Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência."

Transcrição

1 Conselho Local de Acção Social de de Ourique Cuba Plano de Acção Rede Social Programação Anual. Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através de medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.. Objectivo Geral Intervir nas famílias para resolver problemas sociais... Medida Acções de prevenção primária da toxicodependência... Objectivo Especifico Garantir que os alunos de.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência Até 2009 envolver 00% dos alunos de.º e 2.º Ciclo [ de presenças / de alunos de.º e 2.º Ciclo] x 00% Acções Responsável Parceiros [O quê?] [Quem?] [Quando?] Preparação das acções de prevenção primária da toxicodependência IDT 0-Jan 3-Dez Agrupamento de Centro de Saúde Escolas 2 Acções de prevenção primária da toxicodependência Parceiros Locais 0-Jan 3-Dez * Para cada uma das acções existe um projecto elaborado pelo responsável

2 Conselho Local de Acção Social de de Ourique Cuba Plano de Acção Rede Social Programação Anual. Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças dos idosos e das famílias através de medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.. Objectivo Geral Intervir nas famílias para resolver problemas sociais..2. Medida Rendimento Social de Inserção...2. Objectivo Especifico Garantir que os beneficiários de RSI estabeleçam acordos de inserção Até 2009 garantir que 00% dos beneficiários de RSI estabeleçam acordos de inserção [ de acordos de inserção assinados / de processos activos] x 00% Assinatura de acordos de inserção com os beneficiários de RSI Coordenadora do Núcleo Local de Inserção Seg. Social Município Agrup. Escolas Centro de Saúde Centro de Emprego de Beja S.C.M.Cuba 0-Jan 3-Dez

3 Conselho Local de Acção Social de de Ourique Cuba Plano de Acção Rede Social Programação Anual. Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através de medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.. Objectivo Geral Intervir nas famílias para resolver problemas sociais..2. Medida Rendimento Social de Inserção...3 Objectivo Especifico Garantir a presença dos representantes do NLI nas reuniões realizadas no ano Até 2009 garantir a presença de 90% dos representantes nas reuniões realizadas [ de presenças x de reuniões realizadas / de representantes x de reuniões realizadas] [O quê?] [Quem?] [Quando?] Sensibilização ás entidades/ técnicos que constituem o NLI Coordenadora do Núcleo Local de Inserção Seg. Social Município Agrup. Escolas Centro de Saúde Centro de Emprego de Beja S.C.M.Cuba 0-Jan 3-Dez

4 Conselho Local de Acção Social de de Ourique Cuba Plano de Acção Rede Social Programação Anual. Prioridade Promover a melhoria da condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através de medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.. Objectivo Geral Intervir nas famílias para resolver problemas sociais..2. Medida Rendimento Social de Inserção...4. Objectivo Especifico Garantir a avaliação em instrumentos próprios das acções de cada uma das áreas de inserção (no final da acção ou no momento do incumprimento) Até 2009 garantir a avaliação em instrumentos próprios de 75%das acções de cada uma das áreas de inserção [ de de avaliações efectuadas / Nº de acções assinadas] x 00% [O quê?] [Quem?] [Quando?] Avaliação das acções dos acordos de inserção, por parte dos parceiros do NLI Coordenadora do Núcleo Local de Inserção Seg. Social Município Agrup. Escolas Centro de Saúde Centro de Emprego de Beja S.C.M.Cuba 0-Jan 3-Dez

5 Conselho Local de Acção Social de Cuba Plano de Acção Rede Social Programação Anual. Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através de medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.. Objectivo Geral Intervir nas famílias para resolver problemas sociais..3. Medida Apoio Integrado às Famílias e Aconselhamento Parental...5 Objectivo Especifico Garantir o apoio e acompanhamento psicossocial das famílias que apresentem vulnerabilidades sinalizadas pelos diversos serviços Até 2008 garantir o funcionamento de uma equipa de intervenção familiar Implementação do serviço [O quê?] [Quem?] [Quando?] Elaboração do Projecto de acompanhamento psicossocial das familias Associação Terras 0-Jan 30-Jan 2 Divulgação do Projecto de Acompanhamento Psicossocial Dentro Municípios de 0-Fev 3-Dez 3 Implementação do Projecto de Acompanhamento Psicossocial Cuba e Alvito Agrup. Escolas 0-Fev 5-Fev ,00 Agrupamento de Escolas Centro de Saúde Seg. Social 4 Sinalização das Familias Centro de Saúde Município Segurança Social Terras Dentro 5-Fev 3-Dez Município 5 Intervenção junto das famílias CAFAP 0-Mar 3-Dez 6 Avaliação Periódica do Projecto Núcleo Executivo da Rede Social 0-Mar 3-Dez

6 . Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através de medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.. Objectivo Geral Intervir nas famílias para resolver problemas sociais..3. Medida Apoio integrado às famílias e aconselhamento parental...6. Objectivo Especifico Reforçar a importância do exercicío de cidadania em articulação com os projectos de vida das famílias intervencionadas Até 2009 garantir o apoio familiar a 20 famílias sinalizadas [ de familias em apoio / de familias sinalizadas] x 00% 2 Sinalização das famílias Acompanhamento às famílias Centro de Apoio à família e aconselhamento parental (CAFAP) Seg. Social Agrupamento de Escolas Centro de Saúde Terras Dentro Município de Cuba Jan-08 Dez-09

7 . Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através de medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.. Objectivo Geral Intervir nas famílias para resolver problemas sociais..3. Medida Apoio integrado às famílias e aconselhamento parental...7. Objectivo Especifico Promover o aconselhamento/educação parental a famílias com vista ao desenvolvimento de competências ao nível da organização da vida quotidiana Até 2009 garantir a 50% das famílias sinalizadas aconselhamento parental [ de famílias em aconselhamento parental / de famílias sinalizadas] x 00% Sinalização das famílias Seg. Social Agrupamento de 0-Fev 3-Dez Escolas CAFAP Centro de Saúde Terras Dentro 2 Aconselhamento Parental Município de 0-Fev 3-Dez Cuba

8 . Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através de medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.2. Objectivo Geral Promover a melhoria do acesso e as condições de habitação.2.. Medida Programa Conforto Habitacional para Pessoas Idosas.2... Objectivo Especifico Garantir a intervenção em pelo menos 5 habitações de pessoas abrangidas pelo Programa de Conforto Habitacional Até 2008 garantir a intervenção em 5 das habitações de pessoas abrangidas pelo Programa de Conforto Habitacional Nº de famílias abrangidas pela medida Selecção das candidaturas 0-Jan 5-Jan 2 Visitas Domiciliárias Seg. Social Município 5-Jan 20-Jan 3 Análise e periorização dos processos de candidatura 0-Fev 07-Fev 4 Parecer sobre a hierarquização das Candidaturas pelo Núcleo Executivo Núcleo Executivo Parceiros Locais 0-Fev 5-Fev ,00 5 Envio do parecer com hierarquização ao ISS,IP por parte do Município Município de Cuba 20-Fev 29-Fev 6 Intervenção nas Habitações Município de Cuba de Março 3 de Maio

9 . Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através de medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.2. Objectivo Geral Promover a melhoria do acesso e as condições de habitação.2.2. Medida Realização de melhoramentos na habitação Projecto "De Mãos Dadas" Objectivo Especifico Melhorar as condições de 30 habitações de famílias com carência económica Até 2009 garantir a intervenção em 30 habitações de famílias com carência económica Nº de famílias abrangidas pela medida Recepção de candidaturas Município 5 de Janeiro 5 de Fevereiro 2 Visitas Domiciliárias Município Juntas de 20 de Fevereiro 5 de Março 3 Análise de processos Município Freguesia 20 de Março 5 de Abril ,00 4 Intervenção nas Habitações Município de Maio 5 de Novembro

10 . Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através de medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.2. Objectivo Geral Promover a melhoria do acesso e as condições de habitação.2.3. Medida Empréstimo para obras de melhoramento na habitação programa "SOLARH" Objectivo Especifico Contratualizar 2 empréstimos Até 2009 garantir a contratualização de 2 empréstimos Nº de famílias abrangidas pela medida Recepção de candidaturas Município 2 Visitas Domiciliárias Município 3 Análise de processos, acompanhamento técnico e administrativo Município 4 Encaminhamento dos processos para o I.N.H.R.U Município Instituto Nacional de Habitação e Reabiltação Urbana I.N.H.R.U Jan-08 Dez-09

11 . Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através de medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.3. Objectivo Geral Ajustar o ensino e as escolas através de programas específicos às necessidades das famílias.3.. Medida Programa de Generalização do Fornecimento de Refeições Escolares aos alunos do.º Ciclo do Ensino Básico e componente de apoio à família para a Educação Pré-Escolar.3... Objectivo Especifico Garantir que as escolas do º Ciclo do ensino básico do Concelho de Cuba oferecem a todas as crianças uma refeição escolar e que o ensino Pré-Escolar tenha serviço de almoço e prolongamento de horário Até 2009 garantir que 00% das escolas do º ciclo do ensino básico oferecem a todas as crianças uma refeição e até 2009 garantir que 00% do ensino Pré-Escolar tenha serviço de almoço e prolongamento de horário [Nº de escolas a fornecer refeição / Nº de escolas previstas] x 00% [Nº de refeições fornecidas /Nº total de alunos por escola] x 00% Fornecimento de refeições escolares em todos os estabelecimentos de ensino básico no ano lectivo 2007/2008 e fornecimento de serviço de 03-Jan -Jul 425,05 /dia almoço e prolongamento de horário ao Pré-Escolar Município de Cuba Município de Cuba DREA Fornecimento de refeições escolares em todos os estabelecimentos de Seg. Social 2 ensino básico no ano lectivo 2008/2009 e fornecimento de serviço de 5-Set 3-Dez 425,05 /dia almoço e prolongamento de horário ao Pré-Escolar

12 . Prioridade.4. Objectivo Geral Criar uma Rede de Voluntariado.4.. Medida Núcleo de voluntariado Promover a melhoria das condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através de medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.4... Objectivo Especifico Promover o voluntariado no concelho de Cuba Até 2009 garantir um núcleo de voluntariado envolvendo 30 voluntários [ de voluntários / de voluntários previstos] x 00% Sensibilizar para o voluntariado junto da comunidade 2 Criação do núcleo de voluntariado * Para cada uma das acções existe um projecto elaborado pelo responsável Associação a ARCA Parceiros Locais Jan-08 Dez-09

13 . Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através de medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.5. Objectivo Geral Melhorar o rendimento das famílias mais fragilizadas.5.. Medida Complemento Solidário para Idosos.5... Objectivo Especifico Garantir o acesso a todos os idosos com as condições previstas na lei o Complemento Solidário Até 2009 garantir o acesso a 00% dos idosos com idade prevista na lei o Complemento Solidário para Idosos [ de requerimentos recebidos /Nº de requerimentos deferidos] x 00% 2 Sensibilizar/informar a todos os idosos que reunam as condições previstas na Lei sobre a possibilidade de requererem o Complemento Solidário Sensibilização aos agentes Locais para divulgação da Medida junto da População - Alvo Coordenadora do NLI Segurança Social Município de Cuba Juntas de Freguesia Jan-08 Dez-09

14 . Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças dos idosos e das famílias através de medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.6 Objectivo Geral Promover iniciativas de enfoque territorial dirigidas a grupos e territórios em risco e/ou situação de exclusão.6.. Medida Plano local de conciliação de intervenções e de maximização de recursos humanos.6... Objectivo Especifico Definir e operacionalizar um modelo de articulaçao local das várias intervenções e do trabalho das equipas técnicas Até 2009 alargar operacionalizar o plano de conciliação de intervenções e maximização de recursos humanos Operacionalização do modelo Análise dos regulamentos que regem as diferentes estruturas de intervenção no concelho 2 3 Elaboração do Plano de conciliação de intervenções e de maximização de recursos humanos Implementação do Plano de conciliação de intervenções e de maximização de recursos humanos Segurança Social Município de Cuba Segurança Social Município de Cuba Compilação dos recursos para a inserção social existentes no concelho 0-Jan 30-Abr Núcleo Executivo CLASC 2 Elaboração do guia de recursos para a inserção social -Mai 30-Jun Jan-08 Dez-09

15 . Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças dos idosos e das famílias através de medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.6. Objectivo Geral Promover iniciativas de enfoque territorial dirigidas a grupos e territórios em risco e/ou situação de exclusão.6.2. Medida Guia de recursos para a inserção social Objectivo Especifico Garantir a elaboração de um guia de recursos para a inserção social Garantir a actualização do guia no.º semestre de 2008 Criação do guia de recursos [O quê?] [Quem?] [Quando?] Compilação dos recursos para a inserção social existentes no concelho 0-Jan 30-Abr Núcleo Executivo CLASC 2 Elaboração do guia de recursos para a inserção social -Mai 30-Jun

16 . Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças dos idosos e das famílias através de medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.7. Objectivo Geral Promover a melhoria dos serviços de apoio domiciliário no concelho.7.. Medida Actualizar/reciclar/aperfeiçoar a formação dos técnicos que prestam o serviço.7... Objectivo Especifico Garantir a todos os funcionários de serviço de apoio domiciliário a frequência de pelo menos uma acção de formação Até 2009 assegurar a participação de todos os funcionários do serviço de apoio domiciliário em pelo menos uma acção de formação Volume de formação efectuada no período Levantamento das necessidades formativas dos funcionários que 0-Fev 29-Fev prestam o serviço de apoio domiciliário nas IPSS`S do Concelho Associação Terras IPSS`S Dentro Seg. Social 2 Promover as acções de formação nas IPSS`S do concelho -Jul 3-Dez

17 2. Prioridade 2 Corrigir as desvantagens na formação, educação e emprego 2.. Objectivo Geral Ajustar o ensino e as escolas através de programas específicos, às necessidades das famílias 2... Medida Escola a tempo inteiro - actividades de enriquecimento curricular/actividades de apoio à família (.º Ciclo do Ensino Básico e Educação Pré-Escolar 2... Objectivo Especifico Manter o horário escolar no mínimo até às 7h30m nas escolas do.º Ciclo/Jardim de Infância com oferta de actividades de enriquecimento curricular e apoio à família Até 2009 garantir a 00% das escolas do.º ciclo e pré-escolar do ensino básico actividades de enriquecimento curricular e apoio à família [ de escolas do.º ciclo do ensino básico e jardins de infância com actividades / de escolas existentes] x 00% Inicio de Actividades de Enriquecimento Curricular do Ano lectivo 03-Jan 20-Jun 2 Elaboração do Acordo de 2007/2008 Colaboração do Programa de 0-Jul 3-Jul 3 Envio de Acordo de Colaboração para a DREA DREA 0-Ag 3-Ag 4 Contratação de Docentes para leccionar as Actividades de Autarquia 0-Set 08-Set 5 Divulgação pelo Agrupamento de Escolas das Actividades de 08-Set 3-Set 6 Inicio de Actividades de Enriquecimento Curricular do Ano lectivo 5-Set 3-Dez 7 Inicio da Actividade de Apoio à Família do Ano lectivo 2007/ Jan -Jul 8 Elaboração do Acordo de Colaboração do Programa de DREA 0-Jul 3-Jul 9 Envio de Acordo de Colaboração para a DREA Município de 0-Ag 3-Ag 0 Contratação de Animadores para leccionar a Actividade de Apoio Cuba 0-Set 08-Set Divulgação pelo Agrupamento de Escolas da Actividade de Apoio Seg. Social 08-Set 3-Set 2 Inicio da Actividade de Apoio à Família do Ano lectivo 2008/ Set 3-Dez

18 2. Prioridade 2 Corrigir as desvantagens na formação, educação e emprego 2.2. Objectivo Geral Reforçar o acesso à formação e ao emprego, com vista à promoção da igualdade de oportunidades Medida Iniciativa Novas Oportunidades Objectivo Especifico Garantir a oferta do processo de RVC a nível básico e secundário Até 2009 certificar a 250 adultos do processo RVC/NB e 200 do Processo RVC/NS [ de adultos abrangidos / de adultos a beneficiar do processo de RVC] x 00% [O quê?] [Quem?] [Quando?] Divulgação do processo de RVC Inscrições dos adultos Processo RVC Jurí de Validação Agrupamento de Escolas (Centro de Nova Oportunidades) Parceiros Locais Jan-08 Dez-09

19 2. Prioridade 2 Corrigir as desvantagens na formação, educação e emprego 2.2. Objectivo Geral Reforçar o acesso à formação e ao emprego, com vista à promoção da igualdade de oportunidades Medida Iniciativa Novas Oportunidades Objectivo Especifico Realizar acção de língua portuguesa por ano, envolvendo 0 imigrantes Garantir aé 2009 a realização de acção de português língua não materna [ de acções / de imigrantes envolvidos] x 00% Divulgação da acção Inscrições para a acção Elaboração do Projecto Inicío da Acção Agrupamento de Escolas (Centro de Nova Oportunidades) Parceiros Locais Jan-08 Dez-09

20 2. Prioridade 2 Corrigir as desvantagens na formação, educação e emprego 2.2. Objectivo Geral Reforçar o acesso à formação e ao emprego, com vista à promoção da igualdade de oportunidades Medida Iniciativa Novas Oportunidades Objectivo Especifico Realizar acção de alfabetização, envolvendo 0 adultos Garantir aé 2009 a realização de acção de alfabetização [ de acções / de adultos envolvidos] x 00% [O quê?] [Quem?] [Quando?] Divlgação da acção Agrupamento de Inscrições para a acção Escolas (Centro de Parceiros Locais Elaboração do Projecto Nova Jan-08 Dez-09 Inicío da acção Oportunidades)

21 2. Prioridade 2 Corrigir as desvantagens na formação, educação e emprego 2.2. Objectivo Geral Reforçar o acesso à formação e ao emprego, com vista à promoção da igualdade de oportunidades Medida Iniciativa Novas Oportunidades Objectivo Especifico Garantir 40% de população de RSI no CNO Até 2009 envolver 40% de população de RSI no CNO de pessoas em processo de CNO de pessoas beneficiárias de RSI Encaminhamento dos beneficiários de RSI para o Centro Novas Oportunidades, no momento da negociação dos programas de inserção 2 3 Esclarecimentos sobre os programas do Centro Novas Oportunidades Inscrição no Centro Novas Oportunidades Agrupamento de Escolas (Centro de Nova Oportunidades) NLI Jan-08 Dez-09

22 2. Prioridade 2 Corrigir as desvantagens na formação, educação e emprego 2.2. Objectivo Geral Reforçar o acesso à formação e ao emprego Medida Programa de Intervenção no Mercado de Trabalho Inclusivo Objectivo Especifico Integrar anualmente pessoas em acções de formação e em programa ocupacional de carenciados Até 2009 integrar 20% dos beneficiários de RSI em acções de formação e 0% em programas ocupacionais [ de beneficiários abrangidos / Total de beneficiários de RSI] x 00% 2 3 Sessões de Informação colectiva Acções de Divulgação junto dos Parceiros Atendimento Individualizado I.E.F.P. CLASC Jan-08 Dez-09

23 2. Prioridade 2 Corrigir as desvantagens na formação, educação e emprego 2.2. Objectivo Geral Reforçar o acesso à formação e ao emprego, com vista à promoção da igualdade de oportunidades Medida Programa de Intervenção no Mercado de Trabalho Inclusivo Objectivo Especifico Sensibilizar para o desenvolvimento de competências pessoais e sociais Até 2009 realizar 4 acções de formação envolvendo 20 famílias beneficiárias de RSI [4 acções de formação / 20 famílias beneficiárias de RSI] x 00% Sessões de informação colectiva Associação Terras 2 Acções de Divulgação NLI Jan-08 Dez-09 Dentro 3 Realização das acções

24 2. Prioridade 2 Corrigir as desvantagens na formação, educação e emprego 2.2. Objectivo Geral Reforçar o acesso à formação e ao emprego, com vista à promoção da igualdade de oportunidades Medida Programa de Intervenção no Mercado de Trabalho Inclusivo Objectivo Especifico Garantir a definição articulada Plano Pessoal de Emprego (PPE) para os beneficiários de RSI em idade activa com acordo na área de formação e emprego Até 2009 garantir a definição articulada Plano Pessoal de Emprego (PPE) para 00% dos beneficiários de RSI em idade activa com acordo na área de formação e emprego [ de beneficiários de PPE com acordo na área do emprego/ total de beneficiários de RSI com acordo na área do emprego] x 00% Sessões de informação I.E.F.P. NLI Jan-08 Dez-09 2 Atendimento Individualizado

25 2. Prioridade 2 Corrigir as desvantagens na formação, educação e emprego 2.3. Objectivo Geral Facilitar o acesso ao emprego e à criação de empresas Medida Programa de Incentivo com vista à promoção do emprego Objectivo Especifico Realizar 4 acções de sensibilização para jovens e mulheres desempregadas Até 2009 garantir a integração mínima de 8 jovens e mulheres desempregadas em 4 acções de sensibilização [ 8 x 4 / de jovens e mulheres desempregadas] 2 3 Sessões de informação colectiva Acções de Divulgação Realização das acções de sensibilização UNIVA Parceiros Locais 0-Jan 3-Dez

26 2. Prioridade 2 Corrigir as desvantagens na formação, educação e emprego 2.3. Objectivo Geral Facilitar o acesso ao emprego e à criação de empresas Medida Programa de Incentivos com vista à promoção do emprego Objectivo Especifico Realizar 6 acções de divulgação de programas de incentivo à criação e promoção de empregos junto de beneficiários do RSI Até 2009 realizar 6 acções de divulgação junto de beneficiários de RSI [ 6 acções / total de beneficiários de RSI] x 00% 2 Acções de Divulgação do programa de incentivo à criação e promoção de emprego Associação Terras Dentro NLI Jan-08 Dez-08

27 2. Prioridade 2 Corrigir as desvantagens na formação, educação e emprego 2.3. Objectivo Geral Facilitar o acesso ao emprego e à criação de empresas Medida Programa de Incentivos com vista à promoção do emprego Objectivo Especifico Apoiar a constitição de negócios para beneficiários de RSI Até 2009 garantir a constituição de 2 negócios para beneficiários de RSI [ de negócios (2) / total de beneficiários de RSI] x 00% [O quê?] [Quem?] [Quando?] Acções de divulgação junto dos beneficiários de RSI Escola Profissional NLI Jan-08 Dez-09 2 Atendimento individualizado Fialho de Almeida

28 2. Prioridade 2 Corrigir as desvantagens na formação, educação e emprego 2.3. Objectivo Geral Facilitar o acesso ao emprego e à criação de empresas Medida Programa de Incentivos com vista à promoção do emprego Objectivo Especifico Promover o empreendorismo em meio escolar Até 2009 realizar 0 acções de divulgação/sensibilização junto da população escolar [ 0 acções / de alunos em meio escolar] x 00% 2 Preparação das acções e divulgação Realização das acções de sensibilização Associação Terras Dentro Agrupamento de escolas Escola Profissional fialho de Almeida Jan-08 Dez-09

29 2. Prioridade 2 Corrigir as desvantagens na formação, educação e emprego 2.4. Objectivo Geral Garantir um maior conhecimento das actividades profissionais aos discentes do Pré-Escolar e.º Ciclo Medida Um dia com um profissional Objectivo Especifico Proporcionar o conhecimento real de actividades profissionais aos alunos do Pré-Escolar e.º Ciclo Até 2009 envolver os alunos do Pré-escolar e.º Ciclo em actividades de contexto real de trabalho [ de alunos envolvidos / Actividades Profissionais] x 00% [O quê?] [Quem?] [Quando?] Estudo das actividades de contexto de trabalho e Preparação das mesmas Agrupamento de Parceiros Locais Jan-08 Dez-09 Escolas 2 Realização das actividades de contexto real de trabalho

30 2. Prioridade 2 Corrigir as desvantagens na formação, educação e emprego 2.5. Objectivo Geral Promover iniciativas de enfoque territorial dirigidas a grupos e territórios em risco e/ou situação de exclusão Medida Micro-crédito Objectivo Especifico Garantir que em todas as freguesias do concelho existe uma divulgação do micro-crédito Até 2009 garantir a divulgação do micro crédito a 00% das freguesias do concelho [ de freguesias abrangidas pela divulgação / Total de Freguesias] x 00% Realização das sessões de divulgação para as 4 Freguesias do Concelho Município Parceiros Locais Jan-08 Dez-09

31 2. Prioridade 2 Corrigir as desvantagens na formação, educação e emprego 2.5. Objectivo Geral Promover iniciativas de enfoque territorial dirigidas a grupos e territórios em risco e/ou situação de exclusão Medida Micro-crédito Objectivo Especifico Garantir que no Concelho exista uma entidade interlocutora do micro-crédito Até 2009 garantir que existe uma entidade interlocutora do micro-crédito Nº de entidades locais interlocutoras [O quê?] [Quem?] [Quando?] Identificação da entidade interlocutora Município de Cuba Parceiros Locais Jan-08 Dez-09

32 2. Prioridade 2 Corrigir as desvantagens na formação, educação e emprego 2.6. Objectivo Geral Promover a melhoria das acessibilidades e informação Medida Espaços Internet nas freguesias Objectivo Especifico Garantir em 00% das freguesias um espaço público de acesso à internet Até 2009 criar nas freguesias um espaço gratuíto de acesso à Internet [ de Freguesias com espaço criado / de freguesias existentes] x 00% [O quê?] [Quem?] [Quando?] Juntas de Municipio de Criação de espaços internet em três freguesias do Concelho Jan-08 Dez-09 Freguesia Cuba

33 3. Prioridade 3 Ultrapassar as discriminações, reforçando a integração das minorias étnicas 3.. Objectivo Geral Promover iniciativas de enfoque territorial dirigidas a grupos em situação de exclusão 3... Medida Sensibilizar a comunidade escolar para a comunicação e a interculturalidade dirigidas a professores, pais e pessoal não docente 3... Objectivo Especifico Realizar 4 acções de sensibilização envolvendo 40% dos Agentes Educativos do Concelho Garantir que até 2009 se realizem 4 acções de sensibilização para Agentes Educativos do Concelho [4 acções / de Agentes Educativos no Concelho] x 00% Preparação das acções 2 Divulgação das acções 3 Execução das acções Associação Terras Dentro Agrupamento de Escolas Escola Proficional Infantário CAE Jan-08 Dez-09

34 3. Prioridade 3 Ultrapassar as discriminações, reforçando a integração das minorias étnicas 3.. Objectivo Geral Promover iniciativas de enfoque territorial dirigidas a grupos em situação de exclusão 3... Medida Sensibilizar a comunidade escolar para a comunicação e a interculturalidade dirigidas a professores, pais e pessoal não docente Objectivo Especifico Realizar 6 acções de sensibilização envolvendo 25% dos encarregados de educação Garantir que até 2009 se realizem 6 acções de sensibilização para encarregados de educação [6 acções / de encarregados de educação ] x 00% [O quê?] [Quem?] [Quando?] 2 3 Preparação das acções Divulgação das acções Execução das acções Associação Terras Dentro Agrupamento de Escolas Associação de Pais Jan-08 Dez-09

35 3. Prioridade 3 Ultrapassar as discriminações, reforçando a integração das minorias étnicas 3.. Objectivo Geral Promover iniciativas de enfoque territorial dirigidas a grupos em situação de exclusão Medida Mediador Intercultural Objectivo Especifico Garantir a actividade de um mediador intercultural Assegurar que até 2009 esteja em actividade um mediador intercultural Integração do mediador Reunião com o potencial mediador intercultural (etnia cigana) Segurança Social NLI Jan-08 Dez-09 2 Integração do mediador intercultural nas reuniões de NLI

36 3. Prioridade 3 Ultrapassar as discriminações, reforçando a integração das minorias étnicas 3.. Objectivo Geral Promover iniciativas de enfoque territorial dirigidas a grupos em situação de exclusão Medida Promover a interculturalidade Objectivo Especifico Realizar actividades interculturais anuais em cada escola do.º Ciclo Garantir que até 2009 se realizem 3 actividades interculturais anuais em cada escola [ de actividades realizadas / de escolas] x 00% Preparação das actividades Agrupamento de 2 Divulgação das actividades Parceiros Locais Jan-08 Dez-09 Escolas 3 Realização das actividades

37 3. Prioridade 3 Ultrapassar as discriminações, reforçando a integração das minorias étnicas 3.. Objectivo Geral Promover iniciativas de enfoque territorial dirigidas a grupos em situação de exclusão Medida Adequar a comunicação pais das crianças de etnia cigana / professores Objectivo Especifico Envolver os encarregados de educação das crianças de etnia cigana nos momentos de avaliação Promover a participação dos encarregados de educação das crianças de etnia cigana nos momentos de avaliação [ de encarregados de educação das crianças de etnia cigana presentes / de momentos de avaliação] x 00% 2 Acções de sensibilização junto dos encarregados de educação nos momentos de negociação e formalização dos acordos de inserção Reuniões ao longo do ano com os encarregados de educação para os envolver nas actividades escolares dos filhos e promover uma maior proximidade entre escola e família Agrupamento de Escolas Segurança Social NLI Jan-08 Dez-09

38 3. Prioridade 3 Ultrapassar as discriminações, reforçando a integração das minorias étnicas 3.2. Objectivo Geral Reforçar o acesso à educação com vista à promoção da igualdade de oportunidades Medida Escola a tempo inteiro Objectivo Especifico Reduzir o abandono escolar das crianças de etnia cigana para 50% no âmbito da escolaridade obrigatória Garantir que até % das crianças de etnia cigana não abandonem a escolaridade obrigatória [ de crianças de etnia cigana em escolaridade obrigatória / de crianças de etnia cigana matriculadas na escolaridade obrigatória] x 00% 2 Acções de sensibilização junto dos encarregados de educação nos momentos de negociação e formalização dos acordos de inserção Reuniões com os encarregados de educação para resolver questões pontuais Agrupamento de Escolas Segurança Social NLI Jan-08 Dez-09

39 3. Prioridade 3 Ultrapassar as discriminações, reforçando a integração das minorias étnicas 3.2. Objectivo Geral Reforçar o acesso à educação com vista à promoção da igualdade de oportunidades Medida Escola a tempo inteiro Objectivo Especifico Reduzir para 50% o insucesso escolar das crianças de etnia cigana no ensino básico no âmbito da escolaridade obrigatória Garantir que até 2009 as crianças de etnia cigana reduzam para 50% o insucesso escolar no ensino básico [ de crianças de etnia cigana que frequentam o Ensino Básico / de crianças de etnia cigana inscritas no Ensino Básico] x 00% 2 Acções de sensibilização junto dos encarregados de educação nos momentos de negociação e formalização dos acordos de inserção Reuniões com os encarregados de educação para resolver questões pontuais Agrupamento de Escolas Segurança Social NLI Jan-08 Dez-09

40 3. Prioridade 3 Ultrapassar as discriminações, reforçando a integração das minorias étnicas 3.3. Objectivo Geral Reforçar a qualidade dos serviços sociais de apoio Medida Intervenção precoce Objectivo Especifico Garantir o funcionamento da intervenção precoce Até 2009 ter garantido apoio a 00% das crianças com necessidades de intervenção de criaças com necessidades de intervenção / de crianças intervencionadas Município de Agrupamento de Cuba Apoiar as crianças dos 0 aos 6 anos, com deficiência ou em risco de Escolas Santa Casa da Jan-08 Dez-09 atraso de desenvolvimento e suas famílias Segurança Social Misericórdia de Centro de Saúde Cuba

41 3. Prioridade 3 Ultrapassar as discriminações, reforçando a integração das minorias étnicas 3.3. Objectivo Geral Reforçar a qualidade dos serviços sociais de apoio Medida Intervenção precoce Objectivo Especifico Estabelecer um protocolo efectivo com as entidades parceiras da equipa de intervenção precoce Garantir que até 2009 se estabeleça o protocolo efectivo Estabelecer o protocolo [O quê?] [Quem?] [Quando?] Município de Agrupamento de Cuba Escolas Estabelecimento do acordo de cooperação Santa Casa da Jan-08 Dez-09 Segurança Social Misericórdia de Centro de Saúde Cuba

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE CUBA INDÍCE GERAL 1 - Constituição dos órgãos da Rede Social do Concelho de Cuba --------- 4 2 - Enquadramento Teórico ----------------------------------------------------------------

Leia mais

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 1 1. ÁREA DE INTERVENÇÃO ACÇÃO SOCIAL Promover a integração social dos grupos socialmente mais vulneráveis * Romper

Leia mais

1. FUNCIONAMENTO DA REDE SOCIAL

1. FUNCIONAMENTO DA REDE SOCIAL 1. FUNCIONAMENTO DA REDE SOCIAL Objectivo Geral Objectivo Especifico Medida Meta Indicador de Eecução % Responsavel Prestar Apoio técnico às CSF Reuniões semestrais com CSF 3 CSF em funcionamento, com

Leia mais

PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006

PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006 PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006 Documento elaborado pelo: Conselho Local de Acção Social do Concelho do Núcleo

Leia mais

Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Redondo CLASRedondo

Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Redondo CLASRedondo Plano de Acção Conselho Local de Acção Social de CLAS 2014-2015 2 EIXO 1 - PROMOVER A EMPREGABILIDADE E QUALIFICAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL E INTEGRAÇÃO DE GRUPOS SOCIAIS (PRÉ-) DESFAVORECIDOS Combate

Leia mais

Rede Social. Ourique

Rede Social. Ourique Rede Social Ourique Ficha Técnica Título: Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Ourique Autoria: Núcleo Executivo da Rede Social de Ourique Agrupamento Vertical de Escolas de Ourique Centro de

Leia mais

Rede Social. Conselho Local de Ação Social do Entroncamento PLANO DE AÇÃO 2012

Rede Social. Conselho Local de Ação Social do Entroncamento PLANO DE AÇÃO 2012 Rede Social Conselho Local de Ação Social do Entroncamento PLANO DE AÇÃO 2012 2012 Índice Introdução... 3 1 - Eixo de Intervenção Famílias... 5 2 - Eixo de Intervenção Educação e Cidadania... 8 3- Eixo

Leia mais

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA II ENCONTRO DA CPCJ SERPA Ninguém nasce ensinado!? A família, a Escola e a Comunidade no Desenvolvimento da criança Workshop: Treino de Competências com famílias um exemplo de intervenção e de instrumentos

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

PROBLEMAS SOCIAIS. Recursos Humanos / Parceiros

PROBLEMAS SOCIAIS. Recursos Humanos / Parceiros PROBLEMAS SOCIAIS Actividades 1. 1.1 Definição do Projecto Gabinete de Apoio à Família. 1.2 Procura de Fontes de Financiamento. 1.3 Funcionamento do Gabinete. Calendarização Abr-Mai Set-Dez Recursos Humanos

Leia mais

Banco Local de Voluntariado de Gondomar

Banco Local de Voluntariado de Gondomar Regulamento Interno do Banco Local de Voluntariado de Gondomar (Aprovado em reunião de Câmara de 12 de Fevereiro e Assembleia Municipal de 18 de Fevereiro de 2009) Preâmbulo Entende-se por voluntariado

Leia mais

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 1 EDUCAÇÃO ÁREA ATIVIDADES RESPONSAVEIS PARTICIPANTES/ INTERVENIENTES Calendarização Manter os projetos existentes nos Agrupamentos de Escolas (Fénix, tutorias, Aprender a Estudar,

Leia mais

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações:

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações: Nr Área Recomendação Valido Abstenh o-me C/6 E/7 F/7 Voluntariado Aproveitar espaços sem utilização para fazer jardins, espaços para convívio e locais de desporto para a população. Promover a limpeza dos

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

Conselho de Parceiros

Conselho de Parceiros Conselho de Parceiros 26 de Novembro de 2010 Centro Cultural e de Congressos de Aveiro 15 de Outubro de 2010 - Centro Cultural e de Congressos de Aveiro Acção 1 - Intervenção Psicossocial Acompanhamento

Leia mais

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado Social de Lagoa O Banco de Voluntariado LagoaSocial será enquadrado num conjunto de medidas e acções

Leia mais

Plano de Ação MARÇO DE 2014

Plano de Ação MARÇO DE 2014 Plano de Ação 2014 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Ação do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram neste documento os seguintes autores:

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CLAS /2015 Área de Intervenção: Equipamentos e Respostas Sociais e Serviços 1 Objetivo Geral Objetivos Específicos Ação População - Alvo

Leia mais

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Maio de 2011 Preâmbulo As alterações demográficas que se têm verificado na população portuguesa

Leia mais

Rede Social Plano de Ação 2015

Rede Social Plano de Ação 2015 Rede Social Plano de Ação 2015 1 R E D E SOCIAL DO CONCELHO DE VILA DO BISPO Rede Social Rede Social do Concelho de Vila do Bispo PLANO DE AÇÃO 2015 Ficha Técnica Entidade Promotora: Câmara Municipal de

Leia mais

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020 Instrumentos de Financiamento Portugal 2020 27 junho 2015 Portugal 2020 1 Apoios ao setor social A estratégia constante do PO ISE procura dar resposta a um conjunto de compromissos assumidos por Portugal

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ

PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DO PESO DA RÉGUA Modalidade Alargada Divulgar os Direitos da Criança na Comunidade OBJECTIVOS ACÇÕES RECURSOS HUMANOS DA CPCJ RECURSOS

Leia mais

Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra

Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra O Plano de para o ano de 2006 constitui-se enquanto instrumento de trabalho tendo sido construído com base no Plano Desenvolvimento Social. Apresenta um conjunto

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA Artigo 1º Âmbito 1. Este regulamento aplica-se à resposta social Equipa de Intervenção Directa (EID) resposta social dirigida à população toxicodependente, da Unidade de Apoio a Toxicodependentes e Seropositivos

Leia mais

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6.1 RECURSOS ECONÓMICOS DESTINADOS À EDUCAÇÃO Competindo ao Ministério da Educação definir a política educativa e coordenar a sua aplicação, bem como assegurar o funcionamento

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Página 2 de 29 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Índice Índice de Siglas. 4 Nota Prévia... 5 Exposição e Explicação dos

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Rede Social de Aljezur Plano de Acção (2009) Equipa de Elaboração do Plano de Acção de 2009 / Parceiros do Núcleo Executivo do CLAS/Aljezur Ana Pinela Centro Distrital

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO INTRODUÇÃO A cultura Comunitária é a expressão concreta de tentar proporcionar aqueles que mais precisam a ajuda necessária para começar de novo a viver. O Centro

Leia mais

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Secundário reconhecem que a melhoria da educação e da qualificação dos Portugueses constitui

Leia mais

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 Considerando o Regime de enquadramento das políticas de juventude na Região Autónoma dos Açores, plasmado no Decreto

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL OBJECTIVO DO PDSS ACTIVIDADE/ACÇÃO PARCEIROS ENVOLVIDOS PARCEIRO RESPONSÁVEL INDICADORES DE AVALIAÇÃO EXECUÇÃO TEMPORAL SOLIDARIEDADE SOCIAL Reforçar o apoio alimentar concelhio Melhorar o conhecimento

Leia mais

Projecto co-financiado pelo FSE

Projecto co-financiado pelo FSE CLAS DE MONDIM DE BASTO PLANO DE ACÇÃO 2012 REDE SOCIAL DE MONDIM DE BASTO Projecto co-financiado pelo FSE ÍNDICE ÍNDICE DE TABELAS... 3 CAPÍTULO I... 4 INTRODUÇÃO... 4 CAPÍTULO II... 6 PLANO DE ACÇÃO

Leia mais

Distrito de Aveiro Concelho Ílhavo Freguesias: S. Salvador, Gafanha da Nazaré, Gafanha da Encarnação e Gafanha do Carmo

Distrito de Aveiro Concelho Ílhavo Freguesias: S. Salvador, Gafanha da Nazaré, Gafanha da Encarnação e Gafanha do Carmo IDENTIFICACÃO Atendimento Integrado e Núcleo Local de Inserção de Ílhavo Morada de Ílhavo Código Postal 3830-044 Ílhavo Localidade Ílhavo Distrito de Aveiro Concelho Ílhavo Freguesias: S. Salvador, Gafanha

Leia mais

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL de ODEMIRA 2014-2015 EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação Promover o conhecimento e o acesso dos empresários aos apoios e incentivos no âmbito do empreendedorismo

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Barrancos 2007 2009 INTRODUÇÃO

Plano de Desenvolvimento Social de Barrancos 2007 2009 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O presente documento surge no âmbito do Programa Rede Social, que tem como principal objectivo a articulação e congregação de esforços das entidades públicas e das entidades privadas sem fins

Leia mais

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Actividade Formativa - Intervenção Comunitária Data - 1 de Abril de 2009 Local Auditório do Edifício Cultural Município de Peniche Participação:

Leia mais

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I Disposições Gerais Artigo 1º Definição e Âmbito 1. O Conselho Municipal de Educação de Águeda, adiante designado de Conselho é uma instância

Leia mais

Câmara Municipal de Cuba

Câmara Municipal de Cuba Câmara Municipal de Cuba REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE AUXÍLIOS ECONÓMICOS 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO E EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Introdução A lei n. º159/99, de 14 de Setembro, estabelece o quadro de transferência

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT)

PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT) PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT) Plano de Actividades 2009/10 Odivelas 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 1 IDENTIDADE E COMUNICAÇÃO 2 2 FUNCIONAMENTO DA REDE DE PARCERIA 4 2.2

Leia mais

EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS SOCIAIS

EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS SOCIAIS EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS SOCIAIS Actividades Calendarização Recursos Humanos / Parceiros Recursos Materiais Organização Responsável 1. 1.1 Definição do projecto Centro de Recursos Educativos. 1.2 Contacto

Leia mais

Nós! - criação de Equipas Divulgação do Projecto x A divulgação iniciou-se apenas em Dezembro devido Locais de Voluntariado

Nós! - criação de Equipas Divulgação do Projecto x A divulgação iniciou-se apenas em Dezembro devido Locais de Voluntariado I Eio de Intervenção Grupos Vulneráveis (População Idosa) Ações Atividades Eecutado Iniciado mas eecutado Justificação para a não conclusão/eecução Projeto Menos Sós Mais Elaboração do Projecto Nós! -

Leia mais

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Organização Paramédicos de Catástrofe Internacional. Morada Rua Pedro Álvares Cabral 1675 106 Pontinha, Odivelas

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Organização Paramédicos de Catástrofe Internacional. Morada Rua Pedro Álvares Cabral 1675 106 Pontinha, Odivelas FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Organização Paramédicos de Catástrofe Internacional Diretor(a) Bruno Ferreira Setor de Atividade Voluntariado Social Número de Efetivos 100 NIF 509 557 597 Morada Rua Pedro Álvares

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO y Câmara Municipal de Redondo CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO O DL 7/2003, de 15 de Janeiro, que prevê a constituição do Conselho Municipal de Educação, regulou as suas competências

Leia mais

7. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

7. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 7. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 7.1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 7.1.1 PRINCÍPIOS GERAIS. BASE LEGISLATIVA DE REFERÊNCIA A educação pré-escolar é a primeira etapa da educação básica no processo de educação

Leia mais

Pelouro do Desenvolvimento Social

Pelouro do Desenvolvimento Social Pelouro do Desenvolvimento Social Novembro de 2012 ENQUADRAMENTO A problemática do envelhecimento da população constitui uma importante oportunidade de desenvolvimento social, uma vez que uma sociedade

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo O (adiante designado de Pacto Territorial), é uma plataforma de intervenção integrada, criada no âmbito do Projecto EQUAL Migrações e Desenvolvimento com vista à dinamização

Leia mais

Plano de Acção de 2011 Plano de Acção de 2010. Conselho Local de Acção Social de Monção. Conselho Local de Acção Social de Monção

Plano de Acção de 2011 Plano de Acção de 2010. Conselho Local de Acção Social de Monção. Conselho Local de Acção Social de Monção Plano de Acção de 2011 Plano de Acção de 2010 Conselho Local de Acção Social de Monção Conselho Local de Acção Social de Monção CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE MONÇÃO Actualmente a Rede Social de Monção

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

PLANODEAÇÃO DA REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA'14. Estrutura Resumida REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA

PLANODEAÇÃO DA REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA'14. Estrutura Resumida REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA PLANODEAÇÃO DA REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA'14 Estrutura Resumida REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA Ficha Técnica Responsáveis Técnicos: - Nélia Silva - Fundação S. Barnabé - Graça Loução Centro Distrital

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de 19 de Abril de 2011. Publicado pelo Edital n.º 73/2011. Em vigor desde 27

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Lagoa As bases do enquadramento jurídico do voluntariado, bem como, os princípios que enquadram o trabalho de voluntário constam na Lei n.º 71/98,

Leia mais

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura. Centro de Apoio Psicopedagógico. gico do Funchal

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura. Centro de Apoio Psicopedagógico. gico do Funchal SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO Centro de Apoio Psicopedagógico gico do Funchal Intervenção precoce Medida de apoio integrado, centrado na

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 EDUCAÇÃO ESPECIAL Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 DL 3/2008, de 7 de Janeiro: Sumário Define os apoios especializados a prestar na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário dos sectores público,

Leia mais

Inventário das Intervenções com Comunidades Ciganas no Baixo Alentejo. Serpa e Beja

Inventário das Intervenções com Comunidades Ciganas no Baixo Alentejo. Serpa e Beja Inventário das Intervenções com Comunidades Ciganas no Baixo Alentejo Serpa e Beja Enquadramento Geral Serpa Referência da Intervenção Projecto Intercool ICDS- Programa Escolhas 4ª geração Território

Leia mais

Acção Sócio-Educativa

Acção Sócio-Educativa Acção Sócio-Educativa Dinamizar estratégias que visam prevenir situações de absentismo e abandono escolar, voltar a colocar os jovens no Sistema Educativo. Estruturar os cursos de Alfabetização e Formação

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO O Programa Nacional de Microcrédito, criado pela Resolução do Conselho de Ministros Nº 16/2010, pretende ser uma medida de estímulo à criação de emprego e ao empreendedorismo entre

Leia mais

para um novo ano lectivo

para um novo ano lectivo Ano Lectivo 2008/09 20 medidas de política para um novo ano lectivo Este documento apresenta algumas medidas para 2008/09: Apoios para as famílias e para os alunos Modernização das escolas Plano Tecnológico

Leia mais

Constituição dos Orgãos da Rede Social do Concelho de Valpaços 2. Constituição do Núcleo Executivo 4. Nota Introdutória 5

Constituição dos Orgãos da Rede Social do Concelho de Valpaços 2. Constituição do Núcleo Executivo 4. Nota Introdutória 5 ÍNDICE Constituição dos Orgãos da Rede Social do Concelho de Valpaços 2 Constituição do 4 Nota Introdutória 5 Eixo I Envelhecimento Populacional 7 Eixo II Qualificação e Integração Escolar e Sócio-Profissional

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS Nota Justificativa A organização de campos de férias destinados a crianças e jovens é uma das actividades centrais da política do município da Moita na área da juventude

Leia mais

Plano de Acção Ano 2011. Avaliação

Plano de Acção Ano 2011. Avaliação Rede Social de Pombal de Pombal Plano de Acção Ano 2011 Avaliação Prioridade 1- (PNAI) (Combater a pobreza das crianças e dos idosos, através de medidas que asseguremos seus direitos básicos de cidadania)

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL Exposição de motivos A necessidade de função de mediação sócio-cultural surgiu da vontade de melhorar a relação entre

Leia mais

ORCAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM Alcanena 2016

ORCAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM Alcanena 2016 ORCAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM Alcanena 20 Critérios de Participação Artigo 1º Missão O Orçamento Participativo Jovem do Município de Alcanena é um processo de envolvimento e auscultação da população jovem

Leia mais

PROPOSTA CONJUNTA IEFP- CASES PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO

PROPOSTA CONJUNTA IEFP- CASES PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO PROPOSTA CONJUNTA IEFP- CASES PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO CONSIDERANDO: A Portaria n^ 985/2009, de 4 de Setembro, criou o Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE),

Leia mais

Normas para as Matrículas das Crianças da Educação Pré-escolar e dos Alunos dos Ensinos Básico e Secundário

Normas para as Matrículas das Crianças da Educação Pré-escolar e dos Alunos dos Ensinos Básico e Secundário Índice Legislação Geral 1 Legislação Acção Social e Seguro Escolar 2 Alargamento da Rede de Edcação pré-escolar 2 Educação Especial 3 Inclusão e Sucesso Educativo 4 Notícias 5 Encerramento do Ano Lectivo

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 SALA DE ESTUDO ORIENTADO 2009/2013 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 PRIORIDADES... 4 OBJECTIVOS DA SALA DE ESTUDO ORIENTADO... 5 Apoio Proposto...

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo.

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo. Atualizar e divulgar a composição da equipa. Divulgar as atividades. Atualizar e divulgar diversos materiais. ano lectivo Informação/divulgação dos serviços especializados na página da escola /EE Representar

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO Proposta de Plano de Ação 2012/ 1 Proposta de Plano de Ação 2012/ Eixo de Desenvolvimento: Promover a qualificação escolar/profissional, o empreendedorismo e a empregabilidade. Objetivo geral: Dinamização

Leia mais

INTERVENÇÃO SOCIAL DOS MUNICÍPIOS PARA ALÉM DAS SUAS COMPETÊNCIAS LEGAIS

INTERVENÇÃO SOCIAL DOS MUNICÍPIOS PARA ALÉM DAS SUAS COMPETÊNCIAS LEGAIS INTERVENÇÃO SOCIAL DOS MUNICÍPIOS PARA ALÉM DAS SUAS COMPETÊNCIAS LEGAIS Está em curso um inquérito, promovido pela ANMP, sobre as despesas municipais com acções de carácter social que ultrapassam as competências

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura No âmbito do Contrato de Delegação de Competências do POPH na CCP 1. Enquadramento da Iniciativa A Iniciativa Formação para Empresários tem

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 INDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4 Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 Eixo de Desenvolvimento 2: Empregabilidade de Formação Profissional... 13 Eixo

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020

Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020 Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social de Gondomar 16 de março de 2015 Biblioteca Municipal de Gondomar Eixo 1 Capacitação,

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu desenvolve no Bairro um trabalho de relevante interesse social, nomeadamente

Leia mais

Plano de Acção 2010. Concelho do Marco de Canaveses. CLAS mc. Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010

Plano de Acção 2010. Concelho do Marco de Canaveses. CLAS mc. Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010 Plano de Acção 2010 Concelho do Marco de Canaveses 2010 2011 CLAS mc Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010 Nível de Incidência Principais Conteúdos CONCEPÇÃO Pertinência

Leia mais

RELATO RIO DE EXECUÇA O/2014 PLANO DE AÇA O/2015

RELATO RIO DE EXECUÇA O/2014 PLANO DE AÇA O/2015 RELATO RIO DE EXECUÇA O/2014 PLANO DE AÇA O/2015 Elaborado por: Rede Social de 0 Índice Sumário Executivo... 2 Capítulo I - Avaliação do Plano de Ação/2014... 4 Capítulo II - Plano de Ação de 2015... 10

Leia mais

LINHAS ORIENTADORAS DO PLANEAMENTO E EXECUÇÃO, PELA DIRETORA, DAS ATIVIDADES NO DOMÍNIO DA AÇÃO SOCIAL ESCOLAR PARA

LINHAS ORIENTADORAS DO PLANEAMENTO E EXECUÇÃO, PELA DIRETORA, DAS ATIVIDADES NO DOMÍNIO DA AÇÃO SOCIAL ESCOLAR PARA CONSELHO GERAL LINHAS ORIENTADORAS DO PLANEAMENTO E EXECUÇÃO, PELA DIRETORA, DAS ATIVIDADES NO DOMÍNIO DA AÇÃO SOCIAL ESCOLAR PARA 2015 O regime jurídico dos apoios concedidos pelo Estado no âmbito da

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL

PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL 2014 Aprovado na reunião do Plenário de 11.06.2014 16 de janeiro Workshop e assinatura de protocolo com CIG Público-alvo: comunidade no geral Local: Edifício Paço dos Concelho

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL (Capítulo X, artigo 38º, ponto 4, portaria 60/2012 de 29 de Maio)

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL (Capítulo X, artigo 38º, ponto 4, portaria 60/2012 de 29 de Maio) PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL (Capítulo X, artigo 38º, ponto 4, portaria 60/2012 de 29 de Maio) PROGRAMA de EDUCAÇÃO ESPECIAL O presente documento destina-se a fazer cumprir o disposto no Decreto Legislativo

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Projecto +Skillz E5G Programa Escolhas Promotor: Associação Mais Cidadania 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto +Skillz E5G Promotor: Associação Mais

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, regulamentada pelo Decreto Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, define as bases do enquadramento

Leia mais

Plano de Actividades 2010

Plano de Actividades 2010 Plano de Actividades 2010 Gabinete de Apoio ao Estudante com Deficiência Janeiro de 2010 O presente relatório explicita as actividades que, de forma permanente, são asseguradas pelo, bem como um conjunto

Leia mais

Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo

Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art.º 21.º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

Leia mais

Regulamento de Transportes Escolares

Regulamento de Transportes Escolares Regulamento de Transportes Escolares PREÂMBULO Considerando que, A descentralização de competências da Administração Central do Estado, através da atribuição de mais competências às autarquias locais,

Leia mais

Serviço Comunitário na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos

Serviço Comunitário na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos 1.º Congresso Nacional da Ordem dos Psicólogos 18 a 21 abril 2012 Luísa Ribeiro Trigo*,

Leia mais

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DE MANUEL DA FONSECA PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES A intervenção do Psicólogo na escola baseia-se num modelo relacional e construtivista, que fundamenta uma prática psicológica

Leia mais

Associação de Apoio à Trissomia 21

Associação de Apoio à Trissomia 21 I- Instituição Promotora NOME: AMAR 21 Associação de Apoio à Trissomia 21 MORADA: Rua Tomé de Sousa, nº 19 Edifício Leal, Apt 403 4750-217Arcozelo Barcelos DISTRITO: Braga CONTATOS: 933852811 TIPO DE INSTITUIÇÃO:

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO):

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO): GRUPO TRABALHO: CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO ESTELA SILVA CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO JOANA VERGAS CRUZ VERMELHA PORTUGUESA DÁRIO COSTA GRUPO TRABALHO (ALTERAÇÃO): CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO CONCEIÇÃO

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art. 21º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado (CNPV) competências

Leia mais