NORMA DE PROCEDIMENTOS Gratificação por dirigir veículos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMA DE PROCEDIMENTOS Gratificação por dirigir veículos"

Transcrição

1 pág.: 1/5 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos referentes à concessão e ao pagamento da gratificação por dirigir veículos aos condutores de veículos automotores da frota da COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma, poderá ser necessário consultar: A NP Utilização de meios de transporte e a NP Acidentes com veículos, ressarcimento por danos e multas por infração de trânsito. 3 Definições Encontram-se descritas no anexo desta norma. 4 Competências 4.1 Da Unidade de Transportes: a) gerenciar o processo de gratificação por dirigir veículos; b) apropriar o valor da GDV e enviar os dados à Unidade de Administração de Pessoal para processamento do pagamento ou glosa; c) gerenciar o cadastro de condutores no SAP. 4.2 Das unidades organizacionais: a) gerenciar o pool unidade e classificar, por categoria, os veículos sob sua responsabilidade; b) gerenciar a utilização dos veículos sob sua responsabilidade; c) lançar os RUVs no SAP, no prazo máximo de 21 dias corridos contados a partir da data da condução do veículo, de acordo com os procedimentos estabelecidos na NP Utilização de meios de transporte ; d) manter os RUVs arquivados por um período de 05 (cinco) anos e 06 (seis) meses, nas respectivas unidades de lotação dos veículo; e) solicitar à Unidade de Transportes, no prazo de até 15 dias contados do fato, o cancelamento da credencial de empregados terceirizados sob a gestão da Unidade, quando do encerramento do contrato de prestação de serviços ou quando do desligamento do empregado da empresa contratada.

2 pág.: 2/5 4.3 Da Unidade de Administração de Pessoal; efetuar ou glosar o pagamento da gratificação por dirigir veículos aos empregados credenciados, de acordo com as informações recebidas da Unidade de Transportes. 5 Critérios gerais 5.1 Para conduzir veículos da COPASA MG A Unidade Organizacional, na qual está lotado o empregado, deverá solicitar o credenciamento para a condução de veículos da COPASA MG, por meio de nota SAP, observando a Cartilha solicitação de credenciamento disponível na intranet O empregado candidato ao credenciamento deverá preencher os seguintes requisitos: a) ser portador de Carteira de Nacional de Habilitação de categoria compatível ao tipo de veículo a ser conduzido; b) ser considerado apto, após submeter-se aos testes aplicados pela Unidade de Transportes ou pelo Encarregado de Transportes nas unidades do Interior do Estado Preenchidos os requisitos exigidos, a Unidade de Transportes formalizará o credenciamento de acordo com a categoria e prazos de vigência, igual ao período estabelecido na Carteira Nacional de Habilitação O empregado credenciado para conduzir veículos da empresa deverá comunicar ao seu superior imediato ou gerente de sua unidade sobre qualquer restrição à sua permissão para dirigir veículos. 5.2 Para o Pool unidade As unidades organizacionais possuidoras de frota deverão criar o pool unidade, que será constituído de todos os veículos que não forem classificados como operacional ou de gerência. No caso de unidades lotadas na Regional e Cercadinho, esse pool será gerenciado pela Unidade de Transportes A utilização dos veículos do pool unidade será precedida por meio de nota no SAP aprovada pelo gerente, ou empregado por ele designado. 5.3 Para o veículo operacional de sistemas polarizados e de sistemas com veículo único Nos sistemas com veículo único e nos sistemas polarizados em que o veículo operacional é utilizado por mais de um empregado ao longo de um turno de trabalho, o referido veículo será classificado como misto, sendo, neste caso, cabível o pagamento da GDV aos empregados que o conduzirem no mesmo turno de trabalho.

3 pág.: 3/ A classificação de veículo como misto será precedida de abertura de nota no SAP, aprovada pelo Gerente. 5.4 Para pagamento da gratificação por dirigir veículos O empregado terá direito à Gratificação por Dirigir Veículos quando: a) estiver com credencial compatível com o veículo; b) não estiver com credencial vencida ou suspensa; c) não ocupar cargo comissionado; d) não ocupar cargo de agente de saneamento na função de motorista; e) não for prestador de serviços; f) conduzir veículos com deslocamento superior a 03 km, exceto os de categoria operacional; g) utilizar os veículos dentro das normas vigentes; Os veículos classificados como operacionais somente poderão ser conduzidos a cada dia por um único empregado, exceto nas seguintes condições: a) quando em viagem com quilometragem superior a 250 km, desde que o segundo condutor dirija por no mínimo 100 km; b) em regime de escala de revezamento ou horário diferenciado, desde que o horário de utilização seja compatível com sua jornada; c) quando o primeiro condutor: c.1) ocupar cargo comissionado, for motorista ou prestador de serviço; c.2) necessitar interromper sua jornada de trabalho e/ou se ausentar da Empresa, desde que seja aberta nota no SAP justificando a utilização do veículo pelo segundo condutor, com a aprovação do gerente da unidade; d) em situações emergenciais nas quais haja necessidade de o veículo ser utilizado por mais de um condutor, desde que devidamente justificado em nota aberta no SAP e aprovada pelo gerente Cada condutor receberá, no máximo, o valor estipulado por dia, independentemente do número de veículos por ele conduzido, sendo seu valor estabelecido em Acordo Coletivo do Trabalho.

4 pág.: 4/ O empregado credenciado somente poderá conduzir veículos compatíveis com a categorização obtida no credenciamento O empregado que conduzir veículo diferente da categorização para a qual foi credenciado, não fará jus ao recebimento da GDV, terá sua credencial suspensa por 30 (trinta) dias e estará sujeito às penalidades previstas na NP Sistema disciplinar. 5.5 Para suspensões e penalidades Todo empregado que for considerado responsável por 02 (dois) acidentes no período de 12 (doze) meses terá sua credencial suspensa, devendo passar por novo teste na COPASA MG para reativação da mesma. A renovação será efetuada pela Unidade de Transportes na RMBH e pelos encarregados de transportes no interior Suspensão, pela Unidade de Transportes, das credenciais dos empregados que tiveram deslocamentos inferiores a 66 (sessenta e seis) km/mês, em média, no período de 01 (um) ano. Será facultado ao gerente pleitear a manutenção daquelas que julgar necessárias, justificando individualmente, junto à Unidade de Transportes, por meio de nota no SAP A credencial será automaticamente suspensa se o condutor não apresentar à Unidade de Transportes a cópia da Carteira Nacional de Habilitação atualizada, até 30 (trinta) dias corridos, após o término de sua validade Aquele empregado que conduzir veículo com a credencial vencida ou suspensa estará sujeito às penalidades previstas na NP Sistema disciplinar Os empregados no cargo de motorista que não renovarem a CNH em tempo hábil ficarão sujeitos às medidas disciplinares cabíveis, conforme NP Sistema disciplinar No período em que o condutor estiver com sua credencial suspensa não poderá, também, dirigir qualquer veículo a serviço da empresa. 6 Disposições finais 6.1 Anexo - Definições. 6.2 Esta norma de procedimentos aplica-se a todas as unidades organizacionais da COPASA MG. 6.3 Todas as alterações nos procedimentos relativos à deverão ser efetuadas no corpo desta norma, sendo vedada a edição de instrumentos paralelos.

5 pág.: 5/5 6.4 Documento revogado em revisões anteriores: - NP Autorização para conduzir veículos da COPASA MG, de nº /4, em 29/07/2011, CRC nº091/ Esta norma de procedimentos, aprovada pelo Conselho de Administração em reunião de 20/09/2013, CRC nº 183/13, entra em vigor a partir desta data, revogadas as disposições em contrário.

6 Anexo N.º.: /2 Pág.: 1/1 Subst: /1 Para melhor entendimento desta norma, aplicam-se as seguintes definições: a) condutor - empregado credenciado pela COPASA MG, para conduzir veículos de sua propriedade ou por ela contratados; b) credencial autorização para dirigir veículos de propriedade da COPASA MG ou por ela contratados; c) Gratificação por Dirigir Veículos - GDV.- valor pago mensalmente aos empregados condutores que tenham dirigido veículos sob a responsabilidade da COPASA MG no exercício de suas funções; d) motorista empregado, condutor de veículos sob a responsabilidade da COPASA MG, enquadrado no regulamento do Plano de Carreiras, Cargos e Salários - PCCS, na especialidade de motorista; e) Relatório de Utilização de Veículo - RUV disponível em público (U:)\informações\DVDE\formulários; f) Veículo de uso misto: veículo operacional lotado em sistema polarizado e utilizado por mais de um condutor ao longo do mesmo turno de trabalho ou veículo único de sistema.

NORMA DE PROCEDIMENTOS Utilização de meios de transporte

NORMA DE PROCEDIMENTOS Utilização de meios de transporte pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos a serem adotados para a utilização dos meios de transporte na COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma, poderá ser necessário consultar:

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos para programação, concessão e pagamento de férias aos empregados da COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma poderá ser necessário

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Cartão de crédito corporativo

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Cartão de crédito corporativo pág.: 1/4 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos referentes à utilização do cartão de crédito corporativo para pagamento das despesas de viagem e deslocamento dos empregados a serviço da COPASA

Leia mais

Regulamento das comissões internas de prevenção de acidentes - CIPAs

Regulamento das comissões internas de prevenção de acidentes - CIPAs Pág.: 1/5 1 Objetivo 1.1 Esta Norma estabelece os procedimentos relativos ao funcionamento das Comissões Internas de Prevenção de Acidentes - CIPAs na COPASA MG. 1.2 Aplica-se a todos os empregados e Unidades

Leia mais

Controle de portaria e acesso

Controle de portaria e acesso Pág.: 1/5 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos relativos ao controle de acesso de pessoas, veículos e equipamentos às dependências e às áreas de proteção ambiental sob o domínio da COPASA MG.

Leia mais

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB 1 -DO OBJETO O objeto do Pregão Presencial é a contratação de empresa especializada para prestação de serviços de rádio-táxi

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA 1 Solicitação de Abertura do Processo de Homologação 1.1 Os fornecedores interessados em ter seus materiais

Leia mais

1. A SPECTOS GERAIS 1.1 APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS

1. A SPECTOS GERAIS 1.1 APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS C A P Í T U L O I - C A D A S T R O D E P A R T I C I P A N T E S E I N V E S T I D O R E S 1. A SPECTOS GERAIS A CBLC administra dois sistemas de cadastro: o Sistema de Cadastro de Participantes e o Sistema

Leia mais

NORMA DE FÉRIAS. RES. nº 1628/09. Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba

NORMA DE FÉRIAS. RES. nº 1628/09. Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Vinculada ao Ministério da Integração Nacional - M I. nº 1628/09 FOR-101 1/5 S U M Á R I O 1 Objetivo, 2/5 2 Definição, 2/5 3 Competências,

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

DECRETO Nº 524, DE 02 DE JULHO DE 2003.

DECRETO Nº 524, DE 02 DE JULHO DE 2003. DECRETO Nº 524, DE 02 DE JULHO DE 2003. Dispõe sobre a concessão das férias dos servidores públicos do Município de Pinhais. O PREFEITO MUNICIPAL DE PINHAIS, Estado do Paraná, D E C R E T A Art 1º Fica

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

Norma de Utilização dos Veículos do SISAR/BAJ

Norma de Utilização dos Veículos do SISAR/BAJ 1. Objetivo Norma de Utilização dos Veículos do SISAR/BAJ 1.1. Regularizar o uso dos veículos pertencentes ao SISAR/BAJ, em todas as suas unidades. Especificando direito e deveres dos condutores. 2. Campo

Leia mais

CADASTRAMENTO PARA CONDUÇÃO DE VEÍCULOS E VIATURAS OFICIAIS 1 OBJETIVO

CADASTRAMENTO PARA CONDUÇÃO DE VEÍCULOS E VIATURAS OFICIAIS 1 OBJETIVO CADASTRAMENTO PARA CONDUÇÃO DE VEÍCULOS E VIATURAS OFICIAIS Proposto por: Diretor da Divisão de Infraestrutura de Transportes (DITRA) Analisado por: Diretor do Departamento de Transportes (DETRA) Aprovado

Leia mais

Processo de Solicitação de Viagem GENS S.A. Manual do Colaborador

Processo de Solicitação de Viagem GENS S.A. Manual do Colaborador Processo de Solicitação de Viagem GENS S.A. Manual do Colaborador 1 Apresentação Apresentamos o Processo de Viagens GENS Manual do Colaborador. Este Manual é parte integrante do Processo de Viagens GENS.

Leia mais

PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE REGULAMENTO

PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE REGULAMENTO PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE 1. DAS INFORMAÇÕES GERAIS REGULAMENTO 1.1 - O presente regulamento objetiva a concessão de Crédito Educativo para estudantes devidamente Matriculados nos cursos

Leia mais

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 20

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 20 1/ 8 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão e Adequação integral do PO 02 Adequação dos Registros e Padrões Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo

Leia mais

Rodovia MS 80, Km 10 Campo Grande, MS CEP: 79114-901 fone: 0XX67 368-0100 www.detran.ms.gov.br

Rodovia MS 80, Km 10 Campo Grande, MS CEP: 79114-901 fone: 0XX67 368-0100 www.detran.ms.gov.br EDITAL N. 01 DETRAN-MS O Diretor Presidente do Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais, atendendo o disposto na Resolução n. 358, de 13 de agosto de 2010,

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA (RN) RN - 006/01

RESOLUÇÃO NORMATIVA (RN) RN - 006/01 RESOLUÇÃO NORMATIVA (RN) RN - 006/01 EMITENTE Presidência Aprovada pela Diretoria REUNIÃO DE 01/06/2005 Revisão Nº 01 Aprovada pela Diretoria REUNIÃO DE 10/01/2007 ASSUNTO Contratação de Prestação de Serviços

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Fundo fixo. Estabelecer critérios e procedimentos para utilização de fundo fixo na COPASA MG.

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Fundo fixo. Estabelecer critérios e procedimentos para utilização de fundo fixo na COPASA MG. Pág. 1/5 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos para utilização de fundo fixo na COPASA MG. 2 Definições Para melhor entendimento desta norma, aplicam-se as seguintes definições: a) fundo fixo

Leia mais

Programa CI-BRASIL RN-009/2010

Programa CI-BRASIL RN-009/2010 Programa CI-BRASIL RN-009/2010 Revoga as RN-010/2008 e RN-016/2009 O Presidente do CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO - CNPq, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo

Leia mais

Financiamento de Serviços e Parcelamentos de Débitos

Financiamento de Serviços e Parcelamentos de Débitos Financiamento de Serviços e Parcelamentos de Débitos Pág.: 1/3 1 Objetivo 1.1 Esta Norma de Procedimentos define as políticas e procedimentos básicos para o Parcelamento de Débitos e Financiamento de Serviços

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Carga patrimonial

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Carga patrimonial , pág.: 1/4 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos para a formalização de responsabilidade para os empregados da empresa pela guarda, conservação e bom uso dos bens patrimoniais de propriedade

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO PARA BOLSA-AUXÍLIO GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO PARA BOLSA-AUXÍLIO GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO PARA BOLSA-AUXÍLIO GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO (Lato Sensu e Stricto Sensu), EM CONFORMIDADE COM A LEI 11.091 DE 12 DE JANEIRO DE 2005 E DECRETO 5.707 DE 23 DE FEVEREIRO

Leia mais

A Câmara Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal sanciono a seguinte Lei:

A Câmara Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.175, DE 28 DE MARÇO DE 2008 Dispõe sobre o Sistema de Bilhetagem Eletrônica de Transporte Coletivo Urbano no Município de São José dos Pinhais. A Câmara Municipal de São José dos Pinhais, Estado

Leia mais

I - Apresentar Carteira Nacional de Habilitação, categoria A, em validade, expedida há pelo menos dois anos;

I - Apresentar Carteira Nacional de Habilitação, categoria A, em validade, expedida há pelo menos dois anos; CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 10 - O presente regulamento dispõe sobre o serviço de transporte de carga, na modalidade denominada motoentrega, consiste no serviço de entrega e coleta de

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO CEFET-SP

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO CEFET-SP REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO CEFET-SP Capítulo I DA NATUREZA E SUAS FINALIDADES Art. 1º O estágio baseia-se na Lei nº. 11.788, sancionada em 25 de setembro de 2008. Parágrafo

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Da Comissão de Legislação Participativa) SUG nº 67/2007 Altera a Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997, que institui o Código de Trânsito Brasileiro para

Leia mais

TERMO DE USO - SERVIÇO VIVO TORPEDO LEMBRETE

TERMO DE USO - SERVIÇO VIVO TORPEDO LEMBRETE TERMO DE USO - SERVIÇO VIVO TORPEDO LEMBRETE 1. OBJETO: 1.1. O presente Instrumento tem por objeto regular a o acesso e a utilização do serviço VIVO Torpedo Lembrete (doravante VIVO Torpedo Lembrete ),

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo Secretaria de Gestão com Pessoas SEGESPE

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo Secretaria de Gestão com Pessoas SEGESPE PROGRAMA DE INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO PARA BOLSA AUXILIO GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO (Lato Sensu e Stricto Sensu), EM CONFORMIDADE COM A LEI 11.091 DE 12 DE JANEIRO DE 2005 E DECRETO 5.707 DE 23 DE FEVEREIRO

Leia mais

RESOLUÇÃO N 2.025. II - endereços residencial e comercial completos; (Redação dada pela Resolução nº 2.747, de 28/6/2000.)

RESOLUÇÃO N 2.025. II - endereços residencial e comercial completos; (Redação dada pela Resolução nº 2.747, de 28/6/2000.) RESOLUÇÃO N 2.025 Altera e consolida as normas relativas à abertura, manutenção e movimentação de contas de depósitos. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna

Leia mais

4. DEFINIÇÕES As definições estão no documento Política de Utilização da Rede Local CELEPAR, disponível em www.cooseg.celepar.parana.

4. DEFINIÇÕES As definições estão no documento Política de Utilização da Rede Local CELEPAR, disponível em www.cooseg.celepar.parana. Páginas 1 / 5 1. OBJETIVO Estabelecer procedimentos para a utilização da Internet. 2. ÂMBITO DA APLICAÇÃO Aplica-se a todos os usuários da Rede Local CELEPAR. 3. PALAVRAS-CHAVES Rede Local, Internet, Intranet.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 Estabelece os critérios de concessão de acesso ao Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse SICONV. O SECRETÁRIO DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA

Leia mais

2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO O disposto nesta Norma aplica-se a todos os empregados da CELEPAR.

2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO O disposto nesta Norma aplica-se a todos os empregados da CELEPAR. Páginas 1 / 7 1. OBJETIVO Regulamentar a concessão do benefício Auxílio Educação nos termos do Acordo Coletivo de Trabalho vigente, estabelecendo critérios e procedimentos para a efetivação do reembolso

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE ACESSO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE ACESSO 25/03/203 PSP-0. INTRODUÇÃO O Procedimento de Controle de Acesso tem como objetivo orientar e padronizar o procedimento de acesso de pessoas as fábricas, garantindo que somente pessoas autorizadas possam

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 28, 28 DE DEZEMBRO DE 2012.

PORTARIA NORMATIVA Nº 28, 28 DE DEZEMBRO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 28, 28 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre a suspensão temporária da utilização de financiamento concedido com recursos do Fundo de Financiamento

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 2, DE 26 DE JANEIRO DE 2010

PORTARIA NORMATIVA Nº 2, DE 26 DE JANEIRO DE 2010 Edição Número 18 de 27/01/2010 Ministério da Educação Gabinete do Ministro PORTARIA NORMATIVA Nº 2, DE 26 DE JANEIRO DE 2010 Institui e regulamenta o Sistema de Seleção Unificada, sistema informatizado

Leia mais

GERÊNCIA DE ORIENTAÇÕES, NORMAS E PROCEDIMENTOS GONP SETOR DE ORIENTAÇÃO - SEOR

GERÊNCIA DE ORIENTAÇÕES, NORMAS E PROCEDIMENTOS GONP SETOR DE ORIENTAÇÃO - SEOR GERÊNCIA DE ORIENTAÇÕES, NORMAS E PROCEDIMENTOS GONP SETOR DE ORIENTAÇÃO - SEOR Orientação Técnica n 006/2014 Assunto: Procedimento Relativo à Gestão da Frota do Município do Recife Legislação: Instrução

Leia mais

Este documento objetiva a apresentação de nosso voto relativamente ao assunto em epígrafe, acompanhado da respectiva justificativa.

Este documento objetiva a apresentação de nosso voto relativamente ao assunto em epígrafe, acompanhado da respectiva justificativa. VOTO ASSUNTO: AUDIÊNCIA PÚBLICA DA MINUTA DE CIRCULAR QUE DISPÕE SOBRE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA A CONTRATAÇÃO DE SEGURO EM MOEDA ESTRANGEIRA, A CONTRATAÇÃO DE SEGURO NO EXTERIOR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA VOLKSWAGEN PREMIUM

REGULAMENTO DO PROGRAMA VOLKSWAGEN PREMIUM REGULAMENTO DO PROGRAMA VOLKSWAGEN PREMIUM O Programa Volkswagen Premium ( Programa ), desenvolvido pela VOLKSWAGEN DO BRASIL INDÚSTRIA DE VEÍCULOS AUTOMOTORES LTDA. ( Volkswagen ), é de natureza benéfica

Leia mais

RESOLUÇÃO CONCEA NORMATIVA Nº 21, DE 20 DE MARÇO DE 2015

RESOLUÇÃO CONCEA NORMATIVA Nº 21, DE 20 DE MARÇO DE 2015 RESOLUÇÃO CONCEA NORMATIVA Nº 21, DE 20 DE MARÇO DE 2015 Altera os critérios e procedimentos para requerimento, emissão, revisão, extensão, suspensão e cancelamento do Credenciamento Institucional para

Leia mais

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE PERFIL E TREINAMENTO VAPT VUPT

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE PERFIL E TREINAMENTO VAPT VUPT Sistema de Gestão do Programa Vapt Vupt SUPERINTENDÊNCIA DA ESCOLA DE GOVERNO HENRIQUE SANTILLO PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE PERFIL E TREINAMENTO VAPT VUPT Responsáveis: Ludmilla Sequeira Barbosa e Rosana

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA IN

INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Quinta-feira, 15 de Março de 2012 Ano XVIII - Edição N.: 4030 Poder Executivo Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Informação - Secretaria Municipal Adjunta de Recursos Humanos INSTRUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

PROGRAMA DE DESLIGAMENTO INCENTIVADO PDI

PROGRAMA DE DESLIGAMENTO INCENTIVADO PDI PROGRAMA DE DESLIGAMENTO INCENTIVADO PDI BRASÍLIA - DF MARÇO/2007 PROGRAMA DE DESLIGAMENTO INCENTIVADO - PDI A Diretoria Executiva da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba

Leia mais

REGULAMENTO DA PORTARIA - DOS LOCAIS DE ACESSO AO CLUBE. - DOCUMENTOS A SEREM EXIGIDOS.

REGULAMENTO DA PORTARIA - DOS LOCAIS DE ACESSO AO CLUBE. - DOCUMENTOS A SEREM EXIGIDOS. REGULAMENTO DA PORTARIA INDICE CAPÍTULO I CAPÍTULO II CAPÍTULO III - DO OBJETIVO. - DOS LOCAIS DE ACESSO AO CLUBE. - DOCUMENTOS A SEREM EXIGIDOS. 1. Dos sócios titulares, seus dependentes e acompanhantes

Leia mais

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 Regulamento do Plano de Empréstimo 2015 Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 1. Dos Objetivos a) Estabelecer os direitos e obrigações da Previplan - Sociedade de Previdência Privada (aqui designada como Sociedade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 169, de 17 de MARÇO de 2005.

RESOLUÇÃO Nº 169, de 17 de MARÇO de 2005. RESOLUÇÃO Nº 169, de 17 de MARÇO de 2005. Altera a Resolução nº 168/04, de 14 de dezembro de 2004, publicada no Diário Oficial da União nº 245, Secção I, Página 73, de 22 de dezembro de 2004. O CONSELHO

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 199 / 2011

PORTARIA NORMATIVA Nº 199 / 2011 Publicada no DOE de 02/04/2011 PORTARIA NORMATIVA Nº 199 / 2011 A PRESIDENTE da Fundação Centro de Atendimento Socioeducativo ao Adolescente - Fundação CASA-SP, no uso de sua competência, e Considerando

Leia mais

RECERTIFICAÇÃO DE INSPETOR DE PINTURA INDUSTRIAL NÍVEL 2 INSTRUÇÕES AOS CANDIDATOS

RECERTIFICAÇÃO DE INSPETOR DE PINTURA INDUSTRIAL NÍVEL 2 INSTRUÇÕES AOS CANDIDATOS 1 de 5 1 OBJETIVO Este documento tem o objetivo de orientar o candidato para a execução dos exames de recertificação de Inspetor de Pintura Industrial Nível 2 do Sistema Nacional de Qualificação e Certificação

Leia mais

Manual de utilização Totem de Autoatendimento

Manual de utilização Totem de Autoatendimento Manual de utilização Totem de Autoatendimento Julho/2015 Sumário 1. Totem de Autoatendimento Detran/PR... 3 2. Área de Motorista... 4 2.1. Consultar Envio CNH... 4 2.2. Curso de Reciclagem... 5 2.2.1.

Leia mais

Sumário 1. INTRODUÇÃO

Sumário 1. INTRODUÇÃO Registro profissional dos contabilistas Em face da publicação da Resolução CFC nº 1.461/2014 - DOU 1 de 17.02.2014, este procedimento foi atualizado. Tópico atualizado: 1.1 Sujeição e aprovação em exame

Leia mais

IS Nº 21.181-001 Revisão B

IS Nº 21.181-001 Revisão B s INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 21.181-001 Aprovação: Resolução nº 147, de 17 de março de 2010, publicada no Diário Oficial da União, N 54, Seção 1, p. 16, de 22/03/2010 Assunto: Revalidação de Certificados

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO DECRETA:

CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO DECRETA: PROJETO DE LEI Nº. 243/2015 Dispõe sobre regulamentação do atendimento ao serviço de Transporte Individual de Passageiros, Táxi, em casos de solicitação por aplicativo (APP) ou internet, no Município de

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO REALCAP PRESENTE. (Empresa Incorporadora da Real Capitalização S.A. desde 30/09/2009) CNPJ: 03.209.092/0001-02

CONDIÇÕES GERAIS DO REALCAP PRESENTE. (Empresa Incorporadora da Real Capitalização S.A. desde 30/09/2009) CNPJ: 03.209.092/0001-02 CONDIÇÕES GERAIS DO REALCAP PRESENTE I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Santander Capitalização S/A (Empresa Incorporadora da Real Capitalização S.A. desde 30/09/2009) CNPJ: 03.209.092/0001-02

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/2015 DO CONSELHO CURADOR DA FUNDAÇÃO DE APOIO UNIVERSITÁRIO

RESOLUÇÃO Nº 01/2015 DO CONSELHO CURADOR DA FUNDAÇÃO DE APOIO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 01/2015 DO CONSELHO CURADOR DA FUNDAÇÃO DE APOIO UNIVERSITÁRIO Define diretrizes e procedimentos relativos a gestão de recursos financeiros captados ou administrados pela Fundação de Apoio

Leia mais

Saiba mais sobre o Seguro Escoteiro

Saiba mais sobre o Seguro Escoteiro Definição do Seguro: Este seguro garante ao Beneficiário, o pagamento do capital segurado ou reembolso das despesas médicas, hospitalares e/ou odontológicas, exceto se o evento caracterizar-se como um

Leia mais

REVISÕES C - PARA CONHECIMENTO D - PARA COTAÇÃO. Rev. TE Descrição Por Ver. Apr. Aut. Data. 0 C Emissão inicial. DD MAC MAC RPT 30/03/12

REVISÕES C - PARA CONHECIMENTO D - PARA COTAÇÃO. Rev. TE Descrição Por Ver. Apr. Aut. Data. 0 C Emissão inicial. DD MAC MAC RPT 30/03/12 1/8 REVISÕES TE: TIPO EMISSÃO A - PRELIMINAR B - PARA APROVAÇÃO C - PARA CONHECIMENTO D - PARA COTAÇÃO E - PARA CONSTRUÇÃO F - CONFORME COMPRADO G - CONFORME CONSTRUÍDO H - CANCELADO Rev. TE Descrição

Leia mais

18/09/2013 UNN-OP-P0XX Versão 1.1, 18/09/2013 Página: 1 de 7. Nome: Política de Transportes. Aprovação - CEO. Nome: Depto.: Nome: Raimundo Expedito

18/09/2013 UNN-OP-P0XX Versão 1.1, 18/09/2013 Página: 1 de 7. Nome: Política de Transportes. Aprovação - CEO. Nome: Depto.: Nome: Raimundo Expedito Versão 1.1, 18/09/2013 Página: 1 de 7 Código do Documento CO-P0XX Nome: Política de Transportes Autor Data: (dd/mm/aaaa) Aprovação - COO Data: (dd/mm/aaaa) Nome: Depto.: Cargo: Karen Ribeiro Operações

Leia mais

Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação PIBITI/CNPq/IFSP EDITAL N 075/2010

Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação PIBITI/CNPq/IFSP EDITAL N 075/2010 Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação PIBITI/CNPq/IFSP EDITAL N 075/2010 A Pró-reitoria de Pesquisa e Inovação do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS INDIVIDUAL. Condições Especiais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS INDIVIDUAL. Condições Especiais SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS INDIVIDUAL Condições Especiais Processo SUSEP Nº 15414.004703/2010-01 0 ÍNDICE CLÁUSULA ADICIONAL DE INVALIDEZ PERMANENTE TOTAL OU PARCIAL POR ACIDENTE AUTOMOBILÍSTICO NO BRASIL

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.166/09 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. regimentais, O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

MUNICÍPIO DE GUARANIAÇU Estado do Paraná CNPJ 76.208.818/0001-66

MUNICÍPIO DE GUARANIAÇU Estado do Paraná CNPJ 76.208.818/0001-66 LEI N.º 809/2014 SÚMULA: Disciplina procedimentos de controle da frota e transporte municipal e da outras providências. aprovou, e eu, Prefeito Municipal sanciono a seguinte A Câmara Municipal de Guaraniaçu,,

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual e,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual e, DECRETO N.º 2297 R, DE 15 DE JULHO DE 2009. (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 16/07/2009) Dispõe sobre procedimentos para concessão de licenças médicas para os servidores públicos

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 23, DE 4 DE ABRIL DE 2012

RESOLUÇÃO - RDC Nº 23, DE 4 DE ABRIL DE 2012 RESOLUÇÃO - RDC Nº 23, DE 4 DE ABRIL DE 2012 Dispõe sobre a obrigatoriedade de execução e notificação de ações de campo por detentores de registro de produtos para a saúde no Brasil. A Diretoria Colegiada

Leia mais

Boletim Interno. Edição Extraordinária nº 19

Boletim Interno. Edição Extraordinária nº 19 Boletim Interno Edição Extraordinária nº 19 Fundação Escola Nacional de Administração Pública SAIS Área 2-A 70610-900 Brasília, DF Tel.: (61) 2020-3000 Miriam Aparecida Belchior Ministra de Estado do Planejamento,

Leia mais

DECRETO N.º 10.224, DE 30 DE JANEIRO DE 2001. (DOE n.º 5.439 de 31 de janeiro de 2001 p.3/5)

DECRETO N.º 10.224, DE 30 DE JANEIRO DE 2001. (DOE n.º 5.439 de 31 de janeiro de 2001 p.3/5) DECRETO N.º 10.224, DE 30 DE JANEIRO DE 2001. (DOE n.º 5.439 de 31 de janeiro de 2001 p.3/5) Dispõe sobre o registro diário das entradas e saídas dos servidores em exercício nos órgãos e entidades do Poder

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.494, de 20 de novembro de 2015. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.494, de 20 de novembro de 2015. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.494, de 20 de novembro de 2015. Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

INFORMAÇÕES BÁSICAS AOS BOLSISTAS E CANDIDATOS A BOLSAS

INFORMAÇÕES BÁSICAS AOS BOLSISTAS E CANDIDATOS A BOLSAS Página: 1 de 6 REGISTRO DE ALTERAÇÕES REV. DATA ALTERAÇÃO EFETUADA 00 24/03/2014 Emissão do Documento Carlos Eduardo Sanches da Silva Pró-Reitor APROVAÇÃO Jussara Gomes da Silva Assessora Financeira ELABORAÇÃO

Leia mais

SUPER CLIENTE SHOPPING DA BAHIA REGULAMENTO

SUPER CLIENTE SHOPPING DA BAHIA REGULAMENTO SUPER CLIENTE SHOPPING DA BAHIA REGULAMENTO 1. Cadastramento no Programa 1.1 O Super Cliente Shopping da Bahia é um programa que objetiva oferecer benefícios e vantagens aos seus participantes, clientes

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo.

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 087, de 03 de maio de 2002. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

Sistema de Concessão de Diárias e Passagens - SCDP. Operacionalização - Solicitação de Viagem

Sistema de Concessão de Diárias e Passagens - SCDP. Operacionalização - Solicitação de Viagem Sistema de Concessão de Diárias e Passagens - SCDP FAQ Perguntas e Respostas Freqüentes Operacionalização - Solicitação de Viagem 1 - Quais as exigências legais para cadastramento de uma solicitação de

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL PRESTADOR DE SERVIÇO VOLUNTÁRIO. - Prestador de Serviço Voluntário no âmbito da UFTM

NORMA PROCEDIMENTAL PRESTADOR DE SERVIÇO VOLUNTÁRIO. - Prestador de Serviço Voluntário no âmbito da UFTM 50.05.002 1/12 1 FINALIDADE Formalizar e disciplinar os procedimentos para a prestação de serviços voluntários na UFTM Universidade Federal do Triângulo Mineiro. 2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todos os órgãos da

Leia mais

PROJETO DE LEI N 031/2015

PROJETO DE LEI N 031/2015 PROJETO DE LEI N 031/2015 Dispõe sobre as vagas de estacionamento de veículos destinadas exclusivamente às pessoas deficientes e com dificuldade de locomoção e dá outras providências. O Vereador que o

Leia mais

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Publicada D.O.E. Em 23.12.2003 LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Reestrutura o Plano de Carreira do Ministério Público do Estado da Bahia, instituído pela Lei nº 5.979, de 23 de setembro de 1990,

Leia mais

Instruções para o cadastramento da Operação de Transporte e geração do Código Identificador da Operação de Transporte CIOT.

Instruções para o cadastramento da Operação de Transporte e geração do Código Identificador da Operação de Transporte CIOT. Instruções para o cadastramento da Operação de Transporte e geração do Código Identificador da Operação de Transporte CIOT. Versão: 01/2013 As presentes instruções aplicam-se a todas as Operações de Transportes

Leia mais

REGULAMENTO CLUBE DE VANTAGENS NUTRIMASTER

REGULAMENTO CLUBE DE VANTAGENS NUTRIMASTER REGULAMENTO CLUBE DE VANTAGENS NUTRIMASTER 1. O Clube de Vantagens Nutrimaster é um programa que objetiva estreitar o relacionamento entre Nutrimaster e seus participantes, oferecendo benefícios e/ou vantagens

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS ORDEM DE SERVIÇO 02/2011

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS ORDEM DE SERVIÇO 02/2011 pg. 1/9 ORDEM DE SERVIÇO 02/2011 Dispõe sobre as regras de auditoria para homologação eletrônica da atualização de cadastro de médicos credenciados no IPERGS. O DIRETOR DE SAÚDE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA

Leia mais

PORTARIA Nº 979/2009. RESOLVE editar a seguinte Portaria:

PORTARIA Nº 979/2009. RESOLVE editar a seguinte Portaria: MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Gabinete da Procuradora Chefe PORTARIA Nº 979/2009 Disciplina, no âmbito da PR/SP, o procedimento de encaminhamento das solicitações de diárias. A PROCURADORA CHEFE DA PROCURADORIA

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E VALIDADE DE CREDENCIAIS NÃO REQUER ACOMPANHAMENTO. Não pode ter validade superior a 2 anos REQUER ACOMPANHAMENTO

CLASSIFICAÇÃO E VALIDADE DE CREDENCIAIS NÃO REQUER ACOMPANHAMENTO. Não pode ter validade superior a 2 anos REQUER ACOMPANHAMENTO NOVO PROCEDIMENTO DE CREDENCIAMENTO DE PESSOAS Referência: IAC 107 1006 Prezados, Visando orientar e disciplinar a expedição e o uso de credenciais de pessoas com acesso às áreas do Aeroporto Internacional

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01, de 29 de janeiro de 2015.

RESOLUÇÃO Nº 01, de 29 de janeiro de 2015. RESOLUÇÃO Nº 01, de 29 de janeiro de 2015. Dispõe sobre o uso e condução de veículos oficiais do Instituto de Previdência do Município de Jacareí. A Presidência do Instituto de Previdência do Município

Leia mais

LEI Nº 2198/2001. A Prefeita Municipal de Ibiraçu, Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais;

LEI Nº 2198/2001. A Prefeita Municipal de Ibiraçu, Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais; LEI Nº 2198/2001 INSTITUI O PROGRAMA DE INCENTIVO AO DESLIGAMENTO VOLUNTÁRIO NA PREFEITURA MUNICIPAL DE IBIRAÇU PDV A Prefeita Municipal de Ibiraçu, Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições

Leia mais

REGULAMENTO PROJETO SERVIÇOS E CIDADANIA

REGULAMENTO PROJETO SERVIÇOS E CIDADANIA REGULAMENTO PROJETO SERVIÇOS E CIDADANIA Este documento descreve as práticas gerais de uso do PROJETO SERVIÇOS E CIDADANIA do Grupo Paranaense de Comunicação, administrado pelo Instituto GRPCOM. O PROJETO

Leia mais

Altera e consolida o Plano de Cargos e Salários da Câmara Municipal de Córrego do Ouro, e dá outras providências.

Altera e consolida o Plano de Cargos e Salários da Câmara Municipal de Córrego do Ouro, e dá outras providências. LEI N o 0692/2012 Córrego do Ouro/GO.,06 de Dezembro de 2012. Altera e consolida o Plano de Cargos e Salários da Câmara Municipal de Córrego do Ouro, e dá outras providências. O Prefeito Municipal. Faço

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 19, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2008

PORTARIA NORMATIVA Nº 19, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2008 1 de 7 02/03/2012 12:09 PORTARIA NORMATIVA Nº 19, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2008 Dispõe sobre procedimentos de manutenção de bolsas do Programa Universidade para Todos - ProUni pelas instituições de ensino

Leia mais

EMAS JR. CONSULTORIA EMPRESA JÚNIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CAMPUS PAMPULHA EDITAL. Processo Seletivo Emas Jr. Consultoria 2015/02

EMAS JR. CONSULTORIA EMPRESA JÚNIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CAMPUS PAMPULHA EDITAL. Processo Seletivo Emas Jr. Consultoria 2015/02 EDITAL Processo Seletivo Emas Jr. Consultoria 2015/02 EDITAL Processo Seletivo Emas Jr. Consultoria 2015/02 A EMAS Empresa Júnior de Meio Ambiente e Saneamento / UFMG ( Emas Jr. ) faz saber aos interessados

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 252, DE 28 DE ABRIL DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 252, DE 28 DE ABRIL DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 252, DE 28 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre as regras de portabilidade e de portabilidade especial de carências, alterando as Resoluções Normativas nº 186, de 14 de janeiro de

Leia mais

MANUAL DA CERTIFICAÇÃO POR PROVA PARA TÉCNICOS 2015

MANUAL DA CERTIFICAÇÃO POR PROVA PARA TÉCNICOS 2015 MANUAL DA CERTIFICAÇÃO POR PROVA PARA TÉCNICOS 2015 1 1. A Certificação por Prova é destinada a profissionais de Previdência Complementar Fechada que atuem na área de Contabilidade. IMPEDIMENTOS 2. O candidato

Leia mais

Ordem de Serviço do TJPB nº 01/09, de 31 de agosto de 2009 (Dispõe sobre a responsabilidade do motorista em infrações de trânsito).

Ordem de Serviço do TJPB nº 01/09, de 31 de agosto de 2009 (Dispõe sobre a responsabilidade do motorista em infrações de trânsito). Código: MAN-SADM-007 Versão: 00 Data de Aprovação: 10/06/2010 Elaborado por: Coordenadoria de Transporte Aprovado por: Secretaria Administrativa 1 Objetivo Estabelecer os critérios e os procedimentos para

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-104-R00 FÉRIAS DOS SERVIDORES

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-104-R00 FÉRIAS DOS SERVIDORES MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-104-R00 FÉRIAS DOS SERVIDORES 10/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 02 de outubro de 2015. Aprovado, Antonia Valeria Martins Maciel 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE FÉRIAS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE FÉRIAS 23/04/203. INTRODUÇÃO A Política de Férias tem por objetivo estabelecer os critérios relativos a concessão de férias dos empregados da Melhoramentos Papéis 2. ESCOPO Férias solicitadas pelos funcionários

Leia mais

RESOLVEU: I - probidade na condução das atividades no melhor interesse de seus clientes e na integridade do mercado;

RESOLVEU: I - probidade na condução das atividades no melhor interesse de seus clientes e na integridade do mercado; Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações em bolsas de valores e dá outras providências. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS torna público que o Colegiado, em sessão

Leia mais

Movimentação de bens patrimoniais

Movimentação de bens patrimoniais pág.: 1/3 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos a serem observados pelos empregados quando da movimentação de bens patrimoniais móveis no âmbito da COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta

Leia mais

RESOLUÇÃO GP N. 23 DE 14 DE AGOSTO DE 2014.

RESOLUÇÃO GP N. 23 DE 14 DE AGOSTO DE 2014. RESOLUÇÃO GP N. 23 DE 14 DE AGOSTO DE 2014. Dispõe sobre o funcionamento da Biblioteca Desembargador Marcílio Medeiros. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SANTA CATARINA, considerando o exposto

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO CLARO SIM. O presente Regulamento tem por objeto regular as relações entre a CLARO e os participantes da PROMOÇÃO CLARO SIM

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO CLARO SIM. O presente Regulamento tem por objeto regular as relações entre a CLARO e os participantes da PROMOÇÃO CLARO SIM REGULAMENTO DA PROMOÇÃO CLARO SIM O presente Regulamento tem por objeto regular as relações entre a CLARO e os participantes da PROMOÇÃO CLARO SIM 1. Condições gerais 1.1. REALIZADORA: CLARO S/A, empresa

Leia mais

PROGRAMA DE RECOMPENSA SICREDI ANEXO AO CONTRATO DE EMISSÃO E UTILIZAÇÃO DOS CARTÕES SICREDI

PROGRAMA DE RECOMPENSA SICREDI ANEXO AO CONTRATO DE EMISSÃO E UTILIZAÇÃO DOS CARTÕES SICREDI PROGRAMA DE RECOMPENSA SICREDI ANEXO AO CONTRATO DE EMISSÃO E UTILIZAÇÃO DOS CARTÕES SICREDI 1. O Programa de Recompensa Sicredi é um programa de incentivo ao uso do(s) CARTÃO(ÕES) Sicredi, administrado(s)

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE SERVIÇO DE EMPRÉSTIMO DE VALORES MOBILIÁRIOS

ÂMBITO E FINALIDADE SERVIÇO DE EMPRÉSTIMO DE VALORES MOBILIÁRIOS Dispõe sobre empréstimo de valores mobiliários por entidades de compensação e liquidação de operações com valores mobiliários, altera as Instruções CVM nºs 40, de 7 de novembro de 1984 e 310, de 9 de julho

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2.303. V - devolução de cheques pelo Serviço de Compensação de Cheques e Outros Papéis - SCCOP, exceto por insuficiência de fundos;

RESOLUÇÃO Nº 2.303. V - devolução de cheques pelo Serviço de Compensação de Cheques e Outros Papéis - SCCOP, exceto por insuficiência de fundos; RESOLUÇÃO Nº 2.303 Documento normativo revogado, a partir de 30/4/2008, pela Resolução nº 3.518, de 6/12/2007. Disciplina a cobrança de tarifas pela prestação de serviços por parte das instituições financeiras

Leia mais

EDITAL Nº 21/2011 CHAMAMENTO PARA INSCRIÇÃO CURSO SOBRE TRANSPORTE ESCOLAR

EDITAL Nº 21/2011 CHAMAMENTO PARA INSCRIÇÃO CURSO SOBRE TRANSPORTE ESCOLAR EDITAL Nº 21/2011 CHAMAMENTO PARA INSCRIÇÃO CURSO SOBRE TRANSPORTE ESCOLAR 1. OBJETIVO DO CURSO Analisar os aspectos que devem ser contemplados no regulamento municipal do transporte escolar, através de

Leia mais