Plano de Acção de 2011 Plano de Acção de Conselho Local de Acção Social de Monção. Conselho Local de Acção Social de Monção

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Acção de 2011 Plano de Acção de 2010. Conselho Local de Acção Social de Monção. Conselho Local de Acção Social de Monção"

Transcrição

1 Plano de Acção de 2011 Plano de Acção de 2010 Conselho Local de Acção Social de Monção Conselho Local de Acção Social de Monção

2 CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE MONÇÃO Actualmente a Rede Social de Monção conta com a colaboração de 38 entidades parceiras com a seguinte natureza jurídica: IPSS/Associações Equiparadas Juntas de Freguesia Organismos Públicos Empresa Unipessoal Entidades Sem Fins Lucrativos 2

3 SUMÁRIO O Plano de Acção 2011 é um documento de planeamento anual onde se identificam os projectos e as intervenções previstas para o presente ano, devidamente enquadradas nas estratégias definidas no Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Acção 2011, considerando os três eixos prioritários de intervenção, intervenções familiares, intervenções infanto-juvenis e envelhecimento e dependência, estabelecidos no Diagnóstico Social, define com detalhe as actividades, as entidades responsáveis pela sua concretização e o respectivo calendário de realização para o ano de Desta forma, o presente documento desdobra-se em 18 objectivos gerais, 36 objectivos específicos e 57 actividades, como resposta às problemáticas identificadas em cada um dos eixos de intervenção. II. METODOLOGIA O Plano de Acção 2011, operacionalmente coordenado pelo Núcleo Executivo, assentou numa metodologia participativa, integrada e multidisciplinar, que envolveu a participação e dinâmica dos parceiros do Conselho Local de Acção Social, à semelhança do Plano de Acção anterior. Esta metodologia permitiu a elaboração de um Plano de Acção exequível e articulado com outros planos de actividades de serviços/instituições, bem como para a operacionalização dos objectivos estratégicos e as prioridades definidas no Plano de Desenvolvimento Social

4 EIXO I - Intervenções familiares Problema 1 Famílias com problemas de alcoolismo Intervir junto dos agregados Diagnosticar, no ano de 2011, a Dar continuidade ao Núcleo de Intervenção na área familiares, no sentido de reduzir nível concelhio, as situações preenchimento da base de do alcoolismo (Município de os factores de risco familiar e com a problemática do dados do alcoolismo Monção, Núcleo Executivo, IDT, aumentar os factores alcoolismo RSI e ULSAM Unidade de protectores até finais de 2011 Cuidados à Comunidade) Até Março de 2011, definir as Elaborar, até Março de 2011, as Março de 2011 Núcleo de Intervenção na área estratégias de intervenção na linhas mestras de intervenção do alcoolismo área do alcoolismo para o nesta área concelho Sensibilizar a população para a Realizar três acções de Março 2011 ULSAM - UCC de Saúde problemática do alcoolismo sensibilização sobre saúde nas Juntas de Freguesia freguesias de Pias, Bela e Riba de Mouro Problema 2 Número elevado de situações de violência doméstica Reforçar, até Dezembro de Até 2011, criar uma casa abrigo para Readaptar da Escola Primária Associação Censo 2011, a intervenção junto de vítimas de violência doméstica de Badim para Casa Abrigo vítimas e agressores Durante o ano de 2011, responder Articular os serviços sociais Serviços Sociais Locais efectivamente aos pedidos de apoio locais com o Recomeçar: Recomeçar psicológico e jurídico das vítimas e dos consultas de avaliação e 3

5 agressores de violência doméstica acompanhamento a vitimas e agressores Sensibilizar os jovens/adolescentes para Aplicar um manual sobre Segundo semestre 2011 Recomeçar a problemática da violência no namoro violência doméstica aos alunos em idade pré-escolar Realizar um workshop sobre a Março 2011 CPCJ violência no namoro Escola Secundária Realizar uma Sessão de Outubro 2011 CPCJ teatro-debate sobre violência Escolas escolar Dotar a população alvo estratégica das Realizar uma sessão Primeiro semestre 2011 Escola Secundária escolas com competências na área da informativa sobre violência detecção e sinalização de situações de escolar destinada aos violência funcionários das escolas Problema 3 Gestão desadequada do orçamento/organização familiar Até final de 2011, 100 famílias Dotar 15 famílias com Dinamizar uma acção de Junho 2011 Núcleo Executivo vão adquirir competências ao competências ao nível da Formação sobre gestão do nível da gestão e organização gestão das finanças pessoais. orçamento familiar para a doméstica comunidade (DECO) Dotar 10 famílias com Dinamizar uma formação em Maio 2011 CPCJ competências ao nível da Organização e Gestão Cruz Vermelha delegação de gestão doméstica e organização Doméstica para famílias Monção familiar. acompanhadas pela CPCJ ULSAM UCC de Saúde Acompanhar 5 famílias na Implementar o Programa de Banco Local de Voluntariado de aquisição de hábitos e métodos Voluntariado A Par e Passo Monção de gestão doméstica 4

6 Problema 4 Acesso reduzido e fraca qualidade na habitação Até 2011 promover a melhoria Melhorar as condições de Regularizar o regime da das condições de habitabilidade habitabilidade dos bairros ocupação dos Bairros Sociais sociais do concelho de Monção (actualização/legalização) Realizar até 2011, obras de Em 2011, são apoiadas 4 Apoiar a 4 famílias na melhoria beneficiação em 4 habitações famílias na melhoria das das condições habitacionais condições habitacionais Estabelecer protocolos com empresas privadas para cedência de material de construção e doméstico Problema 5 Falta de motivação/empenho da população na procura de emprego Até 2011, integrar no mercado Em 2011, são integrados 10 Candidaturas a Programas da Ao longo do ano Juntas de Freguesia social de emprego, 15% dos beneficiários do RSI e Medida Emprego Inserção e Município beneficiários de RSI desempregados na medida Emprego Inserção + IPSS Contrato emprego inserção e RSI inserção + Até 2011, elevar os níveis de Certificar através do CNO, até Actividades de divulgação das EPRAMI CNO qualificação da população 2011, 800indivíduos nos níveis ofertas do CNO (campanha adulta de ensino básico e secundário e interna de divulgação) encaminhar 324 indivíduos para diferentes ofertas formativas, do nível básico e secundário Desenvolvimento de actividades de RVCC de nível básico e secundário EPRAMI CNO 5

7 (cursos EFA, UFCDS ) Desenvolvimento de actividades de encaminhamento para diferentes ofertas formativas EPRAMI CNO 6

8 EIXO II - Intervenções Infanto-Juvenis Problema 1 Respostas insuficientes para a problemática da deficiência Na vigência do PDS, Caracterizar a população do Levantamento da população Janeiro Fevereiro 2011 Núcleo de Intervenção na área incrementar a rede de concelho em relação às com deficiência/incapacidade da deficiência equipamentos e serviços de principais deficiências/ apoio à pessoa com incapacidades deficiência/incapacidade Apoiar a candidatura da Apresentação de candidatura a Fim do PA APPACDM Delegação de APPACDM para a reabilitação do financiamento Monção edifício da antiga escola de Pousa Durante o ano de 2011, aplicar Aplicação da legislação sobre Municipio de Monção a legislação sobre acessibilidades acessibilidades nos espaços e serviços públicos Sinalizar o dia internacional da Realizar acções para 3 de Dezembro 2011 Núcleo de Intervenção na área pessoa com deficiência comemoração do dia da deficiência Optimizar o atendimento dos Constituição de um serviço de 2.º Semestre do ano de 2011 Plataforma Supra-concelhia do cidadãos com deficiência e informação e mediação para Minho-Lima respectivas famílias no pessoas com deficiência ou conhecimento dos seus direitos, incapacidade deveres, soluções para problemas 7

9 Problema 2 Consumo elevado de álcool e tabaco nos jovens Permitir a adopção de atitudes Prestar informações detalhadas Desenvolvimento do GAIA - (excepto férias Centro de Saúde mais conscientes e aos jovens sobre diversas Gabinete de Atendimento e escolares) Escola Secundária responsáveis pelos jovens na temáticas como: uso e informação ao aluno EB2,3 de Monção etapa da adolescência colocação dos preservativos, Realizar uma sessão de teatro- Outubro de 2011 CPCJ doenças sexualmente debate sobre sexualidade transmissíveis e planeamento dirigido a alunos do secundário familiar Intervenção semanal na (excepto férias Centro de Saúde EPRAMI escolares) EPRAMI Prevenir o consumo de Dinamizar o Programa Trilhos 2.º e 3.º período Escola Secundária substâncias psicoactivas e adiar de Prevenção Primária das a idade de início dos consumos toxicodependências para alunos do secundário Realizar uma sessão de teatro- Outubro de 2011 CPCJ debate sobre dependências dirigido a alunos do secundário Sensibilizar as crianças para a Criar um CD com música infantil Até final de 2011 Grémio Social de Mazedo importância do cumprimento de sobre o tema do trabalho é Jardins-de-infância do regras, horários e sentido de que sai a riqueza Agrupamento de Escolas Deu- responsabilidade. La-Deu Martins Problema 3 Falta de actividade/espaços para a ocupação dos tempos livres Dinamizar até fins de 2011, Promover em 2011, actividades Realizar actividades nas férias Verão CPCJ actividades de animação lúdico- que possibilitem o convívio do Verão para as crianças do 1º pedagógicas para as crianças e entre os pares e a ocupação de ciclo 8

10 jovens em idade escolar tempos livres de forma Realizar dois workshop sobre o Natal de 2011 saudável Natal (3 tardes) para crianças em idade escolar Dinamizar a actividade Verão Azul 2011 destinado às crianças das CPCJ s do Vale do Minho. Julho de 2011 CPCJ s do Vale do Minho Sensibilizar os jovens para a consciência colectiva dos problemas e para o compromisso na respectiva prevenção e solução com Comemorar do Dia Mundial da Criança destinado às Crianças do pré-escolar e do 1.º ciclo do concelho Dinamizar os programas juvenis do IPJ Dinamizar as Férias Desportivas destinadas a jovens dos 12 aos 15 anos. Realizar o projecto de actividades ocupacionais para crianças durante as pausas lectivas Comemorar do Ano Europeu do Voluntariado 2011 Intervenção nas turmas do 5.º ano do Agrupamento Deu-la- Deu Martins 1 de Junho de 2011 CPCJ de Monção Férias de Verão IPJ Férias da Páscoa EPRAMI Pausas lectivas Cruz Vermelha Delegação de Monção 2.º e 3.º período do ano lectivo BLV de Monção de 2010/2011 recurso ao voluntariado Dinamizar o Voluntariado Jovem Cruz Vermelha delegação de Monção 9

11 Problema 4 Número elevado de abandono/absentismo escolar Caracterizar a população Durante o ano lectivo, Realizar a avaliação psicológica escolar escolar com problemas de identificar as necessidades dos alunos sinalizados do pré e aprendizagem e/ou educativas dos alunos e 1.º ciclo dos agrupamentos necessidades educativas proceder ao encaminhamento especiais, bem como despistar das situações para as respostas Realizar a avaliação psicológica escolar Agrupamento Deu-La problemas emocionais mais adequadas aos alunos sinalizados pelas Deu Martins Escolas do Agrupamento de Escolas Deu-La-Deu Martins e Escola Secundária No ano lectivo de 2010/2011, Realizar por ano lectivo, XXX Dinamizar consultas escolar Escola Secundária desenvolver acções de consultas individuais e XXX individuais de orientação orientação vocacional a alunos sessões colectivas de orientação vocacional EB2,3 de Monção, do ensino básico e secundário vocacional a todos os alunos do Escola Secundária, cursos CEF e secundário ( a confirmar com a cursos profissionais respo0nsável) Problema 5 Falta de equipamentos de apoio à infância Até 2011, dotar o concelho de Permitir a integração de 10 Alargar a capacidade da Creche Final de 2011 Grémio Social de Mazedo equipamentos e serviços de crianças na resposta social de do Grémio Social de Mazedo apoio à primeira infância creche no sentido de apoiar a família na conciliação da actividade profissional com a vida familiar. 10

12 EIXO III Envelhecimento e Dependência Problema 1 Número insuficiente de ajudantes familiares e famílias de acolhimento Até finais de 2011, consciencializar os cuidadores informais da pessoa idosa da necessidade de incrementar os seus conhecimentos no âmbito da prestação de serviços Em 2011, dotar os prestadores de cuidados com conhecimentos na área da prestação de cuidados básicos de saúde e higiene da pessoa idosa no domicílio Sensibilizar a comunidade para o Ano Europeu do Voluntariado 2011 e informar sobre a actividade do Banco Local de Voluntariado de Monção Dotar os voluntários com conhecimentos sobre os seus direitos e deveres enquanto cidadão voluntário Sensibilizar a comunidade em geral para a consciência colectiva dos problemas e para o compromisso na respectiva prevenção e solução com recurso ao voluntariado Sinalizar os prestadores de cuidados 2.º Semestre de 2011 CDSS IPSS Realizar uma acção de 2.º Semestre de 2011 ULSAM UCC de Saúde formação na área da saúde para prestadores de cuidados Comemorar o Dia do Voluntário 5 de Dezembro de 2011 Dinamizar um Workshop sobre BLV de Monção voluntariado Sensibilizar para agir Desenvolver uma acção de 1.º Semestre de 2011 Conselho Nacional para a formação inicial em Promoção de Voluntariado voluntariado destinada aos BLV de Monção voluntários Dar continuidade à bolsa de de 2011 BLV de Monção voluntariado e promover o encontro entre voluntários e entidades promotoras de voluntariado 11

13 Problema 2 Falta de infra-estruturas com valência de lar Aumentar até 2011, o número Criar em 2011, condições para Alargar o Lar do Centro Ano de 2011 Centro Paroquial Social de de vagas na Valência de Lar aumentar o número de vagas Paroquial Social de Barbeita Barbeita em lar (capacidade para 18 Utentes) Reconverter o Centro Ano de 2011 Associação S. Cosme e Damião Comunitário de Podame em Lar de Podame de Idosos Até finais de 2011, garantir ao No ano de 2011, criar respostas Construir a infra-estrutura com Ano de 2011 Associação Sócio-cultural Vale idoso respostas alternativas à alternativas ao internamento valência de Centro de Dia para da Anta institucionalização que em lar nas freguesias 30 utentes e Apoio Domiciliário permitam a satisfação das compreendidas pelo vale da para 40 utentes necessidades ao nível da saúde, anta, mantendo o idoso no seu bem-estar e segurança. meio natural de vida No ano de 2011 aumentar em Divulgar o sistema de Ano de 2011 Santa Casa da Misericórdia 50% o número de utentes que Telealarme Centro Paroquial Social de estão a usufruir do sistema de Barbeita Telealarme CENSO Centro Paroquial e Social Padre Agostinho Caldas Afonso Problema 4 Pouca dinamização de actividades dirigida à população idosa Promover até 2011, actividades No ano de 2011, incrementar Implementar as actividades de Carnaval, Grupo das IPSS s sócio-recreativas, culturais qualitativamente e intercâmbio entre os utentes Páscoa, Natal e organizadas e dinamizadas com quantitativamente as das IPSS s do concelho São Martinho 12

14 a participação da população actividades lúdicas e Realizar o Passeio Sénior e o 21 de Maio 2011 Municipio de Monção idosa recreativas. Magusto Sénior 6 de Novembro 2011 Realizar o Encontro Inter-Redes Julho de 2011 no concelho Redes Sociais dos concelhos do Redes em Festa Melgaço Vale do Minho Até 2011 proporcionar à No ano de 2011, proporcionar à Operacionalizar o Plano de população com mais de 50 anos população sénior um espaço de actividades da Universidade CENSO e residentes do concelho o aprendizagem, cultura e lazer, Sénior acesso a actividades de voluntariado e participação enriquecimento pessoal social 13

15 Índice I Sumário 2 II Metodologia 2 III Actividades por Eixos de Intervenção 3 - Eixo Prioritário I Intervenções Familiares. 3 - Eixo Prioritário II Intervenções Infanto-Juvenis. 7 - Eixo Prioritário III Envelhecimento e Dependência

Plano de Ação de 2012 Plano de Ação de 2010. Conselho Local de Ação Social de Monção. Conselho Local de Ação Social de Monção

Plano de Ação de 2012 Plano de Ação de 2010. Conselho Local de Ação Social de Monção. Conselho Local de Ação Social de Monção Plano de Ação de 2012 Plano de Ação de 2010 Conselho Local de Ação Social de Monção Conselho Local de Ação Social de Monção CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE MONÇÃO Atualmente a Rede Social de Monção conta

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 INDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4 Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 Eixo de Desenvolvimento 2: Empregabilidade de Formação Profissional... 13 Eixo

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais:

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: PROGRAMA AÇÃO 2015 O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: - Preservar a identidade da Instituição, de modo especial no que respeita a sua preferencial ação junto das pessoas, famílias e grupos

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA II ENCONTRO DA CPCJ SERPA Ninguém nasce ensinado!? A família, a Escola e a Comunidade no Desenvolvimento da criança Workshop: Treino de Competências com famílias um exemplo de intervenção e de instrumentos

Leia mais

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO Proposta de Plano de Ação 2012/ 1 Proposta de Plano de Ação 2012/ Eixo de Desenvolvimento: Promover a qualificação escolar/profissional, o empreendedorismo e a empregabilidade. Objetivo geral: Dinamização

Leia mais

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Actividade Formativa - Intervenção Comunitária Data - 1 de Abril de 2009 Local Auditório do Edifício Cultural Município de Peniche Participação:

Leia mais

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 1 1. ÁREA DE INTERVENÇÃO ACÇÃO SOCIAL Promover a integração social dos grupos socialmente mais vulneráveis * Romper

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

Constituição dos Orgãos da Rede Social do Concelho de Valpaços 2. Constituição do Núcleo Executivo 4. Nota Introdutória 5

Constituição dos Orgãos da Rede Social do Concelho de Valpaços 2. Constituição do Núcleo Executivo 4. Nota Introdutória 5 ÍNDICE Constituição dos Orgãos da Rede Social do Concelho de Valpaços 2 Constituição do 4 Nota Introdutória 5 Eixo I Envelhecimento Populacional 7 Eixo II Qualificação e Integração Escolar e Sócio-Profissional

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL OBJECTIVO DO PDSS ACTIVIDADE/ACÇÃO PARCEIROS ENVOLVIDOS PARCEIRO RESPONSÁVEL INDICADORES DE AVALIAÇÃO EXECUÇÃO TEMPORAL SOLIDARIEDADE SOCIAL Reforçar o apoio alimentar concelhio Melhorar o conhecimento

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Rede Social de Aljezur Plano de Acção (2009) Equipa de Elaboração do Plano de Acção de 2009 / Parceiros do Núcleo Executivo do CLAS/Aljezur Ana Pinela Centro Distrital

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Página 2 de 29 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Índice Índice de Siglas. 4 Nota Prévia... 5 Exposição e Explicação dos

Leia mais

Conselho Local de Ação Social de Vila Nova de Cerveira. Núcleo Executivo

Conselho Local de Ação Social de Vila Nova de Cerveira. Núcleo Executivo Conselho Local de Ação Social de Vila Nova de Cerveira Núcleo Executivo 2 CLAS de Vila Nova de Cerveira Plano de Ação de 2015 Índice Nota Prévia... 6 Sumário... 7 Metodologia... 7 Planificação... 8 EIXO

Leia mais

Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Redondo CLASRedondo

Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Redondo CLASRedondo Plano de Acção Conselho Local de Acção Social de CLAS 2014-2015 2 EIXO 1 - PROMOVER A EMPREGABILIDADE E QUALIFICAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL E INTEGRAÇÃO DE GRUPOS SOCIAIS (PRÉ-) DESFAVORECIDOS Combate

Leia mais

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5 Índice Pág. 1. Nota Introdutória... 1 2. Actividades a desenvolver...2 3. Notas Finais...5 1 1. Nota Introdutória O presente documento consiste no Plano de Acção para o ano de 2011 da Rede Social do concelho

Leia mais

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência.

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência. Conselho Local de Acção Social de de Ourique Cuba Plano de Acção 2008 - Rede Social Programação Anual. Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através

Leia mais

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos Problemática Essencial I Envelhecimento Demográfico - Apoio Domiciliário do Centro de Saúde com viatura cedida pela Câmara Municipal. - Iniciativas da Câmara Municipal com o objectivo de proporcionar momentos

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL

PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL 2014 Aprovado na reunião do Plenário de 11.06.2014 16 de janeiro Workshop e assinatura de protocolo com CIG Público-alvo: comunidade no geral Local: Edifício Paço dos Concelho

Leia mais

REDE SOCIAL CONCELHO DA MARINHA GRANDE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Definido 5 anos

REDE SOCIAL CONCELHO DA MARINHA GRANDE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Definido 5 anos REDE SOCIIAL CONCELHO DA MARIINHA GRANDE 2010 PLANO DE SOCIAL Dezembro 2010 a Dezembro 2015 Rede Social 1 No âmbito da Lei que regulamenta a Rede Social, de acordo com o ponto 1, do artigo n.º36, do capítulo

Leia mais

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 1 EDUCAÇÃO ÁREA ATIVIDADES RESPONSAVEIS PARTICIPANTES/ INTERVENIENTES Calendarização Manter os projetos existentes nos Agrupamentos de Escolas (Fénix, tutorias, Aprender a Estudar,

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CLAS /2015 Área de Intervenção: Equipamentos e Respostas Sociais e Serviços 1 Objetivo Geral Objetivos Específicos Ação População - Alvo

Leia mais

PAREDES DE COURA INTRODUÇÃO

PAREDES DE COURA INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO Após a elaboração do Plano de Desenvolvimento Social, definindo as linhas orientadoras de intervenção social até ao final de 2009, procedemos agora à formulação de um Plano de Acção para esse

Leia mais

PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006

PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006 PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006 Documento elaborado pelo: Conselho Local de Acção Social do Concelho do Núcleo

Leia mais

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta FICHA TÉCNICA Relatório do Plano de Acção de Freixo de Espada à Cinta Conselho

Leia mais

Rede Social. Conselho Local de Ação Social do Entroncamento PLANO DE AÇÃO 2012

Rede Social. Conselho Local de Ação Social do Entroncamento PLANO DE AÇÃO 2012 Rede Social Conselho Local de Ação Social do Entroncamento PLANO DE AÇÃO 2012 2012 Índice Introdução... 3 1 - Eixo de Intervenção Famílias... 5 2 - Eixo de Intervenção Educação e Cidadania... 8 3- Eixo

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2010 O QUE É?

PLANO DE ACÇÃO 2010 O QUE É? O QUE É? O Plano de Acção é um documento anual que se desenha a partir das linhas de intervenção definidas no Plano de Desenvolvimento Social. Enquanto produto traduz-se num documento temporalmente finalizado

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL de ODEMIRA 2014-2015 EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação Promover o conhecimento e o acesso dos empresários aos apoios e incentivos no âmbito do empreendedorismo

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PLANO DE ACÇÃO 2011

AVALIAÇÃO DO PLANO DE ACÇÃO 2011 AVALIAÇÃO DO PLANO DE ACÇÃO 2011 Eixo de Desenvolvimento I: Emprego/Desemprego Desenvolver medidas com vista à redução do desemprego, ao aumento da estabilidade no emprego e facilitadores do ingresso dos

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

Plano de Acção 2014. Rede Social

Plano de Acção 2014. Rede Social Plano de Acção 2014 Rede Social Março/2014 Elaborado por: Núcleo Executivo do Conselho Local de Acção Social de Avis - Agrupamento de - Centro de Emprego e Formação Profissional de Portalegre/Serviço de

Leia mais

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Trajectórias de envelhecimento Após os 65 anos de idade a estimulação cognitiva diminui significativamente. A diminuição da estimulação desencadeia/agrava o declínio

Leia mais

Plano de Ação MARÇO DE 2014

Plano de Ação MARÇO DE 2014 Plano de Ação 2014 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Ação do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram neste documento os seguintes autores:

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO):

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO): GRUPO DE TRABALHO: ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DE VALE DA PEDRA PAULA FERREIRA ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL ANA OLIVEIRA ASSOCIAÇÃO OPERAÇÃO SAMARITANO CARINA CRENA CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO

Leia mais

Plano de Ação 2013. I Eixo De Intervenção: QUALIFICAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES E RESPONSABILIDADE SOCIAL

Plano de Ação 2013. I Eixo De Intervenção: QUALIFICAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES E RESPONSABILIDADE SOCIAL 0 Plano de Ação I Eixo De Intervenção: QUALIFICAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES E RESPONSABILIDADE SOCIAL OBJETIVO GERAL: Dotar as Instituições do Município de competências na área da qualidade para melhorar a resposta

Leia mais

CLAS de Melgaço Plano de Desenvolvimento Social 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013

CLAS de Melgaço Plano de Desenvolvimento Social 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013 1 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013 2 ÍNDICE NOTA PRÉVIA Enquadramento e contextualização geográfica e temporal 3 Percurso dos documentos estratégicos 3 Metodologias utilizadas

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020

Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020 Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social de Gondomar 16 de março de 2015 Biblioteca Municipal de Gondomar Eixo 1 Capacitação,

Leia mais

Rede Social de Gondomar

Rede Social de Gondomar Rede Social de Gondomar Plano de Desenvolvimento Social 2009 2011 Junho de 2009 (Aprovado em Reunião Plenária do CLAS G de 07 de Julho de 2009, Reunião de Câmara de 19 de Novembro de 2009 e Assembleia

Leia mais

PLANODEAÇÃO DA REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA'14. Estrutura Resumida REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA

PLANODEAÇÃO DA REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA'14. Estrutura Resumida REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA PLANODEAÇÃO DA REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA'14 Estrutura Resumida REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA Ficha Técnica Responsáveis Técnicos: - Nélia Silva - Fundação S. Barnabé - Graça Loução Centro Distrital

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Projecto +Skillz E5G Programa Escolhas Promotor: Associação Mais Cidadania 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto +Skillz E5G Promotor: Associação Mais

Leia mais

Conselho de Parceiros

Conselho de Parceiros Conselho de Parceiros 26 de Novembro de 2010 Centro Cultural e de Congressos de Aveiro 15 de Outubro de 2010 - Centro Cultural e de Congressos de Aveiro Acção 1 - Intervenção Psicossocial Acompanhamento

Leia mais

Rede Social Plano de Ação 2015

Rede Social Plano de Ação 2015 Rede Social Plano de Ação 2015 1 R E D E SOCIAL DO CONCELHO DE VILA DO BISPO Rede Social Rede Social do Concelho de Vila do Bispo PLANO DE AÇÃO 2015 Ficha Técnica Entidade Promotora: Câmara Municipal de

Leia mais

Distrito de Aveiro Concelho Ílhavo Freguesias: S. Salvador, Gafanha da Nazaré, Gafanha da Encarnação e Gafanha do Carmo

Distrito de Aveiro Concelho Ílhavo Freguesias: S. Salvador, Gafanha da Nazaré, Gafanha da Encarnação e Gafanha do Carmo IDENTIFICACÃO Atendimento Integrado e Núcleo Local de Inserção de Ílhavo Morada de Ílhavo Código Postal 3830-044 Ílhavo Localidade Ílhavo Distrito de Aveiro Concelho Ílhavo Freguesias: S. Salvador, Gafanha

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário 2015 CENTRO SOCIAL DA SÉ CATEDRAL DO PORTO Plano Anual de Atividades Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário Porto, 2015 Índice Introdução 2 Serviço de Apoio Domiciliário SAD 3 Princípios/regras

Leia mais

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado Social de Lagoa O Banco de Voluntariado LagoaSocial será enquadrado num conjunto de medidas e acções

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE A promoção da educação para a saúde em meio escolar é um processo em permanente desenvolvimento para o qual concorrem os sectores da Educação

Leia mais

Plano de Ação 2012. Conselho Local de Ação Social

Plano de Ação 2012. Conselho Local de Ação Social Plano de Ação 2012 Conselho Local de Ação Social Julho de 2012 IDENTIFICAÇÃO E FICHA TÉCNICA Título do documento: Plano de Ação 2012 Órgãos responsáveis: Órgão deliberativo: Conselho Local de Ação Social

Leia mais

Formação Geral de Voluntários Mês de Maio. Boletim Informativo 2013. O BLV de Barcelos colaborou com o Projeto Mediador Municipal Mês de Março

Formação Geral de Voluntários Mês de Maio. Boletim Informativo 2013. O BLV de Barcelos colaborou com o Projeto Mediador Municipal Mês de Março Gabinete de Ação Social e Saúde Pública O BLV de Barcelos colaborou com o Projeto Mediador Municipal Mês de Março Nas férias da Páscoa de 2013, na Casa da Juventude e na Biblioteca Municipal, decorreram

Leia mais

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa Centro Social Paroquial de Lustosa Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa 1. Identificação da Instituição: Centro Social Paroquial de Lustosa, NPC: 502431440, com sede em Alameda

Leia mais

Projecto co-financiado pelo FSE

Projecto co-financiado pelo FSE CLAS DE MONDIM DE BASTO PLANO DE ACÇÃO 2012 REDE SOCIAL DE MONDIM DE BASTO Projecto co-financiado pelo FSE ÍNDICE ÍNDICE DE TABELAS... 3 CAPÍTULO I... 4 INTRODUÇÃO... 4 CAPÍTULO II... 6 PLANO DE ACÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO INTRODUÇÃO A cultura Comunitária é a expressão concreta de tentar proporcionar aqueles que mais precisam a ajuda necessária para começar de novo a viver. O Centro

Leia mais

Enquadramento dos Contratos Locais de Desenvolvimento Social Mais

Enquadramento dos Contratos Locais de Desenvolvimento Social Mais Enquadramento dos Contratos Locais de Desenvolvimento Social Mais No seguimento do Programa de Contratos Locais de Desenvolvimento Social (regulado pela portaria n.º396/2007 de 2 de abril e com alterações

Leia mais

Plano de acção. Outubro 2011

Plano de acção. Outubro 2011 Plano de acção Outubro 2011 Ano Lectivo 2011/2012 PÁGINA - 2 INTRODUÇÃO A legislação em vigor determina que o Projecto Educativo da Escola (PEE) deve incluir temáticas relacionadas com a Promoção e Educação

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Respostas Sociais População

Leia mais

Instituições. Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade. Disciplina Ação Social VAS - 2014/15

Instituições. Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade. Disciplina Ação Social VAS - 2014/15 Instituições Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade Disciplina Ação Social VAS - 2014/15 Instituições O que é uma instituição? Estabelecimento de utilidade pública, organização ou fundação Organização

Leia mais

Acção Sócio-Educativa

Acção Sócio-Educativa Acção Sócio-Educativa Dinamizar estratégias que visam prevenir situações de absentismo e abandono escolar, voltar a colocar os jovens no Sistema Educativo. Estruturar os cursos de Alfabetização e Formação

Leia mais

Plano de Acção 2010. Concelho do Marco de Canaveses. CLAS mc. Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010

Plano de Acção 2010. Concelho do Marco de Canaveses. CLAS mc. Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010 Plano de Acção 2010 Concelho do Marco de Canaveses 2010 2011 CLAS mc Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010 Nível de Incidência Principais Conteúdos CONCEPÇÃO Pertinência

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo Branco 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo Branco 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo Branco 2014-2017 Índice Plano de Desenvolvimento Social... 3 Definição dos Eixos de intervenção... 3 Operacionalização dos Eixos de Intervenção...

Leia mais

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005 Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Senhor Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

Eixo 1 - Organização e Trabalho em Rede

Eixo 1 - Organização e Trabalho em Rede Eixo 1 - Organização e Trabalho em Rede E1_O1E1A1 E1_O2E1A1 E1_O2E2A1 E1_O3E1A1 E1_O3E1A2 E1_O3E1A3 E1_O3E1A4 Harmonizar os instrumentos de planeamento e avaliação, utilizados pelos diversos órgãos da

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ

PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DO PESO DA RÉGUA Modalidade Alargada Divulgar os Direitos da Criança na Comunidade OBJECTIVOS ACÇÕES RECURSOS HUMANOS DA CPCJ RECURSOS

Leia mais

Fórum de Boas Práticas

Fórum de Boas Práticas Câmara Municipal de Torres Vedras Sandra Colaço Fórum de Boas Práticas Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 28 de Outubro de 2009 TORRES VEDRAS População -72 259(2001) Área 407 Km2 O concelho no país Na

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA Artigo 1º Âmbito 1. Este regulamento aplica-se à resposta social Equipa de Intervenção Directa (EID) resposta social dirigida à população toxicodependente, da Unidade de Apoio a Toxicodependentes e Seropositivos

Leia mais

A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma

A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma Apresentação A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma plena integração social e profissional; Crianças

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram

Leia mais

Teatro com Teias e Histórias

Teatro com Teias e Histórias Teatro com Teias e Histórias 3 em Pipa Associação de Criação Teatral e Animação Cultural Organização de um grupo de voluntários que, integrados num projecto comunitário de vertente artística, actuam junto

Leia mais

Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira

Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira Inscreva-se! Uma mão, um amigo Casa do Povo de Relíquias Através da realização de atividades lúdicas, visitas domiciliárias, apoio na alimentação e acompanhamento

Leia mais

Eventos. Eixo I Emprego, Formação e Qualificação. Acção: Bom Porto

Eventos. Eixo I Emprego, Formação e Qualificação. Acção: Bom Porto Eventos Eixo I Emprego, Formação e Qualificação Acção: Bom Porto - Gabinete de Empregabilidade e Empreendedorismo: Uma das acções do projecto consiste na criação de um Gabinete de atendimento na área da

Leia mais

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 A violência doméstica é um fenómeno complexo que requer uma intervenção concertada e multidisciplinar. 1 PLANO MUNICIPAL CONTRA A VIOLÊNCIA

Leia mais

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS O Dec. Lei 28/2008 de 22 de Fevereiro, estabelece o regime da criação, estruturação e funcionamento dos agrupamentos de Centros de Saúde (ACES)

Leia mais

Pág. 19 Pág. 20 Pág. 21 Pág. 22-23

Pág. 19 Pág. 20 Pág. 21 Pág. 22-23 1 Indice Implementação do Cartão Social..... Pág. 3 Implementação da Oficina Doméstica.. Pág. 4 Promover o Envelhecimento com Qualidade de Vida.. Pág. 5 Promover o Envelhecimento com Qualidade de Vida...

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2013/2015

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2013/2015 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2013/2015 PLANO DE AÇÃO 2013. INDÍCE Pág. 1. Introdução. 2 2. Metodologia. 3 3. Eixos de Intervenção do P.D.S. 2013 a 2015. 5 4. Eixo I Grupos Sociais Desfavorecidos P.D.S.

Leia mais

Enquadramento Geral. Estrutura Organizacional. Objectivos. Estrutura Organizacional (Cont.) Região EDV

Enquadramento Geral. Estrutura Organizacional. Objectivos. Estrutura Organizacional (Cont.) Região EDV Entidade Promotora Entidade Co-Promotora e Co-Financiadora Entidade Co-Promotora e Co-Avaliadora Entidade Financiadora Entidade Co- Financiadora Enquadramento Geral Envelhecimento demográfico. Crescente

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA

Leia mais

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DE MANUEL DA FONSECA PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES A intervenção do Psicólogo na escola baseia-se num modelo relacional e construtivista, que fundamenta uma prática psicológica

Leia mais

Plano de Acção Ano 2011. Avaliação

Plano de Acção Ano 2011. Avaliação Rede Social de Pombal de Pombal Plano de Acção Ano 2011 Avaliação Prioridade 1- (PNAI) (Combater a pobreza das crianças e dos idosos, através de medidas que asseguremos seus direitos básicos de cidadania)

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS

FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS lano de Activida e es Orçamento PPI 2012 À INTRODUCÃO Para cumprimento do disposto na alínea a) do n 2 do artigo 34 da lei n 169/99 de 18 de Setembro, na redacção que lhe

Leia mais

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 QUEM SOMOS A APF Associação para o Planeamento da Família, é uma Organização Não Governamental com estatuto de IPSS (Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

POLÍTICAS SOCIAIS APOIO À NATALIDADE, À TERCEIRA IDADE, IGUALDADE E INCLUSÃO SOCIAL

POLÍTICAS SOCIAIS APOIO À NATALIDADE, À TERCEIRA IDADE, IGUALDADE E INCLUSÃO SOCIAL 1 POLÍTICAS SOCIAIS APOIO À NATALIDADE, À TERCEIRA IDADE, IGUALDADE E INCLUSÃO SOCIAL Senhora Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhora e Senhores Membros

Leia mais

RELATO RIO DE EXECUÇA O/2014 PLANO DE AÇA O/2015

RELATO RIO DE EXECUÇA O/2014 PLANO DE AÇA O/2015 RELATO RIO DE EXECUÇA O/2014 PLANO DE AÇA O/2015 Elaborado por: Rede Social de 0 Índice Sumário Executivo... 2 Capítulo I - Avaliação do Plano de Ação/2014... 4 Capítulo II - Plano de Ação de 2015... 10

Leia mais

rita.matos@portugalmail.com BI nº 11367602 Contribuinte nº 214217183

rita.matos@portugalmail.com BI nº 11367602 Contribuinte nº 214217183 1 DADOS PESSOAIS Nome Ana Rita da Eira Matos Naturalidade Braga Data de nascimento 19 / 05 / 1978 Nacionalidade Portuguesa Estado Civil Solteira Morada Rua Dr. José Vilaça, Apt. 31, nº49, 6ºandar, 4705-094

Leia mais

INTERVENÇÃO SOCIAL DOS MUNICÍPIOS PARA ALÉM DAS SUAS COMPETÊNCIAS LEGAIS

INTERVENÇÃO SOCIAL DOS MUNICÍPIOS PARA ALÉM DAS SUAS COMPETÊNCIAS LEGAIS INTERVENÇÃO SOCIAL DOS MUNICÍPIOS PARA ALÉM DAS SUAS COMPETÊNCIAS LEGAIS Está em curso um inquérito, promovido pela ANMP, sobre as despesas municipais com acções de carácter social que ultrapassam as competências

Leia mais

COMISSÃO SOCIAL DE FREGUESIA DE SANTA MARIA MAIOR PLANO DE ACÇÃO 2010

COMISSÃO SOCIAL DE FREGUESIA DE SANTA MARIA MAIOR PLANO DE ACÇÃO 2010 INTRODUÇÃO Neste planeamento anual estão espelhados os projectos e as intervenções previstas para o ano de 2010 da Comissão Social de Freguesia de Santa Maria Maior, devidamente enquadradas nas estratégias

Leia mais

6 Plano de Acção 2005/2006

6 Plano de Acção 2005/2006 1 6 Plano de Acção 2005/ A Rede social iniciou actividades efectivas em em 2003, tendo sido realizado, até 2004 o Pré-Diagnóstico, o Diagnóstico Social, o Plano de Desenvolvimento Social e o Plano de Acção

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO):

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO): GRUPO TRABALHO: CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO ESTELA SILVA CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO JOANA VERGAS CRUZ VERMELHA PORTUGUESA DÁRIO COSTA GRUPO TRABALHO (ALTERAÇÃO): CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO CONCEIÇÃO

Leia mais

Lar, Centro Dia, SAD, Centro Convívio, Creche, Jardim Infância, ATL

Lar, Centro Dia, SAD, Centro Convívio, Creche, Jardim Infância, ATL Lar, Centro Dia, SAD, Centro Convívio, Creche, Jardim Infância, ATL 1 Sendo uma IPSS, que: Não tem fins lucrativos; Fornece serviços para melhorar a qualidade de vida dos clientes; Os lucros, se houverem,

Leia mais

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Maio de 2011 Preâmbulo As alterações demográficas que se têm verificado na população portuguesa

Leia mais

ÍNDICE página 2 página 3 página 7 página 13 página 15 página 17

ÍNDICE página 2 página 3 página 7 página 13 página 15 página 17 CLAS de Boticas ÍNDICE Introdução página 2 Resumo do página 3 Eixo I Promoção da Qualidade de Vida de Grupos Vulneráveis página 7 Eixo II Qualificação e Empreendedorismo página 13 Eixo III Dinamização

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios Sociais Pessoas com Deficiência

Leia mais

c u r r i c u l u m v i t a e

c u r r i c u l u m v i t a e c u r r i c u l u m v i t a e Informação pessoal Nome Morada Telefone 912079346 Fax Sousa, Cláudia Cristina Assunção Rua Miguel Bombarda, n.º 3, 4ºDto Viseu Correio electrónico floresdelivro@gmail.com

Leia mais

Projecto Violência Zero Plano Municipal de Prevenção e Combate à Violência Doméstica e de Género Covilhã, 18 de Dezembro de 2013

Projecto Violência Zero Plano Municipal de Prevenção e Combate à Violência Doméstica e de Género Covilhã, 18 de Dezembro de 2013 Projecto Violência Zero Plano Municipal de Prevenção e Combate à Violência Doméstica e de Género Covilhã, 18 de Dezembro de 2013 Plano Municipal Prevenção e Combate à Violência Doméstica e de Género 1.

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO ASSOCIAÇÕES INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ÁS ASSOCIAÇÕES DO CONCELHO DE A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas

Leia mais