UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI BRUNO EDUARDO PIRES DE SOUZA. A MÚSICA NA CULTURA DA CONVERGÊNCIA As novas mídias transformando o mercado fonográfico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI BRUNO EDUARDO PIRES DE SOUZA. A MÚSICA NA CULTURA DA CONVERGÊNCIA As novas mídias transformando o mercado fonográfico"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI BRUNO EDUARDO PIRES DE SOUZA A MÚSICA NA CULTURA DA CONVERGÊNCIA As novas mídias transformando o mercado fonográfico SÃO PAULO 2011

2 2 BRUNO EDUARDO PIRES DE SOUZA A MÚSICA NA CULTURA DA CONVERGÊNCIA As novas mídias transformando o mercado fonográfico Dissertação de Mestrado apresentada à Banca Examinadora, como exigência parcial para a obtenção do título de Mestre do Programa de Mestrado em Comunicação, área de concentração em Comunicação Contemporânea da Universidade Anhembi Morumbi, sob a orientação do Prof. Dr. Vicente Gosciola. SÃO PAULO 2011

3 3 S713m Souza, Bruno Eduardo Pires de A música na cultura da convergência : as novas mídias transformando o mercado fonográfico / Bruno Eduardo Pires de Souza f.: il.; 30 cm. Orientador: Vicente Gosciola. Dissertação (Mestrado em Comunicação) - Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo, Bibliografia: f Comunicação. 2. Indústria fonográfica. 3. Convergência de mídias. 4. Produção musical. 5. Remidiatização. I. Título. CDD 302.2

4 4 BRUNO EDUARDO PIRES DE SOUZA A MÚSICA NA CULTURA DA CONVERGÊNCIA As novas mídias transformando o mercado fonográfico Dissertação de Mestrado apresentada à Banca Examinadora, como exigência parcial para a obtenção do título de Mestre do Programa de Mestrado em Comunicação, área de concentração em Comunicação Contemporânea da Universidade Anhembi Morumbi, sob a orientação do Prof. Dr. Vicente Gosciola. Aprovado em ----/-----/----- Vicente Gosciola Suzana Reck Miranda Maria Ignês Carlos Magno

5 5 RESUMO Esta pesquisa objetiva a exploração das transformações da indústria fonográfica mundial nos anos 2000 que ocorreram devido à crise financeira surgida no final da década de 90 que atingiu este mercado. Dois fatores catalisaram este cenário de crise: a pirataria de CD s e difusão do arquivo mp3 pela internet. A pesquisa busca analisar as causas desta crise e como a indústria está se reconstruindo e saindo dela. Para tanto, este estudo é apoiado na cultura da convergência de mídias defendida pelo teórico da comunicação Henry Jenkins. Esta dissertação busca abordar de que maneira a indústria fonográfica começou a operar de acordo com um novo modo de produção baseado na perspectiva da cultura da convergência em contraposição ao modo de produção que regeu esta indústria durante quase toda a sua existência e que era baseado na cultura do disco. Por isto, a pesquisa começa retomando o início da indústria fonográfica, trabalha os conceitos de obra fonográfica e os traz para os dias de hoje mostrando o que mudou em termos da obra. Os objetivos deste estudo giram em torno da reestruturação da indústria perante o fim da cultura do disco: a remidiatização do suporte físico (disco) para o virtual (arquivo digital) e a indústria dentro da cultura da convergência de mídias a música dentro da cultura participativa, inteligência coletiva e narrativa transmidiática. A dissertação busca também analisar o novo meio de produção do artista que está imperando neste novo cenário: a relação de interdependência entre a indústria e o artista, as mudanças ocorridas através do barateamento da tecnologia de produção de conteúdo musical e audiovisual, os home studios, as ferramentas de promoção online, sites de relacionamento e de venda de música e a pirataria. Para tanto, a dissertação procura abordar e refletir sobre os aspectos gerais deste cenário e citar exemplos apoiando-se em pesquisadores e teóricos da indústria fonográfica e da comunicação. Palavras-chave: Indústria fonográfica. Convergência de mídias. Produção musical. Remidiatização.

6 6 ABSTRACT This research aims at exploring the transformation of the recording industry worldwide in the 2000s that occurred due to the financial crisis that emerged in the late 90's that hit the market. Two factors were the result of this crisis scenario: the spread of piracy of CDs and MP3 file over the internet. The research explores the causes that led to this crisis and how and how industry is rebuilding itself and leaving it. Therefore, this study is supported in the media convergence culture forward by media theorist Henry Jenkins. This dissertation seeks to address how the recording industry began to operate according to a new mode of production based on the perspective of the convergence culture as opposed to the mode of production that ruled this industry for nearly its entire existence was based on the disc culture. Therefore, the search begins returning to the start of the recording industry, working concepts of the phonographic work and brings it to the present day, showing what has changed in terms of the work. The objectives of this study seek to examine the restructuring of the industry before the end of the disc culture : the remediation from the hardware (disc) for the virtual (digital file) and how the industry is inside the media convergence culture - the music inside participative culture, collective intelligence and transmedia storytelling. The dissertation also examine the new production environment of the artist who is reigning in this new era: the interdependence relationship between industry and the artist, changes through the cheapening of production technology behind musical and audiovisual content, home studios, the online promotion tools, social networking sites and music sales and piracy. To this end, the dissertation aims to analyze the general aspects of this scenario and cite examples relying on researchers and theorists of the music industry and communications. Keywords: Music industry. Media convergence. Musical production. Remediation.

7 7 LISTA DE GRÁFICOS Números do mercado Números do mercado

8 8 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABPD Associação Brasileira de Produtores de Discos PRS Performance Rights Society RIAA Recording Industry Association of America

9 Às duas grandes mulheres da minha vida: Patricia Marx e Sílvia de Souza. 9

10 10 AGRADECIMENTOS Universidade Anhembi Morumbi Vicente Gosciola, Suzana Reck Miranda, Rogério Ferraraz, Maria Ignês Carlos Magno, Sheila Schvarzman, Bernardette Lyra, Gelson Santana, Marcos Brandão, Alessandra Gislaine, Leonardo Vergueiro, Valdir Baptista, Cláudio Yutaka, Daniel Gambaro, Thaís Saraiva, Mario Cassettari, Ricardo Matsuzawa, Alexandre Marino, Maurício Espósito, Leonardo Aldrovandi, André Salata, Eric Marke, Gisele Sayeg, Eduardo Vicente, Vladimir Safatle, José Souza e Arthur Souza.

11 11 SUMÁRIO RESUMO... 5 ABSTRACT... 6 LISTA DE GRÁFICOS... 7 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS... 8 INTRODUÇÃO CAPÍTULO UM OBRA MUSICAL E OBRA FONOGRÁFICA A cultura do LP O CD e a nova era digital...22 O novo álbum da indústria CAPÍTULO 2 DA CULTURA DO DISCO À CONVERGÊNCIA O fim da cultura do disco Cultura participativa e inteligência coletiva no mercado fonográfico Narrativa transmidiática...43 CAPÍTULO 3 MAJORS, INDIES E ARTISTAS NA CONVERGÊNCIA Produção audiovisual e fonográfica - o controle estético das majors sobre a obra Portabilidade e o artista independente CAPÍTULO 4 O PROCESSO DE REMIDIATIZAÇÃO DA INDÚSTRIA O início da remidiatização Imidiação e hipermidiação do disco Redes sociais, comércio digital e telefonia celular...77 CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 82

12 12 INTRODUÇÃO O cenário da produção musical mudou. Presenciamos a indústria fonográfica agonizar financeiramente com a morte lenta do CD e com a pirataria musical nos mundos físico e virtual no final da década de 90. A indústria passou por vários períodos de crise desde a sua formação e consolidação. No entanto, nunca viveu uma crise tão profunda como esta das décadas 2000 e Esta crise resultou num complexo processo de transformação na maneira de se produzir e consumir música que está em andamento. Um fato importante resultante deste processo de transformação é que a indústria não depende da venda de discos para sobreviver como antigamente. Ela finalmente está conseguindo se refazer desta crise ao sair de uma cultura do disco para uma cultura de convergência de mídias. Nos dias de hoje, não dá mais para pensar a indústria fonográfica de maneira dissociada da indústria de entretenimento como um todo. Não dá mais para pensar somente no suporte musical isolado de qualquer suporte multimídia. Isto, basicamente, porque todos os suportes existentes voltados ao consumo musical são ou estão convergindo para suportes multimídias. E a convergência do mercado fonográfico vai além dos suportes. Segundo Henry Jenkins (JENKINS, 2008, p.27), a convergência representa uma transformação cultural, à medida que consumidores são incentivados a procurar novas informações e fazer conexões em meio a conteúdos midiáticos dispersos. Na cultura da convergência, o consumidor participa ativamente no processo de produção da informação. E no mercado fonográfico atual, este consumidor também participa do processo de produção da música. O estudo desta dissertação analisa de que forma a música foi produzida no passado, como está sendo produzida nos anos 2000 e por quais transformações o processo de produção fonográfica está passando diante deste novo cenário. Para tanto, a pesquisa tem como objetivo refletir sobre o papel do consumidor, do artista, da indústria e a relação de interdependência entre estes três elementos dentro da perspectiva da cultura da convergência defendida por Jenkins. A pesquisa está inserida na linha Mediação, Tecnologia e Processos Sociais. A sua relevância e originalidade

13 13 justificam-se porque entender este cenário atual da produção musical é fundamental para dimensionar o seu impacto na cultura moderna. O cenário muda a lógica da criação e a recepção da música, ou seja, a relação dos meios culturais com a sociedade. Do ponto de vista sociológico isto é bem mapeado, mas do ponto de vista dos meios de comunicação os estudos ainda não estão tão abrangentes. Para iniciar a reflexão, no primeiro capítulo, os conceitos de obra musical e obra fonográfica são apresentados e discutidos usando o teórico Walter Benjamin e os pesquisadores Othon Jambeiro, Márcia Tosta Dias, Michel Nicolau Netto e outros. Estes conceitos retomam o começo da indústria fonográfica e são trabalhados ao longo da história - da cultura do disco à cultura da convergência. Este capítulo tem como objetivo trabalhar o conceito de obra fonográfica dentro destas duas culturas. O segundo capítulo aborda mais precisamente o processo de transição do modo de produção do mercado fonográfico da cultura do disco à cultura da convergência e como a indústria hoje opera dentro dos conceitos que regem a convergência de mídias segundo Henry Jenkins. Conceitos estes que são: a cultura participativa, inteligência coletiva e narrativa transmidiática. A cultura participativa trata do papel participativo do consumidor na produção da informação no mundo contemporâneo como ele deixou de ser apenas um receptor da informação produzida pela mídia e passou a ser um produtor e o que muda na relação de poder entre mídia e consumidor. Inteligência coletiva mostra um aspecto do universo midiático que é a falta de controle da mídia em geral sobre o conteúdo que produz. Através de exemplos, mostra como redes de internautas se articulam para obter informações sobre capítulos de séries de TV que ainda não foram transmitidos e conseguem obtê-las, publicam conteúdos não autorizados por seus produtores, etc. A narrativa transmidiática aborda como a mídia está trabalhando de acordo com uma narrativa produzida em vários canais sendo que cada canal conta uma parte da história. Nesta relação, todos os canais são importantes. A história é concebida para ser contada através de múltiplos suportes sendo que eles não são meros replicadores de conteúdo e por isto assumem papéis distintos dentro de sua narrativa. O objetivo deste capítulo é trazer estes três conceitos para o mercado fonográfico.

14 14 O terceiro capítulo trata da relação de interdependência entre o artista, a indústria da produção fonográfica e a audiovisual de como era no passado e como está acontecendo nos dias de hoje. Ele também aborda como a digitalização e o barateamento da tecnologia dos equipamentos de produção musical e audiovisual mudaram esta relação. O quarto capítulo discute o processo de remidiatização do mercado fonográfico do disco de vinil ao produto sem suporte físico. Este capítulo busca refletir o que mudou no processo de escuta com a desmaterialização do suporte de áudio apoiado no conceito de remediation ou remidiatização criado pelos teóricos Bolter e Grusin.

15 15 CAPÍTULO UM OBRA MUSICAL E OBRA FONOGRÁFICA A indústria fonográfica começa no momento em que surge a necessidade de se produzir conteúdo musical para o gramofone e o fonógrafo - ambos os aparelhos tinham como objetivo entreter através da reprodução de registros sonoros. Isto aconteceu entre o final do século 19 e início do século 20 e este período é conhecido como a fase mecânica da indústria fonográfica. A graça deste tipo de entretenimento, até então, estava mais no hardware e menos no conteúdo que estava sendo reproduzido por ele. O que significa que a principal atração é a possibilidade de gravar e reproduzir sons reais, sejam eles músicas, falas ou ruídos (GAMBARO, 2009, p.1). Ou seja, nesta fase a música é apenas um acessório na venda de aparelhos de reprodução de áudio. Logo em seguida, pensou-se em investir em repertório musical como motivação para a compra destas máquinas de entretenimento como eram conhecidas por parte do público. A partir daí, surge a indústria fonográfica. E o primeiro tipo de repertório musical era o erudito. Isto, porque somente a classe alta poderia comprar estes aparelhos e a música que dava status, a música da elite era a erudita. Antes do registro fonográfico, o que existia em termos do registro musical era a partitura a partitura era a obra musical materializada. Com a gravação musical, o conceito de obra muda porque nem tudo o que era gravado estava necessariamente escrito numa partitura e o que era gravado era, então, o novo objeto musical em si materializado. Como exemplo, temos a gravação da música folclórica norte-americana, do blues e muito da produção do jazz, que se constituíam não só da composição como também do improviso e dos arranjos criados na hora. Além disto, a partitura não tem som. Cada vez que uma partitura é executada, a música soa de um jeito completamente diferente. Já a música gravada tornava-se um objeto único que passava sempre as mesmas sensações. No entanto, este objeto musical gravado (numa fita ou disco) envelhecia e o som mudava, assim como uma pintura envelhece e suas cores mudam.

16 16 Contudo, esta obra gravada não poderia ser comparada à pintura. Segundo Walter Benjamin no texto A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica: O aqui e agora do original constitui o conteúdo da sua autenticidade, e nela se enraíza uma tradição que identifica esse objeto, até os nossos dias, como sendo aquele objeto, sempre igual e idêntico a si mesmo. (BENJAMIN, 1993, p.167). Dentro desta perspectiva, diferente da pintura pelo fato da obra musical gravada ser produzida tecnicamente e possível de ser também tecnicamente reproduzida, o seu aqui e agora inexistia para Benjamin. A obra musical executada ao vivo, com ou sem partitura, possuía características únicas pertinentes ao momento que era executada e trazia características de autenticidade próximas a da pintura mas, quando gravada, o processo técnico eliminava estas características e a transformava num outro objeto. Com a evolução do áudio e das técnicas de gravação em torno de 1920 e 1940, os estúdios buscam o registro não de uma performance real e sim de uma performance ideal. Vale ressaltar que não existia ainda a manipulação técnica do som já gravado. Ela só irá existir bem mais tarde com o advento da fita magnética em No entanto, este recurso só irá ser utilizado profissionalmente somente por volta de Neste período, o suporte de gravação musical em estúdio ou ao vivo evoluiu do disco de acetato para a fita magnética. O aqui e agora desta gravação era registrado de maneira única numa fita conhecida como máster. No entanto, será que esta máster carregava a autenticidade do que era gravado? Seria ela o original da gravação? Mesmo depois com a manipulação técnica na fita magnética, onde podia-se gravar por cima do que já foi gravado, gravar instrumentos de maneira separada ou cortar com uma lâmina esta fita no intuito de diminuir ou alongar a gravação de uma música, só existia um original que era a máster. Qualquer cópia criada a partir do processo analógico existente na época nunca era igual ao seu original o som era outro. No entanto, para Benjamin isto pouco importava porque esta mesma máster permitia fazer as cópias. Alguns estudiosos do mercado fonográfico brasileiro apontam uma diferença entre obra musical e obra fonográfica. Othon Jambeiro, no seu livro Canção de massa: as condições de produção, diz que a obra fonográfica existe porque sofre interferência

17 17 do produtor fonográfico. Este estudo, feito nos anos 70, continua a ter grande valor nos dias atuais servindo de referência para pesquisadores contemporâneos da indústria como a escritora Márcia Tosta Dias. Segundo Jambeiro, a obra fonográfica é diferente da obra musical que é o resultado do trabalho artístico realizado pelo compositor ou intérprete sem esta interferência do produtor fonográfico. O produtor fonográfico era a gravadora e a equipe de executivos que a integravam. O autor aponta que o produtor fonográfico surge na segunda fase da indústria fonográfica conhecida como fase elétrica (por volta de 1925). Nesta fase, o produtor fonográfico é diferente do fabricante dos discos da primeira fase da indústria que apenas captava sons para abastecer as máquinas de entretenimento, citadas anteriormente, de conteúdo. Ao contrário do fabricante que não manipulava esteticamente a obra musical, o produtor fonográfico interferia no processo criativo do artista e na obra musical: Se antes o disco era o resultado da gravação da execução de uma obra preexistente tal qual era, hoje não se pode negar a intervenção do produtor de fonogramas na fixação das execuções por ele orientadas, que frequentemente poderiam caracterizá-lo como um adaptador da obra preexistente. Teríamos, assim, obras fonográficas, isto é, obras originais adaptadas, transformadas e reproduzidas em disco, as quais estariam protegidas com independência dos direitos de autor correspondentes à obra original. (JAMBEIRO, 197, p.50). Dentro desta perspectiva, a obra musical sofreu uma mutação identitária ao se tornar obra fonográfica. Através de uma análise sobre a visão de Benjamim e Jambeiro, podemos supor que esta mutação identitária da obra musical se deu através do processo técnico e da produção industrial. Benjamim aponta que a obra de arte sempre foi passível de ser reproduzida tecnicamente: Em sua essência, a obra de arte sempre foi reprodutível. O que os homens faziam sempre podia ser imitado por outros homens. Essa imitação era praticada por discípulos, em seus exercícios, pelos mestres, para a difusão das obras, e finalmente por terceiros, meramente interessados no lucro. (BENJAMIN, 1993, p.166).

18 18 Para ele, como foi visto anteriormente, o que se perdia no processo de reprodutibilidade técnica de uma obra de arte era a sua autenticidade: Mesmo na reprodução mais perfeita, um elemento está ausente: o aqui e agora da obra de arte, sua existência única, no lugar em que ela se encontra. É nessa existência única, e somente nela, que se desdobra a história da obra. Essa história compreende não apenas as transformações que ela sofreu, com a passagem do tempo, em sua estrutura física, como as relações de propriedade em que ela ingressou. (BENJAMIN, 1993, p.167). Com relação ao som, Benjamim dizia: A reprodução técnica do som iniciou-se no fim do século passado. Com ela, a reprodução técnica atingiu tal padrão de qualidade que ela não somente podia transformar em seus objetos a totalidade das obras de arte tradicionais, submetendo-as a transformações profundas, como conquistar para si um lugar próprio entre os procedimentos artísticos. (BENJAMIN, 1993, p.167). Quanto ao processo industrial, Eduardo Vicente diferencia a importância deste processo para a música popular em relação à música erudita de acordo com a visão de Max Weber: Se a música erudita encontrou, como aponta Max Weber (1995), as condições para sua autonomização e racionalização na escrita musical, entendo que para a música popular, vinculada à tradição oral, essas condições surgiram com o processo de industrialização. Foi ele que permitiu às obras saírem do âmbito do domínio público: assumindo autoria, preservando sua forma original, e desterritorializando-se através de sua circulação para um público grandemente ampliado. (VICENTE, 2008, p.5). Ainda na mesma linha de raciocínio, Vicente distingue o processo de criação da música popular com o das artes plásticas e literatura e o aproxima com o do cinema visão defendida por Benjamim: Assim, ao contrário da literatura e das artes plásticas tradicionais, por exemplo, entendo que a música popular como a conhecemos não pode ser criada integralmente por um único indivíduo isolado e destituído de

19 19 um arsenal mais complexo de recursos materiais. Sob esse aspecto, ela se aproximou do cinema, no sentido de ter se tornado uma forma de expressão artística que depende das condições de industrialização para sua plena realização. (VICENTE, 2008, p.6) O processo técnico e a produção industrial são amplamente discutidos por Márcia Tosta Dias no livro Os Donos da Voz Indústria Fonográfica Brasileira e A Mundialização da Cultura. Analisando a estrutura das grandes gravadoras, ela apoiase no conceito de Jambeiro que determina as atividades da indústria dispostas em quatro áreas que são a artística, a técnica, a comercial e a industrial. (JAMBEIRO, 1975, p.45). Estas quatro atividades englobariam todo o processo de produção do disco e respectivamente seriam: sua concepção artística, gravação, comercialização/marketing e processo de fabricação. Contudo, ela aponta uma alta complexidade do processo produtivo que resulta no produto final. Esta complexidade se dá por sustentar-se em duas dimensões essencialmente diversas mas que frequentemente se sobrepõem na grande indústria: a produção material e a produção artístico-musical. (DIAS, 2008, p.69). Do lado da produção artístico-musical, estaria uma administração central que englobaria o departamento de direção artística responsável pela concepção estética do produto junto ao artista e seu repertório (o chamado departamento de A&R) e o departamento de marketing responsável pelas estratégias de divulgação. Do lado da produção material estaria a execução do que foi planejado, incluído o trabalho do artista no estúdio e todo o processo de gravação técnico a ele dispensado. (DIAS, 2008, p.69). Segundo a autora, a esfera da produção material não se restringe à fabricação não é um mero processo de produção de mercadorias. Com a evolução tecnológica dos aparatos de gravação e dos estúdios, a produção material vai conquistando certa autonomia com relação ao todo: O trabalho de estúdio, uma vez autonomizado, confunde-se com a esfera da produção artística. Mas, a meu ver, essa é uma autonomia de gerenciamento do produto e não de criação artística. Se existe um imbricamento entre as esferas técnica e artística, é a primeira que conquista o privilégio de comandar o processo. (DIAS, 2008, p.72).

20 20 Esta visão corrobora mais uma vez o conceito de Benjamin da obra de arte transformada em outro objeto através da produção técnica e do conceito de Jambeiro sobre a obra fonográfica ser resultado do trabalho de uma equipe. Dias também cita um autor que trata o trabalho na indústria fonográfica como um trabalho cada vez mais de criação coletiva: A. Hennion, autor de um dos raros estudos sociológicos sobre o processo de produção na indústria fonográfica, ao analisar o universo da música de variedades (que, neste trabalho, tenho chamado de música popular ou canção popular de massa), afirma que o processo é realizado por um criador coletivo (por mais que, posteriormente, a autoria do produto final seja conferida a um criador único), ou seja, por uma equipe de profissionais que, simultaneamente, incumbe-se dos vários aspectos da produção social de uma canção e, na sequência, do conjunto de canções organizadas em disco. (DIAS, 2008, p.72). Sob a perspectiva deste autor, aponta que uma equipe de trabalho deve conhecer os processos de criação musicais e artísticos tanto quanto o mercado, público e os aparatos técnicos de produção. Além disto, para Hennion, a canção e o disco de variedades são socialmente produzidos, pois traduzem e expressam os desejos do público que, na verdade, é o nome que dá as referências culturais de seu consumidor potencial o sucesso da música popular estaria ligado a uma mistura entre os seus elementos musicais e os desejos do público. (DIAS, 2008, p.73). Nos dias atuais, presenciamos o artista se tornando produtor fonográfico no momento em que concebe, produz, grava e distribui da sua própria casa via internet. O barateamento da tecnologia tornou isto possível. A produção material funde-se à produção artístico-musical. O artista acumula funções de diretor artístico, de marketing, técnico de gravação e gerente de vendas. No próximo capítulo, veremos como a convergência tem condições de explicar a situação do processo de produção atual e da participação do público neste processo. Por enquanto, faz-se necessário entender um pouco mais como a indústria foi se transformando ao longo do século passado até o presente momento. A cultura do LP

21 21 Outro ponto de discussão a partir do surgimento da obra fonográfica se dá por volta das décadas de 1920 e Ele gira em torno não somente da questão da produção técnica e industrial como da obra fonográfica em si. Naquela época, o jazz era a música popular dos Estados Unidos - país de onde surgiu a indústria fonográfica. As grandes gravadoras norte-americanas (as chamadas majors) eram a Columbia, RCA e Capitol. O jazz era popular porque era a música tocada nos bailes, uma música alegre e feita para se dançar. Artistas de jazz foram se tornando famosos e populares como Duke Ellington e Louis Armstrong. Os aparelhos de reprodução dos discos foram ficando mais baratos e se popularizando. No entanto, a mídia de reprodução musical em questão, que era o disco de 78 RPM, permitia o registro de uma música de no máximo 3 minutos de duração. Com este tempo, o aqui e agora de uma música tocada ao vivo que podia durar uns 20 minutos ou bem mais não poderia ser registrado em disco. Os solos tinham que ser reduzidos ou mesmo cortados e a estrutura narrativa de uma música baseada no improviso tinha que ser moldada de acordo com as limitações daquela mídia. Outro ponto importante é o fato de que com este tempo de duração o que se era vendido na época eram discos de uma música ou duas músicas. Em 1948, surge o disco de Long Play ou LP 33 RPM. Através deste suporte era possível gravar mais ou menos 18 minutos de cada lado com qualidade. Pela primeira vez, o repertório de um show inteiro ou mesmo um concerto erudito podia ser gravado na sua íntegra numa mídia. A partir deste ponto, surge toda uma dinâmica de produção fonográfica apoiada neste pensamento sobre obra fonográfica apoiada no LP. Esta dinâmica de produção foi regida pelo mercado até o final da década de 90. O pesquisador Leonardo Demarchi propõe o surgimento de uma estética chamada estética do álbum (DE MARCHI, 2005, p.13) apoiada nesta dinâmica de produção do mercado em torno do LP. Segundo ele, a estética do álbum surgiu a partir do momento que várias músicas eram colocadas num só suporte através de uma relação de coerência entre elas e de uma nova lógica de consumo que surgia a partir deste suporte.

22 22 Com a desmaterialização do suporte musical, esta dinâmica cai por terra e talvez seja um dos pontos relevantes do despertar tardio da indústria fonográfica com relação ao que a levou a esta última crise financeira e a este processo de transformação que ainda está ocorrendo hoje. Este ponto será abordado mais pra frente. Por agora, é importante analisar por quais maneiras o LP e o conceito que ele carrega de obra fonográfica foram fundamentais para o crescimento e consolidação da indústria durante estes vários anos. A grande questão é que o LP possibilita uma experiência mais profunda da obra do artista em comparação aos singles ou compactos. Nesse sentido, ele representa uma mudança na forma de consumo musical: o valor de consumo se desloca da música, vendida de forma unitária, para o artista. Mais do que isso, o disco se torna um objeto de consumo menos passageiro que um single (compacto) (SOUZA e GAMBARO, 2009, p.2). Com ele, surge o conceito de álbum. O álbum LP possibilitou pela primeira vez ao consumidor levar para casa uma experiência narrativa musical mais profunda da obra do artista experiência semelhante apenas era obtida nas apresentações musicais ao vivo. Por fim, nos anos 60, a indústria alcança números recordes de vendagem de LPs. Foi o período de ascensão do rock e da queda do jazz como música popular. O livro A História Social do Jazz de Eric J. Hobsbawn mostra minuciosamente este processo. As grandes gravadoras não conseguem dar conta de toda produção musical daquele período. Ele também é marcado pelo crescimento do mercado de nicho das independentes que correm por fora e abocanham esta demanda de produção não trabalhada pelas grandes gravadoras (as chamadas majors). Neste momento, gravadoras independentes (as chamadas indies) como a Motown, Chess, Atlantic e outras se consolidam no mercado. Outro fato importante segundo GAMBARO (2009, p.5), é que nesta fase o disco se consolida como bem material de consumo cultural. A figura do artista, principalmente depois de ações na esteira da beatlemania, se torna instrumento de venda de álbuns. O CD e a nova era digital

23 23 O mercado vive uma situação de crescimento e prosperidade financeira até mais ou menos no final dos anos 70. O público de rock que era o grande público consumidor estava envelhecendo e a indústria precisava investir numa produção que atendesse a este novo público jovem que surgia. Uma das apostas era a disco music um tipo de música dançante originada da soul music e funk que tinha alto apelo comercial. O fato é que a indústria entra nos anos 80 mergulhada numa nova crise financeira. Naquele momento, a gravação do áudio tinha evoluído bastante a gravação digital começa a substituir a analógica. Em 1982, surge o CD e com ele uma solução rápida para a crise que reinava no mercado. O CD possibilitou o relançamento de todo catálogo musical lançado em LP. Num primeiro momento, o CD adquire o valor cultural de álbum do LP. Havia certo encantamento por parte desta nova mídia porque pela primeira vez era possível escutar um som puro e sem chiados. Esta era a promessa deste formato digital. Anos mais tarde, no final da década de 90, o CD perde o valor cultural de álbum do LP. Isto, porque a tecnologia transforma o CD numa mídia qualquer de armazenamento de dados como um disquete ou um disco rígido. Basicamente, quase todo mundo já tinha um gravador de CD instalado em seu computador. A mídia gravável de CD foi barateando e se tornou extremamente acessível custando cerca de um dólar a unidade de CD-R (CD gravável). Desta forma, a pirataria poderia ser praticada por qualquer um que tivesse um computador razoável. E a pirataria de CD s realmente balançou a indústria naquele momento. O pior viria com a pirataria no mundo virtual. No entanto, o maior estrago que a pirataria de CD s causou à indústria foi no valor cultural que a apoiava durante quase toda a sua existência o valor de álbum do LP. Todo valor de consumo explicado anteriormente com relação ao culto ao disco estava morrendo naquele período. O plástico do CD era uma commodity e, por isto, a relação afetiva do consumidor com relação ao álbum em CD já não era a mesma de antes. O golpe certeiro na indústria viria logo em seguida com o começo da difusão do arquivo MP3 na Internet. A desmaterialização do suporte de áudio derruba toda a lógica de crescimento da indústria em torno do álbum como obra fonográfica. Isto, porque acima de uma crise financeira que estava em andamento de maneira rápida e cruel, havia uma crise de

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era Produção de textos online O modelo de consumo de uma nova era Introdução Novas tecnologias, ou mesmo o aprimoramento daquelas já existentes, tem transformado o modo como são consumidos os conteúdos disponibilizados

Leia mais

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS www.espm.br/centraldecases Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Preparado pelo Prof. Vicente Martin Mastrocola, da ESPM SP. Disciplinas

Leia mais

Crie seu mecanismo de envolvimento: parte 3

Crie seu mecanismo de envolvimento: parte 3 ESCRITO POR David Mogensen PUBLICADO EM Dezembr o 2013 Crie seu mecanismo de envolvimento: parte 3 RESUMO Em um período em que os profissionais de marketing acham que seu trabalho mudou mais em dois anos

Leia mais

Mudança de direção RODRIGO MENEZES - CATEGORIA MARKETERS

Mudança de direção RODRIGO MENEZES - CATEGORIA MARKETERS RODRIGO MENEZES - CATEGORIA MARKETERS Mudança de direção Até maio de 2013 todo o mercado de TV por assinatura adotava uma postura comercial tradicional no mercado digital, composta por um empacotamento

Leia mais

Jornalismo Interativo

Jornalismo Interativo Jornalismo Interativo Antes da invenção da WWW, a rede era utilizada para divulgação de informações direcionados a públicos muito específicos e funcionavam através da distribuição de e-mails e boletins.

Leia mais

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Morgana Hamester História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Contexto atual Modelização digital contemporaneidade;

Leia mais

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005.

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. 1 RESENHA Mónica Santos Pereira Defreitas 1 SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. O livro de Lúcia Santaella, Por que as comunicações e as artes estão

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

A Problemática da Pirataria

A Problemática da Pirataria A Problemática da Pirataria Márcio Miguel Rodrigues Francisco Departamamento de Engenharia Informática Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra 3030 Coimbra, Portugal mfranc@student.dei.uc.pt

Leia mais

ESTRATÉGIA DIGITAL. Prof. Luli Radfahrer

ESTRATÉGIA DIGITAL. Prof. Luli Radfahrer ESTRATÉGIA DIGITAL Prof. Luli Radfahrer - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido pela legislação

Leia mais

ebook Aprenda como aumentar o poder de captação do seu site. por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação

ebook Aprenda como aumentar o poder de captação do seu site. por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação Sobre o Autor: Sempre fui comprometido com um objetivo de vida: TER MINHA PRÓPRIA EMPRESA. Mas assim como você, eu também ralei bastante

Leia mais

www.portaledumusicalcp2.mus.br

www.portaledumusicalcp2.mus.br Apostila de Educação Musical 1ª Série Ensino Médio www.portaledumusicalcp2.mus.br O QUE É MÚSICA? A música (do grego μουσική τέχνη - musiké téchne, a arte das musas) constituise basicamente de uma sucessão

Leia mais

Estimativa do Mercado Independente

Estimativa do Mercado Independente 1 FUNDAÇAO CARLOS ALBERTO VANZOLINI Estimativa do Mercado Independente Relatório Final Março 2012 Coordenador Davi Nakano Equipe Giulia Rinaldi Guilherme Kok Henrique Amaral 2 Estimativa do Mercado Independente

Leia mais

08 a 11 de outubro de 2014

08 a 11 de outubro de 2014 EMPREENDER NA MÚSICA COMO TRANSFORMAR UMA BANDA NUMA MICRO EMPRESA 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Sumário Ecossistema da música A música no Brasil Gestão da carreira musical O ecossistema

Leia mais

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery 12 Razões Para Usar Lightroom André Nery André Nery é fotógrafo em Porto Alegre. Arquitetura e fotografia outdoor, como natureza, esportes e viagens, são sua área de atuação. Há dez anos começou a ministrar

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

APDIF DO BRASIL Associação Protetora dos Direitos Intelectuais Fonográficos PIRATARIA MUSICAL. Aspectos Técnicos e Informações Complementares

APDIF DO BRASIL Associação Protetora dos Direitos Intelectuais Fonográficos PIRATARIA MUSICAL. Aspectos Técnicos e Informações Complementares PIRATARIA MUSICAL Aspectos Técnicos e Informações Complementares I Curso Regional de Capacitação para Agentes Públicos no Combate à Pirataria. Salvador/BA. Palestrante: Jorge Eduardo Grahl Diretor Jurídico

Leia mais

GfK Audience Measurements & Insights MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIA DE TV E VÍDEO

GfK Audience Measurements & Insights MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIA DE TV E VÍDEO MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIA DE TV E VÍDEO Em nenhum momento de toda a história dos meios de comunicação modernos houve tantas mudanças fundamentais na distribuição e mensuração da mídia. Com o surgimento da transmissão

Leia mais

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO.

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s.

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s. Bom dia a todos e a todas, Não é difícil apontar vantagens económicas às medidas de gestão empresarial centradas na igualdade de género. Em primeiro lugar, porque permitem atrair e reter os melhores talentos;

Leia mais

4 Mercado setor de telecomunicações

4 Mercado setor de telecomunicações 4 Mercado setor de telecomunicações Nesta sessão é apresentada uma pequena visão geral do mercado de telecomunicações no Brasil, com dados históricos dos acontecimentos mais relevantes a este trabalho,

Leia mais

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br Realização e Organização www.vamaislonge.com.br Quem somos... Leonardo Alvarenga, tenho 23 anos, sou criador do Não Tenho Ideia e do #VáMaisLonge. Sou formado em Educação Física mas larguei tudo logo após

Leia mais

MINIWEB EDUCAÇÃO - A EXPERIÊNCIA DA CRIAÇÃO DE UM PORTAL EDUCACIONAL E CURSOS A DISTÂNCIA.

MINIWEB EDUCAÇÃO - A EXPERIÊNCIA DA CRIAÇÃO DE UM PORTAL EDUCACIONAL E CURSOS A DISTÂNCIA. 1 MINIWEB EDUCAÇÃO - A EXPERIÊNCIA DA CRIAÇÃO DE UM PORTAL EDUCACIONAL E CURSOS A DISTÂNCIA. Profa. Arlete Embacher MiniWeb Educação S/C Ltda webmaster@miniweb.com.br Resumo Este relato descreve como surgiu

Leia mais

MOBILE MARKETING. Prof. Fabiano Lobo

MOBILE MARKETING. Prof. Fabiano Lobo MOBILE MARKETING Prof. Fabiano Lobo - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido pela legislação

Leia mais

Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 1

Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 1 Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 1 Se não pode subir a montanha, torne-se uma. Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 2 ISSO ESTÁ ME GERANDO R$7.278,05 - R$10.588,38 POR SEMANA E VOCÊ PODE FAZER

Leia mais

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br PROPOSTA DE PROPAGANDA - ANUNCIE NO JDC Apresentação de Plano de Publicidade Online no Site O JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ atende com o nome de JDC, porque é uma empresa que tem como sua atividade

Leia mais

21 sacadas para levar o seu negócio para o próximo nível

21 sacadas para levar o seu negócio para o próximo nível Para quem é este livro? Este livro é para todas aquelas pessoas que fazem o que amam em seu trabalho mas não estão tendo o retorno que gostariam. Este mini guia com 21 sacadas é um resumo dos atendimentos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MBA EM TV DIGITAL, RADIODIFUSÃO E NOVAS E NOVAS MÍDIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MBA EM TV DIGITAL, RADIODIFUSÃO E NOVAS E NOVAS MÍDIAS UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MBA EM TV DIGITAL, RADIODIFUSÃO E NOVAS E NOVAS MÍDIAS Trabalho final da disciplina Computadores, Redes, IP e Internet Professor: Walter Freire Aluno:

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Entendendo a Nova Ordem Digital. Há uma nova Ordem Mundial, a Ordem Digital.

Entendendo a Nova Ordem Digital. Há uma nova Ordem Mundial, a Ordem Digital. 1 2 Entendendo a Nova Ordem Digital Há uma nova Ordem Mundial, a Ordem Digital. Responsável por uma revolução jamais vista, afeta todas as nossas formas de relacionamento, das pessoais às COMERCIAIS. Surge

Leia mais

Rumos da cultura da música: negócios, estéticas, linguagens e audibilidades

Rumos da cultura da música: negócios, estéticas, linguagens e audibilidades Rumos da cultura da música: negócios, estéticas, linguagens e audibilidades Rumos da cultura da música: negócios, estéticas, linguagens e audibilidades Organização Simone Pereira de Sá Adriana Amaral

Leia mais

Por Tiago Bastos 1. 3 Dicas Infalíveis Para Ganhar Dinheiro Online

Por Tiago Bastos 1. 3 Dicas Infalíveis Para Ganhar Dinheiro Online Por Tiago Bastos 1 3 Dicas Infalíveis Para Ganhar Dinheiro Online 3 Dicas Infalíveis Para Ganhar Dinheiro Online Se não pode subir a montanha, torne-se uma. Por Tiago Bastos 2 3 Dicas Infalíveis Para Ganhar

Leia mais

Inteligência para ESTRATÉGIA DIGITAL

Inteligência para ESTRATÉGIA DIGITAL Inteligência para ESTRATÉGIA DIGITAL INTRODUÇÃO Já imaginou ter acesso a dados e estatísticas do website do concorrente? Com alguns aplicativos e ferramentas, isso já é possível. Com ajuda deles, você

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação - Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação Os sistemas de informação empresariais na sua carreira Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação COM06850-2015-II Prof.

Leia mais

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Palestrante: Pedro Quintanilha Freelapro Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Quem sou eu? Eu me tornei um freelancer

Leia mais

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Auta Rodrigues Moreira Irene Guerra Salles Lilian Braga Carmo Luana Roberta Salazar Resumo: Atualmente, com a presença marcante das tecnologias, torna-se

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games 4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games Este Capítulo apresenta o levantamento realizado dos cursos de nível superior no Brasil voltados para a formação de Designers de

Leia mais

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo Produzindo e divulgando fotos e vídeos Aula 1 Criando um vídeo Objetivos 1 Conhecer um pouco da história dos filmes. 2 Identificar a importância de um planejamento. 3 Entender como criar um roteiro. 4

Leia mais

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br MIDIA KIT Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br Sobre nosso site O Notícias de Alagoinhas hoje é o portal mais completo da cidade. Somos um Canal de comunicação online que integra

Leia mais

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO 5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO Este e book foi criado após ter percebido uma série de dúvidas de iniciantes em Facebook Ads. O seu conteúdo é baseado na utilização da plataforma

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos.

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos. Atividade extra Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer que eles

Leia mais

Nas áreas urbanas, 44% da população está conectada à internet. 97% das empresas e 23,8% dos domicílios brasileiros estão conectados à internet.

Nas áreas urbanas, 44% da população está conectada à internet. 97% das empresas e 23,8% dos domicílios brasileiros estão conectados à internet. Algumas pesquisa realizada recentemente, revelaram resultados surpreendentes sobre o uso da Internet nas empresas no Brasil. Neste artigo interpreta alguns dados e lhe revela as soluções que podem ajudar

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

Guia Prático para Encontrar o Seu. www.vidadvisor.com.br

Guia Prático para Encontrar o Seu. www.vidadvisor.com.br Guia Prático para Encontrar o Seu Propósito de Vida www.vidadvisor.com.br "Onde os seus talentos e as necessidades do mundo se cruzam: aí está a sua vocação". Aristóteles Orientações Este é um documento

Leia mais

MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1. A mobilização é uma forma de intervenção social. Toda intervenção social parte do pressuposto

MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1. A mobilização é uma forma de intervenção social. Toda intervenção social parte do pressuposto MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1 Denise Carrera A mobilização é uma forma de intervenção social. Toda intervenção social parte do pressuposto de que a ordem social não é natural e por isso pode ser transformada. A

Leia mais

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis usados, além do crescimento de renda da população e

Leia mais

FUNDAMENTOS DE HARDWARE CD-ROM. Professor Carlos Muniz

FUNDAMENTOS DE HARDWARE CD-ROM. Professor Carlos Muniz FUNDAMENTOS DE HARDWARE CD-Rom Até pouco tempo atrás, as opções mais viáveis para escutar música eram os discos de vinil e as fitas cassete. Porém, a Philips, em associação com outras empresas, desenvolveu

Leia mais

Na época dos nossos bisavós os computadores já existiam, apesar de extremamente rudimentares. Eram os computadores mecânicos, que realizavam cálculos

Na época dos nossos bisavós os computadores já existiam, apesar de extremamente rudimentares. Eram os computadores mecânicos, que realizavam cálculos Na época dos nossos bisavós os computadores já existiam, apesar de extremamente rudimentares. Eram os computadores mecânicos, que realizavam cálculos através de um sistema de engrenagens, accionado por

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord Pesquisa e Propagação do conhecimento: Através da Web, é possível

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Introdução A A logística sempre existiu e está presente no dia a dia de todos nós, nas mais diversas

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

Este vai ser um ano óptimo para fazer negócio 30 de Janeiro de 2009, por FILIPE PACHECO

Este vai ser um ano óptimo para fazer negócio 30 de Janeiro de 2009, por FILIPE PACHECO 25 de Maio de 2009 PUBLICIDADE Este vai ser um ano óptimo para fazer negócio 30 de Janeiro de 2009, por FILIPE PACHECO Miguel Blanc, CEO do grupo FinagenceAFinagence, que detém a L Agence, Addvoices, Scriptmakers

Leia mais

O que é promoção de vendas e para que serve?

O que é promoção de vendas e para que serve? 4 Para aumentar as vendas, ela precisa basicamente fazer com que os clientes atuais comprem mais ou trazer novos clientes para a loja. Nos dois casos, fica evidente que ela terá que oferecer mais benefícios

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

2 Editoração Eletrônica

2 Editoração Eletrônica 8 2 Editoração Eletrônica A década de 80 foi um marco na história da computação. Foi quando a maioria dos esforços dos desenvolvedores, tanto de equipamentos, quanto de programas, foram direcionados para

Leia mais

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao.

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao. QUEM É A HUAWEI A Huawei atua no Brasil, desde 1999, através de parcerias estabelecidas com as principais operadoras de telefonia móvel e fixa no país e é líder no mercado de banda larga fixa e móvel.

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

As Vendas e Prestações de Serviços

As Vendas e Prestações de Serviços Disciplina: Técnicas de Secretariado Ano lectivo: 2009/2010 Prof: Adelina Silva As Vendas e Prestações de Serviços Trabalho Realizado por: Susana Carneiro 12ºS Nº18 Marketing Marketing é a parte do processo

Leia mais

... MERCADO DE GAMES NO BRASIL EM FASE DE CONSTRUÇÃO! MUITOS CAMPOS ABERTOS, PORÉM SEM A ESPECIALIZAÇÃO NECESSÁRIA. Precisa-se de mão de obra para:

... MERCADO DE GAMES NO BRASIL EM FASE DE CONSTRUÇÃO! MUITOS CAMPOS ABERTOS, PORÉM SEM A ESPECIALIZAÇÃO NECESSÁRIA. Precisa-se de mão de obra para: MERCADO DE GAMES NO BRASIL EM FASE DE CONSTRUÇÃO! Precisa-se de mão de obra para: Marketing Vendas Distribuição Finanças Localização Desenvolvimento de novos negócios Programação... MUITOS CAMPOS ABERTOS,

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

Desde que entrou no mercado de smartphones, em 2007, esse é o trunfo da Apple perante a concorrência.

Desde que entrou no mercado de smartphones, em 2007, esse é o trunfo da Apple perante a concorrência. 20/12/2011-07h51 Casamento entre sistema e aparelhos é o trunfo da Apple LEONARDO MARTINS COLABORAÇÃO PARA A FOLHA Apesar da importância cada vez maior do software, o bom casamento entre o sistema operacional

Leia mais

PROJETOS CULTURAIS: MITOS E REALIDADES

PROJETOS CULTURAIS: MITOS E REALIDADES SEMINÁRIO PROJETOS CULTURAIS: MITOS E REALIDADES NOSSA PROGRAMAÇÃO 1ª Parte Alguns mitos e realidades sobre a Cultura e o Marketing Cultural 2ª Parte Projetos Culturais: Planejamento e modelos I - PORQUE

Leia mais

Capítulo 18 - Distribuição

Capítulo 18 - Distribuição Capítulo 18 - Distribuição A escolha dos canais de distribuição é provavelmente a decisão mais complexa em marketing internacional. Em alguns mercados, o que prevalece é a concentração de grandes hipermercados

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER RESUMO. do homem em sociedade. Origem de tal Capitalismo que faz do homem um ser virtual e alienador

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER RESUMO. do homem em sociedade. Origem de tal Capitalismo que faz do homem um ser virtual e alienador O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER Tamires Albernaz Souto 1 Flávio Augusto Silva 2 Hewerton Luiz Pereira Santiago 3 RESUMO Max Weber mostra suas ideias fundamentais sobre o Capitalismo e a racionalização

Leia mais

Como medir a velocidade da Internet?

Como medir a velocidade da Internet? Link Original: http://www.techtudo.com.br/artigos/noticia/2012/05/como-medir-velocidade-da-suainternet.html Como medir a velocidade da Internet? Pedro Pisa Para o TechTudo O Velocímetro TechTudo é uma

Leia mais

WWW.MEUOCULOSDEMADEIRA.COM.BR

WWW.MEUOCULOSDEMADEIRA.COM.BR SIGNATURE STORE WWW.MEUOCULOSDEMADEIRA.COM.BR Sucesso é quando criamos algo de que podemos ter orgulho. Richard Branson - Fundador do grupo Virgin 2 A História da MOM Há muitos anos venho trabalhando com

Leia mais

Trabalho 3 Scratch na Escola

Trabalho 3 Scratch na Escola Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade de Coimbra Departamento de Matemática Trabalho 3 Scratch na Escola Meios Computacionais de Ensino Professor: Jaime Carvalho e Silva (jaimecs@mat.uc.pt)

Leia mais

O futuro do YouTube - VEJA.com

O futuro do YouTube - VEJA.com Entrevista O futuro do YouTube 29/08/2009 10:49 Por Leo Branco Nesta semana, Chad Hurley, de 32 anos, um dos criadores do YouTube, esteve no Brasil e falou a VEJA sobre o futuro do maior site de vídeos

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA Uilson Jose Nepchji eliziane.uilson@gmail.com Pedro Anotonio Laurentino Valdemir Monteiro Sandra Mara Matuik Mattos Professora do Curso Ciências Econômicas/

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Material adicional: Sistemas de Informação livro Osistema de Informação : Enfoque Gerencial... livro O Analista de Negócios e da Informação... 1. Conceito de Sistema A palavra sistema envolve, de fato,

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5.1 A Rede Globo A Rede Globo é uma das maiores redes de televisão do mundo, com milhões de espectadores

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace.

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace. O Twitter Como Ferramenta de Divulgação Para As Empresas: Um Estudo De Caso do GREENPEACE 1 Jonathan Emerson SANTANA 2 Gustavo Guilherme da Matta Caetano LOPES 3 Faculdade Internacional de Curitiba - FACINTER

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

*Todos os direitos reservados.

*Todos os direitos reservados. *Todos os direitos reservados. A cada ano, as grandes empresas de tecnologia criam novas ferramentas Para o novo mundo digital. Sempre temos que nos renovar para novas tecnologias, a Karmake está preparada.

Leia mais

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas.

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas. COMERCIAIS MARCANTES Açucena Vieira de Morais, Daniella Zarro Teixeira Silva Pinto, James da Silva Costa, Ariane Fernanda da Silva Costa, Silene Fernandes Bicudo Univap Universidade do Vale do Paraíba/FCSAC

Leia mais

ASPECTOS JURÍDICOS ESSENCIAIS PARA LOJAS VIRTUAIS

ASPECTOS JURÍDICOS ESSENCIAIS PARA LOJAS VIRTUAIS ASPECTOS JURÍDICOS ESSENCIAIS PARA LOJAS VIRTUAIS Introdução Defina o tipo de empresa Capítulo 1 Registre a sua marca e o seu domínio Capítulo 2 Prepare-se para os impostos Capítulo 3 O direito do e-consumidor

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING ELETRÔNICO

PLANEJAMENTO DE MARKETING ELETRÔNICO Instituto FA7 IBMEC MBA em Marketing Disciplina: Professor: Turma: Equipe: Marketing Eletrônico Renan Barroso Marketing II - Fortaleza Ana Hilda Sidrim, Ana Carolina Danziger PLANEJAMENTO DE MARKETING

Leia mais

AULA 2. Aspectos Técnicos. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com. MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES

AULA 2. Aspectos Técnicos. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com. MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES AULA 2 Luciano Roberto Rocha Aspectos Técnicos Ponta Grossa, 31 de agosto de 2013 ROTEIRO Papéis Processos Plataformas Ferramentas 2 PAPÉIS O desenvolvimento de um

Leia mais

AdWords. Anuncie no Google e Venda Mais! Expanda sua empresa! Você tem um argumento de vendas e precisa captar mais clientes?

AdWords. Anuncie no Google e Venda Mais! Expanda sua empresa! Você tem um argumento de vendas e precisa captar mais clientes? Anuncie no Google e Venda Mais! Expanda sua empresa! Você tem um argumento de vendas e precisa captar mais clientes? Ligue para nós e conheça a melhor estratégia para atender às necessidades de vendas

Leia mais

Intranets e Capital Intelectual

Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual As mídias sociais ultrapassaram os limites da vida privada. Os profissionais são 2.0 antes, durante e depois do expediente. É possível estabelecer

Leia mais

A Estrutura da Web. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti

A Estrutura da Web. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti A Estrutura da Web Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti A Estrutura da Web Até agora: redes onde unidades eram pessoas ou entidades sociais, como empresas e organizações Agora (Cap 13, 14 e

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Piracicaba, 2000 Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Este trabalho se destina a avaliação da disciplina de Teoria da Comunicação Piracicaba,

Leia mais

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP Movimentos sociais e internet: uma análise sobre as manifestações de 2013 no Brasil Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista,

Leia mais

APRESENTA COPA. Capixaba

APRESENTA COPA. Capixaba APRESENTA COPA Capixaba de APRESENTAÇÃO O mercado de jogos eletrônicos têm crescido exponencialmente no Brasil. O que se verifica hoje no país é uma grande empatia com games, que colocam o Brasil como

Leia mais

Social-Commerce IT CARLOS MASSA SIMPONE 70609178

Social-Commerce IT CARLOS MASSA SIMPONE 70609178 Social-Commerce IT CARLOS MASSA SIMPONE 70609178 INDICE INTRODUÇÃO DIFINIÇÃO COMO FUNCIONA AS ETAPAS HISTORIA RELACIONAMENTO PRATICAS REDES SOCIAS EXEMPLOS VANTAGEM INTRODUÇÃO Comumente pode se entender

Leia mais

TÍTULO: MARKETING NA ÁREA DE SEGUROS E A PENETRAÇÃO DE SEGUROS MASSIFICADOS NAS CLASSES C E D.

TÍTULO: MARKETING NA ÁREA DE SEGUROS E A PENETRAÇÃO DE SEGUROS MASSIFICADOS NAS CLASSES C E D. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MARKETING NA ÁREA DE SEGUROS E A PENETRAÇÃO DE SEGUROS MASSIFICADOS NAS CLASSES C E D. CATEGORIA:

Leia mais

Projeto Escola Legal Direitos Autorais e Propriedade Intelectual x Pirataria. 1 de setembro de 2012

Projeto Escola Legal Direitos Autorais e Propriedade Intelectual x Pirataria. 1 de setembro de 2012 Projeto Escola Legal Direitos Autorais e Propriedade Intelectual x Pirataria 1 de setembro de 2012 Quem somos? Fundada em 1988, a Business Software Alliance (BSA) é a principal organização mundial dedicada

Leia mais

TÍTULO: VÁRIAS VARIÁVEIS: O BRASIL DOS ANOS 80 PELAS MÚSICAS DO ENGENHEIROS DO HAWAII

TÍTULO: VÁRIAS VARIÁVEIS: O BRASIL DOS ANOS 80 PELAS MÚSICAS DO ENGENHEIROS DO HAWAII Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: VÁRIAS VARIÁVEIS: O BRASIL DOS ANOS 80 PELAS MÚSICAS DO ENGENHEIROS DO HAWAII CATEGORIA: EM

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

A REVISTA BACKSTAGE É DIRIGIDA A QUE PÚBLICO?

A REVISTA BACKSTAGE É DIRIGIDA A QUE PÚBLICO? A REAL FORÇA de uma revista está nas suas páginas; nas suas matérias; nos seus anúncios; na sua história e principalmente na sua linha editorial comprometida com informações úteis aos leitores. Durante

Leia mais