REDE DE OPERAÇÃO DO ONS DEMAIS INSTALAÇÕES DA TRANSMISSÃO - DIT CTEEP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REDE DE OPERAÇÃO DO ONS DEMAIS INSTALAÇÕES DA TRANSMISSÃO - DIT CTEEP"

Transcrição

1 BANCO DE DADOS DOS SISTEMAS ESPECIAIS DE PROTEÇÃO - SEP REDE DE OPERAÇÃO DO ONS DEMAIS INSTALAÇÕES DA TRANSMISSÃO - DIT CTEEP Revisão: 21 Vigência: 05/11/2012 DIVISÃO DE ANÁLISE DA OPERAÇÃO ESTUDOS DE OPERAÇÃO E PROTEÇÃO

2 ÍNDICE 1 ESQUEMAS ATIVOS SEP Nº: (BLOQUEADO) - ESQUEMA DE SEPARAÇÃO DE BARRAS DA SE CABREÚVA 440 KV SEP Nº: (BLOQUEADO) - SEPARAÇÃO DE BARRAS DA SE JUPIÁ 440 KV SEP Nº: ESQUEMA DE SEPARAÇÃO DE BARRAS DA SE JUPIÁ 138 KV SEP Nº: (BLOQUEADO) - ESQUEMA AUTOMÁTICO DE ALÍVIO DE CARGA DOS TRANSFORMADORES 440/138 KV DE SANTO ÂNGELO SEP Nº: ESQUEMA DE REJEIÇÃO DE MÁQUINAS DA UHE TRÊS IRMÃOS SEP Nº: (BLOQUEADO) - ESQUEMA DE SEPARAÇÃO DE BARRAS DA SE BAURU 440 KV SEP Nº: (BLOQUEADO) - ESQUEMA DE SEPARAÇÃO DE BARRAS DE SE ILHA SOLTEIRA 440 KV SEP Nº: (BLOQUEADO) - ESQUEMA DE ALÍVIO DE CARGA DOS TRANSFORMADORES 440/138 KV DA SE ARARAQUARA SEP Nº: ESQUEMA DE ILHAMENTO POR SUBFREQÜÊNCIA ASSOCIADO AO SISTEMA DE 138 E 88KV SEP Nº: (BLOQUEADO) - ESQUEMA AUTOMÁTICO DE ALÍVIO DE CARGA POR SUBTENSÃO DAS SE'S LESTE E NORTE SEP Nº: (BLOQUEADO) - ESQUEMA AUTOMÁTICO DE ALÍVIO DE CARGA DA LI 345 KV MOGI NORDESTE DA SE NORDESTE SEP Nº: ESQUEMA AUTOMÁTICO DE ALÍVIO DE CARGA DA LI 345KV BSA-TP C1, C2 E C3, NA SE BAIXADA SANTISTA SEP Nº: ESQUEMA DE ALÍVIO DE CARGA DOS TR-3, TR-4 E TR-5 DE 345/88 KV 400MVA DA SE BAIXADA SANTISTA SEP Nº: ESQUEMA DE ALÍVIO DE CARGA DA LT 230 KV PIRATININGA - HENRY BORDEN, DA SE PIRATININGA SEP N : (BLOQUEADO) - ESQUEMA PARA PRESERVAÇÃO DE PARTE DA SUBESTAÇÃO 440 KV CAPIVARA (N.º 3) SEP N : (BLOQUEADO) - ESQUEMA DE ALÍVIO DE CARGA DO TR /138 KV DA SUBESTAÇÃO JUPIÁ E LT 138 KV ASSOCIADAS, EM DECORRÊNCIA DA ENTRADA EM OPERAÇÃO DA UHE TRÊS LAGOAS SEP N : (BLOQUEADO) - ESQUEMA DE CONTROLE DE EMERGÊNCIA (ECE) DA USINA/SUBESTAÇÃO ILHA SOLTEIRA SEP Nº: (BLOQUEADO) - ESQUEMA DE CONTROLE DE EMERGÊNCIA (ECE) DA USINA / SUBESTAÇÃO JUPIÁ SEP N (BLOQUEADO) - ESQUEMA DE ALÍVIO DE CARGA DOS TRAFOS DE 440/138 KV, DA SE MOGI MIRIM III SEP N (DESATIVADO APENAS O 1º ESTÁGIO) - ESQUEMA DE ALÍVIO DE CARGA DA LT 440 KV CAPIVARA - ASSIS, DA SE CAPIVARA

3 1.21 SEP N ESQUEMA DE ALÍVIO DE CARGA DA LT 345 KV ITAPETI TIJUCO PRETO C1 OU C SEP N ESQUEMA DE ALÍVIO DE CARGA DA LT 230 KV SÃO JOSÉ DOS CAMPOS MOGI FURNAS C1 OU C SEP N ESQUEMA DE ALÍVIO DE CARGA DAS LTS 345 KV NORDESTE MOGI E NORDESTE- GUARULHOS SEP N (BLOQUEADO) - ESQUEMA DE ALÍVIO DE CARGA DA LT 230 KV MOGI-CTEEP MOGI FURNAS SEP N ESQUEMA DE CORTE DE GERAÇÃO DA USINA / SUBESTAÇÃO ROSANA SEP N ESQUEMA DE ALÍVIO DE CARGA DA LT 345KV CABOS BANDEIRANTES - XAVANTES C1/C2/C SEP Nº: ESQUEMA DE SEPARAÇÃO DE BARRAS DE SE BOM JARDIM 88 KV SEP Nº: ESQUEMA DE SEPARAÇÃO DE BARRAS DE SE BOM JARDIM 138 KV SEP Nº: ESQUEMA DE SEPARAÇÃO DE BARRAS DE SE MOGI-MIRIM III 138 KV SEP Nº: ESQUEMA DE SEPARAÇÃO DE BARRAS DE SE SUMARÉ 138 KV SEP Nº: ESQUEMA DE ALÍVIO DE CARGA DA LT 230 CHAVANTES - FIGUEIRA SEP Nº: ESQUEMA DE ALÍVIO DE CARREGAMENTO DA TRANSFORMAÇÃO KV DA SE SUL SEP Nº: ESQUEMA DE BLOQUEIO AUTOMÁTICO DOS LTCS DA TRANSFORMAÇÃO KV DA SE SUL SEP N ESQUEMA DE ALÍVIO DE CARREGAMENTO DA TRANSFORMAÇÃO TR-2, KV, DA SE TAUBATÉ SEP N ESQUEMA DE ALÍVIO DE CARREGAMENTO DA TRANSFORMAÇÃO KV, DA SE OESTE SEP N (BLOQUEADO) - ESQUEMA DE CONTROLE DE CARREGAMENTO NA LT 345 KV ITAPETI MOGI (FURNAS) C1 E C SEP N (BLOQUEADO) - ESQUEMA DE ALÍVIO DE CARREGAMENTO DA LT 345 KV XAVANTES BANDEIRANTES C1, C2 E C3 E DA TRANSFORMAÇÃO KV DA SE BANDEIRANTES SEP N : (BLOQUEADO) - ESQUEMA PARA IDENTIFICAÇÃO DE PERDA DUPLA DA LT 440 KV PORTO PRIMAVERA TAQUARUÇU SEP N ESQUEMA DE CONTROLE DE CARREGAMENTO NO TRANSFORMADOR 1 345/230KV 500MVA SE ITAPETI ESQUEMAS DESATIVADOS SEP N.º: (DESATIVADO) - ESQUEMA DE REJEIÇÃO DE MÁQUINAS NA USINA DE CAPIVARA SEP Nº: (DESATIVADO) - ALÍVIO DE CARGA DO TRANSFORMADOR TR-5 DA SE CAPIVARA SEP Nº: (DESATIVADO) - ALÍVIO DE CARGA DOS TRANSFORMADORES 440/230 KV DA SE CABREÚVA SEP Nº: (DESATIVADO) - ESQUEMA DE ALÍVIO DE CARGA DO TR-1/TR-2 (440/230 KV MVA) E LT ASS-CPV DA SE ASSIS

4 2.5 SEP Nº: (DESATIVADO) - ESQUEMA AUTOMÁTICO DE ALÍVIO DE CARGA DA SE ANHANGÜERA SEP Nº: (DESATIVADO) - ESQUEMA AUTOMÁTICO DE ALÍVIO DE CARGA DA SE ANHANGÜERA II SEP Nº: (DESATIVADO) - ESQUEMA DE ALÍVIO DE CARGA DOS TRANSFORMADORES 500 / 440 KV DA SE ÁGUA VERMELHA SEP Nº: (DESATIVADO) - ESQUEMA DE ALÍVIO DE CARGA DOS TRANSFORMADORES DE 440/88 KV DA SE BOM JARDIM SEP Nº: (DESATIVADO) - MÓDULO DE INSERÇÃO AUTOMÁTICA DOS REATORES 1 E 2 DE 230KV- 60MVAR DA SE ANHANGÜERA SEP Nº: (DESATIVADO) - ESQUEMA DE ALÍVIO DE CARGA DOS BANCOS DE TRANSFORMADORES DE 230/88 KV DA SE PIRATININGA SEP Nº: (DESATIVADO) - ESQUEMA DE ALÍVIO DE CARGA DOS TRAFOS DE 230/88 KV, DA SE EDGARD DE SOUZA SEP N : (DESATIVADO) - ESQUEMA PARA PERDA DUPLA DA LT 345 KV INTERLAGOS XAVANTES, DA SE XAVANTES SEP N : (DESATIVADO) - ESQUEMA PARA PERDA DUPLA DA LT 345 KV XAVANTES MILTON FORNASARO, DA SE MILTON FORNASARO SEP N (DESATIVADO) - ESQUEMA DE ALÍVIO DE CARGA DOS TRANSFORMADORES 4 E 5 230/138 KV, DA SE CAPÃO BONITO SEP N (DESATIVADO) - ESQUEMA DE ALÍVIO DE CARGA DA LT 230 KV CHAVANTES BOTUCATU C3, DA SE CHAVANTES SEP N (DESATIVADO) - ESQUEMA DE ALÍVIO DE CARGA DOS TRANSFORMADORES 3 E 4 230/138 KV, DA SE JURUMIRIM

5 1 ESQUEMAS ATIVOS 1.1 SEP nº: (Bloqueado) - Esquema de separação de barras da SE Cabreúva 440 kv. a. Esquema de separação de barras da SE Cabreúva 440 kv. b. Empresa responsável: CTEEP. c. Categoria do esquema: Separação de barras. d. Finalidade: A implantação do esquema de separação de barras associado ao disjuntor de interligação 24-6, entre as barras I e II de 440 kv, evita a perda de toda a subestação na eventual ocorrência de defeito no barramento. Com este esquema, caso ocorra uma falta em qualquer uma das barras, a Subestação é separada em duas seções, permitindo que haja preservação de carga na área de São Paulo pela redução do risco de perda do setor de 440 kv. Nota: Com a entrada em operação da Proteção Diferencial de Barras adaptativa 7SS52 / Siemens, na barra de 440 KV, este esquema permaneceu bloqueado. O esquema somente poderá ser colocado em serviço no caso de indisponibilidade da proteção diferencial de barras. e. Descrição da lógica de funcionamento: Vide esquema anexo. f. Ajustes dos sensores: Relé SPAJ140C - ABB - Elemento de fase IN= 5 A Tap= 1,6 x IN= 8,0 A Carga máxima = A MVA Tempo = 250 ms Instantâneo de fase = bloqueado g. Caráter do esquema: Permanente. h. Lógica do esquema: Fixa. i. Tecnologia empregada: Relés. j. Data da entrada em operação: 10/08/ Elemento de neutro Temporizado de neutro = bloqueado Instantâneo de neutro = 1,2 x IN= 6,0 A (2.400 Ap) - Tempo total de atuação do esquema Proteção + disjuntor = 290 ms k. Última revisão/motivo: Fev/ Melhoria da seletividade do esquema. Nov/ Bloqueio do esquema devido entrada em operação da proteção de diferencial da barra de 440 kv. Mar/2009 Reclassificado nas bases de dados de SEP do ONS e CTEEP como proteção back up da proteção diferencial de barras l. Data de emissão: 10/04/

6 CTEEP ESQUEMA DE SEPARAÇÃO DE BARRAS DA SE CABREUVA 440 KV ECE Nº TR6 MAIRIPORÃ C1 CABREUVA 2 MAIRIPORÃ C2 TR5 B.CAPACITOR kv SALTO TR-4 TR MVA BAURU GERDAU 150 MVA kv TR-7 TR-1 TR-2 BOM JARDIM 750 MVA 750 MVA REATOR MVA kv CBA C1 ESO C2 ESO C3 CBA C2 ESO C4 ESO C5 6

7 1.2 SEP nº: (Bloqueado) - Separação de barras da SE Jupiá 440 kv. a. Separação de barras da SE Jupiá 440 kv. b. Empresa responsável: CTEEP c. Categoria do esquema: Segregação de carga. d. Finalidade: Preservação de parte da geração da Usina Jupiá e do sistema de 138 kv associado à mesma, quando de faltas na barra de 440 kv. O esquema somente poderá ser colocado em serviço no caso de indisponibilidade da proteção diferencial de barras. e. Descrição da lógica de funcionamento: Em perturbações envolvendo o barramento 440 kv de Jupiá, a proteção de sobrecorrente associada ao disjuntor 24-1 comanda a separação das barras de 440 kv, para preservar a seção da barra não afetada pela falta.(vide esquema anexo) f. Ajustes dos sensores: Unidade de sobrecorrente: ICM2 - BBC Tap= 6 A Carga máxima = 2400 A pri MVA TL= 5 % Instantâneo = 2,5 x Tap g. Caráter do esquema: Permanente. h. Lógica do esquema: Fixa. i. Tecnologia empregada: Relés. j. Data da entrada em operação: Nov/88. k. Última revisão/motivo: Jun/94 Instalação de relés direcionais. Mar/01 Bloqueio do esquema, devido a entrada em operação da proteção diferencial de barras Dez/04 Mudança da descrição dos bays de saída na barra de 138 kv, por razão da operação da SE Três Lagoas. Jan/06 Retirada do esquema direcional devido a repotencialização do TR-15. Mar/09 Reclassificado nas bases de dados de SEP do ONS e CTEEP como proteção back up da proteção diferencial de barras l. Data de emissão: 22/12/

8 CTEEP Esquema de Separação de Barras da SE Jupiá 440 kv ECE nº: TAQUARUÇU BAURU TRÊS IRMÃOS RE-1 RE kv BARRA I BARRA Il /51 JUPIÁ 138 kv TR (NA) 26(NA) ÁGUA CLARA (NF) 11(NF) 9 10 TRÊS IRMÃOS TRÊS LAGOAS MIMOSO 8

9 1.3 SEP nº: Esquema de separação de barras da SE Jupiá 138 kv. a. Esquema de separação de barras da SE Jupiá 138 kv. b. Empresa responsável: CTEEP c. Categoria do esquema: Separação de barras. d. Finalidade: A implantação do esquema de separação de barras associado ao disjuntor de interligação 24-2, entre as barras I e II de 138 kv, evita a perda de toda a subestação na eventual ocorrência de defeito no barramento. Com este esquema, caso ocorra uma falta em qualquer uma das semibarras, a subestação é separada em duas seções, permitindo que haja preservação de parte das cargas do Mato Grosso do Sul. e. Arranjo Operativo da Subestação : Vide diagrama anexo. f. Ajuste dos sensores: Relé : P141 - Areva TC: 1.500/5 A - Elemento de fase temporizado Tape= 5 A Carga máxima = A - 358,5 MVA Tempo = 200 ms - Elemento de fase instantâneo = bloqueado g. Caráter do esquema: Permanente. h. Lógica do esquema: Fixa. i. Tecnologia empregada: Relés Digitais. - Elemento de neutro temporizado Tape= 2,5 A (750 Ap) Tempo = 200 ms j. Data da entrada em operação: 30/03/ Elemento de neutro instantâneo = bloqueado k. Última revisão/motivo: Mar/01 Substituição do relé Micom pelo 7SJ511, incorporando a função de Falha de Disjuntor da seção 138 kv da SE Jupiá. Jan/06 Substituição do relé 7SJ511 pelo P141. l. Data de emissão: 10/04/2001. m. Observação: A partir de sembro/2002 os bays ILS e TRI c1 na SE Jupiá 138 kv foram renomeados para Três Lagoas C1 e C2. 9

10 CTEEP Esquema de Separação de Barras da SE Jupiá 138 kv ECE nº: G-13 G-14 13,8 kv 13,8 kv 440 kv TR-16 TR-17 TR kv-b I kv - B II /51 MIM 3 TLA C2 ACL TRI/TLA C1 MIM 4 TLA C1 MIM 2 TRI/TLA C2 10

11 1.4 SEP nº: (Bloqueado) - Esquema automático de alívio de carga dos transformadores 440/138 kv de Santo Ângelo. a. Esquema automático de alívio de carga dos transformadores 440/138 kv de Santo Ângelo. b. Empresa responsável: CTEEP c. Categoria do esquema: Abertura de linha de transmissão. d. Finalidade: O objetivo do esquema é evitar sobrecarga nos trafos 440/138 kv de Santo Ângelo (TR-4, TR-5 e a partir de Set/97 TR-3), desligando-se automaticamente os Bay s Mairiporã C1 e C2 (138 V), sempre que o carregamento em pelo menos um dos trafos seja superior a 228,6 MVA. e. Descrição da lógica de funcionamento: Vide diagrama anexo. f. Ajuste dos sensores: Relé ST - BBC (sobrecorrente lado 440 kv dos trafos) TC= 300/5 A Tap= 5 A Carga máxima = 300 A - 228,6 MVA Tempo = 1,5 seg. g. Caráter do esquema: Permanente. h. Lógica do esquema: Fixa. i. Tecnologia empregada: Relés. j. Data da entrada em operação: Mar/95. k. Última revisão/motivo: Jul/97, para inclusão do TR-3. Ago/99 Bloqueio do Esquema devido repotenciação do TR5 19/02/2009: Solicitação via do ONS para bloqueio do esquema. Este ECE deverá ser desativado, conforme solicitação do relatório RE l. Data de emissão: 10/04/

12 12

13 1.5 SEP nº: Esquema de Rejeição de Máquinas da UHE Três Irmãos. a. Esquema de Rejeição de Máquinas da UHE Três Irmãos. b. Empresa responsável : CTEEP c. Categoria do Esquema: Corte de Geração. d. Finalidade: O esquema automático de rejeição de máquinas evita redução prévia do despacho de geração e colapso de tensão no sistema de 138 kv da região da UHE Três Irmãos, considerando-se a configuração atual. O corte de geração ocorrerá quando do desligamento simultâneo das LT's 440 kv JUP-TRI e ILS-TRI, por atuação de suas proteções ou comando manual de abertura com temporização de 600 ms para os Bay s de 440 kv e 500 ms para os Bay s de 138 kv. O esquema seleciona automaticamente a quantidade de UG's a serem desligadas em função da quantidade de bay s de LT 138 kv em operação: - operará com a filosofia (N-1) (1 UG preservada em operação ), na condição operativa com 3 ou menos bay s de 138 kv em operação. - operará com a filosofia (N-2) (2 UG's preservadas em operação ), na condição operativa com 4 bay s de 138 kv em operação. e. Descrição da Lógica de Funcionamento: vide diagrama anexo. f. Ajuste dos sensores: Não há ajuste, pois o esquema recebe informação do estado dos disjuntores e seccionadoras dos bay s ILS e JUP 440 kv, dos bay s 138 kv ILS, JUP c1 e c2, VAL e das máquinas 1 a 5. g. Caráter do esquema: permanente. h. Lógica do esquema: fixa. i. Tecnologia empregada: relés. j. Data da entrada em operação: Abr/1997. k. Última revisão/motivo: Nov/ atualização do esquema face à entrada das UG's 4 e 5. Relatório que recomendou o esquema: TOCE/008/96 de outubro / l. Data emissão: 31/05/2000. Obs.: ILS = Ilha Solteira TRI = Três Irmãos JUP = Jupiá VAL = Valparaíso 13

14 CTEEP Esquema de Rejeição de Máquinas da UHE Três Irmãos ECE Nº I S/E TRÊS IRMÃOS II S/E ILHA SOLTEIRA UG S/E JUPIÁ UG-4 UG UG-2 TRAFO UG kv 14

15 ESQUEMA DE REJEIÇÃO DE MÁQUINAS DA USINA TRÊS IRMÃOS O corte de geração ocorrerá nas seguintes situações: a) Quando ambas LT s 440kV JUP-TRI e ILS-TRI estiverem em operação e forem desligadas pela atuação de suas respectivas proteções, ou comando manual. b) Quando uma das LT s 440kV estiver fora de operação, e a LT remanescente for desligada pela atuação de suas proteções ou comando manual de abertura. O esquema automático de corte de geração seleciona automaticamente a quantidade de UG s a serem rejeitadas em função da quantidade de bays de LT 138kV em operação : - operará com a filosofia (N-1) ( 1 UG preservada em operação ), na configuração operativa com 3 ou menos bays de 138kV em operação. - operará com a filosofia (N-2) ( 2 UG s preservadas em operação ), na configuração operativa com 4 bays de LT 138kV em operação. TABELA I ESQUEMA DE REJEIÇÃO COM OS 4 BAYS 138 kv EM OPERAÇÃO : ( N - 2 ) MÁQUINAS MÁQUINAS MÁQUINAS OBSERVAÇÃO FORA DE OPERAÇÃO REJEITADAS PRESERVADAS --- M3-M4-M5 M1-M2 (1) M5 M3-M4 M1-M2 (1) M4 M3-M5 M1-M2 (1) M3 M4-M5 M1-M2 (1) M2 M4-M5 M1-M3 (2) M1 M3-M5 M2-M4 (1) M1-M2 M5 M3-M4 (3) M1-M3 M5 M2-M4 (1) M1-M (4) M1-M5 M3 M2-M4 (1) M2-M3 M5 M1-M4 (2) M2-M4 M5 M1-M3 (2) M2-M5 M4 M1-M3 (2) M3-M4 M5 M1-M2 (1) M3-M5 M4 M1-M2 (1) M4-M5 M3 M1-M2 (1) Observações: 1) Manter disjuntores 52-1 e 52-4 fechados. 2) Manter disjuntor 52-4 aberto. 3) Manter disjuntor 52-1 fechado e 52-4 aberto. 4) Bloquear Esquema. 15

16 TABELA II ESQUEMA DE REJEIÇÃO COM PELO MENOS UM BAY 138 KV FORA DE OPERAÇÃO : ( N - 1 ) MÁQUINAS MÁQUINAS MÁQUINAS OBSERVAÇÃO FORA DE OPERAÇÃO REJEITADAS PRESERVADAS --- M2-M3-M4-M5 M1 M5 M2-M3-M4 M1 M4 M2-M3-M5 M1 M3 M2-M4-M5 M1 M2 M3-M4-M5 M1 M1 M2-M3-M5 M4 M1-M2 M3-M5 M4 M1-M3 M2-M5 M4 M1-M bloquear M1-M5 M2-M3 M4 M2-M3 M4-M5 M1 M2-M4 M3-M5 M1 M2-M5 M3-M4 M1 M3-M4 M2-M5 M1 M3-M5 M2-M4 M1 M4-M5 M2-M3 M1 M3-M4-M5 M2 M1 M2-M4-M5 M3 M1 M2-M3-M5 M4 M1 M2-M3-M4 M5 M1 M1-M4-M bloquear M1-M3-M5 M2 M4 M1-M3-M bloquear M1-M2-M5 M3 M4 M1-M2-M bloquear M1-M2-M3 M5 M4 CONDIÇOES DE BLOQUEIO DO ESQUEMA a) Impedimento operativo do disjuntor 52-2 b) UG1 fora de operação E disjuntor 52-1 aberto c) Impedimento simultâneo das UG s 1 e 4 Observações: (1) - A seleção (N-1) / (N-2) é feita automaticamente pelo esquema, em função do estado dos bays 138 kv. (2) - A abertura das LT s 440kV somente pelo terminal remoto, não acionará o esquema (3) - Para o correto funcionamento do esquema na condição (N-2), deverão ser observadas as considerações sobre o estado dos disjuntores conforme constante na Tabela I. (4) Conforme relatório ONS RE , o esquema deverá readequado para comandar a abertura de (n-1) unidades geradoras, independentemente do nº de bays em operação no setor de 138 kv. 16

17 CTEEP Esquema de Rejeição de Máquinas da UHE Três Irmãos ECE Nº BAY JUP C1 Estado LT 138 kv BAY JUP C2 BAY ILS E RTR ms T0 T1 RTR-62 T0 T1 E (N-2) BAY VAL RTR ms TRIP LT s 440 kv Desligamento LT ILS kv Desligamento LT JUP-440 kv OU 1 - Operação 2 - Bloqueado E (N-1) Estado LT s 440 kv Bay ILS Secc.+Disj. Bay JUP Secc.+Disj. Estado LT ILS 440 kv Estado LT JUP 440 kv E E Desliga M3/M5 Estado dos Disjuntores Disjuntor 1 Disjuntor E E Desliga M3/M4/M5 Estado da Máquina 1 Secc.2 Secc.4 Disj.1 Secc.10 Disj.2 E E OU E M1 M3 E E E OU E E Desliga M2/M4/M5 Desliga M2/M3/M4/M5 M2 Secc.18 E Estado da Máquina 2 Secc.20 Disj.4 Secc.26 Disj.5 E E OU E E Desliga M2/M3/M5 M3 Secc.34 E Estado da Máquina 3 Secc.30 Disj.6 Secc.26 Disj.5 E E OU 17

18 1.6 SEP nº: (Bloqueado) - Esquema de separação de barras da SE Bauru 440 kv a. Esquema de separação de barras da SE Bauru 440 kv b. Empresa responsável: CTEEP c. Categoria do esquema: Separação de barras. d. Finalidade: Minimizar os reflexos dos defeitos no barramento de 440 kv de Bauru para o Sistema de Potência, através da utilização de proteção de sobrecorrente associada aos disjuntores de acoplamento de barra, de maneira a comandar, quando de sua atuação, a separação do sistema de 440 kv, preservando os corredores de transmissão entre a geração e a carga. Nota: Com a entrada em operação da Proteção Diferencial de Barras adaptativa 7SS52 / Siemens, na barra de 440 KV, este esquema permaneceu bloqueado. O esquema somente poderá ser colocado em serviço no caso de indisponibilidade da proteção diferencial de barras. e. Descrição da lógica de funcionamento: Vide diagrama anexo. f. Ajustes dos sensores: Relé Micom P122 - Alstom TC: 2.000/5 A Ajuste = 10 A Carga máxima = A MVA Temporizador auxiliar = 150 ms g. Caráter do esquema: Permanente. h. Lógica do esquema: Fixa. i. Tecnologia empregada: Relés. j.- Data da entrada em operação: Out/87. k. Última revisão/motivo: 20/06/1999: Devido a mudança da configuração operativa da SE que passou a ser operada com 4 (quatro) barras formando um anel, o esquema foi ampliado para comandar a abertura dos disjuntores 24-1, 24-5, 24-3 e 24-6, e foi introduzido a temporização de 150 ms, de forma a prevenir a separação de barras para defeitos nas LT s próximos a Bauru. Relatório de referência: Comissão Mista - Relatório 1. Jun/2000: Transposição de linhas para melhor redistribuição dos fluxos em situação de emergência. Out/2000: Substituição do relé R3A19 por Micom P122 e implementação de um segundo Micom P122 como retaguarda. Implementado esquema adicional, onde os elementos de 5 zona das proteções de distância (REL 511) todos os bay s de LT em sua direção reversa atuam em 190 ms após a liberação do 51BARRA. No caso dos transformadores, essa função esta sendo executada por relés de distância (DLP) instalados no lado de 138 kv, com temporização de 400 ms desde que haja atuação do 51 BARRA. Maio/2002: O esquema foi bloqueado devido à entrada em operação da Proteção Diferencial de Barras conjugada com Esquema de Falha de Disjuntor. Dez/2003: esquema desbloqueado, com anuência do ONS. Ago/2005: por solicitação da ONS, fax ONS 074/310/2005 de , foi bloqueado o esquema. Mar/09 Reclassificado nas bases de dados de SEP do ONS e CTEEP como proteção back up da proteção diferencial de barras 18

19 l. Data de emissão: 23/08/2005. Obs.: ARA = Araraquara ASS = Assis CAV = Cabreúva GET = Getulina ILS = Ilha Solteira OES = Oeste RE6 = Reator 6 STO = Salto TRI = Três Irmãos 19

20 CTEEP Esquema de Separação de Barras da SE Bauru 440 kv ECE nº: ASS CAV ILS C1 GET C2 OES C TR 5 ARA TR RE 6 50/51 50/51 TR OES C1 GET C1 ILS C2 STO 20

21 1.7 SEP nº: (BLOQUEADO) - Esquema de separação de barras de SE Ilha Solteira 440 kv. a. Esquema de separação de barras de SE Ilha Solteira 440 kv. b. Empresa responsável: CTEEP c. Categoria do esquema: Separação de barras. d. Finalidade: Preservar parte da geração da Usina Ilha Solteira quando de faltas no barramento de 440 kv. Nota: Com a entrada em operação da Proteção Diferencial de Barras adaptativa 7SS52 / Siemens, na barra de 440 KV, este esquema permaneceu bloqueado. O esquema somente poderá ser colocado em serviço no caso de indisponibilidade da proteção diferencial de barras. e. Descrição da lógica de funcionamento: Quando de perturbações envolvendo o barramento 440 kv de Ilha Solteira, as proteções de sobrecorrente associada respectivamente aos disjuntores 24-1 e 24-2 comandam a separação das barras de 440 kv, para preservar a seção da barra afetada pela falta (vide diagrama anexo). f. Ajustes dos sensores: Disjuntores 24-1, 24-2, 24-3 g. Caráter do esquema: Permanente. h. Lógica do esquema: Fixa. i. Tecnologia empregada: Relés. j. Data da entrada em operação: 17/08/1999. Relé ICM2 (4-16 A) BBC TC= 2.000/5 A Tap= 5 A Carga máxima = A MVA Instantâneo = 2,5 x Tap (5.000 Ap) Temporizador auxiliar = 90 ms. Disjuntor 24-4 Relé 7SJ622 Siemens TC= 3.000/5 A Tap= 8,40 A Carga máxima = A MVA Instantâneo = 8,40 A (5.040 Ap) Temporizador auxiliar = 110 ms. k. Última revisão/motivo: Relatório de referência: Comissão Mista - Relatório II e Relatório Técnico OPP- 02/99 Mar/01 Bloqueio do esquema, devido a entrada em operação da proteção diferencial de barras Mar/09 Reclassificado nas bases de dados de SEP do ONS e CTEEP como proteção back up da proteção diferencial de barras Mar/11 Inclusão do novo disjuntor paralelo l. Data de emissão: 10/04/

22 CTEEP Esquema de Separação de Barras da Ilha Solteira 440 kv ECE nº: UG s 6 UG s 6 UG s B I B II B III 50/51 50/51 TRI ILS2 C1 MIR-II C2 BAU C2 MIR-II C1 BAU C1 ILS2 C2 AGV /51 22

23 1.8 SEP nº: (Bloqueado) - Esquema de alívio de carga dos transformadores 440/138 kv da SE Araraquara. a. Esquema de alívio de carga dos transformadores 440/138 kv da SE Araraquara. b. Empresa responsável: CTEEP c. Categoria do esquema: Alívio de carga. d. Finalidade: Promover o desligamento automático dos circuitos C1 e C2 da LT 138 kv Araraquara - São Carlos, quando ocorrer sobrecargas superiores a 27% da potência nominal em pelo menos um dos transformadores 440/138 kv. e. Descrição da lógica de funcionamento: Vide esquema anexo. f. Ajustes dos sensores: TR-1: Relé CTU31 - GEC (sobrecorrente lado 138 kv) TC= 1.600/5 A Tap= 5 A Carga máxima = A 382,4 MVA (27 % Sn) Tempo = 1,5 seg. TR-2: Relé CTU31 - GEC (sobrecorrente lado 138 kv) TC= 1.400/5 A Tap= 5,7 A Carga máxima = A 382,4 MVA (27 % Sn) Tempo = 1,5 seg. TR-4: Relé 7SJ602 - SIEMENS (sobrecorrente lado 138 kv) TC= 1.600/5 A Tap= 5 A Carga máxima = A 382,4 MVA (27 % Sn) Tempo = 1,5 seg. g. Caráter do esquema: Bloqueado, somente colocado em operação quando da indisponibilidade de um dos três TR s. h. Lógica do esquema: Fixa. i. Tecnologia empregada: Relés. j. Data da entrada em operação: Ago/98. k. Última revisão/motivo: Dez/01 Entrada em operação do TR4 430/138/13,8 kv 3x100 MVA. l. Data de emissão: 20/02/

24 CTEEP Esquema de Alívio de Carga dos Transformadores 440/138 kv da SE Araraquara ECE nº: B I B II TR-2 3 X 100 MVA CDG-61 2F+N 51 F CTU-31 3F TR-1 3 X 100 MVA CDG-61 2F+N 51 F CTU-31 3F C1 C2 SÃO CARLOS (138 Kv) SJ-602 3F+N TR-4 3 X 100 MVA SBO BAU MIR-II C B-I 44 B-II 24

25 CTEEP Esquema de Alívio de Carga dos Transformadores 440/138 kv da SE Araraquara ECE nº: BAY TR-1 BAY TR-2 BAY TR-4 (+) (+) (+) 1 2 A B V A B V CH operação 2 - bloqueado A B V CTU-31 t=1,5 s. CTU-31 t=1,5 s. 7SJ-602 t=1,5 s. CH operação 2 - bloqueado RA1 RA2 CH operação 2 - bloqueado Entrada Binária Bloqueio Função Sobrecorrente 7SJ-602 RA3 (-) (-) (-) (+) (+) (+) RA1 RA2 RA3 RA1 RA2 RA3 RA1 RA2 RA3 LEGENDA: CST-c1 P L CST-c2 P L CST (c1/c2) - Chave de Seleção de Transferência de Proteção (posição linha) / (posição paralelo) TRIP 24-1 TRIP SÃO CARLOS - C1 TRIP 24-1 TRIP SÃO CARLOS - C2 Sinalização Atuação Esquema de Alívio de Carga (centralizado) RA1, RA2, RA3 - Relés auxiliares, com contatos de capacidade suficiente para suportar a corrente de energização da bobina de abertura do Disjuntor. CH1, CH2, CH3 - Chave para operação (posição 1) / Bloqueio (posição 2) 25

26 1.9 SEP nº: Esquema de ilhamento por subfreqüência associado ao sistema de 138 e 88KV. a. Esquema de ilhamento por subfreqüência associado ao sistema de 138 e 88KV. b. Empresa responsável: CTEEP c. Categoria do esquema: Ilhamento. d. Finalidade: Evitar o colapso dos sistemas de 138 e 88 KV quando de perturbações de grande porte no sistema interligado. e. Descrição da lógica de funcionamento: Quando de perturbações de grande alcance no sistema interligado, e subfreqüência de 56 Hz, será comandada a abertura de determinados disjuntores, ilhando parte dos sistemas de 138 e 88 KV, de modo a preservar sua integridade. SE BAY SE BAY São Carlos - c1 São Carlos - c1 Araraquara São Carlos - c2 São Carlos - c2 Porto Ferreira Bariri Paralelo Araras Bauru TR - 1 Baldin Barra Bonita - c1 Araras - c1 Botucatu Barra Bonita - c2 Araras - c2 Rio Claro I S. João Boa Vista Limeira I - c1 Euclides da Cunha S. João Limeira I - c2 Mairiporã - c1 Porto Ferreira - c1 Jaguari Mairiporã - c2 Ribeirão Preto Porto Ferreira - c2 Jupiá TR - 15 Euclides da Cunha Jales - c1 Votuporanga - c1 S. José do Rio Preto Jales - c2 Votuporanga - c2 Al. - Zona Norte Bertioga II - c1 Ilha Solteira Al. - Zona Sul Bertioga II - c2 (138/13,8 kv) Al. - Centro Treinamento Rio Pardo - c1 S. Sebastião Al. - Pousada Pavão Rio Pardo - c2 Al. - Cidade Gle (Petrobrás) c1 Gle (Petrobrás) c2 Flórida Paulista c1 Flórida Paulista c2 Valparaíso Nova Avanhandava c1 Nova Avanhandava c2 f. Ajustes dos sensores: Relé RFE4410 (subfreqüência) Freqüência = 56 Hz ; Tempo = 0,2 seg. g. Caráter do esquema: Permanente. h. Lógica do esquema: Fixa. i. Tecnologia empregada: Relés. j. Data da entrada em operação: Jun/89. 26

27 k. Última revisão/motivo: Maio/98 Para maior segurança do esquema de ilhamento foi feita a inclusão do segundo canal com ajustes idênticos ao primeiro, colocando os contados, que atuam no disjuntor, em série. Por necessidade de atualização do esquema com a inclusão de Três Irmãos, o esquema de Jupiá permanece bloqueado. l. Data de emissão: 10/04/2001. Nota: Os estudos do esquema estão em fase de reavaliação (2012), em função da alteração da rede. 27

28 1.10 SEP nº: (Bloqueado) - Esquema Automático de Alívio de Carga por subtensão das SE's Leste e Norte a. Esquema Automático de Alívio de Carga por subtensão das SE's Leste e Norte b. Empresa responsável: CTEEP c. Categoria do esquema: Alívio de carga. d. Finalidade: Evitar colapso de tensão em São Paulo. Promove o desligamento de Linhas de Transmissão 88 kv de propriedade da Eletropaulo e Bandeirante, cujos disjuntores estão instalados nas SE's Leste, Norte de propriedade da CTEEP. e. Descrição da lógica de funcionamento: Ocorrendo subtensão em ambas barras de 345 kv da SE envolvida, a um valor abaixo do nível de atuação ajustado, no período compreendido entre as 16:00 h e 21:00 h, e persistindo esta por um tempo superior a 5 segundos, será comandada a abertura de disjuntores 88 kv da SE. Previamente à ocorrência de trip, existe um nível de alarme individual para cada barra de 345 kv. f. Ajustes dos sensores / parâmetros / carga rejeitada SE Parâmetro Valor de Trip LT's Desligadas Carga Rejeitada Leste Subtensão 326,71 kv (94,7% Vn) LES - NOR c1 e c2 222 MW (ELP) Norte em ambas 330,16 kv (95,7% Vn) NOR - VGA c1 e c2 150 MW (EBE) SE Sensor (função 27) RTP Ajuste de Trip t = 5,0 seg. Leste POWER :R3/0,115:R3 kv operação - 108,9 V desarme - 109,3 V Norte POWER :R3/0,115:R3 kv operação - 110,1 V desarme - 110,5 V Ajuste de Alarme t = 1,0 seg. operação - 110,5 V desarme - 111,0 V operação - 111,6 V desarme - 112,1 V obs : o esquema deve permanecer em serviço entre 16:00 h e 21:00 h g. Caráter do esquema: Temporário. h. Lógica do esquema: Fixa. i. Tecnologia empregada: Relés. j. Data da entrada em operação: agosto de k. Última revisão/motivo: 11/04/01: Bloqueio temporário do esquema nas SE's Leste, Norte e Sul, conforme solicitação do ONS, em face da grave situação energética do momento. Dez/03: Reforma da SE Sul com troca de painéis, desativam o esquema na SE Sul, com autorização do ONS. Mar/09: Mantido o bloqueio do esquema das SE Leste e Norte, conforme relatório RE , em função da alteração na topologia da rede. l. Data de emissão: 15/04/01. 28

29 1.11 SEP nº: (Bloqueado) - Esquema Automático de Alívio de Carga da LI 345 kv Mogi Nordeste da SE Nordeste a. Esquema Automático de Alívio de Carga da LI 345 kv Mogi Nordeste da SE Nordeste b. Empresa responsável: CTEEP. c. Categoria do esquema: Segregação de barra e abertura de LT.. d. Finalidade: Aliviar o carregamento da LI 345 kv Mogi Nordeste, quando da perda de ambos circuitos da LT 345 kv Ibiúna Guarulhos que acarretem sobrecarga inadmissível na citada LI. e. Descrição da lógica de funcionamento: Conforme Ata de Reunião ONS de Se o carregamento da LI Mogi-Nordeste, permanecer acima de 1440 A, por um tempo superior a 5 segundos, será comandada a abertura do disjuntor 3, paralelo de barras 1 e 2 de 345 kv, com separação das referidas barras, diminuindo a injeção de fluxo de Mogi para Guarulhos, via barras da SE Nordeste, e conseqüentemente aliviando o carregamento da citada LI. Caso qualquer um dos disjuntores: 2(LI Guarulhos Nordeste), 4, 5 ou 6 (primário dos bancos de transformadores 1, 2 e 3 de 345/88 kv 400 MVA, respectivamente) estiver baipassado, com a utilização do disjuntor de paralelo de barras 345 kv em seu lugar, o trip do esquema passará a atuar no disjuntor da própria LI Mogi Nordeste. f. Ajustes dos sensores : LI Supervisionada 345 kv LI Mogi-Nordeste Relé (Função) SC Trifásico GE (50F) RTC Valor de Ajuste (Sec) Valor de Ajuste (Prim) Tempo (s) 400/1 3,6 A 1440 A 5 Disjuntor a ser Desligado 3 (paralelo das barras de 345 kv) Ou 1 (caso os disj. 2,4,5 ou 6 estejam baipassados) g. Caráter do esquema: Temporário. h. Lógica do esquema: Fixa. i. Tecnologia empregada: Relés. j. Data da entrada em operação: Abril / k. Última revisão/motivo: Abril / 2003 Desativado antigo ECE de Alívio de Carga por Subtensão, em operação a partir de 24/02/2001 e bloqueado desde Abril / 2001, por solicitação do ONS, e implantado novo ECE acima descrito, permanecendo a mesma numeração do antigo ECE. Out/2005 Bloqueado devido implementação do novo ECE l. Data de emissão: 09/06/

30 1.12 SEP nº: Esquema Automático de Alívio de Carga da LI 345kV BSA-TP c1, c2 e c3, na SE Baixada Santista a. Esquema Automático de Alívio de Carga da LI 345kV BSA-TP c1, c2 e c3, na SE Baixada Santista b. Empresa responsável: CTEEP c. Categoria do esquema: Alívio de carga. d. Finalidade: Aliviar o carregamento da LI 345 kv Baixada Santista Tijuco Preto c1, c2 e c3, quando de contingências do sistema, que impliquem em sobrecarga de qualquer um dos circuitos da citada LI. e. Descrição da lógica de funcionamento: Conforme Ata de Reunião ONS de 14/05/2004. Se o carregamento de qualquer um dos circuitos da LI 345 kv Baixada Santista Tijuco Preto, permanecer acima de 2000 A por um tempo superior a 5 segundos, será comandada a abertura do disjuntor 7, da LI 345kV Baixada Santista Sul, em um primeiro estágio. Caso a citada sobrecarga persistir por mais 5 segundos, será comandada a abertura do disjuntor 5, primário do banco de auto-transformadores N. 1 de 345/230kV-500MVA. f. Ajustes dos sensores: LI Supervisionada LI 345kV BSA TP c1 LI 345kV BSA TP c2 LI 345kV BSA TP c3 Relé (função) SC trifásico IAC - GE (50F) SC trifásico IAC - GE (50F) Multifunção REO 551 (50F) RTC Valor de Valor de Tempo Disjuntor a ser Desligado Ajuste Ajuste (s) (Secundário) (Primário) 600/1 3,33 A A 5 7 (LT 345kV BSA-SUL) 10 1 (Primário ATR 1 de 345/ MVA) 600/1 3,33 A A 5 7 (LT 345kV BSA-SUL) 10 1 (Primário ATR 1 de 345/ MVA) 400/1 5 A 1840 A 5 7 (LT 345kV BSA-SUL) 10 1 (Primário ATR 1 de 345/ MVA) g. Caráter do esquema: Temporário. h. Lógica do esquema: Fixa. i. Tecnologia empregada: Relés j. Data da entrada em operação: abril de k. Última revisão/motivo: Jul/05: Substituição dos relés dos circ. 1 e 2 de bifásicos por trifásicos. Jan/10: Reajuste do sensor de corrente do circuito C3, conforme RE l. Data de emissão: 05/07/

31 CTEEP Esquema de Alívio de Carga da LI 345 kv Baixada Santista / Tijuco Preto c1, c2 e c3 ECE Nº SE BAIXADA SANTISTA TP 3000/5 A BSA 1800 A contínuo 2000 A 15 min /5 A 1800 A contínuo 2000 A 15 min /5 A 1800 A contínuo 2000 A 15 min Az 50.1 Br 50.1 Vm 50.2 Az 50.2 Br 50.2 Vm 5 s TRIP LT 345 kv BSA-SUL 50.3 Az 50.2 Br 50.3 Vm OU CH ON-OFF 10 s TRIP ATR 345/ MVA 31

32 1.13 SEP nº: Esquema de Alívio de Carga dos TR-3, TR-4 e TR-5 de 345/88 kv 400MVA da SE Baixada Santista. a. Esquema de Alívio de Carga dos TR-3, TR-4 e TR-5 de 345/88 kv 400MVA da SE Baixada Santista. b. Empresa responsável: CTEEP e CPFL c. Categoria do esquema: Alívio de Carga. d. Finalidade: Aliviar o carregamento dos TR 3, TR-4 e TR-5 de 345/88kV 400MVA cada, da SE Baixada Santista, quando de contingências do sistema, que impliquem no desligamento automático de um destes transformadores, com sobrecarga inadmissível no transformador remanescente. e. Descrição da lógica de funcionamento: Devido à superação da capacidade de curto-circuito de alguns disjuntores da área de influência da SE Baixada Santista, o TR-4 está operando como reserva quente, com o seu disjuntor 16 (lado de 88kV) operando aberto. Quando do desligamento automático do TR-3 ou TR-5, com sobrecarga no outro TR, o esquema, após verificação de sincronismo, comandará o fechamento automático do disjuntor 16 do TR-4, colocando-o em carga, e eliminando a citada sobrecarga no TR-3 ou no TR-5. Caso o fechamento do disjuntor 16 do TR-4 não se efetive, será comandado um corte de carga de quatro estágios, dependendo do nível de sobrecarga detectado. O monitoramento das correntes primárias do TR-3, TR-4 e TR-5, é feita através de três relés digitais de sobrecorrente trifásico (um para cada TR), com quatro estágios independentes de corrente. O 1º estágio 50.1 promove o corte local de cargas, da ordem de 30MW, através do desligamento dos disjuntores 21 e 22 de 88kV da LT Baixada Santista Capuava C1 e C2. O 2º estágio ; 3º estágio ; e o 4 º estágio 50.4; acionam a UTR da CPFL-Piratininga, instalada na SE Baixada Santista, a qual promoverá o corte remoto de cargas de 90MW, 64MW e 52MW respectivamente da CPFL Piratininga, através de seu próprio sistema de supervisão e controle. Caso, por algum motivo, houver falha no esquema de alívio de carga, e o carregamento do transformador remanescente permanecer acima de 119% da corrente nominal nas três fases, durante um tempo superior a 40 segundos, o esquema promoverá o desligamento do transformador. O bloqueio do esquema é feito através de uma chave de comando de duas posições instalada no painel de proteção do TR-3: f. Ajustes dos sensores: Transformador 3 de 345/88kV 400MVA Relé MiCOM P141 da AREVA Sobrecorrente Instantâneo Trifásico com 4 estágios de ajustes independentes. RTC 1000/5 A (lado de 345kV) 1º estágio : Valor de ajuste secundário: 4,0 A (119% I nominal do TR) Valor de Ajuste Primário: 800 A Temporização - pick-up: 3,0 s - Trip LT Capuava C1e C2 2º estágio 50.2 : Valor de ajuste secundário: 4,0 A (119% I nominal do TR) Valor de Ajuste Primário: 800 A Temporização pick-up: 3,0 s - Aciona UTR da CPFL Temporização pick-up: 40,0 s Trip TR 3 32

33 3º estágio : Valor de ajuste secundário: 4,0 A (119% I nominal do TR) Valor de Ajuste Primário: 800 A Temporização pick-up: 3,0 s Aciona UTR da CPFL 4º estágio 50.4 : Valor de ajuste secundário: 4,0 A (119% I nominal do TR) Valor de Ajuste Primário: 800 A Temporização pick-up: 3,0 s - Aciona UTR da CPFL Transformador 4 de 345/88kV 400MVA Relé MiCOM P141 da AREVA Sobrecorrente Instantâneo Trifásico 50 4 estágios RTC 800/5 A (lado de 345kV) 1º estágio : Valor de ajuste secundário: 5,0 A (119% I nominal do TR) Valor de Ajuste Primário: 800 A Temporização - pick-up: 3,0 s Fecha disjuntor 15 do TR-3 Temporização - pick-up: 3,0 s Trip LT Capuava C1e C2 2º estágio 50.2 : Valor de ajuste secundário: 5,0 A (119% I nominal do TR) Valor de Ajuste Primário: 800 A Temporização: pick-up: 3,0 s - Aciona UTR da CPFL Temporização pick-up: 40,0 s - Trip TR-4 3º estágio : Valor de ajuste secundário: 5,0 A (119% I nominal do TR) Valor de Ajuste Primário: 800 A Temporização pick-up: 3,0 s Aciona UTR da CPFL 4º estágio 50.4 : Valor de ajuste secundário: 5,0 A (119% I nominal do TR) Valor de Ajuste Primário: 800 A Temporização pick-up: 3,0 s Aciona UTR da CPFL Transformador 5 de 345/88kV 400MVA Relé SEL 351A da SEL Sobrecorrente Instantâneo Trifásico com 4 estágios de ajustes independentes. RTC 2000/5 A (lado de 345kV) 1º estágio : Valor de ajuste secundário: 2,0 A Valor de Ajuste Primário: 800 A Temporização - pick-up: 3,0 s Fecha disjuntor 15 do TR-3 Temporização - pick-up: 3,0 s Trip LT Capuava C1e C2 2º estágio 50.2 : Valor de ajuste secundário: 2,0 A Valor de Ajuste Primário: 800 A Temporização pick-up: 3,0 s - Aciona UTR Temporização pick-up: 40,0 s Trip TR 5 3º estágio : Valor de ajuste secundário: 2,0 A Valor de Ajuste Primário: 800 A Temporização pick-up: 3,0 s Aciona UTR 4º estágio 50.4 : Valor de ajuste secundário: 2,0 A Valor de Ajuste Primário: 800 A Temporização pick-up: 3,0 s Aciona UTR 33

34 As condições de sincronismo para possibilitar o fechamento automático do disjuntor 16 do TR4 é feita através da função 25 deste relé, com os seguintes ajustes: Defasagem Angular Máxima: = 26,5 Variação Máxima de Tensão: = + / - 10% Variação Máxima de Freqüência : = 0,2Hz g. Caráter do esquema: Temporário. h. Lógica do esquema: Fixa. i. Tecnologia empregada: Digital j. Data da entrada em operação: 04/09/2004. k. Última revisão/motivo: 03/09/2012 Revisão nos ajustes devido solicitação ONS via item 3.2 da ata de reunião de 29/03/2012. l. Data de emissão: 05/11/2012 Informações Complementares: No anunciador de alarmes 3 PNL 25F, foram implementados dois alarmes: Defeito interno nos relés P141 ou SEL 351A Atuação ECE TR 3, TR-4 ou TR-5 Os leds dos relés P 141 dos TR-3 e TR-4, indicam: LED 1: Atuação 1º estágio LED 2: Atuação 2º estágio LED 3: Atuação 3º estágio LED 4: Atuação 4º estágio LED 5: TRIP TR No relé SEL 351 A do TR-5, os estágios atuados aparecerão escritos na sua tela LCD 34

35 Esquema de Alívio de Carga dos TR-3 e TR-4 da SE Baixada Santista 35

36 1.14 SEP nº: Esquema de Alívio de Carga da LT 230 kv Piratininga - Henry Borden, da SE Piratininga a. Esquema de Alívio de Carga da LT 230 kv Piratininga - Henry Borden, da SE Piratininga b. Empresa responsável: CTEEP - EMAE c. Categoria do esquema: Alívio de Carga. d. Finalidade: Aliviar o carregamento da LT 230 kv Piratininga - Henry Borden quando de contingências do sistema, que impliquem no desligamento automático de ambos os circuitos da LT 230kV Piratininga-Interlagos. e. Descrição da lógica de funcionamento: Revisado conforme Relatório ONS RE-3-326/2004 Revisão Agosto/2005 Foi instalado pela CTEEP, 1 relé de sobrecorrente digital P141, no bay da LT 230kV Piratininga - Henry Borden, supervisionando a corrente das três fases. A perda dupla dos circuitos da LT 230kV Piratininga - Interlagos, poderá acarretar na citada LT, sobrecarga superior a 20%, provocando a atuação do relé P141, o qual deverá promover o desligamento de uma das unidades geradoras 3 ou 4 da UTE Piratininga - EMAE. O mesmo relé supervisiona também o fluxo de carga, que para habilitar o esquema, deve estar no sentido de Piratininga para Henry Borden. Foi instalada também uma chave de bloqueio do esquema no painel de manobra do disjuntor desta LT, de duas posições: bloqueio / serviço. f. Ajustes dos sensores: LT 230kV Piratininga Henry Borden Relé MiCOM P141 da AREVA Sobrecorrente Trifásico RTC 1200/5 A RTP 2000/1 Valor de Ajuste Primário: 804 A Valor de Ajuste Secundário: 3,35 A Temporização - pick-up: 5 s g. Caráter do esquema: Temporário. h. Lógica do esquema: Fixa. i. Tecnologia empregada: Digital j. Data da entrada em operação: 15/09/2005 k. Última revisão/motivo: Agosto/2005 / Implementação de direcionalidade no esquema. l. Data de emissão: 02/10/

37 CTEEP Esquema de Alívio de Carga da LT 230 kv Piratininga - Henry Borden, da SE Piratininga. Diagrama Orientativo ECE Nº INT LT 230 kv INT-PIR C1 e C2 PIR K LT 230 KV PIR-HB C-2303 HB 67 UG. N.31 UG. N.32 UTE Nova Piratininga - EMAE R S UG. N.3 UG. N kv UTE Piratininga - EMAE Az Br Vm 5 s Desliga Disj. R ou S 37

38 1.15 SEP N : (Bloqueado) - Esquema para preservação de parte da subestação 440 kv CAPIVARA (N.º 3) a. Esquema para preservação de parte da subestação 440 kv CAPIVARA (N.º 3) b. Empresa responsável: CTEEP. c. Categoria do esquema: Separação de barras d. Finalidade: Preservar parte da subestação de 440 kv (Barra-I ou II) pela atuação da Proteção de sobrecorrente de fase do disjuntor de paralelo Nota: Com a entrada em operação da Proteção Diferencial de Barras adaptativa 7SS52 / Siemens, na barra de 440 KV, este esquema permaneceu bloqueado. O esquema somente poderá ser colocado em serviço no caso de indisponibilidade da proteção diferencial de barras. e. Descrição da lógica de funcionamento: Estando a subestação operando na sua configuração normal, conforme descrito no diagrama abaixo, este esquema efetua o desligamento do disjuntor de paralelo da SE Capivara, quando ocorrer curto-circuito em uma das barras de 440 kv. ~ (N-1) UGs ASSIS TAQUARUÇU 440 kv UHE/SE CAPIVARA 440 kv ~ Nota: - - TR-5 1 UG N - Número de UGs em operação. N 4 UGs. 138 kv f. Ajustes dos sensores: O relé de sobrecorrente de fase (CTU11-E.E) está ajustado para atuação instantânea quando a corrente através do disjuntor de paralelo for igual ou superior a 1080A. g. Caráter do esquema: O referido esquema deverá ser bloqueado através da chave 43/CBT nas seguintes situações: Em caso de substituição do disjuntor do bay Assis ou do bay Taquaruçu pelo disjuntor de paralelo Para execução de manobras de transferência de barras de 440 kv. Em caso de alteração da configuração normal de operação. h. Lógica do esquema: Fixa i. Tecnologia empregada: Relés. j. Data da entrada em operação: Dezembro/

39 k. Última revisão / motivo: Set/2003: Substituição do relé de sobrecorrente Mar/2009: Reclassificado nas bases de dados de SEP do ONS e CTEEP como proteção back up da proteção diferencial de barras. l. Data da emissão: 02/10/

40 1.16 SEP n : (Bloqueado) - Esquema de Alívio de Carga do TR /138 kv da Subestação Jupiá e LT 138 kv associadas, em decorrência da Entrada em Operação da UHE Três Lagoas a. Esquema de Alívio de Carga do TR /138 kv da Subestação Jupiá e LT 138 kv associadas, em decorrência da Entrada em Operação da UHE Três Lagoas b. Empresa responsável: Petrobras c. Categoria do esquema: Alívio De Carga d. Finalidade: Reduzir a geração da UTE Três Lagoas, para eliminar sobrecarga no TR /138 kv da SE Jupiá e ou LT s de 138 kv da região. e. Descrição da lógica de funcionamento: Lógica 1 (ECE-1) A lógica 1 encontra-se bloqueada, pois com a troca do TR-15 por um outro TR de potência duas vezes maior ( 300MVA ), não ocorrerá mais sobrecarga no TR-15 no sentido do 138 para o 440 kv e, esta lógica atuaria indevidamente reduzindo geração na UTE Três Lagoas de modo desnecessário. Lógica 2 (ECE-2) Atua para quando a corrente em uma das fases da LT 138 kv TLA / TRI C-1 esteja superior a 451A e esteja aberto o disjuntor na SE TLA, reduzindo o carregamento para 90% do valor limite da sobrecarga (90% de 451A), através de diminuição de geração na UTE TLA. Lógica 3 (ECE-3) Atua para quando a corrente em uma das fases da LT 138 kv TLA/ILS esteja superior a 451A, reduzindo o carregamento para 90% do valor limite da sobrecarga (90% de 451A), através de diminuição de geração na UTE TLA. Lógica 4 (ECE-4) Atua para quando a corrente em uma das fases da LT 138 kv TLA/TRI ramal Jupiá esteja superior a 451A, reduzindo o carregamento para 90% do valor limite da sobrecarga (90% de 451A), através de diminuição de geração na UTE TLA. Lógica 5 (ECE-5) Atua para quando a corrente em uma das fases da LT 138 kv TLA/VAL ramal Jupiá esteja superior a 451A, reduzindo o carregamento para 90% do valor limite da sobrecarga (90% de 451A), através de diminuição de geração na UTE TLA. Seqüência para redução de geração A seqüência adotada para redução de geração na UTE TLA, caso ocorra alguma sobrecarga, será sempre G1A, G1B, G2A e G2B. 40

41 Se a G1A estiver indisponível, a 1a. unidade geradora a ser acionada para redução de geração será a G1B e assim por diante. Da mesma forma, caso a redução de carga necessária seja maior do que a atual geração da unidade geradora G1A, esta será desligada e a geração adicional será reduzida da próxima unidade geradora em operação ligada na mesma barra seguindo a ordem aqui estabelecida. f. Ajustes dos sensores: Relé 7SJ511 DO TR-15 ( apenas lógica n 1) 150 MVA em 138 kv: 100% IN = 627,6 Apri 110% IN = 690,3 Apri RTC lado 138 kv = 462/5 A ( 800/5 ligado em DELTA ) 100% IN = 6,79 A sec (6,8 A) t=0,1 seg 110% IN = 7,47 A sec (7,5 A) t=0,1 seg Relé direcional de fase PVI TC = 462/5 A TP = 13800:R3/100:R3 V TAP = 0,25 A g. Caráter do esquema: Permanente. h. Lógica do esquema: Fixa. i. Tecnologia empregada: Digital j. Data de entrada em operação: Nov/2003 k. Última revisão/motivo: Lógica 1 bloqueada, devido substituição do TR15 de 150 p/ 300 MVA (obra concluída em 04/04/2006) l. Data de emissão: 04/04/

42 1.17 SEP n : (Bloqueado) - Esquema de controle de emergência (ECE) da Usina/Subestação Ilha Solteira a. Esquema de controle de emergência (ECE) da Usina/Subestação Ilha Solteira b. Empresa responsável: CTEEP c. Categoria do esquema: Alívio de Carga d. Finalidade: O Esquema de Controle de Emergência (ECE), instalado na UHE Ilha Solteira, tem a finalidade de evitar colapso de tensão no SIN, efetuando a rejeição de unidades geradoras na própria usina, em caso de perda dupla de circuitos de 440 kv que interligam essa usina a outras subestações. O ECE será inicializado a partir da perda dupla das LT de 440 kv relacionadas a seguir, rejeitando 4 (quatro) unidades geradoras, após 800 ms: PERDAS DUPLAS CONSIDERADAS LT Ilha Solteira / Água Vermelha com um dos circuitos LT Ilha Solteira / Mirassol II C1 com um dos circuitos LT Ilha Solteira / Mirassol II C2 com um dos circuitos LT Ilha Solteira / Bauru C1 com o circuito LT Ilha Solteira / Mirassol II C1 LT Ilha Solteira / Mirassol II C2 LT Ilha Solteira / Bauru C1 LT Ilha Solteira / Bauru C2 LT Ilha Solteira / Mirassol II C2 LT Ilha Solteira / Bauru C1 LT Ilha Solteira / Bauru C2 LT Ilha Solteira / Bauru C1 LT Ilha Solteira / Bauru C2 LT Ilha Solteira / Bauru C2 Nota: o esquema não contempla a utilização do disjuntor de paralelo. e. Descrição da lógica de funcionamento: A atuação do esquema dar-se-á nos disjuntores de 440 kv da SE Ilha Solteira, lado de alta tensão do transformador elevador de cada unidade geradora e será ativado através da chave 43 ON/OFF instalada na sala de comando centralizado da usina. A UHE Ilha Solteira dispõe de 20 (vinte) unidades geradoras e o esquema permite a seleção de até 4 (quatro) unidades geradoras que poderão ser rejeitadas, através de chaves denominadas ECE-UG03 a ECE-UG10 e ECE-UG13 a ECE-UG20, em caso de necessidade. As unidades geradoras 1, 2, 11 e 12, que alimentam o serviço auxiliar da usina, não faz parte do ECE. Vide esquema orientativo anexo. Para a verificação da perda dupla foi utilizado o relé numérico tipo SEL-351A com lógica configurável para combinar as informações de estados dos disjuntores de LT através de contatos auxiliares dos próprios disjuntores ligados às entradas binárias. f. Ajustes dos sensores: Temporização: 48 ciclos ( 800ms ) g. Caráter do esquema: Bloqueado (À disposição do ONS). h. Lógica do esquema: Programável. i. Tecnologia empregada: Relé j. Data da entrada em operação: A definir k. Última revisão/motivo: Não houve l. Data de emissão: 02/10/

43 CTEEP Esquema de Alívio de Carga da Usina/Subestação Ilha Solteira ECE Nº X 170 MVA G20 G11 G10 G1 III DJ20 DJ11 DJ10 DJ1 ILHA SOLTEIRA kv II I DJ26 DJ25 DJ24 DJ23 DJ22 DJ21 C1 C2 C1 C2 CTEEP A.Vermelha Mirassol II Bauru Três Irmãos DJ22 DJ23 DJ24 DJ25 DJ26 E E E E E E E E E E OU 80C ms CESP 43 ON/OFF E Trip em 2 unidades entre a 3 e 10 Trip em 2 unidades entre a 13 e 20 43

44 1.18 SEP nº: (Bloqueado) - Esquema de controle de emergência (ECE) DA USINA / SUBESTAÇÃO JUPIÁ. a. Esquema de controle de emergência (ECE) DA USINA / SUBESTAÇÃO JUPIÁ. b. Empresa responsável: CTEEP c. Categoria do esquema: Rejeição de geração d. Finalidade: O Esquema de Controle de Emergência (ECE), instalado na UHE Jupiá 440 kv, tem a finalidade de evitar colapso de tensão no SIN, efetuando a rejeição de unidades geradoras na própria usina, em caso de perda dupla dos circuitos da LT 440 kv Jupiá/Bauru. e. Descrição da lógica de funcionamento: A atuação do esquema dar-se-á nos disjuntores de 440 kv da SE Jupiá, lado de alta tensão do transformador elevador de cada unidade geradora e será ativado através da chave 43 ON/OFF instalada na sala de comando da usina. A UHE Jupiá 440 kv dispõe de 12 (doze) unidades geradoras e o esquema permite a seleção de até 4 (quatro) unidades geradoras, através de chaves denominadas ECE-UG01 a ECE-UG12, que poderão ser rejeitadas, em caso de necessidade. O CNOS deve coordenar com o COS-SP a ativação do ECE na UHE Jupiá, através da chave 43 para um somatório de geração da UHEs Ilha Solteira, Jupiá, Três Irmãos, Taquaruçu e Porto Primavera 5800 MW nas cargas pesada e média e 5000 MW nas cargas leve e mínima. A CESP deve manter sempre 4(quatro) unidades geradoras selecionadas para o corte, sendo que preferencialmente 2(duas) unidades ligadas à barra I e 2(duas) unidades ligadas à barra II da SE de 440 kv de Jupiá. O CNOS deve coordenar com o COS-SP a desativação do ECE na UHE Jupiá, através da chave 43 para um somatório de geração da UHEs Ilha Solteira, Jupiá, Três Irmãos, Taquaruçu e Porto Primavera < 5800 MW nas cargas pesada e média e < 5000 MW nas cargas leve e mínima. Caso ocorra indisponibilidade do ECE, o CNOS deve coordenar com o COS-SP a limitação do somatório de geração da UHEs Ilha Solteira, Jupiá, Três Irmãos, Taquaruçu e Porto Primavera para valores menor que 5800 MW nas cargas pesada e média e menor que 5000 MW nas cargas leve e mínima. Vide esquema orientativo anexo. Nota: O esquema não contempla a utilização do disjuntor de paralelo. f. Ajustes dos sensores: 800 ms. g. Caráter do esquema: Bloqueado (À disposição do ONS). h. Lógica do esquema: Fixa i. Tecnologia empregada: Relé j. Data da entrada em operação: A definir k. Última revisão/motivo: Não houve l. Data de emissão: 28/09/

45 CTEEP Esquema de Rejeição de Geração da Usina/Subestação Jupiá ECE Nº UHE JUPIÁ Barra - l 440 kv Barra - ll DJ kv Taquaruçu DJ 1024-J TR /138 kv DJ ,8/440 kv 6x110,8 MW 13,8/440 kv GETULINA C1 DJ x110,8 MW CTEEP SC 66 DJ SC 7J DJ SC 68 SC 72 DJ E 800 ms DJ CESP GETULINA C2 Trip em 2 unidades entre a 1 a 6 6 X 110,8 MW DJ Três Irmãos 43 ON/OFF E Trip em 2 unidades entre a 7 a 12 Bloqueio do Controle Conjunto 45

46 1.19 SEP n (Bloqueado) - Esquema de Alívio de Carga dos Trafos de 440/138 kv, da SE Mogi Mirim III a. Esquema de Alívio de Carga dos Trafos de 440/138 kv, da SE Mogi Mirim III b. Empresa responsável: CTEEP c. Categoria do esquema: Alívio de Carga d. Finalidade: Aliviar o carregamento dos transformadores TR1, TR-2 e TR-3 de 440/138 kv 300 MVA da SE Mogi Mirim III, quando ocorrer da perda de um deles, com sobrecarga inadmissível no transformador remanescente. e. Descrição da lógica de funcionamento: Caso ocorra a perda do TR1 ou do TR-2 ou do TR-3 poderá ocorrer sobrecarga nos transformadores remanescentes. Quando devido à contingência acima citada, o carregamento em qualquer dos transformadores remanescentes ultrapassarem 105% de sua capacidade nominal, e as chaves de controle do ECE de duas posições: serviço bloqueio existente por Trafo, estiver na posição de serviço, haverá partida do esquema, através do sensor de sobrecorrente do relé digital do ECE, instalado do lado BT de cada um dos citados TRs, conforme abaixo descrito: - 1 estágio 105% de carga, após 5s, com 1318 A no TR remanescente, ocorrerá sinalização local; - 2 estágio, após 5s, com 1507 A no TR remanescente, ocorrerá a abertura dos disjuntores dos bay s da LT 138kV Limeira-I C1 e C2, bem como transferência de disparo para o disjuntor de paralelo 24-1 das barras 1 e 2 de 138 kv da SE MOM II. Caso o disjuntor 24-1 esteja substituindo algum outro disjuntor da SE MOM II, a abertura deste disjuntor via ECE, deverá ser bloqueada através da chave de bloqueio instalada na SE MOM II. f. Ajustes dos sensores: Relé SEL-351A Sobrecorrente TR1 RTC: 400/1 1 estágio 3,30 A - temporização: 5s 2 estágio 3,77 A - temporização: 5s Relé SEL-351A Sobrecorrente TR2 RTC: 320/1 1 estágio 4,12 A - temporização: 5s 2 estágio 4,71 A - temporização: 5s Relé SEL-351A Sobrecorrente TR3 RTC: 320/1 1 estágio 4,12 A - temporização: 5s 2 estágio 4,71 A - temporização: 5s g. Caráter do esquema: Bloqueado, sendo colocado em operação quando da indisponibilidade do TR1, pois este TR não esta inserido no esquema (inserção prevista para Set/2006) h. Lógica do esquema: Fixa (acionamento e seleção manual) i. Tecnologia empregada: Relé digital j. Data de entrada em operação: 08/10/2005 k. Última revisão/motivo: Entrada em operação do BCO TR1 440/138kV - 300MVA. l. Data de emissão: 22/10/

47 CTEEP Esquema de Alívio de Carga dos Trafos de 440/138 kv da SE Mogi Mirim lll ECE Nº Sensor de corrente em 105% do TR1 temporizado em 5 seg. Sinalização de atuação 1º estágio do TR1 Chave de bloqueio TR1 Sensor de corrente em 120% do TR1 temporizado em 5 seg. Sinalização de atuação 2º estágio do TR1 Sensor de corrente em 105% do TR2 temporizado em 5 seg. Sinalização de atuação 1º estágio do TR2 Chave de bloqueio TR2 Sensor de corrente em 120% do TR2 temporizado em 5 seg. Sinalização de atuação 2º estágio do TR2 Sensor de corrente em 105% do TR3 temporizado em 5 seg. Sinalização de atuação 1º estágio do TR3 Chave de bloqueio TR3 Sensor de corrente em 120% do TR3 temporizado em 5 seg. Sinalização de atuação 2º estágio do TR3 >1 Desligamento bay s LIM1 e LIM2 138 kv Transfer TRIP para SE MOM2-deslig.do DJ

48 1.20 SEP n (Desativado apenas o 1º Estágio) - Esquema de alívio de carga da LT 440 kv Capivara - Assis, da SE Capivara a. Esquema de alívio de carga da LT 440 kv Capivara - Assis, da SE Capivara b. Empresa responsável: CTEEP / DUKE c. Categoria do esquema: Corte de geração d. Finalidade: Aliviar o carregamento da LT 440 kv Capivara Assis, quando da perda da LT 440 kv Taquaruçú Assis, com ação de corte isonômico de geração de unidades da UHE Capivara, UHE Porto Primavera e da UHE Taquaruçu e UHE Primavera. e. Descrição da lógica de funcionamento: A perda da LT 440 kv Taquaruçú - Assis poderá provocar sobrecarga acima da suportabilidade da LT 440 kv Capivara - Assis, que é de 2286 MVA (3000 A), com necessidade de medidas automáticas com corte de geração na UHE Capivara, UHE Porto Primavera e na UHE Taquaruçú, através do sensor de corrente instalado na LT 440 kv Capivara Assis na SE Capivara, conforme lógica descrito abaixo: - 1 estágio: Desativado. - 2 estágio: após 10s, com 3000 A na LT 440 kv Capivara Assis, o esquema envia sinal para a Lógica 3 do ECS de Assis promover corte isonômico da ordem de 400 MW de geração, distribuídos entre as UHE Capivara, Porto primavera e Taquaruçu. O relé encontra-se instalado no painel de proteção do bay da LT 440 kv Assis na SE Capivara. Foi instalada uma chave de bloqueio de duas posições (bloqueio/serviço) no painel de controle da UHE Capivara para bloqueio geral do Esquema, e uma chave de bloqueio de duas posições (bloqueio/serviço) na UHE Taquaruçú para bloqueio parcial do Esquema na SE Taquaruçú. f. Ajustes dos sensores: Relé Micom P123 Sobrecorrente RTC: 600/1 1 estágio Desativado 2 estágio 5 A (3000 A) - temporização: 10s g. Caráter do esquema: Definitivo h. Lógica do esquema: Fixa i. Tecnologia empregada: Relé digital j. Data de entrada em operação: 16/10/2005 k. Última revisão/motivo: 11/06/2006 Solicitação para desativar o 1º estágio do ECE e Reajuste da corrente de partida de 2000 p/ 3000 A, via fax ONS 032/2008 de 04/06/ /08/2007 Adequação do esquema para operação retaguarda da lógica 3 do ECS de Assis. l. Data de emissão: 09/01/

49 CTEEP Esquema de Alívio de Carga da LT 440 kv Capivara - Assis, da SE Capivara ECE Nº SOBRECORRENTE FASE AZ SOBRECORRENTE FASE BR 1º ESTÁGIO (n-1) ; 5s SOBRECORRENTE FASE VM CHAVE DE BLOQUEIO GERAL 2º ESTÁGIO (n-2) ; 10s LEGENDA: ( _ ) Desativado CHAVE DE BLOQUEIO ECE RETAGUARDA 49

50 1.21 SEP n Esquema de alívio de carga da LT 345 kv Itapeti Tijuco Preto C1 ou C2 a. Esquema de alívio de carga da LT 345 kv Itapeti Tijuco Preto C1 ou C2 b. Empresa responsável: CTEEP c. Categoria do esquema: Alívio de Carga d. Finalidade: Aliviar o carregamento do C1 ou C2 da LT 345 kv Itapeti Tijuco Preto, quando da perda de um dos circuitos. e. Descrição da lógica de funcionamento: Caso ocorra a perda de um dos circuitos de 345 kv Itapeti - Tijuco Preto, poderá ocorrer sobrecarga no circuito remanescente, superior a sua suportabilidade, necessitando de ações automáticas para alívio desta sobrecarga. Para uma condição de sobrecarga igual ou superior a 2000 A na LT 345 kv Itapeti - Tijuco Preto C1 ou C2, através de sensores de corrente instalados na extremidade da SE Itapeti, ocorrerá desligamento no disjuntor do paralelo 345 kv, através da lógica descrita abaixo: - 1 estágio, com sobrecarga igual ou superior a 2000 A no circuito remanescente, após 5s, ocorrerá desligamento do disjuntor do paralelo 24-1 de 345 kv; Os relés encontram-se instalados nos painéis de proteção pertencentes às linhas de 345 kv Itapeti - Tijuco Preto C1 e C2 na sala de comando da SE Itapeti. f. Ajustes dos sensores: Relé Micom P123 Sobrecorrente LT 345 kv Itapeti Tijuco Preto C1 RTC: 400/1 1º Estágio 5 A (2000 A prim.) - temporização: 5s Relé Micom P123 Sobrecorrente LT 345 kv Itapeti Tijuco Preto C2 RTC: 400/1 1º Estágio 5 A (2000 A prim.) - temporização: 5s f. Caráter do esquema: Temporário g. Lógica do esquema: Fixa h. Tecnologia empregada: Relé digital i. Data de entrada em operação: 02/12/2005 j. Última revisão/motivo: Dez/2007, conforme Ata de Reunião ONS e Agentes de 30/11/2007 k. Data de emissão: 09/01/

51 CTEEP Esquema de Alívio de Carga da LT 345 Kv Itapeti - Tijuco Preto C1 ou C2 ECE Nº Sobrecorrente fase AZ LT ITE-STTP C1 ou C2 Sobrecorrente fase BR LT ITE-STTP C1 ou C2 Sobrecorrente fase VM LT ITE-STTP C1 ou C2 1º ESTÁGIO; 5s Desliga Chave de Bloqueio 2º ESTÁGIO; 10s Desliga LT ITE-SAA C2 LEGENDA: ( _ ) Desativado 51

52 1.22 SEP n Esquema de alívio de carga da LT 230 kv São José dos Campos Mogi Furnas C1 ou C2 a. Esquema de alívio de carga da LT 230 kv São José dos Campos Mogi Furnas C1 ou C2 b. Empresa responsável: CTEEP c. Categoria do esquema: Alívio de Carga d. Finalidade: Aliviar o carregamento da LT 230 kv São José dos Campos Mogi Furnas C1 ou C2, quando da perda de um dos circuitos e. Descrição da lógica de funcionamento: Caso ocorra a perda de um dos circuitos de 230 kv São José dos Campos Mogi Furnas, poderá ocorrer sobrecarga no circuito remanescente, superior a sua suportabilidade, necessitando de ações automáticas para alívio desta sobrecarga, conforme abaixo descrito: - Para uma sobrecarga superior a 478 MVA na LT 230 kv SJC-MO C1 ou C2, ocorrerá: Desligamento dos disjuntores dos circuitos C1 e C2 da LT 230 kv TAU-APA na SE Taubaté, após 5s; A revisão da funcionalidade e dos ajustes deste ECE está vinculada a configuração operativa que mantém a operação dos circuitos C1 e C2 da LT 230 kv São José dos Campos Mogi Furnas fechados e o secionador do Quadrado 117A permanentemente aberto. Para tanto, encontram-se bloqueadas as seguintes funcionalidades do ECE: - Sobrecarga superior a 342 MVA na LT 230 kv SJC-MO C1 Controle de tapes de transformadores (10 MVA ) da Bandeirante, após 8s; - Sobrecarga igual ou superior a 356 MVA na LT 230 kv SJC-MO C1 Controle de tapes de transformadores (10 MVA ) da Bandeirante, após 8s; Desligamento de carga (18 MVA ) da Bandeirante, após 10s; - Sobrecarga superior a 376 MVA na LT 230 kv SJC-MO C1 Controle de tapes de transformadores (10 MVA ) da Bandeirante, após 8s; Desligamento de carga (32 MVA ) da Bandeirante, após 10s; - Sobrecarga igual ou superior a 393 MVA na LT 230 kv SJC-MO C1 Controle de tapes de transformadores (10 MVA ) da Bandeirante, após 8s; Desligamento de carga (60 MVA ) da Bandeirante, após 10s; Os relés encontram-se instalados em painéis de proteção específicos ao ECE na sala de comando da SE São José dos Campos. 52

53 f. Ajustes dos sensores: Relé Micom P141 Sobrecorrente LT 230 kv SJC-MO C1 RTC: 240/1 1º Estágio 5,0 A (1200 A prim.) - temporização: 5s 2º Estágio 3,60 A (864 A prim.) - temporização: 8s - BLOQUEADO 3º Estágio 3,70 A (888 A prim.) - temporização: 10s - BLOQUEADO 4º Estágio 3,95 A (948 A prim.) - temporização: 10s - BLOQUEADO 5º Estágio 4,10 A (984 A prim.) - temporização: 10s - BLOQUEADO Relé Micom P122 Sobrecorrente LT 230 kv SJC-MO C2 RTC: 240/1 1º Estágio 5,0 A (1200 A prim.) - temporização: 5s g. Caráter do esquema: Definitivo h. Lógica do esquema: Fixa i. Tecnologia empregada: Relé digital j. Data de entrada em operação: 20/11/2005 k. Última revisão/motivo: Solicitação de Reajuste pelo ONS 10/06/2008 Solicitação de Reajuste pelo ONS 17/03/2009 em função da Recapacitação da LT Solicitação de Reajuste pelo ONS 06/11/2009 em função da Recapacitação da LT Solicitação de Readequação pelo ONS 12/05/2010 em função da alteração da configuração operativa da região l. Data de emissão: 01/06/

54 CTEEP Esquema de Alívio de Carga da LT 230 kv São José dos Campos - Mogi Furnas C1 ou C2 ECE Nº KV Taubaté Aparecida S.Cabeça N.Peçanha 345 KV Mogi (Fu) C2 = 478 MVA 100%(478MVA) 50 D20 D21 2x500MVA C1 = 478 MVA Mogi_Q 100%(478 MVA) 50.1 (Bloqueado) 50.2 (Bloqueado) 50.3 Itapeti Mogi (CTEEP) (Bloqueado) KV Mogi_Q2 1x500MVA 43 ECE on-off S 5 S OU TX TA 43 ECE on-off RX SJ 100 ms TAUBATÉ Trip LT 230 KV Taubaté- Aparecida 1 e S 3 S UTR SSC1 SSC2 SSC - BANDEIRANTE (10 MV) Controle TAP Transformadores (18 MV) S SSC3 (14 MV) S SSC4 (28 MV) 54

55 1.23 SEP n Esquema de alívio de carga das LTs 345 kv Nordeste Mogi e Nordeste- Guarulhos. a. Esquema de alívio de carga das LTs 345 kv Nordeste Mogi e Nordeste-Guarulhos. b. Empresa responsável: CTEEP c. Categoria do esquema: Alívio de Carga d. Finalidade: Aliviar o carregamento das LTs 345 kv Nordeste Mogi e Nordeste Guarulhos, quando de contingências na área de influência e. Descrição da lógica de funcionamento: Foram instalados sensores de sobrecorrente no bay da LT 345 kv Nordeste Mogi e na LT 345 kv Nordeste Guarulhos, além de sensor de baixa corrente nesta última, na SE Nordeste, com lógica abaixo descrita: LT 345kV Nordeste-Mogi: Para uma sobrecarga igual ou superior a 1640 A (126 % do limite contínuo da LT) temporizado em 5s, ocorrerá ações distintas condicionadas ao estado da LT 345kV Nordeste-Guarulhos, vista pelo sensor de baixa corrente: - LT 345 kv Guarulhos Nordeste Em operação: Abre o disjuntor de paralelo de barras 345kV da SE Nordeste. - LT 345 kv Guarulhos Nordeste Fora de operação: Envia sinal para corte de carga de até 80 MVA, em estágios, para BANDEIRANTE e ELETROPAULO, respeitando a proporção de 2/3 e 1/3, respectivamente: 1 estágio 20 MVA, após 0 s; 2 estágio 20 MVA, após 10 s; 3 estágio 20 MVA, após 20 s; 4 estágio 20 MVA, após 30 s; Observação: Quando algum disjuntor estiver em manutenção, e o barramento estiver operando em Total, a chave comutadora do ECE Normal/Transferido, deverá ser manobrada para a posição Transferido, para comutar o sinal de trip para o disjuntor da LT 345kV Nordeste-Guarulhos. - LT 345kV Nordeste-Guarulhos: Para uma sobrecarga igual ou superior a 1640 A (126% do limite contínuo da LT) na LT 345 kv Nordeste Guarulhos, temporizado em 5 s, ocorrerá o envio de sinal para o corte de carga acima citado. Os relés e chaves de controle encontram-se instalados em um painel de proteção específico ao ECE na sala de comando da SE Nordeste Limite contínuo da LT : 1298 A 775MVA (cabos condutores) f. Ajustes dos sensores: Relé Micom P123 Sobrecorrente LT 345 kv Nordeste-Mogi ; RTC: 400/1 Ajuste 4,10 A (1640 A prim.) - temporização: 5s Relé Micom P123 Sobrecorrente LT 345 kv Nordeste-Guarulhos ; RTC: 400/1 Ajuste 4,10 A (1640 A prim.) - temporização: 5,5s 55

56 g. Caráter do esquema: Temporário h. Lógica do esquema: Fixa i. Tecnologia empregada: Relé digital j. Data de entrada em operação: 09/10/2005 k. Última revisão/motivo: Mai/11 Substituição de TC na SE Mogi-Furnas, resultando no aumento da capacidade da linha. l. Data de emissão: 01/06/

57 CTEEP Esquema de Alívio de Carga das LTs 345 kv Nordeste Mogi-Furnas e Nordeste Guarulhos-Furnas ECE Nº % 57

58 1.24 SEP n (Bloqueado) - Esquema de alívio de carga da LT 230 kv Mogi-CTEEP Mogi FURNAS a. Esquema de alívio de carga da LT 230 kv Mogi-CTEEP Mogi FURNAS b. Empresa responsável: CTEEP c. Categoria do esquema: Alívio de Carga d. Finalidade: Aliviar o carregamento da LT 230 kv Mogi-CTEEP Mogi FURNAS, quando da perda da transformação 345/230kV-500MVA (ATR-1) da SE Itapeti. e. Descrição da lógica de funcionamento: Quando a perda do ATR-1 da SE Itapeti acarretar uma sobrecarga na LT 230 kv Mogi-CTEEP Mogi FURNAS superior a sua suportabilidade, 924 A (368 MVA), através de sensores de sobrecorrente instalados nesta LT na SE Mogi-CTEEP, após temporização de 5 segundos, ocorrerá o desligamento dos disjuntores da LT 230kV Mogi-CTEEP Mogi-FURNAS São José dos Campos, na SE Mogi-CTEEP, interrompendo a interligação da SE Mogi-CTEEP com a SE Itapeti, eliminando desta forma, a citada sobrecarga. Foi instalada também uma chave de controle do ECE de duas posições: serviço bloqueio. f. Ajustes dos sensores: Relé Micom P122 Sobrecorrente LT 230 kv Mogi-CTEEP Mogi-FURNAS RTC: 240/1 1º Estágio 3,85 A (924 A prim) - temporização: 5s g. Caráter do esquema: Temporário h. Lógica do esquema: Fixa i. Tecnologia empregada: Relé digital j. Data de entrada em operação: 16/10/2005 k. Última revisão/motivo: 19/02/2009: Solicitação via do ONS para bloqueio do esquema. Este ECE deverá ser desativado, conforme solicitação do relatório RE l. Data de emissão: 01/06/

59 CTEEP Esquema de Alívio de Carga da LT 230 kv Mogi-CTEEP Mogi-Furnas ECE Nº

60 1.25 SEP n Esquema de Corte de Geração da Usina / Subestação Rosana a. Esquema de Corte de Geração da Usina / Subestação Rosana b. Empresa responsável: CTEEP / DUKE / COPEL c. Categoria do esquema: Corte de Geração d. Finalidade: ECE 1 : Aliviar o carregamento da LT 138 kv Rosana Presidente Prudente C1 ou C2, quando da perda de um destes circuitos, evitando o desligamento do circuito remanescente. A Implantação deste ECE possibilitará o aumento de geração da UHE Rosana de 120MW para 176MW. Este ECE foi baseado na reunião NOS/CTEEP/DUKE de ECE 2 : Evitar a abertura da LT 138 kv Rosana Porto Primavera Ivinhema quando da abertura intempestiva da LT 138 kv Rosana Loanda. Este parte do ECE foi incluída conforme solicitado na reunião ONS/CTEEP/DUKE/COPEL de ECE 3 : Minimizar os problemas de carregamento da rede de operação em 138kV no região de Dourados, Mato Grosso do Sul, tendo em vista a nova configuração adotar a seguinte configuração operativa adotada para a SE 138kV Rosana. e. Descrição da lógica de funcionamento: 1- A perda de um dos circuitos da LT 138 kv Rosana Presidente Prudente C1 ou C2, poderá acarretar no circuito remanescente, sobrecarga superior a suportabilidade de seus TCs (520 A), necessitando de ações automáticas de corte de geração da UHE Rosana para alívio desta sobrecarga. Para uma condição de carregamento igual ou superior a 520 A na LT 138 kv Rosana Presidente Prudente C1 ou C2, por um tempo superior a 5 segundos, através de sensores de corrente instalados nos bays dos circuitos C1 e C2 da LT em pauta, na SE Rosana, ocorrerá o desligamento das unidades 2 ou 3 da UHE Rosana. Foi instalada também pela CTEEP, uma chave de controle do ECE de duas posições: serviço bloqueio. A chave de controle para seleção da unidade a ser desligada é de responsabilidade da DUKE. 2 A perda da LT 138 kv Rosana Loanda, estando apenas 02 unidades geradoras da UHE Rosana voltadas para o Sul e despachadas acima de 90 MW, pode levar a abertura da LT Rosana Porto Primavera Ivinhema, uma vez que a potência total de 150 MW conduz o ponto de carga a entrar na característica de operação da proteção de distância. Identificada a abertura do disjuntor na SE Rosana (LT 138 kv Rosana-Loanda da COPEL), este ECE 2 desliga, automaticamente e sem temporização, uma unidade geradora (UG-2 ou UG-3) na UHE Rosana. Com coordenação do COSR-SE, e sob controle de execução do COT CTEEP, este ECE é colocado em serviço na SE Rosana (Chave 43(SUL) Bloq. / Serv.). Existe ainda a chave de controle 43 CH (SUL) (posição 0, 1 e 2), instalada no painel de proteção G03-EC- QX.01 da UG-3, na UHE Rosana, para seleção da unidade geradora (UG-2 ou UG-3) que será desligada pelo ECE (posição 1 ou 2 respectivamente). Estando a chave na posição 0 o ECE não efetua rejeição de unidade geradora. A responsabilidade pela operação e controle da chave 43 CH (SUL), bem como pela seleção da unidade geradora, é da DUKE ENERGY. As unidades geradoras UG-1 e UG-4 não participam do ECE e alimentam o serviço auxiliar da usina. 3- Para a perda dupla das LT 138kV Rosana Presidente Prudente e LT 138kV Rosana Alcidia, ocorrerá o desligamento das unidades 2 ou 3 da UHE Rosana. Foi instalada pela CTEEP, uma chave de controle do ECE de duas posições: serviço bloqueio. A chave de controle para seleção da unidade a ser desligada é de responsabilidade da DUKE. Com coordenação do COSR-SE, e controle, comando e execução do COT CTEEP, este ECE é colocado em serviço na SE Rosana (chave 43(SUL) Bloq. / Serv.). As unidades geradores UG-1 e UG-4 não participam do ECE e alimentam o serviço auxiliar da usina. f. Ajustes dos sensores: 60

61 Relé Micom P123 Sobrecorrente LT 138kV Rosana - Presidente Prudente C1 RTC: A Relé 50.1: Sobrecorrente de fase: 1,3 A (520 A prim.) e - temporização: 5s Relé Micom P123 Sobrecorrente LT 138kV Rosana - Presidente Prudente C2 RTC: A Relé 50.2: Sobrecorrente de fase: 1,3 A (520 A prim.) e - temporização: 5s g. Caráter do esquema: Temporário h. Lógica do esquema: Fixa i. Tecnologia empregada: Relé digital j. Data de entrada em operação: ECE 1 : 08/07/2006 / ECE 2 : 25/10/2008 / ECE 3 : 11/01/2012 k. Última revisão/motivo: Dez/2008 : Ata reunião ONS 02/10/2008 JAN/2012 : Revisão devido a inclusão da lógica 3 do ECE l. Data de emissão: 30/06/

62 CTEEP/DUKE Corte de Geração na UHE Rosana para Alívio de Carregamento da LT 138 kv Rosana - Presidente Prudente ECE Nº PORTO PRIMAVERA (I vinhema) 138 kv ROSANA 1 ou 2 2 ou 1 PRESIDENTE PRUDENTE Loanda NA Limite: Sem ECE = 90 MW Com ECE= 176 MW U1 ou U4 U2 ou U3 U4 ou U1 U3 ou U2 Limite: Sem ECE = 120 MW Com ECE= 176 MW OBS. Unidades U1 e U4 possuem Serviço Auxiliar CTEEP DUKE 50.2 DJ6 E OU 5 s RA Sinalização 50.1 E E RELÉ AUX. RA DJ 7 43 Bloq. / Serv. COPEL TRIP # 2 Unidade 2 43 CH-2 43 CH-3 # 3 TRIP Unidade 3 DJ 10 RA Sinalização E RELÉ AUX. RA 43 CH-3 (SUL) 43 (SUL) Bloq. / Serv. # # 3 62

63 Lógica 3 do ECE 63

64 1.26 SEP n Esquema de alívio de carga da LT 345kV Cabos Bandeirantes - Xavantes C1/C2/C3 a. Esquema de alívio de carga da LT 345kV Cabos Bandeirantes - Xavantes C1, C2 e C3 b. Empresa responsável: CTEEP c. Categoria do esquema: Alívio de Carga d. Finalidade: Aliviar o carregamento dos circuitos subterrâneos Bandeirantes Xavantes de 345kV, quando da perda de um deles, durante o período de manutenção de longa duração em um dos circuitos. e. Descrição da lógica de funcionamento: Quando um circuito estiver em manutenção, e ocorrer a perda do segundo circuito na SE Bandeirantes e acarretar uma sobrecarga no circuito remanescente superior a sua suportabilidade, 1320 A (790 MVA), através de sensores de sobrecorrente instalados nesta LT na SE Bandeirantes, após temporização de 3 segundos, ocorrerá o desligamento dos disjuntores da LT 88kV Bandeirantes - Piratininga 3 e 4, na SE Bandeirantes 88kV. Foi instalada também uma chave de controle do ECE de duas posições: serviço bloqueio, no painel de proteção do ECE na SE Bandeirantes 345kV. f. Ajustes dos sensores: Relé Micom P123 Sobrecorrente LT 345 kv Bandeirantes - Xavantes 1, 2 e 3 RTC: 400/1 1º Estágio 0,66 A (1320 A prim) - temporização: 3,0s g. Caráter do esquema: Definitivo h. Lógica do esquema: Fixa i. Tecnologia empregada: Relé digital j. Data de entrada em operação: 16/10/2005 k. Última revisão/motivo: Não houve l. Data de emissão: 22/09/

65 CTEEP Esquema de Alívio de Carga da LT 345 kv Cabos Bandeirantes - Xavantes C1, C2 e C3 ECE Nº Cabo BAN-XAV Cabo BAN-XAV Cabo BAN-XAV A XAV 2 Aberto XAV 3 Aberto 43ECE On/Off A A XAV 1 Aberto XAV 1 Aberto XAV 3 Aberto XAV 2 Aberto 3,0 s 3,0 s 3,0 s OU CH ON/OFF CH ON/OFF CH ON/OFF CH ON/OFF CH ON/OFF CH ON/OFF TRIP LT BAN-PIR 1 de 88 kv TRIP LT BAN-PIR 2 de 88 kv TRIP LT BAN-PIR 3 de 88 kv TRIP LT BAN-PIR 4 de 88 kv TRIP LT BAN-SUL 3 de 88 kv TRIP LT BAN-SUL 4 de 88 kv 65

66 1.27 SEP nº: Esquema de separação de barras de SE Bom Jardim 88 kv. a. Esquema de separação de barras de SE Bom Jardim 88 kv. b. Empresa responsável: CTEEP. c. Categoria do esquema: Separação de barras. d. Finalidade: Preservar parte das fontes e cargas na SE Bom Jardim quando de faltas no barramento de 88kV. e. Descrição da lógica de funcionamento: Quando de perturbações envolvendo o barramento 88 kv de Bom Jardim, as proteções de sobrecorrente associada respectivamente ao disjuntor 24-4 comanda a separação das barras de 88 kv, para preservar a seção da barra afetada pela falta (vide diagrama anexo). f. Ajustes dos sensores: Relé SEL 351A - Schweitzer TC= 3.000/5 A Tap Fase = 10 A Carga máxima = A 914,5 MVA Instantâneo = Bloq. Temporizador auxiliar = 250 ms. Tap Neutro = 10 A Pickup Neutro = A Instantâneo Neutro = Bloq. Temporizador auxiliar Neutro = 250 ms. g. Caráter do esquema: Permanente. h. Lógica do esquema: Fixa. i. Tecnologia empregada: Relés. j. Data da entrada em operação: 16/03/2007. k. Última revisão/motivo: Não houve. l. Data de emissão: 27/02/

67 CTEEP Esquema de Separação de Barras de Bom Jardim 88 kv ECE nº: TR 3 TR 6 VRA 3 VRA 2 VRA 3 VRA4 3000/5 A 24-1 BARRA 1 BARRA 2 50/51 VIN 1 VRA 1 VIN 2 TR2 TR4 67

68 1.28 SEP nº: Esquema de separação de barras de SE Bom Jardim 138 kv. a. Esquema de separação de barras de SE Bom Jardim 138 kv. b. Empresa responsável: CTEEP. c. Categoria do esquema: Separação de barras. d. Finalidade: Preservar parte das fontes e cargas na SE Bom Jardim quando de faltas no barramento de 138kV. e. Descrição da lógica de funcionamento: Quando de perturbações envolvendo o barramento 138 kv de Bom Jardim, as proteções de sobrecorrente associada respectivamente ao disjuntor 24-1 comanda a separação das barras de 138 kv, para preservar a seção da barra afetada pela falta (vide diagrama anexo). f. Ajustes dos sensores: Relé SEL 351A - Schweitzer TC= 1.600/5 A Tap Fase = 3 A Carga máxima = 960 A 229,5 MVA Instantâneo = Bloq. Temporizador auxiliar = 250 ms. Tap Neutro = 0,8 A Pickup Neutro = 256 A Instantâneo Neutro = Bloq. Temporizador auxiliar Neutro = 250 ms. g. Caráter do esquema: Permanente. h. Lógica do esquema: Fixa. i. Tecnologia empregada: Relés. j. Data da entrada em operação: 28/03/2007. k. Última revisão/motivo: Não houve. l. Data de emissão: 27/02/

69 CTEEP Esquema de Separação de Barras de Bom Jardim 138 kv ECE nº: TR 1 BRP 1 BRP /5 A 24-1 BARRA 1 BARRA 2 50/51 TR5 69

70 1.29 SEP nº: Esquema de separação de barras de SE Mogi-Mirim III 138 kv. a. Esquema de separação de barras de SE Mogi-Mirim III 138 kv. b. Empresa responsável: CTEEP. c. Categoria do esquema: Separação de barras. d. Finalidade: Preservar parte das fontes e cargas na SE Mogi-Mirim III quando de faltas no barramento de 138kV. e. Descrição da lógica de funcionamento: Quando de perturbações envolvendo o barramento 138 kv de Mogi-Mirim III, as proteções de sobrecorrente associada respectivamente ao disjuntor 24-1 comanda a separação das barras de 138 kv, para preservar a seção da barra afetada pela falta (vide diagrama anexo). f. Ajustes dos sensores: 24-1 Relé ZIV 81RV ZIV do Brasil TC= 2.000/5 A Tap Fase = 11,0 A Carga máxima = ,70 MVA Instantâneo = Bloq. Temporizador auxiliar = 250 ms. Tap Neutro = 10,5 A Pickup Neutro = 4200 A Instantâneo Neutro = Bloq. Temporizador auxiliar Neutro = 250 ms Relé ZIV 81RV ZIV do Brasil TC= 1.500/5 A Tap Fase = 18,0 A Carga máxima = ,72 MVA Instantâneo = Bloq. Temporizador auxiliar = 250 ms. Tap Neutro = 13,0 A Pickup Neutro = 4200 A Instantâneo Neutro = Bloq. Temporizador auxiliar Neutro = 250 ms Relé ZIV 81RV ZIV do Brasil TC= 1.500/5 A Tap Fase = 17,0 A Carga máxima = ,01 MVA Instantâneo = Bloq. Temporizador auxiliar = 250 ms. Tap Neutro = 11,0 A Pickup Neutro = 3300 A Instantâneo Neutro = Bloq. Temporizador auxiliar Neutro = 250 ms. 70

71 24-4 Relé ZIV 81RV ZIV do Brasil TC= 1.500/5 A Tap Fase = 16,0 A Carga máxima = ,31 MVA Instantâneo = Bloq. Temporizador auxiliar = 250 ms. Tap Neutro = 16,0 A Pickup Neutro = 4800 A Instantâneo Neutro = Bloq. Temporizador auxiliar Neutro = 250 ms. g. Caráter do esquema: Permanente. h. Lógica do esquema: Fixa. i. Tecnologia empregada: Relés. j. Data da entrada em operação: k. Última revisão/motivo: Não houve. l. Data de emissão: 71

72 CTEEP Esquema de Separação de Barras da SE Mogi-Mirim III 138 kv ECE nº: LIM I MOM II MOG I C2 C2 C2 1500/5A 24-3 TR-2 BR-4A BR-4B 50/51 C2 SJB 50/ /5A LIM C1 1500/5A 50/51 C1 SJB BR-3A 1500/5A 24-2 BR-3B C1 MOG I TR-5 TR-3 50/51 TR-1 C1 MOM II 72

73 1.30 SEP nº: Esquema de separação de barras de SE Sumaré 138 kv. a. Esquema de separação de barras de SE Sumaré 138 kv. b. Empresa responsável: CTEEP c. Categoria do esquema: Separação de barras. d. Finalidade: Preservar parte das fontes e cargas na SE Sumaré quando de faltas no barramento de 138kV. e. Descrição da lógica de funcionamento: Quando de perturbações envolvendo o barramento 138 kv de Sumaré, as proteções de sobrecorrente associada respectivamente ao disjuntor 24-1 comanda a separação das barras de 138 kv, para preservar a seção da barra afetada pela falta (vide diagrama anexo). f. Ajustes dos sensores: Relé ZIV 81RV ZIV do Brasil TC= 1.600/5 A Tap Fase = 23,0 A Carga máxima = 7360 A 1759,20 MVA Instantâneo = Bloq. Temporizador auxiliar = 250 ms. Tap Neutro = 21,0 A Pickup Neutro = 6720 A Instantâneo Neutro = Bloq. Temporizador auxiliar Neutro = 250 ms. g. Caráter do esquema: Permanente. h. Lógica do esquema: Fixa. i. Tecnologia empregada: Relés. j. Data da entrada em operação: k. Última revisão/motivo: Não houve. l. Data de emissão: 73

74 CTEEP Esquema de Separação de Barras da SE Sumaré 138 kv ECE nº: BR 3 BR 4 TR-1 TR kv 440 kv TR kv NAP C 1 C 2 NAP C 3 NAP SAL C 1 C 2 EFA Barra 3 138kV: TR-1, TR-3, Sumaré Nova Aparecida 1, Sumaré Nova Aparecida 3, Sumaré US. Rafard, banco de capacitores 1; Barra 4 138kV: TR-2, Sumaré Nova Aparecida 2, Sumaré Elias Fausto 2, banco de capacitores 2. 74

75 1.31 SEP nº: Esquema de alívio de carga da LT 230 Chavantes - Figueira a. Esquema de alívio de carga da LT 230 Chavantes - Figueira b. Empresa responsável: CTEEP c. Categoria do esquema: Alívio de Carga. d. Finalidade: Evitar que o carregamento da LT 230 kv Chavantes Figueira seja fator limitante para a realização de Intercânbios de 6400 MW, para a perda dupla Ibiúna Bateias. e. Descrição da lógica de funcionamento: Quando a LT 230 kv Chavantes Figueira atingir o carregamento de 708 A, por 5 segundos, grandezas estas monitoradas na SE Chavantes bay Figueira. Nesta condição é enviado um trip para o desligamento na SE Chavantes bay Assis Salto Grande 230 kv. f. Ajustes dos sensores: Relé Micom 123 Sobrecorrente LT 230 kv Chavantes Figueira (Copel) RTC: 800/5 1º Estágio 4,43 A ( 708 A prim) temporização: 5,0 s g. Caráter do esquema: Definitivo. h. Lógica do esquema: Fixa. i. Tecnologia empregada: Relés. j. Data da entrada em operação: 19/07/2009 k. Última revisão/motivo: Não houve. l. Data de emissão: 17/07/

76 CTEEP ECE ALIVIO DE CARGA DA LT 230 kv Chavantes - Figueira ECE nº Assis DJ9 Chavantes Botucatu Piraju Jurumirim Avaré Nova S. Grande 50/OL 708 A Figueira 50 5 s E Trip DJ9 CH ON/OFF 76

77 1.32 SEP nº: Esquema de Alívio de Carregamento da Transformação kv da SE SUL a. Esquema de Alívio de Carregamento da Transformação kv da SE SUL b. Empresa responsável: CTEEP. c. Categoria do esquema: Fechamento da Barra de 88 kv e Bloqueio da Comutação de Tapes. d. Finalidade: Reduzir o montante de sobrecarga esperado na operação do banco remanescente na SE Sul 1 ou Sul 2. e. Descrição da lógica de funcionamento: O automatismo tem a finalidade de, quando da perda de um dos bancos de transformadores, realizar o fechamento dos disjuntores de interligação de barras n 1200 e 1300, a fim de reduzir o montante de sobrecarga esperado na operação do banco remanescente na SE Sul 1 ou Sul 2. O automatismo supervisiona a corrente primária e o estado dos disjuntores primários e secundários dos bancos de transformadores, bem como o estado dos seccionadores associados aos disjuntores 1200 e 1300, interligação das barras de 88 kv. Caso ocorra a indisponibilidade forçada de um dos transformadores de kv na subestação, haverá a atuação automática deste esquema. O automatismo implementado para controle de carregamento desses equipamentos possui as seguintes funcionalidades: 1º Estágio: Fechamento dos disjuntores de interligação de barras nº 1200 e 1300 para paralelizar todos os bancos remanescentes da SE SUL, com as seguintes condições: - para equipamento remanescente com sobrecarga, efetua o fechamento dos disjuntores nº 1200 e 1300, independentemente da posição dos tapes dos bancos de transformadores (existência ou não de corrente de circulação entre estes) e da diferença de tensão entre os barramentos de 88kV, com a finalidade de preservar o equipamento em sobrecarga. - para equipamento remanescente sem sobrecarga, é feito equalização da tensão entre os bancos de transformadores, antes do fechamento dos disjuntores nº 1200 e 1300, levando-se em consideração os valores permitidos máximos de corrente de circulação (diferença máxima de tapes permitida entre os TRs). 2º Estágio: A atuação desse estágio é ocasionada pela falha no comando de fechamento de ambos os disjuntores de interligação de barras (nº 1200 e 1300) ou pela falha no comando de fechamento de um destes disjuntores com verificação de sobrecarga no outro disjuntor, resultando nas seguintes medidas: - Alarme no SSC da CTEEP; - SSC da CTEEP envia sinal para SSC da ELP; - SE SUL-1 SSC da ELP envia comando para fechamento dos seccionadores que interligam as LT 88 kv SUL/SCS C- 1 e C-2 com as LT 88 kv RRF/ADE C-1 e C-2, para possibilitar a transferência de carga da SE SUL-1 para a SE Ramon Reberte Filho. - SE SUL-2 SSC da ELP envia comando para fechamento dos disjuntores das LT 88 kv SUL/CAP C-1 e C-2 na ECH Capuava, para possibilitar a transferência de carga da SE SUL-2 para a SE Leste. - Após tempo consensado entre a CTEEP e ELETROPAULO (alarme SSC CTEEP + envio de sinal para SSC ELP + comando de fechamento de disjuntores ou seccionadores na área da ELP), estabelecido em 30 segundos, é efetuado o comando de abertura na SE SUL-1 ou na SUL-2 dos circuitos que foram transferidos, independente de confirmação de efetivação das ações na área da ELP. 77

78 3º Estágio: A atuação desse estágio do automatismo é ocasionada pela permanência de sobrecarga, mesmo após as medidas realizadas no 2º Estágio, efetuando o comando de abertura dos seguintes circuitos: - SE SUL-1 LT 88 kv Henry Borden / Sul C-1 e C MW de cargas pontuais da ELETROPAULO, com temporização de 0 (zero) segundos; - SE SUL-2 A atuação do 3º estágio na SE SUL-2 não está prevista, devido ao fato do 2º estágio ser suficiente à eliminação da sobrecarga esperada. OBSERVAÇÕES: 1. O disparo do esquema de automatismo será efetivado quando ocorrer o desligamento do disjuntor de alta e/ou disjuntor de baixa dos transformadores com a perda da corrente de carga; 2. Ocorrerá bloqueio do esquema de automatismo quando da falha de informações ou quando o trecho de barra de 88 kv estiver liberado (seccionadores dos disjuntores 1200 ou 1300 abertos); 3. O Esquema de Automatismo é realizado através de Controladores Lógicos Programáveis - CLP (Principal e Retaguarda). 4. Os religamentos automáticos das LT s SUL/SCS C-1 e C-2, SUL/CAP C-1 e C-2 e HB/SUL C-1 e C-2 serão bloqueados quando da atuação do esquema de automatismo com desligamento dos referidos disjuntores das linhas. 78

79 f. Ajustes dos sensores: - Transformadores 1, 2, 3 e Amperes (no lado de 345kV), condicionado à perda de um dos TRs da SE SUL-1 ou SUL-2. - Disjuntores de Interligação de Barras 88 kv (1200 e 1300) 1600 Amperes. g. Caráter do esquema: Definitivo. h. Lógica do esquema: Fixa. i. Tecnologia empregada: CLP (Controlador Lógico Programável). j. Data da entrada em operação: 03/12/2009 k. Última revisão/motivo: Não houve. l. Data de emissão: 19/07/

80 1.33 SEP nº: Esquema de Bloqueio Automático dos LTCs da transformação kv da SE SUL a. Esquema de Bloqueio Automático dos LTCs da transformação kv da SE SUL b. Empresa responsável: CTEEP c. Categoria do esquema: Bloqueio da comutação de Tap d. Finalidade: Evitar o disparo do comutador quando da perda da LT 345 kv SUL BSA. e. Descrição da lógica de funcionamento: O esquema tem a finalidade de, quando da perda da LT 345 kv SUL BSA, realizar o monitoramento da corrente na LT 345 kv SUL EMG e caso a corrente nesta linha mantenhase superior a 1960 A, após 20 s é bloqueado a comutação dos taps nos bancos dos transformadores 345 / 88 kv. f. Ajustes dos sensores: Relé REL 511 Sobrecorrente LT 345 kv Sul Embu Guaçu ; RTC: 2000/5 1º Estágio 98 % In ( 1960 A prim) temporização: 20,0 s g. Caráter do esquema: Definitivo. h. Lógica do esquema: Fixa. i. Tecnologia empregada: Relés. j. Data da entrada em operação: 29/04/2009 k. Última revisão/motivo: Não houve. l. Data de emissão: 17/07/2009 Embu Guaçu 345 kv Baixada Santista 345 kv 1960 A 20s UU 51 Sul 345 kv LTC 4 x 400 MVA 88 kv 80

81 1.34 SEP n Esquema de alívio de carregamento da transformação TR-2, kv, da SE Taubaté a. Esquema de alívio de carregamento da transformação TR-2, kv, da SE Taubaté b. Empresa responsável: CTEEP c. Categoria do esquema: Alívio de Carga d. Finalidade: Aliviar o carregamento do banco de transformadores TR-2 de kv 330 MVA da SE Taubaté, quando da perda dupla da LT 230 kv São José dos Campos Mogi (Furnas) ou do banco de transformadores ATR kv da SE Itapeti. e. Descrição da lógica de funcionamento: A perda dupla da LT 230 kv São José dos Campos Mogi (Furnas) ou a perda do banco de transformadores ATR kv da SE Itapeti poderá acarretar no banco de transformadores TR kv da SE Taubaté uma sobrecarga superior à sua suportabilidade. Tal sobrecarga será detectada através de sensores de corrente, que comandarão a abertura dos disjuntores da LT 230 kv Aparecida Taubaté C1 e C2 na SE Taubaté. A atuação deste ECE na SE Taubaté utiliza o mesmo caminho de desligamento utilizado pelo primeiro estágio do ECE n (Esquema de alívio de carga da LT 230 kv São José dos Campos Mogi Furnas C1 ou C2). Os sensores de corrente encontram-se instalados no painel de proteção do lado de 230 kv do banco de transformadores. Foi instalada uma chave de bloqueio de duas posições para bloqueio/serviço do esquema, identificada como 43- TB. f. Ajustes dos sensores: Relé SEL 351 A da SEL Sobrecorrente Instantâneo Trifásico RTC: A Estágio único 5,06 A - temporização: 3s Máxima corrente: 911 A Máxima potência: 362,8 MVA g. Caráter do esquema: Temporário h. Lógica do esquema: Fixa i. Tecnologia empregada: Relé digital j. Data de entrada em operação: xx/02/2010 k. Última revisão/motivo: Não houve l. Data de emissão: 02/02/

82 82

83 1.35 SEP n Esquema de alívio de carregamento da transformação kv, da SE Oeste a. Esquema de alívio de carregamento da transformação kv, da SE Oeste b. Empresa responsável: CTEEP/CPFL c. Categoria do esquema: Alívio de Carga d. Finalidade: Aliviar o carregamento nos bancos de transformadores kv remanescentes na SE Oeste quando ocorrer sobrecarga acima de 5% nos mesmos, ocasionada pela perda de 01 banco de transformadores. e. Descrição da lógica de funcionamento: A perda de um banco de transformadores kv com carregamento nos bancos remanescentes acima de 105% por um tempo superior a 7 segundos comandará a desligamento de 20 MW de carga via sistema de supervisão da CPFL. Persistindo a sobrecarga serão desligadas um montante adicional de 20 MW após 17 segundos e de 40 MW após 27 segundos.. Havendo falha de comunicação entre os sistemas de supervisão da CTEEP e CPFL, o esquema comandárá a abertura local escalonada dos bays LT 88 kv Represa C1 e C2 em 37 e 47 segundos, respectivamente. Os sensores de corrente encontram-se instalados no painel de proteção do lado de 88 kv do banco de transformadores. Foi instalada uma chave de bloqueio de duas posições para bloqueio/serviço do esquema, identificada como CH-43. f. Ajustes dos sensores: Relé SEL 351 A da SEL Sobrecorrente Instantâneo Trifásico Máxima corrente: 552 A Máxima potência: 420,68 MVA BCO TRANSFORMADORES RTC AJUSTE SECUNDÁRIO TR A 2,30 A TR A 2,30 A TR A 1,38 A g. Caráter do esquema: Temporário h. Lógica do esquema: Fixa i. Tecnologia empregada: Relé digital j. Data de entrada em operação: 21/07/2009 k. Última revisão/motivo: Não houve l. Data de emissão: 19/07/

84 CTEEP SE OESTE - ECE Transformadores 1/2/3 440 kv TR 1 88 kv SOR (105% IN) SOR 2 TR 2 PGO 1 PGO (105% IN) SRO 1 TR 3 SRO 2 REP (105% IN) REP 2 Transformadores 1/2/3 SSC CPFL 50.1 (105% IN) 7 s UTR SSC 1 1º Estágio para CPFL corte de 20 MVA 43 ON/OFF 50.2 (105% IN) 17 s SSC 2 2º Estágio para CPFL corte de 20 MVA 50.3 (105% IN) 27 s SSC 1 3º Estágio parapara CPFL corte de 40 MVA 37 s Desligamento LT REP 1 de 88 kv 47 s Desligamento LT REP 2 de 88 kv 84

85 1.36 SEP n (Bloqueado) - Esquema de controle de carregamento na LT 345 kv Itapeti Mogi (Furnas) C1 e C2 a. Esquema de controle de carregamento na LT 345 kv Itapeti Mogi (Furnas) C1 e C2 b. Empresa responsável: CTEEP c. Categoria do esquema: Alívio de Carga d. Finalidade: Evitar a saída do circuito remanescente da LT 345kV Mogi-Itapeti, quando do desligamento do TR.1 345/230kV de Itapeti. ECE foi implantado de forma provisória, para vigorar durante o período em que as LT 345 kv Itapeti Mogi, C2 e C1 estiverem desligadas, de forma alternadas, para substituição de todos os equipamentos terminais, incluindo TC, Chaves Seccionadoras, Disjuntores, Bobinas de Bloqueio, Filtros de Onda e Pára-Raios. e. Descrição da lógica de funcionamento: A perda do banco de transformadores ATR kv da SE Itapeti, nas circunstância de liberação de um dos circuitos da LT 345 kv Itapeti Mogi, poderá acarretar sobrecarga inadmíssível nos terminais de Furnas do circuito remanescente, que é eliminada com a abertura escalonada de até dois circuitos da LT 345 kv Itapeti Tijuco Preto. Os sensores de corrente encontram-se instalados no painel de proteção do lado de 345 kv do banco de transformadores. Foi instalada uma chave de bloqueio de duas posições para bloqueio/serviço do esquema, identificada como CB-ECE. f. Ajustes dos sensores: Relé SEL 351 A da SEL Sobrecorrente Instantâneo Trifásico RTC: A Ajuste secundário 0,25 A 1º estágio abertura da LT Tijuco Preto circuito C1 em 1 segundo 2º estágio abertura da LT Tijuco Preto circuito C2 em 3 segundo O ECE deverá aproveitar um relé função sobrecorrente instalado na alta do transformador de 345/230 kv 500 MVA da SE Itapeti e deverá ser ajustado para correntes baixas (150 A, equivalente a 90 MVA) g. Caráter do esquema: Temporário h. Lógica do esquema: Fixa i. Tecnologia empregada: Relé digital j. Data de entrada em operação: 17/10/2010 k. Última revisão/motivo: Não houve l. Data de emissão: 15/10/

86 86

87 1.37 SEP n (BLOQUEADO) - Esquema de alívio de carregamento da LT 345 kv Xavantes Bandeirantes C1, C2 e C3 e da transformação kv da SE Bandeirantes a. Esquema de alívio de carregamento da LT 345 kv Xavantes Bandeirantes C1, C2 e C3 e da transformação kv da SE Bandeirantes b. Empresa responsável: CTEEP/ELETROPAULO c. Categoria do esquema: Alívio de Carga d. Finalidade: Reduzir o carregamento nas LT 345 kv Xavantes - Bandeirantes e na transformação de kv da SE Bandeirantes, quando de sobrecarga inadmissível em um destes equipamentos. e. Descrição da lógica de funcionamento: O esquema monitora o fluxo de corrente na LT 345 kv Xavantes - Bandeirantes C1, C2 e C3 e na transformação kv na SE Bandeirantes, identificada por sensores de sobrecorrente. Na ocorrência de carregamentos superiores a 120 % em um dos circuitos da LT 345 kv Xavantes Bandeirantes ou em um dos bancos da transformação kv da SE Bandeirantes o esquema comandará o corte automático de cargas, escalonado em 3 estágios temporizados. 1º Estágio após 3 segundos, permanecendo o carregamento acima de 120% é efetuado o comando de abertura na SE Bandeirantes dos disjuntores das LT 88 kv Bandeirantes / Piratininga C1 e C2 para que ocorra o corte de 270 MW. 2º Estágio após 10 segundos, permanecendo o carregamento acima de 120% o SSC da CTEEP envia sinal para SSC da ELETROPAULO para que ocorra o corte de 115 MW (ETD Embu); 3º Estágio após 30 segundos, permanecendo o carregamento acima de 120% o SSC da CTEEP envia sinal para SSC da ELETROPAULO para que ocorra o corte de 60 MW (ETD Capela); 4º Estágio após 50 segundos, permanecendo o carregamento acima de 120% o SSC da CTEEP envia sinal para SSC da ELETROPAULO para que ocorra o corte de 50 MW (ETD Morumbi); Os sensores de corrente da LT 345 kv Xavantes - Bandeirantes encontram-se instalados no painel de proteção de linha do terminal da SE Bandeirantes. Foi instalada uma chave de bloqueio de duas posições para bloqueio/serviço da parte do esquema relativa ao controle do carregamento da linha, identificada como 43LT. Os sensores de corrente dos bancos de transformadores encontram-se instalados no painel de proteção do lado de 345 kv. Foi instalada uma chave de duas posições para bloqueio/serviço da parte do esquema relativa ao controle do carregamento da transformação kv identificada como 43TR. f. Ajustes dos sensores: LT 345 kv Xavantes Bandeirantes: Circuito RTC Ajuste Primário Ajuste Secundário Máxima Potência C A 1004 A 2,51 A 900 MVA C A 1004 A 2,51 A 900 MVA C A 1004 A 2,51 A 900 MVA 87

88 Banco de Transformadores kv: Banco RTC Ajuste Primário Ajuste Secundário Máxima Potência TR A 803 A 2,68 A 480 MVA TR A 803 A 2,68 A 480 MVA TR A 803 A 2,68 A 480 MVA g. Caráter do esquema: Temporário h. Lógica do esquema: Fixa i. Tecnologia empregada: Relé digital / Sistema de supervisão j. Data de entrada em operação: 08/12/2010 j. Data de saída de operação: 17/02/2012 k. Última revisão/motivo: Revisão na lógica/temporização do ECE em 18/02/2011, conforme solicitação ONS através do FAX ONS , ONS /2011 e ONS-xxxx-300/2011. Solicitação de desativação do esquema devido entrada em operação da SE Piratininga II. l. Data de emissão: 24/11/

89 89

90 1.38 SEP n : (BLOQUEADO) - Esquema para identificação de perda dupla da LT 440 kv Porto Primavera Taquaruçu a. Esquema para identificação de perda dupla da LT 440 kv Porto Primavera Taquaruçu b. Empresa responsável: CTEEP c. Categoria do esquema: Corte de geração d. Finalidade: Implantar melhorias no SEP de corte de geração da UHE Porto Primavera, a partir dos sinais de perda dos circuitos C1 e C2 da LT Porto Primavera Taquaruçu na SE Taquaruçu. e. Descrição da lógica de funcionamento: o SEP de corte de unidades geradoras na UHE Porto Primavera, quando da perda dupla da LT 440 kv Porto Primavera Taquaruçu, circuitos 1 e 2, identificava apenas essa perda dupla por abertura dos disjuntores na SE Porto Primavera, não sendo considerada a abertura através dos terminais remotos na SE Taquaruçu. A ampliação do SEP da UHE Porto Primavera para incluir a identificação da abertura de circuitos na SE Taquaruçu compreende: SE Taquaruçu (responsabilidade CTEEP): Aquisição do estado de todos os disjuntores e seccionadoras dos 02 circuitos para UHE Porto Primavera. Elaboração da lógica de linha aberta, com verificação de consistência. Envio da informação para UHE Porto Primavera através de dois meios redundantes por circuito. SE Porto Primavera (responsabilidade CTEEP): Recebimento dos dois canais redundantes de cada um dos circuitos e implementação de lógica E de recepção redundante. Entrega do sinal de linha aberta de cada circuito em perda dupla da SE Taquaruçu para a PPTE. SE Porto Primavera (responsabilidade PPTE): Recebimento do sinal de linha aberta de cada um dos circuitos, enviados pela CTEEP. Elaboração da lógica E para identificar a Perda Dupla na SE Taquaruçu. Elaboração da lógica E para identificar a Perda Dupla cruzada (C1 em Taquaruçu e C2 em Primavera ou C2 em Taquaruçu e C1 em P. Primavera) Elaboração da lógica OU para paralelar os novos sinais de Perda Dupla vinda da SE Taquaruçu com o sinal de Perda Dupla existente da SE Porto Primavera, através de alteração na programação do CLP. f. Ajustes dos sensores: Não há ajuste de sensores, pois o esquema recebe informação do estado de disjuntores e secionadores dos bay LT 440 kv Porto Primavera Taquaruçu na SE Taquaruçu. g. Caráter do esquema: Permanente h. Lógica do esquema: Fixa i. Tecnologia empregada: Relé 90

91 j. Data de entrada em operação: 15/12/2010 k. Última revisão/motivo: Recomendação contida no Relatório (RE3-129/2010) de Análise de Perturbação ocorrida às 10h28min do dia 23/06/2010 e Ata de Reunião ONS e Agentes de 04/08/2010 (obs.: esquema bloqueado até a conclusão dos serviços sob responsabilidade da PPTE). l. Data de emissão: 24/01/

92 92

93 93

94 Número do SEP Categoria do esquema Alívio de Carga Empresa responsável CTEEP Status Ligado Finalidade Nome Emissão: 05/11/2012 Esquema de controle de carregamento no Transformador 1 345/230kV 500MVA SE Itapeti Região principal SUDESTE Evitar sobrecarga no transformador na situação de ocorrência de perda dupla das LT 345kV Itapeti Mogi Furnas C1 e C2. Nesta situação ocorre sobrecargas na ordem de 150% à 160% no transformador. Conforme solicitação em ata de reunião com o ONS de 16/08/2012. A atuação deste esquema complementa a atuação do Esquema para Redução do Carregamento do Transformador 345/230 kv 1 x 500 MVA da SE Itapeti (SEP FURNAS). Descrição da lógica do funcionamento A perda dupla das LT 345kV Itapeti Mogi Furnas C1 e C2 provoca sobrecarga no transformador 1 da SE Itapeti na ordem de 150% à 160%. Assim o esquema de controle de emergência mede a sobrecarga acima de 120% da capacidade do transformador e efetua a abertura do disjuntor da LT 230kV Itapeti Mogi Furnas na SE Itapeti. Ajuste dos Sensores Relé RET670 UPP da ABB Proteção principal do transformador RTC: A Ajuste do relé 0,75 * Ib (TOC2 step 4 Lado de Baixa) Valor de ajuste primário: 1500 A (120% I nominal do TR) Temporização : 5,0 s Caráter do esquema Lógica do esquema Tecnologia empregada Temporário Fixa Digital Entrada em operação Última revisão 23/08/2012 Não houve Motivo Relatório / Ata Referência Ata de Reunião SEP da Transformação de Itapeti, 16/08/2012. Outras informações Página: 1

REDE DE OPERAÇÃO DO ONS DEMAIS INSTALAÇÕES DA TRANSMISSÃO - DIT CTEEP

REDE DE OPERAÇÃO DO ONS DEMAIS INSTALAÇÕES DA TRANSMISSÃO - DIT CTEEP BANCO DE DADOS DOS SISTEMAS ESPECIAIS DE PROTEÇÃO - SEP REDE DE OPERAÇÃO DO ONS DEMAIS INSTALAÇÕES DA TRANSMISSÃO - DIT CTEEP Revisão: 20 Vigência: 25/01/2011 DIVISÃO DE ANÁLISE DA OPERAÇÃO ESTUDOS DE

Leia mais

1. ECE nº: 1.09.01 - DESATIVADO. 2. Esquema de rejeição de máquinas na Usina de Capivara. 3. Empresa responsável: CTEEP

1. ECE nº: 1.09.01 - DESATIVADO. 2. Esquema de rejeição de máquinas na Usina de Capivara. 3. Empresa responsável: CTEEP REGIÃO SUDESTE 1. ECE nº: 1.09.01 - DESATIVADO 2. Esquema de rejeição de máquinas na Usina de Capivara. 3. Empresa responsável: 4. Categoria do esquema: Corte de geração. 5. Finalidade: Na perda da LT

Leia mais

DPP/GPE -120 < IZPD C1+C2 < 1900 MW; 900 < IZPD + IZCO < 1900 MW; - Janela de tempo de observação de pré-falta =2,0 SEG.

DPP/GPE -120 < IZPD C1+C2 < 1900 MW; 900 < IZPD + IZCO < 1900 MW; - Janela de tempo de observação de pré-falta =2,0 SEG. 1. ECE 7.14.27 ESQUEMA DESABILITADO 2. ESQUEMA DE CONTROLE DE TENSÃO POR ABERTURA DA 3. EMPRESA RESPONSÁVEL: ELETRONORTE. 4. CATEGORIA DO ESQUEMA: Abertura de linhas de transmissão. 5. FINALIDA DE: Este

Leia mais

1. ECE 2.46.01 ( Esquema desabilitado ) 2. Esquema de corte de geração da UHE Itá. 3. Empresa responsável: TRACTEBEL

1. ECE 2.46.01 ( Esquema desabilitado ) 2. Esquema de corte de geração da UHE Itá. 3. Empresa responsável: TRACTEBEL 1. ECE 2.46.01 ( Esquema desabilitado ) 2. Esquema de corte de geração da UHE Itá 3. Empresa responsável: 4. Categoria do esquema: Corte de geração 5. Finalidade: A finalidade deste esquema é evitar que

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 17/04/2006 A 23/04/2006

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 17/04/2006 A 23/04/2006 PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 17/04/2006 A 23/04/2006 RELATÓRIO ONS - 3/107/06 EMITIDO EM: 28/04/2006 PROCESSO: Análise de Perturbações

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

Alívio de cargas. CENTRO-OESTE ELETRONORTE / CEMAT HABILITADO. Permanente Fixa Relés 01/10/1988 01/06/2000 ONS-DPP-XX/2000

Alívio de cargas. CENTRO-OESTE ELETRONORTE / CEMAT HABILITADO. Permanente Fixa Relés 01/10/1988 01/06/2000 ONS-DPP-XX/2000 Número do SEP Categoria do esquema Alívio de cargas. Empresa responsável Nome Emissão: 29/06/2000 6.14.16 Esquema de alívio de carga por subtensão na SE Várzea Grande ELETRONORTE / CEMAT Status HABILITADO

Leia mais

Audiência Pública. 21 de dezembro de 2005

Audiência Pública. 21 de dezembro de 2005 Audiência Pública 21 de dezembro de 2005 Agenda 1. Descrição da Empresa A. Informações Operacionais B. Meio Ambiente e Responsabilidade Social C. A Receita Anual Permitida D. Informações Econômico-Financeiras

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 01/08/2005 A 07/08/2005

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 01/08/2005 A 07/08/2005 PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 01/08/2005 A 07/08/2005 RELATÓRIO ONS - 3/247/05 EMITIDO EM: 12/08/2005 PROCESSO: Análise de Perturbações

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 29/05/2006 A 04/06/2006

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 29/05/2006 A 04/06/2006 PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 29/05/2006 A 04/06/2006 RELATÓRIO ONS - 3/159/06 EMITIDO EM: 08/06/2006 PROCESSO: Análise de Perturbações

Leia mais

SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN NO DIA 10/11/2009 ÀS 22h13min

SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN NO DIA 10/11/2009 ÀS 22h13min PERTURBAÇÃO NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN NO DIA 10/11/2009 ÀS 22h13min Audiência Pública Brasília, 16 de dezembro de 2009 Sumário Condições Operativas no Instante da Perturbação Descrição da Perturbação

Leia mais

Finalidade Evitar a operação das proteções de sobretensão, quando da rejeição da linha sobre o terminal de Campos Novos.

Finalidade Evitar a operação das proteções de sobretensão, quando da rejeição da linha sobre o terminal de Campos Novos. Número do SEP 2.15.01 Categoria do esquema Nome Abertura automática de linha de transmissão. Empresa responsável ELETROSUL Status Habilitado Emissão: 30/07/2000 Esquema de Transferência de Disparo da LT

Leia mais

* R. Real Grandeza, 281 Rio de Janeiro RJ CEP: 22283-900 Fone: (21) 5282188 / fax: (21) 5285576 / e-mail: alfarias@furnas.com.br

* R. Real Grandeza, 281 Rio de Janeiro RJ CEP: 22283-900 Fone: (21) 5282188 / fax: (21) 5285576 / e-mail: alfarias@furnas.com.br GAT/029 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA (GAT) ESQUEMA DE CONTROLE DE EMERGÊNCIAS NA CONFIGURAÇÃO FINAL DO

Leia mais

2. Esquema de Transferência de Disparo da LT AREIA CAMPOS NOVOS 525 kv. 4. Categoria do esquema: Abertura automática de linha de transmissão.

2. Esquema de Transferência de Disparo da LT AREIA CAMPOS NOVOS 525 kv. 4. Categoria do esquema: Abertura automática de linha de transmissão. 1. ECE n : 2.15.01 2. Esquema de Transferência de Disparo da LT AREIA CAMPOS NOVOS 525 kv. 3. Empresa responsável: 4. Categoria do esquema: Abertura automática de linha de transmissão. 5. Finalidade: Evitar

Leia mais

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima*

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* 30 Capítulo VI Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas

Leia mais

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 24/07/2006 A 30/07/2006

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 24/07/2006 A 30/07/2006 PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 24/07/2006 A 30/07/2006 RELATÓRIO ONS - 3/216/06 EMITIDO EM: 04/08/2006 PROCESSO: Análise de Perturbações

Leia mais

Proteção de Subestações de Distribuição Filosofia e Critérios

Proteção de Subestações de Distribuição Filosofia e Critérios Proteção de Subestações de Distribuição Filosofia e Critérios Revisão 03 12/2014 NORMA ND.62 ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Gerência Executiva de Engenharia, Planejamento e

Leia mais

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 19/01/2009 A 25/01/2009

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 19/01/2009 A 25/01/2009 PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 19/01/2009 A 25/01/2009 RELATÓRIO ONS - 3/024/09 EMITIDO EM: 30/01/2009 1 PROCESSO: Anàlise de Perturbações

Leia mais

Estudos para a Licitação da Expansão da Transmissão

Estudos para a Licitação da Expansão da Transmissão Governo Federal Ministério de Minas e Energia Ministro Silas Rondeau Cavalcante Silva Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético Márcio Pereira Zimmermann Diretor do Departamento de Planejamento

Leia mais

5- Finalidade: Corte automático de carga por subfreqüência para equilibrar carga e geração diante de contingências no sistema interligado.

5- Finalidade: Corte automático de carga por subfreqüência para equilibrar carga e geração diante de contingências no sistema interligado. 1- ECE nº: 2.04.01 2- Esquema regional de alívio de carga - ERAC 3- Empresa responsável:. 4- Categoria do esquema: Corte de carga. 5- Finalidade: Corte automático de carga por subfreqüência para equilibrar

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO MOMENTÂNEO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 26/09/2005 A 02/10/2005

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 26/09/2005 A 02/10/2005 PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 26/09/2005 A 02/10/2005 RELATÓRIO ONS - 3/314/05 EMITIDO EM: 07/10/2005 PROCESSO: Análise de Perturbações

Leia mais

APROVEITAMENT O (SIM, NÃO, PARCIAL) Id INSTITUIÇÃO ITEM TEXTO (ANEEL) TEXTO (INSTITUIÇÃO) JUSTIFICATIVA (INSTITUIÇÃO) JUSTIFICATIVA DA ANEEL

APROVEITAMENT O (SIM, NÃO, PARCIAL) Id INSTITUIÇÃO ITEM TEXTO (ANEEL) TEXTO (INSTITUIÇÃO) JUSTIFICATIVA (INSTITUIÇÃO) JUSTIFICATIVA DA ANEEL Id INSTITUIÇÃO ITEM TEXTO (ANEEL) TEXTO (INSTITUIÇÃO) JUSTIFICATIVA (INSTITUIÇÃO) APROVEITAMENT O (SIM, NÃO, PARCIAL) JUSTIFICATIVA DA ANEEL 1 Transirapé I.13 Prazo para implantação após publicação Res.

Leia mais

PLANTA DA ULBRA USINA DE CANOAS /RS ESTUDO DE CURTO E SELETIVIDADE ORDEM DE COMPRA 210779

PLANTA DA ULBRA USINA DE CANOAS /RS ESTUDO DE CURTO E SELETIVIDADE ORDEM DE COMPRA 210779 RELATÓRIO DO ESTUDO DE CURTO CIRCUITO E DA PLANTA DA ULBRA - PARTE 1 CONFORME SOLICITAÇÃO DA ORDEM DE COMPRA STEMAC - 210779 EMITIDA EM 01/03/2007. REVISÃO 1 19/04/2007 Introdução. O presente documento

Leia mais

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 12/11/2007 A 18/11/2007

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 12/11/2007 A 18/11/2007 PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 12/11/2007 A 18/11/2007 RELATÓRIO ONS - 3/255/07 EMITIDO EM: 28/11/2007 1 PROCESSO: Análise de Perturbações

Leia mais

I - OBJETIVOS... 8 II - METODOLOGIA E ABRANGÊNCIA... 8 III - INFORMAÇÕES DA FISCALIZAÇÃO... 8

I - OBJETIVOS... 8 II - METODOLOGIA E ABRANGÊNCIA... 8 III - INFORMAÇÕES DA FISCALIZAÇÃO... 8 SUMÁRIO I - OBJETIVOS... 8 II - METODOLOGIA E ABRANGÊNCIA... 8 III - INFORMAÇÕES DA FISCALIZAÇÃO... 8 IV - INFORMAÇÕES DO AGENTE... 8 1. C.1 - ASPECTOS TÉCNICOS OPERACIONAIS... 9 1.1 BLECAUTE DO DIA 10

Leia mais

RESTRIÇÕES AOS INTERCÂMBIOS ENTRE OS SUBMERCADOS

RESTRIÇÕES AOS INTERCÂMBIOS ENTRE OS SUBMERCADOS RESTRIÇÕES AOS INTERCÂMBIOS ENTRE OS SUBMERCADOS (Revisão 1) Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua da Quitanda, 196 - Centro 20091-005 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 2203-9400 Fax (+21) 2203-9444 2012/ONS

Leia mais

Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL)

Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) 52 Apoio Automação de subestações Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A instalação de relés microprocessados em indústrias tornou-se

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO BAY MÓVEL SEM INTERRUPÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE MOCÓCA

UTILIZAÇÃO DO BAY MÓVEL SEM INTERRUPÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE MOCÓCA UTILIZAÇÃO DO BAY MÓVEL SEM INTERRUPÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE MOCÓCA Carlos Francisco dos Santos e Souza Coordenador csouza@cteep.com.br Edson Luiz Giuntini Técnico Sênior de Subestações egiuntini@cteep.com.br

Leia mais

II JORNADAS TÉCNICAS DE OPERACIÓN Y MANTENIMIENTO DE SISTEMAS DE TRANSMISIÓN

II JORNADAS TÉCNICAS DE OPERACIÓN Y MANTENIMIENTO DE SISTEMAS DE TRANSMISIÓN II JORNADAS TÉCNICAS DE OPERACIÓN Y MANTENIMIENTO DE SISTEMAS DE TRANSMISIÓN UMA PROPOSTA DE MELHORIA DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DO CIRCUITO DE CORRENTE CONTINUA DE SUBESTAÇÕES FRANCISCO JOSÉ BORGES DE

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS INTELIGENTES A6. Dispositivos Eletrônicos Inteligentes IED s (Relés Microprocessados) A6.1 Introdução Esta especificação técnica tem como objetivo estabelecer

Leia mais

ESQUEMAS DE CONTROLE DE SEGURANÇA APLICADOS À OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL. Priscilla de Castro Guarini

ESQUEMAS DE CONTROLE DE SEGURANÇA APLICADOS À OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL. Priscilla de Castro Guarini ESQUEMAS DE CONTROLE DE SEGURANÇA APLICADOS À OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL Priscilla de Castro Guarini PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA ESCOLA POLITÉCNICA

Leia mais

Tabela de Funções Ansi

Tabela de Funções Ansi Tabela de Funções Ansi A ANSI visando a padronização dos códigos das funções de proteções, criou uma tabela de códigos com das funções de proteção. Na verdade, esta tabela veio da ASA e posteriormente

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 10/12/2007 A 16/12/2007

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 10/12/2007 A 16/12/2007 PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 10/12/2007 A 16/12/2007 RELATÓRIO ONS - 3/271/07 EMITIDO EM: 26/12/2007 1 PROCESSO: Análise de Perturbações

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO PERMANENTE SUMÁRIO 1.INTRODUÇÃO...

Leia mais

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Eng. Fernando Azevedo COPEL Distribuição Eng. Henrique Florido Filho - Pextron 1 A Copel Companhia Paranaense de Energia,

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 13/10/2008 A 19/10/2008

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 13/10/2008 A 19/10/2008 PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 13/10/2008 A 19/10/2008 RELATÓRIO ONS - 3/221/08 EMITIDO EM: 24/10/2008 1 PROCESSO: Análise de Perturbações

Leia mais

Submódulo 2.6. Requisitos mínimos para os sistemas de proteção e de telecomunicações

Submódulo 2.6. Requisitos mínimos para os sistemas de proteção e de telecomunicações Submódulo 2.6 Requisitos mínimos para os sistemas de proteção e de telecomunicações Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0.0 Este documento foi

Leia mais

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa.

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa. O SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO, COM OPERAÇÃO Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PCI.00.05 1/9 Primeira 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios e requisitos necessários

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS DA SE PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA COMPONENTES SUBESTAÇÕES OBJETIVOS Apresentar os principais equipamentos

Leia mais

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 04/06/2007 A 10/06/2007

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 04/06/2007 A 10/06/2007 PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 04/06/2007 A 10/06/2007 RELATÓRIO ONS - 3/124/07 EMITIDO EM: 15/06/2007 1 PROCESSO: Análise de Perturbações

Leia mais

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA.

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA. Nr Denominação 1 Elemento Principal 2 Relé de partida ou fechamento temporizado 3 Relé de verificação ou interbloqueio 4 Contator principal 5 Dispositivo de interrupção 6 Disjuntor de partida 7 Relé de

Leia mais

REQUISITOS DE COMISSIONAMENTO. O Programa de Atuações deverá conter no mínimo as seguintes verificações, onde aplicável:

REQUISITOS DE COMISSIONAMENTO. O Programa de Atuações deverá conter no mínimo as seguintes verificações, onde aplicável: REQUISITOS DE COMISSIONAMENTO Deverá ser elaborado um Programa de Atuações para o comissionamento das subestações que será aprovado pela Cemig. O Programa de Atuações deverá conter no mínimo as seguintes

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

DPP/GPE. Janela : 51-52 Hz - Corta a segunda máquina

DPP/GPE. Janela : 51-52 Hz - Corta a segunda máquina DPP/GP BANCO D DADOS D SISTMAS SPCIAIS D PROTÇÃO Relatório ONS R 3/04/004 SISTMA ITAIPÚ - C n o : 3.47.0 - squema de corte de geração em Itaipu 50Hz, quando de bloqueio de 4 ou mais conversores do lo CC,

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO RF-ETIM-01/2010-SFE

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO RF-ETIM-01/2010-SFE RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO RF-ETIM-01/2010-SFE I OBJETIVOS Verificar o desempenho da concessionária Expansion Transmissão Itumbiara Marimbondo S/A ETIM em face do blecaute do dia 10 de novembro de 2009,

Leia mais

Análise de Atuações de Proteção Diferencial em Geradores Síncronos. Santos-SP, 2 de Outubro de 2014 Engº Alan de Sousa e Silva

Análise de Atuações de Proteção Diferencial em Geradores Síncronos. Santos-SP, 2 de Outubro de 2014 Engº Alan de Sousa e Silva Análise de Atuações de Proteção Diferencial em Geradores Síncronos Santos-SP, 2 de Outubro de 2014 Engº RESUMO Abordagem de conceitos teóricos e básicos em relação à proteção diferencial e suas aplicações

Leia mais

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA.

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA. COMO CRIAR UM ELEMENTO DE DETECÇÃO DE ARCO VOLTAICO RÁPIDO E SELETIVO, UTILIZANDO ELEMENTOS DE SOBRECORRENTE E INTENSIDADE LUMINOSA Eduardo Zanirato / Geraldo Rocha Resumo - O guia apresenta a lógica para

Leia mais

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Filippe Pereira Dolgoff Engenheiro de Aplicação Produtos e Sistema de Baixa Tensão ABB 1 INTRODUÇÃO Um sistema elétrico

Leia mais

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Subestações Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Parte de um sistema de potência, concentrada em um dado local, compreendendo primordialmente as extremidades de linhas de transmissão

Leia mais

ECS DA ÁREA RIO DE JANEIRO E ESPIRITO SANTO - DEFINIÇÃO DAS LÓGICAS RELATÓRIO DE IMPLANTAÇÃO

ECS DA ÁREA RIO DE JANEIRO E ESPIRITO SANTO - DEFINIÇÃO DAS LÓGICAS RELATÓRIO DE IMPLANTAÇÃO ECS DA ÁREA RIO DE JANEIRO E ESPIRITO SANTO - DEFINIÇÃO DAS LÓGICAS RELATÓRIO DE REVISÃO 1: MAIO/2006 REVISÃO 2: DEZEMBRO/2006 REVISÃO 3: ABRIL/2007 REVISÃO 4: SETEMBRO/2007 REVISÃO 5: DEZEMBRO/2009 REVISÃO

Leia mais

ESCLARECIMENTO Nº 03

ESCLARECIMENTO Nº 03 PE.GCM.A.00130.2013 1/30 ESCLARECIMENTO Nº 03 FURNAS Centrais Elétricas S.A. comunica resposta ao pedido de esclarecimento sobre o Edital, efetuado por empresa interessada: 1. GERAL Entendemos que os Relés

Leia mais

Relé de proteção do diferencial 865

Relé de proteção do diferencial 865 Relé de proteção do diferencial 865 Para a proteção do diferencial de motores, transformadores e geradores Boletim 865, Série A Guia de especificações Sumário Página de descrição da seção 1.0 Características

Leia mais

Manual de Parametrização pela IHM

Manual de Parametrização pela IHM Manual de Parametrização pela IHM Liberando acesso para modo de parametrização Pressione o botão para aparecer à seguinte tela: A senha de fábrica é: 0000 Caso tenha alterado a senha, coloque a senha atual.

Leia mais

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações 54 Capítulo IX Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição A operação do sistema elétrico de potência é extremante dependente das informações de estados,

Leia mais

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 Solução da Elipse Software apresenta rápida integração com os equipamentos da subestação localizada em

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

PRIMERAS JORNADAS REGIONALES DE CALIDAD DE ENERGÍA 2006 8 y 9 de Setiembre de 2006 - Uruguai

PRIMERAS JORNADAS REGIONALES DE CALIDAD DE ENERGÍA 2006 8 y 9 de Setiembre de 2006 - Uruguai PRIMERAS JORNADAS REGIONALES DE CALIDAD DE ENERGÍA 2006 8 y 9 de Setiembre de 2006 - Uruguai CONEXÃO DE GERADORES COM O SISTEMA ELÉTRICO DE DISTRIBUIÇÃO Senne, E. F.; CPFL Energia; flausino@cpfl.com.br;

Leia mais

PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ

PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ Autores: Aguinaldo Lima de Moraes Jr. José Natalino Bezerra Luiz Tomohide Sinzato CESP - Companhia Energética

Leia mais

UERJ / MARTE ENGENHARIA LTDA. Av. Rio Branco, 251 14º Andar, CEP 20.040-009 Rio de Janeiro RJ Tel./Fax.: (021) 524-3401, e-mail : dproj@marteng.com.

UERJ / MARTE ENGENHARIA LTDA. Av. Rio Branco, 251 14º Andar, CEP 20.040-009 Rio de Janeiro RJ Tel./Fax.: (021) 524-3401, e-mail : dproj@marteng.com. GPC / 21 17 a 22 de Outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO V PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE DE SISTEMAS DE POTÊNCIA - (GPC) PROTEÇÃO E CONTROLE DIGITAIS DA SUBESTAÇÃO DE 230 KV DA USINA TERMELÉTRICA

Leia mais

INSTRUMENTOS PARA TESTES ELÉTRICOS Tutorial de Teste. Funções: 50 ou PIOC sobrecorrente instantâneo e 51 ou PTOC sobrecorrente temporizado

INSTRUMENTOS PARA TESTES ELÉTRICOS Tutorial de Teste. Funções: 50 ou PIOC sobrecorrente instantâneo e 51 ou PTOC sobrecorrente temporizado Tutorial de Teste Tipo de Equipamento: Relé de Proteção Marca: Schneider Modelo: SEPAM T87 Funções: 50 ou PIOC sobrecorrente instantâneo e 51 ou PTOC sobrecorrente temporizado Ferramenta Utilizada: CE-6006

Leia mais

O PROCESSO DE RECOMPOSIÇÃO DAS CARGAS APÓS GRANDES PERTURBAÇÕES: UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO CONTINUADO. ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico

O PROCESSO DE RECOMPOSIÇÃO DAS CARGAS APÓS GRANDES PERTURBAÇÕES: UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO CONTINUADO. ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GOP - 31 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP O PROCESSO DE

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Workshop Etapa BRASÍLIA CEB CEB 01 UPS 150 kva IGBT/IGBT BASEADO NAS INFORMAÇÕES DO DIAGRAMA UNIFILAR APRESENTADO, DEFINIR: 1 - Corrente nominal

Leia mais

ANEXO II CONSOLIDAÇÃO DE OBRAS DE TRANSMISSÃO 2015 REDE BÁSICA E DIT

ANEXO II CONSOLIDAÇÃO DE OBRAS DE TRANSMISSÃO 2015 REDE BÁSICA E DIT PROPOSTAS PARA MELHORIA DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES ESTRATÉGICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - AVALIAÇÃO DOS ASPECTOS RELACIONADOS AOS ARRANJOS DE BARRAMENTOS ANEXO II COLIDAÇÃO DE OBRAS DE TRANSMISSÃO

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA GPC

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA GPC SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPC 01 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA

Leia mais

ESTUDO DE PROTEÇÃO METODOLOGIA DE CÁLCULO. SUBESTAÇÕES DE 15kV

ESTUDO DE PROTEÇÃO METODOLOGIA DE CÁLCULO. SUBESTAÇÕES DE 15kV ESTUDO DE PROTEÇÃO METODOLOGA DE CÁLCULO SUBESTAÇÕES DE 5kV Elaborado por Carlos Alberto Oliveira Júnior Maio 26 ÍNDCE. Obtenção dos dados...2.. Documentos necessários...2.2. Dados necessários...2 2. Cálculo

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 0 NOTA TÉCNICA 6.005 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Função de automatismo: pesquisa de terras resistentes Especificação funcional Elaboração: INTS, ICTS, ISTS e DNT Homologação: conforme despacho CA de 2007-02-13

Leia mais

Curriculum Vitae. Jorge Mitsuhiro Oura

Curriculum Vitae. Jorge Mitsuhiro Oura Jorge Mitsuhiro Oura Abril/2010 Sobrenome: Oura RG: 4.193.542 Emissão: SSP SP - Brasil Data nascimento: 23/01/1949 Nome: Jorge Mitsuhiro Nacionalidade: brasileira Sexo: masculino 1. Situação profissional

Leia mais

CARLOS ROBERTO SUTTER

CARLOS ROBERTO SUTTER CARLOS ROBERTO SUTTER CREA-RJ.: xxxxx Engenheiro Eletricista - UFRJ, 1971. Idiomas: Inglês Cursos e Aperfeiçoamento Máquinas Elétricas -por Edward T. metcalf, PROMON, Rio de Janeiro, 1978, 1979 Congressos

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4ª 13/08/2007 Inclusão dos itens 4.9, 4.10 e substituição do ANEXO III e IV.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4ª 13/08/2007 Inclusão dos itens 4.9, 4.10 e substituição do ANEXO III e IV. Paralelismo Momentâneo de Gerador com o Sistema de Distribuição, com Processo Atendimento aos Clientes Atividade Código Edição Data SM01.00-00.007 7ª Folha 1 DE 15 21/07/2010 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Solução Integrada para Instalações em Alvenaria O kit de entrada em média tensão VBWK

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA GPC

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA GPC SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPC 07 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 001/2011 SENAI-DR-RN/CTGÁS-ER PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. CARGO: INSTRUTOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIAS I Nível O

PROCESSO SELETIVO 001/2011 SENAI-DR-RN/CTGÁS-ER PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. CARGO: INSTRUTOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIAS I Nível O 2 PROCESSO SELETIVO 001/2011 SENAI-DR-RN/CTGÁS-ER PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CARGO: INSTRUTOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIAS I Nível O CÓDIGO DO CARGO/VAGA: V0013 1) Considere um transformador

Leia mais

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Paralelismo Momentâneo de Gerador com o Sistema de Distribuição com Processo Atividade Realizar Novas Ligações Executar Ligação AT Código Edição Data SM04.08-00.005 2ª Folha 1 DE 10 11/11/2010 HISTÓRICO

Leia mais

Área de Transmissão Divisão de Manutenção de Transmissão Departamento de Manutenção de Santa Maria

Área de Transmissão Divisão de Manutenção de Transmissão Departamento de Manutenção de Santa Maria PROJETO BÁSICO 1. OBJETO: Prestação de Serviços por empresa de engenharia especializada para elaboração de projetos e execução de serviços, com fornecimento parcial de materiais, para substituição de 04

Leia mais

Manual do instalador Box Output AC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output AC.

Manual do instalador Box Output AC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output AC. Pág. 1/10 Apresentação Equipamento para acionamento de cargas em corrente alternada 110/220V. Comunicação com outros dispositivos por rede CAN. 6 entradas digitais para acionamento local ou remoto. 6 entradas/saídas

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

SUBESTAÇÃO TIPOS DE SUBESTAÇÕES

SUBESTAÇÃO TIPOS DE SUBESTAÇÕES SUBESTAÇÃO Uma subestação elétrica é um grupamento de equipamentos elétricos com a finalidade de dirigir o fluxo de energia elétrica num sistema de potência e de possibilitar a operação segura do sistema,

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-104/2010 R-03

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-104/2010 R-03 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA /2010 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica R substitui a R02 e visa estabelecer instruções técnicas para

Leia mais

Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I

Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I Prof. Eng. José Ferreira Neto ALLPAI Engenharia Out/14 Parte 1 -Conceitos O Sistema Elétrico e as Subestações Efeitos Elétricos

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO FÓRUM DA COMARCA DE UBERABA AV. MARANHÃO COM AV. CORONEL ANTÔNIO RIOS, S/N B. UNIVERSITÁRIO

CONSTRUÇÃO DO FÓRUM DA COMARCA DE UBERABA AV. MARANHÃO COM AV. CORONEL ANTÔNIO RIOS, S/N B. UNIVERSITÁRIO CONSTRUÇÃO DO FÓRUM DA COMARCA DE UBERABA AV. MARANHÃO COM AV. CORONEL ANTÔNIO RIOS, S/N B. UNIVERSITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO DA SUBESTAÇÃO ELÉTRICA ELÉTRICO-SUBESTAÇÃO ABRIGADA 2MVA 1/6 NOVO FÓRUM DA

Leia mais

FERRAMENTA DE SUPORTE AO ENSINO EM PROTEÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA.

FERRAMENTA DE SUPORTE AO ENSINO EM PROTEÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA. FERRAMENTA DE SUPORTE AO ENSINO EM PROTEÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA. Anderson Tadeu Soares de Paiva andersonnpaiva@hotmail.com Universidade Federal do Ceará, Departamento de Engenharia Elétrica

Leia mais

GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA - GPC

GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA - GPC SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPC - 26 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA

Leia mais

Proteção da Interconexão de Cogeradores em Paralelo com o Sistema de Distribuição da CPFL

Proteção da Interconexão de Cogeradores em Paralelo com o Sistema de Distribuição da CPFL XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Proteção da Interconexão de Cogeradores em Paralelo com o Sistema de Distribuição

Leia mais

GRUPO XIII INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA GCQ

GRUPO XIII INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA GCQ SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 19 a 24 Outubro de 2003 Uberlândia - Minas Gerais GRUPO XIII INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO 1 DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO Durante um curto-circuito, surge uma corrente de elevada intensidade

Leia mais

Monitor de Temperatura M96

Monitor de Temperatura M96 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura M96 foi desenvolvido para supervisionar até 8 (oito) canais de temperatura simultaneamente, ele é utilizado para proteger

Leia mais

ID 3.020 Critérios de Aplicação de Sistemas de Proteção de Redes de Distribuição Aérea em Tensão Primária

ID 3.020 Critérios de Aplicação de Sistemas de Proteção de Redes de Distribuição Aérea em Tensão Primária ID 3.020 Critérios de Aplicação de Sistemas de Proteção de Redes de Distribuição Aérea em Tensão Primária Elaborado por: Eng. Dener Pioli Gerencia de Engenharia de Automação e Proteção Aprovado por: Sergio

Leia mais

DIRETRIZES PARA A OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL (SIN) DURANTE A COPA DO MUNDO FIFA 2014

DIRETRIZES PARA A OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL (SIN) DURANTE A COPA DO MUNDO FIFA 2014 DIRETRIZES PARA A OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL (SIN) DURANTE A COPA DO MUNDO FIFA 2014 Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua Júlio do Carmo, 251 Cidade Nova 20211-160 Rio de Janeiro RJ

Leia mais

Plano de Ampliações e Reforços na Rede Básica. Período 2001-2003. Endereço na Internet: http://www.ons.org.br

Plano de Ampliações e Reforços na Rede Básica. Período 2001-2003. Endereço na Internet: http://www.ons.org.br Plano de Ampliações e Reforços na Rede Básica Período 2001-2003 Endereço na Internet: http://www.ons.org.br ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 4 1.1 Conceitos 5 2 ANÁLISE GERAL DAS CONDIÇÕES DE ATENDIMENTO DO SISTEMA

Leia mais

INTERLIGAÇÃO DAS BARRAS DE GARABI 1 E GARABI 2, TESTES REAIS E CONSEQUÊNCIAS PARA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA

INTERLIGAÇÃO DAS BARRAS DE GARABI 1 E GARABI 2, TESTES REAIS E CONSEQUÊNCIAS PARA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA INTERLIGAÇÃO DAS BARRAS DE GARABI 1 E GARABI 2, TESTES REAIS E CONSEQUÊNCIAS PARA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA Equipe de Proteção e Controle - Garabi DIEGO ROBERTO MORAIS, DR. ENG. CONHECENDO O GRUPO

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 19 NOTA TÉCNICA 6.010 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR SECUNDÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

DESAFIOS DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL COM O AUMENTO DAS FONTES RENOVÁVEIS INTERMITENTES. Abril/2014

DESAFIOS DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL COM O AUMENTO DAS FONTES RENOVÁVEIS INTERMITENTES. Abril/2014 DESAFIOS DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL COM O AUMENTO DAS FONTES RENOVÁVEIS INTERMITENTES Abril/2014 Dificuldades no Processo de Implantação dos Empreendimentos de Transmissão

Leia mais