Mais e Melhor no Desenvolvimento Comunitário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mais e Melhor no Desenvolvimento Comunitário"

Transcrição

1 Mais e Melhor no Desenvolvimento Comunitário

2 Responsabilidade Social Como estratégia de Sustentabilidade a Responsabilidade Social das Organizações, tornou-se de vital importância para o Terceiro Sector, sendo esta uma tendência crescente. Cada vez mais as Instituições (Associações, Cooperativas, mutualidades, ADL) tem a necessidade de desenvolvimento de áreas como: Desenvolvimento Organizacional, Marketing e Comunicação de forma a tornarem os seus produtos e serviços visíveis à Comunidade Empresarial Local e Nacional. A CSEPDC tem desenvolvido um conjunto de mecanismos internos e externos de forma a materializar esta nova tendência.

3 A CSEPDC A Cooperativa Sócio Educativa Para Desenvolvimento Comunitário, é uma cooperativa de Solidariedade social, fundada a 10 de Abril de Como Organização do Terceiro Sector desenvolve intervenção social no combate à pobreza e exclusão social.

4 A CSEPDC Pilares que sustenta a identidade da Instituição: Missão: Mais e Melhor no Desenvolvimento Comunitário Visão: Crianças e famílias com sucesso. Valores: Solidariedade, Cooperação, Respeito, Acolhimento e Dinamismo.

5 A CSEPDC

6 A CSEPDC Abrangência da intervenção Sócio Educativa, no Concelho de Loures. S. António dos Cavaleiros Camarate Sacavém Concelho de Loures Apelação Área km2-27.3km2 População indivíduos Valores referentes às 4 freguesias

7 A CSEPDC Respostas Socais e Projectos desenvolvidos pela CSEPDC à comunidade, são: Creche Familiar ; Creche Crescer Saudável ; Jardim-de-Infância ; A.T.L. ; CLDS Camarate Projecto Consolidar GARSIS ; GEFP; Acompanhamento Social; Projeto Alimentar Sorrisos.

8 A sustentabilidade da Organização Sócios Projectos Acordos estabelecidos com Segurança Social Clientes/Utentes IEFP Câmara Municipal de Loures Tecido Empresarial - Organizações Locais e Nacionais Todavia, estas formas de sustentabilidade ficam aquém das necessidades existentes neste momento. A pro-actividade e estratégias inovadoras como forma de colmatar as necessidades.

9 Um Interesse de Todos Nós Memórias que Ajudam a Crescer

10 Memórias que Ajudam a Crescer Memórias que Ajudam a Crescer, é o nome do projecto mais recente da CSEPDC, um equipamento, com as valências de Lar de Idosos (60) e Creche (66), que está a nascer em Santo António dos Cavaleiros. O novo equipamento representa um investimento total de 3 milhões de euros, dos quais cerca de 2 milhões provenientes de financiamento público.

11 Memórias que Ajudam a Crescer Lar de Idosos Abranger 60 Idosos em situação de Risco Social com mais de 65 anos de idade, do Concelho de Loures. Manter o equilíbrio bio-psico-social do idoso, favorecendo a sua auto-estima. Garantir alojamento condigno. Assegurar as necessidades básicas e afectivas. Promover as relações familiares bem como a re-inserção na comunidade. Diálogo intergeracional

12 Memórias que Ajudam a Crescer Creche O Vale Encantado Criar um espaço de partilha e reflexão para os pais, sobre Competências Parentais. Favorecer a inter-relação família, creche e comunidade de forma a valorizar e rentabilizar todos os recursos do meio. Promover a empregabilidade e a inserção económica e social de pessoas do Concelho. Abranger 66 crianças em Situação de Risco dos 4-36 meses, do Concelho de Loures. Abranger 136 pais em seminários / workshops sobre Competências Parentais. Proporcionar experiências de aprendizagem diversas.

13 Campanha Encaixe esta Ideia A CSEPDC lança a Campanha ``Encaixe Esta Ideia``, com o objectivo de divulgar o projecto de construção do Lar e Creche junto da comunidade, facilitando assim a forma de contribuição. Para tal a CSEPDC está a desenvolveu acções e eventos, tais como: Campanha de venda directa de produtos em superfícies comerciais. Campanha de venda dos produtos pelas lojas aderentes no Concelho de Loures. Lista de equipamentos necessários para o Lar e Creche, junto de organizações. Concerto de Natal. Jantar de Beneficência Gala do 10º aniversário. Participação em eventos Locais (Carnaval, Tasquinhas de Loures, Iniciativas Desportivas,...) Aniversário da CSEPDC. Campanha Reciclar é Ser Solidário.

14 Plano Conceptual Estratégias 1) Merchandising 2) Fundraising -Expositores de produtos no comercio Local - Parceria com a Solidaritee Campanha Encaixe Esta Ideia 3) Responsabilidade Social -Jantar de Gala Empresas -Doações de Empresas - Pedidos de donativos -Protocolos desenvolvidos e em desenvolvimento -Reciclar é ser Solidário - Superfícies Comerciais - Nº Solidário - Arraiais - Feiras - Festa de Carnaval - Jogos de Futebol - Jantar de Gala -Venda de produtos

15 Merchandising

16 Fundraising

17 Campanha de venda directa de produtos em superfícies comerciais.

18 Campanha de venda directa de produtos em superfícies comerciais. Impacto gerado na Comunidade Local: Envolvimento dos Voluntários: Participaram 70 voluntários Horas empregues: 95horas Quantos dias: 18 dias, 3 dias por cada superfície comercial

19 Responsabilidade Social Reciclar é Ser Solidário A campanha Reciclar é ser solidário, visa a angariação de fundos a favor do projecto Memórias que Ajudam a Crescer. Deste modo, a Instituição celebrou um protocolo com uma Empresa de recolha e reciclagem de resíduos não perigosos. Neste sentido, a CSEPDC desenvolveu a campanha Reciclar é ser Solidário, que consiste numa ação de recolha de materiais recicláveis, tais como revistas, jornais e papel usado. Por cada tonelada de papel recolhido foi estipulado um valor que reverterá a favor do projeto Memórias que Ajudam a Crescer.

20 Responsabilidade Social Campanha Reciclar é Ser Solidário, visa o trazer espírito Solidário, mas também de responsabilidade social aos mais jovens e a toda a comunidade educativa, local e empresarial. Deste modo, para já, colaboram nesta campanha, as seguintes entidades: Agrupamento de Escolas de Camarate

21 Responsabilidade Social Ajude-nos a criar mais sorrisos A CSEPDC encontra-se empenhada em fazer mais e melhor no desenvolvimento comunitário, por isso o contributo de todas as organizações é importante. Poderá ser Socialmente Responsável, contribuindo: Estabelecimento de Protocolos Parcerias Apadrinhamento de salas da Creche e Lar (valor anual de ) Doações em géneros (equipamentos, mobiliário viatura de transporte) Doações em numerário.

22 Obrigado

23 Contactos Morada: Casa da Cultura de Sacavém Urb. Terraços da Ponte Parcela P, sala Sacavém Telf: Site : Junte-se a nós

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral.

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral. Plano de Atividades 2016 INTRODUÇÃO O Plano de Atividades para 2016 agora apresentado tem como mote central DAR SENTIDO. Dar Sentido a tudo o que fazemos, o que nos envolve e o que envolve os outros. Centrarse-á

Leia mais

ARAGÃOPINTO FUNDAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL VAMOS AJUDAR QUEM PRECISA!

ARAGÃOPINTO FUNDAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL VAMOS AJUDAR QUEM PRECISA! A ESSENCIALIDADE DE CUIDAR DAS NOSSAS CRIANÇAS INVESTIR A TEMPO PARA EVITAR... E PERSISTIRMOS NA BUSCA DE FAZER SEMPRE MELHOR PARA NÓS A PREVENÇÃO NÃO É UMA OPÇÃO... É UMA OBRIGATORIEDADE MISSÃO A Fundação

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015. Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis

PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015. Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015 Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis CAPÍTULO I AETP: A INSTITUIÇÃO 1. Introdução No decorrer do ano de 2015 prevê-se que a AETP

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

Cidadãos do Amanhã Empreendedorismo Jovem. Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020»

Cidadãos do Amanhã Empreendedorismo Jovem. Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020» Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020» 29.Abril.2014 Idanha-a-Nova DUECEIRA GAL/ELOZ. Entre serra da LOusã e Zêzere Histórico > projecto cooperação

Leia mais

Projecto Integrado da Baixa da Banheira

Projecto Integrado da Baixa da Banheira Projecto Integrado da Baixa da Banheira 1. INTRODUÇÃO O Projecto Integrado da Baixa da Banheira nasce de uma parceria entre a Câmara Municipal da Moita e o ICE tendo em vista induzir as Associações da

Leia mais

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018 Plano de Ação 2015-2018 Eixo de Intervenção 1 Emprego, Formação e Qualificação a) Estabelecimento da Parceria com o Instituto de Emprego e Formação Profissional, I.P., com o objetivo de facilitar os processos

Leia mais

Centro Paroquial do Estoril. Funchal, Junho, 2012

Centro Paroquial do Estoril. Funchal, Junho, 2012 Centro Paroquial do Estoril Funchal, Junho, 2012 Índice Quem Somos Como Estamos Organizados Recursos Mais Informação Quem Somos IPSS da Paróquia de Santo António do Estoril, no Concelho de Cascais Visão:

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação

Projeto Pedagógico e de Animação Projeto Pedagógico e de Animação 1 - Memória Descritiva 2 Identificação e Caracterização da Instituição Promotora 3 - Objetivos Gerais 4 - Objetivos Específicos 5 - Princípios educacionais 6 Metodologias

Leia mais

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado Social de Lagoa O Banco de Voluntariado LagoaSocial será enquadrado num conjunto de medidas e acções

Leia mais

POLÍTICA SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA SUSTENTABILIDADE POLÍTICA SUSTENTABILIDADE A EMPRESA Áreas de negócio A Chamartin Imobiliária é uma empresa com mais de 60 anos no mercado imobiliário e que actua na promoção e exploração de três áreas de negócio: 451.408

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais:

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: PROGRAMA AÇÃO 2015 O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: - Preservar a identidade da Instituição, de modo especial no que respeita a sua preferencial ação junto das pessoas, famílias e grupos

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Rede Social de Aljezur Plano de Acção (2009) Equipa de Elaboração do Plano de Acção de 2009 / Parceiros do Núcleo Executivo do CLAS/Aljezur Ana Pinela Centro Distrital

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL OBJECTIVO DO PDSS ACTIVIDADE/ACÇÃO PARCEIROS ENVOLVIDOS PARCEIRO RESPONSÁVEL INDICADORES DE AVALIAÇÃO EXECUÇÃO TEMPORAL SOLIDARIEDADE SOCIAL Reforçar o apoio alimentar concelhio Melhorar o conhecimento

Leia mais

Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional. Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010

Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional. Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010 Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional e Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010 Nome: Centro Social de Cultura e Recreio da Silva Natureza Jurídica: Associação - Instituição

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural: Experiências de Sucesso em Portugal e na Europa Castro Verde - 06 de Março 2013 Joaquim

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2012 INTRODUÇÃO A Apoiar tem sido um projecto de uma vida! O ano de 2012 foi um ano muito importante para a APOIAR! Foi o ano em que os fundadores e antigos corpos sociais, confiaram

Leia mais

Objectivos do Ano. Reconhecimento dos Direitos das Pessoas em Situação de Pobreza. Responsabilidade Partilhada e Participação

Objectivos do Ano. Reconhecimento dos Direitos das Pessoas em Situação de Pobreza. Responsabilidade Partilhada e Participação Objectivos do Ano Reconhecimento dos Direitos das Pessoas em Situação de Pobreza Responsabilidade Partilhada e Participação Coesão Empenho e Acções Concretas Objectivos a Nível Concelhio Objectivo 1: Sensibilização

Leia mais

CAMPANHA PAPEL POR ALIMENTOS PROJECTO ESCOLAS 2013/ 2014

CAMPANHA PAPEL POR ALIMENTOS PROJECTO ESCOLAS 2013/ 2014 CAMPANHA PAPEL POR ALIMENTOS PROJECTO ESCOLAS 2013/ 2014 APRESENTAÇÃO Muitos particulares, empresas e instituições já aderiram à Campanha Papel por Alimentos numa importante parceria na luta contra a fome:

Leia mais

PAO 2013 Assembleia Geral 13 de Novembro de 2012

PAO 2013 Assembleia Geral 13 de Novembro de 2012 PAO 2013 Assembleia Geral 13 de Novembro de 2012 PAO 2013 1. NOTA DOS FUNDADORES 2. OBJECTIVOS 2013 a) INTERVENÇÃO SOCIAL b) ANGARIAÇÃO DE FUNDOS c) COMUNICAÇÃO d) VOLUNTÁRIOS ABO e) GESTÃO ADMINISTRATIVA

Leia mais

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f)

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f) AVISO Admissão de Pessoal (m/f) A AJITER Associação Juvenil da Ilha Terceira pretende admitir jovens recém-licenciados à procura do primeiro emprego, para estágio no seu serviço, ao abrigo do Programa

Leia mais

V Jornadas de Assumar Qualidade em saúde mental: A gestão, a promoção e as parcerias para a mudança

V Jornadas de Assumar Qualidade em saúde mental: A gestão, a promoção e as parcerias para a mudança V Jornadas de Assumar Qualidade em saúde mental: A gestão, a promoção e as parcerias para a mudança As parcerias e as suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança O olhar da

Leia mais

Luis Natal Marques, Gebalis EEM

Luis Natal Marques, Gebalis EEM Luis Natal Marques, Gebalis EEM TÓPICOS I. Porquê Responsabilidade Social (RS)? II. As Empresas de Serviços de Interesse Geral (SIGs) III. Mais valias da Responsabilidade Social nas Empresas de Serviço

Leia mais

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização 1. Introdução O presente questionário ajudá-lo-á a reflectir sobre os esforços desenvolvidos pela sua empresa no domínio da responsabilidade empresarial,

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

Gabinete de Apoio à Família

Gabinete de Apoio à Família Gabinete de Apoio à Família 1- Enquadramento do Projecto A freguesia de São Julião do Tojal, no concelho de Loures, é caracterizada por uma complexidade de problemas inerentes ao funcionamento da família.

Leia mais

PLANODEAÇÃO DA REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA'14. Estrutura Resumida REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA

PLANODEAÇÃO DA REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA'14. Estrutura Resumida REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA PLANODEAÇÃO DA REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA'14 Estrutura Resumida REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA Ficha Técnica Responsáveis Técnicos: - Nélia Silva - Fundação S. Barnabé - Graça Loução Centro Distrital

Leia mais

Q U E R E S S E R V O L U N T Á R I O?

Q U E R E S S E R V O L U N T Á R I O? Q U E R E S S E R V O L U N T Á R I O? Da importância do desenvolvimento de competências interpessoais na prática, da necessidade de uma formação mais humana, da crescente consciencialização da injustiça

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014 I. Introdução O ano de 2014 foi, tal como 2013, um ano marcado por grandes investimentos. Na Comunidade Terapêutica finalizou-se a obra de restruturação da cozinha e da lavandaria

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

ajudar é humano www.pista-magica.pt

ajudar é humano www.pista-magica.pt ajudar é humano www.pista-magica.pt Objectivo da apresentação 0Demonstrar a importância e necessidade premente da capacitação/ formação dos voluntários e técnicos que coordenam os voluntários no âmbito

Leia mais

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações:

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações: Nr Área Recomendação Valido Abstenh o-me C/6 E/7 F/7 Voluntariado Aproveitar espaços sem utilização para fazer jardins, espaços para convívio e locais de desporto para a população. Promover a limpeza dos

Leia mais

DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES

DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES Missão : Dinamizar a investigação científica e promover o desenvolvimento tecnológico e a inovação para consolidar a Sociedade do Conhecimento na

Leia mais

O que é o POS Objetivos Metodologia Estrutura Organizativa Potencialidades Balanço Tipologia de Apoios concedidos

O que é o POS Objetivos Metodologia Estrutura Organizativa Potencialidades Balanço Tipologia de Apoios concedidos AGENDA 1/2 OEIRAS SOLIDÁRIA O que é o POS Objetivos Metodologia Estrutura Organizativa Potencialidades Balanço Tipologia de Apoios concedidos AGENDA 2/2 OEIRAS SOLIDÁRIA Entidades Beneficiárias Outras

Leia mais

Plano de Atividades 2012

Plano de Atividades 2012 Plano de Atividades 2012 A Direção da rede ex aequo propõe o seguinte plano de atividades para o ano de 2012, tendo em conta oito áreas de intervenção consideradas prioritárias. 1. Área de Apoio 2. Área

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA. Loja Social de Paredes de Coura. Regulamento

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA. Loja Social de Paredes de Coura. Regulamento MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Loja Social de Paredes de Coura Regulamento Preâmbulo A pobreza e a exclusão social têm fortes efeitos no desenvolvimento da comunidade local e implicam o empobrecimento de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede 1. Identificação DEPARTAMENTO: Pré-Escolar PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES - PROPOSTA DE ACTIVIDADES ANO LECTIVO - 2010 / 2011 Coordenador(a):

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016. Associação Sénior de Odivelas

PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016. Associação Sénior de Odivelas PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016 Associação Sénior de Odivelas A Universidade Sénior de Odivelas é um projecto inovador que tem por base a promoção da qualidade de vida dos seniores de Odivelas, fomentando

Leia mais

2010/2011 Plano Anual de Actividades

2010/2011 Plano Anual de Actividades 2010/2011 Plano Anual de Actividades Cristiana Fonseca Departamento de Educação para a Saúde 01-07-2010 2 Plano Anual de Actividades Introdução Quando em 1948 a Organização Mundial de Saúde definiu a saúde

Leia mais

BANCO ALIMENTAR CONTRA A FOME DE VISEU

BANCO ALIMENTAR CONTRA A FOME DE VISEU BANCO ALIMENTAR CONTRA A FOME DE VISEU A NOSSA MISSÃO Lutar contra o desperdício, recuperando excedentes alimentares, para os levar a quem tem carências alimentares, mobilizando pessoas e empresas que

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Projecto +Skillz E5G Programa Escolhas Promotor: Associação Mais Cidadania 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto +Skillz E5G Promotor: Associação Mais

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Espaço t Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária. Instituição Particular de Solidariedade Social

Espaço t Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária. Instituição Particular de Solidariedade Social Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária Instituição Particular de Solidariedade Social Missão O Espaço t Associação para Apoio à Integração Social e Comunitária, criada em 1994, é uma

Leia mais

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa Centro Social Paroquial de Lustosa Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa 1. Identificação da Instituição: Centro Social Paroquial de Lustosa, NPC: 502431440, com sede em Alameda

Leia mais

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo 22 de Fevereiro 2010 Índice Índice PARTE I SÍNTESE DO 2º FÓRUM PARTICIPATIVO (10 minutos) PARTE II SÍNTESE DA ESTRATÉGIA DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

EMPREENDEDORISMO CÂMARA MUNICIPAL DE VIZELA

EMPREENDEDORISMO CÂMARA MUNICIPAL DE VIZELA EMPREENDEDORISMO CÂMARA MUNICIPAL DE VIZELA ATIVIDADE MUNICIPAL INOVAR VIZELA Fundo de apoio às micro e pequenas empresas do concelho CMV + IAPMEI + NORGARANTE + BES + ADRAVE CENTRO DE INCUBAÇÃO DE VIZELA

Leia mais

A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo Território e Municípios

A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo Território e Municípios 19 março 2015 A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo Território e Municípios A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo Atribuições e Competências das CIM Prossecução dos seguintes fins públicos: (Lei

Leia mais

2011 O Ano Europeu do Voluntariado

2011 O Ano Europeu do Voluntariado 2011 O Ano Europeu do Voluntariado Mais de 100 milhões de Europeus e Europeias estão envolvidos(as) em actividades voluntárias, são solidários(as) e, assim fazem a diferença na nossa sociedade. Uma pesquisa

Leia mais

Gestão de Resíduos e Empreendedorismo nas Escolas. - Ano Lectivo 2010/2011 -

Gestão de Resíduos e Empreendedorismo nas Escolas. - Ano Lectivo 2010/2011 - Gestão de Resíduos e Empreendedorismo nas Escolas - Ano Lectivo 2010/2011 - Empreendedorismo como ensiná-lo aos nossos jovens? Contudo, e mesmo sendo possível fazê-lo, o espírito empresarial não é normalmente

Leia mais

Casa do Povo de Porto Judeu Instituição Particular de Solidariedade Social Contribuinte n.º 512 007 136

Casa do Povo de Porto Judeu Instituição Particular de Solidariedade Social Contribuinte n.º 512 007 136 Contribuinte n.º 512 007 136 PLANO DE ACTIVIDADES ANO DE 2009 I INTRODUÇÃO A Casa do Povo de Porto Judeu, como instituição de solidariedade social, e com algum peso no desenvolvimento desta freguesia no

Leia mais

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020 Instrumentos de Financiamento Portugal 2020 27 junho 2015 Portugal 2020 1 Apoios ao setor social A estratégia constante do PO ISE procura dar resposta a um conjunto de compromissos assumidos por Portugal

Leia mais

PROJETO EXISTIR DATA E LOCAL:

PROJETO EXISTIR DATA E LOCAL: TITULO: PROJETO EXISTIR DATA E LOCAL: 25 JUNHO, BIBLIOTECA MUNICIPAL, LOULÉ, 14H30-18H00 PARTICIPANTES Nome E-mail Tel Empresa Obs. Fernando cardoso_sousa@hotmail.com Apgico Facilitador Cardoso Sousa Ileana

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo O (adiante designado de Pacto Territorial), é uma plataforma de intervenção integrada, criada no âmbito do Projecto EQUAL Migrações e Desenvolvimento com vista à dinamização

Leia mais

EXPLICOLÂNDIA NEWSLETTER

EXPLICOLÂNDIA NEWSLETTER EXPLICOLÂNDIA NEWSLETTER EDIÇÃO Nº8 Aveiro Coimbra Évora Guimarães Oeiras Sacavém Lisboa O TEU SUCESSO É O NOSSO SUCESSO! PÁG: 2 / 6 ABERTURA DO ANO LECTIVO A EXPLICOLÂNDIA deseja aos seus alunos e formandos

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE NA CERCIMARCO. Dra. Paula Lima

A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE NA CERCIMARCO. Dra. Paula Lima A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE NA CERCIMARCO Dra. Paula Lima Breve apresentação da CERCIMARCO MISSÃO Desenvolver respostas ajustadas às necessidades das pessoas com deficiência ou com problemas de inserção

Leia mais

Jorge Faca 963819494 jorgefaca@socialmind.org.pt

Jorge Faca 963819494 jorgefaca@socialmind.org.pt Jorge Faca 963819494 jorgefaca@socialmind.org.pt conceitos de lojas sociais Várias designações e sistemas de transação: por meio de trocas diretas troca por Alimentos créditos e pontos conversão em moeda

Leia mais

1 Newsletter. Março-Maio 2015 RUA SOAR DE CIMA ( MUSEU ALMEIDA MOREIRA) 3500-211 VISEU

1 Newsletter. Março-Maio 2015 RUA SOAR DE CIMA ( MUSEU ALMEIDA MOREIRA) 3500-211 VISEU 1 Newsletter 1. Quem Somos 2. Objetivos 3. Os Parceiros 4. Inauguração do Gabinete de Apoio - BEIRA AMIGA 5. Visita ao Gabinete de Inserção Profissional (da UGT) 6. Participação no Brainstorming Setorial

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

1º Jornada Responsabilidade Social em Portugal. New Atlântica 16 de outubro de 2015

1º Jornada Responsabilidade Social em Portugal. New Atlântica 16 de outubro de 2015 1º Jornada Responsabilidade Social em Portugal New Atlântica 16 de outubro de 2015 AGENDA 1/2 OEIRAS SOLIDÁRIA O que é o POS Objetivos O que fazemos Estrutura Organizativa Potencialidades Tipologia de

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO SEGURANÇA SOCIAL DE VILA REAL INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO A SEGURANÇA SOCIAL DE VILA REAL A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo

Leia mais

Vereadora Corália Loureiro. Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis

Vereadora Corália Loureiro. Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis Poder Local e Cidades d Saudáveis Vereadora Corália Loureiro Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis II Simpósio Internacional de Saúde Ambiental e a Construção de Cidades Saudáveis - IGOT - UL 6 Dezembro

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Um Estudo Sair da Casca junho 2015. Mecenato Educativo. A perspetiva dos professores

Um Estudo Sair da Casca junho 2015. Mecenato Educativo. A perspetiva dos professores Um Estudo Sair da Casca junho 2015 Mecenato Educativo A perspetiva dos professores INTRO Objetivos Qual pode ser o papel das empresas na educação? Qual a importância dos programas educativos e o seu impacto?

Leia mais

Aspectos a Abordar. Como Comunicar na Área dos Resíduos Paula Mendes (LIPOR) paula.mendes@lipor.pt. Porquê Comunicar? Estratégia de Comunicação

Aspectos a Abordar. Como Comunicar na Área dos Resíduos Paula Mendes (LIPOR) paula.mendes@lipor.pt. Porquê Comunicar? Estratégia de Comunicação Como Comunicar na Área dos Resíduos Paula Mendes (LIPOR) paula.mendes@lipor.pt Conferência Gestão e Comunicação na Área dos Resíduos Estoril, 22 de Setembro de 2009 1 Aspectos a Abordar Porquê Comunicar?

Leia mais

O GRUPO DE EMRC E OS FRUTOS DO PROJETO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL COLÉGIO AMIGO (2013.2014)

O GRUPO DE EMRC E OS FRUTOS DO PROJETO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL COLÉGIO AMIGO (2013.2014) O GRUPO DE EMRC E OS FRUTOS DO PROJETO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL COLÉGIO AMIGO (2013.2014) Recolha de Alimentos: Dia Mundial para a Erradicação da Pobreza (mês de outubro) No ano letivo que se encerra,

Leia mais

Projecto Igreja Solidária Proposta de Comunicação. Lisboa, 8 de Julho de 2009

Projecto Igreja Solidária Proposta de Comunicação. Lisboa, 8 de Julho de 2009 Projecto Igreja Solidária Proposta de Comunicação Lisboa, 8 de Julho de 2009 Índice 1. Enquadramento 2. Proposta O Projecto Missão e Princípios Fases do Projecto O Nosso Desafio A Nossa Resposta O Conceito

Leia mais

Workshop Estratégias para Vencer Mostra de Oportunidades de Emprego

Workshop Estratégias para Vencer Mostra de Oportunidades de Emprego Workshop Estratégias para Vencer Mostra de Oportunidades de Emprego Allegro Alfragide - FNAC 26/10 às 17H00 AJUDE Associação Juvenil para o Desenvolvimento Patrícia Campaniço I&D Social Manager inovacaosocial@ajude.pt

Leia mais

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 1 Índice: I Enquadramento II Eixos de Intervenção Estratégica III Proposta de Orçamento IV Candidaturas a Programas de Apoio 2 I Enquadramento Estratégico

Leia mais

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta FICHA TÉCNICA Relatório do Plano de Acção de Freixo de Espada à Cinta Conselho

Leia mais

Projecto de Apoio ao

Projecto de Apoio ao Projecto de Apoio ao O Centro Social Paroquial Padre Ricardo Gameiro presta serviços dedicados a crianças e idosos, promovendo igualmente o apoio ao emprego e o auxílio a famílias carenciadas. O Centro

Leia mais

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Enquadramento Com base numa visão estratégica de desenvolvimento social que valorize a rentabilização dos recursos técnicos e financeiros

Leia mais

Lisboa, 8 janeiro 2012 EXMO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DOS ASSUNTOS EUROPEUS, DR. MIGUEL MORAIS LEITÃO

Lisboa, 8 janeiro 2012 EXMO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DOS ASSUNTOS EUROPEUS, DR. MIGUEL MORAIS LEITÃO Intervenção do Ministro da Solidariedade e da Segurança Social na Conferência sobre o Quadro Estratégico Europeu 2014-2020 «Os Fundos Comunitários: Passado e Futuro» Lisboa, 8 janeiro 2012 EXMO SENHOR

Leia mais

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT 1 Janeiro de 2014 a 31 de Dezembro de 2014 Construir um mundo melhor começa num Sonho. Quem sonha, partilha o sonho e envolve os outros para agirem. E como diz o poeta a obra nasce! 2 Índice 1. Introdução

Leia mais

plano anual de educação ambiental

plano anual de educação ambiental plano anual de educação ambiental 2009/2010 complexo de educação ambiental da quinta da gruta PROGRAMA FAMÍLIAS Grelha Resumo por Sector Sector Rios/Espaços Verdes Animais Dias comemorativos Férias Datas

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4 Conteúdos: Siglas 2 Identidade 3 Visão 3 Missão 3 Princípios e Valores 4 Objetivos Gerais Meta 1: Responsabilidade Social e Ação Social 6 Meta 2: Cooperação e Ação Humanitária 7 Meta 3: Educação para o

Leia mais

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL PREÂMBULO REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DO CONCELHO DE VALENÇA Com a emergência de novos processos de exclusão social e a persistência de fortes desigualdades sociais, subjacentes à problemática da pobreza

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL

PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL 2014 Aprovado na reunião do Plenário de 11.06.2014 16 de janeiro Workshop e assinatura de protocolo com CIG Público-alvo: comunidade no geral Local: Edifício Paço dos Concelho

Leia mais

1) Breve apresentação do AEV 2011

1) Breve apresentação do AEV 2011 1) Breve apresentação do AEV 2011 O Ano Europeu do Voluntariado 2011 constitui, ao mesmo tempo, uma celebração e um desafio: É uma celebração do compromisso de 94 milhões de voluntários europeus que, nos

Leia mais

Plano de Acção 2010. Concelho do Marco de Canaveses. CLAS mc. Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010

Plano de Acção 2010. Concelho do Marco de Canaveses. CLAS mc. Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010 Plano de Acção 2010 Concelho do Marco de Canaveses 2010 2011 CLAS mc Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010 Nível de Incidência Principais Conteúdos CONCEPÇÃO Pertinência

Leia mais

FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS

FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS lano de Activida e es Orçamento PPI 2012 À INTRODUCÃO Para cumprimento do disposto na alínea a) do n 2 do artigo 34 da lei n 169/99 de 18 de Setembro, na redacção que lhe

Leia mais

Associação de Apoio a Crianças e Jovens em Risco. Plano de Atividades 2015

Associação de Apoio a Crianças e Jovens em Risco. Plano de Atividades 2015 Associação de Apoio a Crianças e Jovens em Risco Plano de Atividades 2015 INTRODUÇÃO Depois de escalar uma montanha muito alta, descobrimos que há muitas mais montanhas por escalar. (Nelson Mandela) A

Leia mais

Portugal Inovação Social

Portugal Inovação Social Portugal Inovação Social Inovação e Empreendedorismo Social no Portugal2020 Filipe Santos Presidente da Portugal Inovação Social II fórum de empreendedorismo social AMP2020 29 de Junho de 2015 Fundação

Leia mais

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO Proposta de Plano de Ação 2012/ 1 Proposta de Plano de Ação 2012/ Eixo de Desenvolvimento: Promover a qualificação escolar/profissional, o empreendedorismo e a empregabilidade. Objetivo geral: Dinamização

Leia mais

O que é a SIC Esperança?

O que é a SIC Esperança? O que é a SIC Esperança? A SIC Esperança é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, de utilidade pública, criada em 2003. É o braço da responsabilidade social do grupo Impresa. Trabalha em parceria

Leia mais

Oficina do aluno empreendedor

Oficina do aluno empreendedor Agrupamento de Escolas das Taipas Oficina do aluno empreendedor 1. Estrutura organizacional Coordenador: José Alberto Castro Grupo de Recrutamento: EVT (240) Departamento: Expressões Composição do grupo

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

Política de Responsabilidade Social

Política de Responsabilidade Social Política de Responsabilidade Social e Programa 2015 I. ENQUADRAMENTO A criação da Fábrica do Chocolate materializa por si só o sentido de responsabilidade social da empresa e das pessoas envolvidas na

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

Plano de Atividades 2014-15. Gabinete de Serviço Social

Plano de Atividades 2014-15. Gabinete de Serviço Social Plano de Atividades 2014-15 Gabinete de Serviço Social 1. Voluntariado e Dinamização da Comunidade 1.1. Clube Social 1.2. Projeto Conhecer a Terceira Idade 1.3. Campanha de Natal 1.4. Campanha Papel por

Leia mais

Seminário: Os Novos Papéis Dos Pais na Construção de uma Escola de Qualidade. Míriam Aço DREALG

Seminário: Os Novos Papéis Dos Pais na Construção de uma Escola de Qualidade. Míriam Aço DREALG Seminário: Os Novos Papéis Dos Pais na Construção de uma Escola de Qualidade 1 Míriam Aço DREALG A Parentalidade É o exercício das funções parentais e das representações mentais que a elas se associam,

Leia mais

Serviço Comunitário na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos

Serviço Comunitário na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos 1.º Congresso Nacional da Ordem dos Psicólogos 18 a 21 abril 2012 Luísa Ribeiro Trigo*,

Leia mais