Anexo 6 Sistema de Mensuração de Desempenho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anexo 6 Sistema de Mensuração de Desempenho"

Transcrição

1 Anexo 6 Mensuração de Desempenho

2 SUMÁRIO ÍNDICE DE DESEMPENHO (ID) Considerações Gerais Procedimento de Avaliação Procedimento de Avaliação no início da operação Períodos de Medições e Prazos... 7 ÍNDICE DE QUALIDADE Procedimento de Avaliação Satisfação Pacientes e Acompanhantes - SPA..... Satisfação Profissionais SPR Indicador de Qualidade Técnica IQT ÍNDICE DE CONFORMIDADE Procedimento de Avaliação Indicador Conformidade... 4 ÍNDICE DE DISPONIBILIDADE Procedimento de Avaliação Disponibilidade de Utilidades (DU) Disponibilidade de Estruturas Gerais (DE) Disponibilidade de Atendimento (DA) Disponibilidade Tecnologia (DT)... 30

3 ÍNDICE DE DESEMPENHO (ID) A avaliação do desempenho gerencial e operacional da CONCESSIONÁRIA será realizada através da apuração e cálculo do ÍNDICE DE DESEMPENHO, que será representado por um número adimensional (nota), quantificado de acordo com as avaliações dos subíndices e indicadores de desempenho apresentados nesse documento. A nota (valor) obtida no ÍNDICE DE DESEMPENHO (ID) é representativa da satisfação geral em relação aos serviços prestados, avaliada segundo as metas de desempenho dispostas em uma escala que vai do ruim, representando o total des das metas, ao ótimo, representado o completo atendimento e superação das metas. Além de servir como termômetro da qualidade dos serviços prestados, o ÍNDICE DE DESEMPENHO também terá a função de ajustar a remuneração da CONCESSIONÁRIA, que será parcialmente proporcional ao seu desempenho, de acordo com o estabelecido no ANEXO 7 Cálculo da Remuneração da Concessionária. O Índice de Desempenho é composto da apuração e da ponderação de três grandes subíndices e seus indicadores componentes:. Índice de Qualidade (IQ) Avalia a qualidade do serviço prestado pela CONCESSIONÁRIA;. Índice de Disponibilidade (IDP) Avalia o grau de disponibilidade da infraestrura e serviços do HOSPITAL; 3. Índice de Conformidade (IC) Avalia a conformidade às normas, leis, requerimentos técnicos,contratuais e regulatórios exigidos;. Considerações Gerais O Mensuração do Desempenho poderá ser revisado periodicamente de acordo com o estabelecido neste ANEXO (índices, subíndices, indicadores, pesos, metas, frequência de apuração, e demais elementos componentes), no EDITAL e no CONTRATO; 3

4 A primeira reavaliação/revisão do modelo ocorrerá no 3º ano do contrato. Nos períodos subsequentes a revisão ocorrerá a cada 4 anos. Paradas programadas, comunicadas e acordadas com antecedência mínima de 45 dias corridos, casos fortuitos ou de força maior, não serão contabilizados na avaliação do desempenho e, portanto, não impactarão os indicadores de desempenho. Serão contabilizados na avaliação do desempenho da CONCESSIONÁRIA os eventos efetivamente de sua responsabilidade, causados por omissão, negligência, imperícia ou imprudência. Todos os cálculos apresentados neste ANEXO, incluindo os índices e subíndices aqui apresentados, deverão ser realizados considerando-se apenas duas casas decimais. Deverá ser seguida a seguinte regra de arredondamento: o Se o algarismo da terceira casa decimal for menor que 5, o algarismo da segunda casa decimal não se modifica. Exemplo: 3,64 = 3,64. o Se o algarismo da terceira casa decimal for maior ou igual a 5, incrementa-se em uma unidade o algarismo da segunda casa decimal. Exemplo: 3,647 = 3,65. o O mesmo é válido para os casos em que o cálculo resultar em um algarismo com mais de três casas decimais. As operações apresentadas acima deverão ser aplicadas progressivamente até se atingir a ª casa decimal no resultado, apenas.. Procedimento de Avaliação O ÍNDICE DE DESEMPENHO será calculado a partir dos três índices IQ, IDP, e IC conforme os termos desse ANEXO. O resultado do cálculo de cada índice será composto da avaliação dos indicadores de desempenho componentes, que resultarão em um numero adimencional (nota), situado entre (um) e 4 (quatro), sendo que (um) representa a pior avaliação possível e 4 (quatro) a melhor avaliação possível a ser obtida pela CONCESSIONÁRIA, conforme abaixo: Nota de Satisfação Descrição 4

5 ÓTIMO 4 Expectativas, ou metas, totalmente atendidas ADEQUADO 3 Expectativas, ou metas, parcialmente atendidas (satisfatório) INADEQUADO Expectativas, ou metas, parcialmente atendidas (insatisfatório) RUIM Expectativas, ou metas, não atendidas A partir dos resultados apurados de cada um dos três índices (IQ, IDP e IC) será possível obter o ÍNDICE DE DESEMPENHO (ID), que também é representado por um número adimensional situado entre (um) e 4 (quatro). O IDP incidirá sobre 40% (quarenta por cento) do valor do Índice de Desempenho, o IQ e o IC, com pesos iguais, incidirão sobre 30% (trinta por cento) cada um. Desta forma, o Índice de Desempenho pode ser calculado de acordo com a seguinte fórmula: ID = 40% x IDP + 30 x IQ + 30% x IC Onde: ID = Índice de Desempenho IDP = Índice de Disponibilidade IQ = Índice de Qualidade IC = Índice de Conformidade O cálculo do ÍNDICE DE DESEMPENHO deve constar do Relatório de Desempenho que será entregue pela CONCESSIONÁRIA ao PODER CONCEDENTE. O Relatório de Desempenho deverá conter: a. informações completas sobre o cálculo do ID, conforme o detalhamento contido nesse Anexo; e, 5

6 b. histórico detalhado de cada indicador e o detalhamento de todas as medições realizadas no período, bem como fonte dos dados, responsável pela coleta e demais informações pertinentes. O formato e padrão de apresentação do Relatório de Desempenho deverá ser previamente apresentado e aprovado pelo PODER CONCEDENTE, em momento anterior ao início da operação do HOSPITAL. A forma de apresentação do Relatório de Desempenho poderá ser modificada ao longo da CONCESSÃO por solicitação do PODER CONCEDENTE com o objetivo de tornar a apuração dos resultados mais clara e precisa. O Relatório de Desempenho e todas as informações nele contidas passarão, obrigatoriamente, por um processo de verificação a ser conduzida por uma terceira parte, chamada de VERIFICADOR INDEPENDENTE, conforme subcláusula 4.0 do CONTRATO. Após o processo de verificação, o ÍNDICE DE DESEMPENHO apurado será usada pelo PODER CONCEDENTE para realizar os ajustes necessários ao valor nominal da contraprestação, ou da CPM (contraprestação máxima), para pagamento da CONTRAPRESTAÇÃO PÚBLICA devida à CONCESSIONÁRIA, na forma prevista no ANEXO 7 Cálculo da Remuneração da Concessionária. Para fins de atendimento da subcláusula do CONTRATO, o índice IQ terá nota de avaliação igual a 4 (quatro) sempre que for verificada situação de excesso de demanda (ocupação acima da capacidade nominal) causado por circunstâncias excepcionais, fortuitas ou de causa maior... Procedimento de Avaliação no início da operação No primeiro trimestre após o início da operação do HOSPITAL, período caracterizado por erros e ajustes naturais inerentes à nova operação, a apuração do ID será flexibilizada e todos os indicadores de desempenho no período serão definidos, a priori, como sendo iguais a 4,00. A partir do segundo trimestre, os serviços serão apurados na forma apresentada neste ANEXO. 6

7 Para fins de cálculo do Índice de Desempenho (ID) para determinação do valor da contraprestação, verifica-se que, o mesmo será equivalente a 4,00 durante o primeiro semestre, visto que o ID apurado no º trimestre só incidirá na remuneração do trimestre seguinte, ou 3º trimestre.. Períodos de Medições e Prazos A CONCESSIONÁRIA deve elaborar trimestralmente o Relatório de Desempenho, que será analisado pelo VERIFICADOR INDEPENDENTE e pelo PODER CONCEDENTE para fins de determinação do Índice de Desempenho do período. Apesar da elaboração do Relatório de Desempenho e, consequentemente a apuração do ID, ocorrer trimestralmente, os indicadores de desempenho deverão ser medidos e registrados com periodicidade distinta, a ser definida por acordo entre as partes e de acordo com as especificidades de cada indicador, no período anterior ao início da operação. Os valores a serem considerados no cálculo do ID será, portanto, o valor médio registrado para o indicador ao longo do período de medição. O Relatório de Desempenho deve conter, além das atualizações periódicas previstas para cada indicador de desempenho, o histórico dos indicadores, assim como a lista detalhada de indicadores e respectivas medições realizadas durante o período. Caso um indicador não tenha sido atualizado no trimestre em questão, devido a possuir uma freqüência de medição inferior a referida, o relatório deve trazer a sua nota mais recente. O VERIFICADOR INDEPENDENTE analisará as informações apresentadas por ambas as partes, CONCESSIONÁRIA e PODER CONCEDENTE, de forma a promover as diligências necessária à elaboração de um parecer final sobre o real desempenho apresentado pela CONCESSIONÁRIA e apurado no período de referência. Dentre as formas de diligência das informações, o VERIFICADOR INDEPENDENTE utilizará: i. da análise da documentação produzida e apresentada pela CONCESSIONÁRIA, ii. da análise de informações prestadas pelo PODER CONCEDENTE, iii. de inspeções amostrais para verificação dos critérios de disponibilidade, e 7

8 iv. de pesquisas qualitativas e quantitativas junto aos USUÁRIOS. O PODER CONCEDENTE fará o pagamento mensal da CONTRAPRESTAÇÃO PÚBLICA devida à CONCESSIONÁRIA com a utilização do ÍNDICE DE DESEMPENHO final, obtido após análise pelo VERIFICADOR INDEPENDENTE, na forma do ANEXO 7 Cálculo da Remuneração da Concessionária. 8

9 ÍNDICE DE QUALIDADE O Índice de Qualidade (IQ) foi elaborado para retratar o grau de satisfação dos USUÁRIOS e TRABALHADORES com a qualidade das instalações e SERVIÇOS prestados no HOSPITAL. O IQ está baseado na apuração de um índice técnico de qualidade, apurado quantitativamente através de dados e métricas disponíveis, e de um índice de satisfação dos USUÁRIOS e apurado qualitativamente através de pesquisas de satisfação, em relação a qualidade das instalações e dos SERVIÇOS. Foram considerados como usuários dos SERVIÇOS: os USUÁRIOS (PACIENTES, seus acompanhantes (obrigatórios ou não) e familiares) e os TRABALHADORES. Para cada índice, foram definidos parâmetros específicos de avaliação, sob a forma de indicadores. Assim, o IQ é dado pela avaliação dos itens correlacionados, a qual gera um indicador de qualidade próprio. Desta forma, o Índice de Qualidade é formado por três indicadores:. Satisfação Pacientes e Acompanhantes - (SPA);. Satisfação Profissionais (SPR); 3. Indicador de Qualidade Técnica (IQT).. Procedimento de Avaliação Os indicadores SPA e SPR serão obtidos através de uma pesquisa de satisfação, que deve ser realizada por empresa especializada em pesquisa de satisfação. Essa empresa será contratada pelo VERIFICADOR INDEPENDENTE após aprovação do PODER CONCEDENTE e da CONCESSIONÁRIA. 9

10 A frequência de realização da pesquisa de satisfação é mensal, sendo que o resultado consolidado do trimestre é que será utilizado para fins de mensuração do desempenho da CONCESSIONÁRIA. É obrigatório que a pesquisa de satisfação envolva uma amostra estatisticamente significativa de USUÁRIOS e TRABALHADORES consultados. As definições da quantidade exata da amostra e das datas das entrevistas, entre outras que se relacionem aos demais aspectos operacionais, serão tomadas pela empresa especializada em pesquisa, em conjunto com o VERIFICADOR INDEPENDENTE. O indicador IQT será apurado diariamente através dos sistemas de informação que deverão ser implantados pela CONCESSIONÁRIA para gerenciamento dos serviços prestados. A definição do Índice de Qualidade será extraída da média ponderada de cada um dos três índices e obedecerá ao seguinte critério: Indicador Peso Satisfação Pacientes e Acompanhantes (SPA) 0% Satisfação Profissionais (SPR) 0% Índice de Qualidade Técnico (IQT) 60% Portanto, o Índice de Qualidade será representado por um número de 0 a que será obtido pelo resultado da fórmula abaixo aplicado na tabela abaixo: IQ = SPA x 0% + SPR x 0% + IQT x 60% Os indicadores SPA, SPR e IQT serão calculados a partir da média ponderada de cada um dos seus indicadores de desempenho componentes, conforme descrito nos itens subseqüentes deste ANEXO e conforme fórmula ilustrativa abaixo: Índice = Σ (Nota Indicador x peso) Σ (peso) 0

11 RUIM INADEQUADO ADEQUADO ÓTIMO Onde Índice diz respeito aos índices SPA, SPR e IQT e Nota Indicador diz respeito a apuração da nota de satisfação de cada um dos indicadores relacionados nos itens subsequentes:.. Satisfação Pacientes e Acompanhantes - SPA A pesquisa de satisfação Paciente e Acompanhantes só será aplicada aos pacientes efetivamente atendidos e será avaliada de acordo com a seguinte pesquisa de satisfação: Nota de Satisfação Pergunta Pesquisa - Em sua opinião, Grupo Peso Item qual seria a nota, em uma escala de a 4, do(a)(s): 3 Atendimento Limpeza Serviços Serviço de Nutrição e Serviços Dietética Qualidade referente ao atendimento dos funcionários (aparência, educação, próatividade)? Qualidade referente ao serviço de limpeza das áreas do Hospital e materiais de higiene pessoal disponilizados (papel higiênico, sabão,...)? Qualidade referente a refeição oferecida (sabor, temperatura, apresentação, pontualidade, utensílios)? 3 4 Segurança Qualidade Serviços dos Qualidade referente a sensação de segurança do Hospital? Lavanderia e Rouparia Qualidade Serviços dos Qualidade do enxoval disponibilizado (higienizado / passadoria e estado de conservação)?

12 RUIM INADEQUADO ADEQUADO ÓTIMO Nota de Satisfação Pergunta Pesquisa - Em sua opinião, Grupo Peso Item qual seria a nota, em uma escala de a 4, do(a)(s): 3 4 Agilidade dos Serviços (somente Pontualidade e agilidade em resposta a alguma solicitação do serviço? acompanhantes) Qualidade das Qualidade das instalações do Hospital Manutenção Instalações e (funcionamento, aparência, Predial, de Mobiliário e de Equipamentos infraestrutura Serviços disponibilidade)? serviços realizados (agilidade, pontualidade, capacitação, correção do problema) Recepção Tempo Espera Qualidade Atendimento de Agilidade para prestar o atendimento? Qualidade do atendimento realizado (agilidade, conhecimento, liberação)? Qualidade do serviço prestado (qualidade Lanchonete Qualidade serviços dos dos alimentos, sabor, temperatura, apresentação, variedade, agilidade, limpeza)?.. Satisfação Profissionais SPR A pesquisa de satisfação Profissionais será avaliada de acordo com a seguinte pesquisa de satisfação: Grupo Peso Item Pergunta Pesquisa - Em sua opinião, qual seria a nota, em Público Nota de Satisfação

13 RUIM INADEQUADO ADEQUADO ÓTIMO uma escala de a 4, do(a)(s): 3 4 Qualidade referente ao 4 Atendimento atendimento dos funcionários (aparência, educação, pró- atividade)? Qualidade referente ao serviço Limpeza 3 Serviços de limpeza das áreas do Hospital e materiais de higiene pessoal disponilizados (papel higiênico, sabão,...)? Agilidade Serviços dos Pontualidade e agilidade em resposta a alguma solicitação do serviço? Serviço de Nutrição e Dietética 3 Serviços Qualidade referente a refeição oferecida (sabor, temperatura, apresentação, pontualidade, utensílios)? Segurança 3 Serviços Qualidade referente a sensação de segurança do Hospital? Qualidade do enxoval Lavanderia e Rouparia 3 Serviços Agilidade dos Serviços disponibilizado (higienizado / passadoria e estado de conservação)? Pontualidade e agilidade em resposta a alguma solicitação do serviço? Enfermagem Enfermagem Manutenção Qualidade das Qualidade das instalações do Predial, de 3 Instalações e Hospital (funcionamento, Mobiliário e de infraestrutura aparência, disponibilidade)? 3

14 RUIM INADEQUADO ADEQUADO ÓTIMO Nota de Satisfação Pergunta Pesquisa - Em sua Grupo Peso Item opinião, qual seria a nota, em Público uma escala de a 4, do(a)(s): 3 4 Equipamentos serviços Serviços realizados (agilidade, pontualidade, capacitação, correção do problema) Qualidade do serviços de Service Desk / Help desk 3 serviços atendimento (agilidade, empenho em resolver o problema, cortesia, atenção, instrução)? Facilidade de reportar dúvida ou Facilidade Contato de problema (canais de comunicação, sistema de chamados, tempo de espera)? equipamentos, sistemas e dispositivos de TIC (hardware e software) recursos de Tecnologia tecnologia disponibilizados (desempenho, facilidade de uso, aderência às necessidades do dia-a-dia, confiabilidade, atualização) serviços de Coleta de Resíduos serviços coleta de resíduos (pontualidade, confiabilidade, segregação)? Estoques e Logísitca Qualidade Armazenagem serviços de armazenagem (organização, localização, controle)? Farmácia 4

15 RUIM INADEQUADO ADEQUADO ÓTIMO Nota de Satisfação Pergunta Pesquisa - Em sua Grupo Peso Item opinião, qual seria a nota, em Público uma escala de a 4, do(a)(s): 3 4 Qualidade Distribuição serviços de Distribuição (pontualidade, qualidade, agilidade)? Farmácia Recepção Qualidade Atendimento Qualidade do preenchimento dos dados básicos do paciente? Enfermagem Qualidade do serviço de Telefonia Serviços telefonia (tempo de espera, conhecimento, resolução do chamado)? Estacionamen to serviços Qualidade do serviço de vallet parking (tempo de espera, cuidado com veículo)? Qualidade do serviço prestado Lanchonete serviços (qualidade dos alimentos, sabor, temperatura, apresentação, variedade, agilidade, limpeza)? Qualidade do serviço prestado Máquinas de Conveniência serviços (qualidade dos alimentos, variedade, facilidade de utilização)? Qualidade do serviço prestado Zeladoria serviços (organização, controle, abastecimento de dispensadores)? serviços de Reprografia e Impressão serviços reprografia de e impressão e reprografia (agilidade, pontualidade, papel, Impressão tinta, qualidade impressão)? 5

16 PÉSSIMO RUIM REGULAR BOM..3 Indicador de Qualidade Técnica IQT O Indicador de Qualidade Técnica IQT, será apurado de acordo com a medição dos seguintes indicadores: Nota de Satisfação Grupo Peso Item Avaliaçao Forma de Medição 3 4 Cumprimento do Plano de Limpeza. O Plano de limpeza que será entregue antes do início da operação do HOSPITAL pela CONCESSIONÁRIA e validado pelo PODER CONCEDENTE deverá conter pelo menos o cronograma de limpeza de cada setor do HOSPITAL Check-list Amostral Mensal 4 - > 99% de 3 - > 98% - > 95% - <= 95% Limpeza 3 com a quantidade e periodicidade de limpezas. Qualidade referente ao serviço de limpeza das áreas. A qualidade será verificada in loco por profissional capacitado do VERIFICADOR INDEPENDENTE e deverá seguir os requerimentos especificados no Anexo 6 Check-list Amostral Mensal 4 - > 99% de 3 - > 98% - > 95% - <= 950% - Especificações Mínimas dos Serviços Serviço de Nutrição e Dietética 3 Quantidade calórica / gramatura / variedade / qualidade (sabor, temperatura, apresentação) conforme especificado no Anexo 6 - Especificações Mínimas dos Serviços. Check-list Amostral Mensal 4 acima de 95% com 4 itens atendidos 3 acima de 90% com 3 itens atendidos acima de 80% com itens atendidos abaixo de 80% com itens atendido 6

17 Exame microbiológico. Pacientes e acompanhantes servidos 3 conforme política especificada no Anexo 6 - Especificações Mínimas dos Serviços. Eventos graves relatados no mês (roubos, furtos, saída de paciente Segurança 3 internado sem permissão, entrada de pessoa sem permissão) ocasionados por negligência ou não das obrigações previstas Índice de falta de enxoval. Lavanderia e Rouparia 3 Qualidade do serviço de lavagem. Laudo sob demanda (Mensal) Check-list Amostral (Mensal) Relatório Diário Relatório Diário Check-list Amostral Mensal 4 Exame Negativo Exame Positivo 4 - > 95% de 3 - > 90% - > 80% - <= 80% 4 0 eventos 3 até evento até eventos 3 ou mais eventos 4 nenhuma falta 3 até 5% dos leitos com falta até 0% dos leitos com falta acima de 0% dos leitos com falta 4 acima de 95% de aceitação 3 acima de 90% de aceitação acima de 80% de aceitação abaixo de 80% de aceitação 7

18 Cumprimento do Plano de Manutenção Preventiva Instalações / Equipamentos de Alta Criticidade para a qualidade de Manutenção Predial 3 atendimento: Elevadores, Ar Condicionado / Geradores / Instalação de Gases Medicinais.. O Plano de manutenção preventiva que será entregue antes do início da operação do HOSPITAL pela CONCESSIONÁRIA e validado pelo PODER CONCEDENTE deverá conter pelo menos a lista de itens, periodicidade e atividades Manutenção 4 - > 99% de 3 - > 98% de - > 95% de - <= 95% de mínimas a serem realizadas. 3 TIC (software) Service Desk / Help desk Cumprimento do Plano de Manutenção Preventiva Demais Instalações e Equipamentos. Ordens de Manutenção Corretivas Atendidas no Prazo. Nível de implantação / utilização do sistema. Requerimentos, integrações e outras especificaões conforme especificado no Anexo 6 - Especificações Mínimas dos Serviços. Tempo de atendimento (chamadas atendidas em até minuto) Manutenção Manutenção Checklist Trimestral Gestão de Chamados 4 > 95% de 3 - > 90% - > 80% - <= 80% 4 - > 95% de 3 - > 90% de - > 80% de - <= 80% de 4 - > 95% dos requerimentos em uso 3 - > 90% dos requerimentos em uso - > 80% dos requerimentos em uso - <= 80% dos requerimentos em uso 4 Acima de 98% de chamadas 3 acima de 95%de chamadas acima de 85% de chamadas abaixo de 85% de chamadas 8

19 Chamados Resolvidos no Prazo Cumprimento do Plano de Manutenção Preventiva. Equipamentos de Alta Criticidade para a qualidade de atendimento: Cumprimento do Plano de Manutenção Preventiva. Demais equipamentos e Manutenção mobiliário. De Equipamentos e Mobiliário 3 Ordens de Manutenção Corretivas Atendidas no Prazo Especificação de Equipamentos e mobiliários conforme amostra aprovada 3 de acordo com processo especificado no Anexo 6 - Especificações Mínimas dos Serviços Coleta de Resíduos Pontualidade da coleta Recepção Tempo de atendimento médio Gestão de Chamados Manutenção Manutenção Manutenção / Gestão de Chamados Check-list Trimestral Relatório Mensal Gestão Hospitalar 4 - > 95% de 3 - > 90% de - > 80% de - <= 80% de 4 - > 99% de 3 - > 98% de - > 95% de - <= 95% de 4 > 95% de 3 - > 90% de - > 80% de - <= 80% de 4 - > 95% de 3 - > 90% de - > 80% de - <= 80% de 4 - > 95% de 3 - > 90% de - > 80% de - <= 80% 4 acima de 99% de acuracidade 3 acima de 97% acima de 95% abaixo de 95% 4 abaixo de 5 min 3 Abaixo de 7 min Abaixo de 0 min Acima de 0 min 9

20 Pedidos atendidos no prazo e completos Estoques e Logísitca Nível de acuracidade do estoque (em R$) Telefonia Tempo de atendimento (chamadas atendidas em até minuto) Estacionamen Quantidade de avarias / reclamações to procedentes (ex.: furtos) Mensageria Pedidos atendidos no prazo e completos Reprografia Pedidos atendidos no prazo e completos CFTV Qualidade e guarda de imagens Patrimônio Cadastramento de itens em sistema Gestão Hospitalar Inventário trimestral Telefonia Relatório mensal Gestão de Documentos Gestão de Chamados Checklist Mensal Gestão de Patrimônio 4 Acima de 98% de chamadas 3 acima de 95% acima de 85% abaixo de 85% 4 acima de 99% de acuracidade 3 acima de 97% acima de 95% abaixo de 95% 4 Acima de 98% de chamadas 3 acima de 95% acima de 85% abaixo de 85% 4 0 ocorrências 3 até ocorrências até 5 ocorrências acima de 5 ocorrências 4 Acima de 98% de chamadas 3 acima de 95% acima de 85% abaixo de 85% 4 Acima de 98% de chamadas 3 acima de 95% acima de 85% abaixo de 85% 4 Possui imagem arquivada Não possui imagem arquivada 4 acima de 99% de acuracidade 3 acima de 97% acima de 95% abaixo de 95% 0

21 3 ÍNDICE DE CONFORMIDADE O Índice de Conformidade foi elaborado para retratar a conformidade dos SERVIÇOS de acordo com as obrigações e normas a serem cumpridas. Ele é obtido através da apresentação de relatórios gerenciais para todas as categorias de serviços, indicando o plano de trabalho, atividades desempenhadas, ocorrências, tratamento de falhas e incidentes, lições aprendidas, nível de serviço (painel de controle) desempenhado e ações de melhoria. Serão reunidas e pontuadas as principais normas e requerimentos que deverão regular a prestação de serviços. O modelo dos relatórios, bem como o seu conteúdo mínimo, deverá ser definido por acordo entre as partes antes da data de início de operação. 3. Procedimento de Avaliação Cada um dos principais grupos de serviços a serem prestados no HOSPITAL terá um indicador de conformidade correspondente, que deverá apurar a conformidade do serviço aos padrões, normas, legislação e regulamentos pertinentes: Utilidades ar, água, energia, esgoto e gases Manutenção e Conservação Predial - manutenção, limpeza e higienização, gerenciamento de resíduos, controle de pragas Administrativo geral help desk, zeladoria, logística e gestão de materiais, gestão de ativos, mensageria, serviços administrativos Segurança CFTV, controle de acesso, segurança Estacionamento Hotelaria lavanderia, nutrição, lanchonete e máquinas de conveniência Central de Serviços (Service Desk) serviços de tecnologia em geral e microinformática Reprografia e Impressão Rede e Telecomunicações (rede interna, rede externa, telefonia e videoconferência) Data Center e Sistemas de Informação

22 Os indicadores de cada categoria serão apurados através da avaliação do Relatório de Conformidade Operacional, composto dos seguintes elementos: Procedimentos Operacionais Padronizados (POP) proposto para o período, ou o plano de trabalho, indicando as principais alterações em relação ao POP anterior Plano de treinamento e comunicação Plano de ação em casos de incidentes e emergencias Relação / Inventário dos ativos empregados na operação Apresentação das estatísticas de consumo do serviço Apresentação das estatísticas de atendimento de chamados / ordens de serviços Apresentação das principais melhorias realizadas Apresentação dos eventos de manutenção (trocas, reparos, etc.) Apresentação dos principais elementos de conformidade com as normas relacionadas Apresentação das cartas de controle do nível de serviço apresentado Os Relatórios de Conformidade deverão ser apresentados trimestralmente. A nota dada a cada indicador será binária, ou seja, caso a CONCESSIONÁRIA apresente o relatório exigido, de maneira completa e demonstrando o pleno dos requerimentos de cada uma das categorias de serviços às diretrizes apresentadas neste ANEXO e no ANEXO 5 Especificações Mínimas dos Serviços, a nota será equivalente a 4 (quatro), caso contrário a nota será equivalente a (um). O Índice de Conformidade será calculado pela média aritimética de seus respectivos indicadores. 3.. Indicador Conformidade Este indicador avalia a conformidade em relação às exigências de normas, de qualidade, de legislação e alvarás de funcionamento dos diversos serviços, equipamentos, sistemas e outros existentes no HOSPITAL

23 Grupo Item Procedimento de avaliação Gerenciamento de riscos e seguros Apólice de seguro Certificação ISO 900 Certificação ISO 400 Obras e Instalações Utilidades Manutenção e Conservação Predial Administrativo Certidão de Inspeção Relatório de Conformidade Operacional Relatório de Conformidade Operacional Relatório de Conformidade Operacional Apólice de seguro do HOSPITAL, instalações e ativos, coberto 00% do tempo para as coberturas mínimas exigidas Comprovação de certificação emitida por entidade competente Comprovação de certificação emitida por entidade competente Obtenção de certidão de das normas de Segurança: Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CBMMG), Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG). Formação e treinamento da brigada de incêndio e elaboração do plano de fuga / emergência Apresentação de dados, informações, históricos, registros, laudos e certificado condizentes com os requerimentos mínimos estabelecidos Apresentação de dados, informações, históricos, registros, laudos e certificado condizentes com os requerimentos mínimos estabelecidos Apresentação de dados, informações, históricos, registros, laudos e certificado condizentes com os requerimentos mínimos estabelecidos Frequência de Avaliação Anual Anual (a partir do 3º ano de operação do HOSPITAL) Anual (a partir do 3º ano de operação do HOSPITAL) Conforme legislação Trimestral Trimestral Trimestral 3

24 Segurança Estacionamento Hotelaria Central de Serviços (Service Desk) Reprografia e Impressão Rede de dados e telecomunicações Data Center e Sistemas de Informação Relatório de Conformidade Operacional Relatório de Conformidade Operacional Relatório de Conformidade Operacional Relatório de Conformidade Operacional Relatório de Conformidade Operacional Relatório de Conformidade Operacional Relatório de Conformidade Operacional Apresentação de dados, informações, históricos, registros, laudos e certificado condizentes com os requerimentos mínimos estabelecidos Apresentação de dados, informações, históricos, registros, laudos e certificado condizentes com os requerimentos mínimos estabelecidos Apresentação de dados, informações, históricos, registros, laudos e certificado condizentes com os requerimentos mínimos estabelecidos Apresentação de dados, informações, históricos, registros, laudos e certificado condizentes com os requerimentos mínimos estabelecidos Apresentação de dados, informações, históricos, registros, laudos e certificado condizentes com os requerimentos mínimos estabelecidos Apresentação de dados, informações, históricos, registros, laudos e certificado condizentes com os requerimentos mínimos estabelecidos Apresentação de dados, informações, históricos, registros, laudos e certificado condizentes com os requerimentos mínimos estabelecidos Trimestral Trimestral Trimestral Trimestral Trimestral Trimestral Trimestral Os indicadores referentes às certificações ISO 9.00 e ISO 4.00, terão suas notas iguais a 4,0 durante o período em que sua obtenção não é obrigatória, ou seja, nos dois primeiros anos a contar da data de início da operação do HOSPITAL. 4 ÍNDICE DE DISPONIBILIDADE O Índice de Disponibilidade (IDP) foi elaborado para retratar a entrega e a disponibilidade da infraestrutura e serviços para o adequado atendimento dos USUÁRIOS. A avaliação da 4

25 disponibilidade é feita em relação a quatro dimensões: utilidades, estruturas gerais, leitos e tecnologia. A avaliação de disponibilidade de cada dimensão gera um índice de disponibilidade correspondente. Para cada dimensão foram definidos indicadores específicos, que devem ter a sua disponibilidade mensurada periodicamente. O Índice de Disponibilidade é formado por quatro indicadores:. Disponibilidade de Utilidades (DU) - Energia, água, gases. Disponibilidade de Estruturas Gerais (DE) - Infraestrutura Predial e de Equipamentos 3. Disponibilidade Atendimento (DA) - Leitos de atendimento aos pacientes 4. Disponibilidade Tecnologia (DT) Hardware e Software 4. Procedimento de Avaliação Cada um dos indicadores receberá uma nota, na escala de (um) a 4 (quatro), conforme tabela apresentada no item.. Os quatro índices de disponibilidade apresentados anteriormente serão calculados, então, pela média aritimética de seus respectivos indicadores. O índice de disponibilidade final, será também calculado pela média aritmética dos índices componentes, conforme fórmula abaixo: IDP = (DU + DE + DA + DT) / 4 A disponibilidade dos recursos será mensurada conforme a fórmula abaixo: Disponibilidade = 00% - Σ (horas indisponíveis do serviço ao longo do período) Σ (horas úteis possíveis do serviço ao longo do período) O numerador da equação acima será determinado pela soma das horas em que o serviço esteve indisponível ao receptor final, quer pela não entrega, quer pela entrega fora dos 5

Anexo 4 Apêndice 1 SISTEMA DE MENSURAÇÃO DE DESEMPENHO

Anexo 4 Apêndice 1 SISTEMA DE MENSURAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO DO CONTRATO Anexo 4 Apêndice SISTEMA DE MENSURAÇÃO DE DESEMPENHO Dezembro 0 . ÍNDICE DE DESEMPENHO (ID) A avaliação do desempenho gerencial e operacional da CONCESSIONÁRIA será realizada através

Leia mais

Anexo 6 Sistema de Mensuração de Desempenho

Anexo 6 Sistema de Mensuração de Desempenho Anexo 6 Mensuração de Desempenho SUMÁRIO ÍNDICE DE DESEMPENHO... 3. Procedimento de Avaliação... 3. Perío de Medições e Prazos... 5 ÍNDICE DE QUALIDADE... 6. Procedimento de Avaliação... 6. Indicadores...

Leia mais

Anexo 4 Apêndice 1 SISTEMA DE MENSURAÇÃO DE DESEMPENHO

Anexo 4 Apêndice 1 SISTEMA DE MENSURAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO DO CONTRATO Anexo 4 Apêndice SISTEMA DE MENSURAÇÃO DE DESEMPENHO . ÍNDICE DE DESEMPENHO (ID) Dezembro 0 A avaliação do desempenho gerencial e operacional da CONCESSIONÁRIA será realizada através

Leia mais

ANEXO VIII SISTEMA DE MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO

ANEXO VIII SISTEMA DE MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ANEXO VIII SISTEMA DE MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ANEXO VIII SISTEMA DE MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO p. 1 / 19 Sumário Sumário... 2 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ÍNDICE DE CUMPRIMENTO DE MARCOS - ICM... 5 2.1. Procedimento

Leia mais

ANEXO VI INDICADORES DE DESEMPENHO

ANEXO VI INDICADORES DE DESEMPENHO ANEXO VI INDICADORES DE DESEMPENHO 1 SUMÁRIO 1 ÍNDICE DE EFICIÊNCIA (IEF)... 3 1.1 Sistema de Mensuração do Desempenho... 3 2 COMPOSIÇÃO DO ÍNDICE DE QUALIDADE (IQ)... 6 3 COMPOSIÇÃO DO ÍNDICE DE DISPONIBILIDADE

Leia mais

ANEXO 8 SISTEMA DE DESEMPENHO

ANEXO 8 SISTEMA DE DESEMPENHO ANEXO 8 SISTEMA DE DESEMPENHO 1 O presente Anexo tem como objetivo definir os critérios, indicadores, fórmulas e parâmetros definidores da qualidade dos SERVIÇOS prestados pela CONCESSIONÁRIA, além de

Leia mais

ANEXO 9 SISTEMA DE DESEMPENHO

ANEXO 9 SISTEMA DE DESEMPENHO ANEXO 9 SISTEMA DE DESEMPENHO 1 O presente Anexo tem como objetivo definir os critérios, indicadores, fórmulas e parâmetros definidores da qualidade dos serviços prestados pela CONCESSIONÁRIA, na forma

Leia mais

ANEXO DO CONTRATO. Apêndice 3.1 do Anexo 3 INDICADORES DE DESEMPENHO

ANEXO DO CONTRATO. Apêndice 3.1 do Anexo 3 INDICADORES DE DESEMPENHO ANEXO DO CONTRATO Apêndice 3.1 do Anexo 3 INDICADORES DE DESEMPENHO Maio - 2013 1 Apêndice 3.1 Indicadores de Desempenho Índice 1 Considerações Gerais... 3 2 Especificações dos Indicadores de Desempenho...

Leia mais

Anexo III. Nível de Qualidade dos Serviços Metodologia de Avaliação

Anexo III. Nível de Qualidade dos Serviços Metodologia de Avaliação 1 de 14 Anexo III Nível de Qualidade dos Serviços Metodologia de Avaliação 2 de 14 ÍNDICE 1 OBJETIVO DO DOCUMENTO... 3 2 REFERENCIAL TEÓRICO PARA DEFINIÇÃO DAS MÉTRICAS... 3 3 SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO 1. Introdução 1.1. Descrição do serviço Este documento disciplina a cessão de uso permanente da solução de software para Gestão

Leia mais

Anexo 17.2 Sistema de Avaliação de Desempenho

Anexo 17.2 Sistema de Avaliação de Desempenho Anexo 17.2 Sistema de Avaliação de Desempenho Folha 1 de 14 Metodologia A equipe de fiscalização da ANA avaliará, mensalmente, o cumprimento dos mais importantes parâmetros de desempenho incluídos nas

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

ANEXO VII PROJETO DE QUALIFICAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE BELO HORIZONTE

ANEXO VII PROJETO DE QUALIFICAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE BELO HORIZONTE ANEXO VII PROJETO DE QUALIFICAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE BELO HORIZONTE SISTEMA DE MENSURAÇÃO DE DESEMPENHO E CÁLCULO DA CONTRAPRESTAÇÃO PÚBLICA 1 Índice 1 GLOSSÁRIO 3 2 ESTRUTURA

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA CONCESSIONÁRIA PPP PÁTIO VEICULAR INTEGRAL SÃO PAULO

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA CONCESSIONÁRIA PPP PÁTIO VEICULAR INTEGRAL SÃO PAULO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA CONCESSIONÁRIA PPP PÁTIO VEICULAR INTEGRAL SÃO PAULO JANEIRO/2014 i ii ÍNDICE 1 INDRODUÇÃO... 4 2 MODELO DE REMUNERAÇÃO DO PARCEIRO PRIVADO... 4 3 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB 1 -DO OBJETO O objeto do Pregão Presencial é a contratação de empresa especializada para prestação de serviços de rádio-táxi

Leia mais

Acordo de Nível de Serviço

Acordo de Nível de Serviço VERSÃO 20120815 Acordo de Nível de Serviço Gestão Compartilhada Página. 2 de 13 Sumário PARTE 1... 3 1 INTRODUÇÃO... 3 2 DEFINIÇÕES... 4 2.1 GESTÃO COMPARTILHADA... 4 2.2 PROVEDOR... 4 2.3 CLIENTE... 4

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC Institui o Plano de Desenvolvimento de Recursos Humanos criando o Quadro

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A

Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A Esperança_TI S.A S/A Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A 25/11/2014 Gerador do documento: Gerente de Negociação: Marcos Alves de Oliveira Marcos Antônio de Morais Aprovação

Leia mais

ANEXO 8. Quadro de Indicadores de Desempenho

ANEXO 8. Quadro de Indicadores de Desempenho ANEXO 8 Quadro de Indicadores de Desempenho 1 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE O Sistema de Gestão da Qualidade a ser implantado tem por finalidades: 1. Estimular a melhoria contínua da qualidade dos

Leia mais

Anexo VII - Sistema de Mensuração de Desempenho e Cálculo da Contraprestação Pública

Anexo VII - Sistema de Mensuração de Desempenho e Cálculo da Contraprestação Pública Anexo VII - Sistema de Mensuração de Desempenho e Cálculo da Contraprestação Pública 2011 B E L O H O R I Z O N T E, J U L H O 2 0 1 1 2 Índice 1 GLOSSÁRIO 4 2 ESTRUTURA BÁSICA DO SISTEMA DE INDICADORES

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO SOBRE O SERVIÇO DE SUPORTE TÉCNICO DE TI

PESQUISA DE SATISFAÇÃO SOBRE O SERVIÇO DE SUPORTE TÉCNICO DE TI PESQUISA DE SATISFAÇÃO SOBRE O SERVIÇO DE SUPORTE TÉCNICO DE TI APRESENTAÇÃO Este documento fornece um resumo do relatório da pesquisa de satisfação que foi realizada no Tribunal de Justiça de Pernambuco

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor]

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Data Gerador do documento: Gerente de Negociação: Versões Versão Data Revisão Autor Aprovação (Ao assinar abaixo, o cliente concorda com todos os

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Caderno de Encargos Procedimento de Aquisição da PPP do Novo Colégio Militar de Manaus

Caderno de Encargos Procedimento de Aquisição da PPP do Novo Colégio Militar de Manaus Caderno de Encargos Procedimento de Aquisição da PPP do Novo Colégio Militar de Manaus SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. ORIENTAÇÕES GERAIS... 4 a. ELABORAÇÃO DO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES... 5 b. HOMOLOGAÇÃO

Leia mais

ANEXO II.2 PROJETO BÁSICO SISTEMA DE CONTROLE DA QUALIDADE

ANEXO II.2 PROJETO BÁSICO SISTEMA DE CONTROLE DA QUALIDADE ANEXO II.2 PROJETO BÁSICO SISTEMA DE CONTROLE DA QUALIDADE Página 1 Anexo II.2 PROJETO BÁSICO: SISTEMA DE CONTROLE DA QUALIDADE 1. CONCEITUAÇÃO O Sistema de Controle da Qualidade do Serviço Público de

Leia mais

ANEXO 5. Detalhamento dos serviços sob responsabilidade da Concessionária

ANEXO 5. Detalhamento dos serviços sob responsabilidade da Concessionária ANEXO 5 Detalhamento dos serviços sob responsabilidade da Concessionária 1 Os SERVIÇOS de que trata este Anexo deverão ser prestados no âmbito do SETOR OPERACIONAL DAS ESTAÇÕES e dos EMPREENDIMENTOS ASSOCIADOS.

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística Suprimentos e Logística Pág. 1 de 14 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 2 ABRANGÊNCIA / NÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO... 2 3 SIGLAS UTILIZADAS... 2 4 GLOSSÁRIO / CONCEITOS... 2 5 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA... 3 6 CONTEÚDO...

Leia mais

Termo de Referência. Serviço de envio de mensagens SMS Short Message Service para dispositivos móveis, pelo período de 24 meses.

Termo de Referência. Serviço de envio de mensagens SMS Short Message Service para dispositivos móveis, pelo período de 24 meses. Termo de Referência Serviço de envio de mensagens SMS Short Message Service para dispositivos móveis, pelo período de 24 meses. Termo de Referência [OBJETO] 1 Termo de Referência Serviço de envio de mensagens

Leia mais

Anexo 2 Apêndice 3 PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MOBILIÁRIO

Anexo 2 Apêndice 3 PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MOBILIÁRIO ANEXO DO CONTRATO Anexo 2 Apêndice 3 PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MOBILIÁRIO Outubro - 2012 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PROCEDIMENTO PARA GESTÃO DO PARQUE TECNOLÓGICO... 3 3. ORIENTAÇÕES

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

ADITAMENTO 01 INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES

ADITAMENTO 01 INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES ADITAMENTO 01 INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE OPERAÇÃO E SUPORTE À INFRAESTRUTURA DE INFORMÁTICA DA TI CORPORATIVA DO NOS (SERVICE DESK) Ref: Aditamento nº 01 ao Edital

Leia mais

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção.

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção. Resumo aula 3 Introdução à gestão de materiais A gestão de materiais é um conjunto de ações destinadas a suprir a unidade com materiais necessários ao desenvolvimento das suas atribuições. Abrange: previsão

Leia mais

ANEXO III METAS DE PRODUÇÃO: POR SERVIÇO. AÇÕES METAS INDICADORES RESULTADOS 1. Recursos Humanos: 1.

ANEXO III METAS DE PRODUÇÃO: POR SERVIÇO. AÇÕES METAS INDICADORES RESULTADOS 1. Recursos Humanos: 1. ANEXO III METAS DE PRODUÇÃO: POR SERVIÇO AÇÕES METAS INDICADORES RESULTADOS 1. Recursos Humanos: 1. 1. 1. Prestar serviços ao CONSAVAP na Manter o sistema funcionando 100% de efetividade no Serviço operante

Leia mais

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS DA CEG 1.º PARTES a) CEG: COMPANHIA DISTRIBUIDORA DE

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013.

REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013. REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013. Dispõe acerca da Política de uso do PONTO ELETRÔNICO E DA JORNADA DE TRABALHO dos servidores do Instituto

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

ANEXO XV DIRETRIZES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA

ANEXO XV DIRETRIZES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA ANEXO XV DIRETRIZES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA Durante o prazo da CONCESSÃO, a CONCESSIONÁRIA deverá contratar e manter em vigor no mínimo as apólices de seguro a

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR

AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR Normas NR: NA 6 Pág: 1/1 AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR 1. Objetivo Sistematizar a metodologia de Avaliação das

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura 5.Objetivos, Indicadores e Metas para a OS

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura 5.Objetivos, Indicadores e Metas para a OS 5.s, es e s para a OS O funcionamento das bibliotecas parque e da nova BPE é ainda experimental e, portanto, carece ainda das séries históricas de dados e informações que serão necessárias a um planejamento

Leia mais

SLA - Service Level Agreement (Acordo de Nível de Serviço) Gerenciamento de Estoque

SLA - Service Level Agreement (Acordo de Nível de Serviço) Gerenciamento de Estoque 1 / 7 SLA - Service Level Agreement (Acordo de Nível de Serviço) Gerenciamento de Estoque Código: : Data de Publicação: Cliente: Faculdade de Tecnologia SENAC-GO 2 / 7 Identificação e Histórico do Documento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR FÉRIAS DA LIPOR 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar, realiza atividades de promoção e organização

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO PAULO SECRETARIA DE SAÚDE ANEXO 8 DO CONTRATO INDICADORES DE DESEMPENHO E CÁLCULO DE CONTRAPRESTAÇÃO MENSAL EFETIVA

PREFEITURA DE SÃO PAULO SECRETARIA DE SAÚDE ANEXO 8 DO CONTRATO INDICADORES DE DESEMPENHO E CÁLCULO DE CONTRAPRESTAÇÃO MENSAL EFETIVA ANEXO 8 DO CONTRATO INDICADORES DE DESEMPENHO E CÁLCULO DE CONTRAPRESTAÇÃO MENSAL EFETIVA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. CÁLCULO DO VALOR DA CONTRAPRESTAÇÃO MENSAL EFETIVA.... 2 3. AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

ANEXO III. Metas e Indicadores de Desempenho

ANEXO III. Metas e Indicadores de Desempenho ANEXO III Metas e Indicadores de Desempenho 1 SUMÁRIO 1. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 3 2. ÍNDICE DE DESEMPENHO... 3 2.1. PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO... 6 2.2. PERÍODOS DE MEDIÇÕES E PRAZOS... 12 3. DESEMPENHO

Leia mais

Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia

Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia Há 25 anos, a Engepred associa o conhecimento sobre o mercado imobiliário à experiência de promover o melhor funcionamento de shoppings centers, prédios

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

ATO Nº 233/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 233/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 233/2013 Institui a Política de Gerenciamento de Serviços de Tecnologia da Informação (TI) no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Anexo III MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA

Anexo III MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA ANEXO DO EDITAL Anexo III MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA Outubro - 2012 Anexo III MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA INTRODUÇÃO O presente ANEXO tem como

Leia mais

Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço

Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

ANEXO V INDICADORES DE DESEMPENHO

ANEXO V INDICADORES DE DESEMPENHO ANEXO V INDICADORES DE DESEMPENHO JANEIRO/ 2012 ANEXO V METAS E INDICADORES DE DESEMPENHO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. DEFINIÇÕES... 1 3. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS... 2 4. SERVIÇOS... 2 5. TAREFAS...

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

Estrutura da Gestão de Risco Operacional

Estrutura da Gestão de Risco Operacional Conceito No Brasil a Resolução n.º 3380, emitida pelo BACEN em 29 de junho de 2006, seguindo as diretrizes estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional, definiu como: A possibilidade de ocorrência de

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Relatório de Informações Gerenciais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Relatório de Informações Gerenciais PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Relatório de Informações Gerenciais Setorial do 1º Semestre de 2013 DIRETORIA GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO DGTEC RELATÓRIO DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1º

Leia mais

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS SUMÁRIO APÊNDICES 1 - Objetivo A - Solicitação de Cadastro de Pessoa Jurídica 2 - Referências normativas B - Solicitação de Cadastro de Pessoa

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

AVALIAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DO QUADRO DE SERVIDORES DA COTEC

AVALIAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DO QUADRO DE SERVIDORES DA COTEC MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA Coordenação-Geral de Administração e Tecnologia da Informação Coordenação

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre. Anexo IV Sistema de Controle da Qualidade do Serviço de Transporte Coletivo por Ônibus de Porto Alegre

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre. Anexo IV Sistema de Controle da Qualidade do Serviço de Transporte Coletivo por Ônibus de Porto Alegre Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo IV Sistema de Controle da Qualidade do Serviço de Transporte Coletivo por Ônibus de Porto Alegre ANEXO IV SISTEMA DE CONTROLE DA QUALIDADE DO SERVIÇO DE

Leia mais

Apresentação PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES

Apresentação PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES Apresentação 1 PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES v. 1.0 2 Introdução ão: Com a necessidade de manter os bens o maior tempo possível em uso, torna-se importante um acompanhamento eficiente de sua

Leia mais

APÊNDICE IX PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO

APÊNDICE IX PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO APÊNDICE IX PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 DIRETRIZES GERAIS... 3 3 PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO NA IMPLANTAÇÃO DAS UNIDADES... 4 3.1 Módulo Conceitual - Diretrizes

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA LOTE ITEM UN DESCRIÇÃO QUANTIDADE ENVIO DE MENSAGENS SHORT MESSAGE. no N

TERMO DE REFERÊNCIA LOTE ITEM UN DESCRIÇÃO QUANTIDADE ENVIO DE MENSAGENS SHORT MESSAGE. no N TERMO DE REFERÊNCIA OBJETO: PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ENVIO DE MENSAGENS SMS SHORT MESSAGE SERVICE PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Responsável: Superintendência Central de Governança Eletrônica Objeto LOTE ITEM

Leia mais

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES PORTARIA INSTITUCIONAL Nº 08 A Direção Geral da Faculdades SPEI, no uso das suas atribuições, ouvido o Conselho Superior e aprovado pela Mantenedora, conforme Regimento Interno, RESOLVE: Estabelecer o

Leia mais

POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO 1. Aplicação Esta política aplica-se a todos os colaboradores Técnico-administrativos, sejam vínculo CLT ou contrato de estágio. 2. Objetivo Estabelecer critérios

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. (publicado no DOE n.º 137, de 17 de julho de 2012) Institui o Programa

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC DEFINIÇÕES GERENCIAR Ato ou efeito de manter a integridade física e funcional para algo proposta

Leia mais

CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR

CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR Pelo presente instrumento particular e na melhor forma de direito, de um lado,, com sede a, nº, na cidade de Pelotas, inscrita no CNPJ sob o nº, doravante

Leia mais

Com o objetivo de manter um alto nível de qualidade, nossos colaboradores são rigorosamente selecionados e treinados.

Com o objetivo de manter um alto nível de qualidade, nossos colaboradores são rigorosamente selecionados e treinados. A MBS SERVIÇOS possui o conhecimento necessário e indispensável para oferecer qualidade e agilidade nas realizações dos serviços prestados. Possuímos sede própria com toda infraestrutura necessária para

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado B, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO Versão: 2 Pág: 1/6 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO Dr. Renato de Lacerda Diretor Técnico 02/09/2010 APROVADO POR Dr. Jose Carlos dos

Leia mais

Edital GERIR HUGO Nº 003/2015 Processo Seletivo Simplificado para Contratação Engenheiro de Segurança do Trabalho

Edital GERIR HUGO Nº 003/2015 Processo Seletivo Simplificado para Contratação Engenheiro de Segurança do Trabalho Edital GERIR HUGO Nº 003/2015 Processo Seletivo Simplificado para Contratação Engenheiro de Segurança do Trabalho O Instituto GERIR, entidade de direito privado e sem fins lucrativos, classificado como

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

1º Nível: Contato inicial responsável pelo registro de todas as solici tações e pela finalização do maior número possível de atendimentos.

1º Nível: Contato inicial responsável pelo registro de todas as solici tações e pela finalização do maior número possível de atendimentos. O QUE É? Serviço de atendimento telefônico ao usuário para resolução de problemas de TI ou outras solicitações relativas a assuntos predefinidos. Oferecido em dois níveis: 1º Nível: Contato inicial responsável

Leia mais

Implementação GED Gestão Eletrônica de Documentos

Implementação GED Gestão Eletrônica de Documentos Implementação GED Gestão Eletrônica de Documentos NOVO MUNDO TECNOLOGIA PROJETO GUARÁ Gerenciamento de Aquisições Cleverson Carneiro; Ericson Ives Costa; Isaque Luchi; Victor Hugo Vieira. Curitiba, 11

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br)

INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br) INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br) 1. Concessionária ou Permissionária - Agente titular de concessão ou permissão federal para explorar a prestação de serviços

Leia mais

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação 1 Acompanhamento Indireto Tratamento das informações Análise intrínseca, evolutiva e comparativa Processos

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

PÁGINA 4 ITIL V.2 & ITIL V.3

PÁGINA 4 ITIL V.2 & ITIL V.3 PÁGINA 4 ITIL V.2 & ITIL V.3 Gerência de Níveis de Serviço Manter e aprimorar a qualidade dos serviços de TI Revisar continuamente os custos e os resultados dos serviços para garantir a sua adequação Processo

Leia mais

ANEXO VI REMUNERAÇÃO E MECANISMOS DE PAGAMENTO

ANEXO VI REMUNERAÇÃO E MECANISMOS DE PAGAMENTO JANEIRO/ 2012 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. MECANISMO DE PAGAMENTO... 1 3. REAJUSTES... 4 APÊNDICE 1... 6 CONSIDERAÇÕES SOBRE CGH E PCH... 6 1 1. INTRODUÇÃO 1.1. O presente Anexo tem por objetivo explicitar

Leia mais

18- SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO 18.1- QUADRO DE INDICADORES. Superintendência de Gestão

18- SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO 18.1- QUADRO DE INDICADORES. Superintendência de Gestão CÓD PESO (%) 18- SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO 18.1- QUADRO DE INDICADORES Superintendência de Gestão QUADRO DE INDICADORES OBJETIVO ESTRATÉGICO NOME DO INDICADOR Unidade de Medida Valores de Referência (VR)

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

CONCESSÃO DE RODOVIA. Regulação da Concessão de Rodovias Federais

CONCESSÃO DE RODOVIA. Regulação da Concessão de Rodovias Federais Regulação da Concessão de Rodovias Federais 1ª ETAPA 2ª ETAPA FASE I 2ª ETAPA FASE II 3ª ETAPA FASE I 3ª ETAPA FASE II Década de 60 e 70 -Rodovia Presidente Dutra; Histórico -Freeway entre Porto Alegre

Leia mais

PMEE Planejamento Médico para Eventos Especiais

PMEE Planejamento Médico para Eventos Especiais PMEE Planejamento Médico para Eventos Especiais 1. Objetivo Estabelecer critérios mínimos para os serviços de emergência médica préhospitalar no atendimento ao público presente em eventos especiais. 2.

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Acordo de Nível de Serviço (SLA)

Acordo de Nível de Serviço (SLA) Faculdade de Tecnologia Acordo de Nível de Serviço (SLA) Alunos: Anderson Mota, André Luiz Misael Bezerra Rodrigo Damasceno. GTI 5 Noturno Governança de tecnologia da informação Prof. Marcelo Faustino

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA AS INSTALAÇÕES DA GARAGEM

ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA AS INSTALAÇÕES DA GARAGEM PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA CONCORRÊNCIA CONCESSÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO EDITAL DE CONCORRÊNCIA

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS

ANEXO II AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS EQUIPE DE DESINSTITCUIONALIZAÇÃO - MODALIDADE: VALOR DO PROJETO: 1. DADOS

Leia mais

Capítulo I Das Disposições Gerais

Capítulo I Das Disposições Gerais PLANO GERAL DE METAS DA QUALIDADE PARA O SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO Capítulo I Das Disposições Gerais Art. 1º Este Plano estabelece as metas de qualidade a serem cumpridas pelas prestadoras do Serviço

Leia mais

DECRETO Nº. 1.370/2015 DE 05 DE JANEIRO DE 2015. O Prefeito Municipal de Querência - MT, no uso de suas

DECRETO Nº. 1.370/2015 DE 05 DE JANEIRO DE 2015. O Prefeito Municipal de Querência - MT, no uso de suas DECRETO Nº. 1.370/2015 DE 05 DE JANEIRO DE 2015. Dispõe acerca da Política de uso do ponto eletrônico e da jornada de trabalho dos servidores públicos do Poder Executivo município de Querência - MT. atribuições,

Leia mais