IV SEMINARIO INTERNACIONAL SOBRE DESENVOLVIMENTO REGIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IV SEMINARIO INTERNACIONAL SOBRE DESENVOLVIMENTO REGIONAL"

Transcrição

1 IV SEMINARIO INTERNACIONAL SOBRE DESENVOLVIMENTO REGIONAL TÍTULO DO TRABALHO ESPACIALIZAÇÃO DOS DADOS DO CADASTRO IMOBILIÁRIO COMO APOIO A GESTÃO URBANA TÓPICO TEMÁTICO Número Descrição 10 Gestão das cidades e a questão habitacional AUTOR PRINCIPAL Rauber, Alexandre CO-AUTORES INSTITUIÇÃO UNISC INSTITUIÇÃO 1 Collischonn, Erika UNISC 2 3 RESUMO DO TRABALHO A organização de um Cadastro Imobiliário Fiscal é condição importante para que o município possa instituir e arrecadar seus tributos. Os cadastros imobiliários reúnem informações detalhadas sobre os proprietários, as edificações, os lotes onde as edificações estão localizadas, assim como sobre as infra-estruturas disponibilizadas. Verifica-se uma tendência atual de transformar o cadastro imobiliário urbano em um instrumento de apoio ao planejamento municipal, ultrapassando seus propósitos estritamente fiscais. Quando apoiado numa base cartográfica e em um sistema de informações geográficas, o cadastro imobiliário torna-se uma ferramenta indispensável para fornecer informações para auxiliar o gerenciamento dos problemas da cidade. Este artigo trata do trabalho desenvolvido no município de Venâncio Aires/RS para criação de um banco de dados geográficos, a partir da base cartográfica e do cadastro imobiliário urbano atualizados, tendo-se como apoio uma imagem de satélite de alta resolução. As várias etapas de definição do sistema de banco de dados, levantamentos de campo, alimentação da base de dados, estruturação da base cartográfica e uso de sistemas de informações geográficas são descritas e avaliadas com detalhes. Conclusões são

2 apresentadas e caminhos subseqüentes do trabalho indicados. PALAVRAS- CHAVE Cadastro imobiliário Base cartográfica Banco de Dados Geográficos ABSTRACT Organizing a Real Estate Cadastral System is an essential condition for a municipality to set and collect its taxes. Cadastral systems gather a large amount of data about real estates, including information about owners, characteristics of the buildings and the blocks where the buildings are on, and about infrastructure available. Nowadays, there is a tendency of transforming real estate cadastral systems into a support system for urban planning and management, overtaking its originally narrow financial purposes. When this system is linked to a cartographic base and to a geographical information system, it becomes a powerful tool to provide spatially explicit information to assist to solve urban issues. This paper approaches the work developed in the city of Venâncio Aires/RS/Brazil to create an urban geographic database, built upon a cartographic base, an updated real state cadastral system, and a high resolution satellite image. The steps of this work, such as definition of the database system, fieldwork, feeding the database, building of the cartographic base and the selection of the geographical information system, are described and assessed in details. Conclusions are made and routes for further improvements are indicated. KEYWORDS Urban Property Data - cartographic base spatial database

3 INTRODUÇÃO A cidade de Venâncio Aires consolida-se atualmente, juntamente, com Santa Cruz do Sul como o pólo de beneficiamento do fumo no Rio Grande do Sul e no Brasil. Além disso, a cidade é também conhecida pela produção de erva-mate e chás, equipamentos de refrigeração e fogões. Nos últimos vinte anos, o número de indústrias instaladas e o número de empregos na cidade cresceram significativamente (IPEA, 2000, p. 158). Em função desse dinamismo econômico, também cresceu significativamente a população urbana. Há 30 anos atrás Venâncio Aires era uma cidade de habitantes, enquanto no censo 2000, foram contadas pessoas e, para 2004, a FEE estimou habitantes. Esse dinamismo da urbanização se reflete no crescimento da área urbana e na dificuldade de manter atualizado o cadastro imobiliário pela Prefeitura Municipal. Com o propósito de atualizar o cadastro existente e cadastrar os loteamentos e ocupações clandestinas e irregulares a Universidade de Santa Cruz do Sul em convênio com a Prefeitura Municipal de Venâncio Aires realizou um projeto intitulado Atualização da Base Cartográfica e do Cadastro Imobiliário Urbano de Venâncio Aires. O que se apresenta aqui é o objetivo final desse projeto, ou seja, a criação de um banco de dados geográficos, a partir da base cartográfica e do cadastro imobiliário urbano atualizados. Este artigo divide-se em três seções. A primeira aborda o cadastro imobiliário numa perspectiva evolutiva, considerando a tendência atual de transformar o cadastro imobiliário urbano em um instrumento de apoio ao planejamento municipal. A segunda a metodologia utilizada no caso de Venâncio Aires. Por fim, apresentam-se considerações sobre o processo e perspectivas futuras. 1- ORGANIZAÇÃO E FINS DO CADASTRO IMOBILIÁRIO Cadastro é um conjunto de informações sistematizadas e ordenadas sobre determinada matéria. A organização de um Cadastro Imobiliário Fiscal é condição importante para que o município possa instituir e arrecadar seus tributos, principalmente o

4 IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano). Para exigir o recolhimento do IPTU é necessária a constituição do crédito tributário correspondente à obrigação instaurada. A constituição do crédito tributário se faz mediante um procedimento administrativo chamado lançamento, que objetiva verificar a ocorrência do fato gerador da obrigação correspondente, determinar a matéria tributável, calcular o montante do tributo devido, identificar o sujeito passivo e, se for o caso, propor a aplicação da penalidade cabível. (artigo 142, CÓDIGO TRIBUTÁRIO NACIONAL) Assim para que possa ser realizado o lançamento os dados do respectivo imóvel devem constar no Cadastro. Portanto, o cadastro Imobiliário consiste num conjunto de informações existentes em determinadas áreas urbanas sobre imóveis urbanos, valores dos imóveis, contribuintes, obras públicas e privadas e uso e ocupação do espaço urbano. Em função das constantes alterações na área urbana, que nem sempre são informados na prefeitura, muitos imóveis não constam ou não estão atualizados no cadastro. A atualização do Cadastro Imobiliário é realizada pela identificação de novas áreas construídas através de fotografias aéreas ou imagens de satélite de alta resolução, mas também pela vistoria (visita in loco) aos imóveis por agentes fiscais. Para que esta vistoria contemple os dados que devem constar no Cadastro Imobiliário, elabora-se um Boletim de Informações Cadastrais (BIC). O Boletim de Informações Cadastrais é um formulário onde são anotadas as características de cada unidade imobiliária, para o lançamento de tributos e outras aplicações em planejamento. O BIC elaborado para Venâncio Aires atendeu os requisitos do setor fiscal da prefeitura bem como o do setor de planejamento municipal, contendo campos referentes ao nome do proprietário, CPF, endereço para correspondência, o número de inscrição cadastral do imóvel; bem como campos referentes ao lote e a edificação e um espaço para a elaboração de um croqui; e ainda, campos ligados à infra-estrutura urbana. Desta forma os produtos do cadastro podem estabelecer as bases da arrecadação de impostos, mas por outro, permitem integrar um banco de informações multifinalitárias com aplicações práticas que ultrapassam os propósitos estritamente fiscais. Quando o cadastro, com informações que ultrapassam os propósitos estritamente fiscais, está apoiado numa base cartográfica, ele se torna uma ferramenta indispensável para fornecer informações para auxiliar o gerenciamento dos problemas da cidade (Amorim et al, 2003).

5 2- MÉTODOS E TÉCNICAS 2.1 Definição de sistema de banco de dados e do Boletim Informativo Cadastral a ser utilizado q Na Prefeitura Municipal de Venâncio Aires os dados alfanuméricos referentes às unidades imobiliárias tinham fins somente fiscais e estavam armazenados em um banco de dados disponível, via rede interna, apenas para os setores da Secretaria Municipal da Fazenda e a alguns setores da Secretaria Municipal de Planejamento. Este sistema de banco de dados contém as rotinas necessárias ao lançamento do IPTU. A proposta do Secretário Municipal de Planejamento na época do contrato era, além de atualizar os dados cadastrais, possibilitar a ampliação do uso do cadastro digital, principalmente, para a equipe do plano diretor. Em função disso, era preciso migrar para um Sistema de Informações Geográficas (SIG). Este é um tipo de sistema que realiza o tratamento computacional dos dados geográficos e recupera informações não apenas com base em suas características alfanuméricas, mas também através de sua localização espacial, oferecendo assim ao administrador (urbanista, planejador) uma visão inédita da cidade, em que todas as informações disponíveis sobre um determinado assunto estão ao seu alcance, inter-relacionadas com base no que lhes é fundamentalmente comum a localização geográfica (INPE, 2005). Apesar desse desejo de ampliar o uso dos dados do cadastro imobiliário urbano, ainda havia resistências no Setor Financeiro em adotar um sistema de Banco de Dados mais aberto e que pudesse ser adulterado com mais facilidade. Assim para o cálculo de IPTU e informações financeiras definiu-se que seria mantido o Sistema de Banco de Dados desenvolvido pela empresa INFOTEC, já em uso na prefeitura. Para a criação do Banco de Dados de uso ampliado os dados cadastrais do Sistema da INFOTEC seriam transformados para o modo Dbase. Foram realizadas três reuniões com a equipe da secretaria do planejamento para a definição destes processos e de quais dados alfanuméricos deveriam ser cadastrados. Os técnicos da Secretaria de Planejamento listaram alguns itens relacionados à infra-estrutura das vias e ao saneamento, que gostariam de ver contemplados no

6 levantamento. Posteriormente, realizou-se uma reunião com representante da empresa INFOTEC que desenvolveu o software do Cadastro da Prefeitura Municipal de Venâncio Aires para incorporar ao sistema já implantado os novos dados a serem cadastrados. Concretizada esta possibilidade formatou-se o Boletim Informativo Cadastral Os levantamentos de campo e a alimentação do Banco de Dados existente O levantamento de campo foi realizado por varredura, ou seja, todas as unidades foram visitadas por recadastradores, devidamente uniformizados e identificados. Esta atividade consistiu em: elaboração de croquis das edificações e sua localização espacial no terreno, coleta de informações sobre o lote e as edificações. Nesta atividade trabalharam 10 pessoas com 20 horas semanais (bolsistas da UNISC ou contratos CIEE), durante um ano e quatro meses. A atividade foi encerrada em outubro de Estima-se que o levantamento foi realizado em unidades cadastrais distribuídas em lotes. Para cada um desses lotes, com ou sem edificações foi preenchido um Boletim e desenhado um croqui. Especificamente sobre edificações estima-se que foram realizados levantamentos (alguns lotes não continham edificação, outros somente uma ou várias edificações). Depois de realizados os levantamentos de campo foram efetuados os cálculos de áreas de lotes e edificações, bem como a conferência de dados sobre cada unidade. Desta forma, todos os campos do Boletim ficavam preenchidos e passava-se a outra etapa que era a atualização do banco de dados da empresa Infotec a partir dos dados de campo. Nesta fase, os dados de cada uma das Unidades Cadastrais foram atualizados por meio de digitação. Além da atualização foram digitadas muitas unidades novas, não constantes no cadastro da prefeitura. Para realizar esta atividade foram utilizados 3 computadores do Laboratório de Geoprocessamento da UNISC, que foram transferidos temporariamente para a sala do Recadastramento da Prefeitura Municipal de Venâncio Aires (figura 10). Foram atualizadas unidades e cadastradas novas. Dos registros constantes no Banco de Dados, somente são lotes sem edificação (imposto territorial) os demais se referem às edificações. Quando num lote há uma casa, uma piscina e um quiosque, para este lote haverá três registros. 2.3-A estruturação da base cartográfica

7 A criação de um sistema de Informações Geográficas requer que a geometria e os atributos dos dados estejam geo-referenciados, isto é, localizados na superfície terrestre e representados numa projeção cartográfica. A Prefeitura de Venâncio Aires já dispunha de uma Base Cartográfica Digital de boa qualidade (contendo arruamento, hidrografia, edificações e altimetria de 1m em 1m) obtida por digitalização de 23 Folhas da Planta Urbana na escala 1:2000 (Resultantes de Aerolevantamento de 1984). A digitalização da Planta Urbana foi realizada através de projeto anterior, também numa parceria entre Prefeitura Municipal de Venâncio Aires e Laboratório de Geoprocesamento da UNISC. Como já existia uma base confiável, para fins de atualização cadastral optou-se pelo uso de Imagem de Satélite de Alta Resolução que pudesse ser orto-retificada tendo a base cartográfica antiga e o modelo numérico de terreno dela decorrente como referência. Optou-se pela Imagem Quickbird que possui resolução espacial de 61 centímetros no modo pancromático, permitindo distinguir ruas, contorno de edificações e até mesmo classificação de ocupação urbana. A empresa contratada e responsável pela qualidade do imageamento, recorte e orto-retificação, foi a Intersat. A imagem foi solicitada em 28 de maio de 2003, no entanto, só chegou à disposição da equipe em novembro de 2003, o que comprometeu a dinâmica dos trabalhos, principalmente, pela esperança que se depositava na imagem de facilitar a restituição de lotes e edificações. A partir desse momento, iniciou a estruturação da base cartográfica contendo a representação dos imóveis. Esta fase do projeto compreendeu a construção de um arquivo vetorial digital (extensão.dwg) com as feições geográficas relevantes para o cadastro multifinalitário municipal (faces de quadra/vias, lotes e edificações) tendo como base de desenho a imagem de satélite de alta resolução geo-referenciada (QuickBird) e os boletins, croquis obtidos no cadastramento de campo, e novos levantamentos de campo. Os lotes e as edificações foram representados como polígonos fechados. O processo de digitalização da base cartográfica foi desenvolvido em tela, sobre a imagem de satélite de alta resolução geo-referenciada, utilizando-se o programa AutoCad Map (Figura 1). Consultas aos croquis dos lotes e edificações, obtidos no cadastramento em campo foram necessárias, porque as delimitações das feições geográficas na imagem não eram claras ou apresentarem-se parcialmente cobertas por árvores ou sombras. Este problema das imagens Quickbird foi comentado por Huinca et al. (2005, p.454):

8 Os sensores orbitais de alta resolução como o Quickbird e o Ikonos são direcionáveis para diminuir o intervalo de tempo de imageamento consecutivo de um mesmo local da supefície terrestre. Assim, as imagens em geral apresentam um efeito de perspectiva pelo fato de a visada estar inclinada, não nadiral. Em função dessa dificuldade a imagem não serviu como base para definição de medidas, mas como referência de localização das medidas realizadas em campo (Figura 1).

9 Figura 1- Arquivo vetorial com lotes, edificações e número de quadra tendo como base a imagem de alta resolução. Quatro digitalizadores devidamente treinados na utilização do programa AutoCad Map realizaram a digitalização. Novas visitas a campo foram necessárias para verificação de dúvidas não sanadas pelos croquis, até que se chegasse a digitalização completa para toda a área urbana (Figura 2).

10 Figura 2- Arquivo vetorial mostrando parte dos lotes e edificações da cidade 2.4- Conversão do Sistema Cadastral em Banco de Dados Geográficos O primeiro passo na construção do Banco de Dados Geográficos da Cidade de Venâncio Aires, foi a criação de um diagrama que definisse o modelo contendo as entidades da realidade a serem modeladas no sistema (figura 2). Esta concepção inicial sofreu alterações durante o processo de implementação, no entanto, o que permaneceu como fundamental foi a necessidade de inserir numa única base de dados, informações espaciais provenientes de dados cartográficos e do

11 cadastro urbano e oferecer mecanismos para combinar as várias informações, bem como consultar, recuperar e visualizar o conteúdo da base de dados georeferenciados. Cadastro Imobiliário de Venâncio Aires Banco de Dados Geográficos Lotes Dados gráficos Edificações Dados gráficos Identificador Número cadastral Lotes Dados alfanuméricos Proprietário, Quadra, Setor, Rua, Área, Situação, Ocupação, Tipo de imposto, Patrimônio, Situação legal, Passeio, Esgoto, Pedologia, Topografia, Limites Identificador Número cadastral Edificações Dados alfanuméricos Proprietário, Quadra, Setor, Rua, Área, Situação, Ocupação Sentido, Pavimentos, Tipologia, Estrutura, Destinação, Padrão, Utilização, área edificada, Situação legal etc. Armazenamento, visualização, consultas por atributo, atualização Figura 3- Modelo de Relacionamentos criados no Banco de Dados Geográfico. Para a criação do Banco de dados alfanuméricos, compatível com a aplicação desejada, foi necessária a conversão dos dados do banco existente na Prefeitura (INFOTEC), devidamente atualizado durante os anos 2003 e 2004 a partir de levantamentos de campo, para um formato apropriado a ser associado à base

12 cartográfica em um sistema de informações geográficas. O banco de dados atualizado foi disponibilizado em formato.txt e convertido para o formato.xls (Excel) e através da identificação das variáveis do cadastro, reestruturou-se essas informações distribuindo-as em duas tabelas, uma para cada entidade geográfica lotes e edificações. Outra etapa necessária na construção do Banco de Dados Geográficos foi a criação das chaves de acesso entre as entidades geográficas (lotes e edificações) e as tabelas. No processo de transferência de dados da base cartográfica para o Sistema de Gerenciador de Banco de Dados Geográfico (que contém e interliga os dados alfanuméricos e espaciais) foram utilizados os seguintes softwares de Geoprocessamento: AutoCADMap, Idrisi e ArcView. As entidades geográficas (lotes e edificações) foram importadas como polígonos no sistema ArcView. Neste sistema também foram definidas as chaves de acesso para cada polígono criado o número usado foi o número de registro no banco de dados da Prefeitura. Por fim, ainda no ArcView, definiu-se os diferentes campos que deveriam constar em cada tabela, de lotes e edificações, respectivamente. Uma vez criadas as tabelas com as chaves de acesso como identificador do registro (tanto para lotes como para edificações) copiaram-se os dados da tabela de cada uma das respectivas tabelas. Esta cópia de dados de um arquivo para o outro foi efetuado no programa Excel. Os dados foram transferidos do banco da prefeitura (.xls) para o banco de dados espacial (.dbf). O novo banco de dados criado é do tipo relacional e tem estrutura SQL (Structured Query Language). A associação do banco de dados à base cartográfica foi efetuada dentro do programa Arc View, em função disso tem arquitetura dual, ou seja, cada entidade geográfica tem um identificador único e também cada linha das tabelas descritivas tem um identificador único e o software verifica quais goemetrias correspondem a que linhas na tabela. Depois de Criado o Banco de Dados Geográfico no ArcView os arquivos foram transferidos para o aplicativo Terra View desenvolvido pelo INPE. por ser um software livre e por apresentar um melhor enquadramento das vistas e tabelas na tela (Figuras 4 e 5).

13 Figura 4- Consulta por atributo - lotes do tipo somente territorial.

14 Figura 5- Consulta por atributo - edificações com estrutura de madeira. 2- CONSIDERAÇÕES FINAIS 3- No desenvolvimento desse projeto criaram-se as associações entre a representação gráfica (polígonos) e os dados alfanuméricos para lotes e para edificações. A configuração dos lotes e edificações na representação permitiu a visualização e consulta espacial, podendo auxiliar no controle dos registros cadastrais. Constatou-se que a estrutura de banco de dados geográfico proposta no software

15 Terraview é eficiente, pois possibilitou a construção de um modelo espacial reunindo objetos articulados. O banco de dados geográfico criado permite a consulta e apresentação em tela das consultas, bem como a informação sobre lotes e/ou edificações quando apontadas em tela. A criação do banco de dados espacial permitiu corrigir muitos erros de digitação e duplicidade no banco de dados oficial da prefeitura que serve para fins fiscais. A gestão municipal é complexa envolve muitos atores e é essencialmente espacializada, assim sendo é imprescindível o desenvolvimento de bancos de dados que possa armazenar informações espaciais. O banco de dados criado, por enquanto, é essencialmente cadastral. Complementando-se a base de dados desenvolvida com outros planos de informação (rede de vias, redes de saneamento, redes elétricas, dados censitários) será possível conceber e implementar uma vasta gama de aplicações na administração publica municipal, como por exemplo no trânsito, na educação, na saúde, no saneamento e no planejamento urbano. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: AMORIM, Amilton; Miyashita, Priscila M.; Ramos, Regiane; Ennes, Rejane. Conversão de dados do sistema cadastral multifinalitário de Ribeirão dos Índios- SP, do REMAP PLUS para o SPRING. Disponível em: <http://www.cartografia.org.br/xxi_cbc/130-ct05.pdf >. Acesso em 10 de junho de BRASIL. Lei nº 5.172, de 25 de outubro de 1966 Código Tributário Nacional. Disponível em: <http://www.receita.fazenda.gov.br/ Legislacao/CodTributNaci/ctn.htm>. Acesso em 10 de junho de CASANOVA, Marco A; DAVIS, Clodoveu; CAMARA, Gilberto; VINHAS, Lubia; QUEIROZ, Gilberto. Banco de Dados Geográficos. Curitiba: MundoGEO, p. HUINCA, Suelen C. M; ARAKI, Hideo; CAVALHEIRO, Ana C. Correção Geométrica de imagem Quickbird para áreas urbanas utilizando modelos geométricos generalizados e dados de laser scanning. In: Anais do Simpósio de Sensoriamento Remoto, Goiânia, INPE, p

16 INPE. Tutorial do Curso de Banco de Dados Geográficos. Divisão de Processamento de Imagens. Fevereiro de IPEA, IBGE, UNICAMP, NESUR, IPARDES. Caracterização e tendência da rede urbana do Brasil: Redes urbanas Regionais - Sul. v. 6 (1ª Reimpressão). Brasília: IPEA, p.

TRIBUTAÇÃO PELO IPTU: GEOINFORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO CADASTRAL

TRIBUTAÇÃO PELO IPTU: GEOINFORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO CADASTRAL TRIBUTAÇÃO PELO IPTU: GEOINFORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO CADASTRAL Lauro Marino Wollmann Agente Fiscal da Receita Municipal Secretaria da Fazenda - Porto Alegre Porto Alegre, 20 de novembro de 2014. Para exigir

Leia mais

Geoprocessamento / Sistemas de Informações Geográficas Estudo de Caso: Municipalidade

Geoprocessamento / Sistemas de Informações Geográficas Estudo de Caso: Municipalidade Geoprocessamento / Sistemas de Informações Geográficas Estudo de Caso: Municipalidade Professor: Frederico D. Bortoloti Laboratório de Topografia e Cartografia - UFES Como localizar no planeta o país onde

Leia mais

O Termo SIG é aplicado para sistemas que realizam o tratamento computacional de dados geográficos

O Termo SIG é aplicado para sistemas que realizam o tratamento computacional de dados geográficos Prof. Herondino O Termo SIG é aplicado para sistemas que realizam o tratamento computacional de dados geográficos Inserir e integrar, numa única base de dados informações espaciais provenientes de: meio

Leia mais

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBio DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA - DIPLAN COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS -

Leia mais

Inovação Tecnológica no Cadastro Técnico Multifinalitário

Inovação Tecnológica no Cadastro Técnico Multifinalitário Inovação Tecnológica no Cadastro Técnico Multifinalitário Amilton Amorim Universidade Estadual Paulista - UNESP. Departamento de Cartografia Presidente Prudente SP. Grupo de Pesquisa em Aquisição e Representação

Leia mais

Geoprocessamento na Prefeitura Municipal de Campo Grande - MS. Campo Grande/MS 2012

Geoprocessamento na Prefeitura Municipal de Campo Grande - MS. Campo Grande/MS 2012 Geoprocessamento na Prefeitura Municipal de Campo Grande - MS. Campo Grande/MS 2012 Plano Diretor: 1º - O plano diretor, aprovado pela Câmara Municipal, obrigatório para cidades com mais de vinte mil habitantes,

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO IMOBILIÁRIO DE CIDADES DE PEQUENO PORTE A PARTIR DO USO DE SOFTWARES LIVRES. Érika Gonçalves Pires 1,2 Kaykc Moreira de Sousa 1

CADASTRO TÉCNICO IMOBILIÁRIO DE CIDADES DE PEQUENO PORTE A PARTIR DO USO DE SOFTWARES LIVRES. Érika Gonçalves Pires 1,2 Kaykc Moreira de Sousa 1 CADASTRO TÉCNICO IMOBILIÁRIO DE CIDADES DE PEQUENO PORTE A PARTIR DO USO DE SOFTWARES LIVRES. Érika Gonçalves Pires 1,2 Kaykc Moreira de Sousa 1 1 Instituto Federal do Tocantins - IFTO/Palmas Coordenação

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho GEOPROCESSAMENTO Herondino Filho Sumário 1. Introdução 1.1 Orientações Avaliação Referência 1.2 Dados Espaciais 1.2.1 Exemplo de Dados Espaciais 1.2.2 Aplicações sobre os Dados Espaciais 1.3 Categoria

Leia mais

Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs

Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs O objetivo deste documento é fazer uma revisão bibliográfica para elucidar as principais diferenças entre os SGBDs, apontando

Leia mais

SIG - Sistemas de Informação Geográfica

SIG - Sistemas de Informação Geográfica SIG - Sistemas de Informação Geográfica Gestão da Informação Para gestão das informações relativas ao desenvolvimento e implantação dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Leia mais

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS FERRAMENTAS ELETRÔNICAS NO APRIMORAMENTO DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS FERRAMENTAS ELETRÔNICAS NO APRIMORAMENTO DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc.

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. SUMÁRIO Apresentação da ementa Introdução Conceitos Básicos de Geoinformação Arquitetura de SIGs Referências Bibliográficas APRESENTAÇÃO

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 006/2010

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 006/2010 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 006/2010 INSTITUI A PLANTA GENÉRICA DE VALORES DO MUNICÍPIO DEFINE CRITÉRIOS PARA LANÇAMENTO DO IMPOSTO PREDIAL E TERRITORIAL URBANO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito

Leia mais

O USO DO SIG NA ADMINISTRAÇÃO E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS DA COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA TERRACAP

O USO DO SIG NA ADMINISTRAÇÃO E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS DA COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA TERRACAP O USO DO SIG NA ADMINISTRAÇÃO E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS DA COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA TERRACAP Thais Borges Sanches Lima e Bruno Tamm Rabello Setembro/2012 Introdução 1. Experiência de um grupo de

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CANOINHAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO "Departamento de Licitações"

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CANOINHAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO Departamento de Licitações PROCESSO N.º 02/2009 TOMADA DE PREÇOS N.º 0/2009 ANEXO IV CRONOGRAMA FÍSICO PRAZO DE EXECUÇÃO (MESES) ITEM DESCRIÇÃO DOS PRODUTOS E SERVIÇOS o MÊS 2 o MÊS 3 o MÊS 4 o MÊS 5 o MÊS 6 o MÊS 7 o MÊS 8 o MÊS

Leia mais

A utilização de Sistema de Informação Geográfica baseada em software livre na área de Segurança Pública

A utilização de Sistema de Informação Geográfica baseada em software livre na área de Segurança Pública A utilização de Sistema de Informação Geográfica baseada em software livre na área de Segurança Pública Alan Peixoto Medeiros Universidade Presidente Antônio Carlos Rodovia MG 368 KM 12 Colônia Rodrigo

Leia mais

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de padrões espaciais; Controle e ordenação do espaço. Técnicas

Leia mais

SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN

SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN Adeline M. Maciel, Luana D. Chagas, Cláubio L. L. Bandeira Mestrado em Ciência da Computação (MCC) Universidade do Estado do

Leia mais

PORTARIA Nº, DE xx DE xxxxx DE 2009

PORTARIA Nº, DE xx DE xxxxx DE 2009 MINISTÉRIO DAS CIDADES PORTARIA Nº, DE xx DE xxxxx DE 2009 Diretrizes para a criação, instituição e atualização do Cadastro Territorial Multifinalitário (CTM) nos municípios brasileiros. O MINISTRO DE

Leia mais

. ORegistro Imobiliário (PARA OS DADOS LEGAIS) e;. O Cadastro Imobiliário (PARA OS DADOS GEOMÉTRICOS).

. ORegistro Imobiliário (PARA OS DADOS LEGAIS) e;. O Cadastro Imobiliário (PARA OS DADOS GEOMÉTRICOS). A IMPORTÂNCIA DOS CONVÊNIOS COM OS CARTÓRIOS E A RECEITA FERAL PARA PURAÇÃO DOS DADOS DA CERTIDÃO DÍVIDA ATIVA. 1 INTRODUÇÃO O 1.1 A CIDA ARACAJU CAPITAL DO ESTADO SERGIPE /BRASIL POPULAÇÃO SERGIPE 1.939.426

Leia mais

Experiências de municípios fluminenses na implantação do cadastro urbano - Palestrante: André Costa - SIGCidades/UFF

Experiências de municípios fluminenses na implantação do cadastro urbano - Palestrante: André Costa - SIGCidades/UFF Experiências de municípios fluminenses na implantação do cadastro urbano - Palestrante: André Costa - SIGCidades/UFF 1 Experiências de Municípios Fluminenses na Implantação do Cadastro Urbano Projeto SIGCidades

Leia mais

Introdução ao Geoprocessamento

Introdução ao Geoprocessamento Sistema de Informação Geográfica SIG Introdução ao Geoprocessamento Professor: Daniel Luis Nithack e Silva O processo de urbanização marcha em um ritmo mais acelerado do que as possibilidades de planejar

Leia mais

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações;

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações; Estrutura dos Dados Geográficos Organização lógica dos dados para preservar sua integridade e facilitar o seu uso. Vetorial Raster ou Matricial Dado Vetorial Usa entidades como ponto, linha e polígono

Leia mais

IPTU 2013 Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana

IPTU 2013 Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana IPTU 2013 Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana PERGUNTAS E RESPOSTAS 1 - Qual é a base de cálculo do IPTU? A base de cálculo do IPTU é o valor venal do imóvel. 2 - O que é valor venal?

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas

Sistema de Informações Geográficas UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE Pós Graduação Ecologia e Manejo de Recursos Naturais Sistema de Informações Geográficas Prof. Fabiano Luiz Neris Criciúma, Março de 2011. A IMPORTÂNCIA DO ONDE "Tudo

Leia mais

TEMA: PDM Digital Uma metodologia para a conversão analógico-digital e integração em SIG

TEMA: PDM Digital Uma metodologia para a conversão analógico-digital e integração em SIG Autores: Fernando Cruz - E-mail: f2crux@clix.pt Rui Teixeira - E-mail: rtsf@clix.pt Instituição: Câmara Municipal de Salvaterra de Magos Palavras chave: Cartografia digital, PDM, integração em SIG. Sessão

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão 01 Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão Rodrigo G. Trevisan¹; José P. Molin² ¹ Eng. Agrônomo, Mestrando em Engenharia de Sistemas Agrícolas (ESALQ-USP); ² Prof. Dr. Associado

Leia mais

SPRING 3.6.03 - Apresentação

SPRING 3.6.03 - Apresentação SPRING 3.6.03 - Apresentação GEOPROCESSAMENTO Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informações espaciais, geração de saídas na forma de mapas, relatórios, arquivos digitais, etc;

Leia mais

Documento de Visão Sistema de Arrecadação de IPTU - SAI

Documento de Visão Sistema de Arrecadação de IPTU - SAI Sistema de Arrecadação de IPTU - SAI Versão 1.1R01 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor (es) 12/08/2008 1.0 Documento inicial Márcio Roehe 26/08/2008 1.1 Revisão Ajustes e complementação Roberto

Leia mais

SOLUÇÃO INTEGRADA PARA PROJETOS DE REGULARIZAÇÃO E REURBANIZAÇÃO DE NÚCLEOS ESPECIAIS DE SUBMORADIAS

SOLUÇÃO INTEGRADA PARA PROJETOS DE REGULARIZAÇÃO E REURBANIZAÇÃO DE NÚCLEOS ESPECIAIS DE SUBMORADIAS SOLUÇÃO INTEGRADA PARA PROJETOS DE REGULARIZAÇÃO E REURBANIZAÇÃO DE NÚCLEOS ESPECIAIS DE SUBMORADIAS Liane Silva Ramos, Dra. ENGEFOTO Engenharia de Aerolevantamentos S.A. Setor de Levantamentos Cadastrais

Leia mais

Conceitos Iniciais MARCEL SANTOS SILVA

Conceitos Iniciais MARCEL SANTOS SILVA Conceitos Iniciais MARCEL SANTOS SILVA DPI - INPE Criada em 1984, a Divisão de Processamento de Imagens (DPI) faz parte da Coordenação Geral de Observação da Terra/OBT do Instituto Nacional de Pesquisas

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I)

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB450 TOPOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO II PROF. DR. CARLOS ALBERTO VETTORAZZI

Leia mais

Banco de dados de Pontos de Controle para Correção de Imagens de Sensoriamento Remoto na Internet.

Banco de dados de Pontos de Controle para Correção de Imagens de Sensoriamento Remoto na Internet. Banco de dados de Pontos de Controle para Correção de Imagens de Sensoriamento Remoto na Internet. Kátia Alves Arraes 1 Miguel Dragomir Zanic Cuellar 1 Paulo Cesar Gurgel Albuquerque 2 1 Instituto Nacional

Leia mais

GERAÇÃO DE MAPAS DIGITAIS E MODELOS TRIDIMENSIONAIS DE SUPERFÍCIES. Manoel Silva Neto Engenheiro Cartógrafo

GERAÇÃO DE MAPAS DIGITAIS E MODELOS TRIDIMENSIONAIS DE SUPERFÍCIES. Manoel Silva Neto Engenheiro Cartógrafo GERAÇÃO DE MAPAS DIGITAIS E MODELOS TRIDIMENSIONAIS DE SUPERFÍCIES Manoel Silva Neto Engenheiro Cartógrafo Com um novo conceito enraizado na inovação, a Droneng busca integrar a multidisciplinaridade no

Leia mais

O contribuinte do IPTU é o proprietário do imóvel, o titular do seu domínio útil ou o seu possuidor, a qualquer título.

O contribuinte do IPTU é o proprietário do imóvel, o titular do seu domínio útil ou o seu possuidor, a qualquer título. IMPOSTO PREDIAL E TERRITORIAL URBANO IPTU FATO GERADOR E INCIDÊNCIA O Imposto Predial e Territorial Urbano - IPTU tem como fato gerador a propriedade, o domínio útil ou posse de todo e qualquer bem imóvel

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

Diretrizes para o Cadastro Territorial Multifinalitário

Diretrizes para o Cadastro Territorial Multifinalitário Mesa Temática: CADASTRO E ORDENAMENTO DA OCUPAÇÃO URBANA Diretrizes para o Cadastro Territorial Multifinalitário EGLAÍSA MICHELINE PONTES CUNHA Ministério das Cidades capacidades@cidades.gov.br Eqüidade

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e. Prefeitura Municipal de Tupãssi

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e. Prefeitura Municipal de Tupãssi NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e Prefeitura Municipal de Tupãssi PERGUNTAS E RESPOSTAS O QUE É A NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e? R NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA (NFS-e) é um documento

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) NOTA TÉCNICA Nº 43

INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) NOTA TÉCNICA Nº 43 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) NOTA TÉCNICA Nº 43 AQUISIÇÃO, TRATAMENTO E DISPONIBILIZAÇÃO DE IMAGENS

Leia mais

PORTARIA GSF N 38/2013 Teresina (PI), 10 de junho de 2013.

PORTARIA GSF N 38/2013 Teresina (PI), 10 de junho de 2013. PORTARIA GSF N 38/2013 Teresina (PI), 10 de junho de 2013. Publicado no DOM n 1.528, de 14.06.2013 Dispõe sobre procedimentos para solicitações referentes ao Imposto Predial e Territorial Urbano - IPTU,

Leia mais

Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto. Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG

Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto. Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG Autor/apresentador Eng. José Maria Viillac Pinheiro Currículo Sócio

Leia mais

GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS

GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS - Produtos Cartográficos - Geoprocessamento - Sistemas de Informações Geográficas (GIS) - Serviços de Mapas - Demo de um GIS aplicado na PMSP CARTOGRAFIA (conceitos)

Leia mais

MODELAGEM CONCEITUAL DE BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS

MODELAGEM CONCEITUAL DE BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS MODELAGEM CONCEITUAL DE BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS Bruno Rabello Monteiro Clodoveu A. Davis Jr. SUMÁRIO Introdução Quem se interessa por (BDG)? Noções de Geoinformática Conceitos: SIG e BDG Projeto Conceitual

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE ZONAS HOMOGÊNEAS, USANDO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS: ESTUDO DE CASO EM FLORIANÓPOLIS (SC).

DETERMINAÇÃO DE ZONAS HOMOGÊNEAS, USANDO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS: ESTUDO DE CASO EM FLORIANÓPOLIS (SC). DETERMINAÇÃO DE ZONAS HOMOGÊNEAS, USANDO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS: ESTUDO DE CASO EM FLORIANÓPOLIS (SC). Ana Maria Milles da Silva 1 André Luiz Heberle 2 Norberto Hochheim 3 1, 2, 3 Universidade

Leia mais

INFLUÊNCIA DA OCUPAÇÃO URBANA NO MEIO AMBIENTE DA PLANÍCIE COSTEIRA DO CAMPECHE SC, COM O USO DE GEOPROCESSAMENTO

INFLUÊNCIA DA OCUPAÇÃO URBANA NO MEIO AMBIENTE DA PLANÍCIE COSTEIRA DO CAMPECHE SC, COM O USO DE GEOPROCESSAMENTO INFLUÊNCIA DA OCUPAÇÃO URBANA NO MEIO AMBIENTE DA PLANÍCIE COSTEIRA DO CAMPECHE SC, COM O USO DE GEOPROCESSAMENTO PROFª MSC. MARIANE ALVES DAL SANTO MAURICIO SILVA Laboratório de Geoprocessamento - GeoLab

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO BRASIL

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO BRASIL DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO BRASIL MOURA, A. L. A. 1 ; SÁ, L. A. C. M 2 RESUMO - A presente pesquisa está sendo desenvolvida com o objetivo de formular uma base de dados espaciais

Leia mais

Apresentações do evento GGP 2013

Apresentações do evento GGP 2013 Apresentações do evento GGP 2013 Acesse outras apresentações e vídeos das palestras no site: http://www.ggp.uerj.br Processos GIS: Benefícios e Progressos para a Gestão José Augusto da Silva Machado Gerente

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE AQUIRAZ Secretaria de Finanças e Execução Orçamentária

PREFEITURA MUNICIPAL DE AQUIRAZ Secretaria de Finanças e Execução Orçamentária INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/ 2013 Dispõe sobre a criação e funcionamento da comissão de avaliação de imóveis para fins de calculo do Imposto sobre transmissão inter-vivos de bens imóveis, e dá outras providências.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática Universidade Federal de Viçosa (MG) jugurta@dpi.ufv.br Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática Tópicos

Leia mais

Banco de Dados Geográficos

Banco de Dados Geográficos INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais CAP Computação Aplicada Banco de Dados Geográficos Prof. Gilberto Câmara Assit. Gilberto Ribeiro de Queiroz Lista de Exercícios 1 por Claudiney Calixto

Leia mais

MAPAS URBANOS INTELIGENTES CAPÍTULO 04 RESULTADOS E ANÁLISES

MAPAS URBANOS INTELIGENTES CAPÍTULO 04 RESULTADOS E ANÁLISES CAPÍTULO 04 RESULTADOS E ANÁLISES Neste capítulo serão abordados os resultados e as análises decorrentes da aplicação do método proposto no desenvolvimento deste trabalho. a) Integração dos Dados Raster/Vector

Leia mais

Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS

Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS 5.1 - GEOPROCESSAMENTO E INTERNET...2 5.2 - BIBLIOTECAS DIGITAIS...4 5.2.1 - Introdução...4 5.2.2 - Natureza dos Dados Geográficos...4 5.2.3 - Apresentação dos Dados...5

Leia mais

DECRETO Nº 5 DE 2 DE JANEIRO DE 2013

DECRETO Nº 5 DE 2 DE JANEIRO DE 2013 DECRETO Nº 5 DE 2 DE JANEIRO DE 2013 SÚMULA: Estabelece a Programação Financeira, em Metas Bimestrais de Arrecadação, das Receitas previstas para o exercício financeiro de 2013, do Município de Londrina,

Leia mais

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO ROGER TORLAY 1 ; OSVALDO T. OSHIRO 2 N 10502 RESUMO O sensoriamento remoto e o geoprocessamento trouxeram importantes avanços

Leia mais

PLANEJAMENTO URBANO ASSESSORADO PELO SIG - SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS

PLANEJAMENTO URBANO ASSESSORADO PELO SIG - SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS PLANEJAMENTO URBANO ASSESSORADO PELO SIG - SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS Cristiane Borges de Souza Orientação: Prfª. Drª. Denise Labrea Ferreira Instituto de Geografia Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

ANEXO II - B CONCORRÊNCIA PÚBLICA Nº 003 /2014 CRONOGRAMA FINANCEIRO DE PAGAMENTO

ANEXO II - B CONCORRÊNCIA PÚBLICA Nº 003 /2014 CRONOGRAMA FINANCEIRO DE PAGAMENTO ANEXO II - B CONCORRÊNCIA PÚBLICA Nº 003 /2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 2014024970/2014 CRONOGRAMA FINANCEIRO DE PAGAMENTO Sabendo que o prazo do contrato será de 12 meses para fins de cronograma financeiro,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Sorocaba Estado de São Paulo

Prefeitura Municipal de Sorocaba Estado de São Paulo Programa de Modernização da Administração Tributária e da Gestão dos Setores Sociais Básicos Palestrante: Mauricio Biazotto Corte Secretário Municipal do Governo e Planejamento Características do Município:

Leia mais

TOPOGRAFIA AULA1 PORQUE? Prof. M.Sc. Engenharia Civil Diogo Maia diogomai@gmail.com

TOPOGRAFIA AULA1 PORQUE? Prof. M.Sc. Engenharia Civil Diogo Maia diogomai@gmail.com TOPOGRAFIA AULA1 PORQUE? Desenvolve a capacidade de visualização do terreno, abordando os princípios práticos e teóricos dos atuais métodos de levantamentos topográficos, bem como sua representação, com

Leia mais

Tecnologias Digitais de Geoprocessamento

Tecnologias Digitais de Geoprocessamento Gilberto Pessanha Ribeiro Engenheiro Cartógrafo - UERJ Mestre em Ciências Geodésicas - UFPR Doutor em Geografia UFF Especialista em Geologia do Quaternário Museu Nacional/UFRJ gilberto@eng.uerj.br gilberto@globalgeo.com.br

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informaçõ. ções espaciais, geraçã

GEOPROCESSAMENTO. Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informaçõ. ções espaciais, geraçã GEOPROCESSAMENTO Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informaçõ ções espaciais, geraçã ção o de saídas na forma de mapas, relatórios, rios, arquivos digitais, etc; Deve prover recursos

Leia mais

3 O Geoprocessamento e o Sistema de Informação Geográfico

3 O Geoprocessamento e o Sistema de Informação Geográfico 3 O Geoprocessamento e o Sistema de Informação Geográfico Este capítulo apresenta uma introdução aos conceitos referentes ao Geoprocessamento e o Sistema de Informação Geográfico. Será apresentada a estruturação

Leia mais

Geração de cadastro técnico ambiental no município de Rio Verde - GO utilizando como apoio geotecnologias

Geração de cadastro técnico ambiental no município de Rio Verde - GO utilizando como apoio geotecnologias Geração de cadastro técnico ambiental no município de Rio Verde - GO utilizando como apoio geotecnologias Wellington Nunes de Oliveira 1 Bernard Silva de Oliveira 2 Helber de Carvalho 3 Helci Ferreira

Leia mais

Técnicas de Cartografia Digital

Técnicas de Cartografia Digital Técnicas de Cartografia Digital Maria Cecília Bonato Brandalize 2011 Aula 8 1. Vetoriais 2. Matriciais 3. Vantagens e Desvantagens 1. Vetoriais 2. Matriciais 3. Vantagens e Desvantagens Como são representados

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM GEORREFERENCIAMENTO DE IMÓVEIS RURAIS 360h - FAÇA SUA MATRÍCULA!!!

CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM GEORREFERENCIAMENTO DE IMÓVEIS RURAIS 360h - FAÇA SUA MATRÍCULA!!! CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM GEORREFERENCIAMENTO DE IMÓVEIS RURAIS 360h - FAÇA SUA MATRÍCULA!!! CERTIFICAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA - UFRA TURMA EM MARABÁ COORDENAÇÃO DSC. Luiz Gonzaga da

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 286/2014

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 286/2014 DECRETO Nº 286/2014 Dispõe sobre o recadastramento imobiliário do município de Viana. O PREFEITO MUNICIPAL, Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais que lhe conferem a Lei Orgânica do

Leia mais

Uso de Sistema de Informações Geográficas na atualização e modernização da área comercial da companhia de saneamento Águas e Esgotos do Piauí S/A

Uso de Sistema de Informações Geográficas na atualização e modernização da área comercial da companhia de saneamento Águas e Esgotos do Piauí S/A Uso de Sistema de Informações Geográficas na atualização e modernização da área comercial da companhia de saneamento Águas e Esgotos do Piauí S/A Elaine Cristina Osório Rocha 1 Valdira de Caldas Brito

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Prof. Pablo Santos 4 a Aula SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA - SIG Introdução Definições Necessárias

Leia mais

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1 Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1 1. CODIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA RECEITA Para melhor identificação da entrada dos recursos aos cofres públicos, as receitas são codificadas

Leia mais

Análise da Consistência Cadastral Aplicada à Tributação Imobiliária Urbana

Análise da Consistência Cadastral Aplicada à Tributação Imobiliária Urbana Artigo Informática Pública ano 10 (2): 79-86, 2008 Análise da Consistência Cadastral Aplicada à Tributação Imobiliária Urbana Ma r c o s Au r é l i o Pe l e g r i n a 1 Lu i z Fe r n a n d o Ch u l i pa

Leia mais

Gabriel Carvalho Business Developer

Gabriel Carvalho Business Developer Gabriel Carvalho Business Developer ESTRUTURA DA CORPORAÇÃO Geosystems Metrology Captura, referência, analise, processo e armazenamento de valiosa informação geográfica, permitindo, em muitos casos, os

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO: DIGITAL OU ANALÓGICO?

CADASTRO TÉCNICO: DIGITAL OU ANALÓGICO? CADASTRO TÉCNICO: DIGITAL OU ANALÓGICO? Leila Meneghetti 1 1 Prof a. do curso de Transportes e Obras de Terra da FATEC-SP. leilam@fatecsp.br Resumo O cadastro técnico representa um vasto campo de atuação

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE e VALIDAÇÃO DE PRODUTO CARTOGRÁFICO

CONTROLE DE QUALIDADE e VALIDAÇÃO DE PRODUTO CARTOGRÁFICO CONTROLE DE QUALIDADE e VALIDAÇÃO DE PRODUTO CARTOGRÁFICO Editar dados em vários formatos e armazenar estas informações em diferentes sistemas é provavelmente uma das atividades mais comuns para os profissionais

Leia mais

Utilização de SIGs na Análise de Irregularidades na Distribuição do Eleitorado no Estado do Rio Grande do Norte nas Eleições Municipais de 2008

Utilização de SIGs na Análise de Irregularidades na Distribuição do Eleitorado no Estado do Rio Grande do Norte nas Eleições Municipais de 2008 Utilização de SIGs na Análise de Irregularidades na Distribuição do Eleitorado no Estado do Rio Grande do Norte nas Eleições Municipais de 2008 Francisco Márcio de Oliveira 2, Igor Saraiva Brasil 1 1 Programa

Leia mais

Teoria : Estruturas de Dados. Estrutura Vetorial. Quais tipos de dados são representados por estruturas vetoriais? Mapa temático:

Teoria : Estruturas de Dados. Estrutura Vetorial. Quais tipos de dados são representados por estruturas vetoriais? Mapa temático: Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de ciências Humanas e da Educação FAED Mestrado em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Socio- Ambiental - MPPT Disciplina: Geoprocessamento

Leia mais

Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município

Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município Foco na Gestão Comercial e Operacional Estamos vivenciando atualmente, uma profunda transformação no Setor de Saneamento. As Companhias

Leia mais

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO. Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br]

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO. Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br] INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br] Introdução ao Geoprocessamento Conceitos básicos Componentes de um SIG Exemplos de aplicações Conceitos Geoprocessamento

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil GEOPROCESSAMENTO. Profa. Adriana Goulart dos Santos

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil GEOPROCESSAMENTO. Profa. Adriana Goulart dos Santos Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil GEOPROCESSAMENTO Profa. Adriana Goulart dos Santos Aula 2 o INTRODUÇÃO A SIG o MODELAGEM DE DADOS Por que Geoprocessamento? Porque

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL CPOS 0380/2008 A 109 CPI CPI 2843/2009 LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL Av. São Paulo x Av. Atlântica - Lotes 19 e 20 Quadra 6 Bairro Vila Atlântica Mongaguá SP CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário

Leia mais

ANEXO II-A CONCORRÊNCIA PÚBLICA Nº 003/2014 DETALHAMENTO DA PROPOSTA DE PREÇOS

ANEXO II-A CONCORRÊNCIA PÚBLICA Nº 003/2014 DETALHAMENTO DA PROPOSTA DE PREÇOS ANEXO II-A Edital de Concorrência Pública N 003/2014 Técnica e Preço CONCORRÊNCIA PÚBLICA Nº 003/2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 2014024970/2014 DETALHAMENTO DA PROPOSTA DE PREÇOS QTDADE ITEM Detalhamento

Leia mais

Manual de Avaliação de Imóveis

Manual de Avaliação de Imóveis Versão 1.0 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor (es) 29/07/1989 1.0 Documento inicial João da Silva Assessoria de Tecnologia da Informação, 2008 Página 2 de 31 Assessoria de Tecnologia da Informação,

Leia mais

IMPACTOS NO MAPEAMENTO CADASTRAL

IMPACTOS NO MAPEAMENTO CADASTRAL IMPACTOS NO MAPEAMENTO CADASTRAL PMSP Prefeitura do Município de São Paulo SIURB Secretaria da Infra-Estrutura Urbana CONVIAS Departamento de Controle de Uso de Vias Públicas CONVIAS 3 - Divisão de Topografia

Leia mais

Mesa: Diretrizes Nacionais para o Cadastro Territorial Multifinalitário e Avaliação em Massa de Imóveis

Mesa: Diretrizes Nacionais para o Cadastro Territorial Multifinalitário e Avaliação em Massa de Imóveis Mesa: Diretrizes Nacionais para o Cadastro Territorial Multifinalitário e Avaliação em Massa de Imóveis Coordenador: Everton Silva Apresentadora: Eglaísa Micheline Pontes Cunha Debatedores: Diego Erba,

Leia mais

ANÁLISE ESPACIAL INTEGRADA NO BONFIM, PETROPÓLIS, RJ, APLICADO AO USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL, COM SUPORTE DE GEOTECNOLOGIAS

ANÁLISE ESPACIAL INTEGRADA NO BONFIM, PETROPÓLIS, RJ, APLICADO AO USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL, COM SUPORTE DE GEOTECNOLOGIAS RELATÓRIO TÉCNICO PROJETO DE PESQUISA FAPERJ AUXÍLIO À PESQUISA APQ1 PROCESSO E-26/111.893/2012 RESPONSÁVEL: GILBERTO PESSANHA RIBEIRO ANÁLISE ESPACIAL INTEGRADA NO BONFIM, PETROPÓLIS, RJ, APLICADO AO

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE IMAGENS ORBITAIS PARA WEBMAPPING

ESTRUTURAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE IMAGENS ORBITAIS PARA WEBMAPPING ESTRUTURAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE IMAGENS ORBITAIS PARA WEBMAPPING RAFAELA S. NIEMANN 1 ; SOPHIA D. RÔVERE 2 ; WILSON A. HOLLER 3 N 10508 RESUMO A organização de imagens de satélite direcionada à implementação

Leia mais

CAPACITAÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DE CADASTRO TÉCNICO MULTIFINALITÁRIO EM MUNICÍPIOS DA PARAÍBA

CAPACITAÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DE CADASTRO TÉCNICO MULTIFINALITÁRIO EM MUNICÍPIOS DA PARAÍBA CAPACITAÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DE CADASTRO TÉCNICO MULTIFINALITÁRIO EM MUNICÍPIOS DA PARAÍBA XAVIER, Ana Paula Campos 1 COSTA, Antônio Carlos Brito Vital 2 DANTAS, José Carlos 3 OLIVEIRA, Nádja Melo 4 SILVA,

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A PRODUÇÃO DE MATERIAL CARTOGRÁFICO PARA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL - AIA

ORIENTAÇÃO PARA A PRODUÇÃO DE MATERIAL CARTOGRÁFICO PARA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL - AIA ORIENTAÇÃO PARA A PRODUÇÃO DE MATERIAL CARTOGRÁFICO PARA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL - AIA É indispensável que um estudo de impacto ambiental contenha, ao menos, os seguintes documentos cartográficos:

Leia mais

UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS PARA O CAMPUS CENTRAL DA UFRN

UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS PARA O CAMPUS CENTRAL DA UFRN UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS PARA O CAMPUS CENTRAL DA UFRN GOMES, C. 1 ; CUELLAR, M. 2 ; COSTA, A. M. B. 3 ; AMORIM, R. F. 4 ; RAMOS, A. E. S. 5 ; NASCIMENTO, K. C. do 6 RESUMO: A criação de um

Leia mais

Modelagem da paisagem urbana com apoio do aplicativo City Engine:

Modelagem da paisagem urbana com apoio do aplicativo City Engine: Modelagem da paisagem urbana com apoio do aplicativo City Engine: potencialização da comunicação espacial em simulação da morfologia de ocupação e parâmetros urbanísticos Profa Ana Clara Mourão Moura Laboratório

Leia mais

Utilização de um sistema de informação geográfica como apoio a gestão do voluntariado. Paulo Danilo Vargas Alves 1,2 Ruy Edy Iglesias Silveira 1,3

Utilização de um sistema de informação geográfica como apoio a gestão do voluntariado. Paulo Danilo Vargas Alves 1,2 Ruy Edy Iglesias Silveira 1,3 Utilização de um sistema de informação geográfica como apoio a gestão do voluntariado Paulo Danilo Vargas Alves 1,2 Ruy Edy Iglesias Silveira 1,3 1 ONG Parceiros Voluntários - Porto Alegre-RS 2 pdaniloalves@hotmail.com

Leia mais

Resolução SMU nº 728 de 10 de julho de 2007

Resolução SMU nº 728 de 10 de julho de 2007 Resolução SMU nº 728 de 10 de julho de 2007 Altera a Resolução SMU n.º 703 de 29/12/2006 que consolida, organiza e atualiza as normas, os procedimentos e a padronização para a elaboração e aprovação dos

Leia mais

IV Simpósio Brasileiro de Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação Recife - PE, 06-09 de Maio de 2012 p. 001-005

IV Simpósio Brasileiro de Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação Recife - PE, 06-09 de Maio de 2012 p. 001-005 p. 001-005 DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS PARA SISTEMAS CADND EM PROJETOS INTEGRADOS DE EDIFICAÇÕES CONSTRUÇÃO CIVIL, SUSTENTABILIDADE E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA LINDSAY THAIS ARNDT SÉRGIO SCHEER

Leia mais

MODELAGEM CONCEITUAL DE BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS

MODELAGEM CONCEITUAL DE BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS MODELAGEM CONCEITUAL DE BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS Bruno Rabello Monteiro Clodoveu A. Davis Jr. SUMÁRIO Exemplo Cadastro Urbano, Modelo OMT-G Restrições do Modelo OMT-G Relacionamentos Espaciais Slide

Leia mais

AÇÕES DE MELHORIA NA COBRANÇA DO IPTU E DO ITBI

AÇÕES DE MELHORIA NA COBRANÇA DO IPTU E DO ITBI AÇÕES DE MELHORIA NA COBRANÇA DO IPTU E DO ITBI SEGUNDO SEMINÁRIO DE GESTÃO E ARRECADAÇÃO MUNICIPAL AMM - 2014 PROFESSOR FRANCISCO RAMOS MANGIERI PALESTRANTE DA EMPRESA TRIBUTO MUNICIPAL WWW.TRIBUTOMUNICIPAL.COM.BR

Leia mais

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO GEOPROCESSAMENTO. Introdução ao Geoprocessamento. Conceitos básicos 18/06/2015. Conceitos básicos

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO GEOPROCESSAMENTO. Introdução ao Geoprocessamento. Conceitos básicos 18/06/2015. Conceitos básicos GEOPROCESSAMENTO INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO Prof. Esp. André Aparecido da Silva Introdução ao Geoprocessamento Conceitos básicos Conceitos básicos Componentes de um SIG Entrada de Dados em Geoprocessamento

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Cortesia: FARO CONTÁBIL (www.farocontabil.com.br) Matéria publicada originalmente no Diário do Comércio Data: 01/08/2006 01 - CONCEITOS? 1.01.

Leia mais

Opções de utilização de produtos cartográficos e gerenciamento de bases de dados espaciais na Gestão Municipal, Prefeitura de Joinville/SC.

Opções de utilização de produtos cartográficos e gerenciamento de bases de dados espaciais na Gestão Municipal, Prefeitura de Joinville/SC. Opções de utilização de produtos cartográficos e gerenciamento de bases de dados espaciais na Gestão Municipal, Prefeitura de Joinville/SC. Geógrafo, Msc Celso Voos Vieira Gerente da Unidade de Gestão

Leia mais

ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO

ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Tecnologia do geoprocessamento aplicado a Gestão Municipal 1.2 Câmpus

Leia mais

OBJETO: Valorização Imobiliária decorrente de pavimentação Zona Urbana de Santa Cruz do Sul - RS

OBJETO: Valorização Imobiliária decorrente de pavimentação Zona Urbana de Santa Cruz do Sul - RS SOLICITANTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA CRUZ DO SUL OBJETO: Valorização Imobiliária decorrente de pavimentação Zona Urbana de Santa Cruz do Sul - RS 1. OBJETIVO E FINALIDADE DO PARECER Este laudo de

Leia mais