 2001 1. Histórico. Iniciativa para as Américas (Miami 94). 34 paises, menos Cuba. Cúpulas Presidenciais: - Santiago 1998 - Québec 2001 1. Histórico. Reunião Ministeriais de negociação - Denver 1995 - Cartagena

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Brasil e Estados Unidos avançam na reabertura de mercado para carne bovina in natura

Brasil e Estados Unidos avançam na reabertura de mercado para carne bovina in natura Edição 14 - Julho de 2015 Brasil e Estados Unidos avançam na reabertura de mercado para carne bovina in natura A presidente Dilma Rousseff esteve nos Estados Unidos, de 27 de junho a 1º de julho, onde

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 3.2 Influencia Governamental no Comércio 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Compreender a racionalidade

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. O aspecto qualidade em duas cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. O aspecto qualidade em duas cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. O aspecto qualidade em duas cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul César Augustus Winck 1, Valdecir José Zonin 2, Luciana Maria Scarton 3,

Leia mais

Capítulo 03 Mercados regionais

Capítulo 03 Mercados regionais Capítulo 03 Mercados regionais As organizações decidem atuar no mercado global quando sabem que o crescimento externo será maior do que o interno. Nesse sentido, a China é um dos mercados para onde as

Leia mais

DIAGNÓSTICO E PERSPECTIVAS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL

DIAGNÓSTICO E PERSPECTIVAS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL DIAGNÓSTICO E PERSPECTIVAS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL 1. Introdução Sebastião Teixeira Gomes 1 Este trabalho descreve alguns indicadores da realidade e projeta tendências da produção de leite no Brasil.

Leia mais

1.4 Couro e Calçados. Diagnóstico

1.4 Couro e Calçados. Diagnóstico 1.4 Couro e Calçados Diagnóstico A indústria de calçados tem experimentado um processo de internacionalização da produção desde o final dos anos de 1960. A atividade tem sido caracterizada como nômade.

Leia mais

Enfrentando os Desafios Para Criar Competitividade Sustentável

Enfrentando os Desafios Para Criar Competitividade Sustentável SIMPÓSIO REGIONAL DE BOVINOCULTURA DE LEITE Guarapuava,07/10/2015 Enfrentando os Desafios Para Criar Competitividade Sustentável Ronei Volpi Coordenador Geral da Aliança Láctea Sul Brasileira Competitividade

Leia mais

Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos

Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos Desenvolvimento de serviços na área de educação: uma aplicação de análise conjunta nos cursos de mestrado em administração de empresas DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEPARTAMENTO

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc)

SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc) SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc) O novo mundo rural e o desenvolvimento do Brasil Marcos Sawaya Jank Diretor Executivo Global de Assuntos Corporativos São Paulo, 12 de novembro de 2014

Leia mais

Panorama do emprego no turismo

Panorama do emprego no turismo Panorama do emprego no turismo Por prof. Wilson Abrahão Rabahy 1 Emprego por Atividade e Região Dentre as atividades do Turismo, as que mais se destacam como geradoras de empregos são Alimentação, que

Leia mais

ANO 2 NÚMERO 08 AGOSTO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 2 NÚMERO 08 AGOSTO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 2 NÚMERO 08 AGOSTO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS As recentes divulgações dos principais indicadores de desempenho da economia brasileira mostram

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

TENDÊNCIAS DA CADEIA DE LATICÍNIOS: UMA ANÁLISE DO RANKING DAS MAIORES EMPRESAS DO BRASIL

TENDÊNCIAS DA CADEIA DE LATICÍNIOS: UMA ANÁLISE DO RANKING DAS MAIORES EMPRESAS DO BRASIL TENDÊNCIAS DA CADEIA DE LATICÍNIOS: UMA ANÁLISE DO RANKING DAS MAIORES EMPRESAS DO BRASIL Adauto Liberato de Moura Neto (UFBA) adautoliberato@yahoo.com.br Jose Luiz Moreira de Carvalho (UNIVASF) joseluizmc@hotmail.com

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais