Secretaria de Logística e Transportes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Secretaria de Logística e Transportes"

Transcrição

1 Giovanni Pengue Filho Profissional com mais de 20 anos na área de Tecnologia da Informação, graduado em Administração com MBA em Marketing. Detentor de diversas certificações em boas práticas de Governança, com destaque para a certificação CRISC para Risco e Controle de Sistemas de Informação, além da ISO/IEC Consultant/Manager e ITIL Expert para Gerenciamento de Serviços. Atuou em entidades públicas e privadas como Gestor de Tecnologia da Informação e Governança, inclusive fora do Brasil, com destaque para BM&F-Bovespa, Embraer, Grupo Santander, Secretaria de Economia e Planejamento de São Paulo, Sonils (Luanda, Angola) e Tribunal de Justiça de Sergipe. Atualmente é Assessor de Projetos Especiais da ARTESP, responsável pela coordenação do Sistema Ponto a Ponto e do novo modelo tecnológico de arrecadação automática do Estado de São Paulo. Secretaria de Logística e Transportes Slide 1

2 Evolução do Sistema de Arrecadação Eletrônica no Estado de São Paulo e o Sistema Ponto a Ponto (8 º Congresso Brasileiro de Rodovias e Concessões 13/08/2013) Giovanni Pengue Filho Secretaria de Logística e Transportes Slide 2

3 Sobre a ARTESP Criada em 2002 para regular e fiscalizar os serviços de transportes do Estado de São Paulo Mais de 6 mil quilômetros de rodovias reguladas e fiscalizadas Implantação do conceito Rodovia Viva 16 milhões de atendimentos aos usuários (socorro médico, mecânico) Cerca de 850 câmeras de monitoramento nas rodovias Mais de call boxes Em 10 ANOS de Atuação ( ) R$ 26 bilhões investidos em obras, melhorias e ampliações das rodovias Rodovias sob concessão dentre as melhores do país 52% de redução no número de mortes nas rodovias Slide 3

4 Programa de Concessões Rodoviárias 1ª Etapa ( ) 2ª Etapa ( ) 170 municípios atendidos 12 concessionárias de extensão em rodovias 700 em acessos e dispositivos 101 municípios atendidos 7 concessionárias extensão em rodovias 900 em vicinais Slide 4

5 Total de Veículos Milhões Percentual de Veículos Arrecadação Eletrônica em São Paulo 144 praças de pedágio cabines de arrecadação (66% manual - 22% eletrônica - 14% cabines mistas) 55% dos veículos pedagiados e 61% da arrecadação pelo sistema eletrônico em % 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Percentual de Veículos no Sistema Automático Total de Veículos no Sistema Automático Total de Veículos no Sistema Manual Slide 5

6 Estudos sobre Arrecadação Eletrônica (1º Semestre de 2011) ONDE ESTÁVAMOS? Alta qualidade das rodovias Investimentos constantes em obras, melhorias e ampliações Preço fixo das tarifas por TCP Arrecadação eletrônica somente com foco nos usuários frequentes ESTRATÉGIAS AETC - All Eletronic Toll Collection ONDE QUEREMOS ESTAR? Sistema de arrecadação eletrônica mais eficiente Benefícios do sistema automático para todos os usuários Tarifas Justas Conforme Uso Slide 6

7 Novo Modelo para Arrecadação Eletrônica Secretaria de Logística e Transportes Slide 7

8 Principais Mudanças no Estado de São Paulo Alteração da Tecnologia para Reduzir Custos e Integrar com Outras Iniciativas Governamentais Frequência de operação 915 MHz Protocolo IAV (SINIAV) e Protocolo Artefato ISO/IEC com criptografia AES-128 Abertura de Mercado para Múltiplas Operadoras dos Serviços de Arrecadação Eletrônica (OSA) para Ampliar Oferta aos Usuários Empresas autorizadas para comercializar e operar os serviços de arrecadação automática Slide 8

9 Novas Opções para os Serviços de Arrecadação Eletrônica ANTES Somente uma empresa 2 opções de planos Foco em planos pós-pagos Alto custo de adesão e manutenção Slide 9

10 Novas Opções para os Serviços de Arrecadação Eletrônica HOJE 3 operadoras autorizadas 8 opções de planos Novas modalidades de pagamento Menores custos de adesão e manutenção Slide 10

11 Novas Opções para os Serviços de Arrecadação Eletrônica HOJE 3 operadoras autorizadas 9 opções de planos Nova modalidade pré-paga Menores custos de adesão e manutenção Slide 11

12 Convênios com Outras Entidades Firmado em 11 de Julho de 2013 Objetivos Promoção dos padrões e regulamentações da ARTESP em diversos setores da economia e outros modais de transporte Suporte por parte da EPL aos parceiros promotores das tecnologias relacionadas/vinculadas ao Sistema Automático de Arrecadação e as implementações em outros contextos Objetivos Troca de informações e promoção de ações integradoras relacionadas ao Sistema Automático de Arrecadação Compartilhamento de tecnologias para padronização de sistemas comuns Slide 12

13 Estudos sobre Arrecadação Eletrônica (1º Semestre de 2011) ONDE ESTÁVAMOS? Alta qualidade das rodovias Investimentos constantes em obras, melhorias e ampliações Preço fixo das tarifas por TCP Arrecadação eletrônica somente com foco nos usuários frequentes ESTRATÉGIAS AETC - All Eletronic Toll Collection ONDE QUEREMOS ESTAR? Sistema de arrecadação eletrônica mais eficiente Benefícios do sistema automático para todos os usuários Tarifas Justas Conforme Uso Slide 13

14 Secretaria de Logística e Transportes Slide 14

15 Sistema Ponto a Ponto Cobrança do pedágio conforme o trecho percorrido Utiliza pórticos ao invés das praças tradicionais Adesão voluntária dos usuários ao modelo Se não estiver regular, paga-se a tarifa cheia na praça Slide 15

16 Ponto a Ponto ITATIBA SP 360 Eng. Constâncio Cintra Em operação desde 09 de Abril de 2012 Slide 16

17 Ponto a Ponto ITATIBA SP 360 Eng. Constâncio Cintra Praça de Pedágio Tarifa R$ 2,10 (Passeio) Bairros sem uma Via Municipal JUNDIAÍ Divisa dos Municípios Bairros sem uma Via Municipal ITATIBA Slide 17

18 Ponto a Ponto ITATIBA SP 360 Eng. Constâncio Cintra Pórtico 1 74 R$ 1,50 Pórtico 2 Praça Atual Tarifa R$ 0,60 Redução de 70% no valor de pedágio R$ 2,10 para R$ 0,60 Bairros sem uma Via Municipal JUNDIAÍ Divisa dos Municípios Bairros sem uma Via Municipal ITATIBA Slide 18

19 Ponto a Ponto INDAIATUBA SP 75 Santos Dumont Em operação desde 11 de Junho de 2012 Slide 19

20 Ponto a Ponto INDAIATUBA SP 75 Santos Dumont Praça de Pedágio Tarifa R$ 10,50 (Passeio) Praça de Bloqueio , , ,6 Sorocaba Norte 7,9 Contorno de Itu Itu Cabreúva Porto Feliz SP 308 Salto Indaiatuba Praça de Bloqueio SP 324 SP 348 Campinas Sul Slide 20

21 Ponto a Ponto INDAIATUBA SP 75 Santos Dumont Pórtico R$ 2,40 Pórtico (N) (S) R$ 1,50 Pórtico (N) (S) R$ 2,40 Pórtico Praça Atual R$ 1,90 Pórtico Praça de Bloqueio R$ 1,90 Pórtico R$ 0,80 Pórtico R$ 1, , , ,6 Sorocaba Norte 7,9 Contorno de Itu Itu Cabreúva Porto Feliz SP 308 Salto Indaiatuba SP 324 Pórtico Praça de Bloqueio R$ 1,90 SP 348 Campinas Sul Slide 21

22 Ponto a Ponto JAGUARIÚNA SP 340 Adhemar Pereira de Barros Praça de Pedágio Tarifa Padrão Tarifa R$ 9,50 Praça de Pedágio Tarifa Ponto a Ponto Tarifa R$ 4,75 Pórtico Tarifa Ponto a Ponto Tarifa R$ 4,75 Adesão opcional para qualquer usuário do Sistema Automático Em Operação desde 27 de Julho de 2013 para Qualquer Usuário e Veículo Slide 22

23 Ponto a Ponto JAGUARIÚNA SP 340 Adhemar Pereira de Barros Disponível, de forma voluntária, para qualquer usuário da rodovia Adesão feita diretamente pelas Operadoras do Serviço de Arrecadação Slide 23

24 Dados do Projeto Ponto a Ponto (Ago/13) Adesões veículos beneficiados nos pilotos da SP-75 e SP na SP-340 Em Indaiatuba (SP-75), 53% das adesões foram de novos usuários no sistema eletrônico 32% dos usuários informaram que não pagavam pedágio antes do projeto, sendo que 7% sequer usavam a rodovia Economia Gerada 13% 2% 85% ECONOMIA MÉDIA MENSAL R$105 Economizou NÃO Economizou Não Sabe Slide 24

25 Dados do Projeto Ponto a Ponto Ações para Controle de Evasões A identificação do veículo pode ser feita pelo tag ou por leitura de placa Não há tamperização eletrônica do tag não funciona após remoção Adesão opcional e requer que o usuário esteja regular usuário com crédito junto a sua Operadora e com tag fixado no veículo corretamente A praça de pedágio continua com barreira para checagem caso o usuário esteja irregular, ele volta a pagar a tarifa cheia Estudos para melhorar o entendimento e aplicação das leis de evasão e passagem em local proibido nas praças de pedágio Slide 25

26 Dados do Projeto Ponto a Ponto Tags 5.8 GHz Sem Parar Tags 5.8 GHz Dbtrans Tags 915 MHz Piloto Ponto a Ponto Tag 915 MHz Atual em Uso no Ponto a Ponto e pelas OSAs Slide 26

27 Desafios e Próximos Passos Secretaria de Logística e Transportes Slide 27

28 Desafios e Próximos Passos Respeitar os Integração da contratos e projetos tecnologia com as atuais, aplicando outras Entidades novos conceitos nos Governamentais projetos futuros U Á OS Massificação do uso do sistema eletrônico através da oferta variada de serviços e menores custos aos usuários SU Adesão voluntária ao Ponto a Ponto, porém para todas as rodovias que tiverem o novo modelo RI Expansão gradativa do Sistema Ponto a Ponto para todo Estado conforme características de cada rodovia Slide 28

29 Maiores Benefícios, Mais Comodidade e Justiça para os Usuários das Rodovias Obrigado... Giovanni Pengue Filho Secretaria de Logística e Transportes Slide 29

Cobrança de Pedágio por Trecho Percorrido

Cobrança de Pedágio por Trecho Percorrido Cobrança de Pedágio por Trecho Percorrido (Set/2015) A R T E S P André Luís Pina Assessor de Tecnologia da Informação www.saopaulo.sp.gov.br Slide 1 CBR&C BRASVIAS - 2015 Slide 2 Sobre a Slide 3 Criada

Leia mais

Cobrança de Pedágio por Trecho Percorrido

Cobrança de Pedágio por Trecho Percorrido Cobrança de Pedágio por Trecho Percorrido Giovanni Pengue Filho Assessor de Projetos Especiais e Coordenador do Sistema Ponto a Ponto Secretaria de Logística e Transportes Slide 1 Sobre a ARTESP Atribuições

Leia mais

Tecnologia Fácil para Gestão de Rodovias

Tecnologia Fácil para Gestão de Rodovias Tecnologia Fácil para Gestão de Rodovias Portfolio de Produtos SOS Rodovias, o 0800 único para todas as rodovias concessionadas do Brasil! Nunca se sabe quando você vai precisar de atendimento mecânico

Leia mais

BRASIL-ID. Nota Técnica 2013/001. Especificações do Sistema de Identificação, Rastreamento e Autenticação de Mercadorias. Versão 1.

BRASIL-ID. Nota Técnica 2013/001. Especificações do Sistema de Identificação, Rastreamento e Autenticação de Mercadorias. Versão 1. BRASIL-ID Nota Técnica 2013/001 Especificações do Sistema de Identificação, Rastreamento e Autenticação de Mercadorias Versão 1.1 Data de publicação: 11/12/2013 Sistema Nacional de Identificação, Rastreamento

Leia mais

PROGRAMA PARANÁ PARCERIAS. Coordenação de Parcerias Público- Privadas (CPPP)

PROGRAMA PARANÁ PARCERIAS. Coordenação de Parcerias Público- Privadas (CPPP) PROGRAMA PARANÁ PARCERIAS Coordenação de Parcerias Público- Privadas (CPPP) 1 Origem do Programa Paraná Parcerias Atender os Objetivos de Governo do Novo Jeito de Governar: Por princípio: Aumentando a

Leia mais

Nº 170908. www.ipt.br

Nº 170908. www.ipt.br COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 170908 MITS: módulo ITS; trabalho IPT/ARTESP; módulo de informações do ITS, sistema de apoio à fiscalização Maria Rosilene Ferreira Trabalho apresentado no Seminário Sistemas Inteligentes

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE TRANSPORTE CONCESSIONÁRIA USUÁRIO ARTESP PODER CONCEDENTE

AGÊNCIA REGULADORA DE TRANSPORTE CONCESSIONÁRIA USUÁRIO ARTESP PODER CONCEDENTE AGÊNCIA REGULADORA DE TRANSPORTE CONCESSIONÁRIA USUÁRIO ARTESP PODER CONCEDENTE 1 MISSÃO Promover e garantir a prestação de serviços de transportes de excelência, seguro e sustentável, compatível com as

Leia mais

TARIFAÇÃO DE CHAMADAS DE LONGA DISTÂNCIA NACIONAL E INTERNACIONAL - A INFORMAÇÃO DA TARIFA NO INÍCIO DA LIGAÇÃO. Claudio Nazareno Consultor Legislativo da Área XIV Comunicação Social, Informática, Telecomunicações,

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

AÇÕES MERCADOS CENTRAL & SÃO SEBASTIÃO 2008

AÇÕES MERCADOS CENTRAL & SÃO SEBASTIÃO 2008 AÇÕES MERCADOS CENTRAL & SÃO SEBASTIÃO 2008 CENTRAL & SÃO SEBASTIÃO DADOS GERAIS Pertencentes a Prefeitura Municipal de Fortaleza vinculada a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Controle Urbano SEMAM.

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS MARCO LEGAL Diálogo do Governo Federal com Sociedade Civil (Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis MNCR). Código Brasileiro de Ocupações - 2002 Reconhecimento a Categoria profissional

Leia mais

PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº DE 2014 (Do Sr. Luiz Fernando Machado)

PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº DE 2014 (Do Sr. Luiz Fernando Machado) PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº DE 2014 (Do Sr. Luiz Fernando Machado) Propõe que a Comissão de Fiscalização Financeira e Controle com o auxílio do Tribunal de Contas da União e do Ministério Público

Leia mais

Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos Ação Estratégica MVNO

Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos Ação Estratégica MVNO Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos Ação Estratégica MVNO Audiência Pública Seleção de Prestadora SMP Parceira * Operacionalização do MVNO/Correios Infraestrutura Logística A maior Rede de Logística

Leia mais

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Descrição Concessão à iniciativa privada dos principais eixos rodoviários de acesso ao litoral norte de Alagoas, visando a melhoria operacional, manutenção,

Leia mais

LEGISLAÇÃO E AÇÕES FISCALIZATÓRIAS

LEGISLAÇÃO E AÇÕES FISCALIZATÓRIAS REPOM S.A. HÁ MAIS DE 10 ANOS NO MERCADO. TRIBANCO (GRUPO MARTINS) COMO ACIONISTA E PARCEIRO FINANCEIRO. FOCO NO DESENVOLVIMENTO DE SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA O MERCADO DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES. LEGISLAÇÃO

Leia mais

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal de comunicação Objetivo Principal Prover uma solução de baixo custo para Identificação, localização, bloqueio e recuperação de veículos roubados ou procurados, através de micro circuitos embarcados de

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

CONCESSÃO DE RODOVIA. Regulação da Concessão de Rodovias Federais

CONCESSÃO DE RODOVIA. Regulação da Concessão de Rodovias Federais Regulação da Concessão de Rodovias Federais 1ª ETAPA 2ª ETAPA FASE I 2ª ETAPA FASE II 3ª ETAPA FASE I 3ª ETAPA FASE II Década de 60 e 70 -Rodovia Presidente Dutra; Histórico -Freeway entre Porto Alegre

Leia mais

Modelos de Licenciamento de Freqüências

Modelos de Licenciamento de Freqüências Modelos de Licenciamento de Freqüências Este tutorial apresenta um panorama dos modelos utilizados em vários países do mundo no licenciamento de frequências. Carlos Pingarilho Doutor em Eletrônica e Comunicações

Leia mais

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Brasília/DF Maio/2013 15 anos de LGT Em 1997, na corrida pelo usuário, a

Leia mais

Indicadores de Desempenho do Sistema Transportes

Indicadores de Desempenho do Sistema Transportes Indicadores de Desempenho do Sistema Transportes Estratégia Unindo Ações OBJETIVOS ESTRATÉGICOS Fortalecer a capacidade de planejamento buscando o alinhamento das esferas de governo e sociedade Incorporar

Leia mais

PPP PARCERIA PÚBLICO PRIVADA

PPP PARCERIA PÚBLICO PRIVADA PPP PARCERIA PÚBLICO PRIVADA Autores: Eng Sérgio Piccinelli Eng Carlos Henrique Machado Edição: José Carlos Lada Outubro / 2014 Formas de Contratação pela Administração 1) Contratação Direta (Formas de

Leia mais

Sistema de Estacionamento Rotativo Eletrônico de São José dos Campos. Do papel à tecnologia on-line

Sistema de Estacionamento Rotativo Eletrônico de São José dos Campos. Do papel à tecnologia on-line Sistema de Estacionamento Rotativo Eletrônico de São José dos Campos Do papel à tecnologia on-line Prefeitura Municipal de São José dos Campos Secretaria de Transportes Setembro 2009 São José dos Campos

Leia mais

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Maceió -Setembro/2013 HISTÓRICO PORTARIA GM/MS nº 3.916/98 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS ESTABELECEU DIRETRIZES

Leia mais

A Target Meio de Pagamentos é uma administradora de meio de pagamentos eletrônicos, fundada em dezembro de 2011.

A Target Meio de Pagamentos é uma administradora de meio de pagamentos eletrônicos, fundada em dezembro de 2011. A Target Meio de Pagamentos é uma administradora de meio de pagamentos eletrônicos, fundada em dezembro de 2011. Homologada pela ANTT para operação de meio de pagamento eletrônico de fretes, a Target construiu

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

Olinda - Pernambuco - Brasil. Torpedo: Um Novo Canal de Relacionamento Uso de novas tecnologias no relacionamento com os clientes

Olinda - Pernambuco - Brasil. Torpedo: Um Novo Canal de Relacionamento Uso de novas tecnologias no relacionamento com os clientes XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Torpedo: Um Novo Canal de Relacionamento Uso de novas tecnologias no relacionamento

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Assinatura Digital Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Agenda O papel da CCEE Visão geral da comercialização de energia elétrica no Brasil Processo de Assinatura

Leia mais

Água. Restauração Florestal para Gestão da Água. Mata Atlântica e Serviços Ambientais

Água. Restauração Florestal para Gestão da Água. Mata Atlântica e Serviços Ambientais Água Mata Atlântica e Serviços Ambientais Restauração Florestal para Gestão da Água Malu Ribeir Coordenadora da Rede das Água Fundação SOS Mata Atlântic Dia Mundial da Água Instituído por resolução da

Leia mais

Programa Bolsa Família no Município de Manaus

Programa Bolsa Família no Município de Manaus SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE GESTÃO EDUCACIONAL DEPARTAMENTO DE GESTÃO EDUCACIONAL DIVISÃO DE APOIO A GESTÃO ESCOLAR GERÊNCIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES E PROGRAMAS ESPECIAIS Programa

Leia mais

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 INDICE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. implementação...2 4. Referência...2 5. Conceitos...2 6. Políticas...3

Leia mais

REGULAÇÃO E AUTORREGULAÇÃO

REGULAÇÃO E AUTORREGULAÇÃO I Curso de Férias do Grupo de Estudos de Direito Empresarial - Direito UFMG REGULAÇÃO E AUTORREGULAÇÃO Adriano Ferraz Graduado e Mestre em Direito Empresarial pela UFMG. Fundador e Conselheiro do Grupo

Leia mais

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE AIE/DELOG/GESET Novembro/2011 Agenda Vetores Estratégicos e Metas a Alcançar Centro-Oeste: Desafios e Oportunidades Conclusão Atuação do BNDES 2 Vetores

Leia mais

Keynote speech by Senator Walter Pinheiro

Keynote speech by Senator Walter Pinheiro II LATIN AMERICAN PUBLIC POLICY FORUM ON INTERNET, E- COMMERCE AND MOBILE TECHNOLOGIES Economic, Social and Cultural Impact on Latin America's Development Keynote speech by Senator Walter Pinheiro Discussion

Leia mais

Perspectivas. Uma Agenda para o SINGREH

Perspectivas. Uma Agenda para o SINGREH Perspectivas Uma Agenda para o SINGREH Perspectivas Uma Agenda para o SINGREH Pacto Nacional Pacto Nacional Motivações Pacto Nacional Motivações Visão do Constituinte Um Sistema Nacional SINGREH CNRH -

Leia mais

00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014)

00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014) Programa 2017 - Aviação Civil Número de Ações 26 Tipo: Operações Especiais 00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014) Esfera: 10 - Orçamento Fiscal Função:

Leia mais

4. Principais conteúdos e carga horária por disciplina

4. Principais conteúdos e carga horária por disciplina Série: Business Effectiveness Programa: Comunicação Empresarial 1. Estrutura do Curso Este curso foi planejado e organizado pelo Prof Renato Avanzi que lidera a gestão do conteúdo a ser transmitido, em

Leia mais

Em R$ milhões. empresas empresas. fiscal. fiscal 5.723 5.440 4.824 3.469 1.398 15.769 16.474 15.797 1.281 1.634 11.535 8.067 6.491 5.266 22.197 21.

Em R$ milhões. empresas empresas. fiscal. fiscal 5.723 5.440 4.824 3.469 1.398 15.769 16.474 15.797 1.281 1.634 11.535 8.067 6.491 5.266 22.197 21. Evolução dos Investimentos Em R$ milhões 20.593 22.197 21.237 15.004 4.824 5.723 5.440 7.772 6.900 1.281 1.634 6.491 5.266 9.465 1.398 8.067 3.469 11.535 15.769 16.474 15.797 empresas empresas fiscal fiscal

Leia mais

Soluções Integradas e de meios de pagamento para gestão de frota

Soluções Integradas e de meios de pagamento para gestão de frota Soluções Integradas e de meios de pagamento para gestão de frota Sobre a FleetCor Líder mundial em gestão de abastecimento e meios de pagamento especializados Perfil Fundação: 2002 Sede: Atlanta, GA, USA

Leia mais

PORFOLIO DE SERVIÇOS. www.qualicall.com.br

PORFOLIO DE SERVIÇOS. www.qualicall.com.br PORFOLIO DE SERVIÇOS www.qualicall.com.br Visão O mercado industrial, de serviços e e-business reconhecerão a QUALICALL como uma empresa pequena, coesa e competitiva, porém muito grande na sua base de

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2.1. Breve Histórico da Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro No início da década de 90, o setor elétrico brasileiro apresentava uma estrutura predominantemente

Leia mais

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Professor Samuel Graeff prof.samuel@uniuv.edu.br COBIT O que e? COBIT significa Control Objectives for Information and related Technology - Objetivos

Leia mais

Como funciona: Como usar: Nas Praças de Pedágio

Como funciona: Como usar: Nas Praças de Pedágio Como funciona: O ConectCar é um servico de pagamento automático de pedágio, estacionamento e combustível destinado para veículos de passeio. O ConectCar abre automaticamente as cancelas de pedágio e estacionamentos

Leia mais

Trabalhando em conjunto com os municípios pela melhoria da qualidade da educação pública brasileira

Trabalhando em conjunto com os municípios pela melhoria da qualidade da educação pública brasileira Trabalhando em conjunto com os municípios pela melhoria da qualidade da educação pública brasileira CONHECENDO O FNDE O FNDE é uma Autarquia Federal vinculada ao Ministério da Educação. Sua missão é prestar

Leia mais

Especialização em Gestão de Segurança da Informação

Especialização em Gestão de Segurança da Informação Especialização em Gestão de Segurança da Informação Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 06 --> Com a ampliação da utilização das Tecnologias da Informação em todos os setores produtivos

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012 Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer SALVADOR/BA ABRIL de 2012 MARCOS HISTÓRICOS 1998: Adesão do Brasil aos princípios diretivos

Leia mais

Portaria n.º 510, de 13 de outubro de 2015.

Portaria n.º 510, de 13 de outubro de 2015. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 510, de 13 de outubro de 2015. O PRESIDENTE

Leia mais

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Nós promovemos o desenvolvimento sustentável de diversas maneiras Uma delas é por meio do Investimento Social INVESTIMENTO INVESTIENTO SOCIAL - Estratégia

Leia mais

FRAMEWORK DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: Da Implementação à Conformidade

FRAMEWORK DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: Da Implementação à Conformidade FRAMEWORK DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: Da Implementação à Conformidade Marcelo Veloso Diretor de Infraestrutura e Suporte em TI 21 a 22/07/2014 Brasília/DF O Desafio Fonte: UOL,

Leia mais

Conhecimento em Tecnologia da Informação. CobiT 5. Apresentação do novo framework da ISACA. 2013 Bridge Consulting All rights reserved

Conhecimento em Tecnologia da Informação. CobiT 5. Apresentação do novo framework da ISACA. 2013 Bridge Consulting All rights reserved Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Apresentação do novo framework da ISACA Apresentação Este artigo tem como objetivo apresentar a nova versão do modelo de governança de TI, CobiT 5, lançado

Leia mais

Cesar Seara Conselheiro ABCON Brasil

Cesar Seara Conselheiro ABCON Brasil Cesar Seara Conselheiro ABCON Brasil 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL A SAÚDE COMEÇA PELA BOCA E, PELA ÁGUA QUE SE BEBE! UMA TRISTE REALIDADE! FONTE: ITB ABCON

Leia mais

A Câmara Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal sanciono a seguinte Lei:

A Câmara Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.175, DE 28 DE MARÇO DE 2008 Dispõe sobre o Sistema de Bilhetagem Eletrônica de Transporte Coletivo Urbano no Município de São José dos Pinhais. A Câmara Municipal de São José dos Pinhais, Estado

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS

LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Uma Mudança

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. SENDI 2008-06 a 10 de outubro. Olinda - Pernambuco - Brasil

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. SENDI 2008-06 a 10 de outubro. Olinda - Pernambuco - Brasil XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Pagamento da Conta de Energia com Cartão de débito Visa Rosimeri Xavier de Oliveira

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2008/2011. Fórum das Agências Reguladoras Intercâmbio Interno de Experiências em Planejamento e Gestão Abril/2009.

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2008/2011. Fórum das Agências Reguladoras Intercâmbio Interno de Experiências em Planejamento e Gestão Abril/2009. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2008/2011 Fórum das Agências Reguladoras Intercâmbio Interno de Experiências em Planejamento e Gestão Abril/2009. Premissas para a Construção do Planejamento Estratégico Início

Leia mais

REGIME ESPECIAL DE TRIBUTAÇÃO

REGIME ESPECIAL DE TRIBUTAÇÃO REGIME ESPECIAL DE TRIBUTAÇÃO Definição Regime Especial de Tributação (RET) é um processo administrativo por meio do qual a SEF concede, em caráter individual, tratamento especial ao contribuinte, considerando

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUAÇU ESTADO DE GOIÁS PODER EXECUTIVO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO CNPJ 01.219.807/0001-82

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUAÇU ESTADO DE GOIÁS PODER EXECUTIVO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO CNPJ 01.219.807/0001-82 Lei n.º 1.482/2009 Uruaçu-Go., 31 de agosto de 2009. Dispõe sobre a criação da Secretaria Municipal de Transporte e Serviços Urbanos altera a lei 1.313/2005 e dá outras O PREFEITO MUNICIPAL DE URUAÇU,

Leia mais

ESTACIONAMENTO ROTATIVO PÚBLICO

ESTACIONAMENTO ROTATIVO PÚBLICO PROBLEMAS SOLUÇÕES Crescente número de veículos Vagas restritas Cobrança ilegal do estacionamento (Flanelinhas) Falta de controle de gestão (vagas, arrecadação, tempo, infrações, etc...) Sinalização Falta

Leia mais

Gestão e melhoria de processos no Governo de Minas Gerais: trajetória e resultados alcançados. Palestrante: Vanice Cardoso Ferreira

Gestão e melhoria de processos no Governo de Minas Gerais: trajetória e resultados alcançados. Palestrante: Vanice Cardoso Ferreira Gestão e melhoria de processos no Governo de Minas Gerais: trajetória e resultados alcançados Palestrante: Vanice Cardoso Ferreira Agenda A trajetória da Gestão de Processos no Governo de Minas A trajetória

Leia mais

Boa Tarde!!! Boas Vindas ao Café da Gestão. Planejamento Participativo para uma Gestão Democrática Um Estudo de Caso no Poder Executivo

Boa Tarde!!! Boas Vindas ao Café da Gestão. Planejamento Participativo para uma Gestão Democrática Um Estudo de Caso no Poder Executivo Boa Tarde!!! Boas Vindas ao Planejamento Um Estudo Participativo de Caso no para Poder uma Executivo Gestão Democrática Marco Temporal: dezembro de 2002 METODOLOGIA UTILIZADA 1. Orientação Geral para o

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE INDAIATUBA

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE INDAIATUBA SECRETARIA GERAL DO MUNJO ut. N l'/3 P.L. N / Publ.: LEI N2 6.112 DE 21 DE MARÇO DE 2013. V./03//; "Autoriza o Poder Executivo firmar convênio com a Concessionária Rodovias do Tietê SA, visando a conservação

Leia mais

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO Objetivo: O Prêmio FINEP de Inovação foi criado para reconhecer e divulgar esforços inovadores realizados por empresas, Instituições Científicas e Tecnológicas - ICTs e inventores

Leia mais

GESTÃO METROPOLITANA DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE

GESTÃO METROPOLITANA DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE GESTÃO METROPOLITANA DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE CONSÓRCIO DE TRANSPORTES DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE PARA QUE O CONSÓRCIO? Aperfeiçoar a gestão

Leia mais

Entraves Burocráticos: Realidade e Soluções

Entraves Burocráticos: Realidade e Soluções Entraves Burocráticos: Realidade e Soluções Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização Adalberto Santos de Vasconcelos Coordenador-Geral da Área de Infraestrutura e da Região Sudeste

Leia mais

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Sul

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Sul Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Sul Descrição Concessão à iniciativa privada dos principais eixos rodoviários de acesso ao litoral sul de Alagoas, visando a melhoria operacional, manutenção,

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Eng. Dayana B. Costa MSc, Doutoranda e Pesquisadora do NORIE/UFRGS Conteúdo da Manhã Módulo 1 Medição de Desempenho Conceitos Básicos Experiência de Sistemas de

Leia mais

INSAES Estratégia para fortalecimento do Estado Brasileiro no exercício de Regulação, Supervisão e Avaliação da Educação Superior (PL nº 4.

INSAES Estratégia para fortalecimento do Estado Brasileiro no exercício de Regulação, Supervisão e Avaliação da Educação Superior (PL nº 4. INSAES Estratégia para fortalecimento do Estado Brasileiro no exercício de Regulação, Supervisão e Avaliação da Educação Superior (PL nº 4.372/2012) Ministério Secretaria de Regulação e da Educação Supervisão

Leia mais

Dados de Porto Alegre. População: 1.409.351 habitantes. Área: 496,682 km2

Dados de Porto Alegre. População: 1.409.351 habitantes. Área: 496,682 km2 AUDIÊNCIA PÚBLICA Dados de Porto Alegre População: 1.409.351 habitantes Área: 496,682 km2 Figura 1. Localização do Município de Porto Alegre e dos demais municípios integrantes da RMPA. Legislação Aplicável:

Leia mais

Mobilidade Urbana Planos e Estratégias do GESP

Mobilidade Urbana Planos e Estratégias do GESP Mobilidade Urbana Planos e Estratégias do GESP Mancha Urbana da MMP e Sistema Viário PIB da MMP 2009/2010 (em milhões correntes) PIB 2009 PIB 2010 29.758 55.595 27.886 39.993 34.178 6.303 4.790 RMSP RMC

Leia mais

3601 - SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS - ADMINISTRAÇÃO DIRETA

3601 - SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS - ADMINISTRAÇÃO DIRETA 3601 - SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS - ADMINISTRAÇÃO DIRETA Legislação: Lei nº 15.506, de 31 de julho de 1991; Decreto nº 15.813, de 24 de abril de 1992; Lei nº 15.738, de

Leia mais

Perfil do Investidor Brasileiro Experiências e Atuação Educacional da Bolsa

Perfil do Investidor Brasileiro Experiências e Atuação Educacional da Bolsa Perfil do Investidor Brasileiro Experiências e Atuação Educacional da Bolsa Daniel Pfannemüller Superintendente do Instituto Educacional BM&FBOVESPA Mar/2015 Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno

Leia mais

SERVIÇO MÓVEL PESSOAL - SMP

SERVIÇO MÓVEL PESSOAL - SMP SERVIÇO MÓVEL PESSOAL - SMP PLANO BÁSICO DE SERVIÇO Nome da Prestadora: BRASIL TELECOM CELULAR S/A ÁREA 5 Número: Página 1 de 8 1. Aplicação Este Plano Básico de Serviço é aplicável pela autorizatária

Leia mais

O que é o PEIEX? Projeto Extensão Industrial Exportadora

O que é o PEIEX? Projeto Extensão Industrial Exportadora Escola Politécnica O que é o PEIEX? Convênio entre a Apex-Brasil e instituições de consultoria/pesquisa/ensino/tecnologia. Oferecimento de projetos gratuitos de capacitação/consultoria para empresas. O

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

Programa de Parceria

Programa de Parceria SUMÁRIO O PROGRAMA DE PARCERIA 2 1 - Procedimentos para tornar-se um parceiro Innovus 2 2 - Benefícios oferecidos aos Parceiros 2 2.3 - Revenda de Equipamentos 3 2.4 - Cursos Técnicos e Comerciais 3 2.5

Leia mais

Realização Parceiros Apoio

Realização Parceiros Apoio Realização Parceiros Apoio Modernização, Adequação e Manutenção de Unidades Escolares Município de Uberaba SITUAÇÃO DAS PPPS EM UBERABA: Publicação do Decreto Municipal nº. 703, de 20 de maio de 2013,

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012 Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH Marcelo Cintra do Amaral 20 de novembro de 2012 Roteiro da apresentação: Contexto do PlanMob-BH: prognóstico, caráter de plano diretor, etapas

Leia mais

Agencias De Fomento e Garantias em Contratos de Parcerias Público Privadas: perspectivas e possibilidades

Agencias De Fomento e Garantias em Contratos de Parcerias Público Privadas: perspectivas e possibilidades Agencias De Fomento e Garantias em Contratos de Parcerias Público Privadas: perspectivas e Marcus Vinicius Macedo Pessanha Sócio Coordenador de Direito Regulatório Escritório Nelson Wilians e Advogados

Leia mais

PALESTRA A SER PROFERIDA EM QUITO PELO SR SECRETÁRIO DE ESTADO DE TRANSPORTES DO DISTRITO FEDERAL

PALESTRA A SER PROFERIDA EM QUITO PELO SR SECRETÁRIO DE ESTADO DE TRANSPORTES DO DISTRITO FEDERAL PALESTRA A SER PROFERIDA EM QUITO PELO SR SECRETÁRIO DE ESTADO DE TRANSPORTES DO DISTRITO FEDERAL Senhoras e senhores É com grande satisfação que participo dessa primeira Conferência de Gerenciamento de

Leia mais

POA 2007 - TCE/MA De 01/01/2007 a 31/12/2007

POA 2007 - TCE/MA De 01/01/2007 a 31/12/2007 Extrato de Programação de POA Emitido Em 19/12/2007 13:15:45 POA 2007 - TCE/MA De 01/01/2007 a 31/12/2007 Identificação Tipo: Projeto Nº de revisão: 1 Última modificação em: 06/03/2007 Setor Responsável:

Leia mais

SEGUNDO PAINEL AS INSTITUIÇÕES DE SEGUNDO PISO SISTEMAS DE REAFIANÇAMENTO TEMA 4 FUNDO MERCOSUL DE GARANTIAS PARA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SEGUNDO PAINEL AS INSTITUIÇÕES DE SEGUNDO PISO SISTEMAS DE REAFIANÇAMENTO TEMA 4 FUNDO MERCOSUL DE GARANTIAS PARA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SEGUNDO PAINEL AS INSTITUIÇÕES DE SEGUNDO PISO SISTEMAS DE REAFIANÇAMENTO TEMA 4 FUNDO MERCOSUL DE GARANTIAS PARA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS RAFAEL QUIRINO SANTOS FORMADO EM ECONOMIA PELA UNIVERSIDADE

Leia mais

GAMA TECNOLOGIA EM SEGURANÇA PATRIMONIAL LTDA.

GAMA TECNOLOGIA EM SEGURANÇA PATRIMONIAL LTDA. GAMA TECNOLOGIA EM SEGURANÇA PATRIMONIAL LTDA. GAMA TECNOLOGIA EM SEGURANÇA PATRIMONIAL LTDA. Criada em 2002, a GAMA TECNOLOGIA EM SEGURANÇA foi fundada em João Pessoa PB, para prestar serviços de instalações

Leia mais

AGO-13 CBR&C. Tarifa de Pedágio X Economia no Transporte

AGO-13 CBR&C. Tarifa de Pedágio X Economia no Transporte AGO-13 CBR&C Tarifa de Pedágio X Economia no Transporte 00. Introdução O pedágio em rodovias brasileiras 1960-70 Devido a problemas no financiamento de infraestrutura rodoviária, o Estado passou a avaliar

Leia mais

RESOLUÇAO 212, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2006, DO CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN Dispõe sobre a implantação do Sistema de Identificação Automática

RESOLUÇAO 212, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2006, DO CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN Dispõe sobre a implantação do Sistema de Identificação Automática RESOLUÇAO 212, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2006, DO CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN Dispõe sobre a implantação do Sistema de Identificação Automática de Veículos SINIAV em todo o território nacional. O

Leia mais

Oportunidades de melhoria No Sistema de Transporte Coletivo

Oportunidades de melhoria No Sistema de Transporte Coletivo Oportunidades de melhoria No Sistema de Coletivo Nos últimos anos Curitiba promoveu diversas melhorias operacionais na RIT, como: Melhorias nos terminais Melhorias de acessibilidade Implantação da Linha

Leia mais

Gestão de Frotas Gestão de Frotas gera bene cios a todos.

Gestão de Frotas Gestão de Frotas gera bene cios a todos. Gestão de Frotas Gestão de Frotas gera bene cios a todos. Aumenta seu resultado, oferece ferramentas gerenciais a seus clientes e fideliza os clientes de seus credenciados. Com o módulo de gestão de frotas

Leia mais

Operador Econômico Autorizado - OEA

Operador Econômico Autorizado - OEA Operador Econômico Autorizado - OEA 26.08.15 Operador Econômico Autorizado - OEA Agenda 00:00 Quem Somos O que é OEA? Benefícios Fases de Implementação Requisitos Projeto Piloto - Fase 1 01:30 Fase 2 OEA

Leia mais

Pagamento de Pedágio por Demanda Conceito e estudo de caso. Brasília, 14/04

Pagamento de Pedágio por Demanda Conceito e estudo de caso. Brasília, 14/04 Pagamento de Pedágio por Demanda Conceito e estudo de caso Brasília, 14/04 DBTRANS Quem somos 10 anos de mercado; Atua em 2 linhas de negócio: logística e varejo; Logística com o produto Rodocred com soluções

Leia mais

Curso Governança de TI - Visão Executiva

Curso Governança de TI - Visão Executiva Curso Governança de TI - Visão Executiva Todos nossos cursos são preparados por profissionais certificados e com larga experiência em Governança de TI. Os cursos são ministrados em português, sendo o material

Leia mais

ESTRUTURA SENAI 2 0 1 3

ESTRUTURA SENAI 2 0 1 3 ESTRUTURA SENAI 2 0 1 3 Estrutura Administrativa Financeira Estrutura Técnica DIRETORIA REGIONAL MISSÃO DA DIRETORIA Gerenciar todas as ações do Departamento Regional relacionadas aos aspectos políticos,

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Estágio das Ações 2014

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Estágio das Ações 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Estágio das Ações 2014 VICE PRESIDÊNCIA OBJETIVO ESTRATÉGICO 3.3 Valorizar o diálogo em todos os fóruns e junto aos poderes constituídos, orientando as ações para a defesa intransigente

Leia mais

MINI-CURRÍCULO GESTORES SELECIONADOS

MINI-CURRÍCULO GESTORES SELECIONADOS Diretor Administrativo Alexandre Bayer Botelho MINI-CURRÍCULO GESTORES SELECIONADOS Graduação: Academia da Força Aérea - Logística. MBA em Estratégia de Negócios. Cursos de curta duração na área de Administração

Leia mais

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Dezembro/2011 Instrumentos da Política SocioAmbiental Linhas de Instituições Financiamento participantes da pesquisa Participação de

Leia mais

Guia para compra de passagens e contratação de Transporte Intermunicipal de Passageiros. Suburbano e Rodoviário

Guia para compra de passagens e contratação de Transporte Intermunicipal de Passageiros. Suburbano e Rodoviário Guia para compra de passagens e contratação de Transporte Intermunicipal de Passageiros 100 95 Suburbano e Rodoviário 75 25 5 0 Introdução A Artesp tem a finalidade de regulamentar e fiscalizar todas as

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE DADOS PARA CONTROLE DA FISCALIZAÇÃO DE MERCADORIAS EM TRÂNSITO

INTEGRAÇÃO DE DADOS PARA CONTROLE DA FISCALIZAÇÃO DE MERCADORIAS EM TRÂNSITO INTEGRAÇÃO DE DADOS PARA CONTROLE DA FISCALIZAÇÃO DE MERCADORIAS EM TRÂNSITO Authors: LEONARDO OLIVEIRA MENESES Auditor Fiscal da Receita Estadual Secretaria da Fazenda do Estado de Goiás Realization:

Leia mais