Rede Social de Gondomar

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rede Social de Gondomar"

Transcrição

1 Rede Social de Gondomar Plano de Desenvolvimento Social Junho de 2009 (Aprovado em Reunião Plenária do CLAS G de 07 de Julho de 2009, Reunião de Câmara de 19 de Novembro de 2009 e Assembleia Municipal de 25 de Fevereiro de 2010) REDE SOCIAL

2 Índice Introdução 3 Gondomar e a Rede Social 4 O Município de Gondomar Principais Indicadores 6 Análise Swot 9 Plano de Desenvolvimento Social Eixos Prioritários de Intervenção 11 Eixo I Qualificação e Sustentabilidade das Organizações 11 Eixo II Famílias e Inclusão Social 12 Eixo III Promoção da Saúde e Qualidade de Vida 12 Eixos e Objectivos Gerais 13 Objectivos e Metas por Eixo de Intervenção 14 Actividades e Indicadores 22 Avaliação e Monitorização 37 Bibliografia 38 Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

3 Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) agora apresentado pretende dar continuidade ao trabalho desenvolvido no anterior PDS ( ) enunciando um conjunto de propostas consensualizadas e aprovadas por todos os membros que compõe o Conselho Local de Acção Social de Gondomar (CLAS G). Assumindo-se como um documento estratégico e decisivo no combate à pobreza e a exclusão social, validado pela identificação de algumas áreas problemáticas, aquando da Actualização do Diagnóstico Social do Município de Gondomar, o PDS de Gondomar ambiciona, uma vez mais, ser um guia e uma ferramenta facilitadora da confluência de vontades, na medida em que espelha e implica o entendimento concertado de actores provenientes dos diversos domínios da acção social concelhia. O presente Plano de Desenvolvimento Social foi elaborado pelo Núcleo Executivo do Conselho Local de Acção Social de Gondomar, tendo por base os contributos e informações provenientes de todos os parceiros, materializados nas CSF/CSIF, e pretende ser, um documento orientador do caminho a seguir no planeamento integrado e participado do desenvolvimento social do concelho. Este PDS foi organizado apostando-se na coerência entre este documento e a actualização do diagnóstico da realidade concelhia e da evolução das questões sociais existentes ou emergentes. A opção pelos eixos estratégicos definidos prende-se com a necessidade de intervir junto da comunidade, incrementando a participação cidadã, potenciando o trabalho interinstitucional, criando e incentivando a diversificação e a gestão qualificada de respostas sociais. Na primeira parte do documento é apresentada uma síntese do Diagnóstico Social do Município, problematizando as questões mais importantes e que dão lugar à fundamentação e à estrutura do novo Plano de Desenvolvimento Social. Na segunda parte são apresentados os três eixos estratégicos de intervenção assim como os objectivos gerais e específicos a atingir, bem como a coerência externa do documento quer ao nível nacional, através da articulação com as Medidas Nacionais, quer ao nível local, através da articulação com os Planos e Medidas locais. Por último serão apresentados os pontos referentes à execução, monitorização e avaliação do documento. Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

4 Gondomar e a Rede Social Após uma candidatura efectuada pela Câmara Municipal de Gondomar, através do Pelouro de Acção Social, ao Programa Rede Social, em Fevereiro de 2002, a qual foi posteriormente aprovada em Outubro do mesmo ano, iniciou-se em Fevereiro do ano seguinte, a implementação da Rede Social no Município de Gondomar, tendo a autarquia assumido esta Resolução como uma medida de política social de incentivo às redes locais. A implementação da Rede Social, com base na Resolução do Conselho de Ministros n.º 197/97 de 18 de Novembro, e restruturada pelo Decreto-Lei n.º 115 de 14 de Junho de 2006, assente nos princípios de parceria, subsidariedade, articulação, inovação, integração e igualdade de género, vem permitir pôr em prática e enquadrar o conceito de efectiva parceria, sustentada em objectivos estratégicos comuns para os territórios. O trabalho da Rede Social, enquanto espaço privilegiado de congregação de esforços entre os diferentes parceiros sociais, pode, de forma concertada e articulada, contribuir para garantir as condições e oportunidades para uma efectiva inclusão. A elaboração do Diagnóstico Social pressupôs a utilização de várias fontes de informação. Por um lado, o recurso a informação estatística oficial de natureza vária, por outro, a produção de instrumentos de recolha de informação por parte do Gabinete da Rede Social e do Núcleo Executivo do CLAS G. O Programa Rede Social, insere-se neste contexto, procurando estimular o planeamento e a definição de políticas sociais concelhias, não apenas por uma única entidade, ou de forma fragmentada por várias instituições com intervenção na área social, mas a partir de diagnósticos sociais capazes de efectuarem um retrato concelhio, em termos de necessidades e carências, mas também de potencialidades e recursos com enfoque especial no combate à pobreza e à exclusão social. De facto, com o diagnóstico será possível não só traçar um retrato destas situações, aprofundando a análise dos factores estruturais produtores de pobreza e exclusão social, mas também, conhecer de forma pormenorizada, as situações mais específicas existentes nos diferentes territórios do Município. Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

5 Ao nível local, a Rede Social irá possibilitar saltos qualitativos na intervenção social, ao suscitar a afirmação de parcerias alargadas construídas em torno da consciencialização de objectivos e estratégias de intervenção que envolvem o conjunto dos parceiros (autarquias, serviços e organizações) que actuam no concelho e nas freguesias. Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

6 O Município de Gondomar Principais Indicadores O PDS é um documento estratégico, do qual faz parte o Diagnóstico Social, a partir do qual se toma conhecimento das especificidades dos problemas locais, para que posteriormente se definam propostas de acção tendo em conta as áreas de intervenção diagnosticadas como prioritárias. Através do Diagnóstico Social, foi possível identificar, de acordo com o levantamento estatístico realizado, as várias áreas prioritárias de intervenção social. Decorrente desta análise, são agora apresentados os indicadores mais relevantes para uma percepção mais real das dinâmicas sociais existentes, junto dos agentes sociais locais. Assim: As Pessoas: População Índice de envelhecimento registou um aumento significativo no período de 2001 a 2007, sendo que Gondomar, ocupa o 2.º lugar onde o aumento foi mais acentuado, verificando-se que por cada 100 jovens entre os 0 e os 14 anos de idade, existem 86,3 pessoas com 65 ou mais anos, o que representa um aumento de mais 23 pessoas, face a As Pessoas: Educação Insucesso Escolar mais sentido ao nível do 2.º e 3.º Ciclo (9% e 15% respectivamente); Cursos de Educação e Formação, Cursos EFA e Ensino Recorrente, com 26%, 55% e 67% de insucesso respectivamente. As Pessoas: Mercado de Trabalho 3.º Concelho do Grande Porto com níveis mais elevados de desemprego Gondomar registava em Dezembro de 2008, pessoas desempregadas, das quais eram do género feminino. Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

7 As Pessoas: Família e Protecção Social PCAAC: Nos anos 2007 e 2008, as Instituições com maior número de pessoas/famílias apoiadas, estão sediadas nas freguesias de Gondomar (S. Cosme), Rio Tinto e Baguim do Monte. No que respeita ao ano 2008, do total dos 2855 indivíduos beneficiários, 918 correspondem a famílias com 2680 pessoas abrangidas e 175, são pessoas isoladas. Programa DÁ DIRECTO APOIO: Nos 2 últimos anos foram apoiadas 902 pessoas, 50% das quais são crianças e jovens. As freguesias com maior expressão de beneficiários são Rio Tinto com 30,9%, Gondomar (S. Cosme) com 21,8% e seguidamente S. Pedro da Cova, com 14,0%. Os titulares dos agregados familiares estão maioritariamente em idade activa, cerca de 70% têm idades compreendidas entre os 25 e os 44 anos de idade. 80,7% dos titulares do agregado familiar estão desempregados e 33,3% têm como principal rendimento o RSI. No entanto, mais de 15% tem, pelo menos, um salário fixo no agregado que não é suficiente para pagar as despesas mensais com a habitação. De salientar, que 10% das famílias não têm actualmente qualquer rendimento; Cerca de 20% das famílias acompanhadas tem um rendimento per capita negativo e cerca de 30% tem um rendimento diário per capita inferior a 1,00. Rendimento Social de Inserção: Estão em acompanhamento 1800 processos, com 1885 acordos de inserção. No ano 2008, foram acompanhadas pessoas, das quais, 26% reside na freguesia de Rio Tinto, 20,6% reside na freguesia de S. Pedro da Cova, 12,8% na freguesia de Gondomar (S. Cosme), com um valor muito próximo da freguesia de Fânzeres (12%). No que respeita ao grupo etário, predominam os jovens com idades inferiores a 18 anos de idade, num total de 37,1%, seguindo-se a população adulta em idade activa, entre os 40 e os 45 anos com 9,1%, e as pessoas entre os 35 e os 39 anos de idade (8,8%). Na totalidade das pessoas acompanhadas, sobressai o género feminino com aproximadamente 54%. Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Gondomar: Tendência crescente para o número de menores em perigo no concelho de Gondomar, assim como do número de situações e solicitações junto da CPCJG. Em apenas um ano, o número de menores em perigo aumentou cerca de 109 crianças, tratando-se sobretudo de adolescentes entre os 11 e os 14 anos de idade. Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

8 Violência Doméstica: Em 2006 foram apresentadas 470 queixas, provenientes de residentes no concelho de Gondomar, registadas principalmente na PSP, sendo que na sua maioria estas se referem a Maus-tratos físicos. As vítimas são maioritariamente do género feminino e têm idades compreendidas entre os 26 e os 35 anos de idade. As Pessoas: Saúde Saúde Mental: Esta é uma área de grande preocupação, pois embora não tenhamos conseguido obter dados concretos, sabemos que existe uma grande dificuldade no acesso às consultas. A Unidade de Saúde Mental, anteriormente localizada na freguesia de Gondomar (S. Cosme) foi desactivada, o que dificultou a avaliação e acompanhamento de todas as situações referenciadas. Com as transformações demográficas, sociais e familiares que se têm vindo a sentir na nossa sociedade, vão surgindo, novas necessidades para certos grupos da população, nomeadamente na área da saúde mental. Se a abordagem for estritamente clínica, é comum acentuar-se o fosso com a família e o meio social, podendo levar a uma situação de dependência e perda progressiva da consciência da individualidade. Unidades de Cuidados Continuados: A Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) tem como objectivos a prestação de cuidados de saúde e de apoio social de forma continuada e integrada a pessoas que, independentemente da idade, se encontrem em situação de dependência. De acordo com os dados disponibilizados pela Administração Regional de Saúde do Norte Sub Região do Porto, no município de Gondomar existe uma necessidade mínima de 123 camas, das quais 25 são em unidades de convalescença, 28 em unidades de media duração e 70 em unidades de longa duração. A capacidade máxima a criar será de 202 camas, de entre as quais 49 em unidades de convalescença, 45 em unidades de média duração e 108 em unidades de longa duração. As Pessoas: Justiça GNR e a PSP (2007): registados 4486 crimes, sendo que 59% do total de registos corresponde a crimes praticados contra património. Sinistralidade rodoviária: GNR (2008) total de 487 acidentes ocorridos no concelho, com o registo de 36 despistes, 33 situações de atropelamento, 72 feridos leves, 5 feridos graves e 4 mortos; PSP (2008) indicam um total de 1031 acidentes, 69 registos de despiste e 78 situações de atropelamento. Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

9 Análise SWOT O Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar , é um documento onde constam os objectivos que a Rede Social se propõe alcançar num período de três anos e funciona com base na articulação entre Programas, Medidas e Acções que se pretendem realizar no Município, dependendo a eficácia deste PDS, da articulação e do grau de cooperação estabelecido entre os diferentes actores sociais que intervêm no território. Considerando o diagnóstico acima apresentado, e tendo em conta o conhecimento existente sobre o território, procedeu-se a uma análise SWOT do concelho, numa perspectiva social, destacando-se as Potencialidades e Fragilidades, como factores endógenos e as Oportunidades e Ameaças como factores exógenos. Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

10 O Município de Gondomar: As Pessoas Factores Endógenos Potencialidades Fragilidades Diversidade da Oferta Formativa População activa jovem Estruturas de apoio ao emprego e à formação (Centro de Emprego, GIP s; CNO s, Gabinete da Empregabilidade,) Aumento acentuado do índice de envelhecimento Diminuição da taxa de natalidade bruta Dificuldades de Aprendizagem Baixas qualificações escolares Instituições com conhecimento adquirido e boas práticas nas diversas respostas sociais Existência de Programas/Projectos (PRI s, CLDS) Existência de respostas locais de proximidade (Atendimento Integrado/ Atendimento Descentralizado) Desemprego/baixos níveis de qualificação da população activa Falta oferta emprego Emprego mais acentuado no género feminino Insuficiência de respostas no âmbito da 1ª infância Insuficiência de respostas no âmbito da População idosa Pontos Fortes Existência de recursos técnicos locais (Equipas de RSI e consequente aumento do número de técnicos) Parcerias Autarquia/Terceiro Sector Violência doméstica Aumento do número de beneficiários de RSI Dependências Inexistência de Unidades de Cuidados Continuados Insuficiência de respostas na área da doença mental Pontos Fracos Oportunidades Ameaças Fontes de financiamento (Alargamento da Rede Pré-escolar, QREN, ON2, ) Tecido empresarial pouco qualificado e diversificado Alargamento e Requalificação do Parque Escolar Qualificação das Respostas Sociais Localização geográfica do Concelho Melhoria da Rede de Transportes (Metro) Factores Exógenos Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

11 Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social que de seguida é apresentado, pretende instituirse como um instrumento de base concelhia, capaz de orientar e priorizar objectivos e permitir a sua operacionalização através de Planos de Acção do CLAS G e das CSF/ CSIF, numa lógica de planeamento e avaliação conjunta. A sua organização foi assente em 3 Eixos Estratégicos, tendo sido definidas as seguintes finalidades, objectivos e metas: Eixo I Qualificação e Sustentabilidade das Organizações Identificação de necessidades Aumento e diversificação das respostas sociais Qualificação dos dirigentes associativos Incrementar o envolvimento do Movimento associativo Elevar a responsabilidade social das empresas Fomento das parcerias institucionais Identificação de problemas Défice de qualificação das respostas sociais Dependência de financiamentos estatais Incrementar a participação de todo o movimento associativo, potenciar o trabalho interinstitucional e apostar numa gestão qualificada das respostas sociais. Dotar dirigentes e técnicos de novas competências e conhecimentos, que promovam o desenvolvimento e a competitividade, com vista à melhoria dos serviços prestados à comunidade. Incentivar a criação de mais e diversificadas respostas sociais nas áreas de infância/juventude, pessoas idosas e pessoas com deficiência, procurando adequar, de forma progressiva, os serviços às necessidades dos clientes. Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

12 Eixo II Famílias e Inclusão Social Identificação de necessidades Formação Parental Qualificação escolar e profissional Fomento do empreendedorismo Proximidade dos serviços aos cidadãos Identificação de problemas Violência doméstica Baixos rendimentos familiares Perpetuação dos ciclos de pobreza entre gerações Promover, junto dos segmentos de população mais vulneráveis, o desenvolvimento de competências pessoais, sociais e parentais. Incentivar a aquisição de novas competências académicas e profissionais, garante de melhores oportunidades de emprego e uma plena cidadania. Eixo III Promoção da Saúde e Qualidade de Vida Segurança Identificação de necessidades Prevenção e promoção de comportamentos saudáveis Identificação de problemas Ausência de respostas ao nível da RNCCI Ausência de respostas ao nível da saúde mental Problemas relacionados com as dependências Incentivar a criação de respostas especificamente destinadas à área da doença mental e ao nível dos cuidados de saúde continuados. Promover acções no domínio da prevenção, reinserção e redução de riscos e minimização de danos no âmbito das dependências. Dinamizar acções promotoras de saúde. Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

13 Eixos e Objectivos Gerais Plano de Desenvolvimento Social de Gondomar Eixo I Qualificação e Sustentabilidade das Organizações Eixo II Famílias e Inclusão Social Eixo III Promoção da Saúde e Qualidade de Vida 1.1. Alargamento e Diversificação da Rede de Equipamentos Sociais 2.1. Promover o desenvolvimento de competências pessoais, sociais e parentais 3.1. Qualificar a vida das pessoas em situação de dependência 1.2. Implementar um sistema de gestão de qualidade das Instituições Sociais e promover a articulação interinstitucional 2.2. Qualificar as respostas nas situações de violência doméstica 3.2. Qualificar a vida das pessoas com doença mental 1.3. Fomentar a Responsabilidade Social das Empresas 2.3. Aumentar a qualificação escolar e profissional 3.3. Prevenir o uso e abuso de substâncias psicoactivas 2.4. Fomentar o dinamismo institucional de forma a desenvolver respostas integradas 3.4. Realizar acções promotoras de saúde Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

14 Objectivos e Metas por Eixo de Intervenção Eixo I Qualificação e Sustentabilidade das Organizações Objectivo Geral 1.1 Alargamento e Diversificação da Rede de Equipamentos Sociais Aumentar a rede de equipamentos de apoio a pessoas idosas, até final de Meta 1: Alargar o n.º de acordos de cooperação na valência de Lar de Idosos, Centro de Dia e Serviço de Apoio Domiciliário. Resposta Social N.º acordos actuais N.º acordos previstos Centro de Dia PARES (+120 POPH) Lar de Idosos PARES (+85 POPH) Serviço Apoio Domiciliário PARES (+150 POPH) Total PARES (+355 POPH) Cobertura actual das respostas dirigidas à Terceira Idade (Rede Solidária): 2,6%; com os novos lugares através do POPH, 3,6% Meta 2: Alargar, em 10%, os acordos de cooperação da valência de SAD de 5 para 7 dias e diversificar os serviços prestados aos clientes Aumentar a rede de equipamentos de apoio à primeira infância, até final de Meta: Alargar o n.º de acordos de cooperação na valência de Creche e Educação Pré-escolar. Resposta Social N.º acordos actuais N.º acordos previstos Creche PARES Educação Pré-escolar (R. Pública) Educação Pré-escolar (R. Solidária) Cobertura actual da resposta Creche (Rede Solidária): 4,5% Cobertura actual da resposta Educação Pré-escolar (RS+Rede Pública): Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

15 Caracterizar as pessoas com deficiência e as suas necessidades, até meados de Meta: Envolver todas as Instituições parceiras, para a recolha de dados relativos às pessoas com deficiência Diversificar a rede de Equipamentos Sociais nas áreas de: Centro de Acolhimento Temporário de Crianças e Jovens, Apartamentos de Autonomização, Centro de Acolhimento a Vítimas de Violência Doméstica, Fórum Sócio-Ocupacional, Intervenção Precoce e Refeitório/ Cantina Social, até final de Meta: Assegurar, através de candidaturas a fundos nacionais e/ou comunitários, a implementação de 2 dos Equipamentos supra mencionados. Objectivo Geral 1.2 Implementar um sistema de gestão de qualidade das Instituições Sociais e promover a articulação interinstitucional Promover a formação de dirigentes associativos em gestão e cultura organizacional, até final de Meta: 50% das IPSS parceiras participam na formação, com pelo menos 1 dirigente Promover a formação de técnicos das Instituições parceiras, na área da qualificação das respostas sociais, do desenvolvimento local e de estratégias para a sustentabilidade, até final de Meta: 75% dos Directores Técnicos das Instituições, participam nas acções de formação Implementar os Manuais de Gestão de Qualidade das Respostas Sociais do ISS, em 50% das IPSS parceiras, nas valências de Creche, Centro de Dia, Serviço de Apoio Domiciliário (SAD), Centro de Actividades Ocupacionais (CAO), Centro de Acolhimento Temporário e Lar Residencial, até final de Meta: 50% das Instituições parceiras com valências nas áreas de Creche, Centro de Dia, SAD, CAO, Centro de Acolhimento Temporário e Lar Residencial adoptam o Manual de Gestão de Qualidade do ISS. Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

16 1.2.4 Promover a articulação e partilha de informação entre os agentes locais, até final de Meta: Criar mecanismos de comunicação entre os parceiros que constituem as CSF/CSIF, o Núcleo Executivo e o CLAS G Envolver o movimento associativo no desenvolvimento de acções de cariz social, valorizando as áreas culturais, recreativas e desportivas, até final de Meta: 50 Colectividades parceiras participam activamente no desenvolvimento das actividades inscritas no Plano de Acção da respectiva CSF/CSIF Incentivar o acolhimento de voluntários nas Instituições, potenciando a qualidade dos serviços existentes, até final de Meta: 50% das IPSS parceiras desenvolvem programas de voluntariado em colaboração com o Banco Local de Voluntariado de Gondomar. Objectivo Geral 1.3 Fomentar a Responsabilidade Social das Empresas Promover a inserção profissional de pessoas com deficiência, até final de Meta: Sensibilizar 5 empresas para a integração de pessoas com deficiência Incentivar, até final de 2011, a constituição de voluntariado empresarial, para o desenvolvimento de acções/projectos no âmbito da responsabilidade social. Meta: 3 empresas concelhias constituem um grupo de voluntariado e desenvolvem iniciativas neste âmbito. Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

17 Eixo II Famílias e Inclusão Social Objectivo Geral 2.1 Promover o desenvolvimento de competências pessoais, sociais e parentais Dinamizar acções de formação parental, dirigidas a pais de crianças e jovens sinalizados pela CPCJ, até final de Meta: Envolver 800 pais e mães, sinalizados à CPCJ de Gondomar por situações de negligência, maus-tratos físicos e abuso emocional, em acções de formação parental Promover acções de gestão doméstica, junto dos grupos de população mais vulneráveis, até final de Meta: Integrar, anualmente, 2 conjuntos de 10 agregados familiares residentes nos Conjuntos Habitacionais, em acções de gestão doméstica Realizar, até final de 2011, acções de desenvolvimento pessoal e treino de competências sociais junto de segmentos populacionais mais vulneráveis. Meta: Integrar, 1000 mulheres residentes nos Conjuntos Habitacionais, em acções de desenvolvimento pessoal e treino de competências sociais. Objectivo Geral 2.2 Qualificar as respostas nas situações de violência doméstica Aumentar e qualificar o atendimento e acompanhamento a vítimas de violência doméstica, até final de Meta 1: Uniformizar os procedimentos de atendimento e acompanhamento a vítimas de violência doméstica, em todas as Instituições que dinamizam este serviço (Gabinetes de Atendimento de Autarquias, Instituições e Forças de Segurança). Meta 2: Propiciar a cooperação entre os serviços de apoio à vítima, órgãos de polícia criminal e serviços de saúde, no desenvolvimento do Programa para Agressores de Violência Doméstica a implementar pela Direcção-Geral de Reinserção Social e Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género. Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

18 Apoiar a constituição de grupos de auto-ajuda a vítimas de violência doméstica, até final de Meta: Dinamizar 1 grupo de auto-ajuda com vítimas de violência doméstica Compreender a realidade concelhia em termos de violência doméstica, no que concerne ao perfil das vítimas/agressores e tipos de violência, até final de Meta: Realizar um estudo de caracterização da Violência Doméstica no Concelho de Gondomar. Objectivo Geral 2.3 Aumentar a qualificação escolar e profissional Promover a criação de emprego, prevenir e combater o desemprego, até final de Meta 1: Prosseguir com as iniciativas que visam responder à situação de desemprego de jovens e adultos em articulação com as Iniciativa Novas Oportunidades de forma a evitar o influxo de DLD, oferecendo uma nova oportunidade no prazo máximo de 6 e 12 meses, respectivamente. Meta 2: Promoção de uma inserção mais rápida e mais sustentada no mercado de emprego, através do Serviço Local de Emprego e em estreita articulação com os Gabinetes de Inserção Profissional, enquanto estruturas de apoio ao emprego Investir na educação e formação e melhorar as qualificações da população, até final de Meta: Formar, qualificar e certificar, anualmente, 2000 pessoas, através dos Centros Novas Oportunidades. Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

19 Incentivar acções de empreendedorismo junto de grupos mais desfavorecidos, até final de Meta 1: Apoiar a constituição do auto-emprego, valorizando as competências pessoais e profissionais da população em idade activa, residente em Conjuntos Habitacionais. Meta 2: Sensibilizar as organizações sociais para a promoção de 2 Enclaves Promover uma rede de ofertas formativas diversificada e adequada às necessidades do Mercado de Trabalho, até final de Meta: Divulgar, anualmente, a rede de oferta formativa concelhia, a qual deve ser articulada e concertada entre todas as instituições com competência em matéria de educação/formação Fomentar o aumento de respostas formativas para jovens com idades inferiores aos 16 anos de idade. Meta: Aumentar em 50% o número de jovens incluídos em respostas formativas adequadas às suas necessidades, face à resposta actual. Objectivo Geral 2.4 Fomentar o dinamismo institucional de forma a desenvolver respostas integradas Incentivar a dinamização de respostas locais de proximidade. Meta: Implementar o Atendimento Integrado e o Atendimento Descentralizado no Município de Gondomar. Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

20 Eixo III Promoção da Saúde e Qualidade de Vida Objectivo Geral 3.1 Qualificar a vida das pessoas em situação de dependência Criar, até 2011, uma Unidade de Cuidados Continuados de Saúde no âmbito da RNCCI, em Unidades de Convalescença, de Média Duração e Reabilitação e de Longa Duração e Manutenção. Meta: Criar, 25 camas em Unidades de Convalescença, 28 camas em Unidades de Média Duração e Reabilitação e 70 camas em Unidades de Longa Duração e Manutenção. Objectivo Geral 3.2 Qualificar a vida das pessoas com doença mental Criar, uma rede de apoio a pessoas com doença mental, até final de Meta 1: Criar 1 Fórum Sócio Ocupacional, para 30 pessoas diagnosticadas com doença mental. Meta 2: Restabelecer a especialidade de Psiquiatria no concelho de Gondomar. Meta 3: Desenvolver uma formação para familiares de doentes mentais e proporcionar a constituição de um grupo de ajuda mútua. Objectivo Geral 3.3 Prevenir o uso e abuso de substâncias psicoactivas Alargar o número de respostas existentes em matéria de dependências, aos territórios diagnosticados como prioritários em termos de intervenção, até final de Meta: Através do PORI, constituir 2 PRI financiados para as freguesias de Baguim do Monte e Valbom e, 1 PRI não financiado que abranja as freguesias das CSIF Douro Nascente e Douro Poente. Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

21 Alargar a intervenção ao nível da problemática do alcoolismo, até ao final de Meta: Potenciar a capacidade de resposta do Gabinete C.A.R.A. Centro de Apoio e Recuperação do Alcoolismo, a todo o território concelhio. Objectivo 3.4 Realizar acções promotoras de saúde Promover rastreios de saúde, em todas as freguesias do Concelho, até final de Meta: Realizar rastreios no âmbito da saúde oral, colesterol, diabetes, controlo da tensão arterial, cálculo do índice de massa corporal, e fornecer informações importantes para a promoção da saúde e prevenção da doença, junto da comunidade Incentivar a prática de comportamentos alimentares saudáveis, até final de Meta: Protocolar, com a Plataforma Contra a Obesidade, um Programa de Prevenção da Obesidade, junto dos Agrupamentos de Escola e Escolas Secundárias Promover, acções de sensibilização e formação no âmbito da Sexualidade, até final de Meta 1: Integrar, 1000 jovens, inseridos no Sistema Educativo, em acções de sensibilização no âmbito da Educação para os Afectos. Meta 2: Desenvolver acções de prevenção, junto de 1000 jovens, sobre as Infecções Transmitidas Sexualmente. Meta 3: Sensibilizar, pequenos grupos de jovens, que frequentam as Escolas EB 2,3, Escolas Secundárias e Pólos de Formação Profissional, para as questões relacionadas com a Gravidez na Adolescência Trabalhar o conceito de Segurança nas suas diversas áreas, em todo o território concelhio, até final de Meta 1: Implementar uma Escola Municipal de Educação Rodoviária. Meta 2: Organizar uma campanha de sensibilização e informação no âmbito da Segurança. Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

22 Actividades e Indicadores Objectivo Geral 1.1 Alargamento e Diversificação da Rede de Equipamentos Sociais Objectivo Específico Actividades Indicadores Recursos Impactos Aumentar a rede de equipamentos de apoio a pessoas idosas, até final de Aumentar a rede de equipamentos de apoio à primeira infância, até final de Incentivar candidaturas a fontes de financiamento para a construção/alargamento de equipamentos sociais para pessoas idosas; Propor o Alargamento dos Acordos de Cooperação do SAD de 5 para 7 dias úteis. Incentivar candidaturas a fontes de financiamento para a construção/alargamento de equipamentos sociais de apoio à primeira infância; N.º de candidaturas apresentadas; N.º de projectos aprovados. N.º de candidaturas apresentadas; N.º de projectos aprovados. Todos os recursos (humanos, materiais e financeiros) necessários à implementação e execução das acções serão sempre definidos com as CSF/CSIF, pelo que, não estão previamente referenciados. Produzir um planeamento integrado dos equipamentos sociais Articulação com Medidas Nacionais/ Locais QREN : Programa Operacional Potencial Humano; Programa Operacional Valorização Território. do Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

23 Objectivo Geral 1.1 Alargamento e Diversificação da Rede de Equipamentos Sociais Objectivo Específico Actividades Indicadores Recursos Impactos Solicitar aos serviços de atendimento/ acompanhamento Conhecer o N.º de entidades que o preenchimento de um Caracterizar as pessoas com número e participam na formulário de registo; deficiência e as suas problemáticas identificação de necessidades, até meados de Elaborar um Estudo pessoas com das pessoas Diagnóstico, sobre as pessoas deficiência; Todos os recursos com deficiência, com deficiência residentes no (humanos, materiais e no Concelho concelho. financeiros) necessários Diversificar a rede de à implementação e Equipamentos Sociais nas execução das acções áreas de: Centro de serão sempre definidos com as CSF/CSIF, pelo Acolhimento Temporário de Através de candidaturas a Produzir um N.º de candidaturas que, não estão Crianças e Jovens, fundos nacionais e/ou apresentadas; previamente planeamento Apartamentos de comunitários, incentivar a referenciados. integrado dos Autonomização, Centro de implementação de 2 dos N.º de projectos equipamentos Acolhimento a Vítimas de Equipamentos especificados. aprovados. Violência Doméstica, Fórum sociais Sócio-Ocupacional, Intervenção Precoce e Refeitório/ Cantina Social, até final de Articulação com Medidas Nacionais/ Locais QREN : Programa Operacional Potencial Humano; Programa Operacional Valorização do Território. Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

24 Objectivo Geral 1.2 Implementar um sistema de gestão de qualidade das Instituições Sociais e promover a articulação interinstitucional Objectivo Específico Actividades Indicadores Recursos Impactos Articulação com Medidas Nacionais/ Locais Promover a formação de dirigentes associativos em gestão e cultura organizacional, até final de Realização de acções de formação para dirigentes associativos. N.º de acções de formação realizadas; N.º de dirigentes envolvidos/as nas acções. Federação das Colectividades do Concelho de Gondomar Promover a formação de técnicos das Instituições parceiras, na área da qualificação das respostas sociais, do desenvolvimento local e de estratégias para a sustentabilidade, até final de Implementar os Manuais de Gestão de Qualidade das Desenvolver acções de formação para técnicos, em parceria com diversas entidades, em domínios como a qualificação das respostas sociais, estratégias de sustentabilidade, e a inovação no 3.º Sector. Em articulação com o Centro Distrital, implementar N.º de acções de formação realizadas; N.º de parcerias estabelecidas; N.º de instituições/ técnicos envolvidos/as nas acções. N.º de Instituições abrangidas; Todos os recursos (humanos, materiais e financeiros) necessários à implementação e execução das acções serão sempre definidos com as CSF/CSIF, pelo que, não estão previamente referenciados. Qualificar as respostas sociais Centro Distrital do Porto Respostas Sociais do ISS, em 50% das IPSS parceiras, nas valências de Creche, Centro de Dia, SAD, CAO, CAT e Lar Residencial, até final de gradualmente o Modelo de Avaliação de qualidade do ISS nas respostas sociais Creche, Centro de Dia, SAD, CAO, CAT e Lar Residencial. N.º de Instituições que implementaram o Manual de Qualidade do ISS; N.º de Instituições certificadas. Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

25 Objectivo Geral 1.2 Implementar um sistema de gestão de qualidade das Instituições Sociais e promover a articulação interinstitucional Objectivo Específico Actividades Indicadores Recursos Impactos Promover a articulação e partilha de informação entre os agentes locais, até final de Envolver o movimento associativo no desenvolvimento de acções de cariz social, valorizando as áreas culturais, recreativas e desportivas, até final de Incentivar o acolhimento de voluntários nas Instituições, potenciando a qualidade dos serviços existentes, até final de Criar um sistema de informação/ comunicação entre todos os parceiros sociais, através da edição de um Boletim Social e da criação de um blog na página web da Câmara Municipal de Gondomar. Promover actividades que apelem à dinamização do tecido associativo do concelho, e que contribuam para a promoção de competências pessoais, sociais, de cidadania, culturais, entre outros aspectos. No âmbito do BLV de Gondomar, contribuir para a dinamização das respostas sociais, integrando projectos de voluntariado nas Instituições sociais. N.º de Edições; N.º de comentários/ sugestões dos parceiros. N.º de Associações de cariz cultural, recreativo e desportivo envolvidas; N.º de participações em actividades. N.º de envolvidos. N.º de Instituições inscritas no BLV de Gondomar; N.º de Voluntários inscritos; N.º de projectos de voluntariado a integrar. Todos os recursos (humanos, materiais e necessários implementação execução financeiros) à e das acções serão sempre definidos com as CSF/CSIF, pelo que, não previamente referenciados. estão Consolidar o trabalho em Rede Articulação com Medidas Nacionais/ Locais Federação das Colectividades do Concelho de Gondomar Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

26 Objectivo Geral 1.3 Fomentar a Responsabilidade Social das Empresas Objectivo Específico Actividades Indicadores Recursos Impactos Promover a inserção profissional de pessoas com deficiência, até final de Incentivar, até final de 2011, a constituição de voluntariado empresarial, para o desenvolvimento de acções/projectos no âmbito da responsabilidade social. Incentivar a contratação de pessoas com deficiência. Realização de reuniões com Empresas sedeadas no Município para sensibilização na área da responsabilidade social. N.º de empresas sensibilizadas; N.º de postos de trabalho criados. N.º de reuniões realizadas; N.º de empresas sensibilizadas; N.º de projectos de voluntariado empresarial. Todos os recursos (humanos, materiais e necessários implementação execução financeiros) à e das acções serão sempre definidos com as CSF/CSIF, pelo que, não previamente referenciados. estão Aumentar o n.º de pessoas com deficiência inseridas no mercado de trabalho Articulação com Medidas Nacionais/ Locais Instituto de Educação e Formação Profissional; Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

27 Objectivo Geral 2.1 Promover o desenvolvimento de competências pessoais, sociais e parentais Objectivo Específico Actividades Indicadores Recursos Impactos Articulação com Medidas Nacionais/ Locais Implementar roteiros para a Dinamizar acções de formação parental, dirigidas a pais de crianças e jovens sinalizados pela CPCJ, até final de educação parental, junto de grupos de pais e filhos. Formar pais para educar outros pais. N.º de acções promovidas; N.º de pessoas envolvidas. Todos os recursos (humanos, materiais e financeiros) Promover acções de gestão doméstica, junto dos grupos de população mais vulneráveis, até final de Realizar, até final de 2011, acções de desenvolvimento pessoal e treino de competências sociais junto de segmentos populacionais mais vulneráveis. Iniciativas, individuais/grupo de organização/gestão doméstica/habitacional, através de intervenção em gabinete e nos domicílios. Promoção de dinâmicas de ateliê junto de jovens, adultos e idosos, em domínios como: dependências, mediação de conflitos, intervenção familiar, valorização pessoal, promoção da saúde, entre outros. N.º de acções promovidas; N.º de pessoas envolvidas. N.º de acções promovidas; N.º de pessoas envolvidas. necessários à implementação e execução das acções serão sempre definidos com as CSF/CSIF, pelo que, não estão previamente referenciados. Redefinição/ Reformulação dos projectos de vida das famílias Contrato Local de Desenvolvimento Social de Gondomar (CLDS de Gondomar) Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

28 Objectivo Geral 2.2 Qualificar as respostas nas situações de violência doméstica Objectivo Específico Actividades Indicadores Recursos Impactos Aumentar e qualificar o atendimento acompanhamento a vítimas de violência doméstica, até final de Apoiar a constituição de grupos de auto-ajuda a vítimas de violência doméstica, até final de Compreender a realidade concelhia em termos de violência doméstica, no que concerne ao perfil das vítimas/agressores e tipos de violência, até final de e Identificação dos diversos recursos a intervir nesta área; Definição de circuitos de comunicação e de estratégias de intervenção conjuntas. Intervir com mulheres, vítimas de violência doméstica, para a valorização das suas aptidões pessoais/ sociais; Formar mulheres para intervirem com outras mulheres. Elaborar um Estudo Diagnóstico da realidade concelhia sobre Violência Doméstica. N.º de respostas identificadas no concelho; N.º de acções desenvolvidas. N.º de mulheres integradas em grupos de autoajuda; Todos os recursos (humanos, materiais e financeiros) necessários à implementação e execução das acções serão sempre definidos com as CSF/CSIF, pelo que, não estão previamente referenciados. Trabalhar segundo uma lógica de intervenção conjunta Definir estratégias de intervenção adequadas às necessidades identificadas; Articulação com Medidas Nacionais/ Locais III Plano Nacional Contra a Violência Doméstica CIG QREN Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

29 Objectivo Geral 2.3 Aumentar a qualificação escolar e profissional Objectivo Específico Actividades Indicadores Recursos Impactos Articulação com Medidas Nacionais/ Locais Promover a criação de emprego, prevenir e combater o desemprego, até final de Encaminhar desempregados para respostas locais; N.º de iniciativas no âmbito da promoção do emprego; N.º de pessoas encaminhadas; QREN Investir na educação e formação e melhorar as qualificações da população, até final de Incentivar acções de empreendedorismo junto de grupos mais desfavorecidos, até final de Promover uma rede de ofertas formativas diversificada e adequada às necessidades do Mercado de Trabalho, até final de Divulgar os Centros Novas Oportunidades (CNO); Encaminhar adultos para os CNO. Realizar acções de incentivo à procura de emprego. Sensibilizar para a criação de 2 enclaves, junto das organizações sociais. Articular com toda a comunidade educativa e Centro de Emprego de Gondomar a diversificação da oferta formativa. N.º de pessoas inscritas; N.º de pessoas em processo; N.º de pessoas certificadas. N.º de acções realizadas; N.º de Instituições sensibilizadas; N.º de pessoas envolvidas; N.º de propostas de auto-emprego. Diversificação da oferta formativa; Todos os recursos (humanos, materiais e financeiros) necessários à implementação e execução das acções serão sempre definidos com as CSF/CSIF, pelo que, não estão previamente referenciados. Qualificação dos Recursos Humanos Medida Emprego 2009 Novas Oportunidades Gabinetes de Inserção Profissional Gabinete da Empregabilidade (CLDS de Gondomar) Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

30 Objectivo Geral 2.3 Aumentar a qualificação escolar e profissional Objectivo Específico Actividades Indicadores Recursos Impactos Fomentar o aumento de respostas formativas para jovens com idades inferiores aos 16 anos de idade. Incentivar a diversidade da oferta formativa; Aumentar o número de CEF s T1 N.º de escolas que oferecem CEF T1; N.º de alunos que frequentam os CEF T1. Todos os recursos (humanos, materiais e financeiros) necessários à implementação e execução das acções serão sempre definidos com as CSF/CSIF, pelo que, não estão previamente referenciados. Qualificação dos Recursos Humanos Articulação com Medidas Nacionais/ Locais QREN Medida Emprego 2009 Novas Oportunidades Gabinetes de Inserção Profissional Gabinete da Empregabilidade (CLDS de Gondomar) Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

31 Objectivo Geral 2.4 Fomentar o dinamismo institucional de forma a desenvolver respostas integradas Objectivo Específico Actividades Indicadores Recursos Impactos Incentivar a dinamização de respostas locais de proximidade. Reunir os parceiros locais com responsabilidade no atendimento social, para promoverem de forma concertada o Atendimento Integrado; Dinamizar os serviços sociais da autarquia, junto da população que reside nas freguesias do Alto Concelho N.º de pessoas que recorrem aos gabinetes de Atendimento Integrado; N.º de atendimentos efectuados no âmbito do atendimento descentralizado. Todos os recursos (humanos, materiais e financeiros) necessários à implementação e execução das acções serão sempre definidos com as CSF/CSIF, pelo que, não estão previamente referenciados. Maior proximidade, eficácia e eficiência no atendimento e respostas aos problemas das famílias Articulação com Medidas Nacionais/ Locais III Plano Nacional de Acção para a Inclusão Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

32 Objectivo Geral 3.1 Qualificar a vida das pessoas em situação de dependência Objectivo Específico Actividades Indicadores Recursos Impactos Articulação com Medidas Nacionais/ Locais Todos os recursos (humanos, materiais Criar, até 2011, uma Unidade de Cuidados Continuados de Saúde no âmbito da RNCCI, em Unidades de Convalescença, de Média Duração e Reabilitação e de Longa Duração e Manutenção. Incentivar candidaturas, a fontes de financiamento, para a construção de uma Unidade de Cuidados Continuados de Saúde; N.º de pessoas residentes no concelho em lista de espera para integração na RNCCI; N.º de candidaturas efectuadas; N.º de camas disponibilizadas. e financeiros) necessários à implementação e execução das acções serão sempre definidos com as CSF/CSIF, pelo que, não estão previamente Produzir um planeamento integrado dos equipamentos sociais ARS Norte; Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados; referenciados. Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

33 Objectivo Geral 3.2 Qualificar a vida das pessoas com doença mental Objectivo Específico Actividades Indicadores Recursos Impactos Criar, uma rede de apoio a pessoas com doença mental, até final de Incentivar candidaturas a fontes de financiamento para a construção de um Fórum Sócio Ocupacional; Elaboração de Protocolos de cooperação com ARS Norte para o restabelecimento da Consulta de Psiquiatria no concelho; Apoiar a constituição de um grupo de auto-ajuda para familiares de doentes mentais. N.º de candidaturas efectuadas; N.º de pessoas em lista de espera para consultas de psiquiatria; N.º de pessoas com doença mental acompanhadas em consultas de psiquiatria; N.º de familiares enquadrados em grupos de autoajuda. Todos os recursos (humanos, materiais e financeiros) necessários à implementação e execução das acções serão sempre definidos com as CSF/CSIF, pelo que, não estão previamente referenciados. Produzir um planeamento integrado dos equipamentos sociais Articulação com Medidas Nacionais/ Locais QREN ARS Norte Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

34 Objectivo Geral 3.3 Prevenir o uso e abuso de substâncias psicoactivas Objectivo Específico Actividades Indicadores Recursos Impactos Alargar o número de respostas existentes em matéria de dependências, aos territórios diagnosticados como prioritários em termos de intervenção, até final de Alargar a intervenção ao nível da problemática do alcoolismo, até ao final de Proporcionar, a constituição de 2 PRI financiados para as freguesias de Baguim do Monte e Valbom, através de candidaturas ao PORI. Promover a implementação de 1 PRI não financiado, no território abrangido pelas CSIF Douro Nascente e Douro Poente, em articulação com o IDT. Através de financiamento, potenciar e alargar a capacidade de resposta do Projecto CARA, a todo o concelho. N.º de projectos financiados; N.º de candidaturas efectuadas; N.º de pessoas em lista de espera; N.º de pessoas acompanhadas; Todos os recursos (humanos, materiais e financeiros) necessários à implementação e execução das acções serão sempre definidos com as CSF/CSIF, pelo que, não estão previamente referenciados. Diminuir o consumo de substâncias psicoactivas Articulação com Medidas Nacionais/ Locais PORI PRI Instituto da Droga e da Toxicodependência; Projecto CARA; Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

35 Objectivo 3.4 Realizar acções promotoras de saúde Objectivo Específico Actividades Indicadores Recursos Impactos Promover rastreios de saúde, em todas as freguesias do Concelho, até final de Incentivar a prática de comportamentos alimentares saudáveis, até final de Promover, acções de sensibilização e formação no âmbito da Sexualidade, até final de Potenciar, no âmbito das CSF/CSIF, a realização de Feiras da Saúde direccionadas à comunidade. Dinamizar um grupo de trabalho, envolvendo a Comunidade Educativa e Centros de Saúde, com vista a efectuar um Protocolo com a Plataforma Contra a Obesidade. Dinâmicas de planeamento familiar e educação para os afectos individual e/ou grupal; fornecimento de material anticoncepcional e de prevenção. N.º de CSF/CSIF que aderiram à iniciativa; N.º de parcerias estabelecidas; N.º de rastreios realizados; N.º de participantes; N.º de Escolas envolvidas; N.º de Centros de Saúde envolvidos; N.º de acções desenvolvidas; N.º de jovens envolvidos; Todos os recursos (humanos, materiais e financeiros) necessários à implementação e execução das acções serão sempre definidos com as CSF/CSIF, pelo que, não estão previamente referenciados. Incentivar práticas de saúde positivas Articulação com Medidas Nacionais/ Locais ARS Norte ACES Gondomar Plataforma Contra a Obesidade Infantil Contrato Local de Desenvolvimento Social de Gondomar Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

36 Objectivo 3.4 Realizar acções promotoras de saúde Objectivo Específico Actividades Indicadores Recursos Impactos Trabalhar o conceito de Segurança nas suas diversas áreas, em todo o território concelhio, até final de Dinamizar um grupo de trabalho com um representante por CSF/CSIF; Definir as áreas sobre as quais irá trabalhar cada CSF/CSIF; Promover a implementação de uma Escola Municipal de Segurança Rodoviária; Elaboração de Protocolos de cooperação com diversas entidades. N.º de participantes envolvidos na organização de formações sobre Segurança; N.º de Agrupamentos de Escola que contactam e frequentam estes serviços; N.º de pessoas da comunidade que procuram estes serviços. Todos os recursos (humanos, materiais e financeiros) necessários à implementação e execução das acções serão sempre definidos com as CSF/CSIF, pelo que, não estão previamente referenciados. Diminuir incidência acidentes a de Articulação com Medidas Nacionais/ Locais Associação Nacional de Segurança Rodoviária Associação Portuguesa de Segurança Infantil Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar /38

Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020

Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020 Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social de Gondomar 16 de março de 2015 Biblioteca Municipal de Gondomar Eixo 1 Capacitação,

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Página 2 de 29 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Índice Índice de Siglas. 4 Nota Prévia... 5 Exposição e Explicação dos

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 INDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4 Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 Eixo de Desenvolvimento 2: Empregabilidade de Formação Profissional... 13 Eixo

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO Proposta de Plano de Ação 2012/ 1 Proposta de Plano de Ação 2012/ Eixo de Desenvolvimento: Promover a qualificação escolar/profissional, o empreendedorismo e a empregabilidade. Objetivo geral: Dinamização

Leia mais

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Maio de 2011 Preâmbulo As alterações demográficas que se têm verificado na população portuguesa

Leia mais

Eixo 1 - Organização e Trabalho em Rede

Eixo 1 - Organização e Trabalho em Rede Eixo 1 - Organização e Trabalho em Rede E1_O1E1A1 E1_O2E1A1 E1_O2E2A1 E1_O3E1A1 E1_O3E1A2 E1_O3E1A3 E1_O3E1A4 Harmonizar os instrumentos de planeamento e avaliação, utilizados pelos diversos órgãos da

Leia mais

Plano de Acção 2010. Concelho do Marco de Canaveses. CLAS mc. Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010

Plano de Acção 2010. Concelho do Marco de Canaveses. CLAS mc. Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010 Plano de Acção 2010 Concelho do Marco de Canaveses 2010 2011 CLAS mc Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010 Nível de Incidência Principais Conteúdos CONCEPÇÃO Pertinência

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5 Índice Pág. 1. Nota Introdutória... 1 2. Actividades a desenvolver...2 3. Notas Finais...5 1 1. Nota Introdutória O presente documento consiste no Plano de Acção para o ano de 2011 da Rede Social do concelho

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020 Instrumentos de Financiamento Portugal 2020 27 junho 2015 Portugal 2020 1 Apoios ao setor social A estratégia constante do PO ISE procura dar resposta a um conjunto de compromissos assumidos por Portugal

Leia mais

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 1 1. ÁREA DE INTERVENÇÃO ACÇÃO SOCIAL Promover a integração social dos grupos socialmente mais vulneráveis * Romper

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Redondo CLASRedondo

Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Redondo CLASRedondo Plano de Acção Conselho Local de Acção Social de CLAS 2014-2015 2 EIXO 1 - PROMOVER A EMPREGABILIDADE E QUALIFICAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL E INTEGRAÇÃO DE GRUPOS SOCIAIS (PRÉ-) DESFAVORECIDOS Combate

Leia mais

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 1 EDUCAÇÃO ÁREA ATIVIDADES RESPONSAVEIS PARTICIPANTES/ INTERVENIENTES Calendarização Manter os projetos existentes nos Agrupamentos de Escolas (Fénix, tutorias, Aprender a Estudar,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PLANO DE ACÇÃO 2011

AVALIAÇÃO DO PLANO DE ACÇÃO 2011 AVALIAÇÃO DO PLANO DE ACÇÃO 2011 Eixo de Desenvolvimento I: Emprego/Desemprego Desenvolver medidas com vista à redução do desemprego, ao aumento da estabilidade no emprego e facilitadores do ingresso dos

Leia mais

Seminário Final. 18 de Junho 2008

Seminário Final. 18 de Junho 2008 O impacto do (des)emprego na pobreza e exclusão social na sub-região Porto-Tâmega pistas de acção estratégicas Porto Rua Tomás Ribeiro, 412 2º 4450-295 Matosinhos tel.: 22 939 91 50 fax.: 22 909 91 59

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL OBJECTIVO DO PDSS ACTIVIDADE/ACÇÃO PARCEIROS ENVOLVIDOS PARCEIRO RESPONSÁVEL INDICADORES DE AVALIAÇÃO EXECUÇÃO TEMPORAL SOLIDARIEDADE SOCIAL Reforçar o apoio alimentar concelhio Melhorar o conhecimento

Leia mais

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL de ODEMIRA 2014-2015 EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação Promover o conhecimento e o acesso dos empresários aos apoios e incentivos no âmbito do empreendedorismo

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Rede Social de Aljezur Plano de Acção (2009) Equipa de Elaboração do Plano de Acção de 2009 / Parceiros do Núcleo Executivo do CLAS/Aljezur Ana Pinela Centro Distrital

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação Capacitar para Qualificação e Inovação das Redes Sociais do Minho-Lima (CQIRS-ML) Seminário Redes Sociais, Desenvolvimento e Coesão Social do Alto Minho: Diagnóstico, Perspetivas e Ações 2014-2020 19 de

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

Fórum de Boas Práticas

Fórum de Boas Práticas Câmara Municipal de Torres Vedras Sandra Colaço Fórum de Boas Práticas Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 28 de Outubro de 2009 TORRES VEDRAS População -72 259(2001) Área 407 Km2 O concelho no país Na

Leia mais

Pelouro do Desenvolvimento Social

Pelouro do Desenvolvimento Social Pelouro do Desenvolvimento Social Novembro de 2012 ENQUADRAMENTO A problemática do envelhecimento da população constitui uma importante oportunidade de desenvolvimento social, uma vez que uma sociedade

Leia mais

PAREDES DE COURA INTRODUÇÃO

PAREDES DE COURA INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO Após a elaboração do Plano de Desenvolvimento Social, definindo as linhas orientadoras de intervenção social até ao final de 2009, procedemos agora à formulação de um Plano de Acção para esse

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL

PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL 2014 Aprovado na reunião do Plenário de 11.06.2014 16 de janeiro Workshop e assinatura de protocolo com CIG Público-alvo: comunidade no geral Local: Edifício Paço dos Concelho

Leia mais

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Trajectórias de envelhecimento Após os 65 anos de idade a estimulação cognitiva diminui significativamente. A diminuição da estimulação desencadeia/agrava o declínio

Leia mais

Plano de Ação MARÇO DE 2014

Plano de Ação MARÇO DE 2014 Plano de Ação 2014 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Ação do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram neste documento os seguintes autores:

Leia mais

PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006

PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006 PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006 Documento elaborado pelo: Conselho Local de Acção Social do Concelho do Núcleo

Leia mais

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta FICHA TÉCNICA Relatório do Plano de Acção de Freixo de Espada à Cinta Conselho

Leia mais

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018 Plano de Ação 2015-2018 Eixo de Intervenção 1 Emprego, Formação e Qualificação a) Estabelecimento da Parceria com o Instituto de Emprego e Formação Profissional, I.P., com o objetivo de facilitar os processos

Leia mais

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida 3.4. EDUCAÇÃO Problemas Sociais Identificados Insucesso escolar Falta de expectativas socioprofissionais Alunos sem projecto de vida Expectativas inadequadas para famílias Problemas Sociais Priorizados

Leia mais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais Área: Território - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais - Dinamização da Exploração dos Recursos Naturais para Actividades Culturais e Turísticas - Localização Geográfica

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram

Leia mais

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Actividade Formativa - Intervenção Comunitária Data - 1 de Abril de 2009 Local Auditório do Edifício Cultural Município de Peniche Participação:

Leia mais

Plano de Acção de 2011 Plano de Acção de 2010. Conselho Local de Acção Social de Monção. Conselho Local de Acção Social de Monção

Plano de Acção de 2011 Plano de Acção de 2010. Conselho Local de Acção Social de Monção. Conselho Local de Acção Social de Monção Plano de Acção de 2011 Plano de Acção de 2010 Conselho Local de Acção Social de Monção Conselho Local de Acção Social de Monção CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE MONÇÃO Actualmente a Rede Social de Monção

Leia mais

RELATO RIO DE EXECUÇA O/2014 PLANO DE AÇA O/2015

RELATO RIO DE EXECUÇA O/2014 PLANO DE AÇA O/2015 RELATO RIO DE EXECUÇA O/2014 PLANO DE AÇA O/2015 Elaborado por: Rede Social de 0 Índice Sumário Executivo... 2 Capítulo I - Avaliação do Plano de Ação/2014... 4 Capítulo II - Plano de Ação de 2015... 10

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS (Enquadramento) Conforme o disposto na Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro e no Despacho Normativo nº. 8/2, de 12 de

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais:

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: PROGRAMA AÇÃO 2015 O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: - Preservar a identidade da Instituição, de modo especial no que respeita a sua preferencial ação junto das pessoas, famílias e grupos

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CLAS /2015 Área de Intervenção: Equipamentos e Respostas Sociais e Serviços 1 Objetivo Geral Objetivos Específicos Ação População - Alvo

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ

PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DO PESO DA RÉGUA Modalidade Alargada Divulgar os Direitos da Criança na Comunidade OBJECTIVOS ACÇÕES RECURSOS HUMANOS DA CPCJ RECURSOS

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO INTRODUÇÃO A cultura Comunitária é a expressão concreta de tentar proporcionar aqueles que mais precisam a ajuda necessária para começar de novo a viver. O Centro

Leia mais

Relatório de Avaliação

Relatório de Avaliação PDS Plano de Acção 2005 Relatório de Avaliação Rede Social CLAS de Vieira do Minho Introdução Este documento pretende constituir-se como um momento de avaliação e análise do trabalho que tem vindo a ser

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo Branco 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo Branco 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo Branco 2014-2017 Índice Plano de Desenvolvimento Social... 3 Definição dos Eixos de intervenção... 3 Operacionalização dos Eixos de Intervenção...

Leia mais

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA II ENCONTRO DA CPCJ SERPA Ninguém nasce ensinado!? A família, a Escola e a Comunidade no Desenvolvimento da criança Workshop: Treino de Competências com famílias um exemplo de intervenção e de instrumentos

Leia mais

Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança 2012-2014 Índice Introdução. 3 I. Fundamentação...4 II. Eixos Estratégicos... 7 1 Articulação Interinstitucional... 7 2 Estudo e análise da realidade

Leia mais

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral.

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral. Plano de Atividades 2016 INTRODUÇÃO O Plano de Atividades para 2016 agora apresentado tem como mote central DAR SENTIDO. Dar Sentido a tudo o que fazemos, o que nos envolve e o que envolve os outros. Centrarse-á

Leia mais

Conselho Local de Ação Social de Gondomar

Conselho Local de Ação Social de Gondomar Conselho Local de Ação Social de Gondomar PLANO DE AÇÃO 2015/2016 consubstanciado no plano de desenvolvimento social do município de Gondomar 2015-2020 Aprovado em reunião plenária do Conselho Local de

Leia mais

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos Problemática Essencial I Envelhecimento Demográfico - Apoio Domiciliário do Centro de Saúde com viatura cedida pela Câmara Municipal. - Iniciativas da Câmara Municipal com o objectivo de proporcionar momentos

Leia mais

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 A violência doméstica é um fenómeno complexo que requer uma intervenção concertada e multidisciplinar. 1 PLANO MUNICIPAL CONTRA A VIOLÊNCIA

Leia mais

Plano de Ação 2013. I Eixo De Intervenção: QUALIFICAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES E RESPONSABILIDADE SOCIAL

Plano de Ação 2013. I Eixo De Intervenção: QUALIFICAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES E RESPONSABILIDADE SOCIAL 0 Plano de Ação I Eixo De Intervenção: QUALIFICAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES E RESPONSABILIDADE SOCIAL OBJETIVO GERAL: Dotar as Instituições do Município de competências na área da qualidade para melhorar a resposta

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 8EIXO EMPREGO E MOBILIDADE LABORAL > Administração regional Objetivo Específico 8.1.1

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014 I. Introdução O ano de 2014 foi, tal como 2013, um ano marcado por grandes investimentos. Na Comunidade Terapêutica finalizou-se a obra de restruturação da cozinha e da lavandaria

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2010 O QUE É?

PLANO DE ACÇÃO 2010 O QUE É? O QUE É? O Plano de Acção é um documento anual que se desenha a partir das linhas de intervenção definidas no Plano de Desenvolvimento Social. Enquanto produto traduz-se num documento temporalmente finalizado

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO ASSOCIAÇÕES INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ÁS ASSOCIAÇÕES DO CONCELHO DE A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

XXXII PLENÁRIO DO CLAS DE CASCAIS

XXXII PLENÁRIO DO CLAS DE CASCAIS XXXII PLENÁRIO DO CLAS DE CASCAIS 11 Agosto 2015 Centro Cultural de Cascais Candidatura CLDS 3G Enquadramento Legal - CLDS Os Contratos Locais de Desenvolvimento Social de 3ª Geração (CLDS3G), atentos

Leia mais

Território e Coesão Social

Território e Coesão Social Território e Coesão Social Implementação da Rede Social em Portugal continental 2007 a 2008 (4) 2003 a 2006 (161) 2000 a 2002 (113) Fonte: ISS, I.P./DDSP/UIS Setor da Rede Social Desafios relevantes no

Leia mais

Enquadramento dos Contratos Locais de Desenvolvimento Social Mais

Enquadramento dos Contratos Locais de Desenvolvimento Social Mais Enquadramento dos Contratos Locais de Desenvolvimento Social Mais No seguimento do Programa de Contratos Locais de Desenvolvimento Social (regulado pela portaria n.º396/2007 de 2 de abril e com alterações

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT)

PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT) PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT) Plano de Actividades 2009/10 Odivelas 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 1 IDENTIDADE E COMUNICAÇÃO 2 2 FUNCIONAMENTO DA REDE DE PARCERIA 4 2.2

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

Proposta de Plano de Desenvolvimento Social Agenda Estratégica Para apresentação na 14ª Sessão Plenária do CLAS-Lx

Proposta de Plano de Desenvolvimento Social Agenda Estratégica Para apresentação na 14ª Sessão Plenária do CLAS-Lx Proposta de Plano de Desenvolvimento Social Agenda Estratégica Para apresentação na 14ª Sessão Plenária do CLAS-Lx VALIDADO a 30 de abril de 2012 em reunião da Comissão Tripartida (Câmara Municipal de

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES FICHA TÉCNICA Organização: Câmara Municipal da Amadora, Gabinete de Acção Social Equipa Técnica: Ana Costa, Rute Gonçalves e Sandra Pereira Design/Paginação: Estrelas

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS FAMÍLIA E COMUNIDADE EM GERAL

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS FAMÍLIA E COMUNIDADE EM GERAL Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS FAMÍLIA E COMUNIDADE EM GERAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia

Leia mais

Relatório de Actividades 2008

Relatório de Actividades 2008 Relatório de Actividades 2008 Elaborado por: Grupo Dinamizador da Comissão Social de Freguesia de Stº Antº dos Cavaleiros, 2009 Nota Introdutória O presente documento tem como principal objectivo a avaliação

Leia mais

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo 22 de Fevereiro 2010 Índice Índice PARTE I SÍNTESE DO 2º FÓRUM PARTICIPATIVO (10 minutos) PARTE II SÍNTESE DA ESTRATÉGIA DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Rede Social Plano de Ação 2015

Rede Social Plano de Ação 2015 Rede Social Plano de Ação 2015 1 R E D E SOCIAL DO CONCELHO DE VILA DO BISPO Rede Social Rede Social do Concelho de Vila do Bispo PLANO DE AÇÃO 2015 Ficha Técnica Entidade Promotora: Câmara Municipal de

Leia mais

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado Social de Lagoa O Banco de Voluntariado LagoaSocial será enquadrado num conjunto de medidas e acções

Leia mais

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência.

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência. Conselho Local de Acção Social de de Ourique Cuba Plano de Acção 2008 - Rede Social Programação Anual. Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através

Leia mais

REDE SOCIAL CONCELHO DA MARINHA GRANDE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Definido 5 anos

REDE SOCIAL CONCELHO DA MARINHA GRANDE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Definido 5 anos REDE SOCIIAL CONCELHO DA MARIINHA GRANDE 2010 PLANO DE SOCIAL Dezembro 2010 a Dezembro 2015 Rede Social 1 No âmbito da Lei que regulamenta a Rede Social, de acordo com o ponto 1, do artigo n.º36, do capítulo

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CRATO 2010-2012

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CRATO 2010-2012 O que é? Um Plano de Desenvolvimento Social é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do desenvolvimento social local. Tem em vista não só a produção

Leia mais

CLAS de Melgaço Plano de Desenvolvimento Social 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013

CLAS de Melgaço Plano de Desenvolvimento Social 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013 1 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013 2 ÍNDICE NOTA PRÉVIA Enquadramento e contextualização geográfica e temporal 3 Percurso dos documentos estratégicos 3 Metodologias utilizadas

Leia mais

Mais e Melhor no Desenvolvimento Comunitário

Mais e Melhor no Desenvolvimento Comunitário Mais e Melhor no Desenvolvimento Comunitário Responsabilidade Social Como estratégia de Sustentabilidade a Responsabilidade Social das Organizações, tornou-se de vital importância para o Terceiro Sector,

Leia mais

Pág. 19 Pág. 20 Pág. 21 Pág. 22-23

Pág. 19 Pág. 20 Pág. 21 Pág. 22-23 1 Indice Implementação do Cartão Social..... Pág. 3 Implementação da Oficina Doméstica.. Pág. 4 Promover o Envelhecimento com Qualidade de Vida.. Pág. 5 Promover o Envelhecimento com Qualidade de Vida...

Leia mais

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS O Dec. Lei 28/2008 de 22 de Fevereiro, estabelece o regime da criação, estruturação e funcionamento dos agrupamentos de Centros de Saúde (ACES)

Leia mais

PARECER DA UMAR relativo ao O III PLANO NACIONAL DE PREVENÇÃO E COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS 2014-2017

PARECER DA UMAR relativo ao O III PLANO NACIONAL DE PREVENÇÃO E COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS 2014-2017 PARECER DA UMAR relativo ao O III PLANO NACIONAL DE PREVENÇÃO E COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS 2014-2017 Antes de concretizar a análise do referido Plano cumpre-nos dizer que é necessário que todos

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2013/2015

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2013/2015 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2013/2015 PLANO DE AÇÃO 2013. INDÍCE Pág. 1. Introdução. 2 2. Metodologia. 3 3. Eixos de Intervenção do P.D.S. 2013 a 2015. 5 4. Eixo I Grupos Sociais Desfavorecidos P.D.S.

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Projecto +Skillz E5G Programa Escolhas Promotor: Associação Mais Cidadania 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto +Skillz E5G Promotor: Associação Mais

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo O (adiante designado de Pacto Territorial), é uma plataforma de intervenção integrada, criada no âmbito do Projecto EQUAL Migrações e Desenvolvimento com vista à dinamização

Leia mais

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações:

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações: Nr Área Recomendação Valido Abstenh o-me C/6 E/7 F/7 Voluntariado Aproveitar espaços sem utilização para fazer jardins, espaços para convívio e locais de desporto para a população. Promover a limpeza dos

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

Acção Sócio-Educativa

Acção Sócio-Educativa Acção Sócio-Educativa Dinamizar estratégias que visam prevenir situações de absentismo e abandono escolar, voltar a colocar os jovens no Sistema Educativo. Estruturar os cursos de Alfabetização e Formação

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO): ASSEMBLEIA MUNICIPAL - EMÍLIA SOARES CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO ESTELA SILVA

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO): ASSEMBLEIA MUNICIPAL - EMÍLIA SOARES CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO ESTELA SILVA GRUPO DE TRABALHO: ASSEMBLEIA MUNICIPAL - EMÍLIA SOARES CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO ESTELA SILVA CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO ISABELA CHAGAS CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO MARTA AZEVEDO GUARDA NACIONAL REPUBLICANA

Leia mais

PLANO DE AÇÃO. Aprovar o Diagnóstico Social e o Plano de Desenvolvimento Social 2015-2017

PLANO DE AÇÃO. Aprovar o Diagnóstico Social e o Plano de Desenvolvimento Social 2015-2017 PLANO DE AÇÃO O presente plano de ação engloba um conjunto de ações consideradas relevantes para a execução do Plano de Desenvolvimento Social 2015-2017 (PDS) e para o funcionamento da Rede Social de Aveiro,

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):.

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano a que respeita a candidatura I. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE GESTORA (Designação da Entidade/Organização) n.º de contribuinte, com sede na (Rua, Av.) (n.º/lote), (andar), (localidade)

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO):

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO): GRUPO TRABALHO: CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO ESTELA SILVA CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO JOANA VERGAS CRUZ VERMELHA PORTUGUESA DÁRIO COSTA GRUPO TRABALHO (ALTERAÇÃO): CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO CONCEIÇÃO

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

Introdução 2 Metodologia 3 Eixos temáticos 4-5 Problemáticas por eixo de intervenção 6 Objetivos e estratégias por eixos 7-8 Conclusão 9

Introdução 2 Metodologia 3 Eixos temáticos 4-5 Problemáticas por eixo de intervenção 6 Objetivos e estratégias por eixos 7-8 Conclusão 9 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL ÍNDICE Introdução 2 Metodologia 3 Eixos temáticos 4-5 Problemáticas por eixo de intervenção 6 Objetivos e estratégias por eixos 7-8 Conclusão 9 1 INTRODUÇÃO O plano de desenvolvimento

Leia mais

03/12/2012 REDE SOCIAL DE LISBOA

03/12/2012 REDE SOCIAL DE LISBOA GRUPOS DE MISSÃO 03/12/2012 REDE SOCIAL DE LISBOA PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2013-20152015 Contextualização O PDS é um instrumento de planeamento da Rede Social que formaliza o conjunto de opções

Leia mais