WEBBANGERS: QUANDO O HEAVY METAL CURITIBANO INVADE A INTERNET

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "WEBBANGERS: QUANDO O HEAVY METAL CURITIBANO INVADE A INTERNET"

Transcrição

1 WEBBANGERS: QUANDO O HEAVY METAL CURITIBANO INVADE A INTERNET Guilherme de Carvalho Introdução O fenômeno desencadeado pela internet tem permitido que grupos de jovens passem a ter acesso a uma quantidade inimaginável de informações de modo que possam também expor, em proporções gigantescas, os seus próprios conteúdos. A partir das comunidades virtuais desenvolvem-se novas sociabilidades e temas de interesse são compartilhados por meio da mediação de computadores e mobiles. No que diz respeito aos grupos ligados à música underground, como é o caso do heavy metal, observa-se mudanças significativas na relação entre bandas, público e produtores como resultado das possibilidades de comunicação desenvolvidas a partir do uso da internet. Este grupo marcado pela sonoridade agressiva, maior distorção de sons de instrumentos de corda, além de performances e estilos demarcados pelo uso de roupas pretas, brincos de argola, tatuagens e cabelos longos, se utiliza cada vez mais da internet, seja para divulgar conteúdos culturais, como áudios, fotos, vídeos e textos, ou para construir um círculo de relações de proporções mundiais, mas ainda bastante demarcada pelo espaço da cidade onde moram. A partir de alguns estudos que apontam a emergência de grupos sociais que se reconhecem por alguma identidade coletiva, observa-se que as bandas de heavy metal da cidade de Curitiba conseguem estabelecer modos de relacionamento com o público e viceversa, divulgando shows e produtos sem a dependência do chamado mainstream, de modo que a relação entre produtores e consumidores se torna menos aparente. Até antes da internet fanzines ou zines cumpriam o papel de divulgadores de informações da cena local, a partir de informativos feitos de modo artesanal e distribuídos de mão em mão nos shows ou lojas de artigos especializados em rock. A partir de agora percebese que as referências estão se tornando cada vez menos localizadas e tendem a ser sempre mais globais, impulsionadas também pelo acesso ilimitado à cultura.

2 Curitiba nunca viveu um momento em que houvesse uma quantidade tão grande de bandas dos mais diferentes estilos. A redução dos custos de produção de músicas, decorrente das novas tecnologias, sobretudo de softwares de captação e edição de áudio, tem possibilitado a popularização da produção, garantindo qualidade similar a de qualquer grande banda gerenciada por gravadora. No mesmo caminho, a internet facilitou a divulgação de conteúdos por meio das redes sociais e de páginas na internet desenvolvidas pelas próprias bandas ou da mídia especializada. Depois de produzido, o conteúdo é facilmente divulgado e pode ser acessado com ou sem custos pelo usuário. Desse modo, se as bandas já não estão mais em uma condição de anonimato, se já não dependem de grandes estruturas comerciais para sua relevância, talvez seja possível revisar o conceito de underground. O presente trabalho propõe um debate acerca destas questões, desenvolvendo uma análise sobre as mudanças que a internet tem provocado sobre comunidades underground, mais especificamente, sobre os grupos ligados ao heavy metal em centros urbanos de países periféricos como Curitiba, os quais denominamos de webbangers. Em nossa pesquisa observamos o surgimento de um novo perfil de participantes destas comunidades que agora também ganham aspectos virtuais. Os dados apresentados são resultado de uma observação participante sistematizada e analisada para os fins da pesquisa que resultou em uma monografia de especialização. Reproduzimos aqui uma parte do estudo. Curitiba: a cena underground na rede De acordo com Lemos (2004), o heavy metal em Curitiba iniciou em 1983, com a banda Metal Pesado. Ainda naquela década era possível listar as bandas Epidemic (1985), Cavaleiros do Apocalipse (1985), Holly Sepulcre, depois Hecatombe (1986), Holly Death (1986) e Infernal (1987). Em seu artigo ela aponta a existência do que pode ser considerada uma cena cultural, estruturada por espaços próprios para apresentação de bandas, produção de conteúdos como fitas K7 (demo s), fanzines e programas de rádio como da extinta Estação Primeira, que realizou, dentre outros evento, o primeiro festival de heavy metal de Curitiba, o Curitiba Metal Festival, no Círculo Militar, em Em Duarte (2004) também se encontra parte da história dos anos 1990, em Curitiba, que aponta a existência da cena, citando também os locais próprios para shows como o 92 Graus, além de lojas de discos especializadas em heavy metal, que se tornaram pontos de

3 referência para o grupo. Destacam-se ainda, segundo ele, programas de rádio e televisão como o Ciclojam, coletânea de bandas em CD, como o Garage 86, dentre outras iniciativas como fanzines que circulavam na cidade, a existência de selos independentes para gravação de conteúdos e festivais. Os dados de Duarte (2004) apontam uma vigorosa atividade underground em Curitiba. Atualmente existe uma significativa produtividade no que diz respeito à música, sobretudo, quando relacionada ao chamado rock pesado. A maior parte mantém algum tipo de conteúdo na internet, a partir do qual divulga shows, músicas e informações em geral. De um total de 92 bandas de heavy metal que mantém sites ou contas em redes sociais ativas, radicadas exclusivamente em Curitiba 1, apenas 13 não registraram nenhuma atividade na internet nos últimos dois anos. A maior parte das bandas mantêm contas no Myspace, Youtube, Facebook e Twitter, mas algumas contam com sites próprios e contas em outras redes menos populares entre a comunidade como Reverbnation, Soundcloud, Letras.mus, Palco MP3 e LastFM, além do praticamente abandonado Orkut. QUADRO 1 BANDAS CURITIBANAS E REDES SOCIAIS Bandas Selo Site Facebook <curtir Twitter <seguidores Youtube <views Myspace <plays Amen Corner X X Aqueronte X - X X Beltane X X X 475 X 63 X X Blackmass - - X X 23 X X Cadela Maldita - X X X 984 X Choke X X X Darma Khaos - - X X 522 X X Division Hell - - X X 588 Doomsday - - X X Ceremony Fire Shadow X - X X X Imperious - - X X X Malevolence Jailor - - X X Kattah - - X X 978 X X Krucipha - X X 837 X 227 X X Livin Garden - X X X X X Motorocker - X X X X X Necropsya X X X 447 X X Offal X X X 760 X X X Semblant X X X X 851 X X Total O Blog Arquivo Metal CWB mantém uma lista atualizada de bandas curitibanas que podem ser consideradas de heavy metal, de onde partiram os dados publicados aqui.

4 QUADRO 1 BANDAS CURITIBANAS E REDES SOCIAIS Bandas Reverbnation <plays Orkut <membros Soundcloud Letras.mus Palco MP3 Lastfm Amen Corner - - X X - - Aqueronte - - X Beltane - - X X - - Blackmass - - X X - - Cadela X - X 147 X Maldita Choke - - X X - - Darma Khaos - - X - X X X - Division Hell X 93 X 63 - X X - Doomsday - - X X X - Ceremony Fire Shadow X - X X - - Imperious X 320 X X - X Malevolence Jailor X 60 X X - - Kattah X 82 X 795 X X - X Krucipha X X X - X Livin Garden X 470 X X Motorocker X 351 X X X X X Necropsya X X 636 X X X X Offal X 310 X 242 X X - X Semblant X - X X - X Total Obs. Os dados foram coletados a partir do acesso às contas das bandas até o dia 03/04/2013. Das 19 bandas da cidade de maior atividade nos últimos dois anos, todas mantém conta no Myspace, apesar de já não utilizar a rede com a mesma frequência do que era atualizado até Criado em 2003, o Myspace foi uma das primeiras redes de relacionamento existentes e fez grande sucesso no meio musical por permitir a inclusão de conteúdos em áudio com fácil acessibilidade pelo internauta, que pode ouvir as músicas em um player intuitivo (TORRES, 2009). Além disso, o Myspace também permite a inclusão de outras informações e conteúdos como a história da banda, fotos, datas de shows, vídeos, permitindo também a troca de informações entre os membros da rede. Dentre as bandas de maior audiência no Myspace, medida pelo número de cliques no player da página, estão Motorocker (73.914), Choke (58.081) e Semblant (42.148). Para se ter uma ideia, a banda paulista Claustrofobia, um dos ícones do underground brasileiro, contabiliza em seu Myspace mais de 176 mil players. Apesar de ser uma das redes mais completas para músicos, as bandas de heavy metal de Curitiba têm deixado de utilizá-lo com tanta frequência. Na maior parte das páginas das 19 bandas relacionadas, o último login foi realizado em A queda nos acessos está entre os principais fatores devido ao surgimento de novas redes sociais para o ramo, como revela o membro de uma das bandas: Myspace está em desuso, acho que boa parte das bandas já não está usando tanto, Orkut também já caiu em desuso há tempos e o Facebook tem sido a principal maneira. (AZEVEDO, 2013). O que está ocorrendo com o Myspace é parecido com o que houve com o Orkut. Mesmo tendo sido a principal rede entre os brasileiros, tendo atingido 86% do mercado

5 (TORRES, 2009), o Orkut foi praticamente abandonado pela maior parte das bandas curitibanas de heavy metal a partir de A comunidade Metal Curitiba, por exemplo, chegou a mais de membros e representou, por um bom período o principal meio de comunicação segmentado dos webbangers. Houve um momento em que praticamente todas as informações da cena local passavam pela comunidade, o que garantia ao Orkut o predomínio entre todos os meios de comunicação a partir da constituição de uma rede coletiva de compartilhamento de informações. Uma série de outras comunidades do Orkut também foram criadas, segmentando a audiência. Das 19 bandas analisadas, apenas o Krucipha, criada em 2009, a mais recente de todas as listadas, não mantém conta/comunidade no Orkut. A mais popular é a banda Motorocker (9.280 membros), seguida da Amen Corner (1.344), sendo está última uma das mais antigas entre as relacionadas. Todas as demais bandas não ultrapassam a marca de mil membros em suas comunidades. Na comunidade do Motorocker a última atualização foi realizada em setembro de O principal problema do Orkut é que ele não estava em condições de competir com o Facebook, quando este se difundiu no Brasil. Além de trazer uma plataforma mais dinâmica, o Facebook dispunha de uma série de recursos que criou uma frequência maior de pessoas e, portanto, uma possibilidade maior de audiência para as bandas, público e produtores. Das bandas relacionadas na pesquisa, apenas o Amen Corner não mantém conta no Facebook, seja perfil ou fanpage. A banda Livin Garden é que conta com maior número de likes (12.636) na fanpage e mais de seguidores em seu perfil, seguida do Motorocker (11.652, likes na fanpage). A diferenciação entre perfil e fanpage ainda não está muito clara para os usuários. Por conta disso, algumas bandas mantém somente o perfil ou somente a fanpage ou as duas coisas sem saber diferenciar muito bem o uso de cada um destes espaços. O Livin Garden inclui ao menos um post por dia em suas páginas do Facebook. O espaço funciona praticamente como uma agência de notícias sobre a banda, trazendo entrevistas, fotos, informações de shows, comentários dos membros da banda e de fãs, conteúdos em áudio e vídeo, mantendo uma relação próxima com a comunidade. É comum observar a postagem de comentários e respostas realizadas pelos membros da banda. As postagens na timeline são realizadas institucionalmente, isto é, utilizando a marca da banda ou por posts marcados por fãs, enquanto que os comentários ficam restritos aos membros da banda. O Livin Garden mantém ainda uma página na internet, juntamente com outras sete bandas relacionadas na pesquisa, onde disponibiliza uma série de conteúdos. É uma das poucas bandas da cidade que pode se dizer reconhecida internacionalmente por já ter

6 realizado turnê nos Estados Unidos. Não por acaso todo o conteúdo do site está em inglês, assim como as letras das músicas, indicando uma relação com públicos de diferentes países. Outra banda que investe significativamente na internet é o Motorocker. O grupo mantém um site atualizado com informações sobre shows, venda de produtos, informações e contatos por meio de redes sociais. Apesar de manter-se de modo independente, o Motorocker conta com uma estrutura que poucas bandas, mesmo as que têm contratos de gravadoras, conseguem. Por este motivo é considerada a banda mais bem sucedida de Curitiba 2. Além da agenda lotada de shows, disparado a banda de Curitiba que mais faz shows, o Motorocker conta com o trabalho de uma produtora e assessoria de imprensa. O vocalista da banda revela um pouco do dia a dia da banda: Há uns cinco anos a gente consegue viver só de música, mas isso toma todo o tempo possível. Até a família da gente muitas vezes fica em segundo plano. Mas é assim: pra fazer o omelete é preciso quebrar alguns ovos. O ônibus não é um luxo. É uma necessidade, porque estamos na estrada toda semana e a gente precisa pelo menos esticar a caveira aqui, além de carregar os equipamentos, mas o carnê pra pagar é quase do tamanho dele (risos). A gente tem que investir. É a nossa vida. Se você não acreditar em você, quem vai acreditar? (SANTOS, 2012) Na pesquisa realizada com as bandas curitibanas o Motorocker, juntamente com o Necropsya, são as duas bandas que estão em praticamente todas as redes sociais conhecidas. No Youtube, por exemplo, a banda conta com mais de visualizações de vídeos. A banda Nervo Chaos, por exemplo, um dos chamados destaques do cenário nacional, de acordo com a revista Roadie Crew, conta com pouco mais de visualizações em seu canal no Youtube. A rede se consolidou como o espaço com o maior arquivo de vídeos do mundo (TORRES, 2009) e vem se tornando um importante espaço para a audição de músicas ou para a visualização de clipes e de vídeos domésticos como making of, shows, e entrevistas de bandas tidas como underground. Na relação de redes sociais pesquisadas percebe-se que o Youtube é o que garante maior audiência, uma vez que a contagem de visualizações só ocorre quando o internauta clica sobre o play. Além disso, é preciso considerar a alta interface do Youtube com blogs, Facebook e outras redes que também garantem contagem. Ou seja, não é 2 Mais recentemente, a banda foi eleita pelo público, no site Whiplash!, um dos maiores do segmento no país, como a melhor banda de rock nacional, desbancando nomes como Angra, Sepultura, Matanza, Korzus, entre outros, conhecidos internacionalmente. O frontman Marcelus dos Santos foi eleito no mesmo site como melhor vocalista.

7 preciso estar na página do Youtube para visualizar um vídeo. Se ele estiver postado no Facebook, pode ser assistido de lá. É o que acontece na maioria dos casos. Do físico ao virtual Ao longo destes últimos três anos se observou o surgimento de bandas e o crescimento de conteúdos difundidos via internet. Músicas, vídeos, clipes, mensagens e comercialização de produtos fazem parte do cotidiano das bandas. Comunidades virtuais também compõem espaços de debates antes restritos aos locais físicos de encontro destes grupos como lojas especializadas e casas noturnas. Hoje as trocas de informação entre público, bandas e produtores se consolidam quase que praticamente pela internet, incluindo a negociação para a realização de shows para questões relativas a valores, horários, entre outras atividades. Ao analisar o desenvolvimento dos meios de comunicação Thompson (1998) descreve uma mudança significativa nos modos de sociabilidade, devido à propriedade de mediação dos meios de comunicação, a qual ele chama de dessequestração da experiência. Descreve ele que O desenvolvimento da mídia não somente enriquece e transforma o processo de formação do self, ele também produz um novo tipo de intimidade que não existia antes e que se diferencia em certos aspectos fundamentais das formas de intimidade características da interação face a face. Nos contextos de interação face a face, os indivíduos são capazes de formas de intimidade que são essencialmente recíprocas; isto é, suas relações íntimas com os outros implicam um fluxo de ações e expressões, de perdas e ganhos, de direitos e obrigações que correm nos dois sentidos. (THOMPSON, 1998, p.181) Desse modo, poderíamos supor que o desenvolvimento de ferramentas de comunicação como a internet, por exemplo, resultariam em uma redução do contato pessoal. Lévy (2009), ao apontar o desenvolvimento da realidade virtual, destaca um tipo particular de simulação interativa, na qual o explorador tem a sensação física de estar imerso na situação definida por um banco de dados. Os indivíduos, portanto, são imersos em um mundo virtual, chamado de ciberespaço que pode se dar na produção ou reprodução de conteúdos para a rede ou pela constituição de perfis. Por outro lado, espaços tradicionais de relacionamento interpessoal não estão sendo abandonados. Lojas de artigos para headbangers como camisetas, CD s e acessórios

8 continuam sendo ponto de encontro de músicos e participantes da cena, em volume parecido ao que já ocorria nos anos O que era uma cena eminentemente física, ganha aspectos virtuais a partir dos anos 2000 com a difusão dos computadores domésticos e com a popularização da internet no Brasil. As trocas de fitas K7, por exemplo, dão lugar à transmissão de conteúdos de áudio para sites de armazenamento de arquivos como o Soundcloud, o Reverbnation e o Myspace. Nestas estantes virtuais da música autoral, qualquer pessoa pode acessar o conteúdo utilizando players intuitivos que permitem ouvir, assistir ou ler o que foi postado por bandas. Uma das entrevistadas que se diz fã de bandas curitibanas explica como se dá sua relação com a cena. Ela revela que tem acesso a muitas bandas: Entre 20 bandas que eu escuto, 6 são do underground [...]. Sobre os conteúdos na internet, ela diz: Na realidade todo mundo me avisa pelo Facebook. Geralmente as pessoas me marcam em fotos, shows, lançamentos e tal, mandam mensagem via inbox 4 [...]. Depende a banda, como as bandas grandes, quando o material é muito caro eu pego e ouço no Youtube ou no celular também. Mas bandas underground eu prefiro comprar o material [...]. Myspace também, porque tem bandas que eu não conheço daí é um bom material de consulta pra você depois comprar. Já aconteceu de eu ter comprado e não ter escutado no Myspace e não gostar. (GABRIEL, 2013) A acessibilidade de conteúdos produzidos por bandas locais é uma verdadeira revolução no meio da chamada música autoral. Pela primeira vez as bandas sem espaço em veículos de comunicação tradicionais ou mesmo os fanzines impressos em papéis e distribuídos um a um em locais específicos, ganharam um mundo inteiro de potenciais ouvintes. Ao estudar grupos ligados ao punk e ao thrash metal nos anos 1980, Kemp (1993) identifica que os fanzines cumpriam um papel que demarcava o caráter underground a partir da acessibilidade de difusão de conteúdos para um determinado público. A relação desses grupos com a mídia, a indústria musical e a moda, revela seu caráter contracultural, ou underground. Eles procuram recusar qualquer envolvimento com essas esferas de produção e circulação de bens simbólicos, por recusar o modelo discriminador que pressupõe seu modus operandi. (grifos da autora) (KEMP, 1993, p. 2) 3 Informações obtidas a partir de conversa em meados de março de 2013 com Juninho, dono da Let s Rock, loja de Curitiba criada em Caixa de mensagem do Facebook.

9 Os grupos tinham um motivo a mais para ir ao show do que simplesmente escutar a música. O sentido era encontrar os amigos, promover a participação de um grupo específico reconhecido pela forma de se vestir e no tipo de música que apreciava. Dentre as práticas comuns estava a utilização de cartas para envio por correio que ajudavam a promover o chamado tape-traders 5. Estas trocas eram impulsionadas por uma pro-atividade da juventude daquele período, mas consistiam em um tempo significativo até que o receptor do conteúdo pudesse finalmente ouvir a música. Incluía o tempo de produção de uma carta, postagem nos correios, entrega da carta e todo seu processo de encaminhamento pelos correios, recepção da carta pelo destinatário, preparação do conteúdo (neste caso a gravação de uma fita virgem, partindo de um disco de vinil ou de outra fita K7), remessa da fita por correio e chegada até as mãos do solicitante. Tudo isto implicava em aproximadamente 15 dias para se ter acesso ao conteúdo desejado. Além de que havia um custo com transporte até os correios, selos das cartas, fitas, etc. Outro fator preponderante era a qualidade destes conteúdos. O movimento punk, por exemplo, que antecedeu a internet ao promover o do-it-yourself, motivou jovens comuns a produzirem eles próprios os seus conteúdos artísticos, sem se importar com a qualidade e com o profissionalismo do meio musical. Reside aí um conceito underground que criou uma rede comunicativa independente dos meios de comunicação de massa oficiais apesar de muitas vezes eles serem também utilizados que, através de fanzines, tape-traders que circulam fitas de bandas, gravadoras independentes, correspondências e muita troca de todo o material referente ao estilo, podem divulgar, reproduzir e transformar estilos através das fronteiras nacionais. (KEMP, 1993, p. 83) Além das trocas ou compartilhamentos de conteúdos, que agora chegaram à velocidade de um clique, há também o barateamento dos custos, já que boa parte dos conteúdos underground são disponibilizados gratuitamente na internet e disponibiliza-se um volume gigantesco de acesso à música das mais diversas bandas de todo o mundo. A possibilidade de produzir conteúdos é justamente o que se potencializa com a difusão da internet, permitindo que o público seja também produtor de conteúdos (ANDERSON, 2006). A nova arquitetura da participação promove a democratização de ferramentas de proliferação e distribuição, de modo a quebrar o esquema de grandes empresas já consolidadas. No meio musical, por exemplo, os grupos excluídos do acesso à estrutura de 5 Como eram chamadas as trocas de fitas K7 (tape) de bandas que não tinham gravadoras. A prática consistia em enviar cartas às bandas publicadas em fanzines e postar via correio fitas de bandas da região onde moravam, de modo que os conteúdos pudessem ser compartilhados entre pessoas de cidades diferentes ou dentro de uma mesma cidade.

10 corporações como as grandes gravadoras, conseguem recomendar conteúdos não mais dependendo dos grandes meios de comunicação, mas diretamente aos próprios pares, como cita um dos entrevistados: A gente transita entre o sagrado e o profano. A gente é subversivo no que escreve. Nossa música não toca em rádio. As letras são subversivas e a gente nunca vai chegar a se apresentar em um grande programa de auditório de tevê. A mensagem chegando a quem deve chegar, já está bom. A gente já faz o que ama e já ganha com isso, já vive disso. Lógico que é de ficar indignado. A gente tem clipe no Youtube com quase 400 mil acessos. A gente está aqui pra provar que não precisa de empresário, que não precisa de tevê. A gente vende disco pra caralho e ganha uma grana boa com isso. Isso que eu digo pras bandas: acreditem em vocês. Parem de ficar esperando o ovo do cu da galinha. Vai lá e corre atrás. É assim mesmo. É de arrancar os cabelos certas horas. É deixar de pagar a água pra comprar corda pro violão. É suado. (SANTOS, 2012) Reforçando a quebra dos esquemas de hits, os membros dos grupos também têm melhores condições de mapear os conteúdos que gostariam de acessar. No caso das bandas de Curitiba, observa-se o uso de diferentes ferramentas da internet para disponibilização e busca de conteúdos, acelerando-as vertiginosamente, tanto na velocidade dessas trocas, como no volume de conteúdos que podem ser acessados e de modo personalizado, ou seja, as buscas por conteúdos podem ser realizadas a partir de palavras-chaves ou relacionamento de conteúdos que facilitam ao webbanger encontrar o tipo de música ou bandas que deseja acessar. A banda Necropsya 6, por exemplo, mantém um site próprio onde é possível acessar vídeos (clipes, promocionais, entrevistas, vídeos caseiros de shows), áudios (músicas) e textos (histórico, notícias, informações). O site oferece ainda a possibilidade de comercialização de produtos que podem ser solicitados por e links para uma série de outros espaços virtuais em contas de redes como Facebook, Myspace, Twitter, Youtube e Reverbnation. O comportamento da banda nas redes sociais não é uniforme. No Facebook, por exemplo, a principal rede utilizada pelo grupo, contabiliza-se likes. A conta inclui fotos de shows, fotos de fãs com a camiseta da banda, divulgação de produtos, divulgação de conteúdos publicados em mídia especializada, vídeos, comentários de participantes e cartazes de shows. 6 Fundada o final de 2000, o Necropsya começou tocando covers, mas tem se destacado pela produção de música autoral. A banda tem chamado a atenção da mídia especializada pela qualidade do trabalho, acumulando apresentação em festivais, aberturas para bandas de renome e prêmios. (NECROPSYA, 2013)

11 Como o próprio nome diz, trata-se de uma fanpage, onde o espaço para interação com pessoas que gostam da banda é mais visível. Já no Myspace, predomina o conteúdo em áudio. O Twitter, onde são postados links que direcionam para outros espaços virtuais, a banda insere uma média de 3 posts por mês. O Youtube parece estar se tornando uma importante ferramenta para divulgação de conteúdos exclusivamente em vídeo, contrapondo-se à derrocada do Orkut. Por fim, a banda também mantém uma conta no Reverbnation, onde disponibiliza músicas, vídeo e informações sobre datas de show. Além da conta da banda, é necessário destacar que cada um dos membros do Necropsya também mantém contas pessoais ativas em redes sociais, a exemplo da maior parte dos membros de bandas curitibanas, divulgando e compartilhando conteúdos diversos e da própria banda. Como revela um dos membros da banda, as informações disponíveis na internet também passam a ser utilizadas para gerenciamento de dados, como já ocorre em várias empresas: as redes sociais, por exemplo o facebook, quando você tem uma página de banda te dão um controle com informações detalhadas de quem acessa seu post, se foi uma visualização orgânica ou viral. Antigamente você precisaria terceirizar esse serviço. [...] As redes sociais ajudam muito nisso, no merchandesign. O Necropcia deixou de encarar a internet como inimiga e passou a tratá-la como aliada. Estamos usando essas ferramentas para a divulgação dos nossos conteúdos. É possível postar virais, anúncios... (VIVI, 2013) Paralelamente à troca de conteúdos, a acessibilidade às novas tecnologias da informação facilitou o surgimento de novas bandas de jovens completamente ambientados aos novos recursos disponíveis para produção de áudios, vídeos e hipertextos na chamada web 2.0. Ou seja, a possibilidade de colaboração coletiva, potencializando a construção social do conhecimento e a livre produção, troca e circulação de informações, uma prática consolidada como um fenômeno exemplificado pelo o caso da Wikipedia 7. Aliado às ferramentas da internet, é preciso considerar também as novas possibilidades de produção autônoma a partir do acesso a softwares de captação e edição de áudio que garantem não apenas o barateamento dos custos de produção, mas também a qualidade do material que se aproxima significativamente do que é produzido em grandes estúdios, dirigidos por profissionais gabaritados do meio musical. 7 Enciclopédia virtual construída pelos internautas (www.wikipedia.com.br).

12 O integrante da banda brasiliense Violator fala a respeito: Hoje podemos gravar discos com qualidade dentro do nosso quarto e acreditamos que isso vá ficar cada vez mais acessível. Nós gostaríamos que as pessoas tivessem a consciência de que comprar um disco underground, não e a mesma coisa que adquirir um produto pop, mas sim dar continuidade a uma comunidade e saber que você faz parte disso. (CURITIBA UNDERGROUND, 2011b, p. 14) Em geral, o processo de produção das bandas ditas underground passa pela composição de letras e música, ensaios em estúdios já equipados com sistema de gravação ou podem ser também separados. O estúdio Clínica Pro Music, um dos preferidos das bandas curitibanas de heavy metal, é especializado na captação e tratamento de áudios. Já o Áudio Ataque oferece o serviço para ensaios de bandas, mas não conta com a gravação. O HMix, por outro lado, suporta os dois tipos de demandas; tanto a possibilidade de ensaios como de captação de áudios. Além da qualidade, outra grande vantagem para a produção dessas músicas em relação aos anos 1980 e 1990 está na redução dos custos a partir da eliminação de outros processos que exigiam a atuação de outros profissionais e na redução do tempo de mixagem facilitada pelas ferramentas disponíveis em softwares de edição de áudio. Nos últimos anos os músicos não deixaram de utilizar espaços para ensaio, onde a música passa pelo processo de composição e que representa um momento de encontro da banda para traçar planos e desenvolver sua performance. O processo de composição, no entanto, inclui o uso de computadores domésticos para captação de versões iniciais do som dos instrumentos. Esta prévia servirá de base para o ajuste das músicas, de modo que as bandas chegam aos estúdios de gravação mais preparadas para a execução da captação do áudio dos instrumentos e vocais. Isto ainda ocorre porque a tecnologia dos computadores não substituiu o nível de qualidade de equipamentos mais sofisticados para captação analógica, transformada posteriormente em dados digitais, além de profissionais que compreendem a utilização de softwares de mixagem e de engenharia de som. O produtor musical curitibano Maiko Thomé tem um estúdio de gravação (Avantgarde) em sua própria casa. O espaço conta com sala de isolamento acústico, três computadores, três monitores, um ligado ao lado do outro, por meio do qual ele realiza a gravação, mixagem e masterização. No espaço, ele grava álbuns completos para bandas locais e produz videoclipes em um espaço de cerca de 20 metros quadrados, usando uma câmera de mão e cromakey. Não há funcionários em seu estúdio e todo o trabalho, com exceção do que é executado pelos músicos em seus instrumentos e vozes, é realizado por ele próprio.

13 Eu comecei no digital, produzo em meio à arquitetura dos softwares e plugins, que fazem cada vez mais maravilhas além de serem desenvolvidos para serem capacitados a fazer o que os analógicos fazem de melhor. [...] Os erros que aparecem vem da falta de interesse em ler. Tudo que você compra tem manual: microfones, pedais, mixers, até cabos. Na web você a é capaz de aprender tudo e com muita profundidade se quiser. O software de gravação tem 3000 páginas e é basicamente uma apostila. Existem fóruns sobre tudo, com especialistas dando opiniões e respondendo perguntas, dando atalhos, informações técnicas, etc. A pessoa vai acabar aprendendo a fazer do jeito certo, pelo menos nesse assunto. Se pesquisar e ler, gostar de tecnologia, souber um pouco de inglês, e não tiver muita dificuldade com a matemática e física. (CURITIBA UNDERGROUND, 2011a, p. 7) Como pôde ser lido, as novas tecnologias permitem uma maior acessibilidade à produção de conteúdos por meio do barateamento dos custos. Significa que as atuais bandas ditas underground estão em melhores condições do que antigamente para produção de conteúdos a serem disponibilizados porque, mesmo sem muito dinheiro ou apoio de gravadoras, é possível produzir seu próprio material. Nesse sentido, pode-se afirmar que o esquema de hits, descrito por Anderson (2006) não apenas foi quebrado pela possibilidade de difusão de conteúdos, mas também pela possibilidade de produção em graus de qualidade similar ao que é produzido por bandas que contam com a estrutura de grandes selos, gravadoras, produtoras e distribuidoras. Em uma análise mais sociológica, poder-se-ia identificar, muito possivelmente, a potencialização da condição de vanguarda de pequenos grupos como decorrência da popularização das novas tecnologias. Ou seja, com o acesso aos equipamentos de gravação, sua edição e disponibilização, permite-se que tipos sonoros e experimentos emerjam mais facilmente para um público interessado e com condições de selecionar o que quer acessar. As novas tecnologias digitais proporcionam uma relação mais autônoma e produtiva com os universos musicais e imagéticos; a facilidade de produção, distribuição e apropriações de sons e imagens transformam os jovens em prossumidores (...) novos agentes sociais que aos poucos vão deixando de lado a postura passiva frente à produção industrial e massiva cultural, para assumir o papel de produtores de estilos, linguagens e ideias. (BORELLI; OLIVEIRA, 2008, p.116) Ao mesmo tempo, a relação entre a acessibilidade à produção e difusão de conteúdos culturais impõe uma relação contraditória para as chamadas bandas underground. Kemp (1993) aponta em sua pesquisa uma separação entre underground e mainstream, a partir da massificação e transformação de conteúdos culturais em produtos.

14 O termo underground, surgiu como forma de designar produções culturais que, na década de 60, partiam de grupos não conformados com os padrões exigidos pela mídia e pela indústria cultural de modo geral, como modelo de produtos e de comportamentos ligados à sua comercialização. Criaram então toda uma proposta de atuação política, com o fim de contraporem ao modelo de veiculação dominado pelo grande capital e produção de bens culturais. (KEMP, 1993, p.15) O fato é que a partir do momento em que uma banda disponibiliza seu conteúdo na internet ela automaticamente está se inserindo em um processo de comunicação de proporções mundiais, ainda que não nos mesmos moldes dos tradicionais meios de comunicação de massa. Campoy (2010, p. 9), ao estudar o underground do heavy metal extremo no Brasil conclui o seguinte: A tensão parece-nos, assim, atenuada pela tecnologia: apesar do novo contexto tecnológico, em especial a Internet, potencializar os conflitos gerados em nosso mundo físico ao promover a interface dos mais distintos interesses, ele também opera, em sentido contrário, uma atenuação destes conflitos ao promover a possibilidade de expressão ou intervenção das partes sem o prevalecimento predatório/maniqueísta de uma delas. É justamente sobre isso que se debruçaram os teóricos da Escola de Frankfurt quando analisaram a transformação da arte em produto. Ao se inserirem em esquemas massivos de reprodução, estariam automaticamente inseridas em esquemas mercadológicos e cumprindo um papel eminentemente comercial. Não há dúvidas de que a rede mundial de computadores se consolidou como um meio de comunicação de muitos para muitos, como já previu Marshall Mcluhan ao descrever o conceito de aldeia global, antecipando a difusão de uma rede de comunicação doméstica que possibilitaria que pessoas comuns conversassem com outras pessoas comuns, a qualquer hora e em qualquer lugar do mundo. Mas, diferente do contexto de ambos, é preciso considerar que o esquema comunicacional da internet implica em uma quantidade infinita de conteúdos que está sujeito a se perder diante de tantas informações disponíveis. Nesse sentido, cabe ressaltar a regra dos filtros, descrita por Anderson (2006), para quem a internet permite a seleção de conteúdos específicos para o consumidor de modo que atenda aos seus gostos. Em outras palavras, poder-se-ia dizer que apesar de ser um meio de comunicação massivo, ele garante seletividade de conteúdos, ou seja, geralmente vai se destinar a um público específico como comprovado pela curva de calda longa na venda de produtos nos últimos anos. Trata-se de um público consumidor pequeno, mas de longo alcance.

15 Assim, não seria nenhum absurdo evitar a análise dos frankfurtinianos para abordar a relação entre o que se pode considerar música underground e mainstream, justamente porque ambos já não aparecem mais em campos tão opostos como nos anos Uma banda que posta um videoclipe no Youtube, por exemplo, pode ter muito mais resultados, no sentido de que sensibilizará mais pessoas, do que se o divulgasse por meio de uma emissora de televisão como a MTV, por exemplo, que exibirá o clipe por alguns dias, atingindo um grande número de pessoas em um curto período de tempo. Enquanto que na internet o vídeo ficará disponível até que a banda resolva retirá-lo do ar, permitindo que a qualquer hora e em qualquer lugar, alguém interessado no assunto acesse o conteúdo e resolva compartilhá-lo entre seus pares. Neste caso, quais casos podem ser considerados mainstream ou underground? Ser ou estar underground Com a internet esta divisão parece menos evidente. Campoy (2010), por exemplo, tenta responder a esta questão apontando que o heavy metal produzido pela indústria fonográfica cuida da gravação, produção e distribuição. Coloca o material em gôndolas das megastores, produz shows, organiza turnês, marca datas, planeja estrutura de apresentação como luzes, palco e acústica e conta com equipe para operar todos estes equipamentos. Contam também com departamento de marketing que cuida da divulgação de produtos e da imagem da banda, por meio de trabalhos de assessoria de imprensa. Bandas sem o apoio de grandes gravadoras, por outro lado, geralmente não recebem cachê para shows, onde vendem materiais como camisetas e CD s com composições próprias. Ou seja, não terão a estrutura dedicada às chamadas bandas grandes. Negociam elas próprias os shows, cuidam eles próprios da montagem do palco e da divulgação do material 8. Deste ponto de vista há uma demarcação mais clara sobre o que seriam bandas underground e mainstream. Essa análise desloca a percepção de contrariedade entre as duas condições. Ou seja, ao invés de se falar em atitudes, os grupos ditos underground, se intitulam como tal pelo fato de não estarem inseridos em um grande esquema comercial. Neste caso, ser underground seria uma condição e não uma opção para a maior parte das bandas de heavy 8 Na pesquisa que realizamos entre as 19 bandas de heavy metal de maior atividade em Curitiba, apenas 7 mantém contrato com alguma gravadora ou selos, que garantem suporte para distribuição e vendagem de material. As bandas que declaram ter contrato com empresas são: Aqueronte, Amen Corner, Beltane, Choke, Doomsday Ceremony, Fire Shadow, Offal e Semblant. Ainda assim, se analisada a estrutura disponível para o desenvolvimento do trabalho, nenhuma (com exceção do Motorocker) tem status de banda média ou grande.

16 metal e impõe-se, portanto, como proposta ideológica do que pode ser autêntico e do que é falso. Assim, opera-se uma diferenciação entre ser underground e estar underground. Uma análise purista do underground levaria à conclusão de que, no final, todos almejariam tornarem-se rockstars, viver de música e viajar o mundo se apresentando em diferentes países, assim como fizeram Black Sabbath, Metallica entre tantas outras. Entretanto, a condição underground na sociedade imersa por informações obtidas via internet precisa ser revista com cautela para evitar os mal-entendidos. Estar underground associa-se a condições precárias para o desenvolvimento artístico, enquanto que ser associase a uma noção de cunho ideológico. O depoimento de um dos membros da banda Krucipha contribui para este debate. Ao ser questionado se a banda poderia ser considerada underground ele diz: A partir do momento que a gente quer levar a banda pra um meio mais profissional, essa é a única opção. [...] É claro que lá no fundo a gente gostaria de chegar num patamar de banda x, banda y, que já estão há mais tempo na parte profissional e deles a gente extrai essa visão mais profissional de produção sonora. [...] Acho que a gente tá subindo o primeiro degrau pra sair do underground. Lógico que nosso objetivo seria levar a coisa pra um meio mais profissional. (GUOLO, 2013) A percepção do músico estabelece uma valoração entre bandas grandes e pequenas, relacionando com profissionalismo e amadorismo. Sair do underground é um objetivo que só é alcançável por meio da profissionalização do trabalho musical, cita ele. Neste caso, quanto mais qualidade o som obtiver, mais profissional será a banda e, portanto, menos underground ela será. Por outro lado, o debate passa a estar deslocado da oposição entre underground e mainstream, porque a profissionalização da produção não se enquadra no conceito de mainstream, mas na obtenção de estrutura para a expressão artística contínua e duradoura. No que diz respeito ao sentido ideológico do conceito, a identidade underground expressa-se pela atitude, apresentada pelos modos de vestir, na performance de shows e nos conteúdos artístico-musicais. Demarcando suas referências históricas, a banda expressa em seus conteúdos uma relação crítica à lógica mercantil: O Brasil possui a fama de ter um público crítico, multiétnico e rico culturalmente. Como toda metrópole, encontra-se contextualizada em tempos onde o ser humano se comporta como gado nas mãos das grandes indústrias, desprezando o valor do todo, e agindo individualmente, inerte, cético e sem capacidade de indignação. Contrapomos e questionamos este comportamento rotineiro e automatizado. E com a nossa música barulhenta, pesada e distorcida derrubaremos todas as barreiras, até o despertar do cidadão. (KRUCIPHA, 2013)

17 O que emerge de uma atitude underground está em alguns outros aspectos menos determinantes para as vidas dos que participam da cena heavy metal. Comparado ao conceito tradicional, o que pode ser chamado de underground se expressa nas formas de se vestir do grupo, na sonoridade agressiva e nas letras das músicas das bandas. Do contrário, seria apenas uma questão de quanto a banda dispõe de recursos para a produção e reprodução cultural. O Krucipha, formado em 2009, a exemplo do que já ocorre com boa parte das bandas curitibanas de heavy metal, mantém uma série de contas na internet em diferentes redes. No Facebook, eles postam vídeos de trabalhos de estúdio, fotos de shows, cartazes de eventos, fotos de fãs e agradecimentos aos fãs. Eles mantém também uma conta no Twitter, com uma média de 5 posts por mês. No Reverbnation, onde constam músicas, datas de shows e informações da banda, no Myspace e no Soundcloud é possível acessar músicas, e, no Youtube, há uma série de vídeos postados em um canal próprio da banda, que já acumula mais de 12 mil visualizações. A banda, como revela o músico, aposta na internet: Todo mundo tá caindo aí pra esse lado da internet. A gente tem um milhão de canais pra divulgar as coisas, a gente apela bastante pra Youtube, Facebook, Reverbnation, o Myspace tá meio em queda. Acho que esses três são os principais e a gente usa pra colocar assim, áudio, vídeo, imagens, fotos, textos, às vezes a gente lança uma promoção, um sorteio... (GUOLO, 2013). Apesar disso, o comércio de produtos como camisetas, botons, CD s continua sendo feito predominantemente em shows, onde as relações se dão face a face. A internet, de algum modo, permite o acesso aos conteúdos culturais e estabelecem contatos diretos entre público e músicos, mas o e- commerce parece ainda pouco praticado no meio underground. As relações estabelecidas por essas bandas por meio da internet implicam em trocas simbólicas significativas. Ao se inserirem na rede, os webbangers passam a integrar em comunidades virtuais, nas quais reforçam uma identidade própria agora de abrangência mundial. Reforçam entre si suas referências, modos de pensar e agir e expressam esta atitude de infinitas formas na rede mundial de computadores em busca de identificação de grupo. Além dos conteúdos sonoros das bandas, sejam de grande, médio ou pequeno porte, os webbangers disponibilizam imagens estáticas ou em movimento onde se evidenciam seus modos de se vestir e de se movimentar durante uma música. Inserem também outros elementos culturais como artes em forma de cartazes de shows que serão realizadas onde aparecem composições que seguem a determinados padrões estéticos como tipografias com nomes de bandas que geralmente utilizam formas pontiagudas, cores escuras no fundo e

18 informações básicas sobre o evento (modelos disponíveis em anexo). As imagens associam temas de eventos ao estilo das bandas que se apresentam, variando entre fotografias ou ilustrações que remetem aos filmes de terror, mulheres que ressaltam certo apelo sexual ou guerras. Ao revelarem suas preferências às pessoas que não participam da comunidade, mas que desejarem buscar informações a respeito, uma série de conteúdos estará disponível para suprir a demanda. Esta relação entre membros da comunidade e não-membros implica em uma troca de conteúdos, indicando que os webbangers não estarão isentos da influência de outras comunidades que também disputam a atenção por meio da internet. Considerações finais Em Curitiba a comunidade virtual se desenvolve como um apêndice do meio físico, onde já existiam grupos de interesse ligados por gostos musicais, formas de se vestir, de pensar e de agir. Os jovens de preto fazem parte do cenário urbano da cidade, concentram-se em determinados pontos como o Largo da Ordem e frequentam shows. A diferença para os anos anteriores ao advento da internet é que agora estes grupos antes dispersos passam a construir algum tipo de relação, que permite a troca de conteúdos em uma condição muito superior do que anteriormente, quando os únicos meios de comunicação disponíveis eram fanzines, ou meios de comunicação de massa como rádio, televisão, jornais impressos e revistas. E isto não ocorre simplesmente do local para o local, ou da cidade para a cidade. Com a possibilidade de se comunicar com pessoas em outros países, o que se observa é a constituição de uma grande rede mundial que passa a ampliar o conceito de comunidade virtual para estes grupos. Nesse sentido, encontramos o conceito de aldeia global de Mcluhan (1969), que contribui para explicar o fenômeno. Bandas, público, produtores de shows e de som e comunicadores do heavy metal curitibano têm se utilizado das ferramentas disponíveis da internet para produzir e compartilhar conteúdos. Não há dúvidas de que a partir deste meio as informações ganharam velocidade e abrangência, de modo que os conteúdos ditos underground passaram a ter novos aspectos e conseguem circular entre os participantes da comunidade sem que dependam de grandes meios de comunicação.

19 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANDERSON, Chris. A cauda longa: do mercado de massa para o mercado de nicho. Rio de Janeiro: Elsevier, BANDEIRA, Messias. O underground na era digital: a música nas trincheiras do ciberespaço. In: INTERCOM Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, XXIV Congresso Brasileiro da Comunicação. Campo Grande /MS: set BORELLI, Silvia; OLIVEIRA, Rita. Vida na metrópole: comunicação visual e intervenções juvenis em São Paulo. In: Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação Natal, RN 2 a 6 de setembro de CAMPOY, Leonardo. Trevas sobre a luz: o underground do heavy metal extremo no Brasil. São Paulo: Alameda, DUARTE, Rodrigo. Underground. In: NETO, Manoel (org). A [des]construção da música na cultura paranaense. Curitiba: Aos quatro ventos, GONÇALVES, Fernando. Hedonismo e ethos contemporâneo: o fenômeno das rave parties. In: RUBIM; BENTZ, PINTO. Comunicação e sociabilidade nas culturas contemporâneas. Petrópolis: Vozes, (pp ) KEMP, Kênia. Grupos de estilo jovens : o rock underground e as práticas (contra) culturais dos grupos punk e thrash em São Paulo. Dissertação de Mestrado. (Departamento de Antropologia do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas), LEMOS, Carla. Por que não metal? In: NETO, Manoel (org). A [des]construção da música na cultura paranaense. Curitiba: Aos quatro ventos, LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34 Ltda, MCLUHAN, Marshall. Os meios de comunicação como extensões do homem. São Paulo: Cultrix, TORRES, Cláudio. A bíblia do marketing digital: tudo o que queria saber sobre marketing e publicidade na internet e não tinha a quem perguntar. São Paulo: Novatec, THOMPSON, John. A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. Petrópolis: Vozes, Entrevistas: AZEVEDO, Daniel. Entrevista concedida a Guilherme Carvalho. Curitiba: 23 mar GABRIEL, Elizabeth. Entrevista concedida a Guilherme Carvalho. Curitiba: 25 mar

20 GUOLO, Fabiano. Entrevista concedida a Guilherme Carvalho. Curitiba: 2 abr SANTOS, Marcelus. Entrevista concedida a Guilherme Carvalho. Curitiba: 14 ago VIVI, Henrique. Entrevista concedida a Guilherme Carvalho. Curitiba: 26 mar Sites: KRUCIPHA. Disponível em: <http://www.krucipha.net/>. Acessado em: 15 out NECROPSYA. Disponível em: <http://www.necropsya.net/>. Acessado em: 10 dez Publicações: CURITIBA UNDERGROUND. Grave sua arte ou afunde no esquecimento. Curitiba: n. 18, ago. 2011a. (pp. 6-7) CURITIBA UNDERGROUND. Thrash metal até a raíz dos cabelos. Curitiba: n. 19, dez. 2011b. (pp )

Frequências: São Paulo 102,1 MHz; Litoral Paulista MHz 90,1; Endereço: Av. Paulista, 2.200 15º andar CEP 01310-300 São Paulo SP

Frequências: São Paulo 102,1 MHz; Litoral Paulista MHz 90,1; Endereço: Av. Paulista, 2.200 15º andar CEP 01310-300 São Paulo SP Empresa Nome fantasia: Rádio Kiss FM Razão Social: Kiss Telecomunicações LTDA. Frequências: São Paulo 102,1 MHz; Litoral Paulista MHz 90,1; Campinas 107,9 MHz; Brasília 94,1 MHz CNPJ: 59.477.240/0001-24.

Leia mais

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing 26 3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing O surgimento das mídias sociais está intimamente ligado ao fenômeno da geração de conteúdo pelo usuário e ao crescimento das redes sociais virtuais

Leia mais

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Auta Rodrigues Moreira Irene Guerra Salles Lilian Braga Carmo Luana Roberta Salazar Resumo: Atualmente, com a presença marcante das tecnologias, torna-se

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

PROJETO CULTURAL CD do Cabana Café

PROJETO CULTURAL CD do Cabana Café 1 Cássio Cricor Resumo O projeto será realizado entre julho e setembro de 2012 e consiste na gravação e prensagem do CD Panari, da banda Cabana Café, com três (3) apresentações de lançamento. Serão registradas

Leia mais

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail...

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... FACEBOOK Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... 8 Características do Facebook... 10 Postagens... 11

Leia mais

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Por Raquel Recuero (*) Nos últimos anos, assistimos a um crescimento espantoso das chamadas tecnologias de comunicação. Essas tecnologias tornaram-se mais rápidas,

Leia mais

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era Produção de textos online O modelo de consumo de uma nova era Introdução Novas tecnologias, ou mesmo o aprimoramento daquelas já existentes, tem transformado o modo como são consumidos os conteúdos disponibilizados

Leia mais

Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011

Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011 Curso de Marketing Disciplina: Web Marketing Professor: Roberto Marcello Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011 Web Marketing Web Marketing é qualquer esforço promocional realizado

Leia mais

Thursday, October 18, 12

Thursday, October 18, 12 O Site Legado do IFP é uma comunidade online e global dos ex-bolsistas do programa. É um recurso e um lugar para você publicar notícias profissionais, recursos e teses para a comunidade global do IFP,

Leia mais

08 a 11 de outubro de 2014

08 a 11 de outubro de 2014 EMPREENDER NA MÚSICA COMO TRANSFORMAR UMA BANDA NUMA MICRO EMPRESA 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Sumário Ecossistema da música A música no Brasil Gestão da carreira musical O ecossistema

Leia mais

MONITORAMENTO E GOOGLE PLUS. Leonardo Alvez Letícia Chibior Patrick Miguel Ruth Derevecki Samara Bark / / 4MA

MONITORAMENTO E GOOGLE PLUS. Leonardo Alvez Letícia Chibior Patrick Miguel Ruth Derevecki Samara Bark / / 4MA MONITORAMENTO E GOOGLE PLUS Leonardo Alvez Letícia Chibior Patrick Miguel Ruth Derevecki Samara Bark / / 4MA MONITORAMENTO As empresas sabem que o planejamento digital, gestão de conteúdo, anúncios, campanhas

Leia mais

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO Desenvolvido por: Patricia Mariotto Mozzaquatro SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO....03 2 O AMBIENTE MOODLE......03 2.1 Quais as caixas de utilidade que posso adicionar?...04 2.1.1 Caixa

Leia mais

1.Quem é e o que faz o ícone. musical de nossa era: o DJ?

1.Quem é e o que faz o ícone. musical de nossa era: o DJ? 1.Quem é e o que faz o ícone musical de nossa era: o DJ? Quem é e o que faz o ícone musical de nossa era: o DJ? Nos dias de hoje, quando você pensa em um artista descolado e muito poderoso, esse cara pode

Leia mais

Guia Básico de Marketing para Sua Música. Dicas Essenciais para Colocar Sua Música na Rua

Guia Básico de Marketing para Sua Música. Dicas Essenciais para Colocar Sua Música na Rua C D B A B Y A P R E S E N TA : Guia Básico de Marketing para Sua Música Dicas Essenciais para Colocar Sua Música na Rua Guia Básico de Marketing para Sua Música Dicas Essenciais para Colocar Sua Música

Leia mais

ANÁLISE DA CONVERGÊNCIA NA RÁDIO SÃO FRANCISCO FM

ANÁLISE DA CONVERGÊNCIA NA RÁDIO SÃO FRANCISCO FM ANÁLISE DA CONVERGÊNCIA NA RÁDIO SÃO FRANCISCO FM INTRODUÇÃO/DESENVOLVIMENTO Bruna Vieira de Oliveira Ricardo Rigaud Salmito 1 Esta pesquisa pretende analisar se a criação do site da rádio São Francisco

Leia mais

BLOG: GRUPO DE DISCUSSÃO: PODCAST:

BLOG: GRUPO DE DISCUSSÃO: PODCAST: O MUNDO ONLINE Uma das marcas dessa nova era são as redes sociais. Comunidades online como o Facebook, Twitter, Fousquare, Youtube e outras, possibilitam a comunicação entre as pessoas, ao mesmo tempo,

Leia mais

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil Samira NOGUEIRA 2 Márcio Carneiro dos SANTOS 3 Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar Tópicos Especiais em Informática Msc. Márcio Alencar Recursos Certamente, um dos atrativos do chamado e- Learning (ou ensino á distância com uso de ferramentas computacionais/eletrônicas), são os novos

Leia mais

Computação nas nuvens (Vantagens)

Computação nas nuvens (Vantagens) Computação em Nuvem Computação em nuvem O conceito de computação em nuvem (em inglês, cloud computing) refere-se à possibilidade de utilizarmos computadores menos potentes que podem se conectar à Web e

Leia mais

O futuro do YouTube - VEJA.com

O futuro do YouTube - VEJA.com Entrevista O futuro do YouTube 29/08/2009 10:49 Por Leo Branco Nesta semana, Chad Hurley, de 32 anos, um dos criadores do YouTube, esteve no Brasil e falou a VEJA sobre o futuro do maior site de vídeos

Leia mais

Relatório do Portal Rádio Margarida do 2º trimestre de 2011

Relatório do Portal Rádio Margarida do 2º trimestre de 2011 O portal da Rádio Margarida em Defesa dos Direitos de Crianças e Adolescentes na Amazônia já está online desde fevereiro de 2010. O objetivo do veículo é disponibilizar materiais educativos que contribuam

Leia mais

*Todos os direitos reservados.

*Todos os direitos reservados. *Todos os direitos reservados. A cada ano, as grandes empresas de tecnologia criam novas ferramentas Para o novo mundo digital. Sempre temos que nos renovar para novas tecnologias, a Karmake está preparada.

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING ELETRÔNICO

PLANEJAMENTO DE MARKETING ELETRÔNICO Instituto FA7 IBMEC MBA em Marketing Disciplina: Professor: Turma: Equipe: Marketing Eletrônico Renan Barroso Marketing II - Fortaleza Ana Hilda Sidrim, Ana Carolina Danziger PLANEJAMENTO DE MARKETING

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO Conheça todas as ações realizadas.

PLANO DE COMUNICAÇÃO Conheça todas as ações realizadas. PLANO DE COMUNICAÇÃO Conheça todas as ações realizadas. Caro Expositor, Em sua 31ª edição, a EXPOMUSIC vem consolidar a parceria entre Expositores, Abemúsica e Francal Feiras nesses 31 anos de trabalho,

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br Realização e Organização www.vamaislonge.com.br Quem somos... Leonardo Alvarenga, tenho 23 anos, sou criador do Não Tenho Ideia e do #VáMaisLonge. Sou formado em Educação Física mas larguei tudo logo após

Leia mais

Marketing digital NARCISO SANTAELLA

Marketing digital NARCISO SANTAELLA Marketing digital 1 Introdução As agências de publicidade recorrem ao marketing digital para conquistar o público que hoje tem na web uma das principais fontes de informação. Utilizar todos os recursos

Leia mais

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO!

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! Como deixar seu negócio on-line Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! A palavra de ordem das redes sociais é interação. Comparando a internet com outros meios de comunicação em massa como

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO PLANO DE COMUNICAÇÃO, PROGRAMAÇÃO PARALELA E SERVIÇOS. Comunicação Eventos Paralelos Espaços Diferenciados.

PLANO ESTRATÉGICO PLANO DE COMUNICAÇÃO, PROGRAMAÇÃO PARALELA E SERVIÇOS. Comunicação Eventos Paralelos Espaços Diferenciados. PLANO ESTRATÉGICO Comunicação Eventos Paralelos Espaços Diferenciados PLANO DE Serviços COMUNICAÇÃO, PROGRAMAÇÃO PARALELA E SERVIÇOS Prezado Expositor, É com muita satisfação que apresentamos o plano estratégico

Leia mais

USUÁRIOS GERANDO CONTEÚDO PARA UM SITE

USUÁRIOS GERANDO CONTEÚDO PARA UM SITE USUÁRIOS GERANDO CONTEÚDO PARA UM SITE www.espm.br/centraldecases USUÁRIOS GERANDO CONTEÚDO PARA UM SITE Preparado pelo Prof. Vicente Martin Mastrocola, da ESPM-SP. Recomendado para as disciplinas de:

Leia mais

Manual do Professor versão 2.0. FTD Sistema de Ensino

Manual do Professor versão 2.0. FTD Sistema de Ensino Manual do Professor versão 2.0 FTD Sistema de Ensino Plataforma Digital do FTD Sistema de Ensino Concepção Fernando Moraes Fonseca Jr Arquitetura e coordenação de desenvolvimento Rodrigo Orellana Arquitetura,

Leia mais

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Aparecido Marden Reis 2 Marli Barboza da Silva 3 Universidade do Estado de Mato Grosso, Unemat - MT RESUMO O projeto experimental

Leia mais

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG Moema Gomes Moraes 1 RESUMO: Este trabalho faz uma reflexão sobre os aspectos relacionados ao uso de Blogs no ensino de Matemática. Para isto, ele inicia fazendo uma reflexão

Leia mais

I - O que é o Mobilize-se

I - O que é o Mobilize-se Índice O que é o Mobilize-se...03 A campanha de lançamento...12 Divulgação da campanha...14 Como irá funcionar o sistema para o ouvinte da rádio...20 O que a rádio deve fazer para se inscrever no Mobilize-se...36

Leia mais

VENDA MAIS USANDO AS REDES SOCIAIS

VENDA MAIS USANDO AS REDES SOCIAIS VENDA MAIS USANDO AS REDES SOCIAIS Coloque o Facebook, Linkedin e Instagram para atrair mais clientes e aumentar suas vendas. Dicas fáceis que você mesmo pode implementar e ver os resultados ainda hoje.

Leia mais

SITES E BLOGS CONSTRUINDO A SUA MARCA

SITES E BLOGS CONSTRUINDO A SUA MARCA SITES E BLOGS CONSTRUINDO A SUA MARCA Paula Junqueira 7º CONGRESSO RIO DE EDUCAÇÃO CONSTRUINDO A SUA MARCA A marca é o ativo mais importante, independente do tamanho de sua empresa. As mídias sociais são

Leia mais

MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR josuevitor16@gmail.com @josuevitor Marketing Digital Como usar a internet

Leia mais

Apresentação do Projeto RaizMúsica

Apresentação do Projeto RaizMúsica Apresentação do Projeto RaizMúsica www.raizmusica.com.br Fevereiro 2013 Confidencial Todos direitos reservados 2012 Amigos músicos e amantes da música A Internet ganha um lugar dedicado exclusivamente

Leia mais

Arte e tecnologia: o papel da internet nas dinâmicas artísticas atuais. Júlia Borges do Nascimento Universidade Federal de Goiás - UFG

Arte e tecnologia: o papel da internet nas dinâmicas artísticas atuais. Júlia Borges do Nascimento Universidade Federal de Goiás - UFG Arte e tecnologia: o papel da internet nas dinâmicas artísticas atuais Júlia Borges do Nascimento Universidade Federal de Goiás - UFG Resumo: Este trabalho tem o objetivo de compreender como as transformações

Leia mais

1. Áudio. Esta seção servirá para o cliente inserir músicas em formato mp3 para que os visitantes do site possam ouvi-las através do site.

1. Áudio. Esta seção servirá para o cliente inserir músicas em formato mp3 para que os visitantes do site possam ouvi-las através do site. 1. Áudio Esta seção servirá para o cliente inserir músicas em formato mp3 para que os visitantes do site possam ouvi-las através do site. 2. Atendimento online Seção destinada para que os visitantes do

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL A Agência de Certificação Ocupacional (ACERT) é parte integrante da Fundação Luís Eduardo Magalhães (FLEM) Centro de Modernização e Desenvolvimento da Administração

Leia mais

União Rede Social e Marketing Viral para ampliação da concorrência em processo seletivo (vestibular) de uma Instituição de Ensino Superior

União Rede Social e Marketing Viral para ampliação da concorrência em processo seletivo (vestibular) de uma Instituição de Ensino Superior União Rede Social e Marketing Viral para ampliação da concorrência em processo seletivo (vestibular) de uma Instituição de Ensino Superior Heitor de Sousa Miranda, Parcilene Fernandes de Brito, Fabiano

Leia mais

Guia de Produção da Música Independente Bahia

Guia de Produção da Música Independente Bahia Guia de Produção da Música Independente Bahia Memória do trabalho de conclusão do curso de Comunicação Social, com Habilitação em Produção em Comunicação e Cultura. Faculdade de Comunicação da Universidade

Leia mais

REDES SOCIAIS PARA PEQUENAS EMPRESAS

REDES SOCIAIS PARA PEQUENAS EMPRESAS REDES SOCIAIS PARA PEQUENAS EMPRESAS Entenda a importância da utilização das Redes Sociais para a sua pequena empresa e conheça os fundamentos necessários para obter resultados positivos com a sociabilidade.

Leia mais

Integração de campanhas de links patrocinados com mídia gráfica

Integração de campanhas de links patrocinados com mídia gráfica Encontre aqui um apanhado de indicadores, estudos, análises e pesquisas de variadas fontes, todas vitais para avaliação e mensuração do desempenho e dos negócios no mundo digital Aunica Integração de campanhas

Leia mais

Marcele Bastos Consultora de comunicação mbastos.sa@gmail.com MÍDIAS SOCIAIS

Marcele Bastos Consultora de comunicação mbastos.sa@gmail.com MÍDIAS SOCIAIS Marcele Bastos Consultora de comunicação mbastos.sa@gmail.com MÍDIAS SOCIAIS TEMAS o O que são mídias sociais (conceito, apresentação dos diversos canais das redes sociais, gestão dos canais) o Moda ou

Leia mais

ETAPAS PARA PRODUZIR O SEU ARTISTA

ETAPAS PARA PRODUZIR O SEU ARTISTA ETAPAS PARA PRODUZIR O SEU ARTISTA Objetivo Desenvolver a gestão da carreira do artista, analisando o nicho em que o mesmo se enquadra, detectando e avaliando as oportunidades e ameaças. Somadas a estas

Leia mais

Como e por onde começar e os melhores formatos de conteúdo para você

Como e por onde começar e os melhores formatos de conteúdo para você Como e por onde começar e os melhores formatos de conteúdo para você A fim de criar, controlar, gerenciar sua reputação online e construir a carreira que você deseja, alguns ações são necessárias. A primeira

Leia mais

9ª Edição Abril 2011

9ª Edição Abril 2011 9ª Edição Abril 2011 ÍnDICe METODOLOGIA PERFIL DA AMOSTRA INTERNET Acesso e Navegação APRENDIZADOS METODOLOGIA técnica abrangência universo data do campo Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário

Leia mais

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda.

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo Copyright 2015 Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Todos os direitos reservados. Pode ser compartilhado com conteúdo,

Leia mais

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Piracicaba, 2000 Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Este trabalho se destina a avaliação da disciplina de Teoria da Comunicação Piracicaba,

Leia mais

E-books. Marketing no Facebook. Sebrae

E-books. Marketing no Facebook. Sebrae E-books Sebrae Marketing e Vendas Marketing no Facebook Marketing de conteúdo e engajamento na rede Marketing de conteúdo no Facebook Tipos de conteúdo Edge Rank e os fatores de engajamento Facebook Ads

Leia mais

Marketing. Conrado Adolpho Vaz. O Guia Definitivo de Marketing Digital. Novatec

Marketing. Conrado Adolpho Vaz. O Guia Definitivo de Marketing Digital. Novatec Google Marketing O Guia Definitivo de Marketing Digital Conrado Adolpho Vaz Novatec Sumário Prefácio à 1ª edição... 21 Prefácio à 2ª. edição... 23 Prefácio à 3ª edição... 25 Introdução... 27 Parte I O

Leia mais

Internet: A Rede Revolução

Internet: A Rede Revolução Internet: A Rede Revolução A era da informação. Nunca se teve tanto acesso às notícias como agora. Nunca se recebeu tantas informações e fatos mundiais como hoje. As notícias chegam até nós de forma rápida,

Leia mais

Entrevista com Entrevista com Max Matta, vocalista da banda Caps Lock

Entrevista com Entrevista com Max Matta, vocalista da banda Caps Lock Entrevista com Entrevista com Max Matta, vocalista da banda Caps Lock POUCA E BOAS DA MARI - Max, você, o Sté e o Carlinhos tocam juntos desde 2003. Em 2005, o Thiago entrou na banda, foi quando surgiu

Leia mais

Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ

Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ 1. O que é o Mapa Musical da Bahia? O Mapa Musical da Bahia é uma ação da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB) para mapear, reconhecer e promover a difusão da música

Leia mais

PASSOS INICIAIS PARA CRIAR O SEU NEGÓCIO DIGITAL. Aprenda os primeiros passos para criar seu negócio digital

PASSOS INICIAIS PARA CRIAR O SEU NEGÓCIO DIGITAL. Aprenda os primeiros passos para criar seu negócio digital PASSOS INICIAIS PARA CRIAR O SEU NEGÓCIO DIGITAL Aprenda os primeiros passos para criar seu negócio digital Conteúdo PRIMEIROS PASSOS COM BLOG:... 3 Primeiro:... 3 Segundo:... 4 Terceiro:... 5 Quarto:...

Leia mais

Uso estratégico do Facebook Como sua empresa pode explorar a rede social ao máximo

Uso estratégico do Facebook Como sua empresa pode explorar a rede social ao máximo Uso estratégico do Facebook Como sua empresa pode explorar a rede social ao máximo www.talk2.com.br 03 Introdução 3 05 06 07 10 10 12 20 CONSTRUÇÃO DE ESTRATÉGIAS 2.1Facebook e a predileção pelas marcas

Leia mais

Sistemas Enturma: Manual de Ferramentas do Usuário

Sistemas Enturma: Manual de Ferramentas do Usuário versão do manual: 1 1 Apresentação A evolução da tecnologia vem provocando uma revolução no ensino. O acesso à Internet e a disseminação do uso do computador vêm mudando a forma de produzir, armazenar

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Mídias Digitais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Mídias Digitais Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Mídias Digitais Apresentação A emergência de novas tecnologias de informação e comunicação e sua convergência exigem uma atuação de profissionais com visão

Leia mais

Método Venda com Tráfego Gratuito

Método Venda com Tráfego Gratuito Método Venda com Tráfego Gratuito Se você está cansado de gastar dinheiro com anúncios pagos e não consegue resultados eficientes... Então pode ser a hora de optar por fontes de tráfego alternativas. Estou

Leia mais

Comunicação Organizacional no Terceiro Setor: a experiência do Brasil Vivo

Comunicação Organizacional no Terceiro Setor: a experiência do Brasil Vivo Comunicação Organizacional no Terceiro Setor: a experiência do Brasil Vivo Adalberto NUNES (Universidade de Brasília) 1 Élida SANTOS (Universidade de Brasília) 2 Gabriel PONTES (Universidade de Brasília)

Leia mais

( ) Brasília ( ) Recife ( ) Belo Horizonte ( ) Rio de Janeiro ( ) Porto Alegre

( ) Brasília ( ) Recife ( ) Belo Horizonte ( ) Rio de Janeiro ( ) Porto Alegre DOCUMENTOS E CONTATOS: Nome Completo: Nome Artístico: Idade: Data de Nascimento: CPF: RG: Endereço: Bairro: Cidade: Estado: CEP: Telefone Residencial: Telefone Comercial: Telefone Celular 1 Telefone Celular

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook

Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook Marketing Digital de resultado para Médias e Pequenas Empresas Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook Ferramentas e experimentos para conseguir melhores resultados

Leia mais

A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS. Carlos Jerônimo da Silva Gueiros

A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS. Carlos Jerônimo da Silva Gueiros A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS Carlos Jerônimo da Silva Gueiros Um mundo em transformação 1998 / 1999 Mutirão Digital apoiar as escolas públicas no acesso à Internet 2010-12 anos depois...

Leia mais

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia.

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia. Tecnologias da Educação Marco Antônio Tecnologias e mídias Comunicar não é de modo algum transmitir uma mensagem ou receber uma mensagem. Isso é a condição física da comunicação, mas não é comunicação.

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO Conheça todas as ações realizadas.

PLANO DE COMUNICAÇÃO Conheça todas as ações realizadas. PLANO DE COMUNICAÇÃO Conheça todas as ações realizadas. Prezado Expositor, 30 anos de EXPOMUSIC! Não é sempre que se comemora 30 anos. Sem dúvida, esta é uma edição muito especial para todos nós, fruto

Leia mais

10 regras para construir uma comunidade no Facebook

10 regras para construir uma comunidade no Facebook Livro branco 10 regras para construir uma comunidade no Facebook 07/2014 www.kontestapp.com Introdução Ter muitos fãs é bom, melhor ainda é fidelizá-los! Facebook tem mais de 1,23 bilhão de usuários mensais

Leia mais

MANUAL DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM - NETAULA CURSOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PERFIL ALUNO

MANUAL DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM - NETAULA CURSOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PERFIL ALUNO MANUAL DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM - NETAULA CURSOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PERFIL ALUNO MANUAL NETAULA PERFIL ALUNO Caro aluno da EAD da ULBRA Para você ter acesso às salas das disciplinas ofertadas

Leia mais

Vox4all Manual de Utilização http://arca.imagina.pt/manuais/manual Vox4all BR.pdf

Vox4all Manual de Utilização http://arca.imagina.pt/manuais/manual Vox4all BR.pdf Vox4all Manual de Utilização http://arca.imagina.pt/manuais/manual Vox4all BR.pdf A voz ao seu alcance! Software de comunicação aumentativa e alternativa para smartphone e tablet Projeto co financiado

Leia mais

17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO. 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo

17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO. 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo 17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo APRESENTAÇÃO O 17º Festival Brasileiro de Cinema Universitário acontecerá de 6 a 12 de agosto de 2012,

Leia mais

MIDIA KIT 2015 www.naporteiracast.com.br

MIDIA KIT 2015 www.naporteiracast.com.br MIDIA KIT 15 www.naporteiracast.com.br O QUE É PODCAST? O termo podcast é a junção das palavras ipod (dispositivo de reprodução de arquivos digitais fabricado pela Apple) e broadcast (transmissão, em inglês).

Leia mais

Quando se trata do universo on-line, nada é estático. Tudo pode se transformar de uma hora pra outra, basta o vento mudar de direção.

Quando se trata do universo on-line, nada é estático. Tudo pode se transformar de uma hora pra outra, basta o vento mudar de direção. estratégias online Quando se trata do universo on-line, nada é estático. Tudo pode se transformar de uma hora pra outra, basta o vento mudar de direção. serviços consultoria Benchmark Planejamento

Leia mais

Mídias Sociais e Marketing Digital: um novo modelo de comunicação entre empresa e consumidor 1

Mídias Sociais e Marketing Digital: um novo modelo de comunicação entre empresa e consumidor 1 Mídias Sociais e Marketing Digital: um novo modelo de comunicação entre empresa e consumidor 1 Anadelly Fernandes Pereira ALVES 2 Universidade de Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró, RN RESUMO O artigo

Leia mais

E-Mail Marketing: Primeiros Passos

E-Mail Marketing: Primeiros Passos E-Mail Marketing: Primeiros Passos E-Mail Marketing: Primeiros Passos Aprenda a utilizar o email marketing para alavancar o seu negócio O Marketing Digital vem ganhando cada vez mais força entre as empresas

Leia mais

Este documento provê informação atualizada, e simples de entender, para o empreendedor que precisa iniciar ou avaliar suas operações online.

Este documento provê informação atualizada, e simples de entender, para o empreendedor que precisa iniciar ou avaliar suas operações online. Os segredos dos negócios online A Internet comercial está no Brasil há menos de 14 anos. É muito pouco tempo. Nesses poucos anos ela já mudou nossas vidas de muitas maneiras. Do programa de televisão que

Leia mais

OBSERV ATÓRIO. mcf*(penso) março/abril 2013

OBSERV ATÓRIO. mcf*(penso) março/abril 2013 OBSERV ATÓRIO Em um momento onde as marcas tentam explorar novas possibilidades para atrair a atenção de seus clientes, as plataformas digitais começam a ganhar força e a chamar atenção dos especialistas

Leia mais

Redes sociais x mídias sociais

Redes sociais x mídias sociais INTRODUÇÃO Esse workshop tem como objetivo de organizar o uso das redes sociais no Santuário Nacional e Rede Aparecida, de forma a facilitar o trabalho de monitoramento e de produção de conteúdo para as

Leia mais

Thaísa Fortuni. 15 dicas de Mídias Sociais para Moda. Copyright 2015 - Todos os direitos reservados

Thaísa Fortuni. 15 dicas de Mídias Sociais para Moda. Copyright 2015 - Todos os direitos reservados Thaísa Fortuni Thaísa Fortuni 15 dicas de Mídias Sociais para Moda Copyright 2015 - Todos os direitos reservados Sobre Thaísa Fortuni Publicitária por formação, escritora e empreendora digital. Trabalha

Leia mais

Apps de Produtividade

Apps de Produtividade Apps de Produtividade Os App s de Produtividade oferecem controle, organização e recursos para profissionalização das áreas internas e externas da empresa, proporcionando: Produtividade Controle Integração

Leia mais

2.1.2 - A organização do evento poderá alterar as datas de cada etapa do Festival de acordo com o número de inscritos, com prévio aviso aos mesmos.

2.1.2 - A organização do evento poderá alterar as datas de cada etapa do Festival de acordo com o número de inscritos, com prévio aviso aos mesmos. REGULAMENTO DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES I - DO OBJETIVO 1.1 O Evento tem como objetivo promover um festival único e inovador de música independente na cidade de São Paulo. A OLB Produções vai envolver

Leia mais

Apple Music. Diretrizes de identidade para afiliados. Junho de 2015

Apple Music. Diretrizes de identidade para afiliados. Junho de 2015 Visão geral Música boa precisa de marketing bom. O segredo para uma boa campanha de marketing são mensagens claras e eficazes. Siga estas diretrizes para atender aos requisitos da Apple e obter o máximo

Leia mais

A CD BABY APRESENTA: Criando Eventos de Sucesso no Facebook Catorze regras para lotar os seus shows

A CD BABY APRESENTA: Criando Eventos de Sucesso no Facebook Catorze regras para lotar os seus shows A CD BABY APRESENTA: Criando Eventos de Sucesso no Facebook Catorze regras para lotar os seus shows Criando Eventos de Sucesso no Facebook Catorze regras para lotar os seus shows Músicos vêm debatendo

Leia mais

M U N D O L I V R E 9 3. 9 F M

M U N D O L I V R E 9 3. 9 F M M U N D O L I V R E 9 3. 9 F M Mais que uma programação feita para ouvintes exigentes, a Mundo Livre FM ultrapassa a frequência do rádio e se estabelece como uma identidade conceitual. No ar há 7 anos,

Leia mais

Redes Sociais, SEO, Blog ou Adwords: O que devo usar para minha empresa?

Redes Sociais, SEO, Blog ou Adwords: O que devo usar para minha empresa? Redes Sociais, SEO, Blog ou Adwords: O que devo usar para minha empresa? Você já pensou em posicionar sua marca na internet? Construir um relacionamento com seu cliente é uma das formas mais eficazes de

Leia mais

MANUAL DE REDE SOCIAL NA PLATAFORMA NING

MANUAL DE REDE SOCIAL NA PLATAFORMA NING MANUAL DE REDE SOCIAL NA PLATAFORMA NING Frederico Sotero* Este breve manual destina-se aos participantes das redes sociais desenvolvidas pela MANTRUX na plataforma Ning. Trata-se essencialmente de um

Leia mais

FERRAMENTAS PARA INCENTIVO E PROMOÇÃO

FERRAMENTAS PARA INCENTIVO E PROMOÇÃO FERRAMENTAS PARA INCENTIVO E PROMOÇÃO RECURSO DIGITAL Esta apresentação tem por finalidade contar um pouco do que a Recurso Digital faz em campanhas de incentivo, relacionamento e promoção. Reforçamos

Leia mais

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno Guia Rápido de Utilização Ambiente Virtual de Aprendizagem Perfil Aluno 2015 APRESENTAÇÃO O Moodle é um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) open source¹. Esta Plataforma tornouse popular e hoje é utilizada

Leia mais

MEDIA KIT. http://boxdeseries.com.br contato@boxdeseries.com.br @boxdeseries

MEDIA KIT. http://boxdeseries.com.br contato@boxdeseries.com.br @boxdeseries MEDIA KIT http://boxdeseries.com.br contato@boxdeseries.com.br @boxdeseries 2 CONTEÚDO BREVE HISTÓRICO...03 MINICURRÍCULO DA EQUIPE...04 SOBRE O SITE...05 EDITORIAS...06 SOBRE O PODCAST...06 ESTATÍSTICAS

Leia mais

Texto: Cinco pontos sobre redes sociais na Internet. Análise:

Texto: Cinco pontos sobre redes sociais na Internet. Análise: Texto: Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Por Raquel Recuero Análise: Introdução: Ao longo da história do homem contemporâneo tivemos diversos avanços nas chamadas tecnologias de comunicação,

Leia mais

Informações Gerais. 34 parceiros de mídia e publicidade. 220 expositores. + de 500 marcas. + de 20 mil m 2. 35 mil visitantes

Informações Gerais. 34 parceiros de mídia e publicidade. 220 expositores. + de 500 marcas. + de 20 mil m 2. 35 mil visitantes O Evento A PHOTOIMAGE BRASIL, maior feira de imagem da América Latina, reuniu mais de 35 mil participantes ligados ao segmento e provou nesta sua 22ª edição que soube se adaptar às rápidas mudanças do

Leia mais

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é VOIP Se você nunca ouviu falar do VoIP, prepare-se para mudar sua maneira de pensar sobre ligações de longa distância. VoIP, ou Voz sobre Protocolo de Internet, é um método para pegar sinais de áudio analógico,

Leia mais

A Relação do Podcast com a Publicidade na Perspectiva das "Novas Arenas de Comunicação com o Mercado" 1

A Relação do Podcast com a Publicidade na Perspectiva das Novas Arenas de Comunicação com o Mercado 1 A Relação do Podcast com a Publicidade na Perspectiva das "Novas Arenas de Comunicação com o Mercado" 1 Débora LOPES 2 Helber SOUZA 3 Faculdades Integradas São Pedro, FAESA, Vitória, ES RESUMO O presente

Leia mais

Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica.

Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica. Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica. Além de tornar-se fundamental para a difusão do conhecimento e geração das relações interpessoais, a Internet

Leia mais

VOCÊ SABE O QUE É E-MAIL MARKETING? [[ ][ Aprenda como funciona e quais resultados você pode obter

VOCÊ SABE O QUE É E-MAIL MARKETING? [[ ][ Aprenda como funciona e quais resultados você pode obter VOCÊ SABE O QUE É E-MAIL MARKETING? [[ ][ Aprenda como funciona e quais resultados você pode obter Vivemos a era do conteúdo na Internet. Um e-mail com o conteúdo certo, distribuído às pessoas certas é

Leia mais

Marketing de Conteúdo para iniciantes CONTENT STRATEGY

Marketing de Conteúdo para iniciantes CONTENT STRATEGY Marketing de Conteúdo para iniciantes CONTENT STRATEGY A Rock Content ajuda você a montar uma estratégia matadora de marketing de conteúdo para sua empresa. Nós possuimos uma rede de escritores altamente

Leia mais