X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010"

Transcrição

1 USANDO SOFTWARE ÁRBOL NA CONSTRUÇÃO DE ÁRVORES DE POSSIBILIDADES PARA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS COMBINATÓRIOS 12 Martha Cornélio Ferraz Secretaria de Estado de Educação/PE Rute Elizabete de Souza Rosa Borba Universidade Federal de Pernambuco - UFPE Juliana Azevedo Resumo: O presente estudo objetiva analisar de que maneira o software educativo Árbol pode ajudar na compreensão do conhecimento combinatório através da construção de árvores de possibilidades. Para alcançar este objetivo, foram coletados e analisados dados com 19 alunos de uma escola particular da cidade do Recife, de 7º ano (6ª série), agrupados em duplas ou trios. Os alunos resolveram um teste com oito questões acerca do conhecimento combinatório e pelo menos um integrante de cada dupla ou trio foi entrevistado acerca das vantagens e desvantagens do software educativo Árbol na construção do conhecimento combinatório. Desta forma, foi possível destacar as qualidades e deficiências deste recurso, propondo sugestões que facilitem o acesso aos softwares educativos com a finalidade de incluir a tecnologia como fator favorável ao desenvolvimento do conhecimento combinatório. Palavras-chave: Conhecimento combinatório; Software educativo; Árbol; Árvores de possibilidades. INTRODUÇÃO A partir da proposta dos Parâmetros Curriculares Nacionais PCN (Brasil, 1997) de inclusão da Combinatória desde as séries iniciais, vislumbram-se mudanças significativas para o ensino e aprendizagem deste conteúdo. Ao acrescentar ao estudo dos Números e Operações, Espaço e Forma, Grandezas e Medidas, o bloco de conteúdos Tratamento da Informação, que integra estudos relativos a noções de Estatística, de Probabilidade e de Combinatória, envolvendo o princípio multiplicativo, oportuniza-se mais uma forma de pensar matematicamente. O estudo da Combinatória possibilita levar o aluno à organização e 1 Projeto parcialmente financiado pela FACEPE Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco (APQ /08) e CNPQ (476665/2009-4). 2 * As autoras deste trabalho fazem parte do Grupo de Estudos em Raciocínio Combinatório que é constituído por professora e alunas da graduação e do Programa de Pós-graduação em Educação Matemática e Tecnológica do Centro de Educação da Universidade Federal de Pernambuco, bem como por professoras da rede pública do Ensino de Pernambuco. 1

2 análise de dados, ao desenvolvimento da criatividade e à tomada de decisões, em contextos variados que favorecem o despertar do interesse/motivação. Com o desenvolvimento de novas tecnologias, ampliam-se as iniciativas e buscas de melhores resultados do ensino-aprendizagem de conteúdos matemáticos, no entanto, ainda são escassas as pesquisas que analisam softwares educativos com foco no raciocínio combinatório e sua contribuição para o desenvolvimento desse conhecimento pelo aluno. Leite, Pessoa, Ferraz e Borba (2009), analisaram os seguintes softwares educativos e objetos de aprendizagem: Arbol (Aguirre, 2005); ML Combiner (Less, 2001); Combinação (RIVED, 2008); Permutação (RIVED, 2008) e Arranjo (RIVED, 2008), que trabalham o raciocínio combinatório. Puderam constatar, em alguns destes recursos: a limitação às fórmulas ou a indução que o aluno se utilize rapidamente dessa estratégia; o foco em um único tipo de representação e tipo de problema; e o nome do recurso que já induz ao aluno o cálculo relacional a ser feito. Apesar das críticas levantadas, verificaram situações ricamente contextualizadas com possibilidades de despertar e manter o interesse do aluno. O software Árbol foi usado no estudo no estudo de Sandoval, Trigueros e Lozano (2007) e tem como proposta explorar o campo do raciocínio combinatório da Combinatória através de diagramas de árvore. Sua interface apresenta opções para criar uma árvore com elementos distintos ou iguais, permite usar exemplos já existentes na biblioteca do software e adicionar novas árvores à biblioteca. A opção que permite verificar os exemplos existentes tem uma apresentação gráfica composta por ferramentas que possibilitam ao usuário marcar e colorir os vários níveis, ampliar ou reduzir um nível específico e navegar pelos vários níveis da árvore. Com a vantagem de, sem usar fórmulas, e sem se restringir a apenas um dos significados da Combinatória, este software permite que o usuário construa, para todos os significados da Combinatória, árvores de possibilidades. Neste trabalho analisou-se o aspecto didático-pedagógico do software Árbol, procurando identificar suas contribuições e limites para o desenvolvimento do pensamento combinatório de alunos do Ensino Fundamental. Na Teoria dos Campos Conceituais, proposta por Gérard Vergnaud, enfatizam-se três dimensões de conceitos: 1) Situações (S) que dão significado ao conceito, 2) Invariantes (I) propriedades e relações que compõem o conceito e 3) Representações (R) utilizadas para representar simbolicamente o conceito. Vergnaud considera que as representações consistem de todos os símbolos lingüísticos, gráficos ou gestuais que podem ser usados para representar as propriedades invariantes dos conceitos e as situações que dão significado aos 2

3 mesmos, sendo as mesmas um dos aspectos básicos na compreensão dos conceitos matemáticos. Considerando a relevância da Combinatória e o papel das representações simbólicas na compreensão matemática, o presente estudo analisou como árvores de possibilidades podem auxiliar na compreensão de problemas combinatórios. Em particular, foi observada a construção de árvores por meio do software Árbol e comparado com construções em lápis e papel. REVISÃO DA LITERATURA Batanero, Godino e Navarro-Pelayo (1996) colocam a dificuldade de se definir a Combinatória e resumir em poucas linhas seus numerosos campos de aplicação. No entanto, ressaltam a descrição das características e importância deste conteúdo, oferecida por James Bernoulli, como a arte de enumerar todas as maneiras possíveis em que um determinado número de objetos pode ser misturado e combinado, de forma a ter a certeza de não perder qualquer resultado possível. Estes mesmos autores enfatizam a capacidade combinatória como um componente fundamental do pensamento formal, além de ser importante no desenvolvimento da idéia de probabilidade. Esta afirmação se relaciona com o que Inhelder e Piaget (1955) defendem quanto ao desenvolvimento do pensamento formal. O estudo de Fischbein (1975) confronta os resultados de Inhelder e Piaget (1955). Fischbein defende que a capacidade de resolução de problemas de combinatória não poderá ser alcançada sem o ensino formal. Fischbein, Pampu e Minzat (1970) estudaram o efeito de instruções específicas sobre a capacidade combinatória. Os resultados apontam que crianças de 10 anos são capazes de aprender idéias combinatórias com a ajuda do diagrama de árvore. Assim, o desenvolvimento do raciocínio combinatório pode iniciar-se cedo e tem forte influência do ensino formal e das representações utilizadas na resolução das situações. Pessoa (2009) cita Guirado e Cardoso (2007) que defendem a importância de permitir ao aluno, num primeiro momento de aprendizado da Combinatória, descrever todos os casos possíveis, para posteriormente contá-los. Desta forma, tomarão os primeiros contatos, mesmo que intuitivos, com raciocínios combinatórios e observarão que, na maioria dos casos, a contagem direta é impraticável. Eles afirmam, ainda, que a resolução de um problema de Análise Combinatória, sem o compromisso inicial de utilização de fórmulas, promove o pensar, de forma criativa e crítica. 3

4 A literatura aponta, assim, que há diversos aspectos do ensino da Combinatória a serem considerados, tais como, a importância do raciocínio combinatório no desenvolvimento matemático e o papel de ensino formal, que deve possibilitar o uso de estratégias informais e formais na resolução de situações combinatórias, baseadas sempre na compreensão das situações por parte dos alunos. MÉTODO Este trabalho foi realizado com 19 alunos de 7º ano (6ª série) de uma escola particular do Recife, agrupados em trios e duplas, utilizando nove computadores, com duração de aproximadamente 100 minutos (duas aulas). Inicialmente foi apresentado o software Arbol (apenas quatro dos alunos já conheciam este software), salientando que o mesmo nos fornece todas as possibilidades, sejam elas válidas ou não. Os alunos precisavam observar bem os resultados e destacar, colorindo ou não, o que era de interesse na solução do problema. Cada aluno recebeu uma ficha contendo oito problemas com os quatro significados da Combinatória (dois de cada tipo: produto cartesiano, combinação, arranjo e permutação). Cada problema possuía dois itens (a) e (b) que envolviam números que levavam a menor (a) e a maior (b) número de possibilidades na solução. O item (a) deveria ser solucionado com o auxílio do software Árbol e o item (b) o aluno escolhia a sua estratégia de resolução. Apresentamos, a seguir, as soluções das quatro primeiras questões, com o uso do Árbol. 1) Anna perguntou para Bia com que roupa ela iria à festa da Escola. Bia respondeu que ainda não sabia, pois tinha separado 4 blusas de cores diferentes: amarela, branca, vermelha e preta; 3 saias: uma jeans, uma de flores e uma estampada, e ainda 2 calças: uma preta e outra branca. Ela já decidiu que não vai de calça. a) De quantas maneiras diferentes Bia pode se vestir? (PRODUTO CARTESIANO) 2) Arthur, Matheus, Pedro e Lucas disputam um torneio de pingue-pongue. Cada um enfrenta os demais apenas uma vez. a) Quantas são as partidas desse torneio? (COMBINAÇÃO) 3) Quantas palavras diferentes (com ou sem sentido) poderei formar usando todas as letras: a) da palavra LUA? (PERMUTAÇÃO) 4

5 4) Com os algarismos 1, 2, 3, 4, 5 e 6. a) Quantos números de dois algarismos podem ser formados? (ARRANJO COM REPETIÇÃO) Na aula seguinte, após quatro dias do uso do software e sem discutir a experiência vivenciada, foi aplicado um teste escrito individual, envolvendo os conteúdos trabalhados até então na turma: percepção de padrões numéricos, critérios de divisibilidade e problemas de combinatória (estes correspondentes às questões 6 a 10, analisadas a partir dos resultados expostos na Tabela 2). APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS: A Tabela 1 indica os desempenhos dos alunos nas diferentes questões, que variavam em tipos de problemas de Combinatória, em contextos e em ordem de grandeza do número de possibilidades. Estes resultados referem-se a soluções coletivas com o uso do Arbol (nos itens a) e lápis e papel (nos itens b). QUESTÕES Tabela 1. Percentuais de acerto dos alunos por questão ao usarem coletivamente o software e lápis e papel. SIGNIFICADOS DA ITENS a b a b a b a b a b a b a b a b Nº DE COMBINATÓRIA POSSIBILIDADES DA SOLUÇÃO CONTEXTO PRODUTO CARTESIANO VESTUÁRIO PARES P/ DANÇA COMBINAÇÃO PERMUTAÇÃO ARRANJO 1ª 5ª 2ª 6ª 3ª 8ª TORNEIO PING-PONG APERTO DE SEMIFINAIS FUTEBOL % de ACERTOS MÃOS ANAGRAMA SENHA C/ NÚMEROS 4ª 7ª MATEMÁTICO Observa-se que todos os alunos acertaram o primeiro problema de produto cartesiano(pc) - com menor (12) e maior (45) número de possibilidades - possivelmente por ser o problema combinatório mais trabalhado em sala de aula e no qual o produto é facilmente identificado como procedimento adequado. O contexto de conjuntos de blusas e saias também 5

6 é muito familiar. No segundo problema de PC em contexto de pares que dançam juntos observou-se um desempenho inferior, mas ainda superior a 70%. No primeiro problema de combinação observa-se um elevado número de acertos quando o número de possibilidades é mais baixo (item a), mas apenas um pouco mais da metade dos alunos chegou à solução correta no item b. Apenas uma dupla não identificou a impossibilidade de considerar casos iguais, apresentando como resposta numérica 90. Nos problemas de permutação há um relativo bom desempenho quando há poucas possibilidades a serem listadas (no caso das letras da palavra LUA), mas o desempenho cai drasticamente quando o número de possibilidades aumenta. No problema da senha com números o desempenho é muito fraco, tanto no caso de menor quanto de maior número de possibilidades possivelmente devido ao tempo que os alunos julgaram insuficiente para resolver todas as questões. Nos problemas de arranjo os desempenhos foram os mais fracos. Uma possível explicação é a dificuldade em listar todas as possibilidades, uma vez que neste tipo de problema combinatório, a partir de um conjunto maior, deve-se selecionar um número menor de elementos, devendo-se atentar que a ordem na qual estes elementos são dispostos geram possibilidades distintas. Verificou-se que o uso do software para os itens a, não foi suficiente, ao menos nesse momento, para auxiliar os alunos na generalização necessária para o item b. A Tabela 2 indica os desempenhos dos alunos ao resolverem individualmente problemas com uso de lápis e papel. Nesta tabela ressaltam-se os acertos parciais, pois embora alguns alunos não tenham chegado à solução final correta, estes indicaram que compreenderam as relações envolvidas, mas não conseguiram esgotar todas as possibilidades. Tabela 2. Percentuais de acerto dos alunos por questão ao usarem individualmente lápis e papel. 6

7 SIGNIFICADOS DA PRODUTO COMBINAÇÃO ARRANJO ARRANJO PERMUTAÇÃO COMBINATÓRIA QUESTÕES CARTESIANO ITENS Nº DE a b POSSIBILIDADES DA SOLUÇÃO CONTEXTO TIPO DE ACERTO SANDUICHE TORNEIO PING- PONG ANAGRAMA "AMOR" A Ap A Ap A Ap A Ap A Ap A Ap PERCENTUAL A - ACERTO; resposta correta explicitando a estratégia. SEMIFINAIS FUTEBOL PLACAS Ap - ACERTO PARCIAL; resposta incompleta - sem esgotar as possibilidades - usando uma estratégia sistemática. Observa-se, novamente, que quase todos os alunos acertaram o problema de produto cartesiano, constatando o que pesquisas anteriores apontam (Pessoa, 2009) que há grande percentual de acertos em produtos cartesianos, por ser o problema combinatório mais trabalhado nas séries iniciais. Os acertos sem esgotamento das possibilidades ocorreram por desconhecimento de tipo de pão, ou esquecer-se de algum dos recheios (como a solução apresentada na Figura 1). No entanto, estes alunos explicitaram estratégias (tabela ou árvore) que comprovam sistematização nas resoluções. Figura 1. Solução incompleta para um problema de produto cartesiano. No problema de combinação, único a ter itens a (como a solução evidenciada na Figura 2) e b (soluções evidenciadas nas Figuras 3 e 4), ainda observa-se um elevado número de acertos (90%) quando o número de possibilidades era mais baixo e cerca de 70% dos alunos acertaram ou se aproximaram da resposta quando havia mais possibilidades. Figura 2. Solução correta para um problema de combinação. Na solução destas questões, alguns alunos usaram árvores de possibilidades, enquanto outros optaram pelo Padrão de Gauss (Imenes, 2007). 7

8 Figura 3. Solução correta de problema de combinação. Figura 4 - Padrão de Gauss em solução de problema de combinação. Nos problemas de arranjo, o percentual de acertos é baixo, mas mesmo aqueles alunos que não esgotam as possibilidades (como a solução da Figura 5), demonstram compreensão e organização sistemática de estratégias, além de apresentarem diferentes representações simbólicas em suas soluções (como as evidenciadas nas Figuras 6 e 7). Figura 5 - Solução incompleta para um problema de arranjo. Figura 6 - Solução completa para um problema de Figura 7 Solução completa para um problema de arranjo. arranjo. A Questão 9, um problema de Arranjo com repetição não usado com o Arbol, mas trabalhado em sala de aula mesmo com um número muito alto de possibilidades na sua solução, os alunos demonstram um bom desempenho 79% dos alunos acertaram a questão (como evidenciado na Figura 8) ou evidenciaram compreendê-la, mas não conseguiram chegar ao resultado final correto. 8

9 Figura 8 - Acerto num problema de arranjo com repetição com grande número de possibilidades. No problema de permutação, neste caso com as letras (AMOR), percebe-se maior sistematização, chegando a generalizar (como o caso da Figura 9). Figura 9 - Solução completa para um problema de permutação. A partir desse desempenho dos alunos, fica a pergunta: as modificações na compreensão dos problemas se devem ao uso do software ou à exploração de diferentes representações? Nesse sentido, continuaremos nossas pesquisas, vez que ainda não temos resposta para estas indagações. A seguir, apresentamos trechos de algumas entrevistas realizadas com alunos, nas quais E é a fala do examinador e A refere-se ao que foi ditos pelos alunos. Aluno 3: E Você prefere resolver esses problemas como? A3 Depende do problema. Porque tem um que não posso fazer 4x4 porque não posso repetir ele com ele mesmo. Agora tem outro que pode repetir. E Ahh... E nesse caso aqui você tá dizendo que não pode fazer uma multiplicação? A3 É! E E pode fazer o que? Qual alternativa? Aluno 4: E De quê tratam esses problemas? A4 De maneiras de relacionar as coisas... Sei não... Eles dão uma coisa, aí a gente tem que armar alguma coisa, uma tabela ou uma árvore de possibilidades, para poder encontrar a resolução de uma coisa que tá pedindo. E Você acha que o software ajudou em alguma questão? A4 Em algumas questões, porque tinha algumas coisas que a gente botava e... um exemplo: botava é...alemanha, Argentina, Japão, Inglaterra e Espanha, aí ficava Japão e Japão e tipo, no nosso papel a gente sabe que os dois não podem ficar juntos e no software ele fazia isso. E E o software facilita ou dificulta? A4 Depende da questão. Quando são questões que podem usar elementos iguais, com números que podem repetir aí eu prefiro o software. Mas questões como a do futebol dificulta porque a pessoa tem que ir lá e pegar o vermelho e botar pra excluir um, e ainda tem que botar para ver quais estão corretos. Em problemas que têm que descobrir de quantas maneiras pode fazer, o Árbol dificulta. Aluno 5: 9

10 E Você prefere resolver esses problemas como? A5 Tanto faz... Tem uns que é bom fazer no papel e tem outros que é bom fazer no Árbol porque tem uns que são complicados e tal e muito trabalhoso. E Você acha que construir a árvore de possibilidades ajuda na resolução? A5 Ajuda. Fica mais prático. E Você prefere fazer no Árbol ou com o lápis e papel? A5 Com o lápis e papel, mas alguns (problemas) prefiro no Árbol. E No que o Árbol ajuda? A5 Ajuda porque já tem tudo certinho. Não fica tudo apertado como no papel. Mas no Árbol é complicado fazer a questão da LUA. Aluno 8: E Qual a maneira que você gosta de resolver esses problemas de possibilidades? A8 Gosto de fazer árvores, mas o Árbol é mais complicado. A pessoa dispersa com o Árbol. Fica dependendo de uma norma que com as possibilidades você demora mais ainda para fazer com o Árbol do que sem. E Você prefere, então com o lápis e papel do que com o Árbol? A8 Prefiro. E Para todo tipo de problema? A8 Para todo o tipo de problema até porque dispersa. E Você acha que atrapalha mais do que ajuda? A8 Tipo... Pode ajudar em alguma coisa, mas para mim eu acho que não ajuda muito não. CONCLUSÃO Através das entrevistas realizadas com 60% dos alunos (11 dos 19 alunos que responderam a ficha de questões), foi possível perceber que o Árbol possui vantagens e desvantagens no que tange à resolução dos problemas de raciocínio combinatório. A vantagem citada pelo Aluno 4 diz respeito à facilidade que o Árbol proporciona às questões quando é permitido repetir os algarismos, pois o software resolve o problema de maneira satisfatória Também é evidenciada a forma prática e organizada com que pode-se resolver as questões através do Árbol. Quanto às desvantagens, notam-se vários motivos que fazem com que os alunos optem por realizar a atividade no papel, tais como: a impossibilidade de ver todas as possibilidades tela, dependendo do nº de ramos, não possibilita ver todos os casos ao mesmo tempo; o idioma pois todos os comandos estão em espanhol, a dispersão gerada pelo computador, não é apresentado nenhum tipo de feedback; a necessidade de enumerar todos os casos para depois ressaltar os casos válidos. Diante do exposto, conclui-se que o software educativo Árbol apesar de suas vantagens, apresenta certas limitações que causam dificuldades para a aprendizagem do aluno. Se o professor estiver atento a estas restrições, é possível desenvolver um bom trabalho em sala, mas ainda continuaremos nossas investigações, de modo a observar se a construção de árvores no lápis e papel, não é uma alternativa tão boa ou melhor que o uso deste software. 10

11 REFERÊNCIAS BATANERO, Carmen; GODINO, Juan & NAVARRO-PELAYO, Virginia. Razonamiento Combinatorio. Madrid: Editorial Síntesis, S.A., BRASIL, MEC. Parâmetros Curriculares Nacionais. Matemática. 3º e 4º ciclos. Secretaria de Ensino Fundamental, Brasília, IMENES, Luiz Márcio; LELLIS, Marcelo. Matemática para todos, 7º ano (6ª série). p.70. São Paulo: Scipione, LEITE, M., PESSOA, C., FERRAZ, M. e BORBA, R. Softwares educativos e objetos de aprendizagem: um olhar sobre a análise combinatória. Anais do X Encontro Gaúcho de Educação Matemática. Ijuí, PESSOA, Cristiane. Quem dança com quem: o desenvolvimento do raciocínio combinatório do 2º ano do ensino fundamental ao 3º ano do ensino médio. Tese de Doutoramento, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, RIVED. Rede Interativa Virtual de Educação. SEED/MEC. Objetos de Aprendizagem Combinação, Permutação, Arranjo. Disponível em: Acesso: jun SANDOVAL, Ivone; TRIGUEIROS, Maria & LOZANO, Dolores. Uso de un interactivo para el aprendizaje de algunas ideas sobre combinatoria en primaria. In: Anais do XII Comitê Interamericano de Educação Matemática, Querétaro, México, VERGNAUD, Gérard. El niño, las matemáticas y la realidad - Problemas de la enseñanza de las matemáticas en la escuela primaria. Mexico: Trillas,

PRINCÍPIO FUNDAMENTAL DA CONTAGEM: ESTUDANTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA RESOLVENDO PROBLEMAS COMBINATÓRIOS

PRINCÍPIO FUNDAMENTAL DA CONTAGEM: ESTUDANTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA RESOLVENDO PROBLEMAS COMBINATÓRIOS PRINCÍPIO FUNDAMENTAL DA CONTAGEM: ESTUDANTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA RESOLVENDO PROBLEMAS COMBINATÓRIOS Juliana Azevedo Universidade Federal de Pernambuco azevedo.juliana1987@gmail.com Adryanne

Leia mais

VAMOS COMBINAR, ARRANJAR E PERMUTAR: APRENDENDO COMBINATÓRIA DESDE OS ANOS INICIAIS DE ESCOLARIZAÇÃO

VAMOS COMBINAR, ARRANJAR E PERMUTAR: APRENDENDO COMBINATÓRIA DESDE OS ANOS INICIAIS DE ESCOLARIZAÇÃO VAMOS COMBINAR, ARRANJAR E PERMUTAR: APRENDENDO COMBINATÓRIA DESDE OS ANOS INICIAIS DE ESCOLARIZAÇÃO Rute Elizabete de Souza Rosa Borba 1 Universidade Federal de Pernambuco resrborba@gmail.com Resumo:

Leia mais

Problemas de Arranjo Condicional e os Princípios Aditivo e Multiplicativo: o que sabem os alunos e como eles aprendem?

Problemas de Arranjo Condicional e os Princípios Aditivo e Multiplicativo: o que sabem os alunos e como eles aprendem? Problemas de Arranjo Condicional e os Princípios Aditivo e Multiplicativo: o que sabem os alunos e como eles aprendem? Juliana Azevedo 1 GD2 Educação Matemática nos anos finais do Ensino Fundamental Este

Leia mais

SOFTWARES EDUCATIVOS E OBJETOS DE APRENDIZAGEM: UM OLHAR SOBRE A ANÁLISE COMBINATÓRIA

SOFTWARES EDUCATIVOS E OBJETOS DE APRENDIZAGEM: UM OLHAR SOBRE A ANÁLISE COMBINATÓRIA SOFTWARES EDUCATIVOS E OBJETOS DE APRENDIZAGEM: UM OLHAR SOBRE A ANÁLISE COMBINATÓRIA GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Ms. Maici Duarte Leite UFPE maicileite@yahoo.com.br

Leia mais

O Uso de Árvores de Possibilidades Com e Sem Recurso Tecnológico No Ensino da Combinatória Com Alunos dos Anos Iniciais de Escolarização

O Uso de Árvores de Possibilidades Com e Sem Recurso Tecnológico No Ensino da Combinatória Com Alunos dos Anos Iniciais de Escolarização O Uso de Árvores de Possibilidades Com e Sem Recurso Tecnológico No Ensino da Combinatória Com Alunos dos Anos Iniciais de Escolarização RESUMO Juliana Azevedo. 1 Rute Elizabete de Souza Rosa Borba 2 O

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA ANÁLISE COMBINATÓRIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: UMA PROPOSTA DE ENSINO A PARTIR

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 4ª Série Informática Industrial CST em Mecatrônica Industrial A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES Marcos Aurélio Alves e Silva- UFPE/CAA Alcicleide Ramos da Silva- UFPE/CAA Jucélia Silva Santana- UFPE/CAA Edelweis José Tavares Barbosa- UFPE/CAA

Leia mais

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS Lucas Gabriel Seibert Universidade Luterana do Brasil lucasseibert@hotmail.com Roberto Luis Tavares Bittencourt Universidade Luterana do Brasil rbittencourt@pop.com.br

Leia mais

Aprendizagem da Análise Combinatória nas séries iniciais do Ensino Fundamental

Aprendizagem da Análise Combinatória nas séries iniciais do Ensino Fundamental Aprendizagem da Análise Combinatória nas séries iniciais do Ensino Fundamental Ana Lydia Perrone 1 Sergio Minoru Oikawa 2 Fernando Antônio Moala 2 RESUMO Este estudo fez parte do projeto de pesquisa desenvolvido

Leia mais

Crianças de Educação Infantil resolvendo problemas de arranjo

Crianças de Educação Infantil resolvendo problemas de arranjo Patricia Carvalho Matias Universidade Federal de Pernambuco Brasil paty.cmatias@gmail.com Missilane Michelle de Sousa Santos Universidade Federal de Pernambuco Brasil nanechelly1@gmail.com Cristiane Azevêdo

Leia mais

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DO CAMPO ADITIVO: UM ESTUDO SOBRE DADOS QUANTITATIVOS DE UMA PESQUISA

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DO CAMPO ADITIVO: UM ESTUDO SOBRE DADOS QUANTITATIVOS DE UMA PESQUISA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DO CAMPO ADITIVO: UM ESTUDO SOBRE DADOS QUANTITATIVOS DE UMA PESQUISA José Fernando Fernandes Pereira Universidade Cruzeiro do Sul jnandopereira@gmail.com Resumo: O presente texto

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

Beatriz Santomauro (bsantomauro@fvc.org.br) === PARTE 1 ==== Clique para ampliar

Beatriz Santomauro (bsantomauro@fvc.org.br) === PARTE 1 ==== Clique para ampliar Um novo jeito de ensinar a tabuada Discutir com os alunos sobre a relação dos produtos da multiplicação e as propriedades envolvidas nos cálculos ajuda a memorizar os resultados e a encontrar os que eles

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores dos 1º e 2º Ciclos do Ensino Básico 2009-2010. Tarefa: As roupas do Tomás

Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores dos 1º e 2º Ciclos do Ensino Básico 2009-2010. Tarefa: As roupas do Tomás Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores dos 1º e 2º Ciclos do Ensino Básico 2009-2010 Tarefa: As roupas do Tomás ESE/IPS 8 de Julho de 2010 Enquadramento Curricular: Tema: Números

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MARIA MAZUR

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MARIA MAZUR UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MARIA MAZUR A INFORMÁTICA E A MÍDIA IMPRESSA: COMO ELAS PODEM Prudentópolis 2013 MARIA MAZUR A INFORMÁTICA

Leia mais

A PROBABILIDADE DE APRENDER

A PROBABILIDADE DE APRENDER A PROBABILIDADE DE APRENDER Cristiane Toniolo Dias cristonidias@gmail.com Erika Gomes Hagenbeck Santos erikahagenbeck@hotmail.com Mayara Laysa de Oliveira Silva laysamay@hotmail.com Nilson Barros Santos

Leia mais

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO Introdução Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) o conteúdo Tratamento da Informação, deve ser trabalhado de modo que estimule os alunos a fazer perguntas,

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas DOMÍNIO E IMAGEM DE UMA FUNÇÃO: UMA ABORDAGEM POR MEIO DO JOGO BINGO DAS FUNÇÕES Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio (EMAIEFEM) GT 10 ADELSON CARLOS MADRUGA Universidade

Leia mais

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Luna Abrano Bocchi Laís Oliveira O estudante autônomo é aquele que sabe em que direção deve avançar, que tem ou está em

Leia mais

ATIVIDADES COM MATERIAIS CONCRETOS PARA O ENSINO DAS OPERAÇÕES ARITMÉTICAS

ATIVIDADES COM MATERIAIS CONCRETOS PARA O ENSINO DAS OPERAÇÕES ARITMÉTICAS ATIVIDADES COM MATERIAIS CONCRETOS PARA O ENSINO DAS OPERAÇÕES ARITMÉTICAS Maria da Conceição Alves Bezerra mcabst@hotmail.com Universidade Federal da Paraíba UFPB VIRTUAL RESUMO: Este minicurso tem como

Leia mais

O USO DO COMPUTADOR (GEOGEBRA) E DO LOGOTIPO DO MC DONALD S NO ESTUDO DA FUNÇÃO DO 2º GRAU

O USO DO COMPUTADOR (GEOGEBRA) E DO LOGOTIPO DO MC DONALD S NO ESTUDO DA FUNÇÃO DO 2º GRAU O USO DO COMPUTADOR (GEOGEBRA) E DO LOGOTIPO DO MC DONALD S NO ESTUDO DA FUNÇÃO DO 2º GRAU Elda Vieira Tramm/UFBa/EMFoco Jussara G. Araújo Cunha/SEC/Ba/EMFoco Nosso Desafio Construir o m do Mc Donald s

Leia mais

Atividades Experimentais de Análise Combinatória no Ensino Médio em uma Escola Estadual.

Atividades Experimentais de Análise Combinatória no Ensino Médio em uma Escola Estadual. Atividades Experimentais de Análise Combinatória no Ensino Médio em uma Escola Estadual. Cristiane Maria Roque Vazquez 1 Pedro Luiz Ap. Malagutti 2 Resumo O presente trabalho é parte de uma pesquisa que

Leia mais

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS Educação Matemática na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental (EMEIAIEF) GT 09 RESUMO

Leia mais

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Fabiano Fialho Lôbo Universidade Federal de Pernambuco fabiano_lobo@yahoo.com.br Luciana Rufino de Alcântara Universidade

Leia mais

A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA As Fronteiras do Espaço

A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA As Fronteiras do Espaço A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA As Fronteiras do Espaço Resumo O interesse do Homem pelo espaço em que vive é coisa muito antiga. Ao longo de muitos séculos, o Homem vem tentando conhecer e representar as diferentes

Leia mais

O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE

O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE Nazaré do Socorro Moraes da Silva Universidade do Estado do Para/UEPA Secretaria Executiva de Educação/SEDUC nazaresocorro@hotmail.com Elise Cristina Pinheiro

Leia mais

O TRABALHO COM OS FATOS FUNDAMENTAIS MULTIPLICATIVOS

O TRABALHO COM OS FATOS FUNDAMENTAIS MULTIPLICATIVOS 1 O TRABALHO COM OS FATOS FUNDAMENTAIS MULTIPLICATIVOS Cláudia Queiroz Miranda Secretaria de Educação do Distrito Federal webclaudia33@gmail.com Verônica Larrat Secretaria de Educação do Distrito Federal

Leia mais

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS Dr. André Ricardo Magalhães andrerm@gmail.com Universidade do Estado da Bahia Brasil Modalidade: Comunicação Breve Nível

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

Compreensão de escalas representadas em gráficos por alunos adultos pouco escolarizados

Compreensão de escalas representadas em gráficos por alunos adultos pouco escolarizados Compreensão de escalas representadas em gráficos por alunos adultos pouco escolarizados Bezerra, Lucicleide 1; Guimarães, Gilda 2 UFPE Resumo Este estudo investigou a compreensão de alunos da Educação

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO.

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO. A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO. Alessandra Ramos Barbosa Joseane Ataíde de Jesus RESUMO Reconstruir o aprender requer mudanças

Leia mais

O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Adelson Carlos Madruga Universidade Federal da Paraíba adelsoncarlos1992@hotmail.com Elizangela Mario da Silva Universidade Federal

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA LUCIENE MARIA DA SILVA OLIVEIRA NÚMEROS INTEIROS UMA NOVA MANEIRA DE CONSTRUIR CONCEITOS OPERATÓRIOS

ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA LUCIENE MARIA DA SILVA OLIVEIRA NÚMEROS INTEIROS UMA NOVA MANEIRA DE CONSTRUIR CONCEITOS OPERATÓRIOS ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA LUCIENE MARIA DA SILVA OLIVEIRA NÚMEROS INTEIROS UMA NOVA MANEIRA DE CONSTRUIR CONCEITOS OPERATÓRIOS NOVA ANDRADINA/MS MARÇO 2010 ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO

Leia mais

I SILE-Seminário Integrado de Letras Espanhol a Distância /UFSC

I SILE-Seminário Integrado de Letras Espanhol a Distância /UFSC A história da construção do conhecimento pessoal é a história da vida de cada um de nós, pois construímos esse conhecimento de uma maneira específica e individual. A teoria a respeito dos Mapas Conceituais

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA GT 01 - Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais Maria Gorete Nascimento Brum - UNIFRA- mgnb@ibest.com.br

Leia mais

UTILIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS.

UTILIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS. MINISTERIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UTILIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS. Elaine Cristina Dias Calaça

Leia mais

OS BLOCOS LÓGICOS E O DESENVOLVIMENTO DO RACIOCÍNIO COMBINATÓRIO Paulo Jorge Magalhães Teixeira IME UFF, Colégio Pedro II pjuff@yahoo.com.

OS BLOCOS LÓGICOS E O DESENVOLVIMENTO DO RACIOCÍNIO COMBINATÓRIO Paulo Jorge Magalhães Teixeira IME UFF, Colégio Pedro II pjuff@yahoo.com. OS BLOCOS LÓGICOS E O DESENVOLVIMENTO DO RACIOCÍNIO COMBINATÓRIO Paulo Jorge Magalhães Teixeira IME UFF, Colégio Pedro II pjuff@yahoo.com.br Resumo: Este trabalho apresenta o resultado de reflexões acerca

Leia mais

COMPREENDENDO PROBLEMAS DE DIVISÃO DENTRO E FORA DE UM TEXTO INFORMATIVO

COMPREENDENDO PROBLEMAS DE DIVISÃO DENTRO E FORA DE UM TEXTO INFORMATIVO COMPREENDENDO PROBLEMAS DE DIVISÃO DENTRO E FORA DE UM TEXTO INFORMATIVO Karoline Maciel Sobreira Síntria Labres Lautert Marina Ferreira da Silva Costa Fernanda Augusta Lima das Chagas Universidade Federal

Leia mais

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO André Luís Mattedi Dias mattedi@uefs.br Jamerson dos Santos Pereira pereirajamerson@hotmail.com Jany Santos Souza Goulart janymsdesenho@yahoo.com.br

Leia mais

9. A realidade da inclusão

9. A realidade da inclusão 9. A realidade da inclusão A filosofia da inclusão ainda está muito aquém de ser posta em prática da forma como realmente se espera. Para que se tenha uma escola para todos, temos que conceber professores

Leia mais

ATIVIDADES SOBRE GRÁFICOS EM LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL

ATIVIDADES SOBRE GRÁFICOS EM LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 ATIVIDADES SOBRE GRÁFICOS EM LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL Marcos Diego de Menezes 1 Liliane M. T. Lima de Carvalho 2 RESUMO O artigo apresenta pesquisa que identifica e caracteriza

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Educación Estocástica La enseñanza y aprendizaje de la probabilidad y la estadística

Educación Estocástica La enseñanza y aprendizaje de la probabilidad y la estadística PROYECTOS DE APRENDIZAJE EN LA ENSEÑANZA DE LA ESTADÍSTICA Mauren Porciúncula y Suzi Pinto Universidade Federal do Rio Grande (Brasil) mauren@furg.br, suzisama@furg.br Para que el aprendizaje ocurra, es

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA, DESPERDÍCIO E ESCASSEZ DE ÁGUA 1

MODELAGEM MATEMÁTICA, DESPERDÍCIO E ESCASSEZ DE ÁGUA 1 MODELAGEM MATEMÁTICA, DESPERDÍCIO E ESCASSEZ DE ÁGUA 1 Resumo Willian Fuzinato Perez, willianthebest@gmail.com Faculdade de Ciências e Letras de Campo Mourão FECILCAM Wellington Hermann 2, eitohermann@gmail.com

Leia mais

O USO DE MATERIAIS CONCRETOS PARA O ENSINO/APRENDIZAGEM DAS OPERAÇÕES ARITMÉTICAS. Maria da Conceição Alves Bezerra mcabst@hotmail.

O USO DE MATERIAIS CONCRETOS PARA O ENSINO/APRENDIZAGEM DAS OPERAÇÕES ARITMÉTICAS. Maria da Conceição Alves Bezerra mcabst@hotmail. O USO DE MATERIAIS CONCRETOS PARA O ENSINO/APRENDIZAGEM DAS OPERAÇÕES ARITMÉTICAS Maria da Conceição Alves Bezerra mcabst@hotmail.com RESUMO: A pesquisa aqui desenvolvida tem como objetivo propiciar elementos

Leia mais

TRANSFORMAÇÕES LINEARES NO PLANO E O SOFTWARE GEOGEBRA

TRANSFORMAÇÕES LINEARES NO PLANO E O SOFTWARE GEOGEBRA TRANSFORMAÇÕES LINEARES NO PLANO E O SOFTWARE GEOGEBRA Débora Dalmolin Universidade Federal de Santa Maria debydalmolin@gmail.com Lauren Bonaldo Universidade Federal de Santa Maria laurenmbonaldo@hotmail.com

Leia mais

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO CAMPO CONCEITUAL MULTIPLICATIVO. Palavras-chave: Campo conceitual, Resolução de Problemas, Campo Multiplicativo (divisão).

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO CAMPO CONCEITUAL MULTIPLICATIVO. Palavras-chave: Campo conceitual, Resolução de Problemas, Campo Multiplicativo (divisão). RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO CAMPO CONCEITUAL MULTIPLICATIVO Rosemeire Roberta de Lima (UFAL) rose.ufal@yahoo.com.br RESUMO Trata-se de estudo bibliográfico para discutir a Teoria dos Campos Conceituais de

Leia mais

UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ

UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ ISSN 2316-7785 UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ Marinela da Silveira Boemo Universidade Federal de Santa Maria marinelasboemo@hotmail.com Carmen Reisdoerfer Universidade

Leia mais

Técnicas e Instrumentos Utilizados na Pesquisa Científica Cavalcanti

Técnicas e Instrumentos Utilizados na Pesquisa Científica Cavalcanti Técnicas e Instrumentos Utilizados na Pesquisa Científica Técnicas de Pesquisa Técnica: Conjunto de preceitos ou processos de que se serve uma ciência. Toda ciência utiliza inúmeras técnicas na obtenção

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA

MODELAGEM MATEMÁTICA 600 MODELAGEM MATEMÁTICA *Carla da Silva Santos **Marlene Menegazzi RESUMO Este artigo retrata através de seus dados históricos, métodos e exemplo prático uma metodologia alternativa de ensino nos levando

Leia mais

ANÁLISE DE TAREFAS MATEMÁTICAS DOS ALUNOS DO 4 o ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I

ANÁLISE DE TAREFAS MATEMÁTICAS DOS ALUNOS DO 4 o ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I ANÁLISE DE TAREFAS MATEMÁTICAS DOS ALUNOS DO 4 o ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I Diego Barboza Prestes 1 Universidade Estadual de Londrina diego_led@hotmail.com Tallys Yuri de Almeida Kanno 2 Universidade

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

História e ensino da tabela periódica através de jogo educativo

História e ensino da tabela periódica através de jogo educativo História e ensino da tabela periódica através de jogo educativo Caroline Gomes Romano e-mail: carolgromano@hotmail.com Ana Letícia Carvalho e-mail: anale.carvalho03@gmail.com Isabella Domingues Mattano

Leia mais

A EXPLORAÇÃO DE SITUAÇÕES -PROBLEMA NA INTRODUÇÃO DO ESTUDO DE FRAÇÕES. GT 01 - Educação Matemática nos Anos Iniciais e Ensino Fundamental

A EXPLORAÇÃO DE SITUAÇÕES -PROBLEMA NA INTRODUÇÃO DO ESTUDO DE FRAÇÕES. GT 01 - Educação Matemática nos Anos Iniciais e Ensino Fundamental A EXPLORAÇÃO DE SITUAÇÕES -PROBLEMA NA INTRODUÇÃO DO ESTUDO DE FRAÇÕES GT 01 - Educação Matemática nos Anos Iniciais e Ensino Fundamental Adriele Monteiro Ravalha, URI/Santiago-RS, adrieleravalha@yahoo.com.br

Leia mais

TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROPOSTAS CURRICULARES E LIVROS DIDÁTICOS

TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROPOSTAS CURRICULARES E LIVROS DIDÁTICOS TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROPOSTAS CURRICULARES E LIVROS DIDÁTICOS Luciana Boemer Cesar 1 Mary Ângela Teixeira Brandalise 2 Palavras-chave: formação de professores, ensino de estatística,

Leia mais

O SOFTWARE EUCLIDEAN REALITY AUXILIANDO NA CONSTRUÇÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS

O SOFTWARE EUCLIDEAN REALITY AUXILIANDO NA CONSTRUÇÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS O SOFTWARE EUCLIDEAN REALITY AUXILIANDO NA CONSTRUÇÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS Vânia de Moura Barbosa Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco vanibosa@terra.com.br Introdução Um dos primeiros questionamentos

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE USO DO SOFTWARE EDUCACIONAL FALANDO SOBRE... HISTÓRIA DO BRASIL EM AULA MINISTRADA EM LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

CONSIDERAÇÕES SOBRE USO DO SOFTWARE EDUCACIONAL FALANDO SOBRE... HISTÓRIA DO BRASIL EM AULA MINISTRADA EM LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA CONSIDERAÇÕES SOBRE USO DO SOFTWARE EDUCACIONAL FALANDO SOBRE... HISTÓRIA DO BRASIL EM AULA MINISTRADA EM LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA Dorisvaldo Rodrigues da Silva drsilva@unioeste.br Vera Lúcia Ruiz Rodrigues

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 1ª série Empreendedorismo Administração A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto de atividades

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS NO ENSINO DE FÍSICA.

DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS NO ENSINO DE FÍSICA. 1 DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS NO ENSINO DE FÍSICA. Thiago Lima de Vasconcelos 1, Thathawanna Tenório Aires 2, Kátia Calligaris Rodrigues 3 1 Universidade Federal de Pernambuco/Núcleo de Formação Docente/

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE IDÉIAS ESTATÍSTICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A CONSTRUÇÃO DE IDÉIAS ESTATÍSTICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A CONSTRUÇÃO DE IDÉIAS ESTATÍSTICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Antonio Carlos de Souza Universidade Cruzeiro do Sul Celi Espasandin Lopes Universidade Cruzeiro do Sul Resumo Neste trabalho apresentamos uma atividade

Leia mais

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Projeto de formação de professores em Matemática Um projeto exclusivo

Leia mais

A COMPREENSÃO DAS COORDENADAS ESPACIAIS POR CRIANÇAS DE 6 A 8 ANOS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO

A COMPREENSÃO DAS COORDENADAS ESPACIAIS POR CRIANÇAS DE 6 A 8 ANOS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO A COMPREENSÃO DAS COORDENADAS ESPACIAIS POR CRIANÇAS DE 6 A 8 ANOS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO Ana Coêlho Vieira Selva & Jorge Tarcísio da Rocha Falcão Universidade Federal de Pernambuco RESUMO - Esta pesquisa

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA MATEMÁTICA ALFA Título do Perímetro e área em situações reais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA MATEMÁTICA ALFA Título do Perímetro e área em situações reais SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA MATEMÁTICA ALFA Título do Perímetro e área em situações reais Podcast Área Matemática Segmento Ensino Fundamental Programa de Alfabetização de Jovens e Adultos Duração 6min32seg

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Investigando números consecutivos no 3º ano do Ensino Fundamental

Investigando números consecutivos no 3º ano do Ensino Fundamental Home Índice Autores deste número Investigando números consecutivos no 3º ano do Ensino Fundamental Adriana Freire Resumo Na Escola Vera Cruz adota-se como norteador da prática pedagógica na área de matemática

Leia mais

Contagem II. Neste material vamos aprender novas técnicas relacionadas a problemas de contagem. 1. Separando em casos

Contagem II. Neste material vamos aprender novas técnicas relacionadas a problemas de contagem. 1. Separando em casos Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Combinatória - Nível 2 Prof. Bruno Holanda Aula 5 Contagem II Neste material vamos aprender novas técnicas relacionadas a problemas de contagem. 1. Separando em

Leia mais

PENSAMENTO ALGÉBRICO: Equações no Ensino Fundamental

PENSAMENTO ALGÉBRICO: Equações no Ensino Fundamental PENSAMENTO ALGÉBRICO: Equações no Ensino Fundamental Antonia Zulmira da Silva (autor) 1 GD2 Educação Matemática nos anos finais do Ensino Fundamental Resumo: Este artigo tem por objetivo apresentar, analisar

Leia mais

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES MARCELA NEIVA SOUSA 1 SAMARA MARIA VIANA DA SILVA 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo investigar

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Concentração de soluções: A dificuldade de interpretação das grandezas massa e volume

Concentração de soluções: A dificuldade de interpretação das grandezas massa e volume Concentração de soluções: A dificuldade de interpretação das grandezas massa e volume José Fabiano Serafim da Silva Professor SEDUC PE, aluno Especial EDUMATEC UFPE Brasil professorfabioestrelamat4676@hotmail.com

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO SUPERIOR PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª Msc. Clara Maria Furtado PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURRÍCULO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR PLANEJAMENTO DO CURSO OBJETIVOS

Leia mais

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO José da Silva de Lima¹; José Rodolfo Neves da Silva²; Renally Gonçalves da Silva³; Alessandro Frederico da Silveira

Leia mais

CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL EXPLORANDO GRÁFICOS DE BARRAS

CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL EXPLORANDO GRÁFICOS DE BARRAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL EXPLORANDO GRÁFICOS DE BARRAS SELVA, Ana Coelho Vieira - UFPE GT: Educação Matemática / n. 19 Agência Financiadora: Capes Este estudo constituiu-se em uma pesquisa de caráter

Leia mais

EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA

EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA ISSN 2177-9139 EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA. Caroline Conrado Pereira 1 caroline_conrado@ymail.com Centro Universitário Franciscano, Rua Silva Jardim, 1175 Santa

Leia mais

Qual a sua chance de ganhar?...o ensino de probabilidade através de jogos

Qual a sua chance de ganhar?...o ensino de probabilidade através de jogos Qual a sua chance de ganhar?...o ensino de probabilidade através de jogos Elaine Gabriel do Nascimento Universidade Estadual da Paraíba Brasil elainegn@oi.com.br Júlio Pereira da Silva Universidade Estadual

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

Guia do professor. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância. análise de dados e probabilidade

Guia do professor. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância. análise de dados e probabilidade análise de dados e probabilidade Guia do professor Objetivos da unidade 1. Apresentar aos alunos o Princípio da Casa dos Pombos na versão simples e generalizada; 2. Apresentar uma variedade não trivial

Leia mais

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO.

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO. LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR Agnaldo da Conceição Esquincalha PUC-SP/PUC-Rio/Fundação CECIERJ aesquincalha@gmail.com Resumo: Neste texto elenca-se um

Leia mais

Cálculo do Volume de um Sólido de Revolução: Uma Atividade Usando os Softwares Graph e WxMaxima

Cálculo do Volume de um Sólido de Revolução: Uma Atividade Usando os Softwares Graph e WxMaxima Cálculo do Volume de um Sólido de Revolução: Uma Atividade Usando os Softwares Graph e WxMaxima Claudia Piva Depto de Física, Estatística e Matemática DeFEM, UNIJUÍ 98700-000, Ijuí, RS E-mail: claudiap@unijui.edu.br

Leia mais

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS VIANNA JÚNIOR INTERNET COMO INSTRUMENTO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS VIANNA JÚNIOR INTERNET COMO INSTRUMENTO DE ENSINO-APRENDIZAGEM INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS VIANNA JÚNIOR INTERNET COMO INSTRUMENTO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Lúcia Helena de Magalhães 1 Maria Cristina de Oliveira 2 Resumo Este artigo

Leia mais

EXPLORANDO A CONSTRUÇÃO DE MACROS NO GEOGEBRA

EXPLORANDO A CONSTRUÇÃO DE MACROS NO GEOGEBRA EXPLORANDO A CONSTRUÇÃO DE MACROS NO GEOGEBRA Valdeni Soliani Franco Universidade Estadual de Maringá vsfranco@uem.br Karla Aparecida Lovis Universidade Estadual de Maringá vsfranco@uem.br Resumo: Em geral,

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Administração 5ª Série Administração de Recursos Humanos I A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA MESTRANDO - GILSON DO NASCIMENTO GOUVÊA VICTORIANO

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: APRECIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA PELOS SUJEITOS PARTICIPANTES 1

MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: APRECIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA PELOS SUJEITOS PARTICIPANTES 1 MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: APRECIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA PELOS SUJEITOS PARTICIPANTES 1 Marinez Cargnin-Stieler UNEMAT/NEED marinez@unemat.br Resumo: Este trabalho é uma análise parcial dos dados

Leia mais

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 799 INTERVENÇÃO EM ARTE COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE PHOTOSHOP Denise Penna Quintanilha Programa de Pós Graduação em

Leia mais

ENSINAR E APRENDER GEOMETRIA PLANA COM E A PARTIR DO USO DO SOFTWARE GEOGEBRA UMA VIVÊNCIA NO CONTEXTO ESCOLAR

ENSINAR E APRENDER GEOMETRIA PLANA COM E A PARTIR DO USO DO SOFTWARE GEOGEBRA UMA VIVÊNCIA NO CONTEXTO ESCOLAR ENSINAR E APRENDER GEOMETRIA PLANA COM E A PARTIR DO USO DO SOFTWARE GEOGEBRA UMA VIVÊNCIA NO CONTEXTO ESCOLAR Por: André Forlin Dosciati - UNIJUÍ Vanessa Faoro - UNIJUÍ Isabel Koltermann Battisti UNIJUÍ

Leia mais

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Denise Ritter Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos deniseritter10@gmail.com Renata da Silva Dessbesel Instituto

Leia mais

Guia do Professor Introdução

Guia do Professor Introdução Guia do Professor Introdução Pesquisas realizadas pelo SAEB (Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica) mostram as dificuldades dos estudantes em resolver situações problemas. Essa situação é decorrente

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM Justificativa ABREU,Tamires de Sá 1 BARRETO, Maria de Fátima Teixeira² Palavras chave: crenças, matemática, softwares, vídeos.

Leia mais

A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO ENSINO DAS PROPRIEDADES DE POTÊNCIAS

A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO ENSINO DAS PROPRIEDADES DE POTÊNCIAS A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO ENSINO DAS PROPRIEDADES DE POTÊNCIAS Felipe de Almeida Duarte Bolsista PIBID 1 - UTFPR Campus Cornélio Procópio felipeaduart@hotmail.com Marila Torres de Aguiar Bolsista PIBID¹

Leia mais