RELATÓRIO DE PROJECTO. sobre WEB APPLICATIONS. realizado na LINK CONSULTING. por. Bruno Manuel Duarte Bento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE PROJECTO. sobre WEB APPLICATIONS. realizado na LINK CONSULTING. por. Bruno Manuel Duarte Bento"

Transcrição

1 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Faculdade de Ciências - Universidade de Lisboa Bloco C6 - Piso 3 - Campo Grande, Lisboa Tel & Fax: RELATÓRIO DE PROJECTO sobre WEB APPLICATIONS realizado na LINK CONSULTING por Bruno Manuel Duarte Bento

2 Universidade de Lisboa Faculdade de Ciências DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Faculdade de Ciências - Universidade de Lisboa Bloco C6 - Piso 3 - Campo Grande, Lisboa Tel & Fax: RELATÓRIO DE PROJECTO sobre WEB APPLICATIONS realizado na LINK CONSULTING por Bruno Manuel Duarte Bento Responsável pela FCUL: Eng. Pedro Antunes Responsável pela LINK CONSULTING : Eng. José Afonso Pires Lisboa, Junho de 2005

3 Agradecimentos Agora que este estágio se encontra concluído, gostaria de deixar algumas palavras de agradecimento às pessoas que tornaram a sua realização possível. Em primeiro lugar, gostaria de agradecer o acompanhamento dado pelo coordenador do projecto Engº João Assunção, pelo Director da Unidade de Portais & Intranets, Engº José Afonso Pires e pelo Professor da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, Pedro Antunes, que tiveram a disponibilidade para rever e dar opiniões sobre o documento. Sem eles, o texto teria muitas mais gralhas do que certamente possui. Gostaria de agradecer aos meus colegas de trabalho deste projecto e também, de um modo geral, a todos os colegas da Unidade de Portais & Intranets, de entre os quais destaco a Drª Cintia Cardoso, o Engº Paulo Monteiro e o Engº Paulo Mateus que contribuíram significativamente para os conhecimentos que hoje possuo. Finalmente, à minha família, um enorme pedido de desculpas por estar tão ausente e não passar, nem de perto nem de longe, o tempo suficiente com eles. É devido a eles que posso ser quem sou e a quem tudo devo. Lisboa, Junho de 2005 Bruno Bento

4 Indíce 1 INTRODUÇÃO APRESENTAÇÃO DO PROJECTO INSTITUIÇÃO LINK ESTRUTURA DO RELATÓRIO RESUMO DO TRABALHO REALIZADO OBJECTIVOS DO PROJECTO E CONTEXTO DO TRABALHO OBJECTIVOS DO PRÉ-PROJECTO OBJECTIVOS DO PROJECTO PLANO INICIAL DO PROJECTO CONTEXTO DO TRABALHO METODOLOGIA E CALENDARIZAÇÃO DO TRABALHO METODOLOGIA DE GESTÃO DE PROJECTOS MODELO DE DESENVOLVIMENTO FASE DE VISÃO FASE DE CONCEPÇÃO FASE DE IMPLEMENTAÇÃO FASE DE TRANSIÇÃO FASE DE OPERAÇÃO ANÁLISE DO RISCO IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS GESTÃO DOS RISCOS RECURSOS ORGANIZAÇÃO E CONTROLO DO PROJECTO RECURSOS DE HARDWARE RECURSOS DE SOFTWARE CALENDARIZAÇÃO FINAL DO TRABALHO TRABALHO REALIZADO TRABALHO REALIZADO NO PRÉ-PROJECTO NA SONAE MCH NO PEP NO EBANKA TRABALHO REALIZADO NO PROJECTO ARQUITECTURA TECNOLÓGICA NET FRAMEWORK E LINGUAGEM C# ARQUITECTURA FÍSICA ARQUITECTURA LÓGICA PLANO DE TESTES TRABALHO REALIZADO POR MIM SUMÁRIO E CONCLUSÕES SUMÁRIO Relatório do Projecto em Engenharia Informática Página 4 de 62

5 Indíce 5.2 CONCLUSÕES GLOSSÁRIO BIBLIOGRAFIA E REFERÊNCIAS ENDEREÇOS WEB LIVROS E DOCUMENTOS ANEXOS ANEXO I MODELO DE DADOS ANEXO II FIGURAS Relatório do Projecto em Engenharia Informática Página 5 de 62

6 1 INTRODUÇÃO Relatório do Projecto em Engenharia Informática Página 6 de 62

7 Introdução Este documento relata o estágio efectuado por mim, aluno da Licenciatura em Informática da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, na empresa link consulting (LINK). Neste capítulo faço a apresentação do estágio, uma descrição da estrutura do relatório e uma pequena apresentação daquilo que fiz durante o estágio. 1.1 APRESENTAÇÃO DO PROJECTO Este projecto visa a integração de alunos da FCUL, que tenham concluído os primeiros quatro anos da Licenciatura em Informática, numa empresa do país, com o objectivo de aí efectuar um Projecto em Engenharia Informática do Curso de especialização profissional em Engenharia da FCUL. A LINK foi uma das empresas que solicitou um estágio à FCUL no qual fui integrado. O estágio desenrolou-se na Unidade de Portais & Intranets (UPI), durante um período de 9 meses, desde 1 de Setembro de 2004 a 31 de Maio de O projecto em causa é para o cliente Sistema Mutimunicipal do rio Lis do Saneamento Integrado (SIMLIS), que pretende que seja construído um Sistema de Informação com o objectivo de fazer a gestão de todo o seu processo de negócio. O SIMLIS é uma empresa concessionária do Sistema Multimunicipal de Saneamento do Lis com vista à recolha, tratamento e rejeição de efluentes dos municípios de Batalha, Leiria, Marinha Grande, Ourém e Porto de Mós. Um projecto de execução SIMLIS pode ser encontrado na Internet em 1.2 INSTITUIÇÃO LINK Como já foi dito o estágio desenrolou-se na LINK, nomeadamente na UPI. Importa referir, de forma resumida, a origem e quais as funções da LINK. A LINK está situada na Av. Duque D Ávila, 23, em Lisboa. Esta empresa teve origem na transformação em estrutura empresarial dos Centros de Transferência de Tecnologia do INESC da área de Informática e Computadores. Estes Centros tinham sido criados em 1991 com base num contrato estabelecido com o PEDIP, no âmbito dos Programas PEDIP. No espírito original do contrato com o PEDIP existia o objectivo de que as actividades dos Centros de Transferência de Tecnologia viessem a ser totalmente suportadas por mecanismos de mercado. Dado ser essa a situação dos Centros da área de Informática e Computadores, no contexto da reorganização das actividades do INESC, decidiram os respectivos sócios efectuar o spin-off destas actividades numa única empresa, que veio a dar origem à LINK, cujo propósito foi procurar desenvolver este património técnico. A LINK, criada em 1999, é uma empresa de consultoria e serviços que intervém nas áreas de consultoria, desenvolvimento e operacionalização de modelos de negócio electrónico e em consultoria e desenvolvimento de infra-estruturas de Telecomunicações, bem como soluções de Comunicações móveis e de Portais de Voz e WAP. A LINK tem como Missão tornar os clientes líderes no alinhamento, integração, eficácia e segurança dos seus processos com as Tecnologias de Informação, através da sua Relatório do Projecto em Engenharia Informática Página 7 de 62

8 Introdução experiência, competência e continua inovação em consultoria e engenharia de sistemas de informação. E como Visão ser reconhecida entre as melhores empresas de consultoria e engenharia no sector das Tecnologias de Informação no país; procurada pelos clientes que têm problemas complexos, pelos profissionais que aspiram a grandes desafios e pelos investidores que pretendem um investimento sólido. Os principais clientes são os seguintes: Figura 1 Principais clientes da LINK. A LINK também aposta na penetração de novos mercados. Figura 2 Novos mercados onde a LINK aposta. Relatório do Projecto em Engenharia Informática Página 8 de 62

9 Introdução 1.3 ESTRUTURA DO RELATÓRIO O primeiro capítulo é constituído pela a Introdução, onde é apresentado o estágio, a apresentação da instituição onde decorreu, a estrutura do relatório e um resumo do trabalho realizado; O segundo capítulo apresenta os Objectivos do Projecto e o plano inicial que foi elaborado para se atingir os mesmos. Adicionalmente desenvolve o Contexto de Trabalho do Projecto, tratando-se no essencial de uma introdução técnica ao tema; No terceiro capítulo é relatada a Metodologia de Trabalho usada no desenvolvimento do mesmo e a respectiva Calendarização; O quarto capítulo apresenta o Trabalho Realizado em fase de pré-projecto, do qual resultou na integração em equipas de projecto e liberdade de autonomia, e na fase de projecto, documentando aquilo que foi feito e quais as ferramentas utilizadas. Apresenta as várias abordagens estudadas para atingir os objectivos definidos e detalha aquela que foi escolhida. Refere também qual a minha colaboração concreta no projecto; O quinto capítulo apresenta um Sumário daquilo que foi feito e adicionalmente relata a Conclusão do Relatório; Por fim, são apresentados o Glossário, a Bibliografia e os Anexos usados. 1.4 RESUMO DO TRABALHO REALIZADO De uma forma breve e sucinta, podemos dividir o estágio em duas fases. Na primeira, com a duração de cerca de 2 meses, para autoformação (com acompanhamento) em novas tecnologias e integração em equipas de projectos para a realização de pequenas tarefas. E a segunda, para a construção da aplicação para gestão de todo o processo de negócio do SIMLIS. Por fim, o último mês de estágio, foi passado a realizar um relatório sobre todo o trabalho efectuado no período de estágio. Relatório do Projecto em Engenharia Informática Página 9 de 62

10 2 OBJECTIVOS DO PROJECTO E CONTEXTO DO TRABALHO Relatório do Projecto em Engenharia Informática Página 10 de 62

11 Objectivos do Projecto e Contexto do Trabalho 2.1 OBJECTIVOS DO PRÉ-PROJECTO Esta secção encarrega-se de apresentar os objectivos da fase de pré-projecto de uma forma resumida. Os objectivos focaram com aspectos tecnológicos bem como os relativos a questões de metodologia de trabalho. Do mencionado anteriormente destacam-se: Aprendizagem da plataforma.net, em particular dos WebServices; Desenvolvimento de competências de programação; Interiorizar a metodologia de desenvolvimento de projectos. Em termos da integração na equipa de projecto, foram definidos os seguintes objectivos: Análise de documentos de requisitos a fim de alcançar o desenvolvimento de componentes; Autonomia na realização de tarefas de desenvolvimento; Realização de testes unitários aos componentes desenvolvidos; Elaboração do manual do utilizador. 2.2 OBJECTIVOS DO PROJECTO Nesta secção serão descritos os objectivos da fase de projecto. Sabe-se que o objectivo principal é o resultado prático do projecto, ou seja, uma aplicação informática útil para o SIMLIS e que siga as especificações efectuadas e aprovadas. Contudo, é importante mencionar outros objectivos que estiveram sempre presentes e que são: A integração numa equipa de projecto; Contacto com a documentação funcional e técnica; Aprofundamento da capacidade de redacção de relatórios; Adquirir experiência profissional. De seguida será efectuada a descrição, de uma forma mais pormenorizada, os principais objectivos deste projecto, no que toca ao aplicativo a implementar. Actualmente os colaboradores do SIMLIS têm a necessidade de aceder a diversa informação díspar e não relacionada, contida nos imensos volumes de processos existentes. Relatório do Projecto em Engenharia Informática Página 11 de 62

12 Objectivos do Projecto e Contexto do Trabalho Por vezes alguns processos podem estar entregues a uma entidade externa por um determinado período de tempo, tornando impossível a sua consulta e mesmo tornando difícil o controlo dos prazos estipulados. Por outro lado, os processos que se encontram no SIMLIS nem sempre se encontram à disposição e em bom estado de conservação ou não se sabe onde estão armazenados, demorando por vezes muito tempo até que se encontrem. Estes problemas são facilmente ultrapassados, com a ajuda de uma Base de Dados Relacional e uma aplicação para gerir a mesma. A solução apresentada tem como objectivo reduzir a circulação do volume de papel em que assentam os processos, diminuir o tempo de apreciação dos processos de constituição de expropriação e ter um registo sobre os contactos efectuados, registo da documentação e controlo de pagamentos, e que sirva de apoio à decisão com base em toda a informação e historial que a Base de Dados disponibiliza. No que toca a aspectos técnicos, a interface da aplicação perante o utilizador é baseada em HTML produzido por ASP.NET. A partir das páginas ASP.NET pode-se aceder a toda a informação armazenada na Base de Dados (SQL Server 2000 SP2 com Reporting Services), bem como efectuar a gestão dos dados. Uma das grandes vantagens de se ter utilizado documentos ASP.NET no sistema WWW é que permite o acesso à informação através de diversos locais e podendo eventualmente aceder com diversos dispositivos. Deste modo, os utilizadores podem aceder à informação a partir de qualquer PC instalado no interior do SIMLIS ou através de um PC externo com ligação à Intranet (caso sejam cumpridos todos os requisitos em termos de configuração de rede e segurança). Com este sistema a SIMLIS pretende atingir os seguintes resultados: Importar a informação contida em Excel para um repositório único; Registar, Pesquisar e Consultar informação relativa a Parcelas e Interessados; Registar e controlar os pagamentos a titulo de indemnização e compensatórios efectuados aos proprietários; Registar a obtenção de licenças RAN, REN, DH; Este projecto foi elaborado por uma equipa de consultores. No capítulo 4.2.6, são apresentadas as funcionalidades implementadas por mim durante o projecto. As funcionalidades a implementar no futuro são descritas no capítulo PLANO INICIAL DO PROJECTO O planeamento de um projecto é algo bastante importante e que nos dá uma perspectiva do tempo necessário, recursos e riscos envolvidos na elaboração do mesmo. O plano do projecto é algo que será actualizado ao longo do tempo. O modelo de desenvolvimento da aplicação é constituído por diversas fases que serão abordadas com maior detalhe no capítulo 3.2. Relatório do Projecto em Engenharia Informática Página 12 de 62

13 Objectivos do Projecto e Contexto do Trabalho ID Task Name 1 SMLS_04_ Gestão do Projecto 3 Planeamento 4 Start Up 5 Controlo 6 Encerramento 7 Desenho e Concepção 8 Levantamento das Interfaces Aplicacionais 9 Elaboração da Arquitectura de Informação 10 Arquitectura de Informação Aprovada 11 Especificação de Requisitos Funcionais 12 Especificação de Requisitos Funcionais Aprovada 13 Elaboração do Guião Interactivo 14 Guião Interactivo Aprovado 15 Concepção do Design Gráfico 16 Design Gráfico Aprovado 17 Desenho dos Ambientes e Sistemas 18 Desenho dos Ambientes e Sistemas Aprovado 19 Especificação de Testes de Aceitação 20 Desenho Técnico 21 Desenvolvimento 22 Desenvolvimento e Parametrização 33 Importação de dados 34 Fim do Desenvolvimento 35 Testes de Integração 36 Transição 37 Infra Estrutura 38 Documentação 39 Formação 40 Testes de Aceitação 41 Correcções 42 Entrada em Produção Figura 3 Calendarização Inicial '04 Dec '05 Jan '05 Feb A Calendarização apresentada anteriormente trata-se da Calendarização Inicial proposta pela equipa LINK tendo em conta os requisitos e envolvimento da equipa do cliente. No capítulo 3.5 é apresentada a Calendarização Final, que corresponde ao verdadeiro tempo despendido no projecto. 2.4 CONTEXTO DO TRABALHO Em termos de localização, o projecto desenrolou-se na UPI (instalações da LINK) e por fim é instalado nas instalações do cliente SIMLIS em Leiria. Ao longo deste capitulo, vou desenvolver o principal objecto de trabalho, Servidões e Expropriações, sobre o qual incidiu o trabalho. Dizer que o processo de Expropriação consiste na aquisição de uma propriedade privada mediante o pagamento de uma indemnização e o processo de Servidão consiste na autorização de passagem de tubagens pelo terreno de outrem, é algo demasiado vago. É preciso referir todas as entidades que são envolvidas e como funcionam. Relatório do Projecto em Engenharia Informática Página 13 de 62

14 Objectivos do Projecto e Contexto do Trabalho De seguida irei descrever, detalhadamente, o propósito de cada um dos tipos de entidades envolvidas e como funcionam. Subsistema é um conjunto de todas as infra-estruturas com unidades finais de tratamento (bastar ter uma ETAR para já ser um subsistema, no entanto, poderá ainda ser constituído por Estações Elevatórias, ETAR e Emissários), do sistema de saneamento da área de intervenção do SIMLIS. Projecto é uma empreitada de execução de determinadas infra-estruturas dos diversos subsistemas. Um mesmo projecto poderá envolver obras em diversos subsistemas. Infra-estrutura responsável pelo transporte efluente. Uma infra-estrutura pertence a um único subsistema e projecto e pode ser construída em várias parcelas. Parcela representa uma área de terreno necessário para a implantação da infraestrutura. Numa parcela é construída somente uma infra-estrutura e pode ser possuída por vários interessados. Se não existir acordo para a utilização da parcela com pelo menos um dos interessados então a parcela encontra-se em litígio. Confrontações consiste na identificação de objectos/terrenos que confinam com a parcela. Litigio é o conjunto dos processos legais para a entrada no terreno e registo da servidão no caso de não existir acordo. O processo de litígio é único por parcela e é decomposto em dois processos sequencias, Vistoria e Arbitragem, que pode ser resolvido a qualquer altura. Vistoria é a identificação de todas as características da parcela por um perito nomeado pelo tribunal. Se após este processo se mantiver o litígio então será despoleta a arbitragem. Arbitragem é a avaliação da parcela por um perito nomeado pelo tribunal, onde o perito vai avaliar a parcela e emitir o relatório a enviar para o tribunal, para o SIMLIS e para os proprietários. Após este processo o valor de indemnização será estabelecido pelo tribunal. O processo de litígio é concluído sem no entanto se ter chegado a acordo com os interessados. DUP é a Declaração de Utilidade Pública emitida pelo Ministério do Ambiente. Para este processo é necessário juntar determinados documentos dos quais vão ficar registados os seguintes: o Licenças de RAN e REN no caso de existir alguma parcela com estas naturezas; o Publicação dos Editais; o Garantias Bancárias; o Primeira notificação aos interessados das parcelas que não têm acordo. Relatório do Projecto em Engenharia Informática Página 14 de 62

15 Objectivos do Projecto e Contexto do Trabalho A DUP é pedida para cada infra-estrutura com parcelas sem acordo e todos os interessados dessas parcelas notificados. Após a obtenção de DUP, é associada às parcelas, da infra-estrutura, que ainda não tenham DUP definida, a identificação da DUP obtida. Interessados são todas as entidades envolvidas na parcela (proprietário, arrendatário, procuradores e outros utilizadores). Um interessado só existe no contexto de uma parcela. A mesma entidade se associada a mais de uma parcela, é tratada como sendo interessados diferentes. Um interessado pode ser contactado pelo SIMLIS várias vezes. Contacto identifica uma comunicação entre o SIMLIS e um interessado. Um contacto somente é efectuado a um interessado, se uma mesma carta for enviada a múltiplos interessados de uma parcela, resulta em vários contactos efectuados. Cada contacto contem as referências dos documentos enviados ao interessado. Um contacto pode ter mais do que um documento enviado. Pagamento identifica um pagamento efectuado pelo SIMLIS no âmbito de obtenção de contracto de servidão para uma parcela. Um pagamento somente é efectuado para uma parcela. Cada pagamento contem referências dos documentos associados ao pagamento. Um pagamento pode ter mais do que um documento associado. Pagamentos com valores negativos são recebimentos. Pedido Pagamento é o conjunto de todos os documentos que comprovam a ocorrência das despesas elegíveis das respectivas candidaturas aos fundos comunitários e que permitem receber os respectivos subsídios. Um pedido pagamento é o conjunto de todas as despesas. Despesa é o conjunto de todos os documentos que comprovam a ocorrência das despesas elegíveis por parcela e tipo de pagamento. Uma despesa é associada a um pedido de pagamento. Para um mesmo pedido de pagamento e parcela uma despesa de uma dado tipo é única. Correspondência é a entidade que representa um contacto de correspondência do SIMLIS. Correspondência é de entrada, do exterior para o SIMLIS. Correspondência é de saída, do SIMLIS para o exterior identificada por nº de ordem interno indexado ao ano. Correspondência é sempre dirigida a um destinatário. Referência Documento identifica a referência para um documento físico arquivado. Várias entidades contêm referências a documentos nomeadamente: o Parcela documentos associados a uma parcela; o Pedido DUP documentos manipulados no âmbito de um pedido DUP; o Contacto notificações, documentos enviados a interessados de parcelas; o Pagamento documentos associados a pagamentos. Relatório do Projecto em Engenharia Informática Página 15 de 62

16 3 METODOLOGIA E CALENDARIZAÇÃO DO TRABALHO Relatório do Projecto em Engenharia Informática Página 16 de 62

17 Metodologia e Calendarização do Trabalho 3.1 METODOLOGIA DE GESTÃO DE PROJECTOS A LINK, consciente da importância da gestão dos seus projectos, engloba na sua estrutura organizacional uma área designada por Project Support Office (PSO). O PSO tem como missão garantir a qualidade da gestão dos projectos LINK, desenvolveu uma metodologia para esse efeito e tem vindo a desenvolver sistemas de informação de suporte à mesma. O modelo de gestão de projectos da LINK, encontra-se representado na Figura 4 - Metodologia de Gestão de Projectos da LINK, no anexo II - Figuras. Este modelo resulta da adaptação do modelo seguido pelo Project Management Institute (PMI) e é aplicável a qualquer tipo de projecto, independente da tecnologia envolvida. Podemos observar que o modelo divide-se em cinco macro-processos que respeitam ao arranque do projecto, ao planeamento, execução, controlo e encerramento do projecto. Entre os processos de execução e de controlo verifica-se um ciclo que só é quebrado quando estão criadas as condições, de acordo com o plano de projecto, para se passar ao processo de encerramento, ou quando é assegurada pelos fluxos de reporting de progresso da execução dos trabalhos, dos quais é obtido feedback que se poderá traduzir na aprovação dos trabalhos executados ou em pedidos de correcção. Cada um dos macro-processos acima referenciados encontra-se detalhado no documento de referência da Link Consulting (2004) - Metodologia de Gestão de Projectos, que não está disponível*. 3.2 MODELO DE DESENVOLVIMENTO O desenvolvimento de software é um processo complexo, que não deverá ser realizado ao acaso, sendo tomadas decisões apenas quando preciso, ou dependendo totalmente na qualidade das tecnologias disponíveis. Pelo contrário, deve seguir uma metodologia que combine métodos compreensivos para todas as fases do trabalho, ferramentas de desenvolvimento, técnicas para assegurar a qualidade do software e uma filosofia de coordenação, controle e gestão dos recursos disponíveis. Esta metodologia tem como objectivo ajudar ao planeamento das tarefas de cada fase do desenvolvimento, bem como a definição da melhor forma de as realizar. O modelo de desenvolvimento usado foi o Modelo da LINK que é uma metodologia iterativa que segue uma instanciação do RUP, aplicável a qualquer tecnologia escolhida. Este modelo é apresentado esquematicamente na Figura 5 - Metodologia de desenvolvimento da LINK, no anexo II - Figuras. O modelo apresentado processa-se em ciclos, como se pode observar, e cada ciclo resulta numa nova release da aplicação. Isto processa-se usualmente de acordo com um plano de releases, definido quer devido à necessidade de lançamentos faseados com funcionalidade incremental, quer por ser exigida a construção prévia de protótipos que têm que ser evoluídos para os produtos finais. Relatório do Projecto em Engenharia Informática Página 17 de 62

18 Metodologia e Calendarização do Trabalho A passagem da Fase de Visão para a Fase de Concepção dá-se sempre que há uma definição de objectivos a desenvolver. A passagem para a Fase de Implementação ocorre no final da fase de desenho. Quando a aplicação está pronta a entrar em operação, inicia-se a fase de Transição, normalmente com uma release beta (também conhecida como piloto), apenas disponível a um conjunto restrito de utilizadores. Esta fase termina com o roll-out (entrega) definitivo da aplicação e a sua disponibilização aos utilizadores em geral. Retoma-se então a fase de Visão, para o desenvolvimento da próxima release da aplicação Fase de Visão A primeira Fase de Visão coincide normalmente com a elaboração da proposta, esta deve assegurar o acordo relativamente aos objectivos a serem desenvolvidos. É durante a Fase de Visão que se estabelecem as regras de negócio para a aplicação a desenvolver e se define o âmbito do projecto. Os resultados expectáveis desta fase são apresentados de seguida: Uma visão genérica dos requisitos fundamentais, características chave e constrangimentos principais da aplicação a desenvolver; Elaboração de um ou mais protótipos. Alguns dos principais critérios a ter em conta na Fase de Visão são: A concordância dos vários intervenientes relativamente ao âmbito e estimativas; A compreensão dos requisitos essenciais, por vezes evidenciada com alguns casos de uso iniciais; A credibilidade das estimativas, prioridade, riscos e o processo de desenvolvimento Fase de Concepção A Fase de Concepção tem como objectivo a análise e desenho da aplicação. As actividades desta fase asseguram a estabilidade da arquitectura e requisitos e a minimização dos riscos, de forma a ser possível predizer com certeza o esforço necessário para completar o desenvolvimento. Os principais critérios de avaliação da Fase de Concepção são normalmente os seguintes: A estabilidade da visão da aplicação; A estabilidade da arquitectura; O tratamento e resolução dos maiores riscos técnicos. Genericamente, os resultados da Fase de Concepção são em geral os seguintes: Relatório do Projecto em Engenharia Informática Página 18 de 62

19 Metodologia e Calendarização do Trabalho O modelo de casos de uso e a captura de requisitos suplementares, não funcionais, não associados a um caso de uso especifico; Levantamento das entidades; O desenho da interface com o utilizador; A revisão da lista de riscos e do caso de negócio apresentado na visão; Nesta fase, são produzidos um conjunto de documentos que descrevem o resultado da análise de concepção da aplicação. A Fase de Concepção termina com as estimativas dos tempos de implementação por parte da equipa de desenvolvimento. As estimativas por caso de uso devem incluir as fases de análise, desenho, codificação, testes unitários, integração e documentação Fase de Implementação Durante a fase de implementação, todas as componentes e funcionalidades da aplicação são desenvolvidas, integradas numa release e cuidadosamente testadas. O resultado desta fase é uma aplicação pronta a ser disponibilizada aos seus utilizadores finais. Este deverá no mínimo compreender os seguintes aspectos: Estar integrado nas plataformas adequadas; Ser acompanhado de uma primeira versão dos manuais de utilização e instalação; O desenho detalhado, conteúdo a descrição de release. Os critérios de avaliação para esta Fase de Implementação são: A estabilidade e maturidade do desenvolvimento, por forma a ser disponibilizado à comunidade de utilizadores; Resultados dos testes; A preparação de todos os intervenientes para a transição da aplicação Fase de Transição O objectivo principal da Fase de Transição é fazer transitar a aplicação para a sua comunidade de utilizadores, ou seja conseguir: A autonomia dos utilizadores fase ao suporte; A concorrência dos intervenientes de que a aplicação está consciente com a visão inicial; Disponibilizar a release final da aplicação, da forma mais rápida e prática. Relatório do Projecto em Engenharia Informática Página 19 de 62

20 Metodologia e Calendarização do Trabalho A Fase de Transição inicia-se sempre que o desenvolvimento se encontra maduro o suficiente para ser disponibilizado aos seus utilizadores finais. Isto requer tipicamente que um subconjunto das funcionalidades sejam completadas a um nível aceitável de qualidade, e que a documentação para os utilizadores esteja disponível de forma que a transição forneça resultados positivos a todas as partes. A Fase de Transição inclui o seguinte: Testes para validar o sistema relativamente às expectativas dos utilizadores; Se é o caso, a operação paralela com as aplicações que está substituir; Se é o caso, conversação de base de dados operacionais; Formação dos utilizadores e administradores. No final desta fase decide-se se os objectivos da visão foram atingidos e se deve iniciar outro ciclo de desenvolvimento. Os critérios de avaliação para esta fase centram-se exclusivamente na satisfação dos seus utilizadores Fase de Operação No caso da metodologia de desenvolvimento de aplicações da LINK, a fase de operação compreende a garantia da aplicação, que assegura apenas a manutenção correctiva dos desenvolvimentos efectuados pela LINK. A garantia exclui os aspectos como os seguintes: O suporte a anomalias de sistemas externos; Alterações que resultem de mudanças face aos requisitos especificados nos documentos produzidos na Fase de Concepção; Testes. Cada uma das fases mencionadas anteriormente encontra-se detalhada no documento de referência de Assunção, João (2003) - Metodologia de Desenvolvimento de Aplicações Workflow, que não se encontra disponível*. 3.3 ANÁLISE DO RISCO Sempre que somos confrontados com um projecto de desenvolvimento de software, temos que ter em conta a análise do risco relacionada com processo de desenvolvimento. A análise do risco é constituída por duas actividades, sendo a primeira, a identificação dos riscos inerentes ao projecto em questão, porque nem todos os projectos estão sujeitos aos mesmos riscos, a segunda é a gestão dos riscos identificados na actividade anteriormente, ou seja, é o estudo e escolha de medidas alternativas que permitam minimizar e controlar os riscos. Relatório do Projecto em Engenharia Informática Página 20 de 62

21 Metodologia e Calendarização do Trabalho De seguida são apresentados os que foram mais importantes no projecto e como foram abordados Identificação dos Riscos Os riscos que vamos enfrentar são de três tipos: riscos de projecto, riscos técnicos e riscos de negócio. Os que mais poderão influenciar o projecto a ser desenvolvido são: Riscos de projecto o Interpretação incorrecta dos requisitos do cliente; o Desenvolver um produto cujo custo final seja muito elevado; o Atraso na entrega do produto final. Riscos técnicos o Interface inapropriada para o tipo de utilizador; o Impossibilidade de garantir a manutenção do sistema; o Tecnologia inadequada. Riscos de negócio o Falta de formação dos utilizadores; o Perder o apoio da direcção do SIMLIS; o Desenvolver um produto que não venha a ser utilizado Gestão dos Riscos Finalmente, são apresentadas as medidas que poderão permitir minimizar e controlar cada um dos riscos indicados. Riscos do projecto o Interpretação incorrecta dos requisitos do cliente. O contacto por parte da direcção do SIMLIS com a aplicação que estava a ser desenvolvida permitiu que qualquer erro resultante de má interpretação fosse corrigido de imediato; o Desenvolver um produto cujo custo final seja muito elevado. No inicio do projecto foram definidos os recursos de hardware e software necessários. Entretanto foi utilizada tecnologia sobre a qual nunca tinha sido usada e como tal não se sabia dar uma estimativa exacta. Contudo foi atribuída uma Relatório do Projecto em Engenharia Informática Página 21 de 62

Lisboa, 18 de Janeiro de 2004

Lisboa, 18 de Janeiro de 2004 Lisboa, 18 de Janeiro de 2004 Realizado por: o Bruno Martins Nº 17206 o Cátia Chasqueira Nº 17211 o João Almeida Nº 17230 1 Índice 1 Índice de Figuras... 3 2 Versões... 4 3 Introdução... 5 3.1 Finalidade...

Leia mais

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM por Engº João Barata (jbarata@ctcv.pt), CTCV Inovação Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1. - INTRODUÇÃO Os sub-sistemas de gestão, qualquer que seja o seu

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft A solução MB DOX oferece uma vantagem competitiva às empresas, com a redução do custo de operação, e dá um impulso à factura

Leia mais

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem:

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem: Descrição de Serviços Serviços de Planeamento e Empresarial Os Serviços de Planeamento e Empresarial fornecem serviços de consultoria e prototipagem para facilitar a agenda do Licenciado relativa à inovação

Leia mais

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Departamento de Ciências e Tecnologias de Informação DCTI Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI ANEXO 1 Instituição

Leia mais

Oferta de Estágio. iscriptor. Setembro 2011

Oferta de Estágio. iscriptor. Setembro 2011 Oferta de Estágio iscriptor Setembro 2011 DESCRIÇÃO DO ESTÁGIO Um dos principais desafios das plataformas de informação e de negócio é o acesso e a disponibilidade da sua informação. Em particular e com

Leia mais

Gestão de Configurações II

Gestão de Configurações II Gestão de Configurações II Bibliografia Livro: Software Configuration Management Patterns: Effective Teamwork, Practical Integration Gestão de Projecto 14 Padrões de Gestão Os padrões de gestão de configurações

Leia mais

7 Conclusões. 7.1 Retrospectiva do trabalho desenvolvido. Capítulo VII

7 Conclusões. 7.1 Retrospectiva do trabalho desenvolvido. Capítulo VII Capítulo VII 7 Conclusões Este capítulo tem como propósito apresentar, por um lado, uma retrospectiva do trabalho desenvolvido e, por outro, perspectivar o trabalho futuro com vista a implementar um conjunto

Leia mais

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDOC Sistema de Gestão Documental Dossier de Produto DP10.02 02.01.2009 www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDoc Sistema de Gestão Documental A Pontual A Pontual é uma empresa de capitais 100% nacionais,

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS 1 Necessidade das base de dados Permite guardar dados dos mais variados tipos; Permite

Leia mais

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Departamento de Ciências e Tecnologias de Informação DCTI Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI ANEXO 1 Instituição

Leia mais

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Departamento de Ciências e Tecnologias de Informação DCTI Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI ANEXO 1 Instituição

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa Neste artigo clarifica-se os objectivos do ILM (Information Life Cycle Management) e mostra-se como estes estão dependentes da realização e manutenção

Leia mais

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação O Business Analytics for Microsoft Business Solutions Navision ajuda-o a ter maior controlo do seu negócio, tomar rapidamente melhores decisões e equipar os seus funcionários para que estes possam contribuir

Leia mais

Universidade Fernando Pessoa

Universidade Fernando Pessoa Objectivos da cadeira reconhecer, criar e explorar um recurso de informação usar tecnologias de informação emergentes para a gestão eficaz do recurso informação discutir o impacto das tecnologias de informação

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0 PLATAFORMA Versão 1.0 31 de Março de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data António Rocha Cristina Rodrigues André Ligeiro V0.1r Dinis Monteiro Versão inicial António

Leia mais

INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P.

INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P. INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P. CONCURSO PÚBLICO N.º 05/DP/2009 AQUISIÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DE FILAS DE ATENDIMENTO DOS SERVIÇOS DESCONCENTRADOS DO IRN, I.P. CADERNO DE ENCARGOS ANEXO I ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

SEO LINKEDIN FACEBOOK GOOGLE REDES SOCIAS E-COMMERCE TWITTER UNICRE PAY PAL 6.0 PLATAFORMA INTEGRADA DE NEGÓCIO E COMUNICAÇÃO ONLINE

SEO LINKEDIN FACEBOOK GOOGLE REDES SOCIAS E-COMMERCE TWITTER UNICRE PAY PAL 6.0 PLATAFORMA INTEGRADA DE NEGÓCIO E COMUNICAÇÃO ONLINE LINKEDIN FACEBOOK TWITTER GOOGLE REDES SOCIAS E-COMMERCE PAY PAL SEO UNICRE 6.0 PLATAFORMA INTEGRADA DE NEGÓCIO E COMUNICAÇÃO ONLINE ACTUALIZE O SEU SITE VENDAS ONLINE MARKETING ONLINE A PLATAFORMA GCM

Leia mais

PCCRBE 1 - Manual de procedimentos técnicos para a criação de catálogos colectivos

PCCRBE 1 - Manual de procedimentos técnicos para a criação de catálogos colectivos PCCRBE 1 - Manual de procedimentos técnicos para a criação de catálogos colectivos 1. Introdução O objectivo deste documento é a criação de um memorando que sirva de apoio à instalação e manutenção do

Leia mais

PHC ControlDoc CS BENEFÍCIOS. _Fim do papel a circular na empresa. _Rapidez na pesquisa de documentos. _Segurança detalhada no acesso aos documentos

PHC ControlDoc CS BENEFÍCIOS. _Fim do papel a circular na empresa. _Rapidez na pesquisa de documentos. _Segurança detalhada no acesso aos documentos Com o PHC ControlDoc pode arquivar digitalmente todo o tipo de ficheiros (Imagens, Word, Excel, PDF, etc.) e relacioná-los com os dados existentes nas restantes aplicações. PHC ControlDoc CS Reduza os

Leia mais

PHC ControlDoc CS. ππ Empresas e organizações que desejem acabar com a circulação de papel BENEFÍCIOS SOLUCÃO DESTINATÁRIOS

PHC ControlDoc CS. ππ Empresas e organizações que desejem acabar com a circulação de papel BENEFÍCIOS SOLUCÃO DESTINATÁRIOS Com o PHC ControlDoc pode arquivar digitalmente todo o tipo de ficheiros (Imagens, Word, Excel, PDF, etc.) e relacioná-los com os dados existentes nas restantes aplicações. PHC ControlDoc CS Reduza os

Leia mais

Departamento de Engenharia Informática Engenharia de Software, Sistemas Distribuídos. Requisitos para a 3ª entrega do projecto.

Departamento de Engenharia Informática Engenharia de Software, Sistemas Distribuídos. Requisitos para a 3ª entrega do projecto. Departamento de Engenharia Informática Engenharia de Software, Sistemas Distribuídos Requisitos para a 3ª entrega do projecto Loja Virtual 5 de Maio de 2008 Índice Índice...2 1 Sumário...3 2 Requisitos...3

Leia mais

Informática II Cap. 3

Informática II Cap. 3 Cap. 3 1 Tradicionalmente, programar significava apenas a escrita de um programa, que resolvesse o problema pretendido de uma forma aparentemente correcta. Problema Problema Programa Programa Desvantagens:

Leia mais

19/05/2009. Módulo 1

19/05/2009. Módulo 1 ASP.NET Módulo 1 Objetivo Mostrar os conceitos fundamentais da plataforma Microsoft.Net e suas ferramentas; Apresentar os conceitos fundamentais de aplicações web e seus elementos; Demonstrar de forma

Leia mais

SHAREPOINT 2010. Ligação e autonomização das pessoas. Plataforma de colaboração

SHAREPOINT 2010. Ligação e autonomização das pessoas. Plataforma de colaboração prorm Microsoft Projectos SharePoint e Recursos 2010 SHAREPOINT 2010 Plataforma de colaboração O SharePoint 2010 é uma plataforma de colaboração de negócios que lhe permite ligar e autonomizar as pessoas

Leia mais

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA Sandra CARVALHO 1, Pedro GALVÃO 2, Cátia ALVES 3, Luís ALMEIDA 4 e Adélio SILVA 5 RESUMO As empresas de abastecimento de água gerem diariamente

Leia mais

Instituto Superior Politécnico de VISEU. Escola Superior de Tecnologia

Instituto Superior Politécnico de VISEU. Escola Superior de Tecnologia 1 Tradicionalmente, programar significava apenas a escrita de um programa, que resolvesse o problema pretendido de uma forma aparentemente correcta. Problema Problema Programa Programa Desvantagens: Programas

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias.

Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias. GoldMine QuickStart Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias. O GoldMine é uma ferramenta de gestão da relação com os clientes (CRM-Costumer Relationship

Leia mais

PHC ControlDoc BENEFÍCIOS. _Fim do papel a circular na empresa. _Rapidez de encontrar um documento

PHC ControlDoc BENEFÍCIOS. _Fim do papel a circular na empresa. _Rapidez de encontrar um documento Com o ControlDoc pode arquivar digitalmente todo o tipo de ficheiros (Imagens, Word, Excel, PDF, etc.) e relacioná-los com os dados existentes nas restantes aplicações. PHC ControlDoc Reduza os custos

Leia mais

1. Contratos de aluguer automóvel

1. Contratos de aluguer automóvel 1. Contratos de aluguer automóvel Pretende-se desenvolver um Sistema Informático para apoio à gestão de Contratos de Aluguer automóvel de Longa-duração (SICAL) que permita efectuar, cancelar e modificar

Leia mais

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C#

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# Camila Sanches Navarro 1,2, Wyllian Fressatti 2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sanchesnavarro@gmail.com wyllian@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

manual instalação e configuração v13 1

manual instalação e configuração v13 1 manual instalação e configuração v13 1 Conteúdo Introdução... 3 Conteúdo do DVD:... 3 Instalação e configuração do ERP... 4 Instalação do ERP... 4 Configuração do ERP... 6 Como actualização de versão...

Leia mais

Enunciado do Projecto

Enunciado do Projecto C O M P U T A Ç Ã O M Ó V E L 2 0 0 7 / 2 0 0 8 Enunciado do Projecto 17 de Março de 2008 1. Objectivos Desenvolver uma aplicação num domínio aplicacional específico que envolva replicação e sincronização

Leia mais

NOTIFICAÇÃO DE NEGÓCIO

NOTIFICAÇÃO DE NEGÓCIO NOTIFICAÇÃO DE NEGÓCIO O Microsoft Business Solutions for Supply Chain Management Navision Business Notification ajudao a gerir a sua empresa mais facilmente e eficazmente. Pode identificar qualquer problema

Leia mais

12 EXCEL MACROS E APLICAÇÕES

12 EXCEL MACROS E APLICAÇÕES INTRODUÇÃO O principal objetivo deste livro é auxiliar o leitor na sua aprendizagem sobre os recursos avançados do Excel em especial na interligação com o Visual Basic for Applications (VBA). Pretende-se

Leia mais

SICOP Sistema de Inovação, Controlo e Optimização de Produtos

SICOP Sistema de Inovação, Controlo e Optimização de Produtos SICOP Sistema de Inovação, Controlo e Optimização de Produtos Célia Alves, Liliana Monteiro, Fernanda Barbosa, Ana Borges, Jorge Barbosa* Resumo De modo a facilitar e estandardizar o ciclo de desenvolvimento,

Leia mais

SiDEI. Sistema de Avaliação Automática de Alunos. Gestão e Desenvolvimento de Aplicações Informáticas

SiDEI. Sistema de Avaliação Automática de Alunos. Gestão e Desenvolvimento de Aplicações Informáticas SiDEI Sistema de Avaliação Automática de Alunos Gestão e Desenvolvimento de Aplicações Informáticas Disciplina de Engenharia de Software Instituto Superior de Engenharia do Porto Alunos: André Serafim

Leia mais

NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS

NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS 1 NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS Este primeiro capítulo aborda conceitos elementares relacionados com bases de dados. Os conceitos abordados neste capítulo são necessários para trabalhar adequadamente

Leia mais

3 ao Quadrado - Agenda Web

3 ao Quadrado - Agenda Web 3 ao Quadrado - Agenda Web Relatório de Gestão de Projectos de Software - Grupo A - LEIC 2001/2002 http://gnomo.fe.up.pt/gps01a João Montenegro - ei97023@fe.up.pt André Teixeira - ei97024@fe.up.pt Carlos

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Projecto Final

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Projecto Final Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Departamento de Sistemas e Informática Projecto Final Computação na Internet Ano Lectivo 2002/2003 Portal de Jogos Executado por:

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

Melhoria de Conhecimentos em Garantia de Qualidade no Software. (Tipos de Teste)

Melhoria de Conhecimentos em Garantia de Qualidade no Software. (Tipos de Teste) Melhoria de Conhecimentos em Garantia de Qualidade no Software (Tipos de Teste) Av. Conde de Valbom, nº 30 8º 1050-068 Lisboa Telf: +351 213 510 540 Fax: +351 213 510 549 Controlo do Documento Elaborado

Leia mais

Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota

Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota Descrição dos serviços Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota Este serviço oferece serviços de Monitorização da infra-estrutura remota Dell (RIM, o Serviço ou Serviços ) conforme

Leia mais

Laboratórios de Engenharia de Software

Laboratórios de Engenharia de Software Laboratórios de Engenharia de Software S1 - Configuração do Curso Relatório de Desenho de Alto Nível Turma 4LEIC3 André Fidalgo Moniz {ei99041@fe.up.pt} José António Fonseca {ei99032@fe.up.pt} Mário Filipe

Leia mais

Framework.NET, Microsoft Visual C# 2010 Express e Elementos da Linguagem C#

Framework.NET, Microsoft Visual C# 2010 Express e Elementos da Linguagem C# Linguagem de Programação 3 Framework.NET, Microsoft Visual C# 2010 Express e Elementos da Linguagem C# Prof. Mauro Lopes 1-31 35 Objetivos Nesta aula iremos apresentar a tecnologia.net, o ambiente de desenvolvimento

Leia mais

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G Escola Superior de Gestão de Santarém Pedido de Registo do CET Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos Peça Instrutória G Conteúdo programático sumário de cada unidade de formação TÉCNICAS

Leia mais

Extracto on Line Aplicação Local Guia do Utilizador

Extracto on Line Aplicação Local Guia do Utilizador Extracto on Line Aplicação Local Guia do Utilizador Índice 1. Sobre o Guia... 4 1.1 Objectivo... 4 1.2 Utilização do Guia... 4 1.3 Acrónimos e Abreviações... 4 2. Introdução ao Extracto on Line Aplicação

Leia mais

Ambiente de Programação Visual. Framework.NET. Prof. Mauro Lopes. Ambiente de Programação Visual Prof. Mauro Lopes

Ambiente de Programação Visual. Framework.NET. Prof. Mauro Lopes. Ambiente de Programação Visual Prof. Mauro Lopes Ambiente de Programação Visual Framework.NET Prof. Mauro Lopes 1-31 13 Objetivos Nesta aula iremos apresentar a tecnologia.net. Ao final desta aula, o aluno terá compreendido a Arquitetura de uma aplicação.net.

Leia mais

A interface do Microsoft Visual Studio 2005

A interface do Microsoft Visual Studio 2005 Tarefa Orientada 1 A interface do Microsoft Visual Studio 2005 Objectivos: Introdução à framework.net Iniciar o Visual Studio 2005. Criar um novo projecto de Windows Forms em Visual Basic Introdução à

Leia mais

Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000

Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000 Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000 Serviços HP Dados técnicos O Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000

Leia mais

Serviço de Solução de Replicação de Dados HP para Virtual Copy 3PAR

Serviço de Solução de Replicação de Dados HP para Virtual Copy 3PAR Serviço de Solução de Replicação de Dados HP para Virtual Copy 3PAR Serviços HP Care Pack Dados técnicos O Serviço de Solução de Replicação de Dados HP para Virtual Copy 3PAR fornece implementação do produto

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 2ª edição: Março de 2006 ISBN: 989-615-024-9 Depósito legal: 240.

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 2ª edição: Março de 2006 ISBN: 989-615-024-9 Depósito legal: 240. Reservados todos os direitos por Centro Atlântico, Lda. Qualquer reprodução, incluindo fotocópia, só pode ser feita com autorização expressa dos editores da obra. Microsoft Windows XP SP2, 2ª edição Colecção:

Leia mais

MANUAL DE INTRODUÇÃO AO ALFRESCO 3.0

MANUAL DE INTRODUÇÃO AO ALFRESCO 3.0 MANUAL DE INTRODUÇÃO AO ALFRESCO 3.0 Alfresco é uma marca registada da Alfresco Software Inc. 1 / 42 Índice de conteúdos Alfresco Visão geral...4 O que é e o que permite...4 Página Inicial do Alfresco...5

Leia mais

Projecto de Engenharia de Software e Sistemas Distribuídos 2009-10. Requisitos para a 3ª entrega do projecto. FeaRSe.

Projecto de Engenharia de Software e Sistemas Distribuídos 2009-10. Requisitos para a 3ª entrega do projecto. FeaRSe. Departamento de Engenharia Informática Engenharia de Software, Sistemas Distribuídos Requisitos para a 3ª entrega do projecto FeaRSe 6 de Maio de 2010 Índice Índice... 1 1 Sumário... 2 2 Requisitos...

Leia mais

Grupo CGD escolhe SharePoint Server 2007 para criar portal web de nova geração

Grupo CGD escolhe SharePoint Server 2007 para criar portal web de nova geração Caso de sucesso Microsoft Grupo CGD escolhe SharePoint Server 2007 para criar portal web de nova geração Sumário País: Portugal Sector: Financeiro Perfil do Cliente A Caixa Geral de Depósitos (CGD) é actualmente

Leia mais

Guia de utilização. Acesso Universal

Guia de utilização. Acesso Universal Guia de utilização Março de 2009 Índice Preâmbulo... 3 Acesso à Plataforma... 4 Área de Trabalho... 5 Apresentar Propostas... 12 Classificar Documentos... 20 Submeter a Proposta... 21 Solicitação de Esclarecimentos/Comunicações...

Leia mais

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web João Alexandre Oliveira Ferreira Dissertação realizada sob a orientação do Professor Doutor Mário de Sousa do Departamento de Engenharia

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos PHC TeamControl CS A gestão de equipas e de departamentos A solução que permite concretizar projetos no tempo previsto e nos valores orçamentados contemplando: planeamento; gestão; coordenação; colaboração

Leia mais

Ambiente de Programação Visual. Framework.NET. Prof. Mauro Lopes. Ambiente de Programação Visual Prof. Mauro Lopes

Ambiente de Programação Visual. Framework.NET. Prof. Mauro Lopes. Ambiente de Programação Visual Prof. Mauro Lopes Ambiente de Programação Visual Framework.NET Prof. Mauro Lopes 1-31 16 Objetivos Nesta aula iremos apresentar a tecnologia.net. Ao final desta aula, o aluno terá compreendido a Arquitetura de uma aplicação.net.

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

A solução ideal para a empresa do futuro, que necessita de comunicar de modo eficaz com os seus colaboradores.

A solução ideal para a empresa do futuro, que necessita de comunicar de modo eficaz com os seus colaboradores. Descritivo completo dintranet 3 A solução ideal para a empresa do futuro, que necessita de comunicar de modo eficaz com os seus colaboradores. Benefícios Aumento da produtividade dos colaboradores da empresa;

Leia mais

Livraria dos Mestres

Livraria dos Mestres Gestão de Projectos Informáticos Livraria dos Mestres 3ª Entrega Empresa B Grupo nº 11 João Maurício nº 53919 Ricardo Carapeto nº 53942 Nuno Almeida nº 53946 Page 1 of 28 Índice 1. Sumário para a Gestão

Leia mais

Sem o recurso às tecnologias disponibilizadas pela Microsoft, a solução criada seria difícil de obter num tão curto espaço de tempo.

Sem o recurso às tecnologias disponibilizadas pela Microsoft, a solução criada seria difícil de obter num tão curto espaço de tempo. Caso de Sucesso Microsoft Finsolutia cria solução completa de suporte ao negócio com.net Framework 3.5 Sumário País: Portugal Indústria: Banking&Finance Perfil do Cliente A Finsolutia é uma joint venture

Leia mais

Apresentação da Solução. Divisão Área Saúde. Solução: Gestão de Camas

Apresentação da Solução. Divisão Área Saúde. Solução: Gestão de Camas Apresentação da Solução Solução: Gestão de Camas Unidade de negócio da C3im: a) Consultoria e desenvolvimento de de Projectos b) Unidade de Desenvolvimento Área da Saúde Rua dos Arneiros, 82-A, 1500-060

Leia mais

ππ Definir em cada dispositivo os acessos de introdução ou altera-

ππ Definir em cada dispositivo os acessos de introdução ou altera- PHC Gama Pocket DESCRITIVO O Software PHC Pocket dispõe de múltiplas funcionalidades que estão disponíveis em todas as gamas e que permitem estender a capacidade de cada produto. Neste documento apresentamos

Leia mais

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU Imagina que queres criar o teu próprio site. Normalmente, terías que descarregar e instalar software para começar a programar. Com a Webnode não é preciso instalar nada.

Leia mais

Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença.

Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença. Porquê NEXT Vision Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença.... Poder de adaptação Porque cabe a si decidir como pretende

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Relatório Técnico Final Projecto nº 22838

Relatório Técnico Final Projecto nº 22838 SISTEMA DE INCENTIVOS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO (SI I&DT) Leadership Business Consulting Relatório Técnico Final Projecto nº 22838 1 ÍNDICE 1. O Projecto 1.1. Os objectivos e a estrutura

Leia mais

Iteração 2 Design inicial

Iteração 2 Design inicial Universidade de Aveiro Departamento de Electrónica, Telecomunicações e Informática Engenharia de Software Iteração 2 Design inicial Projecto: FX-Center Grupo: BEDS David Pacheco (nº 32665) Cesário Lucas

Leia mais

PHC Workflow. Informatize de forma eficaz todos os circuitos e processos de trabalho usados na sua empresa

PHC Workflow. Informatize de forma eficaz todos os circuitos e processos de trabalho usados na sua empresa PHCWorkflow DESCRITIVO O PHC Workflow permite que o conjunto de acções a executar, sigam uma ordem pré- -definida de acordo com as normas da empresa, aumentando a agilidade e produtividade dos colaboradores.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE AULA 1

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE AULA 1 DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE AULA 1 CAMPUS SANTO ANDRÉ CELSO CANDIDO SEMESTRE 2014 1 Características da Plataforma.NET A plataforma.net Framework 4.0 (.NET 4.0) é uma plataforma de softwares que fornece

Leia mais

Uma aplicação que reúne Facturação, Clientes e Fornecedores com Stocks e Serviços, permitindo controlar toda a área comercial.

Uma aplicação que reúne Facturação, Clientes e Fornecedores com Stocks e Serviços, permitindo controlar toda a área comercial. PHC Software na Hora PHC Software na Hora Descritivo completo Benefícios 9 Muito fácil de utilizar; 9 Gestão de tempo e Informação Informação; 9 Maior facilidade de controlo e gestão; 9 Totalmente integrado;

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011 Manual Avançado Instalação em Rede v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Hardware... 3 b) Servidor:... 3 c) Rede:... 3 d) Pontos de Venda... 4 4. SQL Server... 5 e) Configurar porta estática:... 5 5.

Leia mais

Informação legal... 4 Frequently Asked Questions (FAQ)... 6 Quickstart Tutorial... 9

Informação legal... 4 Frequently Asked Questions (FAQ)... 6 Quickstart Tutorial... 9 Índice Introdução ao ELMS e ao MSDNAA... 3 Informação legal... 4 Frequently Asked Questions (FAQ)... 6 Quickstart Tutorial... 9 O presente documento destina se a auxiliar todos os alunos que sejam beneficiários

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

Os documentos à distância de um clique!

Os documentos à distância de um clique! Os documentos à distância de um clique! iportaldoc Os Documentos à distância de um clique! O iportaldoc é um Serviço de Gestão Documental e Workflow para empresas e instituições que sintam a necessidade

Leia mais

Apresentação de Solução

Apresentação de Solução Apresentação de Solução Solução: Gestão de Altas Hospitalares Unidade de negócio da C3im: a) Consultoria e desenvolvimento de de Projectos b) Unidade de Desenvolvimento Área da Saúde Rua dos Arneiros,

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

Guia de Depósito Teses

Guia de Depósito Teses Guia de Depósito Teses Descreva o documento que está a depositar Página 1 Se seleccionar todas as opções nesta página, visualizará um formulário diferente, modificado com o intuito de capturar informações

Leia mais

Planificação Anual. Planificação de Médio Prazo (1.º Período) Tecnologias da Informação e Comunicação. 9º Ano

Planificação Anual. Planificação de Médio Prazo (1.º Período) Tecnologias da Informação e Comunicação. 9º Ano Escola Básica do 2º e 3º Ciclos João Afonso de Aveiro Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Secção de Informática Planificação Anual (1.º Período) Ano lectivo 2010/2011 Tecnologias da Informação

Leia mais

ASP.NET. Guia do Desenvolvedor. Felipe Cembranelli. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

ASP.NET. Guia do Desenvolvedor. Felipe Cembranelli. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br ASP.NET Guia do Desenvolvedor Felipe Cembranelli Novatec Editora www.novateceditora.com.br 1 Introdução à plataforma.net A plataforma Microsoft.NET.NET é uma nova plataforma de software para desenvolvimento

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

SI Sistema de Informação Anexo 4

SI Sistema de Informação Anexo 4 onselho oordenador omo implementar? No actual quadro da dministração Pública torna-se necessário avaliar o desempenho dos serviços, o que implica, para os gestores públicos, desenvolver (os seus) sistemas

Leia mais

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET MANUAL DO UTILIZADOR WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET 1. 2. PÁGINA INICIAL... 3 CARACTERÍSTICAS... 3 2.1. 2.2. APRESENTAÇÃO E ESPECIFICAÇÕES... 3 TUTORIAIS... 4 3. DOWNLOADS... 5 3.1. 3.2. ENCOMENDAS (NOVOS

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Conference For You C4U v. 0.13

Conference For You C4U v. 0.13 Departamento de Informática Conference For You C4U v. 0.13 Projecto Integrador 2012/2013 Licenciatura em Engenharia Informática Preparado por: João Regateiro nº 28994 Miguel Silva nº 28508 Ricardo Monteiro

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

EasyNews, um projecto!

EasyNews, um projecto! EasyNews, um projecto! >Francisco Vitor Gomes Salvador Capitão Art Introdução O presente artigo foi elaborado com o intuito de dar a conhecer o trabalho desenvolvido no âmbito da Unidade Curricular de

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

TABELA 3.1 Requisitos do Windows Server 2008 Standard

TABELA 3.1 Requisitos do Windows Server 2008 Standard 3 3INSTALAÇÃO DE UM SERVIDOR 2008 Feita a apresentação das funcionalidades do Windows Server 2008, eis que chega a hora mais desejada: a da implementação do nosso servidor. No entanto não é de todo recomendável

Leia mais

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária)

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) /curriculum Julho de 2008 Versão 1.1 1 Introdução O objectivo deste guia é auxiliar o utilizador da Plataforma

Leia mais