SEPARAÇÃO SÓLIDO-LÍQUIDO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEPARAÇÃO SÓLIDO-LÍQUIDO"

Transcrição

1 Centro de Tecnologia Mineral Ministério da Ciência e Tecnologia Coordenação de Inovação Técnológica - CTEC SEPARAÇÃO SÓLIDO-LÍQUIDO Silvia Cristina Alves França Giulio Massarani Rio de Janeiro 00 CT Comunicação Técnica elaborada para a 3 a Edição do Livro de Tratamento de Tratamento de Minérios Cap.14, p

2 CAPÍTULO 14 Sílvia Cristina A. França Giulio Massarani () (1) SEPARAÇÃO SÓLIDO-LÍQUIDO (1) Eng a. Química/UFS, M.Sc. e D.Sc./PEQ/COPPE; Pesquisadora do CTM/CETEM/MCT. () Eng o. Químico/Universidade do Brasil, M.Sc./University o Houston USA, D.Sc./Université de Toulousse - França; Proessor Titular do PEQ/COPPE

3 Tratamento de Minérios 3 a Edição CETEM 573 INTRODUÇÃO Entre as múltiplas opções oerecidas pela operação de separação de ases, este capítulo restringe-se às suspensões sólido-líquido e aos aspectos relacionados ao projeto e análise do desempenho de alguns equipamentos tradicionais para o espessamento e a iltração. No que se reere ao espessamento, será abordada a sedimentação contínua tanto no campo gravítico espessador Dorr-Oliver como no campo centríugo moderado resultante do escoamento da suspensão na coniguração geométrica peculiar do hidrociclone. A iltração de suspensões, que também será abordada neste capítulo, se restringirá aos iltros prensa e rotativo, na qual se considera a operação descontínua e sob pressão de algumas atmoseras, no primeiro caso, continuamente e sob vácuo, no segundo. Fluidodinâmica da Partícula Em muitas situações, como na operação de um ciclone, a concentração da ase particulada está relacionada ao comportamento dinâmico das partículas em movimento no interior do equipamento. A velocidade terminal de sedimentação, v, de uma partícula isolada em movimento no luido com densidade ρ e viscosidade µ é dada pela equação empírica (Massarani, 1997): µ v = D ρ p k 1 c D Re 4 1,0 c Re D + k 0,60 0,83 [14.1] onde C D é o coeiciente de arraste da partícula e Re é o número de Reynolds: ρ Re = µ vd p c D Re = 4 3 ρ ( ρ ρ ) s µ bd 3 p φ k 1 = 0,843 log10, k = 5,31 4, 88φ 0,065

4 574 Separação Sólido-Líquido Neste resultado a partícula é caracterizada através da densidade ρ s, do diâmetro da esera com igual volume que o da partícula, D p (diâmetro volumétrico) e pelo ator de orma φ, a esericidade: 3 πd p V p = [14.] 6 superície da esera com o volume da partícula φ = [14.3] superície da partícula A intensidade do campo exterior b, gravitacional ou centríugo na direção perpendicular ao campo de velocidades tangenciais do luido u θ toma, respectivamente, a orma b = g [14.4] b r = ru θ [14.5] onde r é a posição radial da partícula. Cabe ainda mencionar que o resultado expresso pela Eq. [14.1] encerra a bem conhecida equação de Stokes, v = ( ρ ρ ) s 18µ bd p [14.6] válida para o deslocamento lento de uma partícula esérica, quando o número de Reynolds é menor que 0,5. A velocidade da partícula no seio da massa luida é reduzida pela presença de outras partículas, como mostra a correlação de Richardson e Zaki (1954): v v n = ε [14.7] onde v é a velocidade terminal da partícula isolada, ε a ração volumétrica de luido e n um parâmetro que depende do número de Reynolds da partícula isolada. Na Tabela 14.1 encontram-se os valores de n usados para o cálculo da velocidade terminal de sedimentação da partícula.

5 Tratamento de Minérios 3 a Edição CETEM 575 Tabela 14.1 Valores de n usados para o cálculo da velocidade terminal de sedimentação da partícula. D p v Re = ρ < 0, 0, > 500 µ 0, 03 n 3,65 4,35Re 1,45Re 0, 4 1,39 Escoamento em Meios Porosos As operações de iltração e espessamento de suspensões levam à ormação de tortas e de sedimentos que se caracterizam por exibirem uma variação de compactação ao longo da sua estrutura, causada pela percolação de líquido. Seja a coniguração de escoamento representada na Figura (14.1). Líquido Líquido z Meio poroso Placa porosa Figura 14.1 Escoamento de líquido através de meio poroso As equações básicas do escoamento de um líquido em um meio poroso, dentro das simpliicações eitas tradicionalmente, são (Massarani, 1977), para a ase líquida: dp = m ρ g [14.8] dz para a ase particulada: dps = m ε s ( ρs ρ )g [14.9] dz

6 576 Separação Sólido-Líquido onde P s e P são respectivamente a pressão exercida sobre a ase sólida e a ase luida, g é a aceleração da gravidade e m é a orça resistiva luido-partícula (por unidade de volume do sistema particulado), dada pela Equação [14.10] µ m = q [14.10] k Q q = [14.11] A ( D φ ) ( ) 3 p 1 ε s ε s k = [14.1] 170 ( ) ε = [14.13] s P s Nesta ormulação, q a velocidade supericial de luido, ε s é a ração volumétrica de sólido e k a permeabilidade do meio poroso. A Eq. [14.10] exprime a lei de Darcy válida para escoamento lento através do meio poroso. A Eq. [14.13] permite levar em conta a compressibilidade do sedimento. Combinando as Eq. [14.8] e [14.9] vem dp dps + = [ ρ + ε s ( ρs ρ )] g = ( ε ρ + ε sρs ) g = ρmg [14.14] dz dz onde ρ M é a densidade do sistema particulado e ε = 1 ε s A integração da Eq. [14.14] leva ao resultado P ( z) = P (0) P ( z) + ρ gz [14.15] s evidenciando que: M a) a pressão sobre o luido aumenta no sentido do escoamento do luido; b) a pressão sobre o sólido aumenta com a vazão de líquido Eqs. [14.8, e 14.15].

7 Tratamento de Minérios 3 a Edição CETEM 577 ESPESSAMENTO A sedimentação é um dos processos de separação sólido-luido baseados na dierença entre as densidades dos constituintes de uma suspensão; a remoção das partículas sólidas presentes em uma corrente líquida se dá pela ação do campo gravitacional, o que oerece ao processo as características de baixo custo e grande simplicidade operacional. A larga utilização industrial dos sedimentadores promove um crescente interesse no conhecimento do dimensionamento e operação desses equipamentos, com o im de melhorar a utilização e eiciência no atendimento aos objetivos operacionais. Na literatura, costuma-se classiicar os sedimentadores em dois tipos: os espessadores, que têm como produto de interesse o sólido e são caracterizados pela produção de espessados com alta concentração de sólidos e os clariicadores, que têm como produto de interesse o líquido e se caracterizam pela produção de espessados com baixas concentrações de sólidos. Industrialmente os espessadores são os mais utilizados e operam, geralmente, em regime contínuo. Na indústria da mineração, os espessadores são largamente utilizados para as seguintes inalidades: obtenção de polpas com concentrações adequadas a um determinado processo subsequente; espessamento de rejeitos com concentração de sólidos elevada, visando transporte e descarte mais eicazes; recuperação de água para reciclo industrial; recuperação de sólidos ou solução de operações de lixiviação utilizados em processos hidrometalúrgicos. A operação de sedimentação é baseada em enômenos de transporte, onde a partícula sólida em suspensão está sujeita à ação das orças da gravidade, do empuxo e de resistência ao movimento. O mecanismo da sedimentação descontínua auxilia na descrição do processo contínuo, com o uso do teste de proveta, que é baseado no deslocamento da interace superior da suspensão com o tempo, conorme ilustra a Figura 14.. Durante esse teste pode ser observada a existência de três regiões distintas: a região de líquido clariicado, a de sedimentação livre e a de compactação. Algumas considerações ísicas devem ser estabelecidas, a im de caracterizar cada região: na região de sedimentação livre, as partículas sólidas sedimentam sem que haja interação entre elas; a velocidade de sedimentação e a concentração de sólidos são consideradas constantes;

8 578 Separação Sólido-Líquido na região de compactação, as partículas sólidas já começam a interagir entre si; é notada a variação da concentração de sólidos ao longo dessa região, devido à desaceleração sorida por essas partículas. t= 0 t 1 >0 t >t 1 t in a l Região de líquido clariicado Região de sedim entação livre Região de com pactação Figura 14. Etapas de um teste de proveta e suas regiões ormadas durante a sedimentação. No início do teste (t = 0), a suspensão apresenta-se homogênea e a concentração de sólidos é constante em todos os pontos da proveta. Instantes depois, as partículas maiores começam a sedimentar e a ormar uma ina camada no undo da proveta, que é a região de compactação; essa região é ormada por partículas sólidas mais pesadas e com maior velocidade de sedimentação. As partículas sólidas mais inas sedimentam mais lentamente e sem interação entre elas, dando origem a uma região intermediária, de concentração de sólidos constante que é a região de sedimentação livre. Ao mesmo tempo que os sólidos começam a sedimentar, tem início a ormação de uma região de líquido clariicado, isenta de sólidos. Com o decorrer do teste são observadas variações nas alturas das regiões: as regiões de líquido clariicado e de compactação tornam-se maiores devido ao desaparecimento da região de sedimentação livre. Em seguida é atingido um ponto onde existe apenas uma região de sólidos (compactação) e uma região de líquido clariicado. A partir desse ponto o processo de sedimentação consiste numa compressão lenta dos sólidos, que expulsa o líquido existente entre essas partículas para a região de líquido clariicado. A expulsão do líquido promove a reacomodação das partículas sólidas, que pode ser observado por meio de uma pequena variação na altura da região de compactação. Fatores que Aetam a Sedimentação A sedimentação de uma suspensão aquosa de partículas ou locos pode sorer a inluencia de atores tais como: a natureza das partículas, como distribuição de tamanhos, orma, densidade especíica, propriedades químicas e mineralógicas etc.;

9 Tratamento de Minérios 3 a Edição CETEM 579 a quantidade de sólidos na suspensão; pré-tratamento da suspensão, para auxiliar na sedimentação; dimensões do tanque de sedimentação. Natureza das Partículas Partículas eséricas ou com orma aproximada à esérica têm uma maior acilidade de sedimentar do que partículas de mesmo peso com ormato irregular. Comportamento semelhante é observado na sedimentação de partículas de maior diâmetro, diante das muito inas. Uma alternativa à irregularidade e ao pequeno diâmetro de partículas é a loculação, que promove a aglomeração das partículas resultando em unidades maiores e com orma mais aproximada da esérica, implementando melhorias às características de sedimentação da suspensão. A loculação ocorre, geralmente, pela adição de um agente loculante que dá ao meio as condições necessárias à loculação; porém, existem suspensões em que as partículas sólidas já são química ou mineralogicamente apropriadas ao meio iônico da suspensão, e ormando naturalmente os aglomerados. Eeito de Concentração Suspensões muito concentradas apresentam características de sedimentação bem dierentes das observadas na sedimentação de uma partícula isolada, devido ao eeito da concentração. Esse eeito origina o enômeno da sedimentação impedida, azendo com que a taxa de sedimentação deixe de ser constante para se tornar decrescente. Pré-Tratamento Suspensões loculadas apresentam diversas características dierentes da suspensão de partículas, uma delas é a taxa de sedimentação consideravelmente maior do que a da suspensão original, devido à grande quantidade de água que o loco contém nos seus interstícios; assim, características como orma e densidade são muito pouco relacionadas com as características das partículas originais. Para a previsão de novas taxas de sedimentação, o que é extremamente complexo, az-se necessário o conhecimento de um novo ator de orma e valor de densidade, que ainda são determinados por métodos empíricos, FRANÇA (000). A grande diiculdade na determinação destas variáveis é a sua dependência não apenas com o tipo de loculante utilizado, mas também com as condições ísico-químicas sob as quais ocorreu a loculação.

10 580 Separação Sólido-Líquido Tanque de Sedimentação A geometria e as dimensões do tanque têm inluência no processo de sedimentação; a existência de paredes ou obstáculos no trajeto da partícula promove a redução da taxa de sedimentação. Dessa orma, deve existir uma relação ótima entre o diâmetro do sedimentador e o diâmetro médio das partículas, em torno de 100 vezes, para que os eeitos de parede sejam desprezados. A altura de suspensão no tanque não altera a taxa de sedimentação nem a concentração de sólidos na lama ao inal do teste, porém se a concentração de sólidos é muito alta, é importante que o tanque seja alto o suiciente para que o processo de sedimentação livre aconteça livremente, sem que as partículas ainda nesta região sejam indevidamente desaceleradas devido ao undo do tanque. Tipos de Espessadores A capacidade de uma unidade de espessamento é diretamente proporcional à sua área e é usualmente determinada em unção da taxa de sedimentação dos sólidos na suspensão, que independe da altura de líquido. A polpa, na sedimentação, passa através de zonas de concentração de sólidos variável entre a da alimentação e da descarga inal; consequentemente, nas zonas intermediárias existentes entre esses limites de concentração, cada partícula encontrará dierentes taxas de sedimentação e a zona que exibir a menor taxa de sedimentação será a responsável pelo dimensionamento da unidade. A capacidade de uma unidade contínua de espessamento está baseada na sua habilidade em processar suspensões, tanto na unção de espessador quanto de clariicador. A área da unidade controla o tempo necessário para que ocorra a sedimentação dos sólidos através do líquido a uma dada taxa de alimentação do mesmo e é importante na determinação da capacidade de clariicação do equipamento. A altura da unidade controla o tempo necessário para o espessamento da polpa para uma dada taxa de alimentação dos sólidos e é importante na determinação da capacidade de espessamento da unidade. O projeto das unidades de espessamento não segue estritamente as proporções geométricas; a relação entre altura e diâmetro é importante apenas para avaliar se o volume do tanque proporcionará um tempo de sedimentação necessário aos objetivos do equipamento, considerando atores como eiciência operacional e projeto mecânico. Os tipos de espessadores variam em unção da geometria ou orma de alimentação do equipamento. Basicamente são tanques de concreto equipados com um mecanismo de raspagem, para carrear o material sedimentado até o ponto de retirada, e corresponde ao maior custo do equipamento. Os braços raspadores são acoplados à estrutura de sustentação do tubo central de alimentação da suspensão e devem ser projetados baseados no torque aplicado ao motor. Devem também ter lexibilidade para suportar dierentes volumes e tipos de cargas impostas.

11 Tratamento de Minérios 3 a Edição CETEM 581 Espessador Contínuo Convencional O espessador contínuo convencional consiste em um tanque provido de um sistema de alimentação de suspensão e um de retirada do espessado (raspadores), dispositivos para descarga do overlow e do underlow. Esse tipo é o mais utilizado industrialmente; maiores detalhes sobre a sua estrutura e mecanismos de operação podem ser vistos na Figura Figura 14.3 Esquema operacional de um espessador contínuo convencional. Espessador de Alta Capacidade Esse tipo de espessador é bastante semelhante a contínuo convencional, porém com alguma modiicação estrutural de projeto - seja por meio da inserção de lamelas ou modiicação no posicionamento da alimentação da suspensão, entre outras que promove o aumento da capacidade do equipamento. Uma das vantagens desse equipamento, além de aumentar a capacidade, promove um aumento na área de espessamento, sem que seja aumentando o diâmetro do equipamento. Este ato é muito atraente industrialmente, especialmente no que diz respeito ao espaço necessário para a montagem dos mesmos. Espessador de Lamelas Essa unidade de espessamento, que também é um espessador de alta capacidade, consiste numa série de placas inclinadas (lamelas), dispostas lado a lado, ormando canais (Fig. 14.4). A vantagem dessa coniguração é a economia de espaço, uma vez que a capacidade de sedimentação nesses equipamentos é bem maior que no espessador convencional, pois a área eetiva de sedimentação é dada pela soma das áreas projetadas de cada lamela. Outra vantagem da coniguração lamelar está na rápida sedimentação, uma vez que o tempo de sedimentação das partículas sólidas é proporcional à altura de queda vertical, o qual pode ser reduzido, diminuindo-se o espaçamento entre as lamelas.

12 58 Separação Sólido-Líquido Nesses espessadores, a suspensão pode ser introduzida diretamente no compartimento de alimentação ou numa câmara de mistura e loculação. Os sólidos sedimentam sobre as lamelas e deslizam até o undo do equipamento, ormando o espessado. Devido ao tempo de residência e à baixa vibração mecânica no undo do sedimentador, o material sedimentado sore um adensamento e é, em seguida, bombeado. Figura 14.4 Esquema operacional de um espessador de lamelas. Espessador com Alimentação Submersa Nesse tipo de espessador, a alimentação da suspensão é eita em um ponto interior da região de compactação. Isso elimina a necessidade da sedimentação livre das partículas sólidas, pois essas já são alimentadas num leito de lama já existente, que aprisiona as partículas sólidas, enquanto o líquido percola o leito ascencionalmente, em direção à região de líquido clariicado. Essa coniguração é de abricação da EIMCO. Essa simples modiicação de projeto promove um aumento na capacidade do equipamento em cerca de 30% para suspensões de partículas (FRANÇA, 1996) e de até uma ordem de grandeza para suspensões loculentas (CONCHA et al., 1994). Outro tipo de espessador também conhecido como de alta capacidade, de abricação da Dorr-Oliver, diere do primeiro por possuir uma câmara de mistura e loculação antes da

13 Tratamento de Minérios 3 a Edição CETEM 583 alimentação da suspensão, que é eita na parte superior do equipamento, como no sedimentador convencional. A literatura também cita aumentos de capacidade na ordem de 50% para essa coniguração (Dorr-Oliver, 1991). Projeto do Espessador Convencional Contínuo O dimensionamento de um espessador convencional contínuo consta do cálculo da sua altura e área transversal e é baseado em dados operacionais de sedimentação em batelada. A curva de sedimentação, que representa a variação da altura da interace de sólidos, com o tempo, ornece dados de taxa de sedimentação, razão de concentração entre a alimentação e o espesssado ormado, concentração máxima do espessado, dentre outros, necessários ao projeto da unidade contínua. É importante ressaltar que esses dados ornecem inormações sobre a natureza da suspensão, porém o comportamento da suspensão tem alguma variação, de um processo de sedimentação para o outro. Na realidade o projeto é uma extrapolação da operação em batelada para a contínua e, com isso, há a necessidade da inclusão de parâmetros de correção ao projeto. Cálculo da Área Transversal de Sedimentação Seja um espessador contínuo em operação, com a região de líquido clariicado isenta de sólidos; o balanço de massa para as ases sólida e líquida pode ser representado pelas equações a seguir: Balanço de massa do sólido S a * a s * s e * e ρ Q c = ρ Qc = ρ Q c [14.16] que resulta em * e * L.c L l = [14.17] c onde ρ s é a densidade da ase sólida, Q é a vazão de suspensão descendente e c * a concentração volumétrica de sólidos numa seção transversal qualquer do espessador. Os subíndices a e e são reerentes à alimentação e ao espessado, respectivamente. Balanço de massa do líquido (entre uma seção transversal qualquer e a retirada do material espessado). * * e ρ Q (1 c ) = ρ Q = ρ Q (1 c ) [14.18] e

14 584 Separação Sólido-Líquido Do arranjo das Eqs. [14.16], [14.17] e [14.18], tem-se: * 1 1 Q = Qac a. * * [14.19] c c e onde ρ é a densidade da ase luida, Q é a vazão de luido ascendente numa seção transversal qualquer do espessador. Considerando que a velocidade ascensional de líquido e a concentração mássica de sólidos numa seção transversal qualquer do espessador sejam dadas, respectivamente, por: Q v * s c = e c = ρ A pode-se escrever a Equação [14.19] em termos de área de sedimentação: Qac A = v a 1 1 * c c [14.0] ou em termos de capacidade do espessador: Q A a = 1 c a v. 1 1 c c e [14.1] onde: A representa a área da seção transversal do espessador. O uncionamento adequado de um espessador requer uma corrente de líquido clariicado isenta de sólidos e para que isso aconteça é necessário que a velocidade ascensional de líquido clariicado seja menor do que a velocidade de sedimentação dos sólidos, para que não ocorra o arraste dessas partículas. A capacidade do espessador é a medida do volume de suspensão que pode ser tratado por unidade de tempo, para a obtenção de uma lama com características pré-determinadas, para isso é necessário que o cálculo da capacidade seja eito para toda a aixa de concentrações de sólido existente dentro do espessador, desde a concentração de alimentação até a concentração da lama. O valor mínimo de capacidade é que deverá ser utilizado nos cálculos de projeto do espessador. Os dados de concentração e velocidade de sedimentação utilizados na Eq. [14.1], especíicos para cada sistema sólido-luido, podem ser determinados por ensaio de proveta

15 Tratamento de Minérios 3 a Edição CETEM 585 clássico na versão Kynch (195), por meio da observação do deslocamento da interace de sólidos com o tempo, como pode ser observado na Figura z 0 c a z c = z i 0 (14.) z 0 z z i z z i z v = θ (14.3) θ Figura Ensaio de proveta na versão Kynch. Biscaia Jr. (198) propôs uma simpliicação ao procedimento de Kynch e à minimização de L a /A, Eq. [14.4], baseado no ato de que a curva de sedimentação resulta na combinação de uma reta com uma exponencial, como mostra Figura Figura Procedimento simpliicado de Biscaia Jr. (198). Cálculo da Altura do Espessador Seja um espessador em operação contínua, como representado na Figura 14.7.

16 586 Separação Sólido-Líquido Figura Esquema de alturas em um espessador convencional. PAVLOV et al. (1981) propõe o cálculo da altura do espessador mediante a soma das parcelas indicadas na Figura H = H 1 + H +H 3 [14.5] onde: H 1 é a altura da região de líquido clariicado, que pode variar entre 0,45 e 0,75 m; H a altura da região de espessamento e H 3 a altura do undo do espessador. A altura da região de espessamento, H, pode ser estimada valendo-se de um balanço de massa para essa região: ( ρ s ρ) ( ρ ρ) 4 L ac at H = [14.6] 3 Aρ s onde: t ρ l é o tempo de residência da partícula sólida, calculado pelo do método gráico mostrado na Figura 14.8; a densidade da espessado. O ator 4/3 tem a inalidade de corrigir a imprecisão do uso da densidade do espessado em vez da densidade média na região de espessamento.

17 Tratamento de Minérios 3 a Edição CETEM 587 A altura do undo do espessador é dada pela expressão: H 3 = 7,3. 10 D [14.7] onde D é o diâmetro do espessador, calculado previamente. Figura Determinação do tempo de residência na região de espessamento. Exemplo 14.1 Deseja-se dimensionar um espessador do tipo Dorr-Oliver para operar com 0 m 3 /h de uma suspensão aquosa de calcita (CaCO 3 ), cuja concentração de sólidos na alimentação é igual a 35 g/l e a concentração desejada para a polpa é de 140 g/l. A densidade do sólido é.660 kg/m 3 e a temperatura de operação do espessador é 5 0 C. O ensaio de proveta realizado previamente ornece a curva ilustrada na Figura 14.9.

18 588 Separação Sólido-Líquido Figura 14.9 Curva de sedimentação em batelada e estratégia de determinação do tempo de residência para suspensão de CaCO 3. Cálculo da área do espessador A área do espessador é calculada com base na Eq. [14.4], proposta na simpliicação de Biscaia Jr. (198): L a z min = 35 cm e = 0,49m 3 / m h. A partir desses valores e o uso da curva A proj da Figura 14.9 tem-se que: Área de sedimentação: A = 41, m ; Diâmetro do sedimentador: D = 7,3 m. Cálculo da altura do espessador Com base nos dados da curva de sedimentação apresentados na Figura 14.9 oi determinado o tempo de residência t = 100 min. Considerando H 1 = 0,60 m e calculando H e H 3 por meio das Eqs. [14.6] e [14.7], respectivamente, tem-se uma altura inal para o sedimentador de H = 1,4 m.

19 Tratamento de Minérios 3 a Edição CETEM 589 HIDROCICLONES Os ciclones são equipamentos com inúmeras aplicações nos dierentes campos tecnológicos, como na limpeza de gases, atomização, classiicação de partículas, dentre outras. Há também grande utilização desses equipamentos nos processos de separação sólido-líquido e classiicação de minérios, quando são chamados de hidrociclones. Os hidrociclones, têm grande aplicação na classiicação de partículas com diâmetros na aixa de 5 a 00 µm, sendo utilizados em dois processos extremos que são a clariicação e o desaguamento. Como aplicações típicas dos hidrociclones pode-se ainda incluir a puriicação de óleos de rerigeração na industria, na separação de produtos minerais, na regeneração de lamas de peruração entre outros. No espessamento, os hidrociclones são usados em substituição aos espessadores gravitacionais, embora produzindo underlow com concentrações mais baixas. O princípio básico de separação nesses equipamentos é a sedimentação centríuga, onde partículas suspensas são submetidas a uma aceleração centríuga, que az com que elas se separem do líquido, a partir do próprio movimento da suspensão no interior do equipamento. O hidrociclone é ormado por uma seção cilíndrica acoplada a uma seção cônica. A suspensão líquida de partículas é alimentada tangencialmente através de uma abertura lateral localizada na parte superior da seção cilíndrica; a alimentação tangencial gera um orte movimento em espiral da suspensão dentro do ciclone. Parte do líquido contendo as partículas da ração ina é descarregada através de um tudo cilíndrico ixado no topo do hidrociclone; este tubo apresenta um prolongamento exterior ao equipamento e é chamado de coletor de overlow ou vortex inder. A ração grossa das partículas e o líquido remanescente deixam a parte circular do equipamento em direção à seção cônica e, posteriormente, para o oriício de underlow. A seção cônica dos hidrociclones tem como principal inalidade a recuperação de energia cinética, para manutenção dos níveis de velocidade dentro do equipamento. A distribuição de luxos no hidrociclone tem simetria circular, com exceção da região tangencial ao duto e suas imediações. A velocidade do luxo de líquido em qualquer ponto interno do ciclone pode ser decomposta em três componentes: a velocidade tangencial v, a velocidade radial u e a velocidade axial w. Como a ciclonagem é um princípio de separação que trata da dinâmica de partículas, torna-se essencial o entendimento das características do luxo de líquido dentro do equipamento para a melhor compreensão das suas unções, bem como da estimativa da trajetória das partículas que levam ao apereiçoamento do projeto do equipamento e à sua eiciência de separação.

20 590 Separação Sólido-Líquido Movimento das Partículas Suspensas Quando partículas sólidas são alimentadas no hidrociclone próximo à parede da seção cilíndrica estas sorem dispersão radial devido à intensa turbulência causada pela alimentação. Por esta razão, a seção cilíndrica é considerada uma seção de separação preliminar; a separação propriamente dita ocorre na seção cônica do equipamento. Seja uma partícula sólida situada em qualquer ponto do luxo em um hidrociclone, esta está sujeita a duas orças: uma dos campos de aceleração (gravitacional ou centríugo) e a outra proveniente do arraste exercido pelo líquido sobre as partículas. Nos hidrociclones pode-se negligenciar o eeito do campo gravitacional diante do campo centríugo, tendo inluência sobre as partículas apenas as orças de arraste e centríuga. O movimento das partículas ocorre nas direções tangencial e vertical e oposto às orças de arraste e centríuga, o que resulta no valor das componentes de velocidade naquelas direções serem iguais à velocidade do luxo nas componentes v e w. Uma vez que a orça centríuga atua na direção radial, a partícula seguirá o luxo radial de líquido e sorerá uma elutriação centríuga. Se a ação da orça centríuga sobre a partícula excede a orça de arraste, esta se moverá radialmente para ora; se a orça de arraste excede a orça centríuga, a partícula se moverá radialmente para a parte interna do equipamento. Como as orça de arraste e centríuga são determinadas pelos valores de u e v, respectivamente, os valores relativos de u e v em cada região de separação são decisivos na determinação da eiciência do hidrociclone. A classiicação das partículas dentro de um hidrociclone ocorre por meio da ação do campo centríugo, que é resultante da coniguração do equipamento e do modo de alimentação da suspensão. Para o estudo dos hidrociclones az-se necessário, para as dierentes conigurações existentes, o estabelecimento das equações que ornecem a relação entre as propriedades ísicas do sistema, dimensões do equipamento, diâmetro de corte, queda de pressão e eiciência global de coleta, dentre outras. A coniguração do ciclone é dada por uma relação especíica entre as suas dimensões, expressa em termos do diâmetro de corte, D c. Nesse capítulo trataremos dos hidrociclones nas conigurações Rietema e Bradley (Figura 14.10).

21 Tratamento de Minérios 3 a Edição CETEM 591 Figura Coniguração dos hidrociclones Rietema e Bradley. O Diâmetro de Corte O diâmetro de corte na classiicação centríuga em hidrociclones Bradley e Rietema é dado pela equação a seguir. * D D c 1 µ Dc = K. ( RL ). g( c v ) [14.8] Q( ρs ρ ) onde: D c K é o diâmetro da parte cilíndrica do ciclone; um parâmetro que depende da coniguração do equipamento; µ a viscosidade; Q a vazão do luido que alimentam o hidrociclone; é um ator de correção que considera que uma ração das partículas será coletada no underlow pelo eeito T ; g é um ator que leva em conta a concentração volumétrica de sólidos na alimentação, c v (Massarani, 1997).

22 59 Separação Sólido-Líquido O ator está relacionado ao quociente entre as vazões de luido no underlow e na alimentação, R L, pela Equação [14.9]. ( R L ) = 1+ A.R L [14.9] onde R L C Du = B. [14.30] Dc Nas Eqs. [14.8] e [14.30] os parâmetros A, B e C são relacionados à coniguração do ciclone, D u e D c representam os diâmetros do underlow e da seção cilíndrica do equipamento, respectivamente. Quando as partículas apresentam orma arredondada, o ator g pode ser expresso pela seguinte equação empírica: g( c v 1 ) = [14.31] [ 4,8.(1 c ) 3,8.(1 c )] 0, 5 v v A Tabela 14. mostra alguns valores dos parâmetros para hidrociclones Bradley e Rietema e as condições operacionais recomendadas. Tabela 14. Parâmetros de coniguração de hidrociclones e condições operacionais recomendadas (Massarani, 1997). Parâmetro Rietema Bradley K 0,039 0,016 A 1,73 1,73 B ,3 C 4,75,63 β u ou Re < Re < <Re <.10 4 Du/Dc 0,10 0,30 0,07 0,15 Na Tabela 14.1 tem-se que: Q ρ u c = e Re = D c u c D π c µ 4 sendo u c a velocidade média do luido na seção cilíndrica do hidrociclone.

10 CICLONES. b) Não tem peças móveis (baixo custo de manutenção).

10 CICLONES. b) Não tem peças móveis (baixo custo de manutenção). 10 CICLONES ENTRE OS EQUIPAMENTOS DE SEPARAÇÃO DE PARTÍCULAS SÓLIDAS OU DE GOTÍCULAS LÍQUIDAS, DO TIPO CENTRÍFUGO, O MAIS AMPLAMENTE USADO É O CICLONE. 10.1 VANTAGENS DO CICLONE a) Baixo custo. b) Não

Leia mais

Decantação primária e precipitação

Decantação primária e precipitação Decantação primária e precipitação Prof. Dr. Peterson B. Moraes Departamento de Tecnologia em Saneamento Ambiental Centro Superior de Educação Tecnológica UNICAMP - Limeira 1 Decantadores primários (sedimentação)

Leia mais

( ) ( ) ( ( ) ( )) ( )

( ) ( ) ( ( ) ( )) ( ) Física 0 Duas partículas A e, de massa m, executam movimentos circulares uniormes sobre o plano x (x e representam eixos perpendiculares) com equações horárias dadas por xa ( t ) = a+acos ( ωt ), ( t )

Leia mais

Operação Unitária de Centrifugação

Operação Unitária de Centrifugação UFPR Setor de Ciências da Saúde Curso de Farmácia Disciplina de Física Industrial Operação Unitária de Centrifugação Prof. Dr. Marco André Cardoso Centrifugação Operação unitária com a principal finalidade

Leia mais

3.1.1. Influência do Trabalho a Frio nas Propriedades Mecânicas do Aço

3.1.1. Influência do Trabalho a Frio nas Propriedades Mecânicas do Aço 3 Projeto do Peril 3.1. ntrodução Este capítulo descreve o processo de avaliação da resistência estrutural de seções compostas por chapas de aço dobradas a rio, considerando as características apresentadas

Leia mais

CORRELAÇÕES PARA ESCOAMENTO MONOFÁSICO NO INTERIOR DE TUBOS EM CONVECÇÃO FORÇADA

CORRELAÇÕES PARA ESCOAMENTO MONOFÁSICO NO INTERIOR DE TUBOS EM CONVECÇÃO FORÇADA CORRELAÇÕES PARA ESCOAMENTO MONOFÁSICO NO INTERIOR DE TUBOS EM CONVECÇÃO FORÇADA Representa a maior resistência térmica, principalmente se or um gás ou óleo. Quando um luido viscoso entra em um duto se

Leia mais

UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5313 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento

UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5313 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento UFC Universidade Federal de anta Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento FLUIDIZAÇÃO A fluidização baseia-se fundamentalmente na circulação

Leia mais

Sumário. 1 Desaguamento mecânico... 7. 2 Espessamento... 54. 3 Filtragem... 161

Sumário. 1 Desaguamento mecânico... 7. 2 Espessamento... 54. 3 Filtragem... 161 Sumário 1 Desaguamento mecânico........................................... 7 1.1 Métodos gerais................................................... 8 Exercícios resolvidos..................................................

Leia mais

Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo.

Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo. Medição de Vazão 1 Introdução Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo. Transporte de fluidos: gasodutos e oleodutos. Serviços

Leia mais

TÍTULO: CURVA DA BOMBA E DO SISTEMA PARA O TRANSPORTE DE FLUIDO VISCOSO

TÍTULO: CURVA DA BOMBA E DO SISTEMA PARA O TRANSPORTE DE FLUIDO VISCOSO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CURVA DA BOMBA E DO SISTEMA PARA O TRANSPORTE DE FLUIDO VISCOSO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101

Leia mais

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS (CTG) DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA (DEMEC) MECÂNICA DOS FLUIDOS ME6 Prof. ALEX MAURÍCIO ARAÚJO (Capítulo 5) Recife - PE Capítulo

Leia mais

5 VASOS SEPARADORES, ACUMULADORES E DECANTADORES

5 VASOS SEPARADORES, ACUMULADORES E DECANTADORES 5 VASOS SEPARADORES, ACUMULADORES E DECANTADORES SÃO EQUIPAMENTOS MUITO USADOS NA INDÚSTRIA QUÍMICA PARA VÁRIAS FUNÇÕES, ENTRE ELAS: MISTURA OU SEPARAÇÃO DE FASES DISSOLUÇÃO AQUECIMENTO NEUTRALIZAÇÃO CRISTALIZAÇÃO

Leia mais

Estruturas mistas aço-concreto

Estruturas mistas aço-concreto Universidade Federal do Espírito Santo Estruturas mistas aço-concreto Pro. Fernanda Calenzani Universidade Federal do Espírito Santo Vigas mistas aço-concreto 1 Tipos de Vigas Mistas A transmissão parcial

Leia mais

SUSPENSÃO DE SÓLIDOS TEMAS

SUSPENSÃO DE SÓLIDOS TEMAS SUSPENSÃO DE SÓLIDOS EFRAIM CEKINSKI cekinski@ipt.br TEMAS INTRODUÇÃO INTERAÇÃO SÓLIDO-FLUIDO VELOCIDADE TERMINAL ESTADO DA SUSPENSÃO VELOCIDADE MÍNIMA DE AGITAÇÃO DISTRIBUIÇÃO DA CONC. DE SÓLIDOS QUALIDADE

Leia mais

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé TIRAGEM Definição Tiragem é o processo que garante a introdução do ar na fornalha e a circulação dos gases de combustão através de todo gerador de vapor, até a saída para a atmosfera 00:43 2 Conceitos

Leia mais

RESFRIAMENTO DE HORTALIÇAS COM A UTILIZAÇÃO DE VÁCUO

RESFRIAMENTO DE HORTALIÇAS COM A UTILIZAÇÃO DE VÁCUO RESFRIAMENTO DE HORTALIÇAS COM A UTILIZAÇÃO DE VÁCUO Shirley Mayumi Wakavaiachi 1, Diógenes Adriano Ferreira 2, Francisco Tadeu Degasperi 3 1 Aluna do Instituto Tecnológico de Aeronáutica ITA CTA São José

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA VISCOSIDADE DINÂMICA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO DE SÓLIDOS EM SUSPENSÃO

DETERMINAÇÃO DA VISCOSIDADE DINÂMICA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO DE SÓLIDOS EM SUSPENSÃO Revista Ceciliana Dez 2(2): 1-5, 2010 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana DETERMINAÇÃO DA VISCOSIDADE DINÂMICA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO DE SÓLIDOS EM

Leia mais

Permeabilidade dos Solos. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Permeabilidade dos Solos. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Permeabilidade dos Solos Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Permeabilidade É a propriedade que o solo apresenta de permitir o escoamento de água através dele. (todos os solos são mais ou menos permeáveis)

Leia mais

11 CENTRÍFUGAS. Sendo o trajeto de uma volta completa no tempo T, esse tempo é chamado de período.

11 CENTRÍFUGAS. Sendo o trajeto de uma volta completa no tempo T, esse tempo é chamado de período. 11 CENTRÍFUGAS 11.1 FUNDAMENTOS: Em algumas separações, principalmente com partículas muito pequenas, emprega-se a força centrífuga cuja ação pode chegar várias vezes a força da gravidade, ou seja, aceleração

Leia mais

Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar)

Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar) Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar) 1. OBJETIVOS DA EXPERIÊNCIA 1) Esta aula experimental tem como objetivo o estudo do movimento retilíneo uniforme

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Ensaio de Compressão de Corpos de Prova Resistência do Concreto

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Preliminar Gradeamento Desarenador

Leia mais

Mecânica dos Fluidos Fundamentos da Cinemática dos Fluidos

Mecânica dos Fluidos Fundamentos da Cinemática dos Fluidos Mecânica dos Fluidos Fundamentos da Cinemática dos Fluidos Prof. Dr. Gabriel L. Tacchi Nascimento O que estuda a Cinemática? A cinemática dos fluidos estuda o movimento dos fluidos em termos dos deslocamentos,

Leia mais

Bacharelado em Farmácia. Disciplina:Operações Unitárias em Indústria 8 Período Prof.a: Msd. Érica Muniz Filtração

Bacharelado em Farmácia. Disciplina:Operações Unitárias em Indústria 8 Período Prof.a: Msd. Érica Muniz Filtração Bacharelado em Farmácia Disciplina:Operações Unitárias em Indústria 8 Período Prof.a: Msd. Érica Muniz Filtração FILTRAÇÃO Nas indústrias de alimentos e bebidas, a filtração aparece na produção de suco

Leia mais

Unidade V - Estática e Dinâmica dos Fluidos

Unidade V - Estática e Dinâmica dos Fluidos 49 Unidade V - Estática e Dinâmica dos Fluidos fig. V.. Atmosfera terrestre é uma camada essencialmente gasosa um fluido. Na segunda parte da figura podemos ver a um fluido em movimento escoando em um

Leia mais

Escoamentos Internos

Escoamentos Internos Escoamentos Internos Escoamento Interno Perfil de velocidades e transição laminar/turbulenta Perfil de temperaturas Perda de carga em tubulações Determinação da perda de carga distribuída Determinação

Leia mais

1. Nesta figura, está representada, de forma esquemática, a órbita de um cometa em torno do Sol:

1. Nesta figura, está representada, de forma esquemática, a órbita de um cometa em torno do Sol: 1. Nesta figura, está representada, de forma esquemática, a órbita de um cometa em torno do Sol: Nesse esquema, estão assinalados quatro pontos P, Q, R ou S da órbita do cometa. a) Indique em qual dos

Leia mais

USP EEL - Escola de Engenharia de Lorena Reatores Aula 1 Introdução a Engenharia de Reatores

USP EEL - Escola de Engenharia de Lorena Reatores Aula 1 Introdução a Engenharia de Reatores 1 - Introdução A cinética química e o projeto de reatores estão no coração de quase todos os produtos químicos industriais. É, principalmente, o conhecimento da cinética química e o projeto do reator que

Leia mais

Perdas Magnéticas. J. V. Filardo, UFPR

Perdas Magnéticas. J. V. Filardo, UFPR 1 Perdas Magnéticas J. V. Filardo, UFPR Resumo- Este documento permite demonstrar, avaliar e medir as perdas magnéticas apresentadas em materiais segundo a norma ASTM Palavras-chave Histerese, Foucault,

Leia mais

Controlador Automático para Escoamentos de Gases

Controlador Automático para Escoamentos de Gases Controlador Automático para Escoamentos de Gases Aluno: Diego Russo Juliano Orientador: Sergio Leal Braga Introdução Medidores e controladores de vazão são peças fundamentais nos principais setores industriais,

Leia mais

Escoamento em dutos em L

Escoamento em dutos em L 4ª Parte do Trabalho EM974 Métodos Computacionais em Engenharia Térmica e Ambiental Escoamento em dutos em L Rafael Schmitz Venturini de Barros RA:045951 Marcelo Delmanto Prado RA: 048069 1. Introdução

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO DOS HIDROCICLONES DE 4" DA USINA DE BENEFICIAMENTO DA MINA DE MANGANÊS DO AZUL

MODELAGEM E SIMULAÇÃO DOS HIDROCICLONES DE 4 DA USINA DE BENEFICIAMENTO DA MINA DE MANGANÊS DO AZUL MODELAGEM E SIMULAÇÃO DOS HIDROCICLONES DE 4" DA USINA DE BENEFICIAMENTO DA MINA DE MANGANÊS DO AZUL V.S. Moreira 1, J.P.Resplandes 1, M.R. Neres 1, R.S. de Paiva 1 1 Faculdade de Engenharia de Minas e

Leia mais

MISTURA- Conceituação MISTURA DE LÍQUIDOS. Seleção de misturadores. ALM 602- Operações Unitárias da Indústria Farmacêutica. Equipamentos de mistura

MISTURA- Conceituação MISTURA DE LÍQUIDOS. Seleção de misturadores. ALM 602- Operações Unitárias da Indústria Farmacêutica. Equipamentos de mistura FACULDADE DE FARMÁCIA DA UFMG DEPARTAMENTO DE ALIMENTOS ALM 602- Operações Unitárias da Indústria Farmacêutica MISTURA DE LÍQUIDOS Accácia Júlia Guimarães Pereira Messano 2010 MISTURA- Conceituação A operação

Leia mais

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente:

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente: Rumo ao ITA Física Análise Dimensional Ivan Guilhon Mitoso Rocha A análise dimensional é um assunto básico que estuda as grandezas físicas em geral, com respeito a suas unidades de medida. Como as grandezas

Leia mais

Determinação da viscosidade. Método de Stokes e viscosímetro de Hoppler

Determinação da viscosidade. Método de Stokes e viscosímetro de Hoppler Determinação da viscosidade Método de Stokes e viscosímetro de Hoppler A viscosidade é uma das variáveis que caracteriza reologicamente uma substância. O que vem a ser reologicamente? Num sentido amplo,

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 4 Prismas, dioptro plano e lâminas de aces paralelas... Módulo 5 Lentes eséricas... 4 Módulo 6 Óptica da visão e revisão de óptica geométrica... 6 0 E Módulo 4

Leia mais

HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO

HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO CONDUTOS SOB PRESSÃO Denominam-se condutos sob pressão ou condutos forçados, as canalizações onde o líquido escoa sob uma pressão diferente da atmosférica. As seções

Leia mais

Perda de Carga e Comprimento Equivalente

Perda de Carga e Comprimento Equivalente Perda de Carga e Comprimento Equivalente Objetivo Este resumo tem a finalidade de informar os conceitos básicos para mecânicos e técnicos refrigeristas sobre Perda de Carga e Comprimento Equivalente, para

Leia mais

Paredes Diafragma moldadas in loco

Paredes Diafragma moldadas in loco Paredes Diafragma moldadas in loco Breve descrição das etapas executivas Introdução A parede diafragma moldada in loco é um elemento de fundação e/ou contenção moldada no solo, realizando no subsolo um

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E PENEIRAMENTO

CLASSIFICAÇÃO E PENEIRAMENTO Centro de Tecnologia Mineral Ministério da Ciência e Tecnologia CLASSIFICAÇÃO E PENEIRAMENTO Capítulo 5 Regina Coeli C. Carrisso Eng a. Metalurgista, DSc. Júlio César G. Correira Químico Undustrial, DSc.

Leia mais

Físico-Química Experimental I Bacharelado em Química Engenharia Química

Físico-Química Experimental I Bacharelado em Química Engenharia Química Físico-Química Experimental I Bachaado em Química Engenharia Química Prof. Dr. Sergio Pilling Prática 4 Determinação da Viscosidade de Líquidos. Tipos de viscosímetros. Viscosidade ativa, viscosidade intrínseca

Leia mais

DISCIPLINA: AMB30106 Sistema de Água II. Prof. Robson Alves de Oliveira robson.oliveira@unir.br

DISCIPLINA: AMB30106 Sistema de Água II. Prof. Robson Alves de Oliveira robson.oliveira@unir.br DISCIPLINA: AMB30106 Sistema de Água II Prof. Robson Alves de Oliveira robson.oliveira@unir.br Ji-Paraná - 2014 2 INTRODUÇÃO Na saída do floculador espera-se: que toda a matéria em suspensão esteja aglutinada,

Leia mais

No gráfico, encontra-se a substância no estado líquido nos pontos a) I, II e IV b) III, IV e V c) II, III e IV d) I, III e V

No gráfico, encontra-se a substância no estado líquido nos pontos a) I, II e IV b) III, IV e V c) II, III e IV d) I, III e V 1. (Ueg 2015) A mudança do estado ísico de determinada substância pode ser avaliada em unção da variação da temperatura em relação ao tempo, conorme o gráico a seguir. Considere que a 0C o composto encontra-se

Leia mais

Disciplina de Termodinâmica

Disciplina de Termodinâmica UNIVERSIDADE FEDERAL DO ARANÁ Curso écnico do etróleo Disciplina de ermodinâmica roessor Jeerson Avila Souza º semestre de 2004 . Diagramas de Equilíbrio.. Os estados de agregação da matéria Há três estados

Leia mais

Douglas da Silva Tristão 1 ; Alexandre de Faria Lima 2. douglas.stristao@gmail.com alexandredefarialima@gmail.com

Douglas da Silva Tristão 1 ; Alexandre de Faria Lima 2. douglas.stristao@gmail.com alexandredefarialima@gmail.com REFLEXO DA CALIBRAÇÃO DE PICNÔMETRO NA PRODUÇÃO DE SÓLIDOS NO TRATAMENTO DE EFLUENTE INDUSTRIAL Douglas da Silva Tristão 1 ; Alexandre de Faria Lima 2 1, 2 UNIUBE douglas.stristao@gmail.com alexandredefarialima@gmail.com

Leia mais

A seguir será dada uma classificação ampla da Mecânica dos Fluidos baseada nas características físicas observáveis dos campos de escoamento.

A seguir será dada uma classificação ampla da Mecânica dos Fluidos baseada nas características físicas observáveis dos campos de escoamento. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br A seguir será dada uma classificação ampla da Mecânica

Leia mais

DO EMPÍRICO AO TEÓRICO: UM PLANO DE AULA PARA O ENSINO DO PRINCÍPIO DE ARQUIMEDES NO ENSINO MÉDIO

DO EMPÍRICO AO TEÓRICO: UM PLANO DE AULA PARA O ENSINO DO PRINCÍPIO DE ARQUIMEDES NO ENSINO MÉDIO DO EMPÍRICO AO TEÓRICO: UM PLANO DE AULA PARA O ENSINO DO PRINCÍPIO DE ARQUIMEDES NO ENSINO MÉDIO Marta Maximo Pereira a [martamaximo@yahoo.com] a Instituto de Física, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO BÁSICO DO CONCRETO

CONTROLE TECNOLÓGICO BÁSICO DO CONCRETO CONTROLE TECNOLÓGICO BÁSICO DO CONCRETO Autor: Rodrigo Piernas Andolato Ilha Solteira - 00 S UMÁRIO 1. CONCEITUAÇÃO GERAL...1 1.1. CONCRETO...1 1.. CONCRETO ARMADO...1 1.3. DURABILIDADE DO CONCRETO...1

Leia mais

Pulsapak. Planta Compacta de Tratamento de Água Potável

Pulsapak. Planta Compacta de Tratamento de Água Potável Pulsapak Planta Compacta de Tratamento de Água Potável Pulsapak Planta Compacta de Tratamento de Água Potável Cidade de Plantagenet, Ontário. Vazão: 70 m3/h (308 US GPM). O Pulsapak, uma planta compacta

Leia mais

CAVEX Hidrociclones. Excellent Minerals Solutions. Máxima eficiência e menor custo de operação

CAVEX Hidrociclones. Excellent Minerals Solutions. Máxima eficiência e menor custo de operação CAVEX Hidrociclones Excellent Minerals Solutions Máxima eficiência e menor custo de operação Máxima Eficiência Com seu projeto diferenciado, os hidrociclones CAVEX fornecem a maior capacidade com a melhor

Leia mais

Análise Dimensional Notas de Aula

Análise Dimensional Notas de Aula Primeira Edição Análise Dimensional Notas de Aula Prof. Ubirajara Neves Fórmulas dimensionais 1 As fórmulas dimensionais são formas usadas para expressar as diferentes grandezas físicas em função das grandezas

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais

Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais Disciplina : Tratamento de Resíduos Professor : Jean Carlo Alanis Peneiras : Utilizadas para remoção de sólidos finos e/ou fibrosos; Possuem abertura de

Leia mais

Conversão da temperatura para graus celsius kelvin--------------------t / K = θ / ºC + 273,15

Conversão da temperatura para graus celsius kelvin--------------------t / K = θ / ºC + 273,15 Escola Básica e Secundária Gonçalves Zarco Física e Química A, 10º ano Ano lectivo 2007 / 2008 Correcção do Teste de Avaliação Sumativo Nome: N.º aluno: Turma: Classiicação : Proessor: FORMULÁRIO Lei de

Leia mais

OPERAÇÕES UNITÁRIAS II AGITAÇÃO E MISTURA

OPERAÇÕES UNITÁRIAS II AGITAÇÃO E MISTURA ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO OPERAÇÕES UNITÁRIAS II AGITAÇÃO E MISTURA Prof. Dr. Félix Monteiro Pereira AGITAÇÃO E MISTURA AGITAÇÃO E MISTURA Agitação => Refere-se ao movimento

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS DE ESTRUTURAS DE AÇO USANDO MÉTODOS NUMÉRICOS

DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS DE ESTRUTURAS DE AÇO USANDO MÉTODOS NUMÉRICOS CONSTRUMETAL 21 CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 31 de agosto a 2 de setembro 21 DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS DE ESTRUTURAS DE AÇO USANDO MÉTODOS NUMÉRICOS Ricardo Ficanha

Leia mais

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Prof. Roberto Leal Sensores Dispositivo capaz de detectar sinais ou de receber estímulos de natureza física (tais como calor, pressão, vibração, velocidade, etc.),

Leia mais

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente.

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Conservação da Massa A massa, assim como a energia, é uma propriedade que se conserva,

Leia mais

1ª Lista de exercícios de Física 2 ( Fluidos)

1ª Lista de exercícios de Física 2 ( Fluidos) Unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Sorocaba Engenharia Ambiental Profa. Maria Lúcia Antunes 1ª Lista de exercícios de Física 2 ( Fluidos) 1) Encontre o aumento de pressão de um fluido em uma

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade.

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Prof. Luciano Martin Teixeira, M.Sc. Eng. INTRODUÇÃO O emprego de polímeros no concreto tem como objetivo intensificar certas qualidades devido a diminuição

Leia mais

COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES COMPRESSORES CENTRÍFUGOS (NORMA API 617)

COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES COMPRESSORES CENTRÍFUGOS (NORMA API 617) COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES FAIXAS MAIS USADAS ÁRA SELEÇÃO DOS COMPRESSORES. CENTRÍFUGOS: ENTRE 2.000 E 200.000 FT 3 /MIN (CFM) PRESSÃO ATÉ 5.000 PSIG ALTERNATIVOS: ATÉ 16.000 CFM PRESSÃO ATÉ

Leia mais

Viscosimetria de soluções diluídas. Ricardo Cunha Michel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 3938-7228 rmichel@ima.ufrj.br

Viscosimetria de soluções diluídas. Ricardo Cunha Michel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 3938-7228 rmichel@ima.ufrj.br de soluções diluídas Ricardo Cunha Michel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 3938-7228 rmichel@ima.ufrj.br Viscosidade em líquidos * A viscosidade pode ser descrita como sendo a resistência que o fluido impõe

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 2011 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Um varal de roupas foi construído utilizando uma haste rígida DB de massa desprezível, com

Leia mais

TÓPICOS IMPORTANTES SOBRE FILTRAÇÃO RÁPIDA DESCENDENTE APLICADA AO TRATAMENTO DE ÁGUA POTÁVEL

TÓPICOS IMPORTANTES SOBRE FILTRAÇÃO RÁPIDA DESCENDENTE APLICADA AO TRATAMENTO DE ÁGUA POTÁVEL TÓPICOS IMPORTANTES SOBRE FILTRAÇÃO RÁPIDA DESCENDENTE APLICADA AO TRATAMENTO DE ÁGUA POTÁVEL O texto apresentado a seguir, resumido na forma de tópicos, visa a orientar operadores de ETA, técnicos, engenheiros

Leia mais

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO 1. CONCEITOS ENVOLVIDOS Convecção de calor em escoamento externo; Transferência de calor em escoamento cruzado; Camada limite térmica; Escoamento

Leia mais

APOSTILA ELÉTRICA-2 E ELETRÔNICA-1 MÓDULO - 2

APOSTILA ELÉTRICA-2 E ELETRÔNICA-1 MÓDULO - 2 AULA 3 FILTROS LPF HPF BPF TRAP As intererências entre sinais Filtro Passa-baixa LPF e passa-alta HPF Frequência de corte - Filtro passa-banda BPF Filtro Rejeita-aixa - TRAP FILTROS imã ixo, sendo que

Leia mais

Equipamentos de Controle

Equipamentos de Controle Departamento de Química Aula 5 Equipamentos de Controle Parte 2 Prof.: Gisele Fátima Morais Nunes Disciplina: Operações Unitárias I Curso: Técnico em Química Módulo III 1 semestre de 2015 Introdução Temas

Leia mais

ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO

ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO 1 OLIVEIRA, Andrielli Morais (1), CASCUDO, Oswaldo (2) Palavras chave: Corrosão, adições

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 18 O Meio Atmosférico III: Controle da Poluição Atmosférica Profª Heloise G. Knapik 2º Semestre/ 2015 1 Controle da Poluição Atmosférica

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA EDIFICAÇÕES

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA EDIFICAÇÕES CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA EDIFICAÇÕES 26. Quanto à composição química, os principais minerais componentes dos solos grossos podem ser agrupados em: Sílicas, Óxidos, Carbonatos

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Instrumentação Industrial - ITI Medição de Pressão. Força por unidade de área F A.

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Instrumentação Industrial - ITI Medição de Pressão. Força por unidade de área F A. CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Instrumentação Industrial - ITI Medição de Pressão Definição - I Força por unidade de área p = Força (F) grandeza vetorial Área (A) grandeza

Leia mais

Flávia Pereira Puget Marcos Roberto Teixeira Halasz

Flávia Pereira Puget Marcos Roberto Teixeira Halasz Análise da performance de sedimentadores es de alta eficiência para suspensões de chorume (Performance Analysis of High Efficiency Thickeners to Suspensions of Leachate) Estevão Frigini Mai Flávia Pereira

Leia mais

CÁLCULO DE LIGAÇÕES EM ESTRUTURA METÁLICA

CÁLCULO DE LIGAÇÕES EM ESTRUTURA METÁLICA CÁLCULO DE LIGAÇÕES EM ESTRUTURA METÁLICA Emmyle Marcon 1, Zacarias M. Chamberlain. Pravia Resumo: Com base nos procedimentos empregados pela ABNT NBR8800:008 [1] para determinar as ligações em estruturas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T Hevânio D. de Almeida a b, Rafael A. Guillou a,, Cleilson F. Bernardino

Leia mais

VENTILADORES INTRODUÇÃO: Como outras turbomáquinas, os ventiladores são equipamentos essenciais a determinados processos

VENTILADORES INTRODUÇÃO: Como outras turbomáquinas, os ventiladores são equipamentos essenciais a determinados processos Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Como outras turbomáquinas, os ventiladores

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA RESOLUÇÃO

RESOLUÇÃO DA PROVA RESOLUÇÃO www.pascal.com.br PROF. EDSON OSNI RAMOS DA PROVA 0. Com que precisão se pode azer uma medição com uma ita métrica cuja menor divisão seja o milímetro? a),0 mm b) 0,05 mm c) 0,0 mm d) 2,0 mm e) 0,5 mm

Leia mais

Classificação e Peneiramento

Classificação e Peneiramento Centro de Tecnologia Mineral Ministério da Ciência e Tecnologia Coordenação de Processos Minerais COPM Classificação e Peneiramento Julio Cesar G. Correia Rio de Janeiro Agosto/2010 CCL00280010 Comunicação

Leia mais

SEPARAÇÃO SÓLIDO LÍQUIDO

SEPARAÇÃO SÓLIDO LÍQUIDO SEPARAÇÃO SÓLIDO LÍQUIDO 1 - INTRODUÇÃO A separação sólido líquido é uma etapa importante e, às vezes crítica, nas usinas de processamento mineral. Apresenta normalmente alto consumo energético. No caso

Leia mais

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente.

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Bocais e Difusores São normalmente utilizados em motores

Leia mais

Classificação e Características dos Rolamentos

Classificação e Características dos Rolamentos Classificação e Características dos 1. Classificação e Características dos 1.1 dos rolamentos A maioria dos rolamentos é constituída de anéis com pistas (um anel e um anel ), corpos rolantes (tanto esferas

Leia mais

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies Gianfranco Verona DESCARTE ZERO NUMA CABINE DE PINTURA SKIMMERFLOT Para o tratamento e a reutilização de águas provenientes

Leia mais

ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA DE SOLOS

ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA DE SOLOS ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. APARELHAGEM...4 5. ENERGIAS DE COMPACTAÇÃO...7 6. EXECUÇÃO DO

Leia mais

IME - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

IME - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR IME - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Um pequeno refrigerador para estocar vacinas está inicialmente desconectado da rede elétrica e o ar em seu interior encontra-se

Leia mais

Problemas de Mecânica e Ondas 5

Problemas de Mecânica e Ondas 5 Problemas de Mecânica e Ondas 5 P 5.1. Um automóvel com uma massa total de 1000kg (incluindo ocupantes) desloca-se com uma velocidade (módulo) de 90km/h. a) Suponha que o carro sofre uma travagem que reduz

Leia mais

Analisar e aplicar os princípios da extração sólido-líquido e líquido-líquido na separação e purificação de produtos.

Analisar e aplicar os princípios da extração sólido-líquido e líquido-líquido na separação e purificação de produtos. 12.1 Objetivo Específico Analisar e aplicar os princípios da extração sólido-líquido e líquido-líquido na separação e purificação de produtos. 12.2 Introdução A extração é uma técnica para purificação

Leia mais

Misturadores a jato e sistemas de mistura em tanques

Misturadores a jato e sistemas de mistura em tanques Misturadores a jato e sistemas de mistura em tanques Misturadores a jato Os misturadores a jato da Koerting são os principais componentes de sistemas de mistura especiais, podendo ser utilizados em operações

Leia mais

EM-028 VENTILAÇÃO INDUSTRIAL & AR COMPRIMIDO

EM-028 VENTILAÇÃO INDUSTRIAL & AR COMPRIMIDO EM-028 VENTILAÇÃO INDUSTRIAL & AR COMPRIMIDO RESUMO AULA 6 - VENTILAÇÃO DE TANQUES 1 CLASSIFICAÇÃO DOS PROCESSOS A ventilação por exaustão encontra muita aplicação nos tanques de processamento, por exemplo:

Leia mais

FLOTACAO DE REJEITOS DO BENEFICIAMENTO GRAVIMETRICO DE CARVAO MINERAL

FLOTACAO DE REJEITOS DO BENEFICIAMENTO GRAVIMETRICO DE CARVAO MINERAL FLOTACAO DE REJEITOS DO BENEFICIAMENTO GRAVIMETRICO DE CARVAO MINERAL Irineu Antônio S. de Brum & Leandro Gustavo M. de Jesus Laboratório de Processamento Mineral Centro de Tecnologia/Escola de Engenharia

Leia mais

6 MISTURADORES E AGITADORES DE LÍQUIDOS

6 MISTURADORES E AGITADORES DE LÍQUIDOS 6 MISTURADORES E AGITADORES DE LÍQUIDOS A IMPORTÂNCIA DA MISTURA NA INDÚSTRIA QUÍMICA É MUITO GRANDE. A INTENSIDADE DA OPERAÇÃO É CARACTERIZADA DE FORMA QUALITATIVA POR: BLENDING - HOMOGENEIZAÇÃO MIXING

Leia mais

MISTURADORES E AGITADORES ALIMENTÍCIOS

MISTURADORES E AGITADORES ALIMENTÍCIOS MISTURADORES E AGITADORES ALIMENTÍCIOS A mistura de um produto alimentício pode ser definida como uma operação durante a qual se efetua a combinação uniforme de vários componentes de uma formulação. A

Leia mais

Catálogo geral de ventiladores centrífugos com pás viradas. para trás (Limit Load)

Catálogo geral de ventiladores centrífugos com pás viradas. para trás (Limit Load) Catálogo geral de ventiladores centrífugos com pás viradas para trás (Limit Load) Rua Rio de Janeiro, 528 CEP 065-0 Fazendinha Santana do Parnaíba SP 1 Índice 1- Fundamentos 3 2- Curvas características

Leia mais

Disciplina : Termodinâmica. Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE

Disciplina : Termodinâmica. Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE Curso: Engenharia Mecânica Disciplina : Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE Prof. Evandro Rodrigo Dário, Dr. Eng. Vazão mássica e vazão volumétrica A quantidade de massa que

Leia mais

LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA

LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE TECNOLOGIA LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA Vladimir Caramori Josiane Holz Irene Maria Chaves Pimentel Guilherme Barbosa Lopes Júnior Maceió - Alagoas Março de 008 Laboratório

Leia mais

Climatização. Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014

Climatização. Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014 Climatização Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014 Ventilação Local Exaustora Climatização- 2014 Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva

Leia mais

PRÁTICA 12: VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS

PRÁTICA 12: VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS PRÁTICA 12: VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS Viscosidade é uma característica dos líquidos que está relacionada com a sua habilidade de fluir. Quanto maior a viscosidade de um líquido (ou de uma solução) mais difícil

Leia mais