A Equação 5.1 pode ser escrita também em termos de vazão Q:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Equação 5.1 pode ser escrita também em termos de vazão Q:"

Transcrição

1 Cálculo da Perda de Carga CÁLCULO DA PEDA DE CAGA 5.1 Perda de Carga Distribuída Fórmula Universal Aplicando-se a análise dimensional ao problema do movimento de fluidos em tubulações de seção circular, encontra-se a seguinte expressão para a perda de carga, conhecida como fórmula universal: onde: L é o comprimento do encanamento em m; V é a velocidade média do fluido em m/s; D é o diâmetro da canalização em m; f é o fator de atrito; H é a perda de carga em m. L V H f (5.1) D g A Equação 5.1 pode ser escrita também em termos de vazão : 8 f L H π D g 5 (5.) O fator de atrito f O fator de atrito f, sem dimensões, é função do número de eynolds e da rugosidade relativa. A espessura ou altura k das asperezas (rugosidade) dos tubos pode ser avaliada determinando-se valores para k/d. Conforme já visto no capítulo 4, o número de eynolds qualifica o regime de escoamento em laminar ( e <.000), turbulento ( e > 4.000) ou crítico. O regime completamente turbulento (rugoso) é atingido com valores ainda mais elevados do número de eynolds, existindo, portanto, uma segunda zona intermediária, conhecida como zona de transição (Figura 5.1). Os valores do fator de atrito f são obtidos em função do número de eynolds e da rugosidade relativa, tendo-se em vista o regime de escoamento. egime laminar f f ( e ) egime turbulento liso f f ( e ) egime turbulento de transição entre o liso e o rugoso f f ( e, D k ) egime turbulento rugoso f f ( D k ) Figura 5.1

2 Cálculo da Perda de Carga Determinação do fator de atrito f Em vez de consultar o Diagrama de Moody-ouse, como se fez tradicionalmente em Hidráulica, foi introduzido, neste curso, o método de cálculo proposto pelo Prof. Podalyro Amaral de Souza da EPUSP, o qual consiste em criar alguns adimensionais para a obtenção do fator de atrito. A definição desses adimensionais depende do tipo de problemas existentes no projeto de condutos forçados. A seguir são apresentados os problemas típicos do projeto de encanamentos encontrados na prática e a sua solução, na forma de algoritmos: a) Problema tipo 1 Cálculo de Dados: H, L, D, k, ν, g Incógnita:? 1. Calcular f D ν g D H L. Se f 400 regime laminar 64 f ir para o passo 8; f 3. Se 400 < f < 800 região crítica não se calcula o f Fim. 4. Se f > 800 regime turbulento calcular f D/ k f 5. Se 14 regime turbulento liso D/ k passo 8; f,51 log f ir para o f 6. Se 14 < < 00 regime turbulento misto D/ k ir para o passo 8; f,51 log k + 3,71D f f 7. Se D/ k 8. Calcular 00 regime turbulento rugoso π 5 D g H 8 f L 1 f k log 3,71 D 9. Fim b) Problema tipo Cálculo de DH Dados:, D, L, ν, k, g Incógnita: H?

3 Cálculo da Perda de Carga Calcular π D ν. Se.500 regime laminar f 64 ir para o passo 8; 3. Se.500 < < região crítica não se calcula o f Fim. 4. Se > regime turbulento calcular 5. Se 31 regime turbulento liso o passo 8; 5,6 f log ir para 6. Se 31 < < 448 regime turbulento misto ir para o passo 8; k 5,6 f log + 3,71 D 7. Se 448 regime turbulento rugoso f k log 3,71 D 8. Calcular 9. Fim 8 f L H π D g 5 c) Problema tipo 3 Cálculo de D Dados:, H, L, ν, k, g Incógnita: D? 1. Calcular M 4 k π ν e g H N 3 ν π L 0, 181. Se N 1.00 regime laminar f 1, 5 ir para o passo 8; N 3. Se 1.00 < N <.100 região crítica não se calcula o f Fim. 4. Se N >.100 regime turbulento calcular N M 5. Se M N 17 regime turbulento liso passo 8; 4,15 f log 37 ir para o N 6. Se 17 < M N < 36 regime turbulento misto

4 Cálculo da Perda de Carga 5-4 1,04 0,38N 4,15 f log + 37 ir para o passo 8; M N 7. Se M N 36 regime turbulento rugoso f 0,38N log M 1,04 8. Calcular 9. Fim f L D g π H EXECÍCIOS-EXEMPLOS 5.1 Um reservatório está sendo alimentado diretamente de uma represa, conforme mostra a figura abaixo. Determine o nível d água NA do reservatório, sabendo-se que o nível d água da represa está na cota 50 m. Dados: 00 l/s k 5 mm D 400 mm L 750 m ν 1,01 x 10-6 m /s Solução: Para determinar a cota NA, é necessário calcular inicialmente a perda de carga H. Portanto, trata-se do problema tipo. - Cálculo da velocidade: V A 4 0, π (0,40) 1,59 m/s - Cálculo do Nº de eynolds: V D 1,59 0, ,01 10 > regime turbulento ν - Cálculo do adimensional (400 / 5) - Cálculo de f: 071 k f log 3,71 D - Cálculo da perda de carga: : > 448 regime turbulento rugoso 5 log 3, ,0409

5 Cálculo da Perda de Carga f L H 5 π D g 8 0, (0,0) 5 π (0,40) 9,81 NA 50,00 9,90 40,10 m 9,90 m 5. Determine a vazão transportada pela adutora que liga uma represa e um reservatório, conforme mostra a figura. Dados: L 360 m D 0,15 m k 0,0006 m ν 10-6 m /s Solução: A incógnita é a vazão é problema do tipo 1. - Cálculo da adimensional f : f D ν g H D L 0, ,81 9,3 0, Cálculo do adimensional f (0,15 / 0,0006) - Cálculo de f: 71,7 f : > 800 reg. turbulento 14 < 71,7 < 00 reg. turbulento misto,51 log k f + 3,71 D f - Cálculo da vazão: 0,0006 log + 3,71 0,15, ,033 8 f L H 5 π D g π 5 D g H 8 f L 5 (0,15) 9,81 9,3 π 0,0319 m 3 /s ou 31,9 l/s 8 0, EXECÍCIOS POPOSTOS E5.1 A tubulação que liga uma represa e um reservatório tem m de comprimento e 600 mm de diâmetro e é executada em concreto com acabamento comum (k 0,4 mm). Determinar a cota do nível d água (NA 1 ) na represa sabendo-se que a vazão transportada é de 50 l/s e que o nível d água no reservatório inferior (NA ) está na cota 10,00 m. Desprezar as perdas localizadas e adotar ν água 10-6 m /s.

6 Cálculo da Perda de Carga 5-6 E5. Para a instalação da figura, determinar o valor de a, sabendo-se que a vazão é 10 l/s e que o conduto é de ferro fundido novo (k 0,5 mm). E5.3 O conduto da figura tem rugosidade k 0,5 mm e o diâmetro D 150 mm. Determinar o comprimento L do conduto, sabendo-se que está escoando uma vazão de 50 l/s. Desprezar as perdas localizadas e adotar ν água 10-6 m /s. E5.4 Determine a vazão que escoa através da tubulação que interliga dois reservatórios, conforme mostra a figura abaixo.dados: L 150 m k 0,0035 mm D 00 mm ν água 10-6 m /s 5.1. Fórmulas Práticas Embora a fórmula universal seja recomendada para o cálculo de perdas distribuídas, algumas fórmulas práticas são aceitas largamente até hoje, tendo em vista as confirmações experimentais. Dentre elas, são apresentadas as duas mais empregadas atualmente:

7 Cálculo da Perda de Carga 5-7 a) Fórmula de Hazen-Williams (1903) É uma fórmula que resultou de um estudo estatístico com grande número de dados experimentais e é expressa pela seguinte equação: ou, em termos de vazão: onde: 1,85 J 10,643. (5.3) 1,85 4,87 C D,63 0,54 0,79 C D J (5.4) é a vazão em m3/s; D é o diâmetro da tubulação em m; J é a perda de carga unitária em m/m; C é o coeficiente que depende da natureza (material e estado) das paredes dos tubos. A Tabela 5.1 mostra alguns valores do coeficiente C. A perda de carga total é dada por: H J x L (5.5) onde H é a perda de carga em m e L é o comprimento da tubulação em m. Esta fórmula pode ser satisfatoriamente aplicada para qualquer tipo de conduto e de material. Os seus limites de aplicação são os mais largos: diâmetro de 50 a mm. Tabela 5.1 Valor do coeficiente C. Tubos Aço galvanizado (novos e em uso) Cimento-amianto Concreto, bom acabamento Concreto, acabamento comum Ferro fundido, novos Ferro fundido, em uso C b) Fórmula de Fair-Whipple-Hsiao (1930) São fórmulas recentes, estabelecidas para os encanamentos de pequeno diâmetro (até 50 mm). Para todas as equações abaixo, é a vazão m 3 /s, D é o diâmetro em m e J é a perda de carga unitária em m/m. Canos de aço galvanizado conduzindo água fria. 1,88 J 0,0001 4,88 (5.6) D ou, 0,53,596 7,113 J D (5.7) Canos de cobre ou latão conduzindo água fria.

8 Cálculo da Perda de Carga 5-8 1,75 J 0, ,75 D (5.8) ou, 55,934.D,71.J 0,57 (5.9) Canos de cobre ou latão conduzindo água quente. 1,75 J 0, ,75 D (5.10) 63,81.D,71.J 0,57 (5.11) Da mesma forma que a fórmula de Hazen-Williams, a perda de carga total é dada por: H J x L (5.5) onde H é a perda de carga em m e L é o comprimento da tubulação em m. 5. Perda de Carga Localizada Conforme visto no capítulo 4, a perda de carga localizada é devida à descontinuidade da tubulação, chamada singularidade, que pode ser peças especiais de mudança de direção (curva, cotovelo) ou alteração de velocidade (redução, alargamento, registro, etc.). De um modo geral, todas as perdas localizadas podem ser expressas sob a forma V λ K (5.1) g onde λ é a perda de carga localizada; V é a velocidade de escoamento; K é o coeficiente de perda de carga localizada, obtido experimentalmente para cada caso. A Tabela 5. apresenta os valores aproximados de K para as peças e perdas mais comuns na prática. Tabela 5. Valores aproximados de K. Peça Bocais Comporta aberta Cotovelo de 90 Cotovelo de 45 Curva de 90 Curva de 45 Entrada de borda Saída de canalização Tê, passagem direta Válvula de gaveta aberta K,75 1,00 0 0,40 0,40 0,0 1,00 1,00 0,60 0,0

9 Cálculo da Perda de Carga 5-9 Método dos comprimentos equivalentes (ou virtuais) O método considera que uma canalização que compreende diversas singularidades, sob o ponto de vista de perda de carga, equivale a um encanamento retilíneo de comprimento maior. Para simples efeito de cálculo, o método consiste em adicionar à extensão da canalização, comprimentos tais que correspondam à mesma perda que causariam as peças especiais existentes na canalização. A cada singularidade corresponde um certo comprimento fictício. Os valores de comprimento equivalente correspondentes a diversas peças podem ser encontrados em qualquer manual de Hidráulica. A tabela da página seguinte apresenta os comprimentos equivalentes a perdas localizadas de algumas singularidades. EXECÍCIOS-EXEMPLOS 5.3 Calcular o diâmetro de uma tubulação de aço usada (C90), com m de comprimento, que veicula uma vazão de 50 l/s com uma perda de carga de 51 m. Solução: H 51 m; 0,5 m 3 /s H 51 J 0,017 m/m L 3.000,63 0,54 0,79 C D J,63 D 0,54 0,79 C J 1,63 D 0,5 0,54 0,54 0,79 C J 0, ,017 0,400 m 1, Uma canalização de ferro dúctil com 1800 m de comprimento e 300 mm de diâmetro está descarregando, em um reservatório, 60 l/s. calcular a diferença de nível entre a represa e o reservatório, considerando todas as perdas de carga. Verificar quanto as perdas locais representam da perda por atrito ao longo do encanamento (em %). Há na linha apenas curvas de 90, de 45 e registros de gaveta (abertos). Solução: V.A > V A 4 π D Curva de 90 K 0,40 4 0,06 π (0,30) 0,85 m/s

10 Cálculo da Perda de Carga 5-10

11 Cálculo da Perda de Carga 5-11 Curva de 45 K 0,0 egistro de gaveta (aberto) K 0,0 Entrada da canalização K 1,00 Saída da canalização K 1,00 K tot x 0,40 + x 0,0 + x 0,0 + x 1,00 3,6 Perda de carga localizada total: V (0,85) λ K 3,6 0,133 m g 9,81 Perda de carga distribuída: Fórmula de Hazen-Williams: 1,85 1,85 (0,06) J 10,643 10,643 1,85 4,87 1,85 4, 87 C D 100 (0,30) 0,0041 m/m H J x L 0,0041 x ,38 m Perda de carga total: Porcentagem da perda localizada em relação à perda distribuída: 0,133 ε 0,018 ou 1,8% 7, Determinar a carga disponível no chuveiro de uma instalação predial, abastecido por um ramal de ¾. Utilizar o método de comprimento virtual e a fórmula de Fair- Whiple-Hsiao para calcular a perda de carga. Solução: Aplicando o método dos comprimentos equivalentes às perdas singulares: No ramal (tubulação de ¾ ): Singularidade Comprimento virtual (em m de canalização) Tê, saída do lado 1,4 Cotovelo de 90, raio curto 0,7 egistro de gaveta aberto 0,1 Comprimento equivalente total no ramal: L V 1,4 + 5 x 0,7 + x 0,1 5,1 m Comprimento real do ramal: L 0,35 + 1,10 + 1,65 + 1,0 + 0,50 + 0,0 5,3 m Comprimento total do ramal: L T 5,1 + 5,3 10,4 m

12 Cálculo da Perda de Carga 5-1 Cálculo da perda de carga: Fórmula de Fair-Whiple-Hsiao: 1,88 1,88 (0,000) J 0,0001 0,0001 4,88 4, 88 D (0,01905) H J x L 0,0557 x 10,4 0,58 m 0,0557 m/m Na tubulação principal (tubulação de 1½ ): Comprimento virtual da tubulação principal: L VP 0,5 m (entrada normal) Comprimento real da tubulação principal: L P m Comprimento total da tubulação principal: L TP 0,5 + 1,4 m 1,88 1,88 (0,001) J 0,0001 0,0001 4,88 4, 88 D (0,0381) 0,0390 m/m H P J x L 0,0390 x 1,4 0,05 m Carga geométrica: 1,7 m (da figura) Carga disponível no chuveiro: H disp 1,70 0,58 0,05 1,07 m (caixa d água cheia) EXECÍCIOS POPOSTOS E5.1 Calcular a vazão que escoa por um conduto de ferro fundido usado (C90), de 00 mm de diâmetro, desde um reservatório na cota 00 m até outro reservatório na cota zero. O comprimento do conduto é de m. esp.: 0,044 m 3 /s. E5. Deseja-se transportar l/s de água com a velocidade de 1m/s em uma tubulação de 500 m de comprimento, com C100. Calcular a perda de carga. esp.: H 5,5 m. E5.3 O abastecimento de água de uma indústria será feita a parir de um reservatório elevado, que recebe água de uma represa. O consumo máximo diário da indústria é de 800 m 3 e a adutora deverá ter capacidade para transportar esse volume em 6

13 Cálculo da Perda de Carga 5-13 horas. Considerando-se, no projeto, tubo de ferro fundido (C90), calcular a altura da torre x. esp.: x 18,11 m. 5.4 O esquema abaixo mostra uma instalação hidráulica de uma indústria. Pede-se determinar o diâmetro da tubulação do trecho. Utilizar fórmula de Hazen- Williams. Dados: Pressão em A: 15 m.c.a. Trecho 1 Trecho Trecho 3 L real (m) L equiv. (m) D (m) 0,10? 0,0 C (l/s)

14 Cálculo da Perda de Carga 5-14 E5.5 No esquema abaixo, o reservatório alimenta simultaneamente uma válvula de descarga e dois chveiros. Pede-se verificar se a válvula de descarga funciona satisfatoriamente. Dados: Vazão do trecho AB,0 l/s; Vazão da válvula 1,5 l/s; Adotar registro gaveta; Adotar cotovelo de raio médio; eduções: considerar comprimento equivalente igual a 0,5 m na tubulação de menor diâmetro; Tubulação de aço galvanizado; Pressão mínima de serviço da válvula 1,8 m.c.a.

15 Cálculo da Perda de Carga 5-15 E5.6 No esquema abaixo, verificar o funcionamento dos chuveiros. Dados: - Instalação de aço galvanizado; - Vazão de cada chveiro 0, l/s; - Adotar cotovelo de 90 raio curto; - Pressão mínima de serviço nos chuveiros 1,0 m.c.a. - Tubulação de 1¼ registro gaveta; - Tubulação de ¾ registro globo; - Comprimentos equivalentes nas tubulações: 1¼ para 1 acrescentar 0,5 m na tubulação de 1 ; 1 para ¾ acrescentar 0,5 m na tubulação de ¾.

Forçados. Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes, DEC-UFPel E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br Website: wp.ufpel.edu.br/hugoguedes/

Forçados. Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes, DEC-UFPel E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br Website: wp.ufpel.edu.br/hugoguedes/ Escoamento em Condutos Forçados Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes, DEC-UFPel E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br Website: wp.ufpel.edu.br/hugoguedes/ CONCEITO São aqueles nos quais o fluido escoa com uma

Leia mais

5. Perdas de Carga Localizadas em Canalizações

5. Perdas de Carga Localizadas em Canalizações 5. Perdas de Carga Localizadas em Canalizações Na prática as canalizações não são constituídas exclusivamente de tubos retilíneos e de mesmo diâmetro. Usualmente, as canalizações apresentam peças especiais

Leia mais

HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO

HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO CONDUTOS SOB PRESSÃO Denominam-se condutos sob pressão ou condutos forçados, as canalizações onde o líquido escoa sob uma pressão diferente da atmosférica. As seções

Leia mais

V 2. 1.7 Perda de carga localizada (h L. Borda-Belanger formulou que

V 2. 1.7 Perda de carga localizada (h L. Borda-Belanger formulou que 1.7 Perda de carga localizada (h L ) Borda-Belanger formulou que h L K l V 2 2g onde k L é um coeficiente de perda de carga localizada que é função do número de Reynolds e da geometria da peça. É obtido

Leia mais

LABORATÓRIO DE MECÂNICA DOS FLUIDOS MEDIDAS DE PERDAS DE CARGA LOCALIZADAS

LABORATÓRIO DE MECÂNICA DOS FLUIDOS MEDIDAS DE PERDAS DE CARGA LOCALIZADAS Nome: n o MEDIDAS DE PERDAS DE CARGA LOCALIZADAS - OBJETIVO Consolidar o conceito de perda de carga a partir do cálculo das perdas localizadas em uma tubulação. - PERDA DE CARGA LOCALIZADA Na prática,

Leia mais

ε, sendo ε a rugosidade absoluta das

ε, sendo ε a rugosidade absoluta das DETERMINAÇÃO DAS PERDAS DE CARGA No projeto de uma instalação de bombeamento e da rede de distribuição de água de um prédio, é imprescindível calcular-se a energia que o líquido irá despender para escoar

Leia mais

a) Em função da energia cinética:

a) Em função da energia cinética: AULA 04 PERDAS DE CARGA LOCALIZADAS 4.1. Perdas locais, Localizadas ou Acidentais Ocorrem sempre que houver uma mudança da velocidade de escoamento, em grandeza ou direção. Este fenômeno sempre ocorre

Leia mais

Perda de Carga e Comprimento Equivalente

Perda de Carga e Comprimento Equivalente Perda de Carga e Comprimento Equivalente Objetivo Este resumo tem a finalidade de informar os conceitos básicos para mecânicos e técnicos refrigeristas sobre Perda de Carga e Comprimento Equivalente, para

Leia mais

Perda de carga linear em condutos forçados

Perda de carga linear em condutos forçados Universidade Regional do Cariri URCA Pró Reitoria de Ensino de Graduação Coordenação da Construção Civil Disciplina: Hidráulica Aplicada Perda de carga linear em condutos forçados Renato de Oliveira Fernandes

Leia mais

5. Cálculo da Perda de Carga (hf) e da Pressão dinâmica (Pd)

5. Cálculo da Perda de Carga (hf) e da Pressão dinâmica (Pd) AULA 4 para ter acesso às tabelas e ábacos de cálculo 5. Cálculo da Perda de Carga (hf) e da Pressão dinâmica (Pd) Cálculo da Perda de Carga - Exemplo Calcular a perda de carga do trecho

Leia mais

Saneamento I Adutoras

Saneamento I Adutoras Saneamento I Adutoras Prof Eduardo Cohim ecohim@uefs.br 1 INTRODUÇÃO Adutoras são canalizações que conduzem água para as unidades que precedem a rede de distribuição Ramificações: subadutoras CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

FATOR C - RUGOSIDADE

FATOR C - RUGOSIDADE FATOR C - RUGOSIDADE Rugosidade é definida no caso particular das tubulações, aquela que tem uma anomalia interna, representada por protuberâncias, rugas ou ainda crateras em sua estrutura interna natural

Leia mais

Perda de carga. Manuel F. Barral

Perda de carga. Manuel F. Barral Perda de carga Manuel F. Barral 1. Escoamentos em Dutos Sob-Pressão 1.1. Perda de Carga 1.1. Perda de Carga 1.. Perda de Carga Distribuída 1.. Perda de Carga Distribuída Material Rugosidade absoluta ε(mm)

Leia mais

HIDRÁULICA BÁSICA RESUMO

HIDRÁULICA BÁSICA RESUMO HIDRÁULICA BÁSICA RESUMO Antonio Marozzi Righetto 1. Hidráulica é o ramo da ciência que trata das condições físicas da água em condições de repouso e em movimento. 2. Um volume de água aprisionado em um

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br

Leia mais

LATERAIS E ADUTORAS MATERIAIS EMPREGADOS EM TUBULAÇÕES

LATERAIS E ADUTORAS MATERIAIS EMPREGADOS EM TUBULAÇÕES LATERAIS E ADUTORAS Uma tubulação em irrigação pode, conforme a finalidade, ser designada como adutora, ramal ou lateral. A adutora é aquela tubulação que vai da bomba até a área a ser irrigada. Normalmente

Leia mais

3 CONDUÇÃO DE ÁGUA (Cont.)

3 CONDUÇÃO DE ÁGUA (Cont.) UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista 3 CONDUÇÃO DE ÁGUA (Cont.) 3.2 CONDUTOS FORÇADOS Denominam-se condutos

Leia mais

Conceitos- Vazão, movimento e regime de escoamento. 1) Determine o regime de escoamento sabendo que o tubo tem um diâmetro de 75 mm e

Conceitos- Vazão, movimento e regime de escoamento. 1) Determine o regime de escoamento sabendo que o tubo tem um diâmetro de 75 mm e Lista de exercícios- Hidráulica I Conceitos- Vazão, movimento e regime de escoamento 1) Determine o regime de escoamento sabendo que o tubo tem um diâmetro de 75 mm e transporta água (ν=10 6 m 2 /s) com

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Departamento de Artes e Arquitetura Escola Profº. Edgar A. Graeff SHAU I

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Departamento de Artes e Arquitetura Escola Profº. Edgar A. Graeff SHAU I UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Departamento de Artes e Arquitetura Escola Profº. Edgar A. Graeff SHAU I SISTEMAS HIDRO-SANITÁRIOS NA ARQUITETURA E URBANISMO Notas de aula Tabelas, ábacos e recomendações.

Leia mais

Curso Básico. Mecânica dos Fluidos. Unidade 3

Curso Básico. Mecânica dos Fluidos. Unidade 3 164 Curso Básico de Mecânica dos Fluidos Curso Básico de Mecânica dos Fluidos Unidade 3 Raimundo Ferreira Ignácio 165 Curso Básico de Mecânica dos Fluidos Unidade 3 - Conceitos Básicos para o Estudo dos

Leia mais

LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA

LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE TECNOLOGIA LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA Vladimir Caramori Josiane Holz Irene Maria Chaves Pimentel Guilherme Barbosa Lopes Júnior Maceió - Alagoas Março de 008 Laboratório

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista 3 CONDUÇÃO DE ÁGUA 3.1 CONDUTOS LIVRES OU CANAIS Denominam-se condutos

Leia mais

TGRHI Escoamentos em Pressão

TGRHI Escoamentos em Pressão Engenharia Agronómica TGRHI Escoamentos em Pressão Henriqueta Rocha Pinto Bibliografia de Apoio LENCASTRE A (1996) Hidráulica Geral. Hidroprojecto, Lisboa OLIVEIRA, I. (1993) Técnicas de Regadio. Tomo

Leia mais

IMPACTO DA EVOLUÇÃO DA PERDA DE CARGA NO CUSTO DO BOMBEAMENTO DE ÁGUA

IMPACTO DA EVOLUÇÃO DA PERDA DE CARGA NO CUSTO DO BOMBEAMENTO DE ÁGUA IMPACTO DA EVOLUÇÃO DA PERDA DE CARGA NO CUSTO DO BOMBEAMENTO DE ÁGUA K. G. O. Lopes*, C. B. Martinez, M. M. L. P. Coelho Morada * : Universidade Federal de Minas Gerais - Av. Antonio Carlos, 6627 - Pampulha

Leia mais

Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp.

Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp. www.viptec.com.br Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp. Contato: (47) 3349-7979 E-mails: moaciroj@gmail.com (Orkut) moaciroj@univali.br moaciroj@hotmail.com (Facebook) moacir@viptec.com.br @Eng_Moacir (Twitter)

Leia mais

PERDA DE CARGA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO

PERDA DE CARGA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO PERDA DE CARGA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO Tal como nos sistemas de bombeamento de água, nos dutos de ventilação industrial carateriza-se o escoamento em função do número de Reynols. A queda de pressão em

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil Disciplina ECV5317 Instalações I INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA, PhD Florianópolis, Março de 2004 2 Sumário 1. Instalações Prediais

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO. Considera-se vazão hidráulica o volume de água a ser

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO. Considera-se vazão hidráulica o volume de água a ser INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO Vazão Considera-se vazão hidráulica o volume de água a ser transportado que atravessa uma determinada seção (tubo, calha, etc) na unidade de tempo. No sistema

Leia mais

Climatização. Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014

Climatização. Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014 Climatização Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014 Ventilação Local Exaustora Climatização- 2014 Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva

Leia mais

Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp.

Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp. www.viptec.com.br Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp. Contato: (47) 3349-7979 E-mails: moaciroj@gmail.com (Orkut) moaciroj@univali.br moaciroj@hotmail.com (Facebook) moacir@viptec.com.br @Eng_Moacir (Twitter)

Leia mais

A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS

A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS Hidr ulica Residencial A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS 1 kgf/cm² = 10 m.c.a 1 MPa = 10 kgf/cm² = 100 m.c.a. 1 kgf/cm² = 14,223355 lb/pol² Etapas a serem executadas a de alvenaria, as instalações hidráulicas

Leia mais

DIMENSIONAMENTO. Versão 2014 Data: Março / 2014

DIMENSIONAMENTO. Versão 2014 Data: Março / 2014 5 DIMENSIONAMENTO Versão 2014 Data: Março / 2014 5.1. Parâmetros para o dimensionamento... 5.3 5.1.1. Escolha de parâmetros... 5.3 5.1.2. Tipologia construtiva da instalação predial... 5.3 5.1.3. Pressão

Leia mais

Hidráulica Geral (ESA024A)

Hidráulica Geral (ESA024A) Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Hidráulica Geral (ESA024A) 2º semestre 2014 Terças de 10 às 12 h Quintas de 08 às 10h Redes de Distribuição de Água Conceito -Conjunto de condutos interligados

Leia mais

FIGURA 63 - a) TUBULAÇÕES DE RETORNO DIRETO b) TUBULAÇÕES DE RETORNO INVERSO

FIGURA 63 - a) TUBULAÇÕES DE RETORNO DIRETO b) TUBULAÇÕES DE RETORNO INVERSO 82 7 DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Os sistemas de distribuição de água podem ser classificados como: - Sem Recirculação: A água flui através do sistema sem reaproveitamento. - Recirculação Aberta: A água é bombeada

Leia mais

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101

Leia mais

7. Conceito de Barrilete e Dimensionamento das Colunas de Água-Fria e do Barrilete

7. Conceito de Barrilete e Dimensionamento das Colunas de Água-Fria e do Barrilete AULA 8 7. Conceito de Barrilete e Dimensionamento das Colunas de Água-Fria e do Barrilete Além do sistema ramificado utilizado em residências, existe o sistema unificado que usa um Barrilete de distribuição.

Leia mais

Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP)

Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP) Escola de Engenharia Civil - UFG SISTEMAS PREDIAIS Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP) Concepção de projeto Métodos de dimensionamento dos componentes e sistemas Prof. Ricardo Prado Abreu Reis Goiânia

Leia mais

Escoamento em dutos em L

Escoamento em dutos em L 4ª Parte do Trabalho EM974 Métodos Computacionais em Engenharia Térmica e Ambiental Escoamento em dutos em L Rafael Schmitz Venturini de Barros RA:045951 Marcelo Delmanto Prado RA: 048069 1. Introdução

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO MEMORIAL

Leia mais

ESCOLHA DE BOMBAS CENTRÍFUGAS. 1. Introdução

ESCOLHA DE BOMBAS CENTRÍFUGAS. 1. Introdução ESCOLHA DE BOMBAS CENTRÍFUGAS 1. Introdução Carlos Rogério de Mello 1 Tadayuki Yanagi Jr. 2 Com a evolução dos processos produtivos agrícolas, demonstrada principalmente pela presença cada vez maior da

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS AULA 7 ROTEIRO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS AULA 7 ROTEIRO 1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS LEB 0472 HIDRÁULICA Prof. Fernando Campos Mendonça AULA 7 ROTEIRO Tópicos da aula:

Leia mais

ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL

ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DATA: FEV/2011 1 de 10 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. NORMAS E ESPECIFICAÇÕES... 3 3. SISTEMAS

Leia mais

3.12 Simulação de Experiência de Reynolds. Na execução desta experiência, evocamos os seguintes conceitos:

3.12 Simulação de Experiência de Reynolds. Na execução desta experiência, evocamos os seguintes conceitos: 196 Curso Básico de Mecânica dos Fluidos 3.12 Simulação de Experiência de Reynolds Além de simular a experiência de Reynolds, objetivamos mostrar uma das muitas possibilidades de construção de uma bancada

Leia mais

Máquinas Hidráulicas

Máquinas Hidráulicas Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Hidráulica Geral (ESA024) CAPÍTULO IV: Máquinas Hidráulicas Dezembro 2012 1 Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Objetivos do capítulo: Máquinas

Leia mais

Mecânica dos Fluidos Fundamentos da Cinemática dos Fluidos

Mecânica dos Fluidos Fundamentos da Cinemática dos Fluidos Mecânica dos Fluidos Fundamentos da Cinemática dos Fluidos Prof. Dr. Gabriel L. Tacchi Nascimento O que estuda a Cinemática? A cinemática dos fluidos estuda o movimento dos fluidos em termos dos deslocamentos,

Leia mais

ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580

ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580 COORDENAÇÃO DO LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE EXPERIMENTAL ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580 LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE EXPERIMENTAL PROFESSORES: MARCELO TSUYOSHI HARAGUCHI NAZARENO FERREIRA

Leia mais

CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS

CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS DANCOR S.A INDÚSTRIA MECÂNICA Professor: José Luiz Fev/2012 CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR 1- BOMBAS D ÁGUA (MÁQUINAS DE FLUXO): 1.1 DEFINIÇÃO Máquinas de fluxo

Leia mais

O trecho do recalque, relativo à sa ída das bombas, terá diâmetro de 300 mm.

O trecho do recalque, relativo à sa ída das bombas, terá diâmetro de 300 mm. 1 CONCEPÇÃO DE PROJETO A nova elevatória de água bruta do Sistema Hermínio Ometto terá como concepção básica a interligação dos quatro conjuntos elevatórios em um barrilete comum para operação de um, dois

Leia mais

NOÇÕES DE HIDRÁULICA. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

NOÇÕES DE HIDRÁULICA. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho NOÇÕES DE HIDRÁULICA Tratamento da água Medição da água Medição da água PLANTA VISTA FRONTAL CORTE Dimensões da Caixa de Hidrômetro Tipos de Abastecimento Abastecimento direto Tipos de Abastecimento Abastecimento

Leia mais

Escoamentos Internos

Escoamentos Internos Escoamentos Internos Escoamento Interno Perfil de velocidades e transição laminar/turbulenta Perfil de temperaturas Perda de carga em tubulações Determinação da perda de carga distribuída Determinação

Leia mais

SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 1.

SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 1. ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 1.4 - APRESENTAÇÃO

Leia mais

Hidráulica e Hidrologia

Hidráulica e Hidrologia 5 3. PERDA DE CARGA A princípio acreditava-se que a perda de energia ao escoamento era resultado do atrito da massa fluida com as paredes da tubulação. Todavia, essa conceituação é errônea, pois independente

Leia mais

Exercício 9 Água escoa do reservatório 1 para o 2 no sistema mostrado abaixo. Sendo:

Exercício 9 Água escoa do reservatório 1 para o 2 no sistema mostrado abaixo. Sendo: 1 a LIST DE EXERCÍCIOS DE SISTEMS FLUIDO MECÂNICOS 014 Referências: 1) Giles, Evett & Liu - Mecânica dos Fluidos e Hidráulica Coleção Schaum, a edição, Makron ooks, 1997. ) Fox e McDonald Introdução à

Leia mais

ANÁLISE DO ESCOAMENTO DE UM FLUIDO REAL: água

ANÁLISE DO ESCOAMENTO DE UM FLUIDO REAL: água UFF Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Química e de Petróleo Integração I Prof.: Rogério Fernandes Lacerda Curso: Engenharia de Petróleo Alunos: Bárbara Vieira

Leia mais

HIDRODINÂMICA. Um escoamento uniforme é um movimento permanente no qual a velocidade é constante ao longo de cada trajetória.

HIDRODINÂMICA. Um escoamento uniforme é um movimento permanente no qual a velocidade é constante ao longo de cada trajetória. 1 HIDRODINÂMICA CONCEITUAÇÃO Um escoamento uniforme é um movimento permanente no qual a velocidade é constante ao longo de cada trajetória. A trajetória de uma partícula é o lugar geométrico dos pontos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista 4 - ESTAÇÕES DE RECALQUE: BOMBAS 4.1 Introdução No estudo das máquinas

Leia mais

MÓDULO 6 LINHAS ANTI INCÊNDIO. Conexões Mecânicas: NBR 15.803;ISO 14.236; UNI 9561; Módulo 1.3

MÓDULO 6 LINHAS ANTI INCÊNDIO. Conexões Mecânicas: NBR 15.803;ISO 14.236; UNI 9561; Módulo 1.3 MÓDULO 6 LINHAS ANTI INCÊNDIO 1 Normas Aplicáveis Tubos: NBR 15.561; EN 12.201-2; Módulo 1.2 Conexões Soldáveis: NBR 15.593;EN 12.201-3; Módulo 1.3 Diretrizes para Projetos: NBR 15.802; Conexões Mecânicas:

Leia mais

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Nesta Unidade da Disciplina tentaremos compreender a questão da problemática envolvida nos tratos dos assuntos atinentes a prevenção e

Leia mais

ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580

ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580 COORDENAÇÃO DO LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE EXPERIMENTAL ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580 LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE EXPERIMENTAL PROFESSORA: JORDANA MOURA CAETANO GOIÂNIA, GO 2015-1

Leia mais

Curso Básico. Mecânica dos Fluidos. Unidade 6

Curso Básico. Mecânica dos Fluidos. Unidade 6 359 Curso Básico Mecânica dos Fluidos Curso Básico Mecânica dos Fluidos Unida 6 Raimundo Ferreira Ignácio 3 Unida 6 - Cálculo Perda Carga Unida 6 - Cálculo Perda Carga Objetivos 1. Mencionar a variação

Leia mais

VERTEDORES - Introdução

VERTEDORES - Introdução VERTEDORES - Introdução Definição: Estrutura formada pela abertura de um orifício na parede de um reservatório, na qual a borda superior atinge a superfície livre do líquido. Haverá escoamento através

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 024 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE

Leia mais

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé TIRAGEM Definição Tiragem é o processo que garante a introdução do ar na fornalha e a circulação dos gases de combustão através de todo gerador de vapor, até a saída para a atmosfera 00:43 2 Conceitos

Leia mais

LABORATÓRIO - FENÔMENOS DE TRANSPORTE

LABORATÓRIO - FENÔMENOS DE TRANSPORTE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA LABORATÓRIO - FENÔMENOS DE TRANSPORTE PROFESSORA ANDREZA KALBUSCH PROFESSORA

Leia mais

AULA PRÁTICA 9 CARNEIRO HIDRÁULICO

AULA PRÁTICA 9 CARNEIRO HIDRÁULICO 1!" AULA PRÁTICA 9 CARNEIRO HIDRÁULICO I - INTRODUÇÃO O carneiro hidráulico, também chamado bomba de aríete hidráulico, balão de ar, burrinho, etc., foi inventado em 1796 pelo cientista francês Jacques

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Reservatórios e Redes de Distribuição de Água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de

Leia mais

Módulo 8: Conteúdo programático Eq. da Energia com perda de carga e com máquina

Módulo 8: Conteúdo programático Eq. da Energia com perda de carga e com máquina Módulo 8: Conteúdo programático Eq. da Energia com perda de carga e com máquina Bibliografia: Bunetti, F. Mecânica dos Fluidos, São Paulo, Prentice Hall, 007. Equação da Energia em Regime Permanente com

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM AQUECIMENTO SOLAR ABRAVA/DASOL 2011

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM AQUECIMENTO SOLAR ABRAVA/DASOL 2011 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM AQUECIMENTO SOLAR ABRAVA/DASOL 2011 MÓDULO 2 Projetista SAS Pequeno Porte Passo a Passo de Instalação ABRAVA -São Paulo,Maio de 2011 Luciano Torres Pereira Leonardo Chamone Cardoso

Leia mais

Seção transversal (S): engloba toda a área de escavação para construção do canal.

Seção transversal (S): engloba toda a área de escavação para construção do canal. CONDUTOS LIVRES Definições Escoamento de condutos livres é caracterizado por apresentar uma superfície livre na qual reina a pressão atmosférica. Rios são os melhores exemplos deste tipo de conduto. Sua

Leia mais

SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA REDE DE ÁGUA CASAS DE BOMBAS RESERVATÓRIOS

SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA REDE DE ÁGUA CASAS DE BOMBAS RESERVATÓRIOS SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA REDE DE ÁGUA CASAS DE BOMBAS RESERVATÓRIOS NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO HIDRÁULICO E EXECUÇÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA POTÁVEL Deverão ser obedecidas as normas

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26 5. MATERIAIS Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26 Numa instalação hidráulica, os materiais são classificados em tubos, conexões e válvulas, os quais abrangem uma grande variedade de tipos,

Leia mais

Experiência. Bocal convergente

Experiência. Bocal convergente Experiência Bocal conergente O inesquecíel Professor Azeedo Neto (Em seu liro Manual de Hidráulica editado pela Editora Edgard Blücher Ltda na 7ª edição página 66) define de uma forma clara os bocais:

Leia mais

Pressão Estática, de Estagnação e Dinâmica

Pressão Estática, de Estagnação e Dinâmica Pressão Estática, de Estagnação e Dinâmica p V gz cte p 1 V z cte A pressão p que aparece na equação de Bernoulli é a pressão termodinâmica, comumente chamada de pressão estática. Para medirmos p, poderíamos

Leia mais

sistema central privado; sistema central coletivo.

sistema central privado; sistema central coletivo. Estrutura Envoltória externa Divisórias de espaços externos Divisórias de espaços internos Fundações Superestrutura Sob o nível n do solo Sobre o nível n do solo Verticais Horizontais Escadas Verticais

Leia mais

LUPATECH S.A Unidade Metalúrgica Ipê

LUPATECH S.A Unidade Metalúrgica Ipê CAVITAÇÃO 1. Descrição: Para melhor entendimeto iremos descrever o fenomeno Cavitação Cavitação é o nome que se dá ao fenômeno de vaporização de um líquido pela redução da pressão, durante seu movimento.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Sistemas de Esgotos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com Conceito Sistemas de Esgotos

Leia mais

Dimensionamento. Dimensionamento. Área Coletora e Kit Instalação. Aquecimento Auxiliar. Tubulação. Bomba Hidráulica

Dimensionamento. Dimensionamento. Área Coletora e Kit Instalação. Aquecimento Auxiliar. Tubulação. Bomba Hidráulica Dimensionamento Dimensionamento Área Coletora e Kit Instalação Aquecimento Auxiliar Tubulação Objetivos: 1 - Dimensionar área coletora e kit instalação 2 - Dimensionar aquecimento auxiliar 3 - Dimensionar

Leia mais

Permeabilidade dos Solos. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Permeabilidade dos Solos. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Permeabilidade dos Solos Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Permeabilidade É a propriedade que o solo apresenta de permitir o escoamento de água através dele. (todos os solos são mais ou menos permeáveis)

Leia mais

ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES

ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 O núcleo central de inércia é o lugar geométrico da seção transversal

Leia mais

6. Erosão. Início do transporte sólido por arrastamento

6. Erosão. Início do transporte sólido por arrastamento 6. Erosão. Início do transporte sólido por arrastamento 6.1. Introdução A erosão consiste na remoção do material do leito pelas forças de arrastamento que o escoamento provoca. O oposto designa-se por

Leia mais

Incêndio: Objetivos de Projeto

Incêndio: Objetivos de Projeto OBJETIVO GERAL Incêndio: Objetivos de Projeto Criar dispositivos capazes de detectar, informar onde iniciou e debelar com presteza um incêndio, evitando danos materiais e perdas de vidas. NORMAS QUE DEVEM

Leia mais

A seguir será dada uma classificação ampla da Mecânica dos Fluidos baseada nas características físicas observáveis dos campos de escoamento.

A seguir será dada uma classificação ampla da Mecânica dos Fluidos baseada nas características físicas observáveis dos campos de escoamento. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br A seguir será dada uma classificação ampla da Mecânica

Leia mais

Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL CONCEITO CONCEITO Unidade do SAA constituída

Leia mais

E-mail: vendas@bratal.com.br

E-mail: vendas@bratal.com.br CENTRAL DE VENDAS Consulte-nos pelo fone/fax : (19) 341.0081 E-mail: vendas@bratal.com.br 603 - Tubos 01 ESCOLHA ADEQUADA DA TUBULAÇÃO.... 1 DIAGRAMA TEÓRICO PARA CÁLCULO DE TUBULAÇÕES...........................

Leia mais

Medição de Vazão. João Karlos Locastro contato: prof.joaokarlos@feitep.edu.br

Medição de Vazão. João Karlos Locastro contato: prof.joaokarlos@feitep.edu.br 1 Medição de Vazão João Karlos Locastro contato: prof.joaokarlos@feitep.edu.br 2 Vazão 3 Definição Vazão: Refere-se a quantidade volumétrica de um fluido que escoa por um duto ou canal em unidade de tempo

Leia mais

MATERIAIS PARA ENGENHARIA DE PETRÓLEO - EPET069 - Conformação dos Metais

MATERIAIS PARA ENGENHARIA DE PETRÓLEO - EPET069 - Conformação dos Metais MATERIAIS PARA ENGENHARIA DE PETRÓLEO - EPET069 - Conformação dos Metais CONFORMAÇÃO DOS METAIS Fundamentos da Conformação Plástica Diagrama Tensão x Deformação CONFORMAÇÃO DOS METAIS Fundamentos da Conformação

Leia mais

NOÇÕES DE HIDRÁULICA E MECÂNICA DOS FLUÍDOS Fonte: Jacuzzi do Brasil

NOÇÕES DE HIDRÁULICA E MECÂNICA DOS FLUÍDOS Fonte: Jacuzzi do Brasil NOÇÕES DE HIDRÁULICA E MECÂNICA DOS FLUÍDOS Fonte: Jacuzzi do Brasil ÍNDICE 1. Introdução 2. Pressão 3. Pressão da água 4. Pressão atmosférica ou barométrica 5. Vazão 6. Velocidade 7. Trabalho 8. Potência

Leia mais

Válvula de Fluxo Anular. 1º Encontro Técnico da Baixada Santista

Válvula de Fluxo Anular. 1º Encontro Técnico da Baixada Santista Válvula de Fluxo Anular 1º Encontro Técnico da Baixada Santista André Marques Produtos Tradicionais - SGC aplicados a Controle de Perdas Peças de Manutenção Válvulas de Controle Tubos e Conexões e Intervenção

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - EM - UFOP CAT-106 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS LISTA DE EXERCÍCIOS 2015

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - EM - UFOP CAT-106 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS LISTA DE EXERCÍCIOS 2015 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - EM - UFOP CAT-106 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS LISTA DE EXERCÍCIOS 2015 Obs.: Descrever passos da solução, identificando expressões e grandezas envolvidas, indicar valores

Leia mais

Curso de Engenharia Mecânica Automação e Sistemas

Curso de Engenharia Mecânica Automação e Sistemas 1 Curso de Engenharia Mecânica Automação e Sistemas DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA LEVANTAMENTO DA CURVA CARACTERÍSTICA DE UMA INSTALAÇÃO HIDRÁULICA Rafael da Silva Gilbertone RA: 002200500120 Itatiba

Leia mais

Apresentação. Apresentação. ltda. PABX: (31) 2535.7762

Apresentação. Apresentação. ltda. PABX: (31) 2535.7762 Apresentação Apresentação Fundada em 2003, a Masterfer é, hoje, uma renomada fornecedora de produtos para saneamento. Prima por possuir um atendimento de forma única e objetiva, o que a credencia apresentar

Leia mais

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DO RESTAURANTE E VESTIÁRIOS Rev. 0: 09/01/13 1. INTRODUÇÃO Este memorial visa descrever os serviços e especificar os materiais do projeto

Leia mais

Dimensionamento das Instalações de Água Fria

Dimensionamento das Instalações de Água Fria Dimensionamento das Instalações de Água Fria Dimensionamento é o ato de determinar dimensões e grandezas. As instalações de água fria devem ser projetadas e construídas de modo a: - Garantir o fornecimento

Leia mais

Instalações Prediais de Água Fria

Instalações Prediais de Água Fria Unidade 2 Instalações Prediais de Água Fria As instalações prediais de água fria devem ser projetadas de modo que, durante a vida útil do edifício que as contém, atendam aos seguintes requisitos: a) Preservar

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL 1 OBJETIVO: Padronizar os diversos tipos de sistemas de bomba de incêndio das edificações, seus requisitos técnicos, componentes, esquemas elétricos-hidráulicos e memória de cálculo, de acordo com os parâmetros

Leia mais

Medição de vazão. Aplicações. Características especiais. Descrição

Medição de vazão. Aplicações. Características especiais. Descrição Medição de vazão Bocal de vazão para instalação interna na tubulação, modelo FLC-FN-PIP Bocal de vazão para montagem entre flanges, modelo FLC-FN-FLN WIKA folha de dados FL 10.03 Aplicações Geração de

Leia mais

SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA:

SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE ENGENHARIAS SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA: 05/10/2015 1. Objetivo A expansão do sistema de abastecimento de

Leia mais

HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO

HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO CONDUTOS SOB PRESSÃO Denominam-se condutos sob pressão ou condutos forçados, as canalizações onde o líquido escoa sob uma pressão diferente da atmosférica. As seções

Leia mais

PROJETO DE UM TROCADOR DE CALOR PARA RESFRIAMENTO DE FLUIDO EM UM CIRCUITO HIDRÁULICO UTILIZADO NA AGRICULTURA DE PRECISÃO

PROJETO DE UM TROCADOR DE CALOR PARA RESFRIAMENTO DE FLUIDO EM UM CIRCUITO HIDRÁULICO UTILIZADO NA AGRICULTURA DE PRECISÃO PROJETO DE UM TROCADOR DE CALOR PARA RESFRIAMENTO DE FLUIDO EM UM CIRCUITO HIDRÁULICO UTILIZADO NA AGRICULTURA DE PRECISÃO Clovis Adelar Mattjie (FAHOR) cm000627@fahor.com.br Renato Ristof (FAHOR) rr000875@fahor.com.br

Leia mais

Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos. Profª Gersina N.R.C. Junior

Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos. Profª Gersina N.R.C. Junior da Rede Coletora de Esgotos Profª Gersina N.R.C. Junior Rede de Esgoto - Após a definição do traçado, numeração dos trechos e indicação do sentido de escoamento da rede de esgoto: a) Cálculo da vazão a

Leia mais