A REDAÇÃO DO ENEM E A FORMAÇÃO DOCENTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A REDAÇÃO DO ENEM E A FORMAÇÃO DOCENTE"

Transcrição

1 A REDAÇÃO DO ENEM E A FORMAÇÃO DOCENTE BORNATTO, Suzete de Paula 1 - UFPR Grupo de Trabalho - Cultura, Currículo e Saberes Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo O Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) vem ampliando sua importância na seleção de alunos para o ensino superior, mas o formato da avaliação precisa ser objeto de crítica, na medida em que tem impacto no ensino e referenda (ou não) práticas docentes voltadas à produção textual. A prova de redação, embora anunciada como inovadora por exigir uma proposta de ação, reproduz, de forma pouco elaborada, o modelo da redação escolar, alvo de questionamentos dentro e fora da escola há pelo menos três décadas (PÉCORA, 1983; BRITTO, 1997; 2003; FARACO, 1975; BUNZEN, 2006). Este texto recupera alguns eventos da história da prova de redação, indica alternativas que vêm sendo construídas pelos vestibulares de algumas instituições e finaliza com a análise das orientações aos candidatos formuladas pelo INEP em Tal análise revela como nem o formato da proposta de texto nem os critérios de avaliação condizem com o esforço que vem sendo feito, no âmbito da formação de professores de português, para que a produção escrita dos alunos seja tratada com seriedade e se constitua em trabalho efetivo com os gêneros do discurso, a partir de uma concepção sociointeracionista de linguagem. A permanência do modelo redação escolar na formulação do ENEM, enquanto outras avaliações nacionais e internacionais já o abandonaram, é compreendida como resultante da força de uma tradição que extrapola os muros da escola e, portanto, precisa ser também debatida pela sociedade, até o momento ocupada, conforme o grau de profundidade empregado pela mídia, apenas com os problemas de aplicação e avaliação da prova. Palavras-chave: Ensino de português. Exame Nacional do Ensino Médio. Formação Docente. Introdução O Ensino Médio representa um desafio para alunos, professores e instituições. Altos índices de evasão, desmotivação, rejeição. Estudo do IPEA divulgado em 2012 aponta para taxas de evasão em torno de 50% - a principal causa identificada são as reprovações (em 1 Doutora em Educação pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Professora Adjunta no Departamento de Teoria e Prática de Ensino no Setor de Educação da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Membro do Núcleo de Estudos e Pesquisas em História, Educação e Modernidade (NEPHEM).

2 , o país teve a maior taxa de reprovação nessa fase da escolarização desde 2000). Segundo pesquisa feita entre alunos cursantes e não cursantes do Ensino Médio na rede pública de Minas Gerais, publicada em 2010, apenas 11,6% dos que desistiram alegaram falta de interesse, enquanto 56,6% disseram não ter conseguido conciliar trabalho com estudos. Se o Ensino Médio deve escolher entre ser a conclusão da educação básica ou a preparação para outros níveis de ensino, o fato é que perde metade do seu público no meio do caminho. Por sua vez, o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), criado em 1998, vem ampliando, desde 2009, seu papel como selecionador de alunos para as instituições de ensino superior (IES). Apresentado desde o início como inovador e contextualizado, o modelo de prova do ENEM tende a impactar os materiais didáticos ainda que boa parte destes materiais seja mera compilação de provas já realizadas mas, principalmente, a sinalizar alguns caminhos e critérios para o ensino de português que, nesse caso, não apontam para nenhuma inovação, mas para experiências desgastadas do passado. Sem entrar nas questões inerentes à organização centralizada, às dificuldades de sigilo e de avaliação que têm ocupado a mídia nos últimos anos, vou discutir aqui a prova de redação e, em especial, o material divulgado pelo INEP para orientar os candidatos ao ENEM, procurando abordá-los como demonstração de força de uma tradição escolar diante de mudanças importantes nos referenciais teóricos e metodológicos que orientam a formação de professores de português. Modelo persistente Não pretendo me deter na análise das propostas das quinze edições do exame. Schwartz e Oliveira (2010) apontaram o descompasso entre o modelo da prova e o que está preceituado nos documentos norteadores da política de ensino da língua. As autoras criticaram a frequência de fragmentos curtíssimos nos textos motivadores, mas principalmente a insistência no gênero escolar da redação, na avaliação da escrita em detrimento da avaliação da capacidade discursiva. Concluíram que a adoção do ENEM pelas IES, em substituição aos exames vestibulares, contribuiria para imprimir em todo o país a valorização de práticas de ensino e de avaliação da escrita que tomem o gênero na sua pura forma linguística, perpetuando-se, assim, práticas de ensino artificiais em que eles são estudados isolados das práticas sociais nas quais se constituem (p. 14).

3 5685 As autoras aludem a diversos trabalhos que, assim como as orientações curriculares nacionais, são fundamentados em princípios bakhtinianos no que se refere à concepção de linguagem e de gêneros do discurso. Dentre eles, o de Zirondi (2006) analisa os enunciados das provas do ENEM, com sua exigência de um texto argumentativo (sem gênero definido), observando que as especificações da prova evidenciam como preocupação maior o teor normativo e a análise dos aspectos da textualidade, elementos centrados no texto como coesão e coerência (p. 6). Infelizmente, a discussão sobre a prova se mantém na superfície, apesar de análises como essas e da extensa produção acadêmica brasileira sobre a produção de texto na escola (PÉCORA, 1983; FARACO, 1975; GERALDI, 1984, 1991), gêneros textuais, gêneros do discurso e sua didatização (BONINI, 2002; FARACO, 2008; MARCUSCHI, 2005, 2008; REINALDO, 2003), pra citar apenas alguns autores. Nas referências dos PCNEM (2000), PCNEM+(2002) e nas Orientações Curriculares para o Ensino Médio (2006) estão presentes, também, Geraldi (1991, 1998), Kleiman (1995) e Rojo (2000). Britto (2003) recupera o termo cunhado por Claudia Lemos em 1977 para denominar o que constatava em redações feitas para os vestibulares: a estratégia de preenchimento, que refletia as condições artificiais da produção e a ausência de reflexão. Britto reflete sobre o fato de que passados vinte anos de estudos e de propostas alternativas de ensino, as queixas prevalecem, talvez com mais ênfase (p. 180). Segundo ele, a novidade trazida por tais estudos foi desviar o eixo das questões normativas e instrumentais para o eixo argumentativo, com a valorização da interlocução, da audácia intelectual e do investimento subjetivo: Não se rompeu, contudo, com a concepção disciplinar do ensino de redação como próprio da área de Língua Materna e, por isso, algo estritamente ligado ao estabelecimento do que se tem chamado de língua padrão (p. 182). As inovações metodológicas introduzidas no ensino escolar teriam reduzido, para Britto, a preocupação estritamente normativa, mas não a modificaram em essência. Bunzen (2006), no artigo Da era da composição à era dos gêneros: o ensino de produção de texto no ensino médio, também retoma o questionamento feito, desde o final da década de 70, quanto à validade do ensino de redação como mero exercício escolar, que servia para o professor apontar erros dos alunos (p. 147). Essa prática, que esvazia a autoria e a possibilidade de qualquer interação pela linguagem, mas é legitimada pelas propostas de

4 5686 escrita da maioria dos concursos vestibulares e de algumas avaliações de rede, configura a pedagogia da exploração temática (p. 148, grifo do autor). Seguindo a argumentação de Geraldi (1991), Bunzen defende que os alunos - na escola deveriam produzir textos diversos que se aproximassem dos usos extraescolares (p. 149) e sugere: Para algumas turmas, talvez, seja muito mais importante discutir a produção de um curriculum vitae ou de uma carta de solicitação de emprego do que produzir textos puramente escolares. Ele observa, no entanto, que a adoção da concepção do texto como unidade de ensino/aprendizagem, por volta do início dos anos 90, teve como consequência a inclusão dos aspectos da textualidade como critério de avaliação em vestibulares e como objeto de ensino nos livros didáticos. Por outro lado, a diversificação das atividades de produção textual parece focar mais a estrutura composicional do que as situações de produção de forma que os alunos continuam a escrever apenas para o professor. Bunzen (idem, p. 160) ressalta que é preciso o professor observar o grau de interferência (o efeito retroativo) dos concursos vestibulares e das avaliações em rede como o ENEM. De fato, a interferência de concursos e avaliações no currículo não pode ser desprezada e a história da disciplina é rica em exemplos. Não custa lembrar que no início da institucionalização da disciplina de língua portuguesa no Brasil, no final do século XIX, está também uma prova, ou melhor, o conjunto dos exames de ingresso para os cursos superiores. Conforme Razzini (2010, p. 9), foi a partir de 1870, após a inclusão do exame de Português nos exames (em 1869), que a disciplina ganhou espaço no currículo do Colégio Pedro II, tomado como modelo para o ensino secundário da época. Com essa medida, houve aumento da carga horária e de conteúdos nos programas de Português, além da extensão de seu ensino às três séries do secundário. Cerca de cem anos depois, a partir dos anos 1970, o aumento do número de obras destinadas ao ensino de redação tem também nos vestibulares sua causa principal. Em 1977, um decreto do governo viria obrigar as instituições federais de ensino superior a incluir uma prova de redação em seus vestibulares. A medida é justificada por Magda Soares (1978, p. 53), então membro da comissão responsável por estudar o assunto, como resposta às denúncias de uso incorreto, ineficaz e inadequado do português escrito. A prova de redação teria o objetivo de apurar a seleção, mas também de impactar o ensino de 1º. e 2º. graus. A comissão preparou um documento com 26 recomendações, mas,

5 5687 segundo Oliveira (1985, p. 4), só foi adotada esta, da inclusão da redação nos exames vestibulares. Alguns anos antes, Carlos Alberto Faraco (1975, p.7) já denunciava, na revista Construtura, as sete pragas do ensino de português a terceira eram as Redações-tortura : Queremos que nossos alunos escrevam, mas não lhes criamos as condições para tal. O processo rotineiro de orientar a redação tem sido mais ou menos assim: damos um título (silencioso por excelência porque coisa alguma lhes sugere!) ou aumentamos o sofrimento deles, deixando o tema livre e esperamos tranqüilos o fim da aula para recolher o produto suado daqueles angustiados minutos. Todos sabemos o quanto nos custava atingir os limites mínimos de linhas (estes limites são indispensáveis neste processo, do contrário ninguém escreve nada!). Mas, assim mesmo, continuamos a submeter nossos alunos a essa tortura monstruosa que é escrever sem ter idéias. Conseqüência: Os alunos deixam a escola sem saber redigir, sem ter desenvolvida a capacidade de escrever (escrever é muito mais que desenhar letras no papel...), incapazes de preencher, de modo inteligível, algumas poucas linhas. A análise de Faraco incide sobre o processo de ensino, falho, que não desenvolvia nos alunos a capacidade de escrita; difere, nesse sentido, das habituais acusações à capacidade mental dos alunos, de que é exemplar a abordagem de Maria Theresa Fraga Rocco, como se verá adiante. Magda Soares (1978) estava certa quando, reticente em relação aos benefícios que a obrigatoriedade da redação no vestibular traria para a correção e a justiça do processo seletivo, previu que a experiência permitiria, ao menos, uma série de estudos e de reflexões que levariam a decisões mais solidamente fundamentadas sobre os caminhos para a superação dos problemas do ensino e da aprendizagem do português. Os estudos, de fato, se multiplicaram. Fraga Rocco (1981) toma por base as redações no vestibular para falar de crise na linguagem. Após estudar exaustivamente uma amostra de 1500 redações do vestibular da FUVEST em 1978 cuja prova, segundo ela, rompia com estereótipos pedagógicos ao pedir que o aluno redigisse um texto em prosa (e não uma dissertação) conclui que os textos não demonstram consciência crítica e que a grande maioria dos candidatos à universidade apresentava pelo menos momentaneamente, um atraso quanto à idade mental em que teoricamente deveriam se encontrar (p.258). Sua proposta fora a de abordar os textos sem qualquer intenção purista, sem qualquer tipo de atitude normativa, mas apenas com uma preocupação com o normal (p. 30) mesmo assim, concluía que algo de estranho estava ocorrendo com grande parte dos textos, em que havia carência de nexos, de continuidade e quantidade de informação, ausência de originalidade etc.

6 5688 Em outra linha, Alcir Pécora (1983) desenvolve as análises que resultariam no livro Problemas de redação, apontando a inconsistência da concepção de linguagem que alimentava a prática da redação na escola. Também no início dos anos 80, em dissertação pioneira sobre ensino de português e livros didáticos, Bittencourt (1981, p. 144) problematiza os tipos de proposta de redação presentes nos livros adotados pelos professores, de que identifica os seguintes: 1) nenhuma sugestão, 2) tema para discussão, 3) tema para pesquisa, 4) plano de ideias, 5) sugestão de títulos diversos, 6) título único, e 7) conceitos para interpretar. Eram, portanto, várias alternativas envolvendo discussão, pesquisa, escolhas - em um começo de década marcado por imenso mal-estar, conforme a análise de Rodolfo Ilari ([1984], 1990): Provavelmente, para muitos professores de Português, não há exercício escolar menos gratificante que a redação: trata-se de uma atividade pedagógica aparentemente fundamental no processo de formação dos educandos, na qual se gastam um esforço e um tempo considerável, sem que os principais interessados demonstrem, em compensação e em contrapartida, um progresso efetivo.[...] Essa situação é relativamente antiga, e tem motivado reflexões pedagógicas que condicionam uma prática eficiente da redação à satisfação de três exigências: leitura, observação e motivação (p ). Segundo o linguista, as concepções correntes na escola estavam equivocadas porque ou visavam obter uma expressão correta; ou encaravam a redação como ajuste de contas sobre temas gramaticais (p. 73). Durante cerca de duas décadas, os vestibulares consagraram um modelo de texto - seja a partir de coletâneas de variada extensão, de imagens ou de complexos temas motivadores a redação de vestibular. No início dos anos 90, porém, o vestibular da Universidade Estadual de Campinas, já permitia que o aluno escolhesse entre três possibilidades de texto - dissertação, narrativa ou carta a mesma UNICAMP introduziu em 2011 um novo modelo, em que são solicitados três textos de gêneros diversos, variáveis a cada nova edição da prova. O documento da Comissão Permanente para os Vestibulares (COMVEST, 2012) traz as justificativas para a mudança:

7 5689 buscamos não apenas reafirmar a importância da escrita e da leitura para o aluno de nossa Universidade, mas, antes de tudo, adequar a prova aos Parâmetros Curriculares Nacionais e à proposta da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, que propõem o trabalho com a noção de gêneros desde o ensino fundamental. A longa tradição dos exames vestibulares, voltada, de maneira geral, para a avaliação da dissertação, tem sido responsável por um engessamento do ensino de redação nas escolas de ensino médio, interrompendo o trabalho com gêneros sob a alegação de que é preciso preparar os alunos para os vestibulares. No Paraná, a UFPR aboliu o texto dissertativo único em 1996, substituindo-o por diversos textos, de diferentes gêneros atualmente são solicitados cinco textos, de extensão e finalidades variadas. A tendência, no entanto, é de que as universidades federais venham a adotar o ENEM como processo seletivo, abrindo mão de suas políticas próprias de avaliação. Conforme reportagem da Gazeta do Povo em fevereiro de 2013, o Brasil é nota 5 em redação: 73% dos candidatos obtiveram notas ruins ou, no máximo, razoáveis em Segundo especialistas, apesar das críticas dos candidatos aos avaliadores, o resultado nota 5 do Brasil em redação evidencia falhas na formação dos estudantes. De modo geral, a mídia demonstra interesse na avaliação que o ENEM faz dos estudantes, mas não parece ver problemas no modelo de avaliação. Nesse sentido, Cristóvão Tezza foi objetivo em sua crônica de 26/03/13: Antes, porém, de atacar o aluno debochado, os corretores, o método ou a logística do Enem, seria bom voltar os olhos a esse dinossauro didático das aulas de Português que vem resistindo há séculos como exemplo cristalino do texto ornamental ou linguagem inútil: a célebre redação escolar. É um gênero que não serve para rigorosamente nada, e não tem nenhum uso concreto na vida real do estudante dáse um tema, com ou sem texto de apoio, o que é irrelevante, e convida-se a vítima a desenvolver três ou quatro parágrafos sobre ele. [...] Nascida para tirar nota, a redação escolar é um convite irresistível ao lugar comum, ao chavão, à frase feita, à platitude. As frases se emendam sem rumo, em direção à mágica última linha, que dará fim ao suplício e, com sorte, uma boa nota. O principal, entretanto, é reconhecer que as ideias dos estudantes não fazem diferença, que não se está interessado, de fato, nas soluções que venham a apresentar a redação é apenas um exercício de exibição linguística. Ainda nas palavras de Tezza: O que se quer avaliar? Ora, o domínio que o aluno tem da língua padrão do português escrito no Brasil, o que inclui um conjunto bastante complexo de habilidades, indo da capacidade de leitura, pressuposto fundamental, às ferramentas técnicas da frase escrita (coesão entre as partes, uso de relatores, adequação vocabular etc.). Não são as ideias, essa nuvem vaga e sem contorno que costuma alimentar a redação escolar, o que de fato interessa, mas o domínio técnico da escrita. E, para que tal avaliação seja minimamente objetiva, é preciso implodir o velho modelo.

8 5690 Por que o INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - mantém como instrumento de avaliação do Ensino Médio uma prova de redação nesses moldes? Segundo o presidente do INEP, Luiz Cláudio Costa, o Enem é "um processo em aprimoramento" e, por isso, críticas à correção são bem-vindas e ajudam a enriquecer o debate técnico. Para ele, a redação é importante, pois o cidadão deve saber articular suas ideias em um texto e apresentar soluções aos problemas" (YAMAMOTO, 2013). Segundo informa o mesmo texto, não há intenção alguma de o Inep retirar a redação da avaliação. Orientações para a redação critérios para o ensino Depois da longa exposição pela mídia de problemas de avaliação das redações (divergências radicais na atribuição de notas, incompreensão dos critérios, processos judiciais contra a correção ), o INEP publicou Redação no Enem 2012 Guia do Participante, documento que descreve as competências avaliadas, indicando a quantidade de pontos atribuída a cada tipo de desempenho; explica a proposta de redação de 2011 e as expectativas dos avaliadores; e apresenta e comenta seis redações nota 1000 (duas de São Paulo, duas do Rio de Janeiro e duas de Minas Gerais). Aparentemente, se espera que os textos nota 1000 sirvam de modelo para os estudantes mostrando-lhes estruturas e escolhas linguísticas valorizadas na avaliação; no final, o Guia ainda sugere que o estudante crie um Clube de Leitura com pessoas que amam a leitura e se reúnem para comentar um mesmo livro lido por todos 2. Proponho ao leitor ou à leitora que acompanhe as orientações do Guia: Nessa redação, você deverá defender uma tese, uma opinião a respeito do tema proposto, apoiada em argumentos consistentes estruturados de forma coerente e coesa, de modo a formar uma unidade textual. Seu texto deverá ser redigido de acordo com a norma padrão da LínguaPortuguesa e, finalmente, apresentar uma proposta de intervenção social que respeite os direitos humanos. A prova exigirá a produção de um texto em prosa, do tipo dissertativo-argumentativo, sobre um tema de ordem social, científica, cultural ou política; não precisa de título. A redação pode ser anulada se fugir ao tema, desobedecer à estrutura, tiver menos do que 7 linhas (!), incluir impropérios (se os estudantes souberem o que é isso), desenhos ou outras 2 Pela proposta, os interessados devem se reunir na casa de alguém ou sempre em um mesmo bar, café/livraria, restaurante, confeitaria, clube, por exemplo e todos devem comprar os livros. Se pensarmos na carência vergonhosa de bibliotecas e acervos escolares e públicos no Brasil, esse clube é uma proposta surreal e reforça o mito de que ler livros (e não jornais, por exemplo) melhoraria a performance argumentativa dos estudantes.

9 5691 formas propositais de anulação (teriam os impropérios intenção de anulação?), ou ainda se desrespeitar os direitos humanos ou não for passada a limpo. A avaliação terá por base cinco competências medidas em pontos de 0 a 200: 1) Domínio da norma padrão da língua escrita; 2) Compreensão da proposta, aplicação de conceitos das várias áreas do conhecimento e respeito aos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo; 3) Seleção, organização e interpretação de fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista; 4) Domínio dos mecanismos linguísticos necessários à construção da argumentação; e 5) Elaboração de proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos. No detalhamento das competências, se pede ao estudante para procurar ser claro, objetivo, direto; empregar um vocabulário mais variado e preciso do que o que utiliza quando fala e seguir as regras prescritas pela norma padrão da Língua Portuguesa. Além disso, deve seguir requisitos básicos como: ausência de marcas de oralidade e de registro informal, precisão vocabular, obediência às regras gramaticais de concordância, regência, pontuação, flexão, colocação de pronomes átonos, grafia das palavras, acentuação, emprego de maiúsculas e minúsculas e divisão silábica na mudança de linha (INEP, 2012, p. 7-12). Ora, usar um vocabulário mais variado não é um conselho preciso, e precisão vocabular não é conceito muito frequente em materiais didáticos, embora importante; as regras da norma padrão duas linhas depois já são identificadas com regras gramaticais (gerais, da língua ), o que também é impreciso. A colocação de pronomes átonos, por exemplo, é tema controverso - nesse caso (exemplar, mas não único), seguir prescrições gramaticais fiéis ao padrão lusitano ou à norma padrão brasileira atual não é a mesma coisa (o personagem Aldrovando Cantagalo, de Monteiro Lobato, é emblemático dessa distinção). Nas páginas 12 e 13, o Guia classifica as inadequações do uso linguístico ao registro formal escrito (é ainda a norma padrão? pode perguntar o estudante) que serão penalizadas em desvios mais graves, graves ou leves. Chama a atenção que o uso incorreto de minúscula é desvio muito grave (então, se usar letra de forma, o estudante não corre riscos), assim como a presença de gíria (se a gíria for dicionarizada, vale? as gírias são sempre reconhecíveis como tais?). Entre os desvios graves, ao lado de problemas de concordância e regência, está a falta ou uso inadequado do acento indicativo da crase - o que, por um lado, é muito frequente nos textos de estudantes e também em textos que circulam fora da escola (aparentemente, muitos redatores acentuam o

10 5692 a quando entendem que cumpre função de preposição), por outro lado, dificilmente compromete o entendimento de um texto. Também são desvios graves a escrita não ortográfica de palavras de grafia complexa (se a grafia é complexa, por que o desvio é grave?) e as marcas de oralidade. O problema aqui é que, para alguns, pra, num ou a gente são marcas de oralidade, pra outros não. O texto prossegue com recomendações para a utilização dos textos motivadores, lembra que cada parágrafo deve desenvolver um tópico frasal (resquício das técnicas de redação dos anos 70?) e que o redator deve utilizar informações de várias áreas do conhecimento, demonstrando que está atualizado em relação ao que acontece no mundo (e quantos adultos conseguem isso hoje em dia?). Deve ainda evitar recorrer a reflexões previsíveis, que demonstram pouca originalidade no desenvolvimento do tema proposto (mas como saber sozinho o que é previsível?). O Guia explica o que é um texto dissertativo-argumentativo, um texto opinativo que se organiza na defesa de um ponto de vista sobre determinado assunto, alertando que a não obediência à estrutura dissertativo-argumentativa será apenada 3 com nota 0 (zero), mesmo que a redação atenda às exigências dos outros critérios de correção (p. 18, grifo meu). A estrutura, portanto, assim como o respeito aos direitos humanos, é essencial para que o aluno não tenha sua prova anulada. Se os alunos discorrem sobre o tema, recorrendo à estratégia de preenchimento e concluem pela necessidade de conscientização sobre este ou aquele problema social, estão demonstrando grande competência - no gênero redação escolar. Considerações finais Como devem trabalhar os professores de português do Ensino Médio diante das exigências para a redação do ENEM? Sua formação acadêmica idealmente orienta para o estudo dos gêneros do discurso, para a leitura de textos autênticos e para a produção de textos significativos, escritos em função de uma interlocução. A prova, porém, referenda a tradição da dissertação sobre um tema essa tradição não é mantida por uma vontade da escola ou por forte pressão política dos docentes, mas por sua dificuldade em enfrentar as imposições que lhe vêm de fora, dos que saíram da escola, da sociedade que paga as contas de todos esses 3 Aqui parece ter havido mudança de redator do documento, o termo penalizada, corrente mas só recentemente dicionarizado nessa acepção, foi substituído por apenada, forma arcaica e desusada, certamente mesmo entre professores de português.

11 5693 processos avaliativos da educação brasileira. A tradição seletiva, de que fala Raymond Williams (2003), aponta o que a sociedade julga importante conservar. A universidade, como instituição de formação dos docentes, não pode se limitar a obedecer as decisões do INEP; as universidades públicas, em especial, deveriam condicionar a adoção do ENEM como processo seletivo à adoção de outro modelo de prova. O ENEM precisa deixar de enganar o aluno, pedindo que se manifeste sobre isso ou aquilo e ainda resolva os problemas do Brasil. Se como classificador de candidatos para o ensino superior, está dando resultados, reduzindo custos, promovendo justiça, não cabe avaliar aqui, mas se um dos objetivos da prova de redação é que o ensino precedente seja melhor, essa prova precisa ser excelente, modelar, abandonar o conforto das práticas escolares esvaziadas de sentido e encorajar aquelas formas de avaliação que, menos pretensiosas, são também mais honestas. REFERÊNCIAS BITTENCOURT, S. T. Livro didático de português: diagnóstico de uma realidade. Dissertação. Mestrado em Educação. Curitiba, UFPR, BONINI, A. Gêneros textuais e cognição. Florianópolis: Insular, BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais Ensino Médio: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Brasília, Secretaria de Educação Média e Tecnológica, Orientações Curriculares para o Ensino Médio: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Brasília, Secretaria de Educação Básica, Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/book_volume_01_internet.pdf>. Acesso em: 02 dez PCN+ Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Brasília, Secretaria de Educação Média e Tecnológica, Disponível em: <http://portal.mec.gov.br.br/seb/arquivos/pdf/linguagens02.pdf>. Acesso em: 01 dez A redação no ENEM 2012 guia do participante. INEP, Disponível em: <http://download.inep.gov.br/educacao_basica/enem/downloads/2012/guia_participante_reda cao_enem2012.pdf>. Acesso em: 01 ago. 12. BRITTO, L. P. A sombra do caos: ensino de língua x tradição gramatical. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1997.

12 5694. Contra o Consenso: cultura escrita, educação e participação. Campinas: Mercado de Letras, BUNZEN, C. S. Da era da composição à era dos gêneros: o ensino de produção de texto no ensino médio. In: BUNZEN, C; MENDONÇA, M. (Org.). Português no Ensino Médio e formação do professor. São Paulo: Parábola, 2006, v. 01, p COMVEST. Universidade Estadual de Campinas. Vestibulares anteriores. Disponível em: <http://comvest.unicamp.br/vest_anteriores/2012/download/comentadas/redacao.pdf>. Acesso em: 20 fev. 13. FARACO, C.A. As sete pragas do ensino de Português. Construtura, Curitiba, ano III, nº 1, p. 5-12, Norma culta brasileira: desatando alguns nós. São Paulo: Parábola Editorial, GERALDI, J.W. (Org.) O texto na sala de aula. Cascavel: ASSOESTE, Portos de passagem. São Paulo: Martins Fontes, Da redação à produção de textos. In J. W. Geraldi & B. Citelli. (Orgs.) Aprender e ensinar com textos de alunos. Vol. 1, São Paulo: Cortez, ILARI, R. A redação escolar. Linguística e ensino de português. São Paulo : Martins Fontes, KLEIMAN, A.B. (Org.). Os significados do letramento. Campinas, S.P.: Mercado de Letras, MARCHIORI, R. O Brasil é nota 5 em redação. Gazeta do Povo, Curitiba, 17/02/13. MARCUSCHI, L. A. Gêneros textuais emergentes no contexto da tecnologia digital. In: MARCUSCHI, L. A.; XAVIER, A. C. (Orgs.). Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de construção do sentido. 2. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, Gêneros textuais no ensino de língua. In:. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, OLIVEIRA, C. A. S. A Comissão Nacional de Vestibular Unificado (Convesu): origens e papel normativo. Educação e seleção, n. 11, Disponível em: <http://fcc.org.br/pesquisa/publicacoes/es/artigos/94.pdf>. Acesso em: 13 out PÉCORA, A. Problemas de redação. São Paulo: Martins Fontes, RAZZINI, Marcia P. G. História da Disciplina Português na Escola Secundária Brasileira. Revista Tempos e Espaços em Educação. Universidade Federal de Sergipe, Núcleo de Pós- Graduação em Educação. v. 4, jan./jun. 2010, p

13 5695 REINALDO, M.A. G. de M. A Orientação para Produção de Texto In: DIONÍSIO.A.P; BEZERRA, M.A.(Orgs.) O livro didático de português - múltiplos olhares. Rio de Janeiro. Lucerna, 2003, 2ª. ed. ROCCO, M. T. F. Crise na linguagem: a redação no vestibular. São Paulo: Mestre Jou/Nobel, ROJO, R.(Org.) A prática de linguagem em sala de aula: praticando os PCNs. São Paulo: Educ.; Campinas: Mercado de Letras, SCHWARTZ, C.M.; OLIVEIRA, A.P.G. A avaliação da escrita no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). Trabalho apresentado na 33ª. reunião da ANPED, Caxambu-MG, Disponível em: <http:///www.anped.org.br/33encontro/app/webroot/files/file/trabalhos%20%20em%20pdf/ GT Res.pdf >. Acesso em: 25 fev SOARES, M. B. A redação no vestibular. Cad. Pesqui., São Paulo, n. 24, mar Disponível em: < Acesso: em 14 abr TEZZA, C. Receita de redação. Gazeta do Povo, Curitiba, 26 mar WILLIAMS, R. La larga revolucion. Buenos Aires: Nueva Vision, YAMAMOTO, K. Após miojo, Inep quer anulação de redações com gracinhas no Enem. UOL, São Paulo, 21 mar ZIRONDI, M. I. Um debate sobre a produção textual sugerida no ENEM e as atividades de linguagem praticadas na escola. Entretextos, Londrina, jan/dez/2006, n. 6, p Disponível em:<http.www.uel.brrevistasentretextospdf615.pdf>. Acesso em: 15 mar

Redação: critérios de correção dos exames da Fuvest, Unicamp, Unesp e Enem. FUVEST e UNESP

Redação: critérios de correção dos exames da Fuvest, Unicamp, Unesp e Enem. FUVEST e UNESP Singular-Anglo Vestibulares Professora Natália Sanches Redação: critérios de correção dos exames da Fuvest, Unicamp, Unesp e Enem. Retirado do site oficial do vestibular. FUVEST e UNESP Na correção, três

Leia mais

ANÁLISE DOS TEXTOS PRODUZIDOS POR UMA TURMA DO 3ºANO DO ENSINO MÉDIO À LUZ DOS CRITÉRIOS DO ENEM

ANÁLISE DOS TEXTOS PRODUZIDOS POR UMA TURMA DO 3ºANO DO ENSINO MÉDIO À LUZ DOS CRITÉRIOS DO ENEM ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ANÁLISE DOS TEXTOS PRODUZIDOS POR UMA TURMA DO 3ºANO DO ENSINO

Leia mais

Prof. Daniel Santos Redação RECEITA PARA DISSERTAÇÃO ARGUMENTAÇÃO ESCRITA - ENEM. E agora José?

Prof. Daniel Santos Redação RECEITA PARA DISSERTAÇÃO ARGUMENTAÇÃO ESCRITA - ENEM. E agora José? Prof. Daniel Santos Redação RECEITA PARA DISSERTAÇÃO ARGUMENTAÇÃO ESCRITA - ENEM E agora José? Respondam Rápido: O que encanta um homem? O que encanta uma mulher? E o que ENCANTA um corretor do ENEM?

Leia mais

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades.

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades. ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende que as avaliações do processo

Leia mais

REDAÇÃO 4º SIMULADO MODELO ENEM - 2014. 3º ANO e PRÉ-VESTIBULAR 2º NOTA: Nome completo: Matrícula: Unidade: Turma: Corretor:

REDAÇÃO 4º SIMULADO MODELO ENEM - 2014. 3º ANO e PRÉ-VESTIBULAR 2º NOTA: Nome completo: Matrícula: Unidade: Turma: Corretor: 4º SIMULADO MODELO ENEM - 2014 3º ANO e PRÉ-VESTIBULAR 2º DIA REDAÇÃO EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO NOTA: Nome completo: Matrícula: Unidade: Turma: Corretor: INSTRUÇÕES 1 A REDAÇÃO SERÁ AVALIADA DE ACORDO

Leia mais

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS RESUMO Juliana Candido QUEROZ (Bolsista) 1 ; Natália SILVA (Bolsista) 2, Leila BRUNO (Supervisora) 3 ; Sinval Martins S. FILHO (Coordenador)

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

COMO SERÁ ELABORADA A PROPOSTA DE TEMA PARA A REDAÇÃO DO ENEM?

COMO SERÁ ELABORADA A PROPOSTA DE TEMA PARA A REDAÇÃO DO ENEM? COMO SERÁ ELABORADA A PROPOSTA DE TEMA PARA A REDAÇÃO DO ENEM? A proposta para a redação do Enem é elaborada de forma a possibilitar que os participantes, a partir dos subsídios oferecidos, realizem uma

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PARA UMA ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: ANALISANDO ABORDAGENS DA PRIMEIRA LEI DE NEWTON EM LIVROS DIDÁTICOS DE FÍSICA

CONTRIBUIÇÕES PARA UMA ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: ANALISANDO ABORDAGENS DA PRIMEIRA LEI DE NEWTON EM LIVROS DIDÁTICOS DE FÍSICA CONTRIBUIÇÕES PARA UMA ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: ANALISANDO ABORDAGENS DA PRIMEIRA LEI DE NEWTON EM LIVROS DIDÁTICOS DE FÍSICA Andrew Stanley Raposo 1, Tayse Raquel dos Santos 2, Katemari Rosa 3 Unidade

Leia mais

*MÓDULO 1* *MÓDULO 2* *MATRIZ DE COMPETÊNCIAS PARA A REDAÇÃO DO ENEM*

*MÓDULO 1* *MÓDULO 2* *MATRIZ DE COMPETÊNCIAS PARA A REDAÇÃO DO ENEM* *MÓDULO 1* Redação 1 Resposta pessoal. Redação 2 Resposta pessoal. *MÓDULO 2* Atividade 1 Resposta pessoal. Atividade 2 Resposta pessoal. Atividade 3 Resposta pessoal. *MATRIZ DE COMPETÊNCIAS PARA A REDAÇÃO

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETO DE AVALIAÇÃO

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETO DE AVALIAÇÃO INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 6-A/2015 de 5 de março Disciplina: INGLÊS Código: 06 Tipo de Prova: ESCRITA E ORAL (Língua Estrangeira I, Nível

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 01/2011 RESPOSTA AOS RECURSOS DA PROVA DE REDAÇÃO

CONCURSO PÚBLICO 01/2011 RESPOSTA AOS RECURSOS DA PROVA DE REDAÇÃO CONCURSO PÚBLICO 01/2011 RESPOSTA AOS RECURSOS DA PROVA DE REDAÇÃO Inscrição: 15602625057-3 (Liminar) - MANTIDA de dissertação, cujos critérios de análise estavam descritos no edital de abertura que rege

Leia mais

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA Fernanda Mara Cruz (SEED/PR-PG-UFF) Introdução Os processos de ensinar e aprender estão a cada dia mais inovadores e com a presença de uma grande variedade

Leia mais

V PROGRAMA DA DISCIPLINA

V PROGRAMA DA DISCIPLINA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEAD PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO Curso: Pedagogia a Distância Departamento: Departamento de Pedagogia a Distância Disciplina:

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG Autor: Gefferson Luiz dos Santos Orientadora: Angela Marta Pereira das Dores Savioli Programa de Pós-Graduação

Leia mais

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas - REDUC ISSN 2317-1170 V. 01, N. 02 (2013) A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Patrícia

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos

Leia mais

Escreva seu futuro nas Faculdades Integradas - 4ª edição - ano 2014

Escreva seu futuro nas Faculdades Integradas - 4ª edição - ano 2014 Escreva seu futuro nas Faculdades Integradas - 4ª edição - ano 2014 Justificativa Procurando manter um canal de comunicação entre a Instituição de Ensino Superior e as escolas de Educação Básica, bem promover

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA COM ÊNFASE EM MULTILETRAMENTOS O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS Monissa Mattos - 2 Ten CMPA LETRAMENTO letrar é mais do que alfabetizar,

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA MG

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA MG FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA MG T exto dissertativo: ponto de vista acerca de um tema Profa. Ketiuce Ferreira Silva ketiuce@yahoo.com.br www.ketiuce.com.br Algumas perguntas O quê? Por quê? Para quê?

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC de Nova Odessa Código: 234 Município: Nova Odessa Eixo Tecnológico: Segurança no Trabalho Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho Qualificação:

Leia mais

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO INTRODUÇÃO Solange dos Santos (UFS) A leitura tem sido por muito tempo um tema muito debatido

Leia mais

Prof. Volney Ribeiro

Prof. Volney Ribeiro A REDAÇÃO NO ENEM Prof. Volney Ribeiro Professor de língua portuguesa Especialista em Gestão Educacional Mestrando em Letras A prova de redação exigirá de você a produção de um texto em prosa, do tipo

Leia mais

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio.

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Dalva Aparecida do Carmo Constantino, UFMT, Faculdades Integradas de Rondonópolis (FAIR/UNIR). Este trabalho

Leia mais

BLOG COMO FERRAMENTA DE ENSINO. Palavras chaves:educação Matemática,Tecnologia, ensino-aprendizagem

BLOG COMO FERRAMENTA DE ENSINO. Palavras chaves:educação Matemática,Tecnologia, ensino-aprendizagem Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos 27 a 29 de Novembro UEPB Campina Grande, Paraíba. 2014 BLOG COMO FERRAMENTA DE ENSINO Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO 1 Q236899 Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Português Assuntos: 6. Interpretação

Leia mais

Filosofia e Redação Interpretação, Argumentação e Produção Textual. Analisando o Conteúdo Filosófico Presente nas Redações nota 1000 do ENEM

Filosofia e Redação Interpretação, Argumentação e Produção Textual. Analisando o Conteúdo Filosófico Presente nas Redações nota 1000 do ENEM Filosofia e Redação Interpretação, Argumentação e Produção Textual Analisando o Conteúdo Filosófico Presente nas Redações nota 1000 do ENEM Projeto de Produção Discente Elaborado pelo Departamento de Filosofia

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Informação-Prova de Equivalência à Frequência Informação-Prova de Equivalência à Frequência ENSINO SECUNDÁRIO PROVA ESCRITA E ORAL Prova de Equivalência à Frequência de Espanhol, 11º ano (Iniciação) Prova 375 (ter como referência quadro III do Desp.Norm.5/2013)

Leia mais

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA Dayane Ribeiro da Silva (PICV/PRPPG/ UNIOESTE), Greice da Silva Castela (Orientadora), e-mail: greicecastela@yahoo.com.br

Leia mais

Pedagogia. Comunicação matemática e resolução de problemas. PCNs, RCNEI e a resolução de problemas. Comunicação matemática

Pedagogia. Comunicação matemática e resolução de problemas. PCNs, RCNEI e a resolução de problemas. Comunicação matemática Pedagogia Profa. Luciana Miyuki Sado Utsumi Comunicação matemática e resolução de problemas PCNs, RCNEI e a resolução de problemas Consideram aspectos fundamentais, como: As preocupações acerca do ensino

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO 2010 Programa: Pós-Graduação stricto sensu em Educação/PPGE Área de Concentração: Sociedade,

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação.

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação. Karen Alves de Andrade 1 RESUMO A inserção dos gêneros textuais no ensino vem mudando a dinâmica da educação em língua portuguesa em nosso país. A importância de se trabalhar a língua em uso, através de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 O EMPREGO GRAMATICAL NO LIVRO DIDÁTICO Desiree Bueno TIBÚRCIO (G-UENP/campus Jac.) desiree_skotbu@hotmail.com Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora-uenp/campus Jac.) marilucia.ss@uol.com.br

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO.

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO. LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR Agnaldo da Conceição Esquincalha PUC-SP/PUC-Rio/Fundação CECIERJ aesquincalha@gmail.com Resumo: Neste texto elenca-se um

Leia mais

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA Maria Ignez de Souza Vieira Diniz ignez@mathema.com.br Cristiane Akemi Ishihara crisakemi@mathema.com.br Cristiane Henriques Rodrigues Chica crischica@mathema.com.br

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

A REDAÇÃO DO ENEM Brasília DF, outubro de 2011

A REDAÇÃO DO ENEM Brasília DF, outubro de 2011 A REDAÇÃO DO ENEM Brasília DF, outubro de 2011 Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Malvina Tania Tuttman Diretora de Avaliação da Educação Básica Maria

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec:Paulino Botelho/ Professor E.E. Arlindo Bittencourt (extensão) Código: 092-2 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação

Leia mais

II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia

II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia El acompañamiento a los docentes noveles: prácticas y concepciones Buenos Aires, del 24 al 26 de febrero de

Leia mais

FUNDAÇÃO FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DO MUNICÍPIO DE LINHARES - FACELI FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES - FACELI

FUNDAÇÃO FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DO MUNICÍPIO DE LINHARES - FACELI FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES - FACELI FUNDAÇÃO FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DO MUNICÍPIO DE LINHARES - FACELI FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES - FACELI CURSO DE PEDAGOGIA PROJETO DE EXTENSÃO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DAS

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA. Trabalho de Conclusão de Curso

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA. Trabalho de Conclusão de Curso UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA Trabalho de Conclusão de Curso Brasília 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA REITOR Prof. Dr. Gilberto Gonçalves Garcia PRÓ-REITOR

Leia mais

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Fabiano Fialho Lôbo Universidade Federal de Pernambuco fabiano_lobo@yahoo.com.br Luciana Rufino de Alcântara Universidade

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

COLETÂNEA CONTINUA...

COLETÂNEA CONTINUA... Natal, 05 de abril de 2011 PROVA DE REDAÇÃO A prova de redação apresenta uma proposta de construção textual: uma CARTA ABERTA. Com a finalidade de auxiliá-lo(a) na compreensão prévia da temática em foco,

Leia mais

RESUMO. -Não resumir antes de ler, compreender, sublinhar e fazer breves anotações à margem do texto;

RESUMO. -Não resumir antes de ler, compreender, sublinhar e fazer breves anotações à margem do texto; RESUMO Léa Monteiro Rocha Luciana Cristina Andrade Costa Franco Zuleida Cardoso Leite Conceito: Apresentação ordenada das principais ideias (centrais, secundárias e pormenores importantes) contidas no

Leia mais

PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Acesso aos mestrados profissionalizantes) 2.ª chamada

PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Acesso aos mestrados profissionalizantes) 2.ª chamada INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE LISBOA 2015 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Acesso aos mestrados profissionalizantes) 2.ª chamada CRITÉRIOS DE CLASSIFICAÇÃO I. Leitura (80 )

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS GAROPABA Aprovação do curso e Autorização da oferta

Leia mais

Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem

Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem A avaliação no Programa de Alfabetização é processual. O seu propósito é o de

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 CARGO E UNIDADES: Professor de Educação Infantil e Fundamental (MACAÍBA) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova:

Leia mais

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática PROF. MS. JOSÉ JOÃO DE MELO (josejoaomelo@gmail.com) PROF ESP. AUGUSTO RATTI FILHO (gutoratti@outlook.com.br) PROF DR. ROGERIO

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO UNIDADE ACADÊMICA: CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO UNIDADE ACADÊMICA: CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO UNIDADE ACADÊMICA: CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO LETRAS DISCIPLINA ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ÍNGUA PORTUGUESA II PROFESSOR: ANO LETIVO: RONALDO

Leia mais

PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS

PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª. Msc. Clara Maria Furtado claramaria@terra.com.br clara@unifebe.edu.br PLANEJAMENTO Representa uma organização de ações em direção a objetivos bem definidos, dos recursos

Leia mais

Tipos de Resumo. Resumo Indicativo ou Descritivo. Resumo Informativo ou Analítico

Tipos de Resumo. Resumo Indicativo ou Descritivo. Resumo Informativo ou Analítico Resumir é apresentar de forma breve, concisa e seletiva um certo conteúdo. Isto significa reduzir a termos breves e precisos a parte essencial de um tema. Saber fazer um bom resumo é fundamental no percurso

Leia mais

INGLÊS cont. Código 367 abril 2015

INGLÊS cont. Código 367 abril 2015 Direção Regional de Educação do Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO - 150915 PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS cont. Código 367 abril 2015 11º Ano de escolaridade (Decreto Lei 139/

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

Uma análise apurada da redação feita pela estudante Bianca Peixoto Pinheiro Lucena no Enem 2011 aponta para um erro grave na atribuição da nota.

Uma análise apurada da redação feita pela estudante Bianca Peixoto Pinheiro Lucena no Enem 2011 aponta para um erro grave na atribuição da nota. Avaliação da redação Professor 1 Uma análise apurada da redação feita pela estudante Bianca Peixoto Pinheiro Lucena no Enem 2011 aponta para um erro grave na atribuição da nota. Para perceber isso, basta

Leia mais

AGRUPAMENTO ESCOLAS DE REDONDO Escola Básica e Secundária Dr. Hernâni Cidade. INGLÊS Abril de 2015 PROVA 06 2º Ciclo do Ensino Básico

AGRUPAMENTO ESCOLAS DE REDONDO Escola Básica e Secundária Dr. Hernâni Cidade. INGLÊS Abril de 2015 PROVA 06 2º Ciclo do Ensino Básico AGRUPAMENTO ESCOLAS DE REDONDO Escola Básica e Secundária Dr. Hernâni Cidade INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA (ORAL E ESCRITA) INGLÊS Abril de 2015 PROVA 06 2º Ciclo do Ensino Básico I. INTRODUÇÃO

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE ALMEIDA 1, Leonardo Rodrigues de SOUSA 2, Raniere Lima Menezes de PEREIRA

Leia mais

A GENÉTICA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES

A GENÉTICA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES A GENÉTICA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES Edson Klug Bartz (Acadêmico de Licenciatura em Ciências Biológicas Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense/IFSul Bolsista

Leia mais

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Prof. Juliana Pinto Viecheneski LIVRO DIDÁTICO ONTEM E HOJE A escola tem um papel fundamental para garantir o contato com livros desde a primeira infância:

Leia mais

MUDANÇA NO VESTIBULAR DA UDESC Florianópolis, agosto de 2011. Sandra Makowiecky PROEN Comissão Permanente do Vestibular da UDESC

MUDANÇA NO VESTIBULAR DA UDESC Florianópolis, agosto de 2011. Sandra Makowiecky PROEN Comissão Permanente do Vestibular da UDESC MUDANÇA NO VESTIBULAR DA UDESC Florianópolis, agosto de 2011 Sandra Makowiecky PROEN Comissão Permanente do Vestibular da UDESC As mudanças propostas para o concurso do Vestibular da UDESC, do Edital 2011/2,

Leia mais

O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE

O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE Nazaré do Socorro Moraes da Silva Universidade do Estado do Para/UEPA Secretaria Executiva de Educação/SEDUC nazaresocorro@hotmail.com Elise Cristina Pinheiro

Leia mais

Sumário. Parte I As exigências básicas das provas discursivas

Sumário. Parte I As exigências básicas das provas discursivas Sumário Prefácio à 2 a edição, revista e atualizada Apresentação XVII XXI Parte I As exigências básicas das provas discursivas Introdução 2 I. Itens mais gerais estipulados pelas bancas 2 II. Dois editais

Leia mais

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC TEXTO COMPLEMENTAR AULA 2 (15/08/2011) CURSO: Serviço Social DISCIPLINA: ORIENTAÇÕES DE TCC II - 8º Período - Turma 2008 PROFESSORA: Eva Ferreira de Carvalho Caro acadêmico, na Aula 2, você estudará Áreas

Leia mais

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização Juliana Ferreira Universidade Estadual Paulista UNESP- Araraquara E-mail: juliana.ferreiraae@gmail.com Silvio Henrique

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco REDAÇÃO AULA 5 Professora Sandra Franco DISSERTAÇÃO 1. Definição de Dissertação. 2. Roteiro para dissertação. 3. Partes da dissertação. 4. Prática. 5. Recomendações Gerais. 6. Leitura Complementar. 1.

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA Dayvyd Lavaniery Marques de Medeiros Professor do IFRN Mestrando do PPGEP

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Informações: Secretaria Acadêmica / Faculdade Iguaçu. Av. Botucaris, nº 1590. Telefone: (46) 3552-1464

MANUAL DO CANDIDATO. Informações: Secretaria Acadêmica / Faculdade Iguaçu. Av. Botucaris, nº 1590. Telefone: (46) 3552-1464 MANUAL DO CANDIDATO Informações: Secretaria Acadêmica / Faculdade Iguaçu Av. Botucaris, nº 1590 Telefone: (46) 3552-1464 E-mail: secretaria@faculdadeiguacu.edu.br Horário: 2ª à 6ª das 14h00 às 22h00 Capanema

Leia mais

VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA, ORALIDADE E LETRAMENTO EM UMA TURMA DE PRÉ-ESCOLAR (CRECHE), EM TERESINA.

VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA, ORALIDADE E LETRAMENTO EM UMA TURMA DE PRÉ-ESCOLAR (CRECHE), EM TERESINA. VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA, ORALIDADE E LETRAMENTO EM UMA TURMA DE PRÉ-ESCOLAR (CRECHE), EM TERESINA. Maria de Fátima Silva Araújo (bolsista do PIBIC/ UFPI), Catarina de Sena Sirqueira Mendes da Costa (Orientadora,

Leia mais

M a n u a l E n e m 2 0 1 5 P á g i n a 1. Manual do Enem 2015

M a n u a l E n e m 2 0 1 5 P á g i n a 1. Manual do Enem 2015 M a n u a l E n e m 2 0 1 5 P á g i n a 1 Manual do Enem 2015 Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), segundo o INEP, tinha o objetivo de avaliar o desempenho do aluno ao término da escolaridade

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula OFICINA SEMIPRESENCIAL O(S) USO(S) DE DOCUMENTO(S) DE ARQUIVO NA SALA DE AULA ALUNA: Alcinéia Emmerick de Almeida / Núcleo de Ação Educativa - APESP SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula TEMA:

Leia mais

PROVA DE REDAÇÃO NO VESTIBULAR DA UFSM 2014

PROVA DE REDAÇÃO NO VESTIBULAR DA UFSM 2014 1 PROVA DE REDAÇÃO NO VESTIBULAR DA UFSM 2014 Prova de redação na perspectiva de gênero textual Com o propósito de avaliar a proficiência dos candidatos na leitura e na escrita pelo uso da língua portuguesa

Leia mais

Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana.

Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana. Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana. 25.2 Conteúdo: Gênero dissertativo-argumentativo. Habilidade: Reconhecer a tese defendida em um texto. (D19) REVISÃO A REDAÇÃO DO ENEM 1 Domínio da

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

É possível utilizar os resultados da avaliação em larga escala para melhorar o desempenho dos alunos? Maria Inês Fini Out./2010

É possível utilizar os resultados da avaliação em larga escala para melhorar o desempenho dos alunos? Maria Inês Fini Out./2010 É possível utilizar os resultados da avaliação em larga escala para melhorar o desempenho dos alunos? Maria Inês Fini Out./2010 Em que contexto de gestão estão inseridos os usos de seus resultados? Nível

Leia mais