Instituições. Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade. Disciplina Ação Social VAS /15

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituições. Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade. Disciplina Ação Social VAS - 2014/15"

Transcrição

1 Instituições Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade Disciplina Ação Social VAS /15

2 Instituições O que é uma instituição? Estabelecimento de utilidade pública, organização ou fundação Organização que realiza uma ação Intervém na sociedade ou meio social Tem um conjunto de pessoas a trabalhar nela (recursos humanos) Pode durar ou persistir durante muito tempo

3 Instituições Exemplos Instituição de Solidariedade Social, Lar, Centro de Dia, Hospital, Partido Político, Congregação Religiosa, Escola, Casamento, Família, etc.

4 Instituições sectores de atividade Não - Lucrativo; Solidariedade Social; Voluntariado ou Economia Alternativa.

5 Instituições Recursos Necessários: Espaço físico de trabalho Recursos Humanos Direção/ Presidência Terapeuta da Fala Nutricionista Assistente Social Motorista Enfermeiro Médico Psicólogo Fisioterapeuta Educador de Infância Terapeuta Ocupacional Animador/ Educador Social Assistente Familiar e de Apoio à Comunidade Agente em Geriatria Cozinheiro Administrativo Auxiliar (de Acção Educativa, médica, etc.) Auxiliar de Apoio Domiciliário Técnico de Segurança e Higiene Porteiro, Telefonista, Recepcionista Agente Espiritual (Padre, rabino, pastor, etc.) Técnico de Instalações e Equipamentos Voluntário Podologista Farmacêutico

6 Instituições Recursos Humanos Direção/ Presidência Terapeuta da Fala Nutricionista Assistente Social Motorista Enfermeiro Médico Psicólogo Fisioterapeuta Educador de Infância Terapeuta Ocupacional Animador/ Educador Social Assistente Familiar e de Apoio à Comunidade Agente em Geriatria Cozinheiro Administrativo Auxiliar (de Acção Educativa, médica, etc.) Auxiliar de Apoio Domiciliário Técnico de Segurança e Higiene Porteiro, Telefonista, Recepcionista Agente Espiritual (Padre, rabino, pastor, etc.) Técnico de Instalações e Equipamentos Voluntário Podologista Farmacêutico

7 Instituições Recursos Físicos Gabinetes Multidisciplinares Recepção Salas de Convívio/Actividade s/ Lazer Quartos/ Enfermarias Consultório/Sala de Tratamento Biblioteca/Ludoteca / Bebeteca Instalações Sanitárias Vestiários Salas de Formação/ Reuniões Rouparia/Lavandaria Instalações de oxigénio, ar respirável e vácuo Local para prática religiosa (capela, etc.) Refeitório/Cozinha/ Copa Farmácia/Armazém/ Arquivos Saídas de Emergência/Portas Corta-Fogo Esterilização Salas de Sujos/Despejos Ginásio/Piscina Cabeleireiro Elevadores Parque Infantil Morgue Transportes Jardins

8 Instituições - Tipos As Instituições Sociais, ou de Apoio à Família e à Comunidades, poderão ser de origem: PÚBLICA PRIVADA COM FINS LUCRATIVOS PRIVADAS (PARTICULARES) SEM FINS LUCRATIVOS

9 Instituições - Objetivos Apoio a crianças e jovens; Apoio às famílias; Proteção dos cidadãos na velhice e invalidez e em todas as situações de falta ou diminuição de meios de subsistência ou de capacidade para o trabalho; Promoção e proteção na saúde, nomeadamente através da prestação de cuidados de medicina preventiva, curativa e de reabilitação; Promoção da educação e a formação profissional dos cidadãos; Contribuir para a resolução dos problemas habitacionais das populações.

10 UTENTES (população-alvo) SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS AMAS INFÂNCIA CRECHES ESTABELECIMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR CENTRO DE ACTIVIDADES DE TEMPOS LIVRES ACTIVIDADES DE TEMPOS LIVRES (ACOMPANHAMENTO/INSERÇÃO; PRÁTICA DE ACTIVIDADES ESPECIALIZADAS; MULTIACTIVIDADES) CRIANÇAS E JOVENS LARES DE CRIANÇAS E JOVENS CENTRO DE ACOLHIMENTO TEMPORÁRIO UNIDADE DE EMERGÊNCIA EM SITUAÇÃO DE RISCO CENTRO DE APOIO FAMILIAR E ACONSELHAMENTO PARENTAL ACOLHIMENTO FAMILIAR ADOPÇÃO

11 UTENTES (população-alvo) SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS CENTRO DE PARALESIA CEREBRAL APOIO EM REGIME AMBULATÓRIO REABILITAÇÃO E INTEGRAÇÃO CENTRO DE PRODUÇÃO DE MATERIAL IMPRENSA BRAILLE TRANSPORTE DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA CENTRO DE ESTUDO E APOIO À CRIANÇA E À FAMÍLIA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTERVENÇÃO PRECOCE CENTRO DE APOIO SÓCIO-EDUCATIVO LAR DE APOIO CRIANÇAS E JOVENS COM DEFICIÊNCIA CENTRO DE ACTIVIDADES OCUPACIONAIS CENTRO DE REABILITAÇÃO DE PESSOAS COM CEGUEIRA LAR RESIDENCIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO ACOLHIMENTO FAMILIAR CENTRO DE ATENDIMENTO/ACOMPANHAMENTO E ANIMAÇÃO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

12 UTENTES (população-alvo) SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS CENTRO DE CONVÍVIO CENTRO DE DIA LAR PARA IDOSOS RESIDÊNCIA IDOSOS SERVIÇO APOIO DOMICILIÁRIO ACOLHIMENTO FAMILIAR LAR DE GRANDES DEPENDENTES CENTRO DE ACOLHIMENTO TEMPORÁRIO DE EMERGÊNCIA PARA IDOSOS (CATEI) CENTRO DE NOITE FÓRUM SÓCIO-OCUPACIONAL PESSOAS COM DOENÇA DO FORO MENTAL OU PSIQUIÁTRICO UNIDADE DE VIDA APOIADA UNIDADE DE VIDA PROTEGIDA UNIDADE DE VIDA AUTÓNOMA PESSOAS EM SITUAÇÃO DE DEPENDÊNCIA APOIO DOMICILIÁRIO INTEGRADO UNIDADE DE APOIO INTEGRADO

13 UTENTES (população-alvo) SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS ATENDIMENTO/ACOMPANHAMENTO SOCIAL CENTRO DE ALOJAMENTO TEMPORÁRIO COMUNIDADE DE INSERÇÃO FAMÍLIA E COMUNIDADE CENTRO COMUNITÁRIO COLÓNIAS DE FÉRIAS REFEITÓRIO/CANTINA SOCIAL CASA DE ABRIGO AJUDA ALIMENTAR A CARENCIADOS TOXICODEPENDENTE EQUIPAS DE INTERVENÇÃO DIRECTA OU EQUIPAS DE RUA APARTAMENTO DE REINSERÇÃO SOCIAL CENTRO DE ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO PSICOSSOCIAL PESSOAS INFECTADAS PELO VIH/SIDA E SUAS FAMÍLIAS SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO RESIDÊNCIA

14 Instituições CECD Cruz vermelha Casa 6 Centro Lúdico das Lopas Instituições no concelho

SEGURANÇA SOCIAL EM NÚMEROS

SEGURANÇA SOCIAL EM NÚMEROS SEGURANÇA SOCIAL SEGURANÇA SOCIAL EM NÚMEROS Continente e Regiões Autónomas Agosto/2015 Direção-Geral da Segurança Social Instituto de Informática, I.P. Í NDICE PÁGINA Pirâmide etária da população residente

Leia mais

Rácios de pessoal para Estrutura Residencial para Pessoas Idosas

Rácios de pessoal para Estrutura Residencial para Pessoas Idosas Área dos Idosos Rácios de pessoal para Serviço de Apoio Domiciliário Portaria nº38/2013, 30 de janeiro Número de Percentagem de Diretor técnico a) 1 50% 60 a) Diretor técnico pode ser comum às restantes

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1.1: Equipamentos Sociais no Contexto Distrital

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1.1: Equipamentos Sociais no Contexto Distrital REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1.1: Equipamentos Sociais no Contexto Distrital Parte 6.1.1 Equipamentos sociais no contexto distrital (Carta social / Reapn - Bragança) Apresentam-se seguidamente

Leia mais

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):.

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano a que respeita a candidatura I. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE GESTORA (Designação da Entidade/Organização) n.º de contribuinte, com sede na (Rua, Av.) (n.º/lote), (andar), (localidade)

Leia mais

Estatuto das Instituições Particulares de Solidariedade Social

Estatuto das Instituições Particulares de Solidariedade Social TÍTULO DO CAPÍTULO CORRESPONDENTE Estatuto das Instituições Particulares de Solidariedade Social ANOTADO REGIME JURÍDICO DAS ENTIDADES DA ECONOMIA SOCIAL 2015 2ª Edição Apelles J. B. Conceição Atualização

Leia mais

CONSTRANGIMENTOS DOS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS NA ADMISSÃO DE PESSOAS IDOSAS DO FORO MENTAL

CONSTRANGIMENTOS DOS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS NA ADMISSÃO DE PESSOAS IDOSAS DO FORO MENTAL CONSTRANGIMENTOS DOS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS NA ADMISSÃO DE PESSOAS IDOSAS DO FORO MENTAL Associação Amigos da Grande Idade Inovação e Desenvolvimento Posição Institucional 1 LARES DE IDOSOS Desde inicio

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais:

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: PROGRAMA AÇÃO 2015 O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: - Preservar a identidade da Instituição, de modo especial no que respeita a sua preferencial ação junto das pessoas, famílias e grupos

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS FAMÍLIA E COMUNIDADE EM GERAL

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS FAMÍLIA E COMUNIDADE EM GERAL Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS FAMÍLIA E COMUNIDADE EM GERAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO

DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO CARTA DOS DIREITOS PARA AS PESSOAS COM AUTISMO 1. O DIREITO de as pessoas com autismo viverem uma vida independente e completa até ao limite das suas potencialidades. 2.

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios Sociais Pessoas com Deficiência

Leia mais

GUIA PRÁTICO CONSTITUIÇÃO DE INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL

GUIA PRÁTICO CONSTITUIÇÃO DE INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL GUIA PRÁTICO CONSTITUIÇÃO DE INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/14 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Constituição

Leia mais

VOLUNTARIADO REGULAR NO BLVO

VOLUNTARIADO REGULAR NO BLVO Entidade Actividade a Desenvolver Freguesia Público Alvo Santa Casa da Misericórdia de - Elaboração de cabazes e distribuição dos bens do Banco Alimentar (no armazém da Santa Casa). População em geral

Leia mais

Equipamentos / Valências / Serviços

Equipamentos / Valências / Serviços Equipamentos / Valências / Serviços Regime Residencial Infância, Juventude e Família Residência Ternura Lar de Apoio à Mulher e à Vida Residência Fraternidade Lar de Infância e Juventude Deficiência Residência

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL CAPITULO I. Da denominação, sede, âmbito de acção e fins. Artigo 1º Denominação, sede e âmbito de acção

ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL CAPITULO I. Da denominação, sede, âmbito de acção e fins. Artigo 1º Denominação, sede e âmbito de acção ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL CAPITULO I Da denominação, sede, âmbito de acção e fins Artigo 1º Denominação, sede e âmbito de acção 1. A Associação... é uma instituição particular de solidariedade

Leia mais

Teatro com Teias e Histórias

Teatro com Teias e Histórias Teatro com Teias e Histórias 3 em Pipa Associação de Criação Teatral e Animação Cultural Organização de um grupo de voluntários que, integrados num projecto comunitário de vertente artística, actuam junto

Leia mais

CASA PIA DE LISBOA, I.P. Gabinete da Presidente do Conselho Directivo

CASA PIA DE LISBOA, I.P. Gabinete da Presidente do Conselho Directivo 1 CARTA DE MISSÃO Ministério: Trabalho e Solidariedade Social Serviço/Organismo: Casa Pia de Lisboa, I.P. Cargo e Titular: Presidente do Conselho Directivo Período da Comissão de Serviço: de 15 de Maio

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

Registo da Frequência Mensal de Utentes Via WEB

Registo da Frequência Mensal de Utentes Via WEB Registo da Frequência Mensal de Utentes Via WEB Registo da Frequência mensal de Utentes Via Web Com efeitos a janeiro de 2013, será descontinuada a utilização da solução informática de contingência, em

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Respostas Sociais População

Leia mais

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Área de Formação: 762. Trabalho Social e Orientação O Técnico Auxiliar de Geriatria é o profissional com múltiplas competências para poder desempenhar as suas funções

Leia mais

Carta Social. Carta Social. objectivos faseamento princípios diagnóstico intervenção CEDRU CÂMARA MUNICIPAL DE CASCAIS

Carta Social. Carta Social. objectivos faseamento princípios diagnóstico intervenção CEDRU CÂMARA MUNICIPAL DE CASCAIS Co ncelho de Cascais Concelho de Cascais Carta de Equipamentos e Serviços Sociais objectivos faseamento princípios diagnóstico intervenção 03214 Concelho de Cascais C a r t a d e E q u i p a m e n t o

Leia mais

Associação de Apoio à Trissomia 21

Associação de Apoio à Trissomia 21 I- Instituição Promotora NOME: AMAR 21 Associação de Apoio à Trissomia 21 MORADA: Rua Tomé de Sousa, nº 19 Edifício Leal, Apt 403 4750-217Arcozelo Barcelos DISTRITO: Braga CONTATOS: 933852811 TIPO DE INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005 Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Senhor Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo

Leia mais

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS O Dec. Lei 28/2008 de 22 de Fevereiro, estabelece o regime da criação, estruturação e funcionamento dos agrupamentos de Centros de Saúde (ACES)

Leia mais

Centro Paroquial do Estoril. Funchal, Junho, 2012

Centro Paroquial do Estoril. Funchal, Junho, 2012 Centro Paroquial do Estoril Funchal, Junho, 2012 Índice Quem Somos Como Estamos Organizados Recursos Mais Informação Quem Somos IPSS da Paróquia de Santo António do Estoril, no Concelho de Cascais Visão:

Leia mais

c u r r i c u l u m v i t a e

c u r r i c u l u m v i t a e c u r r i c u l u m v i t a e Informação pessoal Nome Morada Telefone 912079346 Fax Sousa, Cláudia Cristina Assunção Rua Miguel Bombarda, n.º 3, 4ºDto Viseu Correio electrónico floresdelivro@gmail.com

Leia mais

CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS 2010

CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS 2010 72 Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP), Ministério da Solidariedade e da Segurança Social (MSSS) CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS 2010 Coordenação do GEP / MSSS E-mail: cartasocial@gep.msss.gov.pt

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA

Leia mais

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 1 1. ÁREA DE INTERVENÇÃO ACÇÃO SOCIAL Promover a integração social dos grupos socialmente mais vulneráveis * Romper

Leia mais

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA II ENCONTRO DA CPCJ SERPA Ninguém nasce ensinado!? A família, a Escola e a Comunidade no Desenvolvimento da criança Workshop: Treino de Competências com famílias um exemplo de intervenção e de instrumentos

Leia mais

Mais informações em www.cm-odemira.pt, através do email banco.voluntariado@cm-odemira.pt ou nos serviços de ação social do Município de Odemira

Mais informações em www.cm-odemira.pt, através do email banco.voluntariado@cm-odemira.pt ou nos serviços de ação social do Município de Odemira Projectos de Voluntariado no Concelho de Odemira Inscreva-se Mais informações em www.cm-odemira.pt, através do email banco.voluntariado@cm-odemira.pt ou nos serviços de ação social do Município de Odemira

Leia mais

INTERVENÇÃO SOCIAL DOS MUNICÍPIOS PARA ALÉM DAS SUAS COMPETÊNCIAS LEGAIS

INTERVENÇÃO SOCIAL DOS MUNICÍPIOS PARA ALÉM DAS SUAS COMPETÊNCIAS LEGAIS INTERVENÇÃO SOCIAL DOS MUNICÍPIOS PARA ALÉM DAS SUAS COMPETÊNCIAS LEGAIS Está em curso um inquérito, promovido pela ANMP, sobre as despesas municipais com acções de carácter social que ultrapassam as competências

Leia mais

Mais informações em www.cm-odemira.pt, através do email banco.voluntariado@cm-odemira.pt ou nos serviços de ação social do Município de Odemira

Mais informações em www.cm-odemira.pt, através do email banco.voluntariado@cm-odemira.pt ou nos serviços de ação social do Município de Odemira Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira Inscreva-se Mais informações em www.cm-odemira.pt, através do email banco.voluntariado@cm-odemira.pt ou nos serviços de ação social do Município de Odemira

Leia mais

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa Centro Social Paroquial de Lustosa Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa 1. Identificação da Instituição: Centro Social Paroquial de Lustosa, NPC: 502431440, com sede em Alameda

Leia mais

Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira

Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira Inscreva-se! Uma mão, um amigo Casa do Povo de Relíquias Através da realização de atividades lúdicas, visitas domiciliárias, apoio na alimentação e acompanhamento

Leia mais

REDE SOCIAL CONCELHO DA MARINHA GRANDE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Definido 5 anos

REDE SOCIAL CONCELHO DA MARINHA GRANDE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Definido 5 anos REDE SOCIIAL CONCELHO DA MARIINHA GRANDE 2010 PLANO DE SOCIAL Dezembro 2010 a Dezembro 2015 Rede Social 1 No âmbito da Lei que regulamenta a Rede Social, de acordo com o ponto 1, do artigo n.º36, do capítulo

Leia mais

BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJECTO POR ORGANIZAÇÃO

BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJECTO POR ORGANIZAÇÃO 1/5 BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJECTO POR ORGANIZAÇÃO REGº SM Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra Solicito a inserção do presente projecto no Banco Local de Voluntariado

Leia mais

Matosinhos Câmara Municipal

Matosinhos Câmara Municipal Matosinhos Câmara Municipal RESPOSTAS SOCIAIS O que é: Resposta social, desenvolvida em equipamento, de apoio a actividades sócio-recreativas e culturais, organizadas e dinamizadas com participação activa

Leia mais

SERVIÇO: ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA PESSOAS ADULTAS

SERVIÇO: ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA PESSOAS ADULTAS SERVIÇO: ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA PESSOAS ADULTAS DESCRIÇÃO: Modalidade: Centro Dia para pessoa Idosa Serviço voltado para o atendimento, regime parcial, de pessoas idosas de 60 anos ou mais, de

Leia mais

Consolidar a cultura de parceria Obter respostas cada vez mais eficazes e acertadas às necessidades da população. Aumentar a compreensão por parte da

Consolidar a cultura de parceria Obter respostas cada vez mais eficazes e acertadas às necessidades da população. Aumentar a compreensão por parte da PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DE ACÇÃO SOCIAL Finalidades Objectivos gerais Objectivos específicos Estratégias Criar uma rede cada vez mais funcional/producente/maximizada entre IPSS s, ONG s e organismos

Leia mais

As Politicas Sociais em Moçambique: A Componente de Assistência Social

As Politicas Sociais em Moçambique: A Componente de Assistência Social As Politicas Sociais em Moçambique: A Componente de Assistência Social Por: Miguel A. Maússe Maputo, 19 de Junho de 2009 1 Conceitos Básicos Protecção social: conjunto de medidas visando atenuar, na medida

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL

PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL 2014 Aprovado na reunião do Plenário de 11.06.2014 16 de janeiro Workshop e assinatura de protocolo com CIG Público-alvo: comunidade no geral Local: Edifício Paço dos Concelho

Leia mais

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Actividade Formativa - Intervenção Comunitária Data - 1 de Abril de 2009 Local Auditório do Edifício Cultural Município de Peniche Participação:

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS - PESSOAS COM DOENÇA DO FORO MENTAL OU PSIQUIÁTRICO

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS - PESSOAS COM DOENÇA DO FORO MENTAL OU PSIQUIÁTRICO Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS - PESSOAS COM DOENÇA DO FORO MENTAL OU PSIQUIÁTRICO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/7 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios

Leia mais

INDICADORES TERRITORIAIS

INDICADORES TERRITORIAIS Nº de Freguesias: 24 INDICADORES TERRITORIAIS Tipologia das Freguesias (segundo a Tipologia de Áreas Urbanas): * Amares - Área Predominantemente Urbana * Barreiros - Área Medianamente Urbana * Besteiros

Leia mais

Departamento de Administração e Desenvolvimento Organizacional Divisão de Recursos Humanos e Organização F r e g u e s i a d e P i n h a l N o v o

Departamento de Administração e Desenvolvimento Organizacional Divisão de Recursos Humanos e Organização F r e g u e s i a d e P i n h a l N o v o Mapa 1. Freguesia de Pinhal Novo Área 54,4 km 2 Fonte: DGT, CAOP 213 População 25.3 habitantes 211 Fonte: CMP, DRHO-SIG População e Famílias Quadro 1. População residente 1991 21 211 Variação (%) 43.857

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia Parte 6.1 Equipamentos sociais e respostas da acção por freguesia Acção Social A acção social é um

Leia mais

CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS 2014

CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS 2014 72 Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP), Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social (MSESS) CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS 214 Coordenação do GEP / MSESS E-mail: cartasocial@gep.msess.pt

Leia mais

PROFISSIONAIS CURSOS. Oferta Formativa ANO LECTIVO 2011/2012 ESCOLA SECUNDÁRIA ALFREDO DOS REIS SILVEIRA ESCOLA SECUNDÁRIA ALFREDO DOS REIS SILVEIRA

PROFISSIONAIS CURSOS. Oferta Formativa ANO LECTIVO 2011/2012 ESCOLA SECUNDÁRIA ALFREDO DOS REIS SILVEIRA ESCOLA SECUNDÁRIA ALFREDO DOS REIS SILVEIRA CURSOS PROFISSIONAIS Oferta Formativa ESCOLA SECUNDÁRIA ALFREDO DOS REIS SILVEIRA CONTACTOS MORADA: AV. 25 DE ABRIL TORRE DA MARINHA 2840-400 SEIXAL TELEFONE: 21 227 63 60 FAX: 21 227 63 68 E-MAIL:ce@esars.pt

Leia mais

Carta Social Rede de Serviços e Equipamentos

Carta Social Rede de Serviços e Equipamentos Carta Social Rede de Serviços e Equipamentos Processo de Atualização por referência a 31 Dezembro de 2014 MANUAL DE INSTRUÇÕES: Modelo de atualização via Internet O processo de atualização da Carta Social

Leia mais

Oferta Formativa Ano Lectivo 2008/2009. Cursos Profissionais

Oferta Formativa Ano Lectivo 2008/2009. Cursos Profissionais Oferta Formativa Ano Lectivo 2008/2009 Cursos Profissionais O que são cursos profissionais? Os cursos profissionais têm uma duração de 3 anos, proporcionam o desenvolvimento de competências específicas

Leia mais

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE 18 MARÇO 2015 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa PATROCINDADORES Apoio Patrocinadores Globais APDSI APDSI Conferência As TIC e a Saúde no Portugal de Hoje SESSÃO

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

FOLHA INFORMATIVA Mais Informação sobre a Rede de Serviços e Equipamentos

FOLHA INFORMATIVA Mais Informação sobre a Rede de Serviços e Equipamentos [...] aumento de 6 % do número de lugares em Creche (mais de 6000 novos lugares) [...] 08 2012 DESTAQUES - Dinâmica da Rede de Serviços Equipamentos Sociais (RSES) - Taxas de cobertura e de utilização

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO):

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO): GRUPO DE TRABALHO: ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DE VALE DA PEDRA PAULA FERREIRA ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL ANA OLIVEIRA ASSOCIAÇÃO OPERAÇÃO SAMARITANO CARINA CRENA CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

Âmbito de intervenção do projecto: Local Distrito de Lisboa; concelho de Sintra

Âmbito de intervenção do projecto: Local Distrito de Lisboa; concelho de Sintra Entidade Promotora: Associação Meio Caminho Designação do Projecto: Casa do Quero Parcerias: Câmara Municipal de Sintra, IEFP. Âmbito de intervenção do projecto: Local Distrito de Lisboa; concelho de Sintra

Leia mais

D.R. DO TRABALHO E QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL Convenção Colectiva de Trabalho n.º 32/2008 de 26 de Maio de 2008

D.R. DO TRABALHO E QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL Convenção Colectiva de Trabalho n.º 32/2008 de 26 de Maio de 2008 D.R. DO TRABALHO E QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL Convenção Colectiva de Trabalho n.º 32/2008 de 26 de Maio de 2008 CCT entre a URMA União Regional das Misericórdias dos Açores e Outra e o SINTAP/Açores Sindicato

Leia mais

Centro de Bem Estar Social da Zona Alta Torres Novas. Regulamento Interno

Centro de Bem Estar Social da Zona Alta Torres Novas. Regulamento Interno Regulamento Interno Capítulo I Dos fins e serviços do Serviço de Apoio Domiciliário Artigo 1º Fins O Serviço de Apoio Domiciliário (adiante designado por SAD), constitui uma das valências do Centro de

Leia mais

Respostas Sociais. nomenclaturas/conceitos

Respostas Sociais. nomenclaturas/conceitos SEGURANÇA SOCIAL Respostas Sociais Lisboa, 2006 Ficha Técnica Título: Respostas Sociais - Nomenclaturas/Conceitos Grupo de Trabalho: DGSSFC Ana Maria Chichorro (coordenação) Cesarina Marques Sofia Palacin

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CLAS /2015 Área de Intervenção: Equipamentos e Respostas Sociais e Serviços 1 Objetivo Geral Objetivos Específicos Ação População - Alvo

Leia mais

Projecto de Apoio ao

Projecto de Apoio ao Projecto de Apoio ao O Centro Social Paroquial Padre Ricardo Gameiro presta serviços dedicados a crianças e idosos, promovendo igualmente o apoio ao emprego e o auxílio a famílias carenciadas. O Centro

Leia mais

PRODER Sub-Programa 3 Dinamização das Zonas Rurais ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO PARA O INTERIOR DO ALGARVE CENTRAL

PRODER Sub-Programa 3 Dinamização das Zonas Rurais ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO PARA O INTERIOR DO ALGARVE CENTRAL PRODER Sub-Programa 3 Dinamização das Zonas Rurais ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO PARA O INTERIOR DO ALGARVE CENTRAL Medida 3.1 - Diversificação da economia e criação de emprego Objectivos : - Promover

Leia mais

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças 5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças Refletir sobre as resposta de saúde e a inclusão da família Relembrar os objetivos das famílias Questionar as

Leia mais

A Direcção, Dora Dias Susana Silva

A Direcção, Dora Dias Susana Silva A Mais Família é uma empresa recente, sediada no centro de Matosinhos. Somos uma empresa de APOIO DOMICILIÁRIO, tutelada pelo Instituto da Segurança Social, com o alvará nº 23/2011, prestando assistência

Leia mais

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche Modelo de Acordo de Cooperação Creche Entre os outorgantes a seguir identificados: Primeiro outorgante: Instituto de Solidariedade e Segurança Social/Centro Distrital de Solidariedade e Segurança Social

Leia mais

MINISTÉRIOS DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 70 8 de Abril de 2011 2085

MINISTÉRIOS DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 70 8 de Abril de 2011 2085 Diário da República, 1.ª série N.º 70 8 de Abril de 2011 2085 f)....................................... g)....................................... 2..................................... 3 Sem prejuízo do

Leia mais

BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJETO POR ORGANIZAÇÃO

BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJETO POR ORGANIZAÇÃO 1/5 BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJETO POR ORGANIZAÇÃO (nº SM) Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra Solicito a inserção do presente projeto no Banco Local de Voluntariado

Leia mais

CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS 2011

CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS 2011 72 Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP), Ministério da Solidariedade e da Segurança Social (MSSS) CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS 2011 Coordenação do GEP / MSSS E-mail: cartasocial@gep.msss.gov.pt

Leia mais

APOIO AO INVESTIMENTO EM EQUIPAMENTOS SOCIAIS. Porto 30-01-2008

APOIO AO INVESTIMENTO EM EQUIPAMENTOS SOCIAIS. Porto 30-01-2008 APOIO AO INVESTIMENTO EM EQUIPAMENTOS SOCIAIS Porto 30-01-2008 AGENDA AS MARCAS DO POPH I INVESTIMENTO EM EQUIPAMENTOS SOCIAIS CANDIDATURAS II III I AS MARCAS DO POPH AS MARCAS DO POPH 1 O MAIOR PROGRAMA

Leia mais

Plano de Acção de 2011 Plano de Acção de 2010. Conselho Local de Acção Social de Monção. Conselho Local de Acção Social de Monção

Plano de Acção de 2011 Plano de Acção de 2010. Conselho Local de Acção Social de Monção. Conselho Local de Acção Social de Monção Plano de Acção de 2011 Plano de Acção de 2010 Conselho Local de Acção Social de Monção Conselho Local de Acção Social de Monção CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE MONÇÃO Actualmente a Rede Social de Monção

Leia mais

ATIVIDADES DE ENSINO

ATIVIDADES DE ENSINO RELATÓRIO DE 2006 Em 2006 o Vila Fátima ampliou suas instalações físicas, possibilitando assim uma melhor organização das atividades de ensino-serviço. Contudo, esta ampliação não será suficiente, caso

Leia mais

Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Redondo CLASRedondo

Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Redondo CLASRedondo Plano de Acção Conselho Local de Acção Social de CLAS 2014-2015 2 EIXO 1 - PROMOVER A EMPREGABILIDADE E QUALIFICAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL E INTEGRAÇÃO DE GRUPOS SOCIAIS (PRÉ-) DESFAVORECIDOS Combate

Leia mais

INCENTIVO À PROMOÇÃO DA SAÚDE NAS POLÍTICAS LOCAIS A ACTUAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LISBOA NOS DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE APPSP XXII Encontro Nacional

INCENTIVO À PROMOÇÃO DA SAÚDE NAS POLÍTICAS LOCAIS A ACTUAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LISBOA NOS DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE APPSP XXII Encontro Nacional INCENTIVO À PROMOÇÃO DA SAÚDE NAS POLÍTICAS LOCAIS A ACTUAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LISBOA NOS DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE APPSP XXII Encontro Nacional - Escola Nacional de Saúde Pública 29-05-2014 Maria

Leia mais

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE SAÚDE

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE SAÚDE ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE SAÚDE 1 ATENÇÃO PRIMÁRIA 1.1 MÉDICO CLINICO GERAL Medicina. ATRIBUIÇÕES: Atendimento aos pacientes em área

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 INDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4 Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 Eixo de Desenvolvimento 2: Empregabilidade de Formação Profissional... 13 Eixo

Leia mais

PROMOÇÃO DA SAÚDE ESCOLAR. Anabela Martins. Bragança, de 20 setembro de 2014

PROMOÇÃO DA SAÚDE ESCOLAR. Anabela Martins. Bragança, de 20 setembro de 2014 PROMOÇÃO DA SAÚDE ESCOLAR Anabela Martins Bragança, de 20 setembro de 2014 PROMOÇÃO DA SAÚDE ESCOLAR Sumário Nota prévia Objetivos da Saúde Escolar Literacia em saúde Eixo estratégicos Exemplos de Boas

Leia mais

Flash RH Responsabilidade Social

Flash RH Responsabilidade Social Flash RH Responsabilidade Social No seguimento da nossa campanha de recolha de bens interna, inserida no âmbito da responsabilidade social, a SPIE conseguiu recolher bens para chegar a 8 instituições de

Leia mais

UNIDADE MÓVEL DE APOIO DOMICILIÁRIO UMAD

UNIDADE MÓVEL DE APOIO DOMICILIÁRIO UMAD IMPLEMENTAÇÃO DO PROJECTO DE APOIO DOMICILIÁRIO IMPLEMENTAÇÃO DO PROJECTO DE APOIO DOMICILIÁRIO Definir os responsáveis e suas competências; Aquisição de equipamento e material clínico; Dotação de Recursos

Leia mais

Norma Portuguesa para Organizações Familiarmente Responsáveis BOAS PRÁTICAS DE ORGANIZAÇÕES FAMILIARMENTE RESPONSÁVEIS

Norma Portuguesa para Organizações Familiarmente Responsáveis BOAS PRÁTICAS DE ORGANIZAÇÕES FAMILIARMENTE RESPONSÁVEIS Norma Portuguesa para Organizações Familiarmente Responsáveis BOAS PRÁTICAS DE ORGANIZAÇÕES FAMILIARMENTE RESPONSÁVEIS ORGANIZAÇÕES FAMILIARMENTE RESPONSÁVEIS VIDA PLENA CONCILIAR AS VIDAS - Norma Portuguesa

Leia mais

CAE (Rev.3) 87 e 88 ACTIVIDADES DE APOIO SOCIAL

CAE (Rev.3) 87 e 88 ACTIVIDADES DE APOIO SOCIAL O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE (Rev.3) 87 e 88 ACTIVIDADES DE APOIO SOCIAL

Leia mais

guia de recursos I equipamentos sociais

guia de recursos I equipamentos sociais I santo tirso câmara municipal santo tirso câmara municipal O trabalho em rede que o tecido institucional do nosso concelho tem vindo a preconizar implica um conhecimento profundo da realidade social.

Leia mais

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO NOME DA ENTIDADE: TIPO DE SERVIÇO: ( ) de convivência para crianças de 3

Leia mais

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO NOME DA ENTIDADE: TIPO DE SERVIÇO: ( ) de convivência para crianças de 3

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 19 28 de Janeiro de 2010 257

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 19 28 de Janeiro de 2010 257 Diário da República, 1.ª série N.º 19 28 de Janeiro de 2010 257 MINISTÉRIO DA SAÚDE Decreto-Lei n.º 8/2010 de 28 de Janeiro Os problemas de saúde mental, aliados a situações de demência que, em parte,

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020

Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020 Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social de Gondomar 16 de março de 2015 Biblioteca Municipal de Gondomar Eixo 1 Capacitação,

Leia mais

VOLUNTARIADO CÁRITAS IDOSOS

VOLUNTARIADO CÁRITAS IDOSOS IDO 01/2015 Acompanhamento Personalizado do Idoso IDO 02/2015 Acompanhamento Personalizado do Idoso IDO 03/2015 Acompanhamento Personalizado do Idoso IDO 04/2015 Acompanhamento Personalizado do Idoso IDO

Leia mais

Ajudar a colorir o futuro das crianças

Ajudar a colorir o futuro das crianças Ajudar a colorir o futuro das crianças São as crianças que temos que vão garantir a continuidade e a prosperidade futura da nossa sociedade Sua Excelência Prof. Dr. Anibal Cavaco Silva, Presidente da República,

Leia mais

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO:

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO: PARECER TÉCNICO ASSUNTO: Solicitação de parecer acerca de Técnico de Enfermagem lotado no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de transtorno mental acompanhar paciente internado em outra instituição,

Leia mais

1. Equipamentos Sociais no Concelho de Pinhel (Instituições Particulares de Solidariedade Social)

1. Equipamentos Sociais no Concelho de Pinhel (Instituições Particulares de Solidariedade Social) 1. Equipamentos Sociais no Concelho de Pinhel (Instituições Particulares de Solidariedade Social) O estudo até aqui realizado mostra-nos que o concelho de Pinhel segue a mesma tendência do resto do País,

Leia mais

III- DADOS DO PRESIDENTE

III- DADOS DO PRESIDENTE PLANO DE AÇÃO 2014 I- IDENTIFICAÇÃO Nome: Associação dos Deficientes Físicos de Lençóis Paulista - ADEFILP Endereço: Pernambuco, 333, Jardim Cruzeiro Lençóis Paulista SP CEP 18680470 Telefone: (014) 3264-9700

Leia mais

7.1. Estruturas de Saúde no Concelho de Rio Maior. No que concerne às infra-estruturas de Saúde, o Concelho de Rio

7.1. Estruturas de Saúde no Concelho de Rio Maior. No que concerne às infra-estruturas de Saúde, o Concelho de Rio 7. Saúde 7.1. Estruturas de Saúde no Concelho de Rio Maior No que concerne às infra-estruturas de Saúde, o Concelho de Rio Maior dispõe de um Centro de Saúde com 10 extensões distribuídas pelas Freguesias

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Entre PRIMEIRO OUTORGANTE..., portador do B.I. n.º.., emitido em. /. /. pelo Arquivo de Identificação de, contribuinte n.º...., residente em... SEGUNDO OUTORGANTE: Casa

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA

O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA LEMOS, Josiane (estágio I), e-mail: lemosjosi@hotmail.com SANTOS, Lourdes de Fátima dos (estágio I). e-mail: lurdesfsantos84@hotmail.com SCHEMIGUEL,

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA Artigo 1º Âmbito 1. Este regulamento aplica-se à resposta social Equipa de Intervenção Directa (EID) resposta social dirigida à população toxicodependente, da Unidade de Apoio a Toxicodependentes e Seropositivos

Leia mais

Associação de Paralisia Cerebral de Guimarães Manual de Gestão da Qualidade

Associação de Paralisia Cerebral de Guimarães Manual de Gestão da Qualidade Associação de Paralisia Cerebral de Guimarães Manual de Gestão da Qualidade I ÍNDICE I - Índice II - Lista de revisões efetuadas III - Lista de abreviaturas IV - Introdução 1. Confidencialidade 2. Referências

Leia mais

. Protocolo de Cooperação 2011-2012.. Programa de Emergência Alimentar. Centro Distrital de Viseu Março de 2012

. Protocolo de Cooperação 2011-2012.. Programa de Emergência Alimentar. Centro Distrital de Viseu Março de 2012 . Protocolo de Cooperação 2011-2012. Programa de Emergência Alimentar Centro Distrital de Viseu Março de 2012 Celebrado em 17 de Janeiro 2012 entre o Ministério da Solidariedade e Segurança Social e as

Leia mais