Palavras chave: monitor, interação, cultura tecnológica, autonomia, afetividade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras chave: monitor, interação, cultura tecnológica, autonomia, afetividade"

Transcrição

1 1 O Monitor como Colaborador na Construção da Rede de Aprendizagem, em cursos de formação de professores. Cláudia Coelho de Camargo Hardagh Lucila Mara Sbrana Sciotti Maria Beatriz Galvão da Fonte Resumo O objetivo deste artigo é mostrar a experiência de monitores em cursos de Formação de Professores a Distância. A intenção é registrar como até este momento, pelo olhar de monitor, tais cursos contribuíram para a mudança de postura dos professores e alunos frente à tecnologia e ao papel de cada um no processo de ensino-aprendizagem. Para isso, é preciso analisar as dificuldades e avanços dos alunos nos ambientes virtuais para a formação de professores. O papel do monitor em EaD (Educação a Distância), é limitado ou ampliado de acordo com a postura do professor coordenador do curso, auxilia nas interações e colabora na avaliação dos alunos e do curso. Dependendo da autonomia do monitor ele pode interagir diretamente com os alunos e discutir estratégias com o professor coordenador. Os cursos analisados o monitor trabalhou com total liberdade de ação, já que os professores responsáveis pela turma tinham o objetivo em formar novos professores para atuarem em cursos a distância. O monitor assumiu o papel de formador e profissional em formação. Monitor e professor coordenador formam uma segunda rede colaborativa de aprendizagem, para que os alunos não se sintam desmotivados em sua participação e o monitor tenha autonomia para assumir novos cursos. Palavras chave: monitor, interação, cultura tecnológica, autonomia, afetividade

2 2 UM NOVO ESPAÇO DE APRENDIZAGEM AMBIENTES VIRTUAIS O uso do computador na educação, em cursos totalmente a distância ou em cursos onde o computador é mais uma das ferramentas de interação, tornou-se imprescindível na sociedade da informação. Na educação, apesar das dificuldades em assimilar e acompanhar mudanças - encontradas nos seus diversos níveis - despontam contribuições positivas proporcionadas pelas Tecnologia de Comunicação e Informação, e uma delas é a Educação a Distância (EaD). Esse recurso vem sendo usado para formação de professores ou em cursos universitários e de pós-graduação. Em um país com diferenças sociais gritantes, no qual grande parte da população não tem acesso ao computador, a EaD pode facilitar e amenizar problemas como a extensão territorial, o grande número de pessoas para formar e até mesmo as dificuldades de acesso às universidades para alguns alunos e professores de regiões longínquas. Com esta preocupação, alguns cursos a distância de Formação de Professores foram oferecidos pelo MEC Ministério da Educação e da Cultura, em parceria com a OEA Organização dos Estados Americanos. Relataremos, então, os programas dos quais participamos, desenvolvidos pelo Projeto de Cooperação Internacional OEA/MEC PUC-SP (especificamente a Oficina de Pesquisa e Comunicação na Internet e a Oficina de Projetos Educacionais), procurando levantar e analisar as contribuições dos mesmos, respeitadas as especificidades de cada ambiente virtual : público atendido, tempo de duração e objetivos específicos. ESPAÇOS VIRTUAIS DE FORMAÇÃO DO PROFESSOR Apontaremos alguns desafios enfrentados em nossos cursos, devido à falta de cultura virtual por parte dos alunos-professores, que tiveram seu primeiro contato com o computador durante o curso de formação. Se por um lado isso foi um elemento complicador, por outro foi uma grande conquista para todos que conseguiram chegar até o final dos cursos. Muitos resistiram

3 3 no começo, por insegurança, medo de errar e de enfrentar o novo. Por outro lado, a necessidade de participar auxiliou no rompimento do modelo tradicional de ensino, no qual o professor é o centro do ambiente de aprendizagem. A interação constante por parte do professor e monitor, estimulou o grupo a desenvolver um novo olhar diante dos desafios desse espaço desconhecido, o virtual, que exige também uma postura colaborativa e curiosa para desvendar os vários caminhos da aprendizagem em EaD. Uma dificuldade enfrentada pelo monitor no começo do curso, é a criação de vínculo com os alunos. O monitor não participa do momento presencial e sua interação é toda virtual, por isso, a confiança desse aluno com o professor coordenador é maior. Conseguir formar um espaço de afetividade durante as interações, faz parte da formação para se trabalhar nesses tipos de curso. Por isso, como foi levantado anteriormente, a linguagem e o cuidado com as trocas de mensagens são fundamentais na construção da rede colaborativa de aprendizagem. Aos poucos monitor e aluno, mediados pelo professor, rompiam com as dificuldades de comunicação e de insegurança em trabalhar e estudar em um novo espaço. Algumas características desses alunos foram se desvelando durante o curso: a ousadia e humildade em reconhecer as limitações tecnológicas, a colaboração entre participantes, saber articular e trocar informações, curiosidade para entrar e percorrer pelos caminhos (links) do curso, selecionar os espaços relativos às necessidades da tarefa, ou seja, saber usar fórum, chat e de maneira correta e com linguagem própria. A tarefa não é fácil e muitos infelizmente não conseguem romper com as barreiras impostas pelo novo, o medo da incerteza e de errar, infelizmente às vezes superam a vontade em aprender. Os espaços virtuais exigem certo domínio da escrita, já que as expressões corporal e facial não são usadas. É na escrita, então, que cada um se revela e expõe suas idéias, sentimentos e emoções, possibilitando a formação de elos afetivos e de grupos colaborativos. A troca de mensagens requer cuidado com a qualidade do texto, que precisa ser objetivo e ao mesmo tempo motivador, evitando-se interpretações

4 4 desnecessárias. Há a necessidade da organização de uma linguagem própria para os espaços virtuais. Outras características e contribuições da EaD, estão na questão do tempo e da autonomia. Este é um ponto muito importante, pois se percebe que a maioria das pessoas crê no mito de que educação a distância se encaixa em qualquer espaço do dia. Há uma crença nas facilidades proporcionadas pelo virtual, o que significa que há um equívoco no dimensionamento da atividade. A partir dessa falsa idéia, quando muitos participantes em um curso a distância, encontram dificuldades para equacionar o tempo necessário e para a realização dos trabalhos. Por vezes, o resultado dessa falta de organização leva ao descumprimento das responsabilidades exigidas, levando ao acúmulo de trabalhos e à evasão em grande número. A disponibilidade de tempo e atenção nos cursos virtuais, diz respeito aos alunos e também ao professor, na EaD a atenção é individualizada por parte do professor e monitor. Tudo fica registrado na memória do computador e podemos traçar um mapa de dificuldades, avanços e tempo despendido pelos alunos. Por outro lado o contexto dos cursos em EaD desenvolve a autonomia dos alunos na organização da sua aprendizagem, pois quanto tempo é necessário para um tipo de atividade. No ambiente virtual cada um constrói seu próprio percurso de aprendizagem. Não há como impor um tempo único para todos os alunos, e o respeito à individualidade é um pressuposto importante para o acompanhamento das atividades. Como forma de ilustrar as referências obtidas para análise e reflexão, serão apresentadas informações mais detalhadas dos dois cursos citados anteriormente. 1. Oficinas de Pesquisa e Comunicação na Internet Períodos : Oficina I: 08/11 a 17/12/01 Oficina II: 08/04 a 16/05/02 Tempo revisto para as atividades:20 horas Objetivos: - Utilizar a Internet como ferramenta de pesquisa e comunicação;

5 5 - Criar circunstâncias para a autoria, individual e/ou coletiva; - Formar um grupo de aprendizagem colaborativa; - Construir com os participantes um ambiente de aprendizagem significativo e prazeroso, que possibilite ao grupo a alegria de vencer desafios em conjunto. Ferramentas de interação: - Site criado para a Oficina, com informações sobre os objetivos, as atividades propostas e interação por meio de fóruns e contato privado com moderadores; - Contato privado com os formadores, por ; - Página do Yahoo para organização da produção da Oficina, para divulgação de comunicados, pastas e arquivos de textos, links e arquivo de fotos. Espaço destinado à publicação das produções individuais e coletivas; - Lista de discussão (participação de todos); - Listas de s por Grupo de Trabalho. O mesmo grupo trabalhou nas duas Oficinas, havendo dois formadores e dois monitores para o acompanhamento. O grupo reunia-se regularmente durante o desenrolar das Oficinas, pois a EaD era uma experiência nova para todos. Os que já tinham alguma experiência em EaD, tinham alguma experiência, ou seja, todos tinham consciência de estar fazendo e aprendendo EaD simultaneamente. As experiências entre formadores e monitores eram complementares, seja do ponto de vista técnico, seja do ponto de vista didático. A proposta de trabalho foi de reflexão permanente sobre a ação, de forma a analisar e agir com a rapidez que o curso exigia. Durante os dois percursos, algumas questões foram se destacando e ganhando importância, como: - Clareza na informação: foi percebida a necessidade da máxima clareza e objetividade possível nas informações passadas aos participantes, com o cuidado para haver espaço para interpretações equivocadas das mensagens enviadas. A qualidade da redação das mensagens era fundamental;

6 6 - Animação do moderador: o moderador tem o papel de animador do grupo. De sua atuação depende o grau de envolvimento: ele pode orientar, instigar, provocar, questionar, compartilhar. Esta posição, que era assumida ora pelo formador, ora pelo monitor, não podia deixar de existir; - Uso de ferramentas: o uso simultâneo de várias ferramentas de interação ( , listas de discussão, fóruns, chats) deve ser avaliado com muito cuidado antecipadamente. O que se quer com cada uma delas? Para quê vai servir cada uma? Comunicação bidirecional? Comunicação multidirecional? Sem a visualização prévia dos usos pretendidos, o sentido de cada ferramenta ficará difuso e seu uso disperso ou ineficiente; - Improviso e imprevisto: a comunicação virtual não tem paredes definindo seus limite. Assim, a possibilidade de surgirem situações não previstas parece ser muito grande. Não há o domínio absoluto de um script inicial, já que o ambiente permite a autoria; - Compromisso com a presença: o nível de compromisso com a presença, com a participação total nas atividades, é difícil de avaliar; parece ainda haver um impulso gerado pela vontade de participar do novo ou pela idéia de que a educação a distância dá para ser encaixada em qualquer horário disponível no dia-a-dia. O que percebemos é o contrário: educação a distância exige mais tempo de dedicação (até em função de não ter os limites espaço-tempo que a educação presencial traz), seja de professores ou de alunos. O tempo despendido parece ser muito maior do que o tempo que foi previsto. Será que quando se inscrevem em um programa de educação a distância os participantes têm essa noção? - Domínio técnico: o domínio no uso das ferramentas parece ser baixo frente à quantidade de usuários. A maioria parece ter as noções básicas de uso, o que atravanca um pouco alguns processos, exigindo mais tempo de dedicação; alguns procedimentos que parecem óbvios ou básicos precisam ser trabalhados, pois os grupos não são necessariamente homogêneos no quesito domínio técnico ; - A escrita: escrever permite uma forma diferente de expressão dos sentimentos. Pelo menos diferente de quando estamos juntos presencialmente. Muitas mensagens enviadas vêm carregadas de palavras carinhosas, como que

7 7 compensando o fato de não se estar junto fisicamente, mas criando, mesmo assim, um certo nível de intimidade. Essa intimidade permite a criação do laço afetivo; - Panelinhas virtuais: Contrapondo-se à proposta de criação de grupos colaborativos, em turmas nas quais uma parte significativa já se conhece, podem ser criadas algumas panelinhas virtuais, inibindo a participação mais ativa de um ou outro membro. Os componentes passam a trocar mensagens sobre atividades que já tiveram juntos e criam grupos fechados que acabam por desestimular os demais participantes; - Conversas de bastidores: no caso das listas de discussão, muitas mensagens particulares e sem ligação com o tema da atividade são trocadas e enviadas ao grupo todo. Isso acarreta uma grande perda de tempo para aqueles que têm de abrir as mensagens e descobrem que elas não têm utilidade e não lhes dizem respeito. Seria importante uma discussão clara sobre essa questão, pois ela auxiliará na otimização do tempo disponível para as atividades do grupo. - Tempo de acompanhamento: o tempo necessário para acompanhar uma atividade a distância com um grupo de cerca 20 pessoas é muito grande; o formador é chamado o tempo todo, pois como cada um trabalha no horário que quer ou pode, durante as 24 horas do dia, 7 dias por semana, as mensagens e solicitações podem chegar (e chegam!!) e quando não são respondidas prontamente causam uma certa angústia no aluno. É importante determinar algumas regras para esta questão, para o formador ter fôlego para o acompanhamento do curso e poder também organizar seu cotidiano. Conforme mencionamos, foram realizadas duas Oficinas de Pesquisa e Comunicação na Internet que, devido às diferenças de perfil de cada participante e do grupo como um todo, apresentaram trajetórias e movimentos diferenciados, retratados no quadro abaixo:

8 8 Quadro Comparativo Primeira Oficina Comunicação entre formadores e participantes e entre os próprios participantes ocorreu de forma satisfatória Organização das monitoras com algumas falhas por inexperiência das mesmas Ambientes variados provocando muitas formas de interação e dificultando o acompanhamento pelo pouco domínio das ferramentas Duração da oficina: muito prolongada (ampliação do tempo proposto no início) Época de desenvolvimento da Oficina não adequado (Nov/Dez), período de muitas atribuições para todos (Nov /Dez). Falta de definição prévia dos critérios para avaliação dos participantes. Tempo de atendimento, dos formadores e monitores para os participantes, não definido previamente. Estes, requisitavam esclarecimentos e orientações a qualquer dia/hora, aguardando com ansiedade e prontamente as respostas. Grupos e trabalho formados por afinidade e/ou por interesse de assunto. Houve aprendizagem colaborativa principalmente na atividade de construção de site Segunda Oficina Comunicação entre formadores e participantes satisfatória e entre os participantes insatisfatória Maior organização e acompanhamento das monitoras no decorrer das atividades desenvolvidas pelos participantes Ambientes variados provocando muitas formas de interação, com menor dificuldade no acompanhamento (maior domínio das ferramentas) Duração da oficina: respeitado o proposto no início, com pequena alteração. Época de desenvolvimento da Oficina mais adequado (Abril/Maio). Critérios pré definidos com maior clareza, em relação à avaliação das atividades propostas. Maior compromisso dos participantes em apresentar as atividades. Tempo de atendimento dos formadores e monitores dedicado ao acompanhamento definido previamente, minimizando a ansiedade dos participantes dos próprios formadores e monitores. Não aconteceram trabalhos em grupos, apenas individuais. Houve aprendizagem colaborativa no que se refere às trocas de experiências.

9 9 Número pequeno de participação efetiva até o final das atividades. Objetivos atingidos Quase em sua totalidade Número pequeno de participação efetiva até o final das atividades. Objetivos atingidos quase em sua totalidade 2. Projetos Educacionais: PROINFO / OEA / PUC-SP Professora responsável: Maria Elizabeth B. Almeida Ambiente Período de realização: Turma 1: a Turma 2: a Carga horária: 20 horas Público alvo: professores das escolas atendidas pelo Projeto OEA, pesquisadores da PUCSP, professores-multiplicadores do ProInfo OBJETIVOS Desenvolver o conceito de projeto em educação, suas distintas dimensões e características; Analisar exemplos de projetos desenvolvidos com o uso do computador; Propiciar aos alunos a proposição de projetos de trabalho em sala de aula. PROPÓSITO Esta atividade tem como propósito atender às inúmeras solicitações de educadores em relação ao significado e viabilidade do trabalho com projetos na escola com vistas a tornar alunos e professores autores e construtores ativos de conhecimento com o uso da tecnologia. CONTEÚDO Projetos educacionais: conceitos, experiências, potencialidades e novas propostas.

10 10 ATIVIDADES As atividades foram organizadas e construídas a partir do levantamento do perfil dos alunos e em função do número de alunos inscritos. Para incluir todos os alunos que se inscreveram, organizamos o curso com seis grupos, sendo cada grupo assistido por um monitor/aluno que já havia participado no ano anterior do mesmo curso. Essa experiência foi interessante porque além de preparado os futuros formadores, esses alunos puderam colaborar na construção do curso com seu olhar de aluno. 1. Familiarização com o ambiente virtual e-proinfo e apresentação dos participantes No módulo denominado espaço de integração, os participantes fizeram suas apresentações em um fórum, cujo tema é Iniciando Nossa Integração, com questões a respeito das expectativas, da origem/ história do interesse por esta atividade e uma apresentação individual aos colegas. No fórum denominado, Questões Técnicas os participantes colocaram suas dúvidas relacionadas com a parte técnica do e-proinfo e foram devidamente orientados. Na turma 2, foi incluído um fórum no qual os alunos escolhiam frases da música pela Internet, de Gilberto Gil, para representar a sua percepção sobre a participação neste seminário a distância. 2. Relatos de experiências com projetos No módulo denominado; Relatos de Experiências com projetos, os participantes foram convidados a descrever suas experiências com projetos em documento do Word ou página da Web, os quais foram disponibilizados em MATERIAL DO ALUNO, da ferramenta Biblioteca.

11 11 Ao mesmo tempo, iniciou-se a análise dessas experiências em fóruns nos quais foram explicitadas: palavras-chave que caracterizam a experiência desenvolvida; levantamento de questões sobre os projetos relatados. 3. Fundamentos No módulo Fundamentos, as experiências relatadas foram analisadas a partir de fundamentos de projetos apresentados em textos teóricos. Os fóruns foram distribuídos em três temáticas: Fundamentos: foram discutidos os aspectos das experiências de projetos relatadas que podem ter ajudado a transformar algo na instituição ou na escola Conceito de projetos: projetos em outras áreas de atividades; projetos em sala de aula; participantes na etapa de um projeto. Contexto de projetos: contribuições das TIC aos projetos. 4. Análise coletiva dos relatos de projetos Os participantes foram divididos em turmas com 5 ou 6 pessoas em cada uma e selecionaram e analisaram dois relatos utilizando textos da fundamentação teórica e responderam, em grupo, às questões propostas. O monitor transita em todos os grupos e participa diretamente das discussões, apesar de não ter tido o momento presencial, nessa fase já foi construído um vínculo de confiança com esse personagem que está mais distante do que o professor responsável. Os alunos aceitam a sua interferência e o papel de motivador é reconhecido na troca de dúvidas e pedido para comunicação por . Alguns continuaram escrevendo e trocando mensagens após a conclusão do curso.

12 12 CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE A CARACTERIZAÇÃO DOS CURSOS DE EAD Destacamos a seguir, de forma livre, ocorrências, características, obstáculos, percepções e constatações referentes aos ambientes de aprendizagem de EaD: 1) Ocorre evasão em grande número na maior parte dos cursos totalmente a distância. Há necessidade constante de animá-los a participar, para que não ocorram desistências. No ambiente virtual o aluno não se sente mais um, como na sala de aula, e espera atendimento individualizado. 2) O número de alunos deve ser compatível com o ambiente e com a dinâmica do curso, o que facilita o retorno das interações. 3) A organização do curso é importante tanto para o acompanhamento do professor como para o aluno se sentir à vontade no ambiente. Se o curso se basear em um número excessivo de textos, especialmente longos e pouco adequados ao nível de compreensão dos professores em formação, muitos deles poderão se desinteressar pelo curso, e até mesmo abandoná-lo. 4) O ambiente deve ser simples, de modo a favorecer a movimentação mais segura do aluno. Oferecer muitos espaços de interação dificulta a organização da aprendizagem, fazendo com que o aluno despenda muito tempo para situar-se no ambiente, tentando achar o local que deve ser acessado para encontrar o material, outros recursos ou atividades. 5) A caracterização de cada espaço deve ser feita logo no início do curso. É fundamental que o aluno entenda como funciona fórum, chat, lista de , etc. Sendo o ambiente virtual um espaço novo para a maioria, esse esclarecimento previne ansiedade e desânimo por parte dos alunos. 6) A EaD pode tornar- se um espaço de repetição do que vem ocorrendo na escola há décadas, reforçando uma prática de educação fordista, isto é, fragmentada, diretiva, mecânica, sem espaço para a reflexão. Ela por si só não garante as mudanças possíveis que o ambiente proporciona (autonomia, construção e registro de percursos próprios, autoria etc.). Faz-se necessária a consciência sobre os

13 13 seus recursos e possibilidades e a explicitação da intenção de uso, se quisermos avançar nas práticas pedagógicas. 7) Há um problema inicial, de cursos a distância serem vistos como uma atividade que pode ser feita a qualquer hora. Partindo deste pressuposto, tanto alunos quanto professores podem ter dificuldades no acompanhamento da atividade, pois mais do que em qualquer outra modalidade de curso, exige-se autonomia quanto à organização, horário e cumprimento de etapas. Esse é um dado positivo se os envolvidos estabelecerem uma rotina de trabalho. 8) A não linearidade de alguns ambientes virtuais de aprendizagem potencializam a autonomia do aluno, otimiza-o a percorrer caminhos outros, através dos links, que não são necessariamente os indicados pelo professor, mas construídos pelo aluno. Essa não linearidade, exige por parte do aluno-professor e do professor um dinamismo na troca de papéis e na constante construção e reconstrução do curso. 9) Os monitores após os cursos citados estavam preparados para atuar como professores coordenadores. A rede colaborativa de formação se concretizou. A EAD E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES Os profissionais em atuação, na Educação a Distância para Formação de Professores, estão construindo suas concepções e seus valores na prática. É sobretudo através do fazer, muitas vezes sem referências anteriores, que os professores refletem sobre o que é atuar em educação a distância. Nesse movimento de reflexão sobre a prática pedagógica em EaD, levantamos alguns aspectos que, ao serem analisados e discutidos, poderão contribuir para a efetivação de uma prática educacional transformadora : - ruptura com o modelo tradicional de educação: a atividade docente está fortemente arraigada ao modelo aula expositiva, no qual o professor, detentor do saber, apresenta as verdades incontestáveis aos alunos. Na EaD, é essencial a reflexão sobre conceitos como parceria, autoria, autonomia, pois são ocorrências inerentes ao próprio ambiente ;

14 14 - professor mediador, parceiro na aprendizagem: o detentor do saber tem seus dias contados. As tecnologias da informação permitem que qualquer pessoa tenha acesso a bancos de dados, instituições e profissionais em qualquer lugar do planeta. Não há mais a hierarquia rígida na construção do conhecimento, nem a linearidade que havia nesse processo. O papel de professor é o do mediador, é o daquele que auxilia o aluno (e a si próprio!) a explorar as suas potencialidades e a ultrapassar os seus limites; - quebra de resistência: o uso da tecnologia força a quebra de resistências (resistência a posturas há muito estabelecidas e a formas de trabalhar consagradas ) e a quebra do medo pelo novo ou desconhecido. É preciso enfrentar esta nova situação, pois a disseminação e o uso das tecnologias de informação já fazem parte do cotidiano da educação; - novas relações de trabalho: tempo e espaço, em EaD, são ampliados, não têm limites fixos. E o trabalho do professor? Como estabelecê-lo, quantificá-lo com justiça, já que impera a cultura do presencial na maior parte das instituições educacionais? Escrever sobre EaD, é refletir sobre a construção e reconstrução da aprendizagem virtual. Acertos e erros, planejamento e replanejamento, desafios e conquistas fazem parte nossa prática diária. Podemos ousar defender que a formação de professores em ambientes virtuais facilitaria o uso da tecnologia por parte desses mesmos professores nos programas presenciais, permitindo a expansão dos espaços de aprendizagem, a ampliação de horizontes internos e externos, o estabelecimento de novas relações professor-aluno e a revisão das metodologias conservadoras usadas no presencial. BIBLIOGRAFIA ALMEIDA, M. E. B. Tecnologia de informação e comunicação na escola: novos horizontes na produção escrita. São Paulo, (não publicado).

15 15 ALMEIDA, M. E. B. Formando professores para atuar em ambientes virtuais de aprendizagem. Paper para curso OEA DEMO, P. Educação & Conhecimento: relação necessária, insuficiente e controversa. Petrópolis, Vozes, FAZENDA, I. (org.).dicionário em construção: Interdisciplinaridade. São Paulo. Ed. Cortez, FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo, Paz e Terra, MORAES, Cândida Moraes. O Paradigma Educacional Emergente. 5ª edição. Campinas.S.P, Papirus, MAZETTO, M; MORAN,J M e BEHRENS,M. Novas Tecnologias e Mediação Pedagógica.Campinas. SP,Ed. Papirus, MORAN, José Manuel Educação inovadora presencial e a distância Artigo a ser Publicado no Boletim Técnico do SENAC, Rio de Janeiro, MORIN, Edgar. A Religação dos Saberes. O desafio do século XXI.Rio de Janeiro,Bertrand Brasil,2001. NARDI, B. A. & O Day V. L. Information Ecologies. 2ª ed. Cambridge. MIT Press PERRENOUD, P.; Paquay L.; Altet, M. e Charlier, E. Formando Professores profissionais Quais estratégias? Quais competências? Trad.Fátima Murad e Eunice Gruman. 2. ed. rev. Porto Alegre, Artmed, THURLER, Mônica Gather. Inovar no Interior da Escola.Porto Alegre. Ed. Artmed,2001. TARDIF, M.; Lenard, C. e Gauthier, C. Formação de professores e contextos sociais. Porto, Portugal, Ed. Rés, Sites: Projeto Nave: Projeto OEA/MEC-PUCSP: Ambiente do ProInfo:

Categoria: A Estratégicas e políticas. Setor Educacional: 5 Educação continuada em geral. Natureza: B Descrição de projeto em andamento

Categoria: A Estratégicas e políticas. Setor Educacional: 5 Educação continuada em geral. Natureza: B Descrição de projeto em andamento FORMAÇÃO CONTINUADA NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA EXPERIÊNCIA EM CURITIBA Maio/2007 Eloina de Fátima Gomes dos Santos Prefeitura Municipal de Curitiba eloinas@curitiba.org.br Cíntia Caldonazo

Leia mais

Gestão de tecnologias na escola

Gestão de tecnologias na escola Gestão de tecnologias na escola Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida 1 As tecnologias de informação e comunicação foram inicialmente introduzidas na educação para informatizar as atividades administrativas,

Leia mais

Tecnologia na escola: criação de redes de conhecimento

Tecnologia na escola: criação de redes de conhecimento Tecnologia na escola: criação de redes de conhecimento Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida O uso da tecnologia de informação e comunicação TIC - na escola carrega em si mesmo as contradições da sociedade

Leia mais

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Maria Elisabette Brisola Brito Prado 1 Nos últimos anos, a educação a distância via telemática ganhou uma nova dimensão,

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO 2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO Maria do Rozario Gomes da Mota Silva 1 Secretaria de Educação do

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Família

Curso de Especialização em Saúde da Família MÓDULO: FAMILIARIZAÇÃO TECNOLÓGICA COM EAD UNIDADE 03 DOCÊNCIA E TUTORIA NA EAD Prof. Msc Rômulo Martins 2.1 Introdução A Educação a Distância, por meio dos inúmeros recursos didáticos e tecnológicos,

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT 1 RESOLUÇÃO CONSU 2015 04 de 14/04/2015 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT Campus Virtual 2 A. JUSTIFICATIVA A vida universitária tem correspondido a um período cada vez mais

Leia mais

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA 11 PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA O PVANet é o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de uso exclusivo da UFV. Os AVAs apresentam diferenças de layout, forma de acesso, funcionamento,

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem

Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem Temos literatura abundante sobre comunidades de aprendizagem, sobre a aprendizagem em rede, principalmente na aprendizagem informal. A sociedade conectada

Leia mais

Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem

Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem Resumo Maria Marly de Oliveira Coelho 1 Francinete Massulo Corrêa 2 O texto em pauta tem como foco reflexões,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO DE TUTORES PARA SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA.

A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO DE TUTORES PARA SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 576 A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO DE TUTORES PARA SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA. Marilucia Ricieri, Raquel Rossan

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 A IMPORTÂNCIA DE APROPRIAR-SE DO AVEA PARA QUE OCORRA O PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 A IMPORTÂNCIA DE APROPRIAR-SE DO AVEA PARA QUE OCORRA O PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 80 ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 A IMPORTÂNCIA DE APROPRIAR-SE DO AVEA PARA QUE OCORRA O PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Luciane De Oliveira Machado 1 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

A MODALIDADE SEMIPRESENCIAL NA PERCECPÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR

A MODALIDADE SEMIPRESENCIAL NA PERCECPÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR Revista Digital Simonsen 174 Como citar: SERPA, Joyce. A modalidade semipresencial na percecpção dos alunos do ensino superior. In: Revista Digital Simonsen. Rio de Janeiro, n.3, Nov. 2015. Disponível

Leia mais

EaD como estratégia de capacitação

EaD como estratégia de capacitação EaD como estratégia de capacitação A EaD no processo Ensino Aprendizagem O desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação (tics) deu novo impulso a EaD, colocando-a em evidência na última

Leia mais

Blog e Flog como recursos de aprendizagem

Blog e Flog como recursos de aprendizagem 1 de 6 12/11/2008 20:24 Blog e Flog como recursos de aprendizagem Imprimir página Blog pedagógico: é possível visualizar um novo horizonte? Tânia Maria Moreira 1 Antes de ler este texto, pare, pense e

Leia mais

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD 1 FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD Elisangela Lunas Soares UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar elisangela.soares@unicesumar.edu.br Alvaro Martins Fernandes Junior UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar

Leia mais

Mestrandos do Curso de Pós-graduação em Educação: Currículo da PUC/SP - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Mestrandos do Curso de Pós-graduação em Educação: Currículo da PUC/SP - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Esta publicação, disponível em http://www.nied.unicamp.br/oea, foi apresentada no Congresso "Um olhar sobre Paulo Freire", Évora-Portugal (19-23/09/2000). Este artigo enfoca uma ação de formação de professores,

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Educação à distância; Informática; Metodologia.

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Educação à distância; Informática; Metodologia. 1 O PAPEL DA INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: Um Estudo de Caso no pólo UNOPAR, Machadinho do Oeste - RO Izaqueu Chaves de Oliveira 1 RESUMO O presente artigo tem por objetivo compreender a importância

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

DOCENCIA NA EAD: REFLEXÕES SOBRE O FAZER DOCENTE DA TUTORIA. Curitiba - PR - Outubro de 2014

DOCENCIA NA EAD: REFLEXÕES SOBRE O FAZER DOCENTE DA TUTORIA. Curitiba - PR - Outubro de 2014 1 DOCENCIA NA EAD: REFLEXÕES SOBRE O FAZER DOCENTE DA TUTORIA Curitiba - PR - Outubro de 2014 Fabio Maia - AVM Faculdade Integrada - fabiomaia.di@gmail.com Educação Superior Teorias e Modelos Inovação

Leia mais

Resumo. 1 - Introdução

Resumo. 1 - Introdução Este artigo, disponível em http://www.nied.unicamp.br/oea/, refere-se ao curso de construção de páginas para a Internet desenvolvida para professores, realizado por pesquisadores da PUCSP em 2000, junto

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E SEU PLANEJAMENTO

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E SEU PLANEJAMENTO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E SEU PLANEJAMENTO Curso de Formação de Profissionais para Atuarem no Ensino a Distância Autor: Marilaine Oliveira Casonatti Porto Alegre, Fevereiro de 2012. Introdução Veremos que

Leia mais

FORMAÇÃO DE ORIENTADORES DE APRENDIZAGEM VIA WEB. Osasco, maio de 2009

FORMAÇÃO DE ORIENTADORES DE APRENDIZAGEM VIA WEB. Osasco, maio de 2009 1 FORMAÇÃO DE ORIENTADORES DE APRENDIZAGEM VIA WEB Osasco, maio de 2009 Márcia Risso Gaino Fundação Bradesco - mgaino@fundacaobradesco.org.br Acácio Lopes da Silva Fundação Bradesco alopes@fundacaobradesco.org.br

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA DOCENTES UNIVERSITÁRIOS 1 FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima Universidade Estadual de Goiás e Universidade Federal de Goiás Juliana Guimarães

Leia mais

A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO E O PROCESSO DE INTERAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO E O PROCESSO DE INTERAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 13 A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO E O PROCESSO DE INTERAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Marcia Maria Previato de Souza Professora do Centro Universitário de Maringá PR marciapreviato@cesumar.br João Luiz Gasparin

Leia mais

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA por Anelise Pereira Sihler é Pedagoga, Especialista em Gestão de Pessoas, Gestão Educacional, Educação a Distância, Educação colaborativa, Relações Humanas, mestre

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa, a mediação pedagógica na educação a distância no acompanhamento virtual dos tutores

Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa, a mediação pedagógica na educação a distância no acompanhamento virtual dos tutores Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa, a mediação pedagógica na educação a distância no acompanhamento virtual dos tutores Caracterização do problema: No ano de 2006, o Ministério da Saúde e as Secretarias

Leia mais

Autor Equipe do moodlebrasil.net Copyright Creative Commons Edição Setembro 2008. Guia do Aluno Online. Abril 2008 2

Autor Equipe do moodlebrasil.net Copyright Creative Commons Edição Setembro 2008. Guia do Aluno Online. Abril 2008 2 Guia do aluno Título Autor Equipe do moodlebrasil.net Copyright Creative Commons Edição Setembro 2008 Abril 2008 2 Índice 1. Introdução... 4 2. Metodologia... 4 3. Aulas online... 5 4. A avaliação... 5

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS Lourdes Helena Rodrigues dos Santos - UFPEL/F/AE/PPGE Resumo: O presente estudo pretende compartilhar algumas descobertas,

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ Selma Andrade de Paula Bedaque 1 - UFRN RESUMO Este artigo relata o desenvolvimento do trabalho de formação de educadores

Leia mais

Palavras chaves: Formação Continuada, religação dos saberes, aprendizagem, ética.

Palavras chaves: Formação Continuada, religação dos saberes, aprendizagem, ética. 1 EDUCAÇÃO, SAÚDE E CULTURA: RELIGANDO SABERES NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE DOCENTES E GESTORES MUNICIPAIS. Amélia Carmelita Gurgel dos Anjos Ana Claudia Gouveia Sousa Gleuba Regina L. Rodrigues Maria do

Leia mais

* As disciplinas por ocasião do curso, serão ofertadas aos alunos em uma sequência didática.

* As disciplinas por ocasião do curso, serão ofertadas aos alunos em uma sequência didática. MATRIZ CURRICULAR* Disciplina CH Integração 20 Planejamento e Gestão em Educação a Distância 40 Cultura Virtual, Pensamento e Construção do Conhecimento na Educação a Distância 40 Noções de Gestão de Projetos

Leia mais

EM BUSCA DA MELHORIA DA QUALIDADE DA INTERAÇÃO ASSÍNCRONA: SNAPP OS SEUS FÓRUNS

EM BUSCA DA MELHORIA DA QUALIDADE DA INTERAÇÃO ASSÍNCRONA: SNAPP OS SEUS FÓRUNS EM BUSCA DA MELHORIA DA QUALIDADE DA INTERAÇÃO ASSÍNCRONA: SNAPP OS SEUS FÓRUNS Brasília, maio de 2012 Iara Carneiro Tabosa Pena - Universidade de Brasília (iarapena@yahoo.com.br) Wilsa Maria Ramos Universidade

Leia mais

MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA

MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA SANTOS, Jéssica Paula. UFG/REGIONAL/CATALÃO jessica-g-ts@hotmail.com SANTOS, Marina da Silva. UFG/REGIONAL/CATALÃO marinaavlis@hotmail.com Orientador: Dr.ª

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE DO PROFESSOR TUTOR NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

O TRABALHO DOCENTE DO PROFESSOR TUTOR NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA Resumo O TRABALHO DOCENTE DO PROFESSOR TUTOR NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA Alecia Saldanha Manara- UNISC- gringamanara@yahoo.com.br Indiara Freitas- UNISC- indi.enfa@hotmail.com As novas tecnologias, principalmente

Leia mais

A tutoria na Educação a Distância

A tutoria na Educação a Distância XII Workshop NPT em Educação a Distância A tutoria na Educação a Distância AMALI DE ANGELIS MUSSI UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA UEFS 06 de novembro de 2015 TUTORIA... QUANDO PENSAMOS EM PRÁTICAS

Leia mais

O CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA DA UFPB VIRTUAL E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO

O CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA DA UFPB VIRTUAL E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO O CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA DA UFPB VIRTUAL E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO Clebiana Dantas Calixto clebianageo@hotmail.com (Autora e professora da Educação Básica)

Leia mais

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática Rosangela Ferreira Prestes Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões DECET 1 / GEMEP

Leia mais

MANUAL DO ALUNO 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVOS 3. ACESSO AO CURSO. Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD!

MANUAL DO ALUNO 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVOS 3. ACESSO AO CURSO. Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD! MANUAL DO ALUNO MANUAL DO ALUNO Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD! 1. APRESENTAÇÃO Preparado pela equipe da Coordenadoria de Educação Aberta e a Distância (CEAD) da Universidade

Leia mais

Gestão escolar: revendo conceitos

Gestão escolar: revendo conceitos Gestão escolar: revendo conceitos Myrtes Alonso É um equívoco pensar que o desempenho da escola se expressa apenas nos resultados da aprendizagem obtidos nas disciplinas e que é fruto exclusivo do trabalho

Leia mais

IMERSÃO TECNOLÓGICA DE PROFESSORES: POSSIBILIDADES DE FORMAÇÃO CONTINUADA MEDIADA POR AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA

IMERSÃO TECNOLÓGICA DE PROFESSORES: POSSIBILIDADES DE FORMAÇÃO CONTINUADA MEDIADA POR AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA IMERSÃO TECNOLÓGICA DE PROFESSORES: POSSIBILIDADES DE FORMAÇÃO CONTINUADA MEDIADA POR AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA QUARESMA, Cíndia Rosa Toniazzo 1 Palavras-chave: Formação de Professores,

Leia mais

Mudanças de atitudes e de concepções e o papel das tecnologias da informação e comunicação

Mudanças de atitudes e de concepções e o papel das tecnologias da informação e comunicação Mudanças de atitudes e de concepções e o papel das tecnologias da informação e comunicação Lígia Cristina Bada Rubim [ligiarubim@uol.com.br] Maria Elisabette Brisola Brito Prado [beprado@terra.com.br]

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Pedagogia de Projetos: fundamentos e implicações PRADO, Maria Elisabette Brisola Brito. Pedagogia de projetos: fundamentos e implicações. In: ALMEIDA, Maria Elizabeth

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Sumário Apresentação O papel do Aluno Ambiente Virtual de Aprendizagem Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Dúvidas 3 5 6 9 10 11 14

Leia mais

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DOCENTE: SUBSÍDIOS PARA UMA REFLEXÃO

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DOCENTE: SUBSÍDIOS PARA UMA REFLEXÃO TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DOCENTE: SUBSÍDIOS PARA UMA REFLEXÃO Monique da Silva de Araujo UNESA monique_msa@yahoo.com.br Daniela Punaro Baratta de Faria UNESA daniela.punaro@gmail.com

Leia mais

RESOLUÇÃO N 262, de 03 de outubro de 2001.

RESOLUÇÃO N 262, de 03 de outubro de 2001. RESOLUÇÃO N 262, de 03 de outubro de 2001. Estabelece normas para a organização e funcionamento de cursos de Educação a Distância no Sistema Estadual de Ensino do Estado do Rio Grande do Sul. O Conselho

Leia mais

MEMORIAL REFLEXIVO. Ana Teresa Scanfella Fabrícia Cristina Paulo Karina Teodoro Renata Pierini Ramos

MEMORIAL REFLEXIVO. Ana Teresa Scanfella Fabrícia Cristina Paulo Karina Teodoro Renata Pierini Ramos MEMORIAL REFLEXIVO Indisciplina: tema tratado/discutido pela comunidade escolar em um espaço virtual (blog) desenvolvido pelas formadoras de uma escola na periferia do município de São Carlos. Ana Teresa

Leia mais

Prof.ª Dr.ª do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Prof.ª Dr.ª do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TICs) NO CONTEXTO DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL (UAB) E O CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (UFSM) AVINIO, Carina

Leia mais

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Idalise Bernardo Bagé 1 GD6- Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação

Leia mais

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006).

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006). 1 FORMAÇÃO E AÇÃO DO DOCENTE ONLINE RODRIGUES, Tatiana Claro dos Santos UNESA taticlaro@globo.com GT-16: Educação e Comunicação Agência Financiadora: CAPES Introdução As tecnologias da informação e comunicação

Leia mais

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araujo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande (UFCG CCTA Pombal) jliedja@hotmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA, ARTES VISUAIS E INTERDISCIPLINARIDADE: UM DIÁLOGO POSSÍVEL

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA, ARTES VISUAIS E INTERDISCIPLINARIDADE: UM DIÁLOGO POSSÍVEL EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA, ARTES VISUAIS E INTERDISCIPLINARIDADE: UM DIÁLOGO POSSÍVEL Michelle Ferreira de Oliveira FAV/UFG Formação e profissionalização docente Painel Uma questão recorrente nos espaços institucionais

Leia mais

Palestras e Cursos da Área Pedagógica

Palestras e Cursos da Área Pedagógica Portfólio Palestras e Cursos da Área Pedagógica Pedagogia dos Projetos Construir um cenário para demonstrar que os projetos podem ser uma solução e não um serviço a mais para o professor. Enfatizar a necessidade

Leia mais

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Resumo Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Silvia Maria de

Leia mais

Uso do Tablet Educacional na Formação Continuada de Professores modalidade EAD e desenvolvimento de Projetos Interdisciplinares

Uso do Tablet Educacional na Formação Continuada de Professores modalidade EAD e desenvolvimento de Projetos Interdisciplinares Uso do Tablet Educacional na Formação Continuada de Professores modalidade EAD e desenvolvimento de Projetos Interdisciplinares Mara Regina Rosa Radaelli Núcleo de Tecnologia Educacional NTE Cruz Alta,

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Andréa Tonini José Luiz Padilha Damilano Vera Lucia Marostega Universidade Federal de Santa Maria RS RESUMO A UFSM vem ofertando Cursos de Formação

Leia mais

1 O USO DA INTERNET NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA BALADELI, Ana Paula Domingos 1 ALTOÉ, Anair 2

1 O USO DA INTERNET NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA BALADELI, Ana Paula Domingos 1 ALTOÉ, Anair 2 1 O USO DA INTERNET NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA BALADELI, Ana Paula Domingos 1 ALTOÉ, Anair 2 INTRODUÇÃO O presente trabalho tem o objetivo de apresentar os resultados preliminares

Leia mais

FAÇA PARTE DESSE GRUPO MANUAL DO TUTOR

FAÇA PARTE DESSE GRUPO MANUAL DO TUTOR FAÇA PARTE DESSE GRUPO MANUAL DO TUTOR MANUAL DO TUTOR EAD Facinter SUMÁRIO Assuntos 1. Introdução 2. O que é o tutor na Facinter Páginas 04 05 3. A importância do trabalho do tutor no processo de educação

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

Desenho didático para cursos online

Desenho didático para cursos online Desenho didático para cursos online Edméa Santos Professora da UERJ Professora-tutora do PROGED/ISP/UFBA E-mail: mea2@uol.com.br Site: www.docenciaonline.pro.br/moodle Que é cibercultura? Educação online:

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

O TUTOR NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E REDES COLABORATIVAS DE APRENDIZAGEM

O TUTOR NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E REDES COLABORATIVAS DE APRENDIZAGEM 1156 O TUTOR NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E REDES COLABORATIVAS DE APRENDIZAGEM Márcia Aparecida Barbosa Mestranda em Educação da Universidade Estadual Paulista UNESP. E-mail: marciatashiro@gamil.com RESUMO

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PINTO 1,SIMONE P; VIANNA 2,DEISE M. 1 Programa de Pós Graduação em Ensino de Biociências e Saúde. Instituto Oswaldo Cruz. 2 Instituto de Física. Universidade

Leia mais

A Prática Educativa na EAD

A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD Experiências na tutoria em EAD Disciplina de Informática Educativa do curso de Pedagogia da Ufal nos pólos de Xingó, Viçosa e São José da Laje (2002-2004).

Leia mais

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Ana Paula Loureiro Cunha, PUCPR Eliani de Souza Arruda, PUCPR Marilda Aparecida Behrens,

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O PAPEL DOCENTE: PRESSUPOSTOS E PARADIGMAS

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O PAPEL DOCENTE: PRESSUPOSTOS E PARADIGMAS EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O PAPEL DOCENTE: PRESSUPOSTOS E PARADIGMAS Introdução Marcos Antônio de Carvalho Rosa (FCA) A educação é parte integrante do processo de formação do ser humano, contribuindo para

Leia mais

A narrativa como instrumento de interação na modalidade de EAD

A narrativa como instrumento de interação na modalidade de EAD A narrativa como instrumento de interação na modalidade de EAD Neusa Teresinha Bohnen (UNITINS) 1. Considerações iniciais Aprender uma Língua Estrangeira (LE) assume um caráter mais importante em tempos

Leia mais

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg.

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg. CURSO DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS ON-LINE: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás

Leia mais

TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO E DA INFORMAÇÃO: novos desafios para o educador

TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO E DA INFORMAÇÃO: novos desafios para o educador TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO E DA INFORMAÇÃO: novos desafios para o educador Maceió AL, maio/2009 Luis Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas lpmercado@oi.com.br Categoria: B- Conteúdos e

Leia mais

Artigo enviado em maio, 2005 131-TC-A5. Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida 1 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Bethalmeida@pucsp.

Artigo enviado em maio, 2005 131-TC-A5. Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida 1 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Bethalmeida@pucsp. 1 A FORMAÇÃO DE GESTORES PARA A INCORPORAÇÃO DE TECNOLOGIAS NA ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DE EAD COM FOCO NA REALIDADE DA ESCOLA, EM PROCESSOS INTERATIVOS E ATENDIMENTO EM LARGA ESCALA Artigo enviado em maio,

Leia mais

Eixo Temático: Processos de Ensino-Aprendizagem

Eixo Temático: Processos de Ensino-Aprendizagem 91 Eixo Temático: Processos de Ensino-Aprendizagem ET-06-015 INFLUÊNCIA DA MONTAGEM DE UM JOGO DIDÁTICO DO SISTEMA DIGESTÓRIO PARA A MELHORIA NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM Jéssica Maria Bernardo da Silva,

Leia mais

PLATAFORMA WIGGIO E ENSINO DE LÍNGUAS: UMA PROPOSTA DE INTERAÇÃO NO AMBIENTE VIRTUAL. LOPES, Limerce Ferreira

PLATAFORMA WIGGIO E ENSINO DE LÍNGUAS: UMA PROPOSTA DE INTERAÇÃO NO AMBIENTE VIRTUAL. LOPES, Limerce Ferreira 1 Resumo PLATAFORMA WIGGIO E ENSINO DE LÍNGUAS: UMA PROPOSTA DE INTERAÇÃO NO AMBIENTE VIRTUAL LOPES, Limerce Ferreira Mestre em Letras e Linguística, Instituto Federal de Goiás/Câmpus Goiânia, limercelopes@hotmail.com

Leia mais

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE Mayara Teles Viveiros de Lira (UFAL) Maria Helena de Melo Aragão (UFAL) Luis Paulo Leopoldo Mercado (UFAL) Resumo Este estudo analisa

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO A DISTÂNCIA SECADI/UFC AULA 02: EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA TÓPICO 03: CARACTERÍSTICAS DO ENSINO A DISTÂNCIA VERSÃO TEXTUAL Antes de iniciar este curso, você deve ter refletido bastante sobre

Leia mais

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Suzana Aparecida Portes FC UNESP- Bauru/SP E-mail: suzanaapportes@gmail.com Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani FC UNESP- Bauru/SP E-mail:

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Oficina on-line - Abordagens Pedagógicas Interativas

Oficina on-line - Abordagens Pedagógicas Interativas 1 Oficina on-line - Abordagens Pedagógicas Interativas 04/2005 153-TC-C5 Profa. Wanderlucy Czeszak Universidade Anhembi Morumbi (wanderlucy@anhembi.br) Fernanda Furuno Universidade Anhembi Morumbi (fernanda@anhembi.br)

Leia mais

A EAD NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO TOCANTINS

A EAD NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO TOCANTINS Introdução A EAD NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO TOCANTINS Ângela Noleto da Silva angelanoleto@uft.edu.br Darlene Araújo Gomes lenegomes20@yahoo.com.br Kátia Cristina Custódio Ferreira Brito katiacristina@uft.edu.br

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Como se trabalha com projetos ALMEIDA, Maria Elizabeth. Como se trabalha com projetos. Revista TV Escola, [S.l.], n. 22, p. 35-38, 2001. Entrevista concedida a Cláudio

Leia mais

Tecnologias e formação a distância de gestores escolares

Tecnologias e formação a distância de gestores escolares Tecnologias e formação a distância de gestores escolares Myrtes Alonso 1 Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida 2 Resumo: A formação de gestores escolares apresenta-se como um desafio que precisa ser enfrentado

Leia mais

Palavras chaves: Formação de professores. Prática inovadora. Planejamento docente.

Palavras chaves: Formação de professores. Prática inovadora. Planejamento docente. REPENSANDO O PLANEJAMENTO DIDÁTICO PARA UMA PRÁTICA INOVADORA EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DOCENTE. Cecilia Gaeta Universidade Federal de São Paulo UNIFESP (professora convidada) Martha Prata-Linhares Universidade

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP São Paulo - SP - maio 2011 Rita Maria Lino Tarcia, Universidade Federal

Leia mais

3º ECOM.EDU Encontro de Comunicação e Educação de Ponta Grossa O TUTOR NA EAD: QUEM É E O QUE FAZ.

3º ECOM.EDU Encontro de Comunicação e Educação de Ponta Grossa O TUTOR NA EAD: QUEM É E O QUE FAZ. 223 3º ECOM.EDU Encontro de Comunicação e Educação de Ponta Grossa O TUTOR NA EAD: QUEM É E O QUE FAZ. Andréia Bulaty 70 GT2: Mídia e Educação à Distância Modalidade: Pôster Resumo: O presente trabalho

Leia mais

Educação virtual em Freire:

Educação virtual em Freire: Educação virtual em Freire: autonomia na relação alunoprofessor Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida Bethalmeida@pucsp.br Programa de Pós-Graduação em Educação: Currículo Departamento de Ciência da Computação

Leia mais

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE Cleide Aparecida Carvalho Rodrigues 1 Resumo A proposta para a realização do SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE surgiu durante uma das atividades do Grupo de Estudos de Novas Tecnologias

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DOS RECURSOS DISPONÍVEIS EM AMBIENTES VIRTUAIS DE ENSINO PARA A PRÁTICA AVALIATIVA. Recife, 05/2009.

CONTRIBUIÇÕES DOS RECURSOS DISPONÍVEIS EM AMBIENTES VIRTUAIS DE ENSINO PARA A PRÁTICA AVALIATIVA. Recife, 05/2009. 1 CONTRIBUIÇÕES DOS RECURSOS DISPONÍVEIS EM AMBIENTES VIRTUAIS DE ENSINO PARA A PRÁTICA AVALIATIVA Recife, 05/2009. Sandra da Silva Santos UFPE sandrinhasss@uol.com.br Categoria: Pesquisa e Avaliação Setor

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

INTERNET COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA: uma experiência de capacitação de professores

INTERNET COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA: uma experiência de capacitação de professores INTERNET COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA: uma experiência de capacitação de professores PADILHA, Maria Auxiliadora Soares, Faculdades Integradas da Vitória de Santo Antão Vitória de Santo Antão, PE apadilha@faintvisa.com.br

Leia mais