FederaçãodasIndústriasdoEstadodaBahia DiretoriaExecutiva/SDI-SuperintendênciadeDesenvolvimentoIndustrial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FederaçãodasIndústriasdoEstadodaBahia DiretoriaExecutiva/SDI-SuperintendênciadeDesenvolvimentoIndustrial"

Transcrição

1 FederaçãodasIndústriasdoEstadodaBahia DiretoriaExecutiva/SDI-SuperintendênciadeDesenvolvimentoIndustrial

2 Relatório de Infraestrutura é uma publicação mensal da Federação das Indústrias do Estado da Bahia (FIEB), produzida pela Superintendência de Desenvolvimento Industrial (SDI). Presidente: José de F. Mascarenhas Diretor Executivo: Leone Peter Correia da Silva Andrade Equipe Técnica: Marcus Emerson Verhine (Mestre em Economia e Finanças pela Universidade da Califórnia) Ricardo Menezes Kawabe (Mestre em Administração Pública pela UFBA) Carlos Danilo Peres Almeida (Mestre em Economia pela UFBA) Everaldo Guedes (Bacharel em Ciências Estatísticas ESEB) Layout e Diagramação: SCI - Superintendência de Comunicação Institucional Data de Fechamento: 27 de fevereiro de 2014 Críticas e sugestões serão bem recebidas. Endereço Internet: Reprodução permitida, desde que citada a fonte.

3 SUMÁRIO Pág. DESTAQUES DO MÊS 3 1. ENERGIA ELÉTRICA 5 2. PETRÓLEO E GÁS 8 3. LOGÍSTICA ACOMPANHAMENTO DAS CONCESSÕES RODOVIÁRIAS NA BAHIA ANEXOS 26

4 DESTAQUES DO MÊS Primeiras etapas das obras da Ferrovia de Integração Oeste-Leste serão entregues no final do ano As obras da construção da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (FIOL) estão avançando em trechos importantes do traçado em território baiano. As primeiras etapas (lotes 2, 3 e 4) serão entregues no final de Com a retomada do lote 1 e início das obras nos lotes 5 e 5A ainda neste mês, a previsão é que os trabalhos sejam acelerados para a conclusão no prazo, que vai até Segundo a assessoria do governo da Bahia, a ferrovia contará com quilômetros de extensão e vai ligar Figueirópolis, no estado do Tocantins, ao Porto Sul, no município baiano de Ilhéus. A intervenção deve funcionar em 2016, contando com apoio do Governo do Estado e investimentos do governo federal estimados em R$ 6 bilhões. No início do mês, o Ministério dos Transportes e os consórcios construtores assinaram um contrato autorizando a retomada nas obras na região de Ilhéus, onde a FIOL se integrará ao Porto Sul. O lote 1 possui 125 quilômetros de extensão e passa ainda pelos municípios de Uruçuca, Aurelino Leal, Gongogi, Ubaitaba e Itagibá. O contrato no valor de R$ 608 milhões tem prazo de conclusão de 22 meses. Também foi liberado o início das obras nos lotes 5 (Guanambi/Bom Jesus da Lapa) e 5A, que corresponde à construção da ponte sobre o Rio São Francisco com três quilômetros de extensão. No total, o lote tem 162 quilômetros, cortando as cidades de Caetité, Guanambi, Palmas de Monte Alto, Riacho de Santana e Bom Jesus da Lapa. O valor do contrato é de R$ 850 milhões, com vigência de 24 meses. (Correio, 17/02/2014) Ministro dos Transportes diz que a ViaBahia está descumprindo acordo Após percorrer, na sexta-feira (14/2), os 550 quilômetros das rodovias BR-324 e BR-116 (BA) sob concessão da ViaBahia, o ministro dos Transportes, César Borges, constatou que a concessionária continua descumprindo o contrato firmado com o Governo Federal. Segundo ele, as obras estão muito atrasadas e, caso não cumpra o prazo estipulado no Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), a empresa será, mais uma vez, penalizada. As obras da ViaBahia estão bastante atrasadas, eles não estão cumprindo o acordo que foi firmado com o Governo Federal e serão punidos ainda com mais rigor, ressaltou. Durante a vistoria, César Borges visitou as obras do Contorno de Feira de Santana, entre a BR-116/BA e a BR- 324/BA, e constatou que novamente a concessionária não cumpriu com o cronograma. Outra obra que está bastante atrasada é a duplicação de mais de 70 quilômetros do trecho da BR-116 entre Feira de Santana e a Ponte do Rio Paraguaçu. Cabe lembrar que a conclusão desta obra estava prevista, inicialmente, para outubro de 2013, e já tinha sido acordado um novo prazo que seria até fevereiro de 2014, porém, constatamos que a obra não está concluída, afirma César Borges. O ministro visitou também, todo o trecho de Salvador a Vitória de Conquista, incluindo o trecho entre o entroncamento de Jaguaquara e o km 4 em Jequié, que deve ser duplicado de imediato, pois já foi autorizado FIEB SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL FEVEREIRO

5 pela ANTT, e cobrou da ViaBahia agilidade na execução das obras de duplicação da estrada. Também percorreu o trecho entre BA-052 e Santo Estevão e trecho entre Santo Estevão e BR-242/BA. (...) Desde que demandada pela ANTT, no final de maio de 2013, em processo específico de Verificação de irregularidades na execução contratual, a ViaBahia apresentou várias versões do Plano de Ação, com o objetivo de sanar as irregularidades apontadas. Os documentos foram analisados pela área técnica da ANTT, no entanto, foi feito um novo acordo, em agosto de 2013, e a concessionária propôs a postergação da obra do Contorno de Feira de Santana (entre a BR- 116/BA e BR-324/BA), do trecho entre Feira de Santana e BA -052, trecho entre BA-052 e Santo Estevão e trecho entre Santo Estevão e BR-242/BA, em seis meses do inicialmente proposto, ou seja, a conclusão da referida duplicação passaria de fevereiro/2014 para agosto/2014. (Tribuna da Bahia, 15/02/2014) FIEB SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL FEVEREIRO

6 1. ENERGIA ELÉTRICA 1.1 Nível dos Reservatórios do Nordeste: Sobradinho 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 Volume Útil de Sobradinho ( ) (em % do volume máximo) 0, Fonte: ONS; elaboração FIEB/SDI. O reservatório de Sobradinho alcançou o volume de 50,4% de sua capacidade máxima em janeiro de Tal valor é superior ao registrado em igual mês do ano anterior, quando alcançou 26% do volume máximo. O regime hidrológico da Região Nordeste em 2013 esteve abaixo do padrão, registrando atraso na afluência de água ao reservatório. Já no início de 2014, registra-se recuperação no nível de água armazenada. 1.2 Energia Armazenada e Curva de Aversão ao Risco (2014) Nordeste 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 Energia Armazenada e Curva de Aversão ao Risco - Região Nordeste ( ) (em % do volume máximo) 0, Risco 2014 Fonte: ONS; elaboração FIEB/SDI. Na comparação da curva de energia armazenada, que engloba todos os reservatórios da região Nordeste, vê-se que o nível acumulado em janeiro de 2014 alcançou 42,6% do volume máximo, contra 32,9% em igual FIEB SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL FEVEREIRO

7 período do ano anterior. O atual nível de energia armazenada situa-se apenas 3,6% acima da curva de risco calculada pelo ONS, em nível/reserva muito preocupante. 1.3 Consumo de Energia Elétrica Brasil ( ) Consumo de Energia Elétrica - Brasil ( ) (em GWh) Fonte: EPE; elaboração FIEB/SDI. O consumo nacional de energia elétrica apresentou alta de 4,9% em dezembro de 2013, na comparação com igual mês do ano anterior. Em 2013, registrou-se incremento de 3,5% em relação ao ano anterior. O aumento do consumo de energia elétrica no acumulado do ano foi puxado pelo consumo das residências (6,1%) e pelo comércio (5,7%), enquanto a classe industrial apresentou crescimento de apenas 0,6%. 1.4 Consumo Industrial de Energia Elétrica Brasil ( ) Consumo Industrial de Energia Elétrica - Brasil ( ) (em GWh) Fonte: EPE; elaboração FIEB/SDI. Em dezembro de 2013, o consumo industrial de energia elétrica apresentou alta de 3,1% em relação a igual período do ano anterior. Em 2013, registrou-se leve alta (0,6%) em relação a O comportamento do consumo de energia elétrica refletiu o desempenho da atividade industrial no país. FIEB SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL FEVEREIRO

8 1.5 Consumo de Energia Elétrica Nordeste ( ) Consumo de Energia Elétrica - Nordeste ( ) (em GWh) Fonte: EPE; elaboração FIEB/SDI. O consumo de energia elétrica na região Nordeste apresentou alta de 4% em dezembro de 2013, na comparação com igual mês de Em 2013, registrou-se crescimento de 5,6% em relação ao ano anterior. O aumento do consumo total da região no ano foi puxado pelo consumo residencial, que apresentou alta de 11,5%, e pelo aumento de 8,7% do consumo comercial, enquanto a classe industrial registrou queda de 0,6% no período analisado. 1.6 Consumo Industrial de Energia Elétrica Nordeste ( ) Consumo Industrial de Energia Elétrica - Nordeste ( ) (em GWh) Fonte: EPE; elaboração FIEB/SDI. Em dezembro de 2013, o consumo industrial de energia elétrica na região Nordeste apresentou queda de 3% em comparação com igual mês de Em 2013, registrou-se queda de 0,6% em relação ao ano anterior. FIEB SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL FEVEREIRO

9 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 dez/12 jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 jan/14 fev/14 US$/barril US$/barril 2. PETRÓLEO E GÁS 2.1 Preço médio dos petróleos Cesta OPEP ( ) Preço Médio do Petróleo - Cesta OPEP ( ) Fonte: OPEP; elaboração FIEB/SDI. Média de 2014 calculada com dados até 26/02/2014. Os preços dos petróleos da cesta OPEP apresentaram forte aceleração entre 2004 e 2008, resultado da elevação na demanda dos países em desenvolvimento, notadamente China e Índia. Esse movimento foi interrompido após meados de 2008, quando a crise econômica global provocou recuo dos preços. A partir de 2009, no entanto, iniciou-se um processo de recuperação. Com dados atualizados até 26/02/2014, a média dos preços em 2014 alcançou US$ 104,94/barril. 2.2 Preço médio mensal do petróleo Cesta OPEP Preço Médio Mensal do Petróleo - Cesta OPEP Fonte: OPEP; elaboração FIEB/SDI. Média de fevereiro de 2014 calculada com dados até 26/02/2014. FIEB SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL FEVEREIRO

10 fev-08 abr-08 jun-08 ago-08 out-08 dez-08 fev-09 abr-09 jun-09 ago-09 out-09 dez-09 fev-10 abr-10 jun-10 ago-10 out-10 dez-10 fev-11 abr-11 jun-11 ago-11 out-11 dez-11 fev-12 abr-12 jun-12 ago-12 out-12 dez-12 fev-13 abr-13 jun-13 ago-13 out-13 dez-13 fev-14 US$/barril 2.3 Preço médio do Petróleo WTI ( ) Preço Spot do Petróleo WTI ( ) Fonte: EIA - Energy Information Administration. Elaboração FIEB/SDI. Calculada com dados até 26/02/2014. Analogamente, o preço do petróleo WTI (West Texas Intermediate) no mercado spot apresentou trajetória de contínuo crescimento no período , decorrente da forte demanda dos países em desenvolvimento. Tal como no caso dos petróleos da cesta OPEP, os preços do WTI despencaram de US$ 147,27 em julho de 2008 para cerca de US$ 33/barril em dezembro do mesmo ano. Ao longo de 2010, a commodity registrou uma trajetória de crescimento progressivo, alcançando cotação máxima de US$ 113,4/barril, em 29/04/2011. Por conta do agravamento da crise europeia, o preço do petróleo WTI recuou gradativamente até o início de outubro de 2011 (US$ 75,40/barril), a partir de então, observou-se recuperação dos preços, alcançando, em 31/12/2012, a cotação de US$ 91,8/barril sob a influência das tensões geopolíticas no Oriente Médio. De meados de 2003 até o início deste ano, os preços têm oscilado em torno de US$ 100/barril. Um fator que tem influenciado e contido as cotações de petróleo é o crescimento da produção de petróleo e shale gas nos Estados Unidos. 2.4 Produção Nacional de Petróleo ( ) Produção Nacional de Petróleo ( ) (em mil barris de petróleo) Fonte: ANP; elaboração FIEB/SDI. Em dezembro de 2013, a produção nacional de petróleo apresentou alta de 0,2% em comparação com igual mês do ano anterior. Registrou-se um volume de 65,4 milhões de barris, equivalentes a 2,1 milhões de barris/dia. A produção de petróleo da Bahia representou apenas 2,1% da produção nacional, contribuindo com 44,6 mil barris/dia. FIEB SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL FEVEREIRO

11 2.5 Importação Nacional de Petróleo ( ) Importação Nacional de Petróleo ( ) (em mil barris de petróleo) Fonte: ANP; elaboração FIEB/SDI. Em dezembro de 2013, a importação de petróleo apresentou alta de 9,1% em comparação com dezembro de Em 2013, registrou-se alta de 29,7% em relação ao ano anterior. No entanto, a tendência de médiolongo prazo é de queda nas importações por conta do esperado aumento da produção nos campos do présal. 2.6 Exportação Nacional de Petróleo ( ) Exportação Nacional de Petróleo ( ) (em mil barris de petróleo) Fonte: ANP; elaboração FIEB/SDI. O Brasil exportou 19,3 milhões de barris em dezembro de 2013, registrando queda de 16,4% em comparação com dezembro do ano anterior. Em 2013, registrou-se forte queda de 30,7% em relação ao ano anterior. No médio-longo prazo, a tendência é de aumento das exportações, por conta do esperado incremento na produção nacional. O petróleo exportado foi do tipo pesado (extraído de campos marítimos), pouco FIEB SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL FEVEREIRO

12 aproveitado nas refinarias nacionais, que foram projetadas para processar óleo leve (de grau API maior que 31,1). Em 2014, o percentual exportado pode diminuir com o processamento de óleo pesado da Bacia de Campos pela refinaria Abreu e Lima (Pernambuco). 2.7 Dependência Externa de Petróleo Brasil ( ) Dependência Externa de Petróleo e Derivados (milhões bep) dez/12 Jan-dez/12 dez/13 Jan-dez/13 Produção de Petróleo (a) 67,5 780,9 67,7 764,7 Imp. Líq. de Petróleo (b) -13,7-98,0-8,8 0,4 Imp. Líq. de Derivados (c) 1,8 58,1 5,9 83,0 Consumo Aparente (d) = (a+b+c) 55,6 741,0 64,8 848,1 Dependência Externa (e) = (d-a) -12,0-39,9-2,9 83,4 Dependência Externa (%) (e)/(d) -21,5-5,4-4,5 9,8 Fonte: ANP, elaboração FIEB/SDI Em dezembro de 2013, o Brasil exportou mais que importou, resultando numa importação líquida (importações menos exportações) negativa de 8,8 milhões de barris de petróleo, equivalentes a 13% da produção nacional. No mesmo mês, a dependência externa foi negativa de 2,9 milhões de barris, equivalentes a -4,5% do consumo nacional de petróleo. Em 2013, registrou-se uma dependência externa de petróleo e derivados acentuada de 9,8%, por conta do aumento do consumo de derivados e a estagnação da produção. 2.8 Produção Nacional de Gás Natural ( ) Produção Nacional de Gás Natural ( ) (em milhões m³) Fonte: ANP; elaboração FIEB/SDI. FIEB SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL FEVEREIRO

13 Balanço do Gás Natural no Brasil (mil m³/dia) Produção Nacional¹ Reinjeção Queimas e Perdas Consumo Próprio = Produção Nac. Líquida Importação = Oferta ¹ Não inclui Gás Natural Liquefeito Fonte: ANP, elaboração FIEB/SDI Média em dez/2012 Média do período jan-dez/2012 Média em dez/2013 Média do período jan-dez/2013 A produção brasileira de gás natural cresceu progressivamente durante 2012 e 2013 (vide o gráfico 2.8). Tendo em conta o balanço do gás natural no país, verifica-se que a sua oferta no Brasil alcançou a média de 84,7 milhões m 3 /dia em dezembro de 2013, contabilizando queda 7,1% em relação ao registrado em igual mês do ano anterior. Em 2013, a oferta média diária de gás natural cresceu 18,3% em relação ao verificado no ano anterior. 2.9 Produção Baiana de Gás Natural ( ) 310,0 Produção Baiana de Gás Natural ( ) (em milhões m³) 280,0 250,0 220,0 190,0 160,0 130,0 Fonte: ANP; elaboração FIEB/SDI. O volume de gás produzido na Bahia em dezembro de 2013 alcançou 271,3 milhões de m 3 (ou 8,8 milhões de m 3 /dia), registrando leve queda de 4,2% em comparação com dezembro de A produção baiana respondeu por 11,3% da produção brasileira de gás natural em FIEB SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL FEVEREIRO

14 3. LOGÍSTICA 3.1 Movimentação de Passageiros no Aeroporto Internacional de Salvador-BA ( ) Bahia: Movimentação de Passageiros no Aeroporto Internacional de Salvador ( ) (em mil) Fonte: Infraero; elaboração FIEB/SDI. Em janeiro de 2014, a movimentação de passageiros no Aeroporto Internacional de Salvador caiu 1,8% em comparação com o registrado em igual mês de No período, a movimentação de passageiros no Aeroporto Internacional de Salvador alcançou 835,7 mil passageiros, equivalentes a 6,5% do movimento nos aeroportos do país. 3.2 Movimentação de Cargas no Porto de Salvador-BA ( ) Bahia: Movimentação de Cargas no Porto de Salvador ( ) (em mil toneladas) Fonte: CODEBA; elaboração FIEB/SDI. Em dezembro de 2013, a movimentação de cargas no porto de Salvador apresentou alta de 22,2% em comparação com igual período do ano anterior. Em 2013, verificou-se um acréscimo de 8,7% em comparação com 2012, alcançando o montante de 4 milhões de toneladas, sendo: 5% de carga geral, 12,4% de granel sólido, 81,8% de carga conteinerizada e 0,9% de produtos líquidos. FIEB SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL FEVEREIRO

15 3.3 Movimentação de Contêineres no Porto de Salvador-BA ( ) Bahia: Movimentação de Contêiner no Porto de Salvador ( ) (em mil TEUs) 0 Fonte: CODEBA; elaboração FIEB/SDI. A movimentação de contêineres no porto de Salvador, em dezembro de 2013, registrou alta de 21,1%, em comparação com igual período do ano anterior. Em 2013, acumulou o montante de 266,3 mil TEUs, contra 255,4 mil TEUs movimentados no mesmo período do ano anterior, registrando crescimento de 4,3%. 3.4 Movimentação de Carga Sólida no Porto de Aratu-BA ( ) 250 Bahia: Movimentação de Granel Sólido no Porto de Aratu ( ) (em mil toneladas) Fonte: CODEBA; elaboração FIEB/SDI. Em dezembro de 2013, registrou alta de 53,8%, em comparação com o mesmo mês de Entretanto, em 2013, a movimentação de granel sólido no porto de Aratu alcançou o volume de 1,6 milhão de toneladas, registrando queda de 5,4% em comparação com FIEB SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL FEVEREIRO

16 3.5 Movimentação de Carga Líquida no Porto de Aratu-BA ( ) 500 Bahia: Movimentação de Carga Líquida no Porto de Aratu - Bahia ( ) (em mil toneladas) Fonte: CODEBA; elaboração FIEB/SDI. A movimentação de carga líquida no porto de Aratu, em dezembro de 2013, registrou queda de 14,5%, em comparação com igual mês do ano anterior. Em 2013, alcançou 3,7 milhões de toneladas, registrando incremento de 4,1% em relação a Movimentação de Carga Gasosa no Porto de Aratu-BA ( ) 60 Bahia: Movimentação de Carga Gasosa no Porto de Aratu - Bahia ( ) (em mil toneladas) Fonte: CODEBA; elaboração FIEB/SDI. Em dezembro de 2013, a movimentação de carga gasosa no porto de Aratu alcançou 55,6 mil toneladas contra 53,7 mil registradas em igual período do ano anterior. Em 2013, acumulou o montante de 477,9 mil toneladas, contra 519,4 mil toneladas registradas no mesmo período de 2012 (-8%). FIEB SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL FEVEREIRO

17 3.7 Movimentação de Carga nos Terminais de Uso Privativo da Bahia ( ) 3,0 Bahia: Movimentação de Cargas nos Terminais de Uso Privativo( ) (em milhões toneladas) 2,5 2,0 1,5 1,0 0,5 0,0 Fonte: CODEBA; elaboração FIEB/SDI. Em referência à movimentação de carga nos terminais de uso privativo (TUPs), em dezembro de 2013, registrou-se queda de 10,7% em comparação com o mesmo mês do ano anterior. No ano, acumulou a movimentação de 25,4 milhões toneladas, registrando alta de 12,5% em comparação com FIEB SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL FEVEREIRO

18 4. ACOMPANHAMENTO DAS CONCESSÕES RODOVIÁRIAS NA BAHIA BR 116/BR km investimento previsto da ordem de R$ 2,2 bilhões, num prazo de concessão de 25 anos. A cobrança nas 5 praças de pedágio da BR-116 foi iniciada em 07/12/2010 e em 28/12/2010 na praça de Amélia Rodrigues (BR 324). A última praça de pedágio, Simões Filho (BR 324), teve as operações autorizadas pela Resolução Nº 3.697/11, da ANTT, de 20 de julho de De acordo com o consórcio ViaBahia, os investimentos realizados até fevereiro de 2014 somam o montante de aproximadamente R$ 700 milhões, cumprindo a etapa contratual dos Trabalhos Iniciais, cujas obras focaram na restauração do pavimento, proteção e segurança, obras-de-arte especiais, drenagem/obras-de-arte correntes, terraplenos e estruturas de contenção, canteiro central e faixa de domínio, sistemas elétricos e de iluminação. A etapa de Recuperação está em curso, com obras e serviços que têm o objetivo de restabelecer as características originais existentes nos diversos elementos do sistema rodoviário. Os trabalhos desta fase deverão estender-se até o 5º ano do prazo da concessão (2014). Destaca-se a execução das obras de duplicação da BR-116 e do Contorno Sul do Anel Viário de Feira de Santana, num investimento da ordem de R$ 280 milhões. Essas rodovias são em pista simples e passarão a oferecer pistas duplas de duas faixas por sentido, acostamento e faixas de segurança. Os dois segmentos da duplicação, BR-116 e o Contorno Sul de Feira de Santana, totalizam cerca de 80 quilômetros de extensão, cruzando os municípios de Feira de Santana, Antônio Cardoso, Santo Estevão e Rafael Jambeiro. Uma questão estrutural a ser considerada é que, embora a ANTT e o Consórcio ViaBahia considerem que a capacidade de tráfego do trecho Salvador-Feira da BR 324 esteja adequada ao atual fluxo de veículos, verificam-se grandes congestionamentos na via, especialmente em feriados prolongados. Alega-se que os problemas de congestionamentos se devem, em grande medida, aos acessos/cruzamentos urbanos com a rodovia, especialmente entre Salvador e Simões Filho. O fato é que, pelo contrato de concessão, o trecho entre Salvador e Feira da BR 324 (108 km) terá faixas adicionais quando alcançar um VMD (volume médio diário) de 70 mil veículos. Segundo informe da ANTT, o atual VMD seria da ordem de 45 mil veículos. No entanto, a agência reguladora ressalta que é possível haver alteração no contrato com inclusão de novas obras/ampliações, desde que se promova um reequilíbrio econômico-financeiro do contrato, o que encareceria o pedágio cobrado. Resumo da concessão BR324/116 para o período de outubro de 2009 a fevereiro de 2014, segundo informações da ViaBahia: Aplicação de mais de 370 mil toneladas de asfalto; Recuperação de cerca de 380 quilômetros de rodovias; Aplicação de 2,3 milhões de metros quadrados de microrrevestimento asfáltico; Retirada de mais de 64 mil metros cúbicos de asfalto (fresagem); Recuperação de iluminação; Implantação de mais de 68 mil metros de drenos de pavimento; Recuperação e desobstrução de dispositivos de drenagem; Obras de contenção de taludes, para garantir a estabilidade do terreno; Construção de 15 Bases de Atendimento ao Usuário (Bases SAU); Construção de 01 Centro de Controle Operacional (CCO); Construção de 01 Prédio Administrativo / Posto de fiscalização da ANTT; FIEB SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL FEVEREIRO

19 Instalação de mais de 70 mil metros lineares de defensas metálicas em trechos críticos das rodovias; metros quadrados de sinalização vertical implantada; metros quadrados de sinalização vertical recuperada; Um milhão de metros de sinalização horizontal implantada (pintura de faixas); 184 quilômetros de acostamentos pavimentados (mais de 61 quilômetros na BR-324); Reciclagem de outros 150 quilômetros de acostamentos; Construção da passarela do Makro (quilômetro 617 da BR-324) Construção da passarela de Menino Jesus; Construção da passarela de Simões Filho; 16 viaturas de inspeção de tráfego; 11 guinchos leves; 04 guinchos pesados; 02 unidades de suporte avançado (ambulâncias UTI); 13 unidades de resgate; 04 caminhões-pipa para combate a incêndio; 03 caminhões de apreensão de animal; 05 veículos de segurança viária; Entrega de uma frota de 26 viaturas, para a Polícia Rodoviária Federal (PRF); Reforma de dois postos da PRF e construção de uma nova base na BR-116 sul; R$ 53 milhões ISS pago aos municípios até 2013; Instalação do Sistema Inteligente de Transporte (ITS, sigla em inglês), que conta com equipamentos de monitoração e sensoriamento do tráfego, como os sistemas de controle de velocidade (15 radares fixos), 07 contadores eletrônicos de tráfego, 01 estação meteorológica e um circuito fechado de TV (CFTV) com 32 câmeras. Concessão das BRs Prazo: 25 anos Data de assunção das rodovias pela ViaBahia: 20/10/2009 Etapas Descrição - objetivos Prazo Status 1 Trabalhos Iniciais 2 Recuperação 3 Manutenção 4 Conservação Precisa eliminar problemas emergenciais que impliquem riscos pessoais e materiais iminentes, equipando o Sistema Rodoviário com requisitos mínimos de segurança e conforto aos usuários. Tem por objetivo o restabelecimento das características originalmente existentes nos diversos elementos do Sistema Rodoviário. Intervenções com o objetivo de recompor e aprimorar as características técnicas e operacionais da rodovia, ou prevenir que sejam alcançados níveis indesejados, podendo envolver ações de reabilitação ou restauração de partes da rodovia. Operações rotineiras e de emergência realizadas com o objetivo de preservar as características técnicas e físico-operacionais da rodovia e das instalações da concessionária. Até o 6º (sexto) mês do Prazo da Concessão, mas depende de vistoria e aceitação pela ANTT. Após a conclusão dos Trabalhos Iniciais até o final do 5º (quinto) ano do Prazo da Concessão. Após a fase de Recuperação até o final do Prazo da Concessão Após a conclusão dos Trabalhos Iniciais até o final do Prazo da Concessão. Trabalhos considerados concluídos pela ANTT Em curso Em curso Em curso 5 Monitoração Atuará em nível gerencial, especialmente sobre as atividades de Manutenção de seus elementos físicos e as ações de gerenciamento operacional e administrativo, permitindo a definição de programação das intervenções necessárias, de modo a manter as condições do Sistema Rodoviário dentro dos padrões estabelecidos. Após a conclusão dos Trabalhos Iniciais até o final do Prazo da Concessão. Em curso Fonte: ANTT Observação: a inclusão de obra nova ou melhorias não previstas inicialmente no PER ensejarão reequilíbrio do contrato. FIEB SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL FEVEREIRO

20 Obras previstas no PER (Programa de Exploração Rodoviária) - Edital de Concessão nº 001/2008 Passarelas BR-324 e BR-116: 41 passarelas Melhorias BR 324 e BR 116: - Implantação de Vias Laterais: 10,0 km. - Implantação Acesso: 34 unidades. - Interseção Tipo Trevo: 32 unidades. - Duplicação: 83,7 km (BR-116 Feira de Santana Rio Paraguaçu). - Interseção com Linha Ferroviária no Município de Itatim. - Recuperação da Ponte Cândido Sales. - Iluminação: 10 km na BR-324 e 65 km na BR-116. Duplicações Condicionadas: BR VDM = : implantação de 3ª. Faixa no segmento correspondente. BR VDM = : implantação de 4ª. Faixa no segmento correspondente. - VDM = 6.500: duplicação do segmento correspondente. 7 praças de pedágio 2 BR (tarifa básica = R$ 1,70) 5 BR (tarifa básica = R$ 3,10) FIEB SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL FEVEREIRO

21 FIEB SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL FEVEREIRO

22 Sistema BA km investimento previsto de R$ 1,7 bilhão, num prazo de concessão de 25 anos. Será realizada a cobrança em cinco praças de pedágio, sendo duas na BA -093 (Mata de São João e Simões Filho), uma na BA-524 (Canal de Tráfego) em Candeias, outra na BA-535 (Via Parafuso) em Camaçari, e a última em Salvador, na BA-526 (CIA-Aeroporto). A Concessionária Bahia Norte (Consórcio Invepar-Odebrecht) declara ter realizado investimentos superiores a R$ 540 milhões, em obras de restauração e ampliação, e na operação das rodovias, em três anos de concessão. A concessionária realiza as obras de restauração definitiva das rodovias, que contempla a duplicação de 53 km de estradas e a restauração definitiva do pavimento. A duplicação da CIA/Aeroporto está concluída e a rodovia já tem novo pavimento asfáltico em todos os seus 14 quilômetros de extensão. A Bahia Norte também já instalou 4 passarelas definitivas nessa rodovia, na altura de Bairro Novo, em Cassange, Capelão e Nova Esperança. As rodovias BA-524 (Canal de Tráfego, que liga o Polo de Camaçari ao Porto de Aratu) e BA-512 (ligação entre a BA-093 e o município de Camaçari) também estão completamente restauradas e com nova sinalização. As obras de duplicação da Via Parafuso (BA-535) estão bastante avançadas, com cerca de 80% de vias duplicadas e asfalto novo. Foi construído um complexo viário entre a BA-526 e BA-535 para facilitar o fluxo de veículos que utilizam a CIA/Aeroporto e a Via Parafuso em direção aos polos industriais, Ceasa, Porto de Aratu e municípios da Região Metropolitana de Salvador. Outro sistema viário foi construído sobre a antiga rotatória de Simões Filho, também na rodovia BA-526 (CIA Aeroporto), e é composto por quatro grandes alças que permitem ao motorista fazer retornos em pistas de mão única e seguir em diversas direções, como o Complexo Industrial de Aratu (CIA), Ceasa, BR-324 e Salvador. FIEB SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL FEVEREIRO

FederaçãodasIndústriasdoEstadodaBahia DiretoriaExecutiva/SDI-SuperintendênciadeDesenvolvimentoIndustrial

FederaçãodasIndústriasdoEstadodaBahia DiretoriaExecutiva/SDI-SuperintendênciadeDesenvolvimentoIndustrial FederaçãodasIndústriasdoEstadodaBahia DiretoriaExecutiva/SDI-SuperintendênciadeDesenvolvimentoIndustrial Relatório de Infraestrutura é uma publicação mensal da Federação das Indústrias do Estado da Bahia

Leia mais

FederaçãodasIndústriasdoEstadodaBahia DiretoriaExecutiva/SDI-SuperintendênciadeDesenvolvimentoIndustrial

FederaçãodasIndústriasdoEstadodaBahia DiretoriaExecutiva/SDI-SuperintendênciadeDesenvolvimentoIndustrial FederaçãodasIndústriasdoEstadodaBahia DiretoriaExecutiva/SDI-SuperintendênciadeDesenvolvimentoIndustrial Relatório de Infraestrutura é uma publicação mensal da Federação das Indústrias do Estado da Bahia

Leia mais

FederaçãodasIndústriasdoEstadodaBahia DiretoriaExecutiva/SDI-SuperintendênciadeDesenvolvimentoIndustrial

FederaçãodasIndústriasdoEstadodaBahia DiretoriaExecutiva/SDI-SuperintendênciadeDesenvolvimentoIndustrial FederaçãodasIndústriasdoEstadodaBahia DiretoriaExecutiva/SDI-SuperintendênciadeDesenvolvimentoIndustrial Relatório de Infraestrutura é uma publicação mensal da Federação das Indústrias do Estado da Bahia

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL. CONCESSIONÁRIA: Concessionária de Rodovias Galvão BR-153

RELATÓRIO MENSAL. CONCESSIONÁRIA: Concessionária de Rodovias Galvão BR-153 RELATÓRIO MENSAL CONCESSIONÁRIA: Concessionária de Rodovias Galvão BR-153 RODOVIA: BR-153 TO/GO TRECHO: Entre o entroncamento da BR-060 em Anápolis, no estado de Goiás, e o entroncamento com a TO-070 (Oeste)

Leia mais

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Curitiba. Setembro/2013

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Curitiba. Setembro/2013 CodeP1 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidadesede: Curitiba Setembro/2013 Curitiba: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de s CodeP2 Referência Set/13, Distribuição dos investimentos

Leia mais

Clipping, Quinta-feira, 01 de Abril de 2010. Tribuna da Bahia. Publicada: 01/04/2010 00:09 Atualizada: 31/03/2010 23:44 Hélio Rocha

Clipping, Quinta-feira, 01 de Abril de 2010. Tribuna da Bahia. Publicada: 01/04/2010 00:09 Atualizada: 31/03/2010 23:44 Hélio Rocha Clipping, Quinta-feira, 01 de Abril de 2010 Tribuna da Bahia Publicada: 01/04/2010 00:09 Atualizada: 31/03/2010 23:44 Hélio Rocha Assistência médica e mecânica nas rodovias Os motoristas que trafegam pelas

Leia mais

LINHA DO TEMPO DA CONCESSÃO

LINHA DO TEMPO DA CONCESSÃO LINHA DO TEMPO DA CONCESSÃO Abril/14 Julho/14 Agosto/14 Outubro/14 Dezembro/14 Abril/15 Via 040 assume a BR-040 Início dos trabalhos de conservação e manutenção, realizados de forma contínua desde então.

Leia mais

RELATÓRIO SITUAÇÃO DA BR 163/364

RELATÓRIO SITUAÇÃO DA BR 163/364 RELATÓRIO SITUAÇÃO DA BR 163/364 Fevereiro/2014 1 1. Introdução O Movimento Pró-Logística, que reúne as entidades Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso (APROSOJA), Associação

Leia mais

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM Secretaria de Logística e Transportes Estrutura da Secretaria de Logística e Transportes Pátio 2 Obra Secretaria de Logística e Transportes Porto de São Sebastião Realizações 2011/2012 Descrição Nivelamento

Leia mais

Balanço 2012 - Copa do Mundo Cidade-sede Curitiba Brasília, Abril de 2012

Balanço 2012 - Copa do Mundo Cidade-sede Curitiba Brasília, Abril de 2012 CodeP0 Balanço 2012 Copa do Mundo Cidadesede Curitiba Brasília, CodeP1 Valores Consolidados R$ mi, abr/12 Total Empreendimentos Investimento Total Financiamento Federal Local Federal Privado Estádio 1

Leia mais

Obras de Mobilidade Urbana em Belo Horizonte COPA 2014

Obras de Mobilidade Urbana em Belo Horizonte COPA 2014 INFRAESTRUTURA PARA A COPA 2014 Obras de Mobilidade Urbana em Belo Horizonte COPA 2014 Novembro/12 Agosto/2011 Empreendimentos de Mobilidade Urbana BRT Antônio Carlos/Pedro I Meta 1: Interseção com Av.

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA. FICHA DE INSCRIÇÃO PARA QUESTIONAMENTOS (preencha de forma clara, legível e objetiva os campos abaixo)

AUDIÊNCIA PÚBLICA. FICHA DE INSCRIÇÃO PARA QUESTIONAMENTOS (preencha de forma clara, legível e objetiva os campos abaixo) NOME: RENATO SILVA JUNIOR ÓRGÃO/ENTIDADE/EMPRESA: PREFEITURA SANTA LUZIA DO ITANHY Como no trecho do Rio Piaui que liga a zona urbana a zona rural do Município de Estância, logo há um grande fluxo de veiculo

Leia mais

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Mais de 100 mil km percorridos Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Estudo da CNT mostra que 57,3% têm alguma deficiência no estado geral; 86,5% dos trechos são de pista simples e

Leia mais

INVESTIMENTOS PAC E PIL BAHIA

INVESTIMENTOS PAC E PIL BAHIA INVESTIMENTOS PAC E PIL BAHIA 1 PAC NA BAHIA R$ 49,4 bilhões entre 2015-2018 Eixo R$ bilhões Transportes 5,8 Energia 30,1 Cidade Melhor 9,4 Comunidade Cidadã 0,9 Urbanização* 0,8 Água e Luz para Todos

Leia mais

GERALDO ALCKMIN 18/10/2011

GERALDO ALCKMIN 18/10/2011 GERALDO ALCKMIN 18/10/2011 AÇÕES E PROJETOS HABITAÇÃO - 150 mil novas moradias nos próximos quatro anos, para atender a famílias que ganham até 5 salários mínimos, triplicando a produção de moradias no

Leia mais

Usuários que seguirem pelas rodovias do Grupo CCR no Natal e Ano Novo encontrarão operação especial

Usuários que seguirem pelas rodovias do Grupo CCR no Natal e Ano Novo encontrarão operação especial Usuários que seguirem pelas rodovias do Grupo CCR no Natal e Ano Novo encontrarão operação especial Profissionais das sete concessionárias estarão de plantão para assegurar uma boa viagem a todos que pegarem

Leia mais

Infraestrutura e Logística do Brasil. Bahia. Situação atual e perspectivas futuras. Ministério dos Transportes. Salvador/BA, 20 de maio de 2013

Infraestrutura e Logística do Brasil. Bahia. Situação atual e perspectivas futuras. Ministério dos Transportes. Salvador/BA, 20 de maio de 2013 Infraestrutura e Logística do Brasil Bahia Situação atual e perspectivas futuras Salvador/BA, 20 de maio de 2013 Ministério dos Transportes Dimensão dos Transportes no Brasil/Bahia Malha Rodoviária Federal

Leia mais

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Cuiabá. Setembro/2013

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Cuiabá. Setembro/2013 CodeP1 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidadesede: Cuiabá Setembro/2013 Cuiabá: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de Recursos CodeP2 Referência Set/13, Distribuição dos investimentos

Leia mais

Rodovia Perimetral Norte

Rodovia Perimetral Norte Buscando criar um novo caminho que integre as três rodovias Federais (Br s 101, 116 e 324), que cruzam Feira de Santana, a rodovia perimetral norte de 33 km, surge como uma alternativa muito importante

Leia mais

CONCESSÃO DE RODOVIA. Regulação da Concessão de Rodovias Federais

CONCESSÃO DE RODOVIA. Regulação da Concessão de Rodovias Federais Regulação da Concessão de Rodovias Federais 1ª ETAPA 2ª ETAPA FASE I 2ª ETAPA FASE II 3ª ETAPA FASE I 3ª ETAPA FASE II Década de 60 e 70 -Rodovia Presidente Dutra; Histórico -Freeway entre Porto Alegre

Leia mais

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Nos termos do Contrato de Concessão, bem como dos regulamentos administrativos impostos pelo Poder Concedente, compete à ECO101 Concessionária

Leia mais

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Descrição Concessão à iniciativa privada dos principais eixos rodoviários de acesso ao litoral norte de Alagoas, visando a melhoria operacional, manutenção,

Leia mais

5. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE INDICAÇÃO

5. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE INDICAÇÃO 5. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE INDICAÇÃO 5.1 Placas de identificação Posicionam o condutor ao longo do seu deslocamento, ou com relação a distâncias, ou locais de destino. 5.1.1 Placas de identificação

Leia mais

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Belo Horizonte. Setembro/2013

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Belo Horizonte. Setembro/2013 CodeP1 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidadesede: Belo Horizonte Setembro/2013 Belo Horizonte: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de s CodeP2 Referência Set/13, Distribuição dos

Leia mais

Relatório Final Volume 1 Introdução Rodovia BR470 Santa Catarina

Relatório Final Volume 1 Introdução Rodovia BR470 Santa Catarina Estudo para Estruturação da Concessão da 3a. Etapa de Concessões de Rodovias Federais Fase II Relatório Final Volume 1 Introdução Rodovia BR470 Santa Catarina 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

ANEXO XI: INTERVENÇÕES PRIORITÁRIAS NO SISTEMA VIÁRIO MUNICIPAL

ANEXO XI: INTERVENÇÕES PRIORITÁRIAS NO SISTEMA VIÁRIO MUNICIPAL LEI N. ANEXO XI: INTERVENÇÕES PRIORITÁRIAS NO SISTEMA VIÁRIO MUNICIPAL PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DO IPOJUCA VIAS ARTERIAIS VIA PE-060 PE-038 PE-009 I - Requalificação com sua duplicação em todo o trecho

Leia mais

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM. ARSESP - Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM. ARSESP - Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo Matriz de Transporte Modal Brasil Participação Estado de São Paulo Modal Participação Rodoviário 61,20% Ferroviário 20,70% Hidroviário 13,60% Dutoviário 4,20% Aéreo 0,40% Rodoviário 93,10% Ferroviário

Leia mais

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM Matriz de Transporte Brasil Estado de São Paulo Modal Participação Modal Participação Rodoviário 61,20% Ferroviário 20,70% Hidroviário 13,60% Dutoviário 4,20% Aéreo 0,40% Rodoviário 93,10% Ferroviário

Leia mais

SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS. Outubro/2008

SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS. Outubro/2008 SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS Outubro/2008 O QUE É O SAU? SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS PROJETO PILOTO ABRANGENDO 421,2 KM DE TRECHOS DAS RODOVIAS FEDERAIS BR-040, BR- 060 E BR-153, NO DISTRITO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL 04/05/2011 Senado Federal - Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo O BRASIL EM NÚMEROS BASE PARA O CRESCIMENTO Os investimentos nas áreas

Leia mais

FederaçãodasIndústriasdoEstadodaBahia DiretoriaExecutiva/SDI-SuperintendênciadeDesenvolvimentoIndustrial

FederaçãodasIndústriasdoEstadodaBahia DiretoriaExecutiva/SDI-SuperintendênciadeDesenvolvimentoIndustrial FederaçãodasIndústriasdoEstadodaBahia DiretoriaExecutiva/SDI-SuperintendênciadeDesenvolvimentoIndustrial Relatório de Infraestrutura é uma publicação mensal da Federação das Indústrias do Estado da Bahia

Leia mais

O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro

O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro Bernardo Figueiredo Presidente da Empresa Brasileira de Planejamento e Logística Logística e Desenvolvimento Econômico

Leia mais

Projetos de Melhoria da Mobilidade Urbana até 2014

Projetos de Melhoria da Mobilidade Urbana até 2014 Projetos de Melhoria da Mobilidade Urbana até 2014 Melhoria da Infraestrutura Viária e Transporte na Capital Abril/2011 Mobilidade Urbana em Belo Horizonte BRT Antônio Carlos/Pedro I Meta 1 VIADUTOS DE

Leia mais

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Salvador. Setembro/2013

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Salvador. Setembro/2013 CodeP1 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidadesede: Salvador Setembro/2013 Salvador: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de Recursos CodeP2 Referência Set/13, Distribuição dos investimentos

Leia mais

Parcerias Público- Privadas do Rio de Janeiro. Gustavo Guerrante. 30 de novembro de 2015

Parcerias Público- Privadas do Rio de Janeiro. Gustavo Guerrante. 30 de novembro de 2015 Parcerias Público- Privadas do Rio de Janeiro Gustavo Guerrante 30 de novembro de 2015 Prefeitura do Rio de Janeiro Secretaria Especial de Concessões e Parcerias Público-Privadas Em 2009, institucionalizou-se

Leia mais

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na ampliação do número de terminais portuários, rodovias, ferrovias

Leia mais

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Sul

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Sul Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Sul Descrição Concessão à iniciativa privada dos principais eixos rodoviários de acesso ao litoral sul de Alagoas, visando a melhoria operacional, manutenção,

Leia mais

SERVIÇO DE ATENDIMENTO À USUÁRIOS

SERVIÇO DE ATENDIMENTO À USUÁRIOS À SERVIÇO DE ATENDIMENTO À USUÁRIOS O QUE É O SAU? CONTRATO TT 107/07 00. PROJETO PILOTO ABRANGENDO 421,2 KM DE TRECHOS DAS RODOVIAS FEDERAIS NO DISTRITO FEDERAL E NO ESTADO DE GOIÁS BR 040 BR 060 BR 153

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NO PIB 2013 Outros Serviços 33,7% Administração, saúde e educação públicas

Leia mais

Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados. Setembro 2011 Paulo Fleury

Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados. Setembro 2011 Paulo Fleury Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados Setembro 2011 Paulo Fleury Agenda Infraestrutura Logística Brasileira PAC: Investimentos e Desempenho PAC: Investimentos e Desempenho Necessidade

Leia mais

PROGRAMA PARANÁ PARCERIAS. Coordenação de Parcerias Público- Privadas (CPPP)

PROGRAMA PARANÁ PARCERIAS. Coordenação de Parcerias Público- Privadas (CPPP) PROGRAMA PARANÁ PARCERIAS Coordenação de Parcerias Público- Privadas (CPPP) 1 Origem do Programa Paraná Parcerias Atender os Objetivos de Governo do Novo Jeito de Governar: Por princípio: Aumentando a

Leia mais

Infra-estrutura: Prazo de Validade Vencido. Realização: Sinaenco

Infra-estrutura: Prazo de Validade Vencido. Realização: Sinaenco Realização: Sinaenco Objetivos Alertar as autoridades e a sociedade sobre a urgência e a importância da adoção por parte dos órgãos públicos das três esferas de poder (federal, estaduais e municipais)

Leia mais

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura PPA 2004-2007 Caminhos da Bahia: Infra-estrutura e Logística Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura nas áreas de transportes e energia, com o objetivo

Leia mais

Programa Estadual de Mobilidade Urbana PROMOB PROGRAMA ESTADUAL DE MOBILIDADE URBANA PROMOB

Programa Estadual de Mobilidade Urbana PROMOB PROGRAMA ESTADUAL DE MOBILIDADE URBANA PROMOB PROGRAMA ESTADUAL DE MOBILIDADE URBANA PROMOB ARAÇOIABA 15.108 90 IGARASSU 82.277 323 ITAPISSUMA 20.116 74 ITAMARACÁ 15.858 65 PRAIA DE MARIA FARINHA A REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE Municípios: 14 População:

Leia mais

Extensão Norte Linha 1 - TRENSURB São Leopoldo - Novo Hamburgo

Extensão Norte Linha 1 - TRENSURB São Leopoldo - Novo Hamburgo Extensão Norte Linha 1 - TRENSURB São Leopoldo - Novo Hamburgo Metrô em elevado com extensão de 9,3 Km com rede elétrica aérea, sinalização, bilhetagem eletrônica, escadas rolantes Quatro Estações de Passageiros

Leia mais

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Porto Alegre. Setembro/2013

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Porto Alegre. Setembro/2013 CodeP1 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidadesede: Porto Alegre Setembro/2013 Porto Alegrel: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de Recursos CodeP2 Referência Set/13, Distribuição

Leia mais

Code-P0. 4º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede de Recife. Dezembro de 2012

Code-P0. 4º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede de Recife. Dezembro de 2012 CodeP0 4º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidadesede de Recife Dezembro de 2012 Recife: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de s Referência Nov/12, Distribuição dos investimentos por

Leia mais

Infraestrutura, Segurança e PPPs

Infraestrutura, Segurança e PPPs www.pwc.com Infraestrutura, Segurança e PPPs Dezembro, 2011 Agenda - Características de uma PPP - Alguns Projetos de PPP no Brasil - Exemplos de PPP em Infraestrutura e Segurança 2 Características de uma

Leia mais

Boletim Econômico e do Setor Portuário. Sumário

Boletim Econômico e do Setor Portuário. Sumário Boletim Econômico e do Setor Portuário Junho de 2014 Sumário Indicadores da Economia Nacional... 2 O Produto Interno Bruto PIB no primeiro trimestre de 2014... 2 Os Índices de Inflação... 3 O Mercado de

Leia mais

NOVEMBRO 2013 1º RELATÓRIO DE ANDAMENTO

NOVEMBRO 2013 1º RELATÓRIO DE ANDAMENTO NOVEMBRO 2013 ESTUDO PRELIMINAR PARA IMPLANTAÇÃO DE PONTE SOBRE O RIO SÃO FRANCISCO, ENTRE OS MUNICÍPIOS DE PENEDO/AL E NEÓPOLIS/SE 1º RELATÓRIO DE ANDAMENTO ESTUDO PRELIMINAR PARA IMPLANTAÇÃO DE PONTE

Leia mais

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia.

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia. fls. 1/11 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição

Leia mais

PROGRAMA DE INVESTIMENTO EM MOBILIDADE NA RMS COM VISTAS À COPA 2014

PROGRAMA DE INVESTIMENTO EM MOBILIDADE NA RMS COM VISTAS À COPA 2014 PROGRAMA DE INVESTIMENTO EM MOBILIDADE NA RMS COM VISTAS À COPA 2014 Proposta de estruturação com investimentos nos grandes corredores de transporte na Região Metropolitana de Salvador RMS A Fonte Nova

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

ARTERIS TRANSCRIÇÃO DA TELECONFERÊNCIA RESULTADOS DO 2T15

ARTERIS TRANSCRIÇÃO DA TELECONFERÊNCIA RESULTADOS DO 2T15 1 ARTERIS TRANSCRIÇÃO DA TELECONFERÊNCIA RESULTADOS DO 2T15 Operadora: Bom dia senhoras e senhores, e obrigada por aguardarem. Sejam bem-vindos à teleconferência da Arteris, para discussão dos resultados

Leia mais

Estudo de Viabilidade de PPP Sistema Rodoviário BR-116/BR-324/BA. Volúmen IV - Avaliação Econômica. Março 2006. (Consultant logo here)

Estudo de Viabilidade de PPP Sistema Rodoviário BR-116/BR-324/BA. Volúmen IV - Avaliação Econômica. Março 2006. (Consultant logo here) Estudo de Viabilidade de PPP Sistema Rodoviário BR-116/BR-324/BA Volúmen IV - Avaliação Econômica Março 2006 (Consultant logo here) TOMO 02 RESTAURAÇÃO E MANUTENÇÃO Índice Página Glossário 02 Seção 01

Leia mais

Duplicação BR-101 Sul - Santa Catarina

Duplicação BR-101 Sul - Santa Catarina DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES Duplicação BR-101 Sul - Santa Catarina (Palhoça Passo de Torres/Divisa SC-RS) Relatório de andamento de obras Junho 2013 Fase 1 Obras contratadas

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL 31 de julho de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU)

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) Legenda da priorização das propostas: Ações que já foram iniciadas, devemos MONITORAR o andamento. Articular para 2013 o inicio da execução das Propostas. Sem prazo definido. Articular o inicio a medida

Leia mais

EcoRodovias anuncia resultado consolidado do 4T05 e de 2005

EcoRodovias anuncia resultado consolidado do 4T05 e de 2005 Release de Resultados EcoRodovias anuncia resultado consolidado do 4T05 e de 2005 EBITDA consolidado de R$ 356,4 milhões e margem EBITDA de 67,5% em 2005 São Paulo, 09 de março de 2006 A Primav EcoRodovias

Leia mais

BÁLSAMO OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014

BÁLSAMO OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 BÁLSAMO OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 AGRICULTURA E ABASTECIMENTO: Programa Melhor Caminho: recuperação de 4,00 km da estrada BSM-420, BSM-010 e BSM-020 - BH Turvo Grande (3ª fase) - Custo: R$ 300 mil.

Leia mais

CARNAVAL 2011 OPERAÇÃO INTEGRADA

CARNAVAL 2011 OPERAÇÃO INTEGRADA CARNAVAL 2011 OPERAÇÃO INTEGRADA Fevereiro / 2011 Viajar no Carnaval Trecho Rodoviário Sob Operação Trecho com Faixa Reversível vel BR-101 RJ Norte Trecho Niterói - Manilha Ponte Rio - Niterói Trecho de

Leia mais

Reunião Pública APIMEC-SP NOVEMBRO DE 2011

Reunião Pública APIMEC-SP NOVEMBRO DE 2011 Reunião Pública APIMEC-SP NOVEMBRO DE 2011 Maringá Armazéns Gerais Ltda. e Maringá Serviços Auxiliares de Transporte Aéreo Ltda. Porto Seco Maringá -67.000 m² de área total -7.000 m² de armazéns -760m³

Leia mais

OBRAS VÃO TRANSFORMAR VIRACOPOS NO MAIOR AEROPORTO DA AMÉRICA LATINA

OBRAS VÃO TRANSFORMAR VIRACOPOS NO MAIOR AEROPORTO DA AMÉRICA LATINA OBRAS VÃO TRANSFORMAR VIRACOPOS NO MAIOR AEROPORTO DA AMÉRICA LATINA Aeroportos Brasil Viracopos investirá R$ 9,5 bilhões na ampliação e modernização do complexo aeroportuário nos 30 anos da concessão

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol.

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos.

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, oleodutos. APROVAÇÃO EM: Portaria SUP/DER-

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil. Ações do Governo de Minas Gerais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil. Ações do Governo de Minas Gerais COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil Ações do Governo de Minas Gerais 27 de Outubro de 2009 Roteiro Estratégia de Execução Modernização do Mineirão Reforma dos Estádios Alternativos Mobilidade

Leia mais

Um novo rumo para o trecho Oeste da Marechal Rondon

Um novo rumo para o trecho Oeste da Marechal Rondon Ano 0 nº0 Janeiro de 200 R$,2 bilhão em investimentos m novo rumo para o trecho Oeste da Marechal Rondon Foto simulação Redução de 5% nas mortes...pág.04 Recuperação de,5 milhão m 2 de pavimento...pág.05

Leia mais

CEDRAL OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014

CEDRAL OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 CEDRAL OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 DESENVOLVIMENTO SOCIAL: Distribuição de Leite: distribuídos 22.532 litros de leite, no período de Jan/2011 a Set/2011 Custo: R$ 30 mil, beneficiando 272 famílias

Leia mais

Apresentação. 15 de Fevereiro de 2008

Apresentação. 15 de Fevereiro de 2008 Apresentação 1 15 de Fevereiro de 2008 Aviso Eventuais declarações sobre eventos futuros que possam ser feitas durante essa apresentação, relativas às perspectivas de negócios da Companhia, projeções e

Leia mais

Relatório Final Volume 1 Introdução Rodovia BR101 - Bahia

Relatório Final Volume 1 Introdução Rodovia BR101 - Bahia Estudo para Estruturação da Concessão da 3a. Etapa de Concessões de Rodovias Federais Fase II Relatório Final Volume 1 Introdução Rodovia BR101 - Bahia 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

SEINFRA SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA JUNHO/2015

SEINFRA SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA JUNHO/2015 SEINFRA SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA JUNHO/2015 Corredores de Ônibus Manaus: Atendem três condicionantes: 1) Plano de Estruturação da Malha Viária do Governo do Estado do Amazonas; 2) Demanda

Leia mais

COPA 2014 AEROPORTOS Atualização: 14/06/2011

COPA 2014 AEROPORTOS Atualização: 14/06/2011 COPA 2014 AEROPORTOS Atualização: 14/06/2011 AEROPORTOS DA COPA 13 Aeroportos 31 Intervenções R$ 5,79 bilhões Manaus TPS Fortaleza TPS São Gonçalo do Amarante Pista Recife Torre Cuiabá TPS Brasília TPS

Leia mais

PROJETO BR-040 3ª ETAPA DE CONCESSÕES RODOVIÁRIAS - FASE 1 BNDES. Sistema Rodoviário Federal Minas Gerais, Goiás e Distrito Federal

PROJETO BR-040 3ª ETAPA DE CONCESSÕES RODOVIÁRIAS - FASE 1 BNDES. Sistema Rodoviário Federal Minas Gerais, Goiás e Distrito Federal BNDES 3ª ETAPA DE CONCESSÕES RODOVIÁRIAS - FASE 1 Sistema Rodoviário Federal Minas Gerais, Goiás e Distrito Federal GO BA DISTRITO FEDERAL MINAS GERAIS GOIÁS BR 116 BR 040 BR 381 ES PROJETO BR-040 SP RJ

Leia mais

ÍNDICE HISTÓRICO BAHIA EM NÚMEROS INCENTIVOS MERCADO INFRA-ESTRUTURA NOVOS PROJETOS. Seminário Jurídico-Fiscal Brasil Round 6

ÍNDICE HISTÓRICO BAHIA EM NÚMEROS INCENTIVOS MERCADO INFRA-ESTRUTURA NOVOS PROJETOS. Seminário Jurídico-Fiscal Brasil Round 6 Seminário Jurídico-Fiscal Brasil Round 6 INFRA- ESTRUTURA PARA E&P NO ESTADO DA BAHIA Rio de Janeiro, 18 de março de 2004 ÍNDICE 1 HISTÓRICO 2 BAHIA EM NÚMEROS 3 INCENTIVOS 4 MERCADO 5 INFRA-ESTRUTURA

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL Agosto de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

ARCO METROPOLITANO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE OBRAS

ARCO METROPOLITANO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE OBRAS DO RIO DE JANEIRO HISTÓRICO 1974 - passou a integrar o Plano Rodoviário Estadual (PRE) como RJ-109, rodovia planejada do trecho entre a BR 040 e a BR 101 (Sul) 1977 e 1984 - O Estado contratou projeto

Leia mais

Energia e Infraestrutura

Energia e Infraestrutura 1 33º Encontro Econômico Brasil-Alemanha 2015 Energia e Infraestrutura Wagner Cardoso Gerente Executivo de Infraestrutura Confederação Nacional da Indústria Joinville, 22 de setembro de 2015 2 SUMÁRIO

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG DNIT - SREMG João Monlevade - 28/06/2012 ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG RODOVIA: BR-381MG TRECHO: DIVISA ES/MG - DIV. MG/SP

Leia mais

Atividade 1 - Análise

Atividade 1 - Análise PARTE 1 Introdução A continuidade do Programa Nacional de Controle Eletrônico de Velocidade, em uma nova versão, está sendo discutida pelos diversos atores envolvidos, especialmente os técnicos do DNIT

Leia mais

Caracterização de Feira de Santana

Caracterização de Feira de Santana Caracterização de Feira de Santana! O município representa a maior concentração urbana do interior do Nordeste brasileiro, considerando as cidades fora das regiões metropolitanas das capitais.! Em sua

Leia mais

PASSAGEM SUPERIOR E INFERIOR Revisão 26/06/12

PASSAGEM SUPERIOR E INFERIOR Revisão 26/06/12 Em atenção à solicitação de autorização para construção de Passagem Superior e Inferior, informamos que para abertura do processo e análise do pedido, serão necessários os documentos abaixo para cada Passagem.

Leia mais

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI:

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI: LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Lei do Sistema Viário do Município de Cafeara, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

Apresentação da Companhia. Janeiro 2011

Apresentação da Companhia. Janeiro 2011 Apresentação da Companhia 1 Janeiro 2011 Notice Esta apresentação poderá conter considerações referentes a perspectivas futuras do negócio, estimativas de resultados operacionais e financeiros, e perspectivas

Leia mais

4097610 - O ESTADO DE S. PAULO - ESPORTES - SÃO PAULO - SP - 04/12/2013 - Pág A 27

4097610 - O ESTADO DE S. PAULO - ESPORTES - SÃO PAULO - SP - 04/12/2013 - Pág A 27 Morumbi vai ter cobertura 4097610 - O ESTADO DE S. PAULO - ESPORTES - SÃO PAULO - SP - 04/12/2013 - Pág A 27 O São Paulo assinará no próximo dia 17 o contrato com a Andrade e Gutierrez para viabilizar

Leia mais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG NORMA INTERNA: UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE SINALIZAÇÃO DE OBRAS E

Leia mais

ANÁLISE EXPEDITA da Situação Física das Obras na Rodovia BR-470/SC. (Duplicação e CREMA- 2ª Etapa)

ANÁLISE EXPEDITA da Situação Física das Obras na Rodovia BR-470/SC. (Duplicação e CREMA- 2ª Etapa) ANÁLISE EXPEDITA da Situação Física das Obras na Rodovia BR-470/SC (Duplicação e CREMA- 2ª Etapa) Setembro de 2015 Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina - FIESC Glauco José Côrte Presidente

Leia mais

RMTC. Rede Metropolitana de Transporte Coletivo

RMTC. Rede Metropolitana de Transporte Coletivo RMTC Rede Metropolitana de Transporte Coletivo RMTC Região Metropolitana de Goiânia PLANO DE NEGÓCIOS Sta Bárbara de Goiás Caturaí Inhumas Trindade Brazabantes Goianira Nova Veneza Sto Antônio de Goiás

Leia mais

Secretaria Municipal de Obras. secretário Alexandre Pinto

Secretaria Municipal de Obras. secretário Alexandre Pinto Secretaria Municipal de Obras secretário Alexandre Pinto Investimentos recordes e precisos Obras em andamento R$ 5,54 bilhões Obras concluídas 3,48 bilhões Obras em licitação 235 milhões R$ 9,25 bilhões

Leia mais

A experiência da EMTU no emprego do pavimento de concreto

A experiência da EMTU no emprego do pavimento de concreto Seminário Pavimentos Urbanos Pavimentos de Concreto nas Cidades: A solução para as vias de tráfego intenso, em especial os corredores de ônibus A experiência da EMTU no emprego do pavimento de concreto

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS ESPELHO DE 001 - Construção do Contorno Ferroviário de Curitiba AUTOR DA Luciano Ducci 37050001 539 0141 - Promover a expansão da malha ferroviária federal

Leia mais

Estudos preliminares de CONCESSÕES / PPP. Operacionalização do Plano Diretor Rodoviário do Estado do Espírito Santo - DER/ES

Estudos preliminares de CONCESSÕES / PPP. Operacionalização do Plano Diretor Rodoviário do Estado do Espírito Santo - DER/ES Estudos preliminares de CONCESSÕES / PPP Operacionalização do Plano Diretor Rodoviário do Estado do Espírito Santo - DER/ES Objetivos $ Aumentar a competitividade da economia Escoar com eficiência a produção

Leia mais

SÉRIE ESTUDOS DA DEMANDA

SÉRIE ESTUDOS DA DEMANDA SÉRIE ESTUDOS DA DEMANDA NOTA TÉCNICA DEA 07/10 NOTA TÉCNICA ONS 059/2010 1ª Revisão Quadrimestral das Projeções da demanda de energia elétrica do Sistema Interligado Nacional 2010-2014 Rio de Janeiro

Leia mais

Infra-estrutura do Rio de Janeiro: Prazo de validade vencido. Realização: Sinaenco

Infra-estrutura do Rio de Janeiro: Prazo de validade vencido. Realização: Sinaenco Infra-estrutura do Rio de Janeiro: Prazo de validade vencido Realização: Sinaenco Objetivos Alertar as autoridades e a sociedade sobre a urgência e a importância da adoção por parte dos órgãos públicos

Leia mais

AGO-13 CBR&C. Tarifa de Pedágio X Economia no Transporte

AGO-13 CBR&C. Tarifa de Pedágio X Economia no Transporte AGO-13 CBR&C Tarifa de Pedágio X Economia no Transporte 00. Introdução O pedágio em rodovias brasileiras 1960-70 Devido a problemas no financiamento de infraestrutura rodoviária, o Estado passou a avaliar

Leia mais

Construção: equipamentos, investimentos e materiais Mercado brasileiro 2012-2017

Construção: equipamentos, investimentos e materiais Mercado brasileiro 2012-2017 Construção: equipamentos, investimentos e materiais Mercado brasileiro 2012-2017 Apresentação em Recife, 19 de março de 2013 Brian Nicholson, Consultor, Sobratema Associação Brasileira de Tecnologia para

Leia mais

Reunião Pública. 17 de novembro de 2015. Relações com Investidores

Reunião Pública. 17 de novembro de 2015. Relações com Investidores Reunião Pública 17 de novembro de 2015 Relações com Investidores Índice Pag. 3 1.Desempenho 9M15 2.Endividamento 3.Investimentos 4.Compromisso Arteris 1. Desempenho 9M15 Operacional e Financeiro Destaques

Leia mais

Considerando que deve ser assegurado aos usuários a adequada prestação dos serviços nas rodovias concedidas; e

Considerando que deve ser assegurado aos usuários a adequada prestação dos serviços nas rodovias concedidas; e Dispõe sobre as infrações passíveis de aplicação de penalidades de advertência e multa às concessionárias de rodovias sujeitas à fiscalização da ANTT A DA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES - ANTT, no uso

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTE DNIT SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS AUDIÊNCIA PÚBLICA

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTE DNIT SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS AUDIÊNCIA PÚBLICA DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTE DNIT SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS AUDIÊNCIA PÚBLICA OBRAS DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS NA RODOVIA BR-381/MG Trecho:

Leia mais

Code-P0 COPA 2014. Atualizado em 27/09/2011

Code-P0 COPA 2014. Atualizado em 27/09/2011 CodeP0 AEROPORTOS COPA 2014 Atualizado em 27/09/2011 0 CodeP1 ÍNDICE 2 GUARULHOS 4 Construção do TPS 3 (1ª Fase) Desapropriação, Ampliação e Revitalização do Sistema de Pista e Pátio Ampliação e Revitalização

Leia mais

Relatório Final Volume 1 Introdução Rodovia BR101 - Espírito Santo

Relatório Final Volume 1 Introdução Rodovia BR101 - Espírito Santo Estudo para Estruturação da Concessão da 3a. Etapa de Concessões de Rodovias Federais Fase II Relatório Final Volume 1 Introdução Rodovia BR101 - Espírito Santo 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais