GERENCIAMENTO DE VEÍCULOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GERENCIAMENTO DE VEÍCULOS"

Transcrição

1 1. OBJETIVO Estabelecer o procedimento padrão a ser implementado na Irapuru Transportes Ltda quanto ao gerenciamento (solicitação e programação) de veículos (carretas e cavalos) da frota própria bem como agregada e terceira. 2. REGRAS/CONSIDERAÇOES GERAIS Setor de tráfego de Caxias do Sul: responsável pela programação dos veículos das filiais da região Sul. Setor de tráfego de Taboão da Serra: responsável pela programação dos veículos das filiais da região Sudeste. Todos os motoristas (agregados e terceiros) que transportam para a Irapuru devem atender ao previsto na ITFRO PROCEDIMENTO 3.1 SOLICITAÇÃO DE VEÍCULOS A solicitação de veículos é realizada pelas filiais aos setores de frota, através da planilha de Solicitação de Veículos (RQFRO-05) ou via ou planilha padrão do cliente (Master, Braskem). Todas as cargas que forem solicitadas/agendadas, obrigatoriamente deverão ser transportadas dentro do prazo estabelecido comercialmente. Para todos os carregamentos devem ser observadas as características, capacidade de tração, tipo de carroceria para dispor veículos adequados para cada tipo de carga. As cargas especiais que necessitam de equipamentos específicos devem ser previamente agendadas, o setor de tráfego deve disponibilizar o veículo. 3.2 PROGRAMAÇÃO DE VEÍCULOS O setor de tráfego recebe a solicitação dos veículos necessários para o transporte das cargas e programa os veículos bem como os motoristas, retornando a planilha preenchida ao solicitante. A prioridade de programação é de veículos da frota, quando não tiver veículo disponível, deve-se proceder com a contratação. As cargas que viajam na modalidade normal e expressa, obrigatoriamente deverão ser realizadas por veículos da frota própria ou agregada. As cargas da modalidade porta-porta são realizadas por veículos contratados, sendo que essas são solicitações de clientes. A contratação de terceiros só é efetuada para suprir a demanda de cargas não atendida pelos veículos da frota própria e agregada. O controle das carretas é efetuado pelo setor de frota através do (RQFRO-10) Tipos de cargas a) Carga Indivisível: carga unitária representada por uma única estrutura ou por um conjunto fixado por rebitagem, soldada ou outro processo para fins de utilização direta, acabada ou, ainda como parte integrante de conjuntos estruturais de montagem de máquinas ou de equipamentos, que pela sua complexidade, só possa ser montada em instalações apropriadas. Emitente: Aprovador: Data: Diego Baldi Supervisor de Frota Aristeu Paludo Ger. Corp. Operacional. 20/02/2013 Reprodução só é válida com carimbo CÓPIA CONTROLADA autorizado em vermelho Página 1 de 6

2 b) Conjunto: composição do veículo transportador, incluindo a carga. c) Veículo Especial: aquele constituído com características especiais e destinado ao transporte de carga indivisível e excedente em peso e/ou dimensões, incluindo entre esses os semi-reboques dotados de mais três eixos com suspensão mecânica, assim como aquele dotado de equipamentos para prestação de serviços especializados, que se configurem como carga permanente. d) Comboio: grupo constituído de dois ou mais veículos de transportes independentes, realizando viagem simultânea e no mesmo sentido, separados entre si por distância mínima de 30 e máxima de 100 metros Veículos Especiais Os veículos especiais que apresentam dimensões e/ou pesos superiores aos previstos na Legislação de Trânsito, somente poderão trafegar nas rodovias estaduais ou federais delegadas, quando devidamente autorizados através da Autorização Especial de Trânsito. CARACTERÍSTICAS DAS RODOVIAS CARACTERISTICAS DO VEÍCULO DE PISTA SIMPLES DE PISTA DUPLAS DIMENSÕES: EM METRO Nº DE VEÍCULOS DE ESCOLTA VELOCIDADE Nº DE VEÍCULOS DE ESCOLTA VELOCIDADE PESO: EM TONELADA CREDENCIADA PRF TOTAL KM/H CREDENCIADA PRF TOTAL KM/H Largura até 3, de 3,21 até 3, de 3,81 até 5, acima de 5, * * Comprimento até 25, de 25,01 até 30, de 30,01 até 35, acima de 35, * * Altura até 5, de 5,01 até 5, acima de 5, Excesso Anterior até 2, acima de 2, Excesso Posterior de 1,01 até 3, acima de 3, Peso até de 74 a acima de * * Reprodução só é válida com carimbo CÓPIA CONTROLADA autorizado em vermelho Página 2 de 6

3 Os veículos especiais ou combinações de veículos especiais poderão obter Autorização Especial de Trânsito, renovável à época do licenciamento anual desde que não ultrapassem os seguintes limites: i. Comprimento de no máximo 23 m ii. Largura de no máximo 3,2 m iii. Altura de no máximo 4,4 m Cargas Especiais Para o transporte de cargas especiais previamente deve-se solicitar ao setor de licenças as autorizações necessárias para o transporte. Quando definido o veículo pelo setor de tráfego, o operacional irá solicitar a confecção da licença ao setor responsável. Deve ser observado que alguns veículos possuem uma licença válida para o ano todo e que somente podem engatar um determinado tipo de carreta. Para o transporte de Cargas Especiais devem obedecer às seguintes medidas das Cargas e sempre serem transportadas em carretas carga secas. - A critério do DNIT, em função das características do veículo transportador e da rodovia. - Para cargas de peso superior a 80 toneladas as velocidades admissíveis podem variar de 5 a 30 km/h Placa de Excesso PLACA TRASEIRA (somente largura excedente). PLACA TRASEIRA (somente comprimento excedente). 3.3 PROCESSO DE CONTRATAÇÃO PLACA TRASEIRA (comprimento e largura excedente). 3.3 PROCESSO DE CONTRAÇÃO O processo de contratação é realizado conforme a ITFRO-01. Para os veículos terceiros e agregados é preenchido o acordo de viagem (RQFRO-04) para fins de pagamento e programação de entregas e enviado ao operacional para liberação da carga. Reprodução só é válida com carimbo CÓPIA CONTROLADA autorizado em vermelho Página 3 de 6

4 Os valores a serem pagos para o transporte com agregados estão definidos através da Tabela de Fretes. Em situações eventuais somente o supervisor do setor de trafego, gerentes ou coordenadores operacionais estarão habilitados a autorizar o pagamento divergente. 3.4 PLANO DE CONTINGÊNCIA Quando existir à impossibilidade dos veículos prosseguirem viagens, as contingências deverão ser tratadas. Estas podem ser: necessidade de manutenção corretiva no veículo, incidente e/ou acidente com o equipamento, bloqueio de vias por intempéries, reformas de rodovias, necessidade de substituição de motoristas por motivos de saúde, priorização de cargas, dentre outros Substituição de veículos A substituição dos veículos se dará mediante a necessidade de manutenção corretiva (quebras mecânicas) sem tempo hábil ou previsão de conserto. Quando da quebra mecânica as informações devem ser passadas pelos motoristas para o setor de trafego, ou central de monitoramento ou setor de manutenção. A substituição do veículo também pode ocorrer quando da priorização de determinada carga. Diante da informação e motivo da substituição do veículo, o setor de trafego informa os setores operacionais responsáveis pela carga (setor de coleta/entrega e programação montadora da filial de origem e destino da carga). Com base na informação do setor de tráfego, o operacional de origem ou destino irá informar a criticidade da carga para programação da substituição. Ocorrendo a quebra de veículo truck ou semi-reboque deve-se analisar o fator gerador da quebra para avaliar o prazo de conserto ou se haverá necessidade de substituição do equipamento. Sendo necessário substituir, deve-se providenciar a baldeação da carga para o equipamento pré-determinado. A baldeação da carga pode ser providenciada pela filial ou ponto de apoio mais próximo. O veiculo que fará a substituição poderá ser frota própria, agregado ou terceiro. Na substituição do veículo o monitoramento e o setor operacional deverão ser informados via qual a nova placa ou frota e a nova previsão de chegada Substituição Veículos Frotas Se constatada a necessidade de substituição do veículo de tração, carreta ou truck, quando necessário, o setor de tráfego juntamente com o operacional da filial mais próxima ou da origem, será o responsável pelo manuseio/transbordo da carga. O manuseio deverá preservar a integridade dos materiais Substituição Veículos Agregados/terceiros Quando constatada a necessidade de substituição do veículo o setor operacional deverá determinar a criticidade da carga. Os custos com o conserto, substituição do veículo e movimentação da carga (quando necessário) serão de responsabilidade do contratado Veículos Contratados sem Comunicação Quando não for possível a comunicação com o veículo agregado ou terceiro, e não for possível determinar sua localização dentro de um período de 02 horas deve-se acionar o gerente, coordenador ou supervisor da filial ou ponto de apoio mais próximo. Nesta comunicação deve-se informar a placa do Reprodução só é válida com carimbo CÓPIA CONTROLADA autorizado em vermelho Página 4 de 6

5 veículo, nome do motorista, as características dos equipamentos, a ultima posição que se encontrava e horário da mesma. Tais informações deverão ser utilizadas para busca do veículo. Se em 05 horas o veículo não for localizado, imediatamente deve-se acionar a Policia Rodoviária Federal informando as características do veículo para verificar se o mesmo está envolvido em alguma ocorrência/sinistro ou aguardando alguma liberação no tráfego Substituição do Motorista Durante a viagem se houver a necessidade da substituição do motorista, em caso de motorista frota Irapuru, a coordenação de motoristas deverá ser informada para as devidas ações. Nos casos de motoristas de empresas subcontratadas a responsabilidade da substituição é da mesma, devendo o mesmo arcar com os custos provenientes Acidentes de trânsito veículo com carga Irapuru envolvido Caso ocorram acidentes rodoviários, deve-se contatar imediatamente o Setor de Trafego, monitoramento e Setor de Seguros. As ações de como proceder deverão ser fornecidas pelo setor de Seguros Obstrução de Vias Rotas Alternativas Em situações de bloqueio das vias por motivos externos, por exemplo, acidentes de terceiros, queda de barreiras, manutenção de vias, imediatamente o motorista deve informar o setor de Trafego ou monitoramento do bloqueio da via. Diante desta informação o setor de trafego deverá verificar as vias alternativas para o desvio da obstrução, este desvio de rota somente poderá ocorrer se autorizado pelo setor de frota. Se for detectado que por estes motivos poderá ocorrer um possível atraso os setores operacionais (origem e destino) deverão ser informados para a comunicação de possível atraso aos clientes Conserto ou Remanejo da Carga Se por diversos motivos ocorrem imprevistos com a carga, a mesma entortar, cair, ou que seja necessário o remanejo. O gerente, coordenador ou supervisor da filial ou ponto de apoio mais próximo deverá ser de imediato informado para ações, quando necessário, deverá ser contratada empresa terceira para baldeação ou ajuste da carga. 3.5 LIBERAÇÕES DE ABASTECIMENTO E SAÍDA O setor de tráfego é responsável pela emissão das liberações de abastecimento via ou através do formulário. A litragem a ser liberada, será determinada pelo tipo de veículo, rota e tipo de carga. Na autorização de abastecimento, obrigatoriamente deve conter: nome do motorista, rota, filial que fará a liberação, posto e cidade do abastecimento, placa, frota, data, responsável pela autorização e quantidade de litros. A autorização de saída (RQSEG-09) é emitida pelo setor operacional e de trafego. i. Trafego: Quando o veículo estiver sem carga à autorização de saída deverá ser preenchida pelo setor de Tráfego. Reprodução só é válida com carimbo CÓPIA CONTROLADA autorizado em vermelho Página 5 de 6

6 ii. Operacional: Quando o veículo estiver de carregado, a responsabilidade pela emissão da autorização de saída será o setor operacional. Para preencher as Autorizações de saída deve-se preencher o nome do motorista, frota, destino, data e hora da viagem, setor solicitante e visto do responsável pela liberação. 3.6 CONTROLE DE EQUIPAMENTOS O controle de equipamentos é efetuado conforme determina a ITOPER INFRAÇÕES DE TRÂNSITO Infração significa transgressão, violação de uma norma, seja ela uma Lei, ordem, tratado, regulamento, resolução, portaria, etc. Portanto, considera-se infração de trânsito a inobservância de qualquer preceito do Código, das Resoluções do CONTRAN ou Legislação Complementar, ficando o infrator sujeito às penalidades e medidas administrativas, além dos crimes de trânsito. As penalidades serão impostas ao condutor, ao proprietário do veículo, ao embarcador e ao transportador, salvo nos casos estabelecidos no CTB. Ao proprietário caberá a responsabilidade referente a regularização das formalidades e condições exigidas para o trânsito do veículo, como inalteração das características (cor, modelo, combustível, motor, suspensão, etc), conservação, componentes, equipamentos obrigatórios, habilitação geral e compatível de seus condutores (quando for exigido) entre outras. Caberá ao condutor, as responsabilidades decorrentes dos atos praticados na direção do veículo. Aos condutores e proprietários serão impostas concomitantemente as penalidades toda vez que houver responsabilidade solidária em infrações que lhes couber observar, respondendo pela falta que lhe for atribuída. O embarcador é responsável pela infração referente ao excesso de peso nos eixos ou no peso bruto total quando for o único remetente da carga e se for mais de um remetente essa responsabilidade passa para o transportador, independente da primeira infração. A empresa não se responsabiliza por multas por infrações que sejam por imprudência ou negligências dos condutores. 4. REGISTROS RQFRO-04 Acordo de Viagem RQFRO-05 Solicitação de Veículos RQFRO-10 Plano de Controle de Carretas RQSEG-09 Autorização de Saída CONTROLE DE REVISÕES Revisão Descrição Data 00 Emissão inicial 10/05/ Revisão do item 3.4 e /05/ Revisão do item e do item /08/ Revisão do Item 3.2, 3.2.2, 3.3, 3.4.1, 3.5 e 4 20/02/2013 Reprodução só é válida com carimbo CÓPIA CONTROLADA autorizado em vermelho Página 6 de 6

GERENCIAMENTO DE VEÍCULOS

GERENCIAMENTO DE VEÍCULOS 1. OBJETIVO Estabelecer o procedimento padrão a ser implementado na Irapuru Transportes Ltda quanto ao gerenciamento (solicitação e programação) de veículos (carretas e cavalos) da frota própria bem como

Leia mais

SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE

SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE 1. OBJETIVO Estabelecer procedimento padrão para subcontratar serviços de transporte de cargas, sem exclusividade, subordinação e dependência, com a finalidade da realização da prestação de serviços de

Leia mais

SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE

SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE 1. OBJETIVO Estabelecer procedimento padrão para subcontratar serviços de transporte de cargas, sem exclusividade, subordinação e dependência, com a finalidade da realização da prestação de serviços de

Leia mais

OPERAÇÃO DE TRANSITO EM EVENTOS

OPERAÇÃO DE TRANSITO EM EVENTOS OPERAÇÃO DE TRANSITO EM EVENTOS OPERAÇÃO DE TRANSITO EM EVENTOS Definição e Responsabilidades Em conformidade com a LEI nº 14.072 de 18 de outubro de 2005, qualquer EVENTO somente poderá ser iniciado após

Leia mais

a) Peso Bruto Total Combinado - PBTC igual ou inferior a 74 toneladas;

a) Peso Bruto Total Combinado - PBTC igual ou inferior a 74 toneladas; RESOLUÇÃO CONTRAN Nº 211, de 13/11/2006 Requisitos necessários à circulação de Combinações de Veículos de Carga - CVC, a que se referem os arts. 97, 99 e 314 do Código de Trânsito Brasileiro - CTB. O CONSELHO

Leia mais

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997.

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. CAPÍTULOXV DAS INFRAÇÕES Art. 161. Constitui infração de trânsito a inobservância de qualquer preceito deste Código, da legislação complementar ou das resoluções

Leia mais

CARGAS EXCEDENTES/INDIVISÍVEIS A t u a l i z a d o e m

CARGAS EXCEDENTES/INDIVISÍVEIS A t u a l i z a d o e m A P Ê N D I C E E CARGAS EXCEDENTES/INDIVISÍVEIS A t u a l i z a d o e m 2 7 / 0 5 / 1 2 NOTA DO AUTOR: este capítulo traz dicas resumidas acerca da fiscalização de veículos e combinações que ultrapassam

Leia mais

CONSIDERANDO o disposto no art. 14-A e no inciso IV do art. 26 da Lei nº 10.233, de 05 de junho de 2001;

CONSIDERANDO o disposto no art. 14-A e no inciso IV do art. 26 da Lei nº 10.233, de 05 de junho de 2001; RESOLUÇÃO ANTT Nº 1.737, de 21/11/2006 Estabelece procedimentos de registro e fiscalização, institui infrações e sanções referentes ao Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Carga - RNTRC,

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO RESOLUÇÃO Nº 210 DE 13 DE NOVEMBRO DE 2006

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO RESOLUÇÃO Nº 210 DE 13 DE NOVEMBRO DE 2006 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO RESOLUÇÃO Nº 210 DE 13 DE NOVEMBRO DE 2006 Estabelece os limites de peso e dimensões para veículos que transitem por vias terrestres e dá outras providências.

Leia mais

GUIA BÁSICO SOBRE EXCESSO DE PESO NO TRANSPORTE DE BRITA

GUIA BÁSICO SOBRE EXCESSO DE PESO NO TRANSPORTE DE BRITA APRESENTAÇÃO O setor de agregados do estado do Rio de Janeiro utiliza essencialmente o modal rodoviário para escoamento de seus produtos até o mercado consumidor. O transporte de brita sobre rodas, apesar

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS Utilização de meios de transporte

NORMA DE PROCEDIMENTOS Utilização de meios de transporte pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos a serem adotados para a utilização dos meios de transporte na COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma, poderá ser necessário consultar:

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO INTERNO. Principais Objetivos do Sistema de Gerenciamento de Autorização Especial de Trânsito SIAET

MANUAL DO USUÁRIO INTERNO. Principais Objetivos do Sistema de Gerenciamento de Autorização Especial de Trânsito SIAET MANUAL DO USUÁRIO INTERNO Introdução O Sistema de Gerenciamento de Autorização Especial de Trânsito SIAET é um sistema informatizado de prestação de serviços através da internet, desenvolvido para solicitação,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº258. 30 DE NOVEMBRO DE 2007

RESOLUÇÃO Nº258. 30 DE NOVEMBRO DE 2007 RESOLUÇÃO Nº258. 30 DE NOVEMBRO DE 2007 Regulamenta os artigos 231, X e 323 do Código Trânsito Brasileiro, fixa metodologia de aferição de peso de veículos, estabelece percentuais de tolerância e dá outras

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS ESPECIAIS - EXCEDENTES EM PESO E DIMENSÕES

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS ESPECIAIS - EXCEDENTES EM PESO E DIMENSÕES TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS ESPECIAIS - EXCEDENTES EM PESO E DIMENSÕES Por Jailton Santos * Quando falamos em transporte rodoviário de cargas talvez tenhamos como referência o conceito básico que o

Leia mais

FROTA DE VEÍCULOS DO IFRS CAMPUS PORTO ALEGRE

FROTA DE VEÍCULOS DO IFRS CAMPUS PORTO ALEGRE 11/03/2012 FROTA DE VEÍCULOS DO IFRS CAMPUS PORTO ALEGRE Veículos / Modelo Ano Placas GM MERIVA JOY 2007/2008 IOK2202 NISSAN SENTRA FLEX 2009 IRS4402 GM ZAFIRA ELEGANCE 2010 / 2011 IRS3302 MARCOPOLO Modelo

Leia mais

MANIFESTO E EXPEDIÇÃO DE CARGAS (PROCESSO DE EMISSÃO DE CT-e)

MANIFESTO E EXPEDIÇÃO DE CARGAS (PROCESSO DE EMISSÃO DE CT-e) 1. OBJETIVO Padronizar a sistemática de emissão do Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e) e Manifesto de Cargas Intermunicipais e Interestaduais da Irapuru. 2. REGRAS / CONSIDERAÇÕES GERAIS É de

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 38, DE 11 DE JULHO DE 2003

DELIBERAÇÃO Nº 38, DE 11 DE JULHO DE 2003 DELIBERAÇÃO Nº 38, DE 11 DE JULHO DE 2003 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade, de avanço de sinal vermelho e da parada sobre a faixa de pedestres de veículos automotores,

Leia mais

Novas Práticas para o Limite Legal de Peso no Transporte de Agregado no Brasil

Novas Práticas para o Limite Legal de Peso no Transporte de Agregado no Brasil Novas Práticas para o Limite Legal de Peso no Transporte de Agregado no Brasil Aspectos jurídicos da Lei da Balança a e responsabilidades do Transportador e Embarcador Dr. Moacyr Francisco Ramos agosto/2011

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 (com as alterações das Resoluções nº 165/04, nº 202/06 e nº 214/06)

RESOLUÇÃO Nº 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 (com as alterações das Resoluções nº 165/04, nº 202/06 e nº 214/06) RESOLUÇÃO Nº 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 (com as alterações das Resoluções nº 165/04, nº 202/06 e nº 214/06) Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores,

Leia mais

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS RESOLUÇÃO DP Nº 14.2014, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014. ESTABELECE REGRAMENTO PARA O ACESSO TERRESTRE AO PORTO DE SANTOS O DIRETOR PRESIDENTE da COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO CODESP, na qualidade

Leia mais

c Publicada no DOU de 2-9-2003.

c Publicada no DOU de 2-9-2003. RESOLUÇÃO DO CONTRAN N o 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores, reboques e semirreboques, conforme o Código de

Leia mais

PORTARIA DETRAN Nº 1.310, DE 1 DE AGOSTO DE 2014

PORTARIA DETRAN Nº 1.310, DE 1 DE AGOSTO DE 2014 PORTARIA DETRAN Nº 1.310, DE 1 DE AGOSTO DE 2014 A Diretora Vice Presidente, respondendo pelo expediente da Presidência do Departamento Estadual de Trânsito - DETRAN-SP, considerando as disposições dos

Leia mais

* DECISÃO NORMATIVA Nº 32 *

* DECISÃO NORMATIVA Nº 32 * Aprovada na Direção Executiva em xx de Novembro de 2002, Homologada pelo Conselho Rodoviário do DAER em xx de Novembro de 2002, e publicada no Diário Oficial do Estado em xx de Novembro de 2002. * DECISÃO

Leia mais

Resolução 3.658/11 (RNTRC) Capítulo 10. 2 - Solicitar o Certificado do RNTRC (CRNTRC) [...]

Resolução 3.658/11 (RNTRC) Capítulo 10. 2 - Solicitar o Certificado do RNTRC (CRNTRC) [...] Resolução 3.658/11 (RNTRC) Capítulo 10 2 - Solicitar o Certificado do RNTRC (CRNTRC) - Também será admitido o CRLV contendo o número do RNTRC ; (Art. 39 da Res. 3.056/09/ANTT, alterada pela 3.658/11) -

Leia mais

NORMA INTERNA STR N.º 08/2007 Versão III atualizada em 09/07/2012 SETORES ENVOLVIDOS:

NORMA INTERNA STR N.º 08/2007 Versão III atualizada em 09/07/2012 SETORES ENVOLVIDOS: PREFEITURA MUNICIPAL DE RONDONÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE DMINISTRAÇÃO VIGENTE A PARTIR DE: 14/08/2007 NORMA INTERNA STR N.º 08/2007 Versão III atualizada em 09/07/2012 ASSUNTO: UTILIZAÇÃO E CONTROLE

Leia mais

NUMERO N 1 INTRODUCAO

NUMERO N 1 INTRODUCAO NUMERO N 1 INTRODUCAO A disciplinação de cargas por eixo no Brasil foi introduzida pelo Estado de São Paulo, em 1960, que introduziu lei sobre o peso bruto dos veículos. Em 1961, o governo Federal baixou

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-068/2006 R-02 TRANSPORTE DE POSTE E DE RESÍDUOS DE CONCRETO

DECISÃO TÉCNICA DT-068/2006 R-02 TRANSPORTE DE POSTE E DE RESÍDUOS DE CONCRETO DECISÃO TÉCNICA DT-068/2006 R-02 TRANSPORTE DE POSTE E DE RESÍDUOS DE CONCRETO DOCUMENTO NORMATIVO DECISÃO TÉCNICA TRANSPORTE DE POSTES E DE RESÌDUOS DE CONCRETO Código Página Revisão Emissão DT-068 I

Leia mais

MULTA MULTA VALOR EM R$

MULTA MULTA VALOR EM R$ - Aplicadas pela autoridade de trânsito (posteriormente): I - advertência por escrito; II - multa; III - suspensão do direito de dirigir; IV - apreensão do veículo; V - cassação da Carteira Nacional de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 008, DE 27 JUNHO DE 2007. R E S O L V E

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 008, DE 27 JUNHO DE 2007. R E S O L V E INSTRUÇÃO NORMATIVA N 008, DE 27 JUNHO DE 2007. Recomenda a observação da norma constante no Anexo I. O Sistema de Controle Interno do Município de Lucas do Rio Verde, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

SISTEMA DE EMPRÉSTIMO DE VEÍCULO

SISTEMA DE EMPRÉSTIMO DE VEÍCULO SISTEMA DE EMPRÉSTIMO DE VEÍCULO Motivação Atendimento aos princípios administrativos da eficiência e economicidade dos recursos públicos; Resultados positivos obtidos com a implantação do projeto piloto

Leia mais

b) veículos com reboque ou semi-reboque, exceto caminhões: 39,5 t;

b) veículos com reboque ou semi-reboque, exceto caminhões: 39,5 t; Limites de peso bruto em função do comprimento: O peso bruto total ou peso bruto total combinado, respeitando os limites da capacidade máxima de tração - CMT da unidade tratora determinada pelo fabricante

Leia mais

Descrição dos registros e campos do sistema SoftNews-CTE

Descrição dos registros e campos do sistema SoftNews-CTE Descrição dos registros e campos do sistema SoftNews-CTE 100 - Registro de consulta cadastro do Contribuinte 02 UF do contribuinte 03 CNPJ ou CPF do contribuinte Se for pessoa física, deverá conter apenas

Leia mais

Elygerson Alves Alvarez FABET

Elygerson Alves Alvarez FABET Legislação Elygerson Alves Alvarez FABET FABET Fundação Adolpho Bósio de Educação no Transporte Desde 1997 Legislação de Trânsito Leis da Balança Rodovia Castelo Branco, km 66,5 - Loteamento Dona Catarina,

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EXTERNO. Principais Objetivos do Sistema de Gerenciamento de Autorização Especial de Trânsito SIAET

MANUAL DO USUÁRIO EXTERNO. Principais Objetivos do Sistema de Gerenciamento de Autorização Especial de Trânsito SIAET MANUAL DO USUÁRIO EXTERNO Introdução O Sistema de Gerenciamento de Autorização Especial de Trânsito - SIAET é um sistema informatizado de prestação de serviços através da Internet, desenvolvido para solicitação,

Leia mais

Quadro comparativo da Medida Provisória nº 673, de 2015 (Projeto de Lei de Conversão nº 8, de 2015)

Quadro comparativo da Medida Provisória nº 673, de 2015 (Projeto de Lei de Conversão nº 8, de 2015) ( 2015) 1 Art. 24. Compete aos órgãos e entidades executivos de trânsito dos Municípios, no âmbito de sua circunscrição: Altera a Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997 - Código de Trânsito Brasileiro,

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EXTERNO. Principais Objetivos do Sistema de Gerenciamento de Autorização Especial de Trânsito SIAET

MANUAL DO USUÁRIO EXTERNO. Principais Objetivos do Sistema de Gerenciamento de Autorização Especial de Trânsito SIAET MANUAL DO USUÁRIO EXTERNO Introdução O Sistema de Gerenciamento de Autorização Especial de Trânsito - SIAET é um sistema informatizado de prestação de serviços através da Internet, desenvolvido para solicitação,

Leia mais

Que competências, dados e informações são necessárias para estruturar e fazer funcionar um departamento de obtenção de AET`s

Que competências, dados e informações são necessárias para estruturar e fazer funcionar um departamento de obtenção de AET`s Que competências, dados e informações são necessárias para estruturar e fazer funcionar um departamento de obtenção de AET`s Competências Dimensionamento do veículo É o ato de deminar a melhor combinação

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 131, DE 02 DE ABRIL DE 2002

RESOLUÇÃO N.º 131, DE 02 DE ABRIL DE 2002 RESOLUÇÃO N.º 131, DE 02 DE ABRIL DE 2002 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para fiscalização da velocidade de veículos automotores, elétricos, reboques e semi-reboques, conforme o Código de Trânsito

Leia mais

LEI Nº 1034, DE 12 DE AGOSTO DE 2015.

LEI Nº 1034, DE 12 DE AGOSTO DE 2015. LEI Nº 1034, DE 12 DE AGOSTO DE 2015. DISPÕE SOBRE A MUNICIPALIZAÇÃO DO TRÂNSITO E TRANSPORTE NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DE ALTO GARÇAS E CRIA O DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO E A JUNTA ADMINISTRATIVA

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS Gratificação por dirigir veículos

NORMA DE PROCEDIMENTOS Gratificação por dirigir veículos pág.: 1/5 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos referentes à concessão e ao pagamento da gratificação por dirigir veículos aos condutores de veículos automotores da frota da COPASA MG. 2 Referências

Leia mais

RESOLUÇÃO N 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO N 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO N 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores, reboques e semirreboques, conforme o Código de Trânsito Brasileiro.

Leia mais

HOME AGENDA DO TRC LEGISLAÇÃO PEDÁGIO PISOS SALARIAIS INDICADORES AET CLASSIFICADOS CONTATO

HOME AGENDA DO TRC LEGISLAÇÃO PEDÁGIO PISOS SALARIAIS INDICADORES AET CLASSIFICADOS CONTATO HOME AGENDA DO TRC LEGISLAÇÃO PEDÁGIO PISOS SALARIAIS INDICADORES AET CLASSIFICADOS CONTATO Quadro resumo da nova Legislação de Pesos e Dimensões com validade a partir de 01/01/2007, quando foram revogadas

Leia mais

PORTARIA DETRAN N 1.117, DE 20 DE NOVEMBRO 2015.

PORTARIA DETRAN N 1.117, DE 20 DE NOVEMBRO 2015. PORTARIA DETRAN N 1.117, DE 20 DE NOVEMBRO 2015. Dispõe sobre a expedição de autorização destinada aos veículos de transporte escolar, nos termos do artigo 136 do Código de Trânsito Brasileiro. O Diretor

Leia mais

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004.

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. APROVA A NORMA PARA A HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE EMPRESAS BRASILEIRAS E ESTRANGEIRAS DE NAVEGAÇÃO PARA TROCA DE ESPAÇOS NO TRANSPORTE MARÍTIMO

Leia mais

Manual de Assistência 24 horas. Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE

Manual de Assistência 24 horas. Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE Manual de Assistência 24 horas Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE I. Assistência 24 Horas 1. Descrição da Assistência 24 Horas Prestação de atendimento ao cliente/usuário através da administração de rede

Leia mais

Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos )

Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos ) Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos ) DECOPE/NTC A planilha referencial de granéis sólidos foi elaborada pelo DECOPE/NTC&LOGÍSTICA sob supervisão

Leia mais

Excelência. Recursos. Faturamento/Financeiro Faturamento Contas a Receber Contas a Pagar Fiscal Contábil

Excelência. Recursos. Faturamento/Financeiro Faturamento Contas a Receber Contas a Pagar Fiscal Contábil Competência Sistemas para Transportadoras e Soluções Você e sua Empresa em perfeita sintonia Excelência Recursos Tms EXPERIÊNCIA O sistema é composto por módulos que controlam e integram os processos operacionais

Leia mais

PO.00001 01 01/08/2011 EBT-Infra JAO-Dir. 1 - OBJETIVO Descrever as normas e melhores práticas para utilização dos veículos da Place Consultoria.

PO.00001 01 01/08/2011 EBT-Infra JAO-Dir. 1 - OBJETIVO Descrever as normas e melhores práticas para utilização dos veículos da Place Consultoria. Código Revisão Data Emissão Aprovação PO.00001 01 01/08/2011 EBT-Infra JAO-Dir Título: POLÍTICA PARA UTILIZAÇÃO DE VEÍCULOS - PLACE CONSULTORIA 1 - OBJETIVO Descrever as normas e melhores práticas para

Leia mais

GESTÃO LOGÍSTICA. Emissão de CT-e. Esse procedimento descreve o processo de emissão de CT-e.

GESTÃO LOGÍSTICA. Emissão de CT-e. Esse procedimento descreve o processo de emissão de CT-e. GESTÃO LOGÍSTICA Emissão de CT-e Esse procedimento descreve o processo de emissão de CT-e. SUMÁRIO EMISSÃO DE CT-E... 3 Pré-Requisitos... 3 Emissão de Conhecimento de Transporte Eletrônico... 4 Emissão

Leia mais

D I R E T O R I A D E I N F R A - E S T R U T U R A R O D O V I Á R I A COORDENAÇÃO GERAL DE OPERAÇÕES RODOVIÁRIAS

D I R E T O R I A D E I N F R A - E S T R U T U R A R O D O V I Á R I A COORDENAÇÃO GERAL DE OPERAÇÕES RODOVIÁRIAS D I R E T O R I A D E I N F R A - E S T R U T U R A R O D O V I Á R I A COORDENAÇÃO GERAL DE OPERAÇÕES RODOVIÁRIAS QUADRO DE FABRICANTES DE VEÍCULOS OUTUBRO / 2009 ÍNDICE: ITEM DESCRIÇÃO 01. Introdução...

Leia mais

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 20

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 20 1/ 8 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão e Adequação integral do PO 02 Adequação dos Registros e Padrões Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo

Leia mais

MANUAL DE ADAPTAÇÕES PARA CONHECIMENTO DE TRANSPORTE ELETRÔNICO (CT-e)

MANUAL DE ADAPTAÇÕES PARA CONHECIMENTO DE TRANSPORTE ELETRÔNICO (CT-e) MANUAL DE ADAPTAÇÕES PARA CONHECIMENTO DE TRANSPORTE ELETRÔNICO (CT-e) 1. Configuração do Componente Criar a pasta..\bin\cte\schemas e descompactar o arquivo PL_CTe_103.zip com os schemas do CTe. Colocar

Leia mais

Código de Trânsito Brasileiro

Código de Trânsito Brasileiro Código de Trânsito Brasileiro O Código de Trânsito Brasileiro estipula competência a setores federais, estaduais e municipais, para aplicar as penalidades de acordo com as infrações que o cidadão cometeu.

Leia mais

2º A tara será cadastrada em quilogramas como unidade de medida.

2º A tara será cadastrada em quilogramas como unidade de medida. Inspetoria da Receita Federal do Brasil em Corumbá/MS PORTARIA IRF/COR Nº 050/2015, de 27 de Regulamenta o Cadastramento Inicial e Atualização da Tara dos veículos de transporte de cargas no Porto Seco

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014. Estabelece as diretrizes e os critérios para requerimento e obtenção de outorga do direito de uso dos recursos hídricos por meio de caminhão-pipa em corpos de água

Leia mais

Ranking nacional mostra PI em 6º com mais pessoas flagradas dirigindo sem CNH

Ranking nacional mostra PI em 6º com mais pessoas flagradas dirigindo sem CNH Levantamento divulgado pela Polícia Rodoviária Federal aponta um novo dado preocupante relacionado ao tráfego de veículos em BRs. De acordo com o Departamento Nacional da PRF, somente nos feriados prolongados

Leia mais

OPERAÇÃO LOGÍSTICA CL PILKINGTON

OPERAÇÃO LOGÍSTICA CL PILKINGTON 1. OBJETIVO Estabelecer procedimento padrão, para todos os colaboradores da Irapuru que estão envolvidos na operação logística da Pilkington (OE-Operação Marcopolo) e Pilkington AGR de recebimento, armazenagem

Leia mais

Professora Danielle Valente Duarte

Professora Danielle Valente Duarte Professora Danielle Valente Duarte TRANSPORTE significa o movimento do produto de um local a outro, partindo do início da cadeia de suprimentos chegando até o cliente Chopra e Meindl, 2006 O Transporte

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 039/2015 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

LEI Nº 963, de 21 de julho de 2009.

LEI Nº 963, de 21 de julho de 2009. LEI Nº 963, de 21 de julho de 2009. Dispõe sobre a criação da Coordenadoria Municipal de Trânsito - CMT, órgão executivo de trânsito, vinculado à Secretaria Municipal de Transporte e Trânsito, em conformidade

Leia mais

ALTERAÇÕES NA LEI DO MOTORISTA E DO TAC

ALTERAÇÕES NA LEI DO MOTORISTA E DO TAC J uiz de Fora, 04 de Março de 2015. Prezado Associado: ALTERAÇÕES NA LEI DO MOTORISTA E DO TAC O SETCJ F informa as principais alterações introduzidas na Lei 12.619/12 (Lei do Motorista), na Lei 11.442/07

Leia mais

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS RESOLUÇÃO DP Nº 83.2014, DE 11 DE JUNHO DE 2014. ESTABELECE REGRAMENTO PARA O ACESSO TERRESTRE AO PORTO DE SANTOS O DIRETOR PRESIDENTE da COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO CODESP, na qualidade de

Leia mais

COOPERATIVA DE TRABALHO DOS PROFISSIONAIS DE AGRONOMIA LTDA.

COOPERATIVA DE TRABALHO DOS PROFISSIONAIS DE AGRONOMIA LTDA. Manual de Uso de Veículo Respeito a Vida! TERMO DE RECEBIMENTO R ecebi da Cooperativa de Trabalho dos P r o f i s s i o n a i s d e A g r o n o m i a L t d a. UNICAMPO, o MANUAL DE USO DO VEÍCULO e após

Leia mais

Sugerimos cada IMPLEMENTADOR ter cópia do texto original das leis, resoluções e normas referentes ao tipo de implementação que executa.

Sugerimos cada IMPLEMENTADOR ter cópia do texto original das leis, resoluções e normas referentes ao tipo de implementação que executa. Cap. 3 - Regulamentação ÍNDICE 01 - Introdução 02 - Lei da Balança 03 - Lei 9.503/97 Código de Trânsito Brasileiro de 23/09/97 04 - Como andar dentro da lei 05 - PBT (Peso Bruto Total) 06 - PBTC (Peso

Leia mais

4. VEICULOS A DISPOSIÇÃO EXCLUSIVOS DAS AREAS (LOGISTICA/PCP/MANUTENÇÃO)

4. VEICULOS A DISPOSIÇÃO EXCLUSIVOS DAS AREAS (LOGISTICA/PCP/MANUTENÇÃO) 1 de 5 1. OBJETIVO Estabelecer a política e procedimento geral a serem seguidos por toda a companhia em relação a veículos pessoais,, carros fornecidos pela companhia e de despesas com quilometragem a

Leia mais

Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo

Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria nº 70, de 08 de maio de 1996 O Presidente do Instituto Nacional

Leia mais

DIRETORIA DE INFRA-ESTRUTURA RODOVIÁRIA COORDENAÇÃO GERAL DE OPERAÇÕES RODOVIÁRIAS

DIRETORIA DE INFRA-ESTRUTURA RODOVIÁRIA COORDENAÇÃO GERAL DE OPERAÇÕES RODOVIÁRIAS DIRETORIA DE INFRA-ESTRUTURA RODOVIÁRIA COORDENAÇÃO GERAL DE OPERAÇÕES RODOVIÁRIAS QUADRO DE FABRICANTES DE VEÍCULOS 2008 ÍNDICE: ITEM DESCRIÇÃO 01. Introdução... 02. Classificação de Veículos... 03. Definições...

Leia mais

ASSISTÊNCIA 24 HORAS - VEÍCULOS DE PASSEIO E HR

ASSISTÊNCIA 24 HORAS - VEÍCULOS DE PASSEIO E HR ASSISTÊNCIA 24 HORAS - VEÍCULOS DE PASSEIO E HR DEFINIÇÕES Beneficiário Entende-se por Beneficiário, todo o condutor de veículo Assistido, devidamente habilitado e autorizado, assim como, toda pessoa transportadora

Leia mais

1.Todos os transportadores necessitarão realizar o seu recadastramento a partir de 28 de outubro de 2015?

1.Todos os transportadores necessitarão realizar o seu recadastramento a partir de 28 de outubro de 2015? Perguntas Frequentes Resolução 4.799/ 2015 1.Todos os transportadores necessitarão realizar o seu recadastramento a partir de 28 de outubro de 2015? Sim. Todos os transportadores rodoviários remunerados

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 405 DE 12 DE JUNHO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 405 DE 12 DE JUNHO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 405 DE 12 DE JUNHO DE 2012 Dispõe sobre a fiscalização do tempo de direção do motorista profissional de que trata o artigo 67-A, incluído no Código de Transito Brasileiro CTB, pela Lei n 12.619,

Leia mais

ESCLARECIMENTOS SOBRE A LEI DA BALANÇA

ESCLARECIMENTOS SOBRE A LEI DA BALANÇA ESCLARECIMENTOS SOBRE A LEI DA BALANÇA XVII Encontro de Transporte Seguro dos Produtos de Cloro Álcalis e seus Derivados Expositor: Paulo de Tarso Martins Gomes Presidente da ABTLP Local: São Paulo SP

Leia mais

GUIA DO CONSUMIDOR DE ÁGUA

GUIA DO CONSUMIDOR DE ÁGUA Infomail GUIA DO CONSUMIDOR DE ÁGUA Índice Prestação do serviço de abastecimento de água Está sujeita a regras especiais? É obrigatória? O que é necessário? Como se processa a ligação à rede pública? Quem

Leia mais

MANUAL ASSISTÊNCIA 24 HORAS

MANUAL ASSISTÊNCIA 24 HORAS MANUAL ASSISTÊNCIA 24 HORAS REGULAMENTO DA ASSISTÊNCIA 24 HORAS A S.O.S ASSISTENCE, oferece inúmeras facilidades, vantagens e serviços aos seus clientes e aos seus veículos, conforme condições gerais previstos

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.287, DE 2015 (Do Sr. Veneziano Vital do Rêgo)

PROJETO DE LEI N.º 1.287, DE 2015 (Do Sr. Veneziano Vital do Rêgo) *C0052969A* C0052969A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.287, DE 2015 (Do Sr. Veneziano Vital do Rêgo) Altera a Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997, que institui o Código de Trânsito Brasileiro,

Leia mais

ANTT - AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

ANTT - AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Estabelece procedimentos para o transporte de bagagens e encomendas nos ônibus utilizados nos serviços de transporte interestadual e internacional de passageiros e para a identificação de seus proprietários

Leia mais

MANUAL DE POLITICAS E NORMAS ADMINISTRATIVAS NORMA ADMINISTRATIVA NA 003 CONCESSÃO E UTILIZAÇÃO DE VEICULOS

MANUAL DE POLITICAS E NORMAS ADMINISTRATIVAS NORMA ADMINISTRATIVA NA 003 CONCESSÃO E UTILIZAÇÃO DE VEICULOS 1. OBJETIVO O presente instrumento define critérios para concessão, controle e utilização de veículos leves para transporte de passageiros, sejam estes de propriedade das empresas do grupo BEVAP ou locados

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE CREDENCIAMENTO E EXPLORAÇÃO DE PÁTIOS REGULADORES DE CAMINHÕES

REGULAMENTO GERAL DE CREDENCIAMENTO E EXPLORAÇÃO DE PÁTIOS REGULADORES DE CAMINHÕES REGULAMENTO GERAL DE CREDENCIAMENTO E EXPLORAÇÃO DE PÁTIOS REGULADORES DE CAMINHÕES Art. 1º - Este Regulamento Geral de Credenciamento e Exploração de Pátios Reguladores de Caminhões tem por finalidade

Leia mais

1. OBJETO DOS SERVIÇOS

1. OBJETO DOS SERVIÇOS CONDIÇÕES GERAIS DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA A VEÍCULOS 1. OBJETO DOS SERVIÇOS 1.1. Ao contratar os serviços de Assistência a Veículos 24 horas, o Contratante declara estar de acordo e ciente das condições

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE TRANSPORTE DE CARGA EM RODOVIAS NO RIO GRANDE DO SUL

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE TRANSPORTE DE CARGA EM RODOVIAS NO RIO GRANDE DO SUL DEFINIÇÕES 2. Para efeito destas Perguntas e Respostas, ficam estabelecidas as seguintes definições: 2.1. Balanço Traseiro é a distância compreendida entre o último eixo traseiro e o plano vertical que

Leia mais

MULTA VALOR EM UFIR MULTA

MULTA VALOR EM UFIR MULTA MULTA -Imposta e arrecadada pelo órgão com circunscrição sobre a via onde haja ocorrido a infração. -O valor decorre da natureza da infração, assim como a respectiva pontuação. NATUREZA DA INFRAÇÃO MULTA

Leia mais

Manual de utilização Totem de Autoatendimento

Manual de utilização Totem de Autoatendimento Manual de utilização Totem de Autoatendimento Julho/2015 Sumário 1. Totem de Autoatendimento Detran/PR... 3 2. Área de Motorista... 4 2.1. Consultar Envio CNH... 4 2.2. Curso de Reciclagem... 5 2.2.1.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 14/98. CONSIDERANDO o art. 105, do Código de Trânsito Brasileiro;

RESOLUÇÃO Nº 14/98. CONSIDERANDO o art. 105, do Código de Trânsito Brasileiro; RESOLUÇÃO Nº 14/98 Estabelece os equipamentos obrigatórios para a frota de veículos em circulação e dá outras providências. O Conselho Nacional de Trânsito CONTRAN, usando da competência que lhe confere

Leia mais

Lei 12 619 Regulamentação Profissão Motorista

Lei 12 619 Regulamentação Profissão Motorista Lei 12 619 Regulamentação Profissão Motorista 1. Introdução Este documento tem por objetivo apresentar a solução de software e serviço que atenderá a Lei nº 12.619 de 30 de abril de 2012,publicada no Diário

Leia mais

PROJETO DE LEI 01-00416/2015 do Vereador Ricardo Young (PPS)

PROJETO DE LEI 01-00416/2015 do Vereador Ricardo Young (PPS) Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo PROJETO DE LEI 01-00416/2015 do Vereador Ricardo Young (PPS) "Dispõe sobre a organização e funcionamento do

Leia mais

Altera o art. 3º e o Anexo I, acrescenta o art. 5º-A e o Anexo IV na Resolução CONTRAN nº 146/03 e dá outras providências.

Altera o art. 3º e o Anexo I, acrescenta o art. 5º-A e o Anexo IV na Resolução CONTRAN nº 146/03 e dá outras providências. RESOLUÇÃO CONTRAN Nº 214, de 13/11/2006 Altera o art. 3º e o Anexo I, acrescenta o art. 5º-A e o Anexo IV na Resolução CONTRAN nº 146/03 e dá outras providências. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO - CONTRAN,

Leia mais

PORTARIA Nº 127 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008

PORTARIA Nº 127 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008 PORTARIA Nº 127 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008 Estabelece procedimento adicional à concessão de código marca/modelo/versão a veículos classificados na espécie misto, tipo utilitário, carroçaria jipe, com motores

Leia mais

TABELA IV DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DO ESTADO DO PARÁ

TABELA IV DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DO ESTADO DO PARÁ Lei nº 5.055/82 Revogada a Tabela IV pela Lei 6.430/01, efeitos a partir de 28.12.01. Vide a Lei 6.279/99, que institui a Taxa de Segurança de órgãos do Sistema de Segurança Pública. Redação dada a Tabela

Leia mais

Norma de Utilização dos Veículos do SISAR/BAJ

Norma de Utilização dos Veículos do SISAR/BAJ 1. Objetivo Norma de Utilização dos Veículos do SISAR/BAJ 1.1. Regularizar o uso dos veículos pertencentes ao SISAR/BAJ, em todas as suas unidades. Especificando direito e deveres dos condutores. 2. Campo

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA EXECUTIVA

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA EXECUTIVA RESOLUÇÃO Nº 11, PUBLICADA NO D.O.U EM 25 DE OUTUBRO DE 2004 RETIFICADA EM 04/01/2005 E 16/06/2005 A Diretoria Executiva, na

Leia mais

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO 1. Introdução 1.1. Descrição do serviço Este documento disciplina a cessão de uso permanente da solução de software para Gestão

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Engate para reboque: afinal, pode ou não pode? Julyver Modesto de Araújo* Apesar de a norma ter sido publicada em 31/07/06, somente no final do mês de janeiro de 2007 é que as primeiras

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 01. De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), no que diz respeito às infrações, analise as assertivas a seguir. I. Confiar ou entregar a direção de veículo à pessoa

Leia mais

BATALHÃO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA

BATALHÃO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA BATALHÃO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA 1) - Normas Gerais de Circulação e Conduta: a)- Trânsito é a utilização das vias por pessoas, veículos e animais, isolados ou em grupos, conduzidos ou não, para fins de circulação,

Leia mais

LEGISLAÇÃO E AÇÕES FISCALIZATÓRIAS

LEGISLAÇÃO E AÇÕES FISCALIZATÓRIAS REPOM S.A. HÁ MAIS DE 10 ANOS NO MERCADO. TRIBANCO (GRUPO MARTINS) COMO ACIONISTA E PARCEIRO FINANCEIRO. FOCO NO DESENVOLVIMENTO DE SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA O MERCADO DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES. LEGISLAÇÃO

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - N.º 19651/2012

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - N.º 19651/2012 SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - N.º 19651/2012 Prezados Senhores, Brasília, 28 de novembro de 2012. O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD, no âmbito do Projeto BRA/04/044 - Implementação de

Leia mais

Considerando a necessidade de se reduzir custos no transporte de veículos, peças e componentes automotivos, sem prejuízo para a segurança;

Considerando a necessidade de se reduzir custos no transporte de veículos, peças e componentes automotivos, sem prejuízo para a segurança; RESOLUÇÃO Nº 305 DE 06 DE MARÇO DE 2009 Estabelece requisitos de segurança necessários à circulação de Combinações para Transporte de Veículos CTV e Combinações de Transporte de Veículos e Cargas Paletizadas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 354 DE 24 DE JUNHO DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº 354 DE 24 DE JUNHO DE 2010. RESOLUÇÃO Nº 354 DE 24 DE JUNHO DE 2010. Estabelece requisitos de segurança para o transporte de blocos e chapas serradas de rochas ornamentais. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN, no uso da atribuição

Leia mais

Tabela das Multas. Infração Gravíssima Valor/Multa Tipos de Penalidades R$ 191,54 R$ 574,61

Tabela das Multas. Infração Gravíssima Valor/Multa Tipos de Penalidades R$ 191,54 R$ 574,61 Tabela das Multas 7 pontos na CNH Infração Gravíssima Valor/Multa Tipos de Penalidades Dirigir com a carteira já vencida há mais de 30 dias Recolhimento da carteira e retenção do veículo Não reduzir a

Leia mais

PROVA TEÓRICA DE TRÂNSITO

PROVA TEÓRICA DE TRÂNSITO PROVA TEÓRICA DE TRÂNSITO Prova nº 01 1. Qual a idade que uma pessoa deve ter para se habilitar nas categorias (D) e (E)? (a) vinte e um anos (b) dezessete anos (c) dezoito anos (d) dezenove anos 2. Qual

Leia mais