Análise do roubo de cargas no transporte rodoviário Estudo de caso: Transportadora Minuano

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise do roubo de cargas no transporte rodoviário Estudo de caso: Transportadora Minuano"

Transcrição

1 FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE ALEXANDRE DA SILVA SENA Análise do roubo de cargas no transporte rodoviário Estudo de caso: Transportadora Minuano São Paulo 2009

2 ALEXANDRE DA SILVA SENA ANÁLISE DO ROUBO DE CARGAS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO ESTUDO DE CASO: TRANSPORTADORA MINUANO Monografia apresentada no curso de Tecnologia em Logística com ênfase em transporte na FATEC ZL como requerido parcial para obter o Título de Tecnólogo em Logística com ênfase em Transporte Orientador: Prof. José Abel de Andrade Baptista. São Paulo 2009

3 Autorizo a reprodução e divulgação total ou parcial deste trabalho, por qualquer meio convencional ou eletrônico, para fins de estudo e pesquisa, desde que citada a fonte. Sena, Alexandre da Silva Análise do roubo de cargas no transporte rodoviário Estudo de caso: Transportadora Minuano / Alexandre da Silva Sena São Paulo, SP: [s.n], Não definida f. Orientador: Prof. José Abel de Andrade Baptista. Monografia (Graduação) - Faculdade de Tecnologia da Zona Leste Bibliografia: f. 1. Introdução. 2. Logística 3. Transporte de Cargas 4. Seguros 5. Estudo de Caso Transportadora Minuano. Baptista, José Abel de A. Faculdade de Tecnologia da Zona Leste

4 Nome: Sena, Alexandre da Silva Título: Análise do roubo de cargas no transporte rodoviário Estudo de caso: Transportadora Minuano. Monografia apresentada no curso de Tecnologia em Logística com ênfase em transporte na FATEC ZL como requerido parcial para obter o Título de Tecnólogo em Logística com ênfase em Transporte. Aprovado em: Banca Examinadora Prof. José Abel de Andrade Baptista Instituição: Fac. de Tecnologia da Zona Leste Julgamento: Assinatura: Prof. Hamilton Broglia Feitosa de Lacerda Instituição: Universidade Camilo Castelo Branco Julgamento: Assinatura: Prof. Robson Danúbio da Silva César Instituição: Universidade Camilo Castelo Branco Julgamento: Assinatura:

5 Aos meus pais, à minha família e a todos os amigos... presentes nesta jornada...

6 AGRADECIMENTOS Ao professor orientador, pivô e responsável pela criação deste trabalho, com orientação e transmissão constante de conhecimentos e experiência. A minha família, pelo apoio incondicional ao longo destes anos. Aos amigos e colegas, pelo companheirismo, apoio e soma de experiências que marcaram esta jornada. Em especial aos amigos Ana Paula, Daniela, Maurício, Paulo, Raul, Sérgio e Tiago, onde a amizade ultrapassou os muros da faculdade. Aos professores que viabilizaram a conclusão deste objetivo que há alguns anos atrás era apenas um sonho. A todas as pessoas que, de uma forma ou de outra, no decorrer deste tempo, contribuíram para o sucesso desta conclusão e deste trabalho.

7 É triste falhar na vida, porém mais triste ainda é não tentar vencer. Roosevelt

8 SENA, Alexandre da Silva. Análise do roubo de cargas no transporte rodoviário. Estudo de caso: Transportadora Minuano Monografia (Tecnologia em Logística com Ênfase em Transportes) Faculdade de Tecnologia da Zona Leste. RESUMO O transporte de bens e materiais sempre se fez necessário à humanidade, desde às épocas mais remotas até os dias atuais. Porém, devido ao crescimento da população, à modernização e, principalmente, à globalização, o sistema de transporte teve a necessidade de se modernizar e tornou-se algo complexo e abrangente, não limitando-se apenas à movimentação de matérias, mas abrangendo a questão da gestão, sendo denominado como logística. Com isso vieram as novas opções de transportes, os novos modelos, cada um com suas peculiaridades, pontos fortes e pontos fracos. No transporte rodoviário de cargas destaca-se como fator positivo a flexibilidade e velocidade, porém é um modo de transporte que apresenta um custo alto se comparado a outros modos de transportes. Alguns dos fatores que contribuem para o custo do transporte rodoviário de cargas são os prejuízos acumulados com o roubo de cargas e também os valores investidos e gastos com seguro de carga e gerenciamento de risco. Empresas buscam alternativas para reduzirem estes gastos, mas dependem em grande parte de instituições públicas para atuarem de forma eficaz no combate e redução do roubo de cargas e conseqüente redução dos custos relacionados a este tema. Medidas para a inibição de receptação de cargas e investimentos públicos e privados em segurança podem ser os caminhos para se atingir este objetivo. Palavras-chave: roubo, rodoviário, seguro, custos.

9 SENA, Alexandre da Silva. Análise do roubo de cargas no transporte rodoviário. Estudo de caso: Transportadora Minuano Monografia (Tecnologia em Logística com Ênfase em Transportes) Faculdade de Tecnologia da Zona Leste. ABSTRACT Transport of goods is a need that men have since the most remote time until today. And due to population growth and modernization, mainly globalization, the transportation system had to be upgraded and became complex, including, but not being limited to the transportation of goods and also including the management of the whole process, and became what is now known as logistics. With these changes and needs, new transportation options were created, with its own characteristics, and weak and strong points. In the read mode the positive aspect is its flexibility and velocity, but it is a transportation mode that has high costs if compared to other modes. Some factors contribute to these costs are the accumulated loss due to cargo robbery and the investments done with insurance and risk management. Companies search for alternatives to reduce these costs, but they depend upon government offices to be more efficient against cargo robbery and therefore reducing costs related to this matter. Public and private measures for the inhibition of load receiving of stolen goods and investments in security can be a way to reach this goal. Key-words: robbery, road, insurance, cost.

10 LISTA DE FIGURAS FIGURA 01 Fluxo de operações logísticas FIGURA 02 Relação entre o embarcador, o destinatário e o público FIGURA 03 Movimentação de carga nas principais hidrovias do Brasil FIGURA 04 Boletim estatístico: Matriz de Transportes Brasileira I FIGURA 05 Boletim estatístico: Matriz de Transportes Brasileira II FIGURA 06 Hierarquia das entidades de seguro no Brasil FIGURA 07 Exemplos de seguros, coberturas e formas de contratação FIGURA 08 Necessidades básicas nas operações móveis de transporte FIGURA 09 Roubos e furtos de cargas no Brasil: evolução anual FIGURA 10 Prejuízos trazidos pelo roubo de carga no Brasil FIGURA 11 Declaração de apólice de seguro RCTR-C FIGURA 12 Declaração de apólice de seguro RCF-DC FIGURA 13 Tela de apresentação Grupo Apisul principais serviços FIGURA 14 Tela inicial para solicitação de monitoramento via WEB I FIGURA 15 Tela inicial para solicitação de monitoramento via WEB II FIGURA 16 Tela inicial para solicitação de pesquisa via WEB FIGURA 17 Tela secundária para solicitação de pesquisa via WEB FIGURA 18 Tela de status de veículos em viagem FIGURA 19 Modelos de equipamentos de monitoramento disponíveis no mercado FIGURA 20 Computador de bordo Control Loc em veículo FIGURA 21 Tela da central de monitoramento caixa de mensagens / mapa de monitoramento FIGURA 22 Computador de bordo Omni Link desenvolvido em parceria com a Control Loc em veículo FIGURA 23 Exemplo de ordem de coleta da Transportadora Minuano FIGURA 24 Conhecimento de transporte rodoviário de cargas (CTRC) FIGURA 25 Exemplo de manifesto de carga... 65

11 LISTA DE QUADROS QUADRO 01 - Participação das principais concessionárias ferroviárias no transporte QUADRO 02 Comparativo RR x RCTR-C x RCF-DC...34 QUADRO 03 Rodovias com maior risco de roubo de carga no Brasil... 45

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO LOGÍSTICA Objetivos da logística Utilização TRANSPORTE DE CARGAS Transporte aquaviário Transporte aéreo Transporte dutoviário Transporte ferroviário Transporte rodoviário SEGUROS Seguro de carga Gerenciamento de Risco G Ris Roubo de cargas no Brasil Situação regional ESTUDO DE CASO Transportadora Minuano Missão Visão Política da qualidade Administração de Seguros Gerenciadora de Risco Tecnologia em equipamentos Procedimentos de rotina Sinistro de carga CONSIDERAÇÕES REFERÊNCIAS

13 11 1 INTRODUÇÃO Em toda e qualquer operação de transporte há um risco natural de acidentes e roubos, no transporte rodoviário de diversos produtos estes riscos existem e têm a necessidade de serem minimizados, pois uma vez que estes riscos venham a se tornar fato, uma das conseqüências é o encarecimento do custo de transporte, gerando um impacto direto para a economia. Ao se deparar com o assunto roubo de cargas, é possível perceber a necessidade de um estudo sobre o tema com o intuito de se investigar as principais causas, verificar a situação atual dentro do Brasil e descobrir possíveis soluções ou sugestões de melhorias, visto que este ainda é um tema pouco estudado a se notar pela falta de literatura nas bibliotecas setoriais. Sendo assim, este será o objetivo deste estudo, verificando-se os pontos mais críticos da questão, situação nacional e regional, análise das estruturas montadas pelas empresas (e com o estudo de caso aprofundamento em uma empresa específica) voltadas para a questão do roubo de cargas e por fim apresentar sugestões para possíveis melhorias e redução nos custos de transporte. Com uma verificação superficial sobre o tema é possível perceber uma grande preocupação das empresas em se evitar o acontecimento destas ações, mesmo tendo elas cobertura de seguro de cargas, nota-se também que os custos do transporte com os seguros de cargas estão diretamente relacionados com os índices de roubos em determinadas regiões e em determinadas épocas, sendo assim pode-se afirmar que quanto maior os índices de roubo, maiores serão os custos com o transporte. Com base nesta premissa surgiu a idéia deste estudo a fim de se verificar as possibilidades de redução de custos com base na redução dos índices de roubos. Uma das hipóteses é a mudança da estrutura da matriz de transportes, focando o transporte rodoviário apenas em pequenos trechos, suprindo a necessidade de flexibilidade dos demais modais. Porém esta não será a hipótese principal deste trabalho, pois a atenção principal será voltada para as hipóteses de redução de índices de roubo através de medidas de

14 12 prevenção e repressão. Como conseqüência poder-se-á ter a redução global de custo de transporte. Para atingir tal objetivo será feito estudo bibliográfico em livros, revistas e meios eletrônicos a fim de se levantar informações estatísticas, históricos sobre o tema e dissertações de especialistas. Pretende-se também fazer uma abordagem básica sobre legislações pertinentes ao assunto e para complementar o estudo será feito o estudo de caso em uma empresa de transporte rodoviário de cargas com o objetivo de exemplificar a rotina e os trâmites desta empresa com relação ao tema em questão. No primeiro capítulo deste estudo será feita uma abordagem sobre a logística de um modo geral com um breve histórico e importância do assunto nos dias atuais. Em seguida, já com a delimitação do tema e fechando o assunto do geral para o específico, será feita uma explanação sobre o transporte de cargas, mencionando todos os 5 modais, porém com um enfoque maior no modo rodoviário que é o objeto deste estudo. No terceiro capítulo será falado sobre seguros, em especial seguros de cargas, abordando temas como gerenciamento de risco, roubo de cargas e situações regionais no Brasil. Por fim, para a complementação do trabalho, no último capítulo será feito o estudo de caso na Transportadora Minuano, procurando mostrar a rotina de trabalho voltada para este tema, bem como seu grau de especialização e know how sobre o assunto.

15 13 2 LOGÍSTICA Ao longo do tempo a necessidade do ser humano por uma gama maior de produtos possibilitando a saída da condição de consumo de subsistência, fez com que o transporte de matérias se tornasse item fundamental no desenvolvimento da humanidade. Segundo Ballou (2006, p. 25), essa relação entre logística e desenvolvimento acontece da seguinte forma: À medida que os sistemas logísticos fossem aperfeiçoados, o consumo e a produção experimentariam uma separação geográfica. Algumas regiões se especializariam nas commodities para cuja produção tivessem melhores condições. A produção excedente poderia ser então enviada, com vantagem econômica, a outras áreas produtoras (ou consumidoras), e os artigos necessários, mas de escassa ou inexistente produção local seriam importados. Esse processo de intercâmbio segue o princípio da vantagem comparativa. Desta forma torna-se mais fácil entender a necessidade e o desenvolvimento do processo atual de globalização, o qual é, em grande parcela, auxiliado fundamentalmente pela logística. Conforme Carvalho (2002, p. 31), Council Of Logistics Manegemente CLM (organização formada por gestores logísticos, educadores e profissionais da área, que foi criada em 1962 e tem o intuito de incentivar o ensino de logística e propiciar o intercâmbio de idéias) define logística como: Logística é a parte do gerenciamento da cadeia de abastecimento que planeja, implementa e controla o fluxo e armazenamento eficiente e econômico de matérias-primas, materiais semi-acabados, bem como as informações a eles relativas, desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o propósito de atender às exigências dos clientes. Conforme Ballou (2006, p. 27) Trata-se de uma excelente definição, uma vez que abrange a noção de que o fluxo das mercadorias deve ser acompanhado desde o ponto em que existem como matérias-primas até aquele em que são descartadas. Dentre estas e outras definições de logística, pode-se notar a importância

16 14 que este segmento tem atualmente sobre a economia mundial. Bowersox e Closs (2001, p. 20) ressaltam esta importância: A logística envolve a integração de informações, transporte, estoque, armazenamento, manuseio de materiais e embalagem. Todas essas áreas que envolvem o trabalho logístico oferecem ampla variedade de tarefas estimulantes. Combinadas, essas tarefas tornam o gerenciamento integrado da logística uma profissão desafiante e compensadora. Devido à importância estratégica do desempenho logístico, crescente número de executivos bem sucedidos na área de logística está sendo promovido para posições de alta gerência. Pode-se notar que um gerenciamento logístico bem realizado traz excelentes resultados e ganho de competitividade no mercado, colocando este segmento cada vez mais em destaque com relação aos demais e possibilitando grandes realizações aos seus profissionais. Tal importância se deve ao fato de que a logística corresponde a uma grande parcela no custo final dos produtos, seu bom gerenciamento trás ganhos que possibilita ao fabricante ou ao distribuidor um diferencial competitivo e sua permanência no mercado cada vez mais acirrado por conta da globalização. Sendo assim, ao longo do tempo, a logística passou de um conceito de custo onde não se agregava valor ao produto, para o conceito de diferencial competitivo quando bem gerenciado. 2.1 Objetivos da Logística Dentro das necessidades das empresas e consumidores, o desempenho logístico vem sendo cada vez mais exigido e tem necessidade de melhorias constantes. Sendo seu principal objetivo facilitar o intercâmbio de produtos, visando redução de custos e ganho de competitividade. Mais especificamente Bowersox e Closs (2001, p. 19) definem o objetivo da logística: O objetivo da logística é tornar disponíveis produtos e serviços no local onde são necessários, no momento em que são desejados. De objetivos gerais, para objetivos mais específicos, Carvalho (2006, p. 124) elenca uma relação dos principais objetivos da logística no cenário atual: Considerando-se que o escopo da Logística é adquirir, manusear,

17 15 transportar, distribuir e controlar eficazmente os bens disponíveis, é fácil concluir que os seus principais objetivos são: redução dos custos globais; altos giros de estoque; continuidade do fornecimento; obtenção do nível de qualidade desejado; rapidez nas entregas; registros, controles e transmissão de dados instantâneos e confiáveis. Nota-se que várias são as definições encontradas sobre os objetivos da logística, porém todas têm o mesmo sentido na essência: atender aos clientes, de forma satisfatória e com o menor custo possível. Também com base nestes conceitos o IMAM (1998, p. 53) coloca os principais objetivos da logística como: Um processo logístico efetivo é essencial para satisfazer o cliente e ganhar vantagem competitiva. Melhorar a qualidade do serviço que a logística fornece aumenta a satisfação do cliente e apóia a sua lealdade. Isso, por sua vez, leva ao aumento da participação do mercado e a maior margem de lucro. Ao mesmo tempo, focalizar as reais necessidades do cliente elimina custo de serviço não valorizado. Melhorar a produtividade do processo logístico também reduz custo. Juntas, essas ações ajudam a tornar os produtos e serviços mais atraentes no mercado. Dentro desses objetivos a logística se desenvolveu de tal maneira que em muitas empresas ela é o elo de ligação entre os diversos setores (marketing, produção, finanças). Conforme Alvarenga e Novaes (2000, p. 51): Na verdade, há um terceiro setor da empresa que raciocina de forma oposta ao setor de Marketing: é a área de Finanças. De forma sistêmica, o pessoal de Logística fará o papel de intermediador entre Marketing e Finanças, levando a uma solução que satisfaça ambos e a empresa no seu todo. Pode-se notar, desta forma, a necessidade de dinamismo e flexibilidade da logística, bem como de seus profissionais, uma vez que é preciso interagir com setores diversificados a fim de promover a sincronia entre eles. Portanto, o conhecimento é de fundamental importância para o êxito nos objetivos da logística. Conhecimentos sobre o produto, sobre o cliente, ciência da importância da informação rápida e precisa, são quesitos primordiais para o sucesso. O IMAM (2000, P. 12) afirma essa necessidade: A logística representa uma oportunidade ideal para adicionar valor a fim de realizar o sucesso do cliente [...], isto pode ser por meio: (1)

18 16 Melhoria da qualidade: Reduzir inventário; reduzir tempo em trânsito. (2) Flexibilidade da embalagem: os clientes recebendo os produtos como desejam. (3) Velocidade de resposta: fluxos rápidos de informação e redução de tempo. (4) Distribuição coordenada: planejamento dos locais de distribuição. Ao analisar esse conceito de objetivo é possível perceber o quão abrangente é a logística, atuando desde suas atividades primárias, que, conforme Ballou (1995, p. 24) são: transporte, manutenção de estoques e processamentos de pedidos, até outras complexas funções como embalagens, custos e informações. 2.2 Utilização É possível notar que, ao longo das últimas décadas, especialmente a partir de meados dos anos 70, o conceito de globalização é cada vez mais presente e vem se tornando inevitável para as empresas, qualquer que seja o seu porte, conforme Larrañaga (2003, p ). Até mesmo as micro empresas, com pequena produção e pouca distribuição podem se valer dos benefícios da globalização e otimizar seus processos reduzindo custos. Como exemplo, uma pequena empresa pode se valer de uma oferta de serviços logísticos de baixo custo para adquirir matéria prima de boa qualidade e melhores preços de um determinado ponto do país ou até de outros países. No entanto torna-se necessário um estudo aprimorado e análise dos custos para se valer deste recurso, uma vez que os custos com transporte podem tornar-se um peso muito grande na operação impactando no preço final do produto. Segundo Ballou (1995, p. 18) os excelentes resultados com a redução de custos com transportes estão transformando a Logística, não só em uma disciplina autônoma e independente da Administração, mas também em uma disciplina de fundamental importância estratégica para as empresas. Visto que, conforme Ballou (1995, p. 24), os custos com transporte representam de um a dois terços dos custos logísticos, é de fundamental importância planejar e dedicar os recursos necessários a este planejamento logístico dando a devida importância à disciplina. Abordando o assunto numa escala mais ampla, em nível mundial, o papel

19 17 logístico ganha ainda mais importância, dada a necessidade da sociedade por bens e serviços cada vez mais variados e provenientes de diversas localidades do planeta. Conforme Larrañaga (2003, p. 31): É um fato econômico conhecido que os recursos e os consumidores estão espalhados numa ampla área geográfica. Além disso, os consumidores não residem perto dos bens ou produtos que necessitam e as unidades de transformação, em geral, estão afastadas das fontes de matérias-primas que utilizam no processo produtivo. Conforme Ballou (1995, p. 19), uma rede logística bem estruturada e eficiente pode trazer a uma determinada região sucesso na produção e comércio de seus produtos, propiciando desenvolvimento e qualidade de vida a sua população. Pois o sistema globalizado criou um modelo de comércio onde há a possibilidade de um país ou região se especializar na produção daquilo que tenha uma vantagem econômica maior, no entanto isso não é o bastante, é necessário um planejamento logístico eficiente para se ter um ganho substancial na produção e manter uma boa competitividade no mercado. Dornier et. Al (2000, p. 37) especificam de forma mais detalhada sobre a utilização da logística: Logística e operações nunca antes desempenharam papel tão importante nas organizações. Mudanças nas expectativas dos clientes ou na localização geográfica continuamente transformam a natureza dos mercados, que, por sua vez, geram restrições que alteram o fluxo de mercadorias dentro das empresas. Mudanças tecnológicas e mercados emergentes abrem novas formas de reorganizar, adaptar e otimizar o fluxo de matérias-primas, produtos semi-acabados, produtos acabados, peças de reposição e materiais reciclados. Desta forma já se pode notar uma utilização mais abrangente da logística, além da idéia principal (suprimento de matéria prima e distribuição de produtos acabados) nota-se outras atividades logísticas que, quando bem planejadas e sempre alinhadas ao fluxo de informações, trazem ganhos de competitividade e qualidade. Nota-se também que as duas últimas ramificações mencionadas das atividades logísticas (peças de reposição e materiais reciclados-logística reversa) são tarefas primordiais num atendimento de pós-venda, reforça-se, desta forma, o que já foi dito neste estudo: a necessidade da logística em ser integrada e formar o

20 18 elo de ligação entre diversos setores, neste caso o setor de vendas, produção e assistência técnica. A figura abaixo ilustra essa idéia de integração e ligação e demonstra um modelo de ciclo logístico: Figura 1: Fluxo de Operações Logísticas Fonte: Dornier (2000, p. 40)

21 19 3 TRANSPORTE DE CARGAS Dentro de todo o ciclo logístico o transporte de cargas ainda é a fazer mais importante de toda a operação, pois é responsável por cerca de 60% dos custos totais, conforme Ballou (1995, p. 24) afirma: Para a maioria das firmas, o transporte é a atividade logística mais importante simplesmente porque ela absorve, em média, de um a dois terços dos custos logísticos. É essencial, pois nenhuma firma moderna pode operar sem providenciar a movimentação de suas matérias-primas ou de seus produtos acabados de alguma forma. Sua importância é sempre sublinhada pelos problemas financeiros colocados para muitas empresas quando há uma greve ferroviária nacional ou quando carreteiros autônomos paralisam suas atividades devido a aumentos nos combustíveis. Não é incomum denominar tais eventos de desastres nacionais. Os mercados não podem ser atendidos e produtos permanecem no canal de distribuição para deteriorarem-se ou tornarem-se obsoletos. Com esta afirmação é possível notar a importância da atividade ]de transporte dentro do ciclo logístico, não só pela representatividade de custo dentro da operação, mas também pela necessidade que as empresas têm de se utilizar do transporte para se iniciar e também concluir o ciclo de produção de seus produtos. Bowersox e Closs (2001, p. 279) destacam o objetivo do transporte: O principal objetivo do transporte é movimentar produtos de um local de origem até um determinado destino minimizando ao mesmo tempo os custos financeiros, temporais e ambientais. As despesas de perdas e danos também devem ser minimizadas. Ao mesmo tempo, a movimentação deve atender às expectativas de clientes em relação ao desempenho das entregas e à disponibilidade de informações relativas às cargas transportadoras. Além da movimentação de produtos, Bowersox e Closs (2001, p,279) ainda abordam a estocagem de produtos como outra tarefa pertinente ao transporte. Definindo como estocagem temporária o tempo em que a mercadoria permanece em viagem, dentro dos veículo, é assunto para ser cuidadosamente analisado, uma vez que trata-se de produtos com valor agregado e investimento aplicado que estão temporariamente inertes, sem propiciar o retorno do valor aplicado. Em outras situações esta estocagem temporária ou estoque em movimento

22 20 pode ser uma alternativa à necessidade de se estocar os produtos em determinado local, por exemplo, uma empresa que trabalha com um sistema just-in-time poderá se valer do tempo de transporte para manter seus estoques em movimento e assim evitar a necessidade de disponibilizar um local físico para armazenagem dos produtos, porém, por outro lado, este estoque em movimento também tem seu custo, no entanto este fica compartilhado com as despesas inevitáveis do transporte. Numa estrutura básica de transporte Bowersox e Closs (2001, p. 280) colocam alguns agentes que atuam diretamente nesta estrutura, são eles: os embarcadores e destinatários; as transportadoras; o governo; e o público, cada um desempenhando seu papel dentro desta cadeia. Na figura 2 a ilustração deste ciclo: Figura 2: Relação entre o embarcador, o destinatário e o público. Fonte: Bowersox e Closs (2001, p. 281) Dentro deste conceito o transporte é definido por Bowersox e Closs (2001, p. 280) como uma operação singular, diferente de uma operação comercial onde comprador e vendedor definem entre si as condições de sua operação. No transporte, além dos agentes geradores da operação (embarcadores e destinatários) há a atuação do governo, dos transportadores e do público. Ainda conforme Bowersox e Closs (2001, p. 281) o governo é mais um agente neste ciclo, tendo grande interesse na atividade a fim de propiciar substanciais ganhos à economia oferecendo uma boa infra-estrutura de transportes. Países bem desenvolvidos têm por trás de uma boa economia uma excelente rede

23 21 de infra-estrutura de transportes, em alguns deles o próprio governo é responsável por este fornecimento de serviço. Em outros países este incentivo é feito através de leis, concessões, pesquisa e desenvolvimento. Por fim, Bowersox e Closs (2001, p. 282) colocam o público como o último agente deste ciclo. Neste caso o público é o grande responsável por todo este sistema, trata-se dos diversos consumidores finais, que, por sua vez, exerce muitas vezes a função de agente em outra atividade deste tópico. É o público que terá o maior interesse num transporte eficiente e de baixo custo, é ele também que será o maior interessado em que este transporte seja realizado de forma ética e correta, ocasionando os menores impactos possíveis ao meio ambiente. Conforme Rodrigues (2006, p. 31), quanto aos modos ou modais de transporte, são cinco as classificações: Aquaviário (hidroviário, lacustre ou marítimo), aéreo, dutoviário, ferroviário e rodoviário. Ballou (1995, p. 121) também classifica como cinco os modais básicos: O usuário de transportes tem uma variada gama de serviços a seu dispor, todos eles girando em torno dos cinco modais básicos. Será abordado de forma básica as principais características sobre os modais de transporte, com enfoque na atual infra-estrutura no Brasil, sendo que, quanto ao transporte rodoviário, por ser objeto deste estudo, haverá uma abordagem mais detalhada. 3.1 Transporte aquaviário Conforme o ministério dos transportes (MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES, 2009) há no Brasil atualmente onze bacias hidrográficas (rios navegáveis) de relevante importância para o transporte nacional, são elas: Madeira; Solimões; Amazonas; Guamá/Capim; Parnaíba; rios estaduais do nordeste; São Francisco/Grande; Araguaia/Mortes/Tocantins; Paraguai; Tietê/Paraná; e Jacuí/Taquari/Lagoa dos Patos. Apesar da aparente vastidão de hidrovias, o Brasil ainda é muito pobre na exploração deste modal, uma vez que é um dos países com o maior potencial hídrico do mundo, conforme Rodrigues (2006, p. 76). Para se ter uma idéia, a figura 3 é o estudo mais recente disponibilizado pelo governo federal e

24 22 data do ano de 2000, apresentando um decrescimento na utilização deste modo de transporte além da pouca utilização em comparação com o volume de cargas transportado no Brasil: Figura 3: Movimentação de Cargas nas principais Hidrovias do Brasil. Fonte: Ministério dos Transportes (MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES, 2009) No transporte marítimo também há pouca utilização do modal. Conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o Brasil tem uma costa marítima de km, o transporte marítimo em torno da costa brasileira (denominado como cabotagem) poderia ser uma excelente alternativa e de baixo custo ao transporte rodoviário, porém, de acordo com Rodrigues (2006, p. 88), a cabotagem vem tendo um leve aumento em sua utilização, principalmente no trecho Santos-Manaus. 3.2 Transporte aéreo É o mais rápido de todos os modos de transportes e recomendado para grandes distâncias e para pequenas cargas, visto que tem o maior custo de transporte dentre os modais, conforme Ballou (1995, p. 120) [...] apesar de seu frete exceder o valor do frete rodoviário mais de três vezes e quatorze vezes o ferroviário. A vantagem do modo aéreo está em sua velocidade sem paralelo [...]. Por ser um meio peculiar, torna-se o mais seguro quanto á vulnerabilidade a roubos, sendo seus maiores riscos o de acidente ou de perdas. Ainda é pouco utilizado no Brasil, sendo que os produtos mais comuns transportados por este meio são os de alto valor agregado e os perecíveis.

TÍTULO: ROUBOS DE CARGAS NAS ESTRADAS DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: ROUBOS DE CARGAS NAS ESTRADAS DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS TÍTULO: ROUBOS DE CARGAS NAS ESTRADAS DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GUARULHOS AUTOR(ES): RUBENS MACIEL JUNIOR,

Leia mais

Tokio Marine TRANSPORTES

Tokio Marine TRANSPORTES Tokio Marine TRANSPORTES Tokio Marine Transportes Objetivo Compreender o Seguro de Transportes e sua aplicação. Identificar oportunidades de negócios ligadas ao seguro de Transportes. 1. Objetivo do Seguro

Leia mais

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

LEI N. 11.442, DE 05 DE JANEIRO DE 2007

LEI N. 11.442, DE 05 DE JANEIRO DE 2007 LEI N. 11.442, DE 05 DE JANEIRO DE 2007 Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei n. 6.813, de 10 de julho de 1980 Alterações: Lei n. 12249,

Leia mais

SEGUROS NA INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS

SEGUROS NA INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS SEGUROS NA INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS Paulo Robson Alves FATORES DE COMPETITIVIDADE Seguradoras devem ter atuação Global Preço do Seguro compatível com o mercado internacional Coberturas de Seguros

Leia mais

Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei nº 6.813, de 10 de julho de 1980.

Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei nº 6.813, de 10 de julho de 1980. LEI Nº 11.442, de 05/01/2007 Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei nº 6.813, de 10 de julho de 1980. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.442, DE 5 DE JANEIRO DE 2007. Mensagem de veto Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos ADVERTÊNCIA Informamos que os textos das normas constantes deste material são digitados ou digitalizados, não sendo, portanto, textos oficiais. São reproduções digitais de textos publicados na internet

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

Fundamentos do Transporte

Fundamentos do Transporte Prof.: Deibson Agnel Livro: Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística Empresarial Autor: Ronald Ballou Cap. 06 1 A importância de um sistema de transporte eficaz A movimentação de cargas absorve

Leia mais

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Isabel Marcia Rodrigues (UTFPR) imarcia.r@hotmail.com João Carlos Colmenero (UTFPR) colmenero@utfpr.edu.br Luiz Alberto

Leia mais

SEGURO DE TRANSPORTE DE CARGAS NACIONAL E INTERNACIONAL

SEGURO DE TRANSPORTE DE CARGAS NACIONAL E INTERNACIONAL SEGURO DE TRANSPORTE DE CARGAS NACIONAL E INTERNACIONAL Sobre o Seguro de Transportes É destinado a dois tipos de clientes: 1. Proprietários de mercadorias (embarcador) 2. Empresas de transportes rodoviários

Leia mais

Abordagens de Vendas / Estilos

Abordagens de Vendas / Estilos Quem somos. Somos uma empresa especializada em Gestão de Frotas, Seguros e Telemetria, Administrada por profissionais com mais de 20 anos de experiência no mercado, atuando em parceria com nossos clientes

Leia mais

Introdução à Logística e ao Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento CONCEITO DE LOGÍSTICA EVOLUÇÃO

Introdução à Logística e ao Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento CONCEITO DE LOGÍSTICA EVOLUÇÃO Introdução à Logística e ao Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento CONCEITO DE LOGÍSTICA DÉCADA DE 70 TRANSPORTE, ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO DÉCADA DE 80 SISTEMA INTEGRADO DÉCADAS DE 90 / 00 SERVIÇO

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo ANEXO XIX. SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA

Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo ANEXO XIX. SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA ANEXO XIX. SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA Durante o prazo da CONCESSÃO, a CONCESSIONÁRIA deverá contratar e manter em vigor no mínimo as apólices de seguro a seguir indicadas, nas condições

Leia mais

Amigos, Atenciosamente,

Amigos, Atenciosamente, Amigos, A MSCB Advogados Associados, é o braço jurídico da Zênite Assessoria e Consultoria Ltda., que há mais de 20 anos presta serviços às empresas que atuam na área de transporte de cargas e logística,

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

Categoria: Case: PAMTAX

Categoria: Case: PAMTAX PRÊMIO ANSP 2005 Categoria: Empresas de Prestação de Serviços Case: PAMTAX 2 Í N D I C E SINOPSE Pág. 4 PROBLEMA Pág. 5 A situação das seguradoras Pág. 6 A situação das transportadoras Pág. 8 SOLUÇÃO Pág.

Leia mais

Características Gerais dos Seguros de Transportes Internacionais: I Condições Gerais;

Características Gerais dos Seguros de Transportes Internacionais: I Condições Gerais; Coberturas de Riscos UNIDADE III: Seguros: modalidades, custos e legislação internacional do setor. Cláusulas e condições gerais das apólices de seguros Características Gerais dos Seguros de Transportes

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER

PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTOS PARA O TRANSPORTE DE CONTÊINER julho-11 Percurso de ida e volta Contêiner até 25 t Contêiner acima de 25 t até 30

Leia mais

SENADO FEDERAL. Art. 1º A Lei nº 11.442, de 5 de janeiro de 2007, passa a vigorar acrescida do seguinte art. 3º-A:

SENADO FEDERAL. Art. 1º A Lei nº 11.442, de 5 de janeiro de 2007, passa a vigorar acrescida do seguinte art. 3º-A: SENADO FEDERAL Altera a Lei nº 11.442, de 5 de janeiro de 2007, que dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei nº 6.813, de 10 de julho

Leia mais

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos Prof. Paulo Medeiros Medindo os custos e desempenho da logística Uma vez que o gerenciamento logístico é um conceito orientado

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade I GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Introdução O transporte é a essência das atividades logísticas visto como estratégica para que as empresas possam ser cada vez mais competitivas.

Leia mais

A Recondução à Legalidade do Seguro Obrigatório de Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário de Carga RCTR-C

A Recondução à Legalidade do Seguro Obrigatório de Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário de Carga RCTR-C Grupo: A Recondução à Legalidade do Seguro Obrigatório de Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário de Carga RCTR-C E Irregularidades do Seguro na DDR Comercialização do Frete até 1.990 EMPRESA

Leia mais

DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO

DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO 1. Até a década de 70 não eram reconhecidos os crimes contra o patrimônio como risco a ser efetivamente protegido no transporte rodoviário de cargas,

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 6 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Modais de Transporte Característica Comparações Utilização Instrumentalização Multimodalidade e intermodalidade

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Iniciaremos aqui mais um desenvolvimento de segmento da Indústria de Petróleo e Gás, DOWNSTREAM TRANSPORTE, no que se refere

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

Osegmento de transporte. Seguros de transportes. Opinião. Qual o futuro para a carteira? BRUNO KELLY E LIGIA NASCIMENTO CARDOSO

Osegmento de transporte. Seguros de transportes. Opinião. Qual o futuro para a carteira? BRUNO KELLY E LIGIA NASCIMENTO CARDOSO Opinião 26 Seguros de transportes Qual o futuro para a carteira? BRUNO KELLY E LIGIA NASCIMENTO CARDOSO Osegmento de transporte de cargas é um dos mais importantes para o desenvolvimento do país. Diretamente

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP nº 12/1988

RESOLUÇÃO CNSP nº 12/1988 RESOLUÇÃO CNSP nº 12/1988 A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, na forma do art. 30 do Regimento Interno baixado pela Resolução CNSP nº 31/68, de 19.08.68, com a redação dada pela Resolução CNSP

Leia mais

ANEXO VI.7 - CONDIÇÕES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS. Proponente:

ANEXO VI.7 - CONDIÇÕES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS. Proponente: ANEXO VI.7 - CONDIÇÕES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS Proponente: Declaro que, caso venha a ser adjudicado com o objeto do Edital MS/CS 510-R02473, comprometo-me a efetuar a contratação de seguros para a

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade II GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Formas e modais de transportes As formas como nossos produtos são distribuídos em nosso país, depende de vários fatores. Em um país como o

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador)

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador) Na última aula, estudamos os INCOTERMS dos grupos E e F. Agora, discutiremos os INCOTERMS dos grupos C e D. Claro que nosso objetivo é identificar quais despesas (custos) e quais riscos (responsabilidade

Leia mais

Prof. Altair da Silva. Unidade III GERENCIAMENTO DE

Prof. Altair da Silva. Unidade III GERENCIAMENTO DE Prof. Altair da Silva Unidade III GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Transporte aéreo O transporte caracterizado por transporte através de aeronaves. Doméstico internamente; Internacional outros países; Início

Leia mais

Desafio Logístico 2013

Desafio Logístico 2013 1 Desafio Logístico 2013 Índice Introdução 3 A situação O desafio 5 5 Regras gerais 6 2 Introdução O desenvolvimento econômico do Brasil enfrenta inúmeros desafios sendo que um dos mais complexos está

Leia mais

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 131 RESUMOS EXPANDIDOS...132

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 131 RESUMOS EXPANDIDOS...132 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 131 RESUMOS EXPANDIDOS...132 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 132

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DO TRANSPORTADOR RODOVIÁRIO EM VIAGEM INTERNACIONAL DANOS À CARGA TRANSPORTADA

CONDIÇÕES GERAIS PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DO TRANSPORTADOR RODOVIÁRIO EM VIAGEM INTERNACIONAL DANOS À CARGA TRANSPORTADA CONDIÇÕES GERAIS PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DO TRANSPORTADOR RODOVIÁRIO EM VIAGEM INTERNACIONAL DANOS À CARGA TRANSPORTADA Cláusula 1 - Objeto do Seguro e Risco Coberto 1.1 - O presente contrato

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

CUSTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO DO ARROZ BENEFICIADO NA REGIÃO CENTRO DO RS ATÉ SÃO LUIS - MA

CUSTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO DO ARROZ BENEFICIADO NA REGIÃO CENTRO DO RS ATÉ SÃO LUIS - MA CUSTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO DO ARROZ BENEFICIADO NA REGIÃO CENTRO DO RS ATÉ SÃO LUIS - MA Roberto Portes Ribeiro (UFSM) robertor@smail.ufsm.br Fernando Fachin Pacheco (FAMES) fernando_f_p@hotmail.com

Leia mais

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II Prof. Alessandro Camargo Logística Internacional As principais características das operações logísticas são: - Complexidade: que podem ser desde o produto até a

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

ANEXO VI.9 - CONDIÇÕES PARA A CONTRATAÇÃO DE SEGUROS. Proponente:

ANEXO VI.9 - CONDIÇÕES PARA A CONTRATAÇÃO DE SEGUROS. Proponente: ANEXO VI.9 - CONDIÇÕES PARA A CONTRATAÇÃO DE SEGUROS Proponente: Declaro que, caso venha a ser adjudicado com o objeto do Edital MS/CS 510- R02474, comprometo-me a efetuar a contratação de seguros para

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI SUMÁRIO Apresentação... IX Prefácio... XI 1. INTRODUÇÃO À GESTÃO DE FROTAS... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Considerações sobre a Estrutura do Transporte Rodoviário no Brasil... 2 1.3. A Estrutura Organizacional

Leia mais

Logística Empresarial Integrada

Logística Empresarial Integrada Logística Empresarial Integrada Profº José Carlos de Sousa Lima Amazenagem, Localização Física, Distribuição e Transporte Objetivo Discutir a armazenagem, localização física, gestão da distribuição e transporte

Leia mais

Navegação de Cabotagem

Navegação de Cabotagem Reunião Conjunta Câmaras Setoriais da Cadeia Produtiva de Milho e Sorgo e da Cadeia Produtiva de Aves e Suínos Identificação das formas de movimentação dos excedentes de milho no Brasil Navegação de Cabotagem

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM SEGUROS

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM SEGUROS DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM SEGUROS SEGURO Atividade bastante antiga Assemelha-se se a uma aposta Pagamento de uma parcela em dinheiro, para adquirir o direito a um reembolso por alguma perda ou avaria

Leia mais

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade TRANSPORTE INTERNACIONAL Transporte Internacional: comercial e global progresso e desenvolvimento troca e circulação

Leia mais

Parceria: Pinhal Corretora de Seguros QBE Brasil Seguros SEGURADOS DO TRANSPORTE DE CAFÉ

Parceria: Pinhal Corretora de Seguros QBE Brasil Seguros SEGURADOS DO TRANSPORTE DE CAFÉ Parceria: Pinhal Corretora de Seguros QBE Brasil Seguros SEGURADOS DO TRANSPORTE DE CAFÉ Versão oiriginal Acesse o site: www.qbe.com.br QBE INSURANCE GROUP - PRESENÇA GLOBAL FUNDADO EM 1886 NA AUSTRÁLIA,

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013 Navegação de Cabotagem no Brasil João Guilherme Araujo Novembro/2013 Agenda Porque falar de Cabotagem? Cabotagem no Brasil Pontos Favoráveis e Desfavoráveis Números da Cabotagem no Brasil Cabotagem de

Leia mais

Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos )

Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos ) Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos ) DECOPE/NTC A planilha referencial de granéis sólidos foi elaborada pelo DECOPE/NTC&LOGÍSTICA sob supervisão

Leia mais

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio.

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio. Gestão da Produção Industrial Módulo B Fase 1 2015 Logística Empresarial Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções

Leia mais

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA.

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. Caro participante, Agradecemos a sua presença no III Megacity Logistics Workshop. Você é parte importante para o aprimoramento

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO. Prof. Márcio Antoni

Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO. Prof. Márcio Antoni Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Prof. Márcio Antoni Seguros O seguro é uma operação comercial na qual o segurado (exportador ou importador) e segurador (companhia de seguro) formalizam

Leia mais

2.0 A Logística 2.1 O Conceito da Logística

2.0 A Logística 2.1 O Conceito da Logística 2.0 A Logística Neste capítulo será realizada uma breve análise sobre os conceitos e métodos aplicados à logística empresarial, construindo o arcabouço teórico necessário para o desenvolvimento do modelo

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

DECLARAÇÃO. Quando as mercadorias forem usadas, as coberturas do seguro ficam automaticamente reduzidas para a COBERTURA BÁSICA RESTRITA C nº 01.

DECLARAÇÃO. Quando as mercadorias forem usadas, as coberturas do seguro ficam automaticamente reduzidas para a COBERTURA BÁSICA RESTRITA C nº 01. São Paulo, 31 de outubro de 2014. À RODOBORGES EXPRESS LOG INTEGRAD LTDA EPP CNPJ: 01.375.753/0003-06 CNPJ: 01.375.753/0004-97 DECLARAÇÃO Declara-se para todos os fins e efeitos que, a partir das 24 horas

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

Visões sobre a padronização mínima de "PGR s" - Planos de Gerenciamento de Riscos e DDR s Declaração de Dispensa de Direito de Regresso

Visões sobre a padronização mínima de PGR s - Planos de Gerenciamento de Riscos e DDR s Declaração de Dispensa de Direito de Regresso Visões sobre a padronização mínima de "PGR s" - Planos de Gerenciamento de Riscos e DDR s Declaração de Dispensa de Direito de Regresso Gostaria de iniciar com algumas definições sobre os riscos da atividade

Leia mais

4 O Enfoque da Logística Urbana ou City Logistics no PDTU- RMRJ parte Cargas

4 O Enfoque da Logística Urbana ou City Logistics no PDTU- RMRJ parte Cargas 50 4 O Enfoque da Logística Urbana ou City Logistics no PDTU- RMRJ parte Cargas Neste capítulo é apresentada a definição de transporte urbano de cargas, a Logística Urbana ou City Logistics, seu enfoque,

Leia mais

Planejamento da Movimentação de Mercadorias

Planejamento da Movimentação de Mercadorias Planejamento da Movimentação de Mercadorias Engenharia Logística II Objetivo Facilitar o engenheiro de logística a projetar e especificar as maneiras pelas quais produção e demanda devem ser compatibilizadas

Leia mais

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura PPA 2004-2007 Caminhos da Bahia: Infra-estrutura e Logística Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura nas áreas de transportes e energia, com o objetivo

Leia mais

MANUAL DE BENEFÍCIOS HDI SEGURO AUTOMÓVEL

MANUAL DE BENEFÍCIOS HDI SEGURO AUTOMÓVEL MANUAL DE BENEFÍCIOS HDI SEGURO AUTOMÓVEL ASSISTÊNCIA 24 HORAS VEÍCULO ÔNIBUS / MICRO ÔNIBUS / VANS 01/agosto/2013 1 DISPOSIÇÕES GERAIS Este é um guia completo dos benefícios oferecidos pela HDI Seguros

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS Maria Rita Pontes Assumpção Mestrado em Gestão de Negócios Universidade Católica de Santos Resenha da Dissertação de Bruno

Leia mais

OS SEGUROS NA ATIVIDADE MARÍTIMA E PORTUÁRIA

OS SEGUROS NA ATIVIDADE MARÍTIMA E PORTUÁRIA OS SEGUROS NA ATIVIDADE MARÍTIMA E PORTUÁRIA SEGURO DE CASCO - Circular SUSEP 01/85 SEGURO DE TRANSPORTES Circular SUSEP 354/2007 SEGURO DE OPERADORES PORTUÁRIOS - Circular SUSEP 291/2005 SEGURO DE RC

Leia mais

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA SINDARPA INSTITUCIONAL O Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial e Lacustre e das Agências de Navegação

Leia mais

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira CARLOS JR. GERENTE DE PLANEJAMENTO INTEGRADO Jun/2013 Jorge Carlos Dória Jr. Votorantim Siderurgia Votorantim Siderurgia O Grupo Votorantim

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect)

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect) Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Logística empresarial e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Conceitos avançados da Logística com foco na TI Disciplina: Tecnologia da Informação (TI) Aplicada à

Leia mais

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR José Neto Aristides da Silva Graduando em Logística pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil jneto12@gmail.com José Claudio de Souza Lima Mestre em Engenharia de Produção

Leia mais

Evolução da Utilização Multimodal

Evolução da Utilização Multimodal "Sem caminhão, o Brasil pára". Transporte Intermodal de Cargas A intermodalidade, fisicamente, é a mesma coisa, ou seja, o transporte da carga por mais de um modal para alcançar o seu destino. O que diferencia

Leia mais

LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997.

LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. - 1 - LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. Dispõe sobre a ordenação do transporte aquaviário e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que

Leia mais

RESOLUÇÃO DP Nº 108.2006, DE 16 DE AGOSTO DE 2006.

RESOLUÇÃO DP Nº 108.2006, DE 16 DE AGOSTO DE 2006. RESOLUÇÃO DP Nº 108.2006, DE 16 DE AGOSTO DE 2006. INSTITUI O REGRAMENTO PARA GESTÃO DO TRÁFEGO PORTUÁRIO, SINALIZA E MONITORA A CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS, ESTABELECE ZONAS DE ESTACIONAMENTOS ROTATIVOS PARA

Leia mais

O TRANSPORTE COMO AGENTE NO COMÉRCIO EXTERIOR.

O TRANSPORTE COMO AGENTE NO COMÉRCIO EXTERIOR. O TRANSPORTE COMO AGENTE NO COMÉRCIO EXTERIOR. JORENTE, Marroni Angélica. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: angelicamarroni@flash.tv.br MICHEL, Murillo. Docente da

Leia mais

Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013

Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013 Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013 www.brazilpanels.com.br www.abcomm.com.br www.ecommerceschool.com.br Apoio: INTRODUÇÃO A Logística foi escolhida para ser o tema do primeiro estudo

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

1º Seminário de Gerenciamento de Riscos. Logistica - Soluções e Aplicações

1º Seminário de Gerenciamento de Riscos. Logistica - Soluções e Aplicações Logistica - Soluções e Aplicações 01 A saída para o transporte rodoviário é a Logistica integrada? Deveria ser, mas infelizmente o Brasil apostou no passado na implementação do transporte de cargas no

Leia mais

Manual de Assistência 24 horas. Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE

Manual de Assistência 24 horas. Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE Manual de Assistência 24 horas Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE I. Assistência 24 Horas 1. Descrição da Assistência 24 Horas Prestação de atendimento ao cliente/usuário através da administração de rede

Leia mais

MBA em Administração e Logística

MBA em Administração e Logística MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2 Prof. Albino Mileski Jr. Olá! Você quer saber mais sobre a distribuição física na logística? Assista ao vídeo a seguir. Distribuição

Leia mais

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado Tabela I Utilização da Infraestrutura de Acesso Aquaviário (Taxas devidas pelo armador ou agente) No. Espécie Incidência Valor() 1. Carregamento, descarga ou baldeação, por tonelada ou fração 3,73 2. Carregamento,

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE FERNANDA DUARTE DOS SANTOS

FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE FERNANDA DUARTE DOS SANTOS FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE FERNANDA DUARTE DOS SANTOS Estudo do Mercado de Algodão no Brasil, seu Transporte Rodoviário e Escoamento pelo Porto de Santos. Analise das Alternativas para Redução

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

APÓLICE DO RAMO DE RC TRANSP ROD CARGA

APÓLICE DO RAMO DE RC TRANSP ROD CARGA Porto Seguro Cia de Seguros Gerais Avenida Rio Branco, 1489 Campos Eliseos São Paulo CEP 01205-905 CNPJ 61.198.164/0001-60 - Cód. Susep 0588.6 Regulamentada pelo Decreto Lei 20.138 de 06/12/1945 Central

Leia mais