Anexo 6 Sistema de Mensuração de Desempenho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anexo 6 Sistema de Mensuração de Desempenho"

Transcrição

1 Anexo 6 Mensuração de Desempenho

2 SUMÁRIO ÍNDICE DE DESEMPENHO Procedimento de Avaliação Perío de Medições e Prazos... 5 ÍNDICE DE QUALIDADE Procedimento de Avaliação Indicadores Satisfação Pacientes e Acompanhantes - SPA Satisfação Profissionais SPR Índice de Técnica IQT ÍNDICE DE CONFORMIDADE Procedimento de Avaliação Indicadores Indicador Conformidade de Normas Indicador Conformidade de Relatórios... 4 ÍNDICE DE DISPONIBILIDADE Procedimento de Avaliação Disponibilidade de Utilidades (DU) Disponibilidade de Estruturas Gerais (DE) Disponibilidade de Atendimento (DA) Disponibilidade Tecnologia (DT)... 9

3 ÍNDICE DE DESEMPENHO A mensuração do desempenho gerencial e operacional da CONCESSIONÁRIA é realizada através do ÍNDICE DE DESEMPENHO. Este índice é representado por um número (nota), quantificado de acordo com as avaliações determinadas nesse documento, referentes aos principais tópicos da construção, manutenção e operação do HOSPITAL. A nota atribuída ao ÍNDICE DE DESEMPENHO impactará na remuneração da CONCESSIONÁRIA, conforme previsto no ANEXO 7 CÁLCULO DA REMUNERAÇÃO DA CONCESSIONÁRIA. O Índice de Desempenho é formado a partir de três índices. São eles:. Índice de (IQ) Avalia a qualidade do serviço prestado pela CONCESSIONÁRIA;. Índice de Disponibilidade (IDP) Avalia o grau de disponibilidade da infra-estrura e serviços do HOSPITAL METROPOLITANO; 3. Índice de Conformidade (IC) Avalia a conformidade às normas, certifica e relatórios exigi;. Procedimento de Avaliação A CONCESSIONÁRIA deve calcular os três índices IQ, IDP, e IC conforme os termos desse Anexo. O resultado do cálculo de cada índice será um numero adimencional (nota), situado entre 0 (zero) e (um), sendo que 0 (zero) representa a pior avaliação possível e (um) a melhor avaliação possível a ser obtida pela CONCESSIONÁRIA no índice. A partir resulta de cada um daqueles três índices será possível obter o ÍNDICE DE DESEMPENHO (ID), que também é representado por um número situado entre 0 (zero) e (um). O IDP incidirá sobre 40% (quarenta por cento) do valor da CPM, e os IQ e IC, com pesos iguais, incidirão sobre os 60% (sessenta por cento) restantes do valor da CPM. Desta forma, o Índice de Desempenho é calculado de acordo com a seguinte fórmula: 3

4 ID = 0,4*IDP+0,3*IQ+0,3*IC Onde: - ID = Índice de Desempenho - IDP = Índice de Disponibilidade - IQ = Índice de - IC = Índice de Conformidade O cálculo do ÍNDICE DE DESEMPENHO deve constar do Relatório de Desempenho que será entregue pela CONCESSIONÁRIA. O Relatório de Desempenho conterá: (a) informações completas sobre o cálculo do ID, conforme o detalhamento contido nesse Anexo; e, (b) histórico detalhado de cada indicador e o detalhamento de todas as medições realizadas no período. O formato e padrão de apresentação do Relatório de Desempenho deverão ser apresenta ao PODER CONCEDENTE para aprovação anterior ao início da operação do HOSPITAL METROPOLITANO. A forma de apresentação do Relatório de Desempenho poderá ser modificada ao longo da CONCESSÃO por solicitação do PODER CONCEDENTE com o objetivo de tornar a apuração resulta mais clara e precisa. O Relatório de Desempenho e todas as informações nele contidas passarão, obrigatoriamente, por um processo de verificação, realizado pelo VERIFICADOR INDEPENDENTE, conforme subcláusula 4.6 do CONTRATO. Após o processo de verificação, a ÍNDICE DE DESEMPENHO apurado será usada pelo PODER CONCEDENTE para realizar o pagamento da CONTRAPRESTAÇÃO PÚBLICA devida à CONCESSIONÁRIA, na forma prevista no ANEXO 7 CÁLCULO DA REMUNERAÇÃO DA CONCESSIONÁRIA. Para fins de atendimento da subcláusula do CONTRATO, os índices IQ e IC terão nota de avaliação igual a (um) sempre que for verificada situação de excesso de demanda causado por circunstâncias excepcionais. 4

5 . Perío de Medições e Prazos A CONCESSIONÁRIA deve elaborar trimestralmente o Relatório de Desempenho, que será analisado pelo VERIFICADOR INDEPENDENTE e pelo PODER CONCEDENTE. O Relatório de Desempenho deve conter, além das atualizações periódicas previstas para cada indicador de desempenho, o histórico indicadores, assim como a lista detalhada de indicadores e respectivas medições realizadas durante o período. Caso um indicador não tenha sido atualizado no trimestre em questão, devido a possuir uma freqüência de medição inferior a referida, o relatório deve trazer a sua nota mais recente. O VERIFICADOR INDEPENDENTE avaliará a correção do Relatório de Desempenho, dentre outras formas, por meio (i) da análise da documentação produzida e apresentada pela CONCESSIONÁRIA, (ii) de visitas esporádicas para verificação critérios de disponibilidade, e (iii) de pesquisas qualitativas e quantittivas junto aos USUÁRIOS. O PODER CONCEDENTE fará o pagamento mensal da CONTRAPRESTAÇÃO PÚBLICA devida à CONCESSIONÁRIA com a utilização do ÍNDICE DE DESEMPENHO atestado pelo VERIFICADOR INDEPENDENTE, na forma do ANEXO 7 CÁLCULO DA REMUNERAÇÃO DA CONCESSIONÁRIA. 5

6 ÍNDICE DE QUALIDADE O Índice de (IQ) foi elaborado para retratar o grau de satisfação USUÁRIOS com a qualidade das instalações e SERVIÇOS presta no HOSPITAL. O IQ está baseado em um índice técnico de qualidade que será apurado quantitativamente e em um índice de satisfação USUÁRIOS em relação a qualidade das instalações e SERVIÇOS. Foram considera como USUÁRIOS SERVIÇOS: os PACIENTES, os acompanhantes PACIENTES e o pessoal do PODER CONCEDENTE que trabalha regularmente no HOSPITAL. Para cada índice, foram defini parâmetros específicos de avaliação, sob a forma de itens. Assim, o IQ é dado pela avaliação itens correlaciona, a qual gera um indicador de qualidade próprio. Desta forma, o Índice de é formado por três indicadores:. Satisfação Pacientes e Acompanhantes - (SPA);. Satisfação Profissionais (SPR); 3. Índice de Técnica (IQT).. Procedimento de Avaliação Os indicadores SPA e SPR serão obti através de uma pesquisa de satisfação, que deve ser realizada por empresa especializada em pesquisa de satisfação. Essa empresa será contratada pelo VERIFICADOR INDEPENDENTE após aprovação do PODER CONCEDENTE e da CONCESSIONÁRIA. A frequência de realização da pesquisa de satisfação é mensal, sendo que o resultado acumulado do trimestre é que será utilizado para fins de mensuração do desempenho da 6

7 CONCESSIONÁRIA. É obrigatório que a pesquisa de satisfação envolva uma amostra estatisticamente significativa de USUÁRIOS consulta. As definições da quantidade exata da amostra e das datas das entrevistas, entre outras que se relacionem aos demais aspectos operacionais, serão tomadas pela empresa especializada em pesquisa, em conjunto com o VERIFICADOR INDEPENDENTE. O indicador IQT será apurado diariamente através sistemas de informação que deverão ser implanta pela CONCESSIONÁRIA para acompanhamento serviços presta. A nota de avaliação, que será dada para cada um itens, será de (um) a 4 (quatro), onde: Nota de Satisfação Descrição ÓTIMO / BOM 4 Expectativas totalmente atendidas REGULAR 3 Expectativas parcialmente atendidas (satisfatório) RUIM Expectativas parcialmente atendidas (insatisfatório) PÉSSIMO Expectativas não atendidas A definição do Índice de, que será extraída do cálculo da média ponderada de cada um três indicadores obedecerá ao seguinte critério: Indicador Satisfação Pacientes e Acompanhantes (SPA) Satisfação Profissionais (SPR) Índice de Técnico (IQT) Peso (dois) (dois) 6 (seis) Portanto, o Índice de será representado por um número de 0 a que será obtido pelo resultado da fórmula abaixo aplicado na tabela abaixo: IQ = [(SPA * ) + (SPR * ) + (IQT * 6)] / 0 7

8 PÉSSIMO RUIM REGULAR BOM Índice de (IQ) Índice de Desempenho referente ao IQ > 3,0,00 >,5 0,75 >,0 0,50 >,5 0,5 <=,5 0,00 Os indicadores SPA, SPR e IQT são calcula a partir da média ponderada pelo peso de cada um diversos grupos de temas que os compõem, conforme descrito nos itens subseqüentes deste Anexo. Para o cálculo do resultado do grupo será considerado a média aritmética de seus respectivos itens.. Indicadores.. Satisfação Pacientes e Acompanhantes - SPA A pesquisa de satisfação Paciente e Acompanhantes será avaliada de acordo com a seguinte pesquisa de satisfação: Nota de Satisfação Pergunta Pesquisa - Em sua opinião, Grupo Peso Item qual seria a nota, em uma escala de a 4, do(a)(s): 3 Atendimento Limpeza referente ao atendimento funcionários (aparência, educação, próatividade)? referente ao serviço de limpeza das áreas do Hospital e materiais de higiene pessoal disponiliza (papel 3 4 8

9 higiênico, sabão,...)? Serviço de Nutrição e Dietética Utensílios referente a refeição oferecida (sabor, temperatura, apresentação, pontualidade)? referente aos utensílios utiliza (talheres, pratos, sabor, temperatura, apresentação)? Segurança referente a sensação de segurança do Hospital? Lavanderia e Rouparia Agilidade (somente do enxoval disponibilizado (higienizado / passadoria e estado de conservação)? Pontualidade e agilidade em resposta a alguma solicitação do serviço? acompanhantes) Instalações das das instalações do Hospital (funcionamento, aparência, disponibilidade)? Manutenção Predial Agilidade Pontualidade e agilidade em resposta a alguma solicitação de serviço corretivo? 3 serviços realiza (agilidade, capacitação, correção do problema)? Manutenção Instalações das equipamentos e mobiliários do Hospital (funcionamento, aparência, disponibilidade)? De Equipamentos Agilidade Pontualidade e agilidade em resposta a alguma solicitação de serviço corretivo? e Mobiliário 3 serviços realiza (agilidade, capacitação, correção do problema)? 9

10 PÉSSIMO RUIM REGULAR BOM Recepção Tempo Espera Atendimento de Agilidade para prestar o atendimento? do atendimento realizado (agilidade, conhecimento, liberação)? Telefonia do serviço de telefonia (tempo de espera, conhecimento, resolução do chamado)? Estacionamen to serviços do serviço de vallet parking (tempo de espera, cuidado com veículo)? do serviço prestado (qualidade Lanchonete serviços alimentos, sabor, temperatura, apresentação, variedade, agilidade, limpeza)? Máquinas de Conveniência serviços do serviço prestado (qualidade alimentos, variedade, facilidade de utilização)?.. Satisfação Profissionais SPR A pesquisa de satisfação Profissionais será avaliada de acordo com a seguinte pesquisa de satisfação: Nota de Satisfação Pergunta Pesquisa - Em sua Grupo Peso Item opinião, qual seria a nota, em Público uma escala de a 4, do(a)(s): 3 4 referente ao 4 Atendimento atendimento funcionários (aparência, educação, pró- atividade)? 0

11 referente ao serviço Limpeza 3 de limpeza das áreas do Hospital e materiais de higiene pessoal disponiliza (papel higiênico, sabão,...)? Agilidade Pontualidade e agilidade em resposta a alguma solicitação do serviço? referente a refeição oferecida (sabor, temperatura, apresentação, pontualidade, Serviço de variedade)? Nutrição e 3 referente à Dietética Utensílios infraestrutura do refeitório e os utensílios utiliza (talheres, pratos, sabor, temperatura, apresentação)? Segurança 3 referente a sensação de segurança do Hospital? do enxoval Lavanderia e Rouparia 3 Agilidade disponibilizado (higienizado / passadoria e estado de conservação)? Pontualidade e agilidade em resposta a alguma solicitação do serviço? Enfermagem Enfermagem das Instalações das instalações do Hospital (funcionamento, aparência, disponibilidade)? Manutenção Predial 3 Agilidade Pontualidade e agilidade em resposta a alguma solicitação de serviço corretivo? 3 serviços realiza (agilidade, capacitação, correção do

12 problema)? equipamentos e das Instalações mobiliários do Hospital (funcionamento, aparência, Manutenção De Equipamentos e Mobiliário 3 Agilidade disponibilidade)? Pontualidade e agilidade em resposta a alguma solicitação de serviço corretivo? serviços 3 realiza (agilidade, capacitação, correção do problema)? do serviços de Service Desk / Help desk 3 serviços atendimento (agilidade, empenho em resolver o problema, cortesia, atenção, instrução)? Facilidade de reportar dúvida ou Facilidade Contato de problema (canais de comunicação, sistema de chama, tempo de espera)? sistemas TIC (software) sistemas disponibiliza (desempenho, facilidade de uso, aderência às necessidades do dia-a-dia, confiabilidade) equipamentos de TIC (hardware) equipamentos hardware (velocidade, atualização disponibiliza desempenho, tecnológica, confiabilidade) Coleta de Resíduos serviços serviços de coleta de resíduos (pontualidade, confiabilidade,

13 segregação)? Estoques e Armazenagem serviços de armazenagem (organização, localização, controle)? Farmácia Logísitca Distribuição serviços de Distribuição (pontualidade, qualidade, agilidade)? Farmácia Recepção Atendimento do preenchimento da básicos do paciente? Enfermagem do serviço de Telefonia telefonia (tempo de espera, conhecimento, resolução do chamado)? Estacionamen to serviços do serviço de vallet parking (tempo de espera, cuidado com veículo)? do serviço prestado Lanchonete serviços (qualidade alimentos, sabor, temperatura, apresentação, variedade, agilidade, limpeza)? do serviço prestado Máquinas de Conveniência serviços (qualidade alimentos, variedade, facilidade de utilização)? do serviço prestado Zeladoria serviços (organização, controle, abastecimento de dispensadores)? Mensageria serviço do serviços de mensagería (agilidade, pontualidade, controle)? Ilhas de Impressão serviços serviços de impressão (papel, tinta, velocidade, impressão, nível de 3

14 PÉSSIMO RUIM REGULAR BOM tinta / tonner)? serviços de Reprografia serviços reprografia (agilidade, pontualidade, qualidade da cópia / impressão)? Efetividade serviços de Monitoramento (qualidade equipamentos, qualidade das serviços de imagens, facilidade de manuseio Segurança monitoramento do sistema de imagens, CFTV agilidade na identificação de riscos) serviços de Acesso e Ponto Efetividade serviços de acesso e ponto (facilidade de acesso, agilidade, acuracidade do ponto)? Segurança / RH..3 Índice de Técnica IQT O Índice de Técnica IQT, será apurado de acordo com a medição seguintes indicadores: Nota de Satisfação Grupo Peso Item Avaliaçao Forma de Medição 3 4 Limpeza 3 Cumprimento do Plano de Limpeza. O Plano de limpeza que será entregue antes do início da operação do HOSPITAL pela CONCESSIONÁRIA e validado pelo PODER CONCEDENTE Check-list Amostral Mensal 4 - > 99% de 3 - > 98% - > 95% - <= 95% 4

15 deverá conter pelo menos o cronograma de limpeza de cada setor do HOSPITAL com a quantidade e periodicidade de limpezas. referente ao serviço de limpeza das áreas. A qualidade será verificada in loco por profissional capacitado do VERIFICADOR INDEPENDENTE e deverá seguir os requerimentos especifica no Anexo 6 - Especificações Mínimas Quantidade calórica / gramatura / variedade / qualidade (sabor, temperatura, apresentação) conforme especificado no Anexo 6 - Especificações Mínimas. Serviço de Nutrição e 3 Dietética Exame microbiológico. Pacientes e acompanhantes servi 3 conforme política especificada no Anexo 6 - Especificações Mínimas. Eventos graves relata no mês (roubos, furtos, saída de paciente internado sem permissão, entrada de Segurança 3 pessoa sem permissão) Ocupação postos de trabalho / realização das rondas conforme especificado no Anexo 6 - Especificações Mínimas. Lavanderia e Rouparia 3 Índice de falta de enxoval. Check-list Amostral Mensal Check-list Amostral Mensal Laudo sob demanda (Mensal) Check-list Amostral (Mensal) Relatório Diário Check-list Amostral (Mensal) Relatório Diário 4 - > 99% de 3 - > 98% - > 95% - <= 950% 4 acima de 95% com 4 itens atendi 3 acima de 90% com 3 itens atendi acima de 80% com itens atendi abaixo de 80% com itens atendido 4 Exame Negativo Exame Positivo 3 - > 90% - > 80% - <= 80% 4 0 eventos 3 até evento até eventos 3 ou mais eventos 3 - > 90% - > 80% - <= 80% 4 nenhuma falta 3 até 5% leitos com falta até 0% leitos com falta acima de 0% 5

16 leitos com falta do serviço de lavagem. Cumprimento do Plano de Manutenção Preventiva Instalações / Equipamentos de Alta Criticidade para a qualidade de atendimento: Elevadores, Ar Condicionado / Geradores / Instalação de Gases Medicinais.. O Plano de manutenção preventiva que será entregue antes do início da operação do HOSPITAL pela CONCESSIONÁRIA e validado pelo PODER CONCEDENTE Manutenção deverá conter pelo menos a lista de 3 Predial itens, periodicidade e atividades mínimas a serem realizadas. Cumprimento do Plano de Manutenção Preventiva Demais Instalações e Equipamentos. Ordens de Manutenção Corretivas 3 Atendidas no Prazo. Nível de implantação / utilização do sistema. Requerimentos, integrações e TIC (software) outras especificaões conforme especificado no Anexo 6 - Especificações Mínimas. Check-list Amostral Mensal Manutenção Manutenção Manutenção Checklist Trimestral 4 acima de 95% de aceitação 3 acima de 90% de aceitação acima de 80% de aceitação abaixo de 80% de aceitação 4 - > 99% de 3 - > 98% de - > 95% de - <= 95% de 4 > 95% de 3 - > 90% - > 80% - <= 80% 3 - > 90% de - > 80% de - <= 80% de 4 - > 95% requerimentos em uso 3 - > 90% requerimentos em uso - > 80% requerimentos em uso - <= 80% requerimentos em uso 6

17 Service Desk / Help desk Manutenção De Equipamentos e Mobiliário Coleta de Resíduos Tempo de atendimento (chamadas atendidas em até minuto) Chama Resolvi no Prazo Cumprimento do Plano de Manutenção Preventiva. Equipamentos de Alta Criticidade para a qualidade de atendimento: Cumprimento do Plano de Manutenção Preventiva. Demais equipamentos e mobiliário. 3 Ordens de Manutenção Corretivas Atendidas no Prazo Especificação de Equipamentos e mobiliários conforme amostra aprovada 3 de acordo com processo especificado no Anexo 6 - Especificações Mínimas Pontualidade da coleta Gestão de Chama Gestão de Chama Manutenção Manutenção Manutenção / Gestão de Chama Check-list Trimestral Relatório Mensal 4 Acima de 98% de chamadas 3 acima de 95%de chamadas acima de 85% de chamadas abaixo de 85% de chamadas 3 - > 90% de - > 80% de - <= 80% de 4 - > 99% de 3 - > 98% de - > 95% de - <= 95% de 4 > 95% de 3 - > 90% de - > 80% de - <= 80% de 3 - > 90% de - > 80% de - <= 80% de 3 - > 90% de - > 80% de - <= 80% 4 acima de 99% de acuracidade 3 acima de 97% acima de 95% abaixo de 95% 7

18 Recepção Tempo de atendimento médio Pedi atendi no prazo e completos Estoques e Logísitca Nível de acuracidade do estoque (em R$) Telefonia Tempo de atendimento (chamadas atendidas em até minuto) Estacionamen Quantidade de avarias / reclamações to procedentes (ex.: furtos) Mensageria Pedi atendi no prazo e completos Reprografia Pedi atendi no prazo e completos CFTV e guarda de imagens Patrimônio Cadastramento de itens em sistema Gestão Hospitalar Gestão Hospitalar Inventário trimestral Telefonia Relatório mensal Gestão de Documentos Gestão de Chama Checklist Mensal Gestão de Patrimônio 4 abaixo de 5 min 3 Abaixo de 7 min Abaixo de 0 min Acima de 0 min 4 Acima de 98% de chamadas 3 acima de 95% acima de 85% abaixo de 85% 4 acima de 99% de acuracidade 3 acima de 97% acima de 95% abaixo de 95% 4 Acima de 98% de chamadas 3 acima de 95% acima de 85% abaixo de 85% 4 0 ocorrências 3 até ocorrências até 5 ocorrências acima de 5 ocorrências 4 Acima de 98% de chamadas 3 acima de 95% acima de 85% abaixo de 85% 4 Acima de 98% de chamadas 3 acima de 95% acima de 85% abaixo de 85% 4 Possui imagem arquivada Não possui imagem arquivada 4 acima de 99% de acuracidade 3 acima de 97% acima de 95% abaixo de 95% 8

19 3 ÍNDICE DE CONFORMIDADE O Índice de Conformidade foi elaborado para retratar a conformidade SERVIÇOS de acordo com as orbigações e normas a serem cumpridas. Ele é obtido através de indicadores:. Conformidade de Normas (CN);. Conformidade de Relatórios (CR). 3. Procedimento de Avaliação A mensuração do Índice de Conformidade é feita de acordo com a seguinte fórmula: IC = (CN+CR) / O valor de cada indicador é obtido pela multiplicação das notas de to os itens que integram seu cálculo. As notas para os itens são binárias, ou seja, caso a CONCESSIONÁRIA apresente o documento, certificado ou relatório exigido, a nota será equivalente a (um), caso contrário a nota será equivalente a 0 (zero). A nota de cada um (dois) indicadores é dada pela média aritimética de seus respectivos grupos, os quais por sua vez são obti através da média aritimética de seus respectivos itens. De acordo com a nota final será definido o índice de desempenho final relacionado à conformidade, conforme tabela abaixo: Índice de Conformidade (IC) Índice de Desempenho referente ao IC > 3,0,00 >,5 0,75 >,0 0,50 >,5 0,5 9

20 <=,5 0,00 3. Indicadores 3.. Indicador Conformidade de Normas Este indicador avalia a conformidade em relação às exigências de normas e alvarás de funcionamento diversos serviços, equipamentos, sistemas e outros existentes no HOSPITAL. Grupo Item Procedimento de avaliação Laudo técnico apresentando a Água e esgoto água e conformidade com a Legislação e esgoto com os parâmetros de qualidade recomenda Gases Medicinais Laudo técnico apresentando a oxigênio / óxido conformidade com a Legislação e nitroso / de ar / com os parâmetros de qualidade vácuo recomenda comprimido Apólice de seguro do HOSPITAL, Gerenciamento instalações e ativos, coberto 00% de riscos e Apólice de seguro do tempo para as coberturas seguros mínimas exigidas Serviço de Alvará Alvará de Inspeção Sanitária Nutrição e Termo de Responsabilidade Técnica Termo de Dietética emitido pelo Conselho Regional de Responsabilidade Nutrição Lanchonete Alvará Alvará de Inspeção Sanitária Frequência de Avaliação Trimestral Trimestral Anual Conforme legislação Conforme legislação Conforme legislação 0

21 Certificação ISO 900 Certificação ISO 400 Controle de Pragas Laudo Técnico Gerenciamento de resíduos Documentação Bombeiros Certidão de Inspeção Ar Condicionado Laudo Técnico Comprovação de certificação emitida por entidade competente Comprovação de certificação emitida por entidade competente Laudo técnico confirmando a realização serviços no período Comprovação de cadastro na SLU ou outro documento que comprove a correta dispensação resíduos Obtenção de certidão de das normas de Segurança: Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CBMMG), Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG). Formação e treinamento da brigada de incêndio e elaboração do plano de fuga / emergência Apresentação de laudo técnico aprovando a qualidade do sistema de ar condicionado (filtros, tubulaçoes, etc) Anual (a partir do 3º ano de operação do HOSPITAL) Anual (a partir do 3º ano de operação do HOSPITAL) Trimestral Anual Conforme legislação Trimestral 3.. Indicador Conformidade de Relatórios Este indicador avalia a conformidade em relação às exigências solicitadas na prestação respectivos serviços: Grupo Item Procedimento de avaliação Práticas de Apresentação de políticas de Água e esgoto conservação e uso conservação de água e uso eficiente, Frequência de Avaliação Semestral

22 eficiente Práticas de Energia conservação e uso eficiente Limpeza Plano de Limpeza Estacionamento Relatório de Ocorrências Seguros Plano de Mitigação Segurança Relatório de Ocorrências Plano de Manutenção manutenção preventiva TIC () Relatório de Controle bem como os resulta alcança. Apresentação de políticas de conservação de energia e uso eficiente, bem como os resulta alcança Relatório contendo o plano de limpeza detalhado de cada setor do Hospital, incluindo cronograma de atividades, com horários e periodicidade conforme requerimentos mínimos especifica no Anexo 6 - Especificações Mínimas Relatório sobre operação do estacionamento entregue no prazo e com as informações mínimas solicitadas Elaboração e adoção do plano de mitigação gerado a partir do trabalho de gerenciamento de riscos Relatório apresentando as ocorrências e suas resoluções (livro de ocorrência) Relatório apresentando o plano de manutenção preventiva (predial e de equipamentos e mobiliários) Relatório de gestão de TIC contendo: Mensuração do desempenho servidores (tráfego, consumo de memória, processamento e armazenagem); Mensuração do desempenho do sistema e da rede; Tráfego nos servidores e logs de acesso Semestral Semestral Mensal Anual Mensal Anual Trimestral

23 Disponibilidade ; Relatório de gestão de chama contendo análise sobre os chama Service Desk / Help Desk Relatório de Controle abertos (tendências, causas, relevância, re-incidência) bem como Trimestral plano de ação para minização de chama Manual de Boas Práticas Manual de Boas Práticas apresentando políticas e procedimentos para execução Anual serviços. Relatório apresentando o detalhamento do resultado de cada Relatório do Índice de Desempenho indicador e cálculo final do ID. Neste relatório deve ser apresentado o plano de melhorias para recuperação Trimestral de indicadores abaixo da nota máxima. 3

24 4 ÍNDICE DE DISPONIBILIDADE O Índice de Disponibilidade (IDP) foi elaborado para retratar a disponibilidade da infraestrutura para o adequado atendimento USUÁRIOS. A avaliação da disponibilidade é feita em relação a quatro dimensões: utilidades, estruturas gerais, leitos e tecnologia. A avaliação de disponibilidade de cada dimensão gera um indicador de disponibilidade correspondente. Para cada dimensão foram defini itens específicos, que devem ter a sua disponibilidade mensurada periodicamente. O Índice de Disponibilidade é formado por quatro indicadores:. Disponibilidade de Utilidades (DU) - Energia, água, gases. Disponibilidade de Estruturas Gerais (DE) - Infraestrutura Predial e de Equipamentos 3. Disponibilidade Atendimento (DA) - Leitos de atendimento aos pacientes 4. Disponibilidade Tecnologia (DT) Hardware e Software 4. Procedimento de Avaliação Cada um indicadores receberá uma nota, na escala de (um) a 4 (quatro), que será a média aritimética de seus respectivos grupos, os quais serão calcula com base na média aritiméticas de seus respectivos itens, cuja avaliação estará baseada na seguinte tabela: Conceito Bom / Ótimo Regular Ruim Péssimo Nota 4 (Cinco) 3 (Três) (Dois) (Um) Portanto, o Índice de Disponibilidade será representado por um número de 0 a que será obtido pelo resultado da seguinte fórmula aplicado na tabela abaixo: IDP = (DU + DE + DA + DT) / 4 4

25 PÉSSIMO RUIM REGULAR BOM Índice de Disponibilidade (IDP) Índice de Desempenho referente ao IDP > 3,0,00 >,5 0,75 >,0 0,50 >,5 0,5 <=,5 0, Disponibilidade de Utilidades (DU) O Índice de Disponibilidade de Utilidades (DU), será apurado de acordo com a medição seguintes indicadores: Nota de Satisfação Grupo Peso Item Avaliaçao Forma de Medição Água Disponibilidade de água em condições adequadas de uso Energia Disponibilidade de energia em condições adequadas de uso Gases Medicinais Disponibilidade de Oxigênio Relatório Mensal Relatório Mensal Relatório Mensal > 99,5% de disponibilidade (abaixo de 4 horas de falta / mês) 3 - > 98% (abaixo de 4 horas de falta / mês) - > 95% (abaixo de horas de falta / mês) - <= 95% 4 - > 99,5% de disponibilidade (abaixo de 4 horas de falta / mês) 3 - > 98% (abaixo de 4 horas de falta / mês) - > 95% (abaixo de horas de falta / mês) - <= 95% 4 - > 99,5% de disponibilidade (abaixo de 4 horas de falta / mês) 5

26 PÉSSIMO RUIM REGULAR BOM Disponibilidade de Óxido Nitroso 3 Disponibilidade de Ar comprimido 4 Disponibilidade de Vácuo Relatório Mensal Relatório Mensal Relatório Mensal 3 - > 98% (abaixo de 4 horas de falta / mês) - > 95% (abaixo de horas de falta / mês) - <= 95% 4 - > 99,5% de disponibilidade (abaixo de 4 horas de falta / mês) 3 - > 98% (abaixo de 4 horas de falta / mês) - > 95% (abaixo de horas de falta / mês) - <= 95% 4 - > 99,5% de disponibilidade (abaixo de 4 horas de falta / mês) 3 - > 98% (abaixo de 4 horas de falta / mês) - > 95% (abaixo de horas de falta / mês) - <= 95% 4 - > 99,5% de disponibilidade (abaixo de 4 horas de falta / mês) 3 - > 98% (abaixo de 4 horas de falta / mês) - > 95% (abaixo de horas de falta / mês) - <= 95% 4.. Disponibilidade de Estruturas Gerais (DE) O Índice de Disponibilidade de Estruturas Gerais (DE), será apurado de acordo com a medição seguintes indicadores: Nota de Satisfação Grupo Peso Item Avaliaçao Forma de Medição 3 4 6

27 Recursos Humanos 3 Disponilidade do número mínimo de funcionários estipula para cada serviço (Média mensal de funcionários dia real / Média mensal de funcionários dia estipulada) Controle de Ponto disponibilidade em horas 3 - > 90% - > 85% - <= 80% Ar Condicionado Disponibilidade de ar condicionado em condições adequadas de uso. Nota: o total de horas é dado pela quantidade de dias do mês x 4 horas/dia Disponilidade de elevadores (Total de Automação Predial disponibilidade (abaixo de horas de falta / mês) 3 - > 90% - > 85% - <= 80% Elevadores Horas de Funcionamento Real / Total de Horas de Funcionamento Estipulada). Nota: o total de horas é dado pela quantidade de elevadores x 4 horas/dia x dias do mês Automação Predial disponibilidade em horas 3 - > 90% - > 85% - <= 80% Equipamentos Disponibilidade de equipamentos em perfeitas condições e dentro do prazo de validade Checklist Amostral Mensal Mobiliários Disponibilidade de mobiliários em perfeitas condições e dentro do prazo de validade Checklist Amostral Mensal Disponibilidade de equipamentos Combate à Incêndio (Hidrantes, Sprinklers, Extintores, Mangueiras de Incêndio, Sensores e Sinalizadores) em perfeitas condições e Checklist Amostral Mensal dentro do prazo de validade Disponilidade das câmaras instaladas CFTV (Total de Horas de Funcionamento Real / Total de Horas de Funcionamento Estipulada). Nota: o total de horas é dado pela quantidade de câmeras x 4 horas/dia x dias do mês Monitoramento disponibilidade em horas 3 - > 90% - > 85% - <= 80% Disponilidade das catracas instaladas (Total de Horas de Funcionamento Real Controle de disponibilidade em horas 3 - > 90% 7

28 PÉSSIMO RUIM REGULAR BOM / Total de Horas de Funcionamento Estipulada). Nota: o total de horas é Ponto - > 85% - <= 80% dado pela quantidade de catracas x 4 horas/dia x dias do mês Disponilidade de chancelas (Total de Estacionamen to Horas de Funcionamento Real / Total de Horas de Funcionamento Estipulada). Nota: o total de horas é dado pela quantidade de chancelas x 4 horas/dia x dias do mês Gestão do Estacionamento disponibilidade em horas 3 - > 90% - > 85% - <= 80% 4..3 Disponibilidade de Atendimento (DA) O Índice de Disponibilidade de Disponibilidade de Atendimento (DA), será apurado de acordo com a medição seguintes indicadores: Nota de Satisfação Grupo Peso Item Avaliaçao Forma de Medição 3 4 Disponibilidade / funcionamento Leitos 4 leitos em perfeitas condições de atendimento. (Total Leitos Disponíveis / Total de Leitos Totais). Nota: um leito é considerado disponível caso o mesmo fique disponível acima de 0 horas por Checklist Diário 4 - > 98% de disponibilidade leitos 3 - > 95% - > 90% - <= 85% dia Portarias / Recepção 3 Disponibilidade / funcionamento das portarias /recepções em perfeitas condições de atendimento. (Total de Horas de disponibilidade Real / Total de Horas de disponibilidade Estipulada). Checklist Diário disponibilidade em horas 3 - > 90% - > 85% - <= 80% 8

Anexo 6 Sistema de Mensuração de Desempenho

Anexo 6 Sistema de Mensuração de Desempenho Anexo 6 Mensuração de Desempenho SUMÁRIO ÍNDICE DE DESEMPENHO (ID)... 3. Considerações Gerais... 3. Procedimento de Avaliação... 4.. Procedimento de Avaliação no início da operação... 6. Períodos de Medições

Leia mais

Anexo 4 Apêndice 1 SISTEMA DE MENSURAÇÃO DE DESEMPENHO

Anexo 4 Apêndice 1 SISTEMA DE MENSURAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO DO CONTRATO Anexo 4 Apêndice SISTEMA DE MENSURAÇÃO DE DESEMPENHO Dezembro 0 . ÍNDICE DE DESEMPENHO (ID) A avaliação do desempenho gerencial e operacional da CONCESSIONÁRIA será realizada através

Leia mais

Anexo 4 Apêndice 1 SISTEMA DE MENSURAÇÃO DE DESEMPENHO

Anexo 4 Apêndice 1 SISTEMA DE MENSURAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO DO CONTRATO Anexo 4 Apêndice SISTEMA DE MENSURAÇÃO DE DESEMPENHO . ÍNDICE DE DESEMPENHO (ID) Dezembro 0 A avaliação do desempenho gerencial e operacional da CONCESSIONÁRIA será realizada através

Leia mais

ANEXO VIII SISTEMA DE MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO

ANEXO VIII SISTEMA DE MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ANEXO VIII SISTEMA DE MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ANEXO VIII SISTEMA DE MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO p. 1 / 19 Sumário Sumário... 2 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ÍNDICE DE CUMPRIMENTO DE MARCOS - ICM... 5 2.1. Procedimento

Leia mais

ANEXO 9 SISTEMA DE DESEMPENHO

ANEXO 9 SISTEMA DE DESEMPENHO ANEXO 9 SISTEMA DE DESEMPENHO 1 O presente Anexo tem como objetivo definir os critérios, indicadores, fórmulas e parâmetros definidores da qualidade dos serviços prestados pela CONCESSIONÁRIA, na forma

Leia mais

ANEXO 8 SISTEMA DE DESEMPENHO

ANEXO 8 SISTEMA DE DESEMPENHO ANEXO 8 SISTEMA DE DESEMPENHO 1 O presente Anexo tem como objetivo definir os critérios, indicadores, fórmulas e parâmetros definidores da qualidade dos SERVIÇOS prestados pela CONCESSIONÁRIA, além de

Leia mais

ANEXO VI INDICADORES DE DESEMPENHO

ANEXO VI INDICADORES DE DESEMPENHO ANEXO VI INDICADORES DE DESEMPENHO 1 SUMÁRIO 1 ÍNDICE DE EFICIÊNCIA (IEF)... 3 1.1 Sistema de Mensuração do Desempenho... 3 2 COMPOSIÇÃO DO ÍNDICE DE QUALIDADE (IQ)... 6 3 COMPOSIÇÃO DO ÍNDICE DE DISPONIBILIDADE

Leia mais

ANEXO DO CONTRATO. Apêndice 3.1 do Anexo 3 INDICADORES DE DESEMPENHO

ANEXO DO CONTRATO. Apêndice 3.1 do Anexo 3 INDICADORES DE DESEMPENHO ANEXO DO CONTRATO Apêndice 3.1 do Anexo 3 INDICADORES DE DESEMPENHO Maio - 2013 1 Apêndice 3.1 Indicadores de Desempenho Índice 1 Considerações Gerais... 3 2 Especificações dos Indicadores de Desempenho...

Leia mais

Anexo III MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA

Anexo III MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA ANEXO DO EDITAL Anexo III MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA Outubro - 2012 Anexo III MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA INTRODUÇÃO O presente ANEXO tem como

Leia mais

ANEXO VII PROJETO DE QUALIFICAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE BELO HORIZONTE

ANEXO VII PROJETO DE QUALIFICAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE BELO HORIZONTE ANEXO VII PROJETO DE QUALIFICAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE BELO HORIZONTE SISTEMA DE MENSURAÇÃO DE DESEMPENHO E CÁLCULO DA CONTRAPRESTAÇÃO PÚBLICA 1 Índice 1 GLOSSÁRIO 3 2 ESTRUTURA

Leia mais

Anexo VII - Sistema de Mensuração de Desempenho e Cálculo da Contraprestação Pública

Anexo VII - Sistema de Mensuração de Desempenho e Cálculo da Contraprestação Pública Anexo VII - Sistema de Mensuração de Desempenho e Cálculo da Contraprestação Pública 2011 B E L O H O R I Z O N T E, J U L H O 2 0 1 1 2 Índice 1 GLOSSÁRIO 4 2 ESTRUTURA BÁSICA DO SISTEMA DE INDICADORES

Leia mais

HOTELARIA HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário

HOTELARIA HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário HOTELARIA HOSPITALAR Sumário HOTELARIA HOSPITALAR Definição Atribuições Organograma da Hotelaria Hospitalar Diretor de Hotelaria Hospitalar (descrição de cargo) Ouvidoria ou Ombudsman Código de Ética do

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO PAULO SECRETARIA DE SAÚDE ANEXO 8 DO CONTRATO INDICADORES DE DESEMPENHO E CÁLCULO DE CONTRAPRESTAÇÃO MENSAL EFETIVA

PREFEITURA DE SÃO PAULO SECRETARIA DE SAÚDE ANEXO 8 DO CONTRATO INDICADORES DE DESEMPENHO E CÁLCULO DE CONTRAPRESTAÇÃO MENSAL EFETIVA ANEXO 8 DO CONTRATO INDICADORES DE DESEMPENHO E CÁLCULO DE CONTRAPRESTAÇÃO MENSAL EFETIVA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. CÁLCULO DO VALOR DA CONTRAPRESTAÇÃO MENSAL EFETIVA.... 2 3. AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

Leia mais

ANEXO VI SISTEMA DE MENSURAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO VI SISTEMA DE MENSURAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO VI SISTEMA DE MENSURAÇÃO DE DESEMPENHO Índice de Desempenho A mensuração do desempenho financeiro, gerencial, operacional e legal da CONCESSIONÁRIA é realizada através do Índice de Desempenho. Este

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

ANEXO SISTEMA DE MENSURAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO SISTEMA DE MENSURAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO SISTEMA DE MENSURAÇÃO DE DESEMPENHO Índice de Desempenho A mensuração do desempenho financeiro, gerencial, operacional e legal da CONCESSIONÁRIA é realizada através do Índice de Desempenho. Este

Leia mais

Manual de Relacionamento com Fornecedor

Manual de Relacionamento com Fornecedor 1 Manual de Relacionamento com Fornecedor 2 I Introdução... 3 1. Missão, visão e valores... 4 II Relacionamento com Fornecedor... 5 1. Qualificação... 6 2. Transporte... 6 3. Veículo... 6 4. Entrega/Recebimento...

Leia mais

Anexo III. Nível de Qualidade dos Serviços Metodologia de Avaliação

Anexo III. Nível de Qualidade dos Serviços Metodologia de Avaliação 1 de 14 Anexo III Nível de Qualidade dos Serviços Metodologia de Avaliação 2 de 14 ÍNDICE 1 OBJETIVO DO DOCUMENTO... 3 2 REFERENCIAL TEÓRICO PARA DEFINIÇÃO DAS MÉTRICAS... 3 3 SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC

CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC PLANO DE OUTORGA ANEXO V CADERNO DE ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES E APARELHAMENTO Abril/2014 Sumário

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

Procedimento de Segurança para Terceiros

Procedimento de Segurança para Terceiros Página 1 de 6 1. OBJETIVO Sistematizar as atividades dos prestadores de serviços, nos aspectos que impactam na segurança do trabalho de forma a atender à legislação, assim como, preservar a integridade

Leia mais

ANEXO 8. Quadro de Indicadores de Desempenho

ANEXO 8. Quadro de Indicadores de Desempenho ANEXO 8 Quadro de Indicadores de Desempenho 1 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE O Sistema de Gestão da Qualidade a ser implantado tem por finalidades: 1. Estimular a melhoria contínua da qualidade dos

Leia mais

ANEXO III. Metas e Indicadores de Desempenho

ANEXO III. Metas e Indicadores de Desempenho ANEXO III Metas e Indicadores de Desempenho 1 SUMÁRIO 1. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 3 2. ÍNDICE DE DESEMPENHO... 3 2.1. PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO... 6 2.2. PERÍODOS DE MEDIÇÕES E PRAZOS... 12 3. DESEMPENHO

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

ANEXO 5. Detalhamento dos serviços sob responsabilidade da Concessionária

ANEXO 5. Detalhamento dos serviços sob responsabilidade da Concessionária ANEXO 5 Detalhamento dos serviços sob responsabilidade da Concessionária 1 1. INTRODUÇÃO O presente anexo busca delimitar e detalhar as atividades e serviços sob responsabilidade da CONCESSIONÁRIA no âmbito

Leia mais

APÊNDICE V SISTEMAS DE APOIO À GESTÃO

APÊNDICE V SISTEMAS DE APOIO À GESTÃO APÊNDICE V SISTEMAS DE APOIO À GESTÃO 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 SISTEMA DE GERENCIAMENTO DO ATENDIMENTO... 3 2.1 Objeto... 3 2.2 Descrição Referencial do Sistema... 3 2.2.1 Diretrizes para acessibilidade

Leia mais

FAC. 01 MANUTENÇÃO E INFRAESTRUTURA

FAC. 01 MANUTENÇÃO E INFRAESTRUTURA 1 de 26 MANUTENÇÃO E INFRAESTRUTURA MACROPROCESSO INFRAESTRUTURA PROCESSO MANUTENÇÃO E INFRAESTRUTURA MANUTENÇÃO E INFRAESTRUTURA 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4.

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

RELATÓRIO DO ICP 10/2009 (HOSPITAL MATERNO INFANTIL)

RELATÓRIO DO ICP 10/2009 (HOSPITAL MATERNO INFANTIL) RELATÓRIO DO ICP 10/2009 (HOSPITAL MATERNO INFANTIL) OBJETIVO DO ICP : Implantação do programa de saúde ocupacional (Decreto 5.757/2003) para os servidores do Hospital Materno Infantil. Conquistas de 2010

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre. Anexo IV Sistema de Controle da Qualidade do Serviço de Transporte Coletivo por Ônibus de Porto Alegre

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre. Anexo IV Sistema de Controle da Qualidade do Serviço de Transporte Coletivo por Ônibus de Porto Alegre Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo IV Sistema de Controle da Qualidade do Serviço de Transporte Coletivo por Ônibus de Porto Alegre ANEXO IV SISTEMA DE CONTROLE DA QUALIDADE DO SERVIÇO DE

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

Valor total de compras de materiais e serviços da Companhia em relação ao faturamento bruto Valor total de estoques da Companhia em relação ao

Valor total de compras de materiais e serviços da Companhia em relação ao faturamento bruto Valor total de estoques da Companhia em relação ao Valor total de compras de materiais e serviços da Companhia em relação ao faturamento bruto Valor total de estoques da Companhia em relação ao faturamento bruto Valor total de compras de materiais/serviços

Leia mais

ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO

ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO 108 LAUDO TÉCNICO PREVISTO NO DECRETO Nº 6.795 DE 16 DE MARÇO DE 2009 LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTÁDIO 1.1. Nome do

Leia mais

PORTFÓLIO www.imatec.com.br

PORTFÓLIO www.imatec.com.br História A IMATEC foi estabelecida em 1993 com o objetivo de atuar nos segmentos de microfilmagem, digitalização e guarda de documentos e informações, hoje conta com 300 colaboradores, têm em seu quadro,

Leia mais

WebSite da Vigilância Sanitária

WebSite da Vigilância Sanitária Página 1 de 5 SERVIÇOS MAIS ACESSADOS: Selecione um Serviço Página Principal Quem somos Regularize sua Empresa Roteiros Denúncias e Reclamações Vigilância e Fiscalização Sanitária em Indústrias de Alimentos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC DEFINIÇÕES GERENCIAR Ato ou efeito de manter a integridade física e funcional para algo proposta

Leia mais

Caderno de Encargos Procedimento de Aquisição da PPP do Novo Colégio Militar de Manaus

Caderno de Encargos Procedimento de Aquisição da PPP do Novo Colégio Militar de Manaus Caderno de Encargos Procedimento de Aquisição da PPP do Novo Colégio Militar de Manaus SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. ORIENTAÇÕES GERAIS... 4 a. ELABORAÇÃO DO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES... 5 b. HOMOLOGAÇÃO

Leia mais

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Coordenadoria de Manutenção Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Sumário 1. INTRODUÇÃO 3 2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E FUNCIONAL 3 3. ORGANOGRAMA: 3 4. ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS

Leia mais

9 Plano de Marketing 9.1 Estratégias de Produto

9 Plano de Marketing 9.1 Estratégias de Produto 1 Sumário Executivo (O que é o plano de negócios) 2 Agradecimentos 3 Dedicatória 4 Sumário ( tópicos e suas respectivas páginas) 5 Administrativo - Introdução (O que foi feito no módulo administrativo)

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE REQUISITOS LEGAIS SGA E SGSSO SYMLEX

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE REQUISITOS LEGAIS SGA E SGSSO SYMLEX SISTEMA DE MONITORAMENTO DE REQUISITOS LEGAIS SGA E SGSSO SYMLEX Manual do Usuário Março/2011 V7 SISTEMA DE MONITORAMENTO AOS REQUISITOS LEGAIS SGA E SGSSO DO SYMLEX MANUAL DE USUÁRIO A KEYASSOCIADOS atua

Leia mais

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística Suprimentos e Logística Pág. 1 de 14 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 2 ABRANGÊNCIA / NÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO... 2 3 SIGLAS UTILIZADAS... 2 4 GLOSSÁRIO / CONCEITOS... 2 5 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA... 3 6 CONTEÚDO...

Leia mais

Acordo de Nível de Serviço

Acordo de Nível de Serviço VERSÃO 20120815 Acordo de Nível de Serviço Gestão Compartilhada Página. 2 de 13 Sumário PARTE 1... 3 1 INTRODUÇÃO... 3 2 DEFINIÇÕES... 4 2.1 GESTÃO COMPARTILHADA... 4 2.2 PROVEDOR... 4 2.3 CLIENTE... 4

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO SOBRE O SERVIÇO DE SUPORTE TÉCNICO DE TI

PESQUISA DE SATISFAÇÃO SOBRE O SERVIÇO DE SUPORTE TÉCNICO DE TI PESQUISA DE SATISFAÇÃO SOBRE O SERVIÇO DE SUPORTE TÉCNICO DE TI APRESENTAÇÃO Este documento fornece um resumo do relatório da pesquisa de satisfação que foi realizada no Tribunal de Justiça de Pernambuco

Leia mais

ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS

ANEXO II AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS EQUIPE DE DESINSTITCUIONALIZAÇÃO - MODALIDADE: VALOR DO PROJETO: 1. DADOS

Leia mais

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores

Leia mais

INSPEÇÃO PREDIAL Eng Flávia Zoéga Andreatta Pujadas out/2008

INSPEÇÃO PREDIAL Eng Flávia Zoéga Andreatta Pujadas out/2008 INSPEÇÃO PREDIAL Eng Flávia Zoéga Andreatta Pujadas out/2008 INSPEÇÃ ÇÃO O PREDIAL Norma de Inspeção Predial 2007 IBAPE/SP É a avaliação isolada ou combinada das condições técnicas técnicas, de uso e de

Leia mais

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 ISO 9001: 2008 Princípios Básicos 4.2 Controle de Documentos e Registros 5.2 Foco no Cliente 5.3 Política da Qualidade

Leia mais

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E AMBIENTAL MEDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 E Ótica; Creches; Instituições de longa permanência para idosos; Instituições que prestem serviços de atenção a pessoas com

Leia mais

ANEXO III METAS DE PRODUÇÃO: POR SERVIÇO. AÇÕES METAS INDICADORES RESULTADOS 1. Recursos Humanos: 1.

ANEXO III METAS DE PRODUÇÃO: POR SERVIÇO. AÇÕES METAS INDICADORES RESULTADOS 1. Recursos Humanos: 1. ANEXO III METAS DE PRODUÇÃO: POR SERVIÇO AÇÕES METAS INDICADORES RESULTADOS 1. Recursos Humanos: 1. 1. 1. Prestar serviços ao CONSAVAP na Manter o sistema funcionando 100% de efetividade no Serviço operante

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

Hospital Metropolitano de Belo Horizonte - Audiência Pública

Hospital Metropolitano de Belo Horizonte - Audiência Pública Hospital Metropolitano de Belo Horizonte - Audiência Pública Setembro de 2010 Agenda O Hospital Metropolitano Abordagem Principais resultados e definições Processo Licitatório Próximos Passos 2 O novo

Leia mais

SEGURANÇA EM TERCEIRIZAÇÃO

SEGURANÇA EM TERCEIRIZAÇÃO SEGURANÇA EM TERCEIRIZAÇÃO Empresa Atuando em todos os seguimentos empresariais, através de equipes de profissionais treinados, executamos os mais variados tipos de trabalho, fornecendo desde a mão de

Leia mais

FARMÁCIAS E DROGARIAS

FARMÁCIAS E DROGARIAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE FARMÁCIAS E DROGARIAS Nome Fantasia: Razão Social: Endereço: Responsável Técnico: CRF: Telefone: CNPJ: Secretaria Municipal de Saúde de Feira de Santana - Av. João Durval

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

Edifício New England Manual do Credenciado

Edifício New England Manual do Credenciado Edifício New England Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos de atendimento.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA Anexo II.6 Especificações do Sistema de Bilhetagem Eletrônica PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 2 CONCEPÇÃO DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA... 2 2.1 Processos

Leia mais

Documento de Requisitos Projeto SisVendas Sistema de Controle de Vendas para Loja de Informática.

Documento de Requisitos Projeto SisVendas Sistema de Controle de Vendas para Loja de Informática. Documento de Requisitos Projeto SisVendas Sistema de Controle de Vendas para Loja de Informática. 1 Introdução 1.1 Propósito O propósito deste documento de especificação de requisitos é definir os requisitos

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 14000 e, com o atual processo de

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes Introdução ao Gerenciamento de Redes O que é Gerenciamento de Redes? O gerenciamento de rede inclui a disponibilização, a integração e a coordenação de elementos de hardware, software e humanos, para monitorar,

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

Auditoria de Sistemas Computacionais. Aula 03. Auditoria de Computadores 03/03/2005. Aula 3. Aula 3. Análise de riscos

Auditoria de Sistemas Computacionais. Aula 03. Auditoria de Computadores 03/03/2005. Aula 3. Aula 3. Análise de riscos Auditoria de Sistemas Computacionais Aula 0 Auditoria de Computadores 1 Análise de riscos A escolha do Ponto de Controle em termos de sua identificação, caracterização e hierarquização implica a tarefa

Leia mais

ANEXO II Plano de Negócios de Referência

ANEXO II Plano de Negócios de Referência ANEXO II Plano de Negócios de Referência i ANEXO II PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA Índice I. SUMÁRIO EXECUTIVO... 2 II. INTRODUÇÃO... 8 III. DESCRIÇÃO DO FASEAMENTO DE INAUGURAÇÃO... 10 IV. FLUXO DE CAIXA

Leia mais

Missão Institucional

Missão Institucional Missão Institucional Prestar assistência de excelência e referência com responsabilidade social, formar recursos humanos e gerar conhecimento, atuando decisivamente na transformação de realidades e no

Leia mais

Anexo 2 Apêndice 3 PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MOBILIÁRIO

Anexo 2 Apêndice 3 PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MOBILIÁRIO ANEXO DO CONTRATO Anexo 2 Apêndice 3 PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MOBILIÁRIO Outubro - 2012 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PROCEDIMENTO PARA GESTÃO DO PARQUE TECNOLÓGICO... 3 3. ORIENTAÇÕES

Leia mais

Edifício Evolution Business Center Manual do Credenciado

Edifício Evolution Business Center Manual do Credenciado Edifício Evolution Business Center Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos

Leia mais

Edifício Centro Empresarial Morumbi Manual do Credenciado

Edifício Centro Empresarial Morumbi Manual do Credenciado Edifício Centro Empresarial Morumbi Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

FICHA MODELO DA SINOPSE DO LAUDO

FICHA MODELO DA SINOPSE DO LAUDO FICHA MODELO DA SINOPSE DO LAUDO A Ficha objetiva apresentação de SINOPSE do laudo, padronizada, a fim de auxiliar a análise e encaminhamento do mesmo para os interessados. Conforme modelo que segue, o

Leia mais

Como Configurar Tabelas Básicas do OASIS (Informações Básicas)

Como Configurar Tabelas Básicas do OASIS (Informações Básicas) Como Configurar Tabelas Básicas do OASIS (Informações Básicas) O OASIS foi desenvolvido de forma parametrizada para poder atender às diversas particularidades de cada usuário. No OASIS também, foi estabelecido

Leia mais

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS 1. Identificação do Estabelecimento Razão Social: Nome Fantasia: CNPJ: Endereço: Bairro: Município: CEP: Fone: Fax: E-mail: Responsável Legal: CPF: Responsável Técnico: CPF: CR : 2. Inspeção Data: Objetivo:

Leia mais

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma empresa no Selo Excelência ABCEM.

Leia mais

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO;

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; Tipo do Serviço: ( ) Próprio ( )terceirizado Nome; Possui Licença sanitária? ( ) SIM ( ) NÃO N /ANO: Há um encarregado do setor

Leia mais

Edifício Crespi II Manual do Credenciado

Edifício Crespi II Manual do Credenciado Edifício Crespi II Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos de atendimento.

Leia mais

MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12

MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12 MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12 PROCEDIMENTOS COMUNS E CONTEÚDO MÍNIMO DE RELATÓRIOS DE INSPEÇÃO NOS ESTABELECIMENTOS FARMACÊUTICOS NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DA RES. GMC Nº 16/09)

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA DOS SISTEMAS DE SDAI E CFTV DA BIBLIOTECA PARQUE ESTADUAL BPE

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA DOS SISTEMAS DE SDAI E CFTV DA BIBLIOTECA PARQUE ESTADUAL BPE TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA DOS SISTEMAS DE SDAI E CFTV DA BIBLIOTECA PARQUE ESTADUAL BPE 1. OBJETO Contratação de empresa especializada em serviços

Leia mais

DO PROGRAMA DE AUTO REGULAMENTAÇÃO DO SETOR DE RELACIONAMENTO PROBARE (CALL CENTER / CONTACT CENTER / HELP DESK / SAC / TELEMARKETING)

DO PROGRAMA DE AUTO REGULAMENTAÇÃO DO SETOR DE RELACIONAMENTO PROBARE (CALL CENTER / CONTACT CENTER / HELP DESK / SAC / TELEMARKETING) NORMA DE MATURIDADE DE GESTÃO DO PROGRAMA DE AUTO REGULAMENTAÇÃO DO SETOR DE RELACIONAMENTO PROBARE (CALL CENTER / CONTACT CENTER / HELP DESK / SAC / TELEMARKETING) Coordenação Gerenciadora ABEMD Associação

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DEPARTAMENTO REGIONAL DE RORAIMA DOCUMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO PROCEDIMENTO

GESTÃO DO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DEPARTAMENTO REGIONAL DE RORAIMA DOCUMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO PROCEDIMENTO PR 20 GESTÃO DO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DEPARTAMENTO REGIONAL DE RORAIMA 18 a EDIÇÃO: 10/11/2014 PÁGINA 01 DE 20 DOCUMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO PROCEDIMENTO 1. Objetivo Este procedimento estabelece os requisitos

Leia mais

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS)

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) 1 DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) DROGARIAS (CONFORME LEI FEDERAL 5991/73, RESOLUÇÃO RDC ANVISA 44/09 E OUTRAS PERTINENTES)

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NAS ILPI

AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NAS ILPI AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NAS ILPI Sylvia Elisabeth Sanner - Nutricionista PMSP SMS - CRSSul STS Santo Amaro/Cidade Ademar SUVIS Santo Amaro/Cidade Ademar Vigilância Sanitária VIGILÂNCIA SANITÁRIA Divide-se

Leia mais

Apólice de Seguros Incêndio (Revisão das Coberturas)

Apólice de Seguros Incêndio (Revisão das Coberturas) Tabela de e Prazos de Manutenção Item Apólice de s Incêndio (Revisão das Coberturas) Revisar Condições e Importâncias Seguradas. arts. 1.346 e 1348, IX, do Código Civil e art. 13, parágrafo único da Lei

Leia mais

INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS

INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS Para efeito de seleção das categorias que possuem divisão de 1 o, 2 o,3 o, vigoram os seguintes paramentos abaixo listados: 1 o categoria Contrato social acima de R$ 30.000,00

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA CONCESSIONÁRIA PPP PÁTIO VEICULAR INTEGRAL SÃO PAULO

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA CONCESSIONÁRIA PPP PÁTIO VEICULAR INTEGRAL SÃO PAULO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA CONCESSIONÁRIA PPP PÁTIO VEICULAR INTEGRAL SÃO PAULO JANEIRO/2014 i ii ÍNDICE 1 INDRODUÇÃO... 4 2 MODELO DE REMUNERAÇÃO DO PARCEIRO PRIVADO... 4 3 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e Boas Práticas no Ciclo do Sangue

Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e Boas Práticas no Ciclo do Sangue Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e SETEMBRO DE 2014 Assessoria da Garantia da Qualidade Fundação Hemocentro de Brasília

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO Selo de Excelência FLYTOUR

REGULAMENTO TÉCNICO Selo de Excelência FLYTOUR SUMÁRIO 1 CONDIÇÕES GERAIS... 2 2 CONDIÇÕES DE CERTIFICAÇÃO E VISÃO GERAL DO PROCESSO... 3 3 PROCESSO TÉCNICO PARA CONCESSÃO DO SELO... 5 4 PROCESSO TÉCNICO AUDITORIA DOS RESULTADOS... 7 5 RECONHECIMENTO

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE CREDENCIAMENTO E EXPLORAÇÃO DE PÁTIOS REGULADORES DE CAMINHÕES

REGULAMENTO GERAL DE CREDENCIAMENTO E EXPLORAÇÃO DE PÁTIOS REGULADORES DE CAMINHÕES REGULAMENTO GERAL DE CREDENCIAMENTO E EXPLORAÇÃO DE PÁTIOS REGULADORES DE CAMINHÕES Art. 1º - Este Regulamento Geral de Credenciamento e Exploração de Pátios Reguladores de Caminhões tem por finalidade

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 16, de 05/03/07 Plano de Intervenção

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277. Página 1

ANEXO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277. Página 1 ANEXO DA RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277 Página 1 ANEXO I Dimensão Nome da Quantitativo Dimensão de Itens Peso Nota Mínima Programa de Dimensão 1 Melhoria da Qualidade 11 1 70 PMQ Dimensão 2 Dinâmica da

Leia mais