Problemas de Arranjo Condicional e os Princípios Aditivo e Multiplicativo: o que sabem os alunos e como eles aprendem?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Problemas de Arranjo Condicional e os Princípios Aditivo e Multiplicativo: o que sabem os alunos e como eles aprendem?"

Transcrição

1 Problemas de Arranjo Condicional e os Princípios Aditivo e Multiplicativo: o que sabem os alunos e como eles aprendem? Juliana Azevedo 1 GD2 Educação Matemática nos anos finais do Ensino Fundamental Este trabalho se caracteriza como um projeto de pesquisa em andamento de doutorado em Educação Matemática. Tem como objetivo analisar o uso dos princípios aditivo e multiplicativo em problemas combinatórios condicionais de arranjo. Mais especificamente, objetiva-se verificar os desempenhos e o efeito de distintas intervenções pedagógicas de alunos em relação às diferentes categorias de problemas combinatórios condicionais de arranjo, em função do uso dos princípios aditivo e multiplicativo, do contexto do problema e do ano escolar; além de observar a utilização de diversificadas representações simbólicas e estratégias. A pesquisa será constituída de duas etapas. A primeira consiste em um estudo de sondagem realizado com 100 alunos do 9º ano do Ensino Fundamental. Em seguida, um estudo de intervenção com 60 alunos do 9º ano do Ensino Fundamental utilizando diferentes representações em três grupos com 20 alunos cada. Logo após o processo de intervenção, serão aplicadas as questões referentes a um pós -teste imediato. Oito semanas após o pós-teste imediato será aplicado um teste referente ao pós-teste posterior. A análise será realizada considerando as duas etapas da pesquisa. Primeiro será realizada a análise quantitativa das questões acertadas pelos alunos da pesquisa, posteriormente uma análise qualitativa. Palavras-chave: Princípio aditivo. Princípio multiplicativo. Combinatória Condicional. Alunos. Anos Finais do Ensino Fundamental. 1. Justificativa De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais PCN (BRASIL, 1997, p. 24), a Matemática possibilita despertar no aluno a curiosidade na aprendizagem e instiga a capacidade de generalização. Nessa perspectiva, considera-se o ensino da Matemática como uma importante tarefa na qual os professores podem usar diferentes representações e 1 Universidade Federal de Pernambuco, Orientadora: Rute Borba.

2 estratégias, visando atingir os objetivos elencados pelos PCN, em particular o aprendizado da Combinatória caracterizada por sistematizações e generalizações. Apesar dos PCN (BRASIL, 1997) indicarem o aprendizado da Combinatória desde os anos iniciais do Ensino Fundamental, com o uso de diferentes recursos e estratégias, e de diversos estudos já apontarem que o aprendizado deste conceito é possível desde os primeiros anos de escolarização (BARRETO; BORBA, 2011; PESSOA; SANTOS, 2012; AZEVEDO; BORBA, 2013; AZEVEDO, 2013), este conhecimento só ganha maior espaço na sala de aula no Ensino Médio. Sendo assim, há uma prática na qual nos anos iniciais de escolarização é trabalhado apenas um tipo de problema combinatório (produto cartesiano) e, somente no Ensino Médio, os outros tipos são trabalhados (arranjos, combinações e permutações). Além do PCN de Matemática para os anos iniciais, também se indica o trabalho com a Combinatória no PCN de Matemática para os anos finais do Ensino Fundamental (BRASIL, 1998). Neste nível de ensino, se indica para o terceiro ciclo (6º e 7º ano) o trabalho com resolução de problemas de contagem com o uso do princípio multiplicativo, através da utilização de esquemas e tabelas. Para o 4º ciclo (8º e 9º ano) é sugerido um aprofundamento dos conteúdos trabalhados no 3º ciclo, com problemas de contagem que levem a um maior número de possibilidades, levando o aluno a perceber a vantagem do uso do princípio multiplicativo em relação a métodos de enumeração sistemática (como o uso de listas, tabelas e árvores de possibilidades), quando o objetivo do problema é obter quantas são todas as possibilidades, e não saber exatamente quais são elas. No contexto do ensino da Combinatória há trabalhos que investigam o ensino de problemas combinatórios condicionais já com alunos do 5º ano do Ensino Fundamental. Em tais estudos, como por exemplo, Borba e Braz (2012), foram identificados que essas crianças já possuem indícios de compreensão de certas condições dadas nos problemas, entretanto, somente com alunos do 9º ano, os alunos compreendem mais relações condicionais. Quanto ao ensino da Combinatória desde os anos iniciais do Ensino Fundamental, vêm sendo desenvolvidas pesquisas que orientam o professor à importância do aprendizado da Combinatória pelos alunos o quanto antes, pois, questões vistas desde os anos iniciais de escolarização, são mais facilmente compreendidas posteriormente, por ocasião do Ensino Médio, quando retratadas através das fórmulas, como aponta Azevedo (2013). Estes estudos

3 tomam como pressuposto o que é afirmado por Vergnaud (1986), de que certos conceitos desenvolvem-se durante um período de tempo maior que outros, iniciando-se no momento inicial de escolarização e indo até a ocasião do Ensino Médio, aproximadamente. Essa premissa também pode ser válida em se tratando de problemas combinatórios condicionais, bem como no desenvolvimento da compreensão dos princípios aditivo e multiplicativo. Além de desenvolvimentos em períodos longos, não se pode perder de vista que conceitos são articulados entre si, sendo esta inter-relação de conceitos, denominado por Vergnaud (1986) de campos conceituais. Além disso, de acordo com a Teoria dos Campos Conceituais, proposta por Vergnaud (1986), cada conceito ampara-se em três dimensões fundamentais: as situações que dão significado ao conceito (S); as relações e propriedades invariantes desse conceito (I) e as representações simbólicas que são usadas para representar o conceito (R). Portanto, este trabalho visa analisar, à luz da Teoria dos Campos Conceituais de Gérard Vergnaud, o uso de diferentes propriedades invariantes, como os princípios aditivo e multiplicativo, certas condições dadas no problema além dos invariantes de escolha e ordem presente em problemas combinatórios em situações de arranjo, utilizando diferentes recursos, representações e estratégias para resolução desses problemas. 2. A Teoria dos Campos Conceituais, o raciocínio combinatório condicional e os princípios aditivo e multiplicativo. A Teoria dos Campos Conceituais, proposta por Gérard Vergnaud (1986), toma por base a Teoria de Jean Piaget, fundamentada no processo de aquisição do conhecimento (via assimilação e acomodação) e nas estruturas mentais utilizadas nesse processo. Nesse sentido, Flavell (1988, p.54) afirma que [...] os esquemas se acomodam às coisas (adaptam e modificam sua estrutura, para enquadrar a realidade), enquanto as assimilam, atestam sua qualidade dinâmica e flexível. [...] Por serem estruturas, os esquemas são criados e modificados pelo funcionamento intelectual. Nunes, Campos, Magina e Bryant (2005, p. 46) consideram que Dentre as mais importantes contribuições de Piaget para a Educação Matemática está sua teoria de que a compreensão das operações aritméticas tem origem nos esquemas de ação das crianças. O termo esquema é utilizado em psicologia com um significado semelhante

4 àquele utilizado na vida quotidiana: um esquema é uma representação em que aparece apenas o essencial daquilo que é representado; os detalhes não aparecem. Vergnaud (1996, p.161) também acredita que o conceito de esquema é peça-chave para o desenvolvimento da Educação Matemática, e, desse modo, esse conceito, é fundamental para a sua Teoria dos Campos Conceituais, uma vez que, para ele, [...] o reconhecimento de invariantes é, pois, a chave da generalização do esquema. Por essa visão, é importante investigar os esquemas mobilizados a partir do reconhecimento de relações e propriedades que se mantêm constantes, invariantes quando alunos estão desenvolvendo seus conhecimentos de conceitos matemáticos. Outro princípio básico da Teoria de Vergnaud (1996) é que os conceitos desenvolvidos por uma criança fazem parte de campos conceituais. Para Vergnaud (1986, p.84), Um campo conceitual pode ser definido como um conjunto de situações cujo domínio requer uma variedade de conceitos, de procedimentos e de representações simbólicas em estreita conexão. O raciocínio combinatório está inserido no campo conceitual das estruturas multiplicativas, uma vez que a base de resolução de problemas combinatórios envolve multiplicações e divisões, mas com alguma interseção com o campo aditivo. Assim, a Combinatória é um ramo da Matemática caracterizado como um tipo de contagem baseada no raciocínio multiplicativo. Além disso, segundo Borba (2010, p.3) [...] é entendido como um modo de pensar presente na análise de situações nas quais, dados determinados conjuntos, deve-se agrupar os elementos dos mesmos, de modo a atender critérios específicos (de escolha e/ou ordenação dos elementos) e determinar-se direta ou indiretamente o número total de agrupamentos possíveis. Batanero, Navarro-Pelayo e Godino (1997, p ) afirmam que os problemas de Combinatória podem ser usados [...] para treinar os alunos na contagem, fazendo conjeturas, generalização e pensamento sistemático, que pode contribuir para o desenvolvimento de muitos conceitos, tais como as relações de equivalência e ordem, função, amostra, etc. [...] No entanto, a combinatória é um campo que a maioria dos alunos encontra muita dificuldade. Dois passos fundamentais para tornar o aprendizado

5 deste assunto mais fácil é compreender a natureza dos erros dos alunos na resolução de problemas combinatórios e identificar as variáveis que podem influenciar esta dificuldade. Pessoa e Borba (2009a) defendem a importância que, desde os anos iniciais de escolarização, os variados tipos de problemas combinatórios sejam trabalhados, pois, o conhecimento desenvolvido desta forma, contribuirá para novas aprendizagens, assim como influenciará na superação dos erros e das dificuldades apresentadas inicialmente, favorecendo, assim, o momento do aprendizado sistemático oferecido por ocasião do Ensino Médio. Esse argumento é amparado no que é ressaltado por Vergnaud (1986) quando o autor enfatiza que determinados conceitos são desenvolvidos durante um longo período de tempo e que, por isso, deverão ser vistos ao longo de toda a trajetória escolar do aluno. Além das características multiplicativas já mencionadas, na Combinatória tem-se ainda alguns invariantes que determinam a variação dos tipos de problemas. Baseadas na Teoria dos Campos Conceituais proposta por Vergnaud (1986), Pessoa e Borba (2007) classificam os significados combinatórios num agrupamento único. Os quatro tipos de significados são produto cartesiano, combinação, arranjo e permutação. Cada um desses significados envolve, portanto, diferentes invariantes que estão relacionados com escolha e ordenação. A partir dos invariantes que determinam os tipos de problemas, temse diferentes condições que podem ser dadas nos problemas combinatórios. Borba e Braz (2012) em seu estudo, primeiramente com problemas de arranjo, criaram uma classificação para problemas combinatórios condicionais, tomando como referência aspectos cognitivos. Nesse sentido, as autoras elencaram nessa classificação condições baseadas em livros didáticos da Educação Básica e na monografia de Homa (2011). Este autor destaca que os problemas combinatórios condicionais mais fáceis são os que exigem a aplicação de definições. Os mais difíceis são os que exigem a aplicação de conhecimentos novos. Na sua classificação, Borba e Braz (2012), indicam condições que podem estar relacionadas com a escolha, explicitada ou não de elementos, a ordenação, a posição e/ou a proximidade de elementos. Dessa forma, apenas para os problemas de arranjo, Braz e Borba (2012) listaram 22 categorias. Esses problemas foram aplicados em um estudo realizado pelas autoras (BORBA e BRAZ, 2012) com alunos de escolas públicas do 5ª, 7º e 9º ano do Ensino Fundamental, sendo, 18 alunos do 5º ano, 19 alunos do 7º ano e 16 alunos do 9º ano. As autoras enfatizam que os alunos de todos os anos escolares analisados estabeleceram algum tipo de relação

6 combinatória, entretanto, isso não significou o acerto total nas questões. Assim, houve apenas dois acertos totais no 5º ano, quatro acertos totais no 7º ano e 10 acertos totais no 9º ano. As autoras destacam ainda que, houve maior dificuldade quando as condições dos problemas combinatórios eram apresentadas conjuntamente em um mesmo problema, ou seja, quando o problema em questão envolve mais de uma das relações de escolha, posição, proximidade e/ou ordem. Após a classificação inicial de problemas combinatórios condicionais em situações de arranjo, Braz (2013) aprofundou os estudos em outras situações combinatórias de permutação, combinação e produto cartesiano. Para a realização da categorização, a autora destaca que, primeiramente deve-se estar atento para os invariantes de cada situação, ou seja, as relações que se mantém constantes. Assim, Braz (2013) afirma que: Considerando-se estes invariantes, pode-se concluir que as categorias que considerem a ordem dos elementos não podem ser aplicadas a problemas do tipo combinação, pois na combinação a ordem não influencia no resultado. Também não cabem a este tipo de problema, contextos que envolvam posições. Ainda considerando os invariantes dos problemas, pode-se também constatar que categorias que determinem o número máximo ou mínimo de elementos a serem utilizados, não podem ser aplicadas aos problemas de permutação, uma vez que na permutação todos os elementos do conjunto sempre serão utilizados. Por esta mesma razão, também não é possível fixar em permutações apenas um (ou alguns) elemento(s), pois esse(s) elemento(s), assim como os demais, sempre aparecerá(ão). A presente pesquisa objetiva focar em problemas de arranjo, uma vez que esses já foram testados anteriormente. Nesse teste Borba e Braz (2012) verificaram que problemas com a relação de escolha não explicitada de elementos e problemas que envolvem mais de uma relação são mais difíceis para os estudantes dos três anos analisados. Nesse sentido, foram escolhidos três tipos de problemas de arranjo de diferentes categorias apresentadas por Borba e Braz (2012). São eles: 1. Mais de um elemento explicitado em determinadas posições; 2. Mais de um elemento explicitado com determinada proximidade; 3. Mais de um elemento explicitado com determinada ordem. Essas categorias de problemas foram escolhidas para a presente pesquisa objetivando que os alunos não encontrassem demasiada dificuldade, uma vez que se pretende verificar além do desempenho, diferentes representações e estratégias utilizadas para responder as situações.

7 Além dos problemas condicionais, também serão abordados os princípios aditivo e multiplicativo presentes em situações combinatórias. Sobre os princípios aditivo e multiplicativo, Alves (2012, p.22) afirma que: Princípio Aditivo - Se um evento A pode ocorrer de m maneiras diferentes e, se para cada uma dessas m maneiras possíveis de A ocorrer, um outro evento B pode ocorrer de n maneiras diferentes, e A e B são mutuamente exclusivos, então o número de maneiras de ocorrer o evento A ou o evento B é m + n. Pensando em termos de conjuntos, outra maneira de se pensar é: se A e B são dois conjuntos com m e n elementos respectivamente, disjuntos (A B = ᴓ), então o número de elementos de AUB é m + n. Princípio Multiplicativo (ou Princípio Fundamental da Contagem)- Se um evento A pode ocorrer de m maneiras diferentes e, se para cada uma dessas m maneiras possíveis de A ocorrer, um outro evento B pode ocorrer de n maneiras diferentes, então o número de maneiras de ocorrer o evento A seguido do evento B é m.n. Pensando em termos de conjuntos, outra maneira de se pensar é: se A e B são dois conjuntos com m e n elementos respectivamente, então o número n m de elementos de A x B (produto cartesiano) é m.n. Sendo assim, o princípio aditivo está relacionado com dois ou mais eventos mutuamente exclusivos, sendo, portanto, relacionado com uma adição dos elementos dos eventos. Em contrapartida, o princípio multiplicativo está relacionado com dois ou mais eventos que, diferente do princípio aditivo, não são mutuamente exclusivos. Assim, nesse caso, o número de possibilidades resulta de uma multiplicação. Em sua dissertação, Souza (2010 apud Alves, 2012), aponta [...] a falta de um trabalho em Análise Combinatória que utilizasse a resolução de problemas e os Princípios Multiplicativo e Aditivo como forma de o aluno, com a mediação de colegas e do professor, construir por si só estratégias de contagem que o levasse, pouco a pouco, aos modelos / técnicas de contagem para os diferentes tipos de agrupamento [...] (p.8) Alves (2012) argumenta que, se houvesse nos livros didáticos um trabalho consciente com os princípios aditivo e multiplicativo, o raciocínio combinatório teria um desenvolvimento ampliado, uma vez que a variabilidade de problemas seria uma preocupação também para os professores. Silva (2013), em seu estudo que investigou o desempenho de estudantes de graduação em Pedagogia, futuros professores de anos iniciais em problemas combinatórios envolvendo os princípios aditivo e multiplicativo. Esta autora, sob orientação da Profa.

8 Dra. Rute Borba, juntamente com a turma da disciplina Desenvolvimento do raciocínio combinatório do curso de graduação em Pedagogia, desenvolveu problemas com tais características. Em problemas de arranjo, foco dessa pesquisa, temos um problema que envolve o princípio aditivo e outro que envolve o princípio multiplicativo. A autora, em construção coletiva com a turma já mencionada, usou o mesmo contexto de criação de senhas para os problemas nos dois princípios. Com isso, havia a intenção de controlar essa variável, para que o que estivesse sendo avaliado fosse a compreensão dos princípios nos problemas combinatórios, e não a compreensão do contexto do problema. Com o teste realizado dessa forma, a autora concluiu que os estudantes de graduação em Pedagogia da instituição analisada apresentam uma boa compreensão de problemas combinatórios que envolvem os princípios aditivo e multiplicativo, não havendo diferenças significativas de um tipo de problema para o outro. Apesar de que, no geral, os problemas com princípio aditivo sempre apresentavam um percentual de acerto maior que os problemas com princípio multiplicativo. No caso dos problemas de arranjo com princípio aditivo houve 65% de acerto; e problemas de arranjo com o princípio multiplicativo apresentou 55% de acerto. Na presente pesquisa, pretende-se aliar características da combinatória condicional com os princípios aditivo e multiplicativo, buscando analisar sua aplicação com alunos de 9º ano do Ensino Fundamental, com o objetivo de verificar o desempenho desses alunos em um teste inicial; o uso de diferentes representações simbólicas para a resolução desses problemas; bem como, possíveis intervenções para superação de dificuldades que podem ficar evidentes na resolução do teste inicial. Essas intervenções estarão pautadas em diferentes formas de representação. Vergnaud (1996, p.184) também ressalta o papel das representações simbólicas no aprendizado de conceitos. Este autor afirma que elas [...] têm justamente a vantagem de dar uma ajuda à resolução de um problema quando os dados são numerosos e a resposta à questão exige várias etapas. Em resolução de situações combinatórias há uma grande variação de representações simbólicas utilizadas pelos alunos, por exemplo: desenhos, listagens, árvores de possibilidades, quadros, diagramas, princípio fundamental de contagem, cálculos ou uso de fórmulas, entre outras, como apontado por Pessoa e Borba (2010a), em estudo de sondagem com alunos de 2º ano do Ensino Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio.

9 Nesta pesquisa, pretende-se investigar o efeito de intervenções pedagógicas, por meio da construção de árvores de possibilidades, da listagem de possibilidades ou do princípio fundamental da contagem, no desempenho em problemas combinatórios condicionais de arranjo articulados com os princípios aditivos ou multiplicativos, bem como o contexto do problema. 3 Objetivos 3.1 Geral: Analisar o uso dos princípios aditivo e multiplicativo em problemas combinatórios condicionais de arranjo. 3.2 Específicos: Verificar os desempenhos de alunos em relação às diferentes categorias de problemas combinatórios condicionais de arranjo, em função do uso dos princípios aditivo e multiplicativo, do contexto do problema e do ano escolar; Investigar o efeito de intervenções pedagógicas, por meio da construção de árvores de possibilidades, da listagem de possibilidades ou do princípio fundamental da contagem, no desempenho em problemas combinatórios condicionais de arranjo com aplicação dos princípios aditivos ou multiplicativos em diferentes contextos de problemas; Observar a influência das distintas intervenções na utilização de diversificadas representações simbólicas e estratégias. 4 Método A pesquisa será constituída de duas etapas. A primeira consiste em um estudo de sondagem realizado com 100 alunos do 9º ano do Ensino Fundamental. Em seguida, um estudo de intervenção com 60 alunos do 9º ano do Ensino Fundamental, utilizando diferentes representações em três grupos com 20 alunos cada.

10 Para o estudo de sondagem, serão elaborados dois testes que abordarão problemas de arranjo condicionais nos quais se aplicam os princípios aditivo e multiplicativo. Os problemas combinatórios condicionais de arranjo serão trabalhados em função de três diferentes categorias apresentadas por Borba e Braz (2012): 1: Mais de um elemento explicitado em determinadas posições; 2: Mais de um elemento explicitado com determinada proximidade; 3: Mais de um elemento explicitado com determinada ordem. Assim, os testes constarão de seis situações-problema de arranjo condicional, sendo dois problemas para cada categoria supracitada. Dessa forma, cada categoria terá um problema que faz uso do princípio aditivo e outro com princípio multiplicativo. Além disso, os testes serão diferenciados pelo contexto envolvido nos problemas, sendo um envolvendo o contexto de senhas e outro o contexto de organização de bandeiras. No Diagrama 1 é possível visualizar essa organização. No Quadro 1 é possível visualizar os problemas de contexto de senhas. Diagrama 1: Organização dos testes. Para o estudo de intervenção serão selecionadas três turmas de 9º ano do Ensino Fundamental. Esse ano de escolaridade foi escolhido, pois, provavelmente ainda não receberam instrução formal em Análise Combinatória. Cada turma fará parte de um grupo diferente de intervenção, que resolverão problemas com estratégias de resolução diferentes (Grupo 1: árvore de possibilidades, Grupo 2: listagem e Grupo 3: princípio fundamental da contagem).

11 Quadro 1: Problemas combinatórios condicionais de arranjo e o uso dos princípios aditivo (PA) e multiplicativo (PM) que envolvem o contexto de senhas e organização de bandeiras para o teste de sondagem. Arranjo condição de posição: PA (senhas) - Julia quer escolher uma senha nova para o seu computador. Ela pode escolher 4 letras distintas ou 3 algarismos distintos. Ela quer escolher as letras dentre as do seu nome (J, U, L, I, A) ou os algarismos dentre os que formam a data de seu aniversário 10 de dezembro de 88 (0, 1, 2, 5 e 8). De quantas maneiras diferentes Julia pode escolher a senha do seu computador, sabendo que na escolha das letras o J e A devem estar sempre na primeira e na última posição? PM (bandeiras) Helena quer criar uma bandeira que represente a escola que trabalha. Ela pode escolher 4 cores entre as opções (Azul, Preto, Vermelho, Laranja, Cinza e Branco) e 2 símbolo2 entre as opções (Caderno, Livro, Caneta, símbolo da escola e As letras iniciais do nome da escola). Sabendo que a cor preta e a cor laranja serão escolhidas na primeira e na terceira posições, quantas são as possibilidades de bandeira que Helena pode criar? Arranjo - condição de proximidade: PA (bandeiras) Cecília quer criar uma bandeira para a equipe de ginástica que faz parte. Ela pode escolher 2 cores entre as opções (Amarelo, Rosa, Vermelho, Lilás e Branco) ou 3 símbolos entre as opções (Bola, fita, corda, arco e nome da escola). Sabendo que a bola e a fita estarão sempre próximos, quantas são as possibilidades de bandeira que Helena pode criar? PM (senhas) Aline precisa criar a senha para seu . Ela pode escolher 3 letras distintas e 2 algarismos distintos. Ela quer escolher as letras dentre as do nome de sua mãe Sônia. (S, O, N, I, A) e os algarismos dentre os do número do seu apartamento 1304 (0, 1, 3 e 4). De quantas maneiras diferentes Aline pode escolher sua senha do , sabendo que as letras S e N sempre serão escolhidas e que elas sempre estarão próximas? Arranjo - condição de ordem: PA (bandeiras) Maria quer criar uma bandeira para sua equipe de natação. Ela pode escolher 3 cores entre as opções (Amarelo, Azul, Verde, Preto e Branco) ou 4 símbolos entre as opções (Touca, maiô, sunga, óculos e nome da equipe). Sabendo que a touca e o óculos serão escolhidos nessa ordem, quantas são as possibilidades de bandeira que Maria pode criar? PM (senhas) Um novo software educacional foi desenvolvido e para a escolha da senha de acesso aos dados do fabricante vão ser usadas 3 letras do nome de Rute (R, U, T e E) e três algarismos do número (1, 3, 5, 7 e 9), sem repetir as letras ou os algarismos. De quantas maneiras diferentes pode ser escolhido o nome deste software, sabendo que as letras R e U sempre estarão nessa mesma ordem? Adaptado de Silva (2013) e Borba e Braz (2012) Logo após o processo de intervenção, serão aplicadas as questões referentes a um pós-teste imediato, objetivando verificar os progressos obtidos por meio das diferentes intervenções realizadas. As questões do pós-teste serão elaboradas estabelecendo os mesmos critérios das elaboradas para o estudo de sondagem. Oito semanas após o pós-teste imediato será aplicado

12 um teste referente ao pós-teste posterior, para observar a retenção do aprendizado dos grupos de intervenção, verificando se a aprendizagem foi pontual ou constante. A análise será realizada considerando as duas etapas da pesquisa. Primeiro será realizada a análise quantitativa das questões acertadas pelos alunos da pesquisa. Essas análises serão internas aos grupos ou externas aos grupos. Na primeira situação será observado os avanços no desempenho dos alunos nas questões acertadas no pré-teste e nos pós-testes. Ainda na análise interna aos grupos será realizada uma comparação de desempenhos dos alunos em função do tipo de princípio envolvido no problema (aditivo ou multiplicativo), bem como a comparação de desempenhos em função da condição presente no problema (referente à ordem, posição ou proximidade) e a comparação de desempenhos em função do contexto no qual o problema está inserido (senhas ou bandeiras). Nas análises externas aos grupos serão realizadas comparações entre os diferentes grupos de intervenção (Grupo 1: árvore de possibilidades, Grupo 2: listagem e Grupo 3: princípio fundamental da contagem) para verificar qual forma de representação possibilita maior avanço.posteriormente será realizada a análise qualitativa referente ao acompanhamento das turmas no momento da intervenção, bem como as estratégias utilizadas pelos alunos na resolução do pré-teste e dos pós-testes. REFERÊNCIAS ALVES, Renato. O ensino de análise combinatória na educação básica e a formação de professores. (Dissertação de mestrado) Programa de Pós-graduação em Ensino de Matemática. Rio de Janeiro: UFRJ, AZEVEDO, Juliana. A influência de intervenções com árvores de possibilidades na utilização de diversificadas representações simbólicas: um caminho para o desenvolvimento do raciocínio combinatório. Anais... XI Encontro Nacional de Educação Matemática, Curitiba, AZEVEDO, Juliana; BORBA, Rute. Combinatória: a construção de árvores de possibilidades por alunos dos anos iniciais com e sem uso de software. Alexandria. Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v.6, n.2, p , jun, BARRETO, Fernanda; BORBA, Rute. Intervenções de combinatória na educação de jovens e adultos. Anais... XIII Conferencia Interamericana de Educação Matemática. CIAEM-IACME, Recife, Brasil, BATANERO, C. NAVARRO-PELAYO, V. GODINO, J.D. Effect of the Implicit Combinatorial Model on Combinatorial Reasoning in Secondary School Pupils. In: Educational Studies in Mathematics, v32 n2 p , Fev, 1997, disponível em: acesso em: 06 fev BORBA, Rute. O Raciocínio Combinatório na Educação Básica. In: Anais... X Encontro Nacional de Educação Matemática ENEM. Bahia, 2010.

13 BORBA, Rute e BRAZ, Flávia M. T. O que é necessário para compreender problemas combinatórios condicionais? In: Anais... III Simpósio Internacional de Pesquisa em Educação Matemática, Fortaleza, BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais. Matemática. 1ª a 4ª série. Secretaria de Ensino Fundamental, BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais. Matemática. 5ª a 8ª série. Secretaria de Ensino Fundamental, BRAZ, Flávia. Problemas combinatórios condicionais: a influência dos invariantes na categorização dos diferentes tipos de problemas. Anais... XI Encontro Nacional de Educação Matemática. Curitiba, BRAZ, Flávia M. T. e BORBA, Rute. A compreensão de problemas combinatórios condicionais por alunos do 5º ano do Ensino Fundamental. In: Anais... XX Congresso de Iniciação Científica da UFPE CONIC, Recife, FLAVELL, John H. A Psicologia do desenvolvimento de Jean Piaget. São Paulo: Editora Pioneira HOMA, Agostinho Iaqchan. Testes adaptativos no padrão SCORM com Análise Combinatória. Monografia de Especialização. Programa de Pós - Graduação em Educação Matemática da Universidade Luterana do Brasil (ULBRA), NUNES, Terezinha; CAMPOS, Tânia; MAGINA, Sandra.; BRYANT, Peter. Educação Matemática 1: Números e operações numéricas. São Paulo: Cortez, 2005 PESSOA, C. Quem dança com quem: o desenvolvimento do Raciocínio Combinatório do 2º ano do Ensino Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio. (Tese Doutorado)- Programa de Pós-graduação em Educação da UFPE. Recife: UFPE, PESSOA, Cristiane; BORBA, Rute. Estratégias de resolução de problemas de raciocínio combinatório de alunos de 1ª à 4ª série. Anais... IX Encontro Nacional de Educação Matemática. Belo Horizonte, PESSOA, Cristiane; BORBA, Rute. Quem Dança com Quem: o desenvolvimento do raciocínio combinatório de crianças de 1ª a 4ª série. Zetetiké Cempem FE Unicamp v17, n.31 jan/jun PESSOA, Cristiane; BORBA, Rute. O raciocínio combinatório do início do Ensino Fundamental ao término do Ensino Médio. Anais Encontro Nacional de Educação Matemática, Salvador, PESSOA, Cristiane; SANTOS, Laís Thalita. Listagem, Invariantes, Sistematização e Generalização: Um caminho para o ensino de Combinatória em uma turma do 5º ano do Ensino Fundamental. Anais... 3º Simpósio Internacional de Pesquisa em Educação Matemática SIPEMAT. Fortaleza, SILVA, Monalisa. Estudantes de pedagogia resolvendo problemas de combinatória envolvendo o princípio aditivo e multiplicativo. Anais... XI Encontro Nacional de Educação Matemática. Curitiba, VERGNAUD, Gérard. A Gênese dos Campos Conceituais. In: BRUM, Jean (Direção). A Teoria dos Campos Conceituais. Lisboa: Instituto Piaget, 1996.

PRINCÍPIO FUNDAMENTAL DA CONTAGEM: ESTUDANTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA RESOLVENDO PROBLEMAS COMBINATÓRIOS

PRINCÍPIO FUNDAMENTAL DA CONTAGEM: ESTUDANTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA RESOLVENDO PROBLEMAS COMBINATÓRIOS PRINCÍPIO FUNDAMENTAL DA CONTAGEM: ESTUDANTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA RESOLVENDO PROBLEMAS COMBINATÓRIOS Juliana Azevedo Universidade Federal de Pernambuco azevedo.juliana1987@gmail.com Adryanne

Leia mais

O Uso de Árvores de Possibilidades Com e Sem Recurso Tecnológico No Ensino da Combinatória Com Alunos dos Anos Iniciais de Escolarização

O Uso de Árvores de Possibilidades Com e Sem Recurso Tecnológico No Ensino da Combinatória Com Alunos dos Anos Iniciais de Escolarização O Uso de Árvores de Possibilidades Com e Sem Recurso Tecnológico No Ensino da Combinatória Com Alunos dos Anos Iniciais de Escolarização RESUMO Juliana Azevedo. 1 Rute Elizabete de Souza Rosa Borba 2 O

Leia mais

Concepções de Professores que Ensinam Matemática para os Anos Iniciais a Respeito do Campo Conceitual Aditivo no Âmbito do Observatório da Educação

Concepções de Professores que Ensinam Matemática para os Anos Iniciais a Respeito do Campo Conceitual Aditivo no Âmbito do Observatório da Educação Concepções de Professores que Ensinam Matemática para os Anos Iniciais a Respeito do Campo Conceitual Aditivo no Âmbito do Observatório da Educação Valdir Amâncio da Silva 1 Angélica da Fontoura Garcia

Leia mais

VAMOS COMBINAR, ARRANJAR E PERMUTAR: APRENDENDO COMBINATÓRIA DESDE OS ANOS INICIAIS DE ESCOLARIZAÇÃO

VAMOS COMBINAR, ARRANJAR E PERMUTAR: APRENDENDO COMBINATÓRIA DESDE OS ANOS INICIAIS DE ESCOLARIZAÇÃO VAMOS COMBINAR, ARRANJAR E PERMUTAR: APRENDENDO COMBINATÓRIA DESDE OS ANOS INICIAIS DE ESCOLARIZAÇÃO Rute Elizabete de Souza Rosa Borba 1 Universidade Federal de Pernambuco resrborba@gmail.com Resumo:

Leia mais

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Fabiano Fialho Lôbo Universidade Federal de Pernambuco fabiano_lobo@yahoo.com.br Luciana Rufino de Alcântara Universidade

Leia mais

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DO CAMPO ADITIVO: UM ESTUDO SOBRE DADOS QUANTITATIVOS DE UMA PESQUISA

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DO CAMPO ADITIVO: UM ESTUDO SOBRE DADOS QUANTITATIVOS DE UMA PESQUISA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DO CAMPO ADITIVO: UM ESTUDO SOBRE DADOS QUANTITATIVOS DE UMA PESQUISA José Fernando Fernandes Pereira Universidade Cruzeiro do Sul jnandopereira@gmail.com Resumo: O presente texto

Leia mais

Um estudo sobre o domínio das Estruturas Aditivas nas séries iniciais do Ensino Fundamental no Estado da Bahia - PEA é um projeto de pesquisa da UESC,

Um estudo sobre o domínio das Estruturas Aditivas nas séries iniciais do Ensino Fundamental no Estado da Bahia - PEA é um projeto de pesquisa da UESC, UM ESTUDO SOBRE O DOMÍNIO DAS ESTRUTURAS ADITIVAS NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NO ESTADO DA BAHIA NÚCLEO DE BARREIRAS Liliane Xavier Neves Universidade Federal da Bahia - UFBA lxneves@ufba.br

Leia mais

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO CAMPO CONCEITUAL MULTIPLICATIVO. Palavras-chave: Campo conceitual, Resolução de Problemas, Campo Multiplicativo (divisão).

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO CAMPO CONCEITUAL MULTIPLICATIVO. Palavras-chave: Campo conceitual, Resolução de Problemas, Campo Multiplicativo (divisão). RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO CAMPO CONCEITUAL MULTIPLICATIVO Rosemeire Roberta de Lima (UFAL) rose.ufal@yahoo.com.br RESUMO Trata-se de estudo bibliográfico para discutir a Teoria dos Campos Conceituais de

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

ATIVIDADES COM MATERIAIS CONCRETOS PARA O ENSINO DAS OPERAÇÕES ARITMÉTICAS

ATIVIDADES COM MATERIAIS CONCRETOS PARA O ENSINO DAS OPERAÇÕES ARITMÉTICAS ATIVIDADES COM MATERIAIS CONCRETOS PARA O ENSINO DAS OPERAÇÕES ARITMÉTICAS Maria da Conceição Alves Bezerra mcabst@hotmail.com Universidade Federal da Paraíba UFPB VIRTUAL RESUMO: Este minicurso tem como

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL

CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2316-7785 CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL Jéssica Goulart da Silva Universidade Federal do Pampa

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

A MATEMÁTICA PRESENTE NO TELHADO DE UMA CASA: UMA PROPOSTA DE MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO SUPERIOR. Contextualização

A MATEMÁTICA PRESENTE NO TELHADO DE UMA CASA: UMA PROPOSTA DE MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO SUPERIOR. Contextualização A MATEMÁTICA PRESENTE NO TELHADO DE UMA CASA: UMA PROPOSTA DE MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO SUPERIOR Maurício Lorenzon - mauriciolorenzon95@gmail.com Italo Gabriel Neide - italo.neide@univates.br

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS Educação Matemática na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental (EMEIAIEF) GT 09 RESUMO

Leia mais

INVESTIGANDO O DESEMPENHO DE JOVENS E ADULTOS NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS

INVESTIGANDO O DESEMPENHO DE JOVENS E ADULTOS NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS INVESTIGANDO O DESEMPENHO DE JOVENS E ADULTOS NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS Izauriana Borges Lima 1 Universidade Federal de Pernambuco dainha.borges@hotmail.com Ana Coêlho Vieira Selva 2 Universidade

Leia mais

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS Lucas Gabriel Seibert Universidade Luterana do Brasil lucasseibert@hotmail.com Roberto Luis Tavares Bittencourt Universidade Luterana do Brasil rbittencourt@pop.com.br

Leia mais

O TRABALHO COM OS FATOS FUNDAMENTAIS MULTIPLICATIVOS

O TRABALHO COM OS FATOS FUNDAMENTAIS MULTIPLICATIVOS 1 O TRABALHO COM OS FATOS FUNDAMENTAIS MULTIPLICATIVOS Cláudia Queiroz Miranda Secretaria de Educação do Distrito Federal webclaudia33@gmail.com Verônica Larrat Secretaria de Educação do Distrito Federal

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES Tamiris Andrade Nascimento (Mestranda do Programa Educação Cientifica e Formação de Professores da Universidade

Leia mais

COMPREENDENDO PROBLEMAS DE DIVISÃO DENTRO E FORA DE UM TEXTO INFORMATIVO

COMPREENDENDO PROBLEMAS DE DIVISÃO DENTRO E FORA DE UM TEXTO INFORMATIVO COMPREENDENDO PROBLEMAS DE DIVISÃO DENTRO E FORA DE UM TEXTO INFORMATIVO Karoline Maciel Sobreira Síntria Labres Lautert Marina Ferreira da Silva Costa Fernanda Augusta Lima das Chagas Universidade Federal

Leia mais

A PROBABILIDADE DE APRENDER

A PROBABILIDADE DE APRENDER A PROBABILIDADE DE APRENDER Cristiane Toniolo Dias cristonidias@gmail.com Erika Gomes Hagenbeck Santos erikahagenbeck@hotmail.com Mayara Laysa de Oliveira Silva laysamay@hotmail.com Nilson Barros Santos

Leia mais

Crianças de Educação Infantil resolvendo problemas de arranjo

Crianças de Educação Infantil resolvendo problemas de arranjo Patricia Carvalho Matias Universidade Federal de Pernambuco Brasil paty.cmatias@gmail.com Missilane Michelle de Sousa Santos Universidade Federal de Pernambuco Brasil nanechelly1@gmail.com Cristiane Azevêdo

Leia mais

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES Marcos Aurélio Alves e Silva- UFPE/CAA Alcicleide Ramos da Silva- UFPE/CAA Jucélia Silva Santana- UFPE/CAA Edelweis José Tavares Barbosa- UFPE/CAA

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

FUNÇÕES BÁSICAS DA ECONOMIA: O USO DE MAPAS CONCEITUAIS NA MATEMÁTICA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO

FUNÇÕES BÁSICAS DA ECONOMIA: O USO DE MAPAS CONCEITUAIS NA MATEMÁTICA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO FUNÇÕES BÁSICAS DA ECONOMIA: O USO DE MAPAS CONCEITUAIS NA MATEMÁTICA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO Ricardo Lisboa Martins Faculdade Integrada Tiradentes - FITS ricardolisboamartins@gmail.com Alex Melo da Silva

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas DOMÍNIO E IMAGEM DE UMA FUNÇÃO: UMA ABORDAGEM POR MEIO DO JOGO BINGO DAS FUNÇÕES Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio (EMAIEFEM) GT 10 ADELSON CARLOS MADRUGA Universidade

Leia mais

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Projeto de formação de professores em Matemática Um projeto exclusivo

Leia mais

Folclore Brasileiro: Uma possibilidade de se ensinar o conceito de número na Educação Infantil em um espaço não-formal de aprendizagem.

Folclore Brasileiro: Uma possibilidade de se ensinar o conceito de número na Educação Infantil em um espaço não-formal de aprendizagem. 1 Folclore Brasileiro: Uma possibilidade de se ensinar o conceito de número na Educação Infantil em um espaço não-formal de aprendizagem. Cristiane Vinholes Jacomelli Prof(a). Dr(a) Maria do Carmo de Sousa

Leia mais

O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Adelson Carlos Madruga Universidade Federal da Paraíba adelsoncarlos1992@hotmail.com Elizangela Mario da Silva Universidade Federal

Leia mais

Guia do Professor Introdução

Guia do Professor Introdução Guia do Professor Introdução Pesquisas realizadas pelo SAEB (Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica) mostram as dificuldades dos estudantes em resolver situações problemas. Essa situação é decorrente

Leia mais

Aprendizagem da Análise Combinatória nas séries iniciais do Ensino Fundamental

Aprendizagem da Análise Combinatória nas séries iniciais do Ensino Fundamental Aprendizagem da Análise Combinatória nas séries iniciais do Ensino Fundamental Ana Lydia Perrone 1 Sergio Minoru Oikawa 2 Fernando Antônio Moala 2 RESUMO Este estudo fez parte do projeto de pesquisa desenvolvido

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 USANDO SOFTWARE ÁRBOL NA CONSTRUÇÃO DE ÁRVORES DE POSSIBILIDADES PARA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS COMBINATÓRIOS 12 Martha Cornélio Ferraz Secretaria de Estado de Educação/PE marthatrabalhos@gmail.com Rute Elizabete

Leia mais

DIFERENTES POVOS E SUAS TÉCNICAS DE MULTIPLICAR. Palavras-chave: Multiplicação; Egípcio; Russo; Chinês; Gelosia.

DIFERENTES POVOS E SUAS TÉCNICAS DE MULTIPLICAR. Palavras-chave: Multiplicação; Egípcio; Russo; Chinês; Gelosia. DIFERENTES POVOS E SUAS TÉCNICAS DE MULTIPLICAR Micheli Cristina Starosky Roloff Instituto Federal Catarinense Campus Camboriú micheli_roloff@ifc-camboriu.edu.br Resumo: Ao longo dos tempos, diferentes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA ANÁLISE COMBINATÓRIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: UMA PROPOSTA DE ENSINO A PARTIR

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE. MATEMÁTICA 7º ano

PLANEJAMENTO ANUAL DE. MATEMÁTICA 7º ano COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE MATEMÁTICA 7º ano PROFESSORAS: SANDRA MARA

Leia mais

Concentração de soluções: A dificuldade de interpretação das grandezas massa e volume

Concentração de soluções: A dificuldade de interpretação das grandezas massa e volume Concentração de soluções: A dificuldade de interpretação das grandezas massa e volume José Fabiano Serafim da Silva Professor SEDUC PE, aluno Especial EDUMATEC UFPE Brasil professorfabioestrelamat4676@hotmail.com

Leia mais

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO.

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO. LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR Agnaldo da Conceição Esquincalha PUC-SP/PUC-Rio/Fundação CECIERJ aesquincalha@gmail.com Resumo: Neste texto elenca-se um

Leia mais

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA.

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA. De acordo com às determinações constantes do Plano de Estágio Supervisionado, submeto à apreciação de V.Sª o plano de aula que foram desenvolvidas no Estágio de Licenciatura em Matemática no período de

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS RECICLÁVEIS PARA O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA BÁSICA

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS RECICLÁVEIS PARA O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA BÁSICA A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS RECICLÁVEIS PARA O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA BÁSICA Profª Msc. Rosane Leite Funato rofunato@hotmail.com Profº Dr. Afonso Henriques henry@uesc.br Djavan Silva

Leia mais

Representação e Interpretação de Escalas em Gráficos por Alunos do 5º Ano

Representação e Interpretação de Escalas em Gráficos por Alunos do 5º Ano Representação e Interpretação de Escalas em Gráficos por Alunos do 5º Ano GD12 Ensino de Probabilidade e Estatística Betânia Evangelista 1 Resumo O presente artigo discute as contribuições de uma intervenção

Leia mais

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS Dr. André Ricardo Magalhães andrerm@gmail.com Universidade do Estado da Bahia Brasil Modalidade: Comunicação Breve Nível

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

As habilidades na Solução de Problemas em Matemática

As habilidades na Solução de Problemas em Matemática As habilidades na Solução de Problemas em Matemática Érica Valeria Alves O que diferencia a espécie humana das demais espécies do reino animal é a capacidade de pensar, raciocinar, formular hipóteses,

Leia mais

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática PROF. MS. JOSÉ JOÃO DE MELO (josejoaomelo@gmail.com) PROF ESP. AUGUSTO RATTI FILHO (gutoratti@outlook.com.br) PROF DR. ROGERIO

Leia mais

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA Dayvyd Lavaniery Marques de Medeiros Professor do IFRN Mestrando do PPGEP

Leia mais

EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO

EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO In: Pensar avaliação, melhorar a aprendizagem /IIE Lisboa: IIE, 1994 (...) tenho de observar o mundo a partir de outra óptica, outra lógica, e outros métodos

Leia mais

ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA GT 01 - Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais Maria Gorete Nascimento Brum - UNIFRA- mgnb@ibest.com.br

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

EXPLORANDO A CONSTRUÇÃO DE MACROS NO GEOGEBRA

EXPLORANDO A CONSTRUÇÃO DE MACROS NO GEOGEBRA EXPLORANDO A CONSTRUÇÃO DE MACROS NO GEOGEBRA Valdeni Soliani Franco Universidade Estadual de Maringá vsfranco@uem.br Karla Aparecida Lovis Universidade Estadual de Maringá vsfranco@uem.br Resumo: Em geral,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MARIA MAZUR

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MARIA MAZUR UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MARIA MAZUR A INFORMÁTICA E A MÍDIA IMPRESSA: COMO ELAS PODEM Prudentópolis 2013 MARIA MAZUR A INFORMÁTICA

Leia mais

Palavras-chave: Fisioterapia; Educação Superior; Tecnologias de Informação e Comunicação; Práticas pedagógicas.

Palavras-chave: Fisioterapia; Educação Superior; Tecnologias de Informação e Comunicação; Práticas pedagógicas. A INTERAÇÃO DOS PROFESSORES DO CURSO DE FISIOTERAPIA COM AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO PROCESSO PEDAGÓGICO Heloisa Galdino Gumueiro Ribeiro 1, Prof. Dirce Aparecida Foletto De Moraes 2

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES Taciany da Silva Pereira¹, Nora Olinda Cabrera Zúñiga² ¹Universidade Federal de Minas Gerais / Departamento

Leia mais

ANÁLISE DE TAREFAS MATEMÁTICAS DOS ALUNOS DO 4 o ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I

ANÁLISE DE TAREFAS MATEMÁTICAS DOS ALUNOS DO 4 o ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I ANÁLISE DE TAREFAS MATEMÁTICAS DOS ALUNOS DO 4 o ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I Diego Barboza Prestes 1 Universidade Estadual de Londrina diego_led@hotmail.com Tallys Yuri de Almeida Kanno 2 Universidade

Leia mais

O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE

O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE Nazaré do Socorro Moraes da Silva Universidade do Estado do Para/UEPA Secretaria Executiva de Educação/SEDUC nazaresocorro@hotmail.com Elise Cristina Pinheiro

Leia mais

A EXPLORAÇÃO DE SITUAÇÕES -PROBLEMA NA INTRODUÇÃO DO ESTUDO DE FRAÇÕES. GT 01 - Educação Matemática nos Anos Iniciais e Ensino Fundamental

A EXPLORAÇÃO DE SITUAÇÕES -PROBLEMA NA INTRODUÇÃO DO ESTUDO DE FRAÇÕES. GT 01 - Educação Matemática nos Anos Iniciais e Ensino Fundamental A EXPLORAÇÃO DE SITUAÇÕES -PROBLEMA NA INTRODUÇÃO DO ESTUDO DE FRAÇÕES GT 01 - Educação Matemática nos Anos Iniciais e Ensino Fundamental Adriele Monteiro Ravalha, URI/Santiago-RS, adrieleravalha@yahoo.com.br

Leia mais

O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DIFICULDADE DE APRENDIZADO - SISTEMA DE APRENDIZAGEM MÚTUO UNIFICADO

O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DIFICULDADE DE APRENDIZADO - SISTEMA DE APRENDIZAGEM MÚTUO UNIFICADO O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DIFICULDADE DE APRENDIZADO - SISTEMA DE APRENDIZAGEM MÚTUO UNIFICADO MASSILÂNIA BEZERRA DE OLIVEIRA 1, CAIO ALVES DE MOURA 1, CAIQUE AUGUSTO CAMARGO DE ANDRADE 1,

Leia mais

Marco Antônio Moreira Instituto de Física UFRGS Porto Alegre RS Paulo Rosa Escola Estadual de Ensino Médio do Bairro Rio Branco Canoas RS

Marco Antônio Moreira Instituto de Física UFRGS Porto Alegre RS Paulo Rosa Escola Estadual de Ensino Médio do Bairro Rio Branco Canoas RS MAPAS CONCEITUAIS Marco Antônio Moreira Instituto de Física UFRGS Porto Alegre RS Paulo Rosa Escola Estadual de Ensino Médio do Bairro Rio Branco Canoas RS O que são? Em um sentido amplo, mapas conceituais

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

História e ensino da tabela periódica através de jogo educativo

História e ensino da tabela periódica através de jogo educativo História e ensino da tabela periódica através de jogo educativo Caroline Gomes Romano e-mail: carolgromano@hotmail.com Ana Letícia Carvalho e-mail: anale.carvalho03@gmail.com Isabella Domingues Mattano

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática Michel da Silva Machado e-mail: michel_nick25@hotmail.com Isaque Rodrigues e-mail: isaque.max@hotmail.com Márcia Marinho do Nascimento Mello e-mail:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC 1. Dados do Município ou GERED a) Município: FLORIANÓPOLIS b)município/gered: SECRETARIA MUNICIPAL RELATÓRIO

Leia mais

Este material traz a teoria necessária à resolução das questões propostas.

Este material traz a teoria necessária à resolução das questões propostas. Inclui Teoria e Questões Inteiramente Resolvidas dos assuntos: Contagem: princípio aditivo e multiplicativo. Arranjo. Permutação. Combinação simples e com repetição. Lógica sentencial, de primeira ordem

Leia mais

Avaliação da Aprendizagem

Avaliação da Aprendizagem Avaliação da Aprendizagem A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos e capacidades desenvolvidas pelo aluno. A avaliação

Leia mais

Um espaço colaborativo de formação continuada de professores de Matemática: Reflexões acerca de atividades com o GeoGebra

Um espaço colaborativo de formação continuada de professores de Matemática: Reflexões acerca de atividades com o GeoGebra Um espaço colaborativo de formação continuada de professores de Matemática: Reflexões acerca de atividades com o GeoGebra Anne Caroline Paim Baldoni Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho,

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DO PROJETO EXPRESSÕES NUMÉRICAS E RADICIAÇÃO: UMA ABORDAGEM CONTEXTUALIZADA NA ESCOLA MARIA DO CARMO CARNEIRO.

EXPERIÊNCIAS DO PROJETO EXPRESSÕES NUMÉRICAS E RADICIAÇÃO: UMA ABORDAGEM CONTEXTUALIZADA NA ESCOLA MARIA DO CARMO CARNEIRO. EXPERIÊNCIAS DO PROJETO EXPRESSÕES NUMÉRICAS E RADICIAÇÃO: UMA ABORDAGEM CONTEXTUALIZADA NA ESCOLA MARIA DO CARMO CARNEIRO. Francisca Valdielle Gomes Silva Discente do Curso de Matemática da Universidade

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

ATIVIDADES SOBRE GRÁFICOS EM LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL

ATIVIDADES SOBRE GRÁFICOS EM LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 ATIVIDADES SOBRE GRÁFICOS EM LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL Marcos Diego de Menezes 1 Liliane M. T. Lima de Carvalho 2 RESUMO O artigo apresenta pesquisa que identifica e caracteriza

Leia mais

ANÁLISE DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DE XINGUARA, PARÁ SOBRE O ENSINO DE FRAÇÕES

ANÁLISE DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DE XINGUARA, PARÁ SOBRE O ENSINO DE FRAÇÕES 1 ANÁLISE DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DE XINGUARA, PARÁ SOBRE O ENSINO DE FRAÇÕES Luciano Teles Bueno 1, Claudia Lisete Oliveira Groenwald 2 RESUMO O presente trabalho apresenta um estudo realizado com

Leia mais

AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos

AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos 1 AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos Ernesto F. L. Amaral 15 de abril de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.57-73 & 75-85.

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização OS MECANISMOS DE ATUALIZAÇÃO DAS EXPLICAÇÕES BIOLÓGICAS PARA JUSTIFICAR AS DIFICULDADES NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO: ANÁLISE DO PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO LETRA E VIDA Cristiane Monteiro da Silva 1 ; Aline

Leia mais

PLANO ANUAL DE TRABALHO DOCENTE CURSO DISCIPLINA ANO ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2015 DOCENTE CARGA HORÁRIA AULAS PREVISTAS JULIANA SARTOR ÁVILA 160 80

PLANO ANUAL DE TRABALHO DOCENTE CURSO DISCIPLINA ANO ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2015 DOCENTE CARGA HORÁRIA AULAS PREVISTAS JULIANA SARTOR ÁVILA 160 80 PLANO ANUAL DE TRABALHO DOCENTE CURSO DISCIPLINA ANO ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2015 DOCENTE CARGA HORÁRIA AULAS PREVISTAS JULIANA SARTOR ÁVILA 160 80 EMENTA DA DISCIPLINA O Estudo das funções e suas aplicações

Leia mais

UMA ANÁLISE DO TRATAMENTO DADO À TRIGONOMETRIA EM LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO MÉDIO PUBLICADOS NO BRASIL DO INÍCIO DO SÉCULO XX AOS DIAS ATUAIS

UMA ANÁLISE DO TRATAMENTO DADO À TRIGONOMETRIA EM LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO MÉDIO PUBLICADOS NO BRASIL DO INÍCIO DO SÉCULO XX AOS DIAS ATUAIS ISSN 2316-7785 UMA ANÁLISE DO TRATAMENTO DADO À TRIGONOMETRIA EM LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO MÉDIO PUBLICADOS NO BRASIL DO INÍCIO DO SÉCULO XX AOS DIAS ATUAIS Resumo Adriano Torri Souza UFSM adriano.torrisouza@gmail.com

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Curso de graduação em Pedagogia - Licenciatura Disciplina: Conteúdo e Metodologia em Matemática Carga Horária: 60 Teórica: 60 Prática: Semestre: 2013.2

Leia mais

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico José Carlos Coelho Saraiva 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT Silmara Alexandra da Silva Vicente Universidade Presbiteriana Mackenzie Gisela Hernandes Gomes Universidade Presbiteriana

Leia mais

A ASTRONOMIA EM EXAMES VESTIBULARES E NO ENEM: UMA ANÁLISE DAS QUESTÕES QUANTO À TEMÁTICA E A PROBLEMATIZAÇÃO

A ASTRONOMIA EM EXAMES VESTIBULARES E NO ENEM: UMA ANÁLISE DAS QUESTÕES QUANTO À TEMÁTICA E A PROBLEMATIZAÇÃO I Simpósio Nacional de Educação em Astronomia Rio de Janeiro - 2011 1 A ASTRONOMIA EM EXAMES VESTIBULARES E NO ENEM: UMA ANÁLISE DAS QUESTÕES QUANTO À TEMÁTICA E A PROBLEMATIZAÇÃO Andreza Concheti 1, Valéria

Leia mais

O USO DO TANGRAM COMO QUEBRA-CABEÇA PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA SOBRE MULTIPLICAÇÃO DE POLINÔMIOS

O USO DO TANGRAM COMO QUEBRA-CABEÇA PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA SOBRE MULTIPLICAÇÃO DE POLINÔMIOS ISSN 2177-9139 O USO DO TANGRAM COMO QUEBRA-CABEÇA PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA SOBRE MULTIPLICAÇÃO DE POLINÔMIOS Morgana Fernandes da Silva 1 morganaf60@gmail.com Faculdades Integradas de Taquara,

Leia mais

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR.

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. ISSN 2316-7785 SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. Rodrigo Martins de Almeida Instituo Estadual de Educação de Juiz de Fora (IEE/JF) rodrigomartinsdealmeida@yahoo.com.br

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE ROBÓTICA NAS DISCIPLINAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

A UTILIZAÇÃO DE ROBÓTICA NAS DISCIPLINAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA A UTILIZAÇÃO DE ROBÓTICA NAS DISCIPLINAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA Tatiana Nilson dos Santos, Eliane Pozzebon, Luciana Bolan Frigo Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Laboratório de Tecnologias Computacionais

Leia mais

DIFICULDADES NO CÁLCULO DE DIVISÃO NA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL

DIFICULDADES NO CÁLCULO DE DIVISÃO NA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL DIFICULDADES NO CÁLCULO DE DIVISÃO NA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL GT 01 Educação Matemática nos Anos Iniciais e Ensino Fundamental AGRANIONIH, N. T. (nagranionih@uri.com.br) ENRICONE, J. R. B (jenricone@uri.com.br)

Leia mais

Análise Combinatória: uma sondagem através da contextualização

Análise Combinatória: uma sondagem através da contextualização Análise Combinatória: uma sondagem através da contextualização Almir de Lima Serpa 1 Eduardo Ferreira Lima RESUMO A proposta deste artigo visou sondar por meio de atividades de Análise Combinatória com

Leia mais

EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA

EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA ISSN 2177-9139 EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA. Caroline Conrado Pereira 1 caroline_conrado@ymail.com Centro Universitário Franciscano, Rua Silva Jardim, 1175 Santa

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

Principais discussões sobre o ensino-aprendizagem de matemática na educação infantil

Principais discussões sobre o ensino-aprendizagem de matemática na educação infantil 1 Introdução: A matemática é uma disciplina de fundamental importância na vida de todo mundo. Desde tempos antigos o ensino dessa matéria vem fazendo cada vez mais parte da vida dos seres humanos. Basta

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO André Luís Mattedi Dias mattedi@uefs.br Jamerson dos Santos Pereira pereirajamerson@hotmail.com Jany Santos Souza Goulart janymsdesenho@yahoo.com.br

Leia mais

A EXPRESSÃO GRÁFICA NA EXPLORAÇÃO DE PROPRIEDADES GEOMÉTRICAS ATRAVÉS DE SOFTWARE DE GEOMETRIA DINÂMICA

A EXPRESSÃO GRÁFICA NA EXPLORAÇÃO DE PROPRIEDADES GEOMÉTRICAS ATRAVÉS DE SOFTWARE DE GEOMETRIA DINÂMICA A EXPRESSÃO GRÁFICA NA EXPLORAÇÃO DE PROPRIEDADES GEOMÉTRICAS ATRAVÉS DE SOFTWARE DE GEOMETRIA DINÂMICA Anderson Roges Teixeira Góes Universidade Federal do Paraná Departamento de Expressão Gráfica Secretaria

Leia mais