C O N S U L T A P Ú B L I C A

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "C O N S U L T A P Ú B L I C A"

Transcrição

1 C O N S U L T A P Ú B L I C A VA L I D A Ç Ã O D A E S P E C I F I C A Ç ÃO T É C N I C A E L E VA N T A M E N T O DE P R E Ç O S P A R A A Q U I S I Ç Ã O DE R O T E A D O R E S C A R R I E R E T H E R N E T OUTUBRO / 2013 RFI / RFP - Espec.Tec. Roteador Carrier Ethernet - ver 1.0 (20/10/2013 ) PRODEMGE/GTE 1 / 28

2 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. INTRODUÇÃO Este docum ento apresenta os requis itos técnicos e de serviç os para o fornecim ento, instalação, suporte e m anutenção para AQUISIÇÃO de Roteadores Carrier Ethernet com função de elemento agregador no backbone MP LS da Rede IP Multisserviços do Governo de Minas Gerais. A oferta da PROPO NENTE deverá atender integralm ente aos requis itos técnic os detalhados no anex o Especific ação Técnica, aos requis itos de serviç os, prazos, docum entação e níveis de atendim ento det alhados no anexo Condições Gerais de Contratação e preencher a tabela de prec ificação, de acordo c om o anexo Tabela de Prec ificação. Qualquer dúvida deve ser dirigida à gerência de com pras da CONTRATANTE, e -mail: com ge.gov.br OBJETO Apresentaç ão de proposta para fornec imento, instalaç ão, suporte e m anutenção de Roteadores Carrier Ethernet. Serão adquiridos 02 (dois) Roteadores de acordo com as caracterís tic as técnicas e requis itos gerais relacio nados nes te docum ento. RFI / RFP - Espec.Tec. Roteador Carrier Ethernet - ver 1.0 (20/10/2013 ) PRODEMGE/GTE 2 / 28

3 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ANEXO II ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATAÇÃO RFI / RFP - Espec.Tec. Roteador Carrier Ethernet - ver 1.0 (20/10/2013 ) PRODEMGE/GTE 3 / 28

4 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA RFI / RFP - Espec.Tec. Roteador Carrier Ethernet - ver 1.0 (20/10/2013 ) PRODEMGE/GTE 4 / 28

5 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E REQUISITOS GERAIS Serão adquiridos 2 (dois) Roteadores Carrier Ethernet com função de elemento agregador no backbone MPLS da Rede IP Multisserviços do Governo do Estado de Minas Gerais, com as características técnicas e requisitos gerais relacionados neste documento. Cada um dos Roteadores fornecidos deverá atender individualmente à integralidade dos requisitos exigidos. Todas as funcionalidades descritas nesta especificação devem ser fornecidas ativas e licenciadas para USO imediato pela CONTRATANTE. Poderão ser tratadas como exceções aquelas funcionalidades que a CONTRATANTE explicitamente indicar serem objetos de contratações futuras CARACTERÍSTICAS GERAIS a) Tanto o sistema operacional quanto o hardware (envolve todos os componentes físicos incorporados) deverão ser de um único fabricante; b) Obrigatoriamente o sistema operacional deverá ser modular, não permitindo a fragmentação de memória. Deverá possuir separação dos planos de controle e encaminhamento (Control Plane e Data Plane). Deverá ser entregue a última versão do sistema operacional. Não serão admitidos sistemas operacionais monolíticos; c) O sistema operacional deverá suportar a atualização parcial dos módulos que o compõem, isto é, não será necessária a sua atualização total diante da disponibilidade de atualizações em um determinado módulo do sistema operacional; d) A placa processadora principal incorporada na plataforma deverá conter o máximo de memória RAM possível, evitando necessidade de upgrades; e) O plano de encaminhamento (Packet Forward Engine) deverá ser executado exclusivamente em hardware dedicado e distribuído para essa finalidade; f) Tanto o hardware como o software devem possuir Switching Performance / Routing Performance / Label Swaping Performance com recursos IPv4 e IPv6 (Dual Stack); g) Deve possuir, pelo menos, uma porta USB e/ou PCMCIA e/ou Compact Flash, e por meio desta porta ser possível carregar e instalar o sistema operacional; h) Deve possuir uma memória flash interna (compact flash, disk/nand) de forma a armazenar cópias do sistema operacional, configurações, arquivos de recuperação rápida do sistema/equipamento, além de logs gerados pelo sistema operacional e informações de atividades de resolução de problemas como debugs e core dump; i) Deve possuir memória com capacidade suficiente para armazenar, no mínimo, uma nova versão de sistema operacional que tenha o tamanho de duas vezes o sistema operacional na versão atual, atendendo simultaneamente a todas as funcionalidades exigidas nesta especificação; j) O sistema operacional deverá ter a capacidade de armazenar localmente no equipamento, além da configuração atual, pelo menos 40 configurações salvas, de forma que o operador do equipamento, a seu critério, possa escolher e recarregar as configurações anteriores e ativa-las (rollback de configuração); RFI / RFP - Espec.Tec. Roteador Carrier Ethernet - ver 1.0 (20/10/2013 ) PRODEMGE/GTE 5 / 28

6 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA k) Deve possuir mecanismo de rollback automático, com tempo estipulado para o retorno da configuração prévia caso não seja confirmada a alteração de configuração; l) Deve possuir padronização NEBS-compliance (Network Equipment Building System); m) Deve possuir Certificado de Homologação na Anatel; 1.2. CAPACIDADE, DESEMPENHO E INTERFACES a) Deverá ser capaz de comutar 80 Gigabits por segundo de tráfego full-duplex, ou o equivalente a 160 Gigabits comutados por segundo de tráfego Half-duplex. Será considerado o montante de tráfego entrante e sainte de cada uma das portas físicas definidas a seguir, operando na capacidade máxima; b) Deverá ser possível a configuração de endereçamento IP diretamente nas interfaces definidas a seguir, tornando cada interface um ambiente de roteamento independente, e também a configuração de interfaces VLAN, e posteriormente o aprovisionamento em múltiplas portas, também sob referência ao item 1.2 subitem g; c) Deve possuir taxa de encaminhamento de pacotes mínima de 55 Mpps ( cinquenta e cinco milhões de pacotes por segundo), obrigatoriamente baseada em hardware, para IPv4 e IPv6; d) O equipamento fornecido deverá ser modular, possibilitando a inserção de módulos de interface nos padrões 10GE e 1GE; e) O equipamento deverá possuir 04 (quatro) portas de 10GE; f) O equipamento deverá possuir 40 (quarenta) portas de 1GE; g) As interfaces obrigatoriamente deverão estar populadas, com os seguintes componentes: 04 x 10GE XFP ou SFP+; 20 x 1GE SFP-SX; 20 x 1GE SFP-TP. h) As interfaces deverão estar em condições de operar segundo os seguintes padrões: IEEE BASE-T; IEEE 802.3ab BASE-T; IEEE 802.3ae - 10GBASE-SR; IEEE 802.3u - 100BASE-TX; IEEE 802.3z BASE-SX, 1000BASE-LX. i) Deverá ser possível a inserção futura de módulo interface STM-1/OC-3 POS, sem a necessidade de troca do equipamento, ou hardware, ou feature do sistema operacional; j) Deve suportar instâncias L3VPN; k) Deve suportar endereços MAC; l) Deve suportar rotas unicast em IPv4; m) Deve suportar rotas unicast em IPv6; RFI / RFP - Espec.Tec. Roteador Carrier Ethernet - ver 1.0 (20/10/2013 ) PRODEMGE/GTE 6 / 28

7 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA n) O equipamento não deverá apresentar degradação de desempenho quando features de ACL (filtros de segurança até a camada 4), de QoS (marcação e priorização) e diretivas MPLS forem ativadas; o) Deve possuir suporte para Ethernet OAM (Operations, Administration, and Maintenance), abrangendo as definições de LFM (Link Fault Management) e de CFM (Connectivity Fault Management); p) Deve possuir suporte para CFM (Connectivity Fault Management) em portas de interface pertencentes a uma instância VPLS; q) Deve possuir protocolo de proteção de redes Metro Ethernet baseadas em VLAN no padrão EAPS (Ethernet Automatic Protection Swiching). Devem prover proteção de arquitetura linear de 1+1 e 1:1; r) Deve possuir mecanismos de alta disponibilidade para ambiente de roteamento para alto desempenho em backbone: Non Stop Forwarding (NSF); Fast Re-Route (FRR); Gracefull Restart (GR) em BGP, OSPF e LDP. s) Deve possuir, pelo menos, os seguintes mecanismos de controle de tráfego: Traffic Policing; Traffic Shaping; Priority Queuing. t) Deve possuir mecanismos de roteamento baseado em políticas (Policy Based Routing); u) Deve possuir mecanismos de Unicast Reverse Path Forwarding (URPF, RFC 3704); v) Deve possuir a capacidade de tratar pelo menos 6 rotas estáticas e/ou default para o mesmo destino, de forma a balancear o tráfego sem a necessidade de protocolos de roteamento dinâmicos; w) Deve possuir os métodos de sincronismo Synch-E, UART, para o recurso Synchronization and Precise Timing Mechanisms ; 1.3. PROTOCOLOS E PADRÕES a) Os equipamentos fornecidos devem atender e possuir os seguintes padrões IEEE e IETF: IEEE 802.1ad Q-in-Q; IEEE 802.1ag Service Layer OAM; IEEE 802.1ah Provider Backbone Bridges; IEEE 802.1AX-2008 Link Aggregation; IEEE 802.1D MAC Bridges; IEEE 802.1p Priority; IEEE 802.1Q (GVRP); IEEE 802.1s (MSTP); IEEE 802.1v VLAN classification by Protocol and Port; IEEE 802.1w Rapid Reconfiguration of Spanning Tree; IEEE 802.3ac (VLAN Tagging Extension); RFI / RFP - Espec.Tec. Roteador Carrier Ethernet - ver 1.0 (20/10/2013 ) PRODEMGE/GTE 7 / 28

8 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA IEEE 802.3ad Link Aggregation (LAG); IEEE 802.3ad Link Aggregation Control Protocol (LACP); IEEE 802.3ag Ethernet OAM; IEEE 802.3ah Ethernet in First Mile over Point to Point Fiber EFMF; IEEE 802.3x Flow Control; RFC User Datagram Protocol (UDP); RFC 791 Internet protocol (IP); RFC Internet control message protocol (ICMP); RFC Transmission control protocol (TCP); RFC An Ethernet Address Resolution Protocol; RFC A Standard for the Transmission of IP Datagrams over Ethernet Networks; RFC Using ARP to Implement Transparent Subnet Gateways; RFC Use of OSI IS-IS for routing in TCP/IP and dual environments; RFC Generic Routing Encapsulation (GRE); RFC Definition of the Differentiated Services Field in the IPv4 and IPv6 Headers; RFC An Architecture for Differentiated Services; RFC Assured Forwarding PHB Group; RFC An Expedited Forwarding PHB; RFC A Two Rate Three Color Marker; RFC Routing Information Protocol (RIP); RFC A Simple Network Management Protocol (SNMP); RFC ICMP Router Discovery Messages; RFC Classless Inter-Domain Routing (CIDR); RFC Requirements for IP Version 4 Routers; RFC OSPF Version 2 Management Information Base; RFC BGP Communities Attribute; RFC Internet Group Management Protocol, Version 2; RFC OSPF Version 2; RFC Graceful OSPF Restart; RFC VRRP; RFC Protocol Independent Multicast-Sparse Mode (PIM-SM); RFC The OSPF Opaque LSA Option; RFC Protection of BGP Sessions via the TCP MD5 Signature Option; RFC BGP Route Flap Damping; RFC RIPv2; RFC Layer Two Tunneling Protocol L2TP; RFC BGP Route Reflection - An Alternative to Full Mesh IBGP; RFC Remote Network Monitoring Management Information Base; RFC Route Refresh Capability for BGP-4; RFC Traditional IP Network Address Translator (Traditional NAT); RFC Multiprotocol Label Switching Architecture; RFC MPLS Label Stack Encoding; RFC LDP Specification; RFC Traffic Engineering (TE) Extensions to OSPF Version 2; RFC Graceful Restart Mechanism for Label Distribution Protocol; RFC Multi-Protocol Label Switching (MPLS) Support of Differentiated Services; RFC RSVP-TE: Extensions to RSVP for LSP Tunnels; RFC BGP/MPLS IP Virtual Private Networks (VPNs); RFC BGP Route Reflection: An Alternative to Full Mesh Internal BGP (IBGP); RFI / RFP - Espec.Tec. Roteador Carrier Ethernet - ver 1.0 (20/10/2013 ) PRODEMGE/GTE 8 / 28

9 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA RFC OSPF as the Provider/Customer Edge Protocol for BGP/MPLS IP Virtual Private Networks (VPNs); RFC Graceful Restart Mechanism for BGP; RFC Graceful Restart Mechanism for BGP with MPLS; RFC Virtual Private LAN Service (VPLS) using BGP for Auto-Discovery and Signaling; RFC Virtual Private LAN Service (VPLS) using Label Distribution Protocol (LDP) Signaling; RFC Virtual Router Redundancy Protocol (VRRP) Version 3 for IPv4 and IPv6; RFC Neighbor Discovery for IP Version 6 (IPv6); RFC IPv6 Stateless Address Autoconfiguration; RFC Internet Control Message Protocol (ICMPv6); RFC Use of BGP-4 Multiprotocol Extensions for IPv6 Inter-Domain Routing; RFC OSPF for IPv6; RFC Internet Protocol Version 6 (IPv6) Addressing Architecture; RFC Multicast Listener Discovery Version 2 (MLDv2) for IPv6; RFC IPv6 Global Unicast Address Format; RFC Protocol Independent Multicast - Sparse Mode (PIM-SM); RFC Protocol Independent Multicast - Dense Mode (PIM-DM); RFC Internet Group Management Protocol, Version 3; RFC IP Encapsulation within IP; RFC Generic Packet Tunneling in IPv6 Specification; RFC IP in IP Tunneling; Internet draft draft-ietf-isis-ipv Routing IPv6 with IS-IS - IETF Tools; Internet draft draft-rosen-vpn-mcast-07.txt - Multicast in MPLS/BGP VPNs; Internet draft draft-ietf-l3vpn-2547bis-mcast-10.txt - Multicast in MPLS/BGP IP VPNs; Internet draft draft-ietf-l3vpn-2547bis-mcast-bgp-08.txt - BGP Encodings and Procedures for Multicast in MPLS/BGP IP VPNs. b) Deve suportar os protocolos SSHv1/2 e Telnet para acesso à administração do equipamento, tanto quanto os protocolos FTP, TFTP e SCP para transferência de arquivos de configuração e/ou arquivos de logs armazenadas no equipamento; c) Deve possuir protocolo de autenticação, para controle do acesso administrativo ao equipamento, que possua pelo menos as seguintes características: Programar mecanismos de AAA (Authentication, Authorization e Accounting). Criptografar todos os pacotes enviados ao servidor de controle de acesso. Permitir controlar quais comandos os usuários ou grupos de usuários podem emitir em determinados elementos de rede. Utilizar o protocolo TCP para prover maior confiabilidade ao tráfego dos pacotes envolvidos no controle administrativo. Registrar os comandos executados por um dado usuário e as eventuais tentativas não autorizadas de execução de comandos (accounting). Autenticação via Radius ou Tacacs/Tacacs+; d) Deve possuir administração e configuração através de interface de linha de comando (CLI) com pelos menos dois níveis administrativos, sendo que no nível avançado será possível travar o direito de alteração de configurações quando outros usuários com perfil de administrador acessar o equipamento; RFI / RFP - Espec.Tec. Roteador Carrier Ethernet - ver 1.0 (20/10/2013 ) PRODEMGE/GTE 9 / 28

10 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA e) Deve possuir o protocolo de gerenciamento SNMPv1/2/3, MIB-II, para gerência do equipamento e nativamente 2 grupos RMON (Alarms e Events) conforme RFC 1757; f) Deve possuir uma porta de console para o gerenciamento no padrão RS-232, com conector RJ-45 ou DB-9 e interface específica para gerência no padrão FastEthernet (fora da banda); g) Deve possuir a capacidade de geração de sflow ou flow proprietário para IPv4, com suporte ao monitoramento dos links agregados ao equipamento. A operação não deverá causar nenhum impacto na performance do processador central; h) Deve possuir recursos de Object Tracking para identificação de Delay, Jitter, continuidade fim a fim e perdas de pacotes envolvendo os protocos ICMP, HTTP, UDP e TCP. Também será possível definir thresholds para alertas via SNMP trap e/ou armazenamento de logs no equipamento; i) Deve possuir o protocolo SNTP (Simple Network Time Protocol), em conformidade com o padrão RFC 2030 ou RFC Simple Network Time Protocol (SNTP) Version 4 for IPv4, IPv6 and OSI, ou ao protocolo NTP (Network Time Protocol); 1.4. QUALIDADE DE SERVIÇO (QOS) a) Deve possuir QoS para classificação de tráfego, marcação e remarcação do campo TOS do IPv4 e Experimental bits MPLS. A classificação deverá ser capaz de identificar protocolos, palyload-type e selecionar pacotes através de listas de acesso. As diretivas de inspeção/policiadores deverão ser aplicadas em cada interface nos sentidos de entrada e saída referenciado as filas de QoS; b) Deve possuir a marcação de tráfego baseado no campo DiffServ (Differentiated Services), conforme RFC Definition of the Differentiated Services Field (DS Field) in the IPv4 and IPv6 Headers e An Architecture for Differentiated Service; c) Deve possuir a classificação, marcação e remarcação baseadas em CoS ( Class of Service nível 2) e DSCP ( Differentiated Services Code Point - nível 3); d) Deve possuir no hardware dos módulos de interface, pelo menos 8 filas de QoS por porta com no mínimo 2 filas priority queue; e) Deve suportar a priorização de tráfego por tipo de protocolo e por serviços da pilha TCP/IP e DSCP. Suportar Traffic Policing, Traffic Shaping e Priority Queuing; f) Deve possuir mecanismos de QoS WRR (Weighted Round Robin) e WRED (Weighted Random Early Detection); g) Deve possuir a facilidade de priorização de tráfego através do protocolo IEEE 802.1p. RFI / RFP - Espec.Tec. Roteador Carrier Ethernet - ver 1.0 (20/10/2013 ) PRODEMGE/GTE 10 / 28

11 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1.5. DIMENSÕES E CARACTERÍSTICAS FÍSICAS GERAIS a) Deverá ser de chassi modular e possuir dimensões e acessórios que possibilitem sua fixação em rack padrão de 19" (dezenove polegadas). b) Possuir no máximo 2 RUs (duas unidades de rack) de altura. c) Tensão, com chaveamento automático: 100 ~ 240 VAC d) Freqüência/alimentação: 50/60 Hz e) Temperatura (faixa de operação): 5º a 40º C f) Possuir, no mínimo, 2 (duas) fontes hot swap internas redundantes. Cada fonte deverá ter sua tomada de alimentação independente, a fim de permitir sua conexão a circuitos elétricos distintos. Em caso de queda de uma fonte, as demais deverão manter todo equipamento em operação, com todas as portas ativas contratadas. g) Suportar balanceamento de carga entre as fontes de alimentação redundantes. h) Possuir cabo de alimentação para a fonte com, no mínimo 1.80m (um metro e oitenta centímetros) de comprimento. Os conectores do tipo macho, para a alimentação elétrica dos equipamentos, deverão ser fornecidos no novo padrão brasileiro, tripolar 3x0,75mm, NBR 14136, 10A. i) Possuir ventiladores redundantes, hot swap. Em caso de queda de um componente, os demais deverão manter todo equipamento em operação, com todas as portas ativas contratadas DEMAIS CONDIÇÕES a) A instalação física e customização de diretivas, bem como atualização do sistema operacional, adequação de funcionalidades, ativação de licenças de software, tunning, etc, deverão ser de responsabilidade do fornecedor; b) O suporte técnico deve ser na língua portuguesa com especialistas do fabricante ou fornecedor contendo certificação avançada na plataforma licitada (Service Provider). O suporte deverá ser prestado no ambiente PRODEMGE, MG, BH, Lourdes - Rua da Bahia O suporte poderá ser executado remotamente (acesso remoto) ou em conferência, mas, somente através do consenso da equipe técnica PRODEMGE; c) Todos os equipamentos devem ser novos, sem prévia utilização, não remanufaturados e não recondicionados; d) Os modelos ofertados devem estar em linha de fabricação até a data de publicação deste edital. RFI / RFP - Espec.Tec. Roteador Carrier Ethernet - ver 1.0 (20/10/2013 ) PRODEMGE/GTE 11 / 28

12 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 2. ADJUDICAÇÃO A PROPONENTE classificada em primeiro lugar no processo licitatório deverá apresentar, para adjudicação, documentação comprovando os requisitos técnicos ofertados e, caso seja necessário, à critério da CONTRATANTE, realizar testes de bancada, nas instalações da CONTRATANTE, para comprovação do funcionamento do equipamento DOCUMENTAÇÃO A PROPONENTE classificada em primeiro lugar no processo licitatório deverá apresentar, para adjudicação do pregão, as informações e documentos abaixo relacionados: a) Atestado de entidade pública ou privada declarando que ela já forneceu produtos e serviços compatíveis com o objeto desse edital. b) Relação de todos os componentes de ofertados neste processo licitatório, com o detalhamento de suas características técnicas e capacidade de expansão. c) Documentação impressa, em meio eletrônico ou site, publicada pelo fabricante dos produtos ofertados, que comprovem, inequivocamente (com informação de endereço Internet ou manual em PDF, identificação do documento e página) o atendimento de todos os requisitos exigidos nesta Especificação Técnica. d) Declaração informando que durante o período de GARANTIA, a assistência técnica dos equipamentos será de sua inteira responsabilidade, incluindo todos os custos correspondentes. e) Na declaração do item anterior também deverá constar que a assistência será prestada por empresa autorizada pelo fabricante, seja a própria LICITANTE ou outra empresa. Neste caso deverá ser informado o nome da autorizada. f) Declaração concordando com todos os requisitos definidos para este edital HOMOLOGAÇÃO a) A, solução proposta deverá ser instalada e configurada conforme padrões a serem estabelecidos em reunião de kick-off entre a CONTRATANTE e a PROPONENTE, a ser realizada em até 3 dias úteis após a data do pregão. b) Estas ações deverão contemplar, no mínimo, as seguintes atividades: i. Instalação e configuração dos componentes da solução. ii. Testes de funcionalidades da solução, em especial a instalação, configuração e uso das funcionalidades detalhadas nos requisitos deste edital, para comprovação dos mesmos. iii. A PROPONENTE deverá manter pelo menos um técnico nas instalações da CONTRATANTE durante os testes, em horário comercial. c) Caberá à CONTRATANTE acompanhar a PROPONENTE durante a homologação. RFI / RFP - Espec.Tec. Roteador Carrier Ethernet - ver 1.0 (20/10/2013 ) PRODEMGE/GTE 12 / 28

13 Condições Gerais de Contratação CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATAÇÃO RFI / RFP - Espec.Tec. Roteador Carrier Ethernet - ver 1.0 (20/10/2013 ) PRODEMGE/GTE 13 / 28

14 Condições Gerais de Contratação 1. NÍVEIS DE SERVIÇO 1.1. DEFINIÇÕES E CONDIÇÕES GERAIS A PRO PONENTE deverá m anter todos com ponentes da solução fornecida com um índice de disponibilidade anual m ínim o de 99% (noventa e nove por cento), apurados m ensalm ente, desconsiderando as parad as planejadas e erros de configuração oc asionados pela CONTRATANTE Paradas planejadas são m anutenções previam ente agendadas entre a PRO PO NENTE e a CONTRATANT E para m anutenções na solução proposta Estas paralisações devem ser solicitadas com um m ínim o de 20 (vinte) dias úteis de antec edênc ia Para apuração do Índice de Disponibilidade da soluç ão e Tem po de Atendim ento para s olução de problem as, os cham ados s ão c lassificados em 4 (quatro) Níveis de Severidade, de ac ordo com a Tabela a seguir: Severidade 1 Escopo Um problema que tenha um impacto crítico na capacidade da CONTRATANTE em manter sua infraestrutura ativa. Um número significativo de usuários do sistema e/ou da rede é incapaz de executar adequadamente as suas tarefas. O sistema e/ou a rede estão inoperantes ou severamente degradados. 2 Um problema que tenha um impacto na capacidade da CONTRATANTE em manter sua infraestrutura ativa, cuja severidade seja significativa, porém não crítica, e que possa ser de natureza repetitiva. O funcionamento do sistema, da rede ou do produto é afetado, mas o desempenho não foi severamente degradado. 3 Um problema que não cause impacto na capacidade da CONTRATANTE em manter sua infraestrutura ativa. 4 Não é um problema e sim suporte para ajustes ou otimizações. TABELA 1 NÍVEIS DE SEVERIDADE Um cham ado som ente será considerado contingenc iado ou conc luído com o aceite da CO NTRATANTE Soluç ão de Contingênc ia ou de Contorno é um a solução tem porária para um problem a que nã o elim ina a sua causa raiz. Esta soluç ão restabelec e a dis ponibilidade do am biente, possibilitando ass im a ex ecução plena de suas funç ões originais, m antendo o m esm o nível de desem penho anterior ao problem a Para os problem as classificados com o de severida de 1 (um ), a assistênc ia técnica s erá prestada em regim e 24x 7x365 (rem ota ou on - site), com atendim ento em até 2 (duas) horas c orridas após o registro do c ham ado. RFI / RFP - Espec.Tec. Roteador Carrier Ethernet - ver 1.0 (20/10/2013 ) PRODEMGE/GTE 14 / 28

15 Condições Gerais de Contratação Caso o problem a não tenha s ido contingenciado após 4 (quatro) horas corridas, a partir do registro do cham ado, o suporte téc nico deverá ser on-site e a solução de contingência não poderá ultrapassar 6 (s eis) horas corridas, após o registro do cham ado Para os problem as classificados com o severidade 2 (dois), a assistência técnica s erá prestada em r egim e 24x 7x365 (rem ota ou on - site), com atendim ento em até 2 (duas) horas c orridas após o registro do c ham ado Caso o problem a não tenha sido contingenc iado após 6 (seis) horas c orridas, a partir do regis tro do c ham ado, a ass istência técnica deverá ser on -site e a soluç ão de contingênc ia não poderá ultrapassar 8 (oito) horas corridas, após o registro do cham ado Para os cham ados c lassificados c om o severidade 3 (três), a assistência técnica s erá prestada em horário com ercial, em regim e 8 x 5 (rem ota), com atendim ento em até 4 (quatro) horas úteis após o registro do cham ado A PROPO NENTE terá, no m áxim o, 40 (quarenta) horas úteis, após o registro do cham ado, para im plantar um a solução de contingência Para os c ham ados c lassificados c om o severidade 4 (quatro), a assistênc ia técnica s erá prestada em horário com ercial, em regim e 8 x 5 (rem ota), com atendim ento em até 4 (quatro) horas úteis após o registro do cham ado A PROPO NENTE terá, no m áxim o, 15 dias corridos para responder ao c ham ado, após o seu registro Para problem as de hardware, a soluç ão definitiva não poderá ultrapassar 45 (quarenta e cinco) dias corridos e para software, 3 (três) m eses O descum prim ento de qualquer um dos indicadores supracitados acarretará na aplicação de m ulta de ac ordo com a legisla ção em vigor Não será aceito, pela CONTRATANTE, a c obrança de eventuais diferenças vinculadas a questões trabalhistas, tais com o férias, horas extras, sobreavis o, etc. Adicionalm ente, todos os gas tos provenientes de des locam ento, es tadia e alim entação, ca s o sejam necessários, já deverão estar incluídos no preço final da proposta. RFI / RFP - Espec.Tec. Roteador Carrier Ethernet - ver 1.0 (20/10/2013 ) PRODEMGE/GTE 15 / 28

16 Condições Gerais de Contratação 1.2. INDICADORES DE Q UALIDADE Disponibilidade da SO LUÇÃO IDMS Índice de Disponibilidade Mensal da SOLUÇÃO Atributo Descrição Objetivo Valor Percentual de tempo, durante o período de um mês de apuração, em que todos os PRODUTOS da SOLUÇÃO, permaneçam em condições normais de funcionamento, com os todos os recursos e funcionalidades contratados. Garantir uma disponibilidade minimamente aceitável da SOLUÇÃO PROPONENTE. Meta 99% Periodicidade Unidade de Representação Forma de Cálculo Mensal Valor percentual IDMS = ( ( DR + IJ ) / DP ) x 100 onde: DR = Disponibilidade real no mês de apuração, em horas IJ = Indisponibilidade justificada no mês de apuração, em horas DP = Disponibilidade prevista no mês de apuração, em horas = 24 x (número de dias no mês de apuração) Obs.: A indisponibilidade justificada decorre de: Paradas acordadas entre as partes; Motivos de força maior (ex. desabamento, enchentes, etc.). Mecanismo de Medição e Gestão Proporcionalização do Pagamento O mecanismo de medição e a forma de gestão deste indicador estão descrito no item GESTÃO DOS NÍVEIS DE SERVIÇO deste anexo. Meta não atingida implicará em desconto no valor do pagamento mensal, pela CONTRATANTE, do serviço correspondente ou da garantia contratual especificada neste edital, caso o serviço correspondente tenha sido, de alguma forma, quitado pela CONTRATANTE antecipadamente. O desconto total será calculado aplicando acumulativamente o desconto referente a cada indicador de qualidade especificado neste item e aplicável no período de apuração correspondente. Considera-se a seguinte tabela para o cálculo do desconto referente a este indicador de qualidade: - Sem desconto, se 99% ICSP 100% - Desconto de 5%, se 95% ICSP < 99% - Desconto de 10%, se 90% ICSP < 95% - Desconto de 15%, se 85% ICSP < 90% - Desconto de 20%, se ICSP < 85% RFI / RFP - Espec.Tec. Roteador Carrier Ethernet - ver 1.0 (20/10/2013 ) PRODEMGE/GTE 16 / 28

17 Condições Gerais de Contratação Prazo de Atendim ento da MANUTENÇÃO E SUPORTE TÉCNICO ICSP Índice de CHAMADOS solucionados no prazo previsto Atributo Descrição Objetivo Valor Percentual de CHAMADOS solucionados, pela CONTRATANTE, no prazo previsto, em relação a todos os CHAMADOS efetuados durante o período de apuração. Reduzir os atrasos nas resolução de problemas, defeitos e no esclarecimento de dúvidas e questionamentos técnicos pela PROPONENTE. Meta 95% Periodicidade Unidade de Representação Forma de Cálculo Mecanismo de Medição e Gestão Proporcionalização do Pagamento Mensal Valor percentual ICSP = (TCP / TC ) x 100 onde: TCP = Total de chamados SOLUCIONADOS dentro do prazo máximo definido neste edital, durante o período de apuração. TC = Total de chamados ABERTOS durante o período de apuração. O mecanismo de medição e a forma de gestão deste indicador estão descrito no item GESTÃO DOS NÍVEIS DE SERVIÇO deste anexo. Meta não atingida implicará em desconto no valor do pagamento mensal, pela CONTRATANTE, do serviço correspondente ou da garantia contratual especificada neste edital, caso o serviço correspondente tenha sido, de alguma forma, quitado pela CONTRATANTE antecipadamente. O desconto total será calculado aplicando acumulativamente o desconto referente a cada indicador de qualidade especificado neste item e aplicável no período de apuração correspondente. Considera-se a seguinte tabela para o cálculo do desconto referente a este indicador de qualidade: - Sem desconto, se 95% ICSP 100% - Desconto de 5%, se 90% ICSP < 95% - Desconto de 10%, se 85% ICSP < 90% - Desconto de 15%, se 80% ICSP < 85% - Desconto de 20%, se ICSP < 80% RFI / RFP - Espec.Tec. Roteador Carrier Ethernet - ver 1.0 (20/10/2013 ) PRODEMGE/GTE 17 / 28

18 Condições Gerais de Contratação Eficác ia da MANUTENÇÃO E SUPO RTE TÉCNICO ICSD Índice de CHAMADOS Solucionados Definitivamente Atributo Descrição Objetivo Valor Percentual de CHAMADOS solucionados de forma definitiva pela PROPONENTE em relação a todos os CHAMADOS efetuados, durante o período de apuração. Reduzir o número de reincidências nos CHAMADOS abertos pela CONTRATANTE pela mesma causa raiz. Meta 95% Periodicidade Unidade de Representação Forma de Cálculo Mecanismo de Medição e Gestão Proporcionalização do Pagamento Observação Trimestral Valor percentual ICSD = (TCP / TC ) x 100 onde: TCD = Total de chamados SOLUCIONADOS sem reincidência no período de apuração. TC = Total de chamados ABERTOS durante o período de apuração. O mecanismo de medição e a forma de gestão deste indicador estão descrito no item GESTÃO DOS NÍVEIS DE SERVIÇO deste anexo. Não será aplicado nenhum tipo de desconto de pagamentos à PROPONENTE, no caso de descumprimento da meta. Porém a CONTRATANTE se reserva o direito de aplicar as penalidades previstas na legislação vigente. Meta não atingida implicará em desconto no valor do pagamento mensal, pela CONTRATANTE, do serviço correspondente ou da garantia contratual especificada neste edital, caso o serviço correspondente tenha sido, de alguma forma, quitado pela CONTRATANTE antecipadamente. O desconto total será calculado aplicando acumulativamente o desconto referente a cada indicador de qualidade especificado neste item e aplicável no período de apuração correspondente. Considera-se a seguinte tabela para o cálculo do desconto referente a este indicador de qualidade: - Sem desconto, se 95% ICSP 100% - Desconto de 5%, se 90% ICSP < 95% - Desconto de 10%, se 85% ICSP < 90% - Desconto de 15%, se 80% ICSP < 85% - Desconto de 20%, se ICSP < 80% RFI / RFP - Espec.Tec. Roteador Carrier Ethernet - ver 1.0 (20/10/2013 ) PRODEMGE/GTE 18 / 28

19 Condições Gerais de Contratação 1.3. GESTÃO DO S NÍVEIS DE SERVIÇO Pelo m enos um dos seguintes m ec anism os deve ser dis ponibilizado pela PRO PONENTE para ABERTURA (REG ISTRO) de CHAMADO S: telefone, m ensagem eletrônica (e -m ail), s ítio na Internet No cas o de ligaç ões telefônicas, o núm ero para c ontato para a abertura/registro de CHAMADO S deverá s er únic o p ara todos os m ódulos, com ponentes e funcionalidades da SOLUÇÃO Na ABERTURA (REGISTRO) dos CHAMADO S, a CO NTRATANTE irá com unicar, via m ensagem eletrônic a (e -m ail), à PRO PONENTE as seguintes inform ações: Data e hora de abertura do CHAMADO. Código alfanumérico de identificação do CHAMADO. Descrição do CHAMADO. Nível de Severidade do CHAMADO. Identificação (nome completo e matrícula) do solicitante da CONTRATANTE. Identificação do atendente da PROPONENTE Caso o CHAMADO tenha s ido aberto via ligação tele fônica, a PRO PONENTE deverá confirm ar, via m ensagem eletrônica (e -m ail), a ABERTURA (REGISTRO) do CHAMADO, incluindo as seguintes inform ações: Código alfanumérico de identificação do CHAMADO. Data e hora de início do ATENDIMENTO. Descrição do serviço a executar. Identificação do responsável pelo serviço a executar O CONTIGENCIAMENTO do CHAMADO será confirm ado através do ac eite pela CONTRATANTE na ordem de serviç o (OS) c orrespondente, desde que inc lus o as seguintes inform ações: Código alfanumérico de identificação do CHAMADO. Data e hora de conclusão do contingenciamento. Descrição detalhada do serviço executado A CONCLUSÃO definitiva do CHAMADO será confirm ada através do aceite pela CONTRATANTE na ordem de serviç o (OS) c orrespondente, desde que inc lus o as seguintes inform ações: Código alfanumérico de identificação do CHAMADO. Data e hora de conclusão do serviço executado. Descrição detalhada do serviço executado A CO NTRATANTE deverá elaborar e enviar à PRO PONENTE até o 5º (quinto) dia útil do m ês, o R ELATÓRIO DE APURAÇÃO DE NÍVEIS DE SERVIÇO, conform e o m o delo apres entado no Anex o Modelos de Docum entos deste edital. RFI / RFP - Espec.Tec. Roteador Carrier Ethernet - ver 1.0 (20/10/2013 ) PRODEMGE/GTE 19 / 28

20 Condições Gerais de Contratação Neste relatório s erão apresentados os resultados referentes a todos os INDICADORES DE Q UALIDADE cujo período de apuração se encerra no m ês que precede à data de sua em issão Caso não ocorra nenhum CHAMADO no período de apuração, a em issão deste relatório será dis pensada, cons iderando, neste caso, que todos os INDICADORES DE Q UALIDADE alc anç aram a m eta prevista Durante o período de garantia, a CO NTRATANTE deverá ter a opção de abrir cham ado de suporte técnico diretam ente ao fabricante dos equipam entos, através de c entral de atendim ento 0800 no Bras il, durante os 7 dias da sem ana, 24 horas por dia (24x 7), inc lus ive em feriados A PROPO NENTE deverá ter ac esso direto à base de dados de conhecim ento do fabricante dos equipam entos. Base esta que contenha inform ações, orientações e ass istência para instalação, des instalação, configuraç ão e atualização de firm ware e software, aplicaç ão de correções, diagnósticos, avaliaç ões e res olução de problem as e dem ais atividades relacionadas à correta operação e func ionam ento dos equipam entos. 2. DOCUMENTAÇÃO PARA ASSINATURA DO CONTRATO A PRO PONENTE venc edora deverá apresentar na assinatura do c ontrato: 2.1. Catálogos, pros pec tos e outros doc um entos que contenham as especific ações técnicas relativas aos produtos ofertados Todas as exigências para as instalações fís icas e c aracterísticas dos equipam entos propostos contendo pelo m enos: Dim ensões e peso dos m ódulos Características elétric as de func ionam ento (tens ão, frequênc ia, c orrente e tipo de conector) Especific ação do tipo de refrigeraç ão, dissipação de calor, volum e de ar necess ário à refrigeração, tem peratura de trabalho e um idade relativa do ar Área necessária para instalação das m áquinas e outros recursos especiais necess ários (Ex.: linha telefônica, ac esso lógico, rede) A doc um entaç ão deverá ser fornec ida im pressa ou em m ídia DVD/CD, em idiom a Português ou Inglês, contendo orientações para a configuração e operação do produto fornecido. Entregar pelo m enos 1 (um a) m ídia ou docum entação im pressa por c ontrato efetivado. RFI / RFP - Espec.Tec. Roteador Carrier Ethernet - ver 1.0 (20/10/2013 ) PRODEMGE/GTE 20 / 28

CARACTERÍSTICAS GERAIS. Com função de elemento agregador no backbone MPLS da Rede IP Multisserviços;

CARACTERÍSTICAS GERAIS. Com função de elemento agregador no backbone MPLS da Rede IP Multisserviços; Roteador Carrier Ethernet CARACTERÍSTICAS GERAIS Com função de elemento agregador no backbone MPLS da Rede IP Multisserviços; Tanto o sistema operacional quanto o hardware (envolve todos os componentes

Leia mais

SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots. 1.2. - Controle

SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots. 1.2. - Controle SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots 1.1.1. Deve possuir no mínimo 06 slots para inserção de módulos de I/O, ou seja, 06 além dos slots para supervisoras; 1.1.2. Deve vir acompanhado de kit de suporte específico

Leia mais

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA 1.UNIDADE REQUISITANTE: ETICE 2. DO OBJETO: ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA 2.1. Registro de preços para futuras e eventuais aquisições de EQUIPAMENTOS DE REDE CORPORATIVOS ( SWITCHS e ACESSÓRIOS), todos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Item I Switch Tipo 1 10/100 Mbps Layer 2 24 Portas

TERMO DE REFERÊNCIA. Item I Switch Tipo 1 10/100 Mbps Layer 2 24 Portas TERMO DE REFERÊNCIA Item I Switch Tipo 1 10/100 Mbps Layer 2 24 Portas Deve ser montável em rack padrão EIA 19 (dezenove polegadas) e possuir kits completos para instalação; Deve possuir, no mínimo, 24

Leia mais

SWITCH DE BORDA CAMADA 2 24 PORTAS GIGABIT RJ-45 SEM POE E 2 PORTAS 10 GIGABITS PARA FIBRA. Subitem Característica Especificação Exigência

SWITCH DE BORDA CAMADA 2 24 PORTAS GIGABIT RJ-45 SEM POE E 2 PORTAS 10 GIGABITS PARA FIBRA. Subitem Característica Especificação Exigência SWITCH DE BORDA CAMADA 2 24 PORTAS GIGABIT RJ-45 SEM POE E 2 PORTAS 10 GIGABITS PARA FIBRA Subitem Característica Especificação Exigência CONEXÕES DESEMPENHO 1.1 Portas RJ-45 1.2 Portas GBIC 1.3 Autoconfiguraçã

Leia mais

Switch Central de Grande Porte

Switch Central de Grande Porte Switch Central de Grande Porte GERAL 1. Estrutura de chassi modular, para instalação em gabinete padrão EIA 19, e kit completo de instalação. Os equipamentos ofertados deverão vir acompanhados de kits

Leia mais

Switch de Borda - 48 portas de 1 Gbps

Switch de Borda - 48 portas de 1 Gbps CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA Switch de Borda - 48 portas de 1 Gbps Especificações Técnicas Característica/Configurações/Requisitos mínimos: Descrição do Material Switch

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. implantação e conectividade da rede de dados da EBSERH. 3 Módulo e cabo stack para switch de borda 12

TERMO DE REFERÊNCIA. implantação e conectividade da rede de dados da EBSERH. 3 Módulo e cabo stack para switch de borda 12 TERMO DE REFERÊNCIA I DEFINIÇÃO DO OBJETO O presente Projeto Básico tem por objeto a aquisição de equipamentos para implantação e conectividade da rede de dados da EBSERH. ITEM DESCRIÇÃO QUANTIDADE 1 Switch

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Nº 004/2013 PROJETO: AQUISIÇÃO DE SWITCHES DE NÚCLEO, DISTRIBUIÇÃO E ACESSO

CONSULTA PÚBLICA Nº 004/2013 PROJETO: AQUISIÇÃO DE SWITCHES DE NÚCLEO, DISTRIBUIÇÃO E ACESSO CONSULTA PÚBLICA Nº 004/2013 PROJETO: AQUISIÇÃO DE SWITCHES DE NÚCLEO, DISTRIBUIÇÃO E ACESSO ESCLARECIMENTOS AOS QUESTIONAMENTOS APRESENTADOS PELAS EMPRESAS INTERESSADAS País: BRASIL Nome do Projeto: PLANO

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. HARDWARE DO APPLIANCE

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. HARDWARE DO APPLIANCE Aquisição de Solução de Criptografia para Backbone da Rede da Dataprev ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. HARDWARE DO APPLIANCE 1.1 Cada appliance deverá ser instalado em rack de 19 (dezenove) polegadas

Leia mais

Especificaça o Te cnica

Especificaça o Te cnica Especificaça o Te cnica Esta especificação técnica tem como objetivo possibilitar a implantação da infraestrutura de rede lógica (nível de acesso) na nova sede da DME Distribuição. A solução deverá ser

Leia mais

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch Fast Ethernet com as seguintes configurações mínimas: capacidade de operação em camada 2 do modelo OSI; 24 (vinte e quatro) portas

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Especificação de Referência Switch de Borda Alguns itens apresentam opções de configuração, refletindo nos aspectos originais de preço e características da máquina Código do Material Descrição do Material

Leia mais

1. LOTE 1 SWITCH REDE OPTICA

1. LOTE 1 SWITCH REDE OPTICA 1. LOTE 1 SWITCH REDE OPTICA Switch de 10 portas, Quantidade unidades. 1.1.1. Deve ser montável em rack padrão EIA 19 (dezenove polegadas) e possuir kits completos para instalação e deve ocupar uma unidade

Leia mais

Por ser uma funcionalidade comum a diversos switches de mercado, sugerimos adicionar os seguintes requisitos:

Por ser uma funcionalidade comum a diversos switches de mercado, sugerimos adicionar os seguintes requisitos: ((TITULO))ATA DA CONSULTA PÚBLICA N.º 10/2014 (PERGUNTAS E RESPOSTAS) A ATA REGISTRO PREÇOS FUTURA E EVENTUAL AQUISIÇÃO SWITCH ÓPTICA E SWITCH BORDA A ADMINISTRAÇÃO DIRETA E INDIRETA DO MUNICÍPIO SÃO PAULO

Leia mais

Switch com mínimo de 24 portas 10/100Mbps (Ethernet/Fast- Ethernet) ou velocidade superior em conectores RJ45 - POE

Switch com mínimo de 24 portas 10/100Mbps (Ethernet/Fast- Ethernet) ou velocidade superior em conectores RJ45 - POE Switch com mínimo de 24 portas 10/100Mbps (Ethernet/Fast- Ethernet) ou velocidade superior em conectores RJ45 - POE Especificações Técnicas Mínimas: 1. O equipamento deve ter gabinete único para montagem

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Switch Tipo 1: Switch fast-ethernet 24 portas FE 100BASE-TX, 2 portas 1GbE 1000BASE-T, 2 portas 1GbE SFP;

TERMO DE REFERÊNCIA. Switch Tipo 1: Switch fast-ethernet 24 portas FE 100BASE-TX, 2 portas 1GbE 1000BASE-T, 2 portas 1GbE SFP; TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO Fornecimento de Switches, Módulos transceiver e Cordões Óticos. LOTE 1 Item Descrição 1.1 Switch Tipo 1: Switch fast-ethernet 24 portas FE 100BASE-TX, 2 portas 1GbE 1000BASE-T,

Leia mais

PEDIDO DE COTAÇÃO - ANEXO I

PEDIDO DE COTAÇÃO - ANEXO I Folha: 0001 001 111586 Nobreak Senoidal de Dupla Conversão de no mínimo 3.0 KVa 1. Todos os equipamentos deverão ser novos de primeiro uso e estar na linha de produção atual do fabricante; 2. A garantia

Leia mais

E S P E C I F I C A Ç Ã O T É C N I C A A P P L I A N C E A P P L I C AT I O N D E L I V E R Y - S W I T C H N I V E L 7 -

E S P E C I F I C A Ç Ã O T É C N I C A A P P L I A N C E A P P L I C AT I O N D E L I V E R Y - S W I T C H N I V E L 7 - E S P E C I F I C A Ç Ã O T É C N I C A A P P L I A N C E A P P L I C AT I O N D E L I V E R Y - S W I T C H N I V E L 7 - FEVEREIRO / 2013 INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO Este documento apresenta os requisitos

Leia mais

C O N S U LTA P Ú B L I C A

C O N S U LTA P Ú B L I C A Introdução E S P E C I F I C A Ç ÃO T É C N I C A C O N S U LTA P Ú B L I C A V A L I D A Ç Ã O D A E S P E C I F I C A Ç Ã O T É C N I C A E L E V A N T A M E N T O D E P R E Ç O S P A R A A Q U I S I

Leia mais

INTERNET Edital de Licitação. Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007

INTERNET Edital de Licitação. Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007 INTERNET Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007 Anexo I - página 1 Índice 1. OBJETIVO... 3 2. VISÃO GERAL DO ESCOPO DO SERVIÇO... 3 3. ENDEREÇOS

Leia mais

Construção do Fórum Da Comarca de RIO LARGO - AL

Construção do Fórum Da Comarca de RIO LARGO - AL REFERENTE: CONTRUÇÃO DO FÓRUM DE RIO LARGO -AL Construção do Fórum Da Comarca de RIO LARGO - AL ESPECIFICAÇÕES PARA AQUISIÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Especificação SWITCH DE 24 PORTAS

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Switch de borda L3 com 48 portas, sendo 2 portas de 10Gbps

Switch de borda L3 com 48 portas, sendo 2 portas de 10Gbps Switch de borda L3 com 48 portas, sendo 2 portas de 10Gbps ARQUITETURA 1. Permitir instalação em gabinete de 19" (dezenove polegadas). 2. LEDs de identificação de atividades de status do sistema, de cada

Leia mais

Especificação de Referência Switch de Acesso I

Especificação de Referência Switch de Acesso I 1 Especificação de Referência Switch de Acesso I Código do Objeto Descrição do Objeto Aplicação do Objeto Data da Especificação de Referência Validade da Especificação de Referência AC0000045 Switch de

Leia mais

Aditamento nº 01 Pregão Eletrônico nº 15/01526 Objeto: CELESC DISTRIBUIÇÃO S/A - Aquisição de Ativos de Rede. Data: 04/05/2015

Aditamento nº 01 Pregão Eletrônico nº 15/01526 Objeto: CELESC DISTRIBUIÇÃO S/A - Aquisição de Ativos de Rede. Data: 04/05/2015 Aditamento nº 01 Pregão Eletrônico nº 15/01526 Objeto: CELESC DISTRIBUIÇÃO S/A - Aquisição de Ativos de Rede. Data: 04/05/2015 1. Por meio deste aditamento, inserimos o Anexo I Especificações Técnicas.

Leia mais

ANEXO 5 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX

ANEXO 5 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX ANEXO 5 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS, PROCEDIMENTOS DE TESTES E PARÂMETROS DE QUALIDADE 1. PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS 1.1 As Partes observarão

Leia mais

Expansão da rede local do CSS Equipamentos para Blocos do Sesc/DN

Expansão da rede local do CSS Equipamentos para Blocos do Sesc/DN Expansão da rede local do CSS Equipamentos para Blocos do Sesc/DN Objeto: Aquisição de infraestrutura de Tecnologia da Informação (TI) para expansão da rede loca do CSS (aumento de pontos de rede) em atendimento

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES. 2.6. Possibilidade de prover serviço de hospedagem para DNS secundário.

ESPECIFICAÇÕES. 2.6. Possibilidade de prover serviço de hospedagem para DNS secundário. 1 1. OBJETO ESPECIFICAÇÕES Contratação de serviços de telecomunicações para implementação, operação e manutenção de um circuito de acesso, síncrono, dedicado à Internet, na velocidade de 6Mbps, com disponibilidade

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 009/2012

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 009/2012 Anexo I TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 009/2012 1 DO OBJETO 1.1 - Fornecimento de solução avançada de backup desduplicado, com serviços de assistência técnica e capacitação, visando a integração

Leia mais

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Introdução ao MPLS Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Algar Telecom 60 anos de atuação Mais de 1,5 mil associados Mais de 1 milhão de clientes Companhia de capital aberto* Backbone 13 mil km de rede óptica

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA ANÁLISE DO TRÁFEGO DE REDE

CONTRATAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA ANÁLISE DO TRÁFEGO DE REDE CONTRATAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA ANÁLISE DO TRÁFEGO DE REDE Março / 2014 Solução para Análise do Tráfego de Rede (Março/2014 ) 1 / 41 1. INTRODUÇÃO Este docum ento apr esenta os r equis itos técnicos e de s

Leia mais

Análise e questionamentos sobre a proposta da Ziva para o PE 34/2013

Análise e questionamentos sobre a proposta da Ziva para o PE 34/2013 Análise e questionamentos sobre a proposta da Ziva para o PE 34/2013 Sobre os critérios de aceitabilidade pág 2/3 (1) Os subitens 1.1 e 1.5 da proposta excedem os preços máximos admissíveis estabelecidos

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002 MPLS MultiProtocol Label Switching Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 0/2002 Por que MPLS? Fatores Motivadores O crescimento rápido da Internet e a difusão de redes

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SWITCH SWITCH CORE SUBITEM CARACTERÍSTICAS GERAIS REDE E DESEMPENHO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Quantidade: 02 unidades DESCRIÇÃO A solução deverá ser composta de um único chassis modular, com 1.0 no mínimo

Leia mais

DESPACHO DE HOMOLOGAÇÃO

DESPACHO DE HOMOLOGAÇÃO DESPACHO DE HOMOLOGAÇÃO PROCESSO LICITATÓRIO Nº: 085/2012 PREGÃO PRESENCIAL Nº: 039/2012 OBJETO: FORNECIMENTO PARCELADO DE ATIVOS DE REDE COMPOSTOS POR SWITCHES, CABOS E INTERFACES PARA MANUTENÇÃO E AMPLIAÇÃO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SWITCHES

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SWITCHES ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SWITCHES 1 SWITCH Todos os switches objeto deste fornecimento deverão ser do mesmo fabricante e serem entregues com todas as licenças de software necessárias à implementação de todos

Leia mais

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Criado em 1974 Protocolo mais utilizado em redes locais Protocolo utilizado na Internet Possui arquitetura aberta Qualquer fabricante pode adotar a sua

Leia mais

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 Índice de figuras XVII Índice de tabelas XXII Agradecimentos XXIII Nota prévia XXIV 1- Introdução 1 1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 2 -

Leia mais

((TITULO))ATA DA CONSULTA PÚBLICA N.º 03/2009 (PERGUNTAS) AQUISIÇÃO DE SWITCH DE DISTRIBUIÇÃO DE 192 PORTAS

((TITULO))ATA DA CONSULTA PÚBLICA N.º 03/2009 (PERGUNTAS) AQUISIÇÃO DE SWITCH DE DISTRIBUIÇÃO DE 192 PORTAS ((TITULO))ATA DA CONSULTA PÚBLICA N.º 03/2009 (PERGUNTAS) AQUISIÇÃO DE SWITCH DE DISTRIBUIÇÃO DE 192 PORTAS ((TEXTO)) Aos 15 (quinze) dias do mês de junho de dois mil e nove, às 14:00 hs, na sede da Empresa

Leia mais

Termo de Referência Tecnologia da Informação

Termo de Referência Tecnologia da Informação Termo de Referência Tecnologia da Informação TERMO DE REFERÊNCIA PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TI E LICENÇAS. GERENCIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS JULHO/2015 CDG CAE 01/2015 1. DO OBJETO Aquisição de

Leia mais

GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços

GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços Julho 2013 Milton T. Yuki Governo Eletrônico (e-gov) Público Alvo Cidadão/Sociedade Órgãos de Governo Serviços e-gov para

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Teoria e Prática Douglas Rocha Mendes Novatec Copyright 2007, 2016 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

Sumário 1 Introdução... 19 2 O Modelo OSI... 33

Sumário 1 Introdução... 19 2 O Modelo OSI... 33 Sumário 1 Introdução... 19 1.1 Um Resumo da História da Cisco Systems... 19 1.2 Sobre a Certificação Cisco Certified Network Associate CCNA Routing and Switching (R&S)... 20 1.2.1 Por que Tornar-se um

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TR Pregão Eletrônico nº 018/2011. 2.1 - SWITCHES TIPO A - Camada Núcleo da Rede Campus e Data Center

TERMO DE REFERÊNCIA TR Pregão Eletrônico nº 018/2011. 2.1 - SWITCHES TIPO A - Camada Núcleo da Rede Campus e Data Center TERMO DE REFERÊNCIA TR Pregão Eletrônico nº 018/2011 Anexo I 1 DO OBJETO 1.1 - Prestação de serviços de infraestrutura tecnológica de conectividade e de segurança lógica, com fornecimento de equipamentos

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO A presente licitação tem como objeto a contratação de empresa, especializada e devidamente autorizada pela ANATEL - Agência Nacional de Telecomunicações, prestadora

Leia mais

PROAPPS Security Data Sheet Professional Appliance / Apresentação

PROAPPS Security Data Sheet Professional Appliance / Apresentação O ProApps Security O ProApps Security é um componente da suíte de Professional Appliance focada na segurança de sua empresa ou rede. A solução pode atuar como gateway e como solução IDS/IPS no ambiente.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Teoria e Prática Douglas Rocha Mendes Novatec Sumário Agradecimentos...15 Sobre o autor...15 Prefácio...16 Capítulo 1 Introdução às Redes de Computadores...17 1.1 Introdução... 17

Leia mais

ANEXO I-d ESPECIFICAÇÕES DAS FUNCIONALIDADES DOS ROTEADORES

ANEXO I-d ESPECIFICAÇÕES DAS FUNCIONALIDADES DOS ROTEADORES ANEXO I- ESPECIFICAÇÕES DAS FUNCIONALIDADES DOS ROTEADORES Os roteaores everão ser fornecios, instalaos, mantios, gerenciaos e operaos pela CONTRATADA e everá ser garantio o esempenho e os níveis e serviços

Leia mais

ATA DA CONSULTA TÉCNICA N.

ATA DA CONSULTA TÉCNICA N. ((TITULO))ATA DA CONSULTA TÉCNICA N.º 2/2014 (PERGUNTAS E RESPOSTAS) ATA DE REGISTRO DE PREÇOS PARA FUTURA E EVENTUAL AQUISIÇÃO DE SWITCH DE REDE ÓPTICA E SWITCH DE BORDA PARA OS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

PREGÃO-e Nº 05/2009 (RETIFICADO)

PREGÃO-e Nº 05/2009 (RETIFICADO) AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO PREGÃO-e Nº 05/2009 (RETIFICADO) A ABDI, Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial, mediante a Pregoeira designada

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

DIRETORIA DE GESTÃO - DG DEPARTAMENTO DE SUPRIMENTOS - DGS

DIRETORIA DE GESTÃO - DG DEPARTAMENTO DE SUPRIMENTOS - DGS PREGÃO ELETRÔNICO N.º 070/2010 ADENDO MODIFICADOR N.º 001 DATA DE EXPEDIÇÃO: 06/01/2011 Às empresas interessadas no pregão eletrônico N.º 070/2010 AQUISIÇÃO DE INFRAESTRUTURA DE TI, COMPOSTA DE HARDWARE,

Leia mais

Minuta do Termo de Referência

Minuta do Termo de Referência Minuta do Termo de Referência 1. OBJETO Fornecimento de equipamentos com serviço de manutenção e suporte durante o período de 5 anos; LOTE 1 Item Descrição Quantidade 1.1 Switch Tipo 1: Switch fast-ethernet

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios Técnico em Redes de Computadores Equipamentos e Acessórios Componentes de uma Rede Uma rede é um sistema composto de um arranjo de componentes: Cabeamento Hardware Software Cabeamento Componentes de uma

Leia mais

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS 2015 1 A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS Marcelo Balbinot marcelo@alt.net.br Acessoline Telecom Agenda 2 Apresentação. A Empresa. Evolução do backbone. A tecnologia MPLS. Os serviços

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SEMA I N S TRUME N TO CONVOC ATÓR IO

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SEMA I N S TRUME N TO CONVOC ATÓR IO I. Regência legal: GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA I N S TRUME N TO CONVOC ATÓR IO S EÇÃO A PREÂMBULO Esta licitação obedecerá, integralmente, as disposições da Lei Estadual nº 9.433/05 (alterada pelas Leis

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL SESC/MS N.º 016/2012 - PG

EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL SESC/MS N.º 016/2012 - PG EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL SESC/MS N.º 016/2012 - PG O SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO Administração Regional no Estado do Mato Grosso do Sul, entidade de direito privado, sem fins lucrativos, comunica

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

HP Router Advanced Implementation

HP Router Advanced Implementation HP Router Advanced Implementation Dados técnicos O HP Router Advanced Implementation tem como objetivo, baseado na entrevista para coleta de informações junto ao Cliente e na análise dos equipamentos existente,

Leia mais

HP Router Basic Implementation

HP Router Basic Implementation HP Router Basic Implementation Dados técnicos O HP Router Basic Implementation tem como objetivo, baseado na entrevista para coleta de informações junto a equipe designada pelo cliente, realizar a instalação

Leia mais

SOLUÇÃO DE STORAGE PROJETO X86 ARMAZENAMENTO. 1.2 Para efeito de cálculo do volume total em TB deverá ser considerado que 1KB = 1024 bytes.

SOLUÇÃO DE STORAGE PROJETO X86 ARMAZENAMENTO. 1.2 Para efeito de cálculo do volume total em TB deverá ser considerado que 1KB = 1024 bytes. SOLUÇÃO DE STORAGE PROJETO X86 ARMAZENAMENTO Características Técnicas: 1.1 Deverá ser ofertada Solução de Storage com capacidade mínima de 100 TB (cem Terabyte) líquido, sendo 80TB (oitenta Terabytes)

Leia mais

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda.

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda. REDES MPLS PARTE 1 PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Protocolos anteriores ao MPLS. Motivações para o uso de Redes MPLS. O Cabeçalho MPLS. Label Switch Router (LSR). Switched Path (LSP). Forwarding

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO. A seguir, respostas aos questionamentos referentes à Licitação Pública Nacional nº 01/13:

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO. A seguir, respostas aos questionamentos referentes à Licitação Pública Nacional nº 01/13: Senhores, A seguir, respostas aos questionamentos referentes à Licitação Pública Nacional nº 01/13: 1) PERGUNTA: 1- Referente ao Anexo III Dados do Contrato, o item 16.4 menciona: Os pagamentos deverão

Leia mais

E S P E C I F I C A Ç Ã O T É C N I C A

E S P E C I F I C A Ç Ã O T É C N I C A E S P E C I F I C A Ç Ã O T É C N I C A R E G I S T RO D E P R E Ç O S PA R A C O N T R ATA Ç Ã O D E S E RV I D O R E S R AC K x 8 6, M Ó D U L O S D E M E M Ó R I A R A M e C A PAC I TA Ç Ã O Ju l h

Leia mais

Alta disponibilidade utilizando Roteamento Virtual no RouterOS GUILHERME RAMIRES

Alta disponibilidade utilizando Roteamento Virtual no RouterOS GUILHERME RAMIRES Alta disponibilidade utilizando Roteamento Virtual no RouterOS GUILHERME RAMIRES Nome: Guilherme M. Ramires Analista de Sistemas Pós-Graduado em Tecnologia e Gerenciamento de Redes de Computadores CEO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE LICITAÇÃO TSE N.º /2009 MODALIDADE : PREGÃO ANEXO I PROJETO BÁSICO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE LICITAÇÃO TSE N.º /2009 MODALIDADE : PREGÃO ANEXO I PROJETO BÁSICO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE LICITAÇÃO TSE N.º /2009 MODALIDADE : PREGÃO ANEXO I PROJETO BÁSICO Rede de Comunicação da Justiça Eleitoral BACKBONE SECUNDÁRIO

Leia mais

Sugestão acatada. A redação do item 2.43 será alterada para Implementar

Sugestão acatada. A redação do item 2.43 será alterada para Implementar DEFINIÇÕES E RESPOSTAS AS SUGESTÕES APRESENTADAS PELO REPRESENTANTE GLOBALRED, VIA E-MAIL, DATADO DE 18/03/2011, RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA, REALIZADA NO DIA 16/03/2010, VISANDO DISCUSSÃO DAS ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA C O N S U LT A P Ú B L I C A S O L U Ç Ã O D E A N Á L I S E E S PAC I A L PA R A A P RO D E M G E. S e t e m b r o / 2 0 1 3

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA C O N S U LT A P Ú B L I C A S O L U Ç Ã O D E A N Á L I S E E S PAC I A L PA R A A P RO D E M G E. S e t e m b r o / 2 0 1 3 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA C O N S U LT A P Ú B L I C A S O L U Ç Ã O D E A N Á L I S E E S PAC I A L PA R A A P RO D E M G E S e t e m b r o / 2 0 1 3 ANEXO IIA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DO OBJETO E CONDIÇÕES

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 6 LPCD, Redes IP/MPLS, VPN e Frame Relay Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral MPLS significa Multi Protocol Label Switching. OMPLSé um mecanismo eficiente i de encapsulamento em hardware

Leia mais

Metro-LANs Ligação ao Backbone

Metro-LANs Ligação ao Backbone Metro-LANs Ligação ao Backbone Conhecimentos assumidos na apresentação Tecnologias LAN / VLAN / L2 Switching MPLS / RSVP Protocolos IGP BGP / LDP Conceitos Rede de operador (Service Provider Network) VPNs

Leia mais

GWM 1420 N. INFORMÁTICA - networks. Roteador ADSL 2+ Wireless N 150 Mbps BANDA LARGA. Características

GWM 1420 N. INFORMÁTICA - networks. Roteador ADSL 2+ Wireless N 150 Mbps BANDA LARGA. Características INFORMÁTICA - networks BANDA LARGA GWM 1420 N A solução mais inteligente em banda larga. O Roteador GWM 1420 N Intelbras é um 3 em 1 que integra a função de modem ADSL 2+ de alta velocidade, roteador Wireless

Leia mais

ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel

ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel Comentários MINUTA TERMO DE REFERENCIA Lote 9A ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel Resposta: Fica mantido o texto da minuta do TR. 2.2 O provimento

Leia mais

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO CET. Termo de Referência para Equipamentos de Redes Ópticas Passivas - GPON. Versão 2.

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO CET. Termo de Referência para Equipamentos de Redes Ópticas Passivas - GPON. Versão 2. COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO CET Termo de Referência para Equipamentos de Redes Ópticas Passivas - GPON Versão 2.0 Revisão STE 26/01/2016 SUMÁRIO 1. OBJETIVO...3 2. INTRODUÇÃO...3 3. DEFINIÇÕES...3

Leia mais

1.1 Transmissão multimídia em redes

1.1 Transmissão multimídia em redes 1.1 Transmissão multimídia em redes Pode-se dividir a parte de transmissão multimídia em redes de computadores como mostra a figura 1, ou seja, a parte de conferência (que requer interatividade) e a parte

Leia mais

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações Mário Meireles Teixeira mario@deinf.ufma.br Motivação Atualmente, funcionam sobre as redes IP aplicações cujos requisitos elas não foram projetadas para atender

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA AQUISIÇÃO

TERMO DE REFERÊNCIA AQUISIÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA AQUISIÇÃO DE SWITCHES NÍVEL 2 MARÇO / 2009 RQ DERE 005/2009 Termo de Referência Aquisição de Switches Nível 2 1 / 22 HISTÓRICO DE REVISÕES DATA VERSÃO DESCRIÇÃO AUTOR 26/01/2009 1 Criação

Leia mais

ANEXO II PROJETO BÁSICO - INTERNET

ANEXO II PROJETO BÁSICO - INTERNET 1. Objetivo 1.1. Contratação de serviços para fornecimento de uma solução de conexão IP Internet Protocol que suporte aplicações TCP/IP e disponibilize a PRODEB acesso a rede mundial de computadores Internet,

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO NÚCLEO DE LICITAÇÃO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO NÚCLEO DE LICITAÇÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO NÚCLEO DE LICITAÇÃO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 14/2013 ESCLARECIMENTOS AOS QUESTIONAMENTOS FORMULADOS POR LICITANTES INTERESSADOS Questionamento

Leia mais

Serviços Diferenciados na Internet

Serviços Diferenciados na Internet Serviços Diferenciados na Internet FEUP/DEEC/RBL 2002/03 José Ruela Serviços Diferenciados na Internet O IETF desenvolveu um modelo de Serviços Diferenciados - Differentiated Services (DiffServ) - que

Leia mais

MARÇO / 2009 AQUISIÇÃO DE SWITCHES NÍVEL 2. Diretoria de Infraestrutura de TIC DIT. Departamento de Redes de Telecomunicações DERE

MARÇO / 2009 AQUISIÇÃO DE SWITCHES NÍVEL 2. Diretoria de Infraestrutura de TIC DIT. Departamento de Redes de Telecomunicações DERE TERMO DE REFERÊNCIA AQUISIÇÃO DE SWITCHES NÍVEL 2 MARÇO / 2009 RQ DERE 005/2009 Termo de Referência Aquisição de Switches Nível 2 1 / 20 HISTÓRICO DE REVISÕES DATA VERSÃO DESCRIÇÃO AUTOR 26/01/2009 1 Criação

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE 2011 A Presidenta do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA 1. UNIDADE REQUISITANTE: ETICE 2. DO OBJETO: 2.1. Registro de preços para futuras e eventuais aquisições de EQUIPAMENTOS DE COMUNICAÇÂO DE DADOS (SWITCHS e ACESSÓRIOS), de

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Projeto Executivo

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Projeto Executivo MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANEXO III Modelo do Ministério Público do Trabalho Sumário 1. OBJETIVO... 3 2. PREMISSAS... 3 3. SOLUÇÃO

Leia mais

ANEXO III. INFOVIA.RJ 2.0, Rede IP Multiserviços do Governo do Estado do Rio de Janeiro. Versão: 0.0

ANEXO III. INFOVIA.RJ 2.0, Rede IP Multiserviços do Governo do Estado do Rio de Janeiro. Versão: 0.0 ANEXO III INFOVIA.RJ 2.0, Rede IP Multiserviços do Governo do Estado do Rio de Janeiro. Versão: 0.0 1 1 ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS - REDE INFOVIA.RJ 2.0 1.1 CARACTERISTICAS BASICAS COMUNS A TODOS OS

Leia mais

HP Network Core Implementation

HP Network Core Implementation HP Network Core Implementation Dados técnicos O serviço HP Network Core Implementation tem como objetivo, através de uma análise técnica no ambiente de rede local, realizar a implementação de uma proposta

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 5 Multiprotocol Label Switching (MPLS) Sumário Definição; Histórico;

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA. Rede de Comunicação da Justiça Eleitoral BACKBONE SECUNDÁRIO

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA. Rede de Comunicação da Justiça Eleitoral BACKBONE SECUNDÁRIO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE LICITAÇÃO TSE Nº 54/2009 MODALIDADE: PREGÃO FORMA: ELETRÔNICA SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA. DIE GIE Documento1 1/12

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA. DIE GIE Documento1 1/12 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA DIE GIE Documento1 1/12 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA OBJETO / ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS / QUANTIDADE 1. OBJETO: 1.1 Aquisição de Firewalls Appliance (hardware dedicado) com throughput

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6

IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6 Leonardo Jalkauskas IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6 Agosto 2010 Redes de Computadores e Telecomunicações 2 IPv6 Internet Protocol versão 6 Características e Limitações do IPv4 Objetivos e

Leia mais

IPv6 A nova versão do Protocolo IP

IPv6 A nova versão do Protocolo IP IPv6 A nova versão do Protocolo IP A internet precisa continuar crescendo... Agenda A Internet e o TCP/IP Entendendo o esgotamento do IPv4 Por que IPv6? O que melhorou? Nova estrutura do IPv6 Técnicas

Leia mais

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Sumário Fundamentos Arquitetura OSI e TCP/IP Virtual LAN: Dispositivos

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE ORÇAMENTO - 29/09/2009 URGENTE. Necessita este Conselho de proposta estimativa de preço nos moldes das descrições abaixo:

SOLICITAÇÃO DE ORÇAMENTO - 29/09/2009 URGENTE. Necessita este Conselho de proposta estimativa de preço nos moldes das descrições abaixo: SOLICITAÇÃO DE ORÇAMENTO - 29/09/2009 URGENTE Prezados Senhores, Necessita este Conselho de proposta estimativa de preço nos moldes das descrições abaixo: ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1. OBJETO Contratação

Leia mais

Redes e Telecomunicações. 2º Pacote. Formação em

Redes e Telecomunicações. 2º Pacote. Formação em 2º Pacote Formação em Redes de Computadores Formação em Redes de Computadores Exposição dos conteúdos por um docente do ISEL do grupo de redes de comunicações Formação adequada a vários níveis de experiência

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais