Vol. 2, Part 1. zm

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vol. 2, Part 1. zm

Transcrição

1 ISBN Vol. 2, Part 1 LAND IN TROPICAL AMERICA LA TIERRA EN AMERICA TROPiCAL Legend to the Land Systems Map Leyenda para el Mapa de Sistemas de Tierra Legenda para o Mapa de Sistemas de Terra T. T. Cochrane, L.G. Sarchez, L.G. de Azevedo, J.A. Porras, and C. L.Garver zm<qt Centro Internacional de Agricul'ura Tropical r EMBRAPA-CPAC Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecu~ria Centro de Pesquisa Agropecuiria dos Cerrados

2 Centro Internacional de Agricultura Tropical, CIA T Apartado 6713 Cali,Colombia ISBN Press run 1200 Printed in Colombia November 1985 Cochrane, T. T.;S~nchez, L. G.;Porras, J A.;deAzevedo, L. G.;andGarver, C. L Landin TropicalAmerica = La tierra enam6rica tropical=a terra na Am6rica tropical. Centro Internacional de Agricultura Tropical (CIA T), Cali, Colombia; En,presa Brasileira de Pesquisa Agropecu6ri, Centro de Pesquisa Agropecuiria dos Cerrados (EMBRAPA -CPA C), Planaltina, D. F. Brasil. 64 p. ilus. Contents. v.2, Part 1.Legend to the Land Systems Map = Leyenda pars el Mapa de Sistemas de Tierra =-Legenda para o Mapa de Sistemas de Terra. This booklet is a supplement to the Land Systems Map for the Central Lowlands of TropicalSouth America, included in the pocket of the book Land in Tropical America Vol Este folleto es un suplemento del Mapa de Sistemas de Tierra para las Tierras Bajas Centrales de Am6rica del Sur Tropical, inchldo en el bolsillo interior del Vol 2 de la obra La Tierra en Am6rica Tropical = Este folheto 6 um suplemento do Mapa de Sistemas de Terra para as Terras Baixas Centrais da Am6rica do Sul Tropical, incluido no envelope interno do Vol. 2 da obra A Terra na Am6rica Tropical. 1. Suelos - Am6rca tropical. 2. Am6rica tropical -. Clima. 3. Tierras - America tropical. 4. Cultivos ysuelos - Am6rica tropical. 5. Suelos - Ainazonas(Regi6n). 6. Suelos - Brasil - Cerrados. 7. Orinoco (Rio) - Cuenca. I. Cochrane, Thomas T. II. S~nchez, L. G. III. Porras, J. A. IV. de Azevedo, L. G. V. Garver, C. L. VI. Centro Internacional de Agricultura Tropical. VII. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecujria, Centro da Pesquisa Agropecu;ria dos Cerrados. VIII. Tit.: La tierra en Am6rica tropical. IX. Tit.: A terra na Am6rica tropical.

3 Prologue Latin America, particularly South America, is known as the region of the world with the most abundant land resources in relation to its population base. At present the region has the lowest population density per hectare of arable land, as well as the lowest percentage of arable land under cultivation. Comparisons of potentially arable land in Latin America with that under tillage show that only 18 to 35 percent is presently utilized for agriculture. These figures are considerably lower than estimates for other regions of the world; however, there is a fairly wide range in figures as a result of variations in the information base utilized and the criteria used for the different studies Within the present land use pattern, extensive areas of land are underutilized or left fallow as most of the agricultural production takes place in the more fertile areas close to urban markets, where large mechanized farms coexist with a sizable small farm sector. In order to design an agricultural growth strategy that would utilize land, labor and capital resources efficiently, the countries in the region need to assess the following complementary development strategies and their trade-offs: 1. intensify production by large farmers who control the more fertile areas, primarily through mechanization and greater use of inputs. 2. Intensify small-scale production through the use of improved germplasm, combined with appropriate use of inputs, to achieve higher, more stable yields. 3. Expand crop and livestock production onto the iess fertile frontier lands through the use of adapted germplasm and appropriate use of inputs. As a first step toward providing the necessary information to design such a strategy, CIAT and EMBRAPA have collaborated in the systematization of existing information on the central lowlands of tropical South America, which constitute the major frontier area of the continent. Although there is abundant information on the area, much of it is contained in unpublished technical reports from diverse sources and is not necessarily compatible. An attempt has been made to systematize all this information in this report, complementing it where necessary with primary data, within the framework of a "land systems approach," where information on climate, soils, topography and vegetation is reported systematically for purposes of comparison. The data base has been computarized to facilitate information retrieval and analyseg of aggregates. The data are presented here in the form of maps and tables, with text in English, Spanish and Portuguese, to permit broad access by individuals from research or rural development programs who might not have computer facilities available to them. III

4 CIAT and EMBRAPA are pleased to make available to the scientific community and rural development planners the results of more than three years' collaborative efforts in the hope that the information contained herein, although far from perfect, will facilitate agricultural research, as well as the design of agricultural growth strategies that take into consideration the agricuitural potential of these regions, thereby contributing to improved production and productivity. As the report is based on data available at the time of the study, we would welcome new information to update the computerized files. August 1984 Gustavo A. Nores Deputy Director General CIAT Elmar Wagner Head CPAC-EM BRAPA iv

5 Pr6logo America Latina, en particular Am6rica del Sur, se conoce como la regi6n del mundo con mayor abundancia de recursos de tierras en relaci6n con su publaci6n. Er la actuulidad Am6rica del Sur posee la m~s baja densidad de poblaci6n por hect~rea de tierra cultivable, asi como el porcentaje m~s bajo de tierra cultivable bajo explotaci6n. Comparaciones entre estimativos de la superficie arable en Am6rica Latina con la superficie actualmente bajo cultivo muestran que solamente un 18 a 35 por ciento se utiliza actualmente en agricultura. Estas cifras se consideran inferiores a los estimativos para otras regiones del mundo; sin embargo, hay un amplio rango en los estimativos como resultado de las variaciones en la base de informaci6n utilizada y en los criterios empleados en los diferentes estudios. Dentro del patt 6n actual de uso de tierra, hay grandes extensiones de tierras subut,!.':adas o inexploladas ya que la mayor parte de la producci6n agricola tiene lugar en las zonas mis f~rtiles pr6ximas a los mercados urbanos, donde generalmene coexiste un sector de fincas grandes y inecanizadas con un amplio sector de fincas pequehas. Con el fin de disefiar estrategias de desarrollo agricola que util,'cen de manera eficiente los recursos de tierra, de mano de obra y de capital, Iosp, ises de la regi6n deben considerarestrategias alternativas de desarrollo, sus ventajas relativas, y su complementariedadpotencial;entre ellas. 1. Intensificaci6n de la producci6n en el sector de fincas grandes que generalmente controla las zonas m~s f6rtiles, principalmente por medio de la mecanizaci6n y mayor empleo de insumos. 2. Intgnsificaci6n de la producci6n en el sector de fincas pequefas mediante el uso de germoplasma mejorado, junto con empleo adecuado de insumos, para lograr rendimientos mayores y m~s estables. 3. Expansi6n de la producci6n agricola y ganadera en las tierras menos f6rtiles de frontera mediante el usc de germoplasma adaptado y uso adecuado de insumos. Como un primer paso en la obtenci6n de la informaci6n necesaria para disefiar estrategias de desarrollo que incluyan estas regiones de frontera, CIA T y EMBRAPA colaboraron en la sis~ematizaci6n de la informaci6n existente acerca de las tierras bajas centrales en A m6ricadel Sur tropical,las cuales constituyen el mayor territorio de frontera en el continente. Aunque hay abundante informaci6n sobre el 6rea, en su mayor parte 6sta se encuentra en informes t6cnicos de diversa.- fuentes no publicados y que contienen informaci6n no necesariamente compatible. En elpresentetrabajo se hizo un esfuerzc por sistematizar tal informaci6n, complement~ndola donde fuera necasario con datos primarios. Se utiliz6 un enfoque de "sistemasde tierra'" en el cual la informaci6n sobre clima, suelos, topograf/a v

6 y vegetaci6n se presenta en forma sistematizada a fin de hacerposibles las comparaciones. La base de datos ha sido computarizada para facilitar la recuperaci6n de la informaci6n y el an~lisis de agregados con objetivos especificos. En esta publicaci6n los datos se presentan en forma de mapas y cuadros, con textos en ingf s, espahol y portugu6s para hacerla ampliamente accesible a usuarios en programas de investigaci6n y desarrollo rural 4ue no tengan acceso a computador. CIA T y EMBRAPA se complacen en poner a disposici6n de la comunidad cien'ifica y de los planificadores del desartoilo rural los resultados de tres ahos de esfuerzos cotijuntos. Se espera que la informaci6n resultante, aunque diste de ser pe,-fecta, facilite la investigaci6n agricola y el diseho de estrategias de desarrollo agricola quo tomen en consideraci6n el potencial agricola de esas regiones, contribuyendo asi a una mayor producci6n y productividad. Como el trabajo estj basado en datos disponibles en elmomento en que se realiz6 el estudio, ambas instituciones acoger~n con beneplcito nueva informaci6n que permita actualizar sus archivos computarizados. Agosto de 1984 Gustavo A. Nores Director General Adjunto CIA T Elmar Wagner Jefe CPAC-EMBRAPA vi

7 Pr61ogo A Am6rica Latina, em par!icular a America do Sul, 6 conhecida como a regiao do mundo corn maior abund~ncia de terras em rela 5o h sua populaq5o. No momento, a Am6rica do Sul possui a mais baixa densidade populacional por hectare de terra cultiv~vel, bern como a mais baixa porcentagem de terras cultiv~veis sob utiliza 5o. Comparay6es entre o potencial de terras ar~veis na Am6rica Latina com a,rea atualmente sob cultivo, mostoam que somente 10 a 35% s~o utilizados para a agricultura. Estes dados s~o conrideravelmente mais baixos do que estimativas feitas para outras regi~es do undo. Contudo, h uma varia;o bastante ampla nos nlmeros, resultantes das diferenqas de informaq6es b~sicas utilizadas e dos crit6rios usados pelos diferentes estudos. Dentro do padr~o atual de utilizaqlo da terra, existem grandes extens6es sub-utilizadas ou inexploradas, de vez que a maior parte da produqo agi icola ocorre nas 6reas mais f6rteis, pr6ximas a mercados urbanos, onde randes propriedades mecanizadas coexistem corn um setor razo~vel de pequenos produtores. Corn a finalidade de estabelecer estrat6gias de desenvolvimento agricola que utilizem de maneira eficiente os recursos terra, trabalho e capital, os parses da regimo devem considerar estrat6gias complementares de desenvolvimento e seu potencial, em termos de vantagens relativas, a saber: 1. lntensificaqo da produqo pelos grandes produtores que det~m as 6reas mais fdrteis, principalmente atrav6s da mecanizaq}o e do maior uso de insumos. 2. Intensificaqo da produqo em pequena escala, atrav6s do uso de germoplasma melhoi ado, combinado corn o uso apropriado de insumos, para a obten 5o de rendimentos maiores e mais estveis. 3. Expans~o da produo agricola e pecu~ria para terras menos f6rteis de fr,.nteira, atravds do uso de germoplasma adaptado e do uso adequado de insumos. Como um primeiro passo para a obtenqu da informaqo necessfria ao estabelecimento de estrat6g~as de desenvolvimento que incluarn esta 61ltima regimo, o CIAT e a EMBRAPA atuaram em colaboraggo na sistematizaqcio de informag;o disponivel sobre terras baixas centrais da Am6rica do Sul tropical, as quais se constituem na maior fronteira do continente. Muito embora exista abundante informaq~o sobre a 6rea, a maior parte est, contida em relat6rios t6cnicos n2o publicados, de diversas fontes e no necessariamente compativeis. No presente trabalho, foi feito um esforco de sistematizar estas informay6es, complementando-as, quando necess~rio, corn dados primarios. Foi utilizado o enfoque de "sistemas de terra", no qual as informay6es sobre clima, solos, topografia e vegetablo s~o apresentadas de forma sistematizada para efeitos de comparagao. vii

8 A base de dados foi computarizada para facilitar a rccupera(o de informai6es e a an6lise de agregados. Os dados s~o apresentados nas formas de mapas e tabelas, com textos em ingles, espanhol e portugues, para permitir amplo acesso a usu~rios em programas de pesquisa e de desenvolvimento rural, que podem n~o dispor de facilidades de computa-o. 0 CIAT e a EMBRAPA t~m o prazer de colocar, disposiqo da comunidade cientifica e de planejadores do desenvolvimento rural, os resultados de mais de tr~s anos de esforqos conjuntos e esperam que a informaqo contida neste trabalho, ainda que longe de ser perfeita, venha a facilitar a pesquisa agricola bern como ao delineamento de estrat6gias para o desenvolvimento, que levem em consideraqo o potencial destas regi6es, contribuindo, desta forma, para o aumento da produyo e da produtividade. Considerando que o trabalho se fundamentou em dados disponiveis 6 dpoca do estudo, ambas as institu, )es acolher~o, com entusiasmo, novas informa 6es que permitam atualizar seus arquivos computarizados. Agosto de 1984 Gustavo A. Nores Diretor Geral Adjunto CIAT Elmar Wagner Chefe CPAC-EMBRAPA viii

9 Contents Contenido Contet do Page Prologue Pr6logo Pr6logo Preface Prefacio Prefdcio How to Use this Legend C6mo Utilizar esta Leyenda Como Usar esta Legenda iii v vii xi xii xiii Coding rey. Clave de Codificaci6n. Chave de Codificaqo The Legend. La Leyenda. A Legenda 5 A Amazon Basin. Cuenca delamazonas. Bacia do Amazonas 5 B Bra7ilian Shield. Escudo Brasilero. Escudo Brasileiro 17 E Elbow of the Andes. Codo de losandes. Cotovelo dos Andes 23 F Andean Foothills. Piedemonte And/no. Pedemonte Andino 25 G Guyana Shield. Escudo Guayan6s. Escudo Guianense 28 M Mojos Pampas. Pampas de Mojos. Pampas de Mojos 28 0) Orinoco Basin. Cuenca del Orinoco. Bacia do Orenoco 29 P Pantanal. Pantanal. Pantanal 33 R Parana Basin. Cuenca del Parand. Bacia do Paran, 33 dentifying Features. Caracteristicas de Identificaci6n. Carateristicas de Identificaqo 35 Land Systems. Sistemas de Tierra. Sistemas de Terra 35 Physiographic Regions. Regiones Fisiogrificas. Regi6es Fisiogrdficas 36 Climatic Subregions. Subregiones Climiticas. Sub-regimes Clim~ticas 38 Landfacet Number. N~mero de la Faceta de Tierra. Nimero da Faceta de Terra 40 Proportion of Land Facet. Proporci6n de la Faceta de Tierra. Proporqo da Faceta de Terra 40 Landform. Forma de la Tierra. Forma da Terra 41 Altitude. Altitud. Altitude 41 Fertility Capability Classification. Clasificaci6n por Capacidad de Fertilidad. Clasificag}o pela Capacidade de Fertilidade 42 Texture. Textura. Textura 42 4 ix

10 SoiP Constraints. Factores Limitantes del Suelo. Fatores Limitantes do Solo 44 Soil Classification Legend. Leyenda de la Clasificaci6n de Suelos. Legenda da Classificacbo de Solos 46 Soil Taxonomy / Great Group. Taxonomia de Suelos / Gran Grupo / Taxonomia de Solos / Grande Grupo. 48 FAQ Legend. Leyenda FAO. Legenda FAO 51 Soil Units. Unidades de Suelos. Unidades de Solos 52 Natural Vegetation Classes. Clases de Vegetaci6n Natural. Classf,s de Vegetaqo Natural 54 Topography and Drainaqe. Topograf/a y Drenaje. Topograia e Drenagem 56 Sources of Information. Fuentes de Informaci6n. Fontes de Informagio 58 Mapping Scales. Escala de Mapas. Escala dos Mapas 59 Principal Soil Studies. Principales Estudios de Suelos. Principais Estudos de Solos 61 List of Maps. Lista de Mapas. Lista de Mapas Physiographic Regions. Regiones Fisiogrficas. Regi6es Fisiogrdficas 37 Climatic Subregions. Subregiones Clim~ticas. Sub-regi6es Clim~ticas 39 Soil Texturpi Classes. Clases de Textura de Suelos. Classes de Textura dos Solos 43 Soil Fertility/FCC System. Fertilidad de Suelos/Sistema CCF. Fertilidade dos Solos/Sistema CCF 45 Soil Orders/Soil Taxonomy. Ordenes de Suelos/Taxonomfa de Suelos. Ordens de Solos/Taxonomia dos Solos 46 Suborder Soil Classes/Soil Taxonomy. Clases de Subordenes de Suelos/Taxonoma de Suelos. Classes de Subordens de Solos/Taxonomia dos Solos 47 Great Group Soil Classes/Soil Taxonomy. Clases de Grandes Grupos de Suelos/Taxonomla de Suelos. Classes de Grandes Grupos de Solos/Taxonomia de Solos 49 Generalihed Soil Map/FAO-Unesco Legend. Mapa Generalizado de Suelos/Leyenda FAO-Unesco. Mapa Generalizado dos Solos/Legenda FAO-Unesco 51 Soil Unit Map/FAO-Unesco Legend. Mapa de Unidades de Suelos/Leyenda FAO-Unesco. Mapa de Unidades Solos/Legenda FAO-Unesco 53 Natural Vegetation Classes. Clases de Vegetaci6n Natural. Classes de Vegetaq~o Natural 55 Topographic Classes. Clases Topogr.ficas. Classes Topogrficas 57 x

11 Preface This book is the second of three volumes describing and mapping land in the central lowlands of tropical South America according to its various aspects: climate, vegetation and landscape, topography, and soil factors. Volume 1 presents a description of the project's objectives, methodology, and procedures, and then provides iiterpretations and guidelines for local, seed-based agrotechnology transfer using the map and landsystems data. Volumc 2 includes the Land Systems Map (in two parts), on a scale of 1:5,000,000, and the Legend tc the Map, which provides a concise summary of the soil constraints by land system. A booklet of individual zone maps, on a scale of 1:2,000,000, is also included. Volume 3, a more complete summary of the land systems, includes computer printouts of generalized land information, specific land 'cet and landform descriptions, and meteorological station data; in addition, soil profile descriptions of many land systems are provided. The following land systems are not included in the Map, Legend, or Computer Summary: 90-91, 115, , , 312, 314, , , Land systems were designated by numbers used to identify them during the course of the study, and do not necessarily follow a numerical or geographical continuity. Computer summaries are missing for the following land systems that are coded and listed in the Map and Legend: Ab 383, Ab 384, Aa 421, Fb 422, Be 486, and Fo 855. Information on these land systems was not sufficiently complete to computerize them. The study upon which the work is based was completed over a period of four years ( ) with the cooperation of many people and organizations. The data for the study were collected from records in various countries, including Bolivia, Brazil, Colombia, Ecuador, Peru, and Venezuela, and from various small- and large-scale studies. The wide range of documents and people who assisted in this project are included in the Bibliography to Volume 1. Special thanks, however, must be given to the staffs at EMBRAPA- CPAC and CIAT for their dedication to the tasks of compiling, computerizing, and mapping the data. For Volume 2, we are especially grateful to CIAT graphic artists Ligia Garcia and Conrado Gallego, for map preparation and drafting; to Ancizar Chamorro for photomechanical work; to Walter Hurtado for checking the original data; and to Esperanza Castafleda for translations into Spanish and Portuguese. xi

12 Prefacio Este es el segundo de tres volmenes que contienen la descripci6n y los mapas de las.'ierrasbajas centrales de Am~ric. del Sur tropical segon sus diversos aspectos: clima, vegetaci6n ypaisaje, topograffa y factoresed~ficos. El Volumen 1 presenta una descripci6n de los objetivos del proyecto, su metodologia y procedimientos, y proporciona orientaciones y pautas para la trasferencia de tecnologia agricola local, basada en el uso de semilla mejorada, utilizando el mapa y la informaci6n sobre sistemas de tierra. El Volumen 2 incluye e/mapa de Sistemas de Tierra (en dos secciones), a una esca!a de 1:5,000,000 yla Leyenda para el Mapa que ofrece un resumen conciso de los limitantes del suelo en cada sistema de tierra. Tambi6, se incluye un folleto de mapas de zonas individuales, a una escala de 1:2,000,000. El Volumen 3 es un resumen mis completo de los sistemas de tierra e incluye impresos de computador con informaci6n generalizada sobre la tierra, descripciones especificas de las facetas de tierra y de la forma de la tierra y datos de la estaci6n meteorol6gica; asimismoofrece descripciones de perfiles de suelos de varios sistemas de tierra. Los sistemas de tierra que aparecen a continuaci6n no estin incluidos en el Mapa ni en la Leyenda ni en el Resumen de Computador.' 90-91, 115, , , 312, 314, , , Los sisternas de tierra fueron designados por numeros utilizados para su identificaci6n durante el transcurso del estudio y por ello no se observa necesariamente una continuidad num~rica o geogrfica. No existen res6menes de computador para los siguientes sistemas de tierra codificados e incluidos en el Mapa yen la LeVenda: Ab 383, Ab 384, Aa 421, Fb 422, Be 486, y Fo 855. La informaci5n para estos sistemas de tierra no fue lo suficientemente completa para computarizarla. El estudio en el cual se bas6 el trabajo se complet6 con la colaboraci6n de muchas personas y organizaciones, durante un per/odo de cuatro ahios ( ). Los datos para el estudio fueron recolectadcs de los archivos de varios paises, incluyendo Bolivia, Brasil, Colombia, Ecuador, Per6 y Venezuela, y de varios estudios a pequella y gran escala. En la Bibliograffa del Volumen 1 se citan las personas y documentos que fueron de ayuda para este proyecto. Agradecemos especialmente al personal de EMBRAPA-CPAC y del CIA T por su dedicaci6n a la tarea de compilar, computarizar y cartografiar la informaci6n. Para este segundo volumen agradecemos especialmente a Ligia Garcia y Conrado Gallego,por la preparaci6n y dibujo de los mapas; a Ancizar Chamorro por el trabajo de fotomecinica,"a Waler Hurtado pcr la revisi6n de la informaci6n original; y a Esperanza Castafleda por latraducci6n al espafiol y al portugu6s. xii

13 Prefficio Este 6 o segundo de tres volumes que cont6m a descriqo e os mapas das terras baixas centrais da Am6rica do Sul tropical segundo seus diversos aspectos: clima, vegetaqo e paisagem, topografia e fatores ed6ficos. 0 Volume 1 apresenta uma descriqo dos objetivos, metodologia procedimentos, e e depois oferece indica~oes e modelos para a transfer6ncia da tecnologia agrfcola local basedda no uso de sementes melhoradas empregando o mapa e os dados em sistemas de terra. 0 Volume 2 inclui o Mapa de Sistemas de Terra (em duas se des), a uma escala de 1:5,000,000, e a Legenda para o Mapa, que fornece um resumo conciso das limitaqbes do solo em cada sistema de terra. Tamb6m foi incluido um folheto de mapas de zonas individuais, a uma escala de 1:2,000,00". 0 Volume 3, 6 um resumo mais completo dos sistemas de terra, e inclui impressos de computador contendo informaia-o generalizada sobre a terra, descriqobs especificas das facetas de terra, da forma da terra, dados da estaqao meteorol6gica, alem disto, oferece descriqbes dos perfis de solos de v6rios sistemas de terra. Os sistemas de terra apresentados em seguida n~o se incluem no Mapa, na Legenda, e tamb6n no Resumo de Computador: 90-91, 115, , , 312, 314, , , Os sistemas de terra foram designados-por ntmeros utilizados para a sua identificaq,o, durante o decurso do estudo, 6 esta a razao de n~o se observar, necessariamente, ura continuidade num6rica ou geogr~fica. N5o h6 resumos de computador para os seguintes sistemas de terra codificados e registrados no Mapa e na Legenda: Ab 383, Ab 384, Aa 421, Fb 422, Be 486, e Fo 855. A informaqo para estes sistemas de terra no foi suficieniemente completa para a computa5o. O estudo em que foi baseado o trabalho,,,oncluiu-se com a colabora5o de muitas pessoas e organizaqses, no espaqo de quatro anos ( ). Os dados para o estudo foram coletados dos arquivos de v6rios paises, incluindo Bolivia, Brasil, Col6mbia, Equador, Peru e Venezuela, e de v6rios estudos em pequena e grande escala. Os documntos e pessoas que colaboraram com o projeto est~o mencionados na Bibliografia do Volume 1. Agradecemos especialmente ao pessoal da EMBRAPA-CPAC edo CIAT por sua dedica 5o tarefa de compilar, computarizar e cartografar a informaao. Para este segundo volume agradecemos especialmente a Ligia Garcfa e Conrado Gallego pela preparato e desenho dos mapas; a Ancfzar Chamorro pelo trabalho de fotomec~nica; a Walter Hurtado pela revis~o das informap9es originais e a Esperanza Castarleda pela tradup-o para o espanhol e para o portugubs. xiii

14 How to Use this Legend The land systems numbers (with the preceding physiographic region and climatic region codes) are located on the Land Systems Map. They are listed in this Legend, within the physiographic region, in numerical order. The physiographic regions are listed in alphabetical order, by code. Find the land system number on the map and then locate it in 'he legend. The legend provides a summary of the coils on the main landscape facets of the land systems. This summary includes landscape facet number, proportion of the land facet, landform, altitude, texture and native soil constraints in terms of the Fertility Capability Classification system, and both Soil Taxonomy and FAO Legend soil classification. The codes for the abbreviations of all these identifying features are found on pp in this Legend. Then find the computer printout for each land system, printed in Part 1 of the book, Computer Summary and Soil Profile Descriptions of the Land Systems. These are arranged in numerical order from 1 to 855, irrespective of the physiographic region. Further detail on climatic data can be found in the computer printouts in Part 2 of the book, Computer Summary and Soil Profile Descriptions of the Land Systems. These data are arranged alphahetically by city or location of the site of the meteorological experiment station. The name of the city or location appears on the top left corner of each land system in Part 1 of the computer summary. A selection of soil prolile descriptions, arranged in numerical order by land system, is found in Part 3 of the book. Computer Summary and SoilProfile Descriptions of the Land Systems. (

15 C6mo Utilizar esta Leyenda Los ntmeros de sistemas de tierras (cnlos c6digos precedentes correspondientes a las regiones fisiogrificas yregiones climaticas)se encueptran en el Mapa de Sistemas de Tierra. Estin registrados en esta Leyenda dentro de cada regi6n fisiografica, en orden numerico. Las regiones fisiogr~ficas se encuentran en orden alfab~tico, por c6digo. Busqua el n6mero del sistema de tierra en el mapa y luego localicelo en la leyenda. La leyenda proporciona un resumen de los suelos de las principales facetas delpaisajede los sistemas de tierra. Este resumen incluyu elnrmro de la faceta delpaisaje, laproporci6n de la faceta de tierra, la forma de tierra, I, altitud, la textura y /,,s limitantes naturales en el suelo en trminos del sistema de Clasifiracion,or Capacidad de Fertilidad y de la clasificaci6n de suelos de acuercdo con/a Taxonomia de Suelos yla Leyenda FA Q. Los c6digos para las abreviaturas de todas estas caracteristicas de identificacirn se encuentran en las piginas de esta Leyenda. Bus que luego los impresos de corn putador para cada sistema de tierra, que aparecen en la Parte 1 del Volurnen 3 Resumen de Computador y Descripc:ones de Perfiles de Suelos de los Sistemas de Tierra, que se encuentran registrados en orden numdrico dal 1a/ 855 independientementede la regi6n fisiografica. En los impresos de computador en la Parte 2 del libro, Resumen de Computador y Descripciones de Perfiles de Suelos de los Sistemas de Tierra, se encuentra informaci6nms amp/ia sobre datcs climatol6gicos. Estos datos se encuentran ordenados alfab~ticamene por ciudad o ubicaci6n del sitiode la estacin meteorol6gicaexperimental. El nombre de la ciudad o ubicaci~n aparece en la esquina superior izquierdade cada sistema de tierra en la Parte 1 del resumen de compi'tador. En la Parte 3 del libro Resumen de Computador y Descripciones de Perfiles de Suelos de los Sistemas de Tierra, se encuentra una selecci6n de descripciones de perfiles de suelos organizados en orden num~rico por sistema de tierra. 2

16 Como Usar esta Legenda Os nfimeros de sistemas de terra (corn os c6digos precedentes das regimes fisiogr~ficas e regibes clim~ticas) encontram-se no Mapa de Sistemas de Terra. Est~o registrados nesta Legenda dentro da regi o fisiogr~fica em ordem numdrica. As rogi6es fisiogr~ficas est~o ordenadas alfabeticamente, por c6digo. Pronure no mapa o nimero do sistema de terra e localize-o na legenda. A legenda oferere um resurno dos solos nas principais facetas da paisagem dos sistemas de terra. Este resumo inclui o nimero da faceta da pa;sagem, a proporqbo da faceta de terra, a forma da terra, a altitude, a textura e as limitaqses naturais em termos do sistema de Classificaq'o pela Capacidade de Fertilidade e a classificaqo dos solosde acordo corn a Taxonomia de Solos e a Legenda FAO. Os c6digos para as abreviaturas de todas estas carateristicas de identificaqo acham-se nas p~ginas desta Legenda. Procure logo os impressos de computador para cada sistema de terra, que se encontrarn na Parte 1 do Volume 3, Resumo de Computador e DescriFes dos Perfis de Sclos dos Sistemas de Terra, os quais estdo registrados em ordem num6rica de 1 a 855, independente da regigo fisiogr~fica. Nos impressos do computador s~o encontradas maiores informaq6es sobre os dados climatol6gicos na Parte 2 do livro, Resumo de Computador e Descricdes dos Perfis de Solos dos Sistemas de Terra. Estes dados est~o ordenados alfabeticamente por cidades ou localizaqo da estaqo meteorol6 gica experimental. 0 nome da cidade ou Iocalizaqo aparece no canto superior esquerdo de cada sistema de terra na Parte 1 dos resumos de computador. Na Parte 3 do livro Resumo de Computador e Descric~es dos Per(is de Solos dos Sistemas de Terra encontra-se uma seleq o de descriqbes de perfis dos solos organizados em ordem num~rica por sistema de terra. 3

17 Coding Key Clave de Codificaci6n Chave de Codificaydo A Summary of the Soils on the Main Landscape Facets of the Land Systems Resumen de Suelos de las Principales Facetas del Paisaje de los Sistemas de Tic, ra Resumo de Solos nas Principais Facetas da Paisagem dos Sistemas de Terra Physiographic region Landscape facet Landform Texture in: Fertility Capability Regi6n fisiogrfica number Forma de la tierra Topsoil Subsoil Classification Regi o fisiografica Nt6,ero de la faceta Forma da terra Texture en: Clasificaci6n por del paisaje Capa arable Subsuelo Capacidad de Fertilidad N~mero da faceta Textura na: Classificaqo pela da paisagem Camadaaravel Subsolo Capacidade de Fertilidade I Aa (70%) C 300 m LL-hakei ORHA-Fo Climatic subregion Land system number Proportion of land Altitude (amsl) Soil Taxonomy FAO Legend Subregi6n clim tica Numero del sistena facet (%, Altitud(mpnm) Great Group Leyenda FAO Sub-regi~o climatica de tierra Proporci6n de faceta Altitude (msnm) Taxonomla de Suelos Legenda FAO Ntimero do sistema de tierra (%) del Grupc Grande de terra Proporcio da faceta Taxonomia dos Solos de terra de Grande Grupo

18 The Legend La Leyenda A Legenda A Amazon Basin Cuenca delamazonas Bacia do Amazonas LC-hake Ab38 1. (90%) P350 m UUDTR-Af 3. (6%) B 270 m EAQFL-Ge Ab4O 2. (10%) D 250 m SL-g UAQTR-Ag LL-hak 1. (100%) C 350 m OR-Fa OORAC-Fa Aa (70%) C 300 m 2.(30%)V 200 m LL-hakei QOHAk Fo OORHA-Fo LL.h~kei OORHA-F OORHA-Fo Ac41 LL-hakei 1. (100%) P 600 m ORhako OORHA-Fo Aa (97%) C 150 m CC-ha Oha OORHA-Fo Ab60 1.(85%) P400 m LL-hae OORaC OORAC-Fa 2. (3%) V 145 m EL-J 2. (15%) D 350 m LL-hae ORAC-Fa Aa219 1.(85%) P 250 m OORAC-FaITRDY-Bf LC -h IR- f Ab (97%) P 250 m CC-hak UUDTR-Ao 2. (15%) V 180 m E,TR-Jd 2.( 3%) D240 m EL-J Aa220 1.(95%)C 150m LC-hak UUDPA-Nd Ab (47%) C 330 m LC-ha UUDTR-Ao 2. ( 5%)V 145 m EL-J 2. (47%) P270 m LC UUDTR-Ao 5

19 Aa (50%) I 120 m SS -g E Ab252 1.(95%)X 500 m LL-hak OORHA-Fo 2. (50%) T 90 m LL-d EL-J 2. ( 5%) V 485 m EL-J Aa (70%)T 90m hak EA.FL-Jd EAQFL-Jd Ab (95%)P 110 m CC-hk QORHA OORHA-Fx LL-d m 2.( 5%)D 105 Aa (70%)T 100m EAFL-e Ab (95%) P 100 m SS-gake SATP SAQTR -Pg 2. (30%)T 102 m EL-J 2.( 5%) D 95 m LS -g Aa (92%) P 100 m LC-gha L-A UAQPL-Ap Ab (60%) T 100 m hake EAQFL-Jd 2. (8%) D 98 m - 2. (40%) T 95 m hak EAQHY-Jd Aa (95%) P 100 m LL-hak - OO RHA-Fo Ab (80%) C 330 m CC-hakei UUDTR -Af 2.( 5%)D 98m EL-J EAOFL-Je 2.(15%)M 380m CC-hakei UD-aC UUDTR-Af Aa (93%) P 150 m LS-gh S -g SAQTR-Pg 3. ( 5%)V 300m 2. (7%) V 150 m Ac (95%) X 220 m SS-hak ESQ-Qf EPSOU-Qf Aa (93%)T 110 m LC -ha UUDTR -Ao 2. (5%) V 215 m EAFL- 2. ( 7%) D 106 m LR Ac (95%) P 250 m -dhke US-Fo OUSHA-Fo Aa (70%) T 100 m CC-gh IAQTR-Je 2. (5%) D 245 m 2. (30%) T 104 m CC-h maqtr-je Ac (95%) P 150m SS-gak EAQPS-Qf Aa251 1.(95%)P 150m SS -gak EAQPS-Qf 2.( 5%)D 145m EAQPS-OfEAQFL-Jo L LS-g 2. ( 5%) D 148.m LS -g L- 6

20 Ac (95%) P 150 m Sgh UAQAL-Wd Ac (92%) P 50m CC-gh EAQHA-Ge 2.( 5%) D 145 m EL-J 2.( 8%)D 48m LL -g Ac (95%) P 150 m LC-hk OORHA-Fx Ac (94%) P 50 m LL-hke OR-Fx OORHA-Fx 2' 6%V45 2m Ac (95%) P 208 m LC-ghke UAQPL-Ap Aa (92%) P 20 m LC-ghak UAQPL-Ap 2.( 5%)D 195m LL -g 2. ( 8%) D 18m Ac264 1.(95%)P 150m CC-hak1 OORHA-Fo Ac274 1.(97%)P lom CC-ghi IAQTR-Gd 2.( 5%)D 145m LL -g 2.( 3%)V 5m LL -g EAQTR.Je Ac (95%) P 200 m LC-dke Ab (93%) P 90 m SS-hk AUSHA-Lf EPSQU-Qf 2.( 5%)D 195m 2.( 7%) D 88 m LS -g L-J Ac (95%) P 300 m CC-hai OORHA-Fo Ab (92%) X 50 m LL-hak LQRhaF OORHA-Fx 2. (5%) D 295 m 2. (8%) V 45 n. Ab (95%) C 400 m SL-hake UD-Af UUDTR-Af Ab (92%) C 100 m LL-hak OORHA-Fx 2.( 5%)V 385in LL EL EFLTR -Je 2. ( 8%) V 95 m AL-J Ab (92%) P 100 m LC-gh UAQPL-Ap Ab (92%) C 100 m LC-hk UUDTR-Ao 2.( 8%)D 98 m EAQF 2.( 8%)V 95-i Ac (97%) P 20 m LC-h IAQTR -Je Ab (92%) C 100 m CC-haki OORHA-Fo 2. ( 3%) V 18 i 2.( 8%)V95 7

Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de

Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação!" !" $%& '( ) %) * +, - +./0/1/+10,++$.(2

Leia mais

The Indigenous Population of Brazil 1991 Population Census

The Indigenous Population of Brazil 1991 Population Census The Indigenous Population of Brazil 1991 Population Census Authors: Nilza Oliveira Martins Pereira (principal author), Tereza Cristina Nascimento Araujo, Valéria Beiriz, Antonio Florido- IBGE The definition

Leia mais

! "#" $ %&& ' ( )%*)&&&& "+,)-. )/00*&&& 1+,)-. )/00*&2) (5 (6 7 36 " #89 : /&*&

! # $ %&& ' ( )%*)&&&& +,)-. )/00*&&& 1+,)-. )/00*&2) (5 (6 7 36  #89 : /&*& ! "#" %&& ' )%*)&&&& "+,)-. )/00*&&& 1+,)-. )/00*&2) 3 4 5 6 7 36 " #89 : /&*& #" + " ;9" 9 E" " """

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

4.7. Freqüência ao Dentista

4.7. Freqüência ao Dentista 202 Estudo Epidemiológico de Saúde Bucal em Trabalhadores da Indústria. Brasil, 2002-2003 Epidemiologic Study of Oral Health in Industry Workers. Brazil, 2002-2003 Estudio Epidemiológico de Salud Bucal

Leia mais

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Portuguese Lesson A Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET

BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET 2015 1 e-mail:mario@labma.ufrj.br Tables BR-EMS, mortality experience of the Brazilian Insurance Market, were constructed,

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Câmbio MONEY CHANGER. I d like to exchange some money. Gostaria de cambiar um pouco de dinheiro. Where can I find a money changer?

Câmbio MONEY CHANGER. I d like to exchange some money. Gostaria de cambiar um pouco de dinheiro. Where can I find a money changer? MONEY CHANGER Câmbio I d like to exchange some money. Where can I find a money changer? Gostaria de cambiar um pouco de dinheiro. Onde posso encontrar um câmbio? I d like to exchange (I would) Where can

Leia mais

PANORAMA COLLECTION DISCONTINUATION 2015 2 nd LEG

PANORAMA COLLECTION DISCONTINUATION 2015 2 nd LEG PANORAMA COLLECTION DISCONTINUATION 2015 2 nd LEG EN ES PT PANORAMA COLLECTION DISCONTINUATION 2015 2 nd LEG PRODUCTOS RETIRADOS DEL CATÁLOGO 2015, 2ª Fase Artigos em fim de stock 2015, 2.ª Fase EN As

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

Tabela de Vinculação de pagamento Manteve o mesmo nome DDM SIAFI-TABELA-VINCULA-PAGAMENTO

Tabela de Vinculação de pagamento Manteve o mesmo nome DDM SIAFI-TABELA-VINCULA-PAGAMENTO Segue abaixo dados das DDMs que mudaram para o PCASP, tanto as que mudaram de nome como as que mantiveram o mesmo nome. Para estas, os campos que serão excluídos (em 2015) estão em vermelho e os campos

Leia mais

Informe de Progreso Técnico y Financiero. Donaciones para la Digitalización de Datos Red Temática de Polinizadores. Preparado por:

Informe de Progreso Técnico y Financiero. Donaciones para la Digitalización de Datos Red Temática de Polinizadores. Preparado por: Informe de Progreso Técnico y Financiero Donaciones para la Digitalización de Datos Red Temática de Polinizadores Preparado por: PATRÍCIA MAIA CORREIA DE ALBUQUERQUE 30/04/2010 1 POLLINATOR/VISITORS PLANT

Leia mais

! $&% '% "' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 / " ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',!

! $&% '% ' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 /  ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',! "#$%% $&% '% "' ' '# '"''%(&%') '*'+&%'# ),'#+# ' %, # - ' # ' "%'''' ' * '. % % ', '%'# ''''') /%, 0.1 2 / " ') 33*&,% *"'",% '4'5&%64'' # ' + 7*' # + "*''''' 12''&% '''&")#'35 ''+,'#.8.&&%, 1 92 '. #

Leia mais

AVALIAÇÃO DE MORBIDADES E ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: ANÁLISE RETROSPECTIVA DE 2008 A 2012

AVALIAÇÃO DE MORBIDADES E ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: ANÁLISE RETROSPECTIVA DE 2008 A 2012 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA DEBORAH COSTA TEIXEIRA PELUCIO SILVA AVALIAÇÃO DE MORBIDADES E ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: ANÁLISE

Leia mais

Siemens AG 2009 SIRIUS SENTRON SIVACON. Catálogo LV 90 2009. Baixa Tensão Corte, protecção e comando. Answers for industry.

Siemens AG 2009 SIRIUS SENTRON SIVACON. Catálogo LV 90 2009. Baixa Tensão Corte, protecção e comando. Answers for industry. SIRIUS SENTRON SIVACON Catálogo LV 90 2009 Baixa Tensão Corte, protecção e comando Answers for industry. Interruptores de corte em carga, sistemas de barramentos SENTRON 8US Introdução Tipo 3NP 1 3K 3NJ4

Leia mais

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing Kern, Bryan; B.S.; The State University of New York at Oswego kern@oswego.edu Tavares, Tatiana; PhD;

Leia mais

PRESS CLIPPING 13 13 July 2015 www.mecasolar.com

PRESS CLIPPING 13 13 July 2015 www.mecasolar.com PRESS CLIPPING 13 13 July 2015 www.mecasolar.com MECASOLAR attends ENERSOLAR BRASIL MECASOLAR is attending one of the leading solar events in Brazil, to be held in São Paulo from 15 to 17 July. The company

Leia mais

UNIVERSIDADE DE ÉVORA

UNIVERSIDADE DE ÉVORA UNIVERSIDADE DE ÉVORA MESTRADO EM INTERVENÇÃO SÓCIO-ORGANIZACIONÀL NA SAÚDE Curso ministrado em parceria com a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (DR Série, n.. 250 de 29 de Outubro de 2002)

Leia mais

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS 01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS OBS1: Adaptação didática (TRADUÇÃO PARA PORTUGUÊS) realizada pelo Prof. Dr. Alexandre Rosa dos Santos. OBS2: Textos extraídos do site: http://www.englishclub.com

Leia mais

Planejamento estratégico

Planejamento estratégico espaço ibero-americano espacio iberoamericano Planejamento estratégico Quem somos, onde queremos ir e como chegaremos lá são indagações necessárias em todas as escolas Como qualquer empresa, instituições

Leia mais

Com cálculo / Calculus presence / Con calculo. Com sangramento / Healthy gums / Con sangría

Com cálculo / Calculus presence / Con calculo. Com sangramento / Healthy gums / Con sangría 99 4.2. Community Periodontal Index According to the Community Periodontal Index (CPI), 35% of workers are healthy. Most who present problems have calculus (40%), followed by those who have superficial

Leia mais

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks Intellectual Property IFAC Formatting Guidelines Translated Handbooks AUTHORIZED TRANSLATIONS OF HANDBOOKS PUBLISHED BY IFAC Formatting Guidelines for Use of Trademarks/Logos and Related Acknowledgements

Leia mais

The Brazilian Pantanal: an overview

The Brazilian Pantanal: an overview The Brazilian : an overview www.cpap.embrapa.br The Brazilian Paraguay River basin in Brazil, Bolivia e Paraguay Data source: Padovani et al unpublished data Data Source: Padovani et al. www.cpap.embrapa.br

Leia mais

'!"( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, ".6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # )

'!( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, .6 )) -2 7! 6))  ) 6 #$ ))! 6) 8 9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) !" #$%&& #% 1 !"# $%& '!"( )*+%, ( -. ) #) /)01 01)0) 2! ' 3.!1(,,, " 44425"2.6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 4442$ ))2 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) 44425"2 ))!)) 2() )! ()?"?@! A ))B " > - > )A! 2CDE)

Leia mais

Câmara dos Deputados Praça 3 Poderes Consultoria Legislativa Anexo III - Térreo Brasília - DF

Câmara dos Deputados Praça 3 Poderes Consultoria Legislativa Anexo III - Térreo Brasília - DF Henrique Leonardo Medeiros Consultor Legislativo da Área II Direito Civil e Processual Civil, Direito Penal e Processual Penal, de Família, do Autor, de Sucessões, Internacional Privado Câmara dos Deputados

Leia mais

HR Connect System Alert

HR Connect System Alert HR Connect System Alert To: All Employees Alert: System Downtime From November 30 December 3, the HR Connect Self-Service system will be down for maintenance. You will be unable to complete transactions

Leia mais

Planilhas EXCEL para cálculo de Balanço Hídrico Climatológico com diferentes metodologias para estimativa da evapotranspiração potencial.

Planilhas EXCEL para cálculo de Balanço Hídrico Climatológico com diferentes metodologias para estimativa da evapotranspiração potencial. Planilhas EXCEL para cálculo de Balanço Hídrico Climatológico com diferentes metodologias para estimativa da evapotranspiração potencial. Gustavo D Angiolella 1 ; Vânia Lúcia Dias Vasconcellos 2 RESUMO

Leia mais

Convocatoria: envío de trabajos al próximo número de la Revista Académica PROCOAS AUGM Año 2013

Convocatoria: envío de trabajos al próximo número de la Revista Académica PROCOAS AUGM Año 2013 Convocatoria: envío de trabajos al próximo número de la Revista Académica PROCOAS AUGM Año 2013 ISSN 1852 8538 El Comité de Procesos Cooperativos y Asociativos - PROCOAS -, de la Asociación de Universidades

Leia mais

UFRB - Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - BRASIL Contribución al conocimiento del manejo sustenible de recursos hídricos para riego

UFRB - Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - BRASIL Contribución al conocimiento del manejo sustenible de recursos hídricos para riego Contribución al conocimiento del manejo sustenible de recursos hídricos para riego USO APROPIADO DE LOS RECURSOS HÍDRICOS PARA RIEGO Seminario - Taller Área de Estudio UFRB Área de Estudio UFRB Brasil

Leia mais

Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito 2015-16

Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito 2015-16 Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito Unidade curricular História do Direito Português I (1º sem). Docente responsável e respectiva carga lectiva na unidade curricular Prof.

Leia mais

PARANINFO DIGITAL MONOGRÁFICOS DE INVESTIGACIÓN EN SALUD ISSN: 1988-3439 - AÑO IX N. 22 2015 Disponible en: http://www.index-f.com/para/n22/467.

PARANINFO DIGITAL MONOGRÁFICOS DE INVESTIGACIÓN EN SALUD ISSN: 1988-3439 - AÑO IX N. 22 2015 Disponible en: http://www.index-f.com/para/n22/467. PARANINFO DIGITAL MONOGRÁFICOS DE INVESTIGACIÓN EN SALUD ISSN: 1988-3439 - AÑO IX N. 22 2015 Disponible en: http://www.index-f.com/para/n22/467.php PARANINFO DIGITAL es una publicación periódica que difunde

Leia mais

Erasmus Student Work Placement

Erasmus Student Work Placement Erasmus Student Work Placement EMPLOYER INFORMATION Name of organisation Address Post code Country SPORT LISBOA E BENFICA AV. GENERAL NORTON DE MATOS, 1500-313 LISBOA PORTUGAL Telephone 21 721 95 09 Fax

Leia mais

SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO MESTRADO EM CONSTRUÇÃO E REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEIS (2º CICLO)

SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO MESTRADO EM CONSTRUÇÃO E REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEIS (2º CICLO) SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO MESTRADO EM CONSTRUÇÃO E REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEIS (2º CICLO) 1 Principal(ais) área(s) de estudo da qualificação: Engenharia Civil 2 Língua(s) de aprendizagem/avaliação:

Leia mais

COMUNICAÇÃO E INOVAÇÃO EM PORTAIS CORPORATIVOS

COMUNICAÇÃO E INOVAÇÃO EM PORTAIS CORPORATIVOS ALESSANDRA DE FALCO COMUNICAÇÃO E INOVAÇÃO EM PORTAIS CORPORATIVOS Os casos da Embraer, Natura, Faber-Castell e Rigesa Universidade Metodista de São Paulo Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social

Leia mais

RAZÕES PARA O SUCESSO DA POLÍTICA RECENTE DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO BRASIL

RAZÕES PARA O SUCESSO DA POLÍTICA RECENTE DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO BRASIL . Caracas, Venezuela Año IV, Nº 8, 2012, pp. 113-120. Iván Izquierdo RAZÕES PARA O SUCESSO DA POLÍTICA RECENTE DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO BRASIL RESUMEN El Brasil realizó en los últimos 5 años

Leia mais

Por la Comisión Organizadora Local: Lorenzo J. Blanco Nieto (Coordinador General) Ricardo Luengo González (Coordinador de Actas)

Por la Comisión Organizadora Local: Lorenzo J. Blanco Nieto (Coordinador General) Ricardo Luengo González (Coordinador de Actas) INTRODUCCIÓN En el XI Simposio de la Sociedad Española de Educación Matemática, celebrado en la Universidad de La Laguna en Septiembre de 2007, se acordó la celebración en Badajoz del XII SEIEM. Su ubicación

Leia mais

MINIKIT. 20-500 mg/l Na 2 SO 3 L414350 EN PT ES. Sulfite HR Sulfito HR Sulfito HR

MINIKIT. 20-500 mg/l Na 2 SO 3 L414350 EN PT ES. Sulfite HR Sulfito HR Sulfito HR MINIKIT 20-500 mg/l Na 2 L414350 EN PT ES Sulfite HR Sulfito HR Sulfito HR EN Introduction The Sulfite High Range MINIKIT provides a simple means of checking sulfite levels in water over the range 20-500

Leia mais

Influência de adições na mitigação da reacção álcalis-sílica (RAS) em betão com agregados reciclados

Influência de adições na mitigação da reacção álcalis-sílica (RAS) em betão com agregados reciclados UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Engenharia Influência de adições na mitigação da reacção álcalis-sílica (RAS) em betão com agregados reciclados Duarte Miguel Figueira Pereira Fernandes Dissertação para

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

distribuidores adubo

distribuidores adubo distribuidores adubo distribuidores>produtos abonadoras>productos centrífugos centrifugos Genericamente designado por Distribuidor de Adubos, este equipamento permite fazer adubações de fundo, de cobertura

Leia mais

Software reliability analysis by considering fault dependency and debugging time lag Autores

Software reliability analysis by considering fault dependency and debugging time lag Autores Campos extraídos diretamente Título Software reliability analysis by considering fault dependency and debugging time lag Autores Huang, Chin-Yu and Lin, Chu-Ti Ano de publicação 2006 Fonte de publicação

Leia mais

Universidade Técnica de Lisboa. Faculdade de Motricidade Humana

Universidade Técnica de Lisboa. Faculdade de Motricidade Humana Universidade Técnica de Lisboa Faculdade de Motricidade Humana O Método Pilates e os seus Efeitos em Termos de Autoeficácia na Musculatura do Pavimento Pélvico em Mulheres com Incontinência Urinária de

Leia mais

VISTO PARA CANADA PDF

VISTO PARA CANADA PDF VISTO PARA CANADA PDF ==> Download: VISTO PARA CANADA PDF VISTO PARA CANADA PDF - Are you searching for Visto Para Canada Books? Now, you will be happy that at this time Visto Para Canada PDF is available

Leia mais

Biogas from coffee waste

Biogas from coffee waste Biogas from coffee waste Two case studies Problem about 4 ton/day of coffee waste (solid content between 13 e 22%) from coffee substitutes production Inicially disposed on land Waste composition Waste

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt.

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. NORMAS PARA AUTORES As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. COPYRIGHT Um artigo submetido à Revista Portuguesa

Leia mais

EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARACATU

EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARACATU EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARACATU RÔMULA F. DA SILVA 1 ; ELOY L. DE MELLO 2 ; FLÁVIO B. JUSTINO 3 ; FERNANDO F. PRUSKI 4; FÁBIO MARCELINO DE

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

Banca examinadora: Professor Paulo N. Figueiredo, Professora Fátima Bayma de Oliveira e Professor Joaquim Rubens Fontes Filho

Banca examinadora: Professor Paulo N. Figueiredo, Professora Fátima Bayma de Oliveira e Professor Joaquim Rubens Fontes Filho Título: Direção e Taxa (Velocidade) de Acumulação de Capacidades Tecnológicas: Evidências de uma Pequena Amostra de Empresas de Software no Rio de Janeiro, 2004 Autor(a): Eduardo Coelho da Paz Miranda

Leia mais

AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE ÍNDICES DE SECA PARA SANTA LUZIA

AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE ÍNDICES DE SECA PARA SANTA LUZIA AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE ÍNDICES DE SECA PARA SANTA LUZIA José Nivaldo da Silva¹, Danilo Barbosa de Aguiar², Hermes Alves de Almeida³. ¹ Estudante de Geografia (UEPB) e bolsista de IC/CNPq, e-mail: jnivaldo_silva@hotmail.com

Leia mais

Normalização e interoperabilidade da informação geográfica

Normalização e interoperabilidade da informação geográfica Normalização e interoperabilidade da informação geográfica perspetivas para a formação em Engenharia Geográfica João Catalão Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia Faculdade de Ciências

Leia mais

Protective circuitry, protective measures, building mains feed, lighting and intercom systems

Protective circuitry, protective measures, building mains feed, lighting and intercom systems Tecnologia de instalações electrónicas Training systems / trainers for electrical wiring/building management systems: Protective circuitry, protective measures, building mains feed, lighting and intercom

Leia mais

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores Tese de Mestrado em Gestão Integrada de Qualidade, Ambiente e Segurança Carlos Fernando Lopes Gomes INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS Fevereiro

Leia mais

/ Columna de Dirección / Steering Column. Lanzamientos. New Developments. Codigo / Part Number - Newsletter. Descrição / Descrición / Description

/ Columna de Dirección / Steering Column. Lanzamientos. New Developments. Codigo / Part Number - Newsletter. Descrição / Descrición / Description Lançamentos / Coluna de Direção Lanzamientos New Developments / Columna de Dirección / Steering Column Descrição / Descrición / Description Codigo / Part Number - Newsletter 2106-1112/02 Coluna de Direção

Leia mais

Metodologia de inventário das estatísticas nacionais para o Mercosul

Metodologia de inventário das estatísticas nacionais para o Mercosul Ciência da Informação - Vol 24, número 2, 1995 - Comunicações Metodologia de inventário das estatísticas nacionais para o Mercosul Sonia Regina Allevato Resumo A proposta de elaboração de um inventário

Leia mais

REAL ESTATE MARKET IN BRAZIL

REAL ESTATE MARKET IN BRAZIL REAL ESTATE MARKET IN BRAZIL JOÃO CRESTANA President of Secovi SP and CBIC National Commission of Construction Industry SIZE OF BRAZIL Population distribution by gender, according to age group BRAZIL 2010

Leia mais

ESP/POR COCCIÓN / CONFECÇÃO. Gama 600

ESP/POR COCCIÓN / CONFECÇÃO. Gama 600 ESP/POR COCCIÓN / CONFECÇÃO Gama 600 Gama 600 Trabajar con una marca de prestigio internacional Trabalhar com uma marca de prestigio internacional Fagor Industrial es una empresa que desde hace 50 años

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS FACULDADES UNIFICADAS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 REGULAMENTO DO NÚ CLEO DE PRÁ TICA JURÍ DICA DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE

Leia mais

ES C O L A S U PERI O R A G RÁ RI A

ES C O L A S U PERI O R A G RÁ RI A Licenciatura em Ecoturismo Ref.ª : 1810002 Ano lectivo: 2012-13 DESCRITOR DA UNIDADE CURRICULAR GEOGRAFIA GEOGRAPHY 1. Unidade Curricular: 1.1 Área científica: 44 - Ciências Físicas 1.2 Tipo (Duração):

Leia mais

booths remain open. Typical performance analysis objectives for the toll plaza system address the following issues:

booths remain open. Typical performance analysis objectives for the toll plaza system address the following issues: booths remain open. Typical performance analysis objectives for the toll plaza system address the following issues: What would be the impact of additional traffic on car delays? Would adding Simulação

Leia mais

Ficha de unidade curricular Curso de Doutoramento

Ficha de unidade curricular Curso de Doutoramento Ficha de unidade curricular Curso de Doutoramento Unidade curricular História do Direito Português I (Doutoramento - 1º semestre) Docente responsável e respectiva carga lectiva na unidade curricular Prof.

Leia mais

A Aviação no Comércio Europeu de Licenças de Emissão Especificidades para pequenos emissores

A Aviação no Comércio Europeu de Licenças de Emissão Especificidades para pequenos emissores A Aviação no Comércio Europeu de Licenças de Emissão Especificidades para pequenos emissores Departamento de Alterações Climáticas, Ar e Ruído (DACAR) Divisão de Poluição Atmosférica e Alterações Climáticas

Leia mais

Carreiras e a Nova Geração Produtiva: Quais as Expectativas de Carreira de Jovens Profissionais?

Carreiras e a Nova Geração Produtiva: Quais as Expectativas de Carreira de Jovens Profissionais? Patrícia Freitas de Sá Carreiras e a Nova Geração Produtiva: Quais as Expectativas de Carreira de Jovens Profissionais? Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração

Leia mais

ON THE INVERSE PROBLEM IN TRANSPORT THEORY. C. E. Stevwrt, M. N. Ozisik, Y. Ytiwr

ON THE INVERSE PROBLEM IN TRANSPORT THEORY. C. E. Stevwrt, M. N. Ozisik, Y. Ytiwr ON THE INVERSE PROBLEM IN TRANSPORT THEORY C. E. Stevwrt, M. N. Ozisik, Y. Ytiwr PUBLICAÇÃO IEA 479 CEN-AFR 50 MAIO/1977 PUEL. IEA 479 CEN-AFR 50 MAIO/1977 ON THE INVERSE PROBLEM IN TRANSPORT THEORY C.

Leia mais

ESCUELAS INTERCULTURALES BILINGUES DE FRONTERA: UNA MIRADA HACIA LA FORMACIÓN DOCENTE

ESCUELAS INTERCULTURALES BILINGUES DE FRONTERA: UNA MIRADA HACIA LA FORMACIÓN DOCENTE ESCUELAS INTERCULTURALES BILINGUES DE FRONTERA: UNA MIRADA HACIA LA FORMACIÓN DOCENTE Fabiana Perpétua Ferreira Fernandes Universidade Federal de Goiás brasucaya@yahoo.com.br A partir del primer semestre

Leia mais

PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS ANTES DE UTILIZAR O EQUIPAMENTO. Instalação do Rasther PC. Habilitação das Montadoras

PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS ANTES DE UTILIZAR O EQUIPAMENTO. Instalação do Rasther PC. Habilitação das Montadoras Guia Rápido Rasther PC PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS ANTES DE UTILIZAR O EQUIPAMENTO Antes de iniciar o uso do Rasther, será necessário instalar o programa Rasther PC, habilitar as montadoras adquiridas juntamente

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

Institutional Skills. Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS. Passo a passo. www.britishcouncil.org.br

Institutional Skills. Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS. Passo a passo. www.britishcouncil.org.br Institutional Skills Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS Passo a passo 2 2 British Council e Newton Fund O British Council é a organização internacional do Reino Unido para relações culturais e oportunidades

Leia mais

Análise Probabilística de Semântica Latente aplicada a sistemas de recomendação

Análise Probabilística de Semântica Latente aplicada a sistemas de recomendação Diogo Silveira Mendonça Análise Probabilística de Semântica Latente aplicada a sistemas de recomendação Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de

Leia mais

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA 1 2 3 4 5 6 7 1 1 1, 00 2 3 4 Li Be 6, 94 9, 01 11 12 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 K Ca 39, 10 40, 08 37 38 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 Cs Ba 132, 91 137, 33 87 88 Fr Ra 223,

Leia mais

Hotel Cruz Alta Repouse com serenidade e conforto / Rest with serenity and comfort

Hotel Cruz Alta Repouse com serenidade e conforto / Rest with serenity and comfort A MAIOR OFERTA hoteleira em fátima FATIMA S LARGEST HOTEL GROUP Localização / Location (N39 o 37 42 W8 o 40 30 ) Junto ao jardins do Santuário de Fátima e da nova Basílica da Santíssima Trindade muita

Leia mais

Air Quality Photochemical Simulations using the system MM5 SMOKE CMAQ for Brazil

Air Quality Photochemical Simulations using the system MM5 SMOKE CMAQ for Brazil NCQAr LAMMA UFRJ UFRJ CCMN IGEO LAMMA NCQAr Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências Matemáticas e da Natureza Instituto de Geociências - Departamento de Meteorologia Laboratório de Modelagem

Leia mais

e-lab: a didactic interactive experiment An approach to the Boyle-Mariotte law

e-lab: a didactic interactive experiment An approach to the Boyle-Mariotte law Sérgio Leal a,b, João Paulo Leal a,c Horácio Fernandes d a Departamento de Química e Bioquímica, FCUL, Lisboa, Portugal b Escola Secundária com 3.º ciclo Padre António Vieira, Lisboa, Portugal c Unidade

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO E DA LIDERANÇA NAS ORGANIZAÇÕES

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO E DA LIDERANÇA NAS ORGANIZAÇÕES ISSN IMPRESSO 2316-333X ISSN ELETRÔNICO 2316-3828 A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO E DA LIDERANÇA NAS ORGANIZAÇÕES Cleide Ane Barbosa da Cruz 1 Resumo ABSTRACT O presente artigo visa mostrar a importância da

Leia mais

WORLD CUP BRAZIL 2014

WORLD CUP BRAZIL 2014 WORLD CUP BRAZIL 2014 Match Date Match Stadium City Cat 1 Cat 2 Cat 3/4 VIP 1 12 jun Brazil vs. Croatia Arena De São Paulo Sao Paulo $2,900 $2,500 $1,800 2 13 jun Mexico vs. Cameroon Estadio Das Dunas

Leia mais

APRESENTAÇÃO. ABNT CB-3 Comitê Brasileiro de Eletricidade Comissão de Estudo CE 03:064.01 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR 5410

APRESENTAÇÃO. ABNT CB-3 Comitê Brasileiro de Eletricidade Comissão de Estudo CE 03:064.01 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR 5410 APRESENTAÇÃO ABNT CB-3 Comitê Brasileiro de Eletricidade Comissão de Estudo CE 03:064.01 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR 5410 Instalações elétricas de baixa tensão NBR 5410:1997 NBR 5410:2004

Leia mais

FATORES QUE INTERFEREM NA QUALIDADE DO SERVIÇO NA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA RENATO AUGUSTO PEDREIRA LEONNI EM SANTO AMARO DA PURIFICAÇÃO-BA.

FATORES QUE INTERFEREM NA QUALIDADE DO SERVIÇO NA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA RENATO AUGUSTO PEDREIRA LEONNI EM SANTO AMARO DA PURIFICAÇÃO-BA. UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MBA EXECUTIVO EM SAÚDE- GESTÃO HOSPITALAR KARLA MICHELLINE OLIVEIRA BOAVENTURA FATORES QUE INTERFEREM NA QUALIDADE DO

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA VARIABILIDADE INTERANUAL DAS VAZÕES MÉDIAS MENSAIS NA AMERICA DO SUL

CARACTERIZAÇÃO DA VARIABILIDADE INTERANUAL DAS VAZÕES MÉDIAS MENSAIS NA AMERICA DO SUL CARACTERIZAÇÃO DA VARIABILIDADE INTERANUAL DAS VAZÕES MÉDIAS MENSAIS NA AMERICA DO SUL Julián D. Rojo 1, Nelson J. Ferreira 2, Oscar J. Mesa 1 1 UN Medellín Colômbia, 2 CPTEC/INPE - Cachoeira Paulista

Leia mais

APLICAÇÃO DA REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA A PREVISÃO MENSAL DE PRECIPITAÇÃO EM MACEIÓ-ALAGOAS

APLICAÇÃO DA REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA A PREVISÃO MENSAL DE PRECIPITAÇÃO EM MACEIÓ-ALAGOAS APLICAÇÃO DA REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA A PREVISÃO MENSAL DE PRECIPITAÇÃO EM MACEIÓ-ALAGOAS Washington L. F. Correia Filho 1, Alexandre S. dos Santos, 1, Paulo S. Lucio 2 1 Meteorologista, Doutorando

Leia mais

O Brasil que você procura. El Brasil que buscas. Negócios e Eventos. Negocios y Eventos

O Brasil que você procura. El Brasil que buscas. Negócios e Eventos. Negocios y Eventos O Brasil que você procura El Brasil que buscas Negócios e Eventos Negocios y Eventos Oportunidades de negócios esperam por você no Brasil. Cidades equipadas com infraestrutura hoteleira de qualidade, grandes

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE MODELOS GLOBAIS NA SIMULAÇÃO DE CENÁRIOS DE IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA AGRICULTURA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE MODELOS GLOBAIS NA SIMULAÇÃO DE CENÁRIOS DE IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA AGRICULTURA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE MODELOS GLOBAIS NA SIMULAÇÃO DE CENÁRIOS DE IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA AGRICULTURA CELSO MACEDO JUNIOR 1, JURANDIR ZULLO JUNIOR 2, HILTON SILVEIRA PINTO 3, EDUARDO DELGADO

Leia mais

NCE/10/00806 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00806 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/10/00806 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/10/00806 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da

Leia mais

Build your equipment in Brazil. Construa seu equipamento no Brasil Contruye tu equipo en Brasil

Build your equipment in Brazil. Construa seu equipamento no Brasil Contruye tu equipo en Brasil Build your equipment in Brazil Construa seu equipamento no Brasil Contruye tu equipo en Brasil DESIGN CLIENT Rossil through the fields of Engineering, Machining, Boiler, finishing and painting, makes available

Leia mais

Third Party Relationships: Auditing and Monitoring

Third Party Relationships: Auditing and Monitoring Third Party Relationships: Auditing and Monitoring October 3, 2012 3 de octubre del 2012 Agenda Speakers On-going monitoring of third party relationship On-site audits/ distributor reviews Questions &

Leia mais

Federal Court of Accounts Brazil (TCU) Auditing Climate Change Policies

Federal Court of Accounts Brazil (TCU) Auditing Climate Change Policies Federal Court of Accounts Brazil (TCU) Auditing Climate Change Policies JUNNIUS MARQUES ARIFA Head of Department of Agriculture and Environmental Audit TCU s mandate and jurisdiction 1. Role of Supreme

Leia mais

Addition of Fields in Line Item Display Report Output for TCode FBL1N/FBL5N

Addition of Fields in Line Item Display Report Output for TCode FBL1N/FBL5N Addition of Fields in Line Item Display Report Output for TCode FBL1N/FBL5N Applies to: Any business user who uses the transactions FBL1N and FBL5N to display line item reports for vendors and customers.

Leia mais

NCE/11/01206 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01206 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/11/01206 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/11/01206 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E DA UMIDADE RELATIVA DO AR EM DIFERENTES LOCAIS DA CIDADE DE MOSSORÓ-RN.

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E DA UMIDADE RELATIVA DO AR EM DIFERENTES LOCAIS DA CIDADE DE MOSSORÓ-RN. ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E DA UMIDADE RELATIVA DO AR EM DIFERENTES LOCAIS DA CIDADE DE MOSSORÓ-RN. GIULLIANA M. MORAIS DE SOUSA 1, JOSÉ E. SOBRINHO 2, MÁRIO M. VILLAS BOAS 3, GERTRUDES M.

Leia mais

ACEF/1112/04062 Decisão de apresentação de pronúncia

ACEF/1112/04062 Decisão de apresentação de pronúncia ACEF/1112/04062 Decisão de apresentação de pronúncia ACEF/1112/04062 Decisão de apresentação de pronúncia Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da Comissão de Avaliação Externa 1. Tendo recebido

Leia mais

Brasília O concreto da arquitetura moderna inspira novos materiais. Brasília Concreto Grafite

Brasília O concreto da arquitetura moderna inspira novos materiais. Brasília Concreto Grafite 24 25 Brasília O concreto da arquitetura moderna inspira novos materiais. Brasília Concreto Grafite 26 O cimento, esse clássico contemporâneo, em versão 2013 é uma homenagem à arquitetura moderna da nossa

Leia mais

Digital Cartographic Generalization for Database of Cadastral Maps

Digital Cartographic Generalization for Database of Cadastral Maps Mariane Alves Dal Santo marianedalsanto@udesc.br Francisco Henrique de Oliveira chicoliver@yahoo.com.br Carlos Loch cloch@ecv.ufsc.br Laboratório de Geoprocessamento GeoLab Universidade do Estado de Santa

Leia mais

school for unique students!

school for unique students! Table of contents mononon A Escola Internacional de Alphaville é fruto do sonho de Conozca la Escuela Internacional uma família de educadores com mais de 50 anos de de Alphaville, una escuela únic a! experiência.

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

Fontes Externas de Financiamento

Fontes Externas de Financiamento Fontes Externas de Financiamento Mobilizando Recursos Financeiros Programa Financiavel Agua Refore stação Agricultura sustentável Areas protegidas Redução da pobreza Fontes Internas MinRH + autoridad local

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE PROGRAMA EM JAVA PARA A IDENTIFICAÇÃO DA SITUAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM

UTILIZAÇÃO DE PROGRAMA EM JAVA PARA A IDENTIFICAÇÃO DA SITUAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM UTILIZAÇÃO DE PROGRAMA EM JAVA PARA A IDENTIFICAÇÃO DA SITUAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM Yago C. R. do N. yagorezende@yahoo.com.br Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais