EDUCAÇÃO INFANTIL: a importância da afetividade na relação professoraluno na percepção de educadores

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDUCAÇÃO INFANTIL: a importância da afetividade na relação professoraluno na percepção de educadores"

Transcrição

1 Lilian Fradique Guiotti Pró-Reitoria de Graduação Curso de Pedagogia Trabalho de Conclusão de Curso Educação Infantil: A importância da afetividade na relação professor-aluno. EDUCAÇÃO INFANTIL: a importância da afetividade na relação professoraluno na percepção de educadores Artigo apresentado ao curso de graduação em Pedagogia da Universidade Católica de Brasília, como requisito parcial para obtenção do Título de Autora: Licenciatura Lilian Fradique em Guiotti Pedagogia. Orientadora: Profa. Dtda. Rosana Márcia Rolando Aguiar Orientador: prof. Dtda Rosana Márcia Rolando Aguiar BRASÍLIA 2011 Brasília - DF

2 Artigo de autoria de Lilian Fradique Guiotti EDUCAÇÃO INFANTIL: a importância da afetividade na relação professor-aluno na percepção de professores. Apresentado como requisito parcial para obtenção do grau de licenciatura em Pedagogia da Universidade Católica de Brasília, defendido e aprovado em 18 de novembro de 2011, pela banca examinadora abaixo assinada: Prof.(a) Dtda. Rosana Márcia Rolando de Aguiar Orientadora Pedagogia - UCB Profa. MSc. Adriana Lira Avaliadora Pedagogia - UCB 2

3 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus em primeiro lugar, por me guiar e me dar forças para concluir esse trabalho em um período que pensei que não ia dar conta. Quantas vezes, diante das barreiras e da ansiedade pensei, em desistir, mas Ele estava sempre ali ao meu lado me dando forças para dar continuidade aos meus sonhos e os meus desejos. Mostrou que é possível superar as barreiras,muitas vezes criadas por nós mesmos, e alcançar nossos sonhos. Também agradeço às minhas amigas Cleuba, por ser um ombro amigo, Aline Miranda, Aline Craveiro, ThaiseTrajano,Junior, Rute Jovita, Samara Lopes, Ivone e Lais Oliveira por sempre estarem ao meu lado, e as minhas irmãs Lais e Lorena que me dão força para realizar o meu grande sonho. Agradeço principalmente, à minha mãe Joana D arc e ao meu pai que são minhas inspirações, meu referencial, meu porto seguro e que sempre acreditram no meu potencial. Meu eterno agradecimento à profª Rosana Márcia Rolando Aguiar que me orientou, por ter estendido as mãos na hora que mais precisei dela, por ser essa excelente educadora que me propiciou novos saberes, que me deu apoio incondicional, carinho, que teve compreensão, paciência e dentre outras virtudes. Quantos desabafos ela ouviu e sempre tinha uma palavra que me confortava, tornando os momentos difíceis mais fáceis de serem superados. Agradeço à profª Adriana Lira por sua bondade em sempre querer ajudar ao próximo. Fico muito agradecida por ter aceitado ler e avaliar este trabalho. 3

4 EDUCAÇÃO INFANTIL : a importância da afetividade na relação professoraluno na percepção de educadore. Resumo Este trabalho tem como principal objetivo discutir a importância da afetividade na relação professor-aluno na educação infantil à luz de alguns pressupostos teóricos de referência nesse assunto. Teve como escopo a abordagem qualitativa para identificar a partir da escuta por meio de entrevista estruturada de uma escola da rede pública de ensino do DF, o que as docentes, que gentilmente colaboraram com esta pesquisa, pensam sobre o tema exposto e como a falta de afetividade pode trazer bloqueio no processo de aprendizagem do aluno da educação infantil. Assim, as educadoras entrevistadas apontaram que a afetividade é um elemento essencial no processo ensinoaprendizagem e que a falta dela pode trazer consequências e traumas irreversíveis, prejudicando, até mesmo, os sonhos e os desejos que o educando tem para um futuro próximo. Vale ressaltar que no relato das entrevistadas alguns fatores podem contribuir para a falta do vínculo afetivo na relação professor-aluno como o número excessivo de alunos na sala de aula, pois as docentes questionam como dar atenção necessária a cada educando. Por meio das falas das docentes, é possível concluir que a relação professoraluno pode ser reconstruída por meio da afetividade através do diálogo, respeito, carinho e compreensão incentivados pelos professores. Palavras-chave: Afetividade: Relação professor-aluno: Aprendizagem. INTRODUÇÃO A criança inicia a fase escolar trazendo uma mistura de emoções e expectativas, como o medo, a desconfiança, a ansiedade, resistência, timidez, alegria e motivação. Assim, cada estudante traz consigo sua vivência histórica, familiar, desde a mais tenra idade. Como a escola para a criança é um contexto totalmente novo, é necessário que ela se sinta amada, acolhida e segura nesse novo ambiente. Saltini(2008,p.101) corrobora com esta idéia ao considerar que a criança deseja e necessita ser amada, aceita 4

5 e acolhida e ouvida para que possa despertar para a vida da curiosidade e do aprendizado. Este estudo tem como principal objetivo discutir a importância da afetividade na relação professor-aluno dentro do contexto escolar da Educação Infantil. De modo geral, a aprendizagem se dá com a interação entre sujeitos e, na escola, isso ocorre com mais facilidade uma vez que a criança convive com outras crianças, que embora sejam da mesma faixa etária são pessoas diferentes, seres humanos complexos. É justamente nessa interação que acontece tanto entre os estudantes, quanto entre estes e os adultos da escola, o desenvolvimento integral, já que é aí que se aprende a importância do convívio harmônico, da amizade e do respeito ao outro. Saltini (2008,p.16), desde este ponto de vista afirma: As escolas deveriam entender mais de seres humanos e de amor do que de conteúdos e técnicas educativas. Elas têm contribuído em demasia para a construção de neuróticos por não entenderem de amor, de sonhos, de fantasias, de símbolos e de dores. Para que as crianças sejam bem atendidas no ambiente escolar os conhecimentos a respeito de suas necessidades afetivas nesta fase do desenvolvimento são fundamentais, pois a criança pequena está em um momento significativo de sua constituição subjetiva e, na escola, tais conhecimentos precisam fazer parte da formação docente, já que não são somente os aspectos cognitivos que devem ser privilegiados para o bom andamento da aprendizagem do aluno na Educação infantil. Assim, o desenvolvimento infantil, de acordo com (Cf. Aguiar, Almeida, 2011) embora aconteça por meio de heranças genéticas, estas não são suficientes para a construção de um ser, o que somente é possível quando um adulto atua nos cuidados desse pequeno humano, estabelecendo uma relação entre eles, formando assim uma rede de laços sociais que o constitui o pequeno humano psiquicamente. Neste sentido, a função do docente na vida da criança, principalmente na Educação infantil, é, justamente, a de cooperar com os cuidados em seu desenvolvimento integral, já que na vida escolar infantil, o professor, faz semblant (está simbolicamente representando os pais na vida psíquica da criança) do papel parental, 5

6 encarnando, em si mesmo, o papel ético de sua prática como educador. Assim sendo, os significantes pai e mãe, podem ser simbolicamente, substituídos pelo significante professor, cuja função carrega em si uma enorme importância, uma vez que, conforme nos chamam a atenção Aguiar e Almeida(2011), ao longo do desenvolvimento humano é possível que outros significantes e pessoas assumam, simbolicamente, a função paterna, como por exemplo, a figura do professor ou de alguém próximo. Com o objetivo de abordar os conceitos e a importância da afetividade na relação professor- aluno no ambiente escolar, buscou-se apresentar um breve histórico da educação infantil e das teorias da psicologia, baseadas nas idéias de Almeida (1993), Galvão (2008), Saltini (2008), Cunha (2010), dentre outros teóricos e comentadores de suas obras. Assim, foram averiguados os possíveis traumas e bloqueios consequentes da falta de afetividade no processo de ensino e aprendizagem, bem como no desenvolvimento do aluno, visto que por muito tempo, o afeto deixou de ser privilegiado pela escola. Isso se deve ao fato de o estudante ser visto como um mero receptor de conhecimento. Um outro aspecto aqui abordado foi o despreparo do educador em face do atual cenário e como a relação professor e aluno pode ser reconstruída de maneira gratificante e proveitosa para ambos os atores da educação. Desta forma, o tema aqui exposto torna-se relevante, uma vez que, é preciso que os educadores revejam suas práticas em sala de aula. Faz-se notório também, a reflexão e a compreensão acerca da importância da afetividade para o processo da aprendizagem e da relação professor-aluno na escola de Educação infantil. Para alcançar os objetivos a que se propôs esta pesquisa, cujo o utilizou-se o instrumento de coleta dos dados foi a entrevista estruturada. Um breve histórico sobre a Educação infantil Por volta do século XIV, a criança era vista como um ser indefinido o qual representava para a família a perpetuação de seus usos e costumes, ou seja, tinha a 6

7 missão de repassar os conhecimentos aprendidos com seus ancestrais. Sua educação era feita de modo coletivo e não se estabelecia nenhum vínculo afetivo entre ela e os pais. Com a Revolução Industrial, as mulheres passaram a deixar seus lares por um período para entrarem no mercado de trabalho, porém ainda eram cumpridoras de seus afazeres de criação dos filhos e dos deveres domésticos, como cuidar do marido e da família. Concomitante a isso, sob pressão dos trabalhadores urbanos, ocorreram várias mudanças sociais e econômicas causadas pelas revoluções industriais no mundo todo a favor de melhores condições de vida. Até então a educação e os estudos das crianças ficavam sob a responsabilidade e a critério da família. Na década de 70 e 80, ocorreram o processo de urbanização no Brasil e a entrada da mulher no mercado de trabalho. Com isso ocorreu a expansão do atendimento educacional, com ênfase ao atendimento das crianças de 4 a 6 anos, e em 1980 a expansão do atendimento de crianças na faixa etária de 0 a 3 anos. Hoje, a educação infantil ainda é tida para exercer ``função predominante assistencialista, ora um caráter compensatório e ora um caráter educacional nas ações desenvolvidas``.(p.8). No documento Política Nacional de Educação Infantil é citado que a visão da sociedade foi modificando com o tempo, pois atualmente a criança é vista como um ser sócio-histórico indivíduo com direitos e capaz de estabelecer relações. Na década de 1970, foi promulgada a lei nº 5.692, de 1971, a qual faz referência à educação infantil, apontando-a como conveniente à educação em escolas maternais, jardins de infância e instituições equivalentes. Esta lei recebeu várias críticas, pois não havia um programa específico para estimular as empresas à criação de pré-escolas. De acordo com os (Parâmetros Básicos de infra-estrutura para instituições de educação infantil,brasil,2006), as entidades que atendiam crianças de 0 a 6 anos eram contempladas como guardiãs das crianças. As creches atendiam especificamente as crianças carentes que eram mantidas por entidades filantrópicas ou religiosas e era visto como uma doação para as pessoas mais carentes. No mesmo documento é enfatizado que as pessoas de classe baixa decidiram criar locais para acolher e cuidar das crianças chamando de creches e pré-escolas comunitárias. É contemplado que o 7

8 Estado não ajudou com recursos financeiros, o que só aconteceu a partir da constituição de 1988 que estabeleceu que o dever do Estado era garantir o direito à educação para crianças de 0 a 6 anos. Em 1996, foi cria a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB 9394/96), a qual versa sobre a Educação Infantil juntamente com o Ensino Fundamental e o Ensino Médio. De acordo com a LDB em seu artigo 29: A educação infantil, primeira etapa da educação básica tem como finalidade o desenvolvimento integral da criança até seis anos de idade, em seus aspectos físico, psicológico, intelectual e social, complementando a ação da família e da comunidade. A educação infantil, diferentemente dos demais níveis da educação, não tem currículo formal, seguindo,pois desde 1998 o Referencial Curricular Nacional (Cf.Brasil, Referencial Curricular Nacional), documento que equivale aos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN), os quais embasam os demais segmentos da Educação Básica. Segundo o Referencial Curricular Nacional, o papel da educação infantil é o de cuidar da criança em um espaço formal, contemplando a alimentação, a limpeza e o lazer (brincadeiras), bem como educar respeitando sempre o caráter lúdico das atividades, primando pelo desenvolvimento integral da criança, além de trabalhar os seguintes eixos: movimento, música, artes visuais, linguagem oral e escrita, matemática, natureza e sociedade. Com base na trajetória da educação infantil, é possível perceber como a infância demorou a ser reconhecida pelos adultos, uma vez que não se dava importância ao fato de as crianças necessitarem de locais específicos para poderem se desenvolver em todos os aspectos. Pode-se dizer que a educação infantil surgiu em caráter de assistência à saúde e preservação da vida, não se relacionando com o fator educacional, ou seja, não surgiu com fins educativos, mas no intuito de prestar assistência às crianças. De acordo com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, a educação infantil deve ser oferecida em creches para as crianças de 0 a 3 anos de idade, e em pré- 8

9 escolas para as crianças de 4 e 5 anos, porém ela não é obrigatória. Assim, a implantação de Centros de Educação Infantil é facultativa, e de responsabilidade de cada estado e município. A educação infantil, na verdade, consiste na educação das crianças antes da sua entrada no ensino obrigatório e compreende o período entre zero e seis anos de idade de uma criança, onde estas são estimuladas por meio de atividades lúdicas e jogos com o intuito de exercitar as suas capacidades motoras e cognitivas, fazer descobertas e iniciar o processo de alfabetização. Neste seguimento infantil a avaliação é feita mediante acompanhamento e registro do desenvolvimento das crianças, sem o objetivo de promoção, mesmo para o acesso ao ensino fundamental. Contextualizando as leis e diretrizes que embasam a Educação Infantil Embora este seguimento da educação não seja o foco desta pesquisa vale ressaltar que a nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei Federal n ), aprovada em 20 de dezembro de 1996, consolida e amplia o dever do poder público para com a educação em geral e em particular para com o ensino fundamental. Assim, vê-se no art. 22 dessa lei que a educação básica, da qual o ensino fundamental é parte integrante, deve assegurar a todos a formação comum indispensável para o exercício da cidadania e fornecer meios para progredir no trabalho e em estudos posteriores, fato que confere ao ensino fundamental, ao mesmo tempo, um caráter de término e de continuidade. O ensino proposto pela LDB está em função do objetivo maior do ensino fundamental, que é o de propiciar a todos formação básica para a cidadania, a partir da criação na escola de condições de aprendizagem para: I - o desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios básicos o pleno domínio da leitura, da escrita e do cálculo; II - a compreensão do ambiente natural e social, do sistema político, da tecnologia, das artes edos valores em que se fundamenta a sociedade; 9

10 III - o desenvolvimento da capacidade de aprendizagem, tendo em vista a aquisição deconhecimentos e habilidades e a formação de atitudes e valores; IV - o fortalecimento dos vínculos de família, dos laços de solidariedade humana, e de tolerância recíproca em que se assenta a vida social (art. 32). Somente em abril de 1999, O Conselho Nacional de Educação fixou a lei que exigiu que as instituições acatassem as diversas identidades das crianças e suas famílias, sem exclusão, de gênero, etnia, religião e outras peculiaridades. A lei estabelece que o cuidado e o aprendizado devem estar integrados desde o início e que o trabalho educativo deve ser articulado em três eixos: a brincadeira, o movimento e as relações afetivas que as crianças desenvolvem. Em 1998, foi criado o Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil, (RCNEI,Cf.Brasil,1998), seguimento da educação escolar cujo enfoque da pesquisa faz referência, que contempla as creches, entidades equivalentes, e pré-escolas que integram uma série de documentos dos parâmetros curriculares nacionais. O RCNEI consiste em um guia de reflexão para os educadores que atuam com crianças de 0 a 6 anos. De acordo com o RCNEI, é necessário que haja uma mudança quanto à concepção sobre a educação infantil, pois esta não pode ser vista com um caráter somente assistencialista. A modalidade da Educação Infantil deve instigar os aspectos físicos, emocionais, afetivos, cognitivos e sociais da criança. É citado que muitas instituições só privilegiam os cuidados físicos da criança que é tida como ``carente, frágil, dependente e passiva``, sem ser contemplada a individualidade da criança. A preocupação das instituições educacionais resultou em novas propostas, uma delas é a de que os profissionais da educação deveriam atuar com substítutos maternos. Ainda existem muitas lacunas quando se fala em cuidar e educar e onde a afetividade se encaixa nessa prática pedagógica. De acordo com o RCNEI(Cf,Brasil,1998) as instituições devem criar um ambiente propício à segurança e confiança das crianças de 0 a 3 anos, a fim de garantir oportunidades para que sejam capazes de: Experimentar e utilizar os recursos de que dispõem para a satisfação de suas necessidades essenciais, expressando seus desejos, sentimentos, vontades e desagrados, e agindo com progressiva autonomia; 10

11 Familiarizar-se com a imagem do próprio corpo, conhecendo progressivamente seus limites, sua unidade e as sensações que ele produz; Interessar-se progressivamente pelo cuidado com o próprio corpo, executando ações simples relacionadas à saúde e higiene; Brincar; Relacionar-se progressivamente com mais crianças, com seus professores e com demais profissionais da instituição, demonstrando suas necessidades e interesses. ( volume II.p.27) Para a fase de 4 a 6 anos de idade os objetivos estabelecidos devem ser ampliados e aprofundados para que as crianças sejam capazes de: Ter uma imagem positiva de si, ampliando sua autoconfiança, identificando cada vez mais suas limitações e possibilidades, e agindo de acordo com elas; Identificar e enfrentar situações de conflitos, utilizando seus recursos pessoais, respeitando as outras crianças e adultos e exigindo reciprocidade; Valorizar ações de cooperação e solidariedade, desenvolvendo atitudes de ajuda e colaboração e compartilhando suas vivências; Brincar; Adotar hábitos de autocuidado, valorizando as atitudes relacionadas com a higiene, alimentação, conforto, segurança, proteção do corpo e cuidados com a aparência; Identificar e compreender a sua pertinência aos diversos grupos dos quais participam, respeitando suas regras básicas de convívio social e a diversidade que os compõe. Um olhar sobre a afetividade Notadamente a afetividade deve ter importância central na formação escolar e integral da criança, desde o ponto de vista de que a criança é um ser complexo que não é dotado somente de razão, mas antes de afeto, componente fundamental para que a aprendizagem ocorra, já que está justamente na base da inteligência humana. 11

12 Wallon (1987) citado por Galvão (2008) ressalta que a emoção é o primeiro e mais forte vínculo entre os seres humanos. Para ele, as emoções podem ser causa de progresso no desenvolvimento, podem ser fonte de conhecimento, pois enquanto expressões do sujeito, as emoções precedem, acompanham e orientam as atividades de relação, sem as quais elas não teriam como capturar o mundo exterior. Segundo Galvão (2008), a afetividade é um conceito amplo que abrange várias manifestações de emoções e sentimentos que podem ser tanto negativos quanto positivos como o carinho, amor, atenção, raiva, confiança, dentre outros. A criança começa a criar vínculos afetivos, desde recém-nascida quando é acolhida pelas pessoas mais próximas que interpretam seus movimentos como estados afetivos. O pequeno humano inicia a manifestação com vários tipos de emoções que visam a expressão e a comunicação de algo ao outro, que pode ser o desconforto ou a alegria, a dor por meio do choro etc. Nos dizeres de Galvão (2008), é através da afetividade que irá surgir várias manifestações como a emoção e o sentimento. As emoções, assim como os sentimentos são manifestações da vida afetiva. (p.61). No intuito de compreender o psiquismo humano, Wallon (1987) citado por Galvão (2008) volta sua atenção para a criança, destacando que por meio dela é possível ter acesso à gênese dos processos psíquicos. Para isso busca investigar a criança nos vários campos de sua atividade e nos vários momentos de sua evolução psíquica. Para tal compreensão enfoca o desenvolvimento em seus domínios afetivo, cognitivo e motor. Nos dizeres de Piaget (1964) citado por Almeida (1993), é por meio da interação familiar que a criança adquire seus primeiros valores e estímulos positivos ou negativos, que formam os primeiros afetos. Wallon (1987) citado por Galvão (2008) mostra as diferentes etapas e vínculos, bem como suas implicações com o todo representado pela personalidade, considerando que o sujeito se constrói na sua interação com o meio. 12

13 Jean Piaget (1964) citado por Almeida (1993) outro grande estudioso da psicologia do desenvolvimento e da inteligência infantil, dedicou-se exclusivamente ao estudo do desenvolvimento cognitivo. Em sua Teoria Construtivista da Inteligência, Piaget (1964) afirma que o conhecimento é construído com o tempo e por meio da interação entre os indivíduos e o meio social. Para este teórico as relações afetivas pressupõem sentimentos bons ou ruins de acordo com o momento vivido. Nesse sentido, Piaget (1964) citado por Almeida (1993) ressalta que a afetividade intervém na organização da atividade intelectual, o saber, a inteligência, o que pode estimular ou não o desenvolvimento intelectual. No entanto o afeto não é neutro, significa um sentimento e emoção de agrado ou desagrado, prazer ou dor, amor ou ódio. No pensamento de Wallon (1987) citado por Galvão (2008) a afetividade e a cognição têm o mesmo nível de importância no processo de desenvolvimento da criança. Para este teórico, a afetividade é um termo abrangente que incluem sentimentos, já a emoção é mais orgânica, são manifestações corporais e tônicas que o recém-nascido, por exemplo, dispõe para se comunicar com o meio social. Wallon (1987) citado por Galvão (2008) apropriadamente aponta que o nascimento da afetividade é anterior da inteligência, no inicio da vida são expressões motoras que ao longo do desenvolvimento e com a entrada no mundo das representações simbólicas e da fala cedem cada vez mais lugar à inteligência embora tenha um lugar privilegiado na vida psíquica do ser humano. A afetividade na educação escolar e na relação professor De acordo com Galvão (2008), a relação professor-aluno tem como principal fator a emoção, muitas vezes o educador usa o autoritarismo despertando no aluno o sentimento de oposição. A autora questiona o método tradicional da escola e a prática pedagógica utilizada. Questiona também que a sala de aula deveria ser um lugar acolhedor e agradável propiciando a aprendizagem. Nesta linha de pensamento, o papel da escola é contribuir para que a criança se desenvolva no aspecto cognitivo, mas também no afetivo e psicomotor, considerando o aspecto afetivo como um dos elementos essenciais à formação do ser humano. Saltini (2008) enfatiza que a 13

14 afetividade é essencial no desenvolvimento da inteligência. A motivação e o interesse nascem da afetividade. Por sua vez Cunha (2010) ressalta que o amor e o carinho são os grandes diferenciais no ato de educar porque quem ama não expõe somente, mas estimula o educando a vivenciar suas experiências afetivas. Cunha (2010, p.41) acrescenta ainda que a escola é um lugar privilegiado para a socialização, onde as relações afetivas possuem substancial valor. O aluno possui a necessidade de conviver, estabelecer relações, adquirir conhecimento. Ainda segundo Cunha(2010, p.12),muitas crianças e adolescentes não aprendem e recebem conceito de menos inteligentes, quando,na verdade, estão afetivamente carentes, afinal, nossa inteligência não só agrega aspectos cognitivos, mas também, emocionais.(cunha, 2010, p.22). Logo conclui-se, que a ausência de afetividade na relação professor- aluno pode trazer sérias consequências ao educando, como o desinteresse, baixa auto estima,raiva e alunos introspectivos. Assim, a relação ensinar-aprender é vista como um desafio a ser enfrentado, tanto no nível teórico como no nível das práticas pedagógicas, as quais traduzem de forma concreta essa relação. Almeida (1993) critica que algumas práticas pedagógicas ainda hoje não sabem sobre a importância da afetividade e do desejo no processo de aprendizagem, pois baseiam-se no racionalismo e na visão dualista do homem, considerando a aprendizagem como um processo exclusivamente consciente, produto da inteligência. Dessa forma, a pesquisadora propõe uma análise a respeito da relação ensinoaprendizagem a partir de uma visão integradora do ser humano, considerando que a afetividade expressa-se entre aquele que ensina e aquele que aprende. De acordo Almeida (1993,p.32) cita Pain (1991) que afirma que o conhecimento não pode ser transmitido de uma só vez e sua transmissão não se dá no vácuo, ou seja, na ausência do outro,é através da relação ensino-aprendizagem que o aprendiz se apropria do conteúdo ensinado, transformando-o e reproduzindo-o enquanto 14

15 conhecimento elaborado. Neste caso Almeida( 1993) quer dizer que é impossível que se aprenda no vazio. Nos dizeres de Pain (1991) citada em Almeida (1993,p.32), a aprendizagem é um processo de transmissão de conhecimento e transferência do saber. Assim, a relação entre o ensinar e o aprender é sempre vincular, ocorre de início na família, e, progressivamente, estende-se ao meio social. Almeida(1993) em seus estudos, verificou que segundo o sentido Piagetiano, o termo inteligência refere-se a uma estrutura lógica e genética o que significa dizer que a inteligência não é inata e nem adquirida, mas sim o resultado de uma construção progressiva, tendo como ponto de partida o desenvolvimento cognitivo que, para Piaget, aparece como uma adaptação mais precisa e objetiva à realidade. A mesma autora enfoca ainda outra dimensão presente na relação ensino-aprendizagem de fundamental papel, que se refere à afetividade. Destacando Freud (1974). Este conceitua a afetividade como estímulos que se originam dentro do organismo e alcançam a mente. E o afeto diz Freud é a expressão qualitativa da quantidade de energia pulsional.(p.32). Com relação ao desejo, na Teoria Freudiana, este tem por modelo a primeira experiência de satisfação, o que constitui a essência do desejo. Já para Lacan o desejo é sempre o desejo do outro e está intrinsecamente ligado a uma falta que não pode ser preenchida por nenhum objeto real. Desse modo, a pesquisadora concorda com estes autores concluindo que não existe, em última análise, satisfação do desejo na realidade e que sua dimensão não tem outra realidade senão a realidade psíquica. Almeida (1993) ressalta a importância da afetividade e do desejo na relação professor-aluno, destacando a posição contrária de vários autores em relação à Piaget que defende que não há estrutura cognitiva sem afetividade. Na teoria de Wallon citado por Almeida (1993) as emoções são a fonte do conhecimento ocasionando progresso no desenvolvimento uma vez que estas acompanham e orientam as atividades sensório-motoras e intelectuais tornando possível a representação levando à linguagem imaginada repleta de afetividade. 15

16 Ainda de acordo com seus estudos realizados por Almeida(1993),em Piaget, Wallon e Freud citados por Almeida (1993) a afetividade pode vista sob diferentes perspectivas, ocupa lugar privilegiado no desenvolvimento psíquico e intelectual da criança e do adolescente, sendo a raiz afetiva a base de toda a atividade psíquica e intelectual. Ainda nesse contexto, o professor atua como peça fundamental nesse processo, transferindo seu conhecimento ao aluno, pois, é no campo pedagógico, das relações professor-aluno, que a inteligência, a afetividade e o desejo se articulam, confrontando-se com faltas e carências a fim de contribuir para a construção de novas e infinitas possibilidades de aprendizagem. Materiais e métodos A presente pesquisa foi realizada na Escola Classe. Esta atende às modalidades de educação infantil e Ensino Fundamental I. A metodologia utilizada na pesquisa foi qualitativa e o instrumento para a coleta dos dados foi à entrevista estruturada. A amostra reúne quatro professoras da Educação Infantil com faixa etária entre 39 a 49 anos que atuam na educação infantil foram entrevistadas. O tempo de experiência das docentes é de 12 a 17 anos de serviço. Contempla-se que a identidade das entrevistadas será preservada e que serão utilizados nomes fictícios para identificá-las. Uma pergunta em comum feita às professoras Laís, Lorena, Joana e Aline foi quanto à importância da afetividade na relação professor-aluno? As educadoras ofereceram respostas semelhantes. A profª Laís respondeu que a afetividade é essencial para que a criança possa adquirir confiança e sentir-se protegida no ambiente escolar. Assim também considera a profª Lorena respondeu que é importante. Já profªjoana respondeu que é sempre bom trabalhar num ambiente afetuoso com respeito mútuo e também que o rendimento e satisfação para ambos, professor e aluno, será muito melhor. A profª Aline respondeu que o aluno sente mais segurança e consequentemente sua aprendizagem flui melhor, resultando em um bom trabalho para 16

17 ambas as partes. Sendo assim as docentes concordam que a afetividade de alguma forma move tal relação. O segundo questionamento feito às docentes foi a respeito do conceito que estas têm sobre afetividade. A profª Laís respondeu que com conversa, carinho, acolher e orientar. A profª Lorena respondeu pensaque é criar um vínculo com o aluno baseado no respeito e carinho. A profª Joana respondeu que é tratar os outros com respeito, carinho, atenção que são conceitos básicos para uma boa convivência. Já a professora Aline respondeu que é construída dia a dia com respeito e tolerância. Cada um respeitando sua individualidade e seu tempo em todas as áreas. As outras questões direcionadas às professoras foram: Você acha que a falta de afetividade pode trazer bloqueio no processo de aprendizagem?a profª Laís respondeu que sim, e que pode deixar traumas para o resto da vida da criança. A profª Lorena respondeu que a criança deve se sentir protegida e acolhida para obter um bom rendimento. A prof Joana respondeu que o processo é importante, pois faz parte do ensino aprendizagem. A profª Aline respondeu que a falta de afeto prejudica muito a todos e em uma sala de aula, essa falta dificulta muito o trabalho. Em relação à indagação anterior, Você se sente preparada como educadora para lidar com a diversidade encontrada em sala de aula? É notória a preocupação de algumas entrevistadas. A profª Laís respondeu que diante da realidade em que enfrenta no mundo atual é encontrada muitas dificuldades, mas com amor tudo supera. A profª Lorena respondeu que desde que existe o aluno, essa diversidade também existe, e como enfrentar uma sala de aula lotada de alunos? A profª Joana respondeu que está cada dia mais difícil, mas ela tenta se adaptar à realidade para não prejudicar os seus alunos e nem a ela. A profª Aline respondeu que ainda precisa aprender muito, mas que consegue através de muita pesquisa e quando necessário procura ajuda profissional. Para pesquisar junto às professoras o que elas pensam sobre a importância da construção do vínculo afetivo na relação professor-aluno foi utilizado o seguinte questionamento: Como a relação professor-aluno pode ser reconstruída de maneira proveitosa para as ambas as partes?a profª Laís respondeu que através do respeito, atenção, diálogo e compreensão tornam-se essa relação bem construtiva. A profª Lorena respondeu que a relação baseada no respeito e na compreensão dos pais, alunos e 17

18 direção é possível atender a todos os objetivos propostos. A profª Joana respondeu que o diálogo e alguns acordos de convivência são primordiais e que não pode deixar a situação se agravar porque é difícil remediar. A profª Aline respondeu que trabalhando individualmente cada aluno, com ajuda profissional, com trabalhos em grupo e reconhecer que a mudança é necessária para acontecer a reconstrução de forma positiva. Cunha( 2010,p.75) contempla que o que o aluno deseja realmente é a felicidade. Buscaa em todas as suas atividades e ações, além disso, procura construir e reconstruir os elementos que o farão feliz e que são mais bem compreendidos em suas emoções. Mas as barreiras que encontra para o seu aprendizado, se não forem desfeitas, poderão representar a renuncia dos seus projetos pessoais, ou algo crônico que jamais será resolvido plenamente. Resultados A partir do contato com as professoras pôde- se perceber claramente que estas consideram a afetividade na relação professor-aluno um elemento essencial no processo de ensino aprendizagem. Este pensamento se justifica pelo fato de que uma das questões levantadas pelas professoras é a preocupação com a diversidade encontrada em sala de aula. De acordo com as educadoras, existem muitas dificuldades para se adequar à diversidade na sala de aula, mas nada que os sentimentos como o amor, carinho não sejam capazes de superar as barreiras. No que diz respeito às respostas das professoras, verificou-se no relato da profª Lorena a preocupação com a qualidade da relação professor aluno e consequentemente da afetividade entre ambos, uma vez que a docente levantou o questionamento de como enfrentar uma sala de aula lotada de alunos? Porque muitas vezes no relato das docentes estas encontram salas de aula com mais de 30 alunos e se questionam diante de tal cenário como dar a atenção necessária a cada educando. É importante destacar o relato da profª Lais, que na sua percepção a afetividade é essencial na relação professor-aluno para que a criança possa adquirir confiança e sentir-se protegida no ambiente escolar. Cunha (2010) enfatiza que na relação professor- 18

19 aluno, o educando tem que se sentir amado e acolhido e o afeto deverá ser a primeira matéria a ser ministrada em sala de aula. Ainda segundo Cunha (2010,p.82) afirma que quando amamos, podemos fazer da escola de paredes descascadas, pintura velha, carteiras quebradas, pessoal mal remunerado até sem água, luz e material didático um ambiente fomentador de conhecimentos e vida, contra todas as probabilidades. As professoras concordam que a falta de afetividade pode trazer consequências traumáticas no processo de aprendizagem. É salientado pela educadora Joana que a falta do vínculo afetivo pode prejudicar muito o processo de aprendizagem do aluno. Desde o ponto de vista dos teóricos revisados neste trabalho e comprovado nas falas das professoras entrevistadas, a falta de afetividade no contexto escolar e em sala de aula pode acarretar vários traumas na vida acadêmica quanto pessoal do educando. Cunha (2010) registra como se pode ler no trecho a seguir que o aprendente perde o interesse pelas aulas, começa a ficar irritadiço, intratável, e, às vezes, até agressivo. Ainda que o afeto não seja considerado em muitas práticas pedagógicas, ele é inevitavelmente lembrado nas dificuldades de aprendizagem, porque, em sua grande parte, elas estão relacionadas a ausência dele. As entrevistadas revelaram em suas respostas que a relação professor-aluno pode ser reconstruída na base do diálogo, do respeito, da atenção e compreensão. No relato da profª Aline percebe-se que através de trabalhos individuais e em grupos que a reconstrução dos laços afetivos pode acontecer de forma positiva. Neste sentido, corrobora com o pensamento da professora acima citada no sentido de que a sala de aula pode ser um espaço de encontro e de resgate dos laços afetivos perdidos entre os professores e seus alunos,quando, por exemplo, o docente se preocupa em desenvolver atividades prazerosas em sala de aula com os estudantes. As educadoras revelaram em suas respostas que o conceito que tem a respeito de afetividade é de que esta se manifesta em forma de sentimentos e emoções como respeito, carinho, orientação. No relato da profª Aline fica claro que o afeto é construído com o cotidiano e com a rotina, respeitando sempre a individualidade do educando. 19

20 Nunes e Silveira (2009) enfatizam que a emoção é resultado da vida afetiva e que a afetividade engloba vários processos como o pensar, falar o desejo e a emoção.já Cunha(2010,p.09)) aponta que o amor ajuda a nossa cognição. Certamente aprendemos melhor quando amamos. A sua ação revela a humanidade indivisível do nosso ser que é mesmo tempo emocional e racional. Na educação, podemos chamar este amor de afeto. Mediante as falas das docentes nas entrevistas realizadas, ficou claro que a afetividade é um elemento essencial no processo de ensino-aprendizagem e que a falta dela pode trazer consequências e traumas irreversíveis, prejudicando, até mesmo os sonhos e os desejos que o educando tem para o futuro. A opinião desta pesquisadora é a de que esse tema é instigante, pois se até os estudantes universitários muitas vezes precisam ouvir uma palavra ou um gesto de carinho e de sentir confiança de um educador que se torna um referencial, para uma criança que ainda está em desenvolvimento este sentimento é ainda mais forte. Nesta perspectiva pode-se apontar o quanto a afetividade está desde sempre no processo de desenvolvimento ao longo de toda a vida do ser humano, notadamente não só a vida escolar é permeada pelos aspectos afetivos e pela emoção, mas para além da cognição toda a vida humana.todavia,verificou-se nos dias atuais que a instituição escolar esta cada vez mais desvalorizando a importância do vínculo afetivo na relação professoraluno. Nunes e Silveira (2009) enfatizam que o processo de aprendizagem acontece através do desejo de aprender e que A relação afetiva com o outro é de grande importância. Torna-se imprescindível destacar que na Educação infantil o vínculo afetivo precisa ser mais valorizado porque nessa faixa etária a criança passa a maior parte do tempo na escola e que através do afeto do educador com o aluno vai ser despertado o conhecimento. O educador é considerado um porto seguro para o educando, onde a criança deposita a sua confiança. Saltini (2008) destaca que essa inter-relação é um fio condutor para o suporte afetivo do conhecimento. 20

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL GEANE SANTANA ROCHA QUIXABEIRA CMEI Criança Feliz geanezinha@gmail.com ANADIR FERREIRA DA SILVA Secretaria Municipal de Educação laurapso@hotmail.co.uk

Leia mais

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e 1 CONCEPÇÃO DE CRECHE (0 A 3 ANOS): A Constituição Federal de 1988 assegura o reconhecimento do direito da criança a creche, garantindo a permanente atuação no campo educacional, deixando de ser meramente

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

AFETIVIDADE, PARA QUE TE QUERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL?

AFETIVIDADE, PARA QUE TE QUERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL? AFETIVIDADE, PARA QUE TE QUERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL? Jailza de Lima Oliveira (UNEB - Bolsista PIBID/CAPES) Larissa Santos do Sacramento (UNEB - Bolsista PIBID/CAPES) Lucimara de Oliveira Soares (UNEB -

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Unidade I Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Introdução A disciplina Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil tem o objetivo de provocar reflexões

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALVES, Ana Paula PUCPR SAHEB, Daniele PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: OBSERVAÇÃO PARTICIPATIVA NO ESTÁGIO Monica Isabel

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA CIÊNCIAS HUMANAS EDUCAÇÃO UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA NATÁLIA CORRÊA Curso de Pedagogia Faculdade de Educação NEIDE BARBOSA SAISI

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que Introdução A formação continuada iniciou-se com um diagnóstico com os profissionais que atuam nos Centros de Educação Infantil do nosso município para saber o que pensavam a respeito de conceitos essenciais

Leia mais

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento.

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento. CORPO E MOVIMENTO: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL Tamiris Andrade dos Santos (UEL) tamiris_152@hotmail.com Gilmara Lupion Moreno gilmaralupion@uel.br RESUMO: Sabe-se da importância

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL?

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? 1 de 7 ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? Jéssica Alves de Oliveira Maria José dos Santos Chagas Tatiane de Fátima Silva Seixas RESUMO: De uma maneira geral, existe, por parte

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA.

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA. De acordo com às determinações constantes do Plano de Estágio Supervisionado, submeto à apreciação de V.Sª o plano de aula que foram desenvolvidas no Estágio de Licenciatura em Matemática no período de

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p.

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Linguagem & Ensino, Vol. 8, Nº 2, 2005 (275-285) RESENHAS BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Resenhado por Márcia Cristina Greco OHUSCHI

Leia mais

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS O JOGO SEGUNDO A TEORIA DO DESENVOLVIMENTO HUMANO DE WALLON Cleudo Alves Freire Daiane Soares da Costa Ronnáli da Costa Rodrigues Rozeli Maria de Almeida Raimunda Ercilia Fernandes S. de Melo Graduandos

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

PLANEJAMENTO DEMOCRÁTICO COM CRIANÇAS 0 A 3 ANOS

PLANEJAMENTO DEMOCRÁTICO COM CRIANÇAS 0 A 3 ANOS IX Encontro Internacional do Fórum Paulo Freire Tema Geral: Caminhos de emancipação para além da crise: Resgatando temas geradores do pensamento educativo e social de Paulo Freire Eixo 2 - Educação - O

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2...

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2... Page 1 of 6 O lúdico na educação infantil Com relação ao jogo, Piaget (1998) acredita que ele é essencial na vida da criança. De início tem-se o jogo de exercício que é aquele em que a criança repete uma

Leia mais

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE FLORESTA ISEF PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO FLORESTA PE 2013 SUMÁRIO I. JUSTIFICATIVA II. OBJETIVO A. GERAIS B. ESPECIFICOS III. DESENVOLVIMENTO IV. CRONOGRAMA

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL Viviane Cardoso¹ Resumo: O objetivo desse artigo é refletir como os ideais da pedagogia freireana tem contribuído para as práticas

Leia mais

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO Tatiane Testa Ferrari e-mail: tatitferrari@ig.com.br Ticiane Testa Ferrari e-mail: ticiferrari@ig.com.br Araceli Simão Gimenes Russo e-mail:

Leia mais

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Tanise Coppetti Universidade Federal de Santa Maria tani_coppetti@hotmail.com Resumo: Este trabalho apresenta uma atividade a respeito de equações

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico Vanessa Lopes da Silva 1 Leandro Marcon Frigo 2 Resumo A partir do problema dicotômico vivenciado pelo Ensino Técnico Integrado,

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO.

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014 Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. RESUMO Adriana Vieira de Lima Colégio Marista Arquidiocesano

Leia mais

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Maria dos Prazeres Nunes 1 INTRODUÇÃO No Brasil a expansão da educação ocorre de forma lenta, mas, crescente nas últimas décadas. Com base nas determinações

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Centro Educacional Pró-Hope

Centro Educacional Pró-Hope Centro Educacional Pró-Hope A escola da Casa Hope As pessoas que são atendidas pela Instituição sofrem com a carência financeira, a doença e o afastamento da rede familiar e social de apoio. Tudo isso

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014. DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo: MACHADO, Diana dos Santos 1 Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

PROGRAMA ESCOLA DA INTELIGÊNCIA - Grupo III ao 5º Ano

PROGRAMA ESCOLA DA INTELIGÊNCIA - Grupo III ao 5º Ano ... CEFF - CENTRO EDUCACIONAL FAZENDINHA FELIZ Rua Professor Jones, 1513 - Centro - Linhares / ES - CEP. 29.900-131 - Telefone: (27) 3371-2265 www.escolafazendinhafeliz.com.br... Ao colocar seu filho na

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 CARGO E UNIDADES: Professor de Educação Infantil e Fundamental (MACAÍBA) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova:

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO

ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO 1 ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO VOGEL, Deise R. 1 BOUFLEUR, Thaís 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3 Palavras chave: Espaços adaptados; experiências;

Leia mais

CORPOREIDADE: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CORPOREIDADE: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL UNIVERSIDADE METROPOLITANA DE SANTOS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE PEDAGOGIA Educação Mediadora Ana Lucia Rodrigues Nunes Teixeira Carla Trindade da Silva

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS E SUA ATUAÇÃO COM CRIANÇAS DE 0 A 5 ANOS

FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS E SUA ATUAÇÃO COM CRIANÇAS DE 0 A 5 ANOS FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS E SUA ATUAÇÃO COM CRIANÇAS DE 0 A 5 ANOS Thyanna Silva dos Passos (Graduada/UFRB) Resumo Este trabalho tem como objetivo analisar a formação de professores e sua atuação na sala

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA NO CONTEXTO DE CRECHE

UMA EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA NO CONTEXTO DE CRECHE UMA EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA NO CONTEXTO DE CRECHE COSTA, Efigênia Maria Dias 1 NEVES, Elidiana Oliveira das 2 OLIVEIRA, Marta Luis de 3 SANTOS, Jefferson Silva de Barros 4 SILVA, Luiz Eduardo

Leia mais

Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1

Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1 Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1 Janilce Silva Praseres 2 Sandra Antonina Barrozo de Oliveira 3 Universidade Federal

Leia mais

O PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DOS JOGOS EDUCATIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

O PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DOS JOGOS EDUCATIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 975 O PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DOS JOGOS EDUCATIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Drielly Adrean Batista

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA.

O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Autor (1)Suzânia Maria Pereira de Araújo; Autor (2) Eleilde de Sousa Oliveira; Orientador (1)Denise Silva

Leia mais

A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR

A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR Resumo A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR Ana Regina Donato de Moraes 1 Lourdes Keila Casado Pulucena 2 Lucieni Vaz dos Santos 3 Aprender brincando não é apenas um passatempo, quando se trata de ensinar.

Leia mais

Principais discussões sobre o ensino-aprendizagem de matemática na educação infantil

Principais discussões sobre o ensino-aprendizagem de matemática na educação infantil 1 Introdução: A matemática é uma disciplina de fundamental importância na vida de todo mundo. Desde tempos antigos o ensino dessa matéria vem fazendo cada vez mais parte da vida dos seres humanos. Basta

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO. Ser Humano um ser social por condição.

A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO. Ser Humano um ser social por condição. A FAMÍLIA E ESCOLA Profa.Dra.Claudia Dechichi Instituto de Psicologia Universidade Federal de Uberlândia Contatos: (34) 9123-3090 (34)9679-9601 cdechichi@umnuarama.ufu.br A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO

Leia mais

O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ.

O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ. O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ. Alessandra da Costa Marques; Najara Siva; Lúcia Maria Assunção

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A INFLUÊNCIA DA MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A INFLUÊNCIA DA MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Edna Aparecida Pereira 1 Vanessa Rodrigues Ferreira 2 RESUMO A música na Educação Infantil vem atendendo a objetivos alheios a questões próprias dessa linguagem

Leia mais

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE Juliana Stedille 1 Richelly de Macedo Ramos 2 Edi Jussara Candido Lorensatti 3 Resumo Este artigo busca verificar quais os procedimentos adotados por professores da disciplina

Leia mais