Palestra: PROGRAMA CBERS: INFRA-ESTRUTURA DE DADOS E BENEFÍCIOS SOCIAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palestra: PROGRAMA CBERS: INFRA-ESTRUTURA DE DADOS E BENEFÍCIOS SOCIAIS"

Transcrição

1 Palestra: PROGRAMA CBERS: INFRA-ESTRUTURA DE DADOS E BENEFÍCIOS SOCIAIS (Sala Ruben Gueiros, N 7 - dia 21/AGO, 11:00 12:00 h) Coordenador Isabel de Fátima Teixeira Silva - IBGE/DGC/CONCAR-SE Palestrante Júlio César Lima Dalge - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Relator Rafael Silva de Barros (IBGE/DGC/CCAR) R Público Estimado: 40 pessoas Recurso Utilizado: Apresentação com Slides Relatório O objetivo da apresentação é institucional e com ela o INPE quer demonstrar um exemplo, através do programa CBERS, de como a instituição vê a situação de dados que são públicos, que de alguma forma já foram pagos e que de alguma forma devem ser colocados à disposição da sociedade. O palestrante comentou sobre a dificuldade de se fazer o dado chegar ao usuário: existem muitos dados e demanda por informações, além de competências estabelecidas (no sentido de pessoas capacitadas), porém é preciso ampliar a transformação de dado em informação. Fazendo o gancho com Observação da Terra (OBT), que é a área de atuação do INPE e o exemplo utilizado na apresentação, o Júlio Dalge chama a atenção para a necessidade de garantir capacitação em observação da Terra, que é o necessário para cobrir a lacuna citada anteriormente (necessidade de ampliação da transformação de dado em informação). Uma maneira de se conseguir isso seria possibilitar que a sociedade usasse dados públicos, desde que se removam algumas barreiras: - Falta de dados: alguns dados não estão disponíveis ou têm o custo elevado; - Falta de ferramentas: Observação da Terra demanda softwares específicos e que atendam as demandas - Falta de conhecimento: necessita-se de capacitação em larga escala. Como remover estas barreiras, segundo a visão do INPE: - Falta de dados: depende de vontade política e trabalho;

2 - Falta de ferramentas: produção de software livre para manipulação de dados de observação da Terra; - Falta de conhecimento: o INPE tem uma participação pequena gostariam que fosse maior neste item, mas procura-se garantir acesso livre a treinamento e literatura científica através da Internet. O INPE tem tentado resolver os problemas disponibilizando dados gratuitos de observação da Terra através da Internet; a DPI (Divisão de Processamento de Imagens), onde o Júlio se encontra inserido, tem uma participação forte na produção de software livre, muitos deles disponibilizados na Internet e pelo menos alguma literatura básica em português já está disponibilizada na Internet. O SPRING, apesar de antigo, é o software de processamento de imagens que está exemplificado na apresentação por ser o mais completo e integrado (nas versões Windows e Linux). Foi citado o grande número de downloads do SPRING até o momento. Por que considerar pensar em software livre para Processamento Digital de Imagens (PDI)? Não se tem a resposta completa, mas apenas alguns aspectos interessantes: o mercado comercial de observação da Terra é relativamente pequeno e por conta disso os investimentos em Pesquisa e Desenvolvimento acabam sendo insuficientes. O que se gostaria para aumentar este mercado seria a melhoria na extração de informação. E software livre pode ajudar na geração de conhecimento. Dentro do INPE, eles são obrigados a admitir que ainda existe uma pesquisa limitada na integração entre observação da Terra e Sistema de Informação Geográfica SIG). O que se observa nos países desenvolvidos com relação à geração de conhecimento? - Não há uma política de incentivo à produção de material para treinamento; - Existem excelentes livros sobre SIG / SR, caros e em inglês. O INPE tem livros disponibilizados na Internet, com destaque para 3 volumes mais básicos: Introdução aos Sistemas de Informações Geográficos; Banco de Dados Geográficos; Análise Espacial de Dados Geográficos. Estes são exemplos de conhecimento. Com relação à observação da Terra, existem alguns problemas, sendo que dois foram mencionados: o INPE tem usado imagens MODIS para avaliação de desmatamento na Amazônia, que têm sido extremamente úteis, porém não tem futuro porque não tem planejamento (com relação a continuidade). O mesmo ocorre com o programa Landsat. Em função disso surge a questão de se considerar como bens públicos os sistemas globais de observação da Terra. É apresentada então a visão do diretor do INPE (Gilberto Câmara) na qual poupar o uso de imagens não gera proveito algum, indicando que o valor depende do uso: as coisas passam a ter mais valor quanto mais são utilizadas. Daí vem a estratégia de Brasil e China e que deve continuar: imagens CBERS recebidas no Brasil devem continuar disponibilizadas na Internet de forma gratuita para usuários brasileiros na América Latina. Já faz um ano que a China também disponibiliza de forma gratuita as imagens sobre seu território. Porém não adianta ter imagens gratuitas sem ter ferramentas para manipulá-las. Neste contexto se insere o SPRING (ou qualquer outra ferramenta apropriada e gratuita): dados públicos devem seguir em conjunto com software livre para sua manipulação. Foi feito um breve retrospecto do programa CBERS (negociação iniciou-se em 1988) e foi comentado que o CBERS 2B está previsto para ser lançado em maio de 2007, garantindo uma continuidade juntamente com os CBERS 3 e 4 para os próximos 6 ou 7 anos.

3 Comentou-se que o programa CBERS permite um desenvolvimento tecnológico na área espacial para os 2 países e principalmente para o Brasil, já que os chineses estão mais avançados, em termos tecnológicos, na área espacial. Eles não têm problemas para construção de satélites, nem com veículo lançador, nem com controle de órbita, nem com antena ou estação terrestre, o que nós ainda apresentamos. Comentou-se ainda que o CBERS 2 apresentou uma série de problemas este ano, mas tudo indica que ele agüente até o lançamento do 2B. Considerando a continuidade do programa CBERS, os demais programas comerciais na área de média resolução e a lacuna do Landsat, os americanos passaram a ficar atentos ao programa CBERS, havendo a possibilidade de instalar uma estação para recepção das imagens, para cobrir a falta do Landsat. Esta seria a opção número 1 deles, ainda que eles avaliem a possibilidade de um acordo com os franceses. A política comercial da SPOT é que seria o obstáculo principal, já que os americanos teriam uma política mais aberta para distribuição de dados. O INPE avalia que a maior parte da compra de imagens é do próprio governo. Isso reforça a tese de distribuição gratuita de imagens. Apresentou-se os instrumentos do CBERS2 (CCD, WFI e IRMSS) e confirmou-se que somente o CCD está funcionando para garantir um maior tempo de vida para o sistema, em virtude do problema que tornou inoperante uma das 2 baterias existentes. Comentou-se sobre a faixa espectral coberta e que se repetirá no CBERS 2B. Este satélite apresentará ainda uma câmera pancromática de 2,5 metros de resolução, chinesa, cobrindo uma faixa de 27 km que não estava prevista e foi incluída neste satélite. As demais câmeras são iguais. Foi apresentado o fato de que o INPE não teve acesso a nenhuma imagem simulada da câmera pancromática. Só se sabe que ela deve ser semelhante as que operam nos satélites espiões chineses. Há indícios de que ela já voou. Os chineses têm apresentado dificuldades para cooperação e só informam que ela funciona. O INPE assume que é uma câmera experimental até que se prove o contrário. Ela não será prioritária nos modos de operação do satélite. Dificilmente haverá recobrimento de grandes áreas com a câmera pancromática, pois a prioridade será a cobertura global do território brasileiro usando os demais sensores que cobrem faixas maiores. Para completar a cobertura com a pancromática seria necessário alterar a atitude do satélite (variação em Roll), saindo do Nadir e este satélite não tem tecnologia suficiente para este tipo de controle. Estas imagens devem se encontrar disponíveis de forma esporádica. Foi feita uma pergunta durante a apresentação: Serão gerados pares estereoscópicos com esta câmera? Julio respondeu que a princípio sim, do mesmo jeito que foi gerado com a CCD. Mas não na mesma passagem, como o SPOT 5 faz. O satélite não foi pensado para isso. Foram apresentadas algumas imagens do CCD: de Minas Gerais, Sobradinho. Imagens que foram usadas para avaliação de resolução efetiva. Júlio mostrou um pôster que o INPE levou ao USGS e informou que os contatos para aquisição das imagens CBERS começou com uma visita do USGS ao INPE. O INPE fez uma pequena estação móvel e demonstrou uma aquisição de imagem CBERS (do território mexicano) plugando a estação a uma antena do USGS. A estação é composta por um PC, rodando Linux, com software livre, com uma placa que o Brasil ainda está desenvolvendo.

4 Foram apresentadas as características dos CBERS 3 e 4, informando as câmeras que deverão existir: de 5 (Pan) e 10 (multiespectral) metros que os chineses vão desenvolver e a primeira CCD de 20 metros que o Brasil desenvolverá. O Brasil melhorará a WFI de 260 para 73 metros e os chineses melhorarão a IRMSS de 80 para 40 metros. Aline Lopes Coelho (IBGE) perguntou se haverá mudança no controle de atitude. Júlio respondeu que espera que sim. Informou que o problema do controle de atitude é que até o CBERS 2 só se dispõe de sensor de horizonte (Júlio comenta que está apenas repetindo as palavras do pessoal de controle de órbita do INPE, pois ele não é especialista nesta área). O CBERS 2B e o 3 e 4 também terá sensor de estrelas e GPS, por isso ele espera mudanças para melhor. Júlio comenta rapidamente que um problema crônico que o CBERS 2 apresenta relaciona-se com o computador de bordo. No início do recebimento dos dados do CBERS 2 eles ficaram surpresos com a qualidade dos dados de atitude, que indicavam que tudo estava muito bom. Porém perceberam que o sensor de horizonte mostravam outra realidade, indicando haver problemas. Júlio disse que o erro é cometido pelo computador de bordo, que é chinês, antigo e o INPE não conhece muito dele. A partir do 2B eles esperam melhorar isso com o sensor de estrela e o GPS. Eles pretendem não usar os dados do computador de bordo e fazer os cálculos ao receber os dados, através de pós-processamento (em terra). Foram apresentados alguns números sobre geração/distribuição das imagens: cenas do CCD; instituições/empresas cadastradas cenas geradas por semana - 10 minutos de tempo médio de processamento das imagens (exceto se a imagem pedida for antiga, quando ela passa a ser armazenada em fita e não em disco). O ambiente de produção do INPE é composto por 8 PCs rodando Linux (são máquinas comuns, de baixo custo não são de marcas consagradas). Foi apresentada a aparência do catálogo de imagens CBERS e foram dados alguns exemplos de buscas e pedido, informando que após o processamento da cena, o usuário receberá um com um link para download. A cena é distribuída no formato Geotiff. Foram apresentados alguns números sobre os usuários de imagens CBERS: 23%: instituições do governo 26%: áreas ligadas à educação 51%: empresas privadas Julio destaca o fato das empresas estarem adquirindo mais da metade das cenas, o que pode indicar maior geração de emprego... (ele ressalta que é um comentário apenas, sem nenhum aprofundamento na questão). Foi apresentada uma aplicação feita pela Tecnomapas; informou que existem aplicações para crédito agrícola; a Petrobrás enviou um exemplo de vazamento observado na WFI; foi dado um outro exemplo na área de propaganda. Na avaliação deles ter o dado gratuito ajuda na disseminação da tecnologia; dados de observação da terra gratuitos e software livre criam novos usuários e novas aplicações; com isso tem aumentado a demanda por dados de observação da Terra. As empresas privadas têm informado ao INPE que a disponibilização gratuita permite o desenvolvimento dos negócios; facilita o uso experimental por parte dos clientes; tem criado novos empregos e possibilita melhorar a qualidade dos trabalhos, por ter mais dados disponíveis.

5 O INPE conclui que existe uma demanda grande por dados de sensoriamento remoto nos países em desenvolvimento, destacando que no Brasil não é diferente. A distribuição gratuita destes dados pode aumentar o número de usuários. Até onde o INPE pode observar, a distribuição gratuita das imagens CBERS tem sido bem recebida pela sociedade brasileira. Num comentário informal, foi apresentado como um sonho, uma situação em que houvesse uma cobertura global em 5 metros (de resolução), obtida através de um consórcio de satélites de observação da Terra, com disponibilização semanal gratuita através da Internet. Isso teria que acontecer através de uma rede de cooperativa de estações terrenas. Com isso o Júlio encerrou a palestra agradecendo o convite e a participação das pessoas, deixando claro que foi apresentada a visão do INPE, sendo o programa CBERS usado como um exemplo de destinação de dados públicos já implementado. O tempo de apresentação foi de 40 minutos. Em seguida abriu-se a oportunidade para perguntas e comentários: - a primeira pessoa que se manifestou não se apresentou e fez a seguinte pergunta: O que motivou os chineses a aderirem à distribuição gratuita das imagens ao invés de cobrar por isso? Resposta do Júlio: Na segunda reunião entre o INPE e os chineses, em 2004, foram apresentados os números (de download das imagens). Foi comentado que existem pelo menos 3 grandes institutos chineses que estão ligados ao projeto CBERS e não interagem bem: um em Chian que é ligado à radiofreqüência e está mais ligado aos militares; o segundo está em Beijing, que se assemelha mais com o INPE, atuando na área de aplicação; o terceiro é o pessoal de engenharia. Teoricamente todos estariam no mesmo nível de hierarquia, mas o primeiro e o terceiro grupos se julgam cima do pessoal de aplicações, gerando problemas na cooperação. Os chineses estavam decidindo ainda de quem comprar a estação terrena e naquela reunião conheceram o funcionamento do sistema desenvolvido pelos brasileiros, de baixo custo, gerando um número muito grande de cenas para todo o Brasil usar (eles viram os números da distribuição) da época. Segundo o Júlio, os chineses não afirmaram que foi esta a motivação para distribuição gratuita, mas ele deduz que foi isto. Leonardo Castro, do IME: Por que existe uma interseção tão grande entre o CBERS 2B e o 3? São quase 2 anos entre 2009 e Resposta do Júlio: Porque não existia previsão do CBERS 2B. Ele surgiu por imposição do governo chinês. Leonardo Castro, do IME: E considerando o 2B, há realmente necessidade de lançar o CBERS 3 em 2008? Resposta do Júlio: O cronograma apresentado não considerava o 2B. É possível que os governos decidam adiar o lançamento. Júlio ressaltou que este tipo de decisão não está na esfera em que ele se encontra (técnica). Leonardo Castro, do IME: Já houve algum uso inadequado das imagens CBERS, ou o que foi pensado para minimizar este tipo de situação? Resposta do Júlio: Não se sabe de nenhum uso inadequado. Houve apenas uma confusão no início, mais por culpa do INPE, segundo o Júlio, porque eles focaram muito em questões técnicas acerca da distribuição (capacidade da rede, de processamento etc.) e acabaram esquecendo da questão do copyright. Houve um problema com uma empresa que começou a vender as imagens. Foi feito um contato do INPE com a empresa e a questão foi

6 resolvida. Com relação ao que o INPE tem feito para minimizar o risco de mau uso, não tem praticamente nada sendo feito, exceto a filtragem de endereços IP para respeitar o acordo com a China, que prevê a distribuição gratuita somente para usuários no território nacional (ainda que o INPE saiba que é possível que pessoas de fora do país possam pedir a usuários brasileiros que baixem as imagens e repassem para alguém no exterior). Antônio Luis (não foi informado a instituição de origem, mas a Isabel parecia conhecer a pessoa): O que levou a China, que é bastante desenvolvida nesta área, a fazer a associação com o Brasil para este projeto? Resposta do Júlio: Júlio disse que não sabe a resposta, porém a idéia do acordo Brasil- China é bastante antiga, tendo começado no Governo Collor. No Governo Fernando Henrique o projeto CBERS começou. Júlio só imagina que a China tenha como interesse reduzir os custos, já que ao Brasil cabe parte dos mesmos. Antônio Luis: os chineses têm acesso ao banco de imagens sobre o território brasileiro? Resposta do Júlio: Hoje não. Mas eles poderiam mediante o acordo. Aline Lopes IBGE: Fez um comentário sobre as dificuldades de extrair informações das imagens por causa de problemas radiométricos, de equilíbrio. Como isso deve ficar? Deve haver alguma mudança para este satélite ou só para o próximo? Resposta do Júlio: Deve ter alguma mudança para este ainda. A parte de geometria não tem muito o que melhorar. Depende de processamento do usuário. Na parte de radiometria, descobriu-se que a seqüência de correção radiométrica é igual a dos chineses, porém o processamento de 3 sub-etapas estava sendo feita na ordem errada. Na última viagem à China foi feita uma aquisição de uma imagem do território chinês na estação deles e também na estação transportável do INPE (a mesma que foi levada para os Estados Unidos). Percebeu-se que havia diferenças: a geometria do Brasil é melhor do que a deles, porém a radiometria deles é melhor: não aparece nenhum problema de transição entre os 3 arrays. A Dra. Leila Fonseca (INPE) conversou com os chineses responsáveis por esta parte e estava implementando a correção no mês de agosto. Em tese, isto deve resolver o problema e qualquer imagem já adquirida poderá ser reprocessada. Aline Lopes IBGE: Isto será divulgado? Resposta do Júlio: Ele imagina que sim, o coordenador de aplicações deve coloca um aviso na página assim que estiver implementado. Luiz Paulo IBGE: Parabenizou o Júlio por ter vindo ao evento, mesmo tendo sido convidado em cima da hora. Como a apresentação foi institucional, Luiz Paulo fez um comentário institucional, destacando que o IBGE endossa totalmente a política de gratuidade de dados, de disseminação da informação e já vem perseguindo este objetivo há bastante tempo. Comentou que o site do IBGE atingiu, no primeiro semestre deste ano, mais de 10 milhões de acessos em 6 meses. O IBGE tem buscado praticar há vários anos a distribuição gratuita, no site, das mais variadas informações, dando o exemplo da RBMC, que está em operação desde 1996, tendo atingido cerca de 400 mil downloads em todo este tempo e cuja informação encontra-se gratuita na Internet. O IBGE adere totalmente à política de gratuidade de dados. Luis Paulo comenta sobre a surpresa ao verificar em entrevistas e reportagens com algumas pessoas do INPE que usam o IBGE com exemplo contrário, que restringe o acesso ao dado, que não disponibiliza etc. Luiz Paulo re-afirma que esta não é a política do IBGE. A intenção é disponibilizar cada vez mais os produtos.

7 Se existem produtos não disponíveis e de fato muitos não estão não é porque há uma política de não-distribuição, é porque o IBGE não tem tido fôlego para terminar todas as informações para disponibilizar para a sociedade. Em função do horário avançado, a Coordenadora Isabel (Concar / IBGE) concluiu a atividade agradecendo a presença de todos. A palestra se deu em torno da apresentação do exemplo do CBERS como exemplo de infra-estrutura de dados e benefícios sociais. Não houve apresentação de bibliografia e nem foram feitas sugestões. Como propostas de trabalhos futuros e atividades relacionadas com tema, destaca-se a apresentação dos CBERS 2B, 3 e 4, nos quais se pretende seguir com a linha de distribuição gratuita dos dados, conforme descrição mais detalhada no corpo do relatório. Foram 15 minutos de perguntas. Rafael Silva de Barros

Programa CBERS. Infra-estrutura de Dados & Benefícios Sociais

Programa CBERS. Infra-estrutura de Dados & Benefícios Sociais Programa CBERS Infra-estrutura de Dados & Benefícios Sociais Observação da Terra e benefícios sociais NASA Conhecimento em Observação da Terra John McDonald (MDA) A questão fundamental Como garantir capacitação

Leia mais

1. Identificação da Organização

1. Identificação da Organização Formulário Pessoa Jurídica: Organização / Empresa Este formulário é idêntico ao eletrônico! Se sua opção for pelo preenchimento manual desta pesquisa, sugerimos que imprima este formulário e envie-o para

Leia mais

Modelo de Formulário

Modelo de Formulário Formulário Pessoa Jurídica: Organização / Empresa 1. Identificação da Organização CNPJ.. / - Razão Social Nome Fantasia Endereço Número Complemento Bairro Cidade UF CEP País Telefones ou Fax E-mail Página

Leia mais

INPE - Estrutura Organizacional

INPE - Estrutura Organizacional INPE - Estrutura Organizacional O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE é uma unidade de pesquisa integrante da estrutura do Ministério da Ciência e Tecnologia MCT. O INPE tem por finalidade promover

Leia mais

Tipo da Atividade: Palestra : IBGE como sub-nó de distribuição de Imagens do Satélite ALOS Resumo da palestra PRISM AVNIR-2

Tipo da Atividade: Palestra : IBGE como sub-nó de distribuição de Imagens do Satélite ALOS Resumo da palestra PRISM AVNIR-2 Código da Atividade : 574 Tipo da Atividade: Palestra Título da Atividade: IBGE como sub-nó de distribuição de Imagens do Satélite ALOS Palestrante: Luiz Paulo Souto Fortes Coordenação: Leonardo Barbosa

Leia mais

Sistema de Processamento de Imagens CBERS. III EUsISSeR. 22 a 24 de outubro de 2003

Sistema de Processamento de Imagens CBERS. III EUsISSeR. 22 a 24 de outubro de 2003 Sistema de Processamento de Imagens CBERS III EUsISSeR 22 a 24 de outubro de 2003 Paulo Eduardo Neves neves@gisplan.com.br GISPLAN Tecnologia da Geoinformação www.gisplan.com.br Histórico Histórico 1973

Leia mais

CENTRO DE DADOS DE SENSORIAMENTO REMOTO - CDSR -

CENTRO DE DADOS DE SENSORIAMENTO REMOTO - CDSR - CENTRO DE DADOS DE SENSORIAMENTO REMOTO - CDSR - MIGUEL ZANIC CUELLAR miguel@dgi.inpe.br OBJETIVOS INTERNOS EXTERNOS OBJETIVOS INTERNOS Garantir a segurança no armazenamento dos dados de Sem. Rem. e seu

Leia mais

Modelo de Formulário

Modelo de Formulário Formulário Pessoa Física ou Autônomo / Profissional Liberal 1. Identificação Pessoal CPF.. -- Nome Completo Sexo Masculino Feminino Data de Nascimento / / Endereço Número Complemento Bairro Cidade UF CEP

Leia mais

CENTRO DE DADOS DE SENSORIAMENTO REMOTO - CDSR -

CENTRO DE DADOS DE SENSORIAMENTO REMOTO - CDSR - CENTRO DE DADOS DE SENSORIAMENTO REMOTO - CDSR - MIGUEL ZANIC CUELLAR miguel@dgi.inpe.br OBJETIVOS INTERNOS EXTERNOS OBJETIVOS INTERNOS Garantir a segurança no armazenamento dos dados de Sem. Rem. e seu

Leia mais

1. Identificação Pessoal

1. Identificação Pessoal Formulário Pessoa Física ou Autônomo / Profissional Liberal Este formulário é idêntico ao eletrônico! Se sua opção for pelo preenchimento manual desta pesquisa, sugerimos que imprima este formulário e

Leia mais

Seminário Disciplina de Fotointepretação. Bruno Beust - João Paulo

Seminário Disciplina de Fotointepretação. Bruno Beust - João Paulo Seminário Disciplina de Fotointepretação Bruno Beust - João Paulo Prof. Dr. Getulio T. Batista 2 o Bimestre de 2004 Histórico Julho de 1988 um acordo de parceria envolvendo o INPE (Instituto Nacional de

Leia mais

Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma

Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma Sensores e Satélites Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma plataforma estável à distância do objeto

Leia mais

1 de 12 INPE / OBT / DGI

1 de 12 INPE / OBT / DGI Parte II - Indicadores de Gestão 1 de 12 Inovações tecnológicas constantes e aceleradas no mundo globalizado exigem cada vez mais que empresas e profissionais aliem-se a uma gestão de excelência. A melhoria

Leia mais

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Texto: PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO Autor: BERNARDO F. T. RUDORFF Divisão de Sensoriamento Remoto - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais São José dos Campos-SP - bernardo@ltid.inpe.br Sensoriamento

Leia mais

Sistemas Sensores. Introdução

Sistemas Sensores. Introdução Sistemas Sensores 5ª Aulas Introdução O sol foi citado como sendo uma fonte de energia ou radiação. O sol é uma fonte muito consistente de energia para o sensoriamento remoto (REM). REM interage com os

Leia mais

10 FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM COMPARAÇÃO DE FUSÃO ENTRE AS IMAGENS DO SATÉLITE RAPID EYE, CBERS E SPOT.

10 FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM COMPARAÇÃO DE FUSÃO ENTRE AS IMAGENS DO SATÉLITE RAPID EYE, CBERS E SPOT. 10 FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM COMPARAÇÃO DE FUSÃO ENTRE AS IMAGENS DO SATÉLITE RAPID EYE, CBERS E SPOT. Thalita Dal Santo 1 Antonio de Oliveira¹ Fernando Ricardo dos Santos² A técnica de fusão

Leia mais

Por que Geoprocessamento?

Por que Geoprocessamento? Um pouco sobre a NOSSA VISÃO Processamento Digital é um endereço da Web criado pelo geógrafo Jorge Santos com objetivo de compartilhar dicas sobre Geoprocessamento e Software Livre. A idéia surgiu no ano

Leia mais

Ensino Aprendizagem de Processamento de Imagens CBERS na modalidade a Distância

Ensino Aprendizagem de Processamento de Imagens CBERS na modalidade a Distância 1. Introdução. I Jornada de Educación em Percepción Remota en el ámbito de Centro América y el Caribe Título da Palestra: Ensino Aprendizagem de Processamento de Imagens CBERS na modalidade a Distância

Leia mais

COMPROMISSO DE GESTÃO 2006

COMPROMISSO DE GESTÃO 2006 COORDENADORIA DE OBSERVAÇÃO DA TERRA COMPROMISSO DE GESTÃO 2006 Versão 1 11 Abril 2006 Introdução Este documento apresenta o compromisso de gestão da Coordenadoria de Observação da Terra do INPE para 2006.

Leia mais

Aplicações de Dados de Satélites com Ênfase em Imagens CBERS-1.

Aplicações de Dados de Satélites com Ênfase em Imagens CBERS-1. Aplicações de Dados de Satélites com Ênfase em Imagens CBERS-1. Paulo Roberto Martin ATUS-Atendimento a Usuários de Imagens Divisão de Sensoriamento Remoto-DSR/OBT III Encontro com

Leia mais

Processamento Digital de Imagens

Processamento Digital de Imagens Cartografia Digital A AMS Kepler possui equipe de engenheiros cartógrafos e especialistas em Tecnologia da Informação que conferem à empresa um perfil único em Cartografia Digital. Com expertise em Sensoriamento

Leia mais

www.efoto.eng.uerj.br PROJETO E-FOTO: UMA ESTAÇÃ EDUCACIONAL EM AMBIENTE DE SOFTWARE LIVRE

www.efoto.eng.uerj.br PROJETO E-FOTO: UMA ESTAÇÃ EDUCACIONAL EM AMBIENTE DE SOFTWARE LIVRE Autores: Grupo de Pesquisa Multidisciplinar em Geomática: Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) Programa de Mestrado Acadêmico em Engenharia de Computação Área de Concentração: GEOMÁTICA (Departamento

Leia mais

Engenharia Espacial e Sensoriamento Remoto

Engenharia Espacial e Sensoriamento Remoto lâmina 1 FRENTE Engenharia Espacial e Sensoriamento Remoto SEGMENTO SOLO A AMS Kepler trabalha há 15 anos no Programa Espacial Brasileiro. Iniciamos em 1998 no Programa CBERS (China Brazil Earth Resources

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA ALINE CRISTINA DE FREITAS ANA CLÁUDIA ZANDAVALLE CAMILA RIBEIRO VALERIM FERNANDO DA COSTA PEREIRA

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Disciplina: Monitoramento e Controle Ambiental Prof.: Oscar Luiz Monteiro de Farias Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Andrei Olak Alves 2 espectro visível ultravioleta Sol infravermelho

Leia mais

Aplicações CBERS na Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Aplicações CBERS na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Aplicações CBERS na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Pesquisas CBERS - UFRGS 2001: Início do projeto Participantes: - PPG-SR / CEPSRM - Instituto de Geociências Geodésia Geografia Geologia - Faculdade

Leia mais

COMPATIBILIZANDO CADASTROS

COMPATIBILIZANDO CADASTROS COMPATIBILIZANDO CADASTROS EM PROJETO SIG Cristiane Vaz Domingues cristiane.vaz@uol.com.br FOTOGRAFIA Hoje nas instituiçõesições públicas existem: informações repetidas e/ou complementares distribuídas

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto. Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto. Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto Definição; Breve Histórico; Princípios do SR; Espectro Eletromagnético; Interação Energia com a Terra; Sensores & Satélites; O que é Sensoriamento

Leia mais

Izabel Cecarelli. GEOAMBIENTE Sensoriamento Remoto

Izabel Cecarelli. GEOAMBIENTE Sensoriamento Remoto Izabel Cecarelli GEOAMBIENTE Sensoriamento Remoto A GEOAMBIENTE, atuante no mercado há 10 anos, presta serviços em aplicações de sensoriamento remoto e desenvolvimento / integração de sistemas de informações

Leia mais

Manual do Usuário Cyber Square

Manual do Usuário Cyber Square Manual do Usuário Cyber Square Criado dia 27 de março de 2015 as 12:14 Página 1 de 48 Bem-vindo ao Cyber Square Parabéns! Você está utilizando o Cyber Square, o mais avançado sistema para gerenciamento

Leia mais

Características dos Sensores. Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Características dos Sensores. Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Características dos Sensores Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa TAMANHO DO PIXEL Alta Resolução Média Resolução Cobertura Sinótica Meteorológicos

Leia mais

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS 3.INTERNET 3.1. Internet: recursos e pesquisas 3.2. Conhecendo a Web 3.3. O que é um navegador?

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE SOFWARES GRATUITOS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA

ESTUDO COMPARATIVO DE SOFWARES GRATUITOS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA ESTUDO COMPARATIVO DE SOFWARES GRATUITOS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA 1. Introdução Nos últimos anos, a área de geotecnologias ganhou maior visibilidade através da popularização

Leia mais

Modelo de planejamento e gestão do Inpe Impacto

Modelo de planejamento e gestão do Inpe Impacto Modelo de planejamento e gestão do Inpe Impacto Coordenador de planejamento Décio Castilho Ceballos ceballos@dir.inpe.br Evento: Apresentação ao GT Impacto Dia 21/ Junho/ 2006 A ação como elo de alinhamento

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

Informática Software. Prof. Marcos André Pisching, M.Sc.

Informática Software. Prof. Marcos André Pisching, M.Sc. Informática Software Prof. Marcos André Pisching, M.Sc. Objetivos Definir e classificar os principais tipos de softwares Básico Aplicativos Software Categorias Principais de Software Básico Chamado de

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital

Gustavo Noronha Silva. Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital Gustavo Noronha Silva Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES junho / 2003 Gustavo Noronha Silva Projeto de Pesquisa: Impactos

Leia mais

MAPEAMENTO DIGITAL DE AMBIENTES COSTEIROS COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES E DADOS GNSS

MAPEAMENTO DIGITAL DE AMBIENTES COSTEIROS COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES E DADOS GNSS MAPEAMENTO DIGITAL DE AMBIENTES COSTEIROS COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES E DADOS GNSS Gilberto Pessanha Ribeiro ¹, ², ³ gilberto@globalgeo.com.br ¹ Globalgeo Geotecnologias www.globalgeo.com.br ² Faculdade

Leia mais

Estação Terrena de Satélites de Sensoriamento Remoto. 5º EATUS INPE-CP, 23 de junho de 2004

Estação Terrena de Satélites de Sensoriamento Remoto. 5º EATUS INPE-CP, 23 de junho de 2004 Estação Terrena de Satélites de Sensoriamento Remoto 5º EATUS INPE-CP, 23 de junho de 2004 Instrumentos CBERS CCD IRMSS WFI Charge Coupled Device Varredura eletrônica (push-broom) Multiespectral & Pancromático

Leia mais

GNSS: CONCEITOS, MODELAGEM E PERSPECTIVAS FUTURAS DO POSICIONAMENTO POR SATÉLITE

GNSS: CONCEITOS, MODELAGEM E PERSPECTIVAS FUTURAS DO POSICIONAMENTO POR SATÉLITE GNSS: CONCEITOS, MODELAGEM E PERSPECTIVAS FUTURAS DO POSICIONAMENTO POR SATÉLITE Prof. Dra. Daniele Barroca Marra Alves Departamento de Cartografia SUMÁRIO Posicionamento Sistemas de Posicionamento GPS,

Leia mais

1. O Comitê de Promoção, presidido pelo Dr. Ernesto Illy, reuniu-se pela nova vez sob a égide do Convênio de 2001 em 25 de maio de 2006.

1. O Comitê de Promoção, presidido pelo Dr. Ernesto Illy, reuniu-se pela nova vez sob a égide do Convênio de 2001 em 25 de maio de 2006. PC 37/06 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café 5 junho 2006 Original: inglês P Decisões e Resoluções

Leia mais

Problemas Solicitações

Problemas Solicitações Em geral, a expressão "prioridade" significa a importância assinalada a um chamado em relação aos outros chamados e atividades. Que situações podem envolver assinalamento de prioridade? 1. Problemas: aqueles

Leia mais

INPE como provedor de dados de Observação da Terra gratuitos

INPE como provedor de dados de Observação da Terra gratuitos INPE como provedor de dados de Observação da Terra gratuitos L eeditar ila F o n soe cestilo a Clique para do subtítulo C h e f e, D iv is ã o d e P r o c e s s a m e n t o mestre d e Im a g e n s http://www.dpi.inpe.br/~leila

Leia mais

IMAGENS INPE. Manaus. São Luís 66 AGOSTO DE 2007 PESQUISA FAPESP 138

IMAGENS INPE. Manaus. São Luís 66 AGOSTO DE 2007 PESQUISA FAPESP 138 IMAGENS INPE Brasília Pequim Manaus São Luís Rio Paraná Porto Alegre 66 AGOSTO DE 2007 PESQUISA FAPESP 138 > TECNOLOGIA ESPAÇO Visão privilegiada Brasileiros e chineses preparam-se para lançar o terceiro

Leia mais

Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³. ²Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Formação de Professores - rfariageo@hotmail.

Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³. ²Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Formação de Professores - rfariageo@hotmail. GERAÇÃO DE MAPA DE USO E COBERTURA DE SOLO UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE LANDSAT 8 PARA O SUPORTE AO PLANEJAMENTO MUNICIPAL DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ. Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³ 1 Universidade

Leia mais

MAPEAMENTO FLORESTAL

MAPEAMENTO FLORESTAL MAPEAMENTO FLORESTAL ELISEU ROSSATO TONIOLO Eng. Florestal Especialista em Geoprocessamento OBJETIVO Mapear e caracterizar a vegetação visando subsidiar o diagnóstico florestal FUNDAMENTOS É uma ferramenta

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO SOBRE O SERVIÇO DE SUPORTE TÉCNICO DE TI

PESQUISA DE SATISFAÇÃO SOBRE O SERVIÇO DE SUPORTE TÉCNICO DE TI PESQUISA DE SATISFAÇÃO SOBRE O SERVIÇO DE SUPORTE TÉCNICO DE TI APRESENTAÇÃO Este documento fornece um resumo do relatório da pesquisa de satisfação que foi realizada no Tribunal de Justiça de Pernambuco

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Cachoeira Paulista, 24 a 28 novembro de 2008 Bernardo Rudorff Pesquisador da Divisão de Sensoriamento Remoto Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Sensoriamento

Leia mais

26/2/2014. Numero de Web Sites no mundo. 1993 1996 1999 Agosto/2002

26/2/2014. Numero de Web Sites no mundo. 1993 1996 1999 Agosto/2002 História da Internet? No final dos anos 50, os EUA formaram uma instituição de investigação, a qual designaram por ARPA (Advanced Research Projec Agency). O objectivo desta instituição, parte integrante

Leia mais

Imagens de Satélite (características):

Imagens de Satélite (características): Imagens de Satélite (características): São captadas por sensores electro ópticos que registam a radiação electromagnética reflectida e emitida pelos objectos que se encontram à superfície da terra através

Leia mais

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor ANÁLISE DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JUQUERY ATRÁVES DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO E IMAGENS DE SENSORIAMENTO REMOTO 1. INTRODUÇÃO Ultimamente tem-se visto uma grande

Leia mais

Política de uso de dados

Política de uso de dados Política de uso de dados A política de dados ajudará você a entender como funciona as informações completadas na sua área Minhas Festas. I. Informações que recebemos e como são usadas Suas informações

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

Manual para uso do HELPDESK

Manual para uso do HELPDESK EXACTUS Suporte e Atendimento - versão 1.0 Página 1 de 14 Manual para uso do HELPDESK Visão Cliente EXACTUS Suporte e Atendimento - versão 1.0 Página 2 de 14 Introdução O serviço possui um pacote com todas

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão 01 Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão Rodrigo G. Trevisan¹; José P. Molin² ¹ Eng. Agrônomo, Mestrando em Engenharia de Sistemas Agrícolas (ESALQ-USP); ² Prof. Dr. Associado

Leia mais

Aqui u sição ã d e e ima m g a en e s n de sat a él é ite Suely Franco S. Lima

Aqui u sição ã d e e ima m g a en e s n de sat a él é ite Suely Franco S. Lima Aquisição de imagens de satélite Suely Franco S. Lima http://www.dsr.inpe.br/vcsr http://www.dsr.inpe.br/vcsr/ /apresentacoes.html apresentacoes.html Formatos JPEG e TIF Dois formatos mais comuns: JPEG

Leia mais

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br Realização e Organização www.vamaislonge.com.br Quem somos... Leonardo Alvarenga, tenho 23 anos, sou criador do Não Tenho Ideia e do #VáMaisLonge. Sou formado em Educação Física mas larguei tudo logo após

Leia mais

Programa de Cooperação com a China para desenvolvimento de satélites

Programa de Cooperação com a China para desenvolvimento de satélites Programa de Cooperação com a China para desenvolvimento de satélites CBERS China Brazil Earth Resources Satellite INPE CAST Sumário Histórico Características dos Satélites e Cargas Úteis Status do Programa

Leia mais

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 3º PERÍODO - 5º MÓDULO AVALIAÇÃO MP1 DATA 05/03/2009 ENGENHARIA DE SOFTWARE Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA

Leia mais

Guaiaquil tira proveito da IoE para oferecer à população os benefícios da telemedicina e do governo eletrônico

Guaiaquil tira proveito da IoE para oferecer à população os benefícios da telemedicina e do governo eletrônico Guaiaquil tira proveito da IoE para oferecer à população os benefícios da telemedicina e do governo eletrônico RESUMO EXECUTIVO Objetivo Melhorar a vida dos moradores e ajudálos a serem bem-sucedidos na

Leia mais

CERIMÔNIA DO 44º ANIVERSÁRIO DO INPE CACHOEIRA PAULISTA. Cachoeira Paulista, 30 de setembro de 2014. Leonel Fernando Perondi

CERIMÔNIA DO 44º ANIVERSÁRIO DO INPE CACHOEIRA PAULISTA. Cachoeira Paulista, 30 de setembro de 2014. Leonel Fernando Perondi CERIMÔNIA DO 44º ANIVERSÁRIO DO INPE CACHOEIRA PAULISTA Cachoeira Paulista, 30 de setembro de 2014 Leonel Fernando Perondi Bom dia. É um privilégio estar aqui, na qualidade de diretor do INPE, celebrando

Leia mais

LANDSAT-8: Download de imagens através dos sites Earth Explorer e GLOVIS

LANDSAT-8: Download de imagens através dos sites Earth Explorer e GLOVIS LANDSAT-8: Download de imagens através dos sites Earth Explorer e GLOVIS 2013 LANDSAT-8: Informações para Novos Usuários de Imagens Licença: As imagens Landsat-8 são gratuitas; Download: Para baixar imagens

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS Laboratório de Ensino, Pesquisa e Projetos em Análise Espacial TUTORIAL DE SPRING Alexandro Medeiros

Leia mais

QGIS 2.8 Rampa de Cores para Representação Topográfica do Modelo Digital de Elevação (MDE)

QGIS 2.8 Rampa de Cores para Representação Topográfica do Modelo Digital de Elevação (MDE) QGIS 2.8 Rampa de Cores para Representação Topográfica do Modelo Digital de Elevação (MDE) Jorge Santos 2015 QGIS 2.8: Novas Rampas de Cores Conteúdo Sumário Capítulo 1... 3 Download e Processos no MDE...

Leia mais

Tecnologias Digitais de Geoprocessamento

Tecnologias Digitais de Geoprocessamento Gilberto Pessanha Ribeiro Engenheiro Cartógrafo - UERJ Mestre em Ciências Geodésicas - UFPR Doutor em Geografia UFF Especialista em Geologia do Quaternário Museu Nacional/UFRJ gilberto@eng.uerj.br gilberto@globalgeo.com.br

Leia mais

Grande parte dos planejadores

Grande parte dos planejadores ARTIGO Fotos: Divulgação Decidindo com o apoio integrado de simulação e otimização Oscar Porto e Marcelo Moretti Fioroni O processo de tomada de decisão Grande parte dos planejadores das empresas ainda

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores São dois ou mais computadores ligados entre si através de um meio.a ligação pode ser feita recorrendo a tecnologias com fios ou sem fios. Os computadores devem ter um qualquer dispositivo

Leia mais

Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas?

Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas? 2 Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas? É SOBRE ISSO QUE VOU FALAR NESTE TEXTO. A maioria das empresas e profissionais

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 3. Software Prof. Ronaldo Software Formado por um conjunto de instruções (algoritmos) e suas representações para o

Leia mais

AULA Gestão dos processos de manutenção.

AULA Gestão dos processos de manutenção. ASTI - Análise de Sistemas e Tecnologia da Informação DIAGNÓSTICO E SOLUÇÃO DE PROBLEMAS EM TI - II AULA 03 / 04 Prof. Pissinati FATEC AM Faculdade de Tecnologia de Americana 19/FEV/2010 19/02/10 1 AULA

Leia mais

Banco de dados de Pontos de Controle para Correção de Imagens de Sensoriamento Remoto na Internet.

Banco de dados de Pontos de Controle para Correção de Imagens de Sensoriamento Remoto na Internet. Banco de dados de Pontos de Controle para Correção de Imagens de Sensoriamento Remoto na Internet. Kátia Alves Arraes 1 Miguel Dragomir Zanic Cuellar 1 Paulo Cesar Gurgel Albuquerque 2 1 Instituto Nacional

Leia mais

SILVA MATTOS & Cia. Ltda. BANCO DE IMAGENS. Manual de Utilização. Banco de Imagens. 2009 Silva Mattos & Cia. Ltda.

SILVA MATTOS & Cia. Ltda. BANCO DE IMAGENS. Manual de Utilização. Banco de Imagens. 2009 Silva Mattos & Cia. Ltda. Manual de Utilização Banco de Imagens Introdução O que é o Banco de Imagens? Uma biblioteca completa de logotipos, fotos de imagens e produtos em alta resolução - prontas para download instantâneo. Este

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas

Sistema de Informações Geográficas UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE Pós Graduação Ecologia e Manejo de Recursos Naturais Sistema de Informações Geográficas Prof. Fabiano Luiz Neris Criciúma, Março de 2011. A IMPORTÂNCIA DO ONDE "Tudo

Leia mais

Transcrição da Teleconferência de Resultados do 2T14 Q&A SULAMÉRICA

Transcrição da Teleconferência de Resultados do 2T14 Q&A SULAMÉRICA Transcrição da Teleconferência de Resultados do 2T14 Q&A SULAMÉRICA Vamos agora iniciar a sessão de perguntas e repostas. Nossa primeira pergunta vem do Senhor do Bradesco. Por favor, você pode ir em frente.,

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

Aplicativos gratuitos de ensino de inglês para Android: breve relato de testes

Aplicativos gratuitos de ensino de inglês para Android: breve relato de testes Aplicativos gratuitos de ensino de inglês para Android: breve relato de testes 1 CASTRO, Carlos Henrique Silva de. 1 Considerações Iniciais Há algum tempo os telefones móveis são usados para diversas outras

Leia mais

4º Encontro dos Atus PROJETO MSS. SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE DADOS SENSOR MSS MULTIPECTRALSCANNER SATÉLITES LANDSAT 1,2 e 3 ( 1973-1987).

4º Encontro dos Atus PROJETO MSS. SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE DADOS SENSOR MSS MULTIPECTRALSCANNER SATÉLITES LANDSAT 1,2 e 3 ( 1973-1987). PROJETO MSS SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE DADOS SENSOR MSS MULTIPECTRALSCANNER SATÉLITES LANDSAT 1,2 e 3 ( 1973-1987). Eng. André Ottoboni Dias ottoboni@dgi.inpe.br OBJETIVO DO PROJETO MSS FASE INCIAL : TRANSCRIÇÃO

Leia mais

Área limpa para o setor aeroespacial

Área limpa para o setor aeroespacial Área limpa para o setor aeroespacial Equatorial Sistemas inaugura 95 metros quadrados de área limpa, para desenvolver, fabricar, montar e integrar hardwares para aplicações aeroespaciais Alberto Sarmento

Leia mais

TUTORIAL: INSTALANDO O SKYPE (VOIP - VOZ SOBRE IP) - ATUALIZAÇÃO

TUTORIAL: INSTALANDO O SKYPE (VOIP - VOZ SOBRE IP) - ATUALIZAÇÃO TUTORIAL: INSTALANDO O SKYPE (VOIP - VOZ SOBRE IP) - ATUALIZAÇÃO Com a popularização da banda larga, uma das tecnologias que ganhou muita força foi o VOIP (Voz sobre IP). Você com certeza já deve ter ouvido

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS 2009

AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS 2009 AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS 2009 Pontos fortes - Atendimento: 74% entre muito bom e ótimo - Lay-out: 80% entre muito bom e ótimo - Sinalização: 82 % entre muito boa e ótima - Número de funcionários: 84%

Leia mais

Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas

Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas INPE-13139-PRE/8398 SENSORIAMENTO REMOTO Tania Sausen Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas INPE São José dos Campos 2005 MEIO AMBIENTE E CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS 8 Sensoriamento Remoto Tania Sauzen

Leia mais

Banco de Dados de Imagens: características e aplicações

Banco de Dados de Imagens: características e aplicações Banco de Dados de Imagens: características e aplicações CAP 378 / 2010 Tópicos em Observação da Terra Carlos Alberto Pires de Castro Filho Leonardo Arthur Esteves Lourenço Introdução: Banco de Dados -

Leia mais

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural 1. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural no bioma Amazônia... 2 2. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento

Leia mais

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Projeto de Engenharia Ambiental Sensoriamento remoto e Sistema de Informação Geográfica Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Sensoriamento

Leia mais

Carlos Eduardo Negrão Bizzotto Doutorando em Engenharia da Produção Depto de Sistemas e Computação. Rua: Antonio da Veiga, 140 Cep: 89010-971

Carlos Eduardo Negrão Bizzotto Doutorando em Engenharia da Produção Depto de Sistemas e Computação. Rua: Antonio da Veiga, 140 Cep: 89010-971 RESULTADO DO AMBIENTE DE APRENDIZAGEM PARA AUXILIAR NA DISCIPLINA EMPREENDEDOR Oscar Dalfovo Doutor em Ciência da Computação Depto de Sistemas e Computação Universidade Regional de Blumenau - FURB Rua:

Leia mais

II Seminário sobre Referencial Geocêntrico no Brasil

II Seminário sobre Referencial Geocêntrico no Brasil II Seminário sobre Referencial Geocêntrico no Brasil PMRG - Projeto Mudança do Referencial Geodésico RESUMO DOS PAINÉIS 1, 2 e 3 Perguntas: PAINEL 1: IMPACTOS NO MAPEAMENTO TOPOGRÁFICO SISTEMÁTICO Quais

Leia mais

Conceitos Iniciais MARCEL SANTOS SILVA

Conceitos Iniciais MARCEL SANTOS SILVA Conceitos Iniciais MARCEL SANTOS SILVA DPI - INPE Criada em 1984, a Divisão de Processamento de Imagens (DPI) faz parte da Coordenação Geral de Observação da Terra/OBT do Instituto Nacional de Pesquisas

Leia mais

Criar excelentes experiências de uso com o design centrado no usuário

Criar excelentes experiências de uso com o design centrado no usuário Criar excelentes experiências de uso com o design centrado no usuário O design centrado no usuário cria uma excelente experiência de uso pois ele se concentra em quem é o usuário final do aplicativo, como

Leia mais

Componentes Básicos de um escritório para SIG

Componentes Básicos de um escritório para SIG Componentes Básicos de um escritório para SIG Componentes Informática Programas de aplicações Recursos humanos Componentes Informática Programas de aplicações Recursos humanos Componente de informática

Leia mais

RBMC-IP. Rede Brasileira de Monitoramento Contínuo dos Sistemas GNSS em Tempo Real. Diretoria de Geociências DGC Coordenação de Geodésia - CGED

RBMC-IP. Rede Brasileira de Monitoramento Contínuo dos Sistemas GNSS em Tempo Real. Diretoria de Geociências DGC Coordenação de Geodésia - CGED RBMC-IP Rede Brasileira de Monitoramento Contínuo dos Sistemas GNSS em Tempo Real Diretoria de Geociências DGC Coordenação de Geodésia - CGED 06 de Maio de 2009 Sumário Sistema GPS Técnica de Posicionamento

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) Dispõe sobre a outorga de canais de televisão no Sistema Brasileiro de Televisão Digital para as entidades que menciona. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

Rio de Janeiro Avenida General Justo, 307 CEP: 20021-130 Rio de Janeiro PABX (21) 3804-9200 E-mail: cncrj@cnc.com.br

Rio de Janeiro Avenida General Justo, 307 CEP: 20021-130 Rio de Janeiro PABX (21) 3804-9200 E-mail: cncrj@cnc.com.br Rio de Janeiro 2011 2010 Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo Qualquer parte desta publicação pode ser reproduzida, desde que citada a fonte. Confederação Nacional do Comércio

Leia mais

Semeando Competência Gerencial em Micro e Pequenas Empresas e Colhendo Emprego, Renda e Inclusão Social.

Semeando Competência Gerencial em Micro e Pequenas Empresas e Colhendo Emprego, Renda e Inclusão Social. Semeando Competência Gerencial em Micro e Pequenas Empresas e Colhendo Emprego, Renda e Inclusão Social. Prof. Dr. Cleber Carvalho de Castro Universidade Federal de Lavras clebercastro@ufla.br Andréia

Leia mais

INTRODUÇÃO. A Claireconference agradece pela escolha!

INTRODUÇÃO. A Claireconference agradece pela escolha! 1 ÍNDICE 1. IMPLEMENTAÇÃO 4 1.1 PAINEL DE CONTROLE 4 1.1.1 SENHA 4 1.1.2 CRIAÇÃO DE USUÁRIOS DO LYNC 5 1.1.3 REDEFINIR SENHA 7 1.1.4 COMPRAR COMPLEMENTOS 9 1.1.5 UPGRADE E DOWNGRADE 10 1.1.5.1 UPGRADE

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS Laboratório de Ensino, Pesquisa e Projetos em Análise Espacial TUTORIAL DE SPRING Alexandro Medeiros

Leia mais

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006.

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. DEFINE a Política de Informática do Estado do Amazonas. O PRESIDENTE DO COMITÊ ESTADUAL DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Lição 5 Instrumentos de Divulgação dos Correios

Lição 5 Instrumentos de Divulgação dos Correios 97 Lição 5 Instrumentos de Divulgação dos Correios Após concluir o estudo desta lição, esperamos que você possa: Associar os instrumentos de divulgação utilizados nos Correios às suas respectivas características.

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais