GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços"

Transcrição

1 GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços Julho 2013 Milton T. Yuki

2 Governo Eletrônico (e-gov) Público Alvo Cidadão/Sociedade Órgãos de Governo Serviços e-gov para o público em geral Serviços e-gov para os órgãos de governo Serviços de Governo

3 Projeto INTRAGOV Origem Decreto de 05/03/98 Artigo 1º IV - viabilizar a implantação de uma rede espinha dorsal (backbone) através da interligação de intranets já existentes, procurando padronizar e disciplinar iniciativas futuras, de forma a garantir a sua integração à infra-estrutura existente; V - promover o compartilhamento do "backbone" para estabelecer a INTRAnet GOVernamental, visando a comunicação e a troca de informações entre os diversos órgãos e entidades do Governo, em todos os seus níveis. A PRODESP licita os serviços e administra o contrato Os órgãos aderem ao projeto INTRAGOV e se utilizam do contrato vigente

4 Projeto INTRAGOV Histórico De 2000 à 2005 INTRAGOV I Abrangência: Estado de São Paulo Quantidade de pontos: Tecnologia: Frame-relay / ATM De 2005 à 2011 INTRAGOV II Abrangência: Estado de São Paulo Quantidade de pontos: Tecnologia: Rede IP (v4) / MPLS De 2011 à 2016 INTRAGOV III Abrangência: Estado de São Paulo e Brasília Quantidade de pontos: com previsão de Tecnologia: Rede IP (v4/v6) / MPLS

5 Projeto INTRAGOV Atribuições Atribuições da Administração INTRAGOV Gerenciar a implantação da rede que suporta o Projeto Intragov; Homologar os produtos e serviços da rede; Dimensionar os recursos da rede; Planejar e deliberar sobre a gestão e a evolução da rede; Normatizar e adequar o endereçamento IP da rede; Estabelecer mecanismos de controle do projeto (qualidade, recursos compartilhados, manutenção, etc.); Normatizar e expedir regras de utilização da rede compartilhada.

6 Características técnicas Rede IP Multisserviços Implementada na modalidade fim a fim (CPE-CPE); Backbone implementado com BGP/IP/MPLS (nível 3 OSI). Múltiplas VPN (isolamento do tráfego) VPN Intranet (órgão participando de 1 VPN); VPN Extranet (órgão participando de +1VPN). Conectividade da rede definida pela VPN Configurada em topologia full-mesh ou hub-spoke (estrela) Conectividade entre VPN Através da técnica de GRE (tunelamento) entre UP-UP; Restrição entre UC-UC de VPN diferentes. VPN BGP/MPLS especificada para transportar pacote da família de endereçamento IPv4 e IPv6 QoS dos serviços implementado no Acesso Marcação dos pacotes IP para 5 Classes de Serviços (Tempo Real, Missão Crítica, Suporte a Negócios, Corporativa e Padrão). Obs.: UP Unidade Provedora / UC Unidade Cliente

7 Características técnicas Serviços prestados com arquitetura centralizada Trânsito Internet Conectividade e publicação do conteúdo de e-gov (AS GESP) através dos AS da Contratada Acesso Internet Navegação dos usuários através de uma infra-estrutura de Unidade Provedora de Internet - UPI (firewall e filtro de conteúdo) integrada ao backbone Serviços prestados com arquitetura distribuída Suporte à Transmissão de Vídeo Multicast - com controle (RP) implementado nos PE do backbone Gerenciamento da rede, manutenção e configuração de CPE Centralizados nas dependências da Contratada de serviços (NOC) Unidade Provedora de Gerenciamento (UPG) - extensão do NOC dentro da PRODESP Monitoramento da rede Realizado pela PRODESP e por alguns Órgãos Signatários, somente nos CPE Obs.: Rendezvous Point (RP)

8 Serviços Provimento de Serviços de Telecomunicações Serviço de Comunicação Multimídia - SCM Acesso Internet (navegação) SAI Trânsito Internet (publicação de conteúdo e navegação) STI Diversidade de capacidade dos Acessos 64Kbps e múltiplos até 2,5Gbps Padrão de Acesso (disponibilidade) sem redundância (1 enlace + 1 CPE) com redundância (2 enlaces + 2 CPE) Acordo de Níveis de Serviços (SLA) Alta disponibilidade e garantia de performance das aplicações

9 SCM - VPN VPN n UC VPN 2 Hub Spoke VPN 2 VPN 1 UP VPN 2 UP VPN 1 UC VPN 1 Full Mesh Obs.: Atualmente existem 18 VPN

10 SCM - GRE VPN n UC VPN 2 VPN 2 VPN 1 GRE UP VPN 2 UP VPN 1 UC VPN 1 Obs.: Generic Routing Encapsulation (GRE)

11 Redundância Backbone da operadora PE PE VPN - X PE PE VPN - Y CPE-A CPE-B Unidade da VPN - X SCM com Redundância CPE-A REDE IP/MPLS CPE-B Unidade da VPN - Y SCM com Redundância CPE Unidade da VPN - X SCM sem Redundância CPE Unidade da VPN - Y SCM sem Redundância PE Provider Edge (equipamento nas instalações do provedor) CPE Customer Premises Equipment (equipamento nas instalações do cliente)

12 SAI AS Operadora 1 INTERNET UPI Componentes de hardware e de software são duplicados Servidor de DNS Firewall Filtro de conteúdo VPN n UC VPN 2 VPN 2 UP VPN 2 VPN 1 UP VPN 1 UC VPN 1

13 STI AS 1 Operadora INTERNET AS ANSP PTT Metro AS 2 Operadora USP Conexões 10Gbps Alta disponibilidade 3 AS Trânsito Internet Operado pela PRODESP PRODESP Backbone AS-GESP SEFAZ VPN AS-GESP UC VPN 2 VPN 2 UP VPN 2 VPN 1 UP VPN 1 UC VPN 1

14 Topologia Intragov Acesso Principal Acesso Redundante

15 Classe de Serviços QoS/CoS Classes de Serviços O SCM deve ser prestado em conformidade com cinco classes de serviço (CoS), cujas características são apresentadas na tabela abaixo. CLASSES DE SERVIÇO (CoS) TEMPO REAL MISSÃO CRÍTICA SUPORTE À NEGÓCIO CORPORATIVO PADRÃO CARACTERÍSTICAS Tráfego de aplicações interativas sensíveis a retardo (delay) e a variações de retardo da rede (jitter) que requer priorização de pacotes e reserva de banda Tráfego de aplicações interativas e de caráter crítico para o negócio que requer entrega garantida, priorização de pacotes e reserva de banda Tráfego de aplicações não interativas, com grande volume de dados, importante para o atendimento ao negócio, que requer entrega garantida, priorização de pacotes e reserva de banda Tráfego de aplicações não interativas, com pacotes de tamanho variados, de menor importância para o atendimento ao negócio, que requer entrega garantida, priorização de pacotes e reserva de banda Tráfego de aplicações diversas que requer entrega garantida, mas não requer priorização de pacotes e reserva de banda.

16 SCM Classe de Serviços - QoS/CoS Classes de Serviços Exemplo de níveis de prioridades visando a implementação de QoS na Rede IP Multisserviços Protocolo de Transporte (TCP ou UDP) Porta adotada Prioridade requerida Níveis de prioridades TCP/UDP TEMPO REAL TCP/UDP MISSÃO CRÍTICA TCP/UDP SUPORTE À NEGÓCIO TCP E UDP 20, 21 e CORPORATIVO TCP PADRÃO TCP 88 3 TCP TCP 1042, 1158 e TCP TCP/UDP 67,68 e 69 4 TCP 80 4 TCP/UDP 515, 546 e TCP TCP/UDP 809 e 873 4

17 Gerenciamento da Rede Gerenciamento da rede, manutenção e configuração O gerenciamento da Rede IP Multisserviços é executado pela Contratada, com objetivo de verificar o funcionamento dos recursos de hardware e software utilizados na prestação dos serviços; O Network Operation Center (NOC) e a Unidade Provedora de Gerenciamento (UPG) da Contratada executam atividades voltadas às áreas de Gerência de Configuração, Gerência de Incidentes, Gerência de Desempenho e Gerência de Segurança; O Gerenciamento utiliza recursos de hardware e software, constituídos por uma plataforma de gerenciamento denominada Sistema Especialista de Gerenciamento ou simplesmente SEG, que dá suporte à formação da base de dados de gerenciamento;

18 Gerenciamento da Rede Gerenciamento da rede, manutenção e configuração (cont.) O SEG é escalável e flexível, de forma a atender à expansão da rede e recursos agregados; Objetivo: continuidade da prestação dos serviços dentro dos parâmetros de desempenho técnico-operacional estabelecidos no SLA; As atividades de Gerenciamento são executadas de forma pró-ativa e transparente, sem causar sua interrupção ou a degradação de sua qualidade. Monitoramento da rede Realizado pela PRODESP e por alguns Órgãos Signatários.

19 Acordo de Níveis de Serviços Acordo de Níveis de Serviços (SLA) O Acordo de Níveis de Serviços, ou Service Level Agreement (SLA), estabelece metas de qualidade; A contratada assume o compromisso de prestar os serviços atendendo às metas de qualidade estabelecidas no contrato; A contratada é responsável pelo cumprimento das metas de qualidade durante todo o prazo de prestação dos serviços; O não cumprimento das metas estabelecidas para cada um dos indicadores do SLA sujeita a contratada às penalidades estabelecidas no contrato.

20 Acordo de Níveis de Serviços Principais índices do Acordo de Níveis de Serviços (SLA) Prazo para atendimento às Solicitações INDICADOR VALOR Área Urbana VALOR Área Rural UNIDADE Prazo para Ativação de Serviços Dias corridos Prazo para Alteração da Prestação de Serviços sem alteração da capacidade nominal do acesso Prazo para Alteração da Prestação de Serviços com alteração da capacidade nominal do acesso Prazo para Alteração de Padrão de Acesso de UC de sem redundância para com redundância Prazo para Alteração de Padrão de Acesso de UC de com redundância para sem redundância Prazo para Alteração de Localização Física de CPE do acesso de UP 30 - Dias corridos Dias corridos Dias corridos 30 - Dias corridos Dias corridos

21 Acordo de Níveis de Serviços Principais índices do Acordo de Níveis de Serviços (SLA) Prazo para Solução de Incidente INDICADOR VALOR Área Urbana VALOR Área Rural UNIDADE Prazo para Solução de Incidente no SCM para acesso sem redundância Prazo para Solução de Incidente no SCM para acesso com redundância Prazo para Solução de Incidente no SAI em recursos da estrutura da UPI Prazo para Solução de Incidente no STI em roteadores Prazo para Solução de Incidente no STI em circuitos digitais Prazo para Solução de Incidente no STI em conexões da Borda do AS GESP Minutos Minutos 6 - Horas 6 - Horas 48 - Horas Minutos

22 Acordos de Níveis de Serviços Principais índices do Acordo de Níveis de Serviços (SLA) Disponibilidade de Serviço INDICADOR VALOR UNIDADE Disponibilidade do SCM em acesso com 99,97 % redundância Disponibilidade do SCM em acesso sem 99,00 % redundância Disponibilidade do SAI 99,97 % Disponibilidade do STI 99,97 %

23 Projeto INTRAGOV- REDE ATUAL Sistemática de Gestão Sistemática de Gestão Tem a finalidade de controlar as informações utilizadas no relacionamento entre a contratada e os órgãos signatários. Principais processos Atendimento a Solicitações Solicitação de Ativação de Serviços; Solicitação de Alteração da Prestação de Serviços; Solicitação de Alteração de Padrão de Acesso; Solicitação de Alteração de Configuração de CPE; Solicitação de Alteração de Localização Física de CPE; Solicitação de Alteração de Titularidade de Acesso; Solicitação de Desativação dos Serviços.

24 Projeto INTRAGOV- REDE ATUAL Sistemática de Gestão Principais processos (cont.) Registro de Incidentes; Abertura e acompanhamento de incidentes Acompanhamento do Desempenho; Monitoramento da Rede; Gestão do Faturamento; Gestão da Qualidade; Gestão da Conectividade na Rede.

25 Acessos por distribuição de área - DDD Área / 8% Área 16 Área / 8% / 9% Área / 9% Área / 12% INTRAGOV (jun/13) / 100% Área / 6% Área / 5% Área / 37% Área / 6%

26 Acessos por capacidade Capacidade Quantidade (base Junho/13) Planta da Rede referente a Junho/2013 % em relação à Planta Instalada 64 Kbps 120 0,78% 128 Kbps 80 0,52% 256 Kbps 224 1,45% 512 Kbps ,11% 1 Mbps ,10% 2 Mbps ,18% 4 Mbps ,02% 8 Mbps ,61% 10 Mbps 436 2,82% 16 Mbps 143 0,93% 34 Mbps 181 1,17% 100 Mbps 13 0,08% 155 Mbps 22 0,14% 300 Mbps 2 0,01% 622 Mbps 4 0,03% 1 Gbps 2 0,01% 2,5 Gbps 7 0,05%

27 Acessos em Área Rural Capacidade Quantidade (base Junho/13) % em relação ao total de Acessos em área Rural 64 Kbps 5 0,97% 128 Kbps 2 0,39% 256 Kbps 30 5,79% 512 Kbps ,85% 1 Mbps 71 13,71% 2 Mbps ,03% 4 Mbps 27 5,21% 8 Mbps 13 2,51% 10 Mbps 6 1,16% 16 Mbps 2 0,39% Planta da Rede ref. Junho/2013

28 Unidades com SAI e STI Capacidade das Unidades Qtde. Unidades com SAI Qtde. Unidades com STI 64 Kbps Kbps Kbps Kbps Mbps Mbps Mbps Mbps Mbps Mbps Mbps Mbps Mbps Mbps Mbps Gbps - 2 2,5 Gbps - 2 Planta da Rede ref. Junho/2013

29 Resumo dos acessos Unidades ativas A Rede INTRAGOV possui unidades ativas, as quais totalizam, aproximadamente, 80 Gbps de capacidade contratada Unidades em área rural Total de 520 unidades ativas, as quais totalizam aproximadamente 946 Mbps de capacidade contratada Unidades com SAI Total de unidades ativas Unidades com STI Total de 669 unidades ativas, as quais totalizam aproximadamente 10 Gbps de capacidade contratada Planta da Rede ref. Junho/2013

30 INTRAGOV OBRIGADO!

GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços

GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV IP Multisserviços Julho 2013 Walter Luiz de A. Silva INTRAGOV 4 Agenda Consulta Pública - Resumo Novidades SCM Serviço de Comunicação Multimídia;

Leia mais

CONTINUIDADE OPERACIONAL DA REDE INTRAGOV

CONTINUIDADE OPERACIONAL DA REDE INTRAGOV COMPANHIA DE PROCESSAMENTO DE DADOS DO ESTADO DE SÃO PAULO - PRODESP CONTINUIDADE OPERACIONAL DA REDE INTRAGOV CONSULTA PÚBLICA DIRETORIA DE OPERAÇÕES - DOP GERÊNCIA DE INFRAESTRUTURA PGI MAIO / 2013 Página

Leia mais

GIOV Divisão INTRAGOV

GIOV Divisão INTRAGOV GIOV Divisão INTRAGOV INTRAGOV Agenda Números da INTRAGOV Contrato PRO.00.6563 Informações sobre a INTRAGOV Novidades da INTRAGOV IV Próximas etapas Site INTRAGOV Números da INTRAGOV Unidades ativas =

Leia mais

Interessado: EMBRATEL

Interessado: EMBRATEL Taboão da Serra, 05 de julho de 2013. Assunto: Respostas às contribuições e questionamentos referentes à Consulta Pública sobre a Intragov. A PRODESP apresenta aos interessados as respostas às contribuições

Leia mais

ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel

ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel Comentários MINUTA TERMO DE REFERENCIA Lote 9A ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel Resposta: Fica mantido o texto da minuta do TR. 2.2 O provimento

Leia mais

CAPÍTULO 13. Conectividade Linhas Privativas Comercias LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS

CAPÍTULO 13. Conectividade Linhas Privativas Comercias LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS CAPÍTULO 13 LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS Todos os serviços de conectividade e comunicação de dados oferecidos por qualquer operadora de telecomunicações, devem terminar nos pontos finais de utilização

Leia mais

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS Redes remotas Prof.Francisco Munhoz X.25 Linha de serviços de comunicação de dados, baseada em plataforma de rede, que atende necessidades de baixo ou médio volume de tráfego.

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. VPN: Redes Privadas Virtuais O objetivo deste tutorial é apresentar os tipos básicos de Redes Privadas Virtuais (VPN's) esclarecendo os significados variados que tem sido atribuído a este termo. Eduardo

Leia mais

Rede WAN da Codevasf. Histórico, Características e Recursos. Área de Gestão Estratégica Gerência de Tecnologia da Informação

Rede WAN da Codevasf. Histórico, Características e Recursos. Área de Gestão Estratégica Gerência de Tecnologia da Informação Rede WAN da Codevasf Histórico, Características e Recursos Área de Gestão Estratégica Gerência de Tecnologia da Informação Junho / 2011 Rede WAN Definição Uma rede WAN (Wide Area Network) ou Rede de longa

Leia mais

REDES CORPORATIVAS. Soluções Avançadas para Comunicação Empresarial

REDES CORPORATIVAS. Soluções Avançadas para Comunicação Empresarial REDES CORPORATIVAS Presente no mercado há 31 anos, a Compugraf atua em vários segmentos da comunicação corporativa, oferecendo serviços e soluções de alta tecnologia, com reconhecida competência em diversos

Leia mais

ANEXO I-a ARQUITETURA DA REDE INFOSUS II

ANEXO I-a ARQUITETURA DA REDE INFOSUS II ANEXO I-a ARQUITETURA DA REDE INFOSUS II 1. Descrição da rede INFOSUS II A Rede INFOSUS II, Infovia Integrada do Sistema Único de Saúde (SUS), consistirá em infra-estrutura de telecomunicações, a ser utilizada

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 3 VPN Tecnologias Atuais de Redes - VPN 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Vantagens, Desvantagens e Aplicações Etapas da Conexão Segurança Tunelamento Protocolos de

Leia mais

REDES VIRTUAIS PRIVADAS

REDES VIRTUAIS PRIVADAS REDES VIRTUAIS PRIVADAS VPN Universidade Católica do Salvador Curso de Bacharelado em Informática Disciplina: Redes de Computadores Professor: Marco Antônio Câmara Aluna: Patricia Abreu Página 1 de 10

Leia mais

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network)

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) 1. Objeto: 1.1. Contratação de uma Solução de rede de comunicação local (LAN) para interligar diferentes localidades físicas e os segmentos de

Leia mais

Edital Rede IP - 2014 Objetivo

Edital Rede IP - 2014 Objetivo Objetivo Apresentar as principais modificações e adequações previstas para o novo edital da Rede IP Multisserviços Agenda 1. Publicação da documentação; 2. Premissas adotadas; 3. Fator de Capacidade (FCA)

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes Introdução ao Gerenciamento de Redes O que é Gerenciamento de Redes? O gerenciamento de rede inclui a disponibilização, a integração e a coordenação de elementos de hardware, software e humanos, para monitorar,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Projeto Executivo

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Projeto Executivo MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANEXO III Modelo do Ministério Público do Trabalho Sumário 1. OBJETIVO... 3 2. PREMISSAS... 3 3. SOLUÇÃO

Leia mais

Roberto Adão radao@multirede.co.ao

Roberto Adão radao@multirede.co.ao Roberto Adão radao@multirede.co.ao A Empresa Multirede 16 anos de experiência em consultoria e educação em tecnologia da informação Casos de sucesso em projetos pioneiros nas maiores redes de comunicação

Leia mais

QUESTIONAMENTOS EDITAL PREGÃO ELETRÔNICO No.14000174/2014 AC

QUESTIONAMENTOS EDITAL PREGÃO ELETRÔNICO No.14000174/2014 AC QUESTIONAMENTOS EDITAL PREGÃO ELETRÔNICO No.14000174/2014 AC Questionamento 1 No subitem 5.2.3 da Especificação Técnica, embora seja pedida a utilização de aceleração de tráfego HTTP e TCP Spoofing, não

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - QoS e Engenharia de Tráfego www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em oposição ao paradigma best-effort (melhor esforço) da Internet, está crescendo

Leia mais

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére Planejamento e Projeto de Redes de Computadores Eduardo Barrére Aula Presencial Projeto Físico Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br O projeto deve considerar Seleção de tecnologias (conforme o projeto

Leia mais

Rede IP Multiserviços do Governo do Estado do Rio de Janeiro

Rede IP Multiserviços do Governo do Estado do Rio de Janeiro TERMO DE REFERÊNCIA Pregão Presencial nº 001/09 ANEXO I INFOVIA.RJ 2.0 Rede IP Multiserviços do Governo do Estado do Rio de Janeiro 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 4 2 OBJETO... 4 3 DA VIGÊNCIA DO CONTRATO...

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

Brasília, 19/09/2013. A Rede Nacional do Ministério Público Federal Ref.: Projeto Básico e Especificações Técnicas

Brasília, 19/09/2013. A Rede Nacional do Ministério Público Federal Ref.: Projeto Básico e Especificações Técnicas Brasília, 19/09/2013. A Rede Nacional do Ministério Público Federal Ref.: Projeto Básico e Especificações Técnicas Prezados, A Telemar Norte Leste S/A, pessoa jurídica de direito privado, prestadora de

Leia mais

Funcionalidade Escalabilidade Adaptabilidade Gerenciabilidade

Funcionalidade Escalabilidade Adaptabilidade Gerenciabilidade Projeto de Redes Requisitos Funcionalidade -- A rede precisa funcionar. A rede precisa permitir que os usuários desempenhem os seus deveres profissionais. A rede precisa oferecer conectividade de usuário-para-usuário

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Rede IP Multiserviços do Governo do Estado do Rio de Janeiro

Rede IP Multiserviços do Governo do Estado do Rio de Janeiro TERMO DE REFERÊNCIA Pregão Presencial nº 001/09 ANEXO I INFOVIA.RJ 2.0 Rede IP Multiserviços do Governo do Estado do Rio de Janeiro 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 4 2 OBJETO... 4 3 DA VIGÊNCIA DO CONTRATO...

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE LICITAÇÃO TSE N.º /2009 MODALIDADE : PREGÃO ANEXO I PROJETO BÁSICO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE LICITAÇÃO TSE N.º /2009 MODALIDADE : PREGÃO ANEXO I PROJETO BÁSICO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE LICITAÇÃO TSE N.º /2009 MODALIDADE : PREGÃO ANEXO I PROJETO BÁSICO Rede de Comunicação da Justiça Eleitoral BACKBONE SECUNDÁRIO

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA. Rede de Comunicação da Justiça Eleitoral BACKBONE SECUNDÁRIO

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA. Rede de Comunicação da Justiça Eleitoral BACKBONE SECUNDÁRIO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE LICITAÇÃO TSE Nº 54/2009 MODALIDADE: PREGÃO FORMA: ELETRÔNICA SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

VPN. Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação

VPN. Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação VPN Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação Conceito Vantagens Tipos Protocolos utilizados Objetivos VPN (Virtual Private Network) Rede Privada Virtual - uma conexão onde o acesso e a troca de

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Gerência de Redes Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Plano de Aula Histórico Introdução Gerenciamento de Redes: O que é Gerenciamento de Redes? O que deve ser gerenciado Projeto de Gerenciamento

Leia mais

Audiência Pública. Diretorias de Ensino da Rede Pública Estadual de Educação de São Paulo e demais órgãos vinculados

Audiência Pública. Diretorias de Ensino da Rede Pública Estadual de Educação de São Paulo e demais órgãos vinculados Audiência Pública Aquisição de firewall, switch, licença de antivírus de estação, sistema de gerenciamento centralizado e serviços de instalação, configuração, manutenção e suporte técnico, objetivando

Leia mais

ITEM QUESTIONAMENTO DECISÃO JUSTIFICATIVA. Qual o motivo da solicitação desta licença? Ela é compatível / necessária para o serviço?

ITEM QUESTIONAMENTO DECISÃO JUSTIFICATIVA. Qual o motivo da solicitação desta licença? Ela é compatível / necessária para o serviço? EMPRESA 1 ITEM QUESTIONAMENTO DECISÃO JUSTIFICATIVA 5.2 Apresentar o termo de autorização expedido pela Anatel para prestação de serviço de rede de transportes de telecomunicações SRTT e para prestação

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

EMBRATEL WHITE PAPER

EMBRATEL WHITE PAPER EMBRATEL WHITE PAPER CARRIER ETHERNET Neste artigo, a Embratel destaca a história, arquitetura, princípios e serviços que a solução de Carrier Ethernet possui. A tecnologia Ethernet foi concebida na década

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

1. ITENS 4.3 ALÍNEAS A,B,C,D E ITEM 14.4 DAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

1. ITENS 4.3 ALÍNEAS A,B,C,D E ITEM 14.4 DAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS QUESTIONAMENTOS EDITAL PREGÃO ELETRÔNICO No.14000174/2014 AC 1. ITENS 4.3 ALÍNEAS A,B,C,D E ITEM 14.4 DAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Quanto ao item 4.3, entendemos que os prazos expostos no edital são para

Leia mais

Perguntas e Respostas

Perguntas e Respostas Gerenciamento do Tráfego de Internet Edital de Licitação PREGÃO PRESENCIAL Nº 34/2010 Processo SAP nº 4180/2010 Perguntas e Respostas Página 1 /15 Pergunta n o 1: Os dispositivos de filtro de conteúdo

Leia mais

ANEXO II PROJETO BÁSICO - INTERNET

ANEXO II PROJETO BÁSICO - INTERNET 1. Objetivo 1.1. Contratação de serviços para fornecimento de uma solução de conexão IP Internet Protocol que suporte aplicações TCP/IP e disponibilize a PRODEB acesso a rede mundial de computadores Internet,

Leia mais

Implantação de QoS no fone@rnp

Implantação de QoS no fone@rnp III Workshop VoIP Marcel R. Faria & Fábio Okamura Maio 2008 Agenda Introdução Backbone RNP rede Ipê QoS na rede Ipê - Serviço Premium Aplicação no fone@rnp Introdução A fim de atender a crescente demanda

Leia mais

DESCRITIVO DO SERVIÇO VPN IP (ANEXO ÀS CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS)

DESCRITIVO DO SERVIÇO VPN IP (ANEXO ÀS CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS) 1. DESCRIÇÃO DESCRITIVO DO SERVIÇO VPN IP (ANEXO ÀS CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS) 1.1 O serviço VPN IP (Rede Virtual Privada) é utilizado para interconexão de Redes Locais entre a matriz e

Leia mais

Oferta Pública de Interconexão. Classe V

Oferta Pública de Interconexão. Classe V SAMM - Sociedade de Atividades em Multimídia Ltda. Oferta Pública de Interconexão Classe V Oferta Pública de Interconexão de Redes OPI apresentada ao mercado nos termos do Regulamento Geral de Interconexão

Leia mais

Infraestrutura e Tecnologia

Infraestrutura e Tecnologia Fundada em 1999, a Mundivox é uma operadora de telecomunicações licenciada pela Anatel e tem como principal objetivo ser a melhor provedora de soluções integradas em serviços de comunicação de voz e dados

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

Rede GlobalWhitepaper

Rede GlobalWhitepaper Rede GlobalWhitepaper Janeiro 2015 Page 1 of 8 1. Visão Geral...3 2. Conectividade Global, qualidade do serviço e confiabilidade...4 2.1 Qualidade Excepcional...4 2.2 Resiliência e Confiança...4 3. Terminais

Leia mais

Esclarecimentos no Pregão 19/2014 (prestação de serviços de telecomunicação de acesso dedicado à Internet):

Esclarecimentos no Pregão 19/2014 (prestação de serviços de telecomunicação de acesso dedicado à Internet): Esclarecimentos no Pregão 19/2014 (prestação de serviços de telecomunicação de acesso dedicado à Internet): PEDIDO DE ESCLARECIMENTOS 4 (OI) E RESPOSTAS: TRT- TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 3ª REGIÃO, EM

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 7 Metro Ethernet Sumário IEEE 802.3ae 10 Gbit/s Ethernet - Metro

Leia mais

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO SCM PLANO ALTERNATIVO N 002 - SCM

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO SCM PLANO ALTERNATIVO N 002 - SCM PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO SCM PLANO ALTERNATIVO N 002 - SCM EMPRESA CLARO S/A., incorporadora da Embratel S.A. NOME DO PLANO REDE ÚNICA DE DADOS MPLS TIPO DE SERVIÇO Serviço de Formação de Rede MPLS

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

Segurança em Sistemas de Informação Tecnologias associadas a Firewall

Segurança em Sistemas de Informação Tecnologias associadas a Firewall Algumas definições Firewall Um componente ou conjunto de componentes que restringe acessos entre redes; Host Um computador ou um dispositivo conectado à rede; Bastion Host Um dispositivo que deve ser extremamente

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

Otimização de banda utilizando IPANEMA. Matheus Simões Martins. Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas

Otimização de banda utilizando IPANEMA. Matheus Simões Martins. Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Otimização de banda utilizando IPANEMA Matheus Simões Martins Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Novembro de 2009 Resumo O projeto

Leia mais

Firewalls. O que é um firewall?

Firewalls. O que é um firewall? Tópico 13 Firewall Ferramentas de defesa - Firewall. Princípios de projeto de firewall. Sistemas confiáveis. Critérios comuns para avaliação de segurança da tecnologia da informação. 2 Firewalls O que

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO A presente licitação tem como objeto a contratação de empresa, especializada e devidamente autorizada pela ANATEL - Agência Nacional de Telecomunicações, prestadora

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Anéis Ópticos em Backbone www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em 1980 foi formado o grupo de trabalho ANSI X3T9.5 com a finalidade de desenvolver

Leia mais

No item 3.1 (n) do Anexo I Especificação Técnica é especificado que:

No item 3.1 (n) do Anexo I Especificação Técnica é especificado que: Questionamento 1 Entendemos que para determinar o valor da Cesta de Serviços Mensal (CSM), utilizaremos como base as quantidades de PEP e de TVBB constantes no Anexo 07 (Minuta de Proposta) - página 31

Leia mais

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.)

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Unidade 3 3.1 Introdução 3.2. Definições 3.3. Motivações 3.4. Problemas 3.5. Desafios 3.6. Padronização e Arquitetura 3.7. Gerência

Leia mais

ANEXO 5 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX

ANEXO 5 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX ANEXO 5 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS, PROCEDIMENTOS DE TESTES E PARÂMETROS DE QUALIDADE 1. PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS 1.1 As Partes observarão

Leia mais

RESPOSTA AO PEDIDO DE ESCLARECIMENTOS Nº 01/2015

RESPOSTA AO PEDIDO DE ESCLARECIMENTOS Nº 01/2015 Serviço Social do Comércio Departamento Regional Minas Gerais Processo nº 11999/14 Folha nº Informações e/ou despachos RESPOSTA AO PEDIDO DE ESCLARECIMENTOS Nº 01/2015 Licitação: Pregão Eletrônico 0053/2015.

Leia mais

Especialização. Redes TCP/IP. Prof. Edgard Jamhour. Redes TCP/IP

Especialização. Redes TCP/IP. Prof. Edgard Jamhour. Redes TCP/IP Especialização Redes TCP/ Prof. Edgard Jamhour Redes TCP/ Especialização Endereçamento Internet e Intranet Redes TCP/ Internet = REDE TCP/ Endereço de 32 bits Identificador da rede Identificador do host

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Características de Firewalls

Características de Firewalls Firewall Firewall é um sistema de proteção de redes internas contra acessos não autorizados originados de uma rede não confiável (Internet), ao mesmo tempo que permite o acesso controlado da rede interna

Leia mais

PROPOSTA TÉCNICA COMERCIAL IMPLANTAÇÃO DE REDE FTTH E SERVIÇOS DE ACESSO À INTERNET BANDA LARGA E TELEFONIA

PROPOSTA TÉCNICA COMERCIAL IMPLANTAÇÃO DE REDE FTTH E SERVIÇOS DE ACESSO À INTERNET BANDA LARGA E TELEFONIA PROPOSTA TÉCNICA COMERCIAL IMPLANTAÇÃO DE REDE FTTH E SERVIÇOS DE ACESSO À INTERNET BANDA LARGA E TELEFONIA São Paulo, 09 de junho de 2010. Ao A/C.: Condomínio Colinas do Atibaia Jorge Vicente Lopes da

Leia mais

PRODAM - Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Mun. SP DIT- Diretoria de Infraestrutura e Tecnologia CPI - Comissão de Planejamento e

PRODAM - Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Mun. SP DIT- Diretoria de Infraestrutura e Tecnologia CPI - Comissão de Planejamento e PRODAM - Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Mun. SP DIT- Diretoria de Infraestrutura e Tecnologia CPI - Comissão de Planejamento e Implantação 1. Objetivo Esta cartilha tem o objetivo

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.)

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Tópicos Gerencia de Rede Motivação da Gerência Desafios Principais Organismos Padronizadores Modelo Amplamente Adotado As Gerências

Leia mais

INTERNET Edital de Licitação. Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007

INTERNET Edital de Licitação. Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007 INTERNET Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007 Anexo I - página 1 Índice 1. OBJETIVO... 3 2. VISÃO GERAL DO ESCOPO DO SERVIÇO... 3 3. ENDEREÇOS

Leia mais

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS 2015 1 A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS Marcelo Balbinot marcelo@alt.net.br Acessoline Telecom Agenda 2 Apresentação. A Empresa. Evolução do backbone. A tecnologia MPLS. Os serviços

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação. Parte 4 - Programas Prioritários em Informática

Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação. Parte 4 - Programas Prioritários em Informática Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação Parte 4 - Programas Prioritários em Informática Rede Nacional de Pesquisa Ministério da Ciência e Tecnologia Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL N. 23/2013 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

PREGÃO PRESENCIAL N. 23/2013 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO 1 PREGÃO PRESENCIAL N. 23/2013 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Objeto PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERNET BANDA LARGA ATRAVÉS DE EMPRESA ESPECIALIZADA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LINK DE INTERNET VIA REDE

Leia mais

FÓRUM IPv6 CENÁRIO TIM BRASIL. Classificação de informação: Público

FÓRUM IPv6 CENÁRIO TIM BRASIL. Classificação de informação: Público FÓRUM IPv6 CENÁRIO TIM BRASIL AGENDA. Contexto IPv4 / IPv6. Desenvolvimento do IPv6. Descrição da Solução. Desafios do IPv6. Estatísticas IPv6 TIM Brasil. Estratégia de Transição IPv4 para IPv6 Contexto

Leia mais

terá a capacidade inicial de 32Mb, com possibilidade de expansão mínima de até 128Mb.

terá a capacidade inicial de 32Mb, com possibilidade de expansão mínima de até 128Mb. MEMORIAL DESCRITIVO Objeto 1.1 O objeto do presente Termo de Referência (TR) é a contratação de empresa, ou consórcio de empresas, para o provimento de serviço de acesso à rede Internet no município SANTO

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

Unidade 1. Conceitos Básicos

Unidade 1. Conceitos Básicos Unidade 1 Conceitos Básicos 11 U1 - Conceitos Básicos Comunicação Protocolo Definição de rede Rede Internet 12 Comunicação de dados Comunicação de dados comunicação de informação em estado binário entre

Leia mais

IPv6 em rede de Campus Case UFSC & PoP-SC

IPv6 em rede de Campus Case UFSC & PoP-SC I WORKSHOP DE TECNOLOGIA DE REDES Ponto de Presença da RNP em Santa Catarina Rede Metropolitana de Educação e Pesquisa da Região de Florianópolis 04 e 05 Outubro/2012 IPv6 em rede de Campus Case UFSC &

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial

Sistemas de Informação Gerencial Sistemas de Informação Gerencial Aula 06 Prof.ª Bruna Patrícia da Silva Braga Infraestrutura de TI: Redes de Computadores Redes de Computadores Conjunto de computadores e periféricos ligados entre si através

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. TELEBRÁS

TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. TELEBRÁS PÁG. 1 DE 13 PRÁTICA DE SERVIÇO DE BANDA LARGA REQUISITOS MÍNIMOS PARA OS PRESTADORES DE SERVIÇO DO PROGRAMA NACIONAL DE BANDA LARGA - PNBL Sumário 1.OBJETIVO... 2 2.CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 3.DEFINIÇÕES...

Leia mais

O que é Gerenciamento de Redes de Computadores? A gerência de redes de computadores consiste no desenvolvimento, integração e coordenação do

O que é Gerenciamento de Redes de Computadores? A gerência de redes de computadores consiste no desenvolvimento, integração e coordenação do O que é Gerenciamento de Redes de Computadores? A gerência de redes de computadores consiste no desenvolvimento, integração e coordenação do hardware, software e usuários para monitorar, configurar, analisar,

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação CONCEITO Dois ou mais computadores conectados entre si permitindo troca de informações, compartilhamento de

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

ANEXO XII PADRÃO DE CONTRATAÇÃO DE LINKS DE DADOS DO TIPO LPCDSLDD ADOTADO NO ÂMBITO DA PCRJ

ANEXO XII PADRÃO DE CONTRATAÇÃO DE LINKS DE DADOS DO TIPO LPCDSLDD ADOTADO NO ÂMBITO DA PCRJ PADRÃO DE CONTRATAÇÃO DE LINKS DE DADOS DO TIPO LPCDSLDD ADOTADO NO ÂMBITO DA PCRJ 1. Objetivo - Finalidade Objetivo: Especificar/descrever e detalhar a contratação de prestação de Serviços de Rede de

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 6 LPCD, Redes IP/MPLS, VPN e Frame Relay Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral MPLS significa Multi Protocol Label Switching. OMPLSé um mecanismo eficiente i de encapsulamento em hardware

Leia mais

Roteamento IP & MPLS. Prof. Marcos Argachoy

Roteamento IP & MPLS. Prof. Marcos Argachoy REDES DE LONGA DISTANCIA Roteamento IP & MPLS Prof. Marcos Argachoy Perfil desse tema O Roteador Roteamento IP Protocolos de Roteamento MPLS Roteador Roteamento IP & MPLS Hardware (ou software) destinado

Leia mais

Tabela de Preços MARKETING B2B

Tabela de Preços MARKETING B2B 1. SOLUÇÔES DE DADOS E ACESSO A INTERNET... 2 1.1. TC IP ECONÔMICO SAT... 2 1.2. TC VPN CONNECT... 4 1.3. TC DATA... 4 1.4. TC PAC... 6 1.5. TC PAC DEDICADO... 7 1.6. TC FRAME WAY... 12 1/15 1. SOLUÇÔES

Leia mais

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações Mário Meireles Teixeira mario@deinf.ufma.br Motivação Atualmente, funcionam sobre as redes IP aplicações cujos requisitos elas não foram projetadas para atender

Leia mais

Segurança em Redes TCP/IP. Redes Virtuais Privadas e Extranets

Segurança em Redes TCP/IP. Redes Virtuais Privadas e Extranets Segurança em Redes TCP/IP Redes Virtuais Privadas e Extranets UNISANTA TELECOMUNICAÇÕES 2004 Acesso por linha discada Serviço de Acesso Remoto: Implementado pelos sistemas operacionais comerciais mais

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

1) QUANTIDADE E DETALHAMENTO DE ESPECIFICAÇÕES DE EQUIPAMENTOS. O item 1.1.1.2 das Condições Gerais do Objeto dispõe o seguinte:

1) QUANTIDADE E DETALHAMENTO DE ESPECIFICAÇÕES DE EQUIPAMENTOS. O item 1.1.1.2 das Condições Gerais do Objeto dispõe o seguinte: 1) QUANTIDADE E DETALHAMENTO DE ESPECIFICAÇÕES DE EQUIPAMENTOS. O item 1.1.1.2 das Condições Gerais do Objeto dispõe o seguinte: 1.1.1.2 Nos CSR, os quais executarão ações comandadas pelo CM e supervisionarão

Leia mais

SIMET Medindo a qualidade das conexões Internet no Brasil. Fabricio Tamusiunas fabricio@nic.br César Linhares Rosa cesar@nic.br

SIMET Medindo a qualidade das conexões Internet no Brasil. Fabricio Tamusiunas fabricio@nic.br César Linhares Rosa cesar@nic.br SIMET Medindo a qualidade das conexões Internet no Brasil Fabricio Tamusiunas fabricio@nic.br César Linhares Rosa cesar@nic.br NIC.br Criado para implementar os projetos e decisões do CGI.br Registro e

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DIVISÃO DE TELECOMUNICAÇÕES

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DIVISÃO DE TELECOMUNICAÇÕES SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DIVISÃO DE TELECOMUNICAÇÕES Procedimento 08206.000881/2012-14 PE/SRP 04/2013-CGTI/DPF Interessado

Leia mais

ISP Redundancy e IPS Utilizando Check Point Security Gateway. Resumo

ISP Redundancy e IPS Utilizando Check Point Security Gateway. Resumo ISP Redundancy e IPS Utilizando Check Point Security Gateway Radamés Bett Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, outubro de 2010 Resumo

Leia mais

SECRETARIA DE FAZENDA - DF SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DE DADOS, VOZ E IMAGENS VIA RÁDIO.

SECRETARIA DE FAZENDA - DF SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DE DADOS, VOZ E IMAGENS VIA RÁDIO. SECRETARIA DE FAZENDA - DF SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DE DADOS, VOZ E IMAGENS VIA RÁDIO. 1 Marcelo Herbert de Lima Chefe do Núcleo de Controle da Produção DADOS, VOZ E IMAGENS VIA RÁDIO. 2 1 Roteiro A Secretaria

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais